Você está na página 1de 142

Estudos Gramaticais


Edair Görski
Heronides Moura

Período

Florianópolis - 2011
Governo Federal
Presidência da República
Ministério de Educação
Secretaria de Ensino a Distância
Coordenação Nacional da Universidade Aberta do Brasil

Universidade Federal de Santa Catarina


Reitor: Alvaro Toubes Prata
Vice-Reitor: Carlos Alberto Justo da Silva
Secretário de Educação a Distância: Cícero Barbosa
Pró-Reitora de Ensino de Graduação: Yara Maria Rauh Müller
Pró-Reitora de Pesquisa e Extensão: Débora Peres Menezes
Pró-Reitor de Pós-Graduação: Maria Lúcia de Barros Camargo
Pró-Reitor de Desenvolvimento Humano e Social: Luiz Henrique Vieira da Silva
Pró-Reitor de Infra-Estrutura: João Batista Furtuoso
Pró-Reitor de Assuntos Estudantis: Cláudio José Amante
Centro de Ciências da Educação: Wilson Schmidt

Curso de Licenciatura Letras-Português na Modalidade a Distância


Diretora Unidade de Ensino: Felício Wessling Margutti
Chefe do Departamento: Izabel Christine Seara
Coordenadoras de Curso: Roberta Pires de Oliveira e Sandra Quarezemin
Coordenador de Tutoria: Renato Miguel Basso
Coordenação Pedagógica: LANTEC/CED
Coordenação de Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem: Hiperlab/CCE

Comissão Editorial
Tânia Regina Oliveira Ramos
Mary Elizabeth Cerutti Rizzati
Equipe de Desenvolvimento de Materiais

Laboratório de Novas Tecnologias - LANTEC/CED


Coordenação Geral: Andrea Lapa
Coordenação Pedagógica: Roseli Zen Cerny

Produção Gráfica e Hipermídia


Design Gráfico e Editorial: Ana Clara Miranda Gern; Kelly Cristine Suzuki
Coordenação: Thiago Rocha Oliveira, Laura Martins Rodrigues
Adaptação do Projeto Gráfico: Laura Martins Rodrigues, Thiago Rocha Oliveira
Diagramação: Pedro Augusto Gamba & Raquel Darelli Michelon
Figuras: Pedro Augusto Gamba & Raquel Darelli Michelon
Capa: Raquel Darelli Michelon
Tratamento de Imagem: Pedro Augusto Gamba & Raquel Darelli Michelon
Revisão gramatical: Evillyn Kjellin

Design Instrucional
Coordenação: Vanessa Gonzaga Nunes
Designer Instrucional: Maria Luiza Rosa Barbosa

Copyright © 2011, Universidade Federal de Santa Catarina/LLV/CCE/UFSC


Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida, transmitida e gravada, por qualquer
meio eletrônico, por fotocópia e outros, sem a prévia autorização, por escrito, da Coordena-
ção Acadêmica do Curso de Licenciatura em Letras-Português na Modalidade a Distância.

Ficha Catalográfica
X999y Sobrenome, Nome
Título do Livro / Nome Sobrenome, UFSC, UAB.— Florianópolis :
LLV/CCE/UFSC, 2009.

XXXp. : XXcm
ISBN XXXXXXXX

1. xxxxxx. 2. xxxxxx. I. xxxxxx. II. xxxxxx.

CDD 410

Catalogação na fonte elaborada na DECTI da Biblioteca Universitária da


Universidade Federal de Santa Catarina.
Sumário
Unidade A............................................................................................. 9
1  A pré-história da linguagem.....................................................................11
2  A linguagem como expressão do pensamento:
o período greco-latino...............................................................................15
3  Língua universal e línguas particulares:
da Idade Média ao século XVIII.................................................................23
4  As línguas como produtos da história:
a época do Romantismo............................................................................27
5  A busca da origem: do Romantismo
ao Método Comparativo..........................................................................31

Unidade B............................................................................................35
6  Concepções de língua(gem).....................................................................37
7  Propriedades das línguas naturais..........................................................43
7.1 Flexibilidade e adaptabilidade......................................................................43
7.2 Arbitrariedade . ..................................................................................................44
7.3 Dupla articulação . ............................................................................................46
7.4 Produtividade......................................................................................................48
7.5 Heterogeneidade...............................................................................................50
8  O que é um estudo científico?..................................................................53

Unidade C............................................................................................57
9  Concepções de gramática..........................................................................59
9.1 Gramática Universal e gramáticas
de línguas particulares....................................................................................59
9.2 Gramática prescritiva versus
gramática descritiva e explicativa...............................................................63
10  A norma linguística....................................................................................73
10.1 Concepções de norma...................................................................................73
10.2 Variedades da língua e língua padrão do Brasil...................................79
10.3 A questão do “erro” e suas implicações sociais.....................................85

Unidade D...........................................................................................89
11  Princípios e métodos do estudo de gramática................................91
12  Níveis de análise ........................................................................................95
12.1 Nível fonético-fonológico ...........................................................................95
12.2 Nível morfológico ........................................................................................101
12.3 Nível sintático.................................................................................................119
12.4 Nível semântico-pragmático . ..................................................................125

Leia Mais!.......................................................................................... 134

Referências....................................................................................... 135
Apresentação

C aros alunos:

Este livro-texto trata de dois grandes temas:

ӲӲ Fundamentos históricos e filosóficos das noções de linguagem


e de gramática.

ӲӲ Iniciação aos conceitos e métodos da descrição gramatical se-


gundo as abordagens da Linguística Moderna.
Esses assuntos estão organizados em quatro unidades. Na Unidade
A trataremos do primeiro tema acima. Faremos uma viagem no tempo para
mostrar como a linguagem surgiu e como tem sido analisada ao longo da his-
tória. Veremos que o modo de conceber a linguagem e a gramática está asso-
ciado aos fundamentos históricos e filosóficos de cada período da civilização
ocidental (não abordaremos os estudos de outras tradições, restringindo-nos
à cultura do Ocidente). A nossa análise histórica vai até o século XIX. A Lin-
guística Moderna será estudada nas demais unidades, que tratam do segundo
tema acima destacado.

Na Unidade B focalizaremos a Linguística como estudo científico da


língua(gem). Na Unidade C trataremos de diferentes concepções de gramática
e de norma, de variedades linguísticas e da noção de “erro” e suas implicações
sociais. Na Unidade D trabalharemos com princípios e métodos de descrição
linguística, aplicando-os aos diferentes níveis gramaticais. Em cada unidade
apresentamos uma exposição dos conteúdos, levantamos pontos para reflexão
e discussão, e sugerimos leituras complementares.

Em relação ao segundo tema (Unidades B, C e D), a palavra-chave


é descrição gramatical. Para dar conta dessa proposta, vamos buscar concei-
tos e métodos na Linguística Moderna. Munidos desse instrumental teórico-
metodológico e, sobretudo, acionando a nossa intuição de falantes nativos do
português, vamos examinar dados linguísticos e confrontá-los com definições
gramaticais. Com tal procedimento de análise, podemos avaliar o grau de ade-
quação das definições aos dados. Essa tarefa requer certas habilidades que ca-
racterizam o perfil do pesquisador: capacidade de reflexão, de discernimento
e de análise criteriosa, aliada a um espírito crítico. Você vai perceber que, ao
longo das Unidades, apresentamos a você diversas situações-problema, como
desafios que vão colocar à prova essas habilidades que acabamos de mencio-
nar.

Convidamos você a assumir o papel de investigador linguístico e nos acompa-


nhar nessa viagem exploratória pelos domínios da linguagem... Desejamos que
você se saia muito bem nesse papel!

Edair Görski
Heronides Moura
Unidade A
Uma breve história da linguagem e
da noção de gramática
Objetivos desta Unidade:

ӲӲ Mostrar que a linguagem humana tem sido um tópico de interesse desde a


Antiguidade Clássica;

ӲӲ Associar o modo de conceber a linguagem e a gramática aos fundamentos


históricos e filosóficos de cada período da civilização ocidental;

ӲӲ Traçar um panorama amplo dos estudos linguísticos ao longo da história,


destacando as principais teorias e os autores fundamentais.

No capítulo 1 (A pré-história da linguagem), vamos ver que a linguagem é fruto


de uma evolução de dezenas de milhares de anos, e que deve ter surgido com os
ancestrais de nossa espécie. O desenvolvimento da linguagem está associado à rea-
lização de atividades sociais complexas. Veremos também que a linguagem humana
moderna já devia estar plenamente desenvolvida há pelo menos 35.000 anos.

No capítulo 2 (A linguagem como expressão do pensamento: o período greco-


latino), veremos como houve, na época clássica da Grécia e de Roma, um enorme
interesse pela linguagem e pela gramática. Estudaremos em especial duas correntes
filosóficas desse período: a platônica e a estoica.

No capítulo 3 (Língua universal e línguas particulares: da Idade Média ao século


XVIII), veremos que ocorreu, na Europa, uma explosão de gramáticas de diferentes
idiomas, depois do predomínio do grego e do latim. Estudaremos como a existência
dessa multiplicidade de idiomas afetou as concepções de língua e gramática desse
período.

No capítulo 4 (As línguas como produtos da história: a época do Romantismo),


vamos estudar alguns dos fundamentos filosóficos do Romantismo, que moldaram a
concepção de gramática e de língua nesse período. Veremos que as línguas passam a
serem vistas como produtos das circunstâncias históricas, e são associadas aos povos
e às nações que as utilizam.

No capítulo 5 (A busca da origem: do Romantismo ao Método Comparativo),


vamos estudar como a busca da origem da linguagem e das circunstâncias históri-
cas do desenvolvimento das diferentes línguas levou à criação do Método Compa-
rativo, que visava comparar diferentes idiomas, a , a fim de estabelecer, de forma
científica, relações de parentesco entre eles.
A pré-história da linguagem Capítulo 01
1 A pré-história da linguagem
A linguagem humana tem uma história muito longa. Um instru-
mento de comunicação tão complexo e eficaz não pode ter surgido de
um momento para outro. Deve ter surgido e se desenvolvido aos poucos,
durante centenas de milhares de anos. Provavelmente, evoluiu a partir
de gestos e palavras isoladas. As frases e a sintaxe organizada surgiram
muito tempo depois.

A origem da linguagem humana deve ter ocorrido com o desen-


volvimento cognitivo dos ancestrais do homem moderno, o Homo
Sapiens, espécie à qual nós todos pertencemos. O surgimento das pri-
meiras palavras e de estruturas linguísticas elementares, que formam o
que alguns linguistas chamam de protolinguagem (cf. DEVLIN, 2006),
está certamente associado a atividades sociais complexas, realizadas por
grupos de hominídeos. E isso ocorreu muito tempo atrás. Por exemplo,
o Homo Erectus, há quase um milhão de anos, já se deslocara da África,
em direção à Ásia, numa expedição complexa e arriscada. Isso mostra
que essa espécie de hominídeos era capaz de planejamento de atividades
em conjunto, que exige processos mentais complexos, e como tal algum
tipo de linguagem (cf. FISCHER, 2009, p. 49). No entanto, a linguagem
usada pelo Homo Erectus não devia ser igual à nossa; essa espécie não
conseguia controlar a respiração de maneira tão fina como nós fazemos,
o que nos permite articulações vocais muito ricas e variadas (pense na
enormidade de sons da fala e de variações de tom de que somos capazes;
tudo isso depende do controle da respiração).

Há também o caso interessante dos Neandertais (Homo neander-


thalensis), que chegaram a conviver com os humanos modernos na Eu-
ropa, e que só desapareceram há cerca de 30.000 anos. Segundo os espe-
cialistas, os neandertais muito provavelmente dispunham de algum tipo
de linguagem verbal articulada. Eles fabricavam ferramentas, enterra-
vam os mortos, usavam adornos corporais... Eles tinham um aparato
articulatório (laringe, língua, controle da respiração) adaptado a uma
linguagem vocal parecida com a nossa. Enfim, ao contrário da imagem
tradicional, os neandertais não eram tão broncos, sendo na verdade pa-
recidos conosco. Eram como primos um pouco diferentes.

11
Estudos Gramaticais

É possível mesmo imaginar que os neandertais tenham convivido


de forma intensa com os humanos, com as duas espécies interagindo
numa espécie de bilinguismo (cf. FISCHER, 2009, p. 66). Pesquisas re-
centes mostram que provavelmente houve reprodução entre as espécies.
Imagine só, um humano seduzindo uma Neandertal... Que linguagem
ele usou?

O que isso tudo mostra é que a linguagem humana tem uma ori-
gem muito antiga, e que uma linguagem articulada foi surgindo lenta-
mente nos diferentes ramos de hominídeos (erectus, neanderthalensis e
sapiens).

Figura 1 – Do Australopithecus ao Homo sapiens sapiens.

Sabemos, porém, que essa linguagem inicial era elementar, com pa-
lavras isoladas e sintaxe simplificada. A linguagem efetivamente moder-
na só surgiu muito depois, com o Homo Sapiens moderno (cf. PINKER,
2004, p. 454). Como essa espécie tem mais de 150.000 anos, é razoável
supor que a linguagem moderna e altamente evoluída de que dispomos
surgiu nesse lapso de tempo. O fato é que, há cerca de 30.000 anos, o
Homo Sapiens desfrutou de uma explosão cultural que só é imaginável

12
A pré-história da linguagem Capítulo 01
com uma linguagem já evoluída. A maravilhosa arte rupestre, os arte-
fatos, o simbolismo da cultura do Homem de Cro Magnon sugerem que A famosa caverna de
Lascaux, na França, reúne
essa população (os mais antigos Homo Sapiens modernos encontrados uma amostra significativa
na Europa) já era muito parecida conosco, e usava uma língua que era o de pinturas rupestres.
Você pode obter mais
antepassado das línguas que hoje existem no globo. Durante essa explo- informações e fazer uma
são cultural, o Homo Sapiens moderno criou as bases de nossa cultura, visita virtual à caverna
acessando: <http://www.
com a invenção dos símbolos, da arte e do pensamento abstrato. Tudo lascaux.culture.fr/#/fr/00.
isso só foi possível com uma linguagem complexa que servisse como xml>.

meio de cooperação social e de articulação do pensamento. Estava cria-


do o pensar “desconectado”, que não depende de estímulos exteriores,
e que está na base da linguagem, do sentido do tempo, da capacidade
de formular e seguir planos complexos e da simbolização (cf. DEVLIN,
2003, p. 211).

Mas podemos afirmar que as línguas modernas derivam direta-


mente dessa linguagem falada há cerca de 30.000 anos? Infelizmente,
não é possível retraçar o percurso da transformação e ramificação das Protolínguas
diferentes línguas hoje existentes, a partir de uma data tão distante no Em síntese, as línguas-
mãe de línguas apa-
tempo. As protolínguas, hoje extintas, das famílias linguísticas moder-
rentadas. Trask (2004,
nas existiram no máximo há 10.000 anos. Por exemplo, o português veio p. 242, grifos do autor)
do latim, que por sua vez deriva da protolíngua indo-europeia. A proto- define protolíngua
como “O antepassado
língua indo-europeia, que os linguistas conseguiram reconstruir sem
hipotético de uma
nunca ter visto um texto escrito nela, por sua vez deriva de uma língua família de línguas”.
ainda mais antiga, que já se perdeu na bruma do tempo. Portanto, as
descrições das milhares de línguas modernas, pelos métodos atuais de
pesquisa, podem contar a história da evolução das línguas até um certo
ponto do passado. Não é possível, portanto, reencontrar a “língua origi-
nal” que deu origem a todas as línguas existentes; mas sabemos, no en-
tanto, que todas as línguas faladas hoje derivam do tipo de linguagem
moderna desenvolvida ao longo de centenas de milhares de anos, e que
já chegara ao auge há cerca de 30.000 anos.

– Pesquise sobre a chamada “explosão cultural” da época de Cro Mag-


non, e por que a linguagem deve ter sido um elemento vital.

13
Estudos Gramaticais

– Discuta o assunto com seus colegas.

Resumindo o tópico: vimos que a linguagem humana é fruto de


uma evolução de centenas de milhares de anos, e que ela deve ter sur-
gido com os ancestrais de nossa espécie. O desenvolvimento da lingua-
gem está associado à realização de atividades sociais complexas, que ca-
racterizam diferentes hominídeos, e em especial a nossa espécie (Homo
Sapiens). Inicialmente, houve uma protolinguagem, com sintaxe simpli-
ficada. No entanto, vimos também que a linguagem humana moderna
já devia estar plenamente desenvolvida, em toda sua complexidade, há
pelo menos 30.000 anos

14
A linguagem como expressão do pensamento: o período greco-latino Capítulo 02
2 A linguagem como expressão
do pensamento: o período
greco-latino
Os gregos, e depois os romanos, dedicaram muito esforço para
compreender como funciona a nossa linguagem. Foram os primeiros,
na civilização ocidental, a especular, de maneira sistemática, sobre a na-
tureza das palavras e da gramática. Platão propôs a divisão da
sentença gramatical em
dois elementos: ónoma
Há duas linhas de pensamento importantes sobre a linguagem na (“nome”) e rhema (“ver-
Antiguidade, que iremos abordar aqui: os platônicos e os estoicos. Ape- bo”), o que corresponde
à divisão, que fazemos
sar dos enfoques diferentes dessas duas escolas, ambas visavam com- até hoje, entre sujeito e
preender a linguagem como uma ferramenta que permite entender a predicado. Aristóteles e os
estoicos refinaram poste-
realidade na qual vivemos (cf. WEEDWOOD, 2002). A linguagem era riormente o conceito de
percebida como expressão do pensamento. sentença, que os gregos
chamavam de logos
Platão(c. 428-347 a.C.) e sua escola de pensamento exerceram um
imenso fascínio sobre toda a cultura ocidental Aquele que é conside-
rado o texto fundador dos estudos sobre a linguagem é da autoria de
Platão: o Crátilo (citaremos aqui a edição brasileira de 2004).

Figura 2- Academia de Platão - Mosaico da Vila de Siminius Stephanys em Pompeia (século I).

15
Estudos Gramaticais

Hoje em dia, é uma experiência surpreendente, como se entrás-


semos num túnel do tempo e caíssemos em plena praça pública da Ate-
O Crátilo é um dos nas antiga; sentimos plenamente que as indagações refletem o contexto
diálogos platônicos. da Grécia Clássica.
Foi escrito por Platão
(nascido em Atenas,
entre 428/427 a.C., e - Façam a seguinte experiência: leiam o diálogo em voz alta, com
falecido também em colegas e/ou alunos, cada um representando um dos personagens
Atenas, entre 348/347
do debate, ou seja, Crátilo, Hermógenes e Sócrates. Vocês vão sen-
a.C.) e apresenta como
personagem principal tir como esse debate é vivo e natural (embora Sócrates fale demais
o filósofo Sócrates, que e os outros muito pouco!).
havia sido professor
de Platão. Os diálogos - Sócrates tinha fascínio pela etimologia, mas a maior parte das
platônicos são uma
etimologias propostas por ele estava errada. Procure exemplos
forma interessante
de fazer filosofia. Os atuais (a internet está cheia deles) das chamadas etimologias po-
temas são discutidos pulares, que propõem origens para as palavras, sem base cien-
informalmente por Só- tífica. Depois consulte dicionários etimológicos, para pesquisar
crates e seus amigos e
discípulos. No caso do as origens verdadeiras. Ex. de etimologia popular: forró viria do
diálogo Crátilo, o tema inglês for all.
é a natureza social ou
natural da linguagem
humana. As ideias de Sócrates podem às vezes parecer estranhas para um
leitor moderno. Na realidade, só parecem estranhas quando compara-
das com o que sabemos hoje sobre a linguagem; naquele contexto, fa-
ziam todo o sentido.

O debate principal do diálogo é a oposição entre naturalismo e


convencionalismo no uso das palavras. Conforme observa Weedwood
(2002, p. 25), “[...] os gregos se perguntavam se a conexão entre as pa-
lavras e aquilo que denotavam provinha da natureza, physei, ou era im-
posta pela convenção, thesei”. Ou seja, a questão de fundo era se a lin-
guagem fazia parte da natureza ou da cultura.

A palavra é uma junção de som e sentido. Os naturalistas acha-


vam que deve existir uma relação entre a forma da palavra e o sentido
que ela expressa. Onomatopeias são assim: au-au designa o som que um
cachorro faz e tenta-se reproduzir esse som na própria palavra. Ono-
matopeias são representações naturais dos significados que as palavras
expressam. A teoria dos naturalistas é que todas as palavras devem ter

16
A linguagem como expressão do pensamento: o período greco-latino Capítulo 02
essa relação natural entre som e sentido.

Os convencionalistas, por seu turno, defendem que o som de uma


palavra nada tem a ver com o sentido que ela designa; as onomatopeias
são apenas exceções a esse princípio. Note-se que o convencionalismo,
conhecido modernamente como o princípio da arbitrariedade do signo
é hoje aceito como um princípio básico da linguística, e é essa uma das Você vai saber mais sobre
a arbitrariedade do signo
razões que nos levam a estranhar os argumentos defendidos no Crátilo. no capítulo 7 da Unidade
B.
Sócrates defende o naturalismo, assim como Crátilo; Hermógenes,
por sua vez, defende o convencionalismo. É verdade que, no final do
diálogo, Sócrates relativiza sua posição e ataca o naturalismo radical,
admitindo alguma forma de convenção no uso linguístico, pois de outra
forma a palavra, de tão semelhante à coisa que designa, poderia ser um
substituto da coisa em si, o que para ele é inadmissível.

Alguns comentadores desse diálogo platônico chegam a dizer que Aristóteles, ao contrário
de Platão, era um con-
ao cabo Sócrates se mostra convencionalista, mas parece mais razoável vencionalista. Para ele,
afirmar que ele é fundamentalmente um naturalista (refletindo nesse a ligação entre som e
sentido de uma palavra
caso a posição de Platão) (cf. SEUREN, 1998; SEDLEY, 2006). era arbitrária.

O naturalismo de Platão e Sócrates, por absurdo que possa parecer


aos olhos modernos – exemplo, quando ele diz que corpo (soma, em
grego) vem de sepultura (sema, em grego) – está ligado a uma série de
crenças e ideias do platonismo. Entre elas, podemos citar:

1) As coisas e seres, segundo Platão, têm uma essência permanen-


te. Nada mais natural que cada palavra, visando representar as
coisas, tente caracterizar pelo menos uma das propriedades da
coisa ou ser por ela representada. Portanto, a ligação mais na-
tural não é exatamente entre som e sentido, mas entre o sentido
da palavra e a essência atribuída à coisa que a palavra designa.
O som apenas ajuda a chegar a esse sentido que leva à essên-
cia. No exemplo citado, se corpo (soma) está ligado à sepultura
(sema), é porque o corpo é a sepultura da alma. O corpo é essen-
cialmente mortal e encerra nele a alma. Note-se que essa expli-
cação é quase poética, produto de afinidades de sentidos e sons;
mas o que importa para Sócrates é investigar o que um conceito,
como “corpo” ou “justiça”, realmente significa. O som (soma-

17
Estudos Gramaticais

sema) pode ser uma pista nessa investigação das essências.

2) A verdade sobre as essências das coisas é absoluta e não varia


de acordo com a crença de cada pessoa. O relativismo era de-
fendido pelos sofistas, que Sócrates e Platão combatiam. Uma
frase famosa de um sofista, Protágoras, é citada no Crátilo (p.
148): “O homem é a medida de todas as coisas, e por isso, con-
forme me parecerem as coisas, tais serão elas, realmente, para
mim, como serão para ti conforme te parecerem”. Sócrates se
insurgia contra esse tipo de afirmação e argumentava que as
palavras devem representar necessariamente a essência das
coisas. A relação som–sentido não pode ser arbitrária ou con-
vencional, pois dessa forma cada pessoa teria uma apreensão
diferente da essência das coisas, o que equivaleria a recair no
relativismo sofístico. Como diz Sócrates (p. 149): “[...] (as coi-
sas) não estão em relação conosco, nem na nossa dependên-
cia, nem podem ser deslocadas em todos os sentidos por nossa
fantasia, porém, existem por si mesmas, de acordo com sua
essência natural”. E nomear as coisas é designá-las de acordo
com sua essência: “convirá nomear as coisas pelo modo natural
de nomeá-las e serem nomeadas, e pelo meio adequado, não
como imaginamos que devemos fazê-lo” (p. 151).

O diálogo do Crátilo aborda a questão da identidade, que havia sido


colocada pela filosofia de Heráclito. De acordo com este filósofo, o
mundo está em constante mudança. Nada permanece o mesmo no
fluxo do tempo (é desse filósofo a conhecida afirmação de que nin-
guém se banha duas vezes no mesmo rio). Mas se é assim, como
podemos dar nome a uma coisa? Se uma coisa muda sempre, como
podemos dar nome a ela? Aparentemente, o uso da linguagem
pressupõe a identidade das coisas ao longo do tempo. É nesse con-
texto, e em oposição a Heráclito, que Sócrates busca uma essência
imutável das coisas, que as palavras se encarregariam de designar.

3) Segundo a opinião de Sócrates e Platão, a verdade e a essên-


cia das coisas devem ser estabelecidas pelas pessoas mais justas

18
A linguagem como expressão do pensamento: o período greco-latino Capítulo 02
e mais razoáveis de uma comunidade. Essa é a ideia que está
por trás da República ideal de Platão, que seria governada por
um conselho de sábios, com todos os poderes para legislar (na
prática, uma ditadura de sábios). Para esses filósofos, os sábios
sabem com justeza o que as palavras devem significar, a fim de
representar da melhor maneira possível as coisas que designam
(por exemplo, a relação entre corpo e sepultura (soma e sema,
em grego, já citada acima).

Assim, os sábios devem buscar e definir qual a relação natural entre


som, sentido e coisa representada. A convenção seria um artifício, justifi-
cando qualquer relação arbitrária. Platão sustenta que os sábios definem o
sentido original das palavras. Esse é um dos pontos que causam mais es-
tranheza na leitura do Crátilo. Sócrates reafirma várias vezes que há legis-
ladores sábios que cunharam, em algum momento da história, a relação
som–sentido das palavras de uma língua. Essa é a explicação platônica
para a criação da linguagem: os homens sábios se reuniram e definiram a Esses filósofos passaram a
ser chamados de estoicos
forma e o significado das palavras. Por mais estranho que nos pareça hoje
quando Zenão de Cítio
em dia, essa posição era moderna e ousada no tempo dos gregos, opondo- e outros começaram a
discutir filosofia debaixo
se, implicitamente, à ideia religiosa da criação da linguagem, segundo a
do Stoa Poikile, “o pórtico
qual a linguagem era um dom oferecido ao homem por Deus. pintado”, uma colunata
que ficava na Ágora, a
No mundo grego da época clássica, a linguagem não era mais vista grande praça de Atenas.
como assunto dos deuses, mas como negócio dos homens. Quer dizer,
não de todos os homens, mas em especial dos sábios (todos do sexo mas-
culino, pois Sócrates não tinha uma opinião muito boa sobre as mulheres,
como se pode perceber no Crátilo).

Agora vamos falar um pouco dos estoicos (sec. III-II a.C.). Eles
deram contribuições muito importantes ao estudo da linguagem. Foram
Saussure, no Curso de
eles que desenvolveram a noção de sentença como unidade significativa, Linguística Geral (1916),
o conceito de classes gramaticais e também de signo linguístico. definiu o signo como a
unidade linguística que
une um significado a um
significante. Para ele, os
Sextus Empiricus (Séc. II de nossa era) apresenta a seguinte definição dois elementos do signo
de signo: “O significante, o significado e o referente são todos os três são de natureza mental e
o referente seria exterior
conectados. O significante é o som vocal, como no nome Alcebíades. ao signo. Esse conceito
O significado é o conteúdo do pensamento expresso pelo som será retomado na seção 7.

19
Estudos Gramaticais

vocal, tal como nós o entendemos quando ele se apresenta ao nos-


so espírito, ao passo que aqueles que não falam nossa língua não o
compreendem até mesmo se escutam o som. Quanto ao referente, é
o objeto correspondente exterior, o próprio Alcebíades. Desses três
elementos, dois são físicos, o som e o referente, mas o terceiro é não
físico, ou seja, o conteúdo do pensamento” (Sextus Empiricus apud
Seuren, 1998, p. 14. Tradução de Heronides Moura, com pequenos
ajustes). Essa definição de Sextus Empiricus soa incrivelmente atual.

Para os estoicos, a sentença era a expressão de uma representa-


ção mental de um estado de coisas no mundo (SEUREN, 1998, p. 10).
Note que nessa definição há três elementos vitais da linguagem: a sen-
tença é um signo de um pensamento. Esse pensamento corresponde
Charles Kay Ogden (1889-
1957) era filósofo, também ao sentido do que é dito; e finalmente, o estado de coisas é o referente
inglês. Ivor Richards (1893-
da sentença. Podemos assim dizer que os estoicos foram os primeiros
1979) foi um importante
retórico e crítico literário a perceber os três elementos (signo, sentido e referente) que dão forma
inglês. Ambos propuse-
ao processo de significação linguística. Esses três elementos correspon-
ram o triângulo semiótico,
formado pelo símbolo, o dem ao famoso triângulo semiótico proposto por Ogden e Richards, em
pensamento e o referente.
1923! A sentença era entendida pelos estoicos como um enunciado sig-
nificativo, que eles chamavam de logos (cf. WEEDWOOD, 2002, p. 28).
Eles faziam uma distinção entre forma e logos: uma palavra isolada tem
uma forma (por exemplo, a palavra “dia”), mas não expressa um logos,
pois não compõe um enunciado completo. “Já é dia” seria, por sua vez,
um logos. Assim, os estoicos perceberam que há, na linguagem, formas;
a palavra “dia” tem forma, é um signo que respeita as regras do portu-
guês, mas uma palavra como “cmtpll” não é uma forma do português.
Note que eles perceberam, também, que o significado (o logos) resulta
de uma combinação de formas.

