Você está na página 1de 252

LUÍS FILIPE TEIXEIRA DE QUEIROZ DE BARROS PINTO

FAMÍLIA
TEIXEIRA DE QUEIROZ
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de
CASA DE CORTINHAS Barros Pinto nasceu em Arcos de
Valdevez, em Dezembro de 1961
e viveu a sua infância na Casa de
Cortinhas, propriedade da família.
Engenheiro Civil, Mestre em Gestão
de Empresas, empresário de profissão,
escreveu já dois livros de natureza
técnica: Revestimentos Tradicionais de
Ligantes Hidráulicos e Estruturas de
Custos em Edifícios de Habitação –
Observatório da Construção de TMAD.
O presente livro, Família Teixeira
de Queiroz – Casa de Cortinhas, é de
natureza biográfica, com incidência
principal no seu bisavô Francisco
VIDA PÚBLICA, OBRA LITERÁRIA, Teixeira de Queiroz.

ASCENDÊNCIA E DESCENDÊNCIA DE
FRANCISCO TEIXEIRA DE QUEIROZ

ARCOS DE VALDEVEZ
Ficha Técnica

TÍTULO
Família Teixeira de Queiroz – Casa de Cortinhas

AUTOR
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

EDIÇÃO
Do autor

PAGINAÇÃO, IMPRESSÃO E ACABAMENTO


Minerva Transmontana, Tipografia, Lda. – Vila Real

1.ª EDIÇÃO
Março de 2019

TIRAGEM
300 exemplares

ISBN
978-972-8546-78-6

DEPÓSITO LEGAL
452404/19

Apoio:
LUÍS FILIPE TEIXEIRA DE QUEIROZ DE BARROS PINTO

FAMÍLIA
TEIXEIRA DE QUEIROZ
CASA DE CORTINHAS

VIDA PÚBLICA, OBRA LITERÁRIA,


ASCENDÊNCIA E DESCENDÊNCIA DE
FRANCISCO TEIXEIRA DE QUEIROZ

ARCOS DE VALDEVEZ
ÍNDICE GERAL

Índice de cartas������������������������������������������� 9
Índice de fotografias�������������������������������������� 11
Agradecimentos e colaborações����������������������������� 13
Introdução��������������������������������������������� 15
Capítulo 1 – Primeira geração em Arcos de Valdevez������������ 19
Capítulo 2 – Obra Literária��������������������������������� 39
2.1 – O autor e o seu contexto���������������������������� 41
2.1.1 – Reflexão estética e Personalidade literária
de Francisco Teixeira de Queiroz���������������� 51
2.1.2 – Sobre a filiação estética do autor���������������� 51
2.2 – Acerca da singularidade da obra do escritor������������ 55
2.2.1 – Sobre a Comédia Burguesa���������������������� 55
2.2.2 – Comédia do Campo���������������������������� 64
2.3 – Conclusão��������������������������������������� 75
2.4 – Teixeira de Queiroz visto por Teixeira de Queiroz�������� 76
2.5 – Alguma correspondência��������������������������� 81
Capítulo 3 – Vida pública��������������������������������� 115
3.1 – Academia das Ciências���������������������������� 117
3.2 – Política����������������������������������������� 148
3.3 – Empresas��������������������������������������� 173
3.3.1 – Companhia das Águas de Lisboa, CAL���������� 173
3.3.2 – Companhia Real dos Caminhos de Ferro�������� 184
3.3.3 – Companhia das Lezírias���������������������� 195

5
Família Teixeira de Queiroz

Capítulo 4 – Genealogia���������������������������������� 203


4.1 – Nota Introdutória�������������������������������� 205
4.2 – Dedução Genealógica Ascendente������������������� 206
A – Ramo Paterno�������������������������������� 206
A1 – Ramo paterno de José Maria Teixeira de Queiroz��� 206
A2 – Ramo Materno de José Maria Teixeira de Queiroz�� 208
B1 – Ramo paterno de D.ª Isabel de Bouro
(Cunhas, Senhores de Tábua), 7.ª avó de Francisco������ 213
A2 – Retorno a A2 – Ramo materno de D. Isabel de Bouro
(Casa da Silva), 7.ª avó de Francisco������������������ 217
B2 – Ramo Albuquerque��������������������������� 221
B3 – Ramo Vasconcelos���������������������������� 223
B4 – Ramo Pereira�������������������������������� 224
B5 – Ramo Teixeira������������������������������� 225
A3 – Ramo Sousa��������������������������������� 225
A4 – Ramo Castro�������������������������������� 227
4.3 – Ascendência de D. Teresa Narcisa de Oliveira David,
mulher de Francisco Teixeira de Queiroz�������������� 228
4.4 – Dedução Genealógica Descendente������������������ 231
2.1 – Ramo Teixeira de Queiroz��������������������� 233
2.2 – Ramo Teixeira de Queiroz Pereira��������������� 234
2.3 – Ramo Teixeira de Queiroz de Castro Caldas������� 235
2.4 – Ramo Teixeira de Queiroz de Salazar de Sousa����� 236
2.5 – Ramo Teixeira de Queiroz de Barros (1)����������� 237
2.6 – Ramo Teixeira de Queiroz de Barros (2)����������� 238
Referências bibliográficas��������������������������������� 241
1 – Bibliografia activa - obras de Teixeira de Queiroz��������� 241
1.1 – Ficção�������������������������������������� 241
1.1.1 – Comédia Burgueza����������������������� 241
1.1.2 – Comédia do Campo���������������������� 241

6
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

1.2 – Textos críticos������������������������������� 242


2 - Bibliografia passiva sobre a obra literária
de Teixeira de Queiroz������������������������������ 243
3 - Outras bibliografias�������������������������������� 244

7
ÍNDICE DE CARTAS

Carta n.º 1 – Conde de Valença����������������������������� 82


Carta n.º 2 – Júlio Brandão��������������������������������� 84
Carta n.º 3 – Camilo Castelo Branco�������������������������� 85
Carta n.º 4 – Camilo Castelo Branco�������������������������� 87
Carta n.º 5 – Camilo Castelo Branco�������������������������� 89
Carta n.º 6 – Conde de Sabugosa���������������������������� 91
Carta n.º 7 – Alexandre Herculano��������������������������� 93
Carta n.º 8 – Teófilo Braga��������������������������������� 95
Carta n.º 9 – Eça de Queiroz�������������������������������� 97
Carta n.º 10 – Bulhão Pato��������������������������������� 99
Carta n.º 11 – Conde de Monsaraz�������������������������� 102
Carta n.º 12 – Conde de Monsaraz�������������������������� 105
Carta n.º 13 – Maria Amália Vaz de Carvalho����������������� 108
Carta n.º 14 – Columbano Bordalo Pinheiro������������������ 111
Carta n.º 15 – Columbano Bordalo Pinheiro������������������ 113
Carta n.º 16 – Júlio Dantas�������������������������������� 143
Carta n.º 17 – Júlio Dantas�������������������������������� 144
Carta n.º 18 – João de Deus�������������������������������� 146
Carta n.º 19 – Manuel de Arriaga, Presidente da República������ 157
Carta n.º 20 – Manuel de Arriaga, Presidente da República������ 159
Carta n.º 21 – Manuel de Arriaga, Presidente da República������ 161
Carta n.º 22 – Norton de Matos, Ministro da Guerra������������ 163

9
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 23 – Afonso Costa, Presidente do Conselho de Ministros. 165


Carta n.º 24 – Afonso Costa, Ministro da Justiça��������������� 167
Carta n.º 25 – António José de Almeida, Presidente da República� 169
Carta n.º 26 – Anselmo Braacamp Freire, Deputado e Presidente
do Senado da República���������������������������������� 170

10
ÍNDICE DE FOTOGRAFIAS

Foto n.º 1 – Casa da Rua da Ponte��������������������������� 22


Foto n.º 2 – Rua Dr. Teixeira de Queiroz���������������������� 23
Foto n.º 3 – Jazigo da Família, Cemitério de S. Bento,
Arcos de Valdevez��������������������������������������� 29
Foto n.º 4 – Registo da matrícula 1.º ano���������������������� 30
Foto n.º 5 – Registo da matrícula do último ano do curso��������� 31
Foto n.º 6 – Família Teixeira de Queiroz. Francisco e Tereza,
ao centro, e os filhos Cecília, Laura, Maria Teresa, Antónia,
Raquel e Paulo������������������������������������������ 32
Foto n.º 7 – Casa de Thorel, Lisboa�������������������������� 33
Foto n.º 8 – Casa de Cortinhas, Arcos de Valdevez�������������� 34
Foto n.º 9 – Escritório na Casa de Cortinhas������������������� 35
Foto n.º 10 – Cortejo Fúnebre������������������������������� 37
Foto n.º 11 – Jazigo da Família, Cemitério do Alto de S. João,
Lisboa������������������������������������������������� 38
Foto n.º 12 – Academia das Ciências������������������������ 121
Foto n.º 13 – Academia das Ciências������������������������ 123
Foto n.º 14 – Grémio Literário����������������������������� 125
Foto n.º 15 – Grémio Literário����������������������������� 128
Foto n.º 16 – Aqueduto das Águas Livres, Arco das Amoreiras��� 174
Foto n.º 17 – O aqueduto de Lisboa, sobre a ribeira de Alcântara�� 177
Foto n.º 18 – Título de acção da Companhia Real dos Caminhos
de Ferro����������������������������������������������� 185

11
Família Teixeira de Queiroz

Foto n.º 19 – Estatutos da Companhia Real dos Caminhos


de Ferro����������������������������������������������� 190
Foto n.º 20 – Chegada do 1.º Comboio a Estação Provisória
do Porto – S. Bento�������������������������������������� 194
Foto n.º 21 – Companhia das Lezirias����������������������� 196

12
AGRADECIMENTOS E COLABORAÇÕES

A Mário Gaspar Leite de Barros Pinto, pela considerável


contribuição que proporcionou pela cedência do Arquivo da Casa de
Cortinhas, que construiu ao longo dos anos numa procura constante
e bem conseguida, acrescida do seu empenho pessoal, através de
memórias e opiniões.
A Filipe Alves Machado, doutorado em literatura, de conhecimentos
aprofundados sobre a obra literária de Francisco Teixeira de Queiroz,
com o importante papel de colaboração no alinhamento de ideias e
textos referentes ao capítulo da Literatura.
A Paulo Teixeira de Queiroz Valença, descendente, que
conjuntamente com o autor iniciou e realizou a pesquisa genealógica
familiar, ao longo dos vários anos da sua duração e que pela sua
profissão, contribuiu para arquitectar a estrutura da árvore geneológica,
que resultou no capítulo da Genealogia, a qual fazemos publicar.

13
INTRODUÇÃO

De acordo com o titulo, este livro incide sobre a família Teixeira


de Queiroz, desenvolvendo-se em redor da figura tutelar de Francisco
Teixeira de Queiroz, o médico, o escritor, o político, o empresário, o
homem público, o homem nobre, de carácter, o homem elogiado pelas
elites políticas, económicas, da literatura nacional e de além fronteiras.
Estende-se aos ascendentes e descendentes, sendo aqui abordados
os temas da chegada do primeiro elemento da família a Arcos de
Valdevez, José Maria Teixeira de Queiroz, a sua descendência, a
construção da Casa de Cortinhas em propriedades da família, o
nascimento e vida de Francisco, nas suas vertentes, académica,
literária, política, empresarial e também da sua infância.
Havendo já publicados muitos e variados artigos e livros sobre
Francisco Teixeira de Queiroz, com assuntos que nesta obra também
serão replicados, pretende-se no entanto uma abordagem de forma a
acrescentar algo mais à sua vida e à da família Teixeira de Queiroz.
É apresentado no livro, um tema até agora nunca tratado,
quer durante a sua vida, quer após a sua morte, talvez pelo seu
espírito de rompimento com o passado, pelo qual abraçou a causa
republicana durante a monarquia, que é a genealogia da família,
com os seus ascendentes até onde foi possível alcançar e identificar,
um processo ainda em evolução, assim como todos os seus
descendentes até à geração dos bisnetos. À grande família já
publicamente conhecida com todos os ramos descendentes e algumas
gerações de ascendentes, acrescentou-se, através de investigação
aprofundada, outra grande família, prolongada no tempo e na
história do país.
Pretende-se assim divulgar algo inédito em publicações, para a
história do arcuense Francisco Teixeira de Queiroz e sua família.

15
Família Teixeira de Queiroz

Para o efeito, foram consultados os arquivos da Casa de Cortinhas,


vários arquivos nacionais, concretamente, o Museu João de Deus,
onde se encontra o Fundo de Escritor, o Arquivo da Companhia
das Águas de Lisboa, actual EPAL, participada pela família à data,
o Arquivo dos Caminhos de Ferro (CP), participada pela família à
data, o Arquivo da Companhia das Lezírias, também participada pela
família, a Biblioteca Nacional, a Biblioteca Municipal de Arcos de
Valdevez, o Arquivo da Universidade de Coimbra, a Academia das
Ciências, a Torre do Tombo, nomeadamente o Arquivo do Cartório da
Nobreza, as Chancelarias Reais, os livros de Fidalgos da Casa Real e
os Nobiliários das Famílias Portuguesas, desde o do Conde D. Pedro, a
Manuel Pedrosa e Felgueiras Gayo, entre outros. Também o Arquivos
Distritais de Braga, Viana do Castelo, de Portalegre, do Porto e de
Lisboa, para nascimentos, casamentos, Inquirições de Génere e outros
registos.
Como nota de realce, salienta-se que no Fundo do Museu
João de Deus, se encontrou e utilizou no livro, correspondência
de Francisco Teixeira de Queiroz com inúmeras figuras da vida
política, da monarquia à república, da economia e da literatura,
como Bernardo Maria Correia Mello, Conde de Arnoso e Secretário
do Rei D. Carlos; Júlio Brandão, escritor; Trindade Coelho, escritor,
magistrado e político; António de Castro de Gouveia Osório, Visconde
de Vila Mendo; Maria O´Neil, escritora, poetisa e jornalista; Conde
de Sabugosa, diplomata, poeta e escritor; Bernardino Machado,
terceiro e oitavo presidente eleito da República Portuguesa; Alexandre
Herculano, escritor, historiador, jornalista e poeta; Conde de Valença;
Afonso Costa, Presidente do Governo em 1913, 1915 e 1916; Tomás
de Melo Breyner, Conde de Mafra; António de Macedo Papança, 1.º
conde Monsaraz, advogado, político e poeta; António de Monsaraz,
2.º conde Monsaraz, poeta e político; Artur Hintze Ribeiro, Presidente
do Conselho de Ministros; Antero de Quental, escritor e poeta; Eça de
Queiroz, escritor; Columbano, pintor naturalista e realista; Ramalho
Ortigão, escritor; Teófilo de Braga, poeta, político e ensaísta; António
José de Almeida, sexto presidente da República Portuguesa; Félix
Alves Pereira, arqueólogo arcuense; Manuel de Arriaga, 1.º Presidente
da República de Portugal; Maria Amália Vaz de Carvalho, escritora e

16
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

poetisa; António Cândido, professor e político; Camilo Castelo Branco,


escritor; João de Deus, escritor e pedagogo, entre outros.
Alguma correspondência de cariz público, será utilizada na
obra, de forma metódica e adequada, conforme os assuntos em
desenvolvimento e também a propósito das individualidades citadas,
para além de algumas fotografias com interesse de locais referenciados
e de passagens de algumas fases da vida de Francisco Teixeira de
Queiroz.
O livro é composto por quatro capítulos, com algumas subdivisões.
Iniciado com a primeira geração em Arcos de Valdevez,
consequência de dezenas de gerações anteriores, ao longo de muitos
séculos, identificadas e referenciadas no livro, mostrando um passado
de considerável história. Refere assim no primeiro capítulo, a chegada,
o casamento, a descendência, e a incidência no primeiro filho, com a
sua infância, o percurso académico, o aparecimento do escritor, do
político, do administrador de grandes empresas, da Presidência da
Academia das Ciências, da figura nacional.
O segundo capítulo é o das letras. A obra literária do escritor,
com a Comédia do Campo, estilo realista e naturalista, onde todo o
Minho é descrito em pormenor, com as suas paisagens, as suas gentes,
o seu trabalho, as festas religiosas e romarias, os hábitos e os costumes
e com a Comédia Burguesa, a mesma forma de análise e de estilo,
mas a incidir sobre a vida da sociedade citadina, a forma oposta do
pensamento e funcionamento do mundo rural. Uma obra vasta, bem
escrita, bem descrita. Os seus pensamentos políticos e sociais também
são apresentados de forma escrita, assim como variados contos,
resultantes de histórias mais curtas e momentâneas, de pequenas
reflexões e episódios breves.
Assim se vê o Escritor, na posição de Observador nas suas
narrativas, fazendo o desenvolvimento ficcionado, através de um
elevado e complexo génio.
Com o terceiro capítulo, surge a sua vida pública, resultante da
actividade política, da administração de empresas e da Academia das
Ciências, quer na presidência, quer como sócio efectivo.
Na política, fazendo parte de uma geração essencialmente
doutrinária, lugar onde se sentia melhor, até porque de acordo com

17
Família Teixeira de Queiroz

a sua intransigência nos princípios e independência no pensamento


e nas decisões, fazia-o estar de forma mais consentânea com a sua
personalidade e logo mais longe das movimentações da política
partidária no terreno.
Na Academia foi eleito Vice-Presidente e Presidente pelos seus
pares. Sócio efectivo desde 1905, marcou memoravelmente a Instituição
com notáveis intervenções, que constam ainda hoje nos seus registos.
Participou aí em pareceres sobre as grandes questões nacionais, como
por exemplo a reorganização do ensino público, a execução do cadastro
topográfico do país e vários outros desígnios de grande interesse
público e nacional.
Por último, as empresas. Administrador e accionista elegível na
Companhia das Águas de Lisboa, na Companhia Real dos Caminhos
de Ferro Portugueses e na Companhia das Lezírias, onde exerceu uma
actividade reconhecida e de longa duração.
O quarto e último capítulo, trata exclusivamente da sua ascendência
e descendência. É o capítulo da Genealogia, que resulta de investigação.
Das muitas gerações conhecidas, partiu-se para os seus antepassados
até onde foi possível chegar. Há linhas ainda por investigar e há outras
para procurar mais longe. Um trabalho que continua a ser feito e que
um dia dará lugar a próxima actualização
A obra é e pretende-se simples, baseado em pesquisa e investigação,
excepcionalmente com um ou outro facto genuinamente dedutivo, mas
baseado na lógica da realidade através de indícios móveis e imóveis,
contando com histórias e situações similares, transmitindo por vezes o
que embora não estando escrito, dificilmente poderia ter sido diferente.
E isto porque através dos tempos, nem tudo ficou registado, mas nada
pode apagar passagens, evidências, memórias e locais.
Alguma imprecisão, a verificar-se, possível numa extensão
histórica tão dilatada, será naturalmente corrigida.

18
CAPÍTULO 1

PRIMEIRA GERAÇÃO
EM ARCOS DE VALDEVEZ
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Chegou em meados do século XIX a Arcos de Valdevez, José Maria


Teixeira de Queiroz, nascido na Casa da Torre de Vilar1 em Amares,
em 1817, filho de António José Teixeira de Queiroz, de Amares e D.ª
Angélica Narcisa da Silva Campellina, de Amarante, aí residentes, e
também na cidade do Porto, em Santo Ildefonso, como adiante se verá.
Casou com D.ª Antónia Joaquina Pereira Machado, de família arcuense
a 13 de Junho de 1847 na Igreja de S. Paio dos Arcos, e formou a primeira
geração desta família Teixeira de Queiroz, em terras de Valdevez.
Esta desenvolveu-se, cresceu e aí continua implantada e ramificada,
nomeadamente na propriedade da família, Quinta e Casa de Cortinhas,
pertencendo actualmente aos descendentes Maria da Graça Teixeira de
Queiroz, neta, e Mário Gaspar Leite de Barros Pinto, a quem muito se
deve a propriedade da Casa da Família e das memórias do Escritor.
Como curiosidade e por questão de homonímia, algumas
décadas antes chegou outro cavalheiro de apelido Queiroz a Arcos
de Valdevez, de seu nome António Botelho de Queiroz Pimentel,
também vindo de Amarante, tendo casado2 com D.ª Maria Josefa de
Gouveia e Vasconcelos, de família arcuense. Um dos seus dois filhos,
Gaspar Queiroz Botelho de Vasconcelos construiu mais tarde a Casa
da Coutada, onde Francisco Teixeira de Queiroz e família, com a Casa
de Cortinhas em construção, passavam férias, vindos de Lisboa da
sua Casa de Thorel, por grande amizade e convicções republicanas
conjuntas entre os patriarcas das duas famílias. Estão cruzadas na
actualidade, por casamento de descendentes de ambos.
Em 3 de Maio de 1848, nasce o primeiro filho, que pelo
prematuro falecimento3 de seu pai, José Maria Teixeira de Queiroz,

1 Casa da Torre de Vilar, pertencente à data a D.ª Maria Teresa Pereira do Lago de Abreu e Lima.
A família Pereira do Lago é comum a Angélica da Silva Campellina por ascendência. Também
a Torre do Lago, pertenceu à familia Pereira do Lago, sendo o último dono conhecido João
Gomes de Lago, escudeiro figalgo da Casa de D. Afonso V, Fronteiro-mor de Entre Douro
e Lima, casado com Germineza Pereira de Araújo, que chegou a conquistar Baiona, Vigo e
Redondela para Portugal. Foi pai de Paio, de Afonso e de João Pereira do Lago, entre outros.
2 CA do Concelho de Arcos de Valdevez, Vol. II, pág. 81.
3 Cf Livros Paroquiais, Arquivo Distrital de Viana do Castelo.
José Maria Teixeira de Queiroz, casado com Antónia Maria Pereira Machado, morador na
Rua da Ponte, nesta freguesia de São Paio da Vila dos Arcos de Valdevez, faleceu no dia
cinco de Novembro do corrente ano de mil oitocentos e cinquenta e foi sepultado no dia sete,
funeral a que assistiram vinte e dois Clérigos. E para constar foi feito avento no dia oito do
mesmo mês e ano. Foi Pároco, Joaquim Luiz Ribeiro da Silva.

21
Família Teixeira de Queiroz

quando tinha apenas dois anos de idade, viria a ser filho único.
Viveu Francisco, apenas com sua mãe e tios durante a infância,
recebendo todo e incondicional amor materno pelo estatuto de único
filho e de solicitada companhia, o que, se por um lado o prendia à
solidão de sua mãe, passando muito tempo em actividades religiosas
como o próprio se refere numa página pessoal, ao tempo que viveu
entre “cortinas de igrejas e rezas”, por outro lhe permitiu circular pelas
terras e montes nas redondezas da sua residência urbana, parte,
propriedade da sua família, acompanhando trabalhadores no
pastoreio e lides agrícolas, além dos passeios ao longo do rio Vez e
zonas circundantes.

Foto n.º 1 – Casa da Rua da Ponte.

Residente em casa de família, edifício de arquitectura austera,


de boa traça, com porte, cornija granítica prolongada, moldura
larga continuada em portas e janelas, com colunas de fronteira com
as casas adjacentes, na antiga Rua da Ponte na entrada da Vila dos
Arcos, actualmente Rua Dr. Teixeira de Queiroz, uma das habitadas
naquela rua pela família de sua mãe. Estendiam-se as terras da família,

22
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

acrescentadas ao longo do tempo, conjuntamente com os tios, desde a


freguesia de S. Paio da Vila até à freguesia de Paçô, Lugar de Cortinhas,
onde se situa a Casa de Cortinhas, ladeando à esquerda a estrada de
Arcos de Valdevez para Ponte da Barca e Braga.

Foto n.º 2 – Rua Dr. Teixeira de Queiroz.

Na casa contígua à direita, vivia a irmã da mãe e sua tia, Joaquina


Maria dos Remédios Pereira Machado, casada com Francisco Luis
Machado. Em frente, com traça idêntica, a Casa dos Condes de Porto
Covo da Bandeira4 e a poucos metros a Casa da Ponte, à data da familia
Araújo de Azevedo, da qual descende o escritor Tomaz de Figueiredo5,
casado com Maria Antónia Teixeira de Queiroz de Castro Caldas, neta
de Francisco Teixeira de Queiroz.

4 Casa onde nasceu o 2.º Conde de Porto Covo da Bandeira, Felix Bernardino da Costa Lobo da
Bandeira, sobrinho neto do 1.º Barão, Jacinto Fernandes da Bandeira (1745-1806), título criado
em 1805 por D. Maria I e herdeiro do 2.º Barão, 1.º Visconde e 1.º Conde de Porto Covo da
Bandeira, Joaquim Costa Bandeira (1746-1856).
5 Tomaz Xavier de Azevedo Cardoso Figueiredo, (Braga, 6 de Julho de 1902 – Lisboa, 29 de
Abril de 1970), foi escritor, filho de Gustavo de Araújo e Silva Figueiredo e de maria da
Soledade de Azevedo Araújo Costa lobo e Mendonça.

23
Família Teixeira de Queiroz

Herdou Francisco da família6 uma parte dessas terras e comprou


mais tarde a de seus tios maternos e herdeiros, de acordo com escrituras
seguidamente apresentadas.7
Entre os onze e os doze anos, logo após a conclusão dos estudos
primários, e pela vontade de sua mãe em não querer vê-lo afastado
da casa familiar, foi-lhe permitida alguma liberdade para se deslocar
pelas redondezas, diminuindo assim o tempo das igrejas e rezas, onde
o rio, as terras da família, os montes envolventes e os caminhos rurais
que faziam as ligações entre vizinhos foram calcorreados, formando-se
desta forma uma parte importante da sua personalidade, que se veio

6 Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas in Terras de Valdevez e Montaria do Soajo,


p. 217.
7 Tratado da escritura de venda e quitação do preço
Saibam quantos virem esta escritura de venda e quitação do preço que no ano de Nascimento
de Nosso Senhor Jesus Cristo de mil e novecentos e quatro, aos catorze de novembro, nesta
vila dos Arcos de Valdevez, Praça Municipal e no meu cartório perante mim notário José
Gonçalves de Oliveira e as testemunhas idóneas e do meu conhecimento no fim nomeadas e
assinadas compareceram de uma parte como primeiro outorgante Francisco Luis Machado,
viuvo proprietário, da freguesia de São Paio da vila; e da outra parte como segundo
outorgante o excelentíssimo senhor doutor Luis Gonzaga de Assis Teixeira de Magalhães,
casado, juiz de direito da comarca de Ponte da Barca, na qualidade de procurador bastante
do excelentíssimo Francisco Teixeira Queiroz, casado, medico e proprietário, residente
na Travessa da Cruz do Torel, freguesia da Pena, da cidade de Lisboa, como o acredita a
procuração que do mesmo me apresentou com poderes para este contrato e fica arquivada
no meu cartório e no masso dos documentos pertencentes a esta nota para os devidos efeitos.
(...) foi dito: que pela presente escritura vende rasamente desde o dia de hoje para todo o
sempre a Francisco Teixeira de Queiroz, representado neste acto pelo segundo outorgante
seu bastante procurador a raiz de uma oitava parte e mais a sétima parte de uma oitava parte
da quinta chamada da Cortinhas e do campo da Cachada, formando tudo um prédio sito
do local do mesmo nome, limites da freguesia de Paço e São Paio da Vila confrontado (...).
O notário José Gonçalves de Oliveira.

Tratado da escritura de venda e quitação do preço


Saibam o quanto virem esta escritura de venda e quitação do preço, que no ano do Nascimento
de Nosso Senhor Jesus Cristo de mil e novecentos e quatro, (...) como primeiros outorgantes,
José António Machado e mulher Cecília Rosa de Freitas, do lugar de Faquello, freguesia de
São Paio da vila, Maria Emilia do Patrocínio Machado, viuva, filhos e nora, João de Deus
Machado da Silva e esposa Dona Rosa da Soledade Lopes, Dona Cecília Machado da Silva e
Dona Laura Machado da Silva, solteiras, (...) os outorgantes José António Machado e esposa
vendem o usufruto vitalício da quinta chamada da Cortinhas e campo da Cachada formando
tudo um só prédio, sito no local do mesmo nome, limites das freguesias de Paçó e São Paio
da vila, (...) a outorgante Dona Emilia do Patrocínio Machado da Silva, vende a raiz da oitava
parte do mesmo prédio e os outorgantes seus filhos e nora João de Deus Machado da Silva
e mulher, Dona Cecília Machado da Silva e Dona Laura Machado da Silva, vendem a raiz
de três quintas partes de uma oitava parte dos mesmos prédios, que lhe fazem esta venda a
saber; (...). O escrivão de fazenda, José António Fernandes Lopes. Pelo recebedor António José
Rodrigues. Esta conforma com os originais aos que me reporto.

24
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

a reflectir nas suas obras literárias, principalmente na Comédia do


Campo, ao longo da construção literária que empreendeu e que mais
adiante se falará.
Aos doze anos partiu para Braga, para continuar os estudos no
Liceu Sá de Miranda.8 Conforme Francisco Teixeira de Queiroz escreve:

“Quando, aos doze anos de idade, pela primeira vez me afastaram de


casa, para me acrescentarem o valor em cidade distante, foi enorme a minha
dor. À distância de mais de cinquenta anos ainda a reconstruo com a mesma
intensidade. Era um dia quente, não sei de que mês maldito. A longa fila
de machos do recoveiro a quem me confiaram caminhava, caminhava por
estradas aconchegadas na sombra dos arvoredos. O animal da frente, com seu
chocalho badalava, badalava, deixando cair esses sons, como lágrimas, pelo
caminho. Aquilo parecia-me saimento fúnebre e nem a guizalhada alegre da
montada do almocreve, me distraia da minha tristeza. Ao caírem as sombras
da primeira noite de jornada, a saudade da terra aumentou, e parecia-me
que sobre a minha vida desabara uma catástrofe irremediável. Chorei
copiosamente; os lenços com que me dotara a solicitude materna, eram poucos
para o meu pranto. O homem rude a que me haviam confiado fazia-me luzir
a esperança de tornada breve. Eu nem o escutava, entregue ao meu sofrer.”9

Tratava-se de um sofrimento acrescido pela criança de doze


anos, quando refere “o homem rude a quem me haviam confiado...”, sentido
profundamente pela saída e afastamento do seu ambiente familiar.
Voltaria sempre a casa nas férias, o que ia atenuando a explicitada
dor, como refere através de conto publicado na Revista Atlântida,
quanto a viagens de carruagem em que participou para a sua terra
natal. “Outras (viagens aos Arcos), que se verificaram desde os 12 anos, altura em
que partiu para Braga a estudar, foram confirmadas pela memória de pessoas que
inquirimos.”10
Lembra e refere também Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro
Caldas11:

8 Arquivo do Liceu Sá de Miranda, Braga.


9 Campos da Minha Terra, Maio de 1915, Casa de Cortinhas - Revista Atlântida.
10 Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas, Documento Histórico Familiar, p. 10.
11 Professor extraordinário do Instituto Superior de Agronomia, 1946-1894. Doutorado pelo
Instituto Superior de Agronomia em 1946. Engenheiro-Agrónomo da Junta de Colonização
Interna, 1941-19422. Engenheiro-Agrónomo da Direcção-Geral dos Serviços Agrícolas, 1943-
1945. Vice-Presidente da Comissão Reguladora do Comércio do Arroz, 1945-1947. Membro do
Conselho Orientador do Centro de Estudos Económicos do Instituto Nacional de Estatística.
Vogal do Conselho das Obras Públicas. Pertenceu ao Centro de Estudos Económicos do

25
Família Teixeira de Queiroz

«Foi afirmado, na sessão da Academia das Ciências, ao ser celebrado


centenário do nascimento do Escritor que, “na cidade dos arcebispos”, o
nosso Avô “aprendeu a soletrar nos monumentos o sentido das humanas
grandezas e a descortinar, através dos livros, a verdade do que os sonhos lhe
prometiam”. Tudo o que se diz na Academia das Ciências é rigorosamente
exacto. E foi certamente por tal motivo que o Orador escolhido não deixou
de dizer que o nosso Avô, em Braga, “alargou o ritmo das suas aspirações
para a conquista de um róseo astro”. Foi assim que em nova fase de estudos,
bem aprofundado o clássico latim, que de muito lhe serviria quando veio a
ser Escritor.»12

Escreveu a propósito desta passagem da sua vida, João de Barros13,


genro e sua companhia regular, casado com a filha Raquel Teixeira de
Queiroz:

«Francisco Teixeira de Queiroz nasceu nos Arcos de Valdevez no


dia 3 de Maio de 1848. Um tio (...) seduzido pela precoce inteligência do
sobrinho, custeou-lhe os estudos, (...) que terminaram pela formatura em
medicina na Universidade de Coimbra, onde o jovem escolar conquistou
vários galardões universitários. (...) por distracção muito desejada – revelo
este traço da sua biografia, que tem sabôr e importância – muitas vezes
o futuro romancista ia acompanhar o pastôr da família (...). Era esse o
seu maior e mais querido divertimento – divertimento singelo e sadio,
que num temperamento sisudo, mas permeável às influencias e contactos
da pródiga natureza ambiente, deixaria imperecíveis recordações e

Instituto Nacional de Estatística e a Sociedade das Ciências Agronómicas. Tendo como


distinções recebidas: Prémio «Cunha Ramos», do Instituto Superior de Agronomia, atribuído
ao relatório final do curso; Louvado pela actuação no cargo de vice-presidente da Comissão
Reguladora do Comércio do Arroz e Louvado pela actuação na comissão encarregada de
rever o regime Cerealífero em 1954.
12 Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas, Breve História de Francisco e Tereza, Nossos
Avós,1989, p. 3. Escreveu de forma sentida estas memórias dos seus avôs Francisco e Teresa,
destacando-se como descendente que muito admirou, apreciou e respeitou a memória do avô
Francisco, tendo ainda com ele convivido na sua infância.
13 João de Barros, nascido em São Julião da Figueira da Foz, em 4 de Fevereiro de 1881, morreu
em Lisboa, em 25 de Outubro de 1960, foi poeta, pedagogo publicista português.
Filho terceiro de Afonso Ernesto de Barros, 1.º Visconde da Marinha Grande, e de sua primeira
mulher Mariana da Ascensão da Costa Guia. Casou com Raquel Teixeira de Queiroz, nascida
a 7 de Maio de 1880, filha de Francisco Teixeira de Queiroz e de sua mulher Teresa Narcisa de
Oliveira David.
Licenciou-se em Direito pela Universidade de Coimbra. Enveredou cedo pela carreira de
professor, leccionando Português e Francês nos liceus de Coimbra, Porto e Lisboa. Em 1907,
como bolseiro, acompanhado por João de Deus Ramos, realizou, durante perto de um ano,
uma viagem de estudo com fins pedagógicos a Espanha, França, Grã-Bretanha e Irlanda e
Bélgica, o que lhe permitiu conhecer experiências pedagógicas inovadoras. Distinguir-se-ia
depois como pedagogo, associado ao movimento da Escola Nova.

26
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

contribuiria fortemente para a formação do seu espirito (...). No prefácio


dos “Arvorêdos” escreve Teixeira de Queiroz: “os dez contos hoje coligidos
são manifestação espontânea do amôr à Província. Quando retomar o fio
do que, ainda tenho a dizer acêrca da vida fora das cidades, estou seguro
de surpreender na memória dos meus nervos a frescura da mocidade
indispensável para a referir”. Confissão preciosa! Ela vem revelar-nos que
o próprio autor possuía a consciência perene da inalterável veemência das
lembranças da meninice, e que, dominando tudo – o gosto das leituras
copiosas e eruditas nêle habituais, existência movimentada, e complexa
onde irresistivelmente mergulhava, como político, jornalista e homem de
sociedade, - o refúgio, o encanto e o consôlo da sua alma os trazia consigo
– mesmo na visão arejada e ampla dos rios múrmuros, das montanhas
verdejantes, das árvores amigas, e da gente humilde e trabalhadora do
burgo longínquo...»14

Esta afirmação verdadeira sobre o escritor, pode considerar-se


ainda assim “romântica”, derivada da forma como Francisco falava
e escrevia, sobre os pastores, sobre os animais de pastoreio e sobre
“o cão”, este, em diferentes cenários, originando “imagens” sublimes
como adiante se verá. O lobo surge em conto ainda estudado no ensino
secundário. Teixeira de Queiroz estudou o animal, como associado do
homem em todo o drama complexo da vida.
Refere David Mourão-Ferreira15:

“Quanto a Teixeira de Queiroz não restam duvidas – porque em


inúmeros passos o afirmou e configurou - que a adopção que fez da
designação da sua obra como Comédia do Campo e Comédia Burguesa
se deve a influência de Balzac, encontrando-se significativamente
acompanhado quanto aos destinos da própria concepção e prática de ficção
narrativa, realista e naturalista....”16

14 Cf Arquivo de Viana do Castelo, 1934.


15 David de Jesus Mourão-Ferreira (Lisboa, 24 de Fevereiro de 1927 – Lisboa, 16 de Junho de
1996), foi um escritor e poeta português. Tem uma biblioteca com o seu nome em Lisboa no
Parque das Nações. Tornou-se assistente da Faculdade de Letras em 1958. Entre 1963 e 1973
foi secretário-geral da Sociedade Portuguesa de Autores. Teve uma activa colaboração em
jornais e revistas, dos quais se destacam o Diário Popular. Depois do 25 de Abril de 1974,
seria director do Jornal A Capital e diretor-adjunto do O Dia. No governo, desempenhou o
cargo de Secretário de Estado da Cultura (de 1976 a Janeiro de 1978, e em 1979). Foi por ele
assinado, em 1977, o despacho que criou a Companhia Nacional de Bailado.
16 David Mourão Ferreira - “Homenagem ao Escritor Teixeira de Queiroz” - Câmara Municipal
de Arcos de Valdevez.

27
Família Teixeira de Queiroz

Aqui se verifica a sua qualidade de observador desses cenários


minhotos, assim como a influência Balzaquiana, em quadros
semelhantes.
Por estas duas afirmações, a do próprio, em que diz “... me afastaram
de casa, para me acrescentarem valor...” e a comentada por Eugénio Teixeira
de Queiroz de Castro Caldas, onde refere “... em nova fase de estudos,
bem aprofundado o clássico latim, ...”17 verifica-se que aos 12 anos, quando
partiu para Braga, Teixeira de Queiroz já sabia algum latim, daqui se
deduzindo, que a par dos campos, do acompanhamento dos pastores,
do rio e das igrejas, Teixeira de Queiroz, no ano seguinte à conclusão
da escola primária, entre os onze e os doze continuou os seus estudos,
o latim talvez com o pároco de S. Paio, demonstrando uma capacidade
de aprendizagem e inteligência raras para a idade.
Foi exactamente esta a realidade do escritor arcuense, ao contrário
do infundado e abusivo texto escrito pelo jornalista Joaquim Manso
quase três décadas após a sua morte, e que infelizmente por não
ter havido a percepção pela família e o consequente cuidado da
desmistificação desta fantasiosa história, ela se espalhou um pouco no
tempo, levando alguns autores actuais sobre a vida do escritor Francisco
Teixeira de Queiroz, seduzidos por um tão grande contraste, a propagar
a romântica história, um ou outro conveniente da sua veracidade.
Referiu até o dito jornalista, que contou como fonte um genro
de Francisco de Teixeira de Queiroz, “o meu querido amigo João de
Barros, que tão fraternamente me tirou dúvidas e hesitações, enquanto eu buscava
documentar-me, confiadamente, sobre o seu reticente sogro...”. Acontece, como
diz Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas: «João de Barros não
poderia ter deixado de revelar o N.º 1 do Mensário Artístico Literário e Social para
Portugal e Brasil, a “Atlântida”, publicada muito antes, em 1915, de que era Director
em Portugal, onde figura o artigo de Teixeira de Queiroz intitulado “Campos da
Minha Terra”»18,
onde, como atrás se pode ler, o próprio diz como e com
que idade saiu de Arcos de Valdevez para estudar no liceu em Braga,
antes de seguir para Coimbra. E o próprio Joaquim Manso escrevia
na “Atlântida” em 1915, quando a Revista publicou essa historia da

17 Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas, Breve História de Francisco e Tereza, Nossos
Avós 1989, p. 2 e 3.
18 Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas, Documento Histórico Familiar, p. 3.

28
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

sua vida, tendo obrigatoriamente de a conhecer. Aqui se encontra,


para além da “construção” de Joaquim Manso, a utilização abusiva
de João de Barros como fonte, podendo ainda acrescentar-se que este,
além de ser Director da Revista Atlântida onde foi publicado o artigo,
era conhecedor da história da infância de Teixeira de Queiroz, que
escreveu, desmentindo-o assim natural e categoricamente.
Este jornalista, embora aparentemente sob o pretexto de
“romantizar” a vida de Teixeira de Queiroz, talvez baseado nas suas
ideias e ideais republicanos, nos quais assentava bem “a observação in
situ dos factos escritos” para as classes do pensamento e dirigentes do
novo sistema político, não deixou de escrever uma falsidade grosseira,
e que após a desmontagem documentada de todas as suas afirmações
e fontes que alegou, provando-as falsas, apenas se pode concluir
para a existência de um cenário de despeito, facto já abordado por
analistas literários, e que pode consubstanciar-se no facto de Manso
não ter conseguido tornar-se Membro Efectivo da Academia das
Ciências durante o consulado em que Francisco Teixeira de Queiroz
foi respectivamente Vice-Presidente e Presidente. Não viria também a
conseguir tal pretensão nos quarenta anos seguintes após a morte de
Francisco Teixeira de Queiroz e o seu próprio fim.
A verdade é que a infância de Francisco, aconteceu da forma descrita
pelo próprio e nem o facto do seu pai ter falecido quando tinha apenas
dois anos de idade alterou a sua vida e crescimento, ficando apenas
mais ligado à esfera da família materna, principalmente com maior
atenção do tio António Joaquim Pereira Machado, como a seguir se verá.

Foto n.º 3 – Jazigo da Família, Cemitério de S. Bento, Arcos de Valdevez.

29
Família Teixeira de Queiroz

O tempo passava, Francisco crescia, e para desgosto da mãe


e de Francisco, por insistência dos tios, principalmente do tio
António, solteiro, sem descendentes, seu padrinho e figura mais
atenta à educação do sobrinho após a morte prematura do pai,
conscientes da sua enorme capacidade, sensibilidade e inteligência,
a mãe foi convencida a enviá-lo para o liceu em Braga de modo
a continuar os seus estudos. Fê-lo com facilidade e com grande
distinção. Segue-se a Universidade e Francisco ruma a Coimbra,
para a Faculdade de Medicina, onde se matricula em 1867, com
19 anos, instituição conceituada e de grande prestígio, a única do
país, fundada por D. Dinis. Aí estudou e sem qualquer dificuldade
integrou-se na vida académica, com notas altas e distinções.
Licenciou-se em 1875 tendo estabelecido amizades para o resto da
vida, com as quais viria a conviver e corresponder com frequência,
e que em grande parte viriam a ser actores da vida docente da
Universidade, da vida política, da justiça e vida literária nacional,
como adiante se verá.

Foto n.º 4 – Registo da matrícula 1.º ano.

30
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Foto n.º 5 – Registo da matrícula do último ano do curso.

Casou na Sé Catedral de Lisboa a 3 de Fevereiro de 1872 com


Tereza de Oliveira David, que o acompanhará em toda a sua vida.
Neste capítulo, como facto engraçado e por curiosidade, descreve-se o
episódio do primeiro contacto entre os dois. Tereza, em determinada
altura chegou a Coimbra em visita ao irmão, Venâncio de Oliveira
David, estudante na Universidade tal como Francisco Teixeira de
Queiroz. De uma beleza espantosa e no tempo em que as senhoras
usavam vestidos enfeitados com “cauda”, em Coimbra formou-se uma
cauda não do vestido de Tereza, mas de seguidores, admirados com tal
formosura. Em passeio pela baixa com o irmão eis que surge de frente
Francisco, a quem Venâncio apresenta Tereza.

“E a academia, surpreendida e receosa, contemplou um sorriso como


nunca antes se vira (...) e estamos certos, nunca mais se poderá voltar a ver
igual. Ficaram os dois, olhos nos olhos, sendo indescritível o clarão que
iluminou com a cor da esperança, o perfil de ambos que, frente a frente,
estacaram fulminados”.19

19 Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas, Breve História de Francisco e Tereza, Nossos
Avós 1989, p. 4.

31
Família Teixeira de Queiroz

Rapidamente casaram, vivendo em Coimbra enquanto Francisco


estudava, onde também escreveu os primeiros contos, concretamente
“O Tio Agrela”, publicado com o apoio de Camilo Castelo Branco,
no “Diário Ilustrado”20 em 1876. Camilo era mais velho mas ainda
frequentador de Coimbra, acompanhando os filhos na Universidade,
que entretanto, pelo talento de Francisco, se tornou seu amigo e
companheiro das tertúlias académicas. Aqui foi pai pela primeira vez.
Terminado o curso, Tereza e Francisco foram viver para Lisboa.
A casa na Rua da Madalena tinha uma espaçosa entrada que permitia
a entrada de carruagens e belos painéis de azulejos na escadaria e
paredes interiores. Podem ver-se esses azulejos actualmente na Casa
de Cortinhas em Arcos de Valdevez.
Foi aqui que iniciou contactos com outros escritores e políticos e
passou a conviver com Bernardino Machado, António Cândido, Guerra
Junqueiro, João Penha, Conde de Sabugosa, Conde de Monsaraz,
Gonçalves Crespo e Maria Amália Vaz de Carvalho, entre vários outros.
Foram também nascendo os filhos, Cecília, Laura, Maria Teresa,
Antónia, Raquel e Paulo, “a quem ofereceu dedicação constante e educação
esmerada na qual participaram no domicilio, à moda da época, professoras (Misses)
que ensinavam Línguas, História e Arte, assim como Lavores e Boas Maneiras”.21

Foto n.º 6 – Família Teixeira de Queiroz. Francisco e Tereza, ao centro, e os filhos


Cecília, Laura, Maria Teresa, Antónia, Raquel e Paulo.

20 Diário Ilustrado – Jornal de Lisboa, publicado entre 1872 e 1911.


21 Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas, Breve História de Francisco e Tereza, Nossos
Avós 1989, p. 5.

32
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Com gosto e uma vontade férrea, Francisco Teixeira de Queiroz


continua a escrever a sua obra literária. Não mais parou, até à sua
morte em 1919, contando-se romances, contos, novelas, estudos e
artigos, como adiante se verá.
Em Lisboa construiu a Casa de Thorel um imponente e belo palacete,
que concluiu em 1892, em terrenos que em tempos pertenceram ao
Desembargador Thorel, origem toponímica da zona, como a Travessa
de Thorel e o Pátio do Thorel. Com um horizonte longo e sobranceiro
sobre a baixa pombalina, deverá esta Casa a par da Casa de Cortinhas,
ter criado o ambiente inspirador que levou o escritor a edificar tão
significativa obra literária.

Foto n.º 7 – Casa de Thorel, Lisboa.

Nesta casa casaram as suas filhas. Cecília com Carlos Augusto


Pereira, Laura com Eugénio Pereira de Castro Caldas, Maria Teresa
com Jaime Ernesto Salazar d´Eça e Sousa, Raquel com João de Barros e
Antónia com José Carlos de Barros.
De matriz arcuense poderão ser considerados apenas dois ramos
de descendentes do Patriarca. O filho Paulo, que como sempre mostrara
vontade, foi residir para a Casa de Cortinhas. Casou primeira vez com

33
Família Teixeira de Queiroz

Almerinda Ferreira Braga, filha do Conselheiro Domingos Ferreira


Braga, fidalgo da Casa Real do Rei Dom Luís e Conselheiro do Rei Dom
Carlos e da qual veio a enviuvar. Casou novamente já depois da morte
do pai, com Rosa Augusta Gomes de Bouça, com quem originou toda
a descendência da Casa de Cortinhas como a seguir se verá. E a filha
Laura Teixeira de Queiroz, casada com o arcuense Eugénio Pereira de
Castro Caldas da Casa da Andorinha.
O filho Paulo Teixeira de Queiroz, licenciado em Direito pela
Universidade de Coimbra, Conservador do Registo Predial e Juiz
Substituto da Comarca por inerência, manteve a actividade agrícola da
Casa de Cortinhas que veio a herdar. Eugénio Castro Caldas, marido
de Laura, médico e militar, residente em Lisboa, foi herdeiro com
seus irmãos da Casa da Andorinha, nos quais se inclui José Pereira
de Castro Caldas, responsável pelas obras da construção da Casa de
Cortinhas, substituindo a casa anterior existente, sobre a qual há um
grande conjunto de cartas trocadas entre os dois. Veio Eugénio Pereira
de Castro Caldas a ser colocado em cargos de administração e direcção
na Companhia das Águas de Lisboa, uma das empresas em que
Francisco Teixeira de Queiroz foi accionista e director. Não foi o único
genro a acompanhar Teixeira de Queiroz na gestão e continuação do
seu património, como adiante se verá.

