Você está na página 1de 25

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/327890828

CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA AS


REPERCUSSÕES PLUVIAIS E OS MOVIMENTOS DE MASSA NA PORÇÃO LESTE
DA BAÍA DE GUANABARA: ESTUDO DE CASO DE SÃO GONÇALO-RJ.

Chapter · September 2012

CITATIONS READS

0 6

3 authors, including:

Ana Valéria Freire Allemao Bertolino Edson Fialho


Rio de Janeiro State University Universidade Federal de Viçosa (UFV)
22 PUBLICATIONS   56 CITATIONS    96 PUBLICATIONS   98 CITATIONS   

SEE PROFILE SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Variability and climate change View project

O ENSINO DE CLIMATOLOGIA NOS LIVROS DIDÁTICOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICÍPAIS E ESTADUAIS DE VIÇOSA -MG View project

All content following this page was uploaded by Edson Fialho on 26 September 2018.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.
AS REPERCUSSÕES PLUVIAIS E OS MOVIMENTOS DE MASSA NA
PORÇÃO LESTE DA BAÍA DE GUANABARA: ESTUDO DE CASO DE
SÃO GONÇALO - RJ

ANA VALÉRIA FREIRE ALLEMÃO BERTOLINO


EDSON SOARES FIALHO
EBERVAL MARCHIORO
ÉRIKA CARDOSO DA SILVA BAPTISTA

INTRODUÇÃO

Nas últimas décadas, os problemas ambientais urbanos têm sido acelerados pelas
ações antrópica, como por exemplo, o uso e ocupação desordenada das encostas,
corroborando de forma imediata para perda de bens materiais e vidas humanas (PINGUELLI
ROSA; LACERDA, 1997, 1997).
Dentre os vários problemas ambientais urbanos que afetam o Brasil, podem-se
destacar os movimentos de massa. Os movimentos de massa são fenômenos naturais que
estão associados à evolução do relevo e apresentam grande importância no Brasil, pois devido
às suas condições climáticas, chuvas intensas no verão e, geomorfológicas, com grandes
maciços montanhosos, está muito susceptível a ocorrências dos mesmos (GUIMARÃES et
al., 2008).
O movimento de massa consiste no deslocamento de materiais sólidos e/ou viscosos ao
longo de uma vertente. A mobilização de material deve-se à sua condição de instabilidade e o
deslocamento de material ocorre em diferentes escalas espaciais e temporais, variando de
rastejamentos a movimentos muito rápidos (FERNANDES; AMARAL, 1996).
Segundo Guidicini e Nieble (1976), os movimentos de massa ou movimentos coletivos
de solos e de rochas têm sido objeto de amplos estudos nas mais diversas latitudes, não
apenas por sua importância como agentes atuantes na evolução das formas de relevo, mas
também em função de suas implicações práticas e importância do ponto de vista das
consequências a que a sociedade está sujeita com a existência deles. Dentre as várias formas e
processos de movimentos de massa, destacam-se os deslizamentos nas encostas, em função da
sua grande persistência e interferência nas atividades do homem, da extrema variância de sua
escala, da complexidade de causas e mecanismos, além da variabilidade de materiais
envolvidos (FERNANDES; AMARAL, 1996).
Diversos fatores podem afetar a estabilidade das encostas, tais como: as características
lito-estruturais do embasamento rochoso, o gradiente da encosta e a forma da encosta

233
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA
(SELBY, 1982 e SIDLE et al., 1985), as propriedades físicas e mineralógicas dos solos, a
intensidade da chuva e umidade antecedente (VARGAS JR.et al., 1985 e MONTGOMERY et
al., 1997) e a presença ou não da vegetação (GREENWAY, 1987). Esses fatores, associados à
ação antrópica, tornam o entendimento dos movimentos de massa um assunto extremamente
complexo.
Segundo Selby (1993), dentre os critérios geralmente utilizados para a diferenciação
dos movimentos de massa destacam-se o tipo de material, a velocidade e o mecanismo do
movimento, o modo de deformação, a geometria da massa movimentada e o conteúdo de
água.
De acordo com divisões e classificações dos movimentos de massa, baseados em
Varnes (1978), Guidicini e Nieble (1984) e IPT (1991), há quatro tipos: corridas, quedas,
rastejos e escorregamentos. Este último pode ser subdividido em rotacionais e translacionais.
Segundo Guidicine e Nieble (1984) e IPT (1991), os escorregamentos rotacionais apresentam
uma superfície de ruptura curva, côncava, que desloca normalmente uma grande quantidade
de material de forma rotacional. Este tipo de escorregamento está relacionado a regiões com
formações de pacotes de solos bem desenvolvidos. Os escorregamentos translacionais são
caracterizados por apresentarem um plano de ruptura abrupto, bem definido, planar, e por
serem movimentos de curta duração. As quedas de blocos estão associadas a quedas de rocha
ou solo, sendo movimentos rápidos, em queda livre pela ação da gravidade e, típicos de áreas
muito íngremes, estando associados à presença de fraturas nas rochas ou a um desgaste na
base da encosta.
Existe, na atualidade, uma diversidade de metodologias aplicadas aos estudos de
movimentos de massa, tais como inventários de cicatrizes, análises estatísticas de correlação,
mapa de riscos e modelagem determinística, que utilizam modelos matemáticos.
A modelagem matemática vem se tornando ao longo dos últimos anos uma importante
ferramenta de análise teórica e experimental nas mais diversas áreas do conhecimento
(FERNANDES, 2001; GUIMARÃES et al., 2003, GOMES, 2005; GUIMARÃES et al.,
2008). Trabalho conduzido por Guimarães et al. (2009), utilizando o modelo Shalstab,
permitiu verificar as áreas susceptíveis aos escorregamentos associados à condição de
precipitação diária no Parque da Serra dos Órgãos, no Rio de Janeiro, evidenciando o papel
desse elemento climático sobre esse importante agente morfogenético da paisagem.
Entendendo então, que a precipitação pluvial é um importante agente deflagrador dos
movimentos de massa no ambiente Tropical quente e úmido, tal como onde está a maior parte

234
CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.
do território brasileiro e o Sudeste, o estudo da relação entre a precipitação e os movimentos
de massa de uma determinada região gera a possibilidade de planejamento, sobretudo
ambiental, a partir da observação da variabilidade atmosférica. Intrinsecamente relacionado a
isto, observa-se o agravamento de problemas socioambientais, uma vez que estes sejam
gerados pela falta de um melhor gerenciamento ao nível dos municípios (FIALHO et al.,
2005), tendo em vista que nem sempre existem instrumentos adequados para tal
caracterização.
Em função da necessidade de análise envolvendo a relação entre movimentos de
massa e precipitação pluvial, este trabalho consiste na exploração e compreensão da dinâmica
pluviométrica do município de São Gonçalo, situado na Região Metropolitana do Estado do
Rio de Janeiro e sua relação com os movimentos de massa na região.