Os estoicos ajudaram igualmente a formular a noção de classe de


palavras, também chamadas de “partes do discurso”. Se o logos expressa
um pensamento e é composto de formas, então cada uma dessas formas
deve apresentar uma contribuição específica para a formação do pensa-
mento, por meio da sentença gramatical. Foram sendo definidas assim
as classes de palavras, como substantivos, adjetivos, verbos, conjunções,

20
A linguagem como expressão do pensamento: o período greco-latino Capítulo 02
etc. cada uma cumprindo uma função na expressão do pensamento.

Essas classes de palavras foram definidas em termos de seu sig-


nificado, embora aspectos formais também fossem considerados, em
menor grau. Essas definições das classes de palavras, oriundas da tradi-
ção greco-latina, perduram até hoje nas gramáticas escolares que você Você vai estudar mais
sobre aspectos norma-
estudou na escola! Vejam a força da especulação desses filósofos e gra- tivos das gramáticas na
máticos da Antiguidade! Unidade C

As gramáticas da época clássica tinham muitas vezes um in-


teresse pedagógico e normativo, com o objetivo de ilustrar a elite, por
meio do ensino das boas construções, extraídas de obras literárias. Mas
a preocupação com a estrutura da linguagem também estava presente.
Dionísio, o Trácio, por exemplo, em sua obra intitulada Arte da Gra-
mática, estuda as classes de palavras com base na flexão, em especial
a flexão de caso, adotando assim uma abordagem formal da estrutura
Os casos gramaticais são
linguística (cf. Neves, 2001, p. 39). desinências (afixos) flexio-
nais que servem para mar-
Resumindo o tópico: podemos dizer que para os gregos e romanos car a função sintática da
da época clássica o estudo da linguagem e da gramática era um meio palavra à qual se juntam.
Como exemplo, podemos
de entender o pensamento e a realidade. Eles queriam também definir citar os casos nominativo
se a linguagem fazia parte da natureza ou da cultura. Sócrates era um (que marca o sujeito da
sentença) e acusativo (que
naturalista, rejeitando a ideia de que a linguagem fosse uma convenção marca o objeto direto). O
e como tal fizesse parte da cultura. As teorias do período clássico deram grego e o latim apresen-
tavam casos. O português
origem a muitas especulações filosóficas, mas também contribuíram não contém marcação de
para a formação de conceitos fundamentais dos estudos gramaticais, casos gramaticais.
como os conceitos de sentença, de classes gramaticais e de formas lin-
guísticas.

21
Estudos Gramaticais

22
Língua universal e línguas particulares: da Idade Média ao século XVIII Capítulo 03
3 Língua universal e línguas
particulares: da Idade Média
ao século XVIII
Vernáculo
Depois da dissolução do Império Romano, a Europa passou a viver Línguas nativas de uma
uma situação de intenso plurilinguismo. Os vernáculos começaram a população. Trask (2004,
surgir e a se desenvolver, como ocorreu com o português. Por volta do p. 304, grifos do autor)
define vernáculo como
ano mil da era cristã, já havia um leque de línguas nacionais disputando
“A fala corrente, do
espaço com o latim, que tinha se tornado a língua internacional da cul- dia-a-dia, numa deter-
tura no Ocidente, desde a época do Império Romano. O grego já perde- minada comunidade”.
ra sua força. Havia uma verdadeira situação de Torre de Babel por volta Este termo é emprega-
do “em contraste com a
do ano mil, com línguas germânicas convivendo com línguas neolatinas língua padrão”.
(como o português e o italiano, entre muitas outras), e línguas isoladas,
como o basco. Como afirma Umberto Eco (2001, p. 38), “[...] a Europa
apresenta-se como uma Babel de línguas novas, e só em seguida como
um mosaico de nações”.

Os filósofos e gramáticos tinham agora de lidar com essa enorme


diversidade de línguas, e não podiam mais se limitar à descrição dos
idiomas de maior prestígio, como o latim e o grego.
Essa oposição língua
As respostas que os estudiosos apresentaram a essa nova situação universal versus língua
são muito variadas. Uma primeira alternativa foi deixar de lado a espe- particular voltará a ser
estudada na seção 9.1 da
culação sobre a natureza da linguagem humana universal e se dedicar à Unidade C.
descrição de línguas particulares . Com isso, elaboraram-se gramáticas
descritivas de diferentes vernáculos. Um exemplo é a gramática do pro-
vençal, que era uma língua culturalmente importante, falada no sul da
França, e que exercia uma grande influência em outras regiões, como a No século XVI, surgiram
muitas gramáticas do por-
Itália e a Catalunha. tuguês. A primeira delas
foi a de Fernão de Oliveira
A razão dessa disseminação cultural do provençal é que se tratava (Grammatica da linguagem
da língua dos poetas trovadores, que gozavam de muito prestígio na portuguesa), publicada em
1536.
Idade Média. Uma obra que une gramática e poética provençal é o tra-
tado denominado Leys d´Amors, publicado em 1336.

O preconceito contra os vernáculos era muito forte no fim da Idade

23
Estudos Gramaticais

Muitas vezes, Média e ao longo do Renascimento. As línguas clássicas (grego e latim)


a elite de um país eram consideradas as únicas verdadeiras; as outras, como italiano, cata-
usava uma língua lão, provençal, inglês, português, alemão, etc., eram vistas como dialetos
de maior prestígio ou como línguas precárias e sem gramática. A descrição desses idio-
para se comunicar mas foi, contudo, sendo feita aos poucos, por meio de várias gramáticas
em momentos mais descritivas. Leon Battista Alberti, por exemplo, escreveu, em 1450, uma
formais. Por exem- gramática do italiano “[...] com o propósito manifesto de mostrar que o
plo, na região que italiano também tinha regras” (WEEDWOOD, 2002, p. 72).
hoje é a Alemanha, Outra vertente era a redação de gramáticas latinas com funções
a elite falava francês pedagógicas. Como o latim clássico deixara há muito de ser falado nas
no século XVIII, e ruas, os intelectuais lutaram para a sua preservação como língua de cul-
o alemão era consi- tura, a ser usada nas universidades e nas igrejas. Um exemplo disso, já
derado a língua das em pleno Renascimento, é a gramática latina escrita pelo inglês Thomas
classes baixas. Isso Linacre (1460-1524). Essa gramática funde características descritivas,
só mudou com o com elementos especulativos sobre a natureza da linguagem humana
Romantismo, no sé- em geral.
culo XIX, quando o
Mas, à parte essa descrição de línguas particulares, havia outra
alemão passou a ser
resposta à Torre de Babel europeia. Começaram a aparecer propostas
valorizado.
de representação do que seria uma língua perfeita, que tivesse validade
universal. Umberto Eco (2001) argumenta que a Europa nasceu sob o
signo da dissolução do latim como língua universal; a confusão linguís-
tica estava instalada, e alguns pensadores saíram em busca de uma lín-
gua perfeita que pusesse ordem no caos.

Na verdade, a ideia de que existia uma língua universal já vinha


desde a Idade Média, com os modistas (não eram estilistas de moda;
eles falavam dos modos de significação e ficaram conhecidos como os
modistas...). No tratado De modis, Boécio de Dácia (séc. XIII) afirma
que, de cada idioma, “é possível deduzir as regras de uma gramática uni-
versal” (apud ECO, 2001, p. 66). Essa gramática universal seria a língua
perfeita, que nos daria acesso à verdade e à essência das coisas. Mas essa
língua perfeita havia se perdido no tempo, e o que restava era a Babel
das línguas reais. O grande poeta italiano Dante, que escreveu o poema
a Divina Comédia no vernáculo de sua terra natal, percebia os verná-
culos como línguas imperfeitas, pois a língua ideal havia se perdido.

24
Língua universal e línguas particulares: da Idade Média ao século XVIII Capítulo 03
Na verdade, apesar dessa busca de uma língua internacional artificial
(busca que chega até nossos dias com o esperanto), o que temos mesmo
são as diferentes línguas reais, com as possíveis imperfeições e dificul-
dades que apresentem. A língua perfeita (seja o que isso for) é apenas
uma utopia.

Além dessas duas alternativas que já examinamos (descrição de


línguas particulares e busca de uma língua perfeita), uma outra res-
posta à multiplicidade de idiomas foi o racionalismo. A ideia era que
as diferentes línguas reais poderiam ser descritas a partir de princípios
comuns a todas elas. Não se trata de buscar a língua ideal, mas sim de
identificar as propriedades das línguas que podem ser inferidas a partir
de princípios descritivos bem definidos. Um dos maiores exemplos de
gramática racionalista é a Gramática de Port-Royal, escrita por Arnauld
e Lancelot e publicada em 1670. Os gramáticos de Port-Royal tentaram
“[...] demonstrar que a estrutura da língua é um produto da razão e que Port-Royal era um monas-
tério jansenista situado
as diferentes línguas são apenas variedades de um sistema lógico e ra- em Paris, que abrigava
cional mais geral” (LYONS, 1979, p. 17). religiosos e eruditos.

Os autores argumentam que há, na mente humana, três operações


básicas: conceber, julgar e raciocinar. Essas operações estão na base da
constituição da gramática de qualquer língua. Weedwood (2002, p. 99)
observa que

[...] as operações mentais foram transformadas na base das distinções


gramaticais: as três operações primárias – formar um conceito como
“redondo”, fazer um julgamento como “a terra é redonda”, e raciocinar
– forneciam um arcabouço para distinguir as várias partes do discurso
e para o estudo da sintaxe. Como essas operações e as suas consequên-
cias linguísticas são universais, elas podem ser exemplificadas por meio
de qualquer língua, e o francês e o latim oferecem a maioria dos exem-
plos. Dessa maneira, a célebre análise da oração “Deus invisível criou o
mundo visível” mostra simplesmente como três proposições mentais
distintas – que Deus é invisível, que Ele criou o mundo, e que o mundo
é visível – estão incluídas nesta única proposição verbal.

A ideia desses gramáticos é que a estrutura gramatical reflete uma


estrutura lógica subjacente. Essa lógica corresponde à articulação dos
pensamentos. No exemplo citado, se Deus é invisível e o mundo é vi-
sível, e se Deus criou o mundo, então o “Deus invisível criou o mundo

25
Estudos Gramaticais

visível”.

A percepção da linguagem humana como fruto da razão exerceu


uma forte influência nos estudos linguísticos, que se fazem sentir até
hoje em dia. Autores como Leibniz, no século XVIII, Frege, no século
XIX, e Chomsky, no século XX, entre muitos outros, deram continuida-
de a essa tradição racionalista, criando modelos lógicos e/ou gramati-
cais sofisticados que tentam reproduzir o sistema de regras que produ-
zem as sentenças gramaticais das línguas humanas.

Sugerimos que você pesquise sobre como línguas que são hoje im-
portantes foram se afirmando como línguas nacionais a partir da Idade
Média (por exemplo, o português, o francês, o italiano, o inglês, etc.).

Resumindo este tópico: no século XI da era cristã, a Europa havia


se convertido num grande caldeirão de línguas, com enorme variedade
de idiomas, falados por diferentes populações. Isso influenciou o tipo de
teoria gramatical que se elaborou desde essa época, até o século XVIII.
Desde o final da Idade Média, e em especial no Renascimento, houve
uma explosão de gramáticas de línguas nacionais da Europa. A primeira
gramática do português, por exemplo, é de 1536. Por outro lado, com o
fim do domínio do latim, alguns autores especularam sobre a existência
de uma língua perfeita, que pudesse dar ordem ao caos linguístico euro-
peu. Finalmente, a partir do Renascimento, começaram a surgir gramá-
ticas com fundamentos racionalistas, que tentavam buscar os princípios
universais que estão por trás de todas as línguas humanas. Um bom
exemplo desse tipo de estudo é a Gramática de Port-Royal.

26
As línguas como produtos da história: a época do Romantismo Capítulo 04
4 As línguas como produtos
da história: a época do
Romantismo
A partir da segunda metade do século XVIII, e em especial na pri-
meira metade do século XIX, houve um grande movimento de ideias,
denominado de Romantismo, que significou uma reação ao racionalis-
mo. O racionalismo sustentava que a linguagem era fruto de princípios
racionais universais. Como tal, o racionalismo se opunha ao empirismo
e ao historicismo. Para os empiristas, a aquisição do saber se dá através
dos sentidos, que organizam e esquematizam os dados de nossa expe-
riência. Para os historicistas, por sua vez, os sistemas simbólicos huma-
nos, como língua e cultura, mudam profundamente ao longo do tempo,
não refletindo apenas princípios racionais universais e imutáveis.

Os autores românticos sustentavam que as línguas humanas são


o produto das circunstâncias históricas de uma civilização, e como tal
sofrem enorme variação em função da historicidade. Além disso, esses
autores pensavam que a língua não exprime apenas princípios racionais,
mas está ligada aos sentidos e à imaginação dos seres humanos.

O movimento romântico ser-


viu também para fortalecer a ideia de
cultura nacional, na medida em que
os vernáculos eram entendidos como
expressão da alma de um povo. Com
isso, houve a valorização, em especial a
partir do século XIX, de línguas como
o alemão e o italiano, entre outras. A
Torre de Babel não era vista mais como
algo necessariamente negativo, pois a
expressão cultural só podia dar-se por
meio da diversidade das línguas nacio-
nais. Figura 3 - A Torre de Babel, de Peter Brueghel, o velho (1563).

Vamos citar aqui a obra de três autores importantes que ajudaram a


constituir a ideologia romântica: Vico, Rousseau e Humboldt.

27
Estudos Gramaticais

Para o filósofo italiano Vico (1668-1744), a visão racionalista e car-


tesiana da ciência não se aplicava ao saber sobre o homem. Línguas,
símbolos e culturas devem ser descritas não a partir de princípios gerais
abstratos, mas a partir de uma descrição detalhada de como essas reali-
dades simbólicas foram construídas ao longo do tempo. A realidade hu-
mana, psicológica ou social, não se enquadrava, como objeto de saber,
na visão da ciência cartesiana.

Vico defendia que a linguagem surgiu e foi evoluindo conforme as


necessidades dos seres humanos, e associa a cada época da sociedade
certa forma de linguagem. Ele descreve o ciclo da história com o que ele
chama de três idades: a primeira, a idade dos deuses, em que a linguagem
do homem era poética, servindo para descrever os fenômenos naturais
e as ações cotidianas; a segunda, a idade dos heróis, em que a fantasia
ainda prevalecia sobre a reflexão e a imaginação se confundia com a re-
alidade (por exemplo, a linguagem de Ilíada e do Antigo Testamento); e
a terceira, a idade dos homens, corresponde à cultura europeia da época
de Vico, e está ancorada na literatura filosófico-científica de base con-
ceitual e não mais imaginativa.

Para Vico, imaginação e reflexão são os dois lados da atividade sim-


bólica do homem. As estruturas simbólicas são dotadas de um valor es-
pecífico, e não universal. Esse sentimento da história ajudava a entender
a enorme variação das línguas e das culturas, que se manifestou forte-
mente no século XIX, quando o Romantismo atingiu o seu auge. Serviu
também para valorizar a língua e a cultura populares:

[...] o gênio popular é o criador da verdadeira poesia, que não seria pro-
duto de civilizações altamente desenvolvidas, mas obra do instinto e
da imaginação livres, sendo mais espontânea e genuína nos períodos
primitivos. Em tais períodos, o instinto, a imaginação e a tradição oral
eram mais fortes que a razão e a reflexão, fazendo da poesia a língua na-
tural dos homens. (HERDER, Johann Gottfried; GOETHE, Wolfgang apud
FICKER, 1994.).

Outro precursor do Romantismo foi o filósofo francês Rousseau


(1712-1778). Em seu Ensaio sobre a origem das línguas, Rousseau argu-
menta que as paixões, e não as necessidades humanas, foram o motor do
desenvolvimento de nossa faculdade de linguagem. Ele associa o desen-

28
As línguas como produtos da história: a época do Romantismo Capítulo 04
volvimento da linguagem verbal a uma maior expressão das emoções
humanas no meio social. Afirma, ainda, que os homens primitivos satis-
faziam plenamente suas necessidades práticas sem o recurso da lingua-
gem, comunicando-se apenas por gestos e sons inarticulados.

A linguagem articulada serviu, segundo ele, para tirar o homem


primitivo de seu isolamento físico e espiritual. O efeito da linguagem
sobre os homens foi duplo: em primeiro lugar, ofereceu a eles uma per-
cepção melhor da realidade dos outros. A linguagem deu-lhes a ima-
ginação e “[...] quem não imagina não sente mais do que a si mesmo:
encontra-se só no meio do gênero humano” (ROUSSEAU, 1987, p. 175).
Em segundo lugar, a linguagem deu ao ser humano a capacidade de
conhecer-se a si mesmo, de voltar-se para seu interior, com uma expres-
são mais desenvolvida de suas emoções.

Contrariando o senso comum de que Rousseau pregava um retor-


no ao mundo primitivo e não civilizado, essas ideias sobre a linguagem
mostram que ele não desprezava a importância da civilização; o estado
social deu ao homem uma “[...] ampliação dos horizontes intelectuais,
enobrecimento dos sentimentos e elevação total da alma” (ARBOUSSE-
BASTIDE; MACHADO, 1987, p. 14).

Para Rousseau, assim como para Vico, as línguas estão sujeitas a


uma grande variação ao longo da história, e a estrutura da gramática
de uma língua reflete a sociedade e a imaginação de uma dada época.
Isso se opõe, por certo, ao racionalismo preconizado pela Gramática de
Port-Royal.

Outro nome importante associado ao romantismo é o de Humbol-


dt (1767-1835). Ele argumentava que é o ‘destino interno’ de uma nação
que determina o tipo de linguagem que essa nação vai criar. Mas não
se trata apenas de razão ou conceitos, pois uma língua exprime tam-
bém emoções, atitudes e imaginação. Enfim, Humboldt, ao contrário
dos racionalistas, via a língua como a emanação do espírito integral de
um povo.

Como outros precursores do romantismo, entre eles Herder e


Vico, Humboldt tinha um enorme interesse pela questão da origem da
linguagem, e argumentava, juntamente com aqueles autores, que essa

29
Estudos Gramaticais

origem era poética e imaginativa, e não racional. Origem e finalidade se


A questão da origem completavam: a arte era o destino maior da linguagem, pensava Hum-
da linguagem estava na
moda desde a segunda boldt. Ele também defendia que uma língua era uma atividade (ener-
metade do século XVIII. geia) e não um produto (ergon), o que implica que uma língua envolve
Em 1769, a Academia de
Berlin instituiu um prêmio um intercâmbio dinâmico entre estrutura, pensamento e cultura.
para a melhor disserta-
ção sobre o tema. Quem Resumindo este tópico: desde a segunda metade do século XVIII,
ganhou foi Herder.
e durante todo o século XIX, os estudos gramaticais foram influencia-
dos pelas ideias do romantismo. Essa linha de pensamento favoreceu
o estudo histórico sobre as línguas e sobre a relação delas com as dife-
rentes etapas de uma civilização. As línguas nacionais passaram a ser
valorizadas, e começam a adquirir o prestígio intelectual antes atribuído
a apenas algumas línguas internacionais, como o latim e o francês. Fa-
tores psicológicos e culturais passaram a ser considerados importantes
no estudo da linguagem.

30
A busca da origem: do Romantismo ao Método Comparativo Capítulo 05
5 A busca da origem: do
Romantismo ao Método
Comparativo
O Romantismo, com sua obsessão pela origem da linguagem e
a valorização das diferenças culturais, terminou criando um ambiente
propício para o desenvolvimento do Método Comparativo, que buscava
estabelecer famílias de línguas a partir da comparação de palavras e es-
truturas de diferentes idiomas.

Se um grupo de línguas apresentava uma série de palavras seme-


lhantes no som e no sentido, então se podia estabelecer com segurança
um parentesco entre elas. As variações de sons entre os radicais dos vo-
cábulos de línguas de uma mesma família não eram casuais, mas defi-
nidas por regras fonéticas bem estabelecidas. Dessa forma, foram es-
tabelecidas correlações entre línguas muito distantes geograficamente.
Descobriu-se, por exemplo, que línguas tão diferentes quanto o sâns-
crito (língua clássica e religiosa da Índia), o persa, o armênio, o grego, o
latim, o antigo germânico, o romani (língua dos ciganos), entre outras
línguas, derivavam de uma língua ancestral comum, o indo-europeu,
cuja existência não pode ser atestada diretamente, mas inferida a partir
da comparação entre as línguas derivadas dessa língua-mãe mais antiga.
Assim, cada família de línguas derivaria de uma mãe específica mais
antiga. De uma maneira mais científica e objetiva, satisfazia-se o desejo
de recuperar a origem das diferentes línguas, e, por tabela, a cultura que
cada uma carrega.

A descoberta inicial mais importante e extraordinária foi a do in-


glês Sir William Jones, que fora indicado juiz da Suprema Corte de Jus-
tiça em Calcutá, na Índia. Neste país, na época colônia da Inglaterra,
ele se aperfeiçoou nos estudos do sânscrito, a língua sagrada da Índia.
Numa famosa palestra, em 1786, ele afirmou o seguinte:

O sânscrito, seja qual for sua antiguidade, tem uma estrutura maravilho-
sa; mais perfeito que o grego, mais copioso que o latim, e mais primo-
rosamente refinado que ambos, embora mantenha com eles tamanha
afinidade, tanto nas raízes dos verbos como nas formas da gramática,
que é impossível pensar que isso se deu por acidente; a afinidade é de

31
Estudos Gramaticais

fato tão forte que nenhum filólogo poderia examinar as três línguas sem
pensar que elas tenham brotado de alguma fonte comum que, talvez,
não mais exista. (JONES apud PINKER, 2004, p. 321).

Essa fonte comum seria o indo-europeu, extinto há muito tempo,


uma língua-mãe (também chamada de protolíngua) que devia ser fala-
da inicialmente na Ásia, talvez na atual Turquia, cujos falantes migra-
ram, em parte para a Índia, em parte para a Europa. Eis a razão pela qual
as línguas se diversificam: as migrações humanas. Quando membros de
um agrupamento humano, que inicialmente falam uma mesma língua,
deslocam-se para uma região distante, ao longo do tempo, introduzem
mudanças inconscientes na sua língua de origem, ao ponto de criarem
Também chamado de línguas bem distintas, como são o grego e o sânscrito. Mas um exame
filologia comparativa ou acurado mostra identidades lexicais e estruturais importantes, e o pa-
comparativismo.
rentesco pode ser estabelecido.

O método comparativo representou uma metodologia de traba-


lho empírico que pôde satisfazer a necessidade de se encontrar a língua
original da qual teriam advindo as línguas modernas. Assim, podia-se
realizar o sonho que esteve no auge durante o Romantismo: investigar a
Um comparatista im- origem da linguagem, agora em bases concretas, sem depender apenas
portante, o francês
Ernest Renan, defendeu da intuição e da especulação.
teorias equivocadas ao
comparar línguas. Para Essa ênfase na história favoreceu o estudo de línguas exóticas,
ele, as línguas analíticas
(como o francês) são como as línguas asiáticas. No entanto, paralelamente, a comparação en-
mais evoluídas que lín- tre línguas de famílias distantes podia conduzir a novos preconceitos.
guas como o chinês. Ele
sustentava também que Humboldt, por exemplo, defendia a superioridade das línguas europeias
línguas semíticas (como em relação às línguas da Ásia (cf. SEUREN, 1998). Hoje sabemos, to-
o hebraico) tinham
certas limitações, difi- davia, que não há línguas superiores a outras, e diferenças gramaticais
cultando, por exemplo, não podem ser interpretadas como diferenças de qualidade da estrutura
o raciocínio abstrato
nessas línguas! linguística.

O interesse pela história comandou as descobertas do método com-


parativo. Na verdade, muitos comparatistas acreditavam, no início, que
o ariano, a língua-mãe da família indo-europeia, seria a língua original
da raça humana, tendo existido há cerca de 6.000 anos. Mas isso logo se
mostrou falso, pois existem outras famílias de línguas tão ou mais anti-
gas. Como vimos aqui, hoje se sabe que a origem da linguagem deve ter
ocorrido há cerca de 100.000 anos. O mistério da origem da linguagem

32
A busca da origem: do Romantismo ao Método Comparativo Capítulo 05
continua.

Pesquise sobre a obra de autores importantes do Método Comparativo


e sobre as contribuições que eles deram.

Resumindo o tópico: o ambiente romântico, voltado para a histó-


ria das línguas, favoreceu o desenvolvimento do método comparativo,
que visa comparar línguas diferentes, a fim de estabelecer relações de
parentesco entre elas. A comparação entre idiomas de diferentes conti-
nentes estimula a descrição de línguas pouco estudadas antes, mas mui-
tas vezes os comparatistas continuaram a defender preconceitos sem ne-
nhuma base científica, como o de que as línguas europeias são melhores
que as asiáticas.

Fechando a Unidade

Esperamos que esse passeio no tempo tenha ajudado você a perce-


ber como o estudo da linguagem sempre foi um tópico de muito inte-
resse, e que os fundamentos filósofos e históricos são importantes para
se entender como os estudos gramaticais foram se desenvolvendo nas
diferentes etapas da civilização ocidental. Paramos a nossa viagem no
século XIX, pois a partir daí começa a chamada linguística moderna,
cujos fundamentos você vai estudar nas unidades seguintes.

33
Estudos Gramaticais

34
Unidade B
A linguística como estudo cientí-
fico da língua(gem)
Objetivos desta Unidade:

ӲӲ Apresentar diferentes concepções de língua(gem);


A depender da perspec-
tiva teórica assumida, ӲӲ Identificar propriedades caracterizadoras das línguas naturais;
alguns autores não fazem ӲӲ Perceber o caráter de cientificidade da Linguística Moderna
distinção entre “lin- versus a Gramática Tradicional.
guagem” e “língua”. Por
isso a opção de repre-
sentar ambas as noções Nesta segunda Unidade, apresentamos a você a Linguística
numa única palavra: como estudo científico da língua(gem). Veremos, inicialmente, dife-
língua(gem). rentes concepções de língua(gem), baseadas ora numa função cog-
nitiva ora numa função social; em seguida, passaremos às principais
propriedades que caracterizam as línguas naturais; fechando a Uni-
dade B, traremos à baila a questão da cientificidade nos estudos da
língua(gem).
Concepções de língua(gem) Capítulo 06
6 Concepções de língua(gem)

Vamos introduzir este capítulo com a seguinte passagem extraída


de uma entrevista com o professor Ataliba Castilho, no livro Conversas
com lingüistas: virtudes e controvérsias da linguística:

– Que é lingüística?

– Bom, eu, quando dou aula na graduação, costumo dizer para os alu-
nos: se você quer entender o que é lingüística e o que é seu objeto,
você precisa pensar um pouco na fábula dos três cegos apalpando o
elefante. Cada um apalpava um pedaço do elefante e definia o elefante
por aquele pedaço. Então, o que pegava a perna do
elefante dizia “o elefante é assim um cilindro muito
duro, rígido, é um animal com formato de cilindro e
que é estático, parece que esse animal não se mexe
e é um animal que ocupa posição vertical no espa-
ço”. O outro que mexia lá na tromba, naturalmente
discordava, não só quanto à disposição no espaço,
quanto à rigidez ao tato, tanto quanto à falta de
mobilidade. Imagino até que algum desses cegos,
tocando em outros lugares, concebeu a idéia de ca-
tegoria vazia. Então, a língua e a lingüística não são;
elas são o que para cada um de nós parecem ser.
Figura 4 - Ilustração “Elefante e cegos”
(CASTILHO, 2003, p. 55).

Esse trecho apresenta de forma bem-humorada o tópico central da


Unidade B. É da definição de linguística e de seu objeto que vamos tra-
tar agora, contrapondo, brevemente, a Linguística Moderna à Gramáti-
ca Tradicional no que diz respeito ao caráter científico de ambas.

À pergunta: Que é linguística?, costumamos encontrar a seguinte


resposta: A linguística é o estudo científico da língua(gem) humana.

Mas essa resposta nos coloca outras indagações:

ӲӲ O que é a língua(gem)?

ӲӲ O que é um estudo científico?

Vamos tratar dessas questões a seguir.

37
Estudos Gramaticais

As definições de língua(gem) são diversas, variando conforme o


ponto de vista adotado pelo autor. Vejamos algumas:

(1) Linguagem é a capacidade específica à espécie


humana de comunicar por meio de um sistema de
signos vocais (ou língua), que coloca em jogo uma
técnica corporal complexa e supõe a existência de
uma função simbólica e de centros nervosos gene-
ticamente especializados. Esse sistema de signos
vocais utilizado por um grupo social (ou comuni-
dade lingüística) determinado constitui uma língua
particular (DUBOIS et al., 1973, p. 387).

