Você está na página 1de 108

Brasília, Maio de 2019 FAR3M1

Gabriela Gomes
Iasmin Rocha
Jéssica Ferreira
Jonathan Job
Leonardo Carvalho
Mayara Rodrigues
Natália Barbosa
Bases patológicas das doenças do pulmão
Anatomia
e
fisiologia
 Trocas gasosas entre o ar e
sangue.

 Cavidades vascularizadas.

 Órgãos pares, alojados na


caixa torácica (mediastino).
 Pulmão esquerdo levemente menor
que o direito.

 Pulmão direito mais largo e espesso.

 Pulmão direito mais curto (fígado e


diafragma).

 A parte inferior e mais larga dos


pulmões é chamada de base.

 A parte inferior e mais estreita é


chama de ápice.
 Pulmão direito possui três
lobos.

 Pulmão esquerdo possui dois


lobos.
Fissuras
Servem para separar os lobos.

 Fissura horizontal do pulmão


direito.

 Fissura oblíqua do pulmão


direito.

 Fissura oblíqua do pulmão


esquerdo.
Região medial
(hilo pulmonar)
 Vasos sanguíneos.

 Vasos linfáticos.

 Nervos.

 Brônquios.

 Pulmão esquerdo
(impressão cardíaca).
Pleura
 Pleura parietal (aderida a
caixa torácica e diafragma).

 Pleura visceral (aderida aos


pulmões).

 Cavidade pleural (líquido).


Diafragma

 Músculo estriado esquelético.

 Formato de cúpula.

 Contração (entrada de ar).

 Relaxamento (saída de ar).


Brônquios
 Brônquios e bronquíolos no sistema respiratório tem como
função introduzir o ar nos alvéolos pulmonares.

 Os brônquios são pequenos tubos, conectando a traqueia aos


pulmões.

 Bronquíolos são pequenas ramificações, derivadas dos


brônquios (calibre pequeno).
 Traqueia se divide em duas
(brônquios primários).

 Brônquios primários (três


brônquios no direito e dois no
esquerdo).

 Brônquios lombares (bronquíolos).

 Bronquíolos (alvéolos).
Alvéolos
 Pequenos sacos aéreos, envolvidos por capilares sanguíneos e
uma fina membrana.

 Situam-se onde terminam as finas ramificações dos brônquios.

 Apresentam-se isolados ou em grupos.

 Responsáveis pelo aspecto esponjoso dos pulmões.


 Hematose (difusão dos
gases).

 Chegando nos alvéolos, o


oxigênio difunde-se para o
sangue dos capilares.

 O gás carbônico difunde-se


para o interior dos alvéolos.
Sistema respiratório
Fossas nasais

 Regulação de temperatura.

 Receptor de odor.

 Receptor de impureza.
Muco e cílios

Muco Cílios

 Substâncias  Excreção do muco.


presentes no ar.
 Fossa nasais.
 Poeira.
 Garganta.
 Microrganismos.

 Umedece o ar.
Entrada do ar

Traqueia Brônquios
Bronquíolos
 Contém anéis
cartilaginosos.  Contém
cílios.
Alvéolos

 Onde acontece a troca gasosa.


 Entrada de sangue rico em CO2.
 Substituição de CO2 por 02.
Ventilação Pulmonar

 Diafragma.
 Músculos
intercostais.

Inspiração Expiração
Mecanismos de defesas
do pulmão
Barreira mecânica

 Narinas (pelos e cílios).


 Filtração aerodinâmica.
 Transporte mucociliar.
Meios de expulsão
 Tosse.
 Reflexo de espirrar.
Espirro

 Eliminação de partículas estranhas, microrganismos.


 Vias aéreas – bulbo (nervos vagos).
 Úvula deprimida.
Tosse

 Expulsão súbita de ar proveniente do pulmão.

 Partículas que trancam a passagem de ar.

 Bulbo – nervo vago.


Filtração aerodinâmica

 Deposição de partículas na camada mucosa das vias aéreas.

 Dimensões dos materiais particulados inalados.

 Partículas 5µm a 10 µm.


Transporte mucociliar

 Propulsão do muco em direção à orofaringe.

 Prejuízo: retenção de microrganismos (eficiência lesiva).

 200 cílios em cada célula. Cada cílio apresenta 1.300 batimentos


por minuto.

 Aproximadamente 90% do material sobre a mucosa pode ser


eliminada dentro de uma hora.
Defensinas

 Peptídeos carregados positivamente (catiônicos).