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA

Os estudos foram desenvolvidos no município de São Gonçalo (Figura 1), localizado


no Estado do Rio de Janeiro. A cidade de São Gonçalo, situada a 30 km da capital, com uma
população de aproximadamente 1 milhão de habitantes distribuídos em uma área total de 249
km2, tendo como limite, a Norte e a Leste, o município de Itaboraí, a Sudeste, o município de
Maricá, a Sul, o município de Niterói e a Oeste, a Baía de Guanabara. A área do município é
drenada por oito bacias e três sub-bacias, assim denominadas: Bacia do rio bomba, rio
Brandoas, rio Marimbondo, rio Imboaçu, rio das pedrinhas, rio Alcântara e sub-bacias do rio
Guaxindiba, do rio Goiana, do rio Aldeia e Canal Porto do Rosa.

Figura 1 - Localização do município de São Gonçalo e da Estação Meteorológica Urbana do


DGEO/FFP.

235
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA
Estudos de mapeamentos geológicos na região foram realizados pelo DRM (1979 e
1981) e por Meis (1976), Meis e Amador (1974 e 1977), Monteiro et al. (1974) e Ferrari
(2001).
A área de estudo está inserida na folha cartográfica Baía de Guanabara que compõe
juntamente com as folhas de Maricá, Itaboraí e Petrópolis, domínios geológicos do
Quaternário, Terciário, Mesozoico e Pré-Cambriano.
Os domínios geológicos que possuem maior representatividade na região são
formações do Pré-Cambriano, dentre elas destacam-se duas unidades: a) pEIIgf – Unidade
Gnaisse Facoidal – compreende (granada) biotia – plagioclásio – K feldspatos, gnaisses
homegêneos, com características estruturais semioftálmicas (gnaisse facoidal e semifacoidal).
Presença rara de lentes de leptinitos e rochas da suíte charnokítica. Contatos transicionais para
a Unidade Cassorotiba e b) pEIIcs – Unidade Cassorotiba – compreende (granada) – biotita-
plagioclásio – K feldspato ganisses homogêneos, dominantemente porfiroblásticos e com
estrutura nebulítica. Matriz quartzodiorítica a granodiorítica, de granulação média e fina, com
porfiroblastos de K-feldspato, em geral microclima. Foliação incipiente a bem desenvolvida,
presença local de porções migmáticas heterogêneas da Unidade Santo Eduardo, não
mapeáveis à escala. Contatos transicionais para as Unidades Santo Eduardo, São Fidélis e
Gnaisse Facoidal.
O clima da região é do tipo AW, cujo período mais seco ocorre nos meses de maio e
outubro com totais pluviométricos mensais inferiores a 100 mm. Neste período, cerca de
55,0% do total pluviométrico está concentrado nos meses de maio e julho, sendo agosto o mês
mais seco com total inferior a 20 mm. A estação chuvosa acontece entre os meses de
novembro e abril com totais pluviométricos superiores a 100 mm. Cerca de 30,0% do total
acumulado está concentrado no mês de janeiro, no qual, em geral, registra-se um total de
chuva superior a 200 mm. A temperatura média anual é de cerca de 25,1°C com extremos
registrados, até hoje, de 10,8°C em julho de 2007 e 40,6°C em outubro de 2005. Em geral, a
região apresenta temperaturas quentes e alta umidade relativa do ar, em média 74,0%, na
maior parte do ano (BERTOLINO et al., 2007).
Diversos estudos vêm sendo desenvolvidos no município de São Gonçalo pelo
Laboratório de Geociências (UERJ/FFP). O enfoque central está associado às discussões dos
movimentos de massa que ocorrem na região e suas relações com os eventos pluviométricos,
tipos de solos e condutividade hidráulica (SILVA, 2006; SOUZA, 2007; SILVA, 2007;
MARTINS, 2009; MERAT, 2011 e WEMELINGER, 2011).

236
CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.

METODOLOGIA
A caracterização climática da região foi realizada utilizando-se dados provenientes da
Estação Meteorológica Urbana de São Gonçalo, instalada no campus da UERJ-FFP, que se
encontra entre as coordenadas 22º49’55,97’’S e 43º4’25,52’’W (Figura 2). Para o
desenvolvimento deste trabalho foram utilizadas informações e observações diárias entre o
período de maio de 2004 a dezembro de 2011.
A Estação Meteorológica da UERJ-FFP possui equipamentos essenciais para a mensuração
climatológica como pluviógrafo, pluviômetro, heliógrafo, termômetros de máxima, de
mínima, de bulbo seco e úmido, barômetro aneroide de Fischer, evaporímetro de piche,
anemômetro, geotermômetros, tanque de evaporação e poço tranquilizador (Figura 2). As
mensurações diárias são realizadas às nove horas da manhã, no horário oficial de Brasília, e às
dez horas da manhã no horário de verão, de acordo com as normas oficiais do Instituto
Nacional de Meteorologia (INMET).

Figura 2 - Estação Meteorológica Urbana da UERJ-FFP/SG. Visualizam-se a Estação


Convencional e a Estação Automatizada MAWS.

237
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA

Para a análise dos dados foram realizados tratamentos estatísticos e estudos


comparativos entre os valores obtidos na Estação Meteorológica e os padrões estabelecidos
pelas Normais Climatológicas do INMET para a Estação do Rio de Janeiro, que foram
baseadas numa série de dados obtida entre 1961 e 1990.
A intensidade de chuva foi analisada segundo os parâmetros da Fundação Geo-Rio,
que classifica as chuvas em: insignificante (< 1,0 mm/h), leve (1,1 a 5,0 mm/h), moderada
(5,1 a 25 mm/h), forte (25,1 a 50 mm/h) e muito forte (> 50 mm/h).
Os dados sobre os movimentos de massa entre o período de 1995 a 2005 foram
obtidos por intermédio dos Boletins de Ocorrência da Defesa Civil de São Gonçalo. Entre o
período de 2006 a 2011 os dados foram obtidos a partir de trabalhos de campo e levantamento
na imprensa. Foram feitas coletas de informações para confecção de banco de dados
relacionados aos movimentos de massa do município de São Gonçalo. Todos os movimentos
de massa que ocorreram no período de 1995 a 2010 foram georreferenciados utilizando-se o
Sistema de Posicionamento Global (GPS), buscando-se espacializar as ocorrências.