(2) O termo [linguagem] se aplica àquela aptidão


humana para associar uma cadeia sonora (voz)
produzida pelo chamado aparelho fonador a um
Figura 5 – Ilustração “O cérebro humano” conteúdo significativo e utilizar o resultado dessa
associação para a interação social uma vez que tal
aptidão consiste não apenas em produzir e enviar, mas ainda em rece-
ber e reagir à comunicação. Compreendida dessa maneira, a linguagem
aparece como o mais difundido e o mais eficaz instrumento natural de
comunicação à disposição do homem (BORBA, 1991, p. 9-10, grifos do
autor).

(3) [A língua] não se confunde com a linguagem; é somente uma par-


te determinada, essencial dela, indubitavelmente. É, ao mesmo tem-
po, um produto social da faculdade de linguagem e um conjunto de
convenções necessárias, adotada pelo corpo social para
permitir o exercício dessa faculdade nos indivíduos. [...]
A língua é de natureza homogênea, e constitui-se num
sistema de signos (SAUSSURE, 1971, p. 17, 23).

(4) A faculdade de linguagem é uma estrutura cognitiva


inata, humana e universal, e faz parte da herança gené-
tica de cada membro da espécie humana, do mesmo
modo que a visão é parte dessa herança. Essa estrutu-
ra, no que tange à linguagem, é o estado mental inicial
[chamado de Gramática Universal ou GU]. Passando por
estágios sucessivos, esse estado inicial se desenvolve,
Figura 6 – Ilustração “Linguagem como ação interindividual” seguindo um processo de maturação que sofre a influ-
ência do meio e das experiências pessoais, do mesmo
modo como a visão, até atingir um estágio estável (LOBATO, 1986, p. 38).

38
Concepções de língua(gem) Capítulo 06
(5) A linguagem [é vista] como atividade, como forma de ação, ação
interindividual finalisticamente orientada; como lugar de interação que
possibilita aos membros de uma sociedade a prática dos mais diversos
tipos de atos, que vão exigir dos semelhantes reações e/ou comporta-
mentos, levando ao estabelecimento de vínculos e compromissos ante-
riormente inexistentes (KOCH, 1992, p. 9-10, grifos da autora).

Os trechos apresentados anteriormente evidenciam duas diferentes


concepções de linguagem/língua:
Ferdinand Saussu-
ӲӲ uma centrada na função comunicativa/social, que vê a re é um linguista
linguagem/língua como instrumento de comunicação e suíço a quem se
forma de interação; credita a atribuição
de estatuto científi-
ӲӲ e outra centrada na função cognitiva/biológica da lingua- co à linguística, no
gem. início do século XX.
– Leia novamente as cinco definições apresentadas atentando para Pode-se dizer que
essa diferenciação. Saussure, com sua
obra Curso de lin-
Não é nosso propósito, neste momento, aprofundar uma discussão guística geral, inau-
sobre concepções de linguagem/língua, e sim apenas chamar a atenção gurou a Linguística
para o fato de que diferentes pontos de vista criam diferentes objetos, ou, Moderna. É a partir
nos termos de Saussure, de que “é o ponto de vista que cria o objeto” (1971, de Saussure que
p. 15). Assim, vamos reter por ora que a linguística se ocupa da linguagem/ os estudos linguís-
língua em qualquer das acepções mostradas acima, o que vai se refletir, ticos passam a ad-
naturalmente, em diferentes abordagens teóricas do fenômeno linguístico. quirir um caráter
O mesmo objeto pode ser analisado sob diferentes ângulos, a partir de dife- mais sistemático e
rentes pressupostos que podem ser complementares ou conflitantes. (Lem- abstrato, e a língua
bra da fábula dos cegos apalpando o elefante na introdução desta unidade?) é estudada sincro-
nicamente, desvin-
Ao longo do curso de Letras, você terá oportunidade de estudar culada de sua his-
diferentes abordagens teóricas. Vai ver que existem teorias formais e tória. A ele se deve
teorias funcionais da língua; que existem abordagens essencialmente o início de uma
linguísticas e abordagens interdisciplinares, como, por exemplo, a so- corrente linguística
ciolinguística (que se ocupa da relação entre linguagem e sociedade), a denominada ‘es-
psicolinguística (que se ocupa das questões de processamento e aqui- truturalismo’.
sição da linguagem), a etnolinguística (que se ocupa da relação entre
linguagem e cultura), e assim por diante.

39
Estudos Gramaticais

Até agora focamos nossa atenção em duas diferentes concepções


de língua(gem): comunicativa ou cognitiva. Vamos atentar agora para
certas diferenças entre linguagem e língua. Observe a distinção estabe-
lecida no excerto a seguir.

Com relação ao objeto de estudo da lingüística, deve-se dizer que esta


ciência lida tanto com línguas particulares, isto é, entidades individuais,
Os Parâmetros Curri-
como com a natureza geral destas mesmas línguas particulares, tentan-
culares Nacionais são
do responder a dois tipos de pergunta: (a) o que as diferentes línguas
documentos oficiais têm em comum e o que as diferencia entre si?; (b) o que há nas línguas
do MEC que orientam humanas que lhes atribui caráter único e as distingue dos demais sis-
o planejamento pe- temas de comunicação? Considerando que a linguagem será definida
dagógico nas escolas como o que há de comum às diferentes línguas, conclui-se que a lin-
brasileiras güística tem um duplo objeto: o estudo da linguagem em geral e o
estudo das diferentes línguas (ou, mais especificamente ainda, da gra-
mática das diferentes línguas). (LOBATO, 1986, p. 34).

Para refletir
1) Tente responder, conforme sua intuição de falante,
as questões a) e b) apresentadas no excerto de Lobato
(1986).

2) Identifique a concepção de linguagem/língua (como


função comunicativa/social ou cognitiva/biológica) pre-
sente nas seguintes definições extraídas dos Parâmetros
Curriculares Nacionais – PCN (BRASIL, 1998b, p. 20):

Linguagem: ação interindividual


orientada por uma finalidade espe-
cífica, um processo de interlocução
que se realiza nas práticas sociais
existentes nos diferentes grupos de
uma sociedade, nos distintos mo-
mentos de sua história.

Língua: sistema de signos específi-


co, histórico e social, que possibilita
a homens e mulheres significar o
mundo e a sociedade.
Figura 7 – Capa dos PCNs de Língua Portuguesa.

40
Concepções de língua(gem) Capítulo 06
Resumindo este tópico: A linguística é o estudo científico da
língua(gem) humana. Existem diferentes concepções de linguagem e/
ou de língua: uma centrada na sua função comunicativa/social – como
instrumento de comunicação e modo de interação; e outra na função
cognitiva/biológica – como representação do pensamento. Cada uma
dessas concepções vai se refletir em diferentes abordagens teóricas do
fenômeno linguístico. Nesse sentido, podemos dizer que “o ponto de
vista é que cria o objeto”.

41
Estudos Gramaticais

42
Propriedades das línguas naturais Capítulo 07
7 Propriedades das línguas
naturais
As línguas naturais são línguas humanas que se opõem às línguas
formais construídas por matemáticos e lógicos, e às línguas artificiais O esperanto é uma lín-
gua criada pelo médico
como o esperanto. São exemplos de línguas naturais: o português, o polonês Ludwig Lazar
italiano, o inglês, a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Vale lem- Zamenhof, por volta de
1887, para ser língua de
brar, ainda, que a linguística se ocupa das línguas naturais. As pro- comunicação internacio-
priedades descritas a seguir caracterizam e particularizam as línguas nal. Possui uma gramática
regular e utiliza raízes
naturais. latinas e gregas, além de
raízes das línguas euro-
peias mais faladas.
7.1 Flexibilidade e adaptabilidade
Nós podemos usar a língua para produzir inúmeros atos de fala:
externar nossos pensamentos e sentimentos, fazer perguntas ou decla- Ato de fala é uma ativi-
dade comunicativa que
rações, fazer pedidos ou dar ordens, fazer ameaças ou promessas etc. considera as intenções do
Assim, a linguagem humana pode desempenhar inúmeras funções, de falante e os efeitos que
consegue provocar no
natureza cognitiva ou comunicativa. ouvinte.

Considerando-se quem fala, de que se fala e com quem se fala, te-


mos três funções: uma que procura traduzir a atitude do falante naquilo
que ele está transmitindo (função emotiva), outra centrada no contexto
ou no conteúdo transmitido (função referencial), e uma terceira centra-
da no ouvinte (função conativa). Como ampliação dessas funções bási- Você poderá saber mais
cas, temos ainda: uma que focaliza a própria mensagem dando-lhe rele- sobre as funções da lin-
guagem lendo o capítulo
vo (função poética), outra que checa o canal pelo qual falante e ouvinte ‘A comunicação humana’,
entram em contato (função fática) e uma última que se centra no código, de Diana P. de Barros. In:
FIORIN, J. L. et al. (Orgs.).
ou seja, na própria língua, usando-se a língua para falar sobre a própria Introdução à lingüística. I.
língua (função metalinguística). Objetos teóricos. São Paulo:
Contexto, 2002. p. 32-41.
Essas seis funções foram propostas por Jakobson, considerando
a natureza social da linguagem. No quadro a seguir podemos visuali-
zar melhor e relação entre as funções da linguagem e os elementos que
constituem a comunicação:

43
Estudos Gramaticais

Roman Jakobson Contexto/conteúdo/referente


é um dos mais im-
portantes represen- Função referencial
tantes da Escola de
Praga, movimento Remetente/falante Mensagem Destinatário/ouvinte
linguístico que sur-
giu na década de Função emotiva Função poética Função conativa
1920. No Círculo
Linguístico de Pra-
ga começaram a Contato/canal
germinar as ideias Função fática
que vieram a cons-
tituir a corrente de-
nominada ‘funcio- Código
nalismo’. Função metalinguística

É importante observar que cada texto não tem apenas uma função,
mas várias delas. O que ocorre é que existe uma ou outra que predo-
mina. Por exemplo, no texto publicitário predomina a função conativa,
centrada no interlocutor (ouvinte/leitor). São formas linguísticas típicas
da função conativa: pronome de segunda pessoa, verbo no modo impe-
rativo, perguntas – para produzir o efeito de persuasão. Outro exemplo:
nas definições do dicionário predomina a função metalinguística. Veja
a definição da palavra ‘metalinguagem’ no dicionário Houaiss: “lingua-
gem (natural ou formalizada) que serve para descrever ou falar sobre
uma outra linguagem, natural ou artificial”. Como exemplo de função
fática, temos o estabelecimento de contato social por meio do uso de
expressões como bom dia! alô!.

A propriedade de flexibilidade e adaptabilidade da língua, além de


(i) servir para produzirmos diferentes atos de fala, permite (ii) nos re-
portar no tempo: ao passado, ao presente e ao futuro, (iii) nos referir a
coisas que não existem no mundo real; e assim por diante.

7.2 Arbitrariedade
A língua não é um conjunto de rótulos, ou uma nomenclatura, que
se aplica a uma realidade preexistente. A realidade só passa a ter existên-
cia para os homens quando é nomeada, de modo que só percebemos no

44
Propriedades das línguas naturais Capítulo 07
mundo o que nossa língua nomeia. A realidade é apreendida e nomeada
através de signos linguísticos.
Signo linguístico é um
Não existe um vínculo natural entre a forma das palavras (seja a ca- objeto linguístico dota-
do simultaneamente de
deia fônica, seja a representação escrita) e o seu sentido ou significado. forma e sentido. A forma
O vínculo - Releia a seção 2 da Unidade A, que trata dessa questão sob é chamada por Saussure
de significante; e o sen-
o ponto de vista histórico - é convencional ou arbitrário e é estabelecido tido, de significado. Por
social e culturalmente. É uma espécie de acordo coletivo entre os falan- exemplo, a palavra ‘cina-
momo’ tem uma forma
tes. O signo linguístico é, portanto, arbitrário e cultural. Por exemplo, particular constituída de
nada há que determine que a ideia que temos de ‘lar’ e ‘moradia’ seja uma sequência de oito
fonemas (sons da fala re-
representada pela palavra ‘casa’. O que ocorre é um processo de simbo- presentados graficamente
lização, que constitui uma espécie de filtro da realidade. A linguagem por letras), e também de
um sentido particular (um
categoriza a realidade, ou seja, classifica-a em categorias na medida em tipo específico de árvore).
que representa essa realidade. Em outras palavras: Os dois juntos formam um
signo linguístico. Assim,
A atividade lingüística é uma atividade simbólica, o que significa que o signo é constituído de
as palavras criam conceitos e esses conceitos ordenam a realidade, ca- significante + significado.
tegorizam o mundo. Por exemplo, criamos o conceito de pôr-do-sol.
Sabemos que, do ponto de vista científico, não existe pôr-do-sol, uma
vez que é a Terra que gira em torno do Sol. No entanto, esse conceito
criado pela língua determina uma realidade que encanta a todos nós.
Uma nova realidade, uma nova invenção, uma nova idéia exigem novas
palavras, mas é sua denominação que lhes confere existência. Apagar
uma coisa no computador é uma atividade diferente de apagar o que
foi escrito a lápis, à máquina ou à caneta. Por isso, surge uma nova pala-
vra para designar essa nova realidade, deletar. No entanto, se essa nova
palavra não existisse, não se perceberia a atividade de apagar no com-
putador como uma coisa diferente. (FIORIN, 2002, p.56).

Por outro lado, a relação entre a forma da palavra (o significante)


e o seu valor ou conteúdo (o significado), embora arbitrária, é necessá-
ria e não depende da livre escolha do falante. Veja-se, por exemplo, o
Você poderá saber mais
dicionário. A significação ou os valores atribuídos a cada palavra estão sobre esse assunto len-
registrados como diferentes acepções de uso. Qualquer novo significado do o capítulo ‘Teria dos
signos’, de J. L. Fiorin. In:
que a palavra venha a receber só vai ser dicionarizado após se regulari- FIORIN, J. L. et al. (Orgs.).
zar no uso dos falantes, ou seja, de um grupo social. O caráter necessário Introdução à lingüística. I.
Objetos teóricos. São Paulo:
do vínculo entre significante e significado se deve a, pelo menos, dois Contexto, 2002. p. 55-65.
motivos:

a) o significante sem o significado (e vice-versa) não tem valor

45
Estudos Gramaticais

linguístico;

b) uma vez estabelecido um vínculo convencional entre um sig-


nificante e um significado, esse valor passa a ser repetido pelos
falantes e se regulariza na língua. Se ficarmos inventando li-
vremente novos sentidos para palavras já conhecidas da língua
portuguesa, corremos o risco de não sermos entendidos pelos
nossos interlocutores.

7.3 Dupla articulação


Em Linguística, o termo ‘articulação’ é usado no sentido de seg-
mentação, subdivisão de palavras em partes, que podem se recombinar
em outros contextos. A língua pode ser decomposta em unidades míni-
mas de duas ordens: os morfemas – unidades mínimas significativas; e
os fonemas – unidades mínimas não significativas. Essas unidades po-
dem se combinar e recombinar indefinidamente.

Dupla articulação da linguagem

Morfemas: unidades da primeira articulação – com conteúdo se-


mântico.

Fonemas: unidades da segunda articulação – sem conteúdo se-


mântico.

Por exemplo, a palavra ‘refazer’ pode ser segmentada em quatro


morfemas: re/faz/e/r. Esses morfemas significam, respectivamente:

ӲӲ duplicação (prefixo re–),

ӲӲ ‘realizar’ (radical faz–),

ӲӲ 2a conjugação (vogal temática –e–),

ӲӲ infinitivo (desinência modo-temporal –r).

Os morfemas aparecem em novas combinações como em:

46
Propriedades das línguas naturais Capítulo 07
ӲӲ re/ler, re/contar, re/plantar,

ӲӲ faz/ia, faz/endo, faz/edor,

ӲӲ canta/r, faze/r, sorri/r.

A mesma palavra ‘refazer’ é constituída por sete fonemas: r/e/f/a/


z/e/r.

Os fonemas também aparecem em novas combinações, como em:

ӲӲ r/e/z/a/r, f/e/z, r/e/f/a/z.

Assim:

ӲӲ numa primeira etapa de análise, isolamos unidades significa-


tivas de natureza mórfica ou morfológica (1a articulação). Os
morfemas são unidades significativas porque cada segmento
da palavra apresenta um determinado valor: radical, vogal te-
mática (1ª, 2ª ou 3ª conjugação dos verbos), marca de gênero
(masculino ou feminino) ou de número (singular ou plural),
desinência verbal número-pessoal ou modo-temporal etc.;

ӲӲ numa segunda etapa de análise, identificamos unidades distin-


tivas de natureza fônica ou fonológica (2a articulação). Os fo- Você poderá saber mais
sobre a dupla articulação
nemas são unidades distintivas, embora não dotadas de signi- da linguagem lendo o
ficação, porque funcionam para distinguir palavras, como por capítulo ‘A língua como
objeto da Lingüística’, de
exemplo: /pala/ versus /bala/ versus /mala/. Antonio V. Pietroforte. In:
FIORIN, J.L. et al. (Orgs.).
A articulação da linguagem é facilitada pelo caráter linear do sig- Introdução à lingüística. I.
nificante; ou seja, o significante se desenvolve numa dimensão temporal Objetos teóricos. São Paulo:
Contexto, 2002. p. 91-92.
(como numa linha), no caso da fala, ou espacial, no caso da escrita. Por
linearidade, entende-se a disposição dos signos, uns depois dos outros,
sem que se possa produzir mais de um elemento linguístico de cada vez.

Para refletir

– Por que se diz que a dupla articulação da linguagem é um fator de


economia linguística?

– Discuta essa questão com seus colegas.

47
Estudos Gramaticais

7.4 Produtividade
A produtividade é uma propriedade da língua que permite que
uma dada regra seja estendida a novos casos. Assim, a partir de um nú-
mero reduzido de regras combinatórias, podemos produzir um número
ilimitado de novas palavras e enunciados. A noção de produtividade se
aplica tanto no âmbito da formação de palavras (combinação de mor-
femas), como na construção de frases (combinação de palavras). Por
exemplo:

Na formação de palavras: o sufixo -idade, formador de substanti-


vos, é bastante produtivo, pois aparece num número bastante significa-
tivo de palavras no português (facilidade, dificuldade, seriedade, familia-
ridade, legalidade). Já o sufixo -ura é menos produtivo na formação de
substantivos (quentura, largura, espessura).

A regra subjacente aos casos ilustrados acima é a de formação de


substantivos a partir de adjetivos:

[adjetivo + -idade/-ura = substantivo (fácil + -idade = facilidade;


quente + -ura = quentura)].
Você poderá saber mais
sobre a produtividade na Um determinado afixo (prefixo ou sufixo) pode ser produtivo numa
formação de palavras len- certa época e não em outra. Por exemplo: “o prefixo disque-, próprio
do ‘A morfologia deriva-
cional’. In: ILARI, R.; BASSO, para formar substantivos, nem sequer existia antes dos anos 1980, mas
R.M. O português da gente: hoje é prodigiosamente produtivo em português do Brasil: disque-pizza,
a língua que estudamos,
a língua que falamos. São disque-remédio, disque-denúncia”. (TRASK, R.L. 2004, p. 241)
Paulo: Contexto, 2006. p.
103-108. Vale lembrar que a aplicação de afixos não se dá de maneira aleató-
ria: existem certas condições gramaticais que precisam ser respeitadas.
Assim, o prefixo re- pode se aplicar a bases verbais ou substantivas sem
alterar a classe da nova palavra (re + contar = recontar; re + impressão
= reimpressão). Já os processos de sufixação geralmente alteram a classe
da palavra. Por exemplo, -ismo se aplica tanto a adjetivo (ótimo) como a
substantivo (Marx) formando substantivo (otimismo, marxismo).

Na construção de frases ou constituintes de frases: a combinação de


N (nome) + V (verbo) pode gerar: Pedro saiu; crianças brincam etc. A com-
binação de Art (artigo) + N (nome) + Adj (adjetivo) pode gerar: a menina
bonita; os rapazes inteligentes; uma maçã madura etc. E assim por diante.

48
Propriedades das línguas naturais Capítulo 07
Curiosidades

No início da década de 1990, o então Ministro do Trabalho Antônio


Rogério Magri foi alvo de piadas porque, de modo criativo, aprovei-
tando-se do “estoque de morfemas disponíveis em nossa língua”,
mencionou que “O Plano é imexível”, referindo-se ao famigerado
Plano Collor. Toda imprensa registrou o episódio, condenando o
ministro, tendo em vista que, à época, não havia registro do termo
“imexível” nos dicionários de língua portuguesa.

O terreno futebolístico é altamente criativo também. Leia os comen-


tários a seguir e observe como ficou marcado na memória de muitas
pessoas (principalmente de jornalistas) o episódio com o ministro
relatado acima.

Para refletir

- Usando sua intuição de falante do português, como você explicaria


essa nova palavra (imexível) criada pelo então ministro Magri?

- Consulte dicionários (de preferência, Aurélio e Houaiss) e verifique se


hoje já existe o registro dessa palavra.

49
Estudos Gramaticais

7.5 Heterogeneidade
Uma outra propriedade das línguas naturais é que elas não são ho-
mogêneas. Pelo contrário, as línguas variam e mudam ao longo do tem-
po. Essa variação/mudança ocorre nas dimensões geográfica, social e
estilística. Vamos retomar este ponto na terceira unidade.

Como vimos, as línguas naturais apresentam propriedades que as


caracterizam e as particularizam.

Para refletir

– Observe o diálogo travado entre Alice e Humpty Dumpty (persona-


gens de Aventuras de Alice, de Lewis Carrol), e tente descobrir que pro-
priedade das línguas naturais está envolvida nesse diálogo.

– Reflita sobre os problemas daí decorrentes e discuta com seus cole-


gas.

Figura 9 - Alice a Humpty Dumpty (personagens de Aventuras de Alice, de Lewis Carrol)

50
Propriedades das línguas naturais Capítulo 07
Resumindo este tópico: As principais propriedades das línguas
naturais são: (i) flexibilidade e adaptabilidade – a linguagem humana
pode expressar várias funções (emotiva, referencial, conativa, poética,
fática e metalinguística) e permite que nos reportemos no tempo e que
possamos nos referir a coisas que não existem no mundo real; (ii) arbi-
trariedade – a relação entre as palavras e o seu sentido é convencional
e estabelecida socioculturalmente; (iii) dupla articulação – a linguagem
humana é duplamente articulada, sendo decomposta em unidades mí-
nimas significativas (morfemas) e em unidades mínimas não-significa-
tivas (fonemas); (iv) produtividade – a partir de um número reduzido
de regras combinatórias, podemos produzir um número ilimitado de
novas palavras e frases; (v) heterogeneidade – as línguas variam e mu-
dam ao longo do tempo.

51
Estudos Gramaticais

52
O que é um estudo científico? Capítulo 08
8 O que é um estudo científico?
Vamos tratar agora da questão da cientificidade dos estudos linguís-
ticos. Como vimos na Unidade A, as preocupações com a linguagem são
muito antigas, mas é apenas no início do século XX que a Linguística
Moderna ganha autonomia e é reconhecida como estudo científico, a
partir dos trabalhos de Ferdinand Saussure publicados no livro Curso
de lingüística geral.

A linguística atende a critérios de cientificidade ao apresentar as ca-


racterísticas listadas abaixo, entre outras. Essas características a opõem à
chamada gramática tradicional. Assim, pode-se afirmar que linguística:

ӲӲ é empírica: lida com dados verificáveis por meio da observação


e da experiência; ou seja, as hipóteses teóricas podem ser ates-
tadas pelos dados. A linguística não tem caráter especulativo
ou metafísico. Já as gramáticas tradicionais, por serem parte da
filosofia geral, tinham caráter especulativo à medida que pre-
tendiam propor análises que respondessem a indagações sobre
o universo.

ӲӲ é objetiva: tem caráter não preconceituoso, não emite julgamen-


tos de valor a respeito da língua do tipo “certo” vs. “errado”, “feio”
vs. “bonito”, “superior” vs. “inferior”, “primitivo” vs. “evoluído”.
A linguística, por ser descritiva (e não prescritiva), opera com
a noção de adequação. Por exemplo, não falamos da mesma
maneira quando nos dirigimos a nossos familiares e amigos
em situações mais íntimas, e quando nos dirigimos ao nosso
chefe, ao padre, ao prefeito etc. A linguagem se ajusta a novas
situações comunicativas que envolvam mudança de papéis so-
ciais dos interlocutores. Já os juízos de valor são característicos
da abordagem tradicional, baseada na escrita literária clássica.
À medida que impõe julgamentos, a gramática tradicional se
constitui numa doutrina: a doutrina gramatical.

ӲӲ t em caráter explícito: apresenta definição clara, coerente e deta-


lhada dos pressupostos teóricos da análise; utiliza uma termi-
nologia especializada; lida com critérios explícitos e objetivos.

53
Estudos Gramaticais

Em outras palavras, tem um “construto teórico” como base ex-


planatória, ou explicativa, para os dados. Diferentemente, as
gramáticas tradicionais apresentam, muitas vezes, definições
vagas e imprecisas, com mistura de critérios. Além do mais, a
maioria dessas gramáticas limita-se a repetir os mesmos con-
ceitos e classificações ao longo dos anos.

Um aspecto importante a ser mencionado é que, com o advento


da Linguística Moderna, a língua escrita deixa de ser considerada como
Lembre-se de que a gra- mais importante que a falada. Admite-se que a língua está sujeita a va-
mática tradicional prioriza
a língua escrita literária, riações e mudanças e que mudança linguística não significa deturpação
tomando-a como modelo ou decadência da língua. Para a linguística qualquer variedade de uma
de como escrever correta-
mente. língua pode ser objeto de estudo. Enfim, rompe-se com a postura tradi-
cional de que só a variedade culta escrita deve ser objeto da gramática.
Separa-se, assim, a gramática prescritiva da gramática descritiva. Reto-
maremos esse ponto na Unidade C.

Em relação ao caráter científico da linguística, cabe mencionarmos


ainda a questão do método. O estudo sistemático da língua envolve, ge-
ralmente, os seguintes passos:

ӲӲ observação;

ӲӲ problematização;

ӲӲ formulação e testagem de hipóteses;

ӲӲ checagem do modelo teórico;

ӲӲ generalização.

Entretanto, como a linguística é um conjunto de saberes dos quais


resultam modelos teóricos diversos, cada modelo vai requerer um apa-
rato metodológico que seja compatível com suas especificidades. O im-
portante é que as hipóteses sejam coerentemente testadas e sustentadas
empiricamente dentro de modelos teóricos.

Perini (2006, p.35) coloca nestes termos o objetivo do linguista:


fazer “uma descrição da estrutura da língua: o conjunto de regras, ele-
mentos, classes e princípios que governam as associações dos diversos
elementos da língua e seu significado”. Dizendo de outro modo: cabe ao

54
O que é um estudo científico? Capítulo 08
linguista descrever e explicar o funcionamento da língua, isto é, a rela-
ção que existe entre os significados e as formas dessa língua.

O trabalho científico implica, basicamente, a observação e descrição


de fatos linguísticos a partir de certos pressupostos teóricos formu-
lados no âmbito da teoria linguística ou linguística geral. Cabe à lin-
guística geral fornecer conceitos e categorias que servirão de base
para o estudo das línguas particulares. Cabe à linguística descritiva
fornecer dados que validem ou refutem as hipóteses teóricas for-
muladas pelo linguista geral. O linguista descritivo, no entanto, não
está limitado a oferecer evidências empíricas para as formulações da
linguística geral; ele pode estar interessado em produzir gramáticas
de referência ou dicionários. Esses dois ramos da linguística (geral e
descritiva) não são estanques, e sim interdependentes.

No Brasil, temos importantes estudos descritivos, como os


trabalhos de Mattoso Camara Jr., de Mário Perini, de Maria Helena
Moura Neves, bem como os volumes de Gramática do Português Fa-
lado, produzidos pelos pesquisadores do projeto coordenado pelo
professor Ataliba de Castilho, entre muitos outros. Como os referen-
ciais teóricos podem ser diversificados, um mesmo fenômeno pode
receber diferentes descrições e explicações.

Para refletir

– Leia a passagem abaixo extraída da gramática de Cunha e Cintra, con-


siderando a diferença de ponto de vista entre linguistas e gramáticos
normativos.

– Discuta essa questão com seus colegas.

É justamente para chegarem a um conceito mais preciso de


‘correção’ em cada idioma que os lingüistas atuais vêm tentando
estabelecer métodos que possibilitem a descrição minuciosa de

55
Estudos Gramaticais

suas variedades cultas, seja na forma falada, seja na escrita. Sem


investigações pacientes, sem métodos descritivos aperfeiçoados
nunca alcançaremos determinar o que, no domínio da nossa
língua ou de uma área dela, é de emprego obrigatório, o que
é facultativo, o que é tolerável, o que é grosseiro, o que é inad-
missível; ou, em termos radicais, o que é e o que não é correto
(CUNHA; CINTRA, 1985, p. 8).

