Você está na página 1de 116

BÁSICO DE TEOLOGIA

ÁREAS DE
ESTUDO PRÁTICA ESTUDOS DESENVOLVIMENTO EVANGELIZAÇÃO
MINISTERIAL BÍBLIC OS ESPIRITUAL E MISSÕES

O ESPÍRITO
ACONSELHAMENTO NOVO A MISSÃO
SANTO
E ÉTICA CRISTÃ TESTAMENTO
EVANGELIZAÇÃO E
AÇÃO, FRUTO,
1º ANO
DISCIPULADO
VENCENDO AS CRISES REINO, PODER BATISMO E DONS
DA VIDA E GLÓRIA

LIDERANÇA CRESCIMENTO E
ANTIGO MISSÕES
INSPIRADORA SERVIÇO DO
TESTAMENTO NACIONAIS E
CRISTÃO
2º ANO PESSOAS, TAREFAS E ALVOS A BÍBLIA QUE JESUS LIA
MATURIDADE E MORDOMIA
ESTRANGEIRAS

DOUTRINAS reforma protestante


HERMENÊUTICA BÍBLICAS ORAÇÃO
500 anos
Entendes o que Lês? FUNDAMENTOS ENSINA-NOS A ORAR

3º ANO DA VERDADE
TODOS PODEM PREGAR

HISTÓRIA DA ESCATOLOGIA Cidadania e


BÍBLICA FAMÍLIA
ASSEMBLEIA responsabilidade
4º ANO DE DEUS REVELAÇÃO DO FUTURO
FORTALECENDO A FAMÍLIA
social da igreja

Crescimento e
Quem é Jesus ROMANOS SANTIFICAÇÃO organização da
5º ANO igreja

Central de Atendimento: (91) 3110-2400. www.educacaocristacontinuada.com.br


REVISTA DA
ESCOLA DOMINICAL
ESTUDOS BÍBLICOS TAMBÉM PARA CULTO DOMÉSTICO, DEVOCIONAL E PEQUENOS GRUPOS

Comentário e adaptação
Pastores Jonatas e Ana Lúcia Câmara
e equipe editorial

Sumário

LIÇÃO 1 500 ANOS DA REFORMA: ENSINO E LEGADO.............................................................................5

LIÇÃO 2 ASSEMBLÉIA DE DEUS: 100 ANOS DE PENTECOSTES NO AMAZONAS....................... 11

LIÇÃO 3 DAR-VOS-EI PASTORES ..................................................................................................................... 19

LIÇÃO 4 A ATUAÇÃO FEMININA NA IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLÉIA DE DEUS.................. 27

LIÇÃO 5 UNÇÃO E PALAVRA: MARCAS DA PREGAÇÃO PENTECOSTAL.......................................... 33

LIÇÃO 6 FERVOR E LOUVOR: BASES DO MINISTÉRIO DE ADORAÇÃO ASSEMBLEIANO........ 39

LIÇÃO 7 CONFISSÃO DE FÉ ASSEMBLEIANA.............................................................................................. 45

LIÇÃO 8 “DEUS SALVE O AMAZONAS”, EVANGELIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO................................ 51

LIÇÃO 9 CEADAM E VIMADAM: MISSÃO LOCAL E GLOBAL................................................................. 57

LIÇÃO 10 CUIDANDO UNS DOS OUTROS........................................................................................................ 63

LIÇÃO 11 UM LEGADO CENTENÁRIO DE EDUCAÇÃO NO AMAZONAS.............................................. 69

LIÇÃO 12 CIDADANIA E CONSCIÊNCIA POLÍTICA...................................................................................... 75

LIÇÃO 13 “ATÉ QUE ELE VENHA”: OS NOVOS DESAFIOS PARA OBRA DO SENHOR NO AMAZONAS......81
Editorial Expediente
Conselho Editorial
Samuel Câmara, Oton Alencar, Jonatas
Câmara, Rui Raiol, Celso Brasil, Philipe
Os 100 anos de implantação da Igre- Câmara, Benjamin de Souza.
ja Assembléia de Deus no Amazonas é
comemorado no dia 1º de janeiro de Editor
Samuel Câmara
2018. Foi nessa data, em 1918, que o ca-
sal missionário Samuel e Lina Nystron Editor Assistente
organizou e fundou a Igreja Evangélica Benjamin de Souza
Assembléia de Deus em Manaus. Coordenador Editorial
Elléri Bogo
De sua implantação até hoje, mui-
tas transformações ocorreram no Es- Equipe Editorial
tado do Amazonas. Não apenas na vida Pastores Jonatas e Ana Lúcia Câmara e
equipe da Faculdade Boas Novas (Maria
da Igreja, mas em outras instituições José Lima, Daniel Lima, Miqueias Pontes,
sociais. Mudanças ocorridas, princi- Liliane Oliveira, Reyth Ribeiro, Belmiro
Medeiros e Fanuel Santos)
palmente, a partir do investimento na
educação, na ação social, na comunica- Supervisão Pedagógica
ção e também no âmbito político. Faculdade Boas Novas (Maria José Lima,
Elda Reis e Aurieth Nascimento)
Os nomes de Samuel Nystron, Ma-
Repertório Musical
noel da Penha, José Paulino, Manoel Rebekah Câmara
Higino, Josino Galvão, José Menezes,
José Floriano, José Bezerra, José Mar- Revisores
Jailson Melo e Auristela Brasileiro
celino, Deocleciano Cabralzinho, Fran-
cisco do Nascimento, João de Queiroz, Distribuição e Comercial
Jadiel Gomes
Alcebíades Vasconcelos, Otoniel Alves,
José Reis, Samuel Câmara, dentre ou- Editoração e Projeto Gráfico
tros, estão fortemente presentes na Nei Neves, Maely Freire, Tarik Ferreira e
John Brito
lembrança e na memória da Igreja.
Conteúdo Digital e Imagens
São 100 anos de vida, de realizações, Jeiel Lopes
de ministério frutífero para o Reino de
Deus e para o evangelismo brasileiro. Versão bíblica: Almeida Revista e Atualizada,
salvo quando indicada outra versão.
Saudemos os 100 anos de Pen-
© 2017. Direitos reservados. É proibida a
tecostes no Amazonas, um marco na reprodução parcial ou total desta obra, por
história deste Estado, que trouxe bên- qualquer meio, sem autorização por escrito
çãos para a sociedade amazonense e, da Assembléia de Deus em Belém do Pará e
do autor dos comentários e adaptações.
especialmente, para o povo de Deus.
Comemoremos, pois relembrar a his- Programa de Educação Cristã Continuada.
Avenida Governador José Malcher, 1571, Nazaré.
tória da Assembléia de Deus é relem- CEP: 66060-230. Belém - Pará - Brasil. Fone: (91)
brar a história da nossa fé. 3110-2400. E-mail: comercial@adbelem.org.br.

Bem-vindo(a) à Escola Bíblica Nota: Nas lições usamos o acento na pa-


Dominical. lavra ASSEMBLÉIA, sabe-se que com a
nova ortografia, esta palavra não é mais
Pastores Jonatas acentuada, todavia, o nome da instituição
e Ana Lúcia Câmara Assembléia de Deus ao ser patenteado
com o acento optamos que o mesmo per-
manecesse nas lições.

4
LIÇÃO 1
500 ANOS DA REFORMA:
ENSINO E LEGADO
SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR
Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Assimilar os fatos que favore-
Amado(a) Professor(a), che- ceram a Reforma Protestante.
gamos a mais uma série de lições • Compreender o nosso tempo
tendo a oportunidade única de ce- e as necessidades da Igreja atual.
lebrar com nossos alunos os 500 • Entender como a Reforma al-
Anos da Reforma Protestante, ao terou a história.
mesmo tempo em que será um
momento propício para o Espírito
Santo fazer arder a chama da Pre-
gação no coração deles.
Aproveite para se especiali-
PARA COMEÇAR A AULA
zar um pouco mais sobre a Idade Traga para a sala de aula al-
Média e a história da Igreja nesse gumas cópias das 95 Teses, dis-
período, a fim de contextualizar a tribua entre os alunos ou fixe-as
Reforma Protestante. em um quadro para que possam
Destaque a importância da Re- ter contato com o documento.
forma Protestante que, além de Dê cinco minutos para que
trazer uma nova forma de inter- possam escolher uma das te-
pretar a Bíblia, nos deu uma nova ses, e ao final da aula peça que
forma de proclamação da mensa- alguns deles comentem comple-
gem divina. mentando com o que aprende-
Enfatize que a partir desse ram na lição.
momento a Bíblia passou a ser
considerada como a única fonte
legítima de norteamento da fé e da
prática cristãs. Ela que é a nossa
RESPOSTAS DA PÁGINA 10
espada em meio às lutas da vida.
1) O não reconhecimento da Igreja Católica
como a intérprete exclusiva das Escrituras.
2) Romanos 1.17.
PALAVRAS-CHAVE
Reforma • Contexto Histórico • 3) Sacerdócio de todos. O culto é de todos.
Precursores Todos podem pregar.

I
Lição 1 - 500 Anos da Reforma: Ensino e Legado

LEITURA COMPLEMENTAR
A Reforma Protestante foi um dos eventos mais marcantes na história
recente da humanidade. Não é exagero afirmar que, para compreender
o tempo presente, faz-se necessário conhecer o Movimento Reformador.
Seus desdobramentos alcançaram a massa populacional europeia (onde
o fenômeno teve início) e abalaram os pilares de todo mundo medieval.
O Movimento não foi apenas religioso, mas envolveu aspectos políticos,
econômicos, sociais, culturais e filosóficos da Europa.
A Reforma também gerou as igrejas chamadas evangélicas aqui no
Brasil. Logo, para construir sua identidade de fé e saber de onde veio e
para onde vai, o cristão protestante precisa estudar sua história, refletir
sobre seus tratados doutrinários e aplicar seus princípios à vida(...).
Desde a Antiguidade até o século 16, a Igreja sofreu grandes e drás-
ticas transformações no campo doutrinário. No processo histórico, além
de se adaptarem aos paradigmas religiosos dos povos circunvizinhos, os
cristãos — na ânsia de encher os templos — acabaram renunciando aos
princípios bíblicos, para incorporar práticas pagãs em seus cultos(...).
Digno de nota foi o famigerado pagamento de indulgências. Lutero
combateu veementemente este ensino, que foi um dos motivos para re-
dação de suas 95 Teses. Naquela época, o clero romano estava empe-
nhado na reconstrução da Basílica de São Pedro em Roma. Os fiéis foram
induzidos a fazer suas doações, e, quando suas ofertas eram colocadas
no gazofilácio, o ofertante, automaticamente, era declarado perdoado
dos seus pecados. Os valores doados eram proporcionais à gravidade da
falta cometida(...).
Para piorar a questão, a missa deixou de ser conduzida na linguagem
do povo. O latim, antigo idioma romano, cristalizou-se como linguagem
cúltica e sagrada — havia, inclusive, aqueles que diziam ser o latim a lín-
gua dos anjos, falada nos céus. A Bíblia e os tratados teológicos produzi-
dos à época, ainda que raros, eram escritos nessa língua. Logo, quase a to-
talidade da população europeia, que já não sabia ler ou escrever, também
não tinha acesso à Bíblia em seu idioma — e muito menos entendia o que
se passava durante o culto.

Livro: “Reforma Protestante: História, ensino e legado” (Central Gospel, Rio de Ja-
neiro, 2017, pgs. 15,18,19)

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 1 DEVOCIONAL DIÁRIO


Segunda - 1Tm 2.5
500 ANOS DA Jesus é o nosso único mediador
Terça - At 4.11
REFORMA: Cristo é a pedra fundamental da Igreja
Quarta - 1 Jo 1.9
ENSINO E LEGADO Deus é fiel e justo para perdoar pecados
Quinta - Mt 10.8
A graça de Deus não tem preço
Sexta - Hb 4.15,16
Acesso à graça por meio de Cristo
Texto Áureo Sábado - At 15.8-11
“Visto que a justiça de Deus se Salvos pela graça de Jesus
revela no evangelho, de fé em fé,
como está escrito: O justo viverá
por fé.” Rm 1.17
LEITURA BÍBLICA
Romanos 1.16-20
16 Pois não me envergonho do evan-
Verdade Prática gelho, porque é o poder de Deus para
Conhecer a história da Reforma a salvação de todo aquele que crê, pri-
meiro do judeu e também do grego;
nos ajuda a compreender melhor
17 visto que a justiça de Deus se re-
a igreja no presente.
vela no evangelho, de fé em fé, como
está escrito: O justo viverá por fé.
18 A ira de Deus se revela do céu contra
toda impiedade e perversão dos homens
que detêm a verdade pela injustiça;
19 porquanto o que de Deus se pode
conhecer é manifesto entre eles,
porque Deus lhes manifestou.
20 Porque os atributos invisíveis de
Deus, assim o seu eterno poder, como
também a sua própria divindade, cla-
ramente se reconhecem, desde o prin-
cípio do mundo, sendo percebidos por
meio das coisas que foram criadas. Tais
homens são, por isso, indesculpáveis;
Hinos da Harpa: 581 - 330 - 15

5
Lição 1 - 500 Anos da Reforma: Ensino e Legado

INTRODUÇÃO
500 ANOS DA REFORMA:
ENSINO E LEGADO No início do Século XVI, o mun-
do estava no limiar de grandes mu-
INTRODUÇÃO danças, especialmente as concer-
nentes à vida religiosa. Cerca de 100
I. A REFORMA anos antes da Reforma Protestante
1. Romanos 1.17 homens como John Wycliffe (1324-
2. As 95 Teses 1384); John Huss (1369-1415); e
Girolamo Savonarola (1452-1498)
3. Efeitos das Teses
davam suas vidas para que a igreja
fosse reformada. A data histórica
II. SEU ENSINO
da Reforma Protestante, protago-
1. Somente a Fé Rm 1.17 nizada por Martinho Lutero é 31
2. Somente a Graça Ef 2.8 Ef 2.8 de outubro de 1517, portanto, em
3. Somente as Escrituras 2Tm 3.16,17 2017, grandes eventos ocorrem em
todo o mundo celebrando os 500
4. Somente Cristo At 4.12 At 4.12
anos da Reforma. De igual modo,
5. Glória somente a Deus celebra-se os 100 anos de Pente-
costalismo no Amazonas e assim,
III. SEU LEGADO muito do que a Reforma legou foi e
1. Sacerdócio de todos 1Pe 2.9 ainda é amplamente praticado pe-
2. O culto é de todos Jo 15.27 los pentecostais.
3. Todos podem pregar Rm 1.16
I. A REFORMA
APLICAÇÃO PESSOAL
A Reforma Protestante atingiu
o âmago do poder da Igreja, mo-
tivo pelo qual foi tão ferozmente
perseguida. O ponto central da
Reforma de Lutero foi não mais
reconhecer a Igreja Católica como
a intérprete exclusiva das Escritu-
ras, propondo a Bíblia como a úni-
ca fonte de Revelação e a melhor
intérprete de si mesma.

1. Romanos 1.17. O entendi-


mento de Romanos 1.17, por Lu-
Porta da Catedral de Wittenberg, onde tero, foi decisivo para a Reforma. A
Lutero afixou suas 95 Teses. expressão “justiça de Deus” trazia

6
Lição 1 - 500 Anos da Reforma: Ensino e Legado

grande tormenta à sua alma, pois porta da Catedral de Wittemberg,


o fazia pensar que ninguém pode- na Alemanha, no qual conclamava
ria justificar-se diante de Deus, ou a Igreja a voltar à obediência da Pa-
seja, ele estava condenado ao infer- lavra de Deus e às práticas evangé-
no, como se ensinava na época. Foi licas da Igreja Primitiva, conforme
então que, meditando sobre o texto, constam nas Sagradas Escrituras.
entendeu que a justiça de Deus não Esse evento simples, normalmente
se referia ao castigo divino, mas sim utilizado por aqueles que queriam
ao fato de a justiça do justo não ser discutir publicamente alguma pro-
obra dele próprio, mas sim de Deus. posta acadêmica de cunho bíblico
A fé e a justificação do pecador ou teológico, tomou um volume
são dons gratuitos de Deus. Em de- descomunal, até que desencadeou
corrência dessa conclusão, Lutero o que conhecemos historicamente
disse: “Senti que havia nascido de como a Reforma Protestante.
novo e que as portas do Paraíso O documento com as 95 Teses
me haviam sido abertas. Todas as afixado por Lutero na porta da Cate-
Escrituras tinham novo sentido. A dral de Wittemberg trazia o seguin-
partir de então, a frase “a justiça te enunciado: “Por amor à verdade
de Deus” não me encheu mais de e movido pelo zelo de elucidá-la,
medo e ódio, mas se tornou indi- será discutido em Wittemberg, sob
zivelmente doce em virtude de um a presidência do Rev. Padre Marti-
grande amor.” Por mais de mil anos nho Lutero, mestre das Artes Livres
a Igreja Católica disseminou o ensi- e professor catedrático da santa
no de que a salvação era alcançada Teologia ali mesmo, o que se segue.
por fé e obras, bem como por meio Pede-se, que aqueles que não pude-
da participação de 7 sacramentos rem estar presentes para tratarem
administrados pelos sacerdotes. do assunto verbalmente conosco, o
Dessa forma, a nova descober- façam por escrito. Em nome do nos-
ta de Lutero era algo absoluta- so Senhor Jesus Cristo. Amém.”
mente distante da consciência as
pessoas que em sua grande maio- 3. Efeito das Teses. Em poucas
ria nem sabiam ler e apenas acei- semanas as mesmas se espalharam
tavam por fideísmo o que a igreja por toda a Alemanha e para outras
lhes impunha a qual era também partes da Europa, chegando ao co-
detentora da Bíblia usada unica- nhecimento do povo em geral. Foi
mente no Latim. então que o povo passou a sentir
que nestas teses se anunciava uma
2. As 95 Teses. Um monge cha- libertação do jugo de um sistema
mado Martinho Lutero, em 31 de clerical. Isso desencadeou a Refor-
outubro de 1517, afixou um docu- ma Protestante. Já faz 500 anos. As
mento composto de 95 Teses na teses de Lutero eram curtas, mas

7
Lição 1 - 500 Anos da Reforma: Ensino e Legado

profundas. Os efeitos da Reforma homem pecador recebe do próprio


revolucionaram a Igreja, principal- Deus, como uma dádiva imerecida,
mente por ter combatido a ideia de mas somente através da fé. Os re-
que só o Papa e seus sacerdotes po- formadores então concluíram que
diam ter em mãos a Bíblia e inter- nada (nem penitências, sacrifícios
pretá-la. Todos devem ter em suas ou compra de indulgências) pode-
mãos a Bíblia, todos podem conhe- rá livrar o homem da condenação
cer e pregar a Palavra. eterna no inferno e das garras de
Lutero sofreu a excomunhão Satanás, a não ser pela salvação
através de uma bula editada pelo através da fé em Cristo (Ef 2.8).
Papa Leão X, em 1521, a qual Lu- Essa foi a primeira e grande redes-
tero queimou em praça pública, coberta da Reforma e que abalou o
rompendo de vez o elo com a Igreja mundo cristão para sempre. A sal-
Católica. Em pouco tempo, mesmo vação pela fé é um dom de Deus,
sofrendo severa perseguição da por isso ninguém deve gloriar-se.
Igreja oficial, a Reforma se espa-
lhou: na Suíça, através de João Cal- 2. Somente a Graça. Os refor-
vino e Zwinglio; na Escócia, atra- madores entendiam que nenhuma
vés de John Knox; e também para obra, por mais justa e santa que
vários outros países, através da pudesse parecer, poderia dar ao ho-
constância de homens que levaram mem livre acesso ao perdão dos pe-
adiante a “redescoberta” do Evan- cados e à salvação eterna, e que isto
gelho, chegando até nossos dias. só poderia ocorrer mediante a graça
de Deus. Graça somente, por meio
II. SEU ENSINO da qual o homem é escolhido, rege-
nerado, justificado, santificado, glo-
A essência da Reforma expressa rificado. Assim, ninguém pode ser
nos cinco princípios que a nortea- salvo por mérito próprio, seja atra-
ram, conhecidos como “as cinco so- vés de obras, sacrifícios, penitências
las”, cuja palavra latina sola signi- ou compra de indulgências. A única
fica “somente”. As cinco solas são: causa eficaz da salvação é a graça de
sola fide, sola gratia, sola Scriptura, Deus sobre o pecador, como está es-
solus Christus e soli Deo gloria. crito: “Porque pela graça sois salvos,
Somente a fé, somente a Graça, so- mediante a fé; e isto não vem de vós;
mente a Escritura, somente Cristo é dom de Deus; não de obras, para
e somente a Deus a glória. que ninguém se glorie” (Ef 2.8,9).

1. Somente a Fé. Após medi- 3. Somente as Escrituras.


tar no texto: “O justo viverá da fé”, Para os reformadores, somente as
Martinho Lutero percebeu que a Escrituras são a regra de fé e práti-
justiça de Deus é a justiça que o ca para o crente. Nem as tradições,

8
Lição 1 - 500 Anos da Reforma: Ensino e Legado

as bulas ou os escritos papais têm 5. Glória somente a Deus. A


o status de instrumento de fé e Igreja Católica ensinava e exigia
prática para o rebanho de Cristo. uma devoção ao clero e aos ho-
As Escrituras Sagradas são ins- mens santos, os quais poderiam
piradas por Deus, sendo a Bíblia interferir diante de Deus para per-
o único instrumento autorizado dão de pecados e obtenção de bên-
de revelação da vontade de Deus çãos para os homens. Quando na
para nossa vida, como está escrito: presença do Papa e dos cardeais,
“Toda a Escritura é inspirada por a reverência beirava a adoração,
Deus e útil para o ensino, para a com a demonstração de uma to-
repreensão, para a correção, para tal submissão. Fundamentados
a educação na justiça, a fim de que em muitos textos nas Escrituras,
o homem de Deus seja perfeito os reformadores concluíram que
e perfeitamente habilitado para não podemos dispensar glórias a
toda boa obra” (2Tm 3.16-17). Ao homens (pois não passam de mí-
lê-la e meditar nos seus ensinos seros pecadores e também care-
somos iluminados pelo Espírito cem da misericórdia e da glória
Santo para entender e viver sua de Deus) e que devemos dar “gló-
mensagem. ria somente a Deus” (Ef 2.1-10; Jo
4.24; Sl 90.2; Tg 1.17).
4. Somente Cristo. Esta “sola”
mostra a suficiência e exclusivida- III. SEU LEGADO
de da pessoa de Cristo no proces-
so de salvação. Desse modo, nada Com a Reforma, uma grande
poderá fazer o homem para sua transformação influenciou todos
própria salvação, pois Jesus Cristo os aspectos da vida humana: po-
realizou a obra da redenção pelo lítica, econômica, religiosa, moral,
sacrifício vicário na cruz do Calvá- intercessão e salvação. filosófica,
rio, vertendo o seu sangue por nos- literária e também nas institui-
sos pecados. Portanto, somente Je- ções. Nos deteremos no legado do
sus Cristo é o instrumento de nossa sacerdócio de todos.
salvação, como está escrito: “E não
há salvação em nenhum outro: 1. Sacerdócio de todos (1Pe
porque abaixo do céu não existe 2.9). Uma das concepções e dou-
nenhum outro nome, dentre os ho- trinas mais importantes que a
mens, pelo qual importa que seja- Reforma legou ao cristianismo
mos salvos” (At 4.12). O sentido do mundial foi sua forma de conce-
“sola Christus” destituiu qualquer ber a Igreja como uma comuni-
outro mediador entre o homem e dade pertencente aos seus mem-
Deus e dá somente a Jesus Cristo o bros, aos crentes, e não a uma
poder de intercessão e salvação. classe separada de sacerdotes.

9
Lição 1 - 500 Anos da Reforma: Ensino e Legado

Lutero ensinava que a verdadei- 3. Todos podem pregar (Rm


ra Igreja é espiritual e invisível, 1.16). Lutero devolveu a pregação
sendo composta pelo corpo dos à Igreja, colocando-a em seu devido
salvos em Cristo, de todas as lugar. Para ele, a pregação deveria
épocas. Logo, ela não tem lu- alcançar o homem dentro do seu
gar pré-determinado, no tempo tempo e deveria ser apresentada de
ou no espaço, também não está maneira simples, para assimilação
presa a um país ou cidade, tam- do grande público. Lutero aconse-
pouco encontra-se subjugada a lhava os jovens a pregarem para o
um homem (papa, cardeais ou povo comum, sem exibicionismos
bispos). A Igreja de Cristo, con- ou arrogância teológica. Assim, a
forme defendeu Lutero, é eterna, mensagem estritamente bíblica da
atemporal e está sujeita, apenas, Igreja Reformada espalhou-se por
ao Senhor Jesus. todo o mundo. Podemos afirmar
que os pentecostais se apropriaram
2. O culto é de todos (Jo vividamente desse legado.
15.27). A Reforma Protestante
devolveu a Igreja ao povo. O gran-
de avivamento orquestrado pelo APLICAÇÃO PESSOAL
Espírito de Deus trouxe, em defi-
nitivo, para a Igreja um tempo de A reforma deve ser uma cons-
liberdade e um novo modelo de tante nos dias atuais, evitando que
culto, no idioma comum do povo, a Igreja assuma padrões contrários
com a Bíblia na mão do povo e hi- à vontade de Deus e sua Palavra.
nos cantados pelo povo.

RESPONDA
1) ) Qual foi o ponto central da Reforma de Lutero?

______________________________________________________________________

2) Que passagem das Escrituras inspiraram os reformadores a declamar o princípio “Somente pela fé”?

______________________________________________________________________

3) Cite um dos principais legados da Reforma Protestante para a Igreja de hoje.

______________________________________________________________________

10
LIÇÃO 2
ASSEMBLÉIA DE DEUS: 100 ANOS
DE PENTECOSTES NO AMAZONAS
SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR
Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Conhecer a formação da Igreja
Professor(a) inicie a aula Assembléia de Deus no Amazonas.
questionando a diferença entre • Entender que a história dos
o antigo e o ultrapassado. Deixe primeiros anos da Igreja no Ama-
zonas possibilitou a formação de
bem claro que nem tudo que é
uma identidade.
antigo é ultrapassado! • Apresentar a educação pentecos-
Tudo deve nos servir de re- tal no período de formação na Igreja.
ferências para extrairmos lições
preciosas. PARA COMEÇAR A AULA
Desta forma, todos(as) serão
levados(as) a valorizar aque- Caro(a) professor (a), leve
para a sala de aula algumas se-
les(as) que ouviram e obede-
mentes e apresente para seus(-
ceram ao chamado ministerial suas) alunos(as).
iniciando a Igreja Assembléia de Estimule-os(as) a comparti-
Deus no Amazonas. lharem o entendimento do pro-
O exemplo deles ainda fala. cesso de plantio, a importância
Deixe bem claro, que o desejo do cuidado até chegar ao tempo
pelo mover do Espírito Santo nos da colheita dos frutos.
Este é um bom exemplo para
corações dos primeiros mem-
uma melhor compreensão do tra-
bros, foi essencial para um aviva- balho daqueles(as) que semea-
mento no Amazonas. ram a Palavra de Deus no Amazo-
nas e hoje colhemos os frutos.