Foto n.º 8 – Casa de Cortinhas, Arcos de Valdevez.

34
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Ao longo da sua vida, não deixaria sempre que o exíguo tempo lhe
permitia, mas principalmente todos os verões, de voltar à sua terra, ora
escrevendo ora procurando inspiração para próximas obras. Escreve
João de Barros:

“Nem um só verão se dispensava de visitar os Arcos, e a sua profunda


ambição - longo tempo acariciada e por fim realizada – foi sempre ter ali a sua
casa, para descansar do ruído e da agitação de Lisboa, talvez, mas sobretudo
para trabalhar afanosamente na obra admirável que nos legou. Não construiu,
de facto, o lindo casal de Cortinhas, com a simples intenção de gosar
vilegiaturas repouzadas – antes com o propósito firme, a que não faltou, de
melhor pensar, construir e ordenar os livros que trazia na imaginação, entre
as linhas e corês da sua infância descuidada. Nos horizontes familiares à
curiosidade de criança impetuosa e meditativa, que fôra, encontrava os mais
estimulantes e fieis companheiros das inspirações da sua arte eminentemente
sábia e sóbria. (...). Hábitos, preferências, tradições, costumes, resistem a
todos os exílios e emigrações. Nunca ficam inteiramente desenraízados do
solo primitivo, como sucede aos naturais doutras províncias portuguesas.
Basta ir ao Brasil e conviver com a numerosa colónia lusa, para verificar
quanto o minhôto é o mais nacional de todos os nossos compatriotas que
mourejam no país hospitaleiro. Teixeira de Queiroz nunca mentiu às suas
origens. Na arte dos seus contos e novelas rústicas passa constantemente
o frémito, o calôr, o fervor da saudade do Minho bem – amado...”22

Foto n.º 9 – Escritório na Casa de Cortinhas.

22 Cf Arquivo de Viana do Castelo, 1934.

35
Família Teixeira de Queiroz

Em Lisboa, na Casa de Thorel,

o «escritório do Avô ocupava um canto voltado sobre o Parque Eduardo


VII onde eram encenadas as revoluções. Numa delas entrou pela janela
uma bala perdida que veio perfurar a tela onde figura um Burro que, a
nosso ver e, concerteza, no do Escritor, representava Portugal a suportar
a carga que muita gente pensa ser-lhe devida. Talvez por isso o Burro
que presidia, filosoficamente, ao refúgio onde a “Comédia” era concebida,
do Campo e Burguesa, passou a constituir um dos maiores encantos na
memória que se conserva do Escritório do nosso Avô. Nunca deveria ter
sido de lá tirado porque nada nos convence que aquele Burro não seja a
nossa Pátria a suportar a carga de certos políticos, isto na ideia do nosso
Avô, no insondável mistério do seu pensamento. Mete raiva ver, em Lisboa,
aquela casa vazia e degradada. Estão mortas as janelas, não têm cortinas, e
já ninguém nelas se debruça. Concerteza vão montar ali mais um negócio.
E foi dessas janelas que se viram as carruagens com toureiros, e cavaleiros
a passarem, ao domingo, para o Campo Pequeno, regressando triunfantes
depois das ovações na Praça também desfilavam estúrdias no Entrudo e o
Povo, delirante, aclamava as paradas do Sidónio. Foi ali que floriu o encanto
de jovens da melhor beleza e da mais rara simpatia que, em Lisboa, alguma
vez se pôde ver. Mas devemos imaginar, também, que lá dentro o nosso
Avô sofria de saudade. Seu coração guardava as penas do emigrante e, por
isso, escrevia: “que espécie de loucura é essa que leva o coração a viver fora
do seu peito? Não percebo, eu, que sinto vivíssimo o amor da terra em que
nasci, que até julgo ouvir o rumor da seiva das minhas árvores, como se
fossem o meu próprio sangue, que me irrigasse o cérebro».23

Também comentou sobre o escritório da habitação, com o início da


vida familiar na Casa, anotado por João de Barros:

“Creio ser hoje o primeiro dia que neste compartimento da casa por
mim construída para habitação própria, compartimento destinado a ser a
minha biblioteca e casa de estudo, eu pego na pena para escrever. Como
esta ocupação de espirito foi o único enlevo da minha vida, desde que a
imaginação principiou a mostrar-me mundos encantadores de suprema
tranquilidade e aplauso tácito, não quero que este momento passe sem o
assinalar...”

Com a idade a avançar, viria mais uma vez a mudar de residência


para o n.º 18 da Av. Fontes Pereira de Melo, em Lisboa, casa sem escadas:

23 Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas, Breve História de Francisco e Tereza, Nossos
Avós 1989, pp. 6 e 7.

36
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

“A casa de R/Ch da Av. Fontes Pereira de Melo, tinha um jardim com


uma palmeira enorme, e o melhor era a Luzia, a mais deliciosa das analfabetas
que cultivava a arte de manter no chão, um bando de crianças, suspensas das
histórias - fantasmagóricas ou lendas – herdadas da mais rica e forte tradição
oral do ruralismo beirão. Tinha também a Joaquina que, na cozinha, se
defendia das invasões em massa, figurando de fera, para depois, um por um
ou aos pares, nos regalar com doçarias e petiscos. Lá se encontrava também
o Augusto, marido de Joaquina, que ensinava coisas inimagináveis feitas
com maravilhosas ferramentas e surpreendentes materiais.”24

Francisco Teixeira de Queiroz viria a falecer em Sintra, a sua última


paixão, em 22 de Julho de 1919, no Monte de Todos os Santos, entre a
casa Vila Gomes e a casa de veraneio da sua filha Maria Teresa Teixeira
de Queiroz e genro Jaime Ernesto Salazar d´Eça e Sousa, médico ilustre,
na Quinta de Santo António.
Viria depois para Lisboa, para onde veio transportado de comboio,
sendo recebido por várias individualidades de representação do
espectro partidário e social da nação que acompanharam o cortejo
fúnebre, tendo ficado sepultado no jazigo da Família no Cemitério do
Alto de S. João.

Foto n.º 10 – Cortejo Fúnebre.

24 idem.

37
Família Teixeira de Queiroz

Foto n.º 11 – Jazigo da Família, Cemitério do Alto de S. João, Lisboa.

38
CAPÍTULO 2

OBRA LITERÁRIA
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

2.1 – O autor e o seu contexto

Sócio efectivo da Academia Real das Ciências em 1905, Vice-


Presidente em 1912 e Presidente eleito em 1913, Francisco Teixeira de
Queiroz foi autor de uma vasta obra literária.
Formou-se em Medicina pela Universidade de Coimbra em 1875
e ainda estudante, começou a revelar a sua vocação para a literatura.
Escritor minucioso, estudioso até onde lhe é possível, a natureza
da sua capacidade criadora vai investigar nos mais longínquos e
profundos momentos da sua infância, na qualidade de atentíssimo
observador, e com a imaginação que o levou a tão belas e translucidas
narrativas. Segundo Fernandes Costa em sessão solene na Academia
das Ciências, em 24 de Julho de 1919, na apresentação do Elogio
Académico do Dr. Teixeira de Queiroz,

“vae sondar, nos mais remotos e esfumados tempos da sua infância,


ainda inconsciente, as radiculas quasi indisctintas da sua espontaneidade
imaginosa, como ao ponto inicial da sua obra inteira. Reconhece que se lhe
escapam muitos elementos à cuidada observação, e conclue por não saber
explicar, a si próprio, a origem intima da força geradora e fecundante, que o
incitou, pela vida fora, sem desvios, á sua incessante e laboriosa producção.
E vê-se que, descortinados os horisontes da obra ambicionada, jamais os
perdeu de vista, sendo elles a miragem, sempre attrahente, da sua existência
toda.
Mas o artista ficou longe, muito longe, de se conhecer a si mesmo; e não
é nas suas explicações, embora sinceras, que um dia, mais ou menos remoto,
se hão de apoiar aquelles que tiverem de pronunciar-se sobre as origens,
sobre os antecedentes, sobre a evolução e sobre o caracter definitivo da sua
arte.
N´esta, o grande romancista, - e assim lhe chamámos, à falta de outra
designação, porque a de simples contista, como outros pretendem que
ele tenha apenas, nos não parece acertada e não nos satisfaz, - foi, como
escriptor, o que era como indivíduo: um perfeito gentleman. Quizéramos
fazer sentir, aos que nos ouvem, a profundeza do significado, que damos
a esta palavra. Próspero Mérimée foi um gentleman litterário; Tennysson
e Lytton (o segundo) foram gentleman, cada um no género que cultivou;
Balzac, Zola, Maupassante e centenas de outros não o foram. Foram-no
Göthe e Schiller; Heine, com todo o seu incontestável talento, não o poude
ser. Livrar-nos-hêmos de querer procurar a espécie, no ambiente das nossas
letras; mas Soares de Passos foi um gentleman na sua obra poética; Júlio
Diniz foi-o, distinctissimamente, no romance. Na poesia, no theatro, na sua

41
Família Teixeira de Queiroz

prosa leve, na tribuna política, Almeida Garrett, como gentleman, é um alto


modelo. Cremos ter feito comprehender, assim concretisada, a propriedade
da nossa qualificação.”25

Colaborou regularmente em revistas – O Ocidente, Revista de


Portugal, Revista Literária, Serões Brasil – Portugal, Renascença, Ilustração
entre outras – e em jornais – A Vanguarda e A Luta (Lisboa) e O País
(Rio de Janeiro).
Na literatura, dividiu a sua obra em duas partes, escrevendo sob
os títulos Comédia do Campo e Comédia Burguesa, duas séries paralelas
de contos e romances em que, segundo um dos seus vários biógrafos,
“procurou apropriar ao estudo literário dos fenómenos sociais, os
processos de observação das ciências físicas e materiais”.26
À Comédia do Campo pertencem os seguintes títulos: Os Meus
Primeiros Contos (1876); Amor Divino (1877); António Fogueira (1882);
Novos Contos (1887); Amores, Amores... (1897); A Nossa Gente (1900);
A Cantadeira (1913); e Ao Sol e à Chuva (1916).
Na Comédia Burguesa inserem-se Os Noivos (1879); O Sallustio
Nogueira (1883); D. Agostinho (1894); Morte de D. Agostinho (1895);
O Famoso Galrão (1898); os dois volumes de A Caridade em Lisboa (1901);
Cartas d’ Amor (1906); e A Grande Chimera (1919).
Tanto nos seus contos como nos seus romances, Teixeira de Queiroz
revela, além de um grande poder de observação incidindo sobre a
descrição física e a psicologia dos personagens, uma profunda análise
filosófica relativa ao meio em que se desenvolve a acção literária.
Escreveu sobre Teixeira de Queiroz o escritor brasileiro João do
Rio em 1909, no seu livro Portugal de Agora, o seguinte:

“os olhos fincados interrogativamente em nós, através dos vidros dos


óculos de ouro, severo, um ar meio cultor de edições raras, meio pedagôgo, o
autor d’O Salústio Nogueira parecia-me muito mais severo do que é possível
julgar dos seus romances”.

Acrescentou-lhe sobre a personalidade João de Barros:

25 Costa, Fernandes, In Elogio Académico do Dr. Teixeira de Queiroz, Lisboa, 1919, pp 31 e 32.
26 Costa, Fernandes, idem.

42
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

“Realmente, essa era a primeira impressão que nos dava o Teixeira


de Queiroz, citadino, rígido no aspecto, frio nas palavras, um pouco
hirto, um pouco seco, embora extremamente amável no seu acolhimento.
Da convivência demorada, porém, surgia outra pessoa, infinitamente afável
e carinhosa, gostando de rir e conversar, com delicados escrúpulos de justiça
e íntimos recessos de ternura, sensibilidade rara que não queria deixar-se
adivinhar, homem para a qual o maior triunfo – o único triunfo de que se
vangloriava – fôra sempre confessar e mostrar o domínio da razão e do
espírito crítico, sobranceiro às inquietações, às dúvidas, aos fluxos e refluxos
da sua vida emocional.”27

Segundo Mendes dos Remédios28, em “Subsídios para Estudo da


Literatura Portuguesa”, a obra de Teixeira de Queiroz impõe-se “pela
elegância e correcção com que manejou a língua que, cheio de riqueza, de colorido e de
sentimento, ele nunca quis degenerar em sacrifício à popularidade que não cortejou”.
Francisco Teixeira de Queiroz abraçou a corrente do Realismo-
Naturalismo, pelo menos numa fase inicial da sua obra. O seu
realismo nacional tornou-se único e, afirma Fidelino de Figueiredo29,

27 Cf Arquivo de Viana do Castelo, 1934.


28 Joaquim Mendes dos Remédios, (Nisa, 21 de Setembro de 1867 – Montemor-o-Velho, 30 de
Setembro de 1932), foi um professor universitário, político e escritor português que, entre
outras funções, foi reitor da Universidade de Coimbra e Ministro da Instrução Pública.
Joaquim Mendes dos Remédios começou por frequentar o Seminário de Portalegre obtendo
depois equiparação ao ensino liceal no Liceu Nacional daquela cidade. Terminados os estudos
liceais, a 15 de Outubro de 1888 matriculou-se na Faculdade de Teologia da Universidade de
Coimbra, obtendo ali o grau de bacharel em 1892. Completou a sua formatura a 18 de Junho
de 1893, licenciando-se a 15 de Fevereiro do ano imediato.
Tendo-se doutorado a 28 de Abril de 1895, ingressou ao serviço da Faculdade de teologia, com
2.º assistente a 4 de Janeiro do ano seguinte. Após a extinção da Faculdade de Teologia e a sua
substituição pela Faculdade de Letras, integrou o seu corpo de catedráticos, especializando-
se no estudo da História da Literatura Portuguesa. No âmbito do seu trabalho de investigação
histórica, dirigiu desde 1898 a colecção Subsídios para Estudo da Literatura Portuguesa, onde
publicou numerosos trabalhos da sua autoria.
Com a implantação da República foi nomeado reitor da Universidade de Coimbra, tendo
exercido o cargo interinamente de 1911 a 1913, como primeiro reitor eleito daquela instituição,
e depois, como reitor nomeado, de 1918 a 1919. Como reitor deu o impulso inicial à criação da
Revista da Universidade.
29 Fidelino de Figueiredo, (Lisboa, 20 de Julho de 1888 – Lisboa, 20 de Março de 1967), foi um
político, professor, hispanista, historiador e crítico literário português, que se destacou pela
sua faceta de ensaísta e intelectual cosmopolita. Foi contista e romancista precoce, começando
a publicar com 17 anos sob o anagrama “Delfínio” que usaria até às Notas elucidativas, quando
o seu nome aparece pela primeira vez como “Fidelino de Sousa Figueiredo (Delfínio)”.
Licenciou-se em Ciências Histórico-Geográficas no Curso Superior de Letras (antecessor da
Faculdade de Letras), em 1910, tornando-se professor liceal.
Foi deputado no Sidonismo, Chefe de Gabinete do Ministro da Instrução Pública em 1917-
1918 e ainda director da Biblioteca Nacional, em 1918-1919, cargo no qual seria reconduzido
em 1927.

43
Família Teixeira de Queiroz

com rigor, se bem que apreciando


“procurou executar o programa da escola”
de sobremaneira o seu lado “contista”.
Escreveu também Teixeira de Queiroz uma outra colecção de contos
a que dá o nome de Arvoredos (1895); A Velhice de um Rei; e ainda As
Minhas Opiniões (Estudos Psychologicos e Sociaes) em 1896. Foram ainda
publicados Centenário do Nascimento de Alexandre Herculano30, discurso
pronunciado na sessão solene de 28 de Março de 1910, na Academia
Real das Ciências e Elogio Histórico de José de Sousa Monteiro (1913). Para
o teatro escreveu a comédia em quatro actos O Grande Homem, que se
representou pela primeira vez no Teatro Normal em 1881.
A obra de Francisco Teixeira de Queiroz é essencialmente conhecida
como sendo realista-naturalista. O escritor pretendeu apresentar um
largo espectro da sociedade portuguesa, de forma transversal, desde
o campo à cidade, com propósitos de crítica social, encontrando-se
muitas personagens em várias obras da mesma série, tanto na Comédia
do Campo, como na Comédia Burguesa.
O Realismo começa em força na segunda metade do século XIX. As
ocorrências sociais de grande amplitude varriam os países europeus,
com o aparecimento de novos ventos, sociais, religiosos, políticos e
científicos:

“Como se sabe, nosso autor nasceu em 3 de Maio de 1848. Pouco mais


de dois meses antes – em 24 de Fevereiro – triunfara, em Paris, a Revolução
que tinha levado à abdicação de Luís Filipe e à proclamação da Segunda
República. De escasso rendimento viria a ser – hélas! – o cabedal de esperança
que nessa Revolução se havia depositado; mas era, de qualquer modo, mais
um episódio na longa luta pela libertação dos homens – e, embora diluída
pela distância, sempre aqui teria chegado, à data do nascimento de Teixeira
de Queiroz, ou pouco depois, alguma coisa da atmosfera libertadora desse
mesmo episódio. O importante, aliás, é que o futuro escritor, a partir de
alguns anos mais tarde, não mais deixará de manifestar a nostalgia e a
apetência de atmosferas afins. Deste modo, constitui pelo menos um símbolo
a promissora Revolução que de poucos meses precedera o seu nascimento.
Em Portugal, entretanto, vivia-se um compasso de espera entre o termo do
proconsulado de Costa Cabral e a queda definitiva do cabralismo, entre a
Convenção de Gramido e o início da Regeneração – cujas endémicas limitações

30 Alexandre Herculano, (Lisboa, 28 de Março de 1810 – Quinta de Vale de Lobos, Azoia de


Baixo, Santarém, 18 de Setembro de 1877), foi um escritor, historiador, jornalista e poeta
português da era do Romantismo.

44
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

(por tão pouco «regeneradoras» ao fim e ao cabo) o futuro romancista


haveria de implacavelmente denunciar.
Mas, se estes factos e estes factores de ordem histórica geral têm já
muito de premonitoriamente simbólico, não menos se revestem de carácter
idêntico os que dizem respeito aos quadros da estrita história literária.”31

Politicamente em França inicia-se a Terceira República em 1870,


cujos dirigentes concluíram um programa de grandes reformas
democráticas. Em Espanha proclama-se a República em 1868, e alguns
anos antes desfazia-se a Santa Aliança, coligação criada pelas potências
monárquicas da Europa – Império Russo, Império Austríaco e Reino
da Prússia –, acabando a maior barreira contra o liberalismo.
Assistimos de forma veloz à geração de uma visão materialista
e em simultâneo abre-se o caminho para o estudo do homem sob as
vertentes psíquica e fisiológica:

“O criticismo histórico e racionalista curva-se sobre as fontes do


cristianismo. Cientistas e escritores, sem negarem o facto cristão, desvirtuam-
no e procuram explicá-lo pela fé puramente idealista”.32

A Portugal, conhecido o ancestral atraso em relação à “Europa


da cultura”, já com o caminho de ferro a ligar-nos a Paris, começam
paulatinamente a chegar as novas ideias.
Contudo, o caminho até à afirmação dos princípios realistas-
naturalistas não foi nem imediato nem consensual. Se a primeira
metade do século XIX é marcada pelo teor lírico e confessional do
Romantismo, a fazer reviver os ideais da revolução francesa de 1789
e do tumulto político que se lhe seguiu, na seguinte duas tendências
coexistiram, pelo menos até determinado momento.
Por um lado, assiste-se a uma exploração e adaptação à escala
nacional dos tópicos românticos, levados a um extremo que redundou
numa dimensão egotista e estereotipada, a que se convencionou
chamar de Ultra-Romantismo. O sucesso desta tendência é facilmente
observável com o enorme sucesso de Amor de Perdição em 1861, novela

31 Conferência do Professor Doutor David Mourão-Ferreira, Homenagem ao Escritor Teixeira de


Queiroz, Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, 1979.
32 Figueiredo, Fidelino de, História da Literatura Realista, Lisboa, 1921, in História da Literatura
Portuguesa –Saraiva, António José e Lopes, Óscar.

45
Família Teixeira de Queiroz

em que, de forma (melo)dramática, se narra o amor infeliz de Simão


Botelho e Teresa de Albuquerque, socialmente impossível e resolvido
com a morte sofrida das personagens principais.
De outro lado, novas influências vão criar novas dinâmicas.
De França sobretudo, chegam a Coimbra, a cidade universitária de
Francisco Teixeira de Queiroz, livros onde se aponta à literatura uma
orientação muito diferente da seguida até à data. Desta forma toda a
estrutura do pensamento, do raciocínio e da cultura em Portugal, será
modificada por doutrinas novas oriundas da Europa.
É assim que, em 1865, dois anos antes da chegada de Teixeira de
Queiroz a Coimbra, se inicia o confronto entre dois grupos, que mais
tarde ficou conhecido como Questão Coimbrã. De um lado, em redor
de António Feliciano de Castilho formou-se um grupo defensor da
literatura que se fazia até ao momento, a quem Antero de Quental33
chamou “escola de elogio mútuo”. Por sua vez, liderados por Antero,
alguns jovens estudantes de Coimbra, entre os quais Teófilo Braga e Eça
de Queirós, foram alimentando a polémica, defendendo a necessidade
de introduzir novas ideias que grassavam pela Europa, de modo a se
operar uma renovação estética e transformação social.
A Questão Coimbrã também se assumiu como o momento
de afirmação de uma nova geração com a qual Teixeira de Queiroz
indubitavelmente partilhava influências e ideias. Sobre a participação
do escritor (a Questão Coimbrã prolongou-se por vários anos), não
existem evidências, embora pareça aceitável que Teixeira de Queiroz
tenha optado por um registo de neutralidade. A sua “filiação” científica
em relação ao que de novo havia na Europa (até porque os estudos
de medicina o obrigariam a isso) teria que ser compatibilizada com a
amizade de Camilo Castelo Branco, que por sua vez defendeu Castilho
e ripostou aos ataques de Antero. A não ser assim, muito dificilmente
o autor de Amor de Perdição manifestaria a sua admiração para com O
Tio Agrella, a primeira publicação de Teixeira de Queiroz, no Diário
Ilustrado, em 1876.
Convém agora explicar o que é o realismo-naturalismo. No tocante
ao primeiro destes termos, os objetivos são claros:

33 Antero de Quental, (Ponta Delgada, 18 de Abril de 1842 – 11 de Setembro de 1891) escritor e


poeta.

46
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

“O que queremos nós com o Realismo? Fazer o quadro do mundo


moderno, nas feições em que ele é mau, por se persistir em se educar
segundo o passado; queremos fazer a fotografia, ia quase a dizer a caricatura
do novo mundo, sentimental, devoto, católico, explorador, aristocrático, etc.
E apontando-o ao escárnio, à gargalhada, ao desprezo do mundo moderno e
democrático – preparar a sua ruína.”34

Deste modo, e em termos muito gerais, o que está subjacente


ao realismo é um aspecto didáctico-pedagógico de moralização
da sociedade, mediante a observação fria e imparcial, de matizes
científicos, visando a crítica social e de costumes:

“Cedo se comprometeram os realistas portugueses com a reforma da


sociedade. O passado olhavam-no como estéril; o presente sem nada que se
lhe aproveitasse. Daí os ataques que começaram a ser lançados através dos
livros contra a alta e média burguesia e o clero, contra a política e a literatura
do tempo, contra a educação e a economia”35.

No entanto, em toda a doutrinação evocada, fica por esclarecer


a separação entre Realismo e Naturalismo. Estes dois conceitos
entrecruzam-se,

“decorrentes que são de um movimento com a mesma origem na


doutrina positivista, na sociologia nascente, nos métodos científicos com
base na observação para a formulação de leis, Proudhon, Taine, Comte,
Saint-Hilaire, Claude Bernard, Pinel, Lombroso, Esquirol ecoavam na
preocupação da literatura produzida por Flaubert e Zola e, junto com eles,
ou isoladamente, na dos críticos e romancistas portugueses”.36

Deste modo, e ainda segundo Maria Aparecida Ribeiro, é por isso


que a expressão Realismo-Naturalismo surge, embora, didacticamente,
se possa dizer que o Realismo pressupõe uma atitude científica, que
leva a observar os factos e induzir as leis, enquanto o Naturalismo
surge quando a exacerbação do método faz da obra literária ilustração
das teses científicas.

34 Queirós, Eça, In Castilho, Guilherme (pref. e coord.) Correspondência, Lisboa, INCM, 1983,
citado por Ribeiro, Maria Aparecida, História Crítica da Literatura Portuguesa VI (Realismo e
Naturalismo, Lisboa, ed. Verbo, 1993.
35 Figueiredo, Fidelino de, História da Literatura Realista, Lisboa, 1921, in História da Literatura
Portuguesa – A. J. Saraiva e Óscar Lopes.
36 Ribeiro, Maria Aparecida, História Crítica da Literatura Portuguesa VI (Realismo e Naturalismo,
Lisboa, ed. Verbo, 1993.

47
Família Teixeira de Queiroz

Para Massaud Moisés37 bastante diferenciada, traduzindo este


autor a desigualdade numa imagem assaz significativa:

“A par disso, enquanto o Naturalismo implica uma posição


combativa, de análise dos problemas que a decadência social evidenciava,
fazendo da obra de arte uma verdadeira tese com intenção científica,
o Realismo apenas “fotografa” com certa isenção a realidade social
circundante, sem ir mais longe na pesquisa, sem trazer a ciência,
dissertativamente, para o plano da obra. O romance encara a podridão
social usando luvas de pelica, numa atitude fidalga de quem deseja sanar
os males sociais, mas sente perante eles uma profunda náusea, própria
dos sensíveis e estetas. O naturalista, controlando a sua sensibilidade, ou
acomodando-a à ciência, põe luvas de borracha e não hesita em chafurdar
as mãos e analisá-las com rigorismo técnico, mais de quem faz ciência do
que literatura.”38

De um ponto de vista prático, à altura, a distinção era, todavia,


pouco esclarecedora, pois não havia ainda uma problematização
suficientemente estudada destes modelos estéticos. Tudo se começa
a clarificar com a publicação da Revista de Estudos Livres, afecta
na totalidade ao Naturalismo, que utiliza quer o Realismo, quer o
Naturalismo sem grande distinção ou com regras próprias distintas.
“O único factor [...] é o necessário cumprimento dos ditames de
escola”39.
Realismo e Naturalismo eram utilizados como género de
literatura nova, sinónimo dos tempos modernos e revolucionários da
época, baseados na ciência, na sua evolução, resultados a reflectirem-
se directamente na literatura, através dos processos criados para
aumentar a qualidade de vida e aperfeiçoamento da Humanidade
(pode dizer-se “nessa esperança”). Resume-se no facto científico,
na objectividade, na análise dos factos a observar com o intuito na
obtenção da verdade, através do rigor e da objectividade na análise
dos factos com vista à sua obtenção.

37 Massaud Moisés, (São Paulo, 9 de Abril de 1928), professor titular da Universidade de São
Paulo, Brasil de 1973 a 1995, ano em que se aposentou.
38 “Naturalismo”, in Dicionário de Literatura, direcção de Jacinto Prado Coelho, Porto, Livraria
Figueirinhas, 1978, 3.º Vol.
39 Machado, Filipe Alves, O Sallustio Nogueira de Teixeira de Queiroz Como Espaço de Ambivalência,
FLUP, Porto, 1995, p. 16.

48
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Diz Filipe Alves Machado que,

“este pressuposto de trabalhar o que é actual (à data), (...) concentra-se


na súmula de duas afirmações: só aquilo que é contemporâneo é directa e
rigorosamente observável; ao escritor naturalista só interessa a sociedade
do seu tempo, na medida em que isso lhe permite corrigir os defeitos
eventualmente detectados no seu funcionamento”.40

Todavia, esta espécie de euforia cientista não estava consolidada,


nem no público nem nos meios literários. Ainda sob a bandeira do
romantismo, surgiram algumas reacções pouco simpáticas de alguns
escritores de vulto. Exemplo disso é Camilo Castelo Branco41, cuja
mordacidade satírica se fez sentir, aquando da publicação do seu livro
Eusébio Macário em 1879:

“O autor trabalha desde anteontem no encadeamento lógico e ideológico


dos dezassete tomos da sua obra de reconstrução, e já tem prontos dez
volumes para a publicidade. Mas é necessário a quem reedifica a sociedade
saber primeiro se ela quer ser desabada primeiro a pontapés de estilo para
depois ser reedificada com adjectivos pomposos e advérbios rutilantes. Para
isso, o primeiro passo é pô-la nua, escrutar-lhe as lepras, lavrar grandes
actas das chagas encontradas, esvrumar as bostelas que cicatrizaram em
falso, escoriá-las, muito cautério de frases em brasa.”42

Com efeito, as críticas incidiam mais sobre a perspectiva moral do


que sobre a estética. As principais referiam a obscenidade, o vício e a
torpeza, presentes nas pesquisas literárias dos novos romancistas ou
dos romancistas que mais cedo adoptaram o novo estilo.
Explica bem Júlio Lourenço Pinto43:

“A linguagem é que escandaliza como se no romantismo só


transparecessem as alvuras immaculadas do lyrio, quando nos ministra
essa mesma obscenidade e a mesma podridão com traiçoeira doçura
nos dourados confeitos da sua rethorica. Segundo o dogma romantico

40 Idem, p. 17.
41 Camilo Castelo Branco, (Mártires, Lisboa, 16 de Março de 1825 – Vila Nova de Famalicão,
São Miguel de Seide, 1 de Junho de 1890), escritor e romancista.
42 Advertência, in Eusébio Macário (Historia Natural e Social de Uma Família no Tempo dos Cabrais),
Porto, Lello & Irmão, 1975, p. 30.
43 Júlio Lourenço Pinto, (Porto, 24 de Maio de 1842 – Porto, 6 de Maio de 1907), escritor, político
e crítico literário.

49
Família Teixeira de Queiroz

a corrupção, que é propinada pelo falseamento da verdade e pela


exageração monstruosa, não é corrupção. O ambiente fica saneado, logo
que sobre os cadaveres em putrefacção se arremessem flores de rethorica
ás braçadas.”44

Por outro lado, a absorção destas influências estrangeiras irá


originar uma espécie de catalogação nos escritores do movimento
realista-naturalista, criando principalmente uma divisão entre
psicologistas e fisiologistas. Silva Pinto45 interfere propondo a
separação e fronteiras do âmbito de cada facção, num confronto que
estabelece entre Balzac e Zola, eventualmente representados na escala
nacional por Eça de Queiroz e Francisco Teixeira de Queiroz, o primeiro
seguindo a orientação de Émile Zola e o segundo sob a sombra tutelar
de Honoré de Balzac:

“No terreno do romance social pleiteiam foros as escolas psicologica


(Balzac e Stendhal) e physiologica (Flaubert e Zola). Tomámos dentre os
lutadores os mais proeminentes vultos, entende-se. A escola psicologica,
obedecendo a um espirito metafísico, procede por sínteses: a Comedia
Humana, o primeiro monumento literário d´este seculo, é a glorificação
d´essa escola e do omnipotente anatomista que a dirige. A escola
fisiologica, apoiada em A. Comte, nega a verdade dos resultados da
observação interior, observa exteriormente o homem, busca surpreendê-lo
em flagrante nas suas expressões externas e lança à conta de arbitrariedade
os processos dos psicologistas”.46

Assim, pelas palavras do autor, a representação nacional da


vertente psicologista está em Eça e a dos fisiologistas em Teixeira de
Queiroz. Silva Pinto caracteriza estas duas tendências no romance
social da seguinte forma: a observação interior, ou seja a incisão sobre
os comportamentos psicológicos das personagens são as características
da primeira vertente, enquanto que os fisiologistas se limitam às
manifestações externas, objectivamente observáveis.

44 Esthetica Naturalista: Textos Críticos, p. 26.


45 Silva Pinto, (Lisboa, 14 de Abril de 1848 – Lisboa, 4 de Novembro de 1911), escritor, crítico
literário, ensaísta, dramaturgo e romancista.
46 “Do Realismo na Arte”, 3.ª edição, Porto, Typographia de A. J. Silva Teixeira, 1881, pp. 9-10.

50
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

2.1.1 – Reflexão estética e Personalidade literária de Francisco


Teixeira de Queiroz

Após a análise destes novos estilos literários que chegaram e


passaram aos poucos a dominar o panorama literário em Portugal,
com estudos e reflexões sobre as estéticas realistas e naturalistas,
aceitando que se podem fraccionar, iniciaremos uma reflexão sobre
a personalidade literária de Francisco Teixeira de Queiroz e em
simultâneo uma Reflexão Estética do escritor.

2.1.2 – Sobre a filiação estética do autor

A este propósito, refere Filipe Alves Machado:

“Nascido três anos depois de Eça de Queiroz, e frequentando a


universidade pouco depois do tumulto em que se destacaram Antero de
Quental e os seus confrades, seria natural que o autor não ficasse indiferente
a tais influências. Depois da primeira publicação de O Tio Agrella, seguiu-
se uma produção inegavelmente vasta, em que vários volumes tiveram
reedições revistas, como é o caso de O Sallustio Nogueira. Tendo sido
a primeira edição publicada em 1883 e a segunda em 1909, já revista e
refundida, com alterações que incidiram, na prática, ao nível da linguagem
e estilo do autor46, é curioso, nesta obra, aspectos comuns com Os Maias,
que surgiram em 1888, ou seja, cinco anos depois da primeira publicação de
O Sallustio Nogueira”.47

Com efeito, é o próprio autor que o afirma, acerca da reedição de


O Sallustio Nogueira:

“Repito: o que procurei n´esta nova edição, com entranhado carinho


pela verdade esthetica, foi dar mais firme, vigoroso e claro o meu pensamento
inicial. Onde reconheci confusão e obscuridade methodisei, onde a fórmula
de linguagem não era exacta ou era desharmonica substitui-a por outra, que
me pareceu melhor.”48

47 Op. cit., p.23.


48 “Explicação de O Sallustio Nogueira”, 2.ª edição, 1909, pp. VI-VII.

51
Família Teixeira de Queiroz

Ainda sobre as palavras de Filipe Alves Machado, será interessante


salientar como a mais conhecida narrativa de Eça se teria visto
condicionada na sua elaboração pela crónica de costumes políticos
de Teixeira de Queiroz. Aliás, esta ideia é também a de António José
Saraiva, admirado pelo esquecimento a que tanto o autor como o
próprio romance foram remetidos:

“A leitura deste [Sallustio Nogueira] é uma agradável surpresa; e o seu


confronto com Os Maias permite-nos distinguir certas incompreensões e
ausências do romance de Eça.” 49

Com efeito, se formos abordar a problemática das influências


sentidas e assumidas por cada um, logo se pode ver uma separação de
caminhos. Enquanto que Eça, na sua fase de mais marcada ortodoxia
realista-naturalista, opta por uma postura literária mais conforme a
Emile Zola, Teixeira de Queiroz não deixa de assumir um modelo e
uma fonte de inspiração em Balzac:

“A experiência da vida, é, em tudo a melhor escola, mas na leitura


de Balzac encontrei o que já pensava nebulosamente; e, a mais, o seu
interessante artificio, que me prendeu, qual é o formar com as personagens
que pudesse encontrar no meu estudo uma sociedade, que fosse um resumo
do grande todo, que tinha em frente de mim. Era um modo pratico e simples
de definir paixões, risos, caprichos de sensibilidade, subtilezas d´argucia,
manhas, sem duplicações desnecessárias. A vida plena e opulenta que se
sente na Comedia Humana, com as suas duas mil figuras, todas definidas
no seu estado civil, é um bello exemplo da grande criação d´um cerebro
d´homem moderno.” 50

O autor da Comédia Humana, estruturou a sua obra em seis partes:


Cenas da Vida Privada, Cenas da Província, Cenas Parisienses, Cenas da
Política, Cenas Militares e Cenas do Campo. Francisco Teixeira de Queiroz
dividiu a sua obra em apenas duas – Comédia do Campo e Comédia
Burguesa – dando-lhes um espectro obviamente mais alargado e
impreciso de que o seu principal inspirador. Segundo o próprio a obra

49 Saraiva, António José: “O Sallustio Nogueira de Teixeira de Queirós”, in Estrada Larga 1, Porto,
Porto Editora, s/d, p. 457.
50 “A Razão da Minha Obra”, Teixeira de Queiroz, in Os Meus Primeiros Contos, 3.ª edição,
Lisboa, Parceria António Maria Pereira 1914, p. X.

52
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

iria incidir e tratar de duas funções distintas: no lado campestre, rural,


escreveria a descrição das “paisagens da alegre região do Minho”
ou a fotografia, através dos “diálogos simples” e “da alma de nosso
camponês e serrano”51, e na Comédia Burguesa, seria feita uma análise
reflexiva sobre as questões mais complexas da vida da capital do país.
Verifica-se assim, pela estrutura da sua obra e pela análise dos
seus trabalhos, que numa fase inicial Teixeira de Queiroz opta por
uma poética de teor realista-naturalista, pessoalizando o estilo, de
forma a não ser tão ortodoxo como a maioria dos escritores seus
contemporâneos.
No entanto, verifica-se que, nos seus livros e intervenções literárias,
não aparecem uma única vez as palavras Realismo ou Naturalismo,
não sendo, contudo, rejeitadas na sua essência. A este propósito é
significativo o Prólogo do primeiro romance do autor, Os Noivos,
também o volume inaugural da série Comédia Burguesa. Nesta obra,
há um confessado e firme propósito de estudo e análise de costumes,
onde o fator meio é destacado. Contudo, o termo utilizado é “romance
crítico”, sem quaisquer alusões explícitas aos novos movimentos
literários:

“O Homem tem sempre um motivo para proceder. Ou esse motivo


esteja nas condições excecionais da sua organização, na sua idiossincrasia;
ou na tirania do meio que o oprime (e é onde se encontra mais geralmente)
o analista deve-o conhecer. Daqui resulta o grande conflito da vida: o meio
domina o indivíduo; o indivíduo, em certos momentos, reage contra o meio,
porém, como é mais fraco, é afinal vencido. Isto deve ser interpretado com
toda a exatidão, que nos facilita o saber modernamente compilado.”52

Assim, de modo consentâneo com a poética realista-naturalista,


toda a intriga se constrói em torno de Gustavo e de Arminda, num
firme propósito de análise social, assumido pelo autor na reedição
de 1896. Assim, existe, num romance em que se vislumbram pontos
de contacto com O primo Basílio de Eça de Queirós, uma descrição e
uma crítica a determinada perspetiva e modo de encarar a vida em
determinados setores da burguesia lisboeta: a ociosidade, o irrealismo

51 Idem, p. XIV.
52 Prólogo de Os Noivos (1879), p. VI.

53
Família Teixeira de Queiroz

em que (não) se planeia o futuro material da vida das famílias, aliados


à sua futilidade, constituem aquilo que o autor chamou “a falta de
base racional e moral” das personagens que levaram à “inevitável
dissolução do casamento” 1896: XII)53.
Por outro lado, naquilo que poderemos denominar de seu testamento
estético – “Razão da Minha Obra” –, escrito seis anos antes da sua morte,
o autor confere uma importância primordial a determinados tópicos
postulados na estética naturalista, tais como a observação directa e o
estudo, como as principais formas de descrição do objecto proposto.
A estas componentes metodológicas era acrescentada a experiência
de vida, dado que é, na visão do autor, condição fundamental para
assegurar a coerência do seu juízo54. No entanto, e mau grado a
obediência a algumas regras naturalistas, o seguimento de qualquer
doutrina estética é peremptoria e explicitamente negado por Teixeira
de Queiroz, questão que ele justifica com a epígrafe presente em todas
as suas obras, extraída, como não podia deixar de ser, de Balzac, no seu
Modeste Mignon:

“La plupart des drames sont dans les idées que nous nous formons
des choses. Les événements que nous paraissent dramatiques ne sont que
les sujets que notre âme convertit en tragédie ou comédie au gré de notre
caractère.” 55

Verifica-se aqui a sobreposição da personalidade do escritor que


preside à criação. A força da individualidade, do temperamento e
carácter, por si sentidas, foram determinantes para não ser dominado
por qualquer estilo literário, que como o próprio, “rejeitou todas as
doutrina e teorias estéticas conhecidas”, por não lhes reconhecer
valor, e de igual modo não quis utilizar qualquer filosofia adoptada
de antemão. Não sendo optimista nem pessimista por natureza, mas
conforme o seu estado de espírito ocasional, pode ser uma coisa ou outra.

53 Apud Machado, Filipe Alves, “Um outro relance sobre a obra de Teixeira de Queiroz”, In Terra
de Val de Vez Boletim Cultural, n.º 19, 2012, p. 164.
54 Id. Ibid., XIII.
55 Esta epígrafe poderá ser traduzida da seguinte forma. “A maior parte dos dramas estão na
ideia que fazemos das coisas. Os acontecimentos que nos parecem dramáticos são apenas
os assuntos que a nossa alma converte em tragédia ou comédia de acordo com a nossa
personalidade.”.

54
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Não deixa que a teoria ou as regras do estilo literário condicionem


a imaginação do escritor, mas sim o seu carácter, como por exemplo
os seus estados de alma, sempre na análise da verdade, sempre na
procura do rigor56:

“Por isso, Teixeira de Queiroz impõe como condição inicial para a


produção artística a imitação, porque é através dela que surge a imaginação,
onde indirectamente se manifesta a personalidade do autor”.57

Assim, Teixeira de Queiroz que tem como modelo principal,


não Zola, mas Balzac, afirma, parafraseando aliás o seu mestre, que
procede no seu método, como os zoólogos ou arqueólogos quando
“definem espécies desconhecidas, ou descrevem objectos raros que
nas suas escavações surpreendem” (prefácio de Os Meus Primeiros
Contos), afastando-se do positivismo, quando afirma que a sua época
é de “dúvida filosófica, de certeza cientifica”, e quando considera
como, propulsores da imaginação cientifica ou artística o imprevisto
e o acaso.

2.2 – Acerca da singularidade da obra do escritor

2.2.1 – Sobre a Comédia Burguesa

A Comédia Burguesa incide sobre a burguesia e a aristocracia de


Lisboa, a sociedade cosmopolita de Lisboa. Teixeira de Queiroz
estudou e descreveu, com firmeza e precisão, de forma sagaz, de exacto
observador, de forma única e inimitável. E pelo modo como a anotou
nos livros para o efeito, ficou esta, sob esse ponto de vista, constituindo
um arquivo documental, dos tempos em que viveu na capital.
Com os personagens, em grande número a transitarem de uns
para outros romances, acontece passarem de figuras de primeiro plano
nuns, para personagens apagadas noutros e vice-versa. Convém por
isso ler os livros na sequência a seguir apresentada, de forma a dar

56 Id. Ibid., XIII.


57 Machado, 1995, p.25.

55
Família Teixeira de Queiroz

seguimento a toda uma história continuada, mas com assuntos muito


diversos. Repetem-se, em mais de um volume alusões e referências a
figuras conhecidas de outros volumes anteriores, o que faz com que
seja a melhor maneira de compreendê-las.
Um dos elementos determinantes da comoção e da excitação da
sensibilidade, nos seus romances, vai buscá-los Francisco Teixeira de
Queiroz à sua formação em medicina.

“A doença, com as dores e lástimas que são seu cortejo, com os


sobressaltos que produz, com as ansiedades das suas alternativas e
incertezas, com a marcha lenta do seu regular ou irregular andamento, com
o regresso, por vezes, quase milagroso à saúde, porém as mãos dellas com
a terminação fatal, não se esquece o romancista de considerar a intervenção
que tal fenómeno perturbador tem no decurso de vida de cada um e de contá-
lo como uma circunstancia frequentemente decisiva da acção, dispensando-
se, por esse meio, de criar o “deus ex-machina” a que outros tem de recorrer
para chegarem a conclusões aceitáveis”.58

Esta parte da obra, aquela em que Teixeira de Queiroz faz uma


reflexão mais profunda da problematização social, é composta por
nove obras publicadas (das quais uma peça teatral), há autores que
defendem poder fazê-la seguir dois caminhos, cada um com o seu
objectivo: um, na qual se incluem as cinco primeiras obras, em que
são tratados o casamento – Os Noivos –, a política – O Grande Homem
e O Salústio Nogueira – e a decadência da aristocracia depauperada no
poder e prestígio – D. Agostinho e Morte de D. Agostinho.
Relativamente ao primeiro título, verifica-se, numa escrita de teor
realista, uma espécie de fotografia do casamento burguês lisboeta,

“na perspectiva de mostrar «a falta de higiene moral, da podridão


que se gera no desleixo» (Queiroz 18 96: XIV), realçando como a falta de
uma cultura de trabalho e a consequente falta de persistência perante as
dificuldades fizeram com que a dissolução do casamento fosse inevitável”. 59

Segue-se a este romance aquele que é o mais conhecido título de


Francisco Teixeira de Queiroz, O Salústio Nogueira, publicado pela

58 Fernandes Costa in Elogio Académico do Dr. Teixeira de Queiroz, Lisboa, 1919.


59 Filipe Alves Machado, “Sobre o cientismo em Teixeira de Queiroz, objecções contra alguma(s)
história(s) da literatura, In Terra de Val de Vez, n.º 17, 2005, p. 106.

56
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

primeira vez em 1883, com versão “completamente refundida” em


1909. Subintitulada Estudo de Política Contemporâneo, nesta obra,

“[...] Teixeira de Queiroz, militante republicano, constrói o seu romance


numa forte crítica, não à instituição monárquica, mas à organização e
sobretudo decadência de um modelo de governação, onde o máximo
representante do estado é pintado, embora de forma velada, em termos
pouco abonatórios. Aliás, e nesse sentido, a alienação de património
ultramarino constitui um tema praticamente inédito no romance de final de
novecentos em Portugal.”60

Com uma incontestável dimensão sociológica, neste romance o autor


consegue evocar uma sociedade no seu tipo de vida e nos seus apetites.
A sátira da alta sociedade lisboeta, caricaturalmente representada numa
série de episódios-chave e a ridicularização da vida política nacional
vão talvez mais longe do qualquer outra obra da literatura portuguesa
de novecentos. Teixeira de Queiroz não quis mostrar apenas os efeitos
de uma educação e de um estilo de vida, mas levantou uma ponta
dos interesses económicos que presidem às combinações ministeriais
dos últimos anos da monarquia constitucional. Por outro lado, os tipos
psicológicos emergem naturalmente do seu meio: uma lógica orienta
o seu comportamento, de tal modo que a acção parece ser o resultado
normal do funcionamento de uma estrutura social. Sob este aspecto,
Teixeira de Queiroz é dos mais consumados romancistas portugueses
do século XIX.

“Por certas características da sua personalidade, Salústio lembra


Acácio; e o autor soube mostrar-nos que os Acácios não são apenas imbecis e
risíveis, e que os lugares-comuns “acacianos”, ao par de todo o seu ridículo,
correspondem a uma função, que é a de hipocritamente justificar e enobrecer
um determinado tipo de vida.”61

Não obstante esta faceta consensual e genericamente considerada


como realista-naturalista, uma novidade singulariza o romance de
Teixeira de Queiroz relativamente aos seus congéneres, mediante uma
maior atenção dada à psicologia feminina.