 No epitélio do trato respiratório.

 Localizadas no trato gastrointestinal e aparelho respiratório inferior.

 Poros nas membranas das bactérias.

 Morte por perda de controle osmótico.


Macrófago alveolar

 Atividade fagocitária alta.

 Localizadas nos limites principais do corpo.

 Derivadas de monócitos instalados nos pulmões.

 Residem em superfícies respiratórias, limpando microrganismo acumulados.

 A filtração aerodinâmica retém partículas entre 5 e 10μm.

 Bactérias com tamanhos de 0,5 e 5μm.


Formação de granuloma

 Quando ocorre insuficiência na defesa nos mecanismos de defesa.


 Exemplo: material insolúvel depositado nos tecidos.
 A formação da granuloma é o cercamento do processo inflamatório.
Neoplasias
pulmonares

O que é.
Como ocorre?
Tipos de cancer de pulmão.
Sinais/Sintomas.
Tratamento e prevenção.
Edema hidrostático
Edema por aumento de permeabilidade
Edema com
ou sem dano
alveolar
Disseminação das neoplasias.
Via linfática
Via
hematogênica
Metástase hematogênicas
Via
canalicular
Anomalias
Linfomas
Linfangite carcinomatosa
Carcinoma bronquíolo-alveolar
Leucemia
Doença pulmonar obstrutiva

 Bloqueio do fluxo de ar.

 Irreversíveis.

 Efisema, bronquite crônica e asma.


Asma
Estreitamento dos
bronquíolos.

 Estreitamento dos
Secreção alta de muco.
bronquíolos.

 Contrações ou
O ar permanece nos
broncoespasmos. pulmões.

 Secreção de muco.

 O ar permanece no pulmão.
Causas
Não se sabe o que provoca a asma.

 Gatilhos mais comuns:

 Ácaros, poeira, mofo, pelos de animais.

 Substâncias químicas: tinta, desinfetante.

 Infecções virais: resfriado, gripe.

 Alimentos: ovo, leite de vaca, peixe.


 Onde acontece a troca gasosa.

 Entrada de sangue rico em CO2.

 Substituição de CO2 por 02.


Tipos

 Asma alérgica: substâncias


que causam alergia (poeira).

 Asma não alérgica:


substâncias não alérgicas
(clima frio).
Sintomas
 Tosse seca.

 Chiado no peito.

 Desconforto torácico.

 Dificuldade para respirar.

 Respiração rápida e curta.


Diagnóstico
 Histórico do paciente.

 Exame de função pulmonar (crise de asma).

 Exame bronco provação.

 Gasometria arterial (pH e níveis de oxigênio).


Tratamento
Medicamentos contínuos.

 Corticosteroides inalados: diretamente nos pulmões e não entra


na corrente sanguínea.

 Modificadores de leucotrienos: orais; processo inflamatório;


corticoides.

 Bate-agonistas de longa duração: inaláveis; abrir as vias aéreas,


bronco dilatador.
Doença pulmonar restritiva

 Limitam a capacidade dos pulmões de uma pessoa para se


expandir durante a inspiração.

 Defeito restritivo.

 Insuficiência respiratória hipercápnica.


Insuficiência respiratória
 Dores de cabeça.

 Fadiga.

 Má qualidade de sono.

 Teste de função pulmonar.

 O tratamento depende do tipo de doença pulmonar.


Teste de função pulmonar
Pneumonia
 Infecção dos pulmões.

 Bactérias, protozoários e fungos.

 Alvéolos pulmonares, brônquios e interstícios.


Tipos
 Pneumonia viral.

 Pneumonia bacteriana.

 Pneumonia química.

 Pneumonia por fungos.


Causas
 Microrganismos.

 Transmissão:

Ar.

Saliva.

Secreção.

Transfusão de sangue.
Sintomas
Crianças Adultos

 Respiração  Febre acima de 37,5ºC.


acelerada.  Tosse seca ou com
 Respiração ruidosa. catarro

 Perda de apetite. amarelado/esverdeado.

 Dor abdominal.  Prostração (fraqueza).

 Suores intensos
(principalmente a noite).
Diagnóstico
 Exame de sangue.

 Raio X do tórax.

 Oximetria de pulso.

 Teste de escarro.

 Tomografia computadorizada.

 Cultura de fluido pleural.


Tratamento
 Antibióticos.

