Você está na página 1de 4

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA

CAMPUS EUNÁPOLIS
DEPARTAMENTO DE ENSINO
CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM INFORMÁTICA
JAILSON DA SILVA OLIVEIRA

CONTO: INCONSTANTE

EUNÁPOLIS/ BA
09/10/2018
JAILSON DA SILVA OLIVEIRA

CONTO: INCONSTANTE

Trabalho feito como requisito parcial da


disciplina Língua Portuguesa, solicitado
pela Professora Fernanda Patrício
Mariano, do Instituto Federal de
Educação, Ciência e Tecnologia da
Bahia, Campus Eunápolis pelo curso de
informática da turma EI-21.

EUNÁPOLIS/ BA
09/10/2018
INCONSTANTE

– Se ao menos houvesse explicação, mas nada justifica.


Estando a aula próxima ao término e ele guardando os materiais, percebeu
que o professor se aproximava, apontou os olhos para outra direção, ao colocar
a mochila em suas costas, escutou “Faça algo por você hoje e não deixe para
amanhã o que você pode fazer agora”, ele acenou com a cabeça como se
estivesse concordado, saltando para fora da sala.
– Em qual dos restaurantes da cidade iremos almoçar hoje? – Disse uma menina
que até então me caçava.
“Não sei se só falou isso para puxar assunto, mas devia saber que eu não
conheço nenhum restaurante além do 'Tá na Hora', pois não moro aqui”.
– Mostre-me do que é capaz a culinária da cidade.
Andavam no corredor solitário e vão da escola. Sempre que se colocava a
pensar, olhava para baixo, e ele mirava vidrado o seu pescoço. Agarrou-a pela
cerviz, e colocou-a sobre o seu ombro, a levantou e quebrou sua coluna vertebral
na região cervical. Lembrou daquilo que o professor Roger dissera e parou de
imaginar aquela cena.
Na saída do restaurante, ao se despedirem, presenciaram algo que poderia ser
interpretado como um suicídio, uma mulher com uma roupa Dolma se atirou na
frente de um carro. Ainda sem entender, preferiram não ver o que aconteceu.
– Você está bem?! – Disse Steve em tom de preocupação.
A pressão arterial da Rita estava baixa, estava se lembrando da morte de uma
amiga.
– Estou bem mas acho que você terá que dirigir em meu lugar.
Ela o guiou pelo labirinto de ruas até a sua estilosa casa. A moça morava só, e
ao perceber isso o homem voltou a imaginar um jeito de matá-la. Rita pegou
alguns remédios e se dirigiu ao banheiro.
A sala é grande. Está muito silencioso para uma casa no centro da cidade.
O fidalgo começou a vagar pelo cenário e entra em um quarto num corredor
que fica longe de onde adentrara na casa. No quarto havia algumas esculturas,
ferramentas e imagens em quadros, essas ilustrações eram enigmáticas e
pareciam mostrar algo mas em seus detalhes estão referências que são como
fragmentos, ele ficou observando com uma aparência rude, como se não
entendesse.
Depois de ter escutado um barulho e sem pensar decide dar um susto na Rita.
Indo até a cozinha, procurar por uma faca, olha para a janela e vê um gato,
pensou em matá-lo mas sabia que isso faria barulho.
A noite de aproxima e ele lembra de seus afazeres.
Estava voltando para a sala e viu a moça entrando na garagem, ergueu a mão
que estava a faca e fez uma cara sinistra, ao empurrar a porta percebeu que
tudo estava escuro e se ouve gritos, um barulho que mais se pareça com o de
um metal que caiu ao chão e outro que era como o de uma roupa sendo rasgada.
A luz da garagem se acende e Rita está no chão, olha para o carro e só repara
no líquido vermelho sobre o preto fosco do veículo, olha para o outro lado do
automóvel e vê uma marca vermelha em forma de mão, voltou a olhar para ela
e percebe que está apontando para o chão próximo à porta onde tinha uma faca,
ele corre até lá e tranca a porta, quando se vira, ele vê uma sombra entrando à
sala , ligou para a polícia e chamou uma ambulância, foi em direção ao som dos
paços e do suspiro pesado que escutava, chegou até a lavanderia e percebeu
algo atrás do varal de lençóis.
Steve viu que ele iria correr e não hesitou em esfaqueá-lo, foi como se seu
corpo fosse feito de isopor, Steve sentiu prazer em fazer aquilo, voltou até a dona
de casa e disse :
– Aguente firme!
Estava ajudando ela a entrar no carro e a polícia chegou.
– Ela precisa de um médico!
– Leve ela ao hospital, preciso conversar com ele. – Disse um dos policiais ao
seu parceiro.
O interrogatório parecia não acabar e a ambulância chegou, fui ao hospital onde
estava a Rita que parecia estar bem.