Resumindo este tópico: Alguns critérios de cientificidade opõem


a Linguística Moderna à Gramática Tradicional: empiria, objetividade
e caráter explicativo – presentes na primeira, mas não na segunda. A
linguística se ocupa do estudo sistemático da língua, em qualquer varie-
dade linguística, seguindo os seguintes passos metodológicos: observa-
ção, problematização, formulação e testagem de hipóteses, checagem do
modelo teórico e generalização.

56
Unidade C
Gramática e norma
Objetivos desta Unidade:

ӲӲ Reconhecer ‘gramática’ como um termo polissêmico;

ӲӲ Relacionar diferentes concepções de gramática a diferentes


concepções de língua(gem) e de norma linguística;

ӲӲ Reconhecer a língua como um sistema heterogêneo e os dife-


rentes tipos de variedade linguística.

Nesta Unidade, vamos abordar a polissemia, isto é, a pluralidade


de sentidos associados aos termos ‘gramática’ e ‘norma’, relacionando-
os a diferentes concepções de língua(gem). Vamos também focalizar a
heterogeneidade do sistema linguístico, distinguindo variedades: língua
padrão versus não padrão, variedades regionais e sociais etc.
Concepções de gramática Capítulo 09
9 Concepções de gramática
Se ‘gramática’ é um termo polissêmico, isto é, tem mais de um sig-
nificado, quais seriam esses significados? É o que passamos a ver a se-
guir. Antes, porém, procure refletir sobre as seguintes perguntas:

– O que você entende por ‘gramática’?

– Você gosta de gramática? Por quê?

– Certas pessoas consideram que estudar gramática é “unir o inútil ao


desagradável” (PERINI, 2002, p. 47). O que você pensa disso?

9.1 Gramática Universal e gramáticas de


línguas particulares
Retomemos a definição (4) de linguagem apresentada no capítulo 6:

A faculdade de linguagem é uma estrutura cognitiva inata, humana e


universal, e faz parte da herança genética de cada membro da espécie
humana, do mesmo modo que a visão é parte dessa herança. Essa es-
trutura, no que tange à linguagem, é o estado mental inicial [chamado
de Gramática Universal ou GU]. Passando por estágios sucessivos, esse
estado inicial se desenvolve, seguindo um processo de maturação que
sofre a influência do meio e das experiências pessoais, do mesmo modo
como a visão, até atingir um estágio estável. (LOBATO, 1986, p. 38).

A ideia de universais linguísticos, presente no trecho acima, decor-


re da crença de que a linguagem está vinculada a mecanismos inatos da
espécie humana que são comuns aos membros dessa espécie. Em termos
mais técnicos, segundo a teoria gerativa proposta por Noam Chomsky, a
Gramática Universal (GU) é formada por (i) ‘princípios universais’ (leis
rígidas e invariáveis), biologicamente determinados, que se aplicam
igualmente a todas as línguas; e (ii) por ‘parâmetros’ (leis que variam
entre as línguas), que são abertos, fixados pela experiência no ambiente
linguístico, que dão origem à diferença entre as línguas. Assim, enquan-

59
Estudos Gramaticais

to os ‘princípios’ remetem mais diretamente à faculdade da linguagem,


os ‘parâmetros’ têm a ver com as línguas particulares. Essa abordagem é
conhecida como Teoria de Princípios e Parâmetros.

A questão da aquisição da linguagem é muito importante para essa


teoria. É postulado que a criança tem uma GU inata que contém os
princípios comuns a todas as línguas, cabendo a ela (criança) selecionar,
a partir do input (dados de entrada, constituídos pelas formas linguísti-
cas que ouve), as regras daquela língua que ela está adquirindo, ou seja,
o valor que determinado parâmetro deve tomar. Em outras palavras, a
criança nasce pré-programada com princípios universais e um conjunto
de parâmetros a serem fixados de acordo com os dados da língua à qual
ela estiver exposta.

Um exemplo de princípio universal é o de que operações sintáticas


só podem afetar constituintes sintáticos, e não parte deles. Observe o
funcionamento do constituinte sublinhado (no caso, objeto direto) nos
O asterisco indica a agra- exemplos abaixo.
maticalidade da sentença,
ou seja, no caso dos exem-
plos apresentados, aque- 1) Deixei alguns dos livros do Pedro na prateleira.
les que não pertencem ao
português. O ponto de in- 2) Alguns dos livros do Pedro, deixei na prateleira.
terrogação diante da frase
significa que a construção 3) *Livros do Pedro, deixei alguns dos na prateleira.
é, no mínimo, estranha.
4) *Alguns livros do Pedro, deixei dos na prateleira.

5) * Alguns dos, deixei livros do Pedro na prateleira.

Julgamos que as frases (3), (4) e (5) não são boas e não as produzi-
mos, mas nunca ninguém nos ensinou isso.

Esses fatos são interpretados como indícios de que nosso cérebro é


programado para aprender certas coisas, e não outras; ou seja, são ves-
tígios de que existe uma GU. E dizer que certas frases são possíveis em
uma língua significa dizer que elas são parte da gramática dessa língua.
Por outro lado, dizer que elas não são possíveis significa dizer que elas
não são parte da gramática dessa língua. Assim, quem decide se uma
frase pertence ou não a uma língua é o falante nativo dessa língua, es-
colarizado ou não.

Vejamos um exemplo do que se denomina, na teoria de Chomsky,

60
Concepções de gramática Capítulo 09
parâmetro: o chamado “parâmetro do sujeito nulo”. Um dos princípios
universais determina que toda sentença das línguas humanas tenha
uma posição sintática de sujeito. Mas em muitas línguas essa posição
de sujeito não precisa ser foneticamente preenchida. Isso significa que o
preenchimento fonético dessa posição é um parâmetro. Por outro lado,
há línguas que sempre têm que preencher essa posição (como o inglês),
e outras não (como o português, o italiano e o espanhol).

Observemos o “parâmetro do sujeito nulo” versus o “parâmetro do


sujeito preenchido” nos exemplos abaixo:

a) It rains! (inglês)

b) Ø Chove! (português)

c) Ø Piove! (italiano)

d) ¡ Ø Llueve! (espanhol)

Como se vê em a), “it” (pronome) ocupa a posição de sujeito. Já nas


sentenças b), c) e d), basta o verbo para indicar o fenômeno meteoroló-
gico, não havendo necessidade de preenchimento da posição de sujeito.

Para Chomsky, a língua é um sistema de princípios localizados na


mente humana. Esse sistema abstrato de regras mentalizadas por um
indivíduo coincide com seu conhecimento da língua, isto é, com sua
competência linguística. Para a teoria gerativa, ter competência linguís-
tica não significa ter habilidade ou aptidão para falar e escrever, e sim
ter conhecimento internalizado do sistema de regras de uma língua. Essa
competência é inata.

Imagine a seguinte situação: existe um conhecimento linguístico


que se desenvolve independentemente dos ensinamentos escolares e
outro que é aprendido na escola. O objeto de estudo da teoria gerativa
é justamente a descrição e a explicação de algumas características parti-
culares do conhecimento linguístico adquirido e desenvolvido nos pri-
meiros anos de vida de um ser humano, independentemente de instru-
ção formal. É esse conhecimento linguístico, a competência linguística,
que permite às crianças construírem todas as sentenças possíveis de sua
língua e somente elas.

61
Estudos Gramaticais

Se o sistema abstrato de regras mentalizadas é considerado em rela-


ção à língua como um todo, ele corresponderá à gramática dessa língua,
uma gramática particular. Nesse caso, a gramática é entendida como o
sistema abstrato e finito de regras que permite gerar um conjunto infinito
de sentenças.

Em síntese:

– A gramática universal (GU) é a faculdade da linguagem, o próprio


conhecimento inato dos falantes;

– A gramática particular é o sistema abstrato que subjaz às realiza-


ções linguísticas dos falantes.

Essa concepção de gramática – que recobre tanto a noção de gra-


mática universal como de gramáticas das línguas particulares – é de
natureza cognitiva/biológica. Corresponde, grosso modo, ao que se cha-
ma de ‘gramática internalizada’, remetendo ao conjunto de regras que o
Você pode saber mais falante conhece ou domina, ao seu conhecimento implícito da língua,
sobre esse assunto lendo
o capítulo ‘A competência independente do ensino formal ou escolarizado.
lingüística’, de E. Negrão;
A. Scher; E. Viotti. In:
FIORIN, J.L. et al. (Orgs.).
Para refletir
Introdução à lingüística. I.
Objetos teóricos. São Paulo:
Contexto, 2002. p. 95-119. Perini (2004, pp.127-133) chama a atenção para as seguintes coincidên-
cias que se verificam entre as línguas:

a) aos 4 anos de idade as crianças já dominam sua língua ma-


terna (e às vezes também outras); isso sem ‘estudar gramá-
tica’;

b) há certos aspectos das línguas que nunca são ensinados, e


dos quais os falantes nem têm consciência, que são aprendi-
dos uniformemente por todos. Ou seja, temos conhecimentos
linguísticos que não são resultado de ensino. Por exemplo, po-
demos dizer:

62
Concepções de gramática Capítulo 09

Eu me vi na TV.

Vocês me viram na
TV.

Nós nos vimos na


TV.
Figura 10 – Televisão

Eu vi vocês na TV.

Eu nos vi na TV.

Mas a frase seguinte não é gramaticalmente boa:

? Nós me vimos na TV.

– Por que a frase assinalada acima não é gramaticalmente boa?

– Discuta essa questão com seus colegas.

Agora que já vimos a distinção entre gramática universal e gramá-


ticas de línguas particulares, vamos refletir acerca de aspectos que dife-
renciam a gramática prescritiva da descritiva/explicativa.

9.2 Gramática prescritiva versus gramática


descritiva e explicativa
Tanto a gramática prescritiva (ou normativa) como a gramática
descritiva são gramáticas de línguas particulares. A gramática prescriti-
va se inspira na gramática tradicional, que, como já vimos, fundamenta
sua análise em textos literários escritos, tomando-os como modelo de
correção. A gramática prescritiva/normativa pode ser definida como
conjunto de regras que devem ser seguidas. O uso linguístico que atende
a essas regras é dito “correto”; o que não obedece às regras é taxado de
“errado”. Essa é a concepção normalmente adotada nas gramáticas pe-

63
Estudos Gramaticais

dagógicas e nos manuais didáticos. Já a gramática descritiva pode ser


definida como o conjunto de regras que são seguidas.

A título de ilustração, observe como Cunha e Cintra tratam do em-


Celso Cunha (gramático prego do pronome sujeito:
brasileiro) e Lindley Cintra
(gramático português)
escreveram juntos a Nova
gramática do português Os pronomes sujeitos eu, tu, ele (ela), nós, vós, eles (elas) são normal-
contemporâneo. mente omitidos em português, porque as desinências verbais bas-
tam, de regra, para indicar a pessoa a que se refere o predicado, bem
como o número gramatical (singular ou plural) dessa pessoa:
ando escreves dormiu
rimos partistes voltaram

Emprega-se o pronome sujeito:


a) quando se deseja, enfatica-
mente, chamar a atenção para a
pessoa do sujeito:

Sim! Tu sabes ligar-me a todos


os teus crimes. Tu me sopras
todos os pensamentos maus, tu
me apontas o abismo [...] (Castro
Alves, OC, 643).
b) para opor duas pessoas di-
ferentes:
Figura 11 – Capa da Gramática de Celso Cunha

Abraçamo-nos ambos contristados,


Ele, porque há de ser, como eu, um velho,
E eu, por ter sido já, como ele, um moço (E. de Castro, UV, 68).
c) quando a forma verbal é comum à 1a e à 3a pessoa do sin-
gular e, por isso, se torna necessário evitar o equívoco:
É preciso que eu repita o que ele disse?
É preciso que ele repita o que eu disse?

(CUNHA; CINTRA, 1985, p. 275-276 – Adaptado).

64
Concepções de gramática Capítulo 09
Como se pode notar no quadro anterior, em se tratando de gra-
mática normativa, a regra geral prevista no português é de omissão do
pronome quando estiver na função sintática de sujeito. A presença do
pronome é aceita, pelas gramáticas normativas, nas seguintes situações:
(i) para expressar valor estilístico marcando ênfase ou contraste, ou (ii)
para evitar ambiguidade no caso de certas formas verbais idênticas para
designar a 1a e a 3a pessoa do singular (eu/ele disse).

Importa salientar, entretanto, que estudos descritivos do português


falado atualmente têm mostrado uma nítida preferência pela realização
(ou preenchimento) do sujeito em torno de 60 a 70% dos casos. Os re-
sultados desses estudos evidenciam que o português está passando por
um processo de mudança no que diz respeito à presença do pronome su-
jeito. (Nos termos da gramática gerativa, o português está passando por As regras gramaticais
podem ser de 3 tipos: 1)
uma mudança de parâmetro, de sujeito nulo para sujeito preenchido.) normativas – ditam o que
deve ser seguido; 2) des-
Esse é um exemplo de como uma abordagem normativa e outra critivas – mostram o uso
regular efetivo da língua;
descritiva tratam um mesmo objeto, no caso, o uso do pronome sujeito. e 3) internalizadas – cor-
respondem ao conheci-
Várias vezes já mencionamos a palavra “regra” neste texto. A pro- mento inato que o indiví-
pósito da noção de regra, observe a seguinte distinção estabelecida por duo tem da língua.
Sírio Possenti:

Há dois sentidos em que se pode falar de regras: um deles traz consi-


go a idéia de obrigação, aproximando-se da noção de lei em sentido
jurídico: a regra é algo a que se obedece, sob pena de alguma sanção.
É nesse sentido que se fala das regras de etiqueta e do ‘bom comporta-
mento’. [...] O outro sentido de regra traz consigo a idéia de regularidade
e constância, aproximando-se de lei no sentido de ‘leis da natureza’. Por
exemplo, a lei da gravidade sistematiza uma parte de nossas observa-
ções sobre os objetos que nos cercam.[...] As regras de uma gramática
normativa se assemelham às regras de etiqueta, expressando uma obri-
gação e uma avaliação do certo e do errado. [...] As regras de uma gra-
mática descritiva se assemelham às leis da natureza, na medida em que
organizam observações sobre fatos, sem qualquer conotação valorativa.
Um botânico não critica plantas por apresentarem tais e tais caracte-
rísticas – descreve-as, classifica-as. [...] Pode-se falar em regras também
em relação à gramática internalizada [...] que expressam aspectos dos
conhecimentos lingüísticos dos falantes que têm propriedades sistemá-
ticas (POSSENTI, 1996, p.73-74, grifos do autor).

65
Estudos Gramaticais

Uma observação que deve ser feita ao falarmos de gramática pres-


critiva ou normativa é que, de fato, os manuais de gramática normativa
não são inteiramente prescritivos. Observe a seguinte passagem da Gra-
Veja, por exemplo, a Mo- mática normativa de língua portuguesa de Rocha Lima:
derna gramática portugue-
sa, de Evanildo Bechara,
que tem como título do
capítulo II: Gramática des- Emprega-se indiferentemente tudo o que e tudo que; mais usada,
critiva e normativa – as
unidades no enunciado. hoje, a primeira forma:
(grifo acrescido)
Tudo o que punge, tudo o que devora

O coração [...] (R. CORREIA apud ROCHA LIMA, 1972, p. 306).

Agora, compare com o seguinte trecho da mesma gramática:

São erros comuns dar forma oblíqua ao pronome sujeito de verbo


no infinitivo:

[...] para mim fazer [...]

(para eu fazer)

e dar forma reta aos pronomes mim e ti em regime preposicional:

Tudo ficou resolvido entre mim e ti – devemos dizer (ROCHA LIMA,


1972, p. 285).

A primeira passagem descreve o uso variável da expressão tudo (o)


que, informando inclusive qual é a forma mais usada. Não há nenhum
juízo de valor acerca desses usos. Já a segunda passagem condena certos
usos pronominais chamando-os de “erros”.

Veja também os excertos da Nova gramática do português contem-


porâneo de Cunha e Cintra (1985, p. 313-314 e p. 227, respectivamente):

66
Concepções de gramática Capítulo 09
1) O pronome possessivo não exprime sempre uma rela-
ção de posse [...]. Na língua moderna, ele tem assumido
múltiplos valores, por vezes bem distanciados daquele
sentido originário.

Mencione-se o seu emprego:


a) como indefinido:

‘A senhora há de ter tido seus apertos de dinheiro, disse Rubião’ (M.


DE ASSIS).
b) para indicar aproximação numérica:

‘Entrou uma mulherzinha de seus quarenta anos, decidida e de pas-


so firme’ (F. SABINO).
c) para designar um hábito:

‘Era lindo o bicho, com sua calma de passarinho manso’ (R. BRAGA)
2) Repete-se o artigo antes de dois adjetivos unidos por
uma das conjunções e e ou quando os adjetivos acentu-
am qualidades opostas de um mesmo substantivo:

‘Conhecia o novo e o velho Testamento’.

Não se repete, porém, o artigo se os dois adjetivos ligados pelas


conjunções e, ou (e mas) se aplicam a um substantivo com o qual
formam um conceito único:

‘Esqueceu que já não tinha mais a sua tristonha mas bela solidão’
(E. VERÍSSIMO)

Você deve ter percebido que, no primeiro caso, os autores descrevem Vamos falar mais sobre
diferentes valores do pronome possessivo; e no segundo, prescrevem o a variedade padrão no
próximo capítulo.
emprego do artigo junto de adjetivos. No entanto, é a variedade padrão
da língua, ou norma culta, que é priorizada em ambas as passagens. Ob-

67
Estudos Gramaticais

serve que os exemplos são retirados de obras literárias de autores clás-


sicos da literatura brasileira, como Machado de Assis, Fernando Sabino,
Rubem Braga e Érico Veríssimo.

Com o advento da Linguística Moderna, os estudiosos passaram


a se preocupar não só com a descrição das línguas, mas também com
a explicação para os fatos linguísticos. Hoje em dia, temos duas gran-
des correntes teóricas que pretendem ter caráter descritivo e explica-
tivo. Uma delas é a teoria gerativa proposta pelo linguista americano
Leia novamente a seção Chomsky na década de 1950, como uma gramática formal. A outra é a
sobre gramática universal
e gramática internalizada. gramática funcional, que tem sua origem no chamado Círculo Linguís-
tico de Praga, na década de 1920.

Uma abordagem formal da língua considera a intuição do falan-


te como critério da gramaticalidade ou agramaticalidade da sentença.
Uma sequência é agramatical quando não está de acordo com o conhe-
cimento internalizado de que dispõe o falante (sua competência linguís-
tica). Vamos pensar em algumas situações concretas? Por exemplo:

Para refletir

* De leite pudim este delícia é uma.

Considerando sua experiência de falante de português, levante hipó-


teses para justificar o porquê de a frase acima não ser considerada gra-
matical.

Já uma abordagem funcional leva em conta o uso linguístico na in-


teração verbal, considerando, além de aspectos morfossintáticos, tam-
bém aspectos semântico-pragmáticos e prosódicos, como entonação e
ritmo. Considere as frases abaixo:

Este pudim de leite é uma delícia.

É uma delícia este pudim de leite.

Antes de explicarmos a mudança na ordem dos constituintes


nessas frases, é preciso considerar a “ordem canônica”. A ordem canô-

68
Concepções de gramática Capítulo 09
nica dos constituintes corresponde à chamada ordem direta. As cons-
truções transitivas, por exemplo, apresentam a ordem canônica SVO
(sujeito + verbo + objeto). Se houver também elementos com valor cir-
cunstancial (advérbios ou adjuntos adverbiais), esses virão no final da
frase numa estrutura SVO Adv.

No primeiro exemplo, a frase está numa ordem canônica ou direta,


ou seja, apresenta sujeito + verbo + predicativo. No segundo caso, o pre-
dicativo, que é o atributo ou a qualidade do ‘pudim’, foi deslocado para o
início, num movimento que chamamos de topicalização. Com esse tipo
de construção, coloca-se em evidência o elemento topicalizado. Cons-
truções que apresentam ruptura da ordem canônica são chamadas de
construções marcadas. A marcação serve para colocar em relevo, dar
destaque, enfatizar certas informações nas situações comunicativas em
que as frases são proferidas.

Uma abordagem funcional da língua considera o nível textual/dis-


cursivo, extrapolando os limites da frase. Por exemplo, isso é apresenta-
do nas gramáticas normativas como pronome demonstrativo neutro, ou
seja, como o termo usado em lugar de um nome para coisas inanimadas.
No entanto, se observarmos textos escritos (ou mesmo trechos trans-
critos de fala), vamos ver que isso é usado para estabelecer relações de Veja um exemplo de aná-
lise gramatical no âmbito
coesão textual, retomando partes do texto. Uma abordagem funcional do texto em ILARI; BASSO,
se ocupa desses usos de caráter mais amplo. 2006, p. 223-229.

O quadro seguinte sintetiza algumas das características de cada


tipo de abordagem (Essas características serão retomadas adiante, por
isso não se preocupe se alguma delas não ficar clara para você neste
momento.)

ABORDAGEM FORMAL DA ABORDAGEM FUNCIONAL DA


LÍNGUA(GEM) LÍNGUA(GEM)
1. Natureza da linguagem: 1. Natureza da linguagem:
Fenômeno mental Fenômeno mental e sociocultural
Saber individual inconsciente Usos da linguagem na sociedade
Herança genética comum da espé- Universais derivados da universali-
cie humana (GU) dade de usos
Independente de contexto Dependente de contexto
Aquisição: capacidade humana es- Aquisição: desenvolvimento de ne-
truturada para aprender a língua cessidades habilidades comunicati-
vas da criança na sociedade

69
Estudos Gramaticais

2. Concepção de língua: 2. Concepção de língua:


Objeto formal abstrato Instrumento de interação social
Competência lingüística (inata) Competência comunicativa
Expressão do pensamento Processamento da informação e co-
municação

2. Concepção de língua: 3. Concepção de gramática:


Instrumento de interação social Sistema adaptativo, dependente
Competência comunicativa do contexto
Processamento da informação e co- Regras comunicativamente motiva-
municação das: foco na função + estrutura
Níveis: morfossintático, semântico-
pragmático (interligados)

Vimos, neste capítulo, que a concepção de linguagem/língua


adotada vai implicar uma certa concepção de gramática. Para fechar
o capítulo, veja como o professor Ataliba de Castilho aborda essa
questão:

Como se sabe, a linguagem é um ‘objeto escondido’, assim como o ob-


jeto da Psicologia, da Sociologia e de outras Ciências Humanas. Para ela-
borar sobre ele, temos de partir de pontos de vista (expressão que tra-
duz a palavra grega ‘theoría’), de postulações prévias, que constituirão a
linguagem como um objeto cientificamente analisável. Simplificando
um pouco as coisas, pode-se dizer que há três grandes modelos teóri-
cos de interpretação da linguagem humana: a língua como atividade
mental, a língua como uma estrutura e a língua como atividade
social.

De acordo com a primeira teoria, a língua é uma capacidade inata do


homem, que lhe permite reconhecer as sentenças, atribuindo-lhes uma
interpretação semântica, ou produzir um número infinito de sentenças,
atribuindo-lhes uma interpretação fonológica. Em conseqüência, uma
gramática que assim entenda a linguagem será uma gramática implí-
cita (ou gramática da competência), interessada em explicar como as
pessoas adquirem uma língua, como elas produzem e interpretam a sua
ou uma outra língua. Esses postulados buscam, em última instância, a
Gramática Universal, subjacente às milhares de línguas naturais.

A teoria da língua como estrutura postula que as diferentes línguas na-


turais dispõem de um sistema composto por signos, distintos entre si
por contrastes e oposições, organizados em níveis hierarquicamente
dispostos: o nível fonológico, o nível gramatical (ou morfossintático) e,

70
Concepções de gramática Capítulo 09
em alguns modelos, também o nível discursivo. As gramáticas estrutu-
rais buscam identificar as regularidades constantes das cadeias de fala,
são basicamente descritivas, e operam através da contextualização da
língua em si mesma.

Finalmente, a terceira teoria considera a língua como uma atividade


social, por meio da qual veiculamos as informações, externamos nos-
sos sentimentos e agimos sobre o outro. Assim, concebida, a língua
é um conjunto de usos concretos, historicamente situados, que en-
volvem sempre um locutor e um interlocutor, localizados num espa-
ço particular, interagindo a propósito de um tópico conversacional
previamente negociado. Uma gramática que assim entenda a língua
(como é o caso da Gramática Funcional) procura os pontos de contac-
to entre as estruturas identificadas pelo modelo anterior e as situações
sociais em que elas emergem, contextualizando a língua no contexto
social.

Tomadas em seu conjunto, as duas primeiras teorias postulam a língua


como [...] um produto que deve ser examinado independentemente de
suas condições de produção. Em suma, elas se ocupam de enuncia-
dos, para cuja apreensão a Sintaxe assume uma grande autonomia em
relação à Semântica e à Pragmática. Já a terceira teoria postula a língua
como um fenômeno funcionalmente heterogêneo, representável por
meio de regras variáveis socialmente motivadas. A língua é, em suma,
uma enunciação, um elenco de processos, para cuja apreensão a Se-
mântica e a Pragmática se constituem em pontos de partida, sendo a
Sintaxe um ponto de chegada.

A Lingüística tem oscilado entre esses dois pólos, ora destacando a lín-
gua como um enunciado – valorizando-se as gramáticas formais, es-
truturais, gerativas – ora destacando a língua como uma enunciação
– valorizando-se as gramáticas funcionais. (CASTILHO, 2000, p. 11-12,
grifos do autor).

As duas primeiras concepções de linguagem e de gramática ex-


postas na citação mostram, no seu conjunto, a língua como um produ-
A Gramática de usos do
to que deve ser examinado independentemente de suas condições de português. São Paulo: Ed.
produção. Correspondem a uma abordagem formal da língua(gem). UNESP, 2000, de Maria
Helena de Moura Neves,
Já a terceira concepção (de linguagem e gramática) mostra a língua é um exemplo de uma
como um fenômeno funcionalmente heterogêneo. Corresponde a uma gramática funcional do
português.
abordagem funcional da língua(gem).

71
Estudos Gramaticais

Para refletir

1) Pense em “regras gramaticais” que lhe tenham ensinado


na escola, mas que você normalmente não utiliza em sua
fala.

a) Como você poderia argumentar se alguém lhe dissesse


que esse uso que você faz da língua é errado?

b) Por que há diferenças entre as regras que são seguidas e


as que devem ser seguidas?

2) Considerando a noção de gramática normativa e gramá-


tica descritiva, pense no ensino de língua portuguesa.
O que mostra a sua experiência (como professor(a) ou
aluno(a)): o ensino é mais normativo, descritivo ou am-
bos?

Resumindo este tópico: ‘Gramática’ é um termo polissêmico, pois


pode ser usado com várias acepções, como por exemplo: (i) gramática
universal – a faculdade da linguagem, o próprio conhecimento inato
dos falantes; (ii) gramática particular – o sistema abstrato que subjaz às
realizações linguísticas dos falantes de uma dada língua; (iii) gramática
prescritiva – inspirada na gramática tradicional, pode ser definida como
conjunto de regras que devem ser seguidas (opera com as noções de
“certo” e “errado”); (iv) gramática descritiva – assentada na linguística,
pode ser definida como conjunto de regras que são seguidas. A con-
cepção de língua(gem) adotada vai implicar uma certa concepção de
gramática. Com o advento da Linguística Moderna no século XX, os
estudiosos passaram a se preocupar também com a explicação para os
fatos linguísticos. Há duas grandes correntes teóricas, atualmente, que
pretendem não só descrever, mas também explicar os fenômenos gra-
maticais: uma chamada formal (postulada por Chomsky na década de
1950) e outra funcional (originada num movimento chamado Círculo
Linguístico de Praga na década de 1920).

72
A norma linguística Capítulo 10
10 A norma linguística
Vamos introduzir este capítulo com a seguinte citação:

Apesar de a língua escrita ser o território em que mais se evidencia a


obediência, ou não, a modelos prestigiados de uso, pode-se afirmar que
em qualquer modalidade de língua se constituem normas que emer-
gem naturalmente da média dos usos nas diferentes situações (NEVES,
2001).

Repare que Neves fala em “normas”, no plural, evidenciando-se


aqui a questão da polissemia do termo mencionada no início desta Uni-
dade. É de diferentes concepções de norma que tratamos a seguir.

10.1 Concepções de norma


O que vem a ser a “norma linguística”?

A primeira consideração a ser feita é que a noção de norma está


associada a grupos sociais. Podemos dizer que um fator importante que
identifica um grupo social e distingue um do outro é o uso que cada
grupo faz da língua.

Esse uso comum caracteriza o que se chama de a norma lingüística de


determinado grupo. Assim, numa sociedade diversificada e estratificada
como a brasileira, haverá inúmeras normas lingüísticas, como, por exem-
plo, a norma característica de comunidades rurais tradicionais, aquelas
de comunidades rurais de determinada ascendência étnica, a norma
característica de grupos juvenis urbanos, a(s) norma(s) característica(s)
de populações das periferias urbanas, a norma informal da classe média
urbana e assim por diante. (FARACO, 2002, p. 38).

Vamos rever alguns conceitos já estudados. A ideia de norma


apresentada anteriormente tem a ver com a noção de regras? Se você
pensou que sim, acertou. Essas regras seriam descritivas ou prescri-
tivas? Imaginamos que você vai responder algo do tipo: ‘Se elas têm
a ver com o uso, então são descritivas’. É isso mesmo. É claro que os
diferentes grupos que constituem uma comunidade não possuem di-
ferentes línguas; o que os identifica são os diferentes usos que fazem
de uma mesma língua, ou seja, aqueles usos que os particularizam face

73
Estudos Gramaticais

a outros grupos.