 Internação hospitalar (mais em idosos com febre alta).

 O tempo de incubação varia com o estado de saúde do paciente.


Embolismo
pulmonar/TEP
 Obstrução das artérias pulmonares.

 Desordem do fluxo sanguíneo.

 Feita por coágulos:

 Trombos/êmbolos.

 Acúmulo de ar ou gorduras.
Trombose/TVP
 Trombose por anticoncepcionais.

 TEORIAS:

 Proteínas C-REATIVAS.

 Fatores genéticos.

 Casos de risco: obesidade, fumantes, sedentarismo.


Tríade de Virchow

 Patologista alemão Rudolph Virchow.

 Formação e propagação de um trombo resultam de anomalias em três


grandes domínios: fluxo sanguíneo, parede do vaso sanguíneo e
componentes do sangue. Mas foram alteradas para:

 Estase circulatória.

 Lesão na parede vascular.

 Estado hipercoagulável.
Fisiopatologia (consequências)
Depende de:

 Tamanho do êmbolo.

 Quantidade do êmbolo.

 Do estado cardiopulmonar do paciente.


O EP pode acontecer de três formas:

 EP maciça (alto risco).

 EP submaciça (intermediária).

 EP não-maciça (sem risco).


Pode ser classificada em 3 síndromes clínicas (sempre considerando):

 Colapso circulatório.

 Dispneia.

 Dor torácica pleurítica.


Fatores de riscos
 Gravidez.

 Obesidade.

 Trauma cirúrgico.

 Insuficiência cardíaca.

 Tabagismo (acima de 25 cigarros por dia).


Sinais e sintomas
 Sensação de desmaio iminente.

 Dor torácica.

 Falta de ar.

 Ritmo cardíaco acelerado.


Tratamento
 Anticoagulantes.

 Trombolíticos.

 Heparina.

 Varfarina.
Questões
1) Trombose e embolia pulmonar são patologias totalmente distintas. (E). R: A
trombose é uma condição que evolui para o Embolismo pulmonar, pois consistem em
coágulos sanguíneos obstruindo o fluxo arterial e venoso.

2) O Embolismo pulmonar não tem sinais específicos, pois depende do estado do


paciente, da frequência e intensidade do paciente. (C).

3) Ficar em uma posição parado por bastante tempo não atrapalha o fluxo sanguíneo,
porque mesmo parado nossa circulação continua normalmente. (E). R: Quando
estamos em posição de repouso ou imobilizados e por uma carga de tempo grande, o
fluxo começa a ir lentamente, pois não ocorre movimentação, fazendo com que
acumule coágulos.

4). A maioria dos sintomas são relacionados a doenças cardiorrespiratórias, portanto,


é um quadro clínico inespecífico, pois pode confundir com diversas doenças. (C).
5) Êmbolos são provenientes dos trombos. O trombo cai na corrente sanguínea e
segue em direção à ramificações, virando o êmbolo. (C).

6) A formação dos coágulos é um mecanismo de defesa, que impede o sangramento


sempre que ocorre uma injúria nos vasos sanguíneos. (C).

7) Hipotensão arterial sistêmica é característica da embolia submaciça. (E). R:


Caracteriza pacientes com embolia maciça.

8) A doença obstrutiva a qual limita a capacidade dos pulmões de uma pessoa na


inspiração é denominada pneumonia. (E). R: É uma doença restritiva.

9) A pneumonia é uma infecção nos pulmões a qual pode acometer a região dos
alvéolos e os interstícios. (C).
10) Existem vários tipos de pneumonia, assim sendo a mais comum a pneumonia
viral, e a mais rara a pneumonia por fungos. (E). R: A pneumonia mais comum é a
pneumonia bacteriana.

11) Os sintomas podem variar de pessoa para pessoa, assim em crianças podendo
causar dores abdominais e em idosos desenvolver sintomas como perda de memória
se houver uma associação com outros problemas de saúde. (C).

12) A pneumonia pode surgir após uma gripe comum, para prevenção existe uma
vacina própria para pneumonia, mas as vacinas para gripes e influenza também
ajudam na profilaxia. (C).

13) Hipercápnica é a presença escassa de dióxido de carbono no plasma sanguíneo.


(E). R: É a presença elevada de dióxido de carbono.
14) De modo geral. a pneumonia é transmissível, por tosse e espirros de uma pessoa
infectada para uma não infectada. (E). R: Desta forma a pneumonia só será
transmitida caso a pessoa não infectada estiver com falha de defesa do corpo, como
por exemplo câncer, desnutrição entre outros.