RESPOSTAS DA PÁGINA 17
1) O Pr. Manoel da Penha
2) . O jornal Boa Semente serviu como professor
PALAVRAS-CHAVE
em muitos lares pentecostais, pois transmitia o
Pentecostes • Centenário • Amazonas
ensino simples e elementar da fé cristã.
3) Era uma casinha de madeira pintada de
branco com uma barra azul e coberta de palha.
I
Lição 2 - Assembleia de Deus: 100 anos de Pentecostes no Amazonas

LEITURA COMPLEMENTAR
Observando a história da Assembléia de Deus, AD, por meio de pe-
riódicos é possível perceber, através da prática dos pioneiros, a preo-
cupação destes com o ensino da Palavra. Estes homens estavam en-
volvidos com a criação de periódicos que favoreceram a divulgação da
Palavra e a edificação daquela igreja recém-fundada, a igreja-mãe em
Belém,PA.
A comunicação e unificação doutrinária através dos periódicos fazia
parte da cultura que os pioneiros traziam consigo o que acabaria por se
tornar um traço distintivo entre esta igreja e outros grupos pentecostais
que viriam posteriormente a se estabelecer no Brasil.
No fim da segunda década do século XX, percebia-se que o povo que
constituía aquela igreja mantinha o interesse pela literatura, demons-
trando assim o valor da palavra escrita e impressa. Isso só ocorreu gra-
ças aos esforços imensuráveis dos fundadores da igreja que, como já
dissemos, traziam essa cultura como hábito peculiar.

Livro: “Acerca do uso dos jornais” (LIMA, Maria José. Um enigma de Deus: a história
de um legado de fé e educação. Manaus: Travessia, 2015, p. 35-36.)

Trecho do Jornal Boa Semente, edição de setembro de 1925.

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 2 DEVOCIONAL DIÁRIO


Segunda - Lc 24.49
ASSEMBLÉIA DE À espera do revestimento e poder
DEUS: 100 ANOS Terça - Mt 9.37-38
A colheita é grande
DE PENTECOSTES Quarta - Jo 14.26
O consolador nos ensina todas as coisas
NO AMAZONAS Quinta - At 1.8
Sendo testemunha em todo lugar
Sexta - Jo 15.8
Texto Áureo Dando muitos frutos
Eu vos batizo com água, para
Sábado - Mt 28.20
arrependimento; mas aquele
que vem depois de mim é mais Ensinando outros a guardar todas a coisas
poderoso do que eu, cujas
sandálias não sou digno de levar.
Ele vos batizará com o Espírito LEITURA BÍBLICA
Santo e com fogo. Mt 3.11
Marcos 16.14-18
14 Finalmente, apareceu Jesus aos
Verdade Prática onze, quando estavam à mesa, e
O Espírito Santo se faz presente censurou-lhes a incredulidade e du-
reza de coração, porque não deram
e atuante no início de toda obra
crédito aos que o tinham visto já
de Deus cooperando com seus
ressuscitado.
servos.
15 E disse-lhes: Ide por todo o mundo
e pregai o evangelho a toda criatura.
16 Quem crer e for batizado será
salvo; quem, porém, não crer será
condenado.
17 Estes sinais hão de acompanhar
aqueles que creem: em meu nome,
expelirão demônios; falarão novas
línguas;
18 pegarão em serpentes; e, se al-
guma coisa mortífera beberem, não
lhes fará mal; se impuserem as mãos
sobre enfermos, eles ficarão curados.

Hinos da Harpa: 144 – 300

11
Lição 2 - Assembleia de Deus: 100 anos de Pentecostes no Amazonas

INTRODUÇÃO
ASSEMBLÉIA DE DEUS:
100 ANOS DE PENTECOSTES Sabemos que a Assembléia de
NO AMAZONAS Deus, AD, foi fundada em junho
de 1911 em Belém do Pará por
INTRODUÇÃO Gunnar Vingren e Daniel Berg.
Porém, a partir desta lição, es-
I. A FORMAÇÃO DA IGREJA NO tudaremos fundação e o desen-
AMAZONAS volvimento da AD no Estado do
1. Irmão Severino Moreno Sl 126.6 Amazonas. Especialmente será
estudado a fundação da Assem-
2. À espera de um pastor: Samuel
bléia de Deus em janeiro de 1918
e Lina Nyström Hb 13.7
e os primeiros anos de cresci-
3. Os primeiros frutos At 16.14 mento. Em 2018 comemoramos
100 anos dessa linda história.
II. A PRIMEIRA DÉCADA
1. Um distinto pastor: José de Moraes I. A FORMAÇÃO DA
 Jo 10.11 IGREJA NO AMAZONAS
2. Milagres e sinais Mc 16.20
3. Os cultos nos lares e o cresci- A partir de algumas pessoas
mento da igreja At 5.46 chaves, veremos como os pri-
meiros missionários pentecos-
III. EDUCAÇÃO PENTECOSTAL E tais levaram a mensagem do
EXPANSÃO DA IGREJA Evangelho à temida e encanta-
dora Amazônia. Sem armas, va-
1. Escola Bíblica Mt 5.1,2 cinas e outros recursos, pés ar-
2. O jornal Boa Semente como dentes percorreram a cidade de
professor  Hc 2.2 Manaus e o interior do Estado.
3. Fase de expansões Fl 1.6 Sedentos pela missão eles nave-
garam suas águas.
APLICAÇÃO PESSOAL
1. Irmão Severino Moreno.
Era o ano de 1917 quando o Ir-
mão Severino Moreno de Araújo
aportou em Manaus procedente
de Belém-PA lançou a semente
do Evangelho. Ele enfrentou lon-
gos dias de viagem a barco para
chegar em Manaus. Aqueles pri-
meiros dias foram difíceis, mas
ele não desanimou. Com muitas

12
Lição 2 - Assembleia de Deus: 100 anos de Pentecostes no Amazonas

lágrimas e orações os primeiros 3. Os primeiros frutos. Os


frutos começaram germinar e primeiros frutos convertidos em
crescer. Além disso, o Espírito Manaus foram os irmãos Horácio
Santo impulsionou outros ir- da Silva e Fausta Sousa Lima. O
mãos a irem de Belém a Manaus e primeiro batismo em águas rea-
cooperarem como ele. Foi o mes- lizado em Manaus ocorreu três
mo Espírito que trouxe Severino meses após a fundação, realizado
Moreno para Manaus e fez dele às margens do igarapé do Mestre
o pioneiro da obra pentecostal Chico, junto à Terceira Ponte,
nessa cidade. Depois de perma- foram batizadas as irmãs Faus-
necer na cidade por cerca de um ta e Adalgiza, as primeiras que
ano, obtendo bons resultados na receberam o batismo no Espíri-
semeadura, ele retornou a Belém to Santo em Manaus. O oficiante
com as boas notícias sobre o tra- foi o missionário Samuel Nys-
balho em Manaus. O Ir. Severino tröm. Os registros desse tempo
levou os molhos (Sl 126.6). apontam que houve 15 batizados
incluindo um capitão de navio
2. À espera de um pastor: juntamente com sua família que
Samuel e Lina Nyström. Antes eram descendentes de uma famí-
de seu regresso a Belém, o irmão lia nobre de Portugal.
Severino, sentindo a necessida-
de de alguém para pastorear e II. A PRIMEIRA DÉCADA
ensinar o pequeno rebanho es-
creveu uma carta para a Igreja Iremos enfatizar algumas rea-
em Belém, pedindo que enviasse lizações empreendidas e resul-
um pastor para Manaus. Em res- tados alcançados pela igreja em
posta a esse pedido, um casal de seus primeiros anos de fundação.
missionários suecos, Samuel e Iremos ver também que os sinais
Lina Nyström, embarcaram para acompanhavam a palavra que os
Manaus. No dia 1° de janeiro de missionários pregavam.
1918, junto daquela pequena
igreja, este casal de pastores or- 1. Um distinto pastor:
ganizaram e fundaram a Igreja José de Moraes. Após a funda-
Assembléia de Deus em Manaus. ção da Igreja por Samuel e Lina
A sede foi implantada na rua Nyström, o Pr. Manoel da Penha,
Henrique Martins, esquina com primeiro pastor brasileiro, ser-
a rua 13 de Maio, atual avenida viu a igreja em Manaus por um
Getúlio Vargas. Era um casarão ano e sete meses. Devemos lem-
alugado de dois pisos. Em bai- brar que a igreja em Manaus em
xo funcionavam os cultos e em seus primeiros anos sempre sen-
cima era a residência pastoral. tiu a ausência de um pastor que

13
Lição 2 - Assembleia de Deus: 100 anos de Pentecostes no Amazonas

acompanhasse por mais tempo tismo em águas de novos irmãos.


o rebanho. A atuação do Pr. José Os batizandos foram os ir-
Estumano de Moraes, um distinto mãos Ernesto Souza Lima, te-
pastor, presidiu a igreja em Ma- nente da polícia militar e esposo
naus por 5 vezes nas duas primei- da irmã Fausta Souza Lima, João
ras décadas. Inicialmente crente Pedro da Silva, cabo foguista
da igreja batista, creu na doutrina da marinha brasileira, e a irmã
pentecostal em 1917 e recebeu Josefina (a ceguinha), que após
o batismo no Espírito Santo. Ini- ser batizada começou a ver, e
cialmente serviu a igreja em Na- depois de alguns dias estava
tal (RN). completamente curada.
Em 1924 foi designado por Naquela época a irmã Dora-
Gunnar Vingren para assumir lice da Silva Nunes (ir. Dorinha)
o pastorado da AD em Manaus tinha apenas sete anos e foi mi-
que ocorreu de 1924 a 1927/ lagrosamente curada. Seu tes-
Ainda em 1927 um curto perío- temunho: “Eu nasci paralítica e
do de meses/De 1929 a 1930/De não andei até os sete anos de ida-
1933 a 1934 e pela última vez de de. Minha mãe e minha avó acei-
1940 a 1942. José de Moraes foi taram a Jesus quando eu tinha
um dos pastores presentes à pri- cinco anos, por isso há dois anos
meira Escola Bíblica promovida mamãe orava por mim. Eu apenas
pela AD em Belém de 04 de mar- me arrastava, nunca havia ficado
ço a 04 de abril de 1922. Sobre de pé. Um dia a mamãe saiu pra
a igreja em Manaus, no relatório trabalhar e ao voltar me encon-
de 1° de janeiro de 1925 consta: trou caminhando normalmente.
125 membros, dentre os quais 68 Eu havia levantado da cama, des-
batizados com o Espírito Santo e cido a escada, e a vovó estava na
a Escola Dominical com a boa fre- cozinha. Agora nós duas abraça-
quência. A visão da obra de Deus das, glorificávamos o nome eter-
que ele possuía levou-o a esten- no do querido Senhor Jesus”.
der as atividades da igreja até o
interior do Estado. 3. Os cultos nos lares e o
crescimento da Igreja. A Igreja
2. Milagres e sinais. Após o em Manaus crescia em número e
primeiro batismo em 1918, o ir- espiritualidade, pois cada cren-
mão Domiciano que era hanse- te ocupava-se da obra de Deus.
niano e o irmão José, tuberculoso, Eram cheios do Espírito Santo
foram curados após receberem o e testemunhavam do Senhor Je-
batismo com o Espírito Santo. No sus e assim muitos aceitavam a
dia 24 de maio de 1923, a igreja se Cristo e eram batizados no fogo
reuniu para assistir mais um ba- pentecostal. Mesmo a igreja ten-

14
Lição 2 - Assembleia de Deus: 100 anos de Pentecostes no Amazonas

do seu templo sede, os irmãos Março a 4 de Abril de 1922.


daquela época ofereciam seus Nesse ano, a igreja estava en-
lares para a realização de cultos. tregue aos cuidados dos primei-
Era um meio de evangelizar ami- ros irmãos e aguardava o envio
gos e familiares. Na rua Tapajós, de um pastor para substituir
residência da irmã Quininha, na Samuel Nyström que já estava
rua dos Andradas, residências em Belém juntamente com sua
de outros irmãos e muitos ou- esposa. Enquanto a igreja orava,
tros lares cristãos, funcionavam Deus começou a falar ao cora-
“mini-templos” para servir e ção do Pr. Manoel José da Penha,
adorar a Jesus. A irmã Dorinha que encontrava-se em Belém
(ex-paralítica) lembra o seguin- participando da Primeira Escola
te: “Eu, minha mãe, minha avó, Bíblica.
irmão João Brandão e esposa, Deus o constrangeu a viajar
irmã Joaquina e muitos outros para Manaus. Esse era o objetivo
irmãos, viajávamos de “catraia” principal e prático das Escolas
atravessando o rio, pois morá- Bíblicas: o chamado e o envio de
vamos no bairro de Educandos obreiros para o campo. Podemos
para participar dos cultos reali- constatar isso pelas palavras do
zados na rua dos Andradas. Ví- próprio Samuel Nyström: “Tive-
nhamos alegres e cantando e ao mos a nossa primeira Escola Bí-
nos aproximar do local do culto blica em Março de 1922, quando
sempre ouvíamos vozes entona- cerca de 30 obreiros se reuniram
do hinos de louvor a Deus”. para depois saírem para diferen-
tes lugares e Estados. Um deles,
III. EDUCAÇÃO Manoel José da Penha, voltou a
PENTECOSTAL E Manaus para continuar a obra
EXPANSÃO DA IGREJA que eu tinha deixado. Ele já está
com o Senhor”. Assim a partir de
1. Escolas Bíblicas. A AD 1922 a realização de Escolas Bí-
nasceu voltada para o ensino. blicas passou a ser uma prática
Mas, segundo a visão dos mis- na AD em todo o país.
sionários suecos, esse ensino
não deveria ser formal e deveria 2. O jornal Boa Semente
sempre estar ligado à liderança como professor. Criado em
da Igreja. Dessa visão, nasceram 1919 em Belém pelo missio-
as Escolas Bíblicas, que eram nário Gunnar Vingren, o jornal
reuniões de estudos intensivos Boa Semente, que serviu como
para obreiros. Samuel Nyström professor em muitos lares pen-
dirigiu a primeira Escola Bíblica tecostais, pois transmitia o en-
de Obreiros em Belém de 4 de sino simples e elementar da fé

15
Lição 2 - Assembleia de Deus: 100 anos de Pentecostes no Amazonas

cristã e dava notícias do avanço pírito Santo. Agora estão reunin-


da obra em todo o Brasil. As- do-se na Assembléia de Deus [...]”
sim, o jornal Boa Semente foi o (Boa Semente. Belém do Pará,
principal periódico e o maior Fevereiro de 1925, n° 45, p. 4).
veículo de comunicação da
igreja até 1930. 3. Fase de Expansões. Em
O título do Boa Semente está 30 de julho de 1925 o Pr. José
baseado no texto bíblico: “O de Moraes, acompanhado do Ir.
reino dos céus é semelhante ao Martinho Medeiros viajou pelo
homem que semeia boa semen- Rio Purus, visitando aqueles ir-
te no seu campo” (Mt 13.24). mãos, batizando-os em águas,
Acerca da igreja em Manaus celebrando a Santa Ceia e orga-
acessamos no jornal relato pre- nizando igrejas. Em 1926 nas-
cioso de Samuel Nyström em vi- ceu o trabalho no rio Juruá, no
sita feita em 1924: “[...] depois município de Envira. Também
de 8 dias de viagem chegamos a no pastorado de José de Moraes
Manáos, onde demoramos dois a igreja encontrou outro lugar
dias, e assim tive oportunidade para suas reuniões na rua dos
de anunciar a palavra de Deus, Andradas, esquina da rua Mun-
duas noites. Aqui encontrei com durucus, local conhecido por
crentes do tempo em que eu e “Ferro de Engomar”.
minha esposa trabalhávamos Passado algum tempo uma
neste logar. Houve alegria de irmã, de nome Augusta, nova
ambas as partes por este encon- convertida, ofertou um terreno
tro. O irmão Manoel José da Pe- na Praça Visconde do Rio Bran-
nha está ali trabalhando na vi- co (atual rua Duque de Caxias).
nha do Senhor, e tem visto bom O Pr. José de Moraes juntamente
resultado do trabalho” (Boa Se- com a igreja, deram início a cons-
mente. Belém do Pará, Março de trução do templo e após muitas
1924, n° 34, p. 3). lutas e dificuldades, no dia 31
Noutro número acessamos de dezembro de 1929 ainda fal-
relato do próprio Pr. Manoel tando concluir a construção, o
da Penha sobre a obra que em- templo foi inaugurado e a igreja
preendeu em Manaus: “[...] Em recebeu o novo ano glorificando
Manáos estive 19 mezes traba- a Deus (Fl 1.6).
lhando no campo do Mestre, mui- Assim surgiu o primeiro tem-
tos pecadores creram em Jesus plo da AD em Manaus. Era uma
os quaes foram baptisados em casinha de madeira pintada de
agua, e alguns que não tinham branco com uma barra azul e
um verdadeiro conhecimento [...] coberta de palha. Novamente o
têm recebido o baptismo no Es- Pr. José de Moraes foi embora

16
Lição 2 - Assembleia de Deus: 100 anos de Pentecostes no Amazonas

do Amazonas, sendo substituí-


do pelo Pr. José Floriano Cordei- APLICAÇÃO PESSOAL
ro em Agosto de 1930. Além de
substituir a palha envelhecida Conhecer a história da AD no
da cobertura por zinco, ele olhou Amazonas possibilita o pertenci-
com especial atenção para o inte- mento necessário de minha iden-
rior amazonense. Viajou pelo rio tidade no grupo e mais que isso,
Solimões onde fundou trabalhos traz a convicção de que pertenço a
em Tabatinga e em Benjamim uma igreja alicerçada no verdadeiro
Constant. Muitas vezes viajou Evangelho desde seus primórdios. A
pelo Rio Purus evangelizando e história de homens e mulheres pie-
visitando. Assim, sintetizamos dosos comprovam essa verdade.
o início da AD no Amazonas em
sua primeira década.

RESPONDA
1) Quem foi o primeiro pastor brasileiro que serviu a igreja em Manaus por um ano e sete meses?

_________________________________________________________________________

2) Porque o jornal Boa Semente é considerado como professor?

_________________________________________________________________________

3) Descreva como era o primeiro templo da AD no Amazonas.

_________________________________________________________________________

17
Lição 2 - Assembleia de Deus: 100 anos de Pentecostes no Amazonas

18
LIÇÃO 3

DAR-VOS-EI PASTORES

SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR


Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Conhecer os pioneiros da As-
Prezado(a) professor(a) Pa- sembléia de Deus no Amazonas
rabéns por fazer parte da cons- • Mostrar os desafios e conquis-
trução da história do centenário ta em cada liderança
• Analisar a expansão da Igreja
da IEADAM, você tem em suas
no decorrer de seus 100 anos
mãos informações valiosíssi-
mas, que vão nortear o rumo dos
acontecimentos. PARA COMEÇAR A AULA
Nesta lição você pode traçar
uma linha do tempo e contex- Inicie com uma calorosa pala-
tualizar as informações com os vra de boas vindas informe que a
principais acontecimentos que aula de hoje será enriquecedora,
ocorriam na capital e no interior, informe aos(as) alunos(as) que
juntos vocês farão uma viagem
tanto na economia, quanto na
ao tempo, verificando detalhes da
política e educação, ou seja, os
vida dos homens que Deus cha-
fatos históricos de cada período mou para presidir nossa igreja:
vão embasar os desafios e ações Quem são? Que legado deixa-
vivenciados por cada pastor ram? O que os diferenciavam das
frente ao trabalho. outras pessoas? Que habilidade
Contextualizar os fatos abre eles tinham? Quais foram seus
um leque de informações e enri- maiores desafios frente a lideran-
quece o aprendizado. Boa aula! ça da maior instituição religiosa
do estado do Amazonas? Aprovei-
tem cada momento desta aula!

RESPOSTAS DA PÁGINA 25
PALAVRAS-CHAVE 1) Severino Moreno de Araújo
Pioneiros • Desafios • Expansão
2) Samuel e Lina Nystrom
3) Samuel Câmara

I
Lição 3 - Dar-vos-ei Pastores

LEITURA COMPLEMENTAR
O ministério pastoral pode ser, para muitos hoje, confundido
com posição, status e até mesmo um padrão elevado de vida. Não
que isto não possa ser dado por Deus, mas deve sempre ser fruto
de fidelidade a Ele.
Nascida sob a égide de um mover sobrenatural do Espírito Santo
que invadiu o norte do Brasil com a chegada de nossos pioneiros, Da-
niel Berg e Gunnar Vingren, a Igreja Evangélica de Deus no Amazo-
nas também estabelece suas bases na mesma chama pentecostal que
inundou o mundo no início do século XX, no advento da Rua Azusa e
que, ainda hoje, guarda em sua forma de atuar no Reino de Deus, o
mesmo compromisso com as Boas Novas do Evangelho.
A IEADAM traz em sua trajetória uma marca peculiar: a de ter
sido pastoreada por grandes homens de Deus que deixaram seu le-
gado na história dessa igreja, especialmente no campo missionário.
Valorizar essa galeria de heróis hoje é uma honra e Aquele que nos
chamou para uma causa tão nobre.
De Samuel Nystron a Jonatas Câmara, é perceptível o quanto esses
homens, em menor ou maior grau, de acordo com as condições que
lhes foram dadas, trabalharam incansavelmente para o crescimento
espiritual e intelectual da igreja. Desde o seu nascimento a IEADAM
avançou, cresceu e se expandiu em todas as áreas da sociedade por-
que houveram homens preocupados com a propagação da Palavra de
Deus no Amazonas.

Livro: “Um Enigma de Deus: A história de um legado de fé e educação” - (Manaus:


Travessia, 2015. Texto adaptado).

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 3 DEVOCIONAL DIÁRIO


Segunda - Ef 4.11
DAR-VOS-EI O chamado para ministério pastoral
Terça - Jr 3.15
PASTORES A dádiva do pastorado
Quarta - Hb 13.7
O cuidado da igreja com o Pastor
Quinta - Hc 3.2
Pastores avivados no meio dos anos
Sexta - Tg 5.18
Texto Áureo Pastores sim, super-homens não!
“Dar-vos-ei pastores segundo Sábado - 1Tm 3.2
o meu coração, que vos A conduta do Pastor
apascentem com conhecimento e
inteligência.” Jr 3.15
LEITURA BÍBLICA
Jeremias 3.12-15
12 Vai, pois, e apregoa estas palavras
Verdade Prática para o lado do Norte e dize: Volta, ó
Conhecer a vida e ministério dos pérfida Israel, diz o Senhor, e não fa-
rei cair a minha ira sobre ti, porque eu
pastores da Igreja é relembrar um
sou compassivo, diz o Senhor, e não
passado que ilumina o presente, e
manterei para sempre a minha ira.
possibilita um futuro glorioso.
13 Tão somente reconhece a tua
iniquidade, reconhece que transgre-
diste contra o Senhor, teu Deus, e te
prostituíste com os estranhos debai-
xo de toda árvore frondosa e não des-
te ouvidos à minha voz, diz o Senhor.
14 Convertei-vos, ó filhos rebeldes, diz
o Senhor; porque eu sou o vosso esposo
e vos tomarei, um de cada cidade e dois
de cada família, e vos levarei a Sião.
15 Dar-vos-ei pastores segundo o
meu coração, que vos apascentem
com conhecimento e com inteligência.

Hinos da Harpa: 209 – 283 –413

19
Lição 3 - Dar-vos-ei Pastores

INTRODUÇÃO
DAR-TE-EI PASTORES
Nesta lição conheceremos a
história dos homens que foram,
INTRODUÇÃO e tem sido canais de bênçãos em
nossas vidas. Na lição anterior, es-
I. DESAFIOS DOS PIONEIROS tudamos a vida dos amados pasto-
1. Manoel José da Penha res Samuel e Lina Nystrom, hoje
2. José Moraes voltaremos nossa atenção para os
seus sucessores.
3. Josino Galvão
4. José Floriano Cordeiro I. DESAFIO DOS PIONEROS
5. José Bezerra
O ano era 1917 quando aportou
II. AVIVADOS NO MEIO DOS ANOS em Manaus o irmão Severino Mo-
1. José Menezes reno de Araújo. Aos transeuntes no
antigo porto da capital amazonen-
2. José Marcelino da Silva
se, poderia tratar-se de mais um
3. Deocleciano Cabralzinho mercador, para outros apenas mais
4. Francisco Pereira um “soldado da borracha”, disposto
5. José Pereira a aventurar-se pelas selvas. Porém
nos designíos divino tratava-se de
6. Otoniel Alves
um missionário. Os primeiros dias
III. EXPANSÃO SEM LIMITES foram difíceis, porém o irmão Se-
verino não desanimou, com oração
1. José Reis e evangelismo a semente da men-
2. Alcebiades Vasconcelos sagem pentecostal cresceu em solo
3. Samuel Câmara amazonense. Foi por meio do pedi-
4. Jonatas Câmara do do irmão Severino, que a Igreja-
-mãe em Belém envia a cidade de
APLICAÇÃO PESSOAL Manaus o primeiro casal de pasto-
res, Samuel e Lina Nystrom.