Marcamos nossa identidade pelo pertencimento a certos grupos


sociais ou a grupos regionais (ser gaúcho, ser catarinense, ser parana-
ense, ser mineiro, ser carioca, ser pernanbucano etc.). Ao fazer parte de
determinado grupo, compartilhamos com os membros daquele grupo a
mesma linguagem e os mesmos hábitos culturais; e, assim, constituímos
a nossa identidade, apoiada em valores de solidariedade e lealdade entre
os pares.

Se existem diferentes normas, há também diferentes gramáticas


descritivas em uma língua? Mais uma vez a resposta é afirmativa. Po-
demos ter, por exemplo, uma gramática da fala dos pescadores de Flo-
rianópolis (SC), outra da fala dos descendentes de imigrantes italianos
da zona rural de Chapecó (SC), outra dos falantes de classe média da
zona central da cidade de São Paulo, e assim por diante. Mas, obvia-
mente, tais grupos não são fechados. É claro que existem contatos entre
os membros dos diferentes grupos. Os indivíduos desempenham dife-
rentes papéis sociais no seu cotidiano e podem interagir com pessoas de
diferentes estratos sociais, regiões etc. Da mesma forma, num âmbito
maior, temos os fluxos migratórios que se deslocam por diferentes re-
giões do país. Assim, a par de manterem características identificatórias
por se agregarem a valores socioculturais, as normas linguísticas tam-
bém se mesclam e se influenciam mutuamente, ou seja, são mescladas
ou “hibridizadas” (FARACO, 2002, p. 39).

Para refletir

– Pense na sua situação: que tipo de intercâmbio social/regional você


costuma fazer?

– Consegue perceber interferências na sua forma de falar?

– Se você é professor(a), a que grupos sociais pertencem os alunos de


sua escola?

– Percebe diferenças na fala de seus alunos?

74
A norma linguística Capítulo 10
Nessas alturas, você deve estar se perguntando: ‘O que a escola
deve ensinar se são tantas as regras, normas e gramáticas?’; ‘Será por
isso que o ensino de língua portuguesa está tão caótico como dizem
alguns?’. Vá pensando sobre essas questões, pois vamos retomá-las mais
à frente.

Uma vez estabelecida essa correlação entre grupo social e norma


(em termos mais amplos: entre sociedade e linguagem), vamos adiante
em nossas reflexões.

Você já deve ter lido ou ouvido a expressão ‘norma culta’. É bastan-


te discutível o uso do adjetivo ‘culta’ associado à norma. Faz supor que
exista uma norma ‘inculta’, ou seja, falada por indivíduos sem cultura.
Vale lembrar, entretanto, como mostram os estudos antropológicos, que
não existe grupo social sem cultura, e sim com culturas diferentes. Você
já ter ouvido também a expressão ‘norma-padrão’. Será que as expres-
sões ‘norma culta’ e ‘norma-padrão’ são sinônimas? Para alguns autores,
sim. Para outros, não. Nós também vamos tratá-las de modo diferen-
ciado.

Observe como o professor Carlos Alberto Faraco define ‘norma


culta’:

A expressão norma culta deve ser entendida como designando a


norma lingüística praticada, em determinadas situações (aquelas que
envolvem certo grau de formalidade), por aqueles grupos sociais mais
diretamente relacionados com a cultura escrita, em especial por aquela
legitimada historicamente pelos grupos que controlam o poder social.
(FARACO, 2002, p. 40).

Como podemos perceber, a norma culta está associada a certos va- Curso superior completo.
lores sociais: os indivíduos que a praticam têm alto grau de escolarização
circulam em ambientes que exigem certa formalidade e onde tem des-
taque a cultura escrita. A norma culta é a língua que encontramos na
mídia difundida nos grandes centros urbanos: jornais, revistas, livros
etc. Corresponde ao uso linguístico de prestígio. A norma culta, como
qualquer outra norma, pode ser escrita ou falada.

75
Estudos Gramaticais

Fala e escrita

É importante observar que a escrita não é exatamente uma repre-


sentação da fala: não escrevemos como falamos. As diferenças entre
fala e escrita são decorrentes da natureza do meio ou canal de co-
municação:

– Na fala, tem papel muito importante o contexto circundante – a


presença do interlocutor, o espaço físico compartilhado, a possibili-
dade de usar gestos, diferentes entonações de voz etc; o processo
de elaboração das ideias se dá on-line permitindo reelaborações e
ajustes.

– Na escrita, não temos um interlocutor presente e precisamos ar-


ranjar recursos linguísticos para representar valores expressivos, por
exemplo; ao contrário da situação de fala, temos tempo de elaborar
as ideias para colocá-las no papel, e reescrevê-las, se for o caso, inú-
meras vezes.

Você se lembra do que comentamos há pouco sobre as normas se-


rem “hibridizadas” ou mescladas? Pois bem, a norma culta, sendo de-
preendida a partir do uso efetivo da língua por certo grupo social, tam-
bém está sujeita a variações e mudanças. Portanto, a norma culta não é
homogênea. Vamos pensar em algumas situações concretas?

Imagine uma situação em que um aluno pede um livro emprestado


ao professor e este promete trazê-lo no dia seguinte. As seguintes res-
postas (entre outras) são possíveis no âmbito da norma culta da língua
portuguesa:

1) Trarei o livro amanhã, sem falta.

2) Vou trazer o livro amanhã, sem falta.

3) Trago o livro amanhã, sem falta.

Em certos contextos linguísticos, temos três formas alternativas


para expressar o tempo futuro: o verbo flexionado no futuro do presen-

76
A norma linguística Capítulo 10
te (trarei); a perífrase com o auxiliar ir flexionado + verbo principal no
infinitivo (vou trazer); e o verbo no tempo presente (trago).

É devido ao caráter heterogêneo da norma culta que há autores,


como Marcos Bagno, que preferem falar em “variedades cultas” (no plu-
ral) porque

[...] não existe um comportamento lingüístico homogêneo por parte


dos ‘falantes cultos’, sobretudo (mas não somente) no tocante à língua
falada, que apresenta variação de toda ordem segundo a faixa etária, a
origem geográfica, a ocupação profissional etc. dos informantes. (BAG-
NO, 2002, p.179).

Atenção!
ӲӲ A norma culta deve ser vista como uma variedade da lín-
gua portuguesa e não como a língua propriamente dita.

ӲӲ A norma culta também está sujeita a variações e mudan-


ças.

ӲӲ Não devemos confundir norma culta com língua escrita.

Todas as normas são expressas em ambas as modalidades: língua


falada e língua escrita. Tome-se como exemplo o projeto NURC (Proje-
to de Estudo da Norma Urbana Linguística Culta). Temos, já, resultados O projeto NURC docu-
mentou, na década de
significativos em termos de descrição da norma culta falada no Brasil. 1970, a norma culta falada
O que não significa dizer que tal descrição seja igualmente válida para em cinco capitais brasilei-
ras (Recife, Salvador, Rio
a norma culta escrita. Esta é encontrada atualmente em textos de ampla de Janeiro, São Paulo e
circulação como livros, revistas e jornais. Porto Alegre). É a partir de
amostras linguísticas do
NURC que se desenvolve
Já a “norma-padrão”, grosso modo, costuma ser associada à ideia de o Projeto de Gramática do
gramática normativa. Isso porque tem um papel unificador que busca Português Falado coor-
denado pelo professor
neutralizar as variações tornando-se uma “referência supra-regional e Ataliba de Castilho. Desse
transtemporal” (FARACO, 2002, p. 42). Nesse sentido, a norma-padrão projeto resultaram 8 volu-
mes da Coleção Gramática
tem um caráter homogêneo sendo confundida com a própria língua, daí do Português Falado e o
encontrarmos também a designação “língua padrão”. volume 1 da Gramática do
Português Culto Falado no
Embora a noção de norma-padrão não se confunda com a de Brasil, publicado em 2006.

77
Estudos Gramaticais

norma culta, há uma aproximação entre elas. Vejamos alguns exemplos:


A norma-padrão cor-
responde a regras im- 1) A regra básica de concordância verbal normatizada em portu-
postas; e a norma culta, a
padrões efetivos de uso guês é que o verbo deve concordar em número e pessoa com o
observável num certo sujeito; a norma culta também contempla essa regra de concor-
grupo social.
dância, pelo menos quando se trata de ordem SV (sujeito–ver-
bo) como em Os meninos chegaram.

2) A regra padrão de concordância nominal é que os elementos


determinantes e modificadores (artigos, numerais, adjetivos
etc.) devem concordar em gênero e número com o núcleo no-
minal determinado; a norma culta também mostra esse uso,
pelo menos em sintagmas nominais simples como meus filhos
pequenos. Nesse exemplo, filhos é o núcleo nominal determina-
do e meus, pequenos são elementos determinantes/modificado-
res que concordam em gênero e número com o núcleo.

Há, entretanto, muitos casos de desacordo entre a prescrição nor-


mativa e o uso culto. Eis alguns:

1) A regra geral de colocação do pronome átono é a ênclise, ou


seja, a posposição do pronome ao verbo, como em Maria deu-
me um livro. (A próclise é prevista com algumas palavras atra-
toras, como elementos de negação, advérbios, entre outras). No
entanto, a tendência de uso do brasileiro (salvo alguns poucos
casos) é a próclise, isto é, a anteposição do pronome ao verbo:
Maria me deu um livro.

2) A norma-padrão prevê a omissão dos pronomes sujeitos, uma


vez que a informação número-pessoal já aparece na desinência
verbal (corro; corres); a norma culta tende a realizar o sujeito
(eu corro; tu corres).

É em função desse descompasso entre o que é normatizado (como


uma espécie de lei) e o que é usado que nos deparamos frequentemen-
te com verdadeiras campanhas de “caça a erros”, seja na fala de figuras
proeminentes, seja na escrita, especialmente a midiática. Nem a norma-
padrão nem a norma culta equivalem à língua portuguesa: a primeira
corresponde a um ideal abstrato de língua tida como “correta”; a segun-
da, a certa variedade da língua portuguesa. São equivocadas, portanto,

78
A norma linguística Capítulo 10
expressões frequentemente ouvidas como: “não sei português”, “falo er-
rado o português”. De fato, quem assim se expressa está querendo dizer:
“não domino a variedade culta do português, ou a língua padrão”.
Você pode saber mais
sobre esse assunto em:
BAGNO, M. (Org.). Lingüís-
Para refletir tica da norma. São Paulo:
Loyola, 2002. Trata-se de
uma coletânea de 15 tex-
Pensando em sua prática docente (se você for professor(a)), ou na de tos de diferentes autores,
outros professores, como costuma ser vista a questão da norma linguís- que discutem a questão
da norma linguística e
tica: como “norma-padrão” ou como “norma culta”? seus desdobramentos:
norma ideal versus nor-
Que implicações essas diferentes visões trazem para o ensino de língua ma real; norma-padrão
versus norma culta; norma
portuguesa?
objetiva versus norma sub-
jetiva etc.
Discuta essas questões com seus colegas.

10.2 Variedades da língua e língua padrão


do Brasil
Já vimos que as noções de regra, norma, gramática estão interliga-
das, apontando para a questão da diversidade linguística.

Observe novamente o trecho (que fecha o capítulo anterior) extra-


ído da obra do professor Ataliba Castilho: “a terceira teoria postula a
língua como um fenômeno funcionalmente heterogêneo, representável
por meio de regras variáveis socialmente motivadas”. Essa passagem re-
mete à ideia de que a língua portuguesa, como qualquer língua natu-
ral, não é homogênea e nem uniforme. É heterogênea. Constituída de
variedades linguísticas.
O fenômeno de variação e
As variedades linguísticas podem ser: regionais, sociais e estilísticas mudança ocorre em todos
os níveis linguísticos:
(ou de registro formal ou informal), e ainda decorrentes da modalidade fonético-fonológico, mor-
falada ou escrita da língua. Vamos ver alguns exemplos? fológico, sintático, lexical
e discursivo. As variedades
linguísticas regionais e
10.2.1 Variação regional ou geográfica sociais são também cha-
madas de dialetos.
A variação regional ou geográfica corresponde às diferenças que
uma mesma língua apresenta na dimensão espacial, quando é falada em

79
Estudos Gramaticais

diferentes regiões de um mesmo país (ex.: Região Sul, Sudeste, Nordes-


te, Norte do Brasil), ou em diferentes países (ex.: o português falado no
Brasil e em Portugal). Vejamos alguns exemplos de variação nos dife-
rentes níveis gramaticais:

ӲӲ no nível fonético-fonológico – as vogais /e/ e /o/ pretônicas,


como nas palavras “terraço” e “bolacha”, são pronunciadas
como vogais abertas (é, ó) em certos locais do nordeste e como
vogais fechadas (ê, ô) no sudeste e no sul;

ӲӲ no nível morfológico – a marcação do diminutivo distingue


“mainha” na Bahia de “mãezinha” no restante do país;

ӲӲ no nível sintático – a posposição da negação como em “vou


não” é típica de certas regiões do nordeste; a dupla negação
como em “não vou, não” é comum no sudeste (especialmente
no Rio de Janeiro); e a anteposição da negação como em “não
vou” é preferida no sul;

ӲӲ no nível lexical – a fruta cítrica de cor alaranjada e sabor ado-


cicado é conhecida em grande parte da região Sul como “ber-
gamota” ou “vergamota”. Em São Paulo, é chamada de “tange-
rina”, no Rio de Janeiro de “laranja-cravo”, em Minas Gerais
de “mexerica” e também em outros locais é conhecida como
“laranja-mimosa” ou simplesmente “mimosa”;

ӲӲ no nível discursivo – as expressões “mas bah!”, “pô, cara, aí...”,


“ôrra meu!”, “pronto”, são facilmente associadas a falantes gaú-
chos, cariocas, paulistas e paraibanos, respectivamente.

As diferenças linguísticas entre os falantes da zona urbana e da


zona rural também estão no âmbito da variação regional.

10.2.2 Variação social

A variação social é aquela que reflete as diferenças sociais dos fa-


lantes (principalmente o grau de escolaridade e o nível socioeconômi-
co). Assim, temos a ‘variedade padrão’ ou ‘norma culta’ – aquela usada
pelas pessoas mais diretamente relacionadas com a cultura escrita que é
historicamente legitimada; e a variedade não padrão – aquela utilizada,

80
A norma linguística Capítulo 10
em geral, por indivíduos não escolarizados ou pouco escolarizados.

Exemplos:

ӲӲ no nível fonético-fonológico – a variação entre /r/ e /l/ como


em “brusa” e “blusa”; a despalatalização como em “muié” ou
“muler” e “mulher”, são realizações características da variedade
não padrão e da variedade padrão, respectivamente;

ӲӲ no nível morfossintático – a conjugação verbal é frequente-


mente reduzida a duas formas: eu vou / tu, “ocê”, ele, “nóis”,
“ocêis”, eles vai, nos grupos com nenhuma ou pouca escolari-
zação, o que implica a não concordância verbal nesses casos.

Observe, porém, que essas variações que estamos identificando


como sociais são muitas vezes também regionais. Por exemplo, é muito
comum ouvirmos tu foi no Rio Grande do Sul ou nós vai em parte da
região Oeste, independentemente do nível de escolaridade do falante.
Portanto, as motivações para a variação não são sempre as mesmas em
todo o país. Estamos apontando aqui apenas tendências e não regras
categóricas de uso da língua.

Para refletir

ӲӲ Qual a diferença entre as noções de língua padrão, nor-


ma-padrão e variedade padrão? O uso da linguagem
deve estar adequado
ӲӲ Discuta essa questão com seus colegas. às diferentes situações
comunicativas, como uma
“etiqueta social”. É como
a roupa que usamos: ves-
tido de festa para ir a um
10.2.3 Variação estilística ou de registro casamento, maiô para ir à
praia, pijama para dormir
É a variação que depende do contexto situacional em que se dá a etc.
prática discursiva. O contexto situacional envolve:

ӲӲ os papéis sociais desempenhados pelos interlocutores: profes-


sor – aluno; médico – paciente; vendedor – cliente; pais – fi-
lhos; amigo – amigo etc;

ӲӲ os domínios sociais: a escola, a igreja, o lar, o trabalho etc;

81
Estudos Gramaticais

ӲӲ o tipo de assunto: religião, lazer, política etc.

Em situações comunicativas que exigem maior formalidade, usa-


mos uma linguagem mais cuidada e elaborada, ou mais monitorada – o
registro formal. Em situações familiares e informais, usamos uma lin-
guagem coloquial, menos monitorada – o registro informal.

10.2.4 Variação decorrente da modalidade oral/escrita

As modalidades oral e escrita se assemelham quanto às condições


gerais de uso da linguagem, já que ambas expressam as mesmas inten-
ções comunicativas e compartilham o mesmo código linguístico (léxico
e gramática). As maiores diferenças decorrem das condições de produ-
ção da linguagem, que envolvem:

ӲӲ o tipo e o tempo de processamento das informações – levando,


por exemplo, a hesitações, falsos começos e reparos na fala; e a
maior planejamento e elaboração na escrita;

ӲӲ o grau de dependência contextual – com maior envolvimento


dos interlocutores, podendo fazer uso de gestos e expressões
fisionômicas na fala; e maior distanciamento na escrita;

ӲӲ uso de recursos gramaticais diferenciados – construções


mais fragmentadas, com maior uso de coordenação e justa-
posição de elementos na fala; e construções sintaticamente
mais integradas, com maior uso de subordinação, de conec-
tores diversificados, enfim, de adequação à norma culta, na
escrita.

Há um aspecto muito importante que precisa ser considerado ao se


comparar fala e escrita: a questão do gênero/tipo de texto e do registro
(formal ou informal). Por exemplo: é válido comparar uma versão fala-
da e outra escrita de um mesmo acontecimento relatado por um mesmo
indivíduo numa situação informal; ou uma versão falada e outra escrita
de uma exposição teórica numa situação formal. Já a comparação de um
texto escrito acadêmico com o relato oral de um sonho a um amigo, por
exemplo, não traz resultados tão significativos em termos de levantar
características da modalidade escrita e da falada.

82
A norma linguística Capítulo 10
A influência da modalidade oral ou escrita sobre os recursos linguís-
ticos utilizados pode ser mais adequadamente analisada se compa-
rarmos um mesmo gênero/texto e registro nas duas modalidades.
Por exemplo: a narrativa de um acontecimento X oralmente, depois
por escrito, feita por um mesmo sujeito, é um bom material de aná-
lise para percebermos as semelhanças e diferenças entre as duas
modalidades de expressão linguística.

Na verdade, não existem fronteiras rígidas, nem entre as varieda-


des padrão e não padrão, nem entre as modalidades oral e escrita da
língua. Bortoni-Ricardo (2004, p.61) propõe que pensemos na ideia de
um contínuo representado numa linha imaginária que tem, localizada
em cada extremidade, uma certa variedade ou modalidade. Bortoni-Ricado (2004)
apresenta três contínuos:
contínuo de urbanização,
Estudando as interações em sala de aula, a autora trabalha com as contínuo de oralidade-
noções de “evento de oralidade” e “evento de letramento”, assim repre- letramento e contínuo de
monitoração estilística.
sentados:

eventos de eventos de
>
oralidade letramento

No caso da sala de aula, por exemplo, um evento de letramento


pode ser permeado de eventos de oralidade. Os eventos de letramento
são mediados pela língua escrita (exposição de um conteúdo a partir de
um roteiro escrito, fala simultânea à escrita no quadro de giz, aula de
leitura, ditado etc). Já os eventos de oralidade são intervenções curtas do
professor, brincadeiras motivadoras, ou seja, situações de interação não
mediadas pelo texto escrito (ex.: “Abram o livro na página tal”, “Vamu
ficar quietos” etc.) (BORTONI-RICARDO, 2004, p. 26). É, pois, na ora-
lidade que se manifesta mais claramente a variação inerente, a diversi-
dade que constitui a língua.

No quadro a seguir, há duas versões, uma oral e outra escrita, de


relato de uma informante universitária (Banco de fala e escrita/UFSC).

83
Estudos Gramaticais

Leia atentamente os textos, observando as semelhanças e diferenças en-


Você pode saber mais tre as duas modalidades.
sobre o assunto desta
seção lendo: ILARI, R.;
Amostra oral
BASSO, R. Português do
Tá, meu nome é M., eu tenho 23 anos, trabalho com a educação in-
Brasil: a variação que
fantil, com crianças de 2 anos e meio a 3 anos e essa é a última sema-
vemos e a variação que
na que eu vô trabalhá...(hes). Por um lado eu tô muito... eu tô muito
esquecemos de ver. In:
cansada e tô contente que já vai acabá, mas por outro lado eu tô...tô
_____. O português da
muito sentida porque eu, eu sei que eu vô senti muita falta das crian-
gente: a língua que es-
ças, eu só tô pensando... só tô pensando o tempo todo nelas e essa
tudamos, a língua que
semana vai ser muita correria com festas, despedidas e eu sei que
falamos. São Paulo: Con-
tudo isso tá mexendo muito comigo eh entre outros fatores...mas...
texto, 2006, p. 151- 196.
mas todo ano eh a gente passa por isso, professor passa por isso e eu
Os autores tratam dos
sei que vai ser muito difícil eu pegá a mesma turma, as mesmas crian-
diferentes tipos de varia-
ças e a gente vai se acostumando (hes) em cada, cada final de ano é
ção linguística: diacrôni-
uma despedida... dos pais das crianças, a gente se apega, os pais se
ca, diatópica, distrática
apegam à gente, muitos pais valorizam o trabalho da gente e isso faz
e diamésica, ilustrando
com que a gente cada vez queira estudá mais, se aprofunda, buscá
com exemplos do portu-
novos... novos cursos e também a valorizá a profissão, apesar de ser
guês falado e escrito.
muito desvalorizada a gente tem que acreditá e depositá ...depositar
confiança no trabalho e assim passar para as crianças e com isso eh
eles poderem fazê a diferença.

Amostra escrita
Meu nome é M., tenho 23 anos e trabalho com crianças de 2 anos
e meio a 3 anos. Agora está no final do ano, eu estou contente
porque está acabando por causa que estou cansada, mas por ou-
tro lado eu já estou com saudade das crianças, a gente se apega.
Mas todo ano acontece isso, sei que no próximo ano não vou pe-
gar a mesma turma por causa da minha situação de professora
ACT. Mesmo assim temos que acreditar e depositar confiança
nestas crianças, confiando que eles vão ser os responsáveis por
uma mudança. Isso é que nos incentiva, e o reconhecimento dos
pais e o carinho das crianças, mesmo que a nossa profissão não
seja valorizada.

84
A norma linguística Capítulo 10
10.3 A questão do “erro” e suas implicações
sociais
Veja a opinião do professor Mário Perini, um gramático descritivo,
sobre a questão da diversidade linguística e do “erro” e suas implicações
sociais:

As línguas evoluem, apesar da oposição, dos esforços e da cara fechada


dos gramáticos. Não se trata de um ‘perigo’, mas de um processo tão
natural quanto o crescimento das crianças, a rotação da Terra, o ciclo de
vida e morte dos seres vivos. Perigo, se há, está nesse complexo de in-
ferioridade lingüística que nos transmitem os autonomeados conhece-
dores e protetores da língua [...] existe perigo é quando nos dizem que
a língua usada pelos cento e muitos milhões de brasileiros não merece
respeito, e que apenas os especialistas é que detêm o poder de ‘falar
certo’. (PERINI, 2004, p. 24).

Como vimos enfatizando, na perspectiva da gramática descritiva


não existe erro, o que pode haver é uma inadequação no sentido de o in-
divíduo utilizar construções linguísticas de uma variedade não padrão
em situações que requerem o uso da norma culta, por exemplo. É o
caso da oração “Os carro passava muito rápido” pronunciada numa situ-
ação de conversa informal, e produzida num relato escrito de um filme
assistido. A não concordância nominal em “os carro” bem como a não
concordância verbal em “os carro passava”, (i) na fala coloquial, são vis-
tas como manifestação da variação inerente das regras de concordância
nominal e verbal em português; e (ii) na escrita, são consideradas como
desvio da norma culta, portanto um uso inadequado.

Importa salientar, no entanto, que “os carro passava” é, na perspec-


tiva da gramática normativa tradicional, considerado erro tanto na fala
como na escrita, por não atender às regras de concordância nominal e
verbal, que ditam (i) que deve haver concordância de gênero e número
entre o substantivo e os elementos determinantes dentro de um sintag-
ma nominal; e (ii) que deve haver concordância número-pessoal entre o
verbo e o sujeito. Tudo o que não atende às regras gramaticais é taxado
de “erro”. Quais são as implicações sociais disso?

Observe as seguintes construções:

85
Estudos Gramaticais

Tu vai sair?

A gente vamos sair.

Nós vai sair.

Nas três frases acima ocorre um mesmo fenômeno gramatical: a


não concordância entre o verbo e o pronome sujeito. Entretanto, o nível
de aceitação das três construções é diferente. As pessoas, a depender da
região, tendem a aceitar mais naturalmente o uso de “tu vai” na fala, e a
rejeitar o uso de “nós vai”. Se se trata do mesmo fenômeno linguístico,
por que essa diferença de avaliação dos falantes, nesse caso? Simples-
mente porque o primeiro uso é mais generalizado entre os falantes do
português brasileiro, independentemente do nível socioeconômico e
mesmo do grau de escolaridade dos indivíduos. Já o mesmo não ocorre
com o último exemplo, que é de uso mais restrito, seja regional (zona
rural versus urbana, por exemplo), seja social (menos versus mais esco-
laridade, por exemplo).

O que está em jogo aí? Trata-se do que se chama de valor social das
formas variantes. A fala (ou escrita) é avaliada ou julgada em função do
status social dos indivíduos que a utilizam, e não pelas características
linguísticas em si. Esse tipo de julgamento revela preconceito linguístico,
normalmente por parte daqueles que dominam a norma culta da língua
e que, coincidentemente, se situam nos pontos mais altos na pirâmide
social.

Para concluirmos esta Unidade, leia o seguinte excerto da obra de


Faraco e Tezza (2002) Prática de textos para estudantes universitários:

[...] Do ponto de vista científico, não há como dizer que uma forma lin-
güística é melhor que outra, a não ser que a gente se esqueça da ciên-
cia e adote o preconceito ou o gosto pessoal como critério.

Entretanto, é fato que há uma diferenciação valorativa, que nasce


não da diferença desta ou daquela forma em si, mas do significado
social que certas formas lingüísticas adquirem nas sociedades. Mesmo
que nunca tenhamos pensado objetivamente a respeito, nós sabemos
(ou procuramos saber o tempo todo) o que é e o que não é permiti-
do... Nós costumamos “medir nossas palavras”, entre outras razões, por-
que nosso ouvinte vai julgar não somente o que se diz, mas também

86
A norma linguística Capítulo 10
quem diz. E a linguagem é altamente reveladora: ela não transmite só
informações neutras; revela também nossa classe social, a região de
onde viemos, o nosso ponto de vista, a nossa escolaridade, a nossa in-
tenção [...] Nesse sentido, a linguagem também é um índice de poder
(FARACO; TEZZA, 2002, p.51-52, grifos dos autores).

Para refletir

– Como você avalia os usos de: Tu vai sair?/A gente vamos sair./Nós vai
sair.? Você os aceita ou rejeita igualmente?

– Considerando tudo o que vimos até agora, como você interpreta a


seguinte afirmativa: “a linguagem também é um índice de poder”?

– Discuta essas questões com seus colegas.

Resumindo este tópico: ‘Norma’ é um termo polissêmico, pois en-


volve várias acepções, havendo uma relação estreita com as concepções
de ‘gramática’. Assim, a ideia de gramática prescritiva está associada a
normas prescritivas, isto é, que devem ser seguidas. Já a ideia de gra-
mática descritiva tem a ver com normas que são de fato seguidas; nesse
sentido, as normas emergem naturalmente da média dos usos linguísti-
cos nas diferentes situações comunicativas, em diferentes grupos sociais.
Como existem diferentes grupos sociais, há também diferentes normas
e, consequentemente, podem existir diferentes gramáticas descritivas.
No caso do Brasil, verificamos uma espécie de encaixamento: a norma
da comunidade menor (ex.: dos pescadores da Barra da Lagoa) faz parte
da norma da comunidade maior (ex.: da cidade de Florianópolis) que,
por sua vez, integra a(s) norma(s) do Brasil. Como os indivíduos inte-
ragem em diferentes grupos sociais e regionais, as normas linguísticas
também se mesclam e se influenciam mutuamente. As variedades lin-
guísticas podem ser: regionais, sociais e estilísticas (ou de registro formal
ou informal), e ainda decorrentes da modalidade falada ou escrita da
língua.