60 Machado, 2012, p. 168.


61 Filipe Alves Machado, in O Salustio Nogueira de Teixeira de Queiroz Como Espaço de Ambivalência,
FLUD, Porto, 1995.

57
Família Teixeira de Queiroz

“Mesmo em Eça, a ideia de romântica da mulher que oscila entre o anjo


e o demónio persiste sob a forma da degradação através da “queda” sexual
sem reabilitação, além de que nos seus romances as mulheres parecem
condenadas a uma completa dependência social e psíquica. Pela primeira
vez, em Teixeira de Queiroz estes são vistos sob um âmbito mais largo e
despreconcebido, como aliás já acontecia em Balzac. A personagem mais viva
e humana de Salústio Nogueira é talvez uma mulher, Angélica, esmagada
entre o egoísmo masculino e os preconceitos do seu meio de origem. Certas
dolorosas vivências então inerentes à vida da mulher são, de resto, afloradas
a outros propósitos, sem omitir o terror da noiva na noite de núpcias. Nesta
maneira de encarar a experiência feminina, Teixeira de Queiroz marca uma
data na história do romance português: põe de lado a idealização romântica
da mulher, que encobre no fundo uma sujeição.”62

Para além de considerada por muitos a obra-prima de Teixeira


de Queiroz, O Salústio Nogueira assume de certa forma o encerrar de
um determinado momento na vida literária do escritor. Com efeito,
se inicialmente a sua obra se mostra fortemente influenciada pelo
“romance crítico”, em Os Noivos e O Salústio Nogueira na Comédia
Burguesa, e Amor Divino e António Fogueira na Comédia do Campo,
segue-se um hiato de cerca de onze anos entre o segundo e o terceiro
romances da série urbana do autor. Com efeito, entre 1883 e 1894, datas
de publicação de O Salústio Nogueira e D. Agostinho respetivamente,
verifica-se que Teixeira de Queiroz deixa de publicar, salvaguardando-
se os Novos Contos (1887), uma coletânea de contos avulsos.
Com efeito, as obras que se seguem revestem-se de características
diferentes. No espaço de um ano, sucedem-se os volumes D. Agostinho
e Morte de D. Agostinho, onde os pressupostos de crítica social surgem
claramente relegados para segundo plano. No primeiro, a ação começa
com Salústio consagrado enquanto presidente do conselho, e passamos
a assistir às dificuldades financeiras do dia a dia do protagonista e
como faz para conseguir a sua sobrevivência e a da irmã. Grande parte
desta obra é ocupada com a entrada em cena de uma nova personagem,
Galrão, um destemido investidor e intrépido aventureiro, que seduziu
o velho aristocrata de modo a que este vendesse às escondidas uma
valiosa joia da irmã no sentido de financiar um arrojado projeto.

62 Filipe Alves Machado, in O Salustio Nogueira de Teixeira de Queiroz Como Espaço de Ambivalência,
FLUD, Porto, 1995.

58
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Após a entrega do dinheiro, Galrão desapareceu sem deixar rasto e


Dom Agostinho com nada ficou, situação esta que antecipadamente
despoletou a morte de Dona Brites.
Na Morte de D. Agostinho, são descritos os últimos tempos de vida
do velho aristocrata. Josefina, a empregada, toma algum destaque, mas
é a progressiva miséria e declínio do estado de saúde do fidalgo que
tomam a primazia da obra.
Deste modo, longe do tom irónico e sarcástico das primeiras obras,
verifica-se à descrição da progressiva decadência de um fidalgo, cujos
fatores vão sendo apontados (a falta de rendimentos, a incapacidade
de desenvolver qualquer atividade produtiva, uma cultura de
ociosidade de gerações), mas sem que o narrador deixe de mostrar
um compadecimento grande das personagens de modo a provocar a
pena do leitor. Este retrato quase romântico da personagem dá lugar
ao aparecimento de personagens-símbolo, que se vão manifestar nas
restantes obras.
De facto, daqui para a frente, assumem toda a importância as
personagens que através da ciência e do desenvolvimento assumem a
construção de um país mais moderno, mais próspero, que possa ir de
encontro as reivindicações de um povo cada vez mais convincente e
reivindicativo.
Surge assim O Famoso Galrão, retrato do pioneirismo corajoso
do industrial, onde vê o homem capaz de transformar e substituir
a natureza, gerando-se assim uma fé inabalável no progresso e na
indústria:

“Caminhava-se para o progresso absoluto da Industria, que tudo


transforma; haveria portentosas retortas, iguais em capacidade e leitos de
grandes largos (...) Caldeiras de vapor e maquinas electricas aperfeiçoadas
gerariam movimento e luz permanente, para acabar de vez o descanso e
com a escuridade improficua da noite. Assim se multiplicaria o esforço e o
tempo; por toda a parte reinaria a abundancia e a felicidade.”63

Com efeito, o engenho capitalista de Galrão constitui uma apologia


da civilização industrial, na qual se conseguiria a multiplicação
da riqueza e a consolidação de um bem-estar no futuro. Contudo,

63 O Famoso Galrão, p. 118.

59
Família Teixeira de Queiroz

esta transformação apenas se poderia dar “espicaçando a ronceira


natureza”, transformando-a, obrigando-a, pela secundarização a
que era submetida, a sujeitar-se face à Humanidade em benefício da
indústria e do artifício do saber aplicado. Trata-se, afinal, do artificial
contra o natural, sendo o segundo ronceiro, passivo, incapaz de
providenciar um melhor futuro para o homem.
Mais tarde, mais ideias de substituição do natural pelo artificial
surgem na mente do industrioso Galrão. Substituir gordura animal
por gordura mineral extraída da hulha, mais barata, pondo em causa a
manteiga tradicional; fabricar cortiça sintética para casas, pavimentos
e ruas, permitindo, mediante a acção coordenadora da Omnibus,
a obtenção de lucros prodigiosos que proporcionassem a criação de
organizações democráticas de divulgação cultural, “levantando o nível
da nação”. Este era, na sua globalidade, o grande plano de Galrão para
libertar a sociedade do seu estado bruto e natural, elevando-a a uma
civilização artificial.
Posteriormente, no virar do século surge a obra A Caridade em
Lisboa, dividida em dois volumes. No primeiro, intitulado A Esmola,
e num tom mais realista-naturalista, o autor descreve a mentalidade
vigente na alta sociedade, em que as senhoras, em rituais de fachada
através de acções de cariz social, ilustram uma tentativa infrutífera de
resolução dos problemas da pobreza e da necessidade, situação comum
em Lisboa. Revela-se assim o espírito impressionado das solícitas
senhoras, que procuram acima de tudo, encontros e reuniões sociais
para as fazer sair do ócio habitual e pudessem conversar, também
deste seu “fantástico trabalho”.
A descrição destas estéreis acções de caridade das senhoras de alta
burguesia e da aristocracia lisboeta, feita pela caricatura, provoca uma
crítica social e religiosa, permite o surgimento de outras personagens,
com características diferentes que apresentam outras soluções, mais
concretas e efectivas e que passarão a protagonizar o segundo volume,
A Dor. De forma oposta ao hipócrita e inútil movimento caritativo
de características festivas, o autor aparece com o trabalho do médico
Julião Esteves, de um filósofo epicurista, já anteriormente aparecido
na Morte de D. Agostinho, João da Terra, e de um químico, Manuel de
Sá, todos com o apoio pela intervenção de Cláudio de Mendonça, um

60
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

admirador incondicional da ciência. Refere Filipe Machado64 que estas


personagens, pelas quais o narrador demonstra uma evidente simpatia,
irão encetar, numa actuação conjunta, a criação de um hospital e de um
laboratório para pesquisas, denotando uma enorme confiança no saber
e uma grande exaltação da ciência, aqui entendida como a grande
alavanca impulsionadora da renovação social e moral.65
Numa análise pertinente, bem apoiada também em opiniões de
vários autores, consegue Filipe Machado, um conjunto consequente,
elucidativo sobre este livro, onde se concretiza toda a mundividência de
Teixeira de Queiroz, através da interação entre a realidade e a ciência.
Verifica-se através das personagens atrás referidas, a sua formação
científica, onde assistimos à aplicação do saber, como se pode ver,
por exemplo, “na minúcia e realismo com que o autor descreve uma
traqueotomia num caso típico de garrotilho”.66
As grandes e inúmeras discussões científicas entre as personagens
Julião e Manuel de Sá documentam a sua total aposta num futuro
apoiado na ciência.

“Este optimismo, manifestado a nível de estrutura profunda do texto,


institui-se como eco das novas técnicas cientificas, de informações sobre
novos conhecimentos, como a microbiologia, que são divulgados com
intenção pedagógica ao longo da obra”.67

Com a ciência concebida enquanto uma panaceia social68, também


se verifica essa crença já vai surgindo relativizada em Galrão, através
do processo estilístico de caricatura que a personagem vai sofrendo no
seu contraste com o D. Agostinho. Ao exteriorizar um exagero a que se
acrescenta um profundo logro gerado no fidalgo, o leitor é levado a um
inevitável sorriso de descrédito perante essa ciência salvadora. De facto,

64 Filipe Alves Machado, in O Salustio Nogueira de Teixeira de Queiroz, Como Espaço de Ambivalência,
FLUD, Porto, 1995, p. 30.
65 Cf. Santana, Maria Helena e Simões, Maria João, “Realismo e Quimera no Ideal Científico
Finissecular: Abel Botelho e Teixeira de Queirós”, in Diacrítica, Braga, Centro de Estudos
Portugueses, Universidade do Minho, n.º 6, 1991, p. 199.
66 Filipe Alves Machado, in O Salustio Nogueira de Teixeira de Queiroz, Como Espaço de Ambivalência,
FLUD, Porto, 1995, p. 30.
67 Filipe Alves Machado, in O Salustio Nogueira de Teixeira de Queiroz, Como Espaço de Ambivalência,
FLUD, Porto, 1995, p. 30.
68 Cf. Pires, António Machado, Natureza e Civilização nos Escritores Naturalista Portugueses,
p. 34.

61
Família Teixeira de Queiroz

a subreptícia ideia de incapacidade da ciência já aparece no protagonista


de O Famoso Galrão, cuja caracterização é significativamente mais
favorável em relação à que lhe foi feita em D. Agostinho. Embora mais
simpática, a figura de Galrão surge indelevelmente marcada por traços
caricaturais que põem em causa a sua credibilidade, corroborando-se
também esta descrença no ideal científico, através do infeliz final da
personagem. A opção por uma radical solução suicida é a conjugação
de vários factores: o primeiro é a submissão voluntária à atmosfera de
ociosidade da capital que o paralisou, recuando perante os caminhos
da aventura; o segundo é a problemática da ostentação como forma
de promoção social, dado que a ruína financeira de Galrão é a causa
do descalabro da relação amorosa com uma jovem cortesã de bailes e
festas de caridade, uma vez que não se sentiu capaz de a conquistar
pelos seus atributos humanos.
Aliás, esta crise de valores positivistas vai ganhando maiores
dimensões, que são tratadas na última obra do autor, A Grande Chimera,
na personagem de Manuel de Sá, cientista incondicional, perfeitamente
obcecado pelo seu trabalho de pesquisa de um novo tipo de dinamite –
a mongite -, tornando-se o legítimo defensor do cientismo:

“Se, na sua alma, alguma esperança de mudança podia haver, consistia


no progresso das sciencias da natureza, as quais, descobrindo verdades
tangíveis, aumentavam o bem-estar commum (...) Teriamos, pois, (...) dois
caminhos; ou proceder ao aniquilamento da propria especie (e era este o
pensar de alguns amigos) ou concorrer para acumular mais descobertas dos
movimentos cosmicos.69

O seu voluntário isolamento leva-o a um reduzido conhecimento


do meio exterior, o que é agravado pela pouca frequência com que
sai. Numa dessas suas raras surtidas, encontra uma prostituta,
símbolo da decadência citadina, que decide recolher e lhe fez admitir a
limitação do seu conhecimento do ser humano, inclusive de si próprio.
Proporcionalmente, o seu descrédito vai crescendo, especialmente
junto dos operários, aos quais recusa apoio financeiro anteriormente
fornecido em manifestações laborais e sociais. Paralelamente,
vê-se na obra o crescimento doentio da paixão do seu ajudante de

69 A Grande Chimera, 1919, p. 31.

62
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

laboratório pela rapariga. Esta paixão leva-o a destruir o laboratório


propositadamente, morrendo na explosão e deixando mutilada a
ex-prostituta. Assim, a descrença na ciência é manifestada, pelo
facto de ser originadora de destruição e aniquilamento (o facto de se
escolher um elemento destruidor como invento parece-nos um artifício
engenhoso). De uma forma diferente do que em O Famoso Galrão, a
descrença social acompanha a descrença na ciência, pois enquanto
que com o empresário a ruína financeira esteve na origem do seu
descrédito, o mesmo não aconteceu com Manuel de Sá. A tragédia só se
deu pelo seu desconhecimento da espécie humana. A sua incapacidade
em termos de perscrutação psicológica (que por vezes se confunde
com a ingenuidade) esteve sempre presente nas negociações com os
agitadores sociais, sendo essa também a razão pela qual não foi capaz
de prever os intentos do seu empregado.
No entanto, os sinais de ambiguidade na obra não ficam por
aqui. Se a mutilação representa o mal que a ciência e a técnica podem
causar, ao mesmo tempo pode significar também a purificação de
um corpo profanado (um dos operários revolucionários tinha mesmo
usufruído dele) numa mulher que dele tinha feito o seu sustento.
Assim se justificam a evocação e a alusão que Manuel fez à figura de
Vénus de Milo aquando da sua contemplação de Favorita. Símbolo de
uma beleza universal e intemporal (que está presente na renovação
cíclica dos campos), a rapariga acaba por reencontrar-se, acontecendo
o mesmo com o protagonista, pois alcança por fim a sua paz interior na
contemplação da amada.
Deste modo, a ciência também pode ser vista como meio de
purificação, na medida em que a mongite, embora provocando a
mutilação de Favorita, liberta-a todavia do estigma da prostituição, e
aproxima-a do modelo de beleza universal que constitui a Vénus de
Milo, estando aí todo o reencontro com a harmonia perdida:

“Percebia-lhe a graciosidade do meneio do corpo, erguendo-se o corpo


sobre as ancas de curva airosa de ânfora etrusca; a cabeça ondulava como
rosa ao bafejo de brisa: Alguma memoria do passado, qualquer recordação
delicada se lhe avivou na mente; porque os olhos de Manoel luziram
contentes e disse n´uma voz commovida e branda:
- Mas é Venus de Millo!...

63
Família Teixeira de Queiroz

Sentia a mesma onda de luz, vaporosa e calma, alargando-se na


atmosphera do jardim das deusas; a mesma linha de corpo, leve e etherea, a
perder-se no infinito espaço; esse movimento de belleza, que nunca mais foi
encontrado em estatua! (...)
- Muito mal te fiz!... – disse Manoel, triste.
- Quanto bem me tem feito, senhor!”70

Deste modo se pode ver como a parte final da produção de Teixeira


de Queiroz oscila, na dualidade optimismo/pessimismo, na forma
como a ciência é encarada, no seu papel regenerador da humanidade.

2.2.2 – Comédia do Campo

Na Comédia do Campo, as obras iniciais inserem-se também num


seguimento de ditames mais ortodoxos de escola artística. Em 1877,
Amor Divino vem subintitulado Estudo patológico de uma santa, uma
interessante abordagem ao fenómeno da santidade que a superstição
popular vai atribuindo a algumas figuras femininas contemporâneas,
fenómeno que ainda perdurou no século XX. Esta santidade surge
analisada pela pena do autor, que munido de um método e de
informação científica se propõe desmistificá-la. Assim, a santidade
de Rosária é medicamente diagnosticada e os episódios místicos da
personagem são descritos como crises de histeria. A fraude avalizada
e alimentada por algumas figuras do clero local, estimulando a
abstinência da jovem, levam apenas ao declínio do seu estado de saúde,
acelerando uma inevitável morte, que só serviu para a satisfação de
alguns interesses da hierarquia social campestre71.
Aliás, é o próprio que, na reedição da obra em 1914, afirma esta
vertente científica da obra, a que não será alheia a formação em
medicina de Francisco Teixeira de Queiroz:

Este fenómeno da abstinência, apesar da sua importância physiologica


para a conservação do corpo, não tem a que á primeira vista se afigura, pois
sendo essa conservação a resultante, entre a assimilação e a desassimilação,
log que esta se redusa, também aquella pode diminuir e até se compreende,

70 A Grande Chimera, pp. 267-268.


71 Machado, 2012, pp. 164-165.

64
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

que durante certo período, se possa annullar, dando-se então um caso de


outophagia. Alem d’isto, a abstinencia colabora em muitos fenómenos
pathologicos da vida dos mysticos.72

Cinco anos depois, em 1882, surge António Fogueira, uma pequena


novela onde um herói de traços camilianos protagoniza a ação. Espécie
de marialva das feiras do Minho, esta personagem morre precocemente
pelo tipo de vida boémia que alimentou ao longo dos anos. A novela
desenvolve assim um paciente esforço no sentido de demonstrar como
a educação de que a personagem foi alvo, assim como o meio em que
se moveu, foram determinantes para a formação da sua personalidade
assim como para o destino que teve.73
Todavia, aquilo que poderia ser denominado de vertente realista-
naturalista na obra do autor resume-se praticamente a esta duas obras.
Além disso, o livro António Fogueira não consiste apenas na novela
homónima, visto que outros contos surgem, estes já numa linha
bastante distinta.
Teixeira de Queiroz é de facto um escritor de recursos variados, e
deles encontramos outras facetas nos seus contos de ambiente rural.
Alguns destes contos integram-se noutra tendência da literatura
portuguesa, que consideramos a seguir.
No conto rústico, na introdução ao volume Arvoredos (1895),
publicado fora da série Comédia do Campo, diz Teixeira de Queiroz que
este livro foi escrito “com o coração e a sensibilidade”, mais do que
com a reflexão e o estudo, que em conjunto presidiram à orientação
da sua obra. Com efeito, os seus contos predilectos são de evocação
do tempo da infância na terra natal, da pastorícia serrana que por
vezes acompanhou, dos vinhedos e dos milheirais do Minho, de certas
actividades, tipos de aldeãos e das festividades populares, sem grandes
preocupações de análise sociológica, mas com certo pitoresco afim do
de Júlio Dinis.
E Teixeira de Queiroz, que militou durante anos nas hostes do
positivismo republicano e exaltou a ciência, acabou, nos últimos
volumes da Comédia do Campo, por se entregar à apologia da

72 “Explicando...”, In Amor Divino, Estudo Pathologico de uma Santa, p. V.


73 Machado, 2012, p. 165.

65
Família Teixeira de Queiroz

ingenuidade campesina, com hinos e uma espécie de santidade rural,


feita do descrédito das ciências, que em parte pode ter sido sugerida
pela influência da última fase de Tolstoi e de um certo franciscanismo
laico então em voga.
O mais característico representante do género é também o seu
melhor cultor, José Francisco Trindade Coelho.74
Uma Comédia do Campo, regional, apertadamente provinciana,
passada com a gente e dentro da paisagem, do pitoresco Minho.
Escrita de uma forma simples, fotográfica, é “uma pintura de personagens
e paisagens minhotas”75. O próprio Francisco Teixeira de Queiroz o
reconhece quando num dos seus prefácios descreve: “A primeira phase
da minha criação sonhada, passei-a divagando por entre a paisagem minhota”.
O Minho foi o seu campo, na existência inteira. Em Arcos de Valdevez
escreveu a maioria dos seus livros.
Escreve Fernandes Costa:

“E acima de tudo, livros portugueses, do mais intenso caracter


nacional e, muitos d´elles, do mais gostoso sabor regional; nos quais se
move a nossa gente, fielmente transportada de todas as camadas da vida
social, nos quais se espelham scenarios nossos, com todos os matizes dos
nossos céus, das nossas águas, das nossas paisagens; e onde, finalmente a
nossa língua é ouvida, ao longo de todas as suas paginas, com indelevel
aprazimento.” 76

Não implicando reflexões ou construções estéticas, aqui Teixeira


de Queiroz descreve a paisagem rural e as personagens descritas, de
uma forma verdadeira, tal qual eram na realidade da sua vida, com

74 José Francisco Trindade Coelho, (Mogadouro, 18 de Junho de 1861 – Lisboa, 9 de Junho de


1908), depois de cursar Direito em Coimbra, cujo ambiente evocou num livro de memórias,
In Illo Tempore (1902; tem já sete edições), fez uma boa carreira de magistrado.
O livro de contos Os Meus Amores (1891, 3.ª edição reformulada 1901), que em 1978 contava
já 16 edições, é bem uma obra de evolução saudosista do viver campesino confundido com
as recordações da infância e que se tornou como que um paraíso perdido para o citadino
fatigado. O autor nota justamente que os seus contos são “talvez saudades; e tenho certeza de
que, se vivesse na minha terra [...] não os teria feito...”. Na sua maioria, quase não têm enredo
e a intenção moralizadora é muito menos patente que nos contos de Herculano, Júlio Dinis,
Pedro Ivo, ou Rodrigo Paganino. Trindade Coelho limita-se a evocar tipos e ambientes da
aldeia com uma simpatia de raiz que vai até aos bichos. No entanto, todo o conjunto insinua
um tipo e vida utopicamente exemplar, mesmos nos seus conflitos.
75 Autor desconhecido.
76 Fernandes Costa in Elogio Academico do Dr. Teixeira de Queiroz, Lisboa, 1919, pp. 20 e 21.

66
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

as suas características, seus usos e costumes, com os seus trajes e a


sua cultura. Por essa razão serão adiante apresentadas passagens dos
seus livros, representativas do seu conteúdo desta Comédia da sua
obra.
Escreve Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas,

«...Pela leitura dos “Contos” pode imaginar-se que espiava as trutas,


a serenarem no rio. Tería sido desse jeito que lobrigou a “Truta Grande”
que, depois, romanceou. O Rio veio a ser um dos seus encantos e, por isso,
escreveu: “os rios são como os antigos conventos franciscanos, que viviam
fartos de minguadas esmolas: vai o ribeiro como o antigo frade, de queda
em queda pedir às fontes o seu óbulo, que entrega ao rio para chegar ao
mar imenso, em caudal magestosa”. As Romarias sugeriram-lhe em “A
Cantadeira” as festas de S. Roque, onde, enquanto jovem, estudara o efeito
das frustrações dos caceteiros que “varriam” indefesas multidões, depois de
bailarem e cantarem desafios, aguentados pelo vinho verde que espichava
dos pipos, “acidulado e fresco” como o saboreou um dos nossos melhores
Poetas. Foram por ali recolhidas imagens que viriam a permitir a científica
anatomia artística do Zé Santinho “um velho magro, todo barbeado como
um clérigo, e calvo como um sacristão”, a Rita Cantadeira “toda garrida,
com os seus oiros pendentes das orelhas e do pescoço, oferecendo-se às
vistas interessadas”.»77

Sobre o Minho e os Minhotos, escreve Teixeira de Queiroz um


conjunto vasto de textos, apelidados de Contos, dos quais se seguem
algumas passagens:

“A paisagem minhota, no coração do Minho, é a d´um gracioso


presepio, um d´esses presepios lindos, em que figurassem os aprasiveis
reis-magos, na sua visita ao prodigio da Galileia. É meudinha, aconchegada
e acolhedora, como o caracter do seu povo, sempre affectivo, pouco
desconfiado, dando-se facilmente, mesmo com aquelles que não
conhece. De qualquer volta d´estrada se pode apreciar, num resumido
fragmento de terras, o folhedo mysterioso dos carvalhos, a alegria dos
vinhedos manchando a encosta, a casaria branca e o campanario esguio a
espreitarem d´entre o arvoredo copado, a horta e a seara espalmando-se
no estreito valle, o moinho com a sua roda a grasnar no fim do açude de
espuma branca.”78

77 Eugénio de Castro Caldas, in Terra de Valdevez e Montaria do Soajo, 1194.


78 Francisco Teixeira de Queiroz, in Contos.

67
Família Teixeira de Queiroz

Escreve o próprio em Contos:

“As romarias e as feiras são os maiores acontecimentos do Minho.


N´aquellas de orago famoso, o divertimento é grande; mas por excessivo
que seja o luxo de foguetorio, de festa de egreja, de musica vinda de longe,
nenhuma dispensa o tradicional zabumba, e sua caixa de rufo, havendo ás
veses duas parelhas, quando o mordomo é liberal. O zabumba, o celebre
Zé-pereira do povo, é sempre tocado por homem esforçado e barbudo,
mestre em saltos e cabriolas, que fazem as delicias dos circumstantes. Timbra
em se mostrar agil e gracioso no modo de ferir a pelle do instrumento. Toma
atitudes caprichosas, mudando o zabumba com grande destreza: ora o tem
no dorso, ora no hombro, umas veses na cabeça, outras aos pés, sempre
em piruetas, sempre tocando em cadência com a caixa e com o gaiteiro, se
o há. Sua e tressua nestas cabriolas, faz praça da grande area do terreiro,
alarga a roda no meio da gente, que o acompanha com palavras de apreço
e louvôr.”79
“Os rapases e as raparigas, que nas romarias e mercados lidam e
brincam, são os mesmos esforçados companheiros dos trabalhos campestres.
Elles e ellas, é que com o arado e a enxada fecundam a terra, abrindo-lhe
no seio ubere o rego, onde a semente germinará, para nos dar a fartura.
A sementeira é sempre uma risonha promessa, faz-se com alarido de festa.
Afunda-se bem a charrua, abrindo e voltando a leiva, emquanto pucham os
pacientes bois, sob a ameaça da aguilhada. As esforçadas raparigas picotam
os torrões para os desfazerem. Andam ás duas, conversando, para assim
não sentirem a agrura do trabalho. Vem depois o semeador, com o seu largo
gesto d´abundancia, espalhar o grão, que os gulosos passaros comeriam, se
não apparecesse logo a grade, puchada por uma só junta, com um rapasito
á sôga. Com os dentes e algumas veses com o dorso se esterrôa e achansa a
terra, cobrindo a semente, de modo que tudo fique liso, como palma de mão
senhoril!”80
“N´este dia de risonhas esperanças a fartura é d´uso. O jantar do
camponez é saboroso como de festa. Sentam-se os trabalhadores em volta
da toalha branca, estendida sobre a relva, n´um sitio umbroso. A tigella de
caldo fumegante e o bacalhau cosido, acompanhado de batatas e regado
parcimoniosamente de azeite, formam o tudo da modesta refeição.”81
“A colheita, quando vem, faz symetria com a sementeira. Uma foi a
esperança outra é a realisação. Nos bons annos foicinha-se o milho com
desembaraço e contentamento. As esfolhadas após enchem de espigas a eira.
É já pelo mez de setembro, quando as nuvens apparecem no horisonte, como
primeiras rondas do inverno.”

79 Francisco Teixeira de Queiroz, idem.


80 Francisco Teixeira de Queiroz, idem.
81 Francisco Teixeira de Queiroz, idem.

68
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

“A uma assisti, ainda muito creança, em que appareceu uma


cantadeira celebre, muito apreciada pelo seu talento d´improviso. Era
a Rita Canaria, o genio alegre da Cerda e com louvores em todas as mais
freguesias, á roda. Chamavam-na para as festas em que o seu genio
pudesse brilhar e d´esta vez ouvia-a em desafio com o Zé Santinho, um
velho repentista como ella. Deitou então a Rita a seguinte cantiga, que me
ficou, e que é variante de trova conhecida:

«O meu amor é pedreiro,


«rapases bem o sabeis;
«trabalha com pico d´ouro,
«de que farei meus anneis.

Houve festiva e acalorada gargalhada, com muitos applausos e vivas,


para festejar a cantadeira de Cerda.”

O escritor teria acompanhado quanto pôde os trabalhos da


construção da Casa de Cortinhas, não suficiente, mas o bastante
para reter o que viu e apresentou romanceado em Ao Sol e à
Chuva. A referência à obra do portão corresponde a um realismo
saborosamente exacto, sendo apenas inventado o nome do ferreiro do
romance, o «Charró», acompanhado do seu filho «Mudo», hercúleo
e colaborante, que nunca existiu, sendo apenas figura essencial da
história imaginada.
Tratada a encomenda do portão, diz-se no romance:

“Logo que voltou à forja, o Charró despiu a véstia, pegou nas medidas
e no risco preferido com desembaraço e foi para o seu terreiro, em frente
da casa, principiando a traçar no chão, com um ponteiro, o desenho da sua
grandeza natural. O Mudo acompanhava-o e seguia-o atento, segurando a
régua enquanto ele marcava as linhas do perímetro. Quando viu arquear
uma curva com a ponta do compasso, reconhecia-se-lhe no rosto admiração
por aquela certeza; mas os outros enfeites, nascidos da mão inteligente
do pai, davam-lhe maior prazer, que exprimia com aplausos guturais.
O ferreiro gostava de ser apreciado pelo filho. Ia debuxando os círculos, os
SS, as rosetas, as flores, os CC e os XX com mão firme e experimentada.
À maneira que o conjunto sobressaía numa harmonia criadora, distanciava-
se para apreciar a obra do seu engenho.”82

82 Eugénio de Castro Caldas, in Terra de Valdevez e Montaria do Soajo, in Ao Sol e à Chuva de


Francisco Teixeira de Queiroz, p. 218.

69
Família Teixeira de Queiroz

Teria sido iniciado assim o belo portão da Casa de Cortinhas, deste


modo como ficou romanceado. Teixeira de Queiroz descreve depois
pormenores da conversa do ferreiro com o morgado, que, no romance,
vinha contemplar a obra:

“- Este ferro d´escoce (da Escócia) de baixo e o das ombreiras e batentes,


pesa arrobas. Levou quase três vergalhões. Os SS, os CC, os redondos e as
flores são tudo de sueço (sueco), que é o mais mole e não parte, quando o
vergam.”
“Das mais belas peças do portão são os torcidos. O escritor descreve
ainda a conversa do ferreiro com o morgado:
Mostrou-lhe um pedaço de ferro torcido em espiral. O morgado, com
um sorriso incrédulo, disse:
- Quero que faças um diante de mim, para ver. Não me entra no toutiço.
O Charró pegou num pedaço de verga de ferro e levou-a à forja, para a
aquecer ao rubro, falando sempre:
P´ra isso é que se quer o ferro sueço, do melhor, p´ra não lanhar. Quando
estiver como uma brasa, e deitar fagulhas, esse ferro é tenro como bicas de
manteiga e faz-se dele o que se quer. Tenho de chamar a rapariga p´ra me
ajudar; porque o Mudo ouve pouco ou nada, e não deita a auga com jeito.
Chamou: apareceu a Rosa com o púcaro cheio de água que o pai
lhe pedira, o Charró tirou do fogo a verga, que sacudiu no meio da loja,
espirrando chispas ardentes. Levou-a à boca do torno, apertando-a bem
numa das extremidades, e preveniu a filha:
- Quando eu te disser agora, deixa cair um fio d´água no sítio, como da
outra vez.
Com uma tenaz, agarrou firmemente na extremidade livre da verga
e principiou a torcê-la muito devagar, com um movimento de broca que
entrasse num corpo duro.
- Agora moça! Deita pouca, p´ra não esparralhar muito.
Por fim retirou dos beiços do torno o pedaço de verga já retorcida como
um saca-rolhas e levou-o à admiração do morgado, que o louvou:
- Tens mãos de prata, fazes o que queres!”83

Francisco Teixeira de Queiroz, que também assinou vários


volumes da sua obra como Bento Moreno, gostava de caçadas, mas
os caçadores que o acompanhavam divertiam-se a dizer que preferia
conversa e não matava nada. Apesar disso aconteceu, como deixou
confirmado num dos seus contos, que um padre amigo o presenteou
com um perdigueiro que foi precedido da seguinte carta:

83 Eugénio de Castro Caldas, in Terra de Valdevez e Montaria do Soajo, in Ao Sol e à Chuva


de Francisco Teixeira de Queiroz, pp. 218 e 219.

70
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

“Já cá tenho o cão. É feio, mas tem óptimos narizes. Saí ontem com ele
para o experimentar e trouxe um cinto de respeito. O nome é feio, chama-
se Enguiço. Quer que lho mande antes da sempre desejada visita a esta
humilda residência dum padre de aldeia?
O escritor respondeu a dizer «que mandava buscar» e depois de ter
mantido o Enguiço uns dias, com festas e bolos, certificando-se de que o
bicho respondia aos apaparicos a dar ao rabo, considerou que o pacto de
amizade já estava firmado. Foi com ele à caça e na primeira encosta o Enguiço
mostrou-lhe um bando de perdizes que era um regalo. Quando saltaram,
atirou – pum, pum – e, nada. Mas o Enguiço prosseguiu e foi na revoada,
encontrando o bando que, de novo, ofereceu ao caçador. Pum, pum, e coisa
nenhuma. Teixeira de Queiroz ficou encavacado quando o Enguiço o fitou
com desprezo muito mais do que canino. Mas, de má vontade, o perdigueiro
insistiu e em breve a cena se repetiu com o mesmo resultado. Nessa altura o
Enguiço virou o rabo ao caçador e foi-se embora.
- Enguiço! Enguiço, venha aqui!... Já!
Qual história, nem se voltou, e o caçador, abandonado, deu por
finda a caçada, veio para casa e sentou-se à secretária, a escrever o conto.
Acrescentou que o padre, ao saber do Enguiço de volta, lhe veio perguntar
o que tinha feito ao cão, que fugiu, assim, sem mais nem menos. Seriam
saudades ou qualquer desgosto?
Embora fosse deste modo, o escritor não deixou de participar na
montaria ao lobo. No dia anunciado, foi com os amigos que, em grupo,
partiram da vila, em cavalgada, saindo mais perto do anoitecer do que da
madrugada. Depois de seguirem a margem esquerda do Vez, treparam a
Calçada dos Bicos em direcção à Seida. Aqui, os atiradores agruparam-
se em frente ao fojo, cujos muros convergentes encaminhavam os lobos
escorraçados pelas batidas em direcção a armadilha disfarçada com ramos,
onde as feras se precipitavam, ficando cativas. A lei da serra ordenava que os
lobos aprisionados só podiam sair do fojo depois de mortos.
Em frente ao fojo, com seus extensos paredões, ficavam as esperas que
os atiradores ocupavam logo de manhã cedo. Um monte de calhaus e uns
ramos formavam o esconderijo do caçador, que ficava impedido de atirar, de
frente, a lobo que viesse direito ao fojo levantado pelas batidas. Tinha de o
deixar passar, para o balear, se a sorte assim o consentisse.
A Teixeira de Queiroz foi oferecida a melhor das esperas, colocada
em terreno preferido para a passagem das feras perseguidas. À sua volta
ficavam os amigos, interessados no sucesso da caçada. Entretanto, dos
diferentes aldeamentos serranos tinham partido as batidas respectivas,
devidamente comandadas, segundo sistema coordenado. Os batedores, com
paus ferrados, bombos e gritos, tiros de bacamarte, despertavam a Natureza,
obrigando os bichos a fugirem na sua frente, abandonando os matos onde
se entocavam. Se porventura era vista alguma fera, logo toda a batida se
agitava, bradando num alarido que ecoava pelas encostas da serra:
- Aí vai lobo... aí vai loooobo!

71
Família Teixeira de Queiroz

A este sinal, as batidas vizinhas cobriam outras frentes por onde o


animal perseguido pudesse esgueirar-se. O espectáculo era bárbaro, não se
sabendo de que lado estavam as feras, mas grandioso e dramático, como a
luta fatal entre as espécies, ou as mais monstruosas agressões dos direitos à
vida. Dos seus esconderijos também podiam ser arrancados javalis, raposas,
ginetas, mas o lobo era o objectivo visado, pelo que significava quanto aos
ódios dos pastores.
Foi assim que na frente da batida que mais cedo se aproximou do fojo
foi visto um lobo que em veloz desfilada se encaminhou para as esperas,
onde os caçadores nervosamente empunhavam as armas. Teixeira de
Queiroz era um dos que ocupavam o terreno que o lobo iria percorrer.
Quando passou perto e se encaminhou para o fojo, Teixeira de Queiroz
desfechou seus tiros ao mesmo tempo em que muitos outros soavam,
descompassados. Ao precipitar-se de uma fraga, em desesperado esforço,
o lobo foi atingido no flanco, caindo, enraivado pela dor, estrebuchando no
mato, que logo ficou tinto de sangue. Seguiu-se uma pausa, à espera que
outros lobos eventualmente chegassem. Mas breve se perfilou no horizonte
a linha de batedores, severos e rudes, como se fossem antigos monteiros
de el-rei, convictos dos seus privilégios, dominadores dos espaços livres da
serra brava. Então os caçadores das esperas saíram dos seus esconderijos:
“- Belo tiro, Queiroz amigo. Tiro certeiro!
- É mesmo assim, senhor Doutor.
- Eu logo vi, ao jeito que o lobo se encostou, não escapava.”
No entanto, sorridente, Teixeira de Queiroz estava muito pouco
convencido e não sabia bem o modo como devia segurar a arma que diziam
ser a assassina. A sua formatura em Medicina levou-o a ver o bicho morto,
a certificar-se, com intuição científica, de quanto o tiro teria efeito mortal.
Nunca poderemos saber se algum complexo de culpa emocionou o seu
sentir romântico.
A festa estava concluída. As batidas continuavam a chegar. O lobo
estava morto e no fojo apenas se mantinha, escondido num recanto, um
javali apavorado. Foram todos para o Paul da Seida, onde estava preparado
o almoço. Teixeira de Queiroz, modestamente, não tinha bem a certeza de ter
visado a fera. Mas todos eram unânimes – o tiro fora dele. Era indiscutível.
E, por isso, os companheiros assentaram em acta o testemunho de que o
presidente da Academia das Ciências de Lisboa, na serra da Peneda, em
Arcos de Valdevez, fizera tombar um corpulento lobo, uma fera indescritível,
varado por bala certeira, mirada com mestria. A autenticar o escrito, que se
perdeu, fora aposto o redondo de um copo de vinho tinto, que se perdeu,
que tornava o facto para todo o sempre inscrito na História.
Foi assim que nos contaram este sucesso e, tal como o ouvimos, o
passámos a escrito”84

84 Eugénio de Castro Caldas, in Terra de Valdevez e Montaria do Soajo, 1994, pp. 221, 222 e 223.

72
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Deste modo, olhando tanto para as histórias transcritas como


para os fragmentos citados, não será difícil que o lado analítico de
Teixeira de Queiroz não deixa de ser posto em prática com o retrato
pitoresco, quase vivo, das personagens da Comédia do Campo. Todavia,
os afectos do autor, com laços muito fortes em relação à sua terra
natal e às suas gentes, não lhe permitem utilizar a ironia mordaz ou
o juízo tanto analítico como cáustico. Exceptuando Amor Divino, não
podemos deixar de perceber a bonomia e a condescendência do autor
para com as personagens, mesmo na demonstração dos seus defeitos.
Há de facto, uma linha de traços telúricos, onde o ambiente rural é
idealizado, em que sobressaem alguns escritos como Latino Coelho,
Júlio Dinis ou Camilo Castelo Branco. Contudo, este lado pitoresco,
castiço por vezes, não deixa de ser profundamente original em Teixeira
de Queiroz, pela simbiose entre homem e paisagem.
Com efeito, encontra-se nos seus livros uma natureza erudita,
escrita de forma simples, sem pretensiosismos, que vai fazendo notar,
no cenário ensaiado a cada momento.

“Em todos há um substractum erudito, apresentado sem ostentação nem


emphase, que, de quando em quando, como um leit-motiv, se faz lembrado,
tão naturalmente vindo, a propósito, na situação que o reclama, que deve
passar despercebido, quasi, à vulgaridade dos leitores desattentos; mas
que, aos entendidos se impõe, fazendo-os apreciar toda a lenta e applicada
diligencia com que o romancista procedeu á sua acquisição. Citarêmos,
para que a nossa observação seja melhor comprehendida, no Amor Divino
(n.º), por exemplo, toda a somma de mysticismo documental colhido pelo
auctor em copiosas leituras de livros da especialidade, com esse intento
rebuscados; na Caridade em Lisboa, a applicação da philosophia epicurista,
segundo a perfeição e o melhor sentido da sua doutrina, á logica dos actos
do mais saliente e invulgar personagem da obra; na Grande Chimera, para
mais não citarmos, o conflito das pretenções desvairadas de uma sciencia,
desviada do seu legitimo destino, com as ideias estabelecidas, e inimigas da
mutabilidade do passado.”85

Em referência ainda à Comédia do Campo, não deixa de ser


interessante o seu último volume, Ao Sol e à Chuva (1916) e o tipo de
herói escolhido, o Fagundes, uma espécie de herói de inspiração na
figura de São Francisco de Assis, que espalha o bem, insistindo numa

85 Fernandes Costa in Elogio Académico do Dr. Teixeira de Queiroz, Lisboa, 1919, pp. 33-34.

73
Família Teixeira de Queiroz

faceta nómada e de teor panteísta86. Contudo, não existem neste


herói campestre marcas de religiosidade católica. Há um profundo
misticismo do homem simples em comunhão com a natureza, todavia
sem os espartilhos de uma doutrina religiosa.
Nesse sentido, Teixeira de Queiroz mostrava-se uma personalidade
atenta ao que se passava no mundo seu contemporâneo. Em textos
anteriores, nomeadamente “Congresso Catholico”, em As Minhas
Opiniões, consegue ver-se plasmada uma personalidade atenta às
reacções por parte da Igreja Católica, face a algumas das mais recentes
descobertas da ciência e às quais ele dedica algumas páginas no
documento acima citado, salientando-se o papel da ciência na evolução
da humanidade, a propósito das teorias darwinistas sobre a provável
ascendência simiesca do homem:

“E se é certo este famoso problema não teve ainda da parte dos


naturalista uma resposta definitiva, é caso para proclamar desde já a fallencia
scientifica? Não temos ainda o dia de amanhã? A religião respondeu mais
satisfatoriamente do que a sciencia?87

No entanto e apesar do crédito total na ciência e valores científicos,


Teixeira de Queiroz era também sinónimo de tolerância para com
outros pensamentos e formas de perceber a sociedade, concretamente
a religião, que pelo seu carácter de aceitação não científico, o escritor
achava que devia ser assumida por quem nela acreditava e respeitada
pelos outros naquilo que ela representa. Este amadurecimento do
pensamento levou-o a reformular o seu livro Amor Divino:

“[...] este livro padecia, na sua primeira forma, de arremettidas sectarias,


que lhe desmereciam o seu já pouco valor; tinha algumas cruezas contra os
padres e a religião, que em nada serviam a verdade, nem lhe acrescentavam
o valor. (...) Os meus leitores, que sejam pessoas religiosas, continuarão a
viver na sua crença, que não offendo: os pensamentos e as palavras a que
podem attribuir parcialidade, colhi-os nos livros que elles leem e ouvi-os dos
pulpitos. Aquelles que vivem independentes, na torre de marfim do espirito
scientico, não me podem censurar a tolerancia para com todas as opiniões,
pois ella é a mais bella conquista da civilização moderna.”88

86 Machado, 2012, p. 167.


87 As Minhas Opiniões, p. 281.
88 “Explicando...”, In Amor Divino, pp.VI-VII.

74
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

2.3 – Conclusão

Com uma obra tão extensa e variada, sínteses sobre Teixeira de


Queiroz não são evidentes, sobretudo quando a obra se estende por
um período de quatro décadas, com as inevitáveis alterações nas
formas de ver o mundo, e, consequentemente, de escrever.
Todavia, existem temas que são transversais e que decorrem da
personalidade do escritor. O primeiro é a sua matriz balzaquiana.
Admirador confesso do escritor francês, Teixeira de Queiroz construiu
dois universos ficcionais com personagens interdependentes, um no
campo, outro na cidade, embora com abordagens diferentes.
Segue-se a formação científica. Com um curso de medicina
em Coimbra, Teixeira de Queiroz nunca deixará de ver minuciosa
e analiticamente os ambientes que pinta, e, ao longo da sua obra,
equacionará o papel da ciência como regeneradora da sociedade.
A este aspeto acresce o republicanismo. Teixeira de Queiroz, como
se verá adiante, foi um ativo membro do Partido Republicano e um
partidário assumido dessas ideias. O Estudo de Política Contemporânea
em O Sallustio Nogueira é a prova cabal dos malefícios da monarquia
enquanto forma de governação, e o laicismo demonstrado ao longo
da obra vão ao encontro da ideologia republicana, com a separação
nítida entre estado e igreja. Amor Divino, ou a irreligiosidade católica
de Fagundes são disso um claro exemplo, sem que o autor deixe de
mostrar simpatia pelos párocos de freguesia, mas sobretudo pelo
elemento pitoresco e não pelo exemplo de santidade que deveriam
exemplificar.
Por fim, o traço mais distintivo de Teixeira de Queiroz estará
no seu telurismo regionalista. O amor incondicional à região que
o viu nascer e às suas gentes terá sido um dos vetores que não lhe
possibilitou entrincheirar-se nas fileiras realistas-naturalistas. Com
efeito, a idealização de tons românticos do seu Minho natal não lhe
permitiu assumir uma filiação ortodoxa, pese o facto de haver pontos
de contacto pelo valor dado à ciência pelo autor. Aliás, este romantismo
não assumido também o terá aproximado de Camilo Castelo Branco89

89 Note-se a este respeito, que, do ponto vista estético, as diferenças de ponto de vista entre
Teixeira de Queiroz e Camilo Castelo Branco terão existido, a julgar pela introdução à

75
Família Teixeira de Queiroz

que lhe escreveu a seguinte dedicatória aquando de O Sallustio


Nogueira, curiosamente um dos volumes de Teixeira de Queiroz mais
próximos do Realismo-Naturalismo:

“Um romance necessita pelo menos ter 1 000 compradores, mas em


Portugal apenas há cem leitores que saibma sorrir espiritualmente aos
lances que T. de Queiroz lhes oferece n’este livro, sem gastar uma palavra
das que fazem rir.”

2.4 – Teixeira de Queiroz visto por Teixeira de Queiroz

Pela sua personalidade e sentido estético literário vai Teixeira de


Queiroz ao longo de sua carreira literária dando algumas explicações
sobre a sua obra e suas razões para a escrever. A mais importante foi
aquela que antecedeu Os Meus Primeiros Contos, escrita em 1913:

“Foi há bem mais de trinta anos, quase em quarenta, que o primeiro


volume da Comédia do Campo, que ora se reimprime, apareceu sob os
auspícios de Camilo Castelo Branco, que, com a sua generosa bondade de
grande escritor, me incitou à sua publicação, arranjando-me editor. [...]
A minha prática foi difícil e recôndita; mas a imitação, que é a escola
da invenção, foi-me ajudando. Não me é possível assinalar quem foram os
meus primeiros mestres; mas presumo que seriam essas pessoas ignorantes,
que me contaram contos, cuja reminiscência ainda me encanta e muitos deles
tenho aproveitado. Mas poder-se-á assinalar o momento exacto, em que
começa a génese duma criação artística? É como o germinar do óvulo ou da
semente: por mais que o microscópio recue o ponto inicial da vida nascente,
o observador reconhece sempre que alguns fenómenos se produziram, dos
quais não lhe foi dado averiguar. O mesmo se passa na nossa alma: dos
quais não lhe foi dado averiguar. O mesmo se passa na nossa alma: quando
a consciência aparelhada pela experiência e pelo estudo nos dá o rebate da
imaginação em trabalho fecundante, já se têm verificado fenómenos, que
não podemos testemunhar. Será esse, porventura, o labor mais delicado e
prodigioso; porque se gera na raiz da alma, nas, ainda e sempre, misteriosas
combinações do cérebro. É o instante da deliciosa inconsciência, o alvorecer
da nossa individualidade, o estado da vida contemplativa, que Francisco de
Assis procurava para melhor se aproximar de Deus. Era isso que, para ser

segunda edição de O Sallustio Nogueira: “Os dois romancistas, que sempre foram amigos,
estavam amuados, por causa d’uma polemica litteraria travada em cartas particulares, amuo
que pouco tempo durou [...]” (1909 s/ página).