1. Manoel José da Penha. Após


pastorear por um ano e oito meses a
Igreja em Manaus, o casal Samuel e
Lina Nystrom foi chamado pelo mis-
sionário Gunnar Vingren a retorna-
rem a Belém; nesse período a jovem
igreja ficou sem pastor, mas irmãos
e irmãs mantiveram o mesmo tra-

20
Lição 3 - Dar-vos-ei Pastores

balho aguerrido. Com cessante ora- de Lima pastoreou por apenas um


ção da igreja, chega a Manaus em 9 ano e cinco meses a Igreja em Ma-
de março em 1923 o Pastor Manoel naus, no período que vai de Agosto
José da Penha, chamado carinho- de 1927 a Janeiro de 1929, ano em
samente pelos irmãos de “irmão que volta para Igreja-mãe em Belém
Zuca”. Este Pastor serviu a igreja em para auxiliar o pastor Nels Nelson. O
Manaus por um ano e sete meses, foi Pastor Josino Galvão escrevia perio-
o primeiro pastor brasileiro dessa dicamente no Jornal Mensageiro da
igreja. Em sua gestão foram agrega- Paz, foi um profundo conhecedor
dos novos membros, a igreja apesar das escrituras, doutrinador que dei-
das dificuldades crescia, e por duas xava seus ouvintes impressionados.
vezes mudou de endereço devido a
quantidade de novos crentes. 4. José Floriano Cordeiro. Em
Agosto de 1930, assumiu a igreja
2. José Moraes. Com a ida do em Manaus, o pastor José Floria-
pastor Manoel José da Penha, che- no Cordeiro, homem destemido
ga em Manaus no mês de novem- na proclamação do evangelho.
bro de 1924, o Pastor José Paulino Em sua gestão a igreja também
Estumano de Moraes, doravante avançou no interior do estado, em
José Moraes. Dotado de espírito cidades como Tabatinga e Benja-
dinâmico e missionário, em sua mim Constant. Em 1933 entregou
gestão a obra e mensagem pente- o pastorado da Igreja em Manaus,
costal espalhou-se pelo interior do dedicando-se exclusivamente ás
Amazonas: rio Purus, Autaz-Mi- missões interioranas.
rim, Careiro, Autazes, Miracauera
e Envira foram alcançados. 5. José Bezerra. Por um cur-
A igreja em Manaus também to período, a igreja em Manaus
crescia, nesse período os irmãos que foi pastoreada pelo pastor José
congregavam na rua Luiz Antony, Bezerra Cavalcante. Era um notá-
esquina com Monsenhor Coutinho, vel obreiro na obra do Senhor, e
passaram a congregar na rua dos An- um exímio construtor, coube a ele
dradas Esquina com a rua dos Mun- a responsabilidade de edificar o
durucus. Entre idas e vinda, pastor primeiro templo central da Igreja-
José Moraes, liderou por cinco vezes -mãe em Belém. Passando por vá-
a igreja em Manaus, em sua gestão a rias igrejas no Brasil, tornou-se o
Igreja também adquiriu, o terreno na primeiro pastor da AD (Assembléia
praça Visconde de Rio, atual Duque de Deus) em Teresina-Piauí. Quan-
de Caxias (Sede atual). do pastoreava em São Luís (MA)
no início de 1937, consagrou três
3. Josino Galvão. Natural do Rio jovens pastores, um deles chama-
Grande Norte, Pastor Josino Galvão va-se Alcebíades Pereira Vasconce-

21
Lição 3 - Dar-vos-ei Pastores

los, que futuramente também pas- rio Paulo Jonh Aenis AD em Porto Ve-
torearia a igreja de Manaus. lho, e em 1945 tornou-se pastor pre-
sidente da AD em Rio Branco, AC.
II. AVIVADOS NO MEIO
DOS ANOS 3. Deocleciano Cabralzinho.
Um jovem seminarista católico, cha-
O período que estudaremos mado carinhosamente por todos
nesse tópico, fora marcado por sig- como ‘Dico’, aceitou a Jesus em 1926
nificativas conquistas da igreja por na AD em Belém, tornando-se um
meio dos seus pastores, cumprindo grande pregador do evangelho. O
o que está em I Co 3.6 que alguns Pastor Deocleciano Cabralzinho de
plantam, outros regam, contudo o Assis após pastorear AD em São Luís,
crescimento vem de Deus. MA, em 1936, aporta em Manaus em
1942, servindo até 1944 com alegria
1. José Menezes. Dotado de in- e destemido entusiasmo.
tensa capacidade literária, e organi-
zação eclesiástica, pastor José Me- 4. Francisco Pereira. “O Pereira
nezes serviu duas vezes a Igreja em nasceu para ser Pastor!”, palavras de
Manaus como pastor presidente. despedidas proferidas pelo pastor
Em sua primeira passagem, que vai Túlio Barros no culto fúnebre do seu
de 1935 a 1936, organizou e regeu amigo Francisco Nascimento Perei-
o primeiro coral da AD, hospedou a ra. Após a partida do pastor Deo-
primeira convenção regional; o an- cleciano Cabralzinho, chegou para
tigo templo central até então cober- conduzir a igreja em Manaus de No-
to de palha, recebeu a cobertura de vembro de 1944 a Junho de 1946, o
telha. Escreveu vários artigos dou- pastor Francisco Nascimento Perei-
trinários para o jornal Mensageiro ra, sendo o quarto pastor da Igreja-
da Paz, e comentou treze revistas -mãe em Belém, sendo o primeiro
de Escola Bíblica. Em 1972 em sua brasileiro a alcançar esse posto, di-
segunda passagem por Manaus, foi rigiu várias igrejas no Brasil, sobre-
promovido ás mansões celestes. tudo no estado do Rio de Janeiro,
presidio por três vezes a convenção
2. José Marcelino da Silva. Com geral das ADs (1953,1955,1959).
um espirito dinâmico e evangeliza- Escreveu três livros lançados pela
dor, chegou a pastorear a igreja em CPAD, foi representante da AD em
Manaus o Pastor José Marcelino da diversas conferências Mundiais
Silva em 1937, estendendo até 1940. Pentecostais.
Em seu ministério não mediu esfor-
ços em cumprir o mandato de Cristo, 5. José Pereira. Serviu a Igreja
além de servir a igreja em Manaus, em Manaus de Junho de 1946 a Ju-
plantou juntamente com o missioná- lho de 1949. Oriundo do Rio Gran-

22
Lição 3 - Dar-vos-ei Pastores

de do Norte, chegou em Belém com 10 meses e 17 dias. O pastor José


apenas 7 anos de idade. Converteu- de Souza Reis fundou o SEA (Servi-
-se ao evangelho em 1917 por meio ço de evangelização do Amazonas),
da mensagem pregada pelos mis- delineando assim algo que seria dis-
sionários Gunnar Vingren e Daniel tintivo na AD de Manaus, a união do
Berg. O ministério do Pastor José social e o evangelístico. Estendeu a
Pereira de Queiroz, foi proveitoso obra por outros bairros da capital,
na evangelização do Baixo-Ama- 13 novas congregações foram plan-
zonas, recebendo honradamente o tadas; preocupando-se também
reconhecimento como Apóstolo do com a proclamação do evangelho no
Baixo-Amazonas. interior, adquiriu os barcos Avante I
e Avante II, nome que foi atribuído
6. Otoniel Alves. Do período também ao jornal Avante Pentecos-
que vai de janeiro de 1953 a Agos- tal, criado em 1964. Foi responsável
to de 1954 serviu e liderou a igreja pela celebração Jubileu de Ouro da
em Manaus o Pastor Otoniel Alves AD em Manaus de 25 a 29 de outu-
de Alencar, apesar do curto espaço bro de 1967. Em 1968 fundou o cir-
de tempo, a igreja foi abençoada culo de oração, e no dia 1º de Julho
por sua vida. Pastoreou também a de 1968 realizou o primeiro con-
igreja em Santarém, Roraima e do gresso de mocidade; realizou tam-
Piauí, foi designado 1962 para li- bém a primeira confraternização de
derar a AD em Macapá, por lá este- crianças em 27 de Junho de 1971,
ve até ser promovido as mansões três dias após essa confraternização
celestiais em 1994. despede-se de Manaus, atendendo
o chamado para a cidade de Vitória
III. EXPANSÃO SEM no Espirito Santo.
LIMITES
2. Alcebíades Vasconcelos.
Passados os anos dos fundado- Com notória expressividade dentro
res, os desafios enfrentados pela e fora do país, o pastor Alcebíades
igreja não acabaram. O período que Pereira de Vasconcelos serviu a
estudaremos nesse tópico, poderia Igreja em Manaus em dois períodos
ser chamado de período moderno, distintos. A primeira passagem foi a
pois os fatos que ocorreram nesse partir de 29 de Julho de 1949 a 31
ínterim, legou a AD no Amazonas de Dezembro de 1952; a segunda
um caráter singular no movimento passagem foi de 11 de Agosto de
pentecostal brasileiro. 1971 a Maio de 1988. Em sua ges-
tão, o trabalho cresceu, estenden-
1. José Reis. Assumiu a Igreja do para quase todos os bairros de
em Manaus no dia 11 de Agosto de Manaus, olhando também os povos
1954, conduzindo-a por 16 anos, indígenas e rompendo as frontei-

23
Lição 3 - Dar-vos-ei Pastores

ras do Brasil, enviado missionários 14 anos de idade. Aos 16 anos foi


transculturais. No período que a enviado para Instituto Bíblico das
Assembléia de Deus ainda rejeitava Assembléias de Deus (IBAD), onde
o ensino teológico formal, o pastor cursou teologia. Graduou-se tam-
Alcebíades era declaradamente bém em Filosofia, Pedagogia e Direi-
apaixonado pelo ensino. Dominan- to, sinalizando assim uma das mais
do diversas línguas, dentre elas o distintivas marcas do seu ministério,
Grego e o Hebraico bíblico, o pastor instrução e piedade. Após a morte do
Alcebíades Vasconcelos não mono- pastor Alcebíades Vasconcelos, com
polizava o conhecimento, por isso apenas 30 anos assumiu a presidên-
fundou no dia 1º de Janeiro de 1979 cia da AD no Amazonas. Em seu pas-
o IBADAM (Instituto Bíblica das As- torado a igreja comprou um avião,
sembléias de Deus), sendo ele mes- construiu o auditório Canaã, realizou
mo membro do conselho diretor do inúmeras passeatas por Manaus.
IBAD (Instituto Bíblico das Assem- Pastoreando um estado com dimen-
bléias de Deus) em Pindamonhan- sões territoriais e diante da consta-
gaba-SP. Ainda em sua gestão a igre- tação da necessidade de evangeliza-
ja adquiriu um terreno, onde hoje é ção, operacionalizou o Programa de
complexo Canaã, no mesmo ano da Evangelização do Amazonas (sobre
aquisição foi realizada a primeira isso leia a lição 8).
Convenção no local. Também em sua gestão nasceu
O pastor Alcebíades tornou-se a maior rede de comunicação cris-
pastor presidente da Convenção tã do Brasil, REDE BOAS NOVAS.
Geral das Assembléias de Deus em Inteiramente submisso, pastor
1987, infelizmente teve seu manda- Samuel Câmara recebeu o chama-
to interrompido no dia 12 de maio do para pastorear a Igreja-mãe
de 1988 aos 73 anos, quando foi em Belém, PA, e no dia 27 de Ja-
promovido ao descanso eterno. Pas- neiro de 1997 partiu para outros
tor Alcebíades, um, exímio discipu- grandes feitos. Atualmente Pastor
lador, a exemplo de Paulo, apóstolo Samuel Câmara, ainda pastoreia a
que preparou o jovem Timóteo para Igreja-mãe, e galgou ainda em vida
sucedê-lo, fizera ele o mesmo com o o reconhecimento como uma das
jovem Samuel Câmara; essa é a his- mais influentes lideranças na his-
tória que veremos abaixo. tória da AD no Brasil.

3. Samuel Câmara . Dotado de 4. Jonatas Câmara. Com a


inúmeros talentos o jovem Samuel partida do pastor Samuel para
Câmara, não passou desapercebi- Igreja-mãe, foi eleito pela Conven-
do aos olhos do Pastor Alcebíades ção Estadual da AD no Amazonas
Vasconcelos, que o designou à diri- o pastor Jonatas Câmara. Filho da
gir uma congregação com apenas igreja em Manaus, desde cedo in-

24
Lição 3 - Dar-vos-ei Pastores

gressou-se nos trabalhos da igreja, dos de evangelização, entendendo


foi secretário da União de Mocida- que Deus não unge métodos, Deus
de do Amazonas (Umadam), e com unge homens e mulheres. Ao longo
17 anos foi designado pelo pastor dos anos mesmo em momentos de
Alcebíades a plantar uma congre- dificuldades, sempre está com um
gação no asilo Doutor Tomas. sorriso no rosto, e uma palavra de
Em 1977 estudou teologia no incentivo aos que os cercam.
Instituto Bíblico da Assembléias de
Deus (IBAD), graduando também
em direito, posteriormente galgan- APLICAÇÃO PESSOAL
do o título de mestre em teologia.
Servindo a Assembléia de Deus em Quão maravilhoso é conhecer
outros estados da federação, conso- a história dos nossos pastores, ho-
lidou-se como um líder visionário e mens abnegados movidos por moti-
carismático, seus discípulos o cha- vos altruístas e cristãos; assenhorar
mam de “Pastorzão”. Em sua gestão desse fatos é fator de crescimento in-
a Assembléia de Deus ampliou seu telectual e espiritual, coloca-nos em
programa de educação teológica, macha na fileira daqueles que dedi-
feito que levou ao nascimento da Fa- caram sua vida na causa do mestre.
culdade Boas Novas (FBN). O cres- Nossa oração a Deus, é que Ele con-
cimento da AD no Amazonas nos tinue enviando obreiros para sua
últimos anos foi imensurável, diver- seara na certeza que a nossa missão
sas congregações foram plantadas, é cuidar daqueles que Deus colocou
outros foram revitalizadas, pastor para nos guiar nessa jornada.
Jonatas propôs pensar os méto-

RESPONDA
1) Como se chama o irmão que começou a obra do Senhor em Manaus?

_________________________________________________________________________

2) A pedido do irmão Severino, a Igreja-mãe em Belém envia a cidade de Manaus o primei-


ro casal de pastores, quem são?

_________________________________________________________________________

3) Cite o nome do pastor que dirigiu uma congregação com apenas 14 anos.

_________________________________________________________________________

25
Lição 3 - Dar-vos-ei Pastores

26
LIÇÃO 4
A ATUAÇÃO FEMININA NA IGREJA
EVANGÉLICA ASSEMBLÉIA DE DEUS
SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR
Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Analisar o empenho das mulhe-
Professor(a), o propósito des- res em prol do crescimento da igreja.
ta lição é destacar a importante • Compreender o destaque bí-
blico ao público feminino.
atuação feminina na Igreja.
• Resgatar o valor e a história
Não podemos deixar de reco- da mulher na Assembléia de Deus.
nhecer que, ao longo dos anos,
as mulheres têm influenciado PARA COMEÇAR A AULA
gerações.
Elas geralmente são bem ati- Pergunte aos(as) seus(suas)
vas nos cultos, atuando nos mi- alunos(as): Você conhece alguma
mulher que se destaca no Brasil?
nistérios de louvor, diaconato e
E na Igreja? A partir de tais exem-
muitas outras atividades, sem plos para você qual a importância
deixar de lado as visitas em hos- do trabalho das mulheres na his-
pitais e outros locais, são verda- tória da Assembléia de Deus no
deiras heroínas! Amazonas? Ouça-os e dialogue
sobre o assunto. Esta lição traz à
No decorrer desta lição vá-
tona a questão do trabalho reali-
rios exemplos do Velho e Novo zado pelas mulheres na igreja, em
Testamento são citados como especial no Amazonas.
referência. Considere a atuação feminina
Use sua criatividade para que na Igreja como estratégia para
os objetivos sejam alcançados. iniciar sua aula e questione seus
alunos.

RESPOSTAS DA PÁGINA 32
1) Todas as mulheres. A promessa feita a ela é
também para as mulheres hoje.
2) Construtoras de pontes necessárias para o
PALAVRAS-CHAVE advento do conhecimento, a maior expressão de
seu legado, a educação.
Ministério feminino • Diaconisas • 3) Fazer aquilo que as mulheres parteiras
Heroínas fazem, que concretizam diariamente, a arte da
“maiêutica”, dar a luz a vida, ao conhecimento.

I
Lição 4 - A Atuação Feminina na Igreja Evangélica Assembleia de Deus

LEITURA COMPLEMENTAR
A construção da identidade histórica do cristão é profundamente per-
meada por seu discurso de verdade. De fato, o cristão carrega um conjun-
to de verdades que são incondicionais. Elas representam a força motriz
que o move em direção a Deus e ao seu semelhante. No entanto, assim
como em tantos outros contextos históricos, o cristão de hoje deve estar
preparado para o contato com às diversas cosmovisões alternativas do
nosso tempo, bem como deve buscar, com sabedoria e inteligência, inserir
as verdades da fé cristã na esfera pública.
Quando dizemos que se deve buscar sabedoria e inteligência, é por
que estamos conscientes, pelo testemunho da história, que o desprepa-
ro acabou por manchar a glória de Deus, quando ao invés de se destruir
argumentos equivocados, destruiu-se pessoas, destruiu-se pontes, des-
truiu-se amigos. Podemos aprender da História?
Portanto, o cristão de hoje deve ser sábio para apresentar os impor-
tantes contrapontos de reflexão sobre as ideologias do nosso tempo, que
geralmente se apresentam como postulados científicos e, se possível,
deve ser inteligente o suficiente para responder em seus próprios termos,
com um discurso coerente com a verdade que carrega.
(LIMA, Maria José Costa. Um Enigma de Deus: a história de um legado
de fé e de educação. Manaus: Travessia, 2015, p.21)”.

Livro: “Um Enigma de Deus: a história de um legado de fé e de educação” - (LIMA,


Maria José Costa. Manaus: Travessia, 2015, p. 21).

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 4 DEVOCIONAL DIÁRIO


A ATUAÇÃO Segunda - 1Sm 2.8-9
Cântico de Ana
FEMININA NA Terça - Jz 4.4-16
IGREJA EVANGÉLICA Débora profetisa
Quarta - 2Re 22.14-20
ASSEMBLÉIA DE Profetisa Hulda: remando contra a
DEUS corrente
Quinta - Lc 1.52-53
Cântico de Maria
Sexta - Rm 16.01-02
Texto Áureo
Discipulado de iguais: a diaconisa Febe
“Dessarte, não pode haver
Sábado - Rm 16.07
judeu nem grego; nem escravo
Comunidades inclusivas: Júnia, apóstola
nem liberto; nem homem nem
mulher; porque todos vós sois
um em Cristo Jesus.” Gl 3.28 LEITURA BÍBLICA
Gálatas 3.23-29
23 Mas, antes que viesse a fé, está-
vamos sob a tutela da lei e nela en-
Verdade Prática cerrados, para essa fé que, de futuro,
Homens e mulheres são iguais haveria de revelar-se.
diante de Deus. Perante Deus, 24 De maneira que a lei nos serviu de
somos um só em Cristo Jesus. aio para nos conduzir a Cristo, a fim
de que fôssemos justificados por fé.
25 Mas, tendo vindo a fé, já não perma-
necemos subordinados ao aio.
26 Pois todos vós sois filhos de Deus
mediante a fé em Cristo Jesus;
27 porque todos quantos fostes batiza-
dos em Cristo de Cristo vos revestistes.
28 Dessarte, não pode haver judeu
nem grego; nem escravo nem liber-
to; nem homem nem mulher; porque
todos vós sois um em Cristo Jesus.
29 E, se sois de Cristo, também sois
descendentes de Abraão e herdeiros
segundo a promessa.
Hinos da Harpa: 196 – 255 – 394

27
Lição 4 - A Atuação Feminina na Igreja Evangélica Assembleia de Deus

INTRODUÇÃO
A ATUAÇÃO FEMININA
NA IGREJA EVANGÉLICA Nesta lição estudaremos acer-
ASSEMBLÉIA DE DEUS ca da participação e importância
das mulheres desde os primórdios
INTRODUÇÃO bíblicos até a contemporaneidade.
Resgatar o valor e a história des-
I. RESGATANDO A sas mulheres e o quanto elas in-
FEMINILIDADE BÍBLICA fluenciaram a história da Assem-
1. Experiências das mulheres no bléia de Deus no Amazonas, AD,
Antigo Testamento Gn 16.1-16 é uma tarefa importante, já que
foram as mulheres protagonistas
2. Experiências das mulheres no
desta história.
Novo Testamento Mc 5.25-34
3. A primazia feminina no I. RESGATANDO A
Pentecostalismo FEMINILIDADE BÍBLICA
II. MULHER E TEOLOGIA: O Muitas mulheres exerceram
PERFUME NOVO um papel determinante em alguns
1. Mulheres e a produção momentos da história do povo de
teológica Mc 14.3 Deus. Algumas delas serão des-
2. Dificuldades tacadas, sem esquecer a riqueza
das memórias de outras mulheres.
3. Desafios e convergências
Mulheres que tomaram a palavra
III. AS MULHERES PROTAGONISTAS e assumiram o protagonismo de
suas histórias.
OU COADJUVANTES?
1. Uma retrospectiva 1. Experiências das mulhe-
2. Histórias de vida res no Antigo Testamento. Agar:
3. “Aqui você tem lugar” At 2.42-47 a mulher que conversa com Deus
(Gn 16.01-16). No poço Agar se
APLICAÇÃO PESSOAL encontra com o Deus que a vê. O
poço é um ponto central na vida
das comunidades do Antigo Tes-
tamento. A beira do poço a vida se
refaz. Pode-se considerar o poço
como o lugar-espaço político sig-
nificativo na comunidade, e esse
é o espaço da mulher. A água é
o símbolo do que Agar busca em
meio ao deserto: vida. Deus co-

28
Lição 4 - A Atuação Feminina na Igreja Evangélica Assembleia de Deus

nhecia e reconhecia sua condição, que tocam em Jesus são conhe-


e pergunta: “Donde vem e para cidos por Ele, ainda que elas se-
onde vais?” (Gn 16.08). Deus co- jam estranhas para a multidão,
nhecia a situação de Agar. É um mas não por Ele (v.46). A mulher
Deus que colhe e acolhe. Agar liberta da enfermidade (Lc 13.11-
demonstra a solidariedade divina 13). Dezoito anos encurvada, sem
para aqueles que não são vistos poder se endireitar. Mas em dia
(Gn 16.13). Por isso o nome do de sábado não é permitido curar.
poço é: “Beer-Laai-Roi”, o poço Porém, através do toque de Jesus
daquele que vive e me vê. Tamar: ela ficou curada.
A mulher de ousadia na realização As violências sofridas por
do projeto de Deus (Gn 38). É uma mulheres ao longo da história
mulher que aparece na genealo- da humanidade foram tolera-
gia de Jesus (Mt 1.03). Tamar é das, acomodadas como fenôme-
uma mulher que busca fazer valer no da natureza humana, fazen-
seus direitos dentro de uma so- do-as permanecerem caladas,
ciedade marcada por relações de emudecidas. Até o momento em
exclusão (DA SILVA, 2015, p.35). que Jesus rompe com a tradição
As parteiras na defesa da vida: Si- e coloca as mãos sob a mulher
frá e Puá (Êx 1.15-22). encurvada e ela imediatamente
A história dessas parteiras e se endireitou, se reconstruiu, se
sua ação são extremamente de- restaurou e dava glória a Deus
safiadoras. Elas ousam enfrentar (Lc 13.12-13). A força da mulher
o Faraó. As parteiras são também cananeia (Mc 7.24-30). A fé da-
profetizas do povo de Israel. Ga- quela mulher passa por cima da
rantindo a vida em um tempo de diferença entre judeus e não-ju-
crise, da mesma forma que milha- deus. Jesus se surpreendeu com
res de mulheres, em realidades sua fé e insistência (Mc 7.29).
empobrecidas têm garantido a Por causa do ato de falar desta
vida nos tempos atuais. mulher sua filha foi curada.

2. Experiências das mu- 3. A primazia feminina no


lheres no Novo Testamento. A Pentecostalismo. “Na época
mulher que toca em Jesus (Mc em que as mulheres não votam,
5.25-34) Esta mulher anônima e nas ADs elas pregam, escrevem
impura nos mostra uma fé incrí- e dirigem igrejas. Quando elas se
vel. Ela tocou em Jesus sob gran- tornam presentes nos processos
des dificuldades, doente, fraca e sociais, elas são marginalizadas
impura. Um toque secreto, humil- nestas igrejas, conquanto, algu-
de, por trás, silenciosamente. A mas ADs reconhecem seus minis-
mulher nos mostra que aqueles térios”. Desde o início do movi-

29
Lição 4 - A Atuação Feminina na Igreja Evangélica Assembleia de Deus

mento elas foram as primeiras a


falar em línguas. Elas são vistas,
Alguns deles foram
mas marginalizadas. A missão e
persuadidos e unidos a
a importante atuação feminina
Paulo e Silas, bem como
na Assembléia de Deus infeliz-
numerosa multidão
mente têm colocado muitas mu-
de gregos piedosos
lheres de grande importância na
e muitas distintas
história dessa igreja numa invisi-
mulheres.” (At 17.4)
bilidade como apenas esposa do
Pastor. Na teorização teológica
pentecostal, todos somos iguais, 2. Dificuldades. Mesmo em
mas na prática eclesiológica, a meio há inúmeras dificuldades as
coisa é outra (ALENCAR, Gedeon. mulheres continuavam atuante.
Matriz Pentecostal Brasileira, Desde os primeiros anos, elas já
2013, p.331). tinham uma presença marcante
na Igreja. É na igreja que as mu-
II. MULHER E TEOLOGIA: lheres veem um lugar agradável,
O PERFUME NOVO pois é nela que as mulheres assu-
mem seus papéis sociais: elas tra-
A entrada da mulher na teolo- balham nas obras sociais, bazares
gia traz consigo uma nova manei- e assistência social aos necessita-
ra, um novo método para pensar e dos, intercedendo junto ao pastor,
se expressar. Uma teologia aber- como afirma Neuza Costa em uma
ta com um novo método, rigor e pesquisa de 1958: “elas ‘rendem’
sistematicidade teológica. Uma muito para a igreja e oram fervo-
teologia com um novo perfume, rosamente e, neste sentido, são
preciosíssimo que produz um aro- ‘colunas espirituais’ da igreja”.
ma delicioso (Mc 14.03), que tem
produzido boas ações. 3. Desafios e convergên-
cias. É inegável a participação
1. Mulheres e a produção feminina e o papel fundamental
teológica. A chegada da AD no e relevante que elas têm assumi-
Amazonas trouxe muitos desa- do na igreja, tal como acontece
fios. Como descreve Emílio Con- nos outros segmentos da socie-
de (1960): “No dia 18 de outubro dade. Desde o início, no espaço
de 1917, embarcava em Belém que se lhes dava, as mulheres se
com destino a Manaus o missio- destacavam como missionárias e
nário Samuel Nyströn e esposa, professoras na Escola Bíblica Do-
atendendo ao clamor macedô- minical e hoje muito mais com os
nico aqui parafraseado: “Olhai cargos de Diaconisa e Dirigentes
mais para o Norte, e ajudai-nos””. de Congregação.

30
Lição 4 - A Atuação Feminina na Igreja Evangélica Assembleia de Deus

III. AS MULHERES esposa Lina Nystrom assume a


PROTAGONISTAS OU liderança da igreja em Manaus. Li-
COADJUVANTES? derança que durou quatro meses
e meio, dedicando-se ao cuidado e
As teologias feministas têm ao serviço dos primeiros converti-
sido depreciadas simplesmente dos. Essa querida irmã cuidou da
por serem produzidas por mulhe- igreja na época em que um peque-
res. Uma nova leitura da história, no rebanho dava seus primeiros
feita pelas mulheres, precisa ser passos na fé.
contada e recontada. Uma histó- b) Lindomar Lins. Primeira
ria onde elas, as mulheres, sejam mulher a ser consagrada evan-
incluídas e participantes, como gelista em nossa Igreja. A partir
protagonistas e não mais como dessa consagração, muitas mu-
atrizes coadjuvantes. lheres passaram a assumir o car-
go de Dirigentes de Congregação,
1. Uma retrospectiva. Desde função antes ocupada apenas por
o início da obra as mulheres já homens. Enfrentou a rejeição do
estavam presentes. Elas foram as ensino teológico na igreja: “O se-
primeiras a serem batizadas com minário não era bem visto pelos
o Espírito Santo: Adalgisa e Fáus- membros da igreja, eles ignora-
ta de Souza Lima. Como relata vam dizendo que o Espírito Santo
Abraão de Almeida: “Para admi- mesmo é quem ajudava na hora
ração dos homens e para a glória em que a gente fosse falar, ou seja,
de Deus”. Com o crescimento e é o Espírito quem capacita os es-
expansão da igreja, vê-se a neces- colhidos”.
sidade de obreiros. É quando se c) Aurenice Vieira. Ex-aluna,
separa para o Ministério Diaconal professora e membro do Conselho
no dia 1º de janeiro de 1922, doze Administrativo do IBADAM nos
irmãs que já serviam há algum primeiros anos. “As atividades do
tempo nas diversas atividades da IBADAM iniciaram de forma efi-
igreja (FERNANDES, Mirian Lins. ciente e eficaz, [...] Mas aqueles
História da Assembléia de Deus no que tinham visão ampliada do fu-
Amazonas. Manaus, 1993, p.32). turo, viam nesse projeto uma nova
fonte que oferecia maiores e pro-
2. Histórias de vida. fundos conhecimentos da Palavra
a) Lina Nystrom. O casal mis- de Deus” (Aurenice Vieira Fernan-
sionário Nystron estabelecidos des In LIMA, 2015, p.85).
em Manaus, após um ano e oito
meses, por conta de um chamado 3. “Aqui você tem lugar”. A
da Igreja em Belém, Samuel Nys- história dessa igreja se confunde
trom regressa a igreja-mãe e sua com a história do próprio Esta-

31
Lição 4 - A Atuação Feminina na Igreja Evangélica Assembleia de Deus

do do Amazonas. Uma Igreja que


nesses cem anos de emancipação APLICAÇÃO PESSOAL
e propagação do Reino de Deus,
cujo lema é: “Jesus salva, cura, A igreja é lugar onde os
batiza com o Espírito Santo e em oprimidos e excluídos tem voz
breve voltará”, tem cumprido sua e direitos. Enquanto que a so-
missão, e as mulheres fazem par- ciedade excludente marginaliza
te dessa história. Mulheres que cada vez mais, a igreja colhe e
labutaram e deram suas vidas por acolhe. As mulheres por muito
essa igreja, muitas vezes ofusca- tempo têm sido excluídas da
das, caladas, forçosamente pelo história.
simples fato de ser mulher. Uma A Assembléia de Deus no
história recontada e reescrita na Amazonas tem uma contribui-
tentativa de perceber os sussurros ção admirável nessa tarefa de
da vida que grita e de mulheres ressocializar aqueles que são
que “tomam” a palavra e ocupam marginalizados pela sociedade.
seus espaços na vida e na história. As mulheres são o maior exem-
Mulheres que tomam nas mãos a plo dessa tarefa primordial do
própria vida, como as parteiras, Evangelho: proclamação e co-
concretizando diariamente a arte munhão; anúncio e denúncia.
da “maiêutica”.