ANÁLISE DO PADRÃO DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO

Quando da chegada do anticiclone polar, a circulação sofre uma alteração de direção


dos ventos do quadrante norte, em virtude do predomínio da massa tropical atlântica, para su–
sudeste ou su–sudoeste, dependendo da trajetória da frente fria. Sua influência é intensificada
pela posição leste–oeste do litoral fluminense e pela orografia, com orientação noroeste–
sudeste, que acaba servindo de anteparo aos avanços meridionais, provocando a ascendência
forçada do ar, o que acaba causando a formação de chuvas, ou, quando muito, a deposição de
umidade nas vertentes a barlavento das encostas dos maciços litorâneos (NIMER, 1989).
Em relação à caracterização climática regional, São Gonçalo, na região Sudeste, se
encontra numa faixa de transição climática (MONTEIRO, 1969), próximo ao mar, juntamente
com a posição, na borda oriental da América do Sul, sob influência da trajetória predominante
das correntes extratropicais, favorece uma boa distribuição da pluviosidade com uma
sazonalidade mais amena em relação a cidades continentais, como Brasília e Belo Horizonte.
Junto ao fator dinâmico da atmosfera, a topografia, com as escarpas das serras do Mar e da
Mantiqueira, opondo-se frontalmente à direção dos ventos de sudeste (Sistema Polar

238
CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.
Atlântico), exerce uma sensível influência nesse caso: as precipitações pluviométricas
crescem na proporção direta da altitude.
Porém, a posição interior no recôncavo da Guanabara favorece a invasão frequente do
sistema polar móvel, cujas propriedades, em contato com a massa tropical atlântica,
determinam ocorrência de chuvas, mais notadamente no verão, como também favorece uma
posição de abrigo dos ventos regionais predominantes de sudeste (Figura 3), para os
municípios litorâneos, como o Rio de Janeiro. Em razão da posição geográfica de São
Gonçalo, em dias de tempo bom é de noroeste, mudando para nordeste, quando da entrada de
sistemas extratropicais. Além de favorecer a ocorrência de calmarias, que são mais intensas
nos meses de dezembro e janeiro, com 13,1 e 34,4% respectivamente.
Em relação aos totais pluviais anuais, analisando a carta de pluviosidade do Estado do Rio de
Janeiro produzida pela CPRM (http://www.cprm.gov.br/arquivos/pdf/rj/chuvas/chuvas_aspectos.pdf),
demonstram que a região da Baía de Guanabara registra valores inferiores a 1.200 mm, porém estes
ainda são superiores aos do Médio Vale do Rio Paraíba do Sul (1.100mm/ano) e da Região dos Lagos,
com totais inferiores a 1.000 mm/ano.

Figura 3. Direção predominante dos ventos de sudeste na cidade do Rio de Janeiro e Baixada
da Guanabara, quando do predomínio do Anticiclone Subtropical do Atlântico Sul (ASAS).
Fonte: Fialho (2010, p. 28).

239
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA
Ao compararmos a temperatura do ar entre a Estação do INMET (Santos Dumont) e
São Gonçalo, mais uma vez a questão do abrigo do recôncavo transparece (Figuras 4 e 5).
Principalmente, para a temperatura máxima (varia entre 37,0ºC e 41,2ºC), que em São
Gonçalo, ao longo de todo o ano, é superior a Santos Dumont. Porém, quanto à temperatura
mínima, observa-se uma inversão, pois apesar de mais exposto aos ventos, Santos Dumont
está em uma área mais urbanizada e verticalizada comparada a São Gonçalo, que apesar de
mais de 1 milhão de habitantes, ainda registra um ambiente urbano de predominância de casas
com quintais e esparsas verticalização, apenas no centro do município.

Figura 4 - Variações da Temperatura média máxima dos anos de 2004 a 2011 e das Normais
Climatológicas para 30 anos.

Figura 5- Variações da Temperatura média mínima do ar entre os anos de 2004 a 2011 e das
Normais Climatológicas para 30 anos.

240
CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.
Os valores de precipitação do período de 2004 a 2011 demonstram índices
pluviométricos de 428 mm, 958 mm, 827 mm, 920 mm, 1.167 mm, 1.197, 1.387 e 962 mm,
respectivamente, apresentando uma média de 1.060 mm (Figura 6).

Figura 6 - Variação do total pluviométrico dos anos de 2004 a 2011 da Estação Meteorológica
da UERJ/FFP.
Ao analisar os dados, observa-se um acréscimo da precipitação a partir do mês de
novembro até abril. Esses meses apresentam na média geral um total de 769,3 mm, o que
representa 73,3% total médio de contribuição ao longo do ano. O período mais seco é de abril
a outubro, com 280,8 mm equivalendo a 26,7% de chuva anual (Tabela 1) e o mês de
precipitação mínima foi agosto (0,4 mm).
No período entre agosto (15,6 mm) e setembro (29,7 mm) foram registraram as
menores médias pluviais mensais e as menores máximas obtidas foram de 31,8 mm e 70,6
mm. Essas variações demonstram também desvios padrões baixos entre os meses de agosto e
outubro, refletindo em valores de variâncias menores. As menores médias e medianas também
foram encontradas para este período. Os maiores valores mensais de precipitação ocorreram
nos meses de março e abril, com 296,3 mm e 307,4 mm respectivamente. Esses períodos
representam os maiores valores de desvios padrões e variâncias.

241
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA
Tabela 1 – Dados da precipitação média (milímetros), média mediana, mínimo, máximo,
desvio padrão e variância das Normais Climatológicas (1961-1991) da Estação do Rio de
Janeiro (Santos Dumont).
Meses Média em 30 anos Média de Jan – Dez em 30 anos
(mm) (%) Média Total
Janeiro 114,7 9,8 Pontos 12
Fevereiro 105,3 9,0 Média 97,8
Março 103,3 8,8 Mediana 91,9
Abril 137,4 11,7 Somatório 1173,5
Maio 85,6 7,3 Mínimo 50,5
Junho 80,4 6,9 Máximo 169,0
Julho 56,4 4,8 Desvio padrão 32,51
Agosto 50,5 4,3 Variância 1056,7
Setembro 87,1 7,4
Outubro 88,2 7,5
Novembro 95,6 8,1
Dezembro 169,0 14,4
Total 1173,5 100

Quando comparadas as médias de oito anos com as normais climatológicas, observa-se


que o valor total de precipitação registrada na Estação do Rio de Janeiro é de 1.173,5 mm e da
Estação da UERJ/FFP é de 1.060,0 mm, demonstraram que o somatório de precipitação anual
é menor (Tabela 2). Em relação aos dados mensais, verifica-se que dentre os doze meses do
ano, somente os meses de janeiro, outubro e novembro apresentam valores de precipitação
acima das normais climatológicas (Tabelas 1 e 2). O valor mínimo das normais climatológicas
é de 50,5 mm e o valor máximo de 169,0 mm, com desvio padrão baixo.