76
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

verdadeiramente humilde e livre, o grande humilde, buscava avidamente o


mel silvestre da ignorância, no convívio das aves do céu, dos peixes do mar,
do lobo das selvas, seus irmãos, que nada sabem e são ditosos.
Assim deve ser a arte na sua simplicidade suprema. Não são certamente
os que mais têm escrito, aqueles que mais têm sentido e melhor idealizado.
Porém da nossa arte concreta e exteriorizada, por mais grosseiros que sejam
os seus processos, é que tenho de me ocupar.
A primeira fase da minha criação sonhada passei-a, como disse,
divagando por entre a paisagem minhota. Daqui tiraria alguns elementos
com que tenho composto a Comédia do Campo. Encontrei-me, depois, no
estudo das ciências da natureza, onde me ensinaram o exacto método de
observação e comparação, que nelas se emprega para nos aproximarmos
da cobiçada certeza. Senti-me bem apoiado nessa alavanca para o estudo
dos fenómenos sociais. A experiência da vida é, em tudo, a melhor escola,
mas na leitura de Balzac encontrei o que eu já pensava nebulosamente; e,
a mais, o seu interessante artifício, que me prendeu, qual é o formar com
as personagens que pudesse encontrar no meu estudo, uma sociedade que
fosse um resumo do grande todo, que tinha em frente de mim.
Nesta sua forma de idear, cabe toda a variadíssima sociedade actual
como cabe a antiga. O mendigo; o banqueiro; o príncipe; a mulher faustosa,
rica e bela; a companheira do operário, coração previdente e um dos braços
do seu esforço; o político; o mexedor de riquezas; o camponês; o serrano
bronco; o sábio; o ignorante; o maníaco preocupado de ninharias, como o
megalómano... todas as almas fúteis, todas as almas grandes, com as suas
sensibilidades especiais, são componentes do romance balzaquiano.
Porém, só nos termos actuais, como a nossa vida complicada, de
dúvida filosófica, de certeza científica, de criação exaustiva, o romance podia
ser o que hoje é, uma fórmula adaptável e definidora deste caos de luz em
que vivemos. Os aperfeiçoamentos trazidos de todos os lados, pelos seu
cultores, em todas as línguas civilizadas, por todos os filhos da reforma e
da Renascença, demonstram o interesse que a alma colectiva lhe tem ligado.
Não é a primeira vez que deste assunto me ocupo, porém é este o
momento próprio de apontar o conjunto de ideias, que há quarenta anos
tenho debatido comigo mesmo, visto ir ser reeditado o meu primeiro livro
de contos (que imperfeitos eles são!) aparecido há trinta e oito anos. [...]
Fui vendo, observando, classificando, comparando os elementos sociais
que ao acaso se me deparavam, e recolhia-os para aparecerem oportunamente.
Para mim, escrever um romance ou um conto é apresentar um indivíduo
ou caso novo, uma paisagem nova, um estado de alma diferente dos
anteriores. Procedo, no meu método, como os zoólogos ou os arqueólogos,
quando definem espécies desconhecidas, ou descrevem objectos raros, que
nas sua escavações surpreendem. O imprevisto foi sempre o propulsor da
criação científica ou artística, o acaso é despertador da imaginação criadora.
A sensibilidade acorda a inteligência para colaborarem em conjunto, porque
a obra de arte tem se ser sentida pela alma toda.

77
Família Teixeira de Queiroz

O edifício, que pouco a pouco fui erguendo, porfiei que fosse habitado
por gente viva. Rejeitando todas as doutrinas estéticas conhecidas,
assentando na cautelosa observação directa, vi na epígrafe extraída da
modeste Mignon e estampada na portada de todos os meus livros, uma
definição suficiente. Filosofia de antemão adoptada, para quê? Teorias e
doutrinas estéticas, o que valem para o artista?! Pessimismo... optimismo
o que vem a ser? Não os reconheço como pendões de duas filosofias,
mas, antes, como características do temperamento dos escritores, ou
melhor, como puros estados psicológicos. O mesmo pensador pode ser
alternadamente macambúzio ou alegre, consoante a saúde do seu corpo ou
do seu espírito.
Quanto ao valor social do romance actual entendo que é enorme. Toda
a arte é de si educativa: basta a contemplação da beleza eurítmica para
melhorar a nossa alma. Para isso devera ser neutra em moral e em religião
e buscar apenas a verdade simples. Flaubert, o grande mestre, com o seu
estilo claro e processo de análise indutivo, realizou essa maravilha. No meu
pouco procurei igualmente sem mistificação atingir o maior grau de certeza,
descrevendo na Comédia do Campo as paisagens da alegre região do Minho,
ou apanhando, em diálogos simples, a alma do nosso camponês e serrano.
Abalancei-me a problemas mais complicados na Comédia Burguesa, quando a
idade e a vida social me trouxeram novos elementos de observação, colhidos
num meio de interesses e conflitos mais embaraçados.
Atingiria a verdade que procurei?
Só posso responder que a procurei com lisura e bons desejos de a
encontrar. A minha galeria de personagens é e ficará incompletíssima;
mas isso tem acontecido aos maiores investigadores de almas, Shakespeare,
Dickens, Molière e Balzac. Cada romancista ou dramaturgo que aparece
grande ou pequeno, escreverá o seu capítulo da historia do coração
humano, consoante souber e puder. O mundo moral, com as sua virtudes e
perversidades, é infinito, o esforço de cada um limitado.
Poderei ainda preencher alguma das numerosas lacunas da minha
modesta obra? Veremos. O granito social é duro, o meu braço está
enfraquecido e o meu pico é rombo.
Mas veremos.”90

Outro texto de Teixeira de Queiroz, este sobre uma das mais


emblemáticas obras, é uma Explicação de O Salústio Nogueira neste
caso para uma reedição reformulada do livro. Diz o autor que

“Corrigir um livro, que se julga imperfeito, é caso de gosto artístico e


dever de carácter moral para o seu autor; mudar-lhe o fundo, alterar-lhe a

90 “A razão da minha obra”, in, Os Meus Primeiros Contos, 3.ª ed., Lisboa, Parceria António Maria
Pereira, 1914, pp.VII-XV.

78
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

concepção inicial equivaleria a edificar imaginado edifício moderno, sobre


paredes velhas a derruírem-se. Tais reconstruções poéticas só se consentem
para revivescência de lendas, em que a alma colectiva tenha colaborado
acrescentado prestigio e encantos.
Melhorei o romance O Salústio Nogueira até onde me foi dado
reconhecer-lhe os defeitos. Todo o trabalho teve como propósito dar
impressão cabal do meu pensamento aspirando a criar na alma do leitor
um estado equivalente ao estado da minha alma. A simplificação do estilo,
joeirando-o de futilidades pretensiosas, infantis e enganadoras, tem sido
a preocupação constante do meu estudo. Esse esforço só me tem feito
compreender as belezas dos grandes mestres. A transparência luminosa da
palavra humana deve cingir-se intimamente e com harmonia musical ao
pensamento com nitidez concebido: - esta é a regra; quem melhor a aplicar
será o escritor máximo. A ideia no seu brotar é obscura, mas pela reflexão
aclara-se. Neste momento especial deve ser vestida, dar-se-lhe forma
tangível. Sucede à nossa ideia o mesmo que à nascente de água, quando
emerge da terra: o primeiro jacto é turvo de impurezas, mais tarde corre
límpida, e nesse estado deverá ser colhida para nos apagar a sede. No
trabalho de escrever é sempre proveitoso, quanto amor se empregue em
obter a gota translúcida.
O que vulgarmente se chama processo literário dum romancista
consiste no desenho ou traço para tornar prático o pensamento global.
Cada um tem o seu; porém a experiência própria e alheia trazem
conselhos atendíveis, que devem ser aproveitados, como nos aconteceu
ao rever O Salústio Nogueira, em que desprezamos ou acrescentamos
particularidades, consoante a impressão que procurávamos dar. O que
era estrutura geral ficou a mesma nos personagens e seus caracteres,
nos conflitos e cenas em que a vida do livro corre, e até ao número dos
seus capítulos e conclusão. Repito: o que procurei nesta nova edição,
com entranhado carinho pela verdade estética, foi dar mais firme,
vigoroso e claro o meu pensamento inicial. Onde reconheci confusão e
obscuridade metodizei, onde a fórmula da linguagem não era exacta ou
era desarmónica substituí-a por outra, que me pareceu melhor. Terá
sido tempo mal empregado, porque as melhorias não correspondem
à diligência?... Talvez, mas não me arrependo do que fiz, mormente
pelo gozo experimentado ao descobrir novas maneiras de me exprimir;
por dispensar pormenores desnecessários e encontrar outros, que
acrescentaram o relevo dos lances do drama.” 91

91 Explicação”, O Salústio Nogueira, estudo da política contemporânea, 1.ª parte, nova ed.
completamente ref. Com uma nota de Camilo Castelo Branco, Lisboa, Parceria António Maria
Pereira, 1909, pp. V-VII.

79
Família Teixeira de Queiroz

Também ao seu livro Amor Divino, seu primeiro romance, Teixeira


de Queiroz fez uma actualização e sobre a qual publicou “Explicando...”

“Preciso expor, aos meus leitores, as razões de arte que me levaram


a refazer o Amor Divino, escrevendo-o de novo, seguindo, no entretanto,
a primitiva traça. A substância do romance, o seu pensamento guiador, os
episódios e personagens, é tudo, quase, o mesmo; porém há dois manuscritos
do livro. O novo edifício foi construído, aproveitando-se os materiais
do antigo; mas juntei-lhe outros colhidos no estudo e na meditação, e
desenhei mais larga fábrica, para dar espaço a capítulos novos, que melhor
agasalhassem a ideia inicial.
O assunto deste romance, que foi o primeiro que escrevi, prendeu-me
a imaginação, desde a primeira hora, e nele tenho pensado, todo o tempo
percorrido, depois. Trouxe-mo, há quarenta anos, um acaso de leitura, que
referirei, e a oportunidade de operar a sua remodelação chegou. O meu
interesse pela vida extraordinária dos místicos é hoje maior que outrora:
um historiador espanhol, ao falar de todas as grandes almas sonhadoras
do seu país (a terra querida e apropriada dos santos na Idade Média,
como o foi a Itália), pondera que a sua característica psíquica é a procura
de um caminho entre a crença e o conhecimento, entre a fé e a ciência, e
nisto se resume um problema moral, do mais elevado interesse. Essas
existências extraordinárias preocupavam-se especialmente com a renúncia
das coisas terrenas, pela prática da oração e pelo amor; e assinalavam-se
pelo estado especial de alma, que se chama êxtase, no qual se estabelece
a divina comunicação da criatura com o próprio Deus. Porém, essa união,
mesmo acompanhada de milagres, não supõe a perda da individualidade no
extático, nem a subalternidade da sua inteligência ao puro conhecimento de
Deus, e também não entrega o místico absolutamente à contemplação, pois
que a vida dos santos (observa Altamira) como mestre João d´Ávila, Santa
Teresa de Jesus, Frei Luís de Granada, S. João da Cruz, Frei Luís de Leon,
S. Pedro d´Alcântara, Fr. Jerónimo Graciano... e outros, é fecunda na obra
de caridade, que, de um modo real e positivo, se exterioriza pelo amor do
próximo.
Para o meu ponto de vista de diagnóstico e etiologia da santidade,
não era necessário alargar o estudo do problema até ao ponto da realização
da obra prática; quedei-me dentro do sentido fisiológico e psicológico,
conservando, porém, à mística de Refuinho, o sentir da realidade objectiva
apesar do seu pendor para a contemplação.
A íntima união da verdade com a beleza deve ser a mira de todo o
artista, e eu tenho-a procurado com diligência. A experiência no escrever,
como em tudo, apura a técnica, concorre para a perfeição, e eu já estou
bem longe das minhas tentativas de moço. A fé ardente dos panegiristas
e biógrafos dos santos faz com que eles vejam nas sua vidas somente
acções miraculosas, derivadas do impulso e presença constante da

80
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

divina vontade, sobre os seus organismos misérrimos; pelo seu lado, os


racionalistas, apaixonados cultores da ciências moderna, não vão além do
conjunto de sintomas patológicos, objecto do seu estudo. Nas leituras que
fiz acerca do assunto, dei valor à sinceridade, quando a encontrei num e
noutro campo. Os meus leitores, que sejam pessoas religiosas, continuarão
a viver na sua crença, que não ofendo: os pensamentos e palavras a que
podem atribuir parcialidade, colhi-os nos livros que eles lêem e ouvi-os
dos púlpitos. Aqueles que vivem independentes, na torre de marfim do
espírito científico, não me podem censurar a tolerância para com todas as
opiniões, pois ela é a mais bela conquista da civilização moderna. Neste
romance, eu não fui mais do que um relator do que observei e estudei nos
dois lados.”92

2.5 – Alguma correspondência

Trocou Teixeira de Queiroz inúmera correspondência, com muitos


dos também consagrados escritores e quase todos igualmente seus
amigos.
Apresentam-se algumas cartas não propriamente pelo conteúdo,
mas pela emoção que geram, por trocadas com pares que desde a altura
até à actualidade tanto continuam a influenciar o mundo da literatura
lusófona.

92 “Esplicando...”, Amor Divino (estudo patológico duma santa), 2.ª ed., ref., Lisboa, Parceria
António Maria Pereira, 1915, pp I-VII

81
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 1 – Conde de Valença.

82
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 1 – Conde de Valença.

83
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 2 – Júlio Brandão.

84
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 3 – Camilo Castelo Branco.

85
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 3 – Camilo Castelo Branco.

86
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 4 – Camilo Castelo Branco.

87
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 4 – Camilo Castelo Branco.

88
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 5 – Camilo Castelo Branco.

89
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 5 – Camilo Castelo Branco.

90
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 6 – Conde de Sabugosa.

91
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 6 – Conde de Sabugosa.

92
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 7 – Alexandre Herculano.

93
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 7 – Alexandre Herculano.

94
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 8 – Teófilo Braga.

95
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 8 – Teófilo Braga.

96
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 9 – Eça de Queiroz.

97
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 9 – Eça de Queiroz.

98
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 10 – Bulhão Pato.

99
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 10 – Bulhão Pato.

100
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 10 – Bulhão Pato.

101
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 11 – Conde de Monsaraz.

102
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 11 – Conde de Monsaraz.

103
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 11 – Conde de Monsaraz.

104
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 12 – Conde de Monsaraz.

105
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 12 – Conde de Monsaraz.

106
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 12 – Conde de Monsaraz.

107
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 13 – Maria Amália Vaz de Carvalho.

108
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 13 – Maria Amália Vaz de Carvalho.

109
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 13 – Maria Amália Vaz de Carvalho.

110
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 14 – Columbano Bordalo Pinheiro.

111
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 14 – Columbano Bordalo Pinheiro.

112
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 15 – Columbano Bordalo Pinheiro.

113
CAPÍTULO 3

VIDA PÚBLICA
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

3.1 – Academia das Ciências

Francisco Teixeira de Queiroz, foi eleito em 1905 sócio efectivo da


Academia Real das Ciências, ao mesmo tempo de Bulhão Pato93, José
de Sousa Monteiro94, Henrique Lopes de Mendonça95 e Teófilo Braga96.
Foi eleito Vice-Presidente em 1912 e Presidente da Academia das
Ciências de Lisboa em 1913, marcando memoravelmente a Academia
com notáveis intervenções, que ficaram nos seus registos, para consulta
eterna. De algumas, serão citadas partes, pelo seu interesse histórico e
literário, como adiante se verá.
A Academia Real das Ciências foi fundada a 24 de Dezembro de
1779, com o beneplácito da Rainha de Maria I. O grande responsável
e mentor pela concretização deste projecto, foi sobretudo o 2.º Duque
de Lafões, D. João Carlos de Bragança de Sousa Ligne Tavares
Mascarenhas da Silva (1719-1806). Foi auxiliado na elaboração dos
estatutos e na definição dos objectivos da Academia por José Francisco
da Serra (1750-1823), mais conhecido por Abade Correia da Serra.97

93 Raimundo António de Bulhão Pato, (Bilbau, 3 de Março de 1828 – Monte da Caparica,


24 de Agosto de 1912), conhecido como Bulhão Pato, foi um poeta, ensaísta e memorialista
português, sócio da Academia Real das Ciências de Lisboa. Filho de Francisco de Bulhão
Pato, poeta e fidalgo português e da espanhola María de la Piedade Brandy, o poeta nasceu
em Bilbau, no País Basco, e passou seus primeiros anos no distrito de Deusto. Foi a época
dos dois primeiros cercos de Bilbau (em 1835 e 1836), durante a Primeira Guerra Carlista.
Em 1837, depois de sofrer grandes transtornos, sua familia decide retirar-se para Portugal.
94 José de Sousa Monteiro, foi poeta, filósofo e secretário da Academia das Ciências de Lisboa.
95 Henrique Lopes de Mendonça (Lisboa, 12 de Fevereiro de 1856 – 24 de Agosto de 1931),
foi militar, historiador, arqueólogo naval, professor, conferencista, dramaturgo, cronista e
romancista português.
Filho de António Raulino Lopes de Mendonça e de Honorata Lopes de Mendonça, casado
com Amélia Bordalo Pinheiro, teve três filhos que deixaram também o nome ligado às letras e
artes: Virgínia Lopes Mendonça (1881-1969) contista e dramaturga, Alda Lopes de Mendonça,
rendeira e Vasco Lopes Mendonça (1881-1963), engenheiro militar, ceramista e caricaturista.
96 Joaquim Teófilo Fernandes Braga, (Ponta Delgada, 24 de Fevereiro de 1843 – Lisboa, 28 de
Janeiro de 1924), foi poeta, político e ensaísta português. Estreia-se na literatura em 1859
com Folhas Verdes. Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de
Coimbra, fixa-se em Lisboa em 1872, onde lecciona literatura no Curso Superior de Letras
(actual Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa). Da sua carreira literária contam-se
obras de história literária, etnografia (com especial destaque para as suas recolhas de contos
e canções tradicionais), poesia, ficção e filosofia, tendo sido ele o introdutor do Positivismo
em Portugal. Depois de ter presidido ao Governo Provisório da República Portuguesa, a sua
carreira política terminou após exercer fugazmente o cargo de Presidente da República, em
substituição de Manuel de Arriaga, entre 29 de Maio e 5 de Outubro de 1915.
97 Abade José Francisco Correia da Serra, (Serpa, 6 de Junho de 1750 – Caldas da Rainha,
11 de Setembro de 1823), em 1775 ordenado presbítero, foi um cientista diplomata, filósofo e

117
Família Teixeira de Queiroz

No núcleo inicial de fundadores, são de destacar, Luis António


Furtado de Rio de Mendonça e Faro, 6.º Visconde de Barbacena (1754-
1830) e Domingos Vandelli (1735-1810) professor italiano contratado
para a Universidade de Coimbra.
Em 13 de Maio de 1783 foi reconhecida a utilidade pública da
Academia, que foi nobilitada, passando a designar-se por Academia
Real das Ciências de Lisboa, beneficiando da protecção régia e
usufruindo de vários privilégios, tais como a concessão do livre acesso
dos académicos aos arquivos do reino, a não submissão à censura das
obras académicas, e a permissão de transportar os livros impressos
pela Academia para qualquer parte do reino.
A primeira sessão realizou-se a 16 de Janeiro de 1780. Tem por
lema Nisi utile est quod facimus stulta est gloria (Se não for útil o que
fizermos a glória será vã).
Apelidada Academia Real das Ciências de Lisboa até 1910, com
a mudança de regime político em 5 de Outubro desse ano, passou a
designar-se de Academia das Ciências de Lisboa.
O caminho traçado, deu-se pela necessidade de desenvolver o
conhecimento das Ciências, Humanidades, Tecnologia e Economia,
de alguma forma iniciado nos séculos XV e XVI, que com algumas
quebras, continuou pelos séculos seguintes.
No reinado de D. João V, institui-se a Academia da História e um
Gabinete de História Natural, que foram destruídos pelo Terramoto de
Lisboa.
Com D. José, houve reformas progressivas, que à falta de pessoas
qualificadas, iam sendo colmatadas com a contratação de estrangeiros.

polímata português. Investigou designadamente nas áreas da botânica e geologia. O género


botânico Correa recebeu o seu nome. Tem uma biblioteca com o seu nome em Serpa.
Foi, com o Duque de Lafões, fundador da Academia das Ciências de Lisboa. De grande
prestígio intelectual, conviveu com os grandes cientistas da sua época. Publicou valiosos
trabalhos nas mais conceituadas revistas. Tinha também uma grande convivência com o
presidente americano da altura Thomas Jefferson, que lhe terá chamado “o homem mais
erudito que jamais conheci” (segundo Kenneth Maxwell na sua obra Naked Tropics – Essays
On Empire And Other Rogues).
Foi eleito membro da Royal Society em 1796. O Abade Correia da Serra ocupou o cargo de
Secretário da Academia e, aplicando todo o conhecimento que possuía do exterior, auxiliou
o país a desenvolver a investigação científica. Sem a sua intervenção, Portugal teria ficado
um passo atrás da Europa no que diz respeito ao estímulo da mentalidade científica e à
investigação científica por si própria.

118
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Contribuiu em parte o regime pombalino, que fez emigrar muitos


elementos das ciências e da cultura.
Progresso notório ocorreu após “a Viradeira”, que se deu no reinado
de Maria I, sucedendo a Dom José I. Iníciado em 1777, deu origem à
mudança do regime que trouxe ao poder os inimigos do Marquês de
Pombal, que realmente governara o país no reinado anterior. Muitos
puderam regressar e voltaram com luzes europeias. Sentiu-se então
na altura a necessidade de criar uma Instituição vocacionada para o
desenvolvimento.
Aparece desta forma a Academia que ajudaria a promover a
Ciência e o Ensino, para o progresso e desenvolvimento do país.
Os fundadores escreveram que “[...] esta Academia das Ciências é
consagrada à glória e felicidade pública, para adiantamento da Instrução Nacional,
perfeição das Ciências e das Artes e aumento da Indústria Popular”.
A este propósito Francisco Teixeira de Queiroz, embora viesse a
ser membro quase um século mais tarde, manteve-se fiel aos princípios
da Academia, também seus ideais.
Na vida pública Teixeira de Queiroz sempre deu seguimento
às reflexões e origens do seu pensamento, consubstanciado nos
também ideais republicanos à altura, sinónimos de mais igualdade,
mais instrução e de melhoria do nível e qualidade de vida dos
cidadãos. Desde à muito, que as elites tinham consciência de que só
com a alfabetização como caminho inicial, seguido do acréscimo de
qualificações às pessoas, se poderia transformar a vida dos cidadãos e
aumentar o desenvolvimento do país. Foi nesta consumação de ideais
que colaborou e participou activamente na Fundação de Escolas Móveis
em 1882, baseadas no Método de Leitura e Escrita de João de Deus.98

98 João de Deus de Nogueira Ramos, (São Bartolomeu de Messines, 8 de Março de 1830 – Lisboa,
11 de Janeiro de 1896), mais conhecido por João de Deus, foi um eminente poeta lírico e
pedagogo, considerado à época o primeiro do seu tempo, e o proponente de um método de
ensino da leitura, assente numa Cartilha Maternal por ele escrita, que teve grande aceitação
popular, sendo ainda utilizado. Gozou de extraordinária popularidade, foi quase um culto,
sendo ainda em vida objecto das mais variadas homenagens. Foi considerado o poeta do
amor e encontra-se sepultado no Panteão Nacional da Igreja de Santa Engrácia, em Lisboa.
Nasceu em São Bartolomeu de Messines, filho de Isabel Gertrudes Martins e de Pedro José
de Ramos, modestos proprietários dali naturais e residentes. O pai, também comerciante, era
conhecido entre os seus patrícios por Pedro Malgovernado, não que merecesse o cognome
pelo mau governo da sua casa, mas pela facilidade em satisfazer as vontades dos filhos,
com os quais gastava mais do que podia.

119
Família Teixeira de Queiroz

Este método, já na altura se baseava nos princípios da definição


actual de Clement (1987), que diz,

“Sendo que o homem não chega espontaneamente a descobrir a


estrutura fonética da língua, alguns autores defendem actualmente que o
sucesso do ensino da leitura no ensino alfabético reside, exactamente em
ajudar a criança a captar a existência dos fonemas, que são as unidades
mínimas e abstractas da língua”.

Tudo isto é representativo do carácter visionário de Teixeira de


Queiroz e dos meios em que se movia.
A par da actividade de investigação científica e de divulgação,
pretendia-se que a Academia contribuísse para o aperfeiçoamento do
ensino das ciências, pelo que foram criadas aulas em diversas áreas
científicas, com o apoio do Observatório Astronómico, do Gabinete de
História Natural, do Gabinete de Física e do Laboratório de Química.
Para além destes recursos próprios, a Academia passou a administrar,
a partir de 1792, o Museu de Historia Natural doado à Academia por
José Mayne (1723-1792).
A este Museu juntou-se, a partir de 1836, o de História Natural da
Ajuda, que conjuntamente com o Museu da própria Academia veio a
constituir o Museu da Academia, também conhecido por “Museu de
Lisboa”, ou ainda como “Museu Nacional”. Este Museu de Historia
Natural abriu ao público em 1839 e foi sendo ampliado com o imenso
material zoológico e mineralógico que a Academia tinha vindo a
recolher e classificar, servindo de apoio às aulas do curso de História
Natural que a Academia ministrava. Em 1855, por falta de condições
financeiras para uma adequada manutenção do seu espólio, o Museu
foi encerrado ao público. Em 1858, o governo decidiu transferir a
parte do Museu que tinha vindo do Museu História Natural da Ajuda,
bem como todas as colecções de Zoologia e Mineralogia para a Escola
Politécnica de Lisboa, dando origem ao Museu História Natural da
Escola Politécnica, depois chamado Museu Bocage. Este espólio veio a
arder no incêndio que ocorreu na Faculdade de Ciências de Lisboa em
Março de 1978.
Ao longo do século XIX a Academia era consultada com frequência
para dar pareceres sobre grandes problemas nacionais, como a
reorganização do ensino público, o sistema geral de pesos e medidas,

120
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

o cadastro topográfico do país, sobre os estatutos das sociedades


agrícolas, sobre as medidas de promoção da cultura dos prados
artificiais, sobre as doenças da vinha, entre muitos outros. Entre os
contributos da Academia para o desenvolvimento da ciência em
Portugal podemos destacar o início das observações meteorológicas
em Portugal, pelos académicos Jacob Pretorius e Marino Franzini
(1779-1861), o aparecimento dos estudos geológicos, cuja Comissão
Geológica deu origem aos Serviços Geológicos de Portugal, ou o
combate à varíola através da Instituição Vacínica, criada em 1812 por
proposta do académico Bernardino António Gomes, que levou a efeito
um importante trabalho de organização do sistema de vacinação em
Portugal. Esta Instituição deu mais tarde origem ao Conselho Superior
de Saúde Pública do Reino, e depois ao Conselho Superior de Saúde
Pública.
Durante os mais de duzentos anos de existência, a Academia
passou por inúmeras dificuldades, que atrasaram a concretização dos
seus projectos de investigação, divulgação e ensino. Em primeiro lugar,
a indefinição das suas instalações, que se localizaram inicialmente no
Palácio das Necessidades, depois, a partir de 1791 na Rua do Poço
dos Negros, em seguida no Palácio Monteiro-Mor em 1795, depois
no Palácio dos Sobrais, no Largo do Calhariz, onde ficou até 1823.

Foto n.º 12 – Academia das Ciências.

121
Família Teixeira de Queiroz

Neste ano foi a vez do Colégio da Estrela as receber, para em 1832


transitar para o Palácio dos Lumiares, no Passeio Público (actual
praça dos Restauradores). Em 1833, mudaram-se para o Mosteiro de
S. Vicente, mas entretanto foi decidido sediá-las no Convento de Jesus,
numa transversal à actual Rua d´O Século, onde ficaram até hoje.
Esta situação de mudança constante durante um período de cerca de
53 anos teve várias consequências negativas, entre as quais a perda
e deterioração de equipamentos científicos, dos quais muito poucos
chegaram aos nossos dias.
Para além do problema das instalações, a conjuntura política e
económica do país também condicionou muito a concretização dos
objectivos da Academia. Destacam-se as invasões francesas de 1807 a
1811, depois a instauração do regime liberal e as consequentes lutas
políticas que culminaram na guerra civil de 1832-34, que impediram
uma acção continuada e financeiramente sustentada. De facto, se até
1785 a Academia viveu dos fundos concedidos pelo Duque de Lafões,
e até 1797, por mercê régia, um subsídio proveniente da lotaria
nacional, só a partir de 1799 o governo estabeleceu uma dotação anual
que se manteve ao longo de todo o século seguinte, embora em muitos
anos essa dotação não fosse paga. Após a instauração da República, em
1910, surgiram novos problemas, com a extinção da tipografia própria,
onde eram impressas as Memórias e outros textos científicos, bem
como manuais escolares para as Escolas Superiores. Na sequência desta
suspensão, a publicação das Memórias da Academia foi interrompida
em 1914, só voltando a reaparecer em 1937.
Destacam-se também problemas internos, por exemplo na
mudança de regime, em 1910, em que Teófilo Braga, Chefe do Governo
Provisório e também membro da Academia a quis extinguir, não se
sabe se pela Presidência ser sempre atribuída a um membro da Família
Real e ou por não ter sido reeleito para a Vice-Presidência. Exerceu
assim uma tentativa de destruir e aniquilar a Academia, a favor de
outra por ele criada, tendo conseguido ainda eliminar a Tipografia,
apesar dos seus relevantes serviços, transferindo pessoal, cortando
verbas e bloqueando a administração.
Pela forte oposição de Francisco Teixeira de Queiroz, também
membro permanente e de grande peso no funcionamento da Academia,

122
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

essa atitude de Teófilo Braga foi anulada, passando a Academia Real


das Ciências a Academia das Ciências de Lisboa, com novos estatutos,
nos quais o Presidente passou a ser eleito por todos os sócios efectivos.
A Teixeira de Queiroz se deve a permanência de Ramalho Ortigão,
que tendo pedido a demissão em 16 de Outubro de 1910, dos cargos de
Secretário da Academia e de bibliotecário da Real Biblioteca da Ajuda,
se recusou a aderir à República, escrevendo um texto pouco simpático
para o novo regime. No entanto Teixeira de Queiroz, apesar de convicto
republicano, militante, avançou poucos dias após a implantação
da República, em apresentar uma proposta para a continuidade de
Ramalho Ortigão, porque como Secretário há 42 anos da Academia, lhe
estava vedada a candidatura a sócio. Argumentou Teixeira de Queiroz:

“... como preito à excepcional figura de que se trata, e tendo em


consideração as especiais circunstancias em que a proposta é feita, Ramalho
Ortigão de há muito estaria entre nós e com assinalada precedência de
alguns, considerando a sua obra crítica educativa, como uma das mais
interessantes e valiosas da literatura portuguesa....”.99

Foto n.º 13 – Academia das Ciências.

99 Cf “Sessão da Academia das Ciências de Lisboa de 28 de Outubro de 1910”.

123
Família Teixeira de Queiroz

Viria Ramalho Ortigão a agradecer a Francisco Teixeira de Queiroz,


em carta enviada ao seu par:

“Meu Caro Teixeira de Queiroz. Acabo de receber o seu parecer


relativo à minha candidatura na Academia, e é rendido de enternecida
gratidão que lhe dirijo estas linhas. Perante o documento publicado no
boletim académico, é um doce bálsamo para o meu espirito profundamente
comovido das mais tristes apreensões verificar que, através das discussões
partidárias em que se está aparcelando a nossa ditadora pátria, aquilo a que
antigamente se chamava o amôr das letras é ainda um persistente núcleo de
afecto, da concórdia e de simpatia entre escritores da mesma língua e artistas
da mesma arte. Estreito e agradecido abraço do seu velho confrade e amigo.
Ramalho Ortigão”.100

Sobre o funcionamento da Academia escrevemos ainda uma


última nota. Estatutariamente, a partir de 1852, o número de classes
foi reduzido de três para duas: Ciências e Letras. Cada Classe passou a
ser composta por 20 sócios efectivos. Actualmente cada uma das duas
classes é formada por 30 sócios efectivos, 120 correspondentes nacionais
e 120 correspondentes estrangeiros. Cada classe subdivide-se em seis
secções, cada uma com cinco sócios efectivos e dez correspondentes.
Ao falar da Academia das Ciências é imperativo falar no Grémio
Literário.
Para as “elites” nacionais, concentradas em Lisboa, o Grémio
Literário, no Chiado era um trajecto obrigatório. Local de leitura de
jornais, da diáspora, da opinião e discussão política e da “vida alheia”.
A forma mais eficaz de espalhar notícias, verdadeiras ou falsas, era no
Grémio, facto plasmado nas obras de Francisco Teixeira de Queiroz,
de Eça de Queiroz e outros escritores portugueses de forma muito
vincada:

“Uma actividade intelectual, de conferências, cursos sobre literatura,


arte, arquitectura, economia política, direito, ministrados por especialistas
de renome, correu a par com uma vida mundana própria da sociedade do
século. As suas salas, a biblioteca, o famoso gabinete de leitura de jornais
foram frequentados por gerações sucessivas de sócios e a menção ao Grémio
Literário encontra-se em muitas obras de autores célebres, como Teixeira
de Queiroz, Abel Botelho, Ramalho Ortigão, Júlio de Castilho, G. Mattos

100 Fundo Teixeira de Queiroz, no Museu João de Deus.

124
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Sequeira, sobretudo em Eça de Queiroz, que nele localizou várias cenas de


os Maias – sabendo-se que, no prédio ao lado, habitava Maria Eduarda, a
maior criação romanesca feminina do século XIX português ...”.101

Francisco Teixeira de Queiroz foi sócio efectivo e membro da


direcção em 1889 e Eça de Queiroz foi o sócio extraordinário n.º 19,
estatuto para membro ausente, atendendo às temporadas que passava
no exterior, embora frequentador assíduo quando regressava a
Portugal.

Foto n.º 14 – Grémio Literário.

Pela leitura de Francisco Teixeira de Queiroz e de Eça de Queiroz


pode ver-se, como era a vida do Grémio Literário na segunda metade
do século XIX e princípios do século XX.

“Basilio então desceu os vidros, e respirou com satisfação. Acendeu


outro charuto, estendeu as pernas, gritou:
- Ao Grémio, ó Pintéus!
Na sala de leitura, o seu amigo o Visconde Reinaldo, que havia anos vivia
em Londres, e muito em Paris também, lia o Times languidamente, enterrado
numa poltrona. Tinham vindo ambos de Paris, com a promessa de voltarem

101 http://www.gremioliterario.pt/historia.php (consultado a 21 e Março de 2018).

125
Família Teixeira de Queiroz

juntos para Madrid. Mas o calor desolava Reinaldo; acha a temperatura de


Lisboa reles; trazia lunetas defumadas; e ainda saturado de perfumes, por
causa “do cheiro ignóbil de Portugal”. Apenas viu Basilio deixou escorregar
o Times no tapete, e com os braços moles, a voz desfalecida...”102

Criado por Carta Régia de Maria II em 18 de Abril de 1846, diz


D. Maria “considerando Eu que o fim dessa associação é a cultura das letras e que
pela ilustração intelectual pode ela concorrer para o aperfeiçoamento moral”.
O Grémio teve entre os seus fundadores as duas principais figuras
do Romantismo nacional, o historiador Alexandre Herculano (Sócio
n.º 1) e o poeta e dramaturgo Almeida Garrett, a que se somaram o
romancista Rebelo da Silva; o dramaturgo Mendes Leal; e grandes
personalidades da vida política do liberalismo, como Rodrigo da
Fonseca (que redigiu os estatutos); Fontes Pereira de Melo; Rodrigues
Sampaio; Sá da Bandeira; Anselmo Braancamp; o então futuro Duque
de Loulé. Para além destas incluem-se outras personalidades da ciência,
da economia e da velha e nova aristocracia. Com sedes sucessivas
sempre na zona do Chiado, “capital de Lisboa”, e passando pelo célebre
palácio Farrobo, o Grémio Literário instalou-se finalmente, em 1875,
no palacete do visconde de Loures, na rua então de S. Francisco. É um
edifício exemplar da arquitectura romântica de Lisboa, preservado ao
longo dos tempos, com o seu jardim de 1844, único nesta área histórica
da cidade, tendo recebido em 1899 grandes obras de decoração de José
de Queiroz, nas salas e na varanda aberta sobre o Tejo e o Castelo de
S. Jorge.
Voltando às suas salas, à biblioteca e ao famoso gabinete de leitura
de jornais que foram frequentados pelas referidas gerações sucessivas
de sócios, fizeram vários escritores a menção ao Grémio Literário, e,
como não podia deixar de ser, Teixeira de Queiroz:

“Os próprios adversários o estimavam [a Salústio Nogueira].


Convidavam-no para as reuniões de família, para jantares que tivessem
significação. Era um óptimo parceiro nos jogos de vasa, frequentava o Grémio
e o Club, [...], onde se reunia às noites a gemma dos homens auctorisados, dos
homens de valor, aquelles que dirigiam a opinião, dispondo das forças”.103

102 Eça de Queirós, O Primo Basílio.


103 Teixeira de Queiroz, O Sallústio Nogueira, pp. 31-32.

126
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Parte da correspondência de Teixeira de Queiroz é escrita no


Grémio, e é a vida quotidiana aí passada, com a interacção entre os
homens das letras, da política, das ciências, das artes e candidatos a tal
e à frequência na sociedade lisboeta, que aparecem representados nos
seus livros da Comédia Burguesa, assim como nos de Eça de Queiroz,
de forma marcante e acentuada, por vezes de forma negativa e de
troça, mas sempre com enorme subtileza.

“Àquela hora Basilio entrava no Grêmio. Procurou pelas salas. Estavam


desertas. Dois sujeitos, com os rostos entre os punhos, curvados em atitudes
lúgubres, ruminavam os jornais; aqui, além, junto a mesinhas redondas,
pessoas de calça branca mastigavam torradas com satisfação plácida; as
janelas estavam fechadas, a noite quente, e o calor mole do gás abafava.
E a descer de uma saleta de jogo, de repente, saiu o ruído irritado de
uma altercação; trocavam-se injúrias, gritava-se:
- Mente! O asno é você!
Basilio estacou, escutando. As subitamente, fez-se uma grande silêncio;
uma das vozes disse com brandura:
- Paus!
A outra respondeu com benevolência:
- É o que devia ter feito à pouco.
E imediatamente a questão rebentou de novo, estridente. Praguejavam,
obscenidades.” 104

Também Camilo Castelo Branco e Teixeira de Vasconcelos o


fizeram, este de forma mais directa dizendo que o “Grémio era literário
porque se escrevia com seis letras e mais nada”.
Aliás, o próprio Teixeira de Queiroz mostrava-se crítico em relação
à elite que frequentava o Grémio, apontando o dedo ao tipo de vida
que os seus elementos levavam:

“Sempre em vida bohemia; primeiro nos campos da batalha, onde


se encontrou no lado constitucional, tendo a maioria dos seus parentes
nas fileiras contrarias; depois por casa de todo o mundo, pelos camarotes
amigos, pelos restaurantes em companhia de rapazes ricos. As noites na rua
Larga de S. Roque a chorar o fado, ou adormecido nos sopfás do Grémio,
ou discutindo frioleiras no Martinho. Um período com D. Constança na
casa de hospedes; outro em Cintra em casa d´este e d´aquelle, servindo as
senhoras nas suas intrigas, os amigos nos seus amores. Que restava de de

104 Eça de Queirós, O Primo Basílio, p. 145.

127
Família Teixeira de Queiroz

affecto e dedicação, para algum transe decisivo! Que tinha elle consquistado
para offerecer àquella pobre creatura, cuja vida se extinguia no meio do
desconforto! Era um verdadeiro infeliz, uma vida estéril, sem ideia generosa,
sem valor positivo!” 105

Foto n.º 15 – Grémio Literário.

Voltando à Academia das Ciências, é importante afirmar que as


intervenções de Francisco Teixeira de Queiroz ficaram na história
desta nobilissima Instituição Literária. É imperativo por isso relembrar
algumas, como de seguida se verá.
Em 16 de Junho de 1907, fez um Elogio Histórico a António
Augusto Teixeira de Vasconcelos106, lido em sessão solene, e do qual se
referem alguns extractos:

“Em fins de julho de 1878, n´uma rua triste do alegre Paris, finou-
se um homem que fôra zeloso pugnador do bom nome da sua patria.
Morria longe de nós, tendo partido e contra conselhos de amigos, talvez
na ancia de encontrar no coração de uma filha ausente todo o seu coração.

105 Teixeira de Queiroz, Dom Agostinho, p. 163.


106 António Augusto Teixeira de Vasconcellos, (Porto, 1 de Novembro de 1816 – Paris, 29 de Junho
de 1878), foi um escritor e jornalista português, vice-presidente da Academia de Ciências de
Lisboa, com vasta obra publicada.

128
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Referiram compatriotas, que presenciaram o lento submergir d´esse espirito


na treva densa, como se fôra candeia a descer a fundo poço, a dôr que lhes
causara o doloroso passamento. É que esses o tinham conhecido e gosado
na pujança avassalladora da sua graça rara; na robustez, presagio de longa
vida do seu corpo avantajado; na sua alegria, a toda a hora remoçada com
chistes novos! E verem-no tragico momento assim entregue ao amparo de
uma cadeira de moribundo, bocca e lingua torturadas na impossibilidade
de fallar, os olhos, que eram vivos e firmes, cahidos em pallido bruxuleio,
os braços, que eram fortes, incapazes de responderem a uma saudação, lhes
fôra de suprema amargura.
Quando aqui se divulgou que gelara a palavra nos labios de tão
saudoso convivio, não foi grande a surpreza, mas foi enorme a commoção.
Irremediavel fragilidade humana! É este o final do que há de mais dominante
e encantador na Terra?! – a faculdade de perceber e amar amplissimamente
tudo e todos!... Essa potencia superior, que sabe medir a distancia dos astros
embutidos no azul celeste e procura conhecer a grandeza das moleculas que
formam o nosso proprio corpo; essa força surprehendente, que descobre
segredos escondidos desde a eternidade no imo da natureza e cogita em
trazer, ao exame dos nossos sentidos, sensibilidades esparsas em toda
a materia cosmica, resume-se assim n´um tenue, fraco e imponderavel
anceio?! A imaginação do homem, enorme poder creador e constructor,
faculdade sem a qual a intelligencia fica limitada e improgressiva, que
serviu a Kepler e a Dante para nos revelarem as maravilhas do universo,
á sciencia para ampliar as descobertas de Pasteur; essa divina faculdade
que engrandeceu o coração de Jesus, tornando-o do tamanho do céo; essa
energia primaz, que vôa por entre os mundos, sonda o interior do globo e
dos organismos, interroga as almas afflictas e os corações ditosos, para os
inquirir acerca da forma da sua existencia... é fugaz lampejo, instantanea e
enganadora fulguração?!... Mors superba, morte orgulhosa, tu és inexoravel
quando roubas do rosto do amigo o ultimo riso diluido no liquido salgado
da ultima lagrima! Morte inexoravel, morte injusta!...

*
* *

António Augusto Teixeira de Vasconcellos, vice-presidente d´esta


Academia á hora da sua morte, nasceu na cidade do Porto a 1 de novembro
de 1816, de D. Maria Emilia Sousa Telles de Menezes e do brigadeiro
António Vicente Teixeira de Sampaio, homem bravo, que em 13 de junho
1808 foi o primeiro a levantar em Traz-os-Montes o grito contra os francezes,
que pouco depois abandonavam Portugal, assignando Junot a convenção
de Cintra, em 30 de agosto d´esse mesmo anno. Conservando-se sua familia
partidaria de D. Miguel, foi António Augusto nomeado em 1834, com 18
annos, capitão de milicias, ao mesmo tempo que para o fortalecer nos
sãos principios lhe receitaram leituras de Chateaubriand, o medico mais

129
Família Teixeira de Queiroz

conceituado da epocha contra as ardencias revolucionarias da juventude.