RESPONDA
1) Quem seria Agar hoje?

_________________________________________________________________________

2) Qual a contribuição das mulheres para a história da Assembléia de Deus no Amazonas?

_________________________________________________________________________

3) Qual o lugar das mulheres na Igreja Assembléia de Deus no Amazonas?

_________________________________________________________________________

32
LIÇÃO 5
Lição 5 - Unção e Palavra: Marcas da Pregação Pentecostal
UNÇÃO E PALAVRA: MARCAS
DA PREGAÇÃO PENTECOSTAL
SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR
Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Compreender que o preparo
O tema desta lição é oportu- espiritual e material se faz neces-
no nos dias atuais, pois temos o sário na vida daquele(a) que ensi-
na a Palavra de Deus.
privilégio de dialogar com nos-
• Demonstrar domínio do as-
sos(as) alunos(as) sobre a res- sunto e dependência divina ao mi-
ponsabilidade que pesa nos om- nistrar a Palavra de Deus.
bros daquele(a) que faz uso da • Entender que o Espírito San-
to fala aos corações enquanto a
Palavra de Deus.
Palavra de Deus é pregada.
Vale destacar que a Pregação
Pentecostal proporciona uma
renovação espiritual dentro da PARA COMEÇAR A AULA
Igreja de Cristo.
Professor(a), uma boa estraté-
Como Assembleianos não po- gia para iniciar sua aula é lançar
demos perder essa essência. uma pergunta aos(as) alunos(as).
Como podemos definir uma pre-
gação pentecostal?
Após ouvi-los deixe claro que
somos fruto da mensagem pen-
tecostal que continua à disposi-
ção daqueles(as) que buscam a
Deus.

RESPOSTAS DA PÁGINA 38
1) Salvação de vidas
PALAVRAS-CHAVE
2) Sair do templo e ir ao encontro daqueles
Pregação pentecostal • Palavra de
que estão necessitando de salvação.
Deus • Preparo espiritual 3) Daniel Berg e Gunnar Vingren

I
Lição 5 - Unção e Palavra: Marcas da Pregação Pentecostal

LEITURA COMPLEMENTAR
“A Homilética, arte da pregação bíblica, embora ainda rejeitada por
muitos, tem sido alvo de grande estudo por parte de muitos pastores e
pregadores que têm a preocupação em pregar o Evangelho de maneira
que todos compreendam a mensagem e, viram na homilética a oportu-
nidade de se aperfeiçoarem para melhor transmiti-lo. [...] Bem aplicada,
e, sob a inspiração do Espírito Santo, ela transforma indivíduos e nações,
geração após geração. Palavra que, quando lançada, não volta vazia. Deus
espera de nós é, que a usemos para o bem da humanidade e para o en-
grandecimento do seu Reino”.

Livro: “Fundamentos da pregação bíblica pentecostal” - (DOS SANTOS, José


Flávio. Homilética. Pindamonhangaba: IBAD, 2007, p.13-14).

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 5 DEVOCIONAL DIÁRIO


UNÇÃO E Segunda - At 16.31
Pregando a Salvação
PALAVRA: MARCAS Terça - Hc 3.2
Pregando o avivamento
DA PREGAÇÃO Quarta - Mc 1.8
Pregando o batismo com Espírito Santo
PENTECOSTAL Quinta - At 8.6
Pregando com manifestação de sinais
Sexta - At 2.38
Texto Áureo Pregando o arrependimento
“Respondeu-lhes Pedro: Sábado - 1Ts 4.16
Arrependei-vos, e cada um de vós Pregando a volta de Jesus
seja batizado em nome de Jesus
Cristo para remissão dos vossos
pecados, e recebereis o dom do
Espírito Santo.” At 2.38
LEITURA BÍBLICA
At 2.38-42
38 Respondeu-lhes Pedro: Arre-
Verdade Prática pendei-vos, e cada um de vós seja
A Pregação Pentecostal é batizado em nome de Jesus Cristo
simples e poderosa. para remissão dos vossos pecados, e
recebereis o dom do Espírito Santo.
39 Pois para vós outros é a promessa,
para vossos filhos e para todos os que
ainda estão longe, isto é, para quantos
o Senhor, nosso Deus, chamar.
40 Com muitas outras palavras deu
testemunho e exortava-os, dizendo:
Salvai-vos desta geração perversa.
41 Então, os que lhe aceitaram a pa-
lavra foram batizados, havendo um
acréscimo naquele dia de quase três
mil pessoas.
42 E perseveravam na doutrina dos
apóstolos e na comunhão, no partir
do pão e nas orações.

Hinos da Harpa: 24 – 100 – 155

33
Lição 5 - Unção e Palavra: Marcas da Pregação Pentecostal

INTRODUÇÃO
UNÇÃO E PALAVRA:
MARCAS DA PREGAÇÃO Uma lição específica sobre este
PENTECOSTAL tema não significa que a pregação
pentecostal seja mais importante,
INTRODUÇÃO ou um estilo à parte e superior,
que segue sua própria agenda. A
I. O MOVIMENTO PENTECOSTAL pregação pentecostal segue todos
os parâmetros da Homilética. To-
1. O nascimento da Igreja At 2.44 davia, realça a confiança de que o
2. Rua Azusa At 2.39 Espírito Santo agirá e se manifes-
tará com resultados visíveis e prá-
3. Daniel Berg e Gunnar Vingren
ticos durante a pregação.
 At 1.8
I. O MOVIMENTO
II. O PREGADOR PENTECOSTAL PENTECOSTAL
1. Seu perfil Ef 5.18-21
A mensagem ministrada no dia
2. O exemplo de Pedro At 2.38-41 de Pentecostes foi uma semente
3. O Culto Pentecostal At 4.33 lançada em solo fértil e regada pelas
fontes do Espírito Santo, cujos frutos
III. A MENSAGEM PENTECOSTAL permanecem até aos dias de hoje.

1. Mensagem com sinais At 8.5-8 1. O nascimento da Igreja.


2. Mensagem evangelística At 2.38 Não há dúvidas de que o maior fru-
to do Dia de Pentecostes, no cená-
3. Mensagem missionária At 8.4 culo foi o nascimento da Igreja Pri-
mitiva. Após a descida do Espírito
APLICAÇÃO PESSOAL Santo em Jerusalém, a Igreja for-
mava uma espécie de comunidade
estritamente unida (At 2.44-45).
Muitos vendiam suas proprieda-
des e davam à Igreja o produto de
sua venda, a qual distribuía esses
recursos entre os irmãos (At 4.34-
35). Partiam o pão de casa em casa
e tinham tudo em comum (At 2.47).

2. Rua Azuza. Em 1906, em Los


Angeles, na Rua Azusa, 312, acon-
teceu um dos maiores movimentos

34
Lição 5 - Unção e Palavra: Marcas da Pregação Pentecostal

pentecostais já vistos. Um pastor de Jesus, porém no dia de Pente-


chamado William Joseph Seymour costes, o Espírito Santo veio so-
ministrava em um pequeno prédio bre eles, os encheu e mudou suas
alugado e em mau estado de con- histórias, de modo que aí nasceu
servação, uma mensagem sobre a mensagem pentecostal (At 2).
um poderoso avivamento (At 2.39). Após isso, vidas foram mudadas,
Este avivamento continuou essen- nações foram impactadas, homens
cialmente vinte e quatro horas por simples sacudiram gerações pelo
dia, sete dias por semana, com a poder do Espírito. O pregador
participação de pessoas do mundo pentecostal tem uma mensagem
todo, que vinham para receber seu viva, uma palavra de autoridade e
“Pentecostes”. uma existência de milagres.

3. Daniel Berg e Gunnar 1. Seu perfil. O pregador pen-


Vingren. Daniel Berg e Gunnar tecostal é alguém com um cha-
Vingren foram impactados com o mado especial, pois sua pregação
Avivamento que varreu a América não consiste só em palavras, mas
e, por direção divina, em 1910 vie- em demonstrações do poder de
ram à cidade de Belém, Pará, onde Deus em forma de dons, sinais,
começou o maior movimento Pen- maravilhas e milagres (1Co 2.4).
tecostal no Brasil, em 1911, com a Os resultados visíveis da minis-
fundação da Assembléia de Deus. tração costumam acontecer na
Eles pregavam uma mensagem hora da mensagem, como a salva-
simples, poderosa e completa: Je- ção de vidas, que é o maior mila-
sus salva, Jesus cura, Jesus batiza gre que pode ocorrer, seguido de
com Espírito Santo e Jesus voltará. outros movimentos espirituais,
Esta tornou-se a marca prin- como por exemplo, batismos com
cipal da mensagem daqueles pio- Espírito Santo(At 10. 44-45). Seu
neiros. Esse fogo pentecostal que modo de pregação é diferenciado.
foi aceso em Belém, PA, jamais se Como acredita que as evidências
apagará, pois foi o próprio Deus dos dons espirituais são para hoje,
quem o acendeu. “O fogo arderá suas ministrações são marcadas
continuamente sobre o altar; não por uma autoridade incomum,
se apagará” (Lv 6.13). sempre enfatizando a necessidade
de um mover de Deus durante e
II. O PREGADOR após suas mensagens.
PENTECOSTAL O pregador pentecostal deve
ter uma vida de oração constante
Os discípulos estavam sendo e de meditação na Palavra, sendo
perseguidos e taxados como im- primordial ser cheio do Espírito
postores, por falar da ressurreição Santo e depender da unção divina

35
Lição 5 - Unção e Palavra: Marcas da Pregação Pentecostal

para transmitir mensagens pode- discípulo, depois do Pentecostes,


rosas (Ef 5.18-21). Ele deve pas- tornou-se o primeiro pregador
sar por uma profunda experiên- pentecostal, e nos doze primei-
cia com Deus, que gere mudança ros capítulos do livro de Atos, ele
em seu ser, pois suas palavras é, indiscutivelmente, o persona-
irão demonstrar o que já expe- gem principal da Igreja. A histó-
rimentou: o poder do Espírito ria ocorrida na casa de Cornélio,
Santo em sua vida! Não tem como ilustra muito bem a pregação Pen-
ser um pregador pentecostal, sem tecostal, assim descrita:” Ainda
antes ter uma experiência com o Pedro falava estas coisas quando
Espírito Santo. caiu o Espírito Santo sobre todos
os que ouviam a palavra. E os fiéis
2. O exemplo de Pedro. Pedro que eram da circuncisão, que vie-
foi um dos discípulos que mais ram com Pedro, admiraram-se,
deu trabalho para Jesus. Pescador, porque também sobre os gentios
com um temperamento explosivo, foi derramado o dom do Espírito
um homem sanguíneo por natu- Santo; pois os ouviam falando em
reza, agia por impulsos (Lc 5.4- línguas e engrandecendo a Deus
8). Foi repreendido por Jesus (Mt (At 10.44-46).
16.22-23). Afundou por falta de fé
(Mt 14.30-31). Cortou a orelha de 3. O Culto Pentecostal. Um
um homem (Jo 18.10-11). Negou culto pentecostal genuíno é uma
Jesus por três vezes (Lc 22.54-62). reunião diferente, cheia do Es-
Quando soube que Jesus havia pírito Santo (At 4.33). Desde o
morrido, se trancou com medo louvor inicial até a oração final,
dos judeus (Jo 20.19). E depois, por mais que a programação
voltou a pescar, coisa de que Jesus esteja muito bem dividida e or-
já o havia tirado há mais de três ganizada, a liturgia bem elabo-
anos (Jo 21. 1-3). rada, porém tudo fica debaixo
Ainda assim, quando o Espírito da direção do Espírito. As pre-
Santo veio sobre Pedro, este mu- gações pentecostais são o que
dou completamente; e tomado de comumente chamamos de minis-
uma autoridade sem igual, minis- trações avivadas, são marcadas
trou um sermão em meio a uma pelo mover do Espírito Santo,
grande multidão de várias nações. comoção, lágrimas, aplausos,
E nesse dia ministrou uma pala- louvores em voz alta, palavras de
vra simples e objetiva, e mais de exaltação a Deus, são muito co-
três mil pessoas entregaram suas muns em um culto pentecostal.
vidas a Jesus (At 2.38-41). Sejam O pregador pentecostal não deve
quais forem os problemas que confundir autoridade com grito,
Pedro tenha enfrentado como aumentar o tom de voz no meio

36
Lição 5 - Unção e Palavra: Marcas da Pregação Pentecostal

de uma mensagem, algo comum


no meio pentecostal. Isto pode
servir para enfatizar uma ideia,
e não deve ser confundida como Por que a Igreja prega?
um modo para que a igreja sinta Porque ela vem de um Deus
a presença de Deus, que é senti- que fala, se comunica e se
da pelo toque do Espírito Santo expressa através de sua
e pela unção que há na vida do palavra; Palavra esta que
pregador (1Jo 2.27). Não se deve se fez humana por meio de
acreditar que o movimento gere Jesus” (Nelson Kirst)
o avivamento, mas sim que o avi-
vamento gere o movimento.
mas também viu as maravilhas
III. A MENSAGEM que Deus realizara por intermédio
PENTECOSTAL dele (At 8.5-8). Esses sinais cha-
mavam a atenção do povo para a
A pregação pentecostal ge- sua mensagem.
ralmente, não obrigatoriamen-
te, está associada a um tom de 2. Uma mensagem evangelís-
voz elevado, fala mais rápida de tica. O alvo da pregação pentecos-
quem ministra e, por parte dos tal é diferente de qualquer outro
ouvintes, um envolvimento com discurso público, pois essa men-
resposta simultânea e acompa- sagem tem objetivos mais profun-
nhamento com expressões au- dos, e um deles é a evangelização.
díveis de louvores. Tudo isto faz Pedro, após ter esclarecido as ver-
parte, mas este não é o coração dades bíblicas em sua pregação,
da mensagem pentecostal. Esta no dia de Pentecostes, concluiu
mensagem não está voltada ao seu sermão, fazendo o convite
homem ou à forma que ele entre- evangelístico, quando disse: Ar-
ga o sermão, mas na dependên- rependei-vos (At 2.38). Naquele
cia e ênfase na ação do Espírito dia quase três mil homens foram
Santo enquanto se ministra. alcançados através de sua mensa-
gem evangelística.
1. Mensagem com sinais. O
pregador pentecostal deve pre- 3. Uma mensagem missio-
gar aos ouvidos e aos olhos de nária. A Igreja do capítulo 1º
seus ouvintes, ele precisa de si- de Atos, era uma congregação
nais. Deus fez grandes coisas por de portas fechadas; lá só havia
meio de Filipe em Samaria. Filipe oração, comunhão, estudo da
pregou aos ouvidos e também aos Palavra e adoração. No entanto,
olhos. O povo não apenas ouviu, quando o Espírito Santo desceu

37
Lição 5 - Unção e Palavra: Marcas da Pregação Pentecostal

no dia de Pentecostes, as portas


foram abertas e ela saiu para APLICAÇÃO PESSOAL
evangelizar o mundo. Mensa-
gem missionária é aquela que Você é fruto da Mensagem
nos exorta a sair do templo e ir Pentecostal que continua à dis-
ao encontro daqueles que es- posição daqueles que buscam a
tão necessitando de salvação. A Deus. Só depende de sua atitude
mensagem missionária é aquela de buscar a presença do Espírito
que inflama o nosso coração com Santo e fazer parte do Avivamen-
o desejo de testemunhar das ma- to Missionário.
ravilhas de Deus.

RESPONDA
1) Qual o maior milagre que pode acontecer decorrente da ministração da mensagem pelo
pregador pentecostal?

_________________________________________________________________________

2) A que ação nos leva a mensagem missionária?

_________________________________________________________________________

3) Quem são os pioneiros do Maior Movimento Pentecostal no Brasil, iniciado em Belém do


Pará em 1911?

_________________________________________________________________________

VOCABULÁRIO
• Cenáculo: cômodo em que era servida a santa ceia.
• Discurso: mensagem oral e prolongada, que um orador profere.

38
LIÇÃO 6
FERVOR E LOUVOR: BASES DO
MINISTÉRIO DE ADORAÇÃO
ASSEMBLEIANO
SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR
Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Mostrar que a Adoração é im-
Queridos professores, esta portante na liturgia
lição apresenta um assunto de • Analisar os valores doutriná-
extrema relevancia, visto que a rios da música a ser cantada
música sempre esteve presente • Apresentar os desafios atuais
na vida de todos. na área do louvor e adoração
É importante que você pon-
tue nesta aula as mudanças e as PARA COMEÇAR A AULA
influencias na música crista no
decorrer dos anos. Escolha um louvor conhecido e
Pergunte aos alunos qual cante com os alunos, verifique o nível
música na opinião deles marcou de envolvimento dos alunos com a
época? Que influencia a música letra que esta sendo cantada, dentro
exerce na vida deles? Como eles do tempo permitido, faça um relato
sobre a história da harpa cristã, mos-
avaliam a música na atualidade?
trando o conteúdo doutrinário e edi-
Após ouvir suas respostas apre-
ficante de suas composições, infor-
sente o tema da lição dando des-
mando que desde o início da história
taque às características do fervor
da igreja a música esteve presente e
no louvor e adoração desde o iní-
exerceu importante papel na cons-
cio da igreja.
trução de princípios e valores, pois
Reflita com seus alunos (as)
são verdades bíblicas cantadas.
que a verdadeira adoração deve
Permita que seus alunos (as) se-
começar no individual, se propa- jam conduzidos pelo Espírito Santo
ga na congregação e vai permane- na adoração. Apresente cada ponto
cer pela eternidade. desta lição com entusiamos e unção.
Deus vos abençoe e boa aula!
RESPOSTAS DA PÁGINA 44
PALAVRAS-CHAVE 1) Porque ele é o Ser mais admirável que existe,
Louvor • Fervor • Adoração e nós o louvamos por Seus atributos maravilhosos.
2) O Pastor José Menezes.
3) É alcançar a estatura de Cristo.

I
Lição 6 - Fervor e Louvor: Bases do Ministério de Adoração Assembléiano

LEITURA COMPLEMENTAR
A música ocupa um espaço relevante no mundo atual. Em quase todos
os lugares em que estamos, existe musica. Na Igreja, nao é diferente, ir-
mãos e irmas expressam a sua comunhão com Deus através do louvor e
adoração no culto racional.
Adorar é estar em contato vital com o único Deus criador dos céus e da
Terra em rendição e serviço a Ele (Jo 4.23,24; Mt 4.10)
A adoração sempre começa com uma motivacão do coracao. Esta mo-
tivação é o amor que deve ser expresso, a fim de ser considerado como
adoração. É o amor a Deus. O Senhor se manifestará a cada um que o
adorar em amor (Jo 14.21)
O louvor e a adoração edificam a fé sobre a Rocha divina que opera em
todos os acontecimentos, segundo o propósito da Sua vontade. A finalida-
de de Deus é nos manter na posiçao de adoradores feitos para o louvor da
Sua glória. (Ef 1.11,12)
A verdadeira e fervente adoração vai alem do cantico, e do toque de
um instrumento, é na verdade a expressão da alma quebrantada diante
do Senhor. Assim como o corpo necessita de água e comida para seu su-
tento, a adoração fornece ao espírito tudo o que o cristão precisa para ser
vitorioso em sua vida espiritual.
Cremos que o espírito do adorador que espera no Senhor, sabe que
existem experiencias maiores que virão, à medida em que for se apro-
ximando de Deus. Nosso Deus está, enigmaticamente, perto de todos os
seus filhos, mas as vezes não o enxergamos.
Há sempre uma esperança que não nos permite descansar da corrida
para uma comunhão mais íntima, a que nos trará coragem para continuar
louvando e adorando ao Senhor.
Cada vez que erguemos nossos olhos com um coracão contrito, passa-
mos a ver Deus e dizer como o salmista disse: “como o cervo brama pelas
correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!”(Sl 42.1).

Tese: “A música e a Adoração a Deus na Igreja Evangélica Assembléia de Deus”


Trabalho final de Mestrado Profissional (Ana Lúcia Ferreira Câmara – Faculdades –
2017 Faculdades EST – São Leopoldo – RS).

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 6 DEVOCIONAL DIÁRIO


FERVOR E Segunda – Jo 4. 23
A verdadeira adoração
LOUVOR: BASES Terça – Sl 95.1-7
DO MINISTÉRIO Celebrar ao Senhor com júbilo
Quarta – Sl 96.1-6
DE ADORAÇÃO Reconhecer a majestade de Deus
ASSEMBLEIANO Quinta – Sl 84.1-4
A alegria da habitação do Senhor
Sexta – Ct 2.10-13
É tempo de cantar
Texto Áureo Sábado – 2Sm 22.32-36
“Rendei graças ao Senhor, invocai Adoração e gratidão
o seu nome, fazei conhecidos,
entre os povos, os seus feitos.”
Sl 105.1
LEITURA BÍBLICA
Salmo 105.1-4
1Rendei graças ao Senhor, invocai
Verdade Prática
o seu nome, fazei conhecidos, en-
Adorar a Deus fervorosamente
tre os povos, os seus feitos.
é um ato de fé, e honra ao Senhor
2 Cantai-lhe, cantai-lhe salmos; nar-
rai todas as suas maravilhas.
3 Gloriai-vos no seu santo nome;
alegre-se o coração dos que bus-
cam o Senhor.
4 Buscai o Senhor e o seu po-
der; buscai perpetuamente a sua
presença.
5 Lembrai-vos das maravilhas
que fez, dos seus prodígios e dos
juízos de seus lábios,
6 vós, descendentes de Abraão,
seu servo, vós, filhos de Jacó,
seus escolhidos.