Tabela 2 – Dados de precipitação (milímetros) média, mediana, mínimo, máximo, desvio


padrão e variância para os meses de janeiro a dezembro, a partir dos dados da Estação
Meteorológica Urbana da UERJ/FFP entre o período de 2004 a 2011.
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Média 178,2 81,7 123,5 114,2 63,1 41,1 41,2 15,6 29,7 89,6 116,4 155,2
Mediana 187,4 71,5 98,9 102,2 57,3 32,1 33,0 16,6 19,7 83,7 104,5 145,1
Mínimo 122,8 53,1 37,4 28,8 19,2 25,1 4,5 0,4 1,2 17,9 90.6 88,6
Máximo 226,8 142,5 296,3 307,4 115,6 73,9 76,9 31,8 70,6 189,9 169,1 227,6
D. Padrão 42,12 32,2 92,6 92,3 29,7 20,2 26,5 11,8 27,2 19,9 101,5 46,6
Variância 177,4 1036,0 8574,5 8514,3 881,6 407,6 701,8 139,1 741,4 3185,8 824,6 2172,0

A partir da análise mensal pluviométrica (Figura 7), constata-se que o período seco
ocorre entre os meses de maio a outubro e o período úmido, ocorre entre os meses de

242
CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.
novembro a abril. E, em tempo, nota-se uma significativa dissonância em determinados
meses, quando comparados às Normais Climatológicas (1961 a 1990), principalmente nos
meses de agosto de 2005, março e abril de 2010.

Figura 7 - Variação mensal da precipitação nos meses de janeiro a dezembro dos anos de
2004 a 2011 da Estação Meteorológica Urbana do Departamento de Geografia da UERJ/FFP.

Em relação ao total pluviométrico, constata-se que em todo o período estudado,


aproximadamente 72,0% do total está concentrado nos períodos úmidos, enquanto que apenas
os 28,0% restantes estão concentrados nos períodos secos. Por meio destes, são constatadas
significativas diferenças comportamentais de parâmetros como pluviosidade e dias de chuva,
conforme demonstrado na Tabela 3.
Foi realizado um levantamento da frequência de chuva (mm) no período de 2004 a
2011, com a finalidade de demonstrar a frequência de variação pluviométrica, bem como
ressaltar os eventos de ocorrência regular, moderada e extrema. Na Tabela 4, observa-se que
de 2.515 chuvas há um predomínio da classe de 0 a 10 mm, totalizando 93,0% das chuvas na
região. Os 7,0% restante estão distribuídas nas outras classes de frequência de chuvas. Para a
classe maior que 50 mm existem nove eventos que representam um percentual de apenas de
3,0% de chuvas. Os eventos com mais de 50 mm de chuva concentram-se nos meses de
outubro, dezembro, janeiro, março, abril e agosto. Todos os meses onde ocorrem os eventos

243
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA
de maior magnitude (> 50 mm) estão associados ao período mais úmido, que vai de novembro
até abril, com exceção de agosto.

Tabela 3 - Análise percentual dos registros dos parâmetros pluviosidade e dias de chuva de
acordo com a concentração em período seco ou chuvoso.
Ano/Período Total Pluviométrico (%) Dias de chuva (%)
2004 – 2005 Seco 24,1 35,6
Úmido 75,9 64,4
20205 – 2006 Seco 25,4 42,4
Úmido 74,6 57,6
2006 – 2007 Seco 42,6 43,0
Úmido 57,4 57,0
2007 – 2008 Seco 31,4 36,6
Úmido 68,6 63,4
2008 – 2009 Seco 27,7 34,8
Úmido 72,3 65,2
2009 – 2010 Seco 23,4 43,9
Úmido 76,6 56,1
2010 – 2011 Seco 26,6 41,7
Úmido 73,4 58,3

Tabela 4 - Frequência da precipitação (mm) dos dias de chuva (24h) dos anos de 2004 a 2011.
Total de 2.515 dias de chuva
Frequência Total %
0 - 10 mm 2339 eventos 93
10 - 20 mm 108 eventos 4,3
20 - 30 mm 34 eventos 1,4
30 - 40 mm 18 eventos 0,7
40 - 50 mm 7 eventos 0,3
Maior que 50 mm 9 eventos 0,3

Na Tabela 5 estão apresentados os dados de frequência das chuvas ao longo dos anos.
Pode-se constatar que em todos os períodos, a frequência de chuva entre 0-10 mm representa
um percentual acima de 92,0 %, com exceção de 2004.
Os dados de distribuição, magnitude e frequência são de grande importância no
entendimento dos movimentos de massa na paisagem. Segundo (COELHO NETO, 1995) as
quantidades relativas de precipitações (volume), seus regimes sazonais ou diários
(distribuição temporal) e as intensidades de chuvas individuais (volume/duração) são algumas
características que afetam a natureza e a magnitude dos trabalhos geomorfológicos no meio
físico.

244
CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.

Tabela 5 - Frequência da precipitação (mm) dos dias de chuva (24h) por ano durante o
período de 2004 a 2011.
Frequência
De chuva 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
0-10 mm 88 360 265 282 329 307 344 364
10-20 mm 10 8 16 14 15 18 16 11
20-30 mm 2 0 6 7 3 6 7 3
30-40 mm 2 4 0 1 4 1 2 4
40-50 mm 0 1 0 1 1 3 1 0
> 50 mm 0 1 1 1 2 1 3 0
Total 102 374 288 306 354 336 373 382

Os valores de intensidade de chuva demonstram que as chuvas de menor intensidade


(insignificante e leve) perfazem um total de 86,3%. Em seguida, ocorrem as de intensidades
moderada (13,0%) e forte (0,6%), não havendo nenhum registro de chuvas muito fortes. Esses
resultados mostram um padrão para o município de São Gonçalo de chuvas até 10 mm
(93,0%) e com predomínio de intensidades insignificantes e leves (86,3%), ocorrendo
preferencialmente nos períodos úmidos (Tabela 2), conforme relatado anteriormente. As
análises expostas até agora demonstram que o padrão de precipitação está atrelado a
frequências de chuvas de pequenas magnitudes e de baixa intensidade (Figura 8).