Uma distinção conceitual importante é a que alguns autores fazem

87
Estudos Gramaticais

entre norma culta e norma-padrão. A norma culta corresponde ao uso


linguístico (oral ou escrito) de prestígio na sociedade, sendo praticada
por aqueles que têm alto grau de escolarização, circulam em ambientes
que exigem certa formalidade e onde tem destaque a cultura escrita. A
norma culta é a língua que encontramos na mídia difundida nos gran-
des centros urbanos: jornais, revistas, livros etc. Esse conceito de norma
culta aparece, por vezes, sob a denominação de variedade padrão. Já
a noção de norma-padrão costuma ser associada à ideia de gramática
normativa/prescritiva, apresentando um caráter homogêneo e sendo
confundida, muitas vezes, com a própria língua. É importante distinguir
a noção de uma variedade da língua da noção de a língua padrão. É nes-
sa perspectiva diferenciada que se inserem, respectivamente, as noções
de ‘adequação’ e ‘erro’ gramatical.

88
Unidade D
Descrição gramatical
Objetivos desta Unidade:

ӲӲ Desenvolver a prática de análise linguística nos diferentes ní-


veis gramaticais;

ӲӲ Cotejar definições e classificações com dados linguísticos;

ӲӲ Refletir criticamente sobre definições/classificações das gramá-


ticas normativas, percebendo as inconsistências destas.

Nesta Unidade, vamos conhecer alguns princípios e métodos


para o estudo de gramática em seus diferentes níveis: fonético-fo-
nológico, morfológico, sintático e semântico-pragmático. Vamos
também analisar dados linguísticos à luz de definições gramaticais,
avaliando o grau de adequação existente entre teoria e dados. É a
Unidade em que vamos acionar com mais empenho o nosso investi-
gador linguístico. Vamos colocar a “mão na massa”!
Princípios e métodos do estudo de gramática Capítulo 11
11 Princípios e métodos do
estudo de gramática
Introduzimos esta Unidade com a seguinte citação de Perini (2002,
p. 78):

[...] contrariando a crença popular, existe muita coisa desconhecida em


gramática; e, correspondentemente, faz-se grande quantidade de pes-
quisa nessa área, descobrem-se novos fatos, constroem-se novas teo-
rias. E, mais, a gramática não é nada daquilo que nos impingem na esco-
la. É uma disciplina ocupada, como as demais disciplinas científicas, em
estudar um aspecto do mundo, a saber, a estrutura e o funcionamento
das línguas. Entendida desse jeito, não só se torna muito mais interes-
sante, como abre a possibilidade de pesquisa. Há o que descobrir em
gramática, e muito.

Como bem diz o autor, a gramática é “uma disciplina ocupada,


como as demias disciplinas científicas, em estudar um aspecto do mun-
do, a saber, a estrutura e o funcionamento das línguas” (grifo nosso). É,
portanto, da estrutura e do funcionamento da língua portuguesa que
nos ocuparemos agora.

Como vimos na Unidade B, a linguística apresenta algumas ca-


racterísticas que a definem como um estudo científico da linguagem: é
empírica (lida com dados verificáveis), objetiva (tem caráter não precon-
ceituoso) e explícita (tem um construto teórico-metodológico para des-
crição e explicação dos fatos linguísticos). Vimos também que o estudo
sistemático da língua envolve os seguintes passos: observação, problema-
tização, formulação e testagem de hipóteses, checagem do modelo teórico,
generalização. É claro que o curto espaço de tempo de nossa disciplina
não permite que sigamos todas essas etapas. Por exemplo, não vamos
ter condições, ainda, de checar modelos teóricos e fazer generalizações.

Mas vamos tentar alguns passos:

1) o
bservar fatos linguísticos, isto é, o uso que os falantes fazem
da língua;

2) formular hipóteses a partir dos fatos observados;

91
Estudos gramaticais

3) v erificar as hipóteses na análise dos dados, atestando-as ou re-


jeitando-as (e, neste último caso, reformulando-as);

4) tentar formular regras descritivas.

Também vimos na segunda unidade que cabe ao linguista descre-


ver e explicar o funcionamento da língua, isto é, a relação que existe
entre os significados e as formas dessa língua.

O lingüista precisa estar sempre consciente do caráter das afirmações


gramaticais que faz: algumas se referem à forma, outras ao significado, e
outras ainda se referem à relação entre forma e significado. [...] as afirma-
ções que se referem à forma se chamam formais; as que se referem ao
significado, semânticas; e as que se referem à associação entre forma e
significado se chamam simbólicas. (PERINI, 2006, p. 68, grifos do autor).

Numa abordagem da língua como historicamente situada e sujeita


a variações e mudanças, as associações entre formas e significados se
dão sempre no contexto de uso linguístico envolvendo a situação comu-
nicativa. Nesse sentido, a relação entre formas e significados pode ser
chamada de funcional.
Assim como a palavra gra-
mática, o termo funcional É o conhecimento que os falantes têm das formas, dos significados e
também é polissêmico.
Pode significar as rela-
das associações entre formas e significados, isto é, do seu funcionamento,
ções estabelecidas entre que lhes permite usar a língua nas mais diversas situações de comuni-
formas e significados no
âmbito linguístico (no
cação.
sentido de “simbólicas”),
ou ainda entre formas e Ao descrevermos ou definirmos fenômenos linguísticos, utiliza-
significados no âmbito do mos critérios que podem ser formais, semânticos ou funcionais. Obser-
contexto comunicativo
(no sentido de “pragmá- ve as afirmações:
ticas” ou “discursivas”). Há
ainda quem considere a) Verbo é uma palavra que aceita o sufixo –rei.
como critério funcional
(ou sintático) as relações b) A
noção de ‘futuro’ corresponde a uma situação temporal pos-
estabelecidas entre as
palavras. terior ao momento de fala.

c) A
desinência –rei nos verbos exprime a noção de que algo ain-
da vai acontecer.

Em (a) temos um critério formal, pois se trata de uma classe de pa-


lavras (verbo) e a possibilidade de acréscimo de um sufixo (uma forma
que é um morfema). É importante esclarecer que estamos considerando
que o critério formal pode recobrir tanto o nível morfológico como o

92
Princípios e métodos do estudo de gramática Capítulo 11
nível sintático da língua. Entretanto, há autores, como Mattoso Camara
Jr., que associam o critério formal ao nível morfológico, e o critério fun-
cional ao nível sintático. Para nós, o critério funcional agrega aspectos
formais e semânticos. Chamamos a atenção para a necessidade de se
entender os conceitos independentemente da terminologia utilizada.

Em (b) temos um critério semântico, uma vez que o que está em


jogo é o significado de ‘futuro’. E em (c), um critério funcional, que as-
socia a forma –rei ao significado de futuro.

Os mesmos critérios aparecem nas afirmações abaixo, respectiva-


mente:

d) A palavra menino é trissílaba.

e) ‘Agente’ é o elemento que pratica a ação.

m o menino saiu, o menino desempenha a função sintática de


f) E
sujeito e o papel semântico de agente.

Em (d) o critério é formal, pois remete ao tamanho da palavra em


termos de número de sílabas. Em (e) o critério é semântico, porque traz
o significado de ‘agente’. Em (f) o critério é funcional, uma vez que as-
socia uma função sintática (forma) a um papel semântico (significado).

Atenção!

Fixe bem esses aspectos metodológicos, pois você vai precisar acio-
ná-los para realizar as análises que vamos propor daqui para frente.
Sintetizando:

Na descrição e definição de fenômenos linguísticos, usamos critérios


que podem ser:

- formais: centrados na forma morfológica ou sintática dos elemen-


tos linguísticos.

- semânticos: centrados na significação.

- funcionais: centrados na associação entre formas e significados.

93
Estudos gramaticais

Resumindo este tópico: A descrição gramatical se ocupa da estru-


tura e do funcionamento da língua em suas diferentes variedades. Ao
descrevermos fenômenos linguísticos, utilizamos critérios que podem
ser formais, semânticos ou funcionais.

94
Níveis de análise Capítulo 12
12 Níveis de análise
Os níveis de análise linguística são: fonético-fonológico, morfoló-
gico, sintático (ou morfossintático) e semântico-pragmático. Não vamos tratar teorica-
mente desses níveis, nem
discutir a pertinência de
abordá-los separadamen-
12.1 Nível fonético-fonológico te, pois no decorrer do
curso você terá disciplinas
específicas sobre cada um
Esse nível de análise se ocupa das realizações linguísticas concretas deles.
dos sons e do sistema de sons da língua. Que tal começarmos com uma
piada? Atente para a variação no texto humorístico e procure entender
o fenômeno fonológico envolvido:

Domingo à tarde, o político vê um programa de TV. Um assessor passa


por ele e pergunta:

– Firme? O político responde:

– Não, Sírvio Santos (POSSENTI, 1998, p. 34)

Observe o trecho abaixo, extraído do banco de dados linguísticos


do projeto VARSUL. Note que se trata da transcrição de um trecho de
entrevista, por isso a grafia representa aproximadamente a fala do infor- O VARSUL – Variação
Linguística na Região Sul
mante. do Brasil – é um projeto
de pesquisa interinstitu-
cional (UFPR, UFSC, UFRGS
e PUC-RS) cuja meta é
Entrevistador: Tu te lembras alguma coisa, assim, especial na tua organizar um banco de
infância, algum acontecimento que te marcou? dados linguísticos com
vistas à descrição da fala
Informante: Ah, lembru, achei [um] muito divertidu. Na épuca qui da Região Sul. Já existem
inúmeras teses, disserta-
tava passandu aqueli fiwmi Kingui Kongui, pois a gente fomos assis- ções e artigos descreven-
tir, né? imagina. I comu na casa de meu avô [é] – é tipu assim uma do amostras de fala desse
banco de dados, em todos
chacra, então a genti quando vowtô do fiwmi, né? a gente sempri os níveis gramaticais e sob
custumava brincá que ia procurá o Kingui Kongui [...]. Passávamos diferentes abordagens
teóricas.
o dia interu nu meiu du matu procurandu o Kingui Kongui. [...] Ah,
tem [uma]- uma brincadera qui a genti custumava fazê quandu era
criança, qui era muito divertida tamém. (SC FPL 01 F A PRI)

95
Estudos Gramaticais

Podemos perceber, na fala transcrita do informante, diversos fenô-


menos de variação fonético-fonológica do português:

ӲӲ o átono pós-tônico realizado como /u/ (lembru, épuca)

ӲӲ e átono final realizado como /i/ (aqueli, genti)

ӲӲ redução do ditongo /ey/ para /e/ (interu)

ӲӲ redução do ditongo /ow/ para /o/ (vowtô)

ӲӲ vocalização do /l/ em /w/ (vowtô)

ӲӲ apagamento do /r/ final (brincá , fazê )

ӲӲ síncope, isto é, queda de um fonema no interior do vocábulo


(chacra)

Observe que, algumas vezes, a alteração verificada num segmento


fonológico corresponde, de fato, ao nível morfológico.Veja os dados de
Lembrete: o morfema é a apagamento do /r/ final no trecho de entrevista acima: brincá, procurá,
unidade mínima significa-
tiva da língua (1ª articu- fazê. Trata-se de verbos no infinitivo: brincar, procurar, fazer. Nesse
lação). Distingue-se do caso, o /r/ é um fonema que tem valor morfológico, pois representa a
fonema, que é a unidade
mínima não significativa, desinência verbal de infinitivo.
mas distintiva (2ª articu-
lação). Os estudos sociolinguísticos sobre a realização da vibrante /r/ no
português brasileiro (PB) apontam a tendência de apagamento da vi-
brante pós-vocálica, preferencialmente quando o /r/ tem estatuto mor-
fêmico como nos verbos infinitivos ou em nomes derivados como esco-
lar, cantor. Os contextos de /r/ não morfêmico são os que ainda retêm a
Um elemento é não vibrante: azar, pior, açúcar, calor.
morfêmico quando não
carrega nenhum tipo de
significação, sendo parte Em palavras como azar, pior, açúcar, calor, o /r/ é parte integrante
integrante de outro mor- do radical, diferente do que ocorre com os verbos no infinitivo. Esse
fema.
fenômeno de variação (a realização ou não do /r/ final) está sujeito a di-
ferenças regionais: nos dialetos carioca e florianopolitano, por exemplo,
onde a articulação do /r/ é posterior, isto é, se dá na cavidade posterior
da boca (velar), a queda é bem mais acentuada do que em Porto Alegre
e Curitiba, onde a pronúncia é alveolar (a língua toca os alvéolos). A Re-
gião Sul do Brasil se mostra mais conservadora quanto ao apagamento
do /r/ pós-vocálico (MONARETTO, 2000).

96
Níveis de análise Capítulo 12
Ainda em relação ao trecho da entrevista, observe o registro da
pronúncia das palavras brincadera (brincadeira) e vowtô (voltou). São
casos de redução dos ditongos /ey/ > /e/ e /ow/ > /o/, além da vocali-
zação de /l/ na segunda palavra. Esse fenômeno de redução de ditongo
e de vocalização de /l/ é bastante comum na fala, como você deve ter
percebido, mas também aparece na escrita.

A seguir, apresentamos dois desafios na forma de situações-pro-


blema: o primeiro relativo à oralidade e o segundo à escrita. Essa é uma
forma de você mesmo verificar em que medida está assimilando os con-
teúdos que estão sendo trabalhados. Vamos ver como você se sai no
papel de investigador linguístico!

Situação-problema 1

Você é capaz de formular hipóteses sobre a redução (na fala) dos


ditongos decrescentes /ey/ e /ow/, a partir da observação das pala-
vras abaixo? Será que essa redução ocorre em todas as palavras? Use
sua intuição de falante: perceba como você pronuncia cada palavra.

seiva – reino – Leila – estudei – mineiro – manteiga – direito –


outro – ouro – peixe – veio – peito – loucura – loura – trouxa –
jardineira – beirada – colheita – sonhou – meio – soube – roupa
– ouvido – beijo – encontrou – louco – meigo – padeiro – comprei
– tesouro – meia – sei – cantou – queijo.

Compare suas hipóteses com os seguintes resultados de pesquisa


sobre redução de ditongos realizada por Paiva (1996), analisando
dados de fala do Rio de Janeiro:

– em final de palavra, há um comportamento categórico, com pre-


servação de /y/ e supressão de /w/ em todas as palavras;

– os contextos fonéticos seguintes ao ditongo que mais propiciam a


redução são: as consoantes palato-alveolares (chiantes) [, 

97
Estudos Gramaticais

como em ‘trouxa’ <troxa> e ‘queijo’ <quejo>; e o /r/ simples, como


em ‘mineiro’ <minero> e ‘ouro’ <oro>;

– a redução do ditongo em sufixo, como em ‘padeiro’ <padero> é


bem maior do que no radical, como em ‘roupa’ <roupa> .
ӲӲ Então, houve coincidência entre suas hipóteses e os re-
sultados de Paiva (1996)? Você acha que pode haver va-
riação regional nesse fenômeno?

ӲӲ Discuta essa questão com seus colegas.

Vamos pensar agora na questão da escrita?

Situação-problema 2

O conjunto de dados a seguir apresenta a consoante lateral /l/ em


posição final de sílaba. Na escrita, especialmente das crianças, é co-
mum encontrarmos grafias variáveis com vocalização do /l/ (l > u),
como as do quadro a seguir.

vouta – azul – aniu – mel – funil – pauco – selva – amáveu – reu-


va – sausa – balsa – filtro – ultra – anzóu – lençol – canil – anéu
– falta – baude – coucha – culpa – molde – multa – carretéu –

Procure separar as palavras em grupos tomando como critério a


vogal que antecede o /l/.

Considerando esse conjunto de dados, a sua experiência como


professor(a) e a sua intuição de falante, formule hipóteses sobre a
vocalização do /l/ na escrita tendo em vista a vogal precedente.

Veja, agora, o resultado de uma pesquisa realizada em quatro esco-


las de Porto Alegre com alunos de 2a, 3a e 4a série do Ensino Funda-
mental. Foi aplicado um teste de lacuna em que as crianças tinham
que escrever palavras sob figuras ou palavras que completassem o
sentido da frase.

98
Níveis de análise Capítulo 12
Todas as palavras apresentavam a lateral /l/ em final de sílaba. A pes-
quisadora constatou a seguinte correlação (TASCA, 2006, p. 197):

[a, o, O, e, E] – maior índice do vocalização (ex.: lençóu por lençol)

[i] – índice intermediário de vocalização (ex.: aniu por anil)

[u] – pouquíssima vocalização (ex.: azul)


ӲӲ E então, suas hipóteses coincidem com esse resultado?

ӲӲ Discuta essa questão com seus colegas.

Antes de finalizar esta seção, vamos tecer algumas considerações


sobre o “erro” relacionado a aspectos fonético-fonológicos e ortográfi-
cos da língua.

Bortoni-Ricardo (2006, p. 271), de forma bastante pertinente, co-


loca a seguinte questão: “por que falar em erros na escrita quando evita-
mos enfatizar erros na oralidade?”. Na fala, tratamos as diferenças como
usos mais, ou menos, adequados às diferentes situações. A fala é o ter-
ritório da variação inerente; é onde o indivíduo marca sua identidade.
Já na língua escrita, o chamado erro representa a transgressão de um
“O erro ortográfico é
código que é uniforme, convencionado e regulado pela ortografia – um
como um erro aritmético,
código fixo que não prevê variação. As diferenças dialetais percebidas que se pode facilmente
aferir mediante consulta
na fala são neutralizadas na escrita. Como bem exemplifica a autora: um
a uma tabuada. O erro
professor pode aceitar de seu aluno tanto “eu encontrei ele no jardim”, ortográfico também é
aferível mediante consulta
quanto “eu o encontrei no jardim”; mas não pode jamais aceitar que o
a um guia ortográfico ou a
aluno escreva: “eu encomtrei [...]”. um dicionário” (BORTONI-
RICARDO, 2006, p. 274).

Vamos pensar um pouquinho mais na questão do erro ortográfi-


co. Será que o problema que ocorre na grafia de <encomtrei> é da
mesma natureza daquele que ocorre na grafia de <lembru>, <sem-
pri>, <interu>, <cantá>, <bawdi>, <brusa>, <paia>? As palavras
do segundo grupo podem estar representando a forma como são
pronunciadas? Em quais palavras podemos perceber claramente a
influência da fala sobre a escrita?

99
Estudos Gramaticais

Você deve ter percebido que é no segundo conjunto de palavras


que notamos a interferência da oralidade. Quem escreve <lembru>,
<sempri>, <interu>, <cantá>, <bawdi>, <brusa>, <paia> prova-
velmente está reproduzindo no código escrito seu modo de falar.
Nesse caso, é como se a escrita fosse o espelho da fala. Mas quem
escreve <encomtrei> não está reproduzindo uma certa pronúncia.
Nesse caso, o escrevente está rompendo com uma regra ortográfica
que diz que ‘somente antes de p e b se escreve m’.

Se fôssemos pensar em graus de erro ortográfico, certamente o


erro seria mais grave em <encomtrei> do que nas demais pala-
vras. Igualmente grave seria escrever <rrato>>, pois existe uma
regra geral em português que diz que ‘não se inicia palavra com
dois erres’.

Retomando o que foi dito anteriormente, a ortografia é um código


fixo que não prevê variação. Isso quer dizer que se há um desvio orto-
gráfico há erro. Se a ortografia é um código fixo, não deveriam existir,
portanto, diferenças linguísticas regionais ou sociais na escrita. Mas,
como vimos nos dados acima, encontramos algumas palavras cuja gra-
fia reflete diferenças linguísticas dos falantes. Nesse caso, cabe ao pro-
fessor ter conhecimento linguístico e sensibilidade para lidar com essas
questões na sala de aula. A percepção da natureza diferenciada dos des-
vios ortográficos e a distribuição das palavras em “graus de erros” é um
bom ponto de partida.

Para refletir

Quando tratamos de “norma” na Unidade C, verificamos que existem


variações que contrastam o dialeto padrão e o não padrão, como em
<brusa> por ‘blusa’, <paia> por ‘palha’. E que também existem variações
dentro de um mesmo dialeto. Vamos refletir um pouco mais sobre isso.

Como você vê a pronúncia das vogais átonas /e/ e /o/, que são eleva-
das para /i/ e /u/, como em <divertidu>, <épuca>, <aqueli>?

100
Níveis de análise Capítulo 12
Trata-se de um uso não padrão ou de variação no âmbito da norma
culta (ou dialeto padrão)? Por quê?

12.2 Nível morfológico


Esse nível de análise contempla a descrição das palavras e de suas
partes constituintes: radical, afixos, desinências (na terminologia tradi-
cional) ou morfemas (na terminologia linguística). As gramáticas nor-
mativas costumam incluir a classe, a estrutura e a formação de palavras
no nível da morfologia.

Vamos começar discutindo a noção de palavra. Na escrita, uma


palavra é identificada por espaços em branco que a delimitam antes e Mattoso Camara Jr. distin-
gue o “vocábulo formal”
depois. Na fala, muitas vezes as palavras se pronunciam praticamente (da escrita) do “vocábulo
ligadas, numa espécie de contínuo fonético. Vamos tratar da palavra es- fonológico” (da fala).

crita. Para efeitos de análise, vamos seguir a orientação de Perini (2006)


e estabelecer uma distinção entre “palavra” e “lexema”. Para o autor,

Uma palavra é uma forma individual, com uma representação fonoló-


gica ou gráfica única; um lexema é uma classe de palavras relacionadas
de determinada maneira. Por exemplo, flor e flores são duas palavras,
mas pertencem ao mesmo lexema [...] Já flor e florista pertencem a
lexemas diferentes porque essa relação (com o sufixo –ista significan-
do ‘pessoa que trabalha com’) só ocorre em alguns casos, e de maneira
pouco regular. (PERINI, 2006, p.93, grifos do autor).

Vamos colocar nosso investigador linguístico em ação? Prepare-se


para mais um desafio. Lembre-se de que um de nossos objetivos nesta
Unidade é desenvolver a prática de análise linguística. E isso só se faz
colocando a “mão na massa”. Antes, você deve se munir dos seguintes
conceitos:

Derivação: processo morfológico que cria novas palavras e


lexemas a partir da junção de afixos (prefixos e/ou sufixos) a um
radical (ex.: enriquecer).

101
Estudos Gramaticais

Flexão: processo morfológico que consiste em prover os radicais


(verbais, nominais etc) de afixos ou desinências que variam confor-
me o gênero, o número, a pessoa etc. A flexão não cria novos lexe-
mas (ex.: cantaste; meninas).

Relação aberta: corresponde ao conjunto de palavras e lexemas que


se pode encontrar listadas no dicionário. Diz-se que é uma relação
aberta porque as línguas estão constantemente ganhando novas
palavras. Trata-se do léxico de uma língua.

Relação fechada: corresponde às regras gramaticais que, apesar de


serem variáveis, não estão sujeitas a inovações constantes como o
léxico. Trata-se da gramática de uma língua – um conjunto de re-
gras de formação, combinação, uso de palavras etc, que funciona de
modo sistemático.

Considere, agora, as três afirmativas a seguir.

1) As palavras pertencem a um único lexema quando elas se re-


lacionam gramaticalmente de modo sistemático e regular (PE-
RINI, 2006, p. 93).

2) É preciso distinguir “sufixos flexionais” de “sufixos derivacio-


nais”, pois os últimos não constituem um quadro regular, coe-
rente e preciso como os primeiros, uma vez que:

a) uma derivação pode aparecer para um dado vocábulo e faltar


para outro semelhante (cantar – cantarolar; falar–falarolar (?));

b) o falante tem liberdade para usar ou não um vocábulo deriva-


do; já a flexão de gênero e número, por exemplo, é determinada
pela construção frasal (regras de concordância);

c) enquanto a derivação estabelece “relações abertas” no âmbito


do léxico, a flexão estabelece “relações fechadas” no âmbito da
gramática de uma língua (CAMARA JR., 1972, pp. 71-72).

3) Na seção sobre flexões dos substantivos, Cunha e Cintra (1985,


p. 174) dizem que “os substantivos podem variar em número,
gênero e grau”. Os autores consideram o grau como uma flexão.

102
Níveis de análise Capítulo 12
A partir das três afirmações apresentadas, procure analisar, com-
parativamente, os três conjuntos de itens do quadro a seguir. Primeiro,
tente utilizá-los em diferentes contextos frasais. Tenha em mente as se-
guintes distinções para agrupar os itens:

– lexemas versus palavras

– morfema flexional versus morfema derivacional

– grau: flexão ou derivação? Cunha e Cintra têm razão ao tratar


grau como flexão?

– valores semânticos dos sufixos –inho e –ão.

gato – gata

menino – menina

aluno – aluna

gato – gatos

menino – meninos

aluno – alunos

amar – amava

cantar – cantava

andar – andava

sair – sairia

partir – partiria

pedir – pediria

consolar – consolo

julgar – julgamento

testar – testagem

103
Estudos Gramaticais

fritar – fritura

cortar – corte

limpar – limpeza

chegar – chegada

inaugurar – inauguração

tentar – tentativa

pão – padeiro

casa – caseiro

música – musicista

motor – motorista

estofado – estofador casa – casinha/ casinhola/ casebre

livro – livrinho/ livreto/ livrete

colher – colherzinha/ colherinha

sofá – sofazinho

casa – casão/ casarão / casaréu

filme – filmão

carro – carrão

carro – carrinho

lombo – lombinho

camisa – camisinha

calça – calcinha

104
Níveis de análise Capítulo 12
padre – padrezinho/ padrinho

porta – portão

bota – botão

Se você chegou a uma conclusão próxima ao que se encontra abai-


xo, parabéns! Caso contrário, volte e reflita um pouco mais sobre essas
questões.

a) Somente na primeira coluna temos casos de palavras e lexe-


mas: gato, gatos e gatas são três palavras e pertencem a um le-
xema; o mesmo ocorre com menino, meninos e menina; e com
aluno, alunos e aluna. Cada par de verbos corresponde a duas
palavras e um lexema (amar e amava etc). Tanto as desinências
–a (feminino) e –s (plural), como as desinências verbais –va
(pretérito imperfeito) e –ria (futuro do pretérito) fazem parte
de paradigmas sistemáticos e coesos. Na segunda e na terceira
coluna, temos apenas palavras, pois elas não se relacionam de
modo regular e coerente.

b) Apenas na primeira coluna temos morfemas ‘flexionais’: de


gênero e número nos substantivos; e de número-pessoa e mo-
do-tempo nos verbos. Na segunda coluna temos morfemas
‘derivacionais’: a) uma série de nove verbos derivam nomes
abstratos com oito sufixos diferentes; e b) de uma série de cin-
co substantivos, três derivam palavras que designam “pessoas
que trabalham com”, com sufixos diferentes (–eiro em ‘padei-
ro’, –ista em ‘musicista’ e –or em ‘estofador’ ). Por outro lado,
‘caseiro’ não é uma “pessoa que trabalha com casas”, e sim uma
“pessoa que fica em, ou cuida de casa”; e ‘motorista’ não é uma
“pessoa que trabalha com motores”, e sim uma “pessoa que di-
rige carro”. Portanto, não há regularidade na formação dessas
novas palavras.

c) Na terceira coluna temos dados relacionados a grau diminuti-


vo e aumentativo. Também não existe uma regularidade na for-
mação das palavras, uma vez que alguns sufixos se combinam

105
Estudos Gramaticais

bem com certas palavras, mas não servem para outras. Por ou-
tro lado, em certas formações, pode haver mudança de signifi-
cado, como nos sete últimos pares (carro (veículo) – carrinho
(brinquedo); lombo (costas) – lombinho (peça de carne); padre
(sacerdote) – padrinho (aquele que apresenta alguém para ba-
tismo), etc). Além disso, os sufixos –inho e –ão não indicam,
em todas as palavras, ‘tamanho pequeno’ e ‘tamanho grande’,
respectivamente. Em “ontem assisti a um filmão na TV”, o filme
com certeza foi muito bom, mas não foi necessariamente lon-
go; quando alguém chama outra pessoa de “queridinha”, esta
pessoa não é necessariamente pequena.

d) Podemos escolher entre dizer “gostei deste livro” e “gostei deste


livrinho”. Mas não temos liberdade, pelo menos na variedade
culta da língua, para escolher entre “as gata andavam no jar-
dim”, “as gata andava no jardim” e “as gatas andavam no jar-
dim”; só é aceita esta última alternativa.

e) Em resposta ao questionamento apresentado na terceira afir-


mativa, com base nos argumentos que listamos anteriormente,
percebemos que os gramáticos Cunha e Cintra não têm razão,
pois a categoria de grau não é flexão e sim derivação. (Veja no-
vamente as justificativas apresentadas por Camara Jr. para dis-
tinguir flexão de derivação.)

Divirta-se!

Leia a crônica de L.F. Veríssimo que aborda, de forma humorística,


a questão do grau.

Aproveite e reflita sobre os diferentes valores semânticos dos sufi-


xos –inho e –ão que você encontrar no texto.

DIMINUTIVOS, de Luis Fernando Verissimo

Sempre pensei que ninguém batia o brasileiro no uso do diminuti-


vo, essa nossa mania de reduzir tudo à mínima dimensão, seja um
cafezinho, um cineminha ou uma vidinha.

106
Níveis de análise Capítulo 12
Só o que varia é a inflexão da voz. Se alguém diz, por exemplo, “Ô vi-
dinha”, você sabe que ele está se referindo a uma vida com todas as
mordomias. Nem é uma vida, é um comercial de cigarro com longa
metragem. Um vidão. Mas se disser “Ah vidinha...” o coitado está se
queixando dela, e com toda a razão. Há anos que o seu único diver-
timento é tirar sapatos e fazer xixi. Mas nos dois casos o diminutivo
é usado com o mesmo carinho.