Hinos da Harpa: 3 - 42 - 124

39
Lição 6 - Fervor e Louvor: Bases do Ministério de Adoração Assembléiano

INTRODUÇÃO
FERVOR E LOUVOR:
BASES DO MINISTÉRIO A Igreja Evangélica Assembléia
DE ADORAÇÃO de Deus no Amazonas traz em
ASSEMBLEIANO sua história a essência do louvor,
com a marca pentecostal de uma
INTRODUÇÃO adoração fervorosa, baseada nos
princípios da palavra. Ela usa o
I. ADORAÇÃO GENUÍNA louvor como ferramenta de evan-
1. Louvor gelização e Deus tem abençoado
2. Rendição Sua igreja poderosamente.
3. Serviço I. ADORAÇÃO GENUÍNA
II. RESULTADOS PROMISSORES
É a adoração única e repleta de
1. Inovações sentimento de gratidão e louvor.
2. Fé e Coragem Bendizemos, de fato a Deus, na
3. Chama acesa medida que apreciamos a quem
nos galardoou graciosamente com
III. DESAFIOS NA ADORAÇÃO todas as Suas bênçãos (Ef 1.3).
1. Reconhecer o reinado de
1. Louvor. Louvor é uma ex-
Cristo
pressão de aprovação ou admi-
2. Santidade ao Senhor ração. Nós louvamos a Deus, mas
3. Postura cristã equilibrada também a outras pessoas, que
admiramos e amamos: família e
APLICAÇÃO PESSOAL amigos. Louvor é gratidão e res-
peito. Deus não precisa da nossa
aprovação, mas Ele faz coisas tão
tremendas e impressionantes que
o admiramos e o louvamos em
todo o tempo. Deus é sem dúvida,
o Ser mais admirável que existe, e
nós o louvamos por Seus atributos
maravilhosos. Louvor pode ser de
fato uma expressão de adoração
porque honra a Deus e completa
o ato de adorar. Façamos como o
salmista: “Eu te louvarei, Senhor,
com todo o meu coração; contarei
todas as tuas maravilhas”(Sl 9.1)

40
Lição 6 - Fervor e Louvor: Bases do Ministério de Adoração Assembléiano

2. Rendição. Biblicamente, ração que agradassem ao Senhor


render-nos em adoração baseado (Ex 4.23: 8.1: 20.9.1). A razão pela
no termo proskuneo, é “beijar”, em qual Jesus se ofereceu por nós foi
sinal de adoração e ato de pros- para que tivéssemos consciência
trar-se no chão. Colocar-se nessa limpa ao servirmos ao Deus vivo,
posição comunicava a idéia básica e somente os que “tem graça” po-
de submissão. Na visão de João, dem agradar a Deus pelo seu ser-
se desvenda a adoração celestial viço, oferecendo culto com reve-
com os vinte quatro anciãos pros- rência e temor (Hb 9.14;12.28). O
trados diante Daquele que esta- apostolo Paulo descrever o corpo
va assentado no trono (Ap 4.10). entregue a Deus como sacrifício
destaca-se a posição física daque- vivo, santo e agradável (Rm 12.1).
les seres celestiais na adoração a O Senhor reivindica a totalidade
Deus. Satanás intentou que Jesus do serviço dos seres a quem Ele
o adorasse prostrado diante dele, dá vida. O requisito de sacrificar
mas o seu plano foi frustrado e Ele o corpo inteiro do cristão, torna
venceu o inimigo através da Pala- seu culto genuíno, espiritual, ver-
vra (Mt 4.10). Maria, irmã de Mar- dadeiro, essencial, na proporção
ta, que escolheu a “melhor parte”, que o Deus vivo é o único alvo da
se rendendo aos pés de Jesus para oferta. Não podemos servir a dois
o adorar. O salmista diz “a minha senhores (Mt 6.24). Este serviço a
alma...desfalece pelos átrios do Se- Deus também é servir ao próximo
nhor”(Sl 84.2). e cuidar uns dos outros em unida-
Devemos nos prostrar peran- de e amor (Jo 17.21-23; Fp 2.1-4).
te Deus em rendição física à Sua
majestade, mas acima de tudo, o II. RESULTADOS
nosso coração deve estar em com- PROMISSORES
pleta rendição a Ele (Sl 37.5), e re-
conhecê-Lo como único digno de 1. Inovações. A história relata
ser adorado nos céus e na Terra e que a atividade, os valores inte-
debaixo da terra. lectuais, e a doutrina da Assem-
bléia de Deus no Brasil, sentiu a
3. Serviço. Adorar significa necessidade de um hinário que
servir. O culto a Deus também im- enfatizasse as verdades pentecos-
plica em serviço (latreia), termo tais. Em 1922, apos uma conven-
usado por Jesus para responder ao ção de obreiros no Pará, foi edi-
diabo (Mt 4.10). O servir na época tado em Recife a primeira edição
em que Moisés pedia permissão Cristã que serviu como hinário
a Faraó para deixar os israelitas oficial das Assembléias de Deus.
partirem da escravidão, tratava-se A mesma continha 100 hinos na
de cultuar e oferecer atos de ado- primeira tiragem, e 300 hinos na

41
Lição 6 - Fervor e Louvor: Bases do Ministério de Adoração Assembléiano

segunda. Samuel Nystrom, tradu-


ziu muitas letras escandinavas e
adaptou os poemas. O Pr. Paulo
Se um culto realizado
Leivas Macalão elaborou e adap-
não tem o objetivo
tou a Harpa Cristã, o nosso hinário
fundamental de tornar
oficial. Ela foi organizada para ser
Deus real e pessoal é
usada no culto público, Santa Ceia,
costume incluir-se “feno”
batismo, casamento, funeral e ou-
e “palha” que não edificam
tras ocasiões especiais.
os participantes e nem
exaltam ao Senhor.”
2. Fé e Coragem. No ano de
(Dr. Russel P. Shedd)
1934, instrumentos musicais
como órgão, violão, banjo e ban-
dolim foram implantados para Assembleianos. Nestes 100 anos
acompanhar os hinos congrega- da Igreja no Amazonas, pastores
cionais na Igreja Assembléia de incentivaram e implantaram novos
Deus no Amazonas. A irmã Euri- projetos musicais, que se tornaram
dice Leão Queiroz foi a organista promissores. Os corais as bandas
da igreja de 1934 a1940. O Pastor e orquestras, novos instrumentos,
Jose Menezes pastoreou de 1935 quartetos, duetos, trios, grupos de
a 1936. Ele organizou, fundou e louvor, madrigais, cantatas, com
regeu o primeiro Coral da Assem- cânticos que trouxeram através
bléia de Deus em Manaus. Somen- do louvor, salvação, cura e batismo
te casais participavam. O coral no Espírito Santo. Hoje a IEADAM
terminou por ocasião de sua saí- tem uma Escola de Musica, “Cons-
da. Em 1940, com a chegada do Pr. trutores da Arte Cristã” (CAC) que
Deocleciano Cabralzinho de Assis, prepara centenas de crianças e jo-
o coral foi reativado na regência vens para servirem na casa de Deus
do seu filho, irmão Milton Assis. como músicos adoradores.
Desta vez, todos que desejaram O desenvolvimento do louvor
puderam ingressar, inclusive os jo- que vemos atualmente, iniciou-se
vens. Deus abençoou e prosperou por meio de irmãs e irmãos deste-
o louvor na sua Igreja. midos que trouxeram a chama do
Todos os pastores e membros pentecostes.
que participaram desta missão
ainda são exemplos de fé e visão III. DESAFIOS NA
ampliada num tempo de desafios. ADORAÇÃO

3. Chama acesa. A chama Pen- 1. Reconhecer o reinado de


tecostal do louvor e adoração fer- Cristo. A Bíblia mostra Jesus como
vorosa, continuou no coração dos Rei. (Sl 99.1; Is 37.16). O Propicia-

42
Lição 6 - Fervor e Louvor: Bases do Ministério de Adoração Assembléiano

tório não é apenas o assento da 3. Postura cristã equilibra-


glória de Deus na Terra, também é da. Existem muitas distrações ao
o assento do seu governo na Ter- redor que querem tomar o lugar
ra. Os querubins são as criaturas de Deus. Às vezes o talento, a po-
celestes que ministram diante do sição social, eclesiástica, ou outra
Senhor. Eles criam uma cobertu- motivação. É um desafio manter o
ra sobre o qual o Senhor instala foco da adoração. A postura equi-
o seu trono. “Pois Tu és santo, en- librada é a liberdade de adorar a
tronizado sobre os louvores de Is- Deus com inteireza, convicto que
rael”(Sl 22.3). Reconhecer a Jesus Ele recebe nosso sacrifício de
como Rei do reino a qual servi- louvor. O religioso diz: “Eu tenho
mos, é ver a prática da humildade que realizar minhas tarefas para
e unidade. Embora assentado num ser valioso diante de Deus, caso
alto e sublime trono, Ele habita contrário, Ele não aceita a minha
nos corações dos símplices. Deus adoração”.
é atraído por unidade. Adoração O adorador diz: “Jesus provou
é estarmos juntos em unidade. na cruz que eu sou valioso, eu o
Sem ela nunca veremos a glória sirvo e o adoro livremente porque
de Deus plenamente na Igreja. (Is Ele também é valioso pra mim”.
57.15: Jo 17.20-23) Jesus é o Rei Nossa postura é aquela que a Bí-
da nossa vida e nós somos seus blia diz quem somos: crianças de
súditos. Precisamos reconhecer e Deus, amigos de Deus, mais que
viver o Seu reino com equidade. vencedores, escolhidos e amados,
cidadãos do Céu, os redimidos,
2. Santidade ao Senhor. A san- santos, uma nação santa e um
tidade é a manifestação da vida de reino de sacerdotes. Precisamos
Cristo em nós. É uma completa iden- estar assentados com Cristo para
tificação com Cristo. A santidade é que sejamos irrepreensíveis dian-
um chamado a percorrer todos os te Dele (Ef 1.3-6).
estágios da maturidade até alcançar
a perfeição. Paulo exorta-nos a san-
tidade (II Co 7.1). Jesus disse que APLICAÇÃO PESSOAL
devemos ser perfeitos como o Pai
celeste (Mt 5.48). Em nosso cami- Devemos nos posicionar como
nho na busca da santidade prática, o verdadeiros adoradores cons-
alvo é alcançar a estatura de Cristo. cientes de que a adoração deve
Ser cristão é ser a reprodução de Je- reconcentrar nossas preocupa-
sus Cristo, em Seu caráter, e em Sua ções em Deus, desviando-nos das
missão. Portanto, buscarmos a san- circunstancias ao redor porque
tidade é um desafio prioritário para Deus é o Ser de supremo valor.
sermos verdadeiros adoradores.

43
Lição 6 - Fervor e Louvor: Bases do Ministério de Adoração Assembléiano

RESPONDA
1) Por que devemos louvar a Deus em todo o tempo?

_________________________________________________________________________

2) Qual foi o pastor que organizou, fundou e regeu o primeiro Coral da Assembléia de Deus
em Manaus?

_________________________________________________________________________

3) Em nosso caminho na busca da santidade prática, qual é o nosso alvo?

_________________________________________________________________________

VOCABULÁRIO
• Escandinavas: proveniente da região geográfica europeia, a Escandinávia.
• Propiciatório: a tampa ou cobertura de ouro maciço da Arca da Aliança.
• Enigmaticamente: demonstrado ou dito através de enigmas.

44
LIÇÃO 7
Lição 7 -Confissão de Fé Assembléiana

CONFISSÃO DE FÉ ASSEMBLEIANA

SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR


Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Apresentar a doutrina que
Caro professor (a) o assunto embasa a fé dos Assembleianos.
que iremos abordar nesta lição • Identificar nas doutrinas
tem importante relevância na vida ações que vão justificar a fé.
de todo cristão, porque funda- • Mostrar que é importante co-
menta a fé e embasa as ações da nhecer e viver de acordo com a sã
igreja no decorrer dos anos, um doutrina.
tema que não poderia ficar de fora
do contexto do centenário.
Para abordar essa temática com PARA COMEÇAR A AULA
sucesso, será necessário o conheci-
mento do credo aceito pela Conven- Inicie a aula com uma caloro-
ção geral das Igrejas da Assembleia sa saudação Assembleiana “Paz
de Deus no Brasil, que é a mesma do Senhor” explique que este é
acatada pela Convenção da Assem- um exemplo prático que identi-
bleia de Deus no Amazonas, não des- fica a fé Assembleiana, tenha em
prezando o conhecimento do credo mente que a doutrina caracteriza
de outras denominações ou não. a identidade de uma comunida-
Nesse sentido, faz-se necessá- de cristã.
rio que o professor pesquise e faça Pergunte aos alunos quan-
leituras dinâmicas sobre o assunto, tos conhecem o credo da igreja,
apresente exemplos práticos que vão mostre a eles a importância de
evidenciar a fé na sã doutrina. Voce conhecermos e entendermos a
pode levar para sala de aula também fim de não sermos enganados
o livreto Andando com Cristo – da com heresias doutrinárias.
Coleção Consolidação, onde consta
Credo da Assembleia de Deus.

RESPOSTAS DA PÁGINA 50
PALAVRAS-CHAVE 1) Para ensinar os cristãos a doutrina correta (orto-
Fé • Doutrina • Prática doxia), e norteá-los em meio ao caos teológico.
2) Profeta, sacerdote e rei.
3) Hb. 9.14 e Sl 139.7

I
Lição 7 -Confissão de Fé Assembléiana

LEITURA COMPLEMENTAR
Seria difícil exagerar a importância do estudo das doutrinas, porque, quem
queira saber, com exatidão, alguma coisa do mundo, do universo, do homem,
da história, de Cristo, da salvação, em suma, informar-se de tudo o que seja de
primordial interesse ao homem, tem, por força, de aprender de Deus.
É ele o grande Mestre que todas as coisas conhece. E há tanto erro a
respeito de tudo isto, que se torna necessário um conhecimento sólido e
seguro de todos estes assuntos de grande interesse para a humanidade.
Fora das revelações de Deus não se encontra tal conhecimento. Esta é a
razão por que baseamos o nosso estudo naquilo que Deus tem revelado ao
homem. Devemos, neste trabalho, orar muito para que a nossa visão seja
clara, puro o nosso zelo, elevado o nosso ideal e reto o nosso espírito, como
o espírito dAquele a Quem almejamos conhecer.
Devemos prosseguir neste estudo com o mesmo espírito que Deus reco-
mendou a Moisés quando lhe apareceu na sarça ardente. «Moisés disse: Ago-
ra me virarei para lá, e verei esta grande visão, porque a sarça se não queima.
E, vendo o Senhor que se virava para lá a ver, bradou a ele do meio da
sarça, e disse: Moisés, Moisés. E ele disse: Eis-me aqui. E disse: Não te che-
gues para cá: tira os teus sapatos de teus pés; porque o lugar em que estás
é terra santa» (Êxodo 3.3-6).

Livro: “Esboços em teologia sistemática” - (LANGSTON, A.B. Ed Juerp. 2000).

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 7 DEVOCIONAL DIÁRIO


Segunda – Gn.1.1
CONFISSÃO A existência de Deus
Terça – Hb.1.10
DE FÉ O Deus criador
Quarta – 1Tm 2.5
ASSEMBLEIANA A divindade de Jesus
Quinta – Mt 16.18
Cristo é a base da Igreja
Sexta – 1Tm 2.15
Texto Áureo Duas naturezas, uma só pessoa
“Antes, crescei na graça e no Sábado – Jo 14.16
conhecimento de nosso Senhor e O Espirito Santo como consolador
Salvador Jesus Cristo. A ele seja a
glória, tanto agora como no dia LEITURA BÍBLICA
eterno.” 2Pe 3.18 2 Pedro 3.15-18
15 e tende por salvação a longa-
nimidade de nosso Senhor, como
igualmente o nosso amado irmão
Verdade Prática Paulo vos escreveu, segundo a sabe-
A consciência que doria que lhe foi dada,
conhecimento e graça não 16 ao falar acerca destes assuntos,
são opostos, leva-nos a uma como, de fato, costuma fazer em todas
espiritualidade mais dinâmica as suas epístolas, nas quais há certas
e equilibrada. coisas difíceis de entender, que os ig-
norantes e instáveis deturpam, como
também deturpam as demais Escritu-
ras, para a própria destruição deles.
17 Vós, pois, amados, prevenidos
como estais de antemão, acautelai-
-vos; não suceda que, arrastados
pelo erro desses insubordinados,
descaiais da vossa própria firmeza;
18 antes, crescei na graça e no co-
nhecimento de nosso Senhor e Sal-
vador Jesus Cristo. A ele seja a gló-
ria, tanto agora como no dia eterno.
Hinos da Harpa: 185 – 313

45
Lição 7 -Confissão de Fé Assembléiana

INTRODUÇÃO
CONFISSÃO DE FÉ
ASSEMBLEIANA Nessa lição estudaremos, três
doutrinas importantes para a
INTRODUÇÃO teologia da Assembléia de Deus,
AD, entendendo que a correta
I. DOUTRINA DE DEUS compreensão das mesmas, en-
1. A Pessoa de Deus Dt 6.4 caminharão naturalmente a uma
2. A relação de Deus com o Universo correta compreensão das demais.
Convém observamos que tais
 Hb 1.10
doutrinas, defendida pela AD no
3. Um Deus que subsiste em três Amazonas, não se trata de uma in-
pessoas Gn 1.1,2 terpretação particular, as mesmas
encontra-se em plena consonância
II. DOUTRINA DE CRISTO com o texto bíblico e faz coro aos
1. Encarnação. Duas naturezas principais documentos da Igreja
numa só pessoa 1Tm 2.5 cristã ao longo de sua história.
2. Os dois estados de Jesus:
Humilhação e exaltação Fl 2.7,9 I. DOUTRINA DE DEUS
3. Os ofícios de Cristo Hb 4.15
Nesse tópico estudaremos acer-
III. DOUTRINA DO ESPÍRITO SANTO ca Deus no compêndio doutrinário,
Sua pessoa, relação com o universo
1. O Espírito Santo é uma pessoa At 13.2 criado, e sua natureza trinitária. A
2. A divindade do Espírito Santo Sl 139.7 doutrina que estuda o Deus Pai é
3. “...Enchei-vos do Espírito” Ef 5.18 denominada teolontologia. Embo-
ra não intencione provar que Deus
APLICAÇÃO PESSOAL exista, a Bíblia atesta sua existência
de alguns modos. Revelado me-
diante a natureza (Sl 19.1-6; Rm
1.18ss). Na lei moral no coração do
homem (Rm 2.14-15), e na história
(At 17) tornando os acontecimen-
tos aleatórios, sinalizações da exis-
tência do Todo Poderosa.

1. A Pessoa de Deus. A dou-


trina de Deus, empenha-se em sis-
tematizar os ensinamentos sobre
sua pessoa. Logo podemos dizer
que “Deus é Espirito” (Jo 4.24), po-

46
rém a espiritualidade de Deus não do a antropologia cristã. O homem
o torna impessoal, distante dos se- não é fruto de um acaso, ele é teo-
res criados. O Deus revelado na Bí- logicamente obra das mãos divina,
blia, e encarnado no Cristo é uma criado para propósitos nobres, ou
pessoa, que ama (Jo 3.16), chora seja “...criado em Cristo para Boas
(Jo 11.35), tem consciência moral Obras, o qual Deus de antemão
(Gn 3.5,22), possui consciência preparou para que andássemos
de si mesmo (Ex. 3.6, Is 44.8); e nela (Ef.2.10).
principalmente interage com os
seres humanos. A interativida- 3. Um Deus que subsiste em
de de Deus com o homem, dar-se três pessoas. Desde os primór-
em linguagem em antropomórfica dios do movimento pentecostal,
(descrições de Deus em forma hu- houve aqueles que a exemplo dos
mana), para que esse possa com- antigos unicistas, negaram que há
preende-Lo, do contrário seria in- em Deus três personalidades dis-
viável um estudo que pretendesse tintas e divinas, sendo cada uma
falar sobre Deus; Cristo torna isso igual à outra quanto a natureza.
evidente na sua fala com Nicode- No entanto, não há três deuses:
mus “se tratanto de coisas terre- Deus é um só (Dt 6.4), para tanto
nas, não credes, como crereis, se elencaremos abaixo alguns textos
vos falar das celestes (Jo 3.12). que atestam tal verdade. A divin-
dade do Pai. Historicamente não
2. A relação de Deus com o houve muitos que negassem a dei-
Universo. “No principio criou Deus dade do Pai, pois inúmeros sãos os
os céus e a terra!” (Gn 1.1) Exce- textos bíblicos que atestam essa
lente apresentação que as Escritu- verdade, a começar pelo Gêneses
ras Sagradas faz de Deus. Diferen- até o Apocalipse (Jo 6.27, I Pe 1.2,
te das outras religiões do antigo II Co 1.2 e Ef 4.6). A divindade
oriente, onde deuses se confun- do Filho. Jesus é expressamente
diam com o universo; a tradição chamado de Deus nos relatos do
judaica sinaliza que Deus criou Novo Testamento (Jo 1.2, Jo 20.
o cosmos, sustenta-o (Col 1.17), 28). Sua deidade também é atesta-
porém não é sinônimo do mesmo. da por meio dos seus muitos mila-
Concluímos, dai, que o universo gres, receber adoração e perdoar
não tem existência própria. Não é pecados. A divindade do Espíri-
eterno, teve princípio e, por con- to Santo. O Novo Testamento fala
seguinte, terá fim, disso deriva a dEle com os mesmos atributos do
esperança escatógica do cristia- Pai e do Filho (Rm 15.30, Jo 16.13,
nismo. Nos atos criativos de Deus, Hb 9.14). Portanto, diante de tais
encontra-se também a criação hu- evidências, resta-nos louvar a
mana; verdade donde esta firma- Deus pela graça de sermos cris-

47
Lição 7 -Confissão de Fé Assembléiana

tãos trinitários, e rogar a exemplo de e completo quanto a humanida-


de Paulo que “A graça de do Senhor de... em duas naturezas incofusas
Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a e intransmutadas, inseparadas e
comunhão do Espírito Santo se- indivisas, ambas unidas em uma
jam com todos vós” (2 Cor. 13.13) pessoa.

II. A DOUTRINA DE 2. Os dois estados de Jesus:


CRISTO Humilhação e exaltação. Segun-
do Louis Berkhof , “a doutrina dos
Nesse tópico, esboçaremos dois estados de Cristo remete-se
sinteticamente alguns pontos so- ao século dezessete, embora já se
bre a cristologia, defendida pela encontrassem indícios dela nos es-
Assembléia de Deus. critos dos reformadores, e mesmo
em alguns dos chamados pais da
1 Encarnação. Duas nature- igreja primitiva. Mas do que se trata
zas numa só pessoa. Como vimos a doutrina os dois estados de Jesus?
na introdução da lição, uma das O estado da humilhação de Cristo é
razões pelas quais os primeiros entendido da seguinte maneira: No
teólogos da Igreja estabeleceram ato da encanação, Cristo assumiu
um credo, foi devido as intensas a natureza humana para expiar os
distorções doutrinárias, a maio- pecados dos homens. Paulo falando
ria dessas distorções referiam-se em Filipenses, nos diz que “Subsis-
a pessoa de Cristo, uns negavam tindo em forma de Deus, não julgou
sua humanidade, outros negavam como usurpação o ser igual a Deus,
sua divindade, outros defendiam a antes a si mesmo se esvaziou assu-
fusão de suas naturezas. mindo forma de servo” (Fl 2.6-7).
A partir de uma análise das O estado de exaltação é a res-
escrituras podemos dizer que as surreição, a ascensão, e o assen-
duas naturezas, inteiras, perfeitas tar-se de Cristo à mão direita do
e distintas, a divindade e a humani- Pai. Se na primeira parte da pe-
dade, são inseparavelmente unidas rícope de Filipenses Paulo fala o
em uma só Pessoa, sem conversão, estado de humilhação, na segunda
composição ou confusão, tal união parte ele fala do estado de exalta-
é chamado de união hipostática. A ção. “Pelo que Deus o exaltou so-
concepção Assembleiana sobre as bremaneira e lhe deu o nome que
duas naturezas de Cristo, faz coro esta acima de todo nome, para que
com o documento promulgado no ao nome de Jesus se dobre todo
concilio de Calcedônia em 451. joelho, nos céus e na terra e debai-
“Todos nós professamos o uno e xo da terra, e todo língua confesse
idêntico Filho, Nosso Senhor Jesus que só Jesus Cristo é o Senhor para
Cristo, completo quanto a divinda- Gloria de Deus Pai”(Fl 2.9-11).

48
Lição 7 -Confissão de Fé Assembléiana

3. Os ofícios de Cristo. Os ofí- tal acusação é falsa. A AD no Ama-


cios de Cristo segundo as escritu- zonas, não hierarquiza as doutri-
ras são três (Munus Triplex), profe- nas, entende que todos são iguais e
ta, sacerdote e rei. O olhar a partir importantes para a saúde da Igreja.
da tipologia bíblica, faz nos vê que
assim como os profetas eram arau- 1. O Espirito Santo é uma
tos de Deus para sua geração, de pessoa. Dizer que o Espirito San-
igual modo Cristo revelou-nos os to é uma pessoa, é reconhecer que
propósitos de Deus. ele não é apenas uma força ativa
Os sacerdotes era os responsá- e impessoal como defendiam os
veis por expiar o pecado do povo; seguidores do arianismo, e alguns
porém o seu sacrifício não era per- agrupamentos pretensamente
feito, sendo necessário a repetição. cristãos na atualidade. No relato
Em seu oficio sacerdotal, Jesus (Hb das escrituras o Espirito Santo é
8), ofereceu ao Pai, o sacrifício per- apresentado como detentor de in-
feito e irreplicável, capaz de torna- teligência e emoção, por isso não
-nos justificado, “...uma vez por to- é errado falar de personalidade
das, tendo obtido eterna redenção” do Espírito Santo. Por ser uma
(Hb 9.12c). Jesus não é apenas um pessoa, o Espírito Santo aparece
rei, ele o Rei dos reis (Ap 19.16), e na narrativa bíblica falando (Mt
o seu reinado estende-se por todos 10.20), ensinando os discípulos
os séculos e séculos. (Jo 14.26), guiando os primeiros
O reinado de Cristo estende-se cristãos na expansão da mensa-
por todas as esferas, e expande-se gem cristã (At 13.2, 20.28), Ele
a cada dia pela Igreja, pois se o pode ser entristecido (Ef 4.30).
nosso Pai é Rei o que somos? Pe-
dro responde: “Raça eleita, sacer- 2. A divindade do Espiri-
dote real, nação Santa” (I Pd 2.9) to Santo. Como vimos acima, o
Espírito Santo é uma pessoa, e
III. DOUTRINA DO não apenas uma força comum
ESPÍRITO SANTO e impessoal. O Espirito Santo é
membro da trindade; os cristãos
No trimestre em que estuamos Assembleianos creem que Ele é
a história dos cem anos da AD no Deus, e possui todos os atribu-
Amazonas, é necessário pontuar- tos inerentes a divindade, se não
mos algumas sinalizações dou- vejamos: O Espirito Santo é eter-
trinárias sobre o Santo Espirito. no (Hb 9.14), Ele é onipotente,
Alguns seguimentos cristãos, acu- pois participou do processo de
sam-nos pentecostais de enfatizar- criação da terra (Gn 1.1,2), Ele
mos a doutrina do Espirito Santo é onisciente (1Co 2.10,11), Ele é
em detrimento as demais; porém onipresente (Sl 139.7).

49
Lição 7 -Confissão de Fé Assembléiana

3. “...Enchei-vos do Espirito”. rados pelo Espírito Santo, assim


Para nós Assembleianos, Ef 5.18 nos diz as escrituras, assim nos diz
não é uma mera opção, é uma or- a história dos nossos pioneiros,
dem a ser cumprida. A doutrina portanto, assim CREMOS.
do Espirito Santo, talvez seja o
principal ponto de divergência
da AD com as denominações his- APLICAÇÃO PESSOAL
tóricas (Luteranas, Presbiteria-
nas, Batistas). Entendemos que o Por meio da palavra conti-
Espirito Santo está ativo na Igre- nuaremos a batalhar “diligente-
ja, que ele capacita-nos para o mente pela fé que uma vez por
serviço do ministério, o batismo todas foi entregue aos Santos”
com o Espirito Santo é um ato de (Jd 3). A doutrina não engessa e
graça posterior à conversão, no nem paralisa a Igreja, pelo con-
qual Ele municia sua Igreja na trário, a doutrina coloca-nos em
terra a executar a missão. ação, “levando cativo todo pen-
A plenitude do Espírito não é samento a obediência a Cristo”
apenas aos eruditos, aos bem nas- (2Co 10.5b).
cidos, todos podem ser imponde-

RESPONDA
1) Porque os primeiros teólogos cristãos elaboram credos?

_________________________________________________________________________

2) Cite os três ofícios de Cristo segundo a lição.

_________________________________________________________________________

3) Segundo o estudo na lição, cite duas referências bíblicas que ateste a divindade do
Espírito Santo.

_________________________________________________________________________

VOCABULÁRIO
Unicistas: Defensores que há somente um Deus e que Jesus é Deus.
Cristãos trinitários: Cristãos que professam a crença na trindade segundo as escrituras e os
principais credos da Igreja.
Perícope: É um termo grego que significa “cortar ao redor”, ou seja, uma parte destacada de um texto.
Arianismo: Doutrina defendida por Ario presbítero de Alexandria nos primeiros tempos da Igreja,
dentre outras coisas negam a divindade do Espirito Santo.
Pneumatologia: Doutrina do Espírito Santo.

50
LIÇÃO 8
“DEUS SALVE O AMAZONAS”,
EVANGELIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO
SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR
Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA • Descrever a ação evangelísti-
ca, mostrando a realidade geográ-
Prezado(a) professor(a) esta li- fica do estado do Amazonas.
ção vai abordar os projetos de evan- • Compreender que é impor-
gelização desenvolvidos pela Igreja tante que a igreja ocupe posições
Assembléia de Deus, com alcance estratégicas, que viabilizam a pro-
em todo estado do Amazonas. É im- pagação do Evangelho.
portante que você estude a exten- • Destacar a relevância da igre-
são geográfica do Amazonas. ja trabalhar em unidade.
Faça uma pesquisa sobre as ca-
lhas dos rios amazonenses, a fim
de conhecer o nível de dificuldades
PARA COMEÇAR A AULA
de acesso aos municípios e comu- Querido(a) professor(a) leve
nidades ribeirinhas nesse período. para sala de aula o mapa do Ama-
É fundamental que o(a) profes- zonas para situar os rios e cidades
sor(a) tenha informação ou ideia por onde passaram os pastores.
de como eram feitas as visitas à Entenda que todo aprendizado
remo no campo eclesiástico. No torna-se significativo quando nos
item que fala sobre o Auditório Ca- sentimos envolvidos com a ques-
naã é interessante citar as fases de tão, e sem dúvida o contexto desta
aquisição, construção, reconstru- lição apresenta fatos onde todos
ção e compra dos demais anexos, se sentirão participantes ou coad-
tornando assim o complexo Canaã. juvantes dos feitos aqui apresen-
O assunto desta lição pode ser tado no decorrer do assunto.
enriquecido a partir de pesquisas Portanto, aproveite as informa-
e depoimento com irmãos que vi- ções que serão compartilhadas e
venciaram esse momento. faça da sua aula o melhor momen-
to, para aprendizado e edificação
da fé dos seus(suas) alunos(as).