15) A asma se difere da bronquite crônica e do enfisema por apresentar um


broncoespasmo reversível. (C).

16) A asma é uma DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica). (E). R: Não é
considerada DPOC, só a bronquite e enfisema.

17) A maioria dos fumantes desenvolvem DPOC. (E). R: A minoria desenvolve e não
se sabe o por quê.

18) Uma doença pulmonar obstrutiva é quando ocorre uma diminuição da quantidade
de ar inalada. (E). R: É o bloqueio do fluxo de ar que dificulta a respiração.
19) As células que atuam na resposta inflamatória da asma são os linfócitos,
eosinófilos, mastócitos, macrófagos, neutrófilos e células epiteliais. (C).

20) A asma pode ser desencadeada por diversos mecanismos como infecções
respiratórias, ar frio e estresse. (C).

21) Na asma não atópica é comum um histórico familiar de asma. (E). R: O histórico
familiar é mais comum na asma atópica.

22) É certo dizer que o carcinoma bronquíolo-alveolar é a neoplasia que mais


comumente acomete o paciente com a síndrome da imunodeficiência adquirida
(SIDA). (E). R: É uma neoplasia pulmonar primária, periférica, que cresce ao longo
das paredes bronquiolares e alveolares, com tendência a se disseminar no espaço
aéreo distal usando o septo alveolar como estroma.
23) É correto afirmar que o edema pulmonar pode ser resultado do aumento da
produção extra vascular de líquido ou da incapacidade de retirada do líquido
intersticial. (C).

24) O edema hidrostático é sempre caracterizado por uma mecanismo transudativo e


insuficiência cardíaca. (E). R: Existem outra causas, porém, em menor prevalência,
que levam a obstrução venosas pulmonares e cursam com edema hidrostático.

25) Linfangite carcinomatosa é uma doença maligna dos glóbulos brancos que tem
como principal característica o acúmulo de células doentes na medula óssea, que
substituem as célula sanguíneas normais. (E). R: É a disseminação neoplásica nos
linfáticos do pulmão e estão localizados principalmente nas bainhas bronco
vasculares, nos septos interlobulares e na região subpleural dos pulmões.
26) É correto afirmar que dificilmente o câncer de pulmão é diagnosticado em fase
inicial, justamente pela ausência de sintomas. (C).

27) O tabagismo é o fator de risco mais importante para o câncer de pulmão, cigarro,
charuto, cachimbo e outras formas de consumo do tabaco podem aumentar o risco. (C).

28) A imunoterapia pode ser utilizada para tratar algumas formas de câncer do pulmão
de não pequenas células, o uso de medicamentos estimula o sistema imunológico de
uma pessoa a reconhecer e destruir células cancerosas de forma mais eficaz, mas
pode trazer efeitos colaterais. (C).

29) A barreira mecânica é um mecanismo de defesa dos sistema respiratório e tem


como objetivo retardar ou impedir a entrada de moléculas e agentes infecciosos em
nosso organismo. (C).
30) Na filtração aerodinâmica cerca de 90% das partículas de 5µm a 10µm de
diâmetro ficam retidas em algum ponto da traqueia, as bactérias em sua maioria
possuem dimensões entre 0,5µm e 5µm, por isso elas conseguem chegar até os
alvéolos. (C).

31) O mecanismo de defesa do sistema respiratório é composto pela barreira


mecânica, filtração aerodinâmica e transporte mucociliar. Não há presença de
macrófagos nas vias aéreas, pois os mecanismo citados já são suficientes para
eliminar os microrganismos e agentes infecciosos do pulmão. (E). R: Há presença
de macrófagos nos pulmões, ficam localizados nos alvéolos e são responsáveis
por elimina microrganismos que ultrapassam os outros mecanismos.
32) A filtração aerodinâmica consegue reter qualquer tipo de microrganismo, até
mesmo bactérias. (E). R: A filtração aerodinâmica consegue reter partículas entre 5 e
10µm, bactérias são menores que isso e podem chegar aos alvéolos, onde serão
eliminados pelos macrófagos.