Porém o medicamento, operando segundo a lei dos contrarios, tornou-o
liberal em vez de realista, e a sua antiga familia politica teve de o censurar.
É que os poetas, como elle então era, sêres anomalos, almas formadas de
brisas e aromas, tudo que há de mais volatil, ainda quando julgam servir
uma causa ou um partido, servem a galharda phantasia, pois esta é a sua
lei de existir. Da suave disciplina moral do Genio do Christianismo, se não
sahiu um moço de bom pensar, aproveitaram comtudo as suas tendencias
de escriptor; e até alguns toques de melancholia religiosa, que apparecem
erraticamente nos seus livros, a isso e á materna educação provinciana se
podem attribuir.
Porém o que elle n´esse tempo melhor fazia era sonhar por entre as
sombras cariciosas das ramadas minhotas, escutando tão enlevadamente as
vozes do mysterio nascidas d´entre folhedos, que, as 16 annos, casava com
D. Antonia Adelaide da Cunha Portocarrero, existindo hoje de tão sympathico
idyllio descendencia em primeiro e segundo grau. Vê-se que antes de capitão
de milicias, por graça regia, era homem casado por graça do amor.
Apesar d´isto, tendo sua residencia perto de Penafiel, continuava na
deleitosa vida de rapaz, moço esbelto, invejado fidalguinho da provincia,
alegre e gracejador, sempre querido nas reuniões selectas, nos jantares de
boda, nos jogos familiares com os seus enganos e prendas, escrevendo e
poetando, talvez –quem me desdirá!? – divagando em defesos amores.
Não pensava na divisa, que mais tarde adoptou como norma de sua vida,
o Altiora Peto do bravo Affonso IV, pois ainda não aspirava ás coisas altas do
espirito que depois captivaram.
Tão grata e bonançosa lhe corria a existencia, e tão distrahida, que só
aos 23 annos, em 1839, entrou na Universidade, matriculando-se em direito.
Seguiu carreira academica distincta, cultivava a sua vocação litteraria,
collaborava em semanarios, publicou folhetos sobre materia politica, até
que, em 1846, com a carta de bacharel ao tiracolo, encontrou-se no Porto de
escopeta ao hombro, acompanhando a alegre vivandeira Maria da Fonte,
que, tendo quebrado o seu cantaro, guiava o regimento em marcha, levando
na farta e negra trança um ramo de malmequeres. Ahi foi companheiro e
amigo de José Passos, que, de chapéo alto, sobrecasaca de briche e espada á
cinta, abraçava na Praça Nova todos os patriotas eximios; serviu de ajudante
de campo ao inclito Sá da Bandeira; governou Villa Real; fizeram-no agente
diplomatico da Junta, sendo elle quem redigiu a convenção de Gramido
quando a revolução patriotica pactuou.
Principia agora o seu dia de trabalho, o seu longo dia de mais de trinta
annos de trabalho, sempre activo, inquieto e mudavel. Residiu em Lisboa,
colaborando em jornaes; advogou em Loanda; habitou Paris, seu quartel
general, para visitar as melhores cidades da Europa. De Paris, enviava
correspondencias e outros escriptos litterarios para gazetas de Portugal e
Brazil; em Paris publicou artigos em lingua franceza, para conhecimento das
nossas coisas no estrangeiro, ao mesmo tempo que se entregava a estudos que

130
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

formaram mais tarde a base de trabalhos intencionaes do engrandecimento


da sua patria, como referiremos.
A intensa curiosidade d´este espirito, que aspirara sempre ás coisas
mais altas – Altiora Peto – a leveza e graça com que versava qualquer materia
e a vertia em qualquer forma litteraria, as impressões recebidas ao acaso,
que são estimulos para artistas, fizeram com que praticasse assumptos de
variadissima substancia, principalmente em diaria e activa collaboração
jornalistica, pois era seu condão saber attrahir o publico á leitura de quanto
produzia.
Na exposição de tão notoria prolixidade procuraremos dar a conhecer
o que foi para a patria portugueza esse homem alto, de largos hombros,
aspecto militar com bigode farto, peito nobre, solido de pernas, semblante
sempre desannuviado. Desfibraremos a sua obra com o respeito que se deve
a um morto que procuramos louvar, e com a independencia que se deve
à verdade, que procuramos servir, ponderando que em alguns assumptos
sobre nós impendem responsabilidades que não declinamos. La critique
déplace l´admiration; mais ne la détruit pas – disse um grande espirito, que
foi nosso consocio (Renan). A admiração é um acto synthetico, é um bloco;
porém a analyse que preceda a synthese, em vez de lhe diminuir o valor,
pode augmentar-lh´o O bloco de opaco granito seria, no caso presente, se o
artista valesse, transformando em pyramide de crystal; não valendo, como
é seguro, ainda assim l´acide du raisonnement não poderá corroer a obra
d´aquelle que estimamos. Posto isto proseguiremos.
O fundo da intelligencia e da sensibilidade de António Augusto
era o amor e o enthusiasmo, que sempre manifestou, pela difficil arte de
escrever bem. A qualidade de escriptor servia para elle de recommendação
valiosissima; mereciam-lhe desvelos de pae aquelles que encontrava á porta
da ardente fornalha da litteratura. Descobrir com originalidade e relevo a
formula exacta, bem parecida, artisticamente boleada, do pensamento ou
da emoção, era, no seu claro entender, um dos maiores triumphos e um dos
maiores prazeres do cerebro humano.
Consistindo o seu processo de escrever no deixar ir a penna consoante
a corrente expontanea do sentir e do pensar, não levantando pedras, nem
abrindo trincheiras ou fundos leitos para dar sahida a caudaes impetuosas,
nem por isso apreciava menos em escriptores de differente temperamento o
intenso labor, a lucta cruel, quantas vezes dolorosa e exaustiva, de minar a
treva na perseguição de uma idéa que fulge, foge, se attenua e desapparece,
para depois resurgir gloriosa, em nudez simples de virgem impeccavel.
O goso da victoria mede-se, é certo, pela dificuldade da batalha accendida
atravez da selva selvaggia, o artista n´esses momentos eleva-se á grandeza de
um creador; mas da incruenta refrega ficam vincos no cerebro e extenua o
coração.
Uma grande força de Teixeira de Vasconcellos era o seu conversar:
melhor que elle ninguem conversava. Pertenceu a uma geração que canceira
dos annos nos faz parecer distante, mas que é ainda de hontem, para a qual

131
Família Teixeira de Queiroz

a palestra entre amigos e homens de certa intellectualidade se entendia


como passatempo agradavel e instructivo. Reuniam-se frequentemente,
por esse compromisso moral, que só a cultura do espirito sabe fomentar,
homens de sciencia, politicos, jornalistas, escriptores, mestres de cathedra
e da tribuna, que todos se empenhavam em tornar a vida em sociedade,
acto digno de se praticar, e em fazer da convivencia coisa appetecida e util,
como opimo fructo que a lingua e os labios saboreassem. Na conversa é
necessário saber ouvir e saber falar – António Augusto praticava com pericia
esses dois mesteres de esmerada educação. Por isso lá fóra, como entre
nós, se lhe abriram amplamente as portas de muitas e selectas amizades,
e pessoas, e pessoas há, que estarão presentes, ainda bem lembradas d´essa
physionomia de singular relevo quando falava; e outras que, não o tendo
conhecido, da tradição receberam o seu nome e a sua fama, com a anecdota,
com o chiste, com o engraçado episodio que se lhe appensa. Um caso typico
referirei, para definir a sua maneira de entreter narrando: estava elle n´um
hotel de Cauterets e referia qualquer historieta passada na Russia. Descrevia
as cidades de habitações esparsas, a grandeza dos bosques e dos rios,
a infinita tristeza das desoladas esteppes, a magestade do czar, a soberba dos
grãoduques, a formosura das mulheres... Parecia um quadro pelo colorido
e pelo desenho; os ouvintes escutavam attentos, suspensa a respiração...
N´esta altura pára, como se o natural e sempre bem aproveitado defeito da
sua palavra entrecortada a isso o submettesse e pergunta:
- Algum dos senhores já esteve na Russia?...
Ninguem tinha estado, disseram-lh´o rapidamente, para não esfriar a
quente narrativa. António Augusto tira uma fumaça do seu longo charuto,
optimo companheiro de alegrias e tristezas, e commenta com a sua
caracteristica tremura de labios:
- Também eu não. Posso então mentir á minha vontade.”107

Também em 1913 Teixeira de Queiroz fez outra intervenção de


fundo, com um Elogio Histórico a José de Sousa Monteiro108:

«A classe de letras da nossa Academia, escolhendo-me para enaltecer


a memória do seu secretário que bem a serviu, honrou e abrilhantou
durante tantos anos, obriga-me a reconhecimento sincero. Não é desvario
de vaidade o ter aceitado a tarefa difícil; mas a recusa não ma consentiria a
amizade que tive a Sousa Monteiro, coração de poeta e cérebro de filósofo,
com aspectos múltiplos, sempre inclinado à alta meditação e ao estudo;
memória excepcional, cautelosa no adquirir e pródiga no despender.
Havê-lo conhecido em vida, o mesmo é que ter ficado nas finas malhas da
conversa variadíssima dêste buscador de perfeição no trabalho literário. Na

107 Teixeira de Queiroz in Elogio Historico de António Augusto de Vasconcellos, Lisboa, 1907.
108 José de Sousa Monteiro, foi poeta, filósofo e secretário da Academia das Ciências de Lisboa.

132
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

procura da verdade filosófica ou histórica, era mineiro de candeia na mão


a romper o veio aurífero; mas, à luz do sol, sabia voar como a borboleta de
flor em flor, à busca de côres para os seus sonetos. Aquela natureza delicada,
um tanto feminil, retraía-se, as vezes, ocultando-nos o sentir. Quem poderá,
pois, gabar-se de conhecer a sua alma toda? Era êle como a sombra que,
em si guarda parte da luz que a gerou Apesar do geito que aparentava de
repontador, era afectuosíssimo: que o diga o rasto de saudade que deixou na
vida, nos poucos corações seus eleitos, o que tanto dignifica a sua memória.
Confessa êle, algures, propendia pouco “a ódios, abominações e detestações
fundas ou não”; porque das cousas que “prezava, amava, admirava sua
alma feita por índole e hábito a indulgencias e branduras, mais ou menos
cortadas de desdêns”... era a bondade.
Português dos antigos, não tolerava transformações violentas e
desnecessárias nesta nossa língua, produto de laboração demorada,
companheira íntima e segura da nacionalidade, e que nunca faltou, quando
bem sabida, à sciência no seu labor incessante, ao filosofar na sua expansão
dilatada, e que é, sôbre tudo boa, para exprimir sonhos do ideal, na poesia,
nos afectos que unem os homens e em toda a arte do bem dizer. Das outras
queria apenas o indispensável na técnica das descobertas das sciências de
aplicação, quando lá fora se geram. E esta língua, de todos nos querida,
nas mãos delicadas e habilidosas de Sousa Monteiro, adquiria nobreza,
mormente nos assuntos do passado, em que sua mente se prazia lidar.
Não me desmentirá quem o ler com a atenção devida. Não admirará, pois,
que êle, no labor tranquilo das ideas, que estimava, fôsse apaixonado, pois
era sincero e crente: tinha o dom de escutar com enlevo os mortos que lhe
falavam de jazidas sagradas pelo tempo; eram vozes que lhe vinham do
insondável, do mistério, do Além... e enternecia-se com elas.
Quaisquer que sejam as nossas crenças religiosas ou mesmo que não
tenhamos nenhumas; seja qual fôr a nossa filosofia de predilecção, ou a
sciência que tenhamos aprendido... o passado, para quem o saiba interrogar,
diz coisas que a nossa alma recolhe com simpatia e respeito, mesmo
que as idades, no seu revolver contínuo, tenham alterado os aspectos da
existência social. O passado, a história, é o refúgio de todos os sonhadores
inclinados à meditação, e Sousa Monteiro percebia-o com avidez. Servia-se
– quantas vezes se serviu dêle! – para desmerecer injustamente o presente,
mas fazia-o com altivez de convicto e batalhou sempre nesse campo, com
armas liais afiadas no estudo. Por isso aconselhava preceitos sociais, alguns
esquecidos, como se a nossa inteligência e coração nunca tivessem mudado.
Entendemos que êsses belos instrumentos de inquirição se alteram, como
no conceito de Pascal se modifica a moral que êles recebem, consoante
os tempos e os lugares. A educação, excessivamente humanista de Sousa
Monteiro, clausurava-o nos seus limites e não lhe consentia que metesse,
na equação histórica, muitos dos elementos novos, que outros aplaudiam.
Eu dêle me afastei, e me afasto, em mais dum ponto dos que formavam
as suas e as minhas crenças filosóficas, literárias e políticas; porém, com

133
Família Teixeira de Queiroz

as reservas impostas pela minha dignidade intelectual, que êle sempre


respeitou, encontrarei ainda assim, largo campo para vos dizer, Senhores,
quanto foi belo o espirito dêste poeta, dêste comediógrafo, dêste romancista,
dêste exímio discursador académico; como foi sagaz o crítico, o filósofo e o
crente que êle era! Em todos êsses aspectos da vida intelectual a sua alma
lidou. Era inquieto e ambicioso de produção: numa carta a um amigo muito
querido, confessava que, no momento em que escrevia lhe andavam em mão
vinte e cinco obras diferentes e dessas, somente cinco, em via de remate. Não
veio a lume todo êsse labor intenso; mas, do que nos é conhecido, ressumbra
alma insatisfeita, e dêle podemos afirmar, com o sabido critério de Rousseau,
que os seus livros são bons, pois na sua leitura muita cousa se aprende para
se ficar melhorado.
A nossa alma, até para o fisiologista é uma unidade. Separá-la em
faculdades pode convir ao método de estudo, mas é artificio. Também
a natureza é uma, na sua fôrça colossal, mas havemos mister de a dividir
para a compreender: assim a obra do homem, ou dum homem só, para bem
a penetrar-mos, teremos que a fragmentar. Sousa Monteiro, no seu triplo
aspecto de poeta, filósofo e critico, é sempre o mesmo; porém diverso em si
mesmo.
A sua primeira manifestação foi de poeta e, como poeta, versificador
apuradíssimo, estudando a mecânica dos seus versos com perfeito
conhecimento da arte. Eu fujo sempre de apreciar poeta, porque
desconheço a musical sciência do ritmo. A natureza, avara comigo em
tudo, escondeu-me o poder criador da divina linguagem. Apesar disso,
como o povo rude e ignorante, o meu coração adora os poetas, mas os
verdadeiros, que me adormecem as dores vividas, e me normalizam a
sensibilidade com a melopeia dos seus cantos. Sinto os, mas não os julgo,
pois está sujeito ao julgamento duma inteligência vulgar o que é essência,
o que é perfume, o que é visão das almas. Perdoem-me os poetas e perdoe-
me Sousa Monteiro o não saber extrair, da corola dos seus sonetos,
a ambrosia alucinadora neles contida. Demais o autor dos Entalhes
e Camafeus diz que «poetas só por poetas sejam lidos» e que detesta
pensadores, não poupando na repulsa o divino Platão, nem Hegel, os quais
admirava. Discorrendo para acertar com boa definição de poesia, depois de
muitas rever, apadrinha a de Edgar Poe, que diz ser poesia: The rhythmical
creation of Beauty. A criação rítmica de beleza! Como isto é sintético, justo e
quasi incompreensível para profanos.
Nos Poemas escolhe de preferência assuntos do passado, em que a
imaginação se lhe encontrava mais livre para idear. Assim, na interpretação
do Cântico dos Cânticos atribuído a Salomão, e que denomina Espôsa dos
Cantares, se manifesta nele um sentimento bucólico, meio pagão. Pela
notória popularidade dêste trecho bíblico, pela ressonância que, na religião,
na política e na faustosa vida lasciva, o seu presumido autor ainda conserva,
êste poema mereceu a Sousa Monteiro, como tem merecido a muitos outros
poetas, trabalho de esmero. Na interpretação, seguiu-se a dos chamados

134
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

ecléticos, Bossuet à frente, que entendem ser êste um cântico nupcial, para
celebrar a união, dêsse pequeno mas formoso rei da Siria, com a filha do
rei do Egipto, pois fala nos rápidos corcéis, que arrastam a espumante biga
do sumo Faraó. Os tradicionalistas hebreus entendem ser este um cântico
para celebrar a união de deus com Israel, seu povo dilecto, e os modernos
exegetas consideram, tais páginas, como um cerzido de poesias bucólicas
anónimas. Sousa Monteiro rejeitou estas e outras interpretações pela sua,
que é a da Igreja, aceita no Concilio de Constantinopla de 1551.
A tam célebre como encantadora Sulamite, talvez por violência
introduzida no palácio do rei de Jerusalém, onde se manteve sempre altiva,
obstinada e resistente, com o coração à sua aldeia, à descuidosa vida pastoril,
e o ouvido à escura dos maravilhosos sons da flauta do seu zagal, que ficara
pascendo o rebanho comum nas umbrosas pastagens da Samaria, teve, em
Sousa Monteiro, um intérprete cheio de doçura melancólica, dum bucolismo
dolente, como era o dos nossos quinhentistas.
Nos Sonetos, todos modelares na métrica, mostra grande sentimento
pelos animais. Quasi se lhe vêem lágrimas por causa do Pobre Snap, um
mísero cão de circo, que morre com os olhos na juvenil e infida consorte
enamorada dum rafeiro e viela; levanta memória a um abandonado Terra
nova, que, após vida soberba de luxo, morre esquecido num lúgubre canil.
É volume de bem cinzeladas peças, semeado de ironias bondosas, de queixas
de amor, de piedade por todos os que sofrem.
Nos Entalhes e Camafeus há também história, lenda e acentuado aplauso
à secular instituição da igreja católica. No viver contemporâneo, mal lhe
repousa o coração. Num soneto ao pontífice Leão XIII diz que, em volta de
si, só encontra o derruir da «razão, justiça, trono, espada e lira»; por isso
para êle se volta «num sôfrego anelar de luz, de paz e fé». Não se encontrará,
nas suas estrofes a Jesus e à Virgem, a candura simples e recolhida dum
Frei Agostinho da Cruz, o humilde arrabino, nos seus piedosos sonetos;
porém reconhece se firmeza no conceito e na crença.
Era alma pouco adequada à labuta ardente e exaustiva da vida actual;
recolhia-se, por necessidade intima, na saudade dos tempos idos e no
incompreendido mistério da religião.»109

No centenário do nascimento de Alexandre Herculano, em


discurso escrito para a Sessão Solene de 28 de Março de 1910, Teixeira
de Queiroz, dizia:

«Como é bella e enganadora a mocidade!... N´essa quadra não murcham


as rosas, não desmaiam os sorrisos, não vagueiam inquietos os olhos.
Nos sonhos há canticos celestiaes imagens, o coração bate n´um rhythmo de
anciedade poetica!...

109 Teixeira de Queiroz in Elogio Histórico de José de Sousa Monteiro, Lisboa, 1913.

135
Família Teixeira de Queiroz

É tão bella e deliciosamente enganadora a mocidade que eu dera todo


o resto da minha existencia por um só dos meus quinze annos, quando
Hermengarda, a recusada noiva de Eurico, enchia todo o mundo do meu
ideal d´amor, vendo-a com a sua pupilla serena, cabellos dourados, a face
rosea e a tunica branca, como os lirios brancos, cobrindo-a nobremente. Ó vós
todos que me ouvis, não recordareis, com saudosa ternura, essa encantadora
imagem evocada pelo presbytero de Carteia, do alto dos pincaros do Calpe
com a estringe fluctuando ao vento do Sul? Não vos lembrareis da mysteriosa
habitação do poeta, quando, em noites de angustia, compunha divinos
canticos até ao romper da manhã? Não tereis memoria das suas divagações
sobre as ondas do Estreito, dos seus passeios romanescos na ilha-verde, das
falas doloridas que soltava e que a ligeira briza levaria ao bello phantasma
da sua mente?
Certo que não o esqueceste: eram noites luarengas ou de tempestade,
mas noites de poesia. A musica que então se escutava era peregrina e vinha
de entre asperos rochedos, do silencio dos bosques, das vagas gementes...
Oh! Hermengarda “a tua imagem serena e luminosa surge a meus olhos
semelhante á apparição do anjo da esperança nas trevas do condemnado...
tu não és para mim mais do que uma recordação, um consolo e ao mesmo
tempo um martyrio”. “Porque não ousaste, pois, volver os olhos para o
fundo abysmo do meu amor?... Verias que esse amor de poeta é maior que o
de nenhum homem; porque é immenso como o ideal, que elle comprehende;
eterno como o seu nome, que nunca perece. Hermengarda, Hermengarda,
eu amava-te muito...”
Assim fala o triste nas suas meditações de magua infinda e a transfusão
de tamanha dôr faz-se para o nosso peito na mesma cadencia de pena e
saudade. A lastimosa historia de Eurico, assente na repulsa do velho e
soberbo Favila, que lhe nega a filha, bifurca-se em dois grandes sentimentos,
ambos gratissimos ao coração de Herculano – o amor da religião e o amor da
patria. Do primeiro é escrinio a alma do sacerdote compondo threnos, que
toda a Hespanha gothica entoa nas sumptuosas cathedraes; e do segundo foi
executor o ousado cavalleiro negro, que nas margens do Chryssus e desde a
Betica atravez da Luzitania e da Gallecia, em toda a terra de godos, pratica
actos guerreiros de valor tal que lhe grangearam fama do anjo exterminador
de infieis. Quando á redea solta atravessa a ponte: negro o elmo, a couraça e
o saio, o proprio ginete murzello; a sua apparição é formidavel! Não trazia
lança, á direita pendia-lhe grossa massa ferrada de puas, a terrivel borda,
e á esquerda o destruidor frankisk, arma predilecta dos godos. Combate
só, sem ordem, e para abrir caminho em socorro de Theodemiro, atravez
das cerradas legiões dos arabes, dos traidores conde de Septum e bispo
Oppas, rasga em carne humana sulco recto e profundo, como o de charrua
voltando a leiva em terra insensivel. Porém, todo esse esforço do seu braço,
era para enganar o sentir do coração, onde o amor jazia como braza viva
sob cinza adormecida. Pouco antes, ainda da fornalha de Carteia, escrevera
ao duque de Corduba, que elle, um presbytero, considerava o termo de

136
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

todo o esforço humano a mulher. “Tirae do mundo a mulher – dizia – e a


ambição desapparecerá de todas as almas generosas.» Do balsamo da prece
não colhera remedio para a sua ferida de amor; mas nos campos de batalha
a sua coragem seria heroismo, se a empregasse na defesa de Hermengarda.
Abdul-azis era cerdo montanhez á procura de tuberculo aromatico, e
a nubil filha de Favilla, que tinha prisioneira em sua posse, despertava-lhe
sonhos de goso. N´este lance, a força do braço de Eurico centuplica-se, a
intelligencia aguda-se-lhe até á astucia, o seu animo ergue-se ao despreso da
morte. Com temeridade prodigiosa, da tenda do chefe dos arabes guardada
por mil obstaculos por mil sentinellas defendida, arrebata Hermengarda.
Aquelle que viramos, inerme poeta, nas escuras devezas do Calpe, agora
disfarçado em cavalleiro de Al-Sudam, tira dos proprios braços do sensual
moiro a virgem ainda sem macula. Depois, lançando-a sobre o ginete que a
aguardava junto ao seu, fazem ambos a travessia de bosques, por caminhos
invios e sendas tortuosas, subindo a alcantis e descendo a precipicios.
É mais que maravilhosa essa jornada, confrange o seio pelas contigencias a
que vemos sujeita tanta valentia. Fuga memoravel! – Numerosos cavalleiros
arabes seguem de perto o punhado de godos: sente-se o tropear dos cavallos,
ouve-se o tilintar das espadas nos selins e armaduras, os arnezes chocalham
nas cervilheiras! Espasmo ancioso nos suspende a respiração!... Só a lua
é calma: com face immutavel e olhar vago de morta, só ella acompanha
esta caçada infernal do homem ao homem... No castro romano, quando
Hermengarda, abandonada de toda a energia, jaz sobre a relva, augmenta a
nossa anciedade, pois os inimigos veem perto e presume-se inutil o esforço
de Eurico e seus companheiros. Fragil mulher não pode vencer com força
propria a estreita ponte lançada sobre a vultuos acorrente do Sallia e de
instante a instante diminue a esperança de lhe salvar a pureza... Mais um
vez Eurico se transforma de homem em prodigio, de heroe em Deus!... Toma
a sua amada contra o seio e transpõe o abysmo – hirto, vagaroso, solemne,
como phantasma... Como phantasma e como sombra o vemos internar-se na
floresta, quando os agarenos, já sobre o pego rugidor n´elle são precipitados
com o velho roble de passagem, que cedera aos golpes do afiado frankisk.
Pela primeira vez, o presbytero, sente pulsar junto do seu coração, o coração
de Hermengarda!... Como haviam de ser cuidosos os seus desvelos, atravez
do crespo Vinio, para resguardar de silvedos, de ramos toscos, de urzes
selvagens, as palpebras, os labios castos, a pelle mimosa da sua amada,
até a entregar intacta de bafejo impuro ao cavalleiro Pelagio, irmão d´ella,
que os espera em Covadonga!... Covadonga! Quem não se recorda da
alpestre gruta onde se occultavam as ultimas esperanças dos godos e dos
aborigenes da Luzitania e da Gallecia?! Ali, Eurico, de aspecto torvo pela
inextrincavel confusão da sua alma, em frente do corpo de Hermengarda
esmaecida, aprofunda o seu existir contradictorio. O juramento feito aos
pés do venerando Sisisberto, junto do altar da cathedral de Hispalis, separa
estas duas almas. As palavras verdadeiras ou loucas, mas reveladoras de
amor, que sahiam murmuradas da bocca da sua amada, eram em vez de

137
Família Teixeira de Queiroz

lympha refrigerante, lava infernal que lhe escaldasse o coração e o cerebro!...


Impossivel! – soluçava. Jurara-o ao vestir a estringe de sacerdote. A mão secca
de Sisisberto desunira para sempre os dois amantes. A religião estrangulara
o amor. Por isso o antigo gardingo resolveu entregar voluntariamente a
formosa cabeça ao alfange do arabe:”omo tomba o abeto solitario da encosta,
ao passar o furacão, assim o guerreiro mysterioso do Chrissus cahira para
não mais se erguer!”
Esta linda chronica-poema, como lhe chama o proprio auctor, deu a
Herculano a sua maior popularidade: todos os corações inclinados á eterna
chimera amaram Hermengarda. Nenhuma das suas contemporaneas ou
descendentes conseguiu apagar esse nome querido; nem a atormentada
Magdalena do Fr. Luiz de Sousa, nem a apaixonada Thereza do Amor de
Perdição, nem a ingenua Guida das Pupillas do Senhor Reitor, nenhuma!
Os amores do gardingo de Tuletum com a filha do duque de Cantabria,
revelados, segundo o auctor, por manuscripto obsoleto de archivo ignorado,
representam o triumpho da poderosa natureza sobre as convenções
importunas dos homens – a batina do sacerdote não pudera extinguir no
coração do cavalleiro godo o amor, attracção inilludivel e creadora de tudo
quanto vive. Com mão resoluta e firme, Eça de Queiroz, no mesmo problema
do celibato do sacerdocio, levou a conclusão ao fim, ao seu verdadeiro termo,
no livro iniciador, O crime do Padre Amaro. Se com isso padeceu a delicada
virtude, em compensação ganhou a severa verdade.» 110
“Sentindo, com a viveza de chamma, por entre os monumentos
poeirosos que consultava, luzir um fogo novo e crente na lei do progresso
social e na força eugenica do grupo de homens que tão prodigiosamente
defendiam o seu nascimento, Herculano, julgava inevitavel a apparição de
um «um povo cheio de actividade e vigor, para cuja acção fosse insufficiente
o ambito da terra da patria, um povo de homens de imaginação apaixonados
do incognito, do mysterioso, amando o balouçar-se no dorso das vagas ou
correr no dorso d´ellas envoltos no temporal e cujos destinos era conquistar
para o christianismo tres partes do mundo, devendo ter em compensação
unicamente a gloria». Esse povo era o portuguez e para o representar
dignamente na sua genese nada melhor que esse homem colossal que se
chamou Affonso Henriques, acompanhado de Gonsalo Mendes, o Lidador.
O cavalleiro gentil, trovista e esforçado na lide das armas, Egas Moniz
Coelho, o apaixonado de Dulce, a linda Dulce, orfão e descendente da
illustre casa de Bravaes de Riba-Douro, é a poesia, irreprimivel fundo da
nossa alma, e a propira donzella, significa a terra da patria, que o guerreiro
defende até á victoria ou até á morte. Para a sciencia das opposições
artisticas, requeridas por certa escola litteraria, que em suppostas leis
de espirito e na propria natureza procura justificação, temos o valoroso
Affonso Henriques, em frente de sua mãe, altiva senhora que em batalhas

110 Teixeira de Queiroz in Centenario do Nascimento de Alexandre Herculano, Discurso Escripto para
a Sessão Solemne de 28 de Março, Lisboa, 1910, pp. 1 a 7.

138
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

guardara sempre o seu condado da cubiça do rei de Leão. D. Thereza agora


diminuida no prestigio de rainha pela peçonha que o conde da Trava lhe
vertera no coração, sente-se hesitante nos direitos que lhe attribuem. Fernão
Peres, o estrangeiro, valente, auctoritario e cruel sustenta-a pelo animo
e pela espada contra o filho, mas lá esta o Lidador, bondoso e como elle
esforçado que se lhe oppõem. O joven coração de Dulce, crisol de affectos
puros pertinazmente requerido pelo esbelto aragonez Garcia Bermudes,
é-lhe altivamente disputado pelo ardente Egas Moniz, sobrinho do Aio,
senhor de Cresconha. Os symbolos e os contrastes, vê-se, são patentes e
intencionaes, posto que historicos.
O vigoroso sentimento patriotico que atravessa este romance é um
grande sol que lhe illumina todas as paginas: encontra-se nos saraus do
Castello de Guimarães, na celebre curia ali reunida para assentar nos direitos
do filho do conde D. Henrique, nos colloquios secretos entre personagens da
côrte, mórmente nos de Dulce com quem lhe contrariasse o seu verdadeiro
amor. Dulce, a poetica Dulce, agora entre duas espadas destemidas que
se tocam e a atravessam, sonha e geme, ama e sonha. Purissima como
Hermengarda, como ella soffre crueis desditas. O interesse do drama corre
a dentro das balisas dos sentimentos antinomicos em conflicto. O bobo,
D. Bibas, mandando açoutar pelo amante da rainha, vinga-se por ardilosa
trama, offerecendo aos portuguezes do Infante maneira de levarem ao
fim a justa victoria das suas armas. Egas em combate singular com Garcia
vence-o e isso representa o termo da porfiada contenda para a fundação da
nacionalidade portugueza.
Mas é esta a occasião, nem tempo me sobra, para dizer o porque não
acceito, como boa, a forma do romance historico, para definir com exactidão
e arte epochas e almas. Os muitos erros de observação a que os cultores
d´este genero de novellas estão sujeitos é o meu principal fundamento.”111
[...]
“Assim terminou n´uma existencia apagada de pompas e dignidades,
o homem, cujo nome encheu um seculo entre nós, e que do estrangeiro
recebeu homenagens de grandes obreiros do pensamento, de collectividades
scientificas e litterarias. Foi Alexandre Herculano um grande portuguez:
apaixonado no sentir de poeta, nobre no pensar de philosopho e historiador,
admirado em todo o dominio mental. Glorifiquemas esse plebeu pelo que
serviu a verdade e a justiça e sigamos o se alevantado exemplo de amor á
nossa terra, que é também a sua; porém amor verdadeiro e não mentido,
em que não se poupe a critica de erros claros e em que se accentuem os
exemplos de trabalho honesto; porque só d´ahi poderá vir a redempção.
Disse.” 112

111 Teixeira de Queiroz in Centenario do Nascimento de Alexandre Herculano, Discurso Escripto para
a Sessão Solemne de 28 de Março, Lisboa, 1910, pp. 15 a 18.
112 Teixeira de Queiroz in Centenario do Nascimento de Alexandre Herculano, Discurso Escripto para
a Sessão Solemne de 28 de Março, Lisboa, 1910, p. 20.

139
Família Teixeira de Queiroz

Apresentou em 9 de Março de 1905, no Terceiro centenário do


nascimento de D. Quixote de La Mancha, o Engenhoso Fidalgo, obra prima de
Miguel Cervantes, um trabalho analítico sobre a obra e o autor, com uma
curiosa observação: “Hoje celebramos aqui o terceiro centenário do
nascimento de D. Quixote e quantas pessoas se lembrarão do ano em
que nasceu Miguel Cervantes?” Dizia e bem Teixeira de Queiroz que
por vezes a ficção ultrapassa a realidade, o discípulo criado ultrapassa
o Mestre.
Assim começou a intervenção:

“Estava o rei Filippe III n´um balcão do seu palacio de Madrid e viu,
junto do Manzanares, um estudante lendo um livro com grandes mostras
de contentamento. Interrompia a leitura com palmadas na testa, apertava as
ilhargas para não rebentar de riso. Attentando n´isto, o rei disse para os que
o cercavam: aquelle estudante ou está louco ou lê a historia de D. Quixote.
Foi-se logo averiguar o que seria e voltaram a informar o monarca de que era
realmente a leitura das aventuras do heroe manchego que assim punha em
deleitoso estado os nervos do estudante. Mas do que se esqueceram foi de
recordar o nome do auctor da hilariante novella, que era um velho carregado
de annos e desditas... – São estas queixosas palavras do proprio Cervantes
e mal elle calculava que a celebridade da sua obra devia ser tal que de certo
modo lhe empannaria o nome. Hoje celebramos aqui o terceiro centenario
do nascimento de D. Quixote e quantas pessoas se lembrarão do anno em
que nasceu Miguel Cervantes?! É muito digno de nota que o nome da obra
se anteponha ao do seu creador e n´isto se vê a parte que o Inconsciente
tem em todas as acções humanas e a influencia anonyma das gerações no
renome de um livro. Vae-se lendo o livro e transmite-se ao futuro o parecer
applauditivo; o futuro engrandece a sagrada herança, accrescentando-a.
É um operar lento, mas duradouro, como o d´essas montanhas que se
ergueram por uma força occulta do seio da terra: - todas as vêem e admiram,
sem pensar no modo como se formaram.
Mas o que é este romance celeberrimo, merecedor do culto de tres
seculos? Em que consiste esta obra de entreter, que todo o mundo tem
admirado, especialmente a Inglaterra, a patria do romance critico, tomando-a
o seu Fielding para modelo que imitou?
O D. Quixote, como familiarmente se denomina a novella de Miguel
Cervantes, é a historia de um individuo que n´uma linha manhã de julho
sae pela porta falsa de um curral, montado n´um cavallo magro, vestido
de maneira desusada, á procura de aventuras andantes pelos campos de
Montiel, que elle conhecia e amava. Armou-o cavalleiro o dono de uma
taberna e é deliciosa e encantadora essa memoravel noite em que elle velou
as suas armas junto de um poço. A Tolosa, filha de um remendão de Toledo,
cinge-lhe a espada invencivel; a Mulinera, filha de um moleiro de Antequera;

140
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

calça-lhe a espora de oiro. Assim preparado, a armadura luzente atada com


cordeis, a viseira de papelão levantada para se lhe vêr o rosto fero, a enorme
lança erguida, montado no seu adoravel Rocinante, dirige-se primeiro a
porto Lapice, onde poderá meter em aventuras as mãos até aos cotovellos.
Associa á collossal empreza um o indviduo interesseiro, mas paciente,
Sancho Pança, que, resmungando sempre, compartilhará da sua sorte, feliz
ou adversa; feliz, porque Sancho não é homem para se aguentar muito
tempo em adversidade. Mas quaes são as aventuras que imagina este louco
de um modo ideal, montado n´um cavallo cheio de fome, acompanhado
por um escudeiro cheio de gula?! Soldado do resumido exercito da justiça,
presentindo que no mundo triumpha a protervia, a força que esmaga a
fraqueza, a calumnia que opprime a verdade, vae a concertar os malavindos,
a socorrer donzellas desprotegidas, a instituir o impeccavel direito, a vencer
gigantes malfeitores, ferindo batalhas nunca vistas. Elle é a flôr da cavallaria
andante, a honra da sua familia, a luz resplendente das armas, a gloria da
Mancha, o espelho da nação hespanhola! Mais libera le mais valente do que
Alexandre, não hesitará em frente dos perigos, repellirá todas as affrontas,
calcará todos os despotas. Enamorado sublime da formosura, organisador
do bem, açoite de ruins, implacavel inimigo de perversos tem os seus olhos
e o seu pensamento na sonhada Dulcinea. O seu brio, a sua fé e honradez são
inquebrantaveis. Sae-lhe a palavra energica e serena como da bocca sagrada
de um evangelista; tudo que affirma e promete cumpre-o atravez de todos
os perigos e ciladas, offerecendo a vida com um sorriso de innocencia nos
labios. A sua castidade, que era soberano preceito, expol-o a chascos, que
supportou com inflexivel bondade, no caso da apaixonada Altisidora, que
lhe cantava endeixas debaixo da janella.
Disse o sublime Renan, aquelle que sobre a Acróple de Athenas
pensou uma das paginas mais inspiradas que o genio humano tem
produzido ácerca da belleza, que a formosura vale tanto como a virtude.
Pois D. Quixote, com o seu braço mirado e heroico, defendeu a formosura
e a virtude. Aquella que na poesia tem o nome de Dulcinea de Toboso,
e que na região da Mancha, onde se chamava Aldonsa Lourenço, deixou
fama de ter a mão mais experiente e certeira para salgar porcos, é a ideal
belleza para o nosso heroe. Tudo lhe dedica: façanhas, pensamentos e
suspiros do seu coração. Quanto a ella pertença sublima-o; a sua modesta
casa de lavradeira transforma-se em palacio encantado; as creadas que
a ajudam na labuta diaria devem ser donzellas cobertas de sedas e joias;
o trigo, que o lorpa de Sancho lhe viu escrivar, por certo encobre perolas e
aljofares. Foi sempre assim este creador de magnificencias: os moinhos de
vento, que atacou e venceu, conhece no impeto do combate serem gigantes;
gigantes eram os odres de vinho a quem cortou as cabeças vertendo-lhes
o copioso sangue pela terra; taberna em que se albergue, para descançar
de aturadas fadigas, disfarça famosa alcaçova; os rebanhos de carneiros
e ovelhas percebidos entre nuvens de poeira, que poderiam representar
senão os exercitos inimigos do imperador Alifanfaron e do rei Garamantas,

141
Família Teixeira de Queiroz

que vinham defrontar-se em aspera batalha?! D. Quixote confirma-o


pelejando denodadamente n´essa contenda, de que resultou ficarem sobre
a terra sete rezes mortas, que representavam outros tantos cadaveres de
capitães vencidos. O seu aspecto, quando se preparava para entra em lucta,
era tão severo que leões africanos, ao verem-lho, se acobardaram de sahir
da jaula, pelo que tomou o cognome de Cavalleiro dos Leões, em vez do de
Cavalleiro da Triste Figura, que usava.”113

À semelhança do capítulo anterior apresenta-se alguma


correspondência com pares da Academia.

113 Teixeira de Queiroz in Ácerca da Gloriosa Novella do Engenhoso Figalgo D. Quixote de la Mancha,
em 9 e Maio, Lisboa, 1905, pp. 5 a 9.

142
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 16 – Júlio Dantas.

143
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 17 – Júlio Dantas.

144
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 17 – Júlio Dantas.

145
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 18 – João de Deus.

146
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 18 – João de Deus.

147
Família Teixeira de Queiroz

3.2 – Política

Em 1919, na Academia das Ciências, Fernandes Costa, dignissimo


sócio efectivo, fazia o eloquente e acertivo discurso sobre Francisco
Teixeira de Queiroz:

«Desde os bancos das aulas, e imperturbavelmente em toda a sua


carreira, Teixeira de Queiroz manifestou-se, sempre, animadverso ao
systema de ficções dentro do qual girava todo o machinismo politico do paiz,
na vigencia do constitucionalismo monarchico. Teria sido animadverso,
precisamente ao mesmo systema na vigencia de diverso regimen. A sua
hostilidade contra o existente não era uma reacção philosóphica do seu
espirito, determinada pelo confronto entre diversos systemas de governo; era
a insubordinação do seu nativo bom senso contra a insinceridade e a mentira.
A causticidade da sua razão não lhe consentia que tomasse a sério
homens e cousas fundamentalmente privadas de seriedade, e foi por erro de
observação ou por calculada conveniencia que foi tomado como affirmação
de principios, o que n´elle foi, exclusivamente, puro negativismo.
Comtudo, no seu limitado campo de acção, – limitado porque nunca
pretendeu fazel-o maior, – foi um demolidor implacavel das instituições
reinantes, fazendo incessantemente cahir sobre ellas, gôta a gôta, a água
molle, mas perfurante, da sua ironia.
Mudado, porém, finalmente o governo da nação, as circumstancias que,
também, ás vezes, são ironicas, fizeram levantar do seu banco de espectador
o critico mordaz, e levaram-o ao tablado como figurante da sempiterna
comedia politica.
Digamos, porém, em seu abôno, que não seria possivel a nenhum
homem, investido em tão altas funcções publicas, sobraçar a sua pasta
com maior reluctancia, nem depôl-a com mais allivio e de melhor vontade.
Não por indolencia nem por commodismo; não por se recusar a pôr ao
serviço do paiz a sua illustração, o seu saber, as suas intenções honradas;
mas, naturalmente, por sentir a inutilidade de todo o esfôrço pessoal de um
só, contra o irresistivel impulso das correntes contrarias.
Razão esta que, por nossa conta, avançâmos, ainda que nos parêça
superflua; pois o afastamento systematico de toda a intervenção directa no
governo da communidade, é geral em todos quantos, – e não são elles poucos,
– seguem, para uso proprio, o aphorismo de Malherbe, adivinhando-o
quando o não conhêçam:”il ne faut point se mêler du gouvernail dans um
vaisseau où l´on n´est que passager.” Esta explicação dispensa quaesquer
outras.
E o artista voltou, plácidamente, á sua arte, aos seus livros; feliz,
de certo, por haver logrado que fosse tão ephémera a sua investidura na
gravidade, para elle risivel, de um authentico personagem da sua Comedia
burguêsa, de uma typica figura das suas creações romanticas.

148
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Com que bonhomia, espiritualmente irónica, elle deve ter-se rido


de si mesmo, ao vêr-se sentado nas cadeiras do poder, presidindo a uma
das provincias da publica administração, ajoujado sob o fardo dos negocios,
pairando nas regiões governamentaes, embrenhado nos mysterios da
diplomacia, suffocando nos braços possantes as hydras, tanto a da
anarchia, como a da reacção, prompto a repellir os attaques apaixonados dos
partidos, preceituando solemnemente a conciliação da ordem com a liberdade;
em summa, reconstituindo n´essa linguagem formada de locuções
bolorentas, de chavões e de logares communs, o viver dos Frazuellas
intriguistas, dos Sallustios ambiciosos e dos Tornaes dissimulados, com que,
em palavras das que não fazem rir, soube fazer rir os gourmets da sua ironia
delicada.»114

Francisco Teixeira de Queiroz foi membro do Partido Republicano


e defensor acérrimo do regime republicano em Portugal, mas em boa
verdade pode dizer-se que sendo político, nunca se sentiu bem nas
movimentações da política partidária. Intransigente nos princípios,
e independente no pensamento e nas decisões, agindo de acordo com
a sua personalidade e consciência, mostrou-se logo pouco confortável
com o exercício pleno da arte da política. Fê-lo mais pela pena, através
da escrita, com o exercício político sobre as questões doutrinárias e
pelos meios de comunicação social.
O Partido Republicano Português (PRP), tem as suas origens
radicadas no Centro Republicano Democrático, 1876 e no Centro
Republicano Federal, 1879, ambos sediados em Lisboa.

«A primeira direcção colegial e nacional do Partido Republicano


surgiu a partir do Congresso Republicano, 1883, que reuniu nas salas
do Clube Henriques Nogueira, nome pelo qual era conhecido o Centro
Eleitoral Republicano Federal do Círculo 96, fundado em 1881 para tentar
unificar as diversas sensibilidades. Organizado o partido, o seu programa
foi constituído e finalmente aprovado em 11 de Janeiro de 1891. Era este
programa que estava em vigor quando foi instaurada a República, e durou
até ao ano seguinte. O PRP era um “semi-partido de massas”, aglutinando
várias orientações políticas que funcionavam como “partidos de notáveis”,
com os seus jornais, centros políticos e escolares que constituíam redes
sóciopolíticas de apoio em torno de um caudilho.»115

114 Fernandes Costa in Elogio Académico do Dr. Teixeira de Queiroz, Lisboa, 1919, pp. 72 a 74.
115 Cf. Ernesto Castro Leal, Partidos e Programas, Coimbra, Imprensa da Universidade de
Coimbra, 2008, pp. 15-17.

149
Família Teixeira de Queiroz

Esta ideia de “partido de notáveis”, fragmentado, pode ser aplicada


até às dissidências de 1911. A partir desta data houve mudanças no
velho PRP e no campo republicano português.
Durante o período de tempo referenciado, afirmaram-se, no campo
político do republicanismo português, duas gerações – a geração de
70/80 e a geração de 90/fim do século XIX. Daqui despontou a geração
de 10/20 do século XX, com a qual continuou a política na república
portuguesa.
Com efeito, Teófilo Braga, então Presidente do Governo Provisório
da República, participou nos debates de 1911, e apresentou uma
periodização das três gerações, nomeadamente os seus mais relevantes
pensadores, que, segundo ele, tinham contribuído para a construção e
o enraizamento das novas ideias em Portugal.

«... vou terminar, dizendo simplesmente que a República se fez


por três gerações que precisam de ser nomeadas e honradas por esta
Assembleia (da República). Não foram só os Tiros da Rotunda que a
fizeram, não; há três gerações que muito contribuíram também para a
sua implantação.» Em consequência Teófilo Braga apresentou essas três
gerações, não classificando a primeira, que era a geração dos fundadores,
anos 50/60: «À primeira geração pertenceram Henriques Nogueira, Sousa
Brandão, Latino Coelho, Gilberto Rola, Oliveira Marreca, Elias Garcia,
Bernardino Pinheiro e outros, (...), e esses homens puseram ao serviço da
sua causa todo o prestigio do seu nome, mostrando bem claramente que se
podia ser republicano (...).»116

A segunda geração, caracterizou-a de “essencialmente doutrinária”,


anos 70/80:

«À segunda geração, essencialmente doutrinária, pertencem Rodrigues


de Freitas, Magalhães Lima, José Falcão, Teixeira de Queiroz, Jacinto Nunes,
eu (Teófilo Braga), que tenho essa honra e tantos outros.»
«[...] e à terceira geração, absolutamente activa, pertencem
Afonso Costa, António José de Almeida e tantíssimos outros que se
evidenciaram pela forma decisiva como fizeram a propaganda das ideias
republicanas.»117

116 Diário da Assembleia Nacional Constituinte, secção n.º 23, 18 de Julho de 1911, p. 23.
117 idem, p. 23.

150
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

O primeiro congresso organizado pelo Partido Republicano


Português, foi de 27 a 30 de Outubro de 1911, em forma de acção
política para o primeiro aniversário da implantação da República.
Dá-se o num período conturbado, com um clima social muito agitado
e em contexto governativo que lhe era bastante adverso.
Os órgãos dirigentes do PRP, com sede em Lisboa, eram constituídos
pelo Directório, pela Junta Consultiva e Junta Administrativa.
Francisco Teixeira de Queiroz, conjuntamente, com Manuel de
Arriaga, 1.º Presidente da República, João Chagas, Guerra Junqueiro,
Jacinto Nunes, Fernandes Costa, Bernardino Machado, que viria a ser
Presidente da República, Azevedo da Silva e Celestino Almeida, eram
os membros eleitos deste órgão. Nos membros fundadores desta Junta
constam Afonso Costa, que viria a ser 1.º Ministro, Alexandre Braga,
António José de Almeida, (que viria igualmente a ser Presidente da
República), Brito Camacho, Estevão de Vasconcelos, João de Menezes,
Anselmo Bracaamp Freire, Barata Feio Terenas e Augusto José da
Cunha.
O Directório tinha como membros efectivos Basílio Teles e Eusébio
Leão e como secretários, José Cupertino Ribeiro Júnior, José Relvas e
Teófilo Braga.118
Revelando sempre um forte desapego à política partidária, a 30
de Outubro, na última sessão do Congresso, presidida por Bernardino
Machado, Francisco Teixeira de Queiroz pediu a palavra e apresentou
as suas convicções para o momento político que o país vivia. Sobre o
assunto, escreve Jorge Pais de Sousa:119

«[...] Afonso Costa pede para usar da palavra em relação ao médico,


escritor e deputado à Assembleia Constituinte Teixeira de Queiroz120, que não
era favorável a que houvessem eleições para o Directório e que considerava
que o papel histórico do PRP estava cumprido, pelo que entendia que
não fazia sentido continuar a existir e o que devia era surgirem partidos
republicanos com orientações políticas diferentes, tendo a este propósito

118 Cf Boletim do Partido Republicano Português, n.º 1, pp. 88, 89.


119 Jorge Pais de Sousa, investigador.
120 Francisco Teixeira de Queiroz (MA) em Marques, A. H. de Oliveira – Parlamentares e
Ministros da 1.ª República (1910-1920), p 357, in Jorge P. de Sousa, Partidos e Movimentos
Políticos 1910-1974 – Afonso Costa e a Refundação do PRP (1910-1920) – 1. O Congresso de Lisboa
de 27 a 30 de Outubro de 1911, p. 357.

151
Família Teixeira de Queiroz

afirmado o escritor que o congresso ia realizar um facto com o qual não


estava de acordo: A eleição de um novo Directório. Entendia que os poderes
constituídos representavam essa função. O contrário seria um governo
ao lado do governo, implantada a República, na sua opinião, o agente de
correcção devia ser diverso. As correntes de opinião, como a representada
pelo importante grupo parlamentar democrático, é que corrigiriam a
acção do governo. Em resumo: implantada a República, não existe partido
republicano, mas partidos republicanos, que constituem uma família
solidariamente unida para a defesa da república. O triunfo da sua aspiração,
foi para o partido republicano, como se atingisse a sua maioridade.» 121

Francisco Teixeira de Queiroz foi Vereador da Câmara Municipal


de Lisboa em 1885, deputado na legislatura de 1893 por Santiago do
Cacém em cujas eleições os republicanos conseguiram pela segunda
vez eleger alguns deputados. Rodrigues de Freitas pelo circulo
do Porto, José Jacinto Nunes pelo de Lisboa e Francisco Teixeira de
Queiroz novamente deputado na Assembleia Nacional Constituinte
pelo círculo da Aldeia Galega, actual cidade de Montijo, nas eleições
de 28 de Maio de 1911. Nesta sua segunda passagem pela Assembleia
Constituinte, Teixeira de Queiroz, pediu escusa no exercício de funções,
por entender que havia incompatibilidade com a sua actividade como
director de empresas - Companhia de Águas de Lisboa, Caminhos de
Ferro, Companhia das Lezírias, etc - como adiante se verá, atendendo
a que tinham negócios com o Estado.
Fez parte da Comissão de Petições, em conjunto com José Nunes
da Mata, Germano Martins, Eduardo Abreu, Anselmo Augusto da
Costa Xavier e Narciso Alves da Cunha.
Foi Ministro dos Negócios Estrangeiros em 1915, no Governo
de José de Castro. Para Presidente deste governo, estava indigitado
João Chagas122, que não chegou a tomar posse, em virtude de sofrer
um atentado no Entroncamento que o deixou ferido. O Presidente da
República, Manuel deArriaga, deu então posse a José de Castro, advogado
de renome, republicano dos tempos da propaganda, respeitado pelo
seu espirito de tolerância e ocupando ao mesmo tempo o cargo de vice-

121 Acta n.º 6, em Boletim do Partido Republicano Português, n.º 1, pp 55 e 56, in Jorge P. de Sousa,
idem.
122 João Chagas (Rio de Janeiro, 1 de Setembro de 1863 – Cascais, Estoril, 28 de Maio de 1925),
foi um jornalista, escritor, diplomata e político português, tendo sido o primeiro presidente
do Ministério (actual primeiro-ministro) da República Portuguesa.