RESPOSTAS DA PÁGINA 56
PALAVRAS-CHAVE
1) Para a expansão missionária no estado.
Crescimento • Unidade • Conquista 2) Porque é nesse lugar que as comunidades,
aldeias e cidades estão localizadas.
3) Esse lema faz referência aos alvos para
evangelizar o interior amazonense.
I
Lição 8 - "Deus Salve o Amazonas", Evangelização e Comunicação

LEITURA COMPLEMENTAR
A igreja Católica e demais igrejas protestantes já dominavam o campo
religioso brasileiro quando a igreja Assembléia de Deus surgiu no Brasil.
Trata-se de uma igreja vinculada ao movimento religioso Pentecostal. Sua
fundação no país repercutiu profundamente, principalmente na Amazônia.
A partir de 1918 o “avivamento pentecostal” expandiu-se também
pelo Amazonas. Seu crescimento no estado coincide com a própria ex-
pansão demográfica das cidades e com o surgimento de novas comunida-
des ribeirinhas ao longo dos rios amazonenses.
Essa expansão é fruto do trabalho de pastores e missionários, os quais
iam de comunidade em comunidade, de cidade em cidade, realizando
cultos, batizando, distribuindo exemplares da Bíblia Sagrada, sempre a
bordo de um pequeno barco.

Dissertação de Mestrado: “Vida religiosa ribeirinha: um estudo sobre a igreja Cató-


lica e Evangélica no Amazonas” - (OLIVEIRA, Liliane Costa de. Manaus: Universida-
de Federal do Amazonas/UFAM/PPGS, 2012. Texto adaptado).

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 8 DEVOCIONAL DIÁRIO


Segunda - Rm 12.5
“DEUS SALVE Um só corpo em Cristo
O AMAZONAS”, Terça - Cl 1.18
Ele é a cabeça do corpo
EVANGELIZAÇÃO Quarta - Ef 1.3-6
A igreja de Deus
E COMUNICAÇÃO Quinta - Mt 16.18
A edificação da igreja
Sexta - Jo 6.29
Texto Áureo A obra de Deus
“Ainda tenho outras ovelhas, não Sábado - Ef 2.21,22
deste aprisco; a mim me convém O povo de Deus é a Sua habitação
conduzi-las; elas ouvirão a minha
voz; então, haverá um rebanho e
um pastor.” Jo 10.16 LEITURA BÍBLICA
João 10. 1-17
13 O mercenário foge, porque é
Verdade Prática mercenário e não tem cuidado com
A missão da igreja como povo as ovelhas.
de Deus é manifestar o seu reino 14 Eu sou o bom pastor; conheço as
no Amazonas. minhas ovelhas, e elas me conhecem
a mim,
15 assim como o Pai me conhece a
mim, e eu conheço o Pai; e dou a mi-
nha vida pelas ovelhas.
16 Ainda tenho outras ovelhas, não
deste aprisco; a mim me convém
conduzi-las; elas ouvirão a minha
voz; então, haverá um rebanho e um
pastor.
17 Por isso, o Pai me ama, porque eu
dou a minha vida para a reassumir.

Hinos da Harpa: 132 –144 – 224

51
Lição 8 - "Deus Salve o Amazonas", Evangelização e Comunicação

INTRODUÇÃO
“DEUS SALVE O AMAZONAS”,
EVANGELIZAÇÃO E Nesta lição estudaremos al-
COMUNICAÇÃO guns projetos de evangelização
da Igreja Assembléia de Deus, AD,
INTRODUÇÃO para o Amazonas. Após assumir
a presidência da Igreja, o pastor
I. A MISSIONÁRIA IEADAM Samuel Câmara considerou que a
Igreja desenvolveria melhor o seu
1. Um só povo Ef 4.5
trabalho se tivesse alvos para al-
2. Pelos rios Ez 47.7 cançar, a igreja atendeu esse cha-
3. Pelos céus At 7.56 mado, e assim nasceu o Programa
de Evangelização do Amazonas,
II. OUTROS ALVOS com o objetivo de evangelizar o
interior amazonense.
1. Construção do auditório Canaã
2. Expansão dos templos da IEADAM I. A MISSIONÁRIA IEADAM
 Ag 1.8
3. A semente foi plantada Mt 17.20 A evangelização do interior
amazonense era necessária, po-
rém difícil. Nesta lição veremos
III. REDE BOAS NOVAS DE
que através de um audacioso pro-
COMUNICAÇÃO, RBN jeto, Deus expandiu a sua obra que
1. Rádio Boas Novas ultrapassou as fronteias geográfi-
2. TV Boas Novas cas do Amazonas.
3. Jesus Sat 1. Um só povo. Quando uma
nova visão de evangelização do
APLICAÇÃO PESSOAL Amazonas começou a ser difun-
dida dentro da AD em Manaus, o
povo de Deus se uniu para erguer
essa bandeira, logo diáconos, pas-
tores, irmãos e irmãs que mora-
vam fora e no estado foram en-
viados a diversos lugares do vasto
território amazonense. O melhor
obreiro para este tipo de serviço
era o vocacionado venha de onde
vier, basta que estivesse disposto
à renúncia completa, e a residir
em lugares simples, sem luz, sem

52
água, sem telefone, mas certa- supervisão e integração de todos
mente com muitos mosquitos. O os campos ao longo dos rios; c) ga-
Programa de Evangelização do rantir combustível para as viagens
Amazonas que tinha como lema de evangelização; d) ajudar todas
“Deus salve o Amazonas”, além de as igrejas do interior para susten-
convocar homens e mulheres para to de seus obreiros; d) garantir
a evangelização do interior do es- Providência Social dos obreiros; e)
tado, suas metas eram desafiado- elevar a ajuda prestada aos pasto-
ras como a aquisição de meios de res jubilados e viúvas de pastores;
transportes, no caso canoas, mas o f) aquisição de um pequeno avião
ideal eram os barcos motorizados, que pousasse na terra e na água.
combustível e condições de manu-
tenção. As igrejas no Sul, Sudeste 3. Pelos céus. Se a mensa-
e Centro-Oeste e Os Gideões Mis- gem pentecostal sempre chegava
sionários da Última Hora se uni- a bordo de uma canoa ou de um
ram a igreja do Amazonas como motor rabeta com a aquisição do
um só povo no Senhor. (Jornal avião anfíbio, em 14 de julho de
Mensageiro da Paz, 1990) 1989, foi possível também pelos
céus evangelizar o interior ama-
2. Pelos rios. A história da AD zonense. Este era o último alvo do
no Amazonas segue os cursos dos Programa, talvez para o fim dos
rios, desde os primeiros campos dez anos, período em que se es-
missionários até os nossos dias, perava alcançar os alvos estabele-
essa história passa ás margens cidos. Deus, deu-nos o avião antes
dos rios amazonenses. Irmãos e de tudo. Com a aquisição do avião
irmãs que navegaram pelos rios foi possível a partir de 1990, vi-
do Amazonas de canoa, remando sitar comunidades ribeirinhas, ci-
por muitas horas até ao destino dades e demais campos missioná-
onde a mensagem pentecostal rios que nunca haviam recebido a
seria anunciada. A mensagem visita de alguém da Convenção. As
pentecostal no Amazonas sempre viagens duravam em torno de 15
chegava a bordo de uma canoa. a 20 dias de cada mês. Foram dis-
Assim, para que o interior fosse tribuídos no começo dessas via-
evangelizado, Deus colocou no co- gens dois milhões de folhetos, mil
ração da igreja os seguintes alvos: bíblias e mil harpas. Por meio do
a) oferecer um motorzinho para avião monomotor as viagens que
cada igreja que não tinha sequer duravam dias eram realizadas em
um; b) ter em lugares estratégicos poucas horas, por isso a cada um
de cada um dos rios do Amazonas, ou dois anos essa viagem era rea-
um barco de médio porte, que fa- lizada com o objetivo de apoiar a
cilitasse a coordenação, apoio, missão de todas as igrejas Assem-

53
Lição 8 - "Deus Salve o Amazonas", Evangelização e Comunicação

bleianas do estado. A chegada do ram vendidas, adesivos, calendá-


Pastor-Presidente no interior era rios, camisas, bandeiras, flâmulas,
motivo de festa. Cultos eram rea- viseiras e bancas de guloseimas
lizados de manhã, à tarde evange- foram montadas. Apareceram as
lismo acompanhado do culto ao “balas Canaã” e muitos irmãos e
ar-livre e à noite culto no templo. irmãs saíram às ruas de Manaus
Voando, pregando, evangelizan- para vendê-las.
do, a cada dia um local novo logo O sonho dos pastores Alcebía-
cedo através do avião que trazia des Vasconcelos e Samuel Câmara
em sua calda o lema “Deus Salve se tornou realidade, apesar de to-
o Amazonas”. das as dificuldades, a festa de inau-
guração do auditório aconteceu
II. OUTROS ALVOS de 03 a 17 de agosto de 1991 com
uma grande carreata pelas ruas de
Deus mostrou que os alvos Manaus. Deus deu tudo: pavimen-
estabelecidos pelo Programa de tação, canaletas, drenagem, som,
Evangelização do Amazonas esta- instalação elétrica, hidráulica e sa-
vam dentro de sua vontade, prova nitária. (FERNANDES, Mirian Lins.
disso, é que novos alvos foram sur- História da Assembléia de Deus no
gindo e ao mesmo tempo sendo Amazonas. Manaus, 1993)
concretizados.
2. Expansão dos templos da
1. Construção do auditório IEADAM. A construção de várias
Canaã. No dia 27 de junho de congregações em Manaus e no
1986, a igreja adquiriu uma pro- interior do Amazonas era uma
priedade, o local era da clínica Psi- realidade. Deus nos abençoou
quiátrica Pitovsky. No dia 30 desse com a construção de nossas igre-
mesmo mês e ano a área foi repas- jas em lugares privilegiados de
sada para igreja. Essa propriedade nossas cidades. No centro da ci-
recebeu o nome de Canaã. No dia dade de Manaus uma residência
22 de dezembro de 1990, numa doada pelo irmão José Barbosa
reunião de Confraternização de foi adaptada para uma casa de
membros foi decidido que o plano oração e inaugurada, em 1996,
para a construção do auditório Ca- como Tenda da Família. Nas se-
naã começaria a partir do dia 1° des municipais novas congrega-
de janeiro de 1991. No culto do ções eram construídas, princi-
dia 1° de janeiro desse ano, foi ad- palmente, nas comunidades do
quirido 100 milhões de cruzados. interior desses municípios. Além
Vale ressaltar que dias antes des- disso, novos templos centrais
se culto uma irmã, viúva, ofertou estavam sendo levantados como
uma casa de alvenaria. Cotas fo- em Nhamundá e Parintins.

54
Lição 8 - "Deus Salve o Amazonas", Evangelização e Comunicação

3. A semente foi planta- -se Rede Boas Novas de Rádio e


da. Não foi fácil a expansão do Televisão. No dia 16 de março
pentecostalismo no Amazonas, desse mesmo ano estávamos no
foi necessário o investimento ar através do Rádio Boas Novas.
na missão e pessoas vocaciona- Eram 24 horas de programação
das para trabalhar na seara. Foi evangélica pela AM-930 no Ama-
muito difícil sim, mas a evange- zonas e pela FM-96 em Roraima.
lização e a história da AD no es- A aquisição de uma emissora de
tado avançaram juntas. Vejamos rádio era uma das metas do pro-
os números atuais desse cres- jeto de evangelização do Amazo-
cimento: pastores autorizados nas, Deus foi muito mais além,
2.205, pastores ordenados 997, deu-nos também uma emissora
obreiros 3.230, diáconos e diaco- de Televisão.
nisas na capital 12.655, templos
em Manaus 1.170, templos no 2. TV Boas Novas. Além do
Interior 1.851, número de mem- Rádio, a Igreja adquiriu duas
bros e congregados na cidade concessões de TV, o canal 9 em
de Manaus 146.524, número de Porto Velho, o canal 8 em Ma-
membros na capital e interior naus e 35 repetidoras no Norte.
272.000. No começo dessa história eram
03 horas de programação evan-
III. REDE BOAS NOVAS DE gélica na TV Manchete. Testemu-
COMUNICAÇÃO, RBN nhos, louvores, leitura da Bíblia,
clips evangélicos eram apresen-
A maior rede de comunicação tados durante os intervalos da
cristã do país nasce no Amazonas programação secular.
e na Igreja Assembléia de Deus, Os primeiros programas fo-
voltada para o público evangéli- ram: Alfa e ômega, Amazonas
co e não evangélico. São 24 horas Evangélico, Boas Novas no ar,
de informações, entrevistas, mú- Bom Dia Deus, Caminhos da Fé,
sicas, curiosidades, coberturas Jornal Boas Novas, Nos bastido-
de eventos e shows transmitidos res da Igreja, Passeando pela Bí-
através de sua rede de rádio, tele- blia, Proclamai, Sábado Especial,
visão e satélite. Somos Crianças, Conexão Gospel
e Boa Noite Deus. Esta série de
1. Rádio Boas Novas. Em 15 programas causou estranheza á
de março de 1993 a Rede Brasil TV Manchete, e com a suspen-
Norte de Rádio e Televisão (an- ção da programação evangélica,
tiga TV Ajuricaba, fundada em Deus colocou no coração da Igre-
1969), filiada á TV Manchete, é ja o desejo de se ter uma televi-
comprada pela Igreja, tornando- são própria.

55
Lição 8 - "Deus Salve o Amazonas", Evangelização e Comunicação

3. Jesus Sat. A primeira trans- dências do Bairro Santo Antônio,


missão do “Satélite de Jesus” prédio no qual a Rede Norte Brasil
aconteceu no dia 05 de setembro havia sido fundada, para o com-
de 1995. Essa transmissão era plexo Canaã, em Manaus.
só um teste que duraria até o fi-
nal da semana da Pátria, todavia,
nunca mais saiu do ar. O Jesus APLICAÇÃO PESSOAL
Sat foi adquirido para distribuir
programas religiosos, via satélite, De São Gabriel da Cachoeira a
para todas as residências que ti- Nhamundá, passando pelos rios
nham antenas parabólicas, agora Amazonas, Solimões, Negro, Pu-
por 24 horas. No começo foram rus, Madeira, Juruá e Japurá e al-
duas horas diárias de programa- deias indígenas Deus levantou ho-
ção cristã, por causa da fase de mens e mulheres para levar a sua
teste, e na madrugada. Palavra. A todos os Assembleianos
A partir de então a TV Boas que deram tanto sem nada exigir,
Novas amplia sua cobertura para dedicamos a história da Assem-
toda a Amazônia, e posteriormen- bléia de Deus. Mas, não nos esque-
te para todo o Brasil, com uma cemos de que a luta continua sen-
programação 100% evangélica. do árdua na seara amazonense.
Em 2006 a RBN troca suas depen-

RESPONDA
1) Por que a igreja Assembléia de Deus do Amazonas convoca a igreja brasileira para
unir-se á ela em 1990?

______________________________________________________________________

2) Por que a história da igreja Assembléia de Deus no Amazonas passa às margens dos
rios amazonenses?

______________________________________________________________________

3) Comente o lema “Deus salve o Amazonas”.

______________________________________________________________________

VOCABULÁRIO
Concessão: consentimento, Permissão.
Ondas Sonoras: fenômeno físico, é a transmissão de som.

56
LIÇÃO 9
CEADAM E VIMADAM: MISSÃO
LOCAL E GLOBAL
SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR
Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Ressaltar que somos teste-
Professor(a), esta lição tem a munhas Daquele que nos chamou.
finalidade de destacar a missão • Compreender que somos fru-
tos de missões.
da igreja em anunciar o Evan-
• Entender que a missão da
gelho genuíno que transforma e
igreja é “... até que Ele venha”.
liberta o mais vil pecador.
A Assembléia de Deus é fruto da
obediência ao chamado divino.
Daniel Berg e Gunnar Vingren PARA COMEÇAR A AULA
atenderam a voz do Espírito, e
Que tal iniciar sua aula pergun-
tendo sido despedidos por sua
tando aos(as) seus(suas) alunos(as)
comunidade local chegaram ao o significado de missões? Será que
Brasil pregando o evangelho ela faz parte do nosso dia a dia? Ela se
do Reino de Deus e a doutrina multiplica? Entendendo que se trata
Pentecostal. de cumprir uma incumbência, de rea-
Leve para sua aula o mapa lizar um propósito, estimule seus alu-
mundial e aguce a curiosidade de nos a compartilharem as respostas.
Pesquise e, se possível, relacione
seus(suas) alunos(as) mostran-
informações sobre Severino More-
do as localizações geográficas. no de Araújo, Samuel Nystron e Lina
Nystron. Eles(as) atenderam ao cha-
mado missionário e estabeleceram a
Igreja no Estado do Amazonas. O re-
sultado? Milhares e milhares de vidas
resgatadas que adoram ao Senhor.

RESPOSTAS DA PÁGINA 62
PALAVRAS-CHAVE 1) CEADAM e VIMADAM.
Missão Global • Missão Local •
2) Antioquia.
CEADAM • VIMADAM
3) Há 21 anos.

I
Lição 9 - CEADAM e VIMADAM: Missão Local e Global

LEITURA COMPLEMENTAR

Evangelizar é difundir as boas novas de que Jesus Cristo morreu por


nossos pecados e ressuscitou segundo as Escrituras, e de que, como Se-
nhor e Rei, Ele agora oferece o perdão dos pecados e o dom libertador do
Espírito a todos os que se arrependem e creem.
A nossa presença cristã no mundo é indispensável à evangelização,
e o mesmo se dá com aquele tipo de diálogo cujo propósito é ouvir com
sensibilidade, a fim de compreender. Mas a evangelização propriamente
dita é a proclamação do Cristo bíblico e histórico como Salvador e Senhor,
com o intuito de persuadir as pessoas a vir a Ele pessoalmente e, assim, se
reconciliarem com Deus. Ao fazermos o convite do Evangelho, não temos
o direito de esconder o custo do discipulado. Jesus ainda convida todos
os que queiram segui-Lo e negarem-se a si mesmos, tomarem a cruz e
identificarem-se com a Sua nova comunidade.Os resultados da evangeli-
zação incluem a obediência a Cristo, o ingresso em Sua igreja e um serviço
responsável no mundo.
Regozijamo-nos com o alvorecer de uma nova era missionária. O pa-
pel dominante das missões ocidentais está desaparecendo rapidamente.
Deus está levantando das igrejas mais jovens um grande e novo recurso
para a evangelização mundial, demonstrando assim que a responsabili-
dade de evangelizar pertence a todo o corpo de Cristo. Todas as igrejas,
portando, devem perguntar a Deus, e a si próprias, o que deveriam estar
fazendo tanto para alcançar suas próprias áreas como para enviar mis-
sionários a outras partes do mundo. Deve ser permanente o processo de
reavaliação da nossa responsabilidade e atuação missionária.
Assim, haverá um crescente esforço conjugado pelas igrejas, o que re-
velará com maior clareza o caráter universal da igreja de Cristo.Também
agradecemos a Deus pela existência de instituições que laboram na tradu-
ção da Bíblia, na educação teológica, no uso dos meios de comunicação de
massa, na literatura cristã, na evangelização, em missões, no avivamento
de igrejas e em outros campos especializados.

Pacto de Lausanne - (Suíça, 1974). http://www.lausanne.org

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 9 DEVOCIONAL DIÁRIO


Segunda - 1Co 9.16
CEADAM E Nossa responsabilidade
VIMADAM: Terça - Cl 1.26-29
O ministério evangelístico
MISSÃO LOCAL Quarta - Mc 13.10
O alcance do Evangelho
E GLOBAL Quinta - Mt 28.19,20
Cumprindo o chamado
Sexta - Mc 16.15
Texto Áureo Evangelizando o mundo
“Mas recebereis poder, ao descer Sábado - Mt 9.37,38
sobre vós o Espírito Santo, e sereis A colheita é grande
minhas testemunhas tanto em
Jerusalém como em toda a Judeia e
LEITURA BÍBLICA
Samaria e até aos confins da terra.
At 1.8 Atos 1.6-11
6 Então, os que estavam reunidos lhe
perguntaram: Senhor, será este o tem-
po em que restaures o reino a Israel?
Verdade Prática 7 Respondeu-lhes: Não vos compete
Missões está no coração conhecer tempos ou épocas que o Pai
da Assembléia de Deus no reservou pela sua exclusiva autoridade;
Amazonas. 8 mas recebereis poder, ao descer
sobre vós o Espírito Santo, e sereis
minhas testemunhas tanto em Jeru-
salém como em toda a Judeia e Sa-
maria e até aos confins da terra.
9 Ditas estas palavras, foi Jesus ele-
vado às alturas, à vista deles, e uma
nuvem o encobriu dos seus olhos.
10 E, estando eles com os olhos fitos
no céu, enquanto Jesus subia, eis que
dois varões vestidos de branco se pu-
seram ao lado deles.
11 e lhes disseram: Varões galileus, por
que estais olhando para as alturas? Esse
Jesus que dentre vós foi assunto ao céu
virá do modo como o vistes subir.
Hinos da Harpa: 115 – 224 - 409

57
Lição 9 - CEADAM e VIMADAM: Missão Local e Global

INTRODUÇÃO
CEADAM E VIMADAM:
MISSÃO LOCAL E GLOBAL Nesta lição estudaremos
acerca de duas unidades da
Igreja no Amazonas comprome-
INTRODUÇÃO tidas com a evangelização do
Estado do Amazonas, do Brasil
I. ATÉ OS CONFINS DA TERRA... e do mundo, a saber, a CEADAM
1. O exemplo de ontem At 13.1 e a VIMADAM. Estes órgãos me-
diam e facilitam o cumprimen-
2. O exemplo de hoje to do Ide de Jesus capacitando
3. Uma igreja missionária e sustentando obreiros enga-
jados no ministério pastoral e
II. CEADAM: MISSÃO LOCAL missionário.
1. Função
I. ATÉ OS CONFINS DA
2. Atuação
TERRA...
3. Missão
A Igreja Evangélica Assem-
III. VIMADAM: MISSÃO GLOBAL bléia de Deus sempre foi e
1. O início sempre será uma igreja que se
2. O preparo importa com missões. O estabe-
lecimento dela se deu a partir
3. O envio de um chamado de Deus a dois
jovens missionários que ini-
APLICAÇÃO PESSOAL ciaram com grande fervor uma
missão em terras estrangeiras.
Semelhante a outros muitos ou-
tros cumpriram fielmente ao Ide
de Jesus At 13.1.

1. O exemplo de ontem.
Em At 13.1-3 podemos obser-
var o chamado de Deus na vida
de dois grandes homens que se
doaram a serviço do Reino de
Deus. Paulo e Barnabé, membros
da igreja em Antioquia, homens
que participavam ativamente da
comunidade e que exerciam pa-
pel de liderança na igreja local

58
Lição 9 - CEADAM e VIMADAM: Missão Local e Global

At 13.1. Percebemos claramen- 3. Uma igreja missionária.


te que enquanto serviam ao Se- A história missionária da Igreja
nhor, o Espírito Santo deu ordem no Amazonas pode ser contada
para separarem Paulo e Barnabé a partir das unidades que se or-
para a obra missionária At 13.2. ganizam e se preocupam com a
Logo após orarem, em obediên- evangelização do Estado e de-
cia a Deus, impuseram as mãos mais Países do mundo, a saber,
sobre eles e os enviaram para a a CEADAM - Convenção Esta-
missão At 13.3. Assim começou a dual da Assembléia de Deus no
história missionária do apóstolo Amazonas e a VIMADAM - Visão
Paulo e de seus companheiros Missionária da Assembléia de
que ao obedecerem ao chamado Deus no Amazonas. Contudo al-
estabeleceram diversas comuni- guns nomes de missionários e
dades na Ásia Menor. missionárias despontam na his-
tória da Igreja no Amazonas um
2. O exemplo de hoje. As- pouco antes do surgimento de
sim como Paulo e Barnabé rece- uma unidade missionária, esses
beram o chamado de Deus para nomes não podem ser esqueci-
irem ao campo missionário. As- dos, pois são pioneiros na obra
sim também Gunnar Vingren e missionária no Estado.
Daniel Berg atenderam a voz do Os três missionários são: Mi-
Espírito, e tendo sido despedi- rian Lins Fernandes (1975) Co-
dos por sua comunidade local lômbia e Bolívia; Iriomar Barbo-
chegaram ao Brasil pregando o sa da Silva (1976) para as tribos
evangelho do Reino de Deus e a indígenas no alto rio Solimões e
doutrina pentecostal. Da mesma Oziel dos Santos Santiago, para
forma homens e mulheres como Portugal.
Severino Moreno de Araújo, Sa-
muel Nystron e Lina Nystron ao II. CEADAM: MISSÃO
ouvirem a voz do Espírito aten- LOCAL
deram ao chamado para o esta-
belecimento da igreja no Estado Vários textos no Novo Testa-
do Amazonas. mento nos servem de base para
Esta é a maior prova de que nos conscientizarmos para o
a igreja cresceu a partir da ação cumprimento de nossa missão,
missionária do Espírito Santo como por exemplo Mateus 28.19;
que soprou e até hoje sopra os Marcos 16.15 e Atos 1.8. Nestas
ventos da mensagem do evange- passagens vemos claramente a
lho no Amazonas e do Amazonas ordem de Jesus quanto a respon-
até outros povos, tribos, línguas e sabilidade missionária da igreja
nações At 2. 9-11. e o alerta quanto a brevidade do

59
Lição 9 - CEADAM e VIMADAM: Missão Local e Global

Seu retorno. Veremos, portanto


alguns desses órgãos.
Deus move-se em
1. Função. A CEADAM é uma missões e plano
sociedade civil sem fins lucra- contempla todos os
tivos, com jurisdição em todo o povos da Terra.
território amazonense com sede
e funcionamento na cidade de
Manaus. É a unidade da igreja
que administra os diversos tem- 3. Missão. A CEADAM tem por
plos espalhados por todo o vasto missão administrar e supervisio-
Estado do Amazonas e seus res- nar a evangelização da cidade de
pectivos campos eclesiásticos, Manaus e interior do Estado que
bem como oferece amparo es- se dá por intermédio dos seus
piritual, administrativo e social 2450 pastores, 1071 campos ecle-
que os pastores e igreja necessi- siásticos e mais de 3000 templos,
tam para cumprir fielmente o ide todos filiados e cadastrados na
de Jesus. Contando atualmente Convenção Estadual.
com 62 áreas de coordenação Também possui a missão de
eclesiástica. congregar fraternalmente e qua-
drienalmente todos os obreiros
2. Atuação. O Estado do Ama- da Igreja Evangélica Assembléia
zonas, por seu vasto espaço geo- de Deus no Amazonas com o
gráfico, se constitui como um dos propósito de avaliar a eficácia
maiores campos missionários na do desenvolvimento evangelís-
nação brasileira, e porque não tico desenvolvido pelas igrejas
ousar em dizer do mundo. da capital e do interior e demais
Todo o Estado é dividido igrejas vinculadas. Ainda tem por
em municípios, e os mesmos objetivo traçar planos e diretrizes
se separam por “estradas de para exercícios futuros.
águas” tornando difícil o acesso Ainda se propõe em autorizar
a algumas localidades. Por este e consagrar novos obreiros, orien-
motivo, nestas áreas de difícil tando pastores, definindo metas e
acesso a CEADAM atua por in- administrando a abertura de no-
termédio de centros de apoio, vos trabalhos.
onde o pastor deste centro é o
coordenador de seus vizinhos III. VIMADAM: MISSÃO
mais próximos e fica respon- GLOBAL
sável por acompanhar apoiar e
resolver os problemas que pos- Nossa missão é levar as
sam ocorrer. boas novas aos povos não al-

60
Lição 9 - CEADAM e VIMADAM: Missão Local e Global

cançados. Para potencializar e çar muito mais países e milhares


organizar essa missão a Igreja de almas para o Senhor Jesus.
no Amazonas idealizou e criou Una-se conosco em oração e nos
agências que servissem a igreja ajude para juntos cumprirmos o
em áreas de necessidades espe- ide do Senhor
cíficas. Veremos adiante mais
uma unidade da igreja no Ama- 3. O Envio. A VIMADAM hoje
zonas responsável pela missão contabiliza, em seus 19 anos,
transcultural. milhares de vidas alcançadas
pela pregação do evangelho de
1. O início. A VIMADAM nas- Jesus Cristo, realizando um be-
ceu no dia 01 de abril de 1996, líssimo trabalho missionário em
como resultado aos esforços dos 19 países que são eles: Estados
pastores Edson Alves e Claudio Unidos, República Dominicana,
Rogério Santos que buscavam Haiti, Suriname, Venezuela, Co-
através deste projeto alcançar lômbia, Peru, Moçambique, An-
partes remotas do mundo com as gola, Congo, Inglaterra, França,
boas novas de salvação em Cristo Espanha, Portugal, Suíça, Papua
Jesus, através da vida de homens Nova Guiné, Timor-leste, Indo-
e mulheres tementes a Deus nésia e em 2015 entrou no Japão
que serviam ao senhor aqui no com as boas novas de Salvação.
Amazonas. A VIAMADAM é um
dos braços de atuação da Igreja
Evangélica Assembléia de Deus APLICAÇÃO PESSOAL
no Amazonas.
A missão de ir e fazer discípu-
2. O preparo. O primei- los não é tarefa de um grupo es-
ro passo deste grande desafio pecífico, ou apenas de ministros
missionário foi dado no mesmo ordenados. No entanto, é de res-
ano da criação da secretaria da ponsabilidade de toda igreja, de
VIMADAM quando esta enviou todos quantos foram chamados
uma equipe de missionários por Cristo e passaram pelo novo
desta igreja para Moçambique nascimento.
sob a direção do Pr. Aldenor do
Vale. Quatro anos depois outras
equipes seguiram em direção
a Angola e Timor-leste. Muitos
têm sido os desafios, porém sa-
bemos que esta é uma visão que
primeiramente nasceu no cora-
ção de Deus e desejamos alcan-

61
Lição 9 - CEADAM e VIMADAM: Missão Local e Global

RESPONDA
1) Quais unidades da igreja no Amazonas são responsáveis por promover a evangelização
dentro e fora do país?