Figura 8 - Valores de intensidade de chuva (Geo-Rio) no período de 2004 a 2011 (Estação


Meteorológica Urbana do Departamento de Geografia da UERJ/FFP).

245
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA

Tais resultados respondem aos questionamentos realizados por Fialho et al., (2005),
que especulavam se era possível São Gonçalo, situado a sotavento da Serra de Tiririca,
apresentar um grande número de eventos extremos (Chuvas convectivas intensas), bem como
a Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro (BRANDÃO, 1997, p. 33), que apresenta um sítio
semelhante a São Gonçalo.
Como demonstrado, a porção oeste da Baía de Guanabara, as chuvas de baixa
intensidade são mais frequentes, o que não demonstra uma forte relação dos movimentos de
massa com as chuvas intensas, conforme um grande número de trabalhos identifica,
principalmente para regiões serranas. Esses resultados também são corroborados em trabalho
desenvolvido por Salgado et al. (2007), que ao procurar analisar pluviosidade anual ao longo
da série histórica (1968-2002) para estações localizadas ao redor de São Gonçalo (Figura 9),
abarcando a região Serrana e a Baixada litorânea constatou que: “...a frequência de classes de
chuva nos anos-padrão evidenciou a tendência de que os anos mais chuvosos se caracterizarem por
precipitações mais fortes, enquanto nos anos-padrão positivos e habituais apresentaram os maiores
percentuais de chuvas diárias fracas (entre 0,01 e 5 mm)...” (SALGADO et al., 2007, p. 26).

Figura 9. Localização de postos pluviométricos ao redor do município de São Gonçalo.


Fonte: Salgado et. al. (2007, p. 22).

246
CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.
Comparando os resultados obtidos, pode-se verificar que, ao comparar a região da
baixada ao redor da Baía de Guanabara (Estações 10 e 11) e o sítio de sopé da serra do mar
(Estações 12, 13, 14, 15 e 16), identificou-se que a frequência dos dias de chuva classe fraca
(Tabela 6) representa 42,2% (Total pluvial médio entre os postos climatológicos 10 e 11) em
sítios de baixada e 30,4% (Total pluvial médio entre os postos climatológicos 12, 13, 14. 15 e
16) situadas no sopé da serra do Mar. Enquanto para situações de chuva intermediária e forte
o cenário se inverte. Na baixada, as chuvas intermediárias representam 49,5% e no sopé da
serra 50,1. Já as chuvas fortes, sua relação é de 8,4% na baixada e 19,7 no sopé da serra.

Tabela 6. Frequência de classes de chuva diária para a série histórica dos postos
climatológicos das áreas de estudo.

Fonte: Salgado et al. (2007, p. 26).

ANÁLISE DOS MOVIMENTOS DE MASSA E SUA RELAÇÃO COM A PRECIPITAÇÃO

A partir do mapeamento e georreferenciamento dos movimentos de massa, foram


constatadas a presença de 474 movimentos de massa, os quais foram classificados em:
escorregamentos (342) e queda de blocos (132) (Figura 10). No mapeamento não foi possível
demonstrar o percentual de escorregamentos rotacionais e translacionais. As áreas de maiores
repercussões de escorregamentos estão associadas à região do Morro do Patronato (Figura
11), Galo Branco, Mutondo, Nova Grécia, Vila Laje, Tenente Jardim, Neves, Novo México,
Engenho Pequeno, Porto da Madama e Mutuaguacu. As áreas de quedas de blocos estão
associadas ao Morro do Patronato, Engenho Pequeno, Galeria Cruzeiro, Arsenal e Tenente
Jardim.

247
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA

Figura 10 - Distribuição dos escorregamentos (preto), quedas de blocos (branco) e


deslizamento de lixo (vermelho) no município de São Gonçalo. Fonte: modificado de
(SILVA, 2007).

Figura 11 - Localização do Morro do Patronato – município de São Gonçalo. Em detalhe,


escorregamentos translacionais (contato solo-rocha abrupto) e queda de blocos.

248
CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.
Constata-se o predomínio dos escorregamentos (72,1%), seguido pelas quedas de
bloco (27,9%). Os tipos de escorregamentos estão relacionados a diversos elementos da
paisagem tais como: condições topográficas, frequência e intensidade da precipitação, tipos de
uso e ocupação dos solos. Os escorregamentos translacionais apresentam um plano abrupto,
de ruptura planar, bem definido, além de serem movimentos rápidos e de curta duração
(GUIDICINI e NIEBLE, 1984, IPT 1991). Na literatura estes escorregamentos estão
associados a chuvas intensas, quando é elevada a poro-pressão positiva em uma superfície de
descontinuidade, alterando a estabilidade da encosta. Entretanto, ressalta-se também aqui a
importância de se avaliar o papel da umidade antecedente do solo. Este elemento associado às
frequentes precipitações antecedentes de baixa magnitude, intensidade e de longa duração,
conforme demonstrado neste estudo, podem estar propiciando o aumento da poro-pressão
positiva da água.
Vargas et al., (1986) comprovam que há a necessidade de se determinar o efeito da
intensidade das chuvas na estabilidade de uma encosta, destacando que é possível fazer
previsões da influência da intensidade das chuvas na estabilidade das encostas quando o
processo de infiltração atua como principal fator condicionante, pois como nos traz
Montgomery et al. (1997), em áreas íngremes, com cobertura de solo, com predominância de
fluxo subsuperficial da água infiltrada, pode ocorrer o aumento da pressão dos poros do solo
(poro-pressão positiva).

RELAÇÃO ENTRE OS TOTAIS DIÁRIOS DE CHUVA E MOVIMENTOS DE MASSA NO MUNICÍPIO DE


SÃO GONÇALO

Os eventos de movimentos de massa, assim como a chuva total do dia do evento, a


precipitação acumulada e os dias anteriores de chuva no município de São Gonçalo são
apresentados na Tabela 7.
Os movimentos de massa da estação de Inverno de 2005 ocorreram durante o período
entre 08 e 11-07-2005, 20-07-2005 e 27-09-2005, quando os totais pluviométricos diários
acumulados foram respectivamente de 33,8 mm, 44,1 mm, 29,9,1 mm e 17,9 mm.
No evento do dia 08/07/2005, a chuva acumulada em três dias anteriores à deflagração
do movimento de massa foi de 33,8 mm, sendo que somente no dia 07/05/2005, o total
acumulado do dia foi de 28,8 mm, atingindo principalmente o bairro de Vila Lage. Três dias
posteriores ao dia 08/05/2005, ocorreu um novo evento de movimento de massa, com a chuva

249
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA
acumulada de 44,1 mm, atingindo o bairro de Vila Três. Já no dia 20/07/2005, com dois dias
de chuva acumulada totalizando 29,9 mm, desses 28,6 mm no dia 19/07/2005, ocorreu um
novo evento de movimento de massa, atingindo o bairro Rocha. Em 27/09/2005, um novo
evento ocorreu no município de São Gonçalo, depois de quatro dias anteriores de chuva, que
totalizaram 17,9 mm, atingindo o bairro de Mutuaguaçu.