152
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

grão-mestre da Maçonaria. Como ministros, estava Manuel Monteiro


na pasta do Fomento, Francisco José Fernandes na da Marinha e José
de Castro acumulava com as pastas da Guerra e interinamente do
Interior. Da pasta da Justiça encarregava-se Paulo Falcão, causídico de
muito prestigio no Porto e o primeiro governador após o novo regime.
Nas Finanças foi escolhido Tomé de Barros Queiroz, antigo secretário-
geral do Ministério. Para os Negócios Estrangeiros foi chamado
Francisco Teixeira de Queiroz, médico e escritor. José Jorge Pereira,
tenente médico naval e conhecedor da vida ultramarina, recebeu a
pasta das Colónias e finalmente a Sebastião Magalhães Lima, advogado
e grão-mestre da Maçonaria, coube o sector da Instrução Pública.

«Foi a este grupo de homens que no dia 16 de Maio, o Presidente Manuel


de Arriaga deu posse. Mas cumprida essa tarefa e deixando o País dotado
de um Ministério (governo), o supremo magistrado da Nação entendeu, por
uma questão de honra, renunciar ao cargo.
Na grave conjuntura não tinha alternativa: ou sair do Palácio de Belém
com toda a dignidade ou sujeitar-se a novos vexames das forças mais radicais
da política. Uns não lhe perdoavam a confiança que depositava em Pimenta
de Castro (governo anterior) e outros viam com maus olhos o seu poder de
intervenção em nome dos supremos interesses do Estado. Na sua carta de
16 de Maio a José de Castro, o chefe do Estado deixava a porta entreaberta
para a circunstância de a sua renuncia poder acarretar “graves transtornos
para a marcha da República”. Não o entenderam assim certas forças políticas
que nos dias seguintes acentuaram a campanha contra o Presidente, sem
terem em conta a sua indesmentida dignidade pessoal e os grandes serviços
que prestará à consolidação da República:
“Deponho o meu mandato, pouparei um engano de entendimento
àqueles que também me supunham agarrado a este lugar pelos lucros que
dele provinham. Saio do poder mais pobre do que entrei, porque não levo
comigo nem emprego nem oficio, que também não solicito, e porque tudo
o que pude apurar em quase meio século de reservas dos meus honorários
de advocacia, apesar da economia com que sempre vivi, apenas me chega
viver de acordo com os meus velhos hábitos contraídos e a minha natural
modéstia.
À Nação não peço e dela nada espero. A maior compensação aos
sacrifícios que fiz em exercer este cargo, deu-m`a o Congresso honrando-
me com os seus sufrágios para primeiro cidadão para primeiro cidadão
da República; deu-m`a também o povo com o carinhoso acolhimento e
manifestações de simpatia com que sempre, em toda a parte, me acolheu,
e, acima de tudo, o facto, ultimamente ocorrido, de me achar com minha
família abandonado de todos, nos dias sangrentos da revolução, sem defesa

153
Família Teixeira de Queiroz

possível, quando as multidões, inebriadas pelo triunfo, passaram aos


milhares pela porta da minha habitação e não houve o mais leve desacato
nem à minha pessoa nem aos meus [...].”123
No dia 26 de Maio, o Presidente Arriaga enviou a mensagem de
renúncia ao Congresso da República.»124

A cinco de Outubro de 1915, Bernardino Machado tomou posse


como novo Presidente da República.
Em Arcos de Valdevez, segundo o livro de Mário Tavarela Lobo,
“Sousa Guimarães – Subsídios para a História da República em Arcos de
Valdevez”, nos dias seguintes à Proclamação da República em Lisboa,
os republicanos, um pouco à semelhança da capital, tinham várias
facções, das quais duas se distinguiam: uma liderada por Germano
Amorim125, grande admirador de Francisco Teixeira de Queiroz,
e outra liderada por Sousa Guimarães126, estando as duas em posições
divergentes quanto à organização social.
Paulo Teixeira de Queiroz, filho do Escritor, foi também defensor
da causa e ideal republicano, iniciado em Coimbra quando estudava
Direito na Universidade, e com alguma influência na difusão do
espírito republicano no meio arcuense e que é subtilmente sintetizada
por seu sobrinho Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas:
“Captou influencias coimbrãs que incutiu com grande entusiasmo na vida social dos
Arcos no fim do século.”127
Refere ainda:

«Para completar uma trilogia de “intelectuais” entusiastas


propagandistas da República nos Arcos - um escritor, um poeta, um
estudante - refira-se o académico universitário Paulo Teixeira de Queiroz.,
filho do referido Escritor Francisco Teixeira de Queiroz. Foi um dos

123 Carta ao Dr. José de Castro, Belém, 16 de Maio de 1915, pub. Na Primeira Presidência da
República Portuguesa, pp. 152-154.
124 J. Veríssimo Serrão in História de Portugal, Vol XI, pag. 171.
125 Germano José Amorim (1880-1971), foi um destacado membro do Partido Republicano
Português e um dos mais activos republicanos em Arcos de Valdevez, onde se radicou como
notário e advogado em 1909 após terminada a licenciatura em Direito na Universidade
de Coimbra. Com a implantação da República fundou em Arcos de Valdevez o Centro
Republicano Teixeira de Queiroz.
126 José de Sousa Guimarães (1871-1946), foi médico em Arcos de Valdevez. Com a implantação
da República foi Presidente da Comissão Municipal Republicana e Administrador do
Concelho de Arcos de Valdevez.
127 Idem, Terra de Valdevez, pág. 359.

154
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

“revolucionários” do celebre manifesto ao país dos estudantes universitários


de Coimbra, de 6 de Novembro de 1906, ao lado de tantos outros conhecidos
paladinos da República – António Granjo, Abranches Ferrão, Marques
Guedes..., manifesto a que pouco depois se sucedeu o conflito académico e a
greve dele derivada de claro apoio à causa Republicana».

Paulo Teixeira de Queiroz foi também um dos participantes activos


no célebre manifesto ao país dos estudantes universitários de Coimbra.
Em artigo do Almanaque Republicano de 28 de Março de 2007,
podemos acompanhar em parte o que se passou à data, desde a
greve até a formação de um comité instalado na Figueira da Foz,
denominado de “Cenáculo dos Intransigentes”, onde os estudantes se
reuniam e comunicavam durante o tempo de luta pelos objetivos a que
se propuseram:

«No prosseguimento da Greve Académica de 1907 em Coimbra,


a tentativa de “romper os laços de solidariedade que se estabeleceram,
e se mantinham entre os estudantes de Coimbra e entre e os de todas as
escolas superiores do país” [ in História da Greve Académica de 1907,
de Alberto Xavier, 1962] foi diversas tentada, sem total êxito. A nomeação
do novo reitor da Universidade de Coimbra, D. João de Alarcão, os apelos
de vários pais de alunos [“na sua maioria, políticos militantes, e alguns
deles, franquistas”, ibidem] para demover os estudantes e a solicitação
feita ao próprio rei, nesse sentido, ele mesmo interessado na resolução do
conflito, levou a contemplar diversos mecanismos para que os estudantes
desavindos pudessem fazer as suas provas, sem ao mesmo tempo “vexar
os professores”. Não foi, parece, pacifica entre os lentes, e em especial os
da Faculdade de Direito, o processo que permitia “a realização dos actos”,
o que não obstou a que o Decreto (23 de Maio de 1907) do ministro do
Reino determinasse a “reabertura da Universidade para efeito de exames”,
mediante algumas condições.
Pretendia-se, dado a ordem a cumprir rigorosamente, que os estudantes
regressassem individualmente e “somente nos dias indicados para as
provas”, para que afastada a presumida “reunião” dos alunos dos “cursos
jurídicos”, de onde pertenciam os mais intransigentes, se estabelecesse a
quebra de “solidariedade” entre os estudantes de Coimbra e entre estes e os
do resto do país. Diversos normativos foram publicados para o efeito, quer
no que respeita a Coimbra, quer os cursos de Lisboa e Porto.
Desta forma, em Coimbra, dos “1049” alunos matriculados, “encerram
a matrícula 866 alunos”, para efeito de exame. Por decisão do Conselho de
Decanos (1 de Abril de 1907) sete alunos tinham sido expulsos e recusaram-
se a requerer matrícula (diz-nos Alberto Xavier) 160 alunos (e não 155 como
foi na altura registado). Tais estudantes “que procederam como homens de

155
Família Teixeira de Queiroz

perfeita responsabilidade, dotados de livre autonomia de vontade, os quais,


desinteressada e briosamente, se recusaram a requerer matrícula para efeito
de exames, enquanto os sete camaradas, injustamente expulsos, não fossem
restituídos à plenitude dos direitos e regalias universitárias”, a opinião
pública denominou-os de Intransigentes.
Aos Intransigentes, a estes alunos, foi dada a ordem de “abandonar
Coimbra”. Muitos regressaram às suas casas, mas um curioso grupo deles
foram “passar o verão à praia da Figueira da Foz, onde organizaram uma
“pousada denominada dos Intransigentes, na rua do Melhoramento, 63.
O Cenáculo dos Intransigentes, instalado na Figueira da Foz, continua
a ser o ponto de reunião de todos os estudantes que não encerram matrícula
na Universidade. Aquela agremiação académica tem já um hino próprio,
denominado Charge aos furadores da greve, e que se vai tornando popular,
por os estudantes o cantarem, em grupos, pelas ruas, nas proximidades do
cenáculo. O autor do hino foi o maestro Dias Costa.»

Proclamando Paulo Teixeira de Queiroz o regime republicano,


participou ostensivamente na vida política local, vindo a integrar uma
facção política republicana de activo repúdio da acção administrativa
de Sousa Guimarães.
Foi nesse período criado, por iniciativa de Germano Amorim, um
centro cultural, com o objectivo da divulgação da causa republicana e
seus ideais, denominado de Centro Republicano Teixeira de Queiroz,
com a colaboração estreita dos correligionários Thomas Mendes
Norton de Matos128, António da Silva Dias e Manuel Pimenta, Artur
Barreiros, entre outros.
Ao mesmo tempo, embora à escala nacional Francisco Teixeira
de Queiroz, também com algumas incursões na imprensa local,
dava garantias da liberdade das práticas religiosas correntes,
e principalmente “à liberdade integral do espirito humano.”129
De seguida e terminando o capítulo, apresenta-se uma pequena
parte da inúmera correspondência trocada com correligionários
políticos, membros do governo do qual fez parte e vários outros e
figuras da mais alta representação nacional.

128 Thomas Mendes Norton de Matos Prego (1871-1943), era irmão do General Norton de Matos,
notabilizou-se como médico e activista do movimento republicano nos Arcos onde se casou,
residiu e exerceu clinica. Foi um dos fundadores do Centro Republicano Teixeira de Queiroz.
129 Cf “Avante” 2 de Abril de 1911.

156
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 19 – Manuel de Arriaga, Presidente da República.

157
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 19 – Manuel de Arriaga, Presidente da República.

158
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 20 – Manuel de Arriaga, Presidente da República.

159
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 20 – Manuel de Arriaga, Presidente da República.

160
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 21 – Manuel de Arriaga, Presidente da República.

161
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 21 – Manuel de Arriaga, Presidente da República.

162
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 22 – Norton de Matos, Ministro da Guerra.

163
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 22 – Norton de Matos, Ministro da Guerra.

164
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 23 – Afonso Costa, Presidente do Conselho de Ministros.

165
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 23 – Afonso Costa, Presidente do Conselho de Ministros.

166
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 24 – Afonso Costa, Ministro da Justiça.

167
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 24 – Afonso Costa, Ministro da Justiça.

168
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 25 – António José de Almeida, Presidente da República.

169
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 26 – Anselmo Braacamp Freire, Deputado e Presidente do Senado da


República.

170
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Carta n.º 26 – Anselmo Braacamp Freire, Deputado e Presidente do Senado da


República.

171
Família Teixeira de Queiroz

Carta n.º 26 – Anselmo Braacamp Freire, Deputado e Presidente do Senado da


República.

172
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

3.3 – Empresas

A par das letras, o seu mundo maior e o único que o encantava,


o Escritor foi também empresário. Accionista qualificado de grandes
empresas nacionais, tanto em representação, como em conjunto com
a sua mulher Teresa, quer individualmente, que na actualidade se
transformaram em grandes empresas públicas, Francisco Teixeira de
Queiroz ocupou diversos cargos directivos e em diversos órgãos sociais,
na Companhia das Águas de Lisboa, (actual EPAL), na Companhia
Real dos Caminhos de Ferro Portugueses, (actual CP) e na Companhia
das Lezírias.
Participou ainda numa iniciativa industrial de grande dimensão,
A Companhia Fabril e Industrial de Soure, que apesar de investimentos
fortíssimos, por variadíssimas contrariedades, nunca chegou a laborar,
acabando por ser adquirida por outra empresa do ramo.

3.3.1 – Companhia das Águas de Lisboa, CAL

Foi aquela à qual mais tempo dedicou, onde foi maior e mais
longa a sua participação e a que mais se prolongou na esfera dos seus
descendentes.
Concessionária do abastecimento de água da cidade de Lisboa,
com a importância transmitida pelo bem essencial pelo qual era
responsável, completou 106 anos em 1974, ano em que foi nacionalizada
e transformada em Empresa Pública das Águas de Lisboa.

173
Família Teixeira de Queiroz

Foto n.º 16 – Aqueduto das Águas Livres, Arco das Amoreiras.

A propósito e em breve nota histórica, escreveu Luís Leite Pinto,


em livro que editou em Maio de 1972 sobre a Cal, “História do
Abastecimento de Água À Região de Lisboa”, na altura Presidente do
Conselho de Administração:

174
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

“A água é um bem inestimável. Sem ela não há agregado populacional


possível. Desde a mais remota antiguidade, o homem se fixou, de preferência,
junto dos cursos de água. E quando esta solução não esteve ao seu alcance
ou não lhe pareceu a mais conveniente, por razões de sanidade, de acesso ou
de segurança, ele só se estabeleceu onde descobriu uma nascente ou onde
lhe foi possível furar um poço de manancial garantido”130

Continuando sobre Lisboa,

“Os fundadores de Lisboa não terão prestado atenção a esse magno


problema de aprovisionamento de água. (...). E, afinal, não eram tantas as
gentes que lhes não bastasse a água das poucas fontes com que a Natureza
dotara a região. O burgo tinha, pois, possibilidades de sobrevivência.”131

No entanto, com o crescimento da cidade, o paradigma mudou.


Os Romanos quando chegaram, já encontraram um burgo considerável
e depois os Árabes, transformaram Lisboa numa das mais importantes
das suas cidades nos territórios apoderados na Península Ibérica.
Em 1147, D. Afonso Henriques conquista a cidade aos Mouros,
o burgo contava já com 15.000 pessoas, tendo a superfície ocupada,
15 ha. Duzentos e cinquenta anos mais tarde, a cidade crescera de
tal forma que D. Fernando manda edificar a Cerca Nova passando a
cidade a totalizar 100 ha de área, 130 anos depois de D. Afonso III a
elevar a Capital do Reino.
De D. João I a D. Sebastião, a população aumentou até aos 100.000
habitantes não obstante a enorme mortandade provocada pelas guerras
e pelas epidemias. Para esta epidemias, contribuiu principalmente a
falta de água, “e acasionava assim a proliferação de toda a casta de miasma”132
Com o alarme provocado por esta calamitosa situação de falta
de água, tomou a Câmara de Lisboa a decisão de trazer as águas de
Carenque, conhecidas por grande abundância e qualidade e situadas
muito perto da capital.
Afinal, tudo se traduzia, segundo a tradição, em realizar um grande
aumento de captação de água, à semelhança, mas de forma ampliada

130 Luís Leite Pinto in História do Abastecimento de Água à Região de Lisboa, INCM/EPAL, Lisboa,
1989, p. 15.
131 idem.
132 Id. Ibid.

175
Família Teixeira de Queiroz

ao que já tinham feito anteriormente os Romanos e os Árabes e que


estes teriam aproveitado também para a irrigação da parte superior da
bacia de Alcântara.

«A esta tradição, apoiada em vestígios escassos e mal definidos,


confinados praticamente aos restos de uma marachão de 11 m de largura e
9 m de altura existente no vale da Quintã, se refere o arquitecto Leonardo
Torreano, que Filipe III de Espanha, após haver visitado em pessoa a fonte
da Água Livre, encarregara de estudar a introdução em Lisboa do caudal
dessa nascente. A ideia já fora aventada no reinado de D. Manuel, por ela
se tendo especialmente interessado seu filho, o infante D. Luís, que, como
oficial da Marinha, muito desejara que a água daquela fonte fosse trazida
à Ribeira das Naus, para dela se fazerem as aguadas. E já em tempo de
D. Sebastião se tentara de novo por em prática esse plano, incumbindo-se
das experiências e medidas adequadas um certo Nicolau de Frias, mestre-
de-obras das igrejas do Arcebispado de Lisboa. Ao jovem monarca, o pintor
Francisco de Olanda, regressado de uma viagem por Espanha, França e
Itália, contara que “as cidades antigas, depois dos templos e das fortalezas e
dos muros e dos paços, a coisa em que mais se esmeravam foi em trazer as
fontes das águas por grandes arcos e condutas e canos às suas cidades, como
se vê na cidade onde foi Cartago e na de Roma”.
A verdade, porém, é que as horas que a Nação então vivia sob a
dominação espanhola e continuaria ainda vivendo para além da Restauração,
não eram propícias à realização de projectos de tanta magnitude. E, por isso,
tudo continuou como dantes!...
À roda de 1687, um tal António de Miranda, “homem que tinha
quebrado do seu crédito e se tinha ausentado com receio dos seus credores”,
dirigiu-se a el-rei D. Pedro II um requerimento em que se propunha levar
ao Bairro Alto a água que lhe indicassem, por meio de um notável engenho
“que não envolvia alguma dependência de movimento de rodas e excluía
totalmente a necessidade de consertos a miúdo”.
Mandou o Rei que as repartições competentes o informassem sobre
a pretensão, e todas se inclinaram para o deferimento, uma vez que o
requerente se dispunha a fazer a experiência à sua custa, e portanto nada
se pagaria pelo desengano – que se antolhava ser o mais provável desenlace
da aventura. Autorizou-a o soberano, mas nada se sabe da sequência deste
negócio: falhou a tentativa ou não se lhe terá mesmo dado vida?
Em Março de 1699, apareceu outra pessoa que se declarava capaz de
trazer à cidade a quantidade de água que o Senado da Câmara designasse par
ser distribuída nos lugares que ele considerasse mais convenientes. Opinou
o Senado que seriam precisos 40 anéis (cerca de 1100 m3 diários), para se
repartirem por cinco chafarizes e implantar em S. Roque, na Esperança,
em S. Paulo, no Terreiro do Paço e em S. José. Como a satisfação desta
necessidade viesse a custar muito dinheiro, apresentou o interessado uma

176
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

contraproposta, pela qual se comprometia a introduzir na capital apenas


20 anéis, que, durante o prazo de dez anos, seriam por ele vendidos,
ao preço que se convencionasse, nos cinco chafarizes que a Câmara construiria
a expensas suas; e, findo este prazo, ficariam esses 20 anéis de água à livre
disposição do povo, mediante certas estipulações. Tratava-se de um cidadão
francês “sem cabedais e quase desconhecido”, de nome Téophile Dupinaut,
que pensava aproveitar a água da Pimenteira e cuja proposta definitiva veio
a constar de seis pontos que foram objecto de cuidado exame do síndoco
da cidade. O Senado, conformando-se com a opinião manifestada por este
alto funcionário, emitiu parecer favorável, embora com algumas restrições.
Logo o requerente veio com novas exigências, que foram consideradas como
a maneira de se sair bem da empresa em que se metera sem fazer a obra e que
lhe valeram por parte de um dos procuradores da cidade a classificação de
“cavalheiro de indústria”. Seja como for, a proposta não teve concretização
e uma vez mais se desmoronou a esperança de se ver resolvida esta magna
questão.
Quase trinta anos mais tarde, em 1728, surgiu novo messias, na pessoa
de um outro desconhecido, da sua graça António Júlio de la Pomare,
que se oferecia para trazer a Lisboa, “com pouca despesa”, a famigerada
Água Livre. Por aviso de 8 de Julho desse ano, foi ordenado que se pusessem
à disposição do bem-vindo reformador do sistema de abastecimento em
curso as cavalgaduras necessárias para que ele se deslocasse ao local das
nascentes na companhia dos medidores que o Senado lhe emprestava,
de maneira a facilitar-lhe a elaboração do orçamento da obra. Mas o
resultado final foi o mesmo do que das anteriores tentativas, talvez com o
único mérito de se terem outra vez posto em foco os recursos hídricos da
região de Carenque.»133

Foto n.º 17 – O aqueduto de Lisboa, sobre a ribeira de Alcântara.

133 Id. Ibid, pp. 17-18.

177
Família Teixeira de Queiroz

Luís Leite Pinto dividiu em quatro as fases principais da


companhia, “perfeitamente delimitadas”:

1ª Fase - “Dos primórdios da Nacionalidade ao reinado de D. João V, os


habitantes abastecem-se de água de cisternas, de poços ou de fontes, onde
têm de a ir procurar (era do chafariz de El-Rei);
2ª Fase - Do segundo quartel do século XVIII aos meados do século
seguinte, passa a água a ser aduzida dos arredores da cidade (região de
Caneças e Belas) e continua a ser tirada dos chafarizes distribuídos por toda
a área da cidade (era do aqueduto das Águas Livres);
3ª Fase - A partir do reinado de D. Pedro V e com a criação das
companhias concessionárias, inaugura-se a época da distribuição por
encanamentos que levam a água directamente ao domicílio do consumidor,
ao mesmo tempo que surge a necessidade de ir captar aos Olhos-d´ Água do
rio Alviela, a cerca de 120 km de distância, um muito maior caudal (era do
canal do Alviela);
4ª Fase - Com a outorga do contrato de 31 de Dezembro de 1932, inicia-
se o aproveitamento, primeiro, das águas aluvionárias do vale do Tejo e,
depois, das próprias águas superficiais deste rio, o que obriga à construção
de um novo adutor, com cerca de 60 km de comprimento (era do canal do
Tejo).”134

O tempo e a acção de Teixeira de Queiroz, situa-se na terceira fase,


conforme a seguir se verá.
Francisco Teixeira de Queiroz, foi eleito na Assembleia-Geral
de 31 de Julho de 1896, Vogal Suplente na Direcção da CAL, tendo
passado a Vogal Efectivo, substituindo o Vogal e Director Delegado
Frederico Resssano Garcia. Na CAL, entre 1893 e 1963, a Direcção era
composta por cinco vogais (Presidente, Vice-Presidente e 3 vogais),
mas a principal responsabilidade na empresa e na sua relação com o
Governo Português, pela razão de empresa concessionária do serviço
de abastecimento de água a Lisboa e região, era o vogal eleito Diretor
Delegado e não o Presidente da Direcção.
Na Assembleia-Geral e 16 de Junho de 1898 é eleito novamente
Vogal Suplente e foi eleito para substituir o Presidente da Direcção,
João Anastácio de Carvalho, aquando da sua morte em 29 de Dezembro
de 1898.

134 Op. Cit, p. 12.

178
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Em 30 de Abril de 1900, na correspondente Assembleia-Geral,


é eleito como Vogal Efectivo da Direcção. Vai continuar como Vogal
Efectivo nas Assembleias-Gerais seguintes, de 30 de Abril de 1902,
30 de Abril de 1904, 30 de Abril de 1906, 30 de Abril de 1908, 30 de
Abril de 1910, 29 de Abril de 1912, 30 de Abril de 1914 e 28 de Abril
de 1916. A partir de 1 de Maio de 1916, deixa de desempenhar o cargo
de Vogal Efectivo de Direcção, por razões de saúde, sendo substituído
por Carlos Augusto Pereira135, seu genro, deixando assim de ser
oficialmente membro da Direcção, já não sendo eleito na Assembleia-
Geral seguinte em 29 de Abril de 1918. Faleceu pouco tempo depois.
A família continuou na Administração da Empresa, para além do
genro Carlos Augusto Pereira, principalmente, que perdurou no tempo
através dos seus descendentes, também com o genro Eugénio Pereira
de Castro Caldas.
Relativamente às posições de Francisco Teixeira de Queiroz e de
sua mulher D.ª Theresa de Oliveira David de Queiroz, iniciam-se em
1878 e vão até à sua morte em 1919, seguindo com os descendentes.
Durante o período da sua “governação” entre 1896 e 1916,
divulgam-se alguns registos, através da leitura de actas e do estudo de
Luís Leite Pinto:

“No principio de 1897 foi chamado a fazer parte do Ministério o


director Conselheiro Frederico Ressano Garcia, pelo que, em 3 de Março,
tomou o seu lugar, na conformidade dos estatutos, o suplente mais votado,
Dr. Francisco Teixeira de Queiroz.”136

Em 18 de Julho de 1898 foi lavrada no Gabinete do Ministro das


Obras Públicas, Augusto José da Cunha, pelo secretário-geral do
Ministério, Conselheiro Elvino José de Sousa e Brito, um contrato com
a CAL, para o pagamento de uma divida do governo à CAL, em vinte
e seis prestações semestrais..., permitindo à companhia o plano de
investimento, anteriormente acordado.

135 Carlos Augusto Pereira, foi eleito deputado às Cortes por Viseu em 1906 e 1907, pelo Partido
Regenerador Liberal. Fez parte das Comissões do Comércio. Director do Banco Comercial de
Lisboa de 1901 a 1935.
136 Luís Leite Pinto in Subsídios para a História do Abastecimento de Água à Região de Lisboa, INCM/
EPAL, Lisboa, 1989, p. 226.

179
Família Teixeira de Queiroz

Em 1899 ultimou-se a construção do novo compartimento do


reservatório do Pombal, de uma capacidade de 6300m3.
No decurso do ano de 1900 prosseguiram, finalmente, as obras
de acabamento do compartimento de oeste do grande reservatório de
Campo de Ourique.
A rede de distribuição continuou a ser ampliada, atingindo em
31 de Dezembro a extensão total de 195.623m.
Por Portaria de 30 de Setembro foi aprovado o projecto que a
direcção submetera à apreciação do Governo para a construção de um
reservatório no Alto de S. Jerónimo com a capacidade de 4500m3.
No ano de 1903 a direcção resolveu o problema já antigo, da
necessidade de comprar um edifício maior para a instalação da
Direcção e serviços da companhia. Foi adquirido um prédio na Av. da
Liberdade, onde ainda se encontra a sede da EPAL.
Em 1905 foi decidido em Assembleia-Geral no dia 29 de Abril,
foi nomeada uma comissão encarregada de estudar, a reforma
dos estatutos, tornando-os mais consentâneos com o estado da
Companhia.
Iniciaram-se no ano de 1906 os estudos do aproveitamento das
águas do Tejo na ampliação do aprovisionamento de Lisboa.
No fim desse ano de 1907 estava pronto o projecto da estação
elevatória das águas do rio Alviela e do Tejo. Compreendia ela uma
central eléctrica, cujos dínamos seriam accionados por máquinas a
vapor, e previa-se a sua edificação o mais próximo possível do rio, a
fim de facilitar o aprovisionamento em combustível. Completaram-
se também os estudos da elevação das águas tratadas nos filtros dos
Olivais aos reservatórios já existentes ou a constituir na capital.
Em 1910, ano da revolução republicana, a Companhia ressentiu-se
dos distúrbios ocorridos na cidade e pela danosa greve declarada pelo
pessoal operário, facto insólito na vida da empresa.
Ao entrar o ano de 1914, resolveu a direcção mandar proceder à
construção nos terrenos anexos ao reservatório de Campo de Ourique,
de dois edifícios destinados às instalações definitivas das oficinas e do
depósito geral de materiais.
Durante o exercício deste mandato e na impossibilidade do
Dr. Teixeira de Queiroz ocupar o seu cargo, foi substituído pelo

180
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

suplente mais votado Carlos Augusto Pereira, seu genro, casado com
Cecília Teixeira de Queiroz.
O exercício de 1915, continuou a ressentir-se dos efeitos da guerra
europeia.
Por novo impedimento do director Teixeira de Queiroz, nomeado
Ministro dos Negócios Estrangeiros, voltou a prestar serviço o suplente
mais votado, Carlos Augusto Pereira.
Em 1919 faleceram o Dr. Francisco Teixeira de Queiroz, a 22
de Julho e o conselheiro Severiano Augusto da Fonseca Monteiro,
a 14 de Outubro, dois directores que à empresa tinham prestado os
mais distintos serviços.
Francisco Teixeira de Queiroz retirara-se do exercício activo do
cargo a partir de 1 de Maio de 1916 e fora desde então substituído pelo
seu genro, Carlos Augusto Pereira. Carlos Pereira passou a ocupar,
a titulo definitivo o lugar que vinha exercendo, sendo imediatamente
escolhido pelos colegas para o posto vago de diretor-delegado, no qual
granjearia, com a maior justiça, o renome de administrador de altíssimo
mérito. Veio a suceder-lhe na Direcção o seu filho Pedro Teixeira de
Queiroz Pereira, que por enorme consideração pelo seu avô, deixou
um importante património à Misericórdia dos Arcos de Valdevez.
Segue-se, em breve resumo da história da Companhia, que a atrás
referida EPAL, tem a sua origem na Companhia de Águas de Lisboa
(CAL), fundada em 1868. Esta substituíra uma outra com a mesma
designação a qual fora criada em 1857, mas que acabaria por perder a
concessão do abastecimento de água à capital, já que fora incapaz de,
ao contrário do que se propusera aumentar o volume das águas do
Aqueduto das Águas Livres.

«Após o 25 de Abril de 1974 a CAL, viria a ser convertida na


EPAL, sendo então a primeira acusada de não ter sido capaz de fazer
corresponder o sistema de abastecimento de água à região de Lisboa às
necessidades da população. Esta incapacidade foi imputada ao facto de
a Companhia não ter procedido à construção do adutor Vila Franca Xira
– Telheiras (cujo concurso havia sido aberto em 1972) e aos trabalhos
e estudos necessários ao reforço do abastecimento de água à região de
Lisboa, quer através do aumento da capacidade da captação de água
no Tejo quer através da captação de águas do Zêzere. Invocou-se ainda
como argumento a herança de uma “empresa de estruturas envelhecidas

181
Família Teixeira de Queiroz

e manifestamente inadequadas” ao seu objectivo, para além do “avultado


peso dos encargos financeiros”.
Efectivamente, nesta década de 1920, o consumo médio diário de
água por lisboeta não ultrapassava os 22 litros, enquanto que nos países
mais desenvolvidos chegava a atingir os 150 litros. E mesmo assim a água
consumida estava usualmente inquinada, “acusando um quantitativo de
colibacilos por toda a parte considerado como exagerado e inadmissível,
ainda mesmo tratando-se de águas de superfície”. Foi por esta altura que
se começaram a tratar as águas através do método da cloragem, não sem os
protesto da população, que reclamava contra o gosto da água. Na década de
1930 este método de tratamento da água generalizou-se, conduzindo a uma
diminuição da taxa de mortalidade.
O abastecimento de água à cidade de Lisboa melhorou
consideravelmente depois do novo contrato de 1932, celebrado entre
o Governo e a CAL de acordo com as bases definidas no decreto n.º 21
879, de 18 de Novembro desse ano. Era então ministro o voluntarioso
engenheiro Duarte Pacheco, o qual, no preâmbulo deste Decreto, chegou
mesmo a admitir resgatar a concessão, embora, como aí se diz, preferisse
tentar resolver o problema através de um novo contrato com a CAL.
No entanto, para que tal se concretizasse a Companhia teria que aceitar
integralmente as bases que o Governo lhe propunha – o que de facto
veio a acontecer. Nestas bases contratuais, que reservavam o aumento de
capital accionista para portugueses, estabeleceu-se um plano de realização
de obras divido em quatro fases: 1)” obras e instalações necessárias para,
captando e elevando a água do Tejo na Boa Vista, e lançando-a, depois de
depuração parcial por processos mecânicos, no canal do Alviela, próximo
de Alcanhões, poder utilizar-se toda a secção de vazão deste canal” –
estas obras deveriam estar concluídas até 30 de Junho de 1933; 2) “obras
e instalações necessárias para captar, elevar e canalizar mais de 80 000
metros cúbicos de água, por dia, para abastecer Lisboa, a zona de trajecto
do canal e a zona suburbana, e a ampliação e melhoria convenientes da
rede de distribuição da cidade”. Para este efeito havia que juntar as águas
do Tejo às águas do Zêzere, através da construção de um dique represa
– estas obras tinham de ser acabadas até 1936; 3) “obras necessárias para
trazer do Zêzere em canal próprio e lançar no canal do Tejo mais de 55
000 metros cúbicos de água por dia”; 4) “obras necessárias para trazer do
Zêzere noutro canal independente e lançar no canal do Tejo mais 50 000
metros cúbicos de água por dia” – a execução destas duas últimas fases
não podia exceder três anos. No final desse mês de Dezembro, é então
outorgado o contrato, com qual se inicia o aproveitamento das águas do
Tejo e se consagra uma maior interferência do Estado na CAL, decorre
da fixação, quer deste plano de obras para o reforço das origens quer da
obrigatoriedade de proceder à filtração e depuração antes da distribuição.
Muito à maneira de Duarte Pacheco, o Decreto n.º 22 181, de 3 de Fevereiro
de 1933, vai criar a Comissão de Fiscalização de Obras de Abastecimento

182
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

de Água à Cidade de Lisboa, organismo delegado do Ministério das


Obras Públicas e Comunicações, destinado a exercer a fiscalização técnica
e administrativa das obras e a elaborar os projectos de obras a fazer por
iniciativa do Governo. A referida comissão de fiscalização seria constituída
por três engenheiros e um comercialista, todos nomeados pelo ministro,
ficando a resolução das questões de carácter técnico que surgissem entre
esta Comissão e a CAL a cargo do próprio ministro.
É então na sequência do contrato de 1932 que se dá início às obras
para “aumentar os caudais captados, modernizar as aduções, alargar a
rede de distribuição e melhorar as condições de armazenamento e elevação
e tratamento das águas”; se duplicam os sifões de Alviela, e se começa,
em 1935, a construção do Aqueduto do Tejo. Este aqueduto, alimentado
por águas aluvionárias captadas da bacia hidrográfica do Tejo, entrou
em funcionamento em 1940, transportando as águas desde Azambuja
aos Olivais, onde uma estação elevatória conduzia a água às redes de
distribuição. A partir de então a rede de abastecimento de água em Lisboa
foi alargada aos concelhos de Oeiras, Cascais, Azambuja, Vila Franca, Sintra
e Loures.
Mesmo assim havia ainda muito a fazer. Para se ter uma ideia do
empenho das autoridades na solução do problema do abastecimento de
água às populações, atente-se em dois ofícios da Caixa Geral de Depósitos ao
Governo: o primeiro, de 30 de Agosto de 1945, informa que a verba prevista
para os empréstimos destinados ao abastecimento de água representava
40% da totalidade da dívida dos corpos administrativos à Caixa; o segundo,
de meados de 1952, informava, por um lado, que os empréstimos utilizados
para abastecimento de água às populações ascendiam a 208 132 351$78, valor
muito superior à verba prevista no Decreto-Lei n.º 33 863, de 15 de Agosto
de 1944, que era de 150 000 000$00, e por outro, que a estes montantes havia
ainda que somar os empréstimos concedidos à Companhia de Águas de
Lisboa.
Se o Decreto-Lei n.º 31 461, de 11 de Agosto de 1941, substituiu todos
os contratos e disposições que regulavam as relações do Estado com a
Companhia das Águas de Lisboa por um contrato único (determinado
embora que a concessão caducaria a 30 de outubro de 1974), e se os Decretos-
Lei n.º 38 665, de 4 de Março de 1952, e n.º 41 354, de 9 de Novembro de
1957, voltam a reformular as bases do contrato celebrado entre o Estado e
a CAL, não são substanciais as alterações feitas ao contrato de 1932, o qual
conseguiu, efectivamente, contribuir significativamente para a resolução do
problema da falta de água para o abastecimento da capital.
É de assinalar, no entanto, o Decreto-Lei n.º 668/73, de 17 de Dezembro,
que estabelecia que finda a concessão o serviço público de abastecimento
de água seria explorado por uma empresa pública. Para que a transição se
fizesse sem sobressaltos, o decreto redefinia as incumbências da Comissão
de Fiscalização das Águas de Lisboa: acompanhamento da gestão do
serviço público e cooperação com a CAL nos assuntos relacionados com

183
Família Teixeira de Queiroz

a transferência da concessão. Para este efeito, os membros da comissão


eram autorizados a assistir às reuniões dos corpos gerentes da CAL e a
obter deles todas as informações e esclarecimentos sobre a organização e
actividade da empresa. A Comissão ficava obrigada a dar conhecimento
ao Ministro das Obras Públicas das diligências efectuadas no desempenho
das suas funções; a propor medidas para que a transferência do serviço se
realizasse nas melhores condições; e a estudar o modo de integrar o pessoal
da CAL na empresa pública a constituir. Competia também à Comissão
“aproveitar todos os estudos e projectos realizados com vista a melhorar
o serviço de abastecimento de água na região de Lisboa, bem como
orientar a elaboração dos planos de desenvolvimento do referido serviço”.
A comissão ficava ainda obrigada a exercer a administração efectiva dos
bens e serviços abrangidos pela concessão “no caso de esta se extinguir
antes de constituída a empresa pública”. O que, como se verá, veio mesmo
a acontecer.
No dia 21 de Maio de 1974, pouco tempo depois do 25 de Abril, a sede
da Companhia de Águas de Lisboa foi ocupada.
O Decreto-Lei n.º 190/81, de 4 de Julho, promulga finalmente os
estatutos da EPAL e determina uma alteração na sua designação: de Empresa
Pública das Águas de Lisboa passa a Empresa Pública das Águas Livres,
para que o seu objecto social – captação, adução e tratamento de água,
sua distribuição domiciliária no município de Lisboa, e seu fornecimento a
outros municípios que pertenciam a área de abastecimento da EPAL – não
se circunscrevesse à cidade de Lisboa. Em 1991, o decreto-lei n.º 230/91,
de 21 de Junho, transforma a EPAL – Empresa Portuguesa das Águas de
Lisboa, SA, numa sociedade anónima de capitais públicos e em 1993 foi
integrada na AdP – Águas de Portugal.»137

3.3.2 – Companhia Real dos Caminhos de Ferro

Francisco Teixeira de Queiroz foi accionista elegível para a Direcção


da Companhia Real dos Caminho de Ferro.
Fez parte dos diversos órgãos da Companhia, nomeadamente da
Assembleia-Geral, do Conselho Fiscal e do Conselho de Administração,
documentados em actas da empresa, conforme a seguir se verá, a partir
da referenciada terceira fase, iniciada 1891.

137 “Águas Livres”, Edição Especial, EPAL 140 anos 1868-2008, Abril de 2008, pp. 3, 4, 5.

184
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Foto n.º 18 – Título de acção da Companhia Real dos Caminhos de Ferro.

Cronologicamente a história dos caminhos de ferro em Portugal


inicia-se em 19 de Dezembro 1844, com a fundação da Companhia das
Obras Públicas de Portugal, criada com o objectivo de promover os
estudos para construção do caminho de ferro.
Em 30 de Agosto de 1852 é criado o Ministério das Obras Públicas,
Comércio e Indústria, que por decreto autoriza o governo a construir
um caminho, que partindo do Porto, vá entroncar com a linha férrea
de Lisboa à fronteira de Espanha, denominada “Caminho de Ferro do
Norte”.
O Eng. Thomas Rumball, da Companhia Peninsular dos Caminhos
de Ferro em Portugal, apresenta um relatório sobre o levantamento da
planta da linha do caminho de ferro entre Lisboa e Santarém.
Em 13 de Maio de1853 é feito um contrato entre o governo e Hardy
Hislop, Director e representante da Companhia Central Peninsular
dos Caminhos de Ferro em Portugal, para a construção do caminho de
ferro de Lisboa à fronteira de Espanha, passando por Santarém.
Quase um ano depois, em 24 de Julho de 1854, faz o governo um
contrato, com os Pares do Reino, Marquês de Ficalho e José Maria

185
Família Teixeira de Queiroz

Eugénio de Almeida, em representação de uma sociedade, para a


construção do caminho de ferro de Aldeia Galega (Montijo), pela qual
foi Francisco Teixeira de Queiroz eleito deputado em 1893 e em 1911,
e Vendas Novas. Um mês depois é feito contrato adicional, para ligar o
Tejo e o Sado, entre o Barreiro e Setúbal.
Em Setembro de 1854 e Agosto de 1855, são aprovados pelo
Governo, o Regulamento da Companhia Central Peninsular,
os Estatutos da Companhia Nacional de Caminhos de Ferro ao Sul
do Tejo e surge pela primeira vez o nome da Companhia Real dos
Caminhos de Ferro, na qual Francisco Teixeira de Queiroz exerceu
funções de Director entre 17 de Maio de 1892 e 9 de Novembro de 1893,
para além de outros cargos na Assembleia-Geral e Conselho Fiscal,
num período muito mais alargado.
Em 28 de Outubro de 1856, abre à exploração pública o troço entre
Lisboa e o Carregado, na linha do Leste, em bitola de 1,44 m e aqui se
inaugura o caminho de ferro em Portugal.
Em 9 de Julho de 1857, o governo decreta dissolver a Companhia
Central Peninsular do Caminho de Ferro em Portugal.
Três semanas depois, abre o troço entre o Carregado e as Virtudes.
Em 30 de Julho de 1859, o governo pública o decreto que abre o
concurso para a continuação da construção e exploração do Caminho
de Ferro de Norte e Leste.
Em 14 de Setembro de 1859, faz o governo um contrato com D. José
de Salamanca para a construção e exploração do Caminho de Ferro de
Norte e Leste.
D. José de Salamanca y Mayol, foi banqueiro, nascido em Málaga
em 1811, tendo seguido para a actividade empresarial ferroviária,
participando no seu financiamento.
Em 22 de Dezembro de 1859, aprova o governo os Estatutos da
Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses, liderado por
José de Salamanca.
Em Maio de 1860, realiza-se em Paris a primeira Assembleia-Geral
de Accionistas da Companhia Real, tendo ficado decidido ser Société
Général de Credit Industrielle o banco da empresa. Três meses mais
tarde realiza-se a primeira Assembleia-Geral em Lisboa e um mês
depois, em 13 de Outubro de 1860, foi realizada a escritura de cessão

186
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

e trespasse das linhas de Leste e do Norte pelo concessionário D. José


de Salamanca à Companhia Real dos Caminhos de Ferros Portugueses.
Aqui termina a Primeira Fase dos caminhos de ferro no país,
bastante conturbada, e começa a empresa que irá terminar na actual
empresa pública, Caminhos de Ferro de Portugal, CP.
A Segunda Fase, assim considerada, começa com a acção da
Companhia Real dos Caminhos de Ferro e vai até à crise financeira
de 1891. Sendo a principal companhia, existiam no entanto outras, de
menor dimensão a construir e explorar outras linhas.
Em 1 de Fevereiro de 1861, dá-se a abertura à exploração pública
do troço entre o Barreiro e Venda Novas na Linha do Sul e também a
abertura da exploração pública do troço entre Pinhal Novo e Setúbal
na Linha do Sado.
Em 18 de Março de 1861, as acções da Companhia Real, passam
a ser cotadas na Bolsa de Paris, atendendo ao grande financiamento
francês e ao domínio protelado destes conjuntamente com José de
Salamanca. As actas da Direcção, inclusivamente eram escritas em
francês.
Em 7 de Agosto de 1861, o governo toma posse da linha do Sul e
do Ramal de Setúbal.
Em 10 de Novembro de 1862, o Ministério das Obras Públicas,
Comércio e Indústria autoriza a Companhia Real a emitir 25 mil
obrigações de 500 Fr./cada, com o juro de 3% ao ano.
Em 19 de Novembro de 1862, dá-se a abertura provisória à
exploração pública do troço entre Estarreja e Gaia, na linha do Norte.
Em 18 de Fevereiro de 1863 a Companhia Real realiza um novo
empréstimo obrigacionista, de 65.000 obrigações de 500 Fr, com o juro
de 3%.
Em 6 de Abril de 1865, inicia-se a arbitragem entre o empreiteiro
geral de construção das linhas do Norte e Leste, José de Salamanca e a
Companhia Real, presidida pelo francês Eng. Talabot.
Refere-se que D. José de Salamanca, como concessionário das
Linhas do Norte e Leste, fez um trespasse à Companhia Real, que
fundou, ficando como empreiteiro geral da construção e a possibilidade,
querendo, de nomear o Conselho de Administração da Companhia, por
um prazo de cinco anos, ficando numa posição de domínio na empresa.

187
Família Teixeira de Queiroz

Em 1 de Maio de 1865, é inaugurada a estação principal de caminho


de ferro do leste e norte, a Estação de Santa Apolónia.
Em 27 de Novembro de 1865, é assinado o contrato entre José
Salamanca e o Governo, para a construção de 5.ª secção, Gaia – Porto,
da linha do Norte.
Em 27 de Abril de 1866, Portugal e Espanha assinam um tratado de
livre-trânsito pelos caminhos de ferro.
Em 2 de Julho de 1867 é autorizada a construção e exploração das
linhas férreas do Porto a Braga e à fronteira da Galiza e do Porto ao
Pinhão, pelo governo.
Em 12 de Março de 1869, o Governo toma posse administrativa
dos Caminhos de Ferro do Sul e Sueste, o que se considera como a
origem dos Caminhos de Ferro do Estado.
Em 1871, são concedidas ao Duque de Saldanha, licenças para
estabelecer uma linha de caminho de ferro entre Sintra e Lisboa e uma
linha entre Belém e Cascais.
Em 2 de Setembro de 1873, sai uma portaria encarregando a
Companhia dos Caminhos de Ferro do Minho, da construção da
estação do Porto, comum aos Caminhos de Ferro do Norte, do Minho,
e do Douro.
Em 7 de Junho de 1875, sai a portaria aprovando o projecto da 5.ª
secção do Caminho de Ferro do Norte (atravessamento do Rio Douro).
Em 22 de Junho de 1875, a Companhia Real dos Caminhos de
Ferro Portugueses, adjudica a construção da ponte sobre o Douro à
Casa Eiffel et Compagnie.
Em 19 de Abril de 1877, é emitido o decreto, autorizando a
construção e exploração pela Companhia Real, de um Ramal da Linha
de Leste à fronteira espanhola, junto de Cáceres.
Em 21 de Agosto de 1877, é emitido nova portaria autorizando a
emissão de 90.000 obrigações pela Companha Real dos Caminhos de
Ferro Portugueses, para o financiamento do Ramal de Cáceres.
Em 4 de Novembro de 1877, é inaugurada a ponte sobre o Rio
Douro, na linha do Norte.
Em 5 de Novembro de 1877 é aberta à exploração pública do troço
entre Gaia e Campanhã, na linha do Norte.
Em 23 de Junho de 1880, é autorizada a construção de um ramal

188
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

de caminho de ferro de via larga, desde a estação da Campanhã até à


alfândega do Porto.
Nos anos seguintes foram abrindo vários troços de caminhos
de ferro, embora não todos pertencentes à Companhia Real, que era
a companhia responsável por mais de metade da rede ferroviária e
aquela que diz directamente respeito a Francisco Teixeira de Queiroz.
Em 7 de Novembro de 1883 é adjudicada à Companhia Real a linha
da Beira Baixa.
Em 23 de Novembro de 1883, é feito o contrato de concessão da
linha do Oeste, Torres Vedras /Figueira/Alfarelos, à Companhia Real.
Em 25 de Junho de 1885, são aprovados os novos Estatutos da
Companhia Real dos Caminhos de Ferro.
Por esta altura, sentia-se um enorme desconforto, entre os
accionistas nacionais, da Companhia Real dos Caminhos de Ferro
Portugueses, entre os quais já se encontrava Francisco Teixeira de
Queiroz, accionista com posição que lhe permitia ser elegível para a
Direcção, que acabou por originar um protesto enérgico pelo facto de
os accionistas e dirigentes franceses, designados por Comité de Paris,
serem portadores de um poder quase absoluto, com capacidade de
nomeação para todas as estruturas da empresa.
Numa assembleia-geral, accionistas nacionais, já donos de
parte acrescida do capital social da empresa e não reconhecendo
as procurações dos accionistas que não estivessem reconhecidas,
tomaram o poder, elegendo uma nova administração com os
accionistas portugueses, Conde da Foz, Tristão Guedes Correia de
Queiroz, Mariano de Carvalho, Alfredo Bensaúde, Conde Moser e
Carlos Eugénio de Almeida, tendo alterado os estatutos primeiro em
1885 e depois em 1887, retirando todo o poder ao Comité de Paris.
Em 7 de Julho de 1886 é concedido alvará à Companhia Real,
para a construção e exploração de um ramal de Santa Apolónia a São
Domingos de Benfica.
Em 9 de Abril de 1887, é concedido à Companhia Real o ramal de
Cascais a Santa Apolónia e a autorização para a construção e exploração
da linha férrea da cintura de Lisboa.
Em 22 de Setembro de 1887 foram aprovados os novos Estatutos,
atrás referidos, da Companhia Real.