______________________________________________________________________

2) De qual comunidade missionária fazia parte Paulo e Barnabé?

______________________________________________________________________

3) Há quantos anos a VIMADAM desenvolve suas atividades missionárias no Estado do


Amazonas?

______________________________________________________________________

62
LIÇÃO 10

CUIDANDO UNS DOS OUTROS

SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR


Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Conhecer a importância da
Caro(a) professor(a) apre- implantação do projeto celular.
sentamos mais uma importan- • Entender a missão da igreja
no cuidado com outros irmãos.
te lição sobre a história da As-
• Aplicar os ensinamentos às
sembléia de Deus no Amazonas,
suas ações pessoais em ganhar,
esta lição vai abordar a implan-
consolidar, treinar e enviar.
tação do projeto visão celular
na IEADAM, logo, trata-se de
um assunto em pauta, onde
muitos alunos(as) irão se iden-
PARA COMEÇAR A AULA
tificar como resultados desse
trabalho. Comece a aula entusiasmado,
Converse com os(as) alu- ciente que além das informações
nos(as) sobre o período da sua contidas na lição haverá teste-
conversão e permita-os compar- munhos que irão agregar infor-
tilhar suas experiências no disci- mação e edificação sobre esta
pulado e suas ações em ganhar preciosa lição.
outras vidas pra Jesus. Invista em uma aula partici-
pativa e dinâmica. Deus os aben-
Busque promover na sua
çoe e boa aula!
aula trocas de experiências,
valorizando nelas os pontos
positivos.
RESPOSTAS DA PÁGINA 68
1) Envolver em grande proporção os irmãos e
irmãs na evangelização e também no fortaleci-
mento do discipulado.
2) É a menor unidade da vida da Igreja, fun-
cionando em pequenos grupos.
3) A célula tem papel fundamental, funcionan-
PALAVRAS-CHAVE
do como uma família, onde juntamente com o
Vidas • Discipulado • Crescimento consolidador, todos cooperam no cuidado do
novo crente.

I
cuidaNDO UNS DOS OUTROS
Nossa meta
Discipulador Cuidar uns dos outros
Desafiamos você a cuidar bem de pelo
menos um outro discípulo, seguindo a
orientação de Jesus: “Assim, em tudo,
Lição 10 - Cuidando Uns dos Outros

Discípulo Discípulo
Discipulador Discipulador
façam aos outros o que vocês querem que
eles lhes façam” (Mateus 7.12)

Discípulo

II
Discípulo Discípulo Discípulo
Discipulador
Discipulador Discipulador Discipulador

Discípulo Discípulo Discípulo Discípulo Discípulo Discípulo Discípulo Discípulo


Discipulador Discipulador Discipulador Discipulador Discipulador Discipulador Discipulador Discipulador
Líder de célula Líder de célula Líder de célula Líder de célula Líder de célula Líder de célula Líder de célula Líder de célula

todas as células
LEITURA COMPLEMENTAR

toda a igreja
cuida dos novos irmãos
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 10 DEVOCIONAL DIÁRIO


Segunda - Jo 13.35
CUIDANDO Amar e cuidar, característica do
ministério de Jesus
UNS DOS Terça - Ef 4.32
Amar e Perdoar, minha prática diária
OUTROS Quarta - Rm 15.1.2
Postura íntegra
Quinta - Gl 6.2
Cuidar e Ajudar, exercício prático diário
Texto Áureo Sexta - Fl 2.4
“Ora, nós que somos fortes devemos Cuidar é se preocupar com o bem do outro
suportar as debilidades dos fracos Sábado - Rm 12.5
e não agradar-nos a nós mesmos. Somos corpo de Cristo
Portanto, cada um de nós agrade
ao próximo no que é bom para
edificação.” Rm 15.1,2 LEITURA BÍBLICA
Romanos 15.1-5
1 Ora, nós que somos fortes devemos
Verdade Prática suportar as debilidades dos fracos e
O princípio básico do sucesso não agradar-nos a nós mesmos.
alcançado pela Igreja Primitiva 2 Portanto, cada um de nós agrade
foi o trabalho conjunto, no ao próximo no que é bom para edi-
Templo e nas casas, em uma ficação.
comunhão perfeita: cuidando 3 Porque também Cristo não se
uns dos outros. agradou a si mesmo; antes, como
está escrito: As injúrias dos que te
ultrajavam caíram sobre mim.
4 Pois tudo quanto, outrora, foi es-
crito para o nosso ensino foi escrito,
a fim de que, pela paciência e pela
consolação das Escrituras, tenha-
mos esperança.
5 Ora, o Deus da paciência e da con-
solação vos conceda o mesmo sentir
de uns para com os outros, segundo
Cristo Jesus.

Hinos da Harpa: 15 - 16 - 432

63
Lição 10 - Cuidando Uns dos Outros

INTRODUÇÃO
CUIDANDO UNS DOS
OUTROS Nesta lição estudaremos acer-
ca do projeto Visão Celular e
como o Espírito Santo nos habi-
INTRODUÇÃO litou a ganhar vidas e cuidar uns
dos outros, e como devemos pra-
I. UM PROJETO PARA CUIDAR ticar isso, visando despertar em
1. História nós a necessidade de proximida-
2. Proposta Mt 28.18-20 de e comunhão.
3. Crescimento/alcance At 4.4
I. UM PROJETO PARA
II. ESTRUTURA CUIDAR
1. Células At 5.42 O projeto celular trouxe gran-
2. Redes At 2.46,47 des benefícios para a obra de nos-
3. Encontros Ef 6.10,11 so Senhor Jesus. A Igreja cresceu
4. Escola de líderes Ef 4.11-14 envolvendo cada cristão na res-
ponsabilidade de conquistar vidas
5. Aperfeiçoamento de Liderança para Cristo e também acompanhá-
 Mt 20.28 -las em seu crescimento cristão.

III. CUIDANDO UNS DOS 1. História. A IEADAM, em sua


OUTROS história, sempre foi uma igreja
1. Cuidado inicial 2Pe 2.10 envolvida na evangelização. Isto
2. Cuidado intermediário At 2.46 pode ser notado pelo crescimento
da Igreja ao longo de sua história.
3. Cuidado depois do treinamento Das 15 primeiras pessoas batiza-
 At 2.44 das em 1918, no Igarapé do Mes-
tre Chico, até as mais de 250 con-
APLICAÇÃO PESSOAL gregações em Manaus em 1993,
dá para perceber o crescimento
da Igreja, sempre preocupada em
ganhar almas. Porém, apesar da
evangelização ser uma marca da
IEADAM, havia uma preocupação.
De um lado, muitas vidas estavam
aceitando a Jesus como salvador,
porém, por outro lado, haviam
muitas que estavam saindo dos
caminhos de Deus. Era necessário

64
Lição 10 - Cuidando Uns dos Outros

fechar esta “porta de saída”. Foi de congregações ativas no início


então que, no ano 2000, durante do projeto era cerca de 500, hoje
a presidência do pastor Jônatas temos em Manaus 1.170 templos
Câmara é criado o projeto celular. e no interior do Estado 1.851.
Com este projeto a Igreja passou Ainda no ano 2001 haviam só em
não apenas a ganhar um maior Manaus 46.809 membros e hoje
número de vidas para Cristo, mas já chegamos a 146.524.
cuidar das mesmas, acompanhan-
do-as em toda sua vida cristã. II. ESTRUTURA

2. Proposta. “Cada casa uma Neste projeto, há uma estrutu-


extensão da Igreja, cada crente um ra bem pensada, de forma a envol-
ministro”. A proposta era envolver ver todos os membros do corpo
cada cristão em sua chamada na de cristo a trabalharem com dois
Grande Comissão de ganhar e dis- importantes objetivos, de levar al-
cipular vidas (Mt 28.18-20). Tinha mas aos pés de Cristo e acompa-
ainda como proposta estender o nhá-las. Por isso é fundamental,
trabalho de evangelização, disci- que o discipulador/cuidador leve
pulado, edificação e comunhão, o discípulo a aprender e viver em
já realizado na congregação local, toda a estrutura da visão celular,
para as casas dos irmãos através que será apresentada.
das células. Uma proposta bíblica,
pois quando lemos o livro de Atos 1. Células. Constituem a me-
dos Apóstolos, percebemos que a nor unidade da vida da Igreja,
obra de Deus era feita no templo funcionando em pequenos gru-
e também nas casas. As reuniões pos. Podem ser compostas por um
nas casas tinham a finalidade de líder (facilitador), um secretário e
ensinar e alcançar as pessoas lá demais membros (irmãos, irmãs
onde elas viviam no dia a dia. e descrentes), tendo um total de
quatro a quinze membros. As re-
3. Crescimento/alcance. uniões ocorrem semanalmente
Conforme os dados obtidos na para que os seus participantes se
Secretaria Geral da Igreja em edifiquem uns aos outros como
Manaus, após a implantação do membros do corpo de Cristo, e
projeto, o número de almas al- para anunciar o evangelho àque-
cançadas triplicou. O número de les que não conhecem a Jesus. O
pessoas batizadas antes das cé- objetivo de cada célula é multi-
lulas era de 3.500 a 4.000 e após, plicar-se à medida que o grupo
chegava a 10.000 batizados. Hou- cresce por meio do evangelismo
ve ainda um número grande de e discipulado e das conversões e
pessoas reconciliadas. O número batismos que se seguem (At 5. 42).

65
Lição 10 - Cuidando Uns dos Outros

2. Redes. É a reunião de to- ceberão as ministrações tenham


das as células de forma homo- suas vidas tocadas e mudadas
gênea, ou seja, rede exclusiva- por Deus (Ef 6.10-11). Entre os
mente de homens ou mulheres. principais encontros estão o En-
Ainda há a rede específica, no contro com Deus, Reencontro e
caso, redes de crianças, ado- Encontro de Líderes.
lescentes, jovens ou casais. E a
junção torna-se redes heterogê- 4. Escola de Líderes. É par-
neas. Assim como as células tra- te das etapas de treinamento. O
balham relacionamentos, a Rede discípulo já passou por todo o
tem o mesmo objetivo, contudo processo de consolidação, tendo
em grupo social de maior núme- acabado de voltar do Encontro
ro e as reuniões ocorrem den- com Deus. Assim, motivado a fa-
tro da Igreja local. Cada grupo é zer a obra de Deus, ingressará na
ministrado dentro de suas par- Escola de Líderes, onde aprende-
ticularidades. Desta forma há rá a teoria e a prática de um dis-
uma continuidade no processo cipulador e de um líder de célula.
de discipulado. Outro objetivo é O treinamento pode ocor-
a conversão de vidas, pois cada rer na própria Igreja local, com
membro das células tem o com- duração de até 10 meses. Uma
promisso de levar seus convida- das maiores preocupações de
dos (At 2.46-47). Cristo foi treinar e formar os
Seus discípulos para darem
3. Encontros. São retiros es- continuidade ao trabalho para
pirituais que ocorrem em épo- o qual o Pai O comissionou (Jo
cas específicas, como parte das 20.21). Este é o mesmo objetivo
etapas de Consolidação e Trei- da Escola de Líderes, que bus-
namento, ou seja, as pessoas ca formar vidas em princípios
que participam destes eventos, cristocêntricos, aperfeiçoando-
já passaram pela conversão e -as para o serviço do Mestre (Ef
estão em processo de discipula- 4.11-14). Sem a Escola de Líde-
do. Estes encontros não são de res não haverá liderança capa-
lazer, mas servem para buscar citada e capacitadora.
a Deus através de palestras, mi-
nistrações, louvores e oração. A 5. Aperfeiçoamento de Li-
equipe (pastores, evangelistas, derança. Consiste de uma célula
dirigentes, supervisores, líderes fechada, de líderes que se reú-
de células, entre outros) dedi- nem sob a direção de um líder
ca-se na realização do encontro principal (pastor da igreja, pastor
com estudos, jejum e oração, supervisor, pastor coordenador,
para que essas pessoas que re- pastor de área, dirigente, super-

66
Lição 10 - Cuidando Uns dos Outros

visor de célula, entre outros), classe de novos convertidos, serão


com os seguintes objetivos: pres- de grande auxílio no processo de
tação de contas, ensino bíblico, cuidado inicial.
comunhão e treinamento. É ho-
mogêneo, ou seja, as partes são 2. Cuidado intermediário.
todas da mesma natureza (sexo, Ocorre durante a etapa de trei-
faixa etária e função na igreja). namento. O cuidado com o irmão
não pode encerrar ao final do
III. CUIDANDO UNS DOS processo de consolidação, mas
OUTROS ATÉ JESUS deve continuar durante a fase de
VOLTAR treinamento.
Ao ingressar na Escola de Lí-
O sentimento e atitude de cui- deres, o novo irmão contará com
dado com o outro deve seguir em o acompanhamento de seu disci-
toda a caminhada cristã, pois mes- pulador e líder de célula. Na Es-
mo aqueles que já exercem uma li- cola de Líderes, o discípulo não
derança, por maior que seja, tam- aprenderá apenas teoria, mas
bém precisam de cuidados. também, prática. A experiência
prática será proporcionada pelo
1. Cuidado inicial. Ocorre discipulador e líder de célula,
durante a etapa de consolidação. que levarão o discípulo em suas
Quando uma pessoa aceita a Jesus visitas e consolidação a outros
como Salvador, alguém desenvol- novos crentes, evangelismos, e
verá o papel de pai ou mãe espi- terão oportunidades durante o
ritual do novo irmão, podendo ser encontro da célula para orar, mi-
aquele que já estava acompanhan- nistrar a palavra de boas-vindas,
do esta pessoa antes de sua con- ministrar louvores e até minis-
versão, pois o mesmo já construiu trar a mensagem da CEC. Este
um relacionamento de confiança envolvimento prático do discí-
e conhece os desafios que foram pulo pelo consolidador, também
enfrentados para conquistar esta deverá ocorrer em outras ativi-
pessoa para Cristo. Nesta etapa, a dades da Igreja, como cultos, re-
célula tem papel fundamental fun- des e encontros.
cionando como uma família, onde
juntamente com o consolidador, 3. Cuidado depois do treina-
todos cooperam no cuidado do mento. Aqui é importante enten-
novo crente. O livro “Sete Passos der que todos e todas precisam
Iniciais da Vida Cristã” para estu- de cuidados. Em nossa caminhada
dos entre o consolidador e o discí- com Cristo, precisamos ajudar e
pulo e o livro “Andando com Cris- ser ajudados. Assim, mesmo que o
to” para ser ministrado em uma discípulo seja enviado à frente de

67
Lição 10 - Cuidando Uns dos Outros

uma célula ou passe a exercer ou- por ela. Pergunte se ela tem algum
tra liderança, o mesmo ainda pre- pedido de oração; d) mantenha-se
cisará de cuidados, pois poderá na intercessão por essa pessoa; e)
haver momentos de dificuldades, semanalmente mantenha conta-
de tristezas e nestes momentos to com essa pessoa e pergunte se
é sempre importante o consoli- está tudo bem com ela e família; f)
dador estar próximo para orar e mantenha-se na intercessão e veja
aconselhar. É importante também Deus agindo através de você e na
afirmar que todos os líderes preci- vida dessa pessoa.
sam ser cuidados e ajudados, pois
os mesmos não estão isentos de
passar por problemas. APLICAÇÃO PESSOAL
A prática do cuidar: a) tire um
tempo para orar, se colocando A vida cristã precisa ser fun-
diante de Deus para cuidar de um damentada no “eu preciso de
membro da igreja; b) sob direção você”. Devemos declarar uns aos
do Espírito escolha uma pessoa outros a nossa incapacidade de li-
da igreja para orar por ela. Anote dar com os problemas, e reconhe-
o nome dela na ficha “Pessoas do cer que somos devedores uns aos
meu relacionamento ou ficha do outros do amor com que somos
meu Oikos”. Faça conforme pro- amados pelo Senhor (Estudo Cui-
cedimento descrito na ficha; c) dando uns dos outros da Editora
mantenha contato com a pessoa Cultura Cristã).
e informe que você está orando

RESPONDA
1) ) Qual o principal objetivo do Projeto Visão Celular para a IADAM?

_________________________________________________________________________

2) Explique o que é uma célula para a Visão Celular?

_________________________________________________________________________

3) Como bebês, os novos convertidos precisam receber inúmeros cuidados, fale sobre o
papel da célula nesse momento.

_________________________________________________________________________

68
LIÇÃO 11
UM LEGADO CENTENÁRIO DE
EDUCAÇÃO NO AMAZONAS
SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR
Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Entender que Ensinar é uma
Professor(a), esta lição traz das missões da igreja.
ensinamentos preciosos sobre • Assegurar que Jesus desempe-
a educação. Como a própria nhou seu ministério ensinando outros.
palavra sugere EDUCAR requer • Reconhecer a importância da
MOVIMENTO – AÇÃO – DINA- Escola Dominical para o cresci-
MISMO. É certo que a igreja tem mento espiritual.
contribuído com a expansão
do Reino de Deus em diversas
PARA COMEÇAR A AULA
áreas do conhecimento.
Assim sendo, prepare-se! A aula de hoje vem resgatar a
Questione seus(suas) alu- história da Escola Bíblica Domini-
nos(as) acerca dos valores cal. Há de se concordar que gera-
educacionais na atualidade e a ções, ao longo dos anos, têm sido
importância da igreja desem- edificadas através do ensino da
penhar seu papel em estimular Palavra de Deus nesta escola.
seus membros a se capacitarem E você professor(A), faz parte
profissionalmente para ocupa- desta história! Pesquise sobre o
rem lugares de destaque e de- Programa de Educação Cristã Con-
sempenharem funções específi- tinuada da Assembléia de Deus e,
cas na sociedade. com empolgação, mostre aos seus
Afinal, o conhecimento traz alunos que o nosso Deus tem dado
liberdade. a sua igreja estratégias de cresci-
mento através do ensino. Afinal,
Ele é o Mestre dos mestres.

RESPOSTAS DA PÁGINA 74
1) A Escola Bíblica Dominical (EBD) e o Programa de
PALAVRAS-CHAVE Educação Cristã Continuada (PECC).
Educação • Legado • EBD • PECC •
2) Projeto Conquista.
IEBN • IBADAM • FBN
3) Faculdade Boas Novas (FBN).

I
Lição 11 - Um Legado Centenário de Educação no Amazonas

LEITURA COMPLEMENTAR
Na história que vamos narrar, não são poucas as palavras às quais
queremos iluminar o sentido, principalmente quando as colocamos
pautadas naquilo que Deus diz, pois essas palavras tornam-se reais
naquilo que Ele faz.
Assim, palavras como gratidão, legado, mentalidade, teologia,
igreja, chamado, educação, comunicação, reforma, dentre outras,
são ressignificadas. Acreditando nessa premissa, nos sentimos na
responsabilidade de escrever a história da educação Assembleiana,
mesmo sabendo que, procurando contar a exatidão dos fatos, podere-
mos deixar escapar detalhes preciosos que, por sua vez, poderão ser
contados por outros que também tiveram o privilégio de participar
desta história tão especial na trajetória da maior igreja pentecostal
do Brasil, a Igreja Evangélica Assembléia de Deus. Se você é egresso
(ex-aluno) do Instituto Bíblico da Assembléia de Deus no Amazonas,
da Faculdade Boas Novas ou do Instituto de Educação Boas Novas,
poderá se descobrir nas páginas dessa lição, pelo simples fato de fa-
zer parte dessa construção.
Nos detalhes dessa caminhada, você poderá enxergar a si mesmo
andando por suas trilhas. Você poderá reconhecer a si mesmo em
cada linha e assim observar parte de sua vida educacional.
Temos a história de uma instituição inserida na educação cristã
e formal no contexto amazônico. Se você é um pastor, líder ou mem-
bro da igreja que comemora cem anos, essa lição poderá produzir um
sentimento de gratidão a Deus por saber que a IEADAM vem contri-
buindo com a expansão do Reino de Deus em diversas áreas do conhe-
cimento. Entendemos que registrar essa história, além de um dever,
é também uma prestação de contas à sociedade amazonense e, espe-
cialmente, aos membros da Assembléia de Deus.
O conhecimento traz liberdade!

Adaptação do texto contido no Livro: “Um Enigma de Deus: A história de um legado de


fé e educação” (LIMA, Maria José Costa. Manaus: Faculdade Boas Novas, 2015).

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 11 DEVOCIONAL DIÁRIO


Segunda - Tg 3.13-17
UM LEGADO O principio do saber
CENTENÁRIO DE Terça - Rm 1.19-20
O saber sobre Deus é mais importante
EDUCAÇÃO NO Quarta - Jó 28.28
Deus dá entendimento
AMAZONAS Quinta - Jo 8.32
A verdade liberta
Sexta - 1Co 3.10
O Senhor nas áreas do conhecimento
Texto Áureo Sábado - Cl 1.16-17
“Dá instrução ao sábio, e ele se O conhecimento é Dele, por Ele, para Ele
fará mais sábio ainda;
ensina ao justo, e ele crescerá em
prudência.” Pv 9.9
LEITURA BÍBLICA
Provérbios 9.9-12
9 Dá instrução ao sábio, e ele se fará
Verdade Prática mais sábio ainda; ensina ao justo, e
O conhecimento fundamenta as
verdades sobre Deus. ele crescerá em prudência.
10 O temor do Senhor é o princípio
da sabedoria, e o conhecimento do
Santo é prudência.
11 Porque por mim se multiplicam
os teus dias, e anos de vida se te
acrescentarão.
12 Se és sábio, para ti mesmo o és;
se és escarnecedor, tu só o supor-
tarás.

Hinos da Harpa: 259 – 306 – 360

69
Lição 11 - Um Legado Centenário de Educação no Amazonas

INTRODUÇÃO
UM LEGADO CENTENÁRIO
DE EDUCAÇÃO NO Ensinar é uma das missões da
AMAZONAS igreja. A igreja Assembléia de Deus
no Amazonas julgou ser o ensino
INTRODUÇÃO a ferramenta de excelente alcance,
por isso priorizou o ensino da Pa-
I. A ESCOLA BÍBLICA lavra de Deus na Escola Bíblica Do-
DOMINICAL, EBD minical e a capacitação ministerial
e profissional de seus membros
1. A EBD no Brasil Ne 8.1-9
por meio do Instituto Bíblico da As-
2. A EBD na Assembléia de Deus Sl 34.11 sembléia de Deus no Amazonas, do
3. Programa de Educação Cristã Instituto de Educação Boas Novas e
Continuada, PECC 1Co 3.5-10 da Faculdade Boas Novas.