O francês tem o seu “tout petit peu”, que não é um diminutivo, é


um exagero. Um “pouco todo pequeno” é muita explicação para
tão pouco. Os mexicanos usam o “poco”, o “poquito” e – menos
ainda que o “poquito” – o “poquetín”. Mas ninguém bate o brasi-
leiro.

Era o que eu pensava até o dia, na Itália, em que ouvi alguém di-
zer que alguma coisa duraria um “mezzoretto”. Não sei se a grafia
é essa mesma, mas um povo que consegue, numa palavra, reduzir
uma meia hora de tamanho – e você não tem nenhuma dúvida de
que um “mezzoretto” dura os mesmos trinta minutos de uma meia
hora convencional, mas passa muito mais depressa – é invencível
em matéria de diminutivo.

O diminutivo é uma maneira ao mesmo tempo afetuosa e precavida


de usar a linguagem. Afetuosa porque geralmente o usamos para
designar o que é agradável, aquelas coisas tão afáveis que se deixam
diminuir sem perder o sentido. E precavida porque também o usa-
mos para desarmar certas palavras que, na sua forma original, são
ameaçadoras demais.

“Operação”, por exemplo. É uma palavra assustadora. Pior do que


“intervenção cirúrgica”, porque promete uma intervenção muito
mais radical nos intestinos. Uma operação certamente durará ho-
ras e os resultados são incertos. Suas chances de sobreviver a uma
operação... sei não. Melhor se preparar para o pior. Já uma opera-
çãozinha é uma mera formalidade. Anestesia local e duas aspirinas
depois. Uma coisa tão banal que quase dispensa a presença do

107
Estudos Gramaticais

paciente. [...]

No Brasil, usa-se o diminutivo principalmente em relação à comi-


da. Nada nos desperta sentimentos tão carinhosos quanto uma boa
comidinha.

- Mais um feijãozinho?

O feijãozinho passou dois dias borbulhando num daqueles caldei-


rões de antropófagos com capacidade para três missionários. Leva
porcos inteiros, todos os miúdos e temperos conhecidos e, parece,
um missionário. Mas a dona de casa o trata como um mingau de
todos os dias.

- Mais um feijãozinho?

- Um pouquinho.

- E uma farofinha?

- Ao lado do arrozinho?

- Isso.

- E quem sabe mais uma cervejinha?

- Obrigadinho.

O diminutivo é também uma forma de disfarçar o nosso entusiasmo


pelas grandes porções. E tem um efeito psicológico inegável. Você
pode passar horas tomando “cervejinha” em cima de “cervejinha”
sem nenhum dos efeitos que sofreria depois de apenas duas cer-
vejas.

- E agora, um docinho. E surge um tacho de ambrosia que é um por-


ta-aviões.

(Disponível em: <http://intervox.nce.ufrj.br/~jobis/l-dimi.htm>.


Acesso em: 19 maio 2007)

108
Níveis de análise Capítulo 12
12.2.1 A questão do gênero

Continuemos nossa reflexão sobre os processos morfológicos.


Como vimos, a flexão é um mecanismo gramatical que implica altera-
ções morfológicas no final das palavras, aplicadas de modo sistemático
e regular. Vamos nos deter na categoria de gênero, que distribui os no-
mes em masculinos e femininos. Camara Junior considera que a flexão
de gênero é redundante nos nomes substantivos em português, pois o
gênero dos substantivos seria indicado pelos artigos e adjetivos que os
determinam. Assim, menino é masculino porque se diz o menino estu-
dioso.

A regra geral de flexão de gênero em português é a seguinte: acrés-


cimo, para o feminino, do sufixo flexional –a, com a supressão da vogal
temática, quando ela existe no singular:

lob(o) + a = loba (o –o de lobo corresponde à vogal temática


do nome);

autor + a = autora.

É importante observar que essa é uma regra morfológica que des-


creve a categoria gênero enquanto flexão. É comum, no entanto, encon-
trarmos em gramáticas normativas e livros didáticos informações do
seguinte tipo:

Os substantivos que designam pessoas e animais costumam flexionar-


se em gênero, isto é, têm geralmente uma forma para indicar os seres do
sexo masculino e outra para indicar os do sexo feminino [Entre os exem-
plos, os autores citam: aluno – aluna; galo – galinha; bode – cabra]
(CUNHA; CINTRA, 1985, p.184).

A afirmação acima apresenta, pelo menos, dois problemas. Você


consegue detectá-los? Vamos voltar a esse ponto mais adiante.

Agora, vamos colocar novamente o investigador linguístico em ação!

Para refletir

Observe o conjunto de dados abaixo e tente distribuí-los em

109
Estudos Gramaticais

grupos de acordo com características comuns quanto à marcação de


gênero.

Pista: mantenha como critério básico a noção de flexão.

vitrine duque – duquesa homem – mulher


cavalheiro – dama tataravô – tataravó marquês – marquesa
cônjuge genro – nora pastor – pastora
baleia abade – abadessa solteirão – solteirona
cortesão – cortesã cobra novo – nova
cantor – cantora juiz – juíza sogro – sogra
herói – heroína cliente garoto – garota
patrão – patroa colega pessoa
criança cadeira indivíduo
imperador – imperatriz artista elefante – elefanta
nascente rádio capital

Como você deve ter percebido, o conjunto de dados acima apre-


senta palavras cujo gênero (masculino ou feminino) é indicado de
acordo com diferentes critérios. Tente identificar os dados que se
acomodam às seguintes descrições, depois discuta a análise com
seus colegas:

- há palavras que se conformam à regra geral de flexão de gênero;

- há palavras que entram na regra geral, porém com pequenas altera-


ções fonológicas;

- há palavras que indicam o gênero mediante derivação;

- há palavras que diferenciam o gênero através da mudança de radi-


cais;

- há palavras que mantêm a mesma forma para o masculino e o femi-


nino;

- há palavras que só apresentam uma possibilidade de gênero;

- há palavras que mudam o significado conforme o gênero.

110
Níveis de análise Capítulo 12
Essa mistura de critérios morfológicos e semânticos recobre tam-
bém uma certa confusão entre a noção gramatical de gênero masculino
e feminino e a noção semântica de sexo (macho e fêmea). Como equa-
cionar esse problema?

Camara Jr. (1972, p. 82) propõe que o gênero em português, consi-


derando a flexão, seja descrito por regras que distribuam os nomes em
três grupos:

1) Nomes de gênero único (ex.: a rosa; o livro).

2) Nomes de dois gêneros sem flexão (ex.: o, a artista; o, a mártir).

omes de dois gêneros, com flexão redundante (ex.: o lobo, a


3) N
loba; o mestre, a mestra).

12.2.2 A questão das classes de palavras

Quantas classes de palavras existem em português? Se nos ba-


searmos na tradição gramatical diremos que são dez: substantivo, Sugerimos que você
consulte estas e outras
adjetivo, verbo, pronome, artigo, numeral, advérbio, preposição, con-
gramáticas e veja as defi-
junção e interjeição. Observe algumas definições encontradas em nições dadas para todas as
classes.
gramáticas normativas:

1) Para substantivo:

a) Substantivo é a palavra com que designamos ou nomeamos os


seres em geral (CUNHA, 1972, p. 121).

b) Substantivo é a palavra com que nomeamos os seres em geral,


e as qualidades, ações, ou estados, considerados em si mesmos,
independentemente dos seres com que se relacionam (ROCHA
LIMA, 1972, p. 61).

2) Para adjetivo:

a) Adjetivo é a espécie de palavra que serve para caracterizar os se-


res ou os objetos nomeados pelo substantivo (CUNHA, 1972, p.
170).

b) Adjetivo é a palavra que modifica o substantivo, exprimindo apa-


rência, modo de ser, ou qualidade (ROCHA LIMA, 1972, p. 86).

111
Estudos Gramaticais

3) Para verbo:

a) Verbo é a palavra que exprime um fato (ação, estado ou fenôme-


no) representado no tempo (CUNHA, 1972, p. 253).

b) O verbo, que denota ação, estado, ou fenômeno, é a parte da ora-


ção mais rica em variações de forma ou acidentes gramaticais
(ROCHA LIMA, 1972, p.107).

4) Para pronome:

a) Pronomes são palavras que servem: a) para representar um subs-


tantivo; [...] b) para acompanhar um substantivo, determinando-
lhe a extensão do significado (CUNHA, 1972, p. 199).

b) Pronome é a palavra que denota o ente ou a ele se refere, consi-


derando-o apenas como pessoa do discurso. [...] Os pronomes,
vazios de conteúdo semântico, têm significação essencialmente
ocasional (ROCHA LIMA, 1972, p.98).

Vamos analisar, brevemente, todas as definições de verbo, subs-


tantivo, adjetivo e pronome, dadas acima, considerando: a) os critérios
utilizados; e b) a adequação de cada definição aos dados. Assuma nova-
mente sua posição de investigador linguístico e dialogue conosco.

Como vimos no início desta unidade, os critérios, para descrever-


mos fenômenos gramaticais, podem ser formais, semânticos ou funcio-
nais. Consideremos, então, os pares de definições acima.

Em (1), substantivo corresponde a nome de seres em geral, e a qua-


lidades, ações ou estados considerados independentemente dos seres
(ou tomadas, elas próprias, como seres). Ou seja, a definição de subs-
tantivo remete a coisas no mundo. O critério usado nessa definição é
semântico, pois tem a ver com a significação.

Situação-problema

– Tente analisar os dados abaixo à luz das duas definições de substan-


tivo apresentadas.

112
Níveis de análise Capítulo 12

1) Os alunos acertaram a classificação do com.

2) O interessante do livro está na capa.

3) O branco é uma cor bonita.

4) Gosto de apreciar o cair da tarde.


– Quantos substantivos você identificou? (Dez?)

– Você consegue identificar que seres essas palavras designam?

– Você acha que a definição está adequada aos dados?

– Discuta suas descobertas com seus colegas.

Passemos ao segundo par de definições. Em (2), ambas as defini-


ções se pautam pelo mesmo critério? Qual é o critério (ou critérios) Leia o texto de Perini: “O
adjetivo e o ornitorrinco”.
utilizado? Compare: a) palavra que caracteriza os seres; e b) palavra que In: PERINI, M. Sofrendo a
modifica o substantivo, exprimindo aparência, modo de ser, ou quali- gramática. São Paulo: Áti-
ca, 2002. p. 39-46. Neste
dade. “Caracterizar os seres” é o mesmo que “modificar o substantivo”? texto, o autor discute cri-
Não é. A primeira definição associa o adjetivo diretamente aos seres térios de classificação de
substantivos e adjetivos.
no mundo; já a segunda relaciona o adjetivo ao substantivo, ou seja,
relaciona duas classes de palavras no âmbito da língua, além de dizer
para que serve o adjetivo. A primeira definição se assenta num critério
semântico, e a segunda num critério funcional.

Situação-problema

Agora, com base nas definições dadas para substantivo e adjetivo, exa-
mine os dados abaixo (dados adaptados de PERINI, 2002):

1) Maria demonstra uma atitude maternal.

2) Joãozinho estuda no maternal.

3) Rosa sempre tem uma palavra amiga.

113
Estudos Gramaticais

4) Pedro se mostrou um amigo fiel.

5) Marcinha é uma menina magrela.

6) Essa magrela não para!

7) José é um homem trabalhador.

8) Os trabalhadores não chegaram ainda.

9) João tem um carro verde.

10) O verde está na moda.

11) Vítor tem um papo muito cabeça.

12) Maria estava com dor de cabeça.

13) Esse cara é um banana.

14) A banana está madura.


– O que você percebeu? Pode-se dizer que as palavras pertencem
a classes fechadas (do tipo: uma vez substantivo sempre substan-
tivo)?

– Você vê problemas nas definições de substantivo e adjetivo apresen-


tadas?

– O que você diz de: “Ele comprou um casaco muito cheguei.”?

Vamos ver agora o terceiro par de definições. Em (3), a primeira


definição associa verbo a fato representado no tempo (critério semân-
tico). A segunda definição, além de atribuir ao verbo a denotação de
ação, estado, ou fenômeno (critério semântico), caracteriza-o como
a parte da oração mais rica em variações de forma (critério formal).
Em síntese: a primeira vincula verbo à ideia de tempo, e a segunda,
além de não mencionar o tempo, evidencia que o verbo é rico em alte-
rações formais, mas sem especificá-las.

114
Níveis de análise Capítulo 12
Situação-problema

Examine as frases abaixo à luz das definições de verbo apresentadas.


1) A tempestade do final de semana foi violenta: derrubou
muitas árvores, empurrou aqueles carros e nos deixou
apavorados.

2) A corrida de ontem foi acidentada.

– Quais são as palavras que se encaixam nas definições?

– As definições recobrem adequadamente a classe dos verbos?

– Não poderíamos interpretar a tempestade do final de semana e a


corrida de ontem como fenômeno e ação, respectivamente, situados
no tempo?

– Não poderíamos interpretar violenta, apavorados e acidentada


como estados? Seriam, então, verbos?

Por fim, vamos à discussão do quarto par de definições. Em (4a), o


pronome é apresentado como a palavra que representa um substantivo
(isto é, está no lugar de um substantivo), ou que acompanha um subs-
tantivo determinando-lhe a extensão do significado. Qual é o critério
em jogo aqui? Como envolve relações sintáticas e semânticas, trata-se
de um critério funcional. Em (4b), o pronome é visto como a palavra
que denota o ente (ou ser), sendo vazio de significado, ou seja, só ga-
nhando significação no contexto de uso. Pode-se dizer que o critério,
neste caso, é semântico-pragmático, já que atrela a significação ao con-
texto.

Quando consideramos na análise linguística o contexto de uso das


formas – não só o contexto frasal, mas o contexto mais amplo que en-
volve a situação comunicativa, os participantes da interação, o conheci-
mento partilhado entre eles, as inferências sobre as intenções e crenças
de um interlocutor –, estamos no âmbito da pragmática. A semântica se

115
Estudos Gramaticais

ocupa do significado das palavras e das sentenças. Como, muitas vezes,


é difícil delimitar esses campos, vamos reuni-los no nível semântico-
pragmático.

Será que essas definições são adequadas? De saída, temos que con-
siderar que essa classe recobre os seguintes tipos de pronomes: pessoais
(retos e oblíquos), possessivos, demonstrativos, indefinidos e relativos.
Observemos os exemplos:

1) Eu deixei meu livro novo de português em casa.

2) O Paulo? Encontrei-o naquela praça ontem.

3) Vários alunos assistiram ao filme que recomendei.

Os itens eu, meu, o, aquela, vários e que são considerados prono-


mes. Quais representam substantivos e quais acompanham substanti-
vos? Em meu livro, aquela praça e vários alunos, os pronomes acompa-
nham substantivos (são, por isso, chamados de “pronomes adjetivos”
pela tradição gramatical). Veja-se, porém, que novo também acompa-
nha o substantivo “livro”. Seria então um pronome? O pronome o está
substituindo o nome “Paulo”, e o relativo que retoma o antecedente
“filme”. Mas que substantivo o pronome eu está representando? Eu re-
mete à pessoa que fala, à primeira pessoa do discurso, mas não pode
substituir o nome próprio. É agramatical a frase “* Maria deixei meu
livro.”, em que Maria = eu. Portanto, eu não está substituindo nem
acompanhando um nome.

Consideremos, agora, a questão de o pronome ser vazio de signifi-


cado. O significado de eu é apenas ‘primeira pessoa do discurso’. Somen-
te a cada enunciação é que eu se reveste de sentido: pode corresponder
a Maria, João, Pedro etc., dependendo de quem esteja falando. Mas e
quanto a vários? Independentemente da frase produzida, vários significa
‘diversos’, não sendo, portanto, uma forma vazia de significado.

Com essa rápida análise dos conceitos de pronome, percebemos


que há incompatibilidades entre as definições e as supostas palavras que
elas abrangem. Em outros termos, as propriedades de “substituir” ou
“acompanhar” o substantivo não são adequadas para delimitar a classe
tradicional dos pronomes.

116
Níveis de análise Capítulo 12
Vamos focalizar nossa atenção nos pronomes pessoais.

Eis o quadro dos pronomes pessoais portugueses segundo a gramá-


tica normativa (CUNHA; CINTRA, 1985, p. 270):

pronomes pronomes pessoais retos pronomes pessoais


PESSOA
pessoais retos oblíquos átonos retos oblíquos tônicos
1ª pes. sing. eu me mim, comigo
2ª pes. sing. tu te ti, contigo
3ª pes. sing. ele(a) o(a)/lhe ele(a)
1ª pes. pl. nós nos nós, conosco
2ª pes. pl. vós vos vós, convosco
3ª pes. pl. eles(as) os(as)/lhes eles(as)

Camara Jr. (1972, p. 108) já dizia que tal quadro é “puramente te-
órico” porque “em nenhuma região da língua portuguesa ele se realiza
exatamente”.

Situação-problema

Observe os dados abaixo e apresente um quadro que seja represen-


tativo do funcionamento do português falado atualmente (use as no-
tações P1 a P6 para designar as pessoas do discurso).
a) Você quer que eu lhe dê o livro?

b) Você quer que eu te dê o livro?

c) Você quer que ele dê o livro para ti?

d) Você disse que o João vinha contigo.

e) Tu disseste que o João vinha contigo.

f) Não posso deixar você entrar.

g) Não posso deixá-lo entrar. (dirigindo-se ao interlocutor)

h) Eu lhe disse para ficar quieto. (dirigindo-se ao interlo-


cutor)

i) Eu disse a você para ficar quieto.

117
Estudos Gramaticais

j) Eu também disse a ele que queria sair.

k) Maria levou o carro para ele.

l) A gente não gosta de cinema.

m) Nós não fomos à festa ontem.

n) Vocês vão ao cinema comigo?

o) Vou ao cinema com vocês e não com eles.

p) Essas flores são para mim? – Não, são para nós!

q) A gente fica feliz se nos trouxerem um sorvete.

r) Tu vens à festa com a gente?

s) Vens conosco?

t) Deixei eles em casa.

u) Eu contei a ele meu sonho.

v) Eu lhe contei meu sonho.

w) Eles me deram um presente.

x) Eles deram um presente para mim.

y) Encontrei ele na feira.

PESSOA pronomes pes- pronomes pessoais pronomes pessoais


soais retos oblíquos átonos oblíquos átonos
P1
P2
P3
P4
P5
P6

Compare os quadros (o seu e o de Cunha e Cintra) e tire suas con-


clusões.

118
Níveis de análise Capítulo 12
Atentemos, agora, para o valor dos pronomes possessivos:

Os pronomes possessivos acrescentam à noção de pessoa gramatical


uma idéia de posse. (CUNHA; CINTRA, 1985, p. 310).

Para refletir

As palavras seu(s) e meus e minha indicam posse nas frases abaixo, da


mesma maneira que em “meu casaco é verde”? O que significam?

1) Saia daqui seu pirralho!

2) Ela tem seus quarenta anos.

3) Ele com certeza não puxou aos seus.

4) Venha cá, minha querida.

5) Seu João acabou de chegar.

6) Minha Nossa Senhora! O que aconteceu?

7) Meus parabéns pelo seu aniversário!

12.3 Nível sintático


Assim como os morfemas se agrupam para formar palavras, estas
se agrupam para formar sintagmas. Sintagmas são constituintes que as-
sociam forma e significado como se fossem “partes naturais” da oração
ou do período. Assim, para identificarmos os constituintes de uma frase
precisamos perceber sua organização semântica e formal em unidades
(unidades de forma e de significado).

Por exemplo, ao processarmos a frase O carro de Pedro é novo., atri-


buímos significados parciais a certas sequências de palavras: [o carro de
Pedro] e [é novo]. Não vamos segmentar a oração em: [o carro de] e [Pe-
dro é novo]. Ao ouvirmos O carro de Pedro é novo, vamos entender que
o carro é de Pedro e que o carro é novo, e não que Pedro é novo. Nesse
exemplo temos dois sintagmas: um sintagma nominal (cujo núcleo é

119
Estudos Gramaticais

um nome) e um sintagma verbal (cujo núcleo é um verbo).

É por isso que Perini (2006, p.98) enfatiza que “as expressões lin-
güísticas não são (apenas) seqüências de palavras, e não podem ser des-
critas como se fossem; elas são seqüências de constituintes”. A sintaxe
se ocupa do estudo dos sintagmas/constituintes, sua composição e sua
estrutura em unidades maiores.

As gramáticas normativas tradicionais, na sintaxe, reúnem tópicos


como: constituição da oração e do período (funções sintáticas: sujeito,
objeto, complemento etc); concordância nominal e verbal; regência ver-
bal; emprego das palavras; colocação pronominal.

Vamos examinar a definição tradicional de sujeito.

Sujeito é o ser de quem se diz algo (ROCHA LIMA, 1986, p.205).

Sujeito é o ser sobre o qual se faz uma declaração (CUNHA; CIN-


TRA, 1985, p. 119).

Qual é o critério que sustenta essas definições? Veja que o sujeito


é apresentado como o ‘ser’ (isto é, tem referência no mundo – critério
semântico) sobre o qual se diz algo (isto é, implica a enunciação num
contexto – critério pragmático-discursivo). Como você deve ter perce-
bido, temos aqui um problema: uma categoria sintática (o sujeito) sendo
definida mediante critérios semântico-pragmáticos.

Para refletir

Observe os dados abaixo e tente aplicar as duas definições de sujeito


que acabamos de ver.

1) Em Florianópolis, choveu muito no mês passado.

2) O livro, eu emprestei para o professor.

3) Na festa de ontem tinha muita gente.

4) Quem chegou?

120
Níveis de análise Capítulo 12
Qual é o ‘ser’, ou o elemento sobre o qual se diz algo? Parece não ha-
ver dúvidas de que são feitas declarações sobre Florianópolis, o livro e a
festa de ontem, respectivamente. Mas esses três constituintes são sujeitos
das orações? (Florianópolis e na festa de ontem são adjuntos adverbiais,
e o livro é um ‘tópico’ no caso, um objeto direto deslocado). Por outro
lado, em Quem chegou? não temos uma declaração mas uma pergunta. Tópico é uma noção
discursiva, que tem a ver
Outro problema que detectamos aqui: a definição proposta não dá conta com a função comunica-
dos dados. tiva. O tópico costuma ser
colocado no início da frase
e é o elemento sobre o
Continuando a explorar o que diz a gramática normativa sobre su- qual se afirma, pergunta
jeito, encontramos o seguinte: algo, etc.

- sujeito e predicado são termos essenciais da oração;

- são tipos de sujeito: simples, composto, oculto, indeterminado e


oração sem sujeito.

Qual é o problema aí? Se o sujeito é um termo essencial da oração,


não pode faltar (não havendo sujeito, não há oração!). Então como pode
existir um tipo identificado gramaticalmente como “oração sem sujei-
to”?

Outra definição de sujeito comumente encontrada em livros di-


dáticos é a seguinte: “Sujeito é o ser que pratica a ação expressa pelo
verbo.”

Para refletir

Procure aplicar a definição acima aos seguintes dados:

1) O bandido levou uma surra.

2) Este presente foi comprado pelo meu filho.

3) Vítor e Cecília estão muito felizes hoje.

4) Márcia tem quinze anos.

O que você percebeu? Qual é o sujeito de cada oração? Na pri-


meira, não se sabe quem praticou a ação (o bandido sofreu a ação!); na

121
Estudos Gramaticais

segunda, o agente é o meu filho (mas não é o sujeito!); nas demais não
há verbo de ação, portanto não há agente. Mas todos sabemos que o
sujeito de cada oração é, respectivamente, o bandido, este presente, Vítor
e Cecília e Márcia.

Para evitar problemas desse tipo, e outros, Perini costuma fazer


uma distinção entre classe e função e propõe uma nova classe: a dos SNs
Segundo Perini, as classes (sintagmas nominais).
são verificáveis fora do
contexto frasal, e as fun-
ções só são verificadas no Vamos observar com mais atenção o sintagma nominal (SN). Veja
contexto da frase. os exemplos:

[Cecília] chegou.

[Minha amiga de Recife] chegou.

Vou encontrar [Cecília].

Vou encontrar [minha amiga de Recife].

Trouxe um presente para [Cecília].

Trouxe um presente para [minha amiga de Recife].

Ontem saímos com [Cecília].

Ontem saímos com [minha amiga de Recife].

Os constituintes destacados (Cecília e minha amiga de Recife) são


SNs. Um sintagma nominal é tudo aquilo que, em termos de gramática
tradicional, pode exercer a função sintática de sujeito, objeto direto ou
complemento de preposição (objeto indireto, adjuntos etc.). O sintag-
ma nominal também pode ser constituído por um pronome: Ela chegou
cedo.

Pela proposta desse autor, as classes se definem em relação à estru-


tura da língua, independentemente de sua ocorrência em enunciados.
Por exemplo, à pergunta: “a que classe de palavras pertence Cecília?”, a
resposta será: “substantivo”. Segundo Perini, não haveria necessidade de
observar esta palavra numa frase para identificar a sua classe.

Já as funções se definem em termos de um contexto frasal. São rela-


ções (de ordem, de concordância, de papéis sintáticos etc.) que existem

122
Níveis de análise Capítulo 12
entre as unidades dentro de uma frase. À pergunta: “qual é a função
sintática de Cecília”?, a resposta só pode ser dada a partir da frase, ou
seja, examinando a função desse constituinte na frase. Considerando o
conjunto de frases acima, a reposta poderá ser: sujeito, objeto direto ou
complemento de preposição.

Vamos pensar um pouco mais nessa proposta de Perini. Será que


podemos identificar a classe de qualquer palavra tomada isolada-
mente, fora do contexto da frase? Por exemplo: “a que classe de pa-
lavras pertence velho”? Qual seria a resposta: substantivo? adjetivo?
Se estivesse numa fase como Meu velho amigo chegou, seria adje-
tivo. Mas se a frase fosse O velho chegou, seria substantivo. O que
podemos concluir? Que mesmo as classes de palavras (pelo menos
algumas) parecem precisar de um contexto frasal para serem ade-
quadamente identificadas.

Uma noção importante para a classificação de formas é a de poten-


cial funcional, isto é, o conjunto de funções que cada classe pode desem-
penhar. Assim,

[...] as unidades da língua se classificam por seu potencial funcional: uma


classe é o conjunto das formas da língua que têm potencial funcional
semelhante. As diferentes formas da língua, juntamente com as classes
a que cada uma pertence, são parte de nosso conhecimento perma-
nente. (PERINI, 2006, p.138, grifo do autor).

Assim, a classe dos SNs se define como o conjunto de formas que


podem: a) exercer a função de sujeito, objeto direto ou complemento
da preposição; b) ser usadas referencialmente, isto é, designando ‘seres’
(propriedade semântica). Essas duas propriedades constituem o poten-
cial funcional do SN.

Vamos ver, com mais detalhes, a questão das funções sintáticas, se-
guindo a orientação de Perini (2006). Na frase abaixo, podemos distin-
guir três constituintes:

[As meninas] [encontraram] [Cecília].

Temos dois SNs que aparecem em determinada ordem na frase: as

123
Estudos Gramaticais

meninas antes do verbo, e Cecília depois do verbo. Uma primira obser-


vação importante extraímos daí, relacionada à ordem dos constituintes:
as meninas e Cecília têm funções diferentes porque aparecem em posi-
ções diferentes na frase.

Examinemos o terceiro constituinte: o verbo encontraram aparece


na terceira pessoa do plural e o morfema –m se relaciona com o SN as
meninas, e não com Cecília. Uma segunda observação extraímos disso:
“o SN que (nesse caso) vem logo antes do verbo, e com o qual o verbo
concorda, é chamado sujeito: o outro SN se chama objeto direto” (PE-
RINI, 2006, p. 106).

Veja que “sujeito” e “objeto direto” são definidos em termos pura-


mente formais, com base nos critérios de ordem e concordância.

Para refletir

Compare essa definição de sujeito com aquelas vistas anteriormente.

Que diferenças você percebe?

Para encerrar este tópico, uma questão polêmica! Observe a se-


guinte afirmação de Perini (2006, p. 110, grifo do autor):

Em uma frase como “Comprei um aparelho de DVD”, não há sujeito, por-


que não há na oração nenhum SN com o qual o verbo concorde, nem
nenhum SN posicionado logo antes do verbo. Essa frase tem um agente
(“eu”, que pratiquei a ação de comprar); ela está falando de alguém (de
mim, que sou um dos assuntos principais da frase). Mas, segundo nossa
definição, o sujeito não é o elemento que pratica a ação (a que chama-
mos “agente”), nem o elemento do qual se afirma alguma coisa (que se
chama “tópico”).

Situação-problema

Como as gramáticas normativas analisam o sujeito de orações como


Comprei um aparelho de DVD?

124
Níveis de análise Capítulo 12
Compare a análise das gramáticas normativas com essa de Perini. A que
conclusões você chega?

12.4 Nível semântico-pragmático


Embora estejamos reunindo os níveis semântico e pragmático, é
possível identificarmos fenômenos que são típicos de um e de outro ní-
vel. É no nível semântico que identificamos funções chamadas de “pa-
péis semânticos” ou “papéis temáticos”.