33) Para que a troca gasosa ocorra é necessário que o ar chegue úmido aos
pulmões, as vias periféricas são responsáveis pela umidificação do ar. (E). R: O
muco, produzido pelas cavidades nasais, são responsáveis por umedecer as vias
respiratórias, umidificando o ar.
34) Gases e moléculas de uma região mais concentrada se movimentam para uma
região menos concentrada sem gasto de energia, ou seja, o gás oxigênio passa das
hemácias para as células do corpo e o gás carbônico passa nas células do corpo para
as hemácias, o nome desse processo é denominado difusão. (C).

35) Por ser um processo automático, a respiração é controlada pelo sistema nervoso,
em condições normais, o centro respiratório produz a cada 5 segundos um impulso
nervoso estimulando a concentração da musculatura torácica e do diafragma,
fazendo-nos inspirar. (C).

36) A hematose ocorre nos alvéolos pulmonares, o gás oxigênio dissemina para os
capilares, penetrando nas hemácias, combinando-se com uma proteína denominada
mioglobina. (E). R: A proteína responsável pelo transporte de gás oxigênio nos
pulmões é a hemoglobina. Mioglobina é responsável pelo transporte de gás oxigênio
nos músculos.
37) A troca do dióxido de carbono pelo oxigênio ocorre nos pulmões, mais
especificamente nos alvéolos pulmonares. (C).

38) A camada da pleura e os músculos que formam a cavidade torácica também


fazem parte do trato respiratório inferior. (C).

39) O trato respiratório é constituído pelas vias respiratórias superiores e inferiores, e


as inferiores que são encontradas fora da caixa torácica. (E). R: O trato respiratório
inferior consiste em órgãos localizados dentro da cavidade torácica.

40) Pleura é uma membrana dupla fina formada pela pleura visceral, que forra
internamente as paredes da cavidade torácica e pleura parietal, envolve os pulmões.
(E). R: Pleura visceral envolve os pulmões e pleura parietal que forra internamente as
paredes da cavidade torácica.
Referências
 https://www.minhavida.com.br/saude/temas/pneumonia

 https://www.abf.com.br/pneumonia/?gclid=EAIaIQobChMIufPrqanO4QIVhgmRCh
3Rzw16EAAYASAAEgI3zvD_BwE

 https://www.agemed.com.br/agenews/pneumonia-saiba-tudo-sobre-causas-
sintomas-e-medidas-preventivas/

 https://minutosaudavel.com.br/pneumonia/
 https://www.redalyc.org/html/929/92911751020/

 https://drauziovarella.uol.com.br/cardiovascular/o-que-sao-trombos-e-como-
evita-los/

 https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-pulmonares-e-
das-vias-respirat%C3%B3rias/embolia-pulmonar/embolia-pulmonar#

 https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/dist%C3%BArbios-
pulmonares/embolia-pulmonar-ep/embolia-pulmonar-ep
 https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/asma/

 http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/asma

 https://www.minhavida.com.br/saude/temas/asma

 https://portal.novartis.com.br/Saude-Asma-grave-Tipos/D3127

 Vídeo: TVP e Embolia Pulmonar; canal: Nucleus Medical Media; acessado


dia: 18/04/2019
 https://www.anatomiadocorpo.com/sistema-respiratorio/

 https://auladefisiologia.wordpress.com/2010/09/08/sistema-
respiratorio/

 https://www.auladeanatomia.com/novosite/sistemas/sistema-
respiratorio/

 FOX, Stuart Ira. Fisiologia humana. 7. ed. Barueri, SP: Manole,


2007. 726 p., il., 1 CD-ROM. ISBN 9788520414736.
 SAYALERO, Myriam (org.). Atlas de anatomia. São Paulo: Girassol,
2007. 240 p., il., ; 23 cm. Inclui glossário e índice. ISBN 8574886367

 http://revista.hupe.uerj.br/detalhe_artigo.asp?id=157

 https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-
pulmonares-e-das-vias-respirat%C3%B3rias/biologia-dos-
pulm%C3%B5es-e-das-vias-a%C3%A9reas/mecanismos-de-defesa-
do-sistema-respirat%C3%B3rio
 http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-
72992007000500018

 GUYTON, Arthur C.; HALL, John E. Tratado de fisiologia


médica. 11. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. xxxvi, 1115 p.,
il., ; 24 cm. ISBN 8535216413.
 https://www.resmed.com/pt-br/healthcare-
professional/diagnosis-and-treatment/ventilation/restrictive-
lung-disease/what-is-restrictive-lung-disease.html

 https://www.minhavida.com.br/saude/temas/pneumonia