189
Família Teixeira de Queiroz

Foto n.º 19 – Estatutos da Companhia Real dos Caminhos de Ferro.

Em 18 e Janeiro de 1888, é emitida a portaria que autoriza a


construção da linha férrea urbana na cidade do Porto.
Em 17 de Julho de 1888, dá-se a abertura à exploração pública do
troço entre Leiria e Figueira da Foz à exploração pública do troço entre
Leiria e Figueira da Foz, concluindo a linha do Oeste.
Em 11 de Julho de 1890 é inaugurada a estação Central do Rossio.
Com esta obra dá-se o fim da historicamente considerada Segunda Fase
dos caminhos de ferro portugueses. Já aqui o papel da Companhia Real
dos Caminhos de Ferro Portugueses, companhia que detinha mais de
metade das linhas férreas do país, era preponderante neste decisivo
sistema de transportes nacionais.
A Terceira Fase, vai da crise financeira de 1891 até à 1.ª Guerra
Mundial e é a fase em que Francisco Teixeira de Queiroz intervém
na empresa, no Conselho Directivo e depois no Conselho Fiscal,

190
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

sendo aí nomeado várias vezes para intervir no Conselho Directivo


em representação do Conselho Fiscal, mantendo assim intervenção na
Direcção da empresa.
Em 1891, estalou uma grave crise financeira em Portugal.
As reservas do Banco de Portugal esgotaram, vários bancos
suspenderam pagamentos, chegando até a reter as poupanças dos
clientes e em que a Companhia Real dos Caminhos de Ferro, não
escapando à crise geral, revelou a sua desesperada situação financeira
e a sua incapacidade de cumprimento do serviço da dívida.
A administração era composta pelo Conde Cabral, Presidente,
o capitalista Fortunato Chamiço Júnior, os Marqueses da Foz e Fontes
Pereira de Melo, entre vários outros.
Perante esta situação da Companhia Real, o governo, também na
qualidade de financiador da construção de várias linhas férreas, usou o
seu direito de fiscalizador dos sectores administrativos e contabilísticos,
para além dos outros, que para este caso não interessam, através do
Comissário Régio de que disponha na Companhia Real, fez uma
análise profunda da situação, que perante a gravidade dos factos veio a
culminar com a exoneração do Concelho de Administração em exercício.
É de seguida eleito um novo Conselho de Administração, por
aclamação e em unanimidade, presidido pelo Conde de Burnay, tendo
como vogais o Dr. Francisco Teixeira de Queiroz, o Dr. Manuel Castro
Guimarães, o Conselheiro António Maria Pereira, Luís Reis Torgal,
entre outros, e também representantes dos Comités Obrigacionistas
Credores estrangeiros, principalmente franceses.
O novo Conselho Fiscal, fica a ser presidido pelo Marquês Fontes
Pereira de Melo.
A nova direcção, entrou com as funções de recuperação da
Companhia Real, pelo que encetou renegociações com os credores e
com os accionistas de forma a credibilizar novamente empresa.
Na Assembleia-Geral de 16 de Janeiro de 1892, surge na respectiva
acta a nomeação de Francisco Teixeira de Queiroz.138
Estabilizada a Administração, a acção natural da Companhia Real,
continuou.

138 Cf Acta da Assembleia-Geral, pp. 282 a 302.

191
Família Teixeira de Queiroz

Nas actas número 10, 11 e 12, respectivamente, de 17, 19 e 23


de Maio de 1892, está já expressa a sua presença como Director.
Na continuação da actividade directiva da maior empresa industrial
do país, em 21 de Novembro de 1892, Teixeira de Queiroz, que aparece
mais ligado à parte da administração financeira, é citado na acta,

“um que comunica que o Sr. Conselheiro Carrilho lhe solicitou ontem,
a autorização conjunta de uma entrega ao Sr. Reis Torgal em Paris de 1000
francos, o que ele fez; O Sr. Conde de Magalhães já teria abandonado a sala
neste momento. A direcção aprovou excepcionalmente”.

Na acta n.º 67 de 13 de Dezembro de 1892,

“O Dr. Francisco Teixeira de Queiroz, reporta que teria dito


relativamente ao dinheiro a dar à Companhia do Oeste, que ele sempre se
manifestou contrário a dispor do dinheiro da Companhia Real em favor
da do Oeste e inclusivamente numa dos ultimas sessões da Direcção,
a propósito do envio das ultimas 50.000 pesetas, dissera que se a
Companhia do Oeste não der uma garantia sobre o reembolso das
somas entretanto avançadas e doutras solicitadas, que nenhum outro
adiantamento seja feito ao Oeste. No protocolo em questão, vê-se essa
garantia nas subvenções a receber pela Companhia Real do Governo
Espanhol, mas será necessária certificar que essa cedência de direitos
é feita nos termos da Lei espanhola e que se o governo espanhol está
disposto a dar à Companhia Real as subvenções que sucessivamente
foram devidas à Companhia do Oeste. Por outro lado será necessário
saber qual é a importância total das somas solicitadas pelo Oeste e que
elas possam ser levantadas de forma a não ser permitido o pagamento dos
cupões das nossas Obrigações, depois de serem feitos os contratos com os
Obrigacionistas e Credores da Compagnie Royal.
Francisco Teixeira de Queiroz termina, dizendo que pensa ser
indispensável para a boa garantia da Compagnie Royal, que o protocolo em
questão seja incluído no acordo geral a fazer com as Companhias Espanholas
e que o envio de fundos não se realize antes da conclusão da organização da
Companhia.”

Na reunião de 19 de Dezembro de 1892, através da acta n.º 69 do


Livro 2,

“... Pais de Villas Boas acrescenta que o Castro Guimarães, foi nomeado
anteriormente para inutilizar uma porção de acções existentes no Cofre forte
(...) acompanhado de Francisco Teixeira de Queiroz.”

192
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Em 11 de Junho de 1892 é apresentado o programa do concurso para


a construção do edifício da estação central do Porto, terraplanagens,
túneis, muros de suporte e aquedutos.
Na acta n.º 3 de 12 de Janeiro de 1893, Livro 2,

“O Sr. Presidente, Conde de Magalhães, lê uma carta do Dr. Teixeira


de Queiroz, comunicando que não podendo assistir à sessão, lhe dá o seu
voto, limitando no entanto este voto de forma a não autorizar nenhuma
nova entrega de fundos à Companhia do Oeste de Espanha, a não ser que
a garantia que nós solicitamos àquela Companhia nos seja inteiramente
assegurada.”

Na reunião directiva de 26 de Janeiro de 1893, pela acta n.º 7,

“Francisco Teixeira de Queiroz, apresenta o projecto de contrato a


realizar com a Companhia Nacional de Caminhos de Ferro, segundo as
bases aceites pela Comissão, na sua sessão de 19 do corrente, projecto que
é aprovado e deverá ser assinado perante o Notário Público Barcelos de
Lisboa, dia 31.”

Em 6 de Maio de 1893, dá-se a abertura pública do Ramal de


Matosinhos entre a Senhora da Hora e Matosinhos.
Na reunião de 8 de Junho de 1893, acta n.º 41, Livro 2,

“Francisco Teixeira de Queiroz, na sua qualidade de Membro de


Serviço, durante a semana corrente, fez um relatório de conteúdo das
Letras bancárias de Sousa Vasconcelos de 20, 30 e 31 do mês passado e 2, 3
e 5 do mês corrente (...) sobre o substituto do Sr. Marchaud, e do conteúdo
das Letras (...) registadas no Secretariado Geral sob o n.º 2674 do assunto
Duparchy Bartivol.”

A 31 de Julho de 1893, pela acta n.º 53,

“Francisco Teixeira de Queiroz, referiu-se à interpretação do Decreto que


criou a Comissão Administrativa, dizendo que segundo sua maneira de ver,
àquela pertenciam todos os assuntos de administração a questão dos Acordos,
como nós sempre defendemos. Ele dá bastante importância à letra do Banco
Lisboa e Açores, que é sem mau sintoma à página que nós conseguimos
contornar. Ele crê que as palavras de Manuel Castro Guimarães estejam bem
fundamentadas e que consequentemente não poderemos ficar indiferentes.
Termina dizendo que é preciso dar uma resposta ao Banco Lisboa e Açores.”

193
Família Teixeira de Queiroz

Na reunião de 7 de Setembro de 1893, acta n.º 59,

“Francisco Teixeira de Queiroz chama a atenção da comissão sobre a


necessidade de se fazer a construção da passagem da estação de Espinho,
e que o Sr. Director informe sobre as Causas do atraso dessa construção, a
Comissão decide que se deverá dirigir ao Controlo do Governo, insistindo
sobre a aprovação do projecto.”

Em 11 de Novembro de 1893, é nomeada uma nova Comissão


Administrativa para a Companhia Real dos Caminhos de Ferro
Portugueses, após alguma normalização, conseguida pela Direcção de
Francisco Teixeira de Queiroz.
Em 30 de Novembro de 1894, é publicado um alvará, aprovando os
novos Estatutos da Companhia Real.
Em 8 de Novembro de 1896, é feita a abertura à exploração
pública da Linha Urbana do Porto, entre Porto – Campanhã e Porto –
S. Bento.

Foto n.º 20 – Chegada do 1.º Comboio a Estação Provisória do Porto – S. Bento.

Em 23 de Janeiro de 1897, realiza-se contrato entre a Companhia


Real e a Direcção dos Caminhos de Ferro do Minho e Douro, para a
circulação dos comboios da Companhia Real.

194
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Em 15 de Fevereiro de 1900 é aprovado o plano geral das vias


férreas ao norte do Mondego.
Em 19 de Maio de 1902, dá-se a abertura à exploração pública da
2.ª via entre Gaia e Granja, na linha do Norte.
Em 1 de Janeiro de 1906, o serviço Sul Expresso passa a ser
diário.
Entre 1894 e 1910, continuou a panificação financeira e
administrativa, o investimento em linhas aumentou e as receitas
ajudaram a recuperação.
Em 11 de Janeiro de 1911, acontece uma greve nacional dos
ferroviários.
A seguir à implantação da Republica, o Conselho de Administração,
procurou um diálogo profícuo com o novo governo, criando as relações
ideais para a continuidade do rumo traçado.
Caída a Monarquia, caiu também do nome da Companhia a
palavra Real, passando a denominar-se Companhia dos Caminhos de
Ferro Portugueses.
Em 18 de Julho de 1913, é dada a concessão à Câmara de Tomar da
linha férrea de Paialvo a Tomar com ligações à linha do Norte.
Em 22 de Fevereiro de 1914, com uma nova greve, termina o terceiro
período dos Caminhos de Ferros Portugueses e aquele, repetindo, ao
qual Francisco Teixeira de Queiroz esteve mais ligado.
O último e Quarto Período, vem até aos tempos actuais e já não
será referido, por motivos óbvios.
Durante o período em que foi Membro do Conselho Directivo,
Francisco Teixeira de Queiroz, teve inúmeras intervenções e decisões
na administração da empresa, constantes em actas, das quais de forma,
aleatória, citamos algumas, tendo sido traduzidas da língua francesa
em que eram escritas à data.

3.3.3 – Companhia das Lezírias

Francisco Teixeira de Queiroz foi também accionista e membro dos


vários órgãos administrativos desta empresa, inerentes à sua condição
de accionista com posição elegível.

195
Família Teixeira de Queiroz

A Companhia das Lezírias em 1836, com base na Carta de Lei de


16 de Março de 1836, na qual a Rainha D. Maria II, autoriza a venda em
hasta pública das vastas propriedades que compõem as “Lezírias” do
Tejo e Sado e que anteriormente tinham sido, na sua maioria bens da
Igreja, da Coroa ou dotações das Infantas.

Foto n.º 21 – Companhia das Lezirias.

Para arrematar estas terras, constituiu-se a Companhia das Lezírias


do Tejo e do Sado tendo a venda sido efectuada pela quantia de dois
mil contos de réis.139
Geograficamente as lezírias do Ribatejo começam em Salvaterra
de Magos e prolongam-se por Vila Franca de Xira até ao Mar da Palha,
a parte mais larga do estuário do Tejo.
Lezíria designa terrenos fecundados pelos aluviões trazidos pelo
rio e levados pelas marés oceânicas, normalmente com menos de cinco
metros de altitude.

139 Madaleno, Isabel Maria, «Arquivos da Companhia das Lezírias» – Torre do Tombo. “Companhia
das Lezírias” – O Passado e o Presente.

196
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

O interesse por estas terras, altamente produtivas, tem já registo


históricos desde o tempo da sua conquista por D. Afonso Henriques.
Quando da tomada de Santarém, “o Rei partira as terras como tivera
por bem, reservando para si a lezíria de Alcoelha, bem como todas as
outras.”140
Mais tarde D. Dinis, faz avultados investimentos na sua protecção
contra as cheias e incentiva o cultivo das lezírias.
No século XVII, quando D. João IV criou a Casa do Infantado,
para os segundos filhos dos Monarcas, foi criado um núcleo que
agrupou as melhores de todas essas boas terras.

«O mais antigo documento referente às lezírias do Tejo e constante da


quantiosa documentação da Companhia arquivada na Torre do Tombo,
em Lisboa, data de 1744 e intitula-se “Decretos sobre a arrecadação da
fábrica das Lezírias.”
Da sua leitura se infere que as terras agrícolas do rei D. João V na bacia
do Tejo compreendiam propriedades sitas na Valada, Alpeca, Barrocas da
Redinha, Azambuja, Salvaterra, Benavente (Legislação sobre as Lezírias,
1744).
O decreto visava repartir melhor as Terras aráveis e regular a produção,
a tributação, a arrecadação do pão (trigo) ou proveitos obtidos com o seu
cultivo (...). No mesmo sentido será exarado corpo legislativo posterior,
nomeadamente um decreto do Rei D. José I, sob proposta do Conde de
Oeiras (mais tarde Marquês do Pombal), resultante de idênticas queixas
de inobservância de regulamentos e má administração do rendimento do
produto das fábricas das Lezírias (Legislação de 1765). Foi criado nova
legislação sobre as Lezírias em 1815.»141

Desde 1813, circula que a coroa portuguesa estaria interessada


em vender as terras das lezírias do Tejo e do Sado, com o intuito
de novos proprietários trataram adequadamente as propriedades.
As pré-condições necessárias ao sucesso de tal empresa ficam prontas
na década de 1830. «A 18 de Julho de 1834 é decretada a venda dos
Bens Nacionais, que “punha em hasta pública os bens de mão morta
acumulados sob o regime feudal142 – conventos, capelas, comendadorias,

140 Castro, 1971, p. 726.


141 Madaleno, Op. Cit.
142 Esta normativa tornou-se de eficaz aplicação prática a partir do ano de 1820 e, em especial,
com Mouzinho da Silveira (1832), com a integração nos Próprios Nacionais da maioria dos
bens de raiz eclesiásticos. Com efeito, os clérigos e corporações religiosas herdavam com

197
Família Teixeira de Queiroz

bens da coroa, da Patriarcal, da Casa das Rainhas e do Infantado.”143


Neste sentido, a Coroa Portuguesa e o governo de D. Maria II,
dispuseram-se a vender o património fundiário das lezírias, celeiro de
Portugal. Em conformidade a Comissão interina de Crédito Público,
encarregue da venda dos bens em hasta pública, manda proceder à
avaliação detalhada das terras pertencentes aos Almoxarifados da
Coroa, do extinto Infantado, da Casa da Rainha, dos que se achavam
na administração de Sua Majestade e vários bens diversos. Entendeu-
se levar os diversos lotes à praça duma só vez, numa clara tentativa de
evitar o fraccionamento e de manter a identidade destas terras baixas
e mui produtivas.
As primeiras notícias da instituição de uma Companhia a fim de
comprar as terras, surge em 1835, chamada de Lezírias Nacionais do
Tejo e Comporta. A direcção era composta pelo Conde de Farrobo,
do Visconde de Picoas, de José Bento de Araújo, José Xavier Mouzinho
da Silveira e José Pereira Palha, citada em documento de 3 de Setembro
de 1835.
A 13 de Maio de 1836 aparece uma nova proposta, assinada por
Domingos José de Almeida Lima, que anuncia o estabelecimento da
Empresa Social de Compra das Lezírias do Tejo e Sado.
No seguimento destas algo complexas sociedades e participações,
Domingos José de Almeida Lima, homem de leis, virá a juntar-se a
José Bento Araújo, na Empresa Social da Compra das Lezírias do
Tejo e Sado, e será a partir de 13 de Maio de 1836 o representante da
companhia junto do governo da coroa, de que era o terceiro maior
accionista individual.
Será nomeado presidente interino da assembleia-geral da
Companhia e será procurador dos 50 maiores accionistas para os efeitos
legais da constituição da companhia e compra das terras das lezírias.

alguma frequência bens fundiários de seus professos. Data de 1211 (Cortes de Coimbra)
a primeira lei de desamortização e seguira-se numerosa legislação desamortizadora (D. Dinis,
D. Afonso V, D. Manuel, Filipe II) cuja aplicação raramente fora rigorosa, até ao século XIX.
In Serrão, J. Dicionário de História de Portugal, vol. I, 1971, pp. 801-802. Acresce, ainda, e como
causa próxima (30/05/1834), a extinção das ordens religiosas masculinas e nacionalização
dos seus bens. Esta medida foi da responsabilidade do regente D. Pedro (imperador do
Brasil) e do ministro Joaquim António de Aguiar, que ficará conhecido por “mata-frades”.
In Rodrigues, A. S. et al. História de Portugal em Datas. Lisboa: Círculo de leitores, 1994.
143 Companhia das Lezírias, 1994.

198
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Ao todo, 278 cavalheiros e 40 senhoras possuíam acções em seu


nome.

“A adjudicação ultimada em meados de 1836 autorizava a entrega


das Terras da Companhia, na pessoa do Sr. Almeida Lima, como bastante
procurador dos accionistas e nas condições de pagamento por eles propostas
– metade dos 2000 contos de reis pagos até finais de Julho, sendo o restante
amortizado em letras de doze a vinte e quatro meses.”144

Decidido pelos accionistas em Carta de Princípios e depois em


Assembleia-Geral, a administração era composta por uma direcção de
cinco elementos, tendo o primeiro presidente nomeado pelos restantes
sido José Bento de Araújo. A assembleia era composta por 100 maiores
accionistas, presidida por Domingos José de Almeida Lima.
O objectivo principal foi o do aproveitamento económico das
Terras marginais do rio Tejo e do rio Sado.
A Companhia das Lezírias totalizava 48.000 hectares e, dada
a extensão da mesma, foram criadas cinco subadministrações,
reportando à direcção central.
A produtividade da Companhia foi crescendo, em virtude de
investimentos e vê-se no balanço aprovado em Assembleia-Geral
de 1892, que constavam 48:876$790 reis gastos no melhoramento de
montados na rubrica “reparação de cortiça”. Em 1895 semearam o
montado do Poceirão, que 26 anos depois teve a sua primeira tirada
de cortiça.

“Apesar destes sucessos, a 18 de Abril de 1892 é nomeada uma comissão


para propor uma nova emissão de acções, como forma de saldar dividas
contraídas pela Companhia e que estavam a ser cobradas na sequência de
processos judiciais (Comissão 1892). A venda de terras foi imediatamente
colocada de parte pelos accionistas (Proposta de emissão de acções, 1892).
A crise financeira e bancária que se lhe seguiu não foi fácil e muito
difícil para as lezírias.
Estes e outros problemas, levou a que as dificuldades de gestão da
Companhia gerassem alguns conflitos.
Com isto dá-se uma primeira tentativa de liquidação no ano de 1900.
O conflito aparece entre a Comissão Fiscal, que se organizou rapidamente
para assegurar a gestão corrente e a Direcção, por esta pretender vender

144 Companhia das Lezírias, 1994.

199
Família Teixeira de Queiroz

património fundiário. A este junta-se um outro conflito com o Estado,


referente à posse de bens doados por particulares. Os litígios culminam em
1904145 no reinado de D. Carlos, quando o governo pretende a liquidação da
Companhia nas Cortes de 8 de Janeiro.”146

A revolta segue-se-lhe pelos accionistas pois não reconheciam à


Coroa legitimidade para decidir o futuro da Companhia das Lezírias,
cujo património lhes fora vendido no passado, tendo levado a sua
pretensão avante.
As Lezírias continuaram a fazer investimentos, tendo contraído
um novo empréstimo de até 100 contos de reis a todos os accionistas,
destinado a “fazer face ao custo das reparações e reconstruções necessárias, em
razão do tremor de terra (...) e para se poder abreviar a beneficiação dos terrenos
salgados na lezíria de Vila Franca”147
Com novos investimentos, e para os custear, data de 1912 um
pedido de indemnização de 700 contos de reis, dirigido aos Deputados
da Nação, por conta do imposto de fábrica não arrecadado desde 1836,
acrescido de outros débitos e rendas pelo Estado.
Em 1912 aparece nova proposta de alteração estatutária, depois da
de 1858. A alteração mais importante é a de alterar e aumentar o capital
social de 2300 para 3000 contos de reis.
A relação dos accionistas de 1912 dá-nos a informação de um total
de 4600 acções pertencentes a 440 investidores.
A partir daqui Francisco Teixeira de Queiroz já não estaria em
qualquer cargo nos órgãos directivos da Companhia das Lezírias.
No seu percurso pela empresa, Francisco Teixeira de Queiroz
aparece como accionista em 1888, sendo parte constituinte de uma
lista estatutária, na qual constava como accionista elegível para a
Direcção.
Infelizmente, por desaparecimento de parte do espólio da
Companhia das Lezírias, no período em que Francisco Teixeira de
Queiroz ocupou a Direcção da empresa, não é possível assinalar actos
marcantes na gestão da empresa. Por leitura de correspondência
existente nos arquivos da Companhia, há referências a Teixeira de

145 Madaleno, Op. Cit.


146 Companhia das Lezírias do Tejo e do Sado, 1912, p. 6.
147 Companhia das Lezírias do Tejo e do Sado, 1909.

200
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Queiroz como administrador em 1903 e anos seguintes, talvez até 1908.


Daqui para a frente não aparecem registos.
Através do Fundo Teixeira de Queiroz no Museu João de Deus,
cedidos gentilmente pela família de João de Barros, seus descendentes,
encontra-se correspondência do Presidente da Companhia das Lezírias,
Cincinnato da Costa, que o cumprimenta pela sua nomeação para
Ministro dos Negócios Estrangeiros, em Maio de 1915, recordando
com agradecimento o tempo em que tão zelosamente e com dedicação
trabalhou para o mesmo fim, o bem comum dos accionistas.

201
CAPÍTULO 4

GENEALOGIA
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

4.1 – Nota Introdutória

Após alguns anos de investigação da ascendência de Francisco


Teixeira de Queiroz, e da família iniciada, constituída e continuada
em Arcos de Valdevez, por casamento do seu pai José Maria Teixeira
de Queiroz com a arcuense D.ª Antónia Joaquina Pereira Machado,
chegou agora o momento da sua apresentação, através das linhas mais
directas e melhor definidas ao longo dos séculos.
Resulta do trabalho, que Francisco Teixeira de Queiroz descende
simultaneamente, como Teixeira e como Queiroz dos seus dois avós
paternos, António José Teixeira de Queiroz e Angélica Narcisa da Silva
Campellina.
Seguir-se-á a descendência, transversal a todos os filhos, netos
e bisnetos e continuada no herdeiro da Casa de Cortinhas, o seu
filho Paulo Teixeira de Queiroz, com seus filhos, netos e bisnetos,
em consonância com o título deste livro de família.
As informações escritas, encontradas acerca de cada geração,
acompanharão os titulares, para além dos registos de nascimentos,
de casamentos ou de óbitos, tendo sido escolhidas as mais
significativas. Serão feitas considerações, em algumas passagens
geracionais, por se entender serem importantes para ajudar a
compreender omissões, originadas pela passagem dos séculos
e natural crescente escassez de registos, e por isso ficaram mais
difíceis de perceber. Não deixa de se referir no entanto, ser este
um processo dinâmico, que se pretende actualizado, havendo
justificação e matéria para tal.
O modelo adoptado, será centralizado em Francisco Teixeira de
Queiroz, que é designado pelo n.º 1.
Seguir-se-á a linha paterna (A), com o pai José Maria Teixeira de
Queiroz a ser designado por n.º 2.
A geração seguinte, a do avô António José Teixeira de Queiroz e
da avó Angélica Narcisa da Silva Campellina, vai originar duas linhas:
a A1 para a ascendência do avô António José e a A2 para a ascendência
da avó Angélica Narcisa.

205
Família Teixeira de Queiroz

4.2 – Dedução Genealógica Ascendente

1 – Francisco Teixeira de Queiroz, nascido a 3 de Maio de 1848, filho


de José Maria Teixeira de Queiroz e de Antónia Joaquina Pereira
Machado, moradores na Rua da Ponte, freguesia de São Paio da Vila
de Arcos de Valdevez, baptizado na Igreja Paroquial de S. Paio, no
dia 15 de Maio, tendo como padrinhos Francisco Tomás Teixeira de
Queiroz e António Joaquim Pereira Machado, tios. Casou com Teresa
Narcisa de Oliveira David, que adiante seguiremos. Faleceu a 22 de
Julho de 1919.
Fonte: Arquivos Distritais de Viana do Castelo e Lisboa.

A – Ramo Paterno

2 – Pai – José Maria Teixeira de Queiroz, nascido a 20 de Julho de 1817


no concelho de Amares, filho de António José Teixeira de Queiroz e de
Angélica Narcisa da Silva Campellina, casado com Antónia Joaquina
Pereira Machado a 12 de Julho de 1847, na freguesia de São Paio da
Vila de Arcos de Valdevez. Faleceu a 5 de Novembro de 1850, aos 33
anos, tinha Francisco 2 anos de idade.
Fontes: Arquivos Distritais de Braga.

Nota: Da geração dos avôs paternos serão seguidas as duas linhas,


paterna e materna, designados por A1 e A2, respectivamente.

A1 – Ramo paterno de José Maria Teixeira de Queiroz

3 – Avô – António José Teixeira de Queiroz, proprietário, nascido a 6


de Outubro de 1789 no concelho de Amares, filho de Felix Teixeira
de Carvalho e de Jerónima Ferreira. Não se encontrou o óbito, quer
em Amares, quer no Porto, localidades onde tinha residência e onde
nasceram os seus filhos.
Fontes: Arquivo Distrital de Braga.

206
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

4 – Bisavô – Felix Teixeira de Carvalho, Tabelião (notário) e proprietário


em Amares, nascido a 10 de Março de 1743, no concelho de Amares,
filho de António Pereira de Carvalho e de Jerónima Teixeira, casado
com Jerónima Ferreira. Faleceu a 2 de Março de 1820.
Fontes: Arquivo Distrital de Braga. Heróis de Entre Homem e Cávado – Portal de
Genealogia, Geneall.

5 – Trisavó – Jerónima Teixeira, filha de Sebastião Gonçalves e de


Mariana Teixeira, casada com António Pereira de Carvalho a 13 de
Fevereiro de 1742, nascido entre 1712 e 1722, no concelho de Amares,
filho de Filipe Pereira e de Antónia Carvalho.
Fonte: Arquivo Distrital de Braga.

6 – Quarta avó – Mariana Teixeira, nascida em 1677, no concelho de


Amares, filha de António Teixeira de Torres e de Margarida ou Isabel
Pereira, casada com Sebastião Gonçalves a 13 de Setembro de 1693,
nascido em 20 de Janeiro de 1669, no concelho de Amares.
Fonte: Arquivo Distrital de Braga.

7 – Quinto avô – António Teixeira de Torres, militar em Cabeço de


Vide, escrivão e advogado em Amares, nascido em Elvas e baptizado
na Sé de Elvas a 15 de Outubro de 1643, casado com Margarida ou
Isabel Pereira a 18 de Maio de 1666, filho de Claude Teixeira de Latour
e de Isabel Álvares. Faleceu a 18 de Dezembro de 1716.
Fontes: Arquivos Distritais de Braga e Portalegre. Santo Oficio. Heróis de Entre
Homem e Cávado – Portal de Genealogia.

8 – Sexto avô – Claude Teixeira de Latour, tenente de cavalos, francês,


nascido entre 1610 e 1620, filho de João Teixeira e de Godrine Martin
de Latour, casado com Isabel Álvares a 22 de Novembro de 1642,
em Elvas, filha de António de Magalhães, de Braga e de Constança
Mendes, de Elvas.
Fonte: Arquivo Distrital de Portalegre. Santo Oficio.

9 – Sétimo avô – João Teixeira, nascido entre 1580 e 1590, casado com
Godrine Martin de Latour em Bonne ou Bona, França. Esta informação

207
Família Teixeira de Queiroz

é dada pelo filho e registada no seu casamento em Elvas, pelo padre da


igreja matriz nos livros paroquiais.
Fonte: Arquivo Distrital de Portalegre. Santo Oficio.

Nota: Por falta de mais informação, que terá de ser procurada em França
através do casamento de João Teixeira com Godrine Martin de Latour,
pode estimar-se que João Teixeira, viveu e casou em França, para onde
foi de Portugal, cujo nome pronunciado por seu filho Claude Teixeira
de Latour, vindo de França, que como se viu casou em Portugal com
Isabel Álvares, devido à sua pronuncia franco lusitana, levou a que o
seu nome e o do seu pai fossem escritos pelos párocos, quer da igreja,
quer do Santo Oficio, onde correu um processo com o seu filho, fosse
pronunciado e escrito de pelo menos seis formas: Teixeira de forma
predominante, mas também Teixer, Teixier, Texer, Txa e Teixi.er.
O seu neto António Teixeira de Torres, voltou para Amares, onde em
documento se encontra o termo “retirado do Alentejo”, tudo indicando
ter voltado à terra do seu avô João Teixeira, e que pela documentação
existente sobre a sua interacção na sociedade local, pertencer a uma
das famílias tradicionais do concelho de Amares (concelho de Entre
Homem e Cávado à data).
A verdade, é que com a situação de além fronteiras se perdeu o rasto
geracional entre 1580-1590, ficando por aqui esta linha familiar até ver.
Francisco Teixeira de Queiroz é Teixeira também por sua avó Angélica
da Silva Campellina, como adiante se verá.
Fonte: Arquivos Distritais de Portalegre e Braga.

A2 – Ramo Materno de José Maria Teixeira de Queiroz

3 – Avó – Angélica Narcisa da Silva Campellina, nascida a 2 de


Dezembro de 1793 em Amarante, filha de José da Silva Campellina
e de Ana Maria de Sousa, de Amarante, casada com António José
Teixeira de Queiroz, falecida em Amares a 19 de Agosto de 1887.
Foram padrinhos António Teixeira Mendes de Vasconcelos e Queiroz,
Fidalgo da Casa Real e Senhor da Casa de Pascoais e Angélica Narcisa
Felgueiras de Sampayo.
Fonte: Arquivos Distritais de Braga, Porto e Vila Real.

208
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Nota: Francisco Teixeira de Queiroz, pela sua avó paterna, ramo


materno de seu pai, é descendente directo das famílias Silva (Senhores
de Vagos), Teixeira (Senhores da Honra da Teixeira), Vasconcelos,
Cunha (Senhores de Tábua), Feyo de Azevedo, Albuquerque, Sousa
(Senhores de Miranda e Alcaides-mor de Arronches), Pereira e Castro,
as quais seguiremos, como a seguir se verá.
O apelido Queiroz, do qual se perdeu o rasto, facto comum por vezes
durante algumas gerações, aparecendo mais tarde através de algum
dos bisavós ou trisavós, ramo no entanto ainda não investigado em
António José Teixeira de Queiroz, avô de Francisco, à semelhança
de outros casos como a seguir se verá, terá vindo também de
Angélica da Silva Campellina para seu marido António José e seus
descendentes, para a sua continuidade em família. E isto porque
Angélica da Silva tem por ascendente familiar e seu padrinho,
António Teixeira Mendes de Vasconcelos e Queiroz, Senhor da
Casa de Pascoais, que há data do seu baptismo, não tinha qualquer
descendente.
Ora Angélica da Silva, como atrás se referiu e à frente se verá, é também
Teixeira e Vasconcelos, com a mesma ascendência do antepassado e
padrinho e nascida e residente com seus pais na mesma rua - Rua de
S. Pedro da Vila ou Rua da Cadeia – em Amarante. Com António
Teixeira Mendes de Vasconcelos e Queiroz sem descendentes,
a continuidade deste apelido do seu familiar e padrinho, dá-se na
família através do casamento de Angélica. Acontece ainda, que mais
tarde foi António Teixeira Mendes de Vasconcelos e Queiroz pai de
uma filha, natural, que acabou por legitimar, tendo essa filha no
entanto dado seguimento apenas aos apelidos Teixeira e Vasconcelos,
mantendo-se assim o apelido Queiroz somente em Angélica, sendo
continuado nos seus descendentes.
Esta filha legitimada de António Teixeira Mendes de Vasconcelos e
Queiroz foi a Senhora que se seguiu na Casa de Pascoais, origem do
escritor Teixeira de Pascoais (Teixeira de Vasconcelos).
Situação semelhante, embora com outras características, deu-se
também na Casa da Silva, antepassados de Angélica da Silva, através
do casamento em 1556 entre António de Sousa Alcoforado e Maria da
Silva, descendente dos Silvas pela linhagem dos Senhores de Vagos,

209
Família Teixeira de Queiroz

na qual Margarida da Silva, mãe de Maria da Silva, doava a sua


Quinta da Silva à filha e ao genro, em S. Julião do Calendário, Barcelos,
com a condição de a vincularem e instituírem em Morgado, obrigando
por esta cláusula, António de Sousa Alcoforado, marido de Maria da
Silva, a passar a chamar-se António Sousa da Silva148. Fundaram em 1589,
a capela de S. Bento.
Também na Casa de Vila Real, a terceira mais importante do país
a seguir à Casa de Bragança e à Casa Real nos séculos XVI e XVII,
igualmente com características diferentes dos casos anteriores, mas
com final semelhante, “D. Manuel de Menezes, filho segundo dos
3.º Marqueses de Vila Real, D. Pedro de Menezes e D. Brites de Lara,
sua prima co-irmã, sucedeu na Casa de Vila Real...”149. D. Manuel de
Menezes era de seu nome D. Manuel de Noronha, mas ao suceder a
seu irmão, mudou o apelido para Menezes, conforme cláusula imposta
por D. Pedro de Menezes, 1.º Conde de Vila Real, para a sucessão dos
bens vinculados.

4 – Bisavô – José António da Silva Campellina, nascido a 20 de Março de


1761, em Amares, proprietário, filho de Domingos da Silva Campellina
e de Serafina Soares, casado com Anna Maria de Souza a 4 e Maio de
1786, residente em Amarante.
Fonte: Arquivo Distrital de Braga.

5 – Trisavô – Domingos da Silva Campellina, nascido em Amares,


grande proprietário, filho de Manuel da Silva e de Maria Rodrigues de
Távora, casado com Serafina Soares, de Amares.
Fonte: Arquivo Distrital de Braga.

6 – Quarto avô – Manuel da Silva, Senhor da Casa da Vila em Caldelas,


Amares, nascido a 14 de Maio de 1684, filho de Pedro da Silva e de
Isabel Dinis, de Braga.
Fonte: Arquivo Distrital de Braga.

148 Adélio Torres Neiva – A Casa da Silva, cap. 41.


149 Mafalda de Noronha Wagner – A Casa de Vila Real – Edições Colibri.

210
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

7 – Quinto avô – Pedro da Silva, nascido em Vila Verde, grande


proprietário, filho de Geraldo da Silva e de Ana Maria da Rocha
Coutinho, casado com Isabel Dinis, na Igreja de S. Victor em Braga.
Fonte: Arquivo Distrital de Braga.

8 – Sexto avô – Geraldo da Silva, nascido em Vila Verde, Tabelião de


Regalados (notário), proprietário, filho de Afonso Vilela e de D. Isabel
de Bouro (Casa da Silva), nascido em Amares, casado com Ana Maria
da Rocha Coutinho. Afonso Vilela é por sua vez filho de Pero Francisco
Vilela, nascido em 1550, Juiz dos Órfãos em Lisboa e Solicitador dos
Feitos da Alfândega de Lisboa e das Casas da Índia e Mina, e de
Margarida de Oliveira.
Fontes: Arquivo Distrital de Braga. Geneall – Portal de Genealogia.

9 – Sétima avó – D. Isabel de Bouro, nascida em 1600, em Amares, filha


de Tristão Feyo da Cunha (Senhores de Tábua) e de Constança Ferraz
(Casa da Silva), com duas irmãs, Lucrécia da Cunha e Ignácia da Silva.
De Ignácia da Silva, através dos seus descendentes, António Fernandes
da Silva e Manuel Ferreira da Silva Campelo, sobrinhos netos de
Isabel do Bouro, foram passadas Cartas de Brasão de Armas (CBA),
pelo Cartório da Nobreza (Rei de Armas), ao primeiro em 1748, com
registo na Câmara Municipal do Concelho de Amares (Entre Homem
e Cavado) e Câmara Municipal de Ponte da Barca em 1757, concelhos
onde era proprietário, e ao segundo atribuída em 1756, Processo de
Justificação de Nobreza no Masso 1 – N.º 6, Arquivo da Heráldica na
Torre do Tombo, com Justificação da Nobreza até Gaspar da Silva,
Fidalgo da Casa Real, avô de Isabel de Bouro, de Ignácia da Silva e
de Lucrécia da Cunha, tendo os respectivos brasões, Silva no primeiro
quartel e timbre de Silva.
António Fernandes da Silva, um dos sobrinhos netos de Isabel de
Bouro, recebeu a seguinte carta150:

150 Artur Vaz-Osório da Nóbrega, Pedras de Armas e Armas Tumulares do Distrito de Braga,
Vol. III, Assembleia Distrital de Braga, 1973, págs. 194-202. Apresenta-se o extracto, a Carta
vem fotografada por completo nessa Obra. Esta Carta é referida em Brasões Inéditos, pág. 170
e Brasões Inéditos, suplemento, pág. 5.

211
Família Teixeira de Queiroz

«Dom João, (O Quinto) [...]. António Fernandes da Silva da freguezia de


Sam-Payo de Besteiros Concelho de Entre Homem, e Cavado Arcebispado
de Braga [...] filho legitimo de António Fernandes, e de sua molher
Sabina Antunes Irmã inteira do Padre António Antunes da Silva, e os
ditos António Fernandes, e sua molher forão também Pays de Custodio
Fernandes da Silva, e de Domingos da Silva, Neto o supplicante de
Francisco Antunes da Silva digo de Francisco Antunes, e de sua molher
Joanna da Silva Ferreyra. Bisneto de João Ferreyra, e de sua mulher
Joanna da Silva, e esta filha legitima de Domingos Pinheiro, e de sua
molher Maria da Silva, que foy filha de Gaspar da Silva, e de sua molher
Catherina Gonçalves da freguezia da Torre o qual Gaspar da Silva foy
filho de Francisco Affonço, e de sua molher Ignacia da Silva moradores na
dita freguezia da Torre e a dita Ignacia da Silva foy filha de Tristão Feyo
da Cunha, e de sua molher Constança Ferras filha de Gaspar da Silva
Fidalgo de minha caza e de sua molher D. Izabel, moradores que forão na
dita freguezia da Torre [...] Hum escudo partido em pallas, na primeira
as Armas dos Silvas que são em campo de prata hum leão de purpura
armado de azul. Na segunda palla as Armas dos Ferreyras, que são em
campo sanguinho quatro faxas de ouro. Elmo de prata aberto guarnecido
de ouro. Paquife dos metais e cores das Armas. Timbre o dos Silvas,
que he o mesmo leão das Armas, E por differença huã brica azul com hum
crecente de ouro [...]. Rei de Armas Portugal: Manuel Pereira da Silva. Frei
Manuel de Santo António, da Ordem de S. Paulo e reformador do Cartório
da Nobreza, a fez em Lisboa a 23 de Agosto de 1748. Escrivão da Nobreza:
Hilário da Costa Barreiros Teles, Cavaleiro da Casa de Sua Magestade.
Registo no cartório da nobreza: Livro 12.º, fl. 92, - a 24 de Agosto de
1748. Registo no Livro da Câmara do antigo concelho de Entre Homem e
Cavado, fls. 75 e segs., a 2 de Março de 1750. Registo no livro da Câmara de
Ponte da Barca, fls. 147 e segs., a 23 de Abril de 1757.»

Fontes: Arquivo Distrital de Braga, Torre do Tombo, Nuno Borrego – Cartas de Brasão
de Armas.

A geração seguinte, de Tristão Feyo da Cunha (Cunhas, Senhores de


Tábua), ramo paterno de D. Isabel de Bouro, será designada por B1, e
sua mulher Constança Ferraz da Silva (Casa da Silva), ramo materno,
fará a continuação da linha Silva, mantendo a designação A2, como
adiante se verá.

212
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

B1 – Ramo paterno de D.ª Isabel de Bouro (Cunhas, Senhores


de Tábua), 7.ª avó de Francisco

10 – Oitavo avô – Tristão Feyo da Cunha, nascido em Amares, por volta


de 1580, filho de Gil Vaz da Cunha e de Filipa Feyo de Azevedo, filha de
Leonardo Lopes de Azevedo, Fidalgo da Casa Real e Capitão-mor do
Prado, Vila Verde. Esta linha, Feyo de Azevedo, vai até Afonso IX, Rei
de Leão e Castela, sendo nonos avós de Francisco Teixeira de Queiroz.
Fontes: Nobiliários de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo e Abade de Prozelo.
Geneall - Portal de Genealogia.

11 – Nono avô – Gil Vaz da Cunha, nascido em Gestaçô, casou com


Filipa Feyo de Azevedo, morreu na Índia em 1644, filho de Pedro da
Cunha., Senhor de Gestaçô, terras que conjuntamente com as da Honra
da Teixeira, constituem actualmente o concelho de Baião. Foram
também pais de João e Pedro Feyo da Cunha.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

A avó de Francisco Teixeira de Queiroz, Angélica da Silva Campellina,


é como se vê descendente dos Senhores de Gestaçô e também, como
se verá, dos Senhores da Honra da Teixeira, que originou o apelido
Teixeira.

12 – Décimo avô – Pedro da Cunha, Senhor de Gestaçô, nasceu por


volta de 1540, filho de Tristão da Cunha e de Margarida da Silveira.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

13 – Décimo primeiro avô – Tristão da Cunha, Senhor de Gestaçô e


Alcaide-mor de Terena (Alentejo), filho de Pedro da Cunha e de Maria
Henriques.
Fontes: Nobiliários de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo e Abade de Prozelo.
Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca Nacional.

213
Família Teixeira de Queiroz

14 – Décimo segundo avô – Pedro da Cunha, Senhor de Gestaçô, filho


de Nuno da Cunha e de Antónia Paes, casado com Maria de Miranda,
filha de Fernão de Miranda e de Isabel de Mascarenhas.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

15 – Décimo terceiro avô – Nuno da Cunha, Senhor de Gestaçô,


governador da Índia, Comendador de Fonte Arcada na Ordem de
Cristo, Vedor da Fazenda de D. João III, filho de Tristão da Cunha e de
Antónia Pais, casou com Maria da Cunha.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

16 – Décimo quarto avô – Tristão da Cunha, o Navegador, Senhor de


Gestaçô e Panóias (Vila Real), Embaixador de D. Manuel I a Roma,
Navegador que descobriu as ilhas com o seu nome, no Atlântico Sul, e
reconheceu a costa de Madagáscar, filho de Nuno da Cunha, o Velho e
de Catarina de Albuquerque.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

17 – Décimo quinto avô – Nuno da Cunha, O Velho, Chefe da Casa


do Infante D. Fernando, filho do Rei D. Duarte, Alcaide-Mór de
Palmela, Comendador de Aljustrel, na Ordem de Santiago, casado com
Catarina de Albuquerque, filha de Luis Andrade Álvares e de Teresa
de Albuquerque. Foi numa casa sua que El-Rei D. João II apunhalou
seu primo e cunhado D. Diogo, Duque de Viseu.
Nota: De Catarina de Albuquerque, décima quinta avó de Francisco
Teixeira de Queiroz seguiremos a linha de Albuquerque (Senhores e
Condes de Albuquerque), como adiante se verá.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

18 – Décimo sexto avô – João Pereira da Cunha, O Agostim, dos Doze

214
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

de Inglaterra., filho de Gil Vasques da Cunha, casou com Brites de


Vasconcelos, filha de Mem Rodrigues e de Isabel Pereira. Os “Doze
de Inglaterra” foram cantados por Luís Vaz de Camões e o apelido
Agostim, vem de um inglês morto num torneio em Inglaterra.
Nota: De Brites de Vasconcelos, décima sexta avó de Francisco Teixeira
de Queiroz seguiremos a linha Vasconcelos (Senhores de Torre de
Vasconcelos), como adiante se verá.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

19 – Décimo sétimo avô – Gil Vasques da Cunha, Alferes-mor de


D. João I, Senhor de Roade e de Mansilha em Castela, Senhor de Terras
de Basto, da Maia e Armamar, esteve na conquista de Ceuta, filho de
Vasco Martins da Cunha e Leonor Lopes de Albergaria, casou com
Isabel Pereira, filha de D. Álvaro Gonçalves Pereira, Prior do Crato,
e irmã de D. Nuno Álvares Pereira, Mestre de Avis.
Nota: De Isabel Pereira, Décima sétima avó de Francisco Teixeira de
Queiroz, seguiremos a linha Pereira (de D. Nuno Álvares Pereira) e a
linha Teixeira (Senhores da Honra da Teixeira), como adiante se verá.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

20 – Décimo oitavo avô – Vasco Martins da Cunha, 7.º Senhor de


Tábua e Senhor de Angeja, Alcaide de Castro Laboreiro e de Melgaço e
Alcaide-mor de Lisboa, filho de Martim Vasques da Cunha e Violante
Lopes Pacheco, casou com Leonor Lopes de Albergaria.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

21 – Décimo nono avô – Martim Vasques da Cunha, 6.º Senhor de Tábua,


Alcaíde de Lamego, filho de Vasco Martins da Cunha e de Senhorinha
Fernandes de Chacim, casou com Violante Lopes Pacheco.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

215
Família Teixeira de Queiroz

22 – Vigésimo avô – Vasco Martins da Cunha, 5.º Senhor de Tábua, filho


de Martim Vasques da Cunha e de Joana Rodrigues de Nomães, casou
como Senhorinha Fernandes de Chacim, filha de Gonçalves Chancino
e de Mayor Afonso de Cambra. Vai a ascendência de Gonçalves
Chancino até D. Ramiro II, Rei de Leão.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. B Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

23 – Vigésimo primeiro avô – Martim Vasques da Cunha, 4.º Senhor


de Tábua, Senhor e Alcaide-mor de Celorico da Beira, Senhor de
Pombeiro, Angeja e Bemposta, filho de Vasco Lourenço da Cunha e de
Teresa Pires.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

24 – Vigésimo segundo avô – Vasco Lourenço da Cunha, 2.º Senhor de


Tábua, filho de Lourenço Fernandes da Cunha e de Sancha Lourenço
de Maceira.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

25 – Vigésimo terceiro avô – Lourenço Fernandes da Cunha, Senhor


da Cunha, a Velha, filho de Fernão Paes da Cunha e de Mayor
Rendufes.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

26 – Vigésimo quarto avô – Fernão Paes da Cunha, 1.º Senhor de Tábua


e Senhor da Torre da Cunha, filho de D. Payo Guterres e de Orlanda
Trastamires, casou com Mayor Rendufes.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

216
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

27 – Vigésimo quinto avô - Payo Guterres, veio com o seu pai da


Gasconha, na companhia do Conde D. Henrique de Borgonha,
esteve na batalha de Ourique e na Tomada de Lisboa, com D. Afonso
Henriques, filho de D. Gutierre.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

28 – Vigésimo sexto avô - D. Gutierre, natural da Gasconha, Rico-


Homem, veio para o Condado Portucalense com o Conde D. Henrique
de Borgonha, pai de D. Afonso Henriques, 1.º Rei de Portugal.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas de Manuel A. Pedrosa, Felgueiras Gayo
e Abade de Prozelo. Geneall - Portal de Genealogia. Cunhas de Tábua - Biblioteca
Nacional.