Tabela 7: Totais acumulados de chuva no município de São Gonçalo e sua relação com os
movimentos de massa.
Datas Total de chuva do dia Precipitação acumulada Dias de chuva
do evento (mm) (mm) anteriores
04/10/2004 3,0 34,6 4
11/01/2005 49,8 1,3 1
24/01/2005 62,6 0,3 1
26/01/2005 58,8 70,7 3
27/01/2005 4,4 129,5 4
28/01/2005 2,2 133,9 5
26/04/2005 14,8 32,8 1
27/04/2005 8,2 47,6 2
08/07/2005 6,1 33,8 3
11/07/2005 1,1 44,1 5
20/07/2005 1,2 29,9 2
27/09/2005 6,4 17,9 4
12/12/2005 14,4 11,2 1
13/12/2005 1,6 25,6 2
28/01/2006 88,4 8,4 3
31/01/2006 28,4 0 0
25/10/2007 8,8 74,9 3
28/10/2007 0,8 115,1 5
13/11/2007 0,6 48,5 1
22/01/2008 9,0 109,7 3
06/02/2008 8,8 54,2 5
08/03/2010 76,2 49,8 5
07/04/2010 20,0 230,1 3
08/04/2010 20,0 250,1 4
10/04/2010 3,1 275,5 5

Durante a estação do outono de 2010, ocorreu entre o período entre 07 e 10/04/2010,


um total acumulado diário de 275,5 mm, deflagrando movimentos de massa nos bairros de
Vila Lage, Vila Três, Maria Paula, Novo México, Fazendinha, Tribobó, Itaúna, Patronato,
Porto da Madama. No dia 07/04/2010, com um total acumulado de 230,1 mm de precipitação,
250
CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.
depois de três dias com precipitação acumulada diária, ocorreram movimentos de massa nos
bairros de Vila Lage, Vila Três, Maria Paula, Novo México; no dia 08/04/2010, depois de
quatro dias de chuva acumulada que totalizaram 250,1 mm, os bairros atingidos por
movimentos de massa foram Fazendinha, Tribobó, Itaúna. Já no dia 10/04/2010, depois de
cinco dias de chuva acumulada, que totalizaram 275,5 mm, ocorreram movimentos de massa
Patronato, Porto da Madama. Verifica-se que, durante esse período, o total acumulado é
superior ao verificado no mesmo mês para as normais climatológicas, indicando uma forte
concentração de chuvas, que associado às condições geoambientais promoveram movimentos
de massa em larga escala no município de São Gonçalo.
Outro período com forte ocorrência de movimentos de massa no município de São
Gonçalo foi durante os dias 24 a 28 do verão de 2005. Durante o período citado, a chuva
acumulada foi de 133,9 mm, atingindo os bairros de Santa Clara, Porto do Rosa, Venda da
Cruz, Gradim, Mutuá, Barro Vermelho, Colubandê, Santa Catarina, Porto Novo, Rocha.
Outro evento de movimento de massa que se pode destacar foi o ocorrido no dia 11/01/2005,
que apresentou um total de 49,8 mm no dia citado e, 51,1 mm associando a chuva do dia
anterior, deflagrando o processo no bairro de Coelho.
No verão de 2010, no dia 08/03/2010, ocorreu um novo evento de movimentos de
massa, com um total diário de precipitação de 76,2 mm de chuva, sendo que até o dia
05/03/2010 havia chovido um total de 49,8 mm, fato que contribuiu para a saturação de água
no solo e, potencializou o evento do dia 08/02/2010.
Na tentativa de se estabelecer padrões entre a relação precipitação acumulada e/ou por
evento para o Brasil, Costa Nunes (1983) salienta que a precipitação que promove
movimentos de massa em vertentes brasileiras é a que ocorre de fevereiro a março, com no
mínimo 100 mm/dia. Já Elbachá et. al., (1992) verificaram que na cidade de Salvador, na
Bahia, o limite indicativo de movimentos de massa e o de chuva acumulativa é de 120 mm em
quatros dias. No município de Belo Horizontes, em Minas Gerais, Xavier (1996), estabeleceu
limites de 30 mm em vinte e quatro horas e 50 mm em quarenta e oito horas para a ocorrência
do movimento de massa; em Blumenau, Santa Catarina, Vieira (2004) verificou boa relação
entre a chuva acumulada de 3 a 4 dias somando em torno de 50 mm com os escorregamentos.
Para o município de Rio de Janeiro (RJ), o Instituto de Geotécnica do Município do
Rio de Janeiro (Geo-Rio) encontrou boa relação entre a chuva acumulada de quatro dias com
os movimentos de massa. Amaral e Feijó (2004), também desenvolvendo estudos no
município do Rio de Janeiro (RJ), verificaram boa relação entre movimentos de massa com

251
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA
chuvas com uma hora de duração e com 30 mm/h de precipitação, em 90 mm/dia e quatro
dias, 110 mm.
Considerando ainda a Tabela 7, pode-se verificar que os totais diários de chuva
acumulados, com até um dia de antecedência, apresentaram um número de cinco casos de
eventos de movimentos de massa no município de São Gonçalo, apresentando totais
acumulados superiores a 12 mm. As classes de chuvas diárias iguais ou superiores a três dias
de antecedência aos movimentos de massa foram as que apresentaram as maiores frequências
dos eventos verificados. Os totais acumulados de chuva com até três dias de antecedência são,
em sua maioria, superiores a 70 mm. Para cinco dias de chuva acumulada diária, verificou-se
que os movimentos de massa do município de São Gonçalo foram em sua maioria associados
a chuvas superiores a 40 mm, atingindo em alguns casos 275,5 mm. O padrão apresentado
entre movimentos de massa e precipitação com duração igual ou superiores a três dias ocorre
devido a uma saturação progressiva e lenta do perfil de solo, minimizando a coesão do mesmo
e, aumentando a poro-pressão positiva, corroborando para torná-los mais instáveis e para
entrarem em movimentação.
Quando comparamos o padrão de relação entre precipitação pluvial e movimentos de
massa do município de São Gonçalo com as relações estabelecidas pela Geo-Rio e por
Amaral e Feijó (2004), consta-se que o padrão entre as chuvas acumuladas e os movimentos
de massa encontrados nesse trabalho em muito se assemelham, corroborando para evidenciar
o papel da chuva acumulada na deflagração dos movimentos de massa.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os eventos de movimentos de massa no município de São Gonçalo utilizados para este
estudo indicaram uma forte relação com os totais diários de chuvas acumuladas superiores ou
iguais a três dias, corroborando para a necessidade de monitoramento contínuo no tempo e no
espaço, a fim de minimizar efeitos catastróficos sobre a sociedade civil.