Podemos definir o papel temático como a relação de significado


que liga uma palavra que exprime ação, estado ou evento (muitas vezes
um verbo, mas nem sempre) com as unidades que exprimem os partici-
pantes dessa ação, estado ou evento (PERINI, 2006, p.121).

Os papéis temáticos mais comuns são:

– Agente: indivíduo que pratica a ação, que tem controle sobre a re-
alização da ação.

Ex.: Vítor comeu uma maçã.

– Paciente ou alvo: elemento que sofre o efeito de uma ação ou


evento, podendo mudar de estado em consequência dela.

Ex.: Vítor comeu uma maçã.

– Locativo: especifica o lugar onde se dá o fato expresso pelo ver-


bo.

Ex.: Vítor mora em Florianópolis.

– Fonte/meta: indicam, respectivamente, a origem e o destino do


movimento.

Ex.: Vítor viajou de Florianópolis a Curitiba.

125
Estudos Gramaticais

– Experienciador: indivíduo que passa pelo estado psicológico


descrito pelo verbo (envolvendo pensamentos, sensações, emo-
ções).

Ex.: Vítor pensa em/ viu/ ama Cecília.

– Beneficiário: indivíduo a quem a ação traz proveito ou prejuízo.

Ex.: Vítor ganhou/ perdeu uma bola.

– Instrumento: objeto que o agente utiliza para desempenhar uma


ação.

Ex.: Vítor abriu a porta com a chave.

Os papéis temáticos não se confundem com as funções sintáticas


dos SNs, mas é possível estabelecer algumas relações entre eles. Consi-
derando uma “hiererquia de subjetividade”, pode-se dizer que a ordem
das possibilidades de os papéis temáticos de agente, paciente e instru-
mento coincidirem com a função gramatical de sujeito é: agente > ins-
trumento > paciente.

Observe:

O garoto quebrou a vidraça com a bola. (agente)

A bola quebrou a vidraça. (instrumento)

A vidraça quebrou. (paciente)

Agora pense: Por que é tão comum encontrarmos a definição de sujei-


to como o “ser que pratica a ação expressa pelo verbo”?

126
Níveis de análise Capítulo 12
Divirta-se!

Na piada seguinte, a graça está numa atribuição de papel temático


equivocado a uma certa personagem. Descubra que papéis estão
em jogo.

Mulher – Trabalhar o tempo inteiro e tomar conta da casa está me


levando à loucura! Depois do emprego, cheguei em casa e lavei a
roupa e a louça. Amanhã tenho de lavar o chão da cozinha e as ja-
nelas da frente!

Outra mulher – Então? E teu marido?

Mulher – Ah, isso eu não faço de maneira nenhuma! Ele pode muito
bem se lavar sozinho! (ILARI, 2001, p.138).

Ao analisarmos a língua em funcionamento no seu contexto de


uso, percebemos, de imediato, que não podemos nos limitar ao plano da
frase. Nós não nos comunicamos através de frases isoladas, e sim atra-
vés de textos. Precisamos considerar, portanto, as palavras e frases num
contexto textual ou discursivo mais amplo. Por isso, o nível semântico-
pragmático implica levar em conta elementos discursivos.
Você pode pode saber
Outro aspecto que precisa ser levado em conta é o caráter multi- mais sobre esse assunto
lendo: ILARI, R.; BASSO, R.
funcional dos itens. Vamos ver que muitas palavras ou constituintes po- Língua e gramática ou Da
dem desempenhar diferentes funções gramaticais, entrecruzando níveis necessidade de óculos.
In: ______. O português
e planos linguísticos. da gente: a língua que
estudamos, a língua que
Em vez de partirmos de classes ou categorias, vamos, agora, par- falamos. São Paulo: Con-
tir do uso de alguns elementos linguísticos para depreender a função/ texto, 2006. p. 223-229. Os
autores mostram, através
significação desses itens. Propomos examinar, inicialmente, o funcio- de exemplos, equívocos
namento de aí, item que as gramáticas normativas costumam classificar de se considerar a gramá-
tica apenas no nível frasal.
como advérbio de lugar. Observe os dados (oriundos do projeto VAR-
SUL/Florianópolis e extraídos de Tavares, 1999):

1) Eu cheguei em casa, eles estavam sentados no muro, né? Num


muro alto. Eu disse: “meu filho, [não]-não senta aí que tu não

127
Estudos Gramaticais

estás com equilíbrio bom”. (FLP13, L831)

2) Era coisa gostosa. Hoje, se você vai numa festinha aí, numa fes-
tinha de rua aí, a gente vê é safadeza, é avacalhação. (FLP 04,
L597)

3) Onze e pouco da noite. Não tinha um hotel, não tinha nada pra
dormir, que o único hotel da cidade estava fechado. Aí procura-
mos, procuramos, batemos nesse hospital, que é um hospital e
maternidade, aí que ele estava (FLP03, L889)

4) Depois que ele morreu, né? Que aí elas já eram mais ou menos
moças, né? Tinham os seus quinze, dezesseis anos, aí que come-
çaram a namorar (FLP18, L1161)

5) E a carne, tu compras um quilo e tu comes duas vezes, né? E o


peixe não. O peixe é aquilo ali, num instantinho vai e pronto. É
isso aí. (FLP11, L1117)

6) “Ela está lá na casa da Maria dos Anjos”, disse uma outra amiga
minha. Aí ela foi lá na casa da Maria dos Anjos, ver se eu esta-
va... (FLP08, L831).

Vamos, juntos, analisar o aí destacado nos dados, atentos aos se-


guintes pontos das gramáticas normativas: a) aí é advérbio de lugar; e b)
o advérbio modifica um verbo, um adjetivo ou outro advérbio.

a) Em quais casos o aí está modificando um verbo?

b) Em quais casos o aí expressa a ideia de lugar?

c) Que outros valores o aí representa?

Antes de passarmos à análise, precisamos nos munir dos conceitos


de dêixis e de anáfora.

Dêixis: diz respeito principalmente às pessoas que participam da


interação verbal, ou a lugares e tempos que são localizados a partir
da situação de fala. Realiza-se sobretudo por meio dos pronomes,
dos artigos, dos tempos dos verbos e de certos advérbios.

128
Níveis de análise Capítulo 12
Anáfora: diz respeito a pessoas e objetos, tempos, lugares, fatos
etc. mencionados em outros pontos do mesmo texto; também na
função anafórica são úteis os pronomes, o artigo definido, os tem-
pos verbais e os advérbios.

(ILARI, 2001, p.55-56)

Em não senta aí (1), o aí se relaciona a um verbo acrescentando


uma circunstância de lugar. Tem valor dêitico, isto é, aponta para a situ-
ação extralinguística em que ocorre a fala, para um local do mundo real.
Como se liga a um verbo e expressa ideia de lugar, atende às caracterís-
ticas da definição tradicional.

Em uma festinha (de rua) aí (2), o aí modifica um substantivo (pe-


los critérios da definição de advérbio, o item está excluído dessa classe).
Não expressa exatamente uma ideia de lugar, mas pode ser substituído
por “qualquer” (numa festinha qualquer, que não interessa identificar
qual; a interpretação é, no mínimo, ambígua). O aí já não preenche as
características de advérbio de lugar, funcionando com valor adjetival,
pois modifica um nome.

No terceiro caso, aí que ele estava, o item retoma o antecedente


que expressa lugar maternidade, por isso é um anafórico locativo. Man-
teve-se a noção de lugar, mas o item perde sua característica dêitica,
passando a apontar para um referente dentro do próprio texto.

No quarto dado, aí que começaram a namorar, o aí também apon-


ta para elementos do texto: depois que ele morreu e elas tinham os seus
quinze, dezesseis anos, só que o valor, nesse caso, é temporal. Trata-se de
um anafórico temporal.

No quinto exemplo, é isso aí, o item retoma resumidamente toda a


sequência discursiva precedente, funcionando como um anafórico dis-
cursivo.

Por fim, em Aí ela foi lá na casa..., o aí faz as vezes de conector: está


ligando orações e ordenando cronologicamente os eventos, por isso tem

129
Estudos Gramaticais

valor de sequenciador temporal.

Como vimos, além de advérbio de lugar (dêitico), aí pode atuar


com valor de adjetivo (dentro do SN), como elemento anafórico apon-
tando para partes do texto (com valor locativo, temporal e discursivo) e
como conector. Somente numa análise que contemple os usos efetivos
da língua conseguimos captar esses diferentes matizes revelando a mul-
tifuncionalidade dos itens linguísticos.

Para refletir

Você pode exercitar o tipo de análise feita com aí, verificando o funcio-
namento de outros itens como: onde, assim, então, agora, mas etc. Você
pode buscar esses elementos em redações escolares, por exemplo. A
título de ilustração, observe as ocorrências a seguir (os dados de assim
foram extraídos de Gasparini, 2001; e os de então, de Tavares, 1999).
Lembrete: as gramáticas normativas costumam apresentar o assim
como advérbio de modo e o então como advérbio de tempo.

1) Antigamente, a gente fazia uns quadrados assim num ci-


mento, e pulava né? (FLP18,L1214)

2) Era um local assim muito freqüentado entre os antigos e


tudo. (FLP18, L176)

3) A festa estava assim de gente e ninguém me tirou para


dançar. (redação, 5ª série).

4) A Internet pode ser assim, como posso dizer, comuni-


cativa, mas às vezes não vale a pena tê-la. (redação, 6ª
série)

5) Minha mãe às vezes não gostava muito não, mas o meu


pai achava lindo, maravilhoso. O meu avô então acha-
va maravilhoso, coisa mais linda do mundo. (FLP 01, L
245)

6) Botava o espetinho, assim, dentro do fogão à lenha, que

130
Níveis de análise Capítulo 12
na época não existia fogão a gás. Botava, assim, deixava
assar aquela manta de carne seca. Então ela passava a
mão, dividia aquele alguidar em... Lógico, ela não botava
até em cima, botava até certa altura. (FLP 02, L 1081)

7) E: Que sorte, menina!

F: Então! Na época, no dia que eu fui ver, que eu meti a


cara, estava [seis <bi->]- seis e quinhentos. Ele deixava
por cinco e quinhentos pra mim. (FLP 20, L 658)

Quando vamos fazer análises linguísticas, podemos seguir duas di-


reções:

1) partir da forma para a significação ou função (forma -> fun-


ção); ou

2) partir da significação ou função para a forma (função -> for-


ma).

Na análise de aí e de assim, por exemplo, partimos de formas lin-


guísticas. Vamos, agora, inverter o processo: partir de uma função/sig-
nificação e verificar as suas diferentes formas de expressão. Os dados a
seguir mostram formas alternativas para expressar o grau superlativo
em português, isto é, um elevado grau de determinada qualidade (Da-
dos adaptados de Ilari e Basso, 2006, p. 110-111).

1) Essas crianças são inteligentíssimas.

2) Paula veste uma roupa chiquérrima.

3) Ela é uma pessoa muito bacana.

4) Ela é uma pessoa muito entrada em anos.

5) Ele tem um estilo muito deixa que eu chuto.

6) Ele é podre de rico.

7) Ela é chique no último.

8) O professor é exigente pra chuchu.

131
Estudos Gramaticais

9) Ele é enjoado a dar com o pau.

10) Propomos que você continue a lista...

Na interação comunicativa, todo enunciado apresenta um deter-


minado grau de modalização, isto é, de expressão da atitude do falante/
escrevente, seja em relação ao conteúdo do que é dito, seja em relação ao
interlocutor. A categoria gramatical que expressa essa atitude do locutor
chama-se modalidade. São exemplos de modalidade:

a) os graus de certeza que o falante pode imprimir ao fato enun-


ciado, como em:

Talvez ele venha amanhã.

Certamente ele vem amanhã.

A modalidade relacionada a graus de certeza pode ser expressa por


elementos adverbiais (talvez, certamente, provavelmente, com certeza),
predicadores (é provável que, é certo que, é claro), verbos modais (dever,
poder), entre outros recursos linguísticos.

b) os graus de ‘comando’ que envolvem regras sociais de polidez,


ou seja, a atitude do falante em relação ao interlocutor em atos
de fala diretivos (ordem, pedido, sugestão), como em:

Por favor, feche a porta.

Feche a porta!

A modalidade relacionada às intenções e interesses do falante pode


se manifestar por expressões de cortesia (por favor, por gentileza), modo
do verbo (imperativo), verbos modais (ter que, precisar), verbos que ex-
plicitem o ato praticado pelo locutor (ordeno que, solicito que), entona-
ção (interrogação, exclamação).

Como a modalidade se manifesta em uma situação comunicativa,


os papéis sociais desempenhados pelos interlocutores são importantes.
Por exemplo, em atos de fala manipulativos ou de comando, quando o
falante quer, de algum modo, agir sobre o ouvinte para que ele reponda
através de atos, os recursos de modalização utilizados deverão ser ade-
quados aos papéis sociais em jogo e regras de polidez deverão ser acio-

132
Níveis de análise Capítulo 12
nadas, para que o evento seja bem sucedido. Por exemplo, a solicitação
de que a porta da sala seja fechada será feita de maneira diferente nas
seguintes interações: de mãe para filha, de empregada para patroa, de
irmão para irmã, e assim por diante.

Para refletir

Imagine que os enunciados abaixo tenham sido proferidos na seguinte


situação:

a) uma família está almoçando num restaurante no final


de semana;
b) a salada está sem sal e tem um saleiro à mesa;

c) todos gostam de salada temperada.


Tente identificar:

ӲӲ quem são os interlocutores envolvidos em cada enunciado;


ӲӲ que enunciados têm maior, e menor, força manipulativa;
ӲӲ que enunciados apresentam maior, e menor, grau de po-
lidez.

1) Você me passaria o sal, por favor?

2) A salada está sem sal.

3) Me passa o sal!

4) Me passe o sal!

5) Por favor, me passe o sal!

6) Se tivesse um salzinho...

7) Por favor, poderia me passar o sal!

8) Você quer me passar o sal?

9) Tenha a bondade de me passar o sal.

10) Me dá o sal, pô!

11) Anda logo com esse sal aí.

133
Estudos Gramaticais

Resumindo este tópico: A descrição gramatical é feita nos dife-


rentes níveis linguísticos: fonético-fonológico – realizações linguísticas
concretas e sistema de sons da língua; morfológico – as palavras e suas
partes constituintes: radical, afixos, desinências (os morfemas); sintáti-
co ou morfossintático – os sintagmas, isto é, constituintes que associam
forma e significado como se fossem ‘partes naturais’ da oração ou do
período; semântico-pragmático – palavras e frases vistas no contexto de
uso (contexto textual ou discursivo mais amplo), considerando o caráter
multifuncional dos itens e construções, que podem desempenhar dife-
rentes funções gramaticais, entrecruzando níveis e planos linguísticos.

Nesta unidade:

– desenvolvemos a prática de análise linguística nos diferentes ní-


veis gramaticais;

– cotejamos definições e classificações com dados linguísticos;

– refletimos criticamente sobre algumas definições/classificações


das gramáticas normativas, percebendo as inconsistências destas.

Sugerimos que você reveja essas etapas, anote suas dúvidas e desta-
que o que julgar mais interessante ou relevante.

Leia mais!
PERINI, M. Componentes de uma descrição gramatical. In: Gramática
descritiva do português. São Paulo: Ática, 1996. p.49-57.
______. Papéis semânticos e funções sintáticas. In: Gramática descritiva
do português. São Paulo: Ática, 1996. p. 260-268.
No primeiro texto, Perini discute os níveis de análise linguística e as defini-
ções na gramática tradicional. No segundo texto, relaciona papéis semânti-
cos e sintáticos.

CAMARA JR., J. M. A primeira articulação ou morfo-sintaxe. In: Estru-


tura da língua portuguesa. Petrópolis, RJ: Vozes. p.59- 86.
Mattoso Camara Jr. aborda os critérios de classificação dos vocábulos, a fle-
xão e a derivação portuguesa, entre outros aspectos.

CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português con-


temporâneo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. (ou outra gra-
mática normativa)

134
Níveis de análise Capítulo 12
Referências
ARBOUSSE-BASTIDE, Paul; MACHADO, Lourival. Introdução. Rous-
seau, coleção os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1987.
ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro & interação. São Paulo:
Parábola, 2003.
BAGNO, Marcos (Org.). Lingüística da norma. São Paulo: Edições
Loyola, 2002.
BARROS, Diana Pessoa. A comunicação humana. In: FIORIN, José
Luiz et al. (Orgs.). Introdução à lingüística. I. Objetos teóricos. São Pau-
lo: Contexto, 2002. p. 25-53
BECHARA, Evanido. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. rev. e ampl.
Rio de Janeiro: Lucerna, 2001.
BORBA, Francisco da Silva. Introdução aos estudos lingüísticos. 11. ed.
Campinas: Pontes, 1991.
BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a so-
ciolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.
______. O estatuto do erro na língua oral e na língua escrita. In: GOR-
SKI, Edair M.; COELHO, Izete L. (Orgs.). Sociolingüística e ensino: con-
tribuições para a formação do professor de língua. Florianópolis: Edito-
ra da UFSC, 2006. p. 267-276.
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação
Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais terceiro e quarto ciclos
do ensino fundamental: Introdução aos parâmetros curriculares nacio-
nais. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998a.
______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educa-
ção Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais terceiro e quarto
ciclos do ensino fundamental: Língua Portuguesa. Brasília, DF: MEC/
SEF, 1998b.
______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação
Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais ensino médio: Lingua-
gem e códigos. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998c.
CAMARA, JR., Joaquim Mattoso. Estrutura da língua portuguesa. 3. ed.
Petrópolis: Vozes, 1972.
CASTILHO, Ataliba de (Org.). Gramática do português falado, v.1.
Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 1990.
______. A língua falada e o ensino de língua portuguesa. São Paulo: Con-

135
Estudos Gramaticais

texto, 2000.
______. [Entrevista]. In: XAVIER, Antonio Carlos; CORTEZ, Suzana
(Orgs.). Conversas com lingüistas: virtudes e controvérsias da lingüísti-
ca. São Paulo: Parábola, 2003.
CHOMSKY, Noam. Language and problems of knowledge. The Managua
lectures. Cambridge, Mass: The MIT Press, 1988.
CUNHA, Celso. Gramática do português contemporâneo. 3. ed. Rio de
Janeiro: Ed. Bernardo Álvares, 1972.
______; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâ-
neo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
DEVLIN, K. O gene da matemática. Rio de Janeiro: Record, 2006.
DUBOIS, Jean et al. Dicionário de lingüística. São Paulo: Cultrix, 1973.
FARACO, Carlos Alberto. Norma-padrão brasileira: desembaraçando
alguns nós. In: BAGNO, Marcos (Org.). Lingüística da norma. São Pau-
lo: Loyola, 2002. p. 37-61.
______; TEZZA, Cristovão. Prática de textos para estudantes universitá-
rios.10.ed. Petrópolis: Vozes, 2002.
ECO, H. A busca da língua perfeita. Bauru: EDUSC, 2001.
FICKER, R. Vico, o precursor. São Paulo: Moderna, 1994.
FIORIN, José Luiz. Teoria dos signos. In: FIORIN, José Luiz et al.
(Orgs.). Introdução à lingüística. I. Objetos teóricos. São Paulo: Contex-
to, 2002. p. 55-74.
FIORIN, José Luiz et al. (Orgs.). Introdução à lingüística. I. Objetos teó-
ricos. São Paulo: Contexto, 2002.
FISCHER, S. Uma breve história da linguagem. Osasco: Novo Século
Editora, 2009.
GASPARINI, Madelaine. Assim se fala, assim se escreve. 2001. Disserta-
ção (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-graduação em Lin-
guística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.
GORSKI, Edair; COELHO, Izete Lehmekhul. Variação lingüística e ensi-
no de gramática. Florianópolis: UFSC, 2007. No prelo.
ILARI, Rodolfo. Introdução à semântica: brincando com a gramática.
São Paulo: Contexto, 2001.
______; BASSO, Renato. O português da gente: a língua que estudamos,
a língua que falamos. São Paulo: Contexto, 2006.

136
Níveis de análise Capítulo 12
KOCH, Ingedore V. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto,
1992.
LOBATO, Lúcia M. P. Sintaxe gerativa do português: da teoria padrão à
teoria da regência e ligação. Belo Horizonte: Vigília, 1986.
LYONS, J. Introdução à lingüística teórica. São Paulo: Nacional; EDUSP,
1979.
MATTOS E SILVA, Rosa V. Contradições no ensino de Português. São
Paulo: Contexto, 1996.
MATEUS, Maria Helena M. et al. Gramática da Língua Portuguesa. 4.
ed. Lisboa: Caminho, 1989.
MENDONÇA, Maria Célia. Língua e ensino: políticas de fechamento.
In: In: MUSSALIN, F; BENTES, A. C. (Orgs.). Introdução à lingüística:
domínios e fronteiras, v.1. São Paulo: Cortez, 2001. p. 233-264.
MONARETTO, Valéria N. de O. O apagamento da vibrante pós-vocálica
nas capitais do Sul do Brasil. Letras de Hoje, v. 35, n.1. Porto Alegre:
PUCRS, mar. 2000. p. 275-284.
NEGRÃO, Esmeralda; SCHER, Ana; VIOTTI, Evai. A competência lin-
güística. In: FIORIN, J.L. et al. (Orgs.). 2002. p. 95-119.
NEVES, Maria Helena de M. Gramática de usos do português. São Paulo:
EdUNESP, 2000.
______. A gramática: história, teoria e análise, ensino. São Paulo: EdU-
NESP, 2001.
______. Norma e prescrição lingüística. Disponível em: <www.comcien-
cia.br/reportagens/linguagem/ling12.htm>. Acesso em: 18 abr. 2007.
PAIVA, M. da Conceição A. A supressão das semivogais nos ditongos
decrescentes. In: SILVA, G. M. de O. e; SCHERRE, M. M. P. (Orgs.).
Padrões sociolingüísticos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 217-
236.
PERINI, Mário. Gramática descritiva do português. 2. ed. São Paulo: Áti-
ca, 1996.
______. Sofrendo a gramática: ensaios sobre a linguagem. 3. ed. São
Paulo: Ática, 2002.
______. A língua do Brasil amanhã e outros mistérios. São Paulo: Pará-
bola, 2004.
______. Princípios de lingüística descritiva: introdução ao pensamento
gramatical. São Paulo: Parábola, 2006.

137
Estudos Gramaticais

PETTER, Margarida. Linguagem, língua, lingüística. In: In: FIORIN,


José Luiz et al. (Orgs.). Introdução à lingüística. I. Objetos teóricos. São
Paulo: Contexto, 2002. p. 11-24.
PIETROFORTE, Antonio Vicente. A língua como objeto da Lingüística.
In: In: FIORIN, José Luiz et al. (Orgs.). Introdução à lingüística. I. Obje-
tos teóricos. São Paulo: Contexto, 2002. p. 91-92.
PINKER, S. O instinto da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas,
SP: ALB; Mercado de Letras, 1996.
______. Os humores da língua: análises lingüísticas de piadas. Campi-
nas, SP: Mercado das Letras, 1998.
PLATÃO. Diálogos. Teeteto. Crátilo. Belém: UFPA, 2001.
ROUSSEAU, Jean-Jacques. Ensaio sobre a origem das línguas. Coleção
Os pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1987.
SAUSSURE, Ferdinand. Curso de lingüística geral. 3. ed. Tradução de A.
Chelini, J.P. Paes e I. Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1971.
SEDLEY, David. Plato´s Cratylus. Stanford Encyclopedia of Philosophy.
Disponível em: <http://plato.stanford.edu/entries/plato-cratylus/>.
Acesso em: 20 maio 2007.
SEUREN, P. Western Linguistics: an historical introduction. Oxford: Bla-
ckwell, 1998.
SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. 7. ed. São
Paulo: Ática, 1989.
ROCHA LIMA, Carlos H. Gramática normativa da língua portuguesa,
15. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1972.
TASCA, Maria. A presença da variação do segmento lateral na escrita
das séries iniciais. In: GÖRSKI, Edair M.; COELHO, Izete L. (Orgs.).
Sociolingüística e ensino: contribuições para a formação do professor de
língua. Florianópolis: Editora da UFSC, 2006. p.185-207.
TAVARES, Maria A. Um estudo variacionista de AÍ, DAÍ, ENTÃO e E
como conectores seqüenciadores retroativo-propulsores. 1999. Disserta-
ção (Mestrado em Lingüística) – Programa de Pós-Graduação em Lin-
güística, Universidade Federal de Santa Catarina, 1999.
TAVARES, Maria A.; GÖRSKI, Edair. Sociofuncionalismo: da teoria à
prática pedagógica. In: SILVA, C. R.; HORA, D. da; CHRISTIANO, M.
E. A. (Orgs.). Lingüística e práticas pedagógicas. Santa Maria: Pallotti,
2006. p.127-148.

138
Níveis de análise Capítulo 12
TRASK, R.L. Dicionário de linguagem e lingüística. Tradução e adap-
tação Rodolfo Ilari; revisão técnica Ingedore V. Koch, Thaïs Cristófaro
Silva. São Paulo: Contexto, 2004.
TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Língua Portuguesa: o ensino de gramática. In:
Salto para o futuro. Um mundo de letras: práticas de leitura e escrita. Bo-
letim 03. TVEscola, SEED, MEC, abril de 2007. Disponível em: <http://
www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2007>. Acesso em: 20 maio 2007.
WEEDWOOD, Bárbara. História concisa da lingüística. São Paulo: Pa-
rábola, 2002.

Crédito das imagens


Capa
Vanitas, de Edwaert Collier (1664). Óleo sobre tela, 50 x 60 cm. Stedeli-
jk Museum De Lakenmal. Disponível em: <http://www.reproarte.com/
picture/Edwaert_Collier/Vanitas/2625.html>. Acesso em: 20 abr. 2011.
Unidade A
A Escola de Atenas – detalhe em que aparecem Sócrates, Platão e Aristó-
teles, de Rafael Sanzio (1509-1511). Afresco, 7,70 m aproximadamente.
Palácio do Vaticano.
Fonte: PRETTE, Maria Carla; DE GIORGIS, Alfonso. História ilustra-
da da arte: história, linguagens, épocas e estilos. Sintra, Portugal: Giras-
sol, 2008.
Unidade B
Tirinha – Joaninhas em: O tempo é uma construção linguística
Fonte: Disponível em: <http://www.joaosejoanas.com/2011/03/427-o-
tempo-e-uma-construcao.html>. Acesso em: 20 abr. 2011.
Unidade C
Ilustração: Diversidade. Disponível em: <http://dialogospoliticos.files.
wordpress.com/2008/08/1171701005_diversidade.jpg>. Acesso em: 30
abr. 2011.
Unidade D
Foto de Ariadna Morguefile
Fonte: Disponível em: <http://www.briquetdelemos.com.br/briquet/
briquet_lemos7.htm>. Acesso em: 10 abr. 2011.
Figura 1 – Do Australopithecus ao Homo sapiens sapiens.

139
Estudos Gramaticais

Fonte: Disponível em: <http://www.plantsciences.ucdavis.edu/gepts/


pb143/LEC03/01homo-ew.jpg>. Acesso em: 18 abr. 2011.
Figura 2 - Academia de Platão - Mosaico da Vila de Siminius Stephanys
em Pompeia (século I).
Fonte: Disponível em: <http://www.departments.bucknell.edu/history/
carnegie/plato/academy.html>. Acesso em: 09 abr. 2011.
Figura 3 – A Torre de Babel, de Peter Brueghel, o velho (1563).
Fonte: Kunsthistorisches Museum. Disponível em: <http://www.khm.
at/en/kunsthistorisches-museum/collections/picture-gallery/nether-
lands-15th-16th-centuries/?offset_974=1&cHash=3706b90b8d8e58df9
522011d75230745>. Acesso em: 30 abr. 2011.
Figura 4 - Ilustração “Elefante e cegos”
Fonte: Lantec/UFSC
Figura 5 – Ilustração “O cérebro humano”
Fonte: Lantec/UFSC
Figura 6 – Ilustração “Linguagem como ação interindividual”
Fonte: Lantec/UFSC
Figura 7 – Capa dos PCNs de Língua Portuguesa
Fonte: Disponível em: <http://1.bp.blogspot.com/-NP_Fr-
jPE3S4/TWMYMwBATkI/AAAAAAAADhM/GaHe7KaHwaY/
s1600/427318_414.jpg>.Acesso em: 20 abr. 2011.
Figura 8 – Elivelton e Álvaro: frases.
Fonte: Disponível em: <http://www.detrivela.com.br/historias/frases.
htm>. Acesso em: 10 abr. 2011.
Figura 9 - Alice a Humpty Dumpty (personagens de Aventuras de Alice,
de Lewis Carrol).
Fonte: Disponível em: <http://www.mindfully.org/Reform/Humpty-
Dumpty-Carroll1871.htm>. Acesso em: 10 abr. 2011.
Figura 10 – Televisão.
Fonte: Disponível em: <http://www.plenarinho.gov.br/educacao/Re-
portagens_publicadas/a-televisao>. Acesso em: 10 abr. 2011.
Figura 11 – Capa da Gramática de Celso Cunha
Fonte: Disponível em: <http://www.novafronteira.com.br/produto.
asp?CodigoProduto=1137>. Acesso em: 10 abr. 2011.

140
Níveis de análise Capítulo 12

141
Estudos Gramaticais

142