A2 – Retorno a A2 – Ramo materno de D. Isabel de Bouro (Casa


da Silva), 7.ª avó de Francisco

Ramo materno de Constança Ferraz da Silva (Casa da Silva), mãe de


D. Isabel de Bouro, para a continuidade da linha Silva, de Angélica
Narcisa da Silva Campellina, avó de Francisco Teixeira de Queiroz.
10 – Oitava avó – Constança Ferraz da Silva (Casa da Silva), nasceu em
Amares, filha de Gaspar da Silva, Fidalgo da Casa Real e de D.ª Isabel
de Belmonte, casou com Tristão Feyo da Cunha (Cunhas B1).
Fontes: Arquivo Distrital de Braga, Inquirição de Génere, Torre do Tombo, Geneall -
Portal de Genealogia.

11 – Nono avô – Gaspar da Silva, Fidalgo da Casa Real, nascido entre


1490 e 1500, filho de Maria da Silva e de Diogo Lopes de Sousa.
Foram Gaspar da Silva e D. Isabel de Belmonte, para além de Constança
Ferraz, pais de Mecya da Silva, que casou com João Roiz Colaço, de
Branca Azevedo, casou com Albro Rabelo, de Gaspar da Silva (filho),
Senhor da Casa do Assento, Dornelas, Amares, Contador e Inquiridor
Real dos Concelhos de Vila Chã e Larim, de Francisco da Silva e de
Baltazar da Silva.

217
Família Teixeira de Queiroz

Por interesse histórico familiar, apresenta-se uma escritura realizada


entre irmãos, de 1573, relativa à constituição do dote de Branca de
Azevedo, para o seu casamento:
“Saibam quantos este estromento de dote he casamento virem que
o ano do nascimento de nosso Senhor Jeshu Cristo de myl he quinhentos
he setenta he tres anos aos nove dias do mês de Setembro do dito ano em
fomte de gouuda que he da freguezia de Sam vycemte deste concelho de
Regualados peramte my tabeliam he testimunhas todo ao diante nomeados
pareceo Mecya da Sylva mulher de Joam Rodrigues Colaço moradora na
dita freguezia he concelho he por ela foy dito que ela niguoceara he hatara
casar sua irmã bramqua d`azevedo com albru Rabelo morador diguo filho
do senhor bras Rabelo morador em Lamoso da freguezia de Sam Tiaguo
de Caldelas do concelho d´antre omem he cavado que presemte estava he
que casamdo ele albro Rabelo com a dita sua irmã bramqua d`Azevedo he
Recebemdo a porta da Igreja por palabras de presente segundo forma do
Sagrado conmcylyho elha lhe daria em dote e casamento a saber: huum
casal que se chama de alvarinha he asy huum casal de Samta ovaya ambos
sytos na freguezia de Sam Salvador de Famzeres do termo da cidade do
porto ho qual casal de Samta ovaya disse que ate aguora fora de albro
veloso cidadam da cidade de bragua tiho dela bramqua d`Azevedo que
he sua sobrinha he ho casal de alvarinha e de guaspar da Sylva, fidalgo,
pay dela bramqua d`Azevedo os quas dous casais os quas lhe da em cemto
he cymquoenta mil reis os quas seram avaliados e valemdo mays dos ditos
cemto he cymquoemta myl reis hos levaram em comta eles no yvos ho que
mays valerem pera ho comprymento dos dozentos mil reis que lhe da em
casamento he não valemdo as ditas casas os ditos cemto he cimquoenta mil
reis e loguo pareceram de presentes perante my tabalian he testimunhas
a Senhora Constamça Ferraz dona viva moradora na freguezia de nossa
Senhora da torre do concelho d `antre homem he cavado he guaspar da
Sylva o novo e baltesar da Sylva irmaos da dita bramqua d `Azevedo e filhos
de guaspar da Sylva deste concelho he disseram que eles se hobriguavam
por suas pessoas eles movies he de Raiz havidos e por haver he a terrem
hos ditos duzentos mil reis que prometia a dita sua yrmam não ho valendo
hos ditos casais pera ho que fiquavam por fiadores e prymcipas paguadores
os quais casais seram avaluados por dous omens huum per quada parte
he sy tiverem diferemças tomaram huum terceyro he naquylo em que os
puserem ele seia hobriguado a tomar hos ditos casays no que for empostos
he aquilo a que não cheguarem pera comprymento dos ditos duzentos myl
reis se hobryguaram como hobryguado tinham a lhe paguarem quada ano
por quada mil reis he na medida de pam meado e se descomtara da comtia
que faltar pera os duzentos mil reis he a dita constamça ferraz hobrigou
sua a metade he ho terço de sua alma he renunciaram todos pera comtia
dizen este estromento de dote he fiamça todas leys e ordenaços he pryvilejos
he de tempos que por suas partes aleguar posam princypalmente ally que

218
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

faça em favor das molheres viuvas he pesoas mysaraves e decrarou mais


a dita costamça ferraz atras declarada que ela se hobriguava como fiadora
e querendo seu pay guaspar da Silva larguuar ho rymdimento da casa do
porto acima nomeado ela se hobriguava novamente por sua pessoa he bês
como dito he ha metade he terço ho dar aos ditos noyvos ho rimdimento do
dito casal emquamto lho não larguarem tamto que tiver a sua molher em
seu poder he não querendo guaspar da sylva larguar ho casal de alvarinha
atras declarado aos ditos noyvos pareceo outro sy perante mym tabaliam he
testemunhas Gaspar da sylva morador em Sam myguel de fisqual do concelho
dantre homem he cavado [...] eu francisco barreyros tabaliam do prubryquo
he judicial meste concelho de Regualados por sua majestade treladey do
livro da nota bem he fielmente he na verdade com ho risquado que dizia
que he a nota fiqua em poder d `antonio preto sobre dito tabaliam que ho
esprevy he asiney de meu prubryquo synal que tal he. Sinal de Tabelião.”

Fontes: Torre do Tombo, Chancelarias Reais.

Nota: De Diogo Lopes de Sousa, seguiremos a linha Sousa (Alcaides-


mor de Arronches), como adiante se verá, décimo avô de Francisco
Teixeira de Queiroz.

12 – Décima avó – Maria da Silva, nasceu em 1460, filha de João da


Silva e de Branca Coutinho, casada com Diogo Lopes de Sousa, filho de
D. Álvaro de Sousa, Senhor de Miranda e Alcaide-mor de Arronches e
de Maria de Castro.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

13 – Décimo primeiro avô – João da Silva, 4.º Senhor de Vagos, filho


de Aires Gomes da Silva e de Brites de Menezes, filha de D. Martinho
de Menezes, 2.º Senhor de Cantanhede e de Teresa Vasques Coutinho.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

14 – Décimo segundo avô – Aires Gomes da Silva, 3.º Senhor de Vagos,


Alcaide-mór de Montemor-o-Velho, nasceu em 1390, filho de João
Gomes da Silva e de Margarida Coelho.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

219
Família Teixeira de Queiroz

15 – Décimo terceiro avô – João Gomes da Silva, 2.º Senhor de Vagos,


Alferes-mor do rei D. João I, filho de D. Gonçalo Gomes da Silva e de
Leonor Gonçalves Coutinho, casou com Margarida Coelho.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia

16 – Décimo quatro avô – D. Gonçalo Gomes da Silva, Senhor de Vagos,


Tentúgal e Buarcos filho de D. João Gomes da Silva e de Leonor Afonso
de Brito.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

17 – Décimo quinto avô – D. João Gomes da Silva, nasceu em 1270,


casou com Leonor Afonso de Brito, filho de D. Gomes Pais da Silva e de
Mécia Dade, filha de Martins Dade, Alcaide de Santarém e de Sancha
de Santarém.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

18 – Décimo sexto avô – D. Gomes Pais da Silva, Senhor de Alderete


e da Torre de Silva em Valença, Alcaide-mor de Guimarães, filho de
D. Paio Gomes da Silva e de Maria Fernandes de Novoa.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

19 – Décimo sétimo avô – D. Paio Gomes da Silva, Senhor de Alderete e


da Torre de Silva em Valença, Alcaide-mor de Guimarães, nasceu cerca
de 1170, filho de D. Gomes Pais da Silva e de Urraca Nunes Velho,
filha de Nuno Velho, Senhor do Mosteiro de Várzea.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

20 – Décimo oitavo avô – D. Gomes Pais da Silva, Senhor da Torre


da Silva e de Alderete, filho de D. Paio Guterres da Silva e de Sancha
Anes, filha de Juan Ramirez, Senhor de Montor.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

220
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

21 – Décimo nono avô – D. Paio Guterres da Silva, Adiantado de


Portugal, Senhor do Porto da Figueira, Alcaide do Castelo de Santa
Eulália, Montemor-o-Velho, Fundador do mosteiro de Cucujães,
Patrono e reedificador do mosteiro de Tibães (c. 1077), filho de
D. Guterre Alderete da Silva.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

22 – Vigésimo avô – D. Guterre Alderete da Silva, Senhor de Alderete e


Senhor da Torre da Silva em Valença, nasceu cerca de 1040.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

B2 – Ramo Albuquerque, através de Catarina de Albuquerque,


casada com Nuno da Cunha, O Velho, décimos quintos avós de
Francisco Teixeira de Queiroz. É por esta linha Francisco descendente
de D. Dinis, Rei de Portugal, como a seguir se verá.

17 – Décima quinta avó – Catarina de Albuquerque, filha de Teresa de


Albuquerque e de Luis Alvares, casou com Nuno da Cunha, O Velho
(Cunhas, B1).
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

18 – Décima sexta avó – Teresa de Albuquerque, filha de Isabel de


Albuquerque e de Gonçalo Vaz de Melo, filho de Gonçalo Vaz de Melo,
Senhor de Castanheira e de Constança Martins.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

19 – Décima sétima avó – Isabel de Albuquerque, filha de Teresa de


Albuquerque e de Vasco Martins da Cunha, 7.º Senhor de Tábua
(Cunhas, B1), casou com Gonçalo Vaz de Melo, Senhor de Castanheira.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

221
Família Teixeira de Queiroz

20 – Décima oitava avó – Teresa de Albuquerque, filha de D. Fernando


Afonso de Albuquerque e de Lady Laura Stuart Fitzalain.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

21 – Décimo nono avô – D. Fernando Afonso de Albuquerque, Alferes-


mor do Reino, negociou o Tratado de Windsor, Alcaide-Mor de Palmela
e da Guarda, Mestre da Ordem de Santiago (8 de Outubro de 1380),
nasceu em 1330, filho de D. João Afonso de Albuquerque, o de Ataúde
e de Maria Rodrigues Barba.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

22 – Vigésimo avô – D. João Afonso de Albuquerque, o de Ataúde,


6.º Senhor de Albuquerque, nasceu em 1310, filho de D. Afonso
Sanches e de D. Teresa Martins de Menezes, casou com Maria
Rodrigues Barba.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

23 – Vigésimo primeiro avô – D. Afonso Sanches, Príncipe do Reino,


Senhor de Vila do Conde e Conde de Albuquerque, filho do Rei
D. Dinis e de D. Aldonça Rodrigues Talha, casou com D. Teresa
Martins de Menezes, 5.ª Senhora de Albuquerque, que descende por
seu pai, dos condes de Barcelos, senhores de Albuquerque e Senhores
de Menezes.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

24 – Vigésimo segundo avô – D. Dinis, Rei de Portugal, filho de


D. Afonso III, Rei de Portugal e de D. Brites de Castela, filha de
Afonso X, Rei de Castela. É vigésimo segundo avô de Francisco
Teixeira de Queiroz. Vai por esta linha até D. Afonso Henriques,
1.º Rei de Portugal.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

222
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

B3 – Ramo Vasconcelos, através de Brites de Vasconcelos, e de seu


marido João Pereira da Cunha, O Agostim (Cunhas B1).
Brites de Vasconcelos e o seu marido João Pereira da Cunha, décimos
sextos avós de Francisco Teixeira de Queiroz, deram origem ao ramo
Vasconcelos que seguiremos.

18 – Décima sexta avó – Brites de Vasconcelos, filha de Mem Rodrigues


de Vasconcelos, casou com João Pereira da Cunha (Cunhas, B1).
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

19 – Décimo sétimo avô – Mem Rodrigues de Vasconcelos, filho


do também Mem Rodrigues de Vasconcelos e de Brites Nunes de
Morais.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

20 – Décimo oitavo avô – Mem Rodrigues de Vasconcelos, Mestre da


Ordem de Cristo, filho de Gonçalo Mendes de Vasconcelos e de Teresa
Rodrigues Ribeiro.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

21 – Décimo nono avô – Gonçalo Mendes de Vasconcelos, Alcaide-mor


de Coimbra, filho de Mem Rodrigues de Vasconcelos e de Constança
Afonso de Brito, casou com Teresa Rodrigues Ribeiro.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

22 – Vigésimo avô – Mem Rodrigues de Vasconcelos, Senhor da Torre


de Vasconcelos em Amares, filho de D. Rodrigo Anes de Vasconcelos
e de Mécia Rodrigues de Penela, filha de Rodrigo Vicente de Penela,
Alcaide-mor de Alenquer.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

223
Família Teixeira de Queiroz

B4 – Ramo Pereira

João Pereira da Cunha, o Agostim, casado com Brites de Vasconcelos


(Vasconcelos, B3), é filho de Gil Vasques da Cunha (Cunhas,
B1) e de D. Isabel Pereira, filha de Álvaro Gonçalves Pereira,
Prior do Crato, décimos sétimos avós de Francisco Teixeira de
Queiroz.

19 – Décima sétima avó – D. Isabel Pereira, filha de D. Álvaro Gonçalves


Pereira, Prior do Crato, casou com Gil Vasques da Cunha (Cunhas, B1),
Alferes-mor do Reino de D. João I.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

20 – Décimo oitavo avô - D. Álvaro Gonçalves Pereira, Prior do Crato,


filho de D. Gonçalo Pereira e de Teresa Pires, filha de Pedro Gonçalves
Vilarinho.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

21 – Décimo nono avô – D. Gonçalo Pereira, Arcebispo de Braga, filho


de D. Gonçalo Pereira e de Urraca Vasques, filha de D. Vasco Martins
Pimentel.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

22 – Vigésimo avô – D. Gonçalo Pereira, Conde, filho de D. Pedro


Rodrigues Pereira e de D. Estevainha Hermigues Teixeira.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

Nota: De D. Estevainha Hermigues Teixeira, seguiremos o ramo


Teixeira, como a seguir se verá.

23 – Vigésimo primeiro avô – D. Pedro Rodrigues Pereira,


Senhor da Quinta de Pereira, filho de D. Ruy Gonçalves Pereira

224
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

e de Inês Sanches, casado com D. Estevainha Hermigues


Teixeira.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

B5 – Ramo Teixeira

23 – Vigésima primeira avó – D. Estevainha Hermigues Teixeira,


filha de D. Hermigio Mendes da Teixeira.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

24 – Vigésimo segundo avô – D. Hermigio Mendes da Teixeira, Senhor


de Honra de Teixeira (como foi atrás referido, formava conjuntamente
com Gestaçô, dos avoengos de Francisco Teixeira de Queiroz, o actual
concelho de Baião), casado Maria Paes Novais.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

A3 – Ramo Sousa, derivado do casamento de D. Maria da Silva com


Diogo Lopes de Sousa, décimos avós de Francisco Teixeira de Queiroz.
Por este ramo descende Francisco de D. Afonso III, Rei de Portugal,
como a seguir se verá.

12 – Décimo avô – Diogo Lopes de Sousa, nasceu em 1440, 20.º Senhor


da Casa de Sousa, Mordomo-mor da Casa Real (18 de Novembro
de 1471), pertenceu ao Conselho dos reis D. Afonso V, D. João II e
D. Manuel I., Alcaide-mor de Arronches e Senhor do Julgado do Eixo,
filho de D. Álvaro de Sousa e D. Maria de Castro, filha de D. Fernando
de Castro.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

Nota: De D. Maria de Castro, seguirá o Ramo Castro como a seguir se


verá.

225
Família Teixeira de Queiroz

13 – Décimo primeiro avô – D. Álvaro de Sousa, Senhor de Miranda e


Alcaide-mor de Arronches, nasceu 1410, 19.º Senhor da Casa de Sousa,
Mordomo-mor e Conselheiro do rei D. Afonso V, filho de D. Diogo
Lopes de Sousa e de D. Catarina de Ataíde, casado com D. Maria de
Castro.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

14 – Décimo segundo avô - D. Diogo Lopes de Sousa, nasceu cerca


de 1380, 18.º Senhor da Casa de Sousa, Senhor de Miranda, filho de
D. Lopo Dias de Sousa e de D. Maria Ribeiro, casou com D. Catarina
de Ataíde.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

15 – Décimo terceiro avô - D. Lopo Dias de Sousa, Mestre da Ordem


de Cristo, nasceu em 1362, 17.º Senhor da Casa de Sousa, 7º mestre
da Ordem de Cristo, foi nomeado aos 12 anos de idade por sua tia a
rainha D. Leonor Telles, Senhor das vilas de Mafra, Ericeira e Enxara
dos Cavaleiros, filho de D. Álvaro Dias de Sousa e de Maria Teles
Menezes.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

16 – Décimo quarto avô - D. Álvaro Dias de Sousa, Senhor de Mafra


e Ericeira, nasceu em 1330, filho de D. Diogo Afonso de Sousa e de
D. Violante Lopes de Pacheco, filha de D. Lopo Fernandes Pacheco,
7.º Senhor de Ferreira das Aves e de Maria Gomes Taveira.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

17 – Décimo quinto avô - D. Diogo Afonso de Sousa, senhor de Mafra


e Ericeira, nasceu em 1305, filho de D. Afonso Dinis e de D. Maria Pais
Ribeira, Senhora seguinte da Casa de Sousa.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo.
Geneall – Portal de Genealogia.

226
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

18 – Décimo sexto avô – D. Afonso Dinis, nasceu em 1260, filho de


D. Afonso III, Rei de Portugal.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

19 – Décimo sétimo avô – D. Afonso III, Rei de Portugal. Décimo sétimo


avô de Francisco Teixeira de Queiroz.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

A4 – Ramo Castro, derivado de D. Maria de Castro com D. Álvaro


de Sousa

13 – Décima primeira avó – D. Maria de Castro, nasceu em 1410, filha


de D. Fernando de Castro, 1.º Senhor de Paul do Boquilobo e de Isabel
de Ataíde, casou com D. Álvaro de Sousa.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

14 – Décimo segundo avô – D. Fernando de Castro, nasceu em 1380,


1.º Senhor de Paul do Boquilobo, Alcaide-mor da Covilhã e Vedor da
Fazenda do Reino, filho de D. Pedro de Castro, Senhor do Cadaval e de
D. Leonor de Menezes.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

15 – Décimo terceiro avô - D. Pedro de Castro, Senhor do Cadaval,


nasceu em 1340, 2º conde de Arraiolos (1384-1385), filho de D. Álvaro
Pires de Castro, Conde de Arraiolos e Conde de Viana da Foz do Lima
e de Maria Ponce de Leon, casado com D. Leonor de Menezes.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

16 – Décimo quarto avô - D. Álvaro Pires de Castro, Conde de Arraiolos


e Conde de Viana da Foz do Lima, 1.º Contestável de Portugal, Alcaide-

227
Família Teixeira de Queiroz

mor de Lisboa, nasceu em 1310, filho de Pedro Fernandes de Castro,


o da Guerra, Senhor de Lemos e de Aldonça Lourenço de Valadares.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

Nota: A sua filha D. Elvira de Castro, casou com Fernão Gonçalves


de Queirós, primeiro do nome em Portugal, vindo das Asturias,
filho segundo dos Senhores de Quirós, nome que em Portugal se
transformou em Queirós. A partir do século XVIII raramente, mas
principalmente no século XIX, este apelido tanto foi escrito Queirós,
como Queiroz, conforme os padres escreviam nos livros paroquiais e
tendência ortográfica oitocentista.

17 – Décimo quinto avô - Pedro Fernandes de Castro, o da Guerra,


Senhor de Lemos, Mordomo de Afonso XI, rei de Castela, nasceu em
1290, filho de Fernán Ruiz de Castro, Senhor de Lemos e de Violante
Sanchez, Senhora de Uzero.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

18 – Décimo sexto avô – D. Violante Sanchez, Senhora de Uzero,


filha de Sancho IV, o Bravo, Rei de Castela, casada com Fernán Ruiz de
Castro, Senhor de Lemos.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia.

19 – Décimo sétimo avô – D. Sancho IV, o Bravo, Rei de Castela. Décimo


sétimo avô de Francisco Teixeira de Queiroz.
Fontes: Nobiliários de Manuel Álvares Pedrosa e Felgueiras Gayo. Geneall – Portal de
Genealogia

4.3 – Ascendência de D. Teresa Narcisa de Oliveira David,


mulher de Francisco Teixeira de Queiroz

De forma resumida, apresenta-se também a ascendência familiar de


Teresa David de Queiroz, que casou em 10 de Fevereiro de 1872 com

228
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Francisco, tendo originado conjuntamente a descendência da Casa de


Cortinhas. Descende Teresa, pelo seu 11.º avô, D. Lopo de Almeida,
Conde de Abrantes e pelo seu 14.º avô, D. João, Infante de Portugal,
Duque de Valência de Campos, do Rei D. Pedro I e de Inês de Castro,
como adiante se verá.
Fontes: Arquivos Distritais de Coimbra e Lisboa e Geneall – Portal de Genealogia.

1 – Teresa Narcisa de Oliveira David (da Vide), nasceu em Lisboa, em


26/01/1851, filha de António Venâncio David (da Vide) e de Narcisa
Casimira Xavier Oliveira, casou com Francisco Teixeira de Queiroz em
10 de Fevereiro de 1872.
Fontes: Arquivo Distrital de Lisboa e Geneall – Portal de Genealogia.

2 – Pais - Narcisa Casimira Xavier de Oliveira, nasceu em Lisboa, em 4


de Março de 1824, filha de Pedro Nolasco Xavier de Oliveira e de Inácia
Rosa das Virtudes e António Venâncio David (da Vide).
Fontes: Arquivo Distrital de Lisboa e Geneall – Portal de Genealogia.

3 – Avós - Pedro Nolasco Xavier de Oliveira, nasceu em Lisboa, em 31


de Janeiro de 1776, filho de João Xavier Anastácio e de Lúcia Bona Ana
de São Francisco. Casou com Inácia Rosa das Virtudes.
Fontes: Arquivo Distrital de Lisboa e Geneall – Portal de Genealogia.

4 – Bisavós - Lúcia Bona Ana de São Francisco, nasceu em Vila Franca


de Xira, Vialonga, em 29 de Abril de 1746, filha de Manuel Gomes
de Oliveira e de Maria Angélica Leitão de Almeida. Casou com João
Xavier Anastácio.
Fontes: Arquivo Distrital de Lisboa e Geneall – Portal de Genealogia.

5 – Trisavós - Maria Angélica Leitão de Almeida, nasceu em Benavente,


filha de Julião dos Reis e de Sebastiana Maria Micaela. Casou com
Manuel Gomes de Oliveira.
Fontes: Arquivo Distrital de Lisboa e Geneall – Portal de Genealogia.

6 – Quartos avós – Sebastiana Maria Micaela, nasceu em Benavente,

229
Família Teixeira de Queiroz

Santo Estevão, filha de Cristovão Leitão de Almeida e de Angélica de


Oliveira. Casou com Julião dos Reis.
Fontes: Arquivo Distrital de Lisboa e Geneall – Portal de Genealogia.

7 – Quintos avós - Cristóvãos Leitão de Almeida, nasceu em Ribeira


de Pena, Salvador, filho de Francisco Leitão de Almeida e de Maria
Fernandes. Casou com Angélica Oliveira.
Fontes: Nobiliários de Familias Portuguesas e Geneall – Portal de Genealogia.

8 – Sextos avós - Francisco Leitão de Almeida, 6º Morgado da Qtª do


Buxeiro - Ribeira de Pena, nasceu em 1665, filho de José Leitão de
Almeida. Casou com Maria Fernandes.
Fontes: Nobiliários de Familias Portuguesas e Geneall – Portal de Genealogia.

9 – Sétimos avós - José Leitão de Almeida, 5º Morgado da Quinta do


Buxeiro - Ribeira de Pena, Vedor do 2º Correio-mor do Reino, Fidalgo
da Casa Real e Fidalgo de Cota de Armas, nasceram em 1582, filho de
João Fernandes e Camila Leitão (de Almeida).
Fontes: Nobiliários de Familias Portuguesas e Geneall – Portal de Genealogia.

10 – Oitavos avós - Camila Leitão (de Almeida), 4º Morgada da Quinta


do Buxeiro - Ribeira de Pena, nasceu em 1560, filha de Cristóvão Leitão
de Almeida, casou com João Fernandes.
Fontes: Nobiliários de Familias Portuguesas e Geneall – Portal de Genealogia.

11 – Nonos avós – Cristóvão Leitão de Almeida, Senhor da quinta


do Buxeiro de Ribeira de Pena, Capitão da Ordenança de Ribeira de
Pena e 2º administrador do Vinculo e Capela de São Pedro na igreja do
Salvador de Ribeira de Pena, filho de Damião Leitão e de D. Brites de
Almeida.
Cristóvão Leitão de Almeida, filho de Damião Leitão, Fidalgo da Casa
Real, descende como Leitão dos Alcaides-mor de Portalegre, Castelo
Mendo e dos Senhores de Lodares.
Fontes: Nobiliários de Familias Portuguesas e Geneall – Portal de Genealogia.

230
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

12 – Décima avó - D. Brites de Almeida, filha de D. Lopo de Almeida,


1.º Conde Abrantes e de Brites da Silva, casou com Damião Leitão.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas e Geneall – Portal de Genealogia.

13 – Décimo primeiro avô - D. Lopo de Almeida, 1.º Conde Abrantes,


nasceu em 1416, filho de D. Diogo Fernandes de Almeida, Alcaide-mor
de Abrantes e de D. Brites Anes.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas e Geneall – Portal de Genealogia.

14 – Décimo segunda avó – D. Brites Anes, nasceu em 1380, filha de


D. Pedro da Guerra e Maria Anes. Casou com D. Lopo de Almeida,
1.º Conde Abrantes.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas e Geneall – Portal de Genealogia.

15 – Décimo terceiro avô – D. Pedro da Guerra, filho de D. João, Infante


de Portugal, Duque de Valência de Campos.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas e Geneall – Portal de Genealogia.

16 – Décimo quarto avô – D. João, Infante de Portugal, Duque de


Valência de Campos, nasceu em 1349, filho de D. Pedro I e de D. Inês
de Castro.
Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas e Geneall – Portal de Genealogia.

17 – Décimo quinto avô – D. Pedro I, Rei de Portugal.


Fontes: Nobiliários de Famílias Portuguesas e Geneall – Portal de Genealogia.

4.4 – Dedução Genealógica Descendente

1 – Francisco Teixeira de Queiroz


C.
D. Teresa de Oliveira David

Nota: Filhos designados por n.º 2 – Netos designados por n.º 3 –


Bisnetos designados por n.º 4.

231
Família Teixeira de Queiroz

2 – Filhos:
2.1 – Paulo Teixeira de Queiroz
C.
Rosa Gomes da Bouça
Ramo Teixeira de Queiroz
Fonte: Arquivos Distrital de Viana do Castelo e Familiar.

2.2 – Cecília Teixeira de Queiroz


C.
Carlos Augusto Pereira
Ramo Teixeira de Queiroz Pereira
Fonte: Arquivos Distrital de Lisboa e Familiar.

2.3 – Laura Teixeira de Queiroz


C.
Eugénio Castro Caldas
Ramo Teixeira de Queiroz de Castro Caldas
Fonte: Arquivos Distrital de Lisboa e Familiar.

2.4 – Maria Teresa Teixeira de Queiroz


C.
Jaime Salazar de Sousa
Ramo Teixeira de Queiroz de Salazar de Sousa
Fonte: Arquivos Distrital de Lisboa e Familiar.

2.5 – Antónia Teixeira de Queiroz


C.
José Carlos de Barros
Ramo Teixeira de Queiroz de Barros (1)
Fonte: Arquivos Distrital de Lisboa e Familiar.

2.6 – Raquel Teixeira de Queiroz


C.
João de Barros
Ramo Teixeira de Queiroz de Barros (2)
Fonte: Arquivos Distrital de Lisboa e Familiar

232
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

2.1 – Ramo Teixeira de Queiroz

2.1 – Paulo Teixeira de Queiroz e Rosa Augusta Gomes da Bouça

3.1 – Francisco Joaquim Teixeira de Queiroz


C.
Maria Alice de Jesus Pontes
4.1 – António Paulo Pontes Teixeira de Queiroz
4.2 – Luís Alberto Pontes Teixeira de Queiroz
4.3 – Raquel Maria Pontes Teixeira de Queiroz
3.2 – José Manuel Teixeira de Queiroz
C.
Guilhermina Ferreira de Aguiam
4.1 – Ana Paula Ferreira de Aguiam Teixeira de Queiroz
4.2 – Cristina Maria Ferreira de Aguiam Teixeira de Queiroz
3.3 – Mário Teixeira de Queiroz
C.
Maria José Alves de Castro
4.1 – Isabel Maria de Castro Teixeira de Queiroz
4.2 – Paulo Manuel de Castro Teixeira de Queiroz
3.4 – Maria Teresa Teixeira de Queiroz
C.
Ruy Augusto da Silva Valença
4.1 – António Paulo Teixeira de Queiroz Valença
3.5 – Maria da Graça Gomes Teixeira de Queiroz
C.
Mário Gaspar Leite de Barros Pinto
4.1 – Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto
5.1 – Francisco José Bouças Teixeira de Queiroz de
Barros Pinto
4.2 – Maria Paula Teixeira de Queiroz de Barros Pinto
3.6 – Germano da Bouça Teixeira de Queiroz
C.
Clarisse Ribeiro de Sousa
4.1 – Germano de Sousa Teixeira de Queiroz
4.2 – Gil de Sousa Teixeira de Queiroz

233
Família Teixeira de Queiroz

3.7 – Maria da Luz da Bouça Teixeira de Queiroz


C.
José Baptista da Costa Rodrigues
4.1 – José Miguel Teixeira de Queiroz Rodrigues
4.2 – Susana Maria Teixeira de Queiroz Rodrigues
Fonte: Arquivos Distrital de Lisboa, Porto, Viana do Castelo e Familiar.

2.2 – Ramo Teixeira de Queiroz Pereira

2.2 – Cecília Teixeira de Queiroz e Carlos Augusto Pereira

3.1 – Francisco Teixeira de Queiroz Pereira


3.2 – Maria Teresa Teixeira de Queiroz Pereira
C.
Alexandre Mascarenhas Viana de Lemos
4.1 – Carlos Teixeira de Queiroz Pereira Mascarenhas de
Lemos
4.2 – Maria Teresa de Queiroz Pereira Mascarenhas de Lemos
3.3 – Pedro Teixeira de Queiroz Pereira
3.4 – Manoel Teixeira de Queiroz Pereira
C.
(Mariana Menano)
Maud Santos Mendonça
4.1 – Carlos Manuel Menano de Queiroz Pereira
4.2 – Manuel Mendonça de Queiroz Pereira
4.3 – Pedro Mendonça de Queiroz de Pereira
4.4 – Maria Maude Mendonça de Queiroz Pereira
4.5 – Margarida Mendonça de Queiroz Pereira
3.5 – Cecília Teixeira de Queiroz Pereira
C.
António Huet de Bacelar Carrelhas
4.1 – António Pedro Queiroz Pereira de Bacelar Carrelhas
4.2 – Maria Cecília Queiroz Pereira de Bacelar Carrelhas
4.3 – José Manuel Queiroz Pereira de Bacelar Carrelhas
Fonte: Arquivos Distrital de Lisboa e Familiar.

234
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

2.3 – Ramo Teixeira de Queiroz de Castro Caldas

2.3 – Laura Teixeira de Queiroz e Eugénio Pereira de Castro Caldas

3.1 – Maria Eugénia Teixeira de Queiroz de Castro Caldas


3.2 – Maria Antónia Teixeira de Queiroz de Castro Caldas
C.
Tomás Xavier de Azevedo Cardoso de Figueiredo
4.1 – Tomás Xavier de Pereira de Castro de Azevedo Cardoso
de Figueiredo
4.2 – Maria Antónia Pereira de Castro de Azevedo Cardoso
de Figueiredo
4.3 – Maria Rosa de Azevedo Cardoso de Figueiredo
3.3 – Maria Emília Teixeira de Queiroz de Castro Caldas
C.
Luís Avelar Machado Veiga da Cunha
4.1 – Luís Eugénio Caldas Veiga da Cunha
3.4 – António Teixeira de Queiroz de Castro Caldas
C.
Maria Paes de Vasconcelos
4.1 – Maria João Vasconcelos de Castro Caldas
4.2 – Maria Eduarda Vasconcelos de Castro Caldas
4.3 – Maria Madalena Pereira de Castro Caldas
4.4 – António Pereira de Castro Caldas
4.5 – José Frederico Pereira de Castro Caldas
4.6 – Eduardo Luís Pereira de Castro Caldas
3.5 – Francisco Teixeira de Queiroz de Castro Caldas
C.
Maria Helena Almeida Pinheiro
4.1 – António de Castro Caldas
4.2 – José Luís de Castro Caldas
4.3 – Francisco de Castro Caldas
4.4 – Pedro de Castro Caldas
4.5 – Leonor Pinheiro de Castro Caldas
4.6 – Maria Helena de Castro Caldas

235
Família Teixeira de Queiroz

4.7 – Laura Maria de Castro Caldas


4.8 – Manuel de Castro Caldas
4.9 – Joaquim de Castro Caldas
4.10 – Maria da Graça de Castro Caldas
3.6 – Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro Caldas
C.
Maria Luzitana Mascarenhas de Lemos
4.1 – Júlio Lemos de Castro Caldas
4.2 – Eugénio Pereira de Castro Caldas
4.3 – João Lemos de Castro Caldas
4.4 – Alexandre Lemos de Castro Caldas
4.5 – Pedro Lemos de Castro Caldas
4.6 – José Maria Lemos de Castro Caldas
Fonte: Arquivos Distrital de Lisboa e Familiar.

2.4 – Ramo Teixeira de Queiroz de Salazar de Sousa

2.4 – Maria Teresa Teixeira de Queiroz e Jaime Salazar de Sousa

3.1 – Maria Luísa Teixeira de Queiroz Salazar de Sousa


3.2 – Carlos Teixeira de Queiroz Salazar de Sousa
C.
Maria del Pilar Benito Garcia
4.1 – Maria Luísa Salazar de Sousa
4.2 – Maria do Pilar Salazar de Sousa
4.3 – Jaime Mateo Benito Salazar de Sousa
3.3 – Filipe Teixeira de Queiroz Salazar de Sousa
C.
Maria Isabel Barroso Gomes
4.1 – João Filipe Gomes Salazar de Sousa
4.2 – Luís Filipe Gomes Salazar de Sousa
3.4 – Maria da Assunção Teixeira de Queiroz Salazar de Sousa
C.
Óscar de Oliveira Tavares Machado

236
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

4.1 – Francisco Manuel Salazar de Sousa Tavares Machado


4.2 – Maria Teresa Salazar de Sousa Tavares Machado
4.3 – Jaime Ernesto Salazar de Sousa Tavares Machado
4.4 – José Manuel Salazar de Sousa Tavares Machado
Fonte: Arquivos Distrital de Lisboa e Familiar.

2.5 – Ramo Teixeira de Queiroz de Barros (1)

2.5 – Antónia Teixeira de Queiroz e José Carlos de Barros

3.1 – Josefina Teixeira de Queiroz de Barros


C.
João de Almeida e Sá
3.2 – José António Teixeira de Queiroz de Barros
C.
Maria Emília Veloso Crespo
4.1 – Maria Margarida Crespo Queiroz de Barros
4.2 – José Miguel Crespo Queiroz de Barros
4.3 – Luís Manuel Crespo Queiroz de Barros
4.4 – Maria da Graça Crespo Queiroz de Barros
3.3 – Luís Teixeira de Queiroz de Barros
C.
Maria Teresa Freire Torres
4.1 – Maria Antónia Torres Queiroz de Barros
4.2 – Francisco Torres Queiroz de Barros
4.3 – Maria Teresa Torres Queiroz de Barros
4.4 – Maria Luísa Torres Queiroz de Barros
3.4 – Jaime Teixeira de Queiroz de Barros
C.
Maria de Lourdes Mascarenhas
4.1 – José Manuel Mascarenhas Queiroz de Barros
4.2 – Maria Teresa Mascarenhas Queiroz de Barros
3.5 – Raquel Teixeira de Queiroz de Barros
Fonte: Arquivos Distrital de Lisboa e Familiar.

237
Família Teixeira de Queiroz

2.6 – Ramo Teixeira de Queiroz de Barros (2)

2.6 – Raquel Teixeira de Queiroz e João de Barros

3.1 – Henrique Teixeira de Queiroz de Barros


C.
Luísa David de Moraes de Sarmento
4.1 – Joana Moraes Sarmento de Barros
4.2 – Júlio Moraes Sarmento de Barros
4.3 – Afonso Moraes Sarmento de Barros
4.4 – Raquel Moraes Sarmento de Barros
4.5 – António Moraes Sarmento de Barros
3.2 – Teresa Teixeira de Queiroz de Barros
C.
Marcello Alves Caetano
4.1 – João de Barros Alves Caetano
4.2 – José Maria de Barros Alves Caetano
4.3 – Miguel de Barros Alves Caetano
4.4 – Ana Maria de Barros Alves Caetano
3.3 – Paulo Teixeira de Queiroz de Barros
C.
Maria Antónia Prado Guerra
Fonte: Arquivos Distrital de Lisboa e Familiar.

A Genealogia da Família Teixeira de Queiroz, para já terminada,


é seguidamente apresentada em Árvore Genealógica, representação
gráfica feita não na totalidade, apenas com alguns dos principais
ramos, devido à exiguidade das páginas com a assunção de um critério
de proporção razoável.

238
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 – Bibliografia activa - obras de Teixeira de Queiroz


1.1 – Ficção
1.1.1 – Comédia Burgueza

D. Agostinho, Livraria de Antonio Maria Pereira, Lisboa, 1894.


Morte de D. Agostinho, Livraria de Antonio Maria Pereira, Lisboa, 1895.
Os Noivos, segunda edição totalmente refundida, Livraria de Antonio
Maria Pereira, Lisboa, 1896.
O Famoso Garão, Livraria Tavares Cardoso, Lisboa, 1898.
A Caridade em Lisboa, primeira parte, A Esmola, Parceria Antonio Maria
Pereira, Lisboa, 1901.
A Caridade em Lisboa, segunda parte, A Esmola, Parceria Antonio Maria
Pereira, Lisboa, 1901.
O Sallustio Nogueira, Estudo de Politica Contemporanea, segunda edição
revista pelo autor, Parceria Antonio Maria Pereira, Lisboa, 1909.
A Grande Chimera, Parceria Antonio Maria Pereira, Lisboa, 1919.

1.1.2 – Comédia do Campo

António Fogueira, Livraria de Antonio Maria Pereira, Lisboa, 1882.


Novos Contos, Tavares Cardoso & Irmão, Lisboa, 1887.
Amores, Amores..., Livraria Antonio Maria Pereira, Lisboa, 1897.
A Nossa Gente, Parceria Antonio Maria Pereira, Lisboa, 1900.

241
Família Teixeira de Queiroz

Os meus primeiros contos, Parceria Antonio Maria Pereira, Lisboa, 1914.


Amor Divino (Estudo pathologico de uma Santa), segunda edição
totalmente refundida, Parceria Antonio Maria Pereira, Lisboa, 1915.
Ao Sol e à Chuva, Parceria Antonio Maria Pereira, Lisboa, 1916.

1.2 – Textos críticos

“A Razão da Minha Obra”, Teixeira de Queiroz, In Os Meus Primeiros


Contos, Parceria António Maria Pereira, Lisboa, 1914.
“Explicação de O Sallustio Nogueira”, In O Sallustio Nogueira, 2ª edição,
1909.
“Explicando...”, In Amor Divino (estudo pathologico duma santa), 2.ª ed.,
Parceria António Maria Pereira, Lisboa, 1915.
“Prólogo” (1879), In Os Noivos, Livraria de Antonio Maria Pereira,
Lisboa, 1896.
Ácerca da Gloriosa Novella do Engenhoso Figalgo D. Quixote de la Mancha,
extracto da sessão comemorativa, Academia Real das Ciências de
Lisboa, em 9 de Maio, Lisboa, 1905.
As Minhas Opiniões (Estudos Psychologicos e Sociaes), Edição do «DIA»,
1896.
Campos da Minha Terra, Casa de Cortinhas – Revista Atlântida, Lisboa –
Rio de Janeiro, Maio de 1915.
Centenario do Nascimento de Alexandre Herculano, Discurso Escripto para a
Sessão Solemne de 28 de Março, Lisboa, 1910.
Elogio Historico de António Augusto de Vasconcellos, Academia Real das
Ciências de Lisboa, 1907.
Elogio Histórico de José de Sousa Monteiro, In História e Memórias da
Academia das Sciências de Lisboa, nova série, 2ª classe, Sciências orais e
Políticas e Belas Letras, Tomo XII, parte II, Imprensa Nacional, Lisboa,
1918.

242
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

2-B
 ibliografia passiva sobre a obra literária de Teixeira
de Queiroz

“Naturalismo”, in Dicionário de Literatura, direcção de Jacinto Prado


Coelho, Porto, Livraria Figueirinhas, 1978.
Barros, João de, Teixeira de Queiroz (Bento Moreno), In Cadernos da Seara
Nova, Seara Nova, Lisboa, 1946.
Caldas, Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro, “Terra de Valdevez e
Montaria do Soajo”
Costa, Fernandes, Elogio Académico do Dr. Teixeira de Queiroz, Parceria
Antonio Maria Pereira, Lisboa, 1919.
Figueiredo, Fidelino de, História da Literatura Realista, Livraria Clássica
Editora, Lisboa, 1921, in História da Literatura Portuguesa – Saraiva,
António José e Lopes, Óscar.
Machado, Filipe Alves, “Sobre o cientismo em Teixeira de Queiroz, objecções
contra alguma(s) história(s) da literatura, In Terra de Val de Vez, n.º 17, 2005.
Machado, Filipe Alves, “Um outro relance sobre a obra de Teixeira de
Queiroz”, In Terra de Val de Vez Boletim Cultural, n.º 19, Arcos de Valdevez,
2012.
Machado, Filipe Alves, in O Salustio Nogueira de Teixeira de Queiroz
Como Espaço de Ambivalência (tese de mestrado), Faculdade de Letras
da Universidade do Porto, Porto, 1995.
Mourão-Ferreira, David, Homenagem ao Escritor Teixeira de Queiroz,
Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, Arcos de Valdevez, 1979.
Pires, António Machado, “Natureza e Civilização nos Escritores Naturalista
Portugueses”, In Colóquio Letras, n.º 22, Lisboa, 1974.
Ribeiro, Maria Aparecida, História Crítica da Literatura Portuguesa VI
(Realismo e Naturalismo, ed. Verbo, Lisboa, 1993.
Santana, Maria Helena e Simões, Maria João, “Realismo e Quimera
no Ideal Científico Finissecular: Abel Botelho e Teixeira de Queirós”,
in Diacrítica, Centro de Estudos Portugueses, Universidade do Minho,
n.º 6, Braga, 1991.

243
Família Teixeira de Queiroz

Saraiva, António José: “O Sallustio Nogueira de Teixeira de Queirós”,


in Estrada Larga 1, Porto Editora, Porto, s/d.

3 - Outras bibliografias

“Águas Livres”, Edição Especial, EPAL 140 anos 1868-2008, Abril de


2008.
“Avante” 2 de Abril de 1911.
Acta da Assembleia-Geral da Companhia Real dos Caminhos de Ferro,
16 de janeiro de 1892.
Acta n.º 6, em Boletim do Partido Republicano Português, n.º 1.
Arquivo de Viana do Castelo, 1934.
Boletim do Partido Republicano Português, n.º 1.
Caldas, Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro “Breve História de
Francisco e Tereza, Nossos Avós”, In Terra de Val de Vez, 1989.
Caldas, Eugénio Teixeira de Queiroz de Castro, Documento Histórico
Familiar, s/d.
Castelo Branco, Camilo, “Advertência”, in Eusébio Macário (Historia
Natural e Social de Uma Família no Tempo dos Cabrais), Porto, Lello &
Irmão, 1975.
Companhia das Lezírias do Tejo e do Sado, 1912.
Diário da Assembleia Nacional Constituinte, secção n.º 23, 18 de Julho de
1911.
Diário Ilustrado – Jornal de Lisboa, publicado entre 1872 e 1911.
Fundo Teixeira de Queiroz, no Museu João de Deus.
Geneall - Portal de Genealogia.
http://www.gremioliterario.pt/historia.php (consultado a 21 e Março
de 2018).
Leal, Ernesto Castro, Partidos e Programas, Coimbra, Imprensa da
Universidade de Coimbra, 2008.

244
Luís Filipe Teixeira de Queiroz de Barros Pinto

Lobo, Mário Tavarela, Sousa Guimarães – Subsídios para a História da


República em Arcos de Valdevez, Câmara Municipal de Arcos de Valdevez,
1997.
Madaleno, Isabel Maria, «Arquivos da Companhia das Lezírias» –
Torre do Tombo. Companhia das Lezírias – O Passado e o Presente, 1994.
Neiva, Adélio Torres, A Casa da Silva, edição de autor, s/d.
Nóbrega, Artur Vaz-Osório da, Pedras de Armas e Armas Tumulares do
Distrito de Braga, Vol. III, Assembleia Distrital de Braga, 1973.
Pedrosa, Manuel Álvares, e Gayo, Felgueiras, Nobiliários.
Pinto, Júlio Lourenço, Esthetica Naturalista: Textos Críticos, Livraria
Portuense, Porto, 1884.
Pinto, Luís Leite, In História do Abastecimento de Água à Região de Lisboa,
INCM/EPAL, Lisboa, 1989.
Pinto, Silva, “Do Realismo na Arte”, 3.ª edição, Porto, Typographia de
A. J. Silva Teixeira, 1881.
Queirós, Eça de, O Primo Basílio, Porto Editora, Porto, 2016.
Queirós, Eça de, In Castilho, Guilherme (pref. e coord.) Correspondência,
Lisboa, INCM, 1983, citado por Ribeiro, Maria Aparecida, História
Crítica da Literatura Portuguesa VI (Realismo e Naturalismo, Lisboa,
ed. Verbo, 1993.
Queiroz, Francisco Teixeira de, Carta ao Dr. José de Castro, Belém, 16 de
Maio de 1915, pub. na Primeira Presidência da República Portuguesa.
Remédios, Mendes, “Subsídios para o Estudo da Literatura Portuguesa”.
Serrão, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, Vol XI, (1910-1926) -
A I Republica História Política-Militar Ultramarina, Ed. Verbo, Lisboa,
1991.
Sousa, Jorge Pais de, Partidos e Movimentos Políticos 1910-1974 – Afonso
Costa e a Refundação do PRP (1910-1920) – 1. O Congresso de Lisboa de 27
a 30 de Outubro de 1911.
Wagner, Mafalda de Noronha, A Casa de Vila Real e a Conspiração de
1641 Contra D. João IV, Edições Colibri, Lisboa, 2007.

245

Você também pode gostar