REFERÊNCIAS
AMARAL, C.; FEIJÓ, R. L. Aspectos Ambientais dos Escorregamentos em Áreas Urbanas.
In: VITTE, A. C. e GUERRA, A. J. T. (Ed.). Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil.
Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. 193-224. 2004.
BERTOLINO, A. V. F. A.; COSTA, A. R. C.; BERTOLINO, L. C.; FIALHO, E. S. Análise

252
CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.
da dinâmica climatológica no município de São Gonçalo/RJ: Triênio 2004-2007. Revista
Tamoios, São Gonçalo, v. 3, n. 2, p. 1-16, 2007.
BRANDÃO, A. M. P. M. As chuvas e a ação humana: uma infeliz coincidência. in: ROSA, L.
P.; LACERDA, W. A. (Orgs).: Tormentas Cariocas. Rio de Janeiro: Coppe-UFRJ, 1997. p.
21-37.
BRASIL. Normais Climatológicas (1961-1990). Ministério da Agricultura e Reforma
Agrária. Secretaria Nacional de Irrigação/ Departamento Nacional de Meteorologia. Brasília-
DF. 1992.
COELHO NETTO, A. L., (1995). Hidrologia de encostas na interface com a Geomorfologia.
In: GUERRA, A.J.T. e CUNHA, S.B. (orgs), Geomorfologia: uma atualização de bases e
conceitos. Ed. Bertrand. Rio de Janeiro, 2 ed., p:93-148.
COSTA NUNES, A.J.; BRANDÃO, C.A.; DIAS, P.H.V.; FERNANDES, C.E.D.M.
Landslides due to intense tropical rainfall in Brazil. VII PANAMERICAN CONFERENCE ON
SOIL MECHANICS AND FOUNDATION ENGINEERING, Vancouver. Vol. I, pp.291-304.
1983.
DIETRICH, W.E.; WILSON, C.J.; RENEAU, S. Hollows, colluvium and landslides. In
DIETRICH, W.E.; WILSON, C.J.; MONTGOMERY, D.R.; McKEAN, J. Analysis of erosion
thresholds, channel networks and landscape morphology using a digital terrain model.
Journal of Geology, 101:259-278. 1993.
DIETRICH, W.E.; WILSON, C.J.; RENEAU, S. Hollows, colluvium and landslides in
soil-mantled landscapes. In: Abrahams, A.D. (ed.). Hillslope Processes. Allen and Unwin,
London, p. 361-388. 1986.
DEPARTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS (DRM). Carta Geológica do Estado do
Rio de Janeiro. Bloco Baía da Guanabara: Folhas Baía da Guanabara, Itaboraí, Maricá e
Saquarema. Relatório Final, v. I e II, 219p. 1981.
DEPARTAMENTO DE RECURSOS MINERAIS (DRM). Projeto Carta Geológica do
Estado do Rio de Janeiro: Folha Petrópolis. Relatório Final, v.1, parte I e II, 256p. 1979.
ELBACHÁ, A.T.; CAMPOS, L.E.P.; BAHIA, R.F.C. Tentativa de correlação entre
precipitação e deslizamentos na cidade de Salvador. 1ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA
SOBRE ESTABILIDADE DE ENCOSTAS. 1ª COBRAE, 1992.
FERNANDES, N. F.; GUIMARÃES, R. F.; GOMES, R. A. T.; VIEIRA, B. C.;
MONTGOMERY, D. R.; GREENBERG, H. M. Condicionantes Geomorfológicos dos
Deslizamentos nas Encostas: Avaliação de Metodologias e Aplicação de Modelo de Previsão
de Áreas Susceptíveis. Revista Brasileira de Geomorfologia, Uberlândia, v. 2, n. 1, p. 51-71,
2001.
FERNANDES, N.F.; AMARAL, C.P. Movimentos de massa: uma abordagem geológico-
geomorfológica. In: Guerra, A.J.T.; Cunha, S.B. eds. Geomorfologia e meio ambiente. Rio de
Janeiro, p.123-194. 1996.
FERNANDES, N.F. Modelagem matemática em geomorfologia: potencialidades e limitações.
Sociedade e Natureza, Uberlândia, n. 15, p. 222-227. 1996.
FERNANDES, N.F.; COELHO NETTO, A.L.; LACERDA, W.A., (1994). Subsurface
hydrology of layered colluvium mantles in unchannelled valleys - southeastern Brazil. Earth
Surface Processes and Landforms, 19:609-626.

253
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA
FIALHO, E. S.; COSTA, A. R. C.; BERTOLINO, A. V. F. A.; BERTOLINO, L. C. Os
impactos pluviais em São Gonçalo. In: XI SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA
FÍSICA APLICADA, São Paulo. Anais ... São Paulo: USP, 2005.
FIALHO, E. S. Unidades Climáticas urbanas: O caso da Ilha do Governador-RJ. Revista de
Ciências Humanas, Viçosa, v. 10, n. 1, p. 26-46, 2010.
FUNDAÇÃO INSTITUTO DE GEOTÉCNICA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. -
GEO-RIO. Alerta –Rio. Disponível em: http://obras.rio.rj.gov.br/alertario.htm. Acesso em 28
mai. 2012.
GOMES, R. A. T.; GUIMARÃES, R. F.; CARVALHO JR, O. A.; FERNANDES, N. F.
Análise de um Modelo de Previsão de Deslizamentos (SHALSTAB) em Diferentes Escalas
Cartográficas. Solos e Rochas, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 85-97, 2005.
GREENWAY, D.R. Vegetation and slope stability. In Anderson, M.G. e Richards, K.S. eds.
Slope stability, New York, J. Wiley Sons, p. 187-230. 1987.
GUIDICINI, G.; NIEBLE, C.M. (1984). Estabilidade de Taludes Naturais e de Escavação.
Edgard Blucher, 2 ed., p.149-209.
GUIMARÃES, R. F.; MONTGOMERY, D. R.; GREENBERG, H. M.; FERNANDES, N. F.;
GOMES, R. A. T.; CARVALHO JR, O. A. Parameterization of soil properties for a model of
topographic controls on shallow landsliding: application to Rio de Janeiro. Engineering
Geology, Londres, v. 69, n. 1-2, p. 99-108, 2003.
GUIMARÃES, R. F.; GOMES, R. A. T.; CARVALHO JÚNIOR, O. A.; MARTINS, É. S.;
OLIVEIRA, S. N.; FERNANDES, N. F. Análise temporal das áreas susceptíveis a
escorregamentos rasos no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (RJ) a partir de dados
pluviométricos. Revista Brasileira de Geociências, v. 39, p. 192-200, 2009.
GUIMARÃES, R. F.; CARVALHO JÚNIOR, O. A.; GOMES, R. A. T.; FERNANDES, N. F.
Movimentos de Massa. In: Florenzano, T.G. (Org.). Geomorfologia: Conceitos e tecnologias
atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008, v. 1, p. 159-184.
INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS (IPT). Ocupação de Encostas. São Paulo,
1991.
LEMES, M. W. Análise físico-química, mineralógica e petrográfica de um Cambissolo
Háplico em área de movimentos de massa: estudo de caso do Morro do Patronato. 2011. 83
f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Geografia) – Faculdade de Formação de
Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2011.
MEIS, M.R.M. Contribuição ao estudo do Terciário Superior e Quaternário na baixada de
Guanabara. Tese de Doutorado. Universidade de Lisboa, 238p. 1976.
MEIS, M.R.M.; AMADOR, E.S. Contribuição ao estudo do neocenozoico da Baixada da
Guananabara: Fomação Macacu. Revista Brasileira de Geociências, v.7, p. 150-172. 1977.
MEIS, M.R.M.; AMADOR, E.S. Note on weathered arkosic beds. Journal of Sedimentary
Petrology, v. 44, n3, p 727-737.
MERAT, G. dos S. Análise físico-química, mineralógica e hidráulica em Latossolo Vermelho
no bairro Porto da Madama. 2011. 70 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em
Geografia) – Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de
Janeiro, São Gonçalo, 2011.
MONTEIRO, A.M.F.; COELHO NETTO, A.L.; MEIS, M.R.M. Formação Macacu.
Variações texturais e aproveitamento econômico. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo,
n. 49. 1974.

254
CONCEPÇÕES E ENSAIOS DA CLIMATOLOGIA GEOGRÁFICA
SILVA E FIALHO (0RG.), 2012.

MONTEIRO, C. A. F. A frente polar atlântica e as chuvas de inverno na fachada sul-oriental


do Brasil (contribuição metodológica à análise rítmica dos tipos de tempo no Brasil). São
Paulo: IGEOG/USP, 1969. 68 p. (Série Teses e Monografias, 1).
MONTGOMERY, D.R.; DIETRICH, W.E. A physically based model for the topographic
control on shallow landsliding. Water Resources Research, 30:1153-1171. 1994.
MONTGOMERY, D.R.; DIETRICH, W.E.; TORRES, R.; ANDERSON, S.P.; HEFFNER,
J.T.; LOAGUE, K. Water Resources Research, 33:91-109.1997.
NIMER. E. Climatologia do Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro. IBGE, 1989.
PINGUELLI ROSA, L.; LACERDA, W.A. (1997). Tormentas Cariocas. COPPE-UFRJ, 162 p.
SALGADO, C. M.; SILVA, T. C.; SOUZA, G. C. A.; FREITAS, H. C. Caracterização
temporal e espacial da precipitação no entorno do município de São Gonçalo-RJ:
considerando a série histórica de 1968 a 2002. Revista Sociedade & Natureza, Uberlândia, n.
19, v. 1, p. 19-31, 2007
SELBY, M. J. Strength and Behaviour of Rock and Soil. In: Hillslope Material and
Processes. Oxford University Press. Nova York, 1982.
SIDLE, R. C.; OCHIAI, H. Landslides: Processes, Prediction, and Land Use, Water Resour.
Monogr. Ser., vol. 18, 312 pp., AGU, Washington, D. C., 2006.
SIDLE, R.C.; PEARCE, A.J. O.; Loughlin, C.L. Natural factors affecting slope stability. In:
American Geophysical Union (ed.). Hillslope stability and land use. Washington, p. 31-72.
1985.
SILVA, J. A. Inventário de deslizamentos no município de São Gonçalo como subsídio ao
mapeamento de áreas de risco. 2006. 62 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em
Geografia) – Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de
Janeiro, São Gonçalo, 2006.
SILVA, J. C. Relação entre dados pluviométricos e as ocorrências de movimentos de massa
no município de São Gonçalo – RJ nos anos de 2005 e 2006. 2007. Trabalho de conclusão de
curso (Graduação em Geografia) – Faculdade de Formação de Professores, Universidade do
Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2007.
SOUZA, C. C. Caracterização física e hidráulica de um perfil residual de intemperismo em
rocha gnáissica no município de São Gonçalo 2007. Trabalho de Conclusão de Curso
UERJ/FFP – DGEO. São Gonçalo, 2007.
SOUZA, J. M. Análise física e química de um perfil de intemperismo no município de São
Gonçalo. 2009. 91 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Geografia) – Faculdade
de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2009.
VARGAS Jr. E.; BARBOSA DE OLIVEIRA, R.; COSTA FILHO, N.; PRADO CAMPOS, E.
A study of the relationship between the stability of slopes in residual soils and rain intensity.
International Symposium on Environmental Geotechnology, p.491-500. 1985.
VIEIRA, R. (2004). Um olhar sobre a paisagem e o lugar como expressão do comportamento
frente ao risco de deslizamento. Tese (Doutorado) – Departamento de Geociências,
Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 197p.

255
BERTOLINO; FIALHO; MARCHIORO E BAPTISTA
XAVIER, H. (1996). Percepção geográfica dos deslizamentos de encostas em áreas de risco
frente ao risco de deslizamento. Tese (Doutorado) – Departamento de Geociências,
Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 197p.

AGRADECIMENTOS: À Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do


Rio de Janeiro (FAPERJ), pelo financiamento do projeto E - 2 6 / 1 1 0 . 8 1 2 / 2 0 11 e pelas
concessões de bolsas de Iniciação Científica. À Universidade do Estado do Rio de Janeiro
(UERJ), pelo auxílio institucional e pelas concessões de bolsas (SR-1 e SR-2). Ao Marcelo
Wermelinger e a Lorena Asevedo, pela confecção dos mapas.

256

View publication stats