II. O INSTITUTO DE EDUCAÇÃO I. A ESCOLA BÍBLICA


BOAS NOVAS, IEBN DOMINICAL, EBD
1. Projeto Conquista 1Jo 5.4
A EBD é o departamento da
2. Centro Educacional O Semeador igreja responsável pela educação
 Mt 13.8 cristã, com ênfase no ensino da Pa-
3. Contribuição Rm 8.37 lavra de Deus. No ano de 1780, na
Inglaterra, Robert Rikes realiza as
III. O INSTITUTO BÍBLICO DA primeiras aulas aos domingos pela
ASSEMBLÉIA DE DEUS NO manhã para crianças sobre leitura,
escrita, matemática e conhecimen-
AMAZONAS, IBADAM
tos religiosos, dando início à Escola
1. Um breve Histórico 1Co 2.9 Dominical, não no modelo que te-
2. Finalidade mos hoje, mas como escola de ins-
3. Uma ponte necessária trução popular gratuita. Em 1783
a Escola Dominical, após três anos
IV. FACULDADE BOAS NOVAS, FBN de experiência com 7 Escolas Do-
minicais e com 30 alunos em cada
1. A expressão de um legado 1Co 1.26 uma delas, passou das casas parti-
2. A primeira Faculdade culares para os templos.
Assembleiana
1. A EBD no Brasil. Em 1855 o
3. Lapidando lideranças Ef 4.1
casal missionário escocês Robert
e Sarah Kalley realizou a primeira
APLICAÇÃO PESSOAL
Escola Dominical para cinco crian-
ças, em sua residência na cidade de

70
Lição 11 - Um Legado Centenário de Educação no Amazonas

Petrópolis, no Rio de Janeiro. Essa ro CAPED foi realizado em 1977 e o


reunião com poucos participantes segundo em 1997. As primeiras re-
foi suficiente para que esse traba- vistas disponíveis para o publico in-
lho crescesse. Antes de 1855 hou- fanto-juvenil, em 1981, foram: Minha
veram reuniões da EBD no Brasil, Revistinha (4-5 anos), Amigos de Je-
porém de caráter interno e no idio- sus (6-8 anos) e Estudando a Bíblia
ma inglês, entre os protestantes (9-11anos). A AD preocupada com
norte-americanos. No Brasil a EBD o ensino bíblico para as crianças,
cresceu porque atendeu as neces- realizou a primeira Escola Bíblica de
sidades sociais da população local. Férias (EBF) em 1976, organizada
pelos seminaristas do IBAD Samuel
2. A EBD na Assembléia de Câmara, Sady Caldas, Alberízia Perei-
Deus. Dois meses após a fundação ra, Mirian Muniz e Cecília Calper. No
da AD no Brasil, em 1911, a primeira Amazonas, atualmente são 45.670
aula de estudos dominicais, é reali- alunos que frequentam a EBD.
zada na casa do irmão José Batista
Carvalho, na Av. São Jerônimo, em 3. Programa de Educação
Belém, PA. Em 1919 começaram a Cristã Continuada, PECC. O PECC
circular como suplementos do Jornal tem como objetivo fortalecer a edu-
Boa Semente em Belém, PA, os cha- cação cristã na AD no Amazonas e
mados Estudos Dominicais, o em- por todo o Brasil, por meio de um
brião das Lições Bíblicas. Somente programa consistente que integre
em 1930 é lançada a revista Lições os níveis de educação já existentes
Bíblicas para Jovens e Adultos, ini- visando a formação superior de
cialmente comentada pelos missio- seus líderes e membros; formação
nários suecos Samuel Nyström e Nils continuada do professor da EBD;
Kastberg. Nos seus primeiros anos munir os membros da igreja com
era trimestral e depois passou a ser base bíblica e teológica; capaci-
semestral devido os poucos recursos tar obreiros para a obra de Deus;
e a escassez de transporte. prestar serviço de orientação edu-
O ensino para as crianças era a cacional à igreja. O PECC articula
leitura de um versículo bíblico e vá- educação cristã e educação formal,
rios corinhos. Em 1970 acentuou-se viabilizando ao estudante da EBD a
a necessidade de novas revistas para oportunidade de chegar à faculdade
a EBD, conforme as faixas etárias, e cursar Teologia em nível superior.
além da preocupação com a forma- A formatura da primeira turma do
ção dos professores. Em 1974 o Cur- PECC foi em 24 de agosto de 2015
so de Aperfeiçoamento de Professo- no Auditório Canaã. Foram 10 mil
res da Escola Dominical (CAPED) foi alunos, que receberam seus certifi-
criado, visava capacitar os professo- cados do curso básico em teologia,
res da EBD. No Amazonas o primei- formados na EBD.

71
Lição 11 - Um Legado Centenário de Educação no Amazonas

II. O INSTITUTO DE Ensino Fundamental. Em 1999, O


EDUCAÇÃO BOAS Centro Educacional foi transferido
NOVAS, IEBN para um novo prédio, no Aleixo, em
Manaus, e passa a funcionar sob um
O IEBN oferece um ensino cris- novo nome: Instituto de Educação
tão desde a base infantil, passando Boas Novas – IEBN, mantendo suas
pela educação fundamental, mé- atividades no local até os dias atuais.
dia até chegar ao ensino superior.
É um projeto que possibilita que 3. Contribuição. O Instituto
as crianças encontrem a perfeita de Educação Boas Novas (IEBN)
parceria entre teoria e prática em surgiu no panorama educacional
todas as disciplinas escolares. prioritariamente com os objetivos
de contribuir para a formação de
1. Projeto Conquista. A igre- homens e mulheres com princí-
ja não estava preocupada somen- pios bíblicos cristãos e colaborar
te com a formação cristã de seus com as autoridades educacionais
membros, mas com a formação pro- da cidade de Manaus.
fissional. Em 1981 a igreja fundou a
escola Ovelhinhas de Jesus, que ofe- III. O INSTITUTO BÍBLICO
recia aulas de alfabetização e refor- DA ASSEMBLÉIA DE DEUS
ço para crianças. A Profª era a imã NO AMAZONAS, IBADAM
Alberízia Pereira. A escola abrangia
somente as séries iniciais e funcio- O IBADAM visa desenvolver o
nava na sala de oração, do Templo preparo cultural de seus alunos,
Central. Os adultos também tinham baseado nas Leis que regem o en-
sua oportunidade através do proje- sino no país, bem como o ensino
to de Educação de Jovens e Adultos, religioso, alicerçado na Doutrina
que utilizava a TV e um livro como Bíblica Sistemática Cristã Evangé-
veículos. A transmissão das aulas lica, ensinada pela AD aos candi-
em forma de novela foi denominada datos ao Ministério da igreja e de
Projeto Conquista. outras igrejas.

2. Centro Educacional O Se- 1. Um breve Histórico. A volta


meador. Em 1993, funda-se o Cen- do Pr. Samuel Câmara para o Ama-
tro Educacional O Semeador, cujas zonas, após concluir o seu curso de
instalações foram estabelecidas no Teologia no IBAD, faria toda a dife-
Complexo Canaã. Sob a coordena- rença, posto que ocasionou a inspi-
ção das professoras Lindomar Lins ração necessária para a criação do
e Aurenice Fernandes, a escolinha IBADAM, fundado no ano de 1979,
oferecia alfabetização de crianças com sede no Templo Central da
de até 6 anos e de 1ª à 4ª séries do IEADAM em Manaus, transferindo-

72
Lição 11 - Um Legado Centenário de Educação no Amazonas

-se, em 1992, para o Complexo Ca- isto quer dizer que o IBADAM foi
naã. Sua fundação foi na gestão do a ponte entre a Escola Bíblica Do-
Pr. Alcebíades Vasconcelos, tendo minical e a Faculdade, uma peça
como primeiro Diretor Pr. Samuel fundamental do PECC, dando se-
Câmara; por conseguinte vieram os guimento a formação Teológica
Pastores Edson Alves, Jônatas Câ- do(da)aluno(a) em nível superior.
mara, Cláudio Rogério dos Santos e
na atualidade o Pr. Edivaldo Lima. IV. A FACULDADE BOAS
NOVAS, FBN
2. Finalidade. Formar obreiros
fortes para os desafios dos campos A IEADAM preocupada com a
missionários. Os Cursos de Bacha- formação científica e tecnológica e
relado em Teologia, em nível funda- com o conhecimento teológico in-
mental e em nível médio, estiveram centivou a criação de uma faculda-
em pleno funcionamento até dezem- de que em sua missão exercesse a
bro de 2002, quando a última tur- justiça, a solidariedade, o diálogo
ma colou grau. Ainda em fevereiro e a cidadania.
de 2002, Instituto iniciou uma nova
modalidade de Ensino, voltado para 1. A expressão de um legado.
a formação da liderança que esta- No ano de 2002, a atual diretora ge-
riam engajados no projeto “Visão Ce- ral da Faculdade Boas Novas, Maria
lular” da IEADAM. Essa modalidade José Lima, em seu discurso proferi-
recebeu o nome de Curso de Forma- do no auditório Canaã, por ocasião
ção Ministerial. Atualmente, o IBA- da formatura da última turma de
DAM comporta o Nível 2 do PECC, formação ministerial do IBADAM,
como um curso Médio em Teologia, afirmou que: “só faremos a diferen-
recebendo os egressos da EBD que ça na sociedade, quando estivermos
concluíram o Nível 1 (Básico em Teo- atuando nas escolas, nas igrejas, nas
logia). Conta-se hoje com aproxima- comunidades, nos órgãos públicos,
damente 3 mil egressos, a maioria como profissionais reconhecidos e
servindo à Igreja em Manaus, nos preparados [...] que pra nós, pente-
municípios do Amazonas, em diver- costais, Assembleianos, seria inédi-
sos estados do Brasil e, alguns, em to”. É nesse momento que surge um
outros países, como missionários. novo projeto de educação da IEA-
DAM: o Ensino Superior, a expressão
3. Uma ponte necessária. O de um legado educacional e cristão.
IBADAM foi a ponte necessária e
decisiva para a educação teológica 2. A primeira Faculdade As-
no Amazonas, é a base na qual se sembleiana. O IBADAM enquan-
fundamentou todo o processo de to Curso Livre de Teologia, preci-
criação da Faculdade Boas Novas, sou submeter-se a legislação da

73
Lição 11 - Um Legado Centenário de Educação no Amazonas

educação superior, para que, em os líderes da igreja. Esse pensamen-


2005, recebesse status acadêmico to deu origem ao jargão religioso
e viesse a se tornar anti-intelectual: “Deus não escolhe
uma academia. A visita do Mi- os capacitados, antes, capacita os
nistério da Educação(MEC)ocorreu escolhidos”. No contexto brasileiro
em dezembro de 2004 e em janeiro a AD no Amazonas merece desta-
de 2005, saiu a publicação no Diá- que por ter valorizado não somente
rio Oficial da União o credenciado o chamado, mas se preocupou em
da Faculdade Boas Novas. Nasceu a capacitar pessoas para a obra do Se-
primeira Faculdade da Assembléia nhor e para o trabalho secular, pois
de Deus no Estado do Amazonas. através da capacitação profissional,
Concretizou-se o sonho. Saímos o trabalhador adquire melhores
da condição de Curso Livre para técnicas de ação e conhecimento no
uma instituição de Ensino Superior âmbito pedagógico, administrativo,
(IES). A aula inaugural foi no dia 7 jornalístico e teológico.
de março de 2005, evento que co-
roou aquele início.
APLICAÇÃO PESSOAL
3. Lapidando lideranças. Du-
rante o crescimento e avanço da AD A formação continuada tem
no Brasil, a educação teológica e a sido considerada como algo fun-
implantação de seminários e Insti- damental, tirando-nos do velho
tutos Bíblicos foi pauta de vários de- estigma de que “crente não gosta
bates. O ambiente era hostil às pro- de estudar”.
postas de formação teológica para

RESPONDA
1) Qual é o departamento da igreja responsável pela educação cristã?

______________________________________________________________________

2) Qual foi o projeto da igreja que deu origem ao Instituto de Educação Boas Novas
(IEBN)?

______________________________________________________________________

3) Como se chama a primeira Faculdade Assembleiana Brasielira?

______________________________________________________________________

74
LIÇÃO 12
CIDADANIA E CONSCIÊNCIA
POLÍTICA
SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR
Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Mostrar a importância do
Prezado (a) professor (a) o con- exercício da cidadania.
teúdo desta lição tem importância • Identificar a influência parlamen-
fundamental na compreensão dos tar nas conquistas e expansão da igreja.
direitos e deveres e do exercício da • Informar a posição estratégi-
cidadania. Portanto leve para sala ca de sentinela dos missionários
de aula recortes de jornais das ações parlamentares.
parlamentares realizadas pelos mis-
sionários da igreja, cópias de artigos PARA COMEÇAR A AULA
da constituição federal onde defende
os direitos da sociedade religiosa. Promova o melhor ambiente em
sua aula, envolva seus alunos com o
Convide os alunos a refletir na si-
tema em pauta desta lição, busque
tuação moral e política em que se en-
interação nos assuntos abordados,
contra o país, informe que o cristão
verifique o nível de comprometi-
não vive isolado da sociedade, pelo
mento de seus alunos com o exer-
contrário, temos a responsabilidade
cício da cidadania e mostre a eles
de influir os princípios e valores cris- a importância de exercermos nossa
tãos em nossa sociedade, agindo as- missão de cidadãos do Reino, exce-
sim, estaremos implantando o reino lente aula a todos!
de Deus em nossa sociedade.
Por fim mostre a seus alunos RESPOSTAS DA PÁGINA 80
a importância e a influencia da re- 1) Deveres: votar e ser votado, cumprir as leis, proteger
a natureza, proteger o patrimônio público e educar e pro-
presentatividade da igreja nas ins- teger seus semelhantes. Direitos: direito à saúde, edu-
tancias governamentais e acima de cação, moradia trabalho previdência social, lazer, respeito
tudo busque respaldar seu discurso na sua fé, seu pensamento e sua ação na sociedade.
2) Uma pessoa com consciência política é aquela que
com referencias bíblicas. consegue compreender seu verdadeiro papel na socie-
dade. A mesma tem a capacidade de pensar e buscar
soluções diante dos problemas que regem em nossa so-
ciedade e assim também mudar o desempenho da políti-
PALAVRAS-CHAVE ca em nosso país.
Cidadania • Missão Parlamentar • 3) Benefícios no avanço do trabalho missionário no mun-
Consciência Política do; o avanço da Rede Boas Novas em grande parte do
País; e a realização de ação social em vários bairros car-
entes de Manaus.
I
Lição 12 - Cidadania e Consciência Política

LEITURA COMPLEMENTAR

Muitos cristãos imaginam que não podem e nem devem buscar


uma consciência política; que todo e qualquer pensamento político é
ruim e significa ausência de espiritualidade; que pelo fato de serem
cristãos devem buscar apenas o sobrenatural, deixando as coisas na-
turais para os não-cristãos.
Mas devemos refletir sobre a nossa posição aqui na terra: ainda
não fomos glorificados, não fomos morar no céu. Ainda estamos na
terra e precisamos ter a consciência das coisas que acontecem aqui.
Não devemos pensar que o posicionamento do cristão diante da po-
lítica deve ser desinteressado ou displicente.
O cristão deve, pelo contrário, estar atento a todas as questões
políticas do seu país e mais do que isso: a ordem de Pedro para
os cristãos é: “Sujeitai-vos a toda instituição humana por causa do
Senhor”. Pedro não está dizendo que os cristãos devem se colocar
acima delas como se fossem melhores ou como se soubessem mais
do que elas, nem se rebelar contra as autoridades quando senti-
rem que elas estão tomando atitudes erradas ou difamar e criticar
as instituições humanas por causa dos seus erros. Há muitos que
diante das situações da vida conclamam as pessoas à rebelião: di-
zem que as pessoas precisam pegar em armas e usurpar o poder
do tirano explorador, propondo uma revolta em massa contra as
autoridades instituídas.
Outros levantam a sua voz para falar mal do governo ou para cri-
ticar os governantes, e levantam difamações ou criam boatos para
desestabilizar sua administração.

Site: A Bíblia e a Consciência Política. (Disponível em: http://conscienciapoliticapm-


bm.blogspot.com.br/2012/04/consciencia-politica-na-biblia.html) (Texto adaptado).

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 12 DEVOCIONAL DIÁRIO


Segunda – Lv 19.15
CIDADANIA E Justiça
Terça – Tt 3.1
CONSCIÊNCIA Respeito às autoridades
Quarta – 1Sm 8.5-22
POLÍTICA Os direitos do governante
Quinta – Is 10. 1,2
Leis justas
Sexta – 2Sm 10.12
Texto Áureo
“Antes de tudo, recomento que se Patriotismo
façam súplicas, orações, intercessões Sábado – Ed 7.26
e ações por todos os homens; pelos Os deveres civis
reis e por todos os que exercem
autoridade, para que tenhamos uma
vida tranquila e pacífica, com toda LEITURA BÍBLICA
piedade e dignidade.” 1Tm 2.1,2
1Timóteo 2.1-5
1 Antes de tudo, pois, exorto que
Verdade Prática se use a prática de súplicas, ora-
O cristão deve estar atento a ções, intercessões, ações de gra-
todas as questões políticas do ças, em favor de todos os homens,
seu país, pois a sua cidadania 2 em favor dos reis e de todos os
celeste reflete a sua cidadania que se acham investidos de autori-
terrena. dade, para que vivamos vida tran-
quila e mansa, com toda piedade e
respeito.
3 Isto é bom e aceitável diante de
Deus, nosso Salvador,
4 o qual deseja que todos os ho-
mens sejam salvos e cheguem ao
pleno conhecimento da verdade.
5 Porquanto há um só Deus e um
só Mediador entre Deus e os ho-
mens, Cristo Jesus, homem,

Hinos da Harpa: 142 – 355 - 600

75
Lição 12 - Cidadania e Consciência Política

INTRODUÇÃO
CIDADANIA E
CONSCIÊNCIA POLÍTICA Nesta lição estudaremos ques-
tões relacionadas à política, refle-
INTRODUÇÃO tindo sobre nosso envolvimento
como cidadãos em questões polí-
I. CIDADANIA ticas. Veremos ainda, como e por
1. O que é cidadania que a Assembléia de Deus no Ama-
2. Ser cidadão zonas passou a interagir na políti-
ca institucional, trazendo muitos
3. Fé cidadã
benefícios à Igreja e à Sociedade.
II. CONSCIÊNCIA POLÍTICA E
I. CIDADANIA
DEMOCRACIA
1. Consciência política 1. O que é cidadania. A cida-
2. Missão de educar para a dania pode ser entendida como a
consciência política prática que reflete a relação das
3. Democracia pessoas com o Estado e com a Na-
ção. Esta prática se dá a partir de
III. PROJETO MISSIONÁRIO um conjunto de direitos e deveres
PARLAMENTAR DA IGREJA civis, políticos e sociais exercidos
por um indivíduo em seu País. Ela
1. História
será bem trabalhada se estes di-
2. Um projeto comprometido reitos e deveres andarem sempre
com o Reino juntos e o respeito e cumprimento
3. Um projeto que visa a cidadania de ambos contribuírem para uma
sociedade mais equilibrada e justa.
APLICAÇÃO PESSOAL
2. Quem é o cidadão. O cida-
dão é aquele que tem consciência
de seus direitos e deveres e que a
partir deste conhecimento, procu-
ra na medida do possível garantir
que sejam colocados em prática.
Tratando-se de nossa nação bra-
sileira, nossos direitos e deveres
estão registrados em um docu-
mento chamado Constituição da
República Federativa do Brasil.
Entre alguns deveres do cidadão
podem ser citados os seguintes:

76
Lição 12 - Cidadania e Consciência Política

votar e ser votado, cumprir as deiro papel na sociedade. A mesma


leis, proteger a natureza, proteger tem a capacidade de pensar e bus-
o patrimônio público e educar e car soluções diante dos problemas
proteger seus semelhantes. Entre que regem em nossa sociedade e
os direitos, podem ser citados os assim também mudar o desempe-
seguintes: direito à saúde, educa- nho da política em nosso país.
ção, moradia trabalho previdência
social, lazer, respeito na sua fé, seu 2. Missão de educar para a
pensamento e sua ação na socie- consciência política. É importan-
dade (Is 1.16-17). te que a Igreja promova uma edu-
cação que leve seus congregados à
3. Fé cidadã. Cientes de nossos consciência política. É um desafio,
direitos e deveres como cidadãos principalmente quando nos depa-
brasileiros, como cristãos, deve- ramos com os seguintes jargões:
mos estar compromissados com “política não é coisa para crente”
nossa história concreta, com os fa- ou “religião e política não se mis-
tos que ocorrem em nosso cotidia- turam”. Ignorar a política em uma
no, com nosso Amazonas e nossa sociedade democrática é um ato
nação brasileira. A Igreja não pode de irresponsabilidade. Como afir-
estar neutra e indiferente diante mou o poeta Bertholt Brecht, que
dos problemas sociais que nosso o pior analfabeto é o analfabeto
país tem passado. O chamado de político, ele não ouve, não fala,
Jesus para todo cristão é ser agen- nem participa dos acontecimentos
te de Deus não apenas no contexto políticos, pois não sabe que da sua
espiritual, mas também no contex- ignorância política nasce a prosti-
to social. Devemos ser sal e luz no tuta, o menor abandonado e que,
mundo, influenciando com boas o custo da vida, dos alimentos, da
obras todas as esferas da socieda- roupa e do remédio dependem
de, o que inclui o governo e a polí- das decisões políticas.
tica (Mt 5.13-16). .
3. Democracia. A palavra de-
II. CONSCIÊNCIA POLÍTICA mocracia vem de duas palavras
E DEMOCRACIA gregas: demos (povo) e kratos (po-
der). Dessa forma, a mesma pode
1. Consciência política. É a ca- ser entendida como um regime de
pacidade de refletir sobre a política governo onde o povo (cidadão) é
e seus rumos. Esta reflexão torna- quem deve tomar as decisões po-
-se mais produtiva, quando feita líticas e de poder. Em nossa nação
em comunidade. Uma pessoa com brasileira funciona a democracia
consciência política é aquela que representativa, onde o povo es-
consegue compreender seu verda- colhe os seus representantes por

77
Lição 12 - Cidadania e Consciência Política

meio do voto. Os mesmos irão to- nário Político da Assembléia de


mar as decisões em nome do povo Deus no Amazonas), tendo como
que o elegeu. líder da comissão política o pas-
tor Moisés Mota com uma equi-
III. PROJETO MISSIONÁRIO pe, assumindo posteriormente o
PARLAMENTAR DA IGREJA pastor Raimundo Chagas.
A Igreja conseguiu em um
1. História. Na época do pas- primeiro momento eleger para
tor Alcebíades Vasconcelos alguns vereadores os irmãos Amauri Co-
irmãos já eram envolvidos com lares, Coronel Vicente, Wander-
a política. Como o irmão Walter lei Dallas e Joel Silva. Em seguida
Freitas, que em 1975 foi o primei- conseguiu eleger para Deputados
ro irmão da IEADAM a ser eleito Estaduais os irmãos Wanderlei
vereador e o irmão José Fernan- Dallas e Francisco Souza e tam-
des, que chegou a ser prefeito de bém elegeu um Deputado Federal,
Manaus (1978-1982). Porém foi o pastor Silas Câmara, vale salien-
com o pastor Samuel Câmara que tar que na época muitos pensavam
um projeto político foi consolida- não ser possível a IEADAM eleger
do. Haviam leis que entravavam os um Deputado Federal.
projetos da Igreja e impediam seu A partir de então, houve uma
avanço. mudança na forma de fazer polí-
A IEADAM precisava progre- tica no Amazonas, com um estilo
dir em seus projetos para o cres- cristão. Atualmente estão como
cimento do Reino de Deus, como vereadores os pastores Amauri
a evangelização, a expansão da Colares, Joelson Silva e Roberto
RBN, projetos de educação, justi- Sabino; como Deputado Estadual o
ça social, entre outros, que só se- pastor Mário Bastos e como Depu-
riam possíveis se a Igreja tivesse tado Federal o pastor Silas Câma-
representante, pois como já in- ra. Hoje a Igreja conta ainda com
formado acima, na democracia representantes nas secretarias es-
do Brasil só tem voz e vez quem taduais, como a irmã Vânia Suely
tem representatividade política. (Secretaria dos Direitos da Pessoa
Era importante a criação de um com Deficiência), a irmã Oreni
projeto que levasse a IEADAM Braga (Secretaria do Turismo) e o
onde ela não poderia chegar sem pastor Dan Câmara (Secretaria de
representantes políticos. Foi Segurança para Grandes Eventos).
desta necessidade, que se criou
o DEPADAM (Departamento Po- 2. Um projeto comprometi-
lítico da Assembléia de Deus) do com o Reino. Dentro das prer-
alterado em seguida para DEM- rogativas constitucionais de um
PADAM (Departamento Missio- parlamentar brasileiro, está o de

78
Lição 12 - Cidadania e Consciência Política

elaborar leis, elaborar o orçamen- síveis, como o avanço da Rede


to municipal, estadual e federal, Boas Novas em grande parte do
fiscalizar o executivo e defender país, alcançando hoje cerca de
junto às autarquias pertinentes os cem milhões de brasileiros. Tem
interesses da população que ele sido um braço amigo junto à
representa. Fundação Boas Novas, ajudando
Por isso, durante todo o perío- com ações sociais. Não podemos
do em que o DEMPADAM existe, deixar de falar que o Deputado e
houve um trabalho de monitora- Pastor Silas Câmara abraçou pes-
mento e vigilância, acompanhan- soalmente o projeto de criação e
do a elaboração das leis e a não credenciamento da Faculdade
aprovação das mesmas, que po- Boas Novas, abrindo as portas de
deriam ferir a família, a liberda- seu gabinete em Brasília, apoian-
de de culto, a isenção tributária do nos trâmites legais junto ao
das igrejas, a liberdade do traba- MEC. Enfim, o assunto é longo,
lho institucional e liberdade de que caberia em uma revista in-
expressão. teira da EBD, para falar sobre os
Houve ainda benefícios para muitos benefícios que o DEM-
a atividade missionária no Brasil PADAM trouxe para a IEADAM e
e no mundo, como Moçambique, para toda a sociedade.
Timor-Leste, Angola, Cabo Verde, Os nossos irmãos parlamenta-
onde o Dep. Silas Câmara teve a res estão lá no meio político, vi-
oportunidade de explicar às lide- gilantes como o profeta Daniel e
ranças políticas destas nações a como a rainha Ester, que além de
importância de nossos missioná- orar, estavam atentos às leis in-
rios estarem levando o Evangelho justas, que visavam acabar com o
em seus países. Algumas destas povo de Deus e prejudicar a socie-
nações tentavam fechar as portas dade da época (Et 4.13-14).
para missões, havendo a necessi-
dade de intervenções de nossos 3. Um projeto que visa a ci-
parlamentares pelas vias de seus dadania. Sob a coordenação do
mandatos. Dep. Federal Silas Câmara junta-
A ação parlamentar junto mente com os outros irmãos par-
aos pastores dos municípios do lamentares, houve investimentos
Estado tornou possível o avan- que geraram emprego, renda e
ço da Igreja em locais isolados e bem estar social a toda a popula-
estruturação onde já existia um ção. Já realizaram ação social em
trabalho. Os missionários políti- vários bairros carentes de Ma-
cos da IEADAM têm lutado para naus, oferecendo serviços como
que muitos projetos de expansão entrega de cestas básicas, emis-
do Reino de Deus fossem pos- são de documentos, bolsa família,

79
Lição 12 - Cidadania e Consciência Política

atendimento jurídico, psicológico ca a reconquista do Seguro Defe-


e ambulatorial. Através de emen- so, que é um seguro destinado
das, requerimentos e outras ações aos pescadores em um período
diretas de nossos parlamentares, onde o mesmo é proibido de pes-
houve investimentos feitos atra- car (período defeso), ficando as-
vés de liberação de recursos para sim, sem meios de sustento. O es-
a saúde em todos os municípios, paço é pouco para falar de várias
como exemplo na cidade de Ma- outras ações realizadas através
naus, o hospital do sangue e mui- de nossos parlamentares, trazen-
tas Unidades Básicas de Saúde re- do benefícios à nossa sociedade
ceberam equipamentos. como um todo, produzindo justi-
Nos municípios do Estado, ça social. (Pv 29.2).
ocorreram diversas mobilidades,
desde a criação de praças de ali-
mentação, fábricas de gelo, ruas APLICAÇÃO PESSOAL
asfaltadas, contenção de encos-
tas, entre outros. Com a ação di- É importante que cada mem-
reta do Dep. Federal Silas Câmara bro da Igreja reconheça sua mis-
em Brasília foi possível a primei- são como cidadão nesta socieda-
ra prorrogação para mais 13 anos de. A Igreja não chegaria onde
e depois a segunda prorrogação está sem seus representantes
para mais 50 anos da Zona Franca parlamentares.
de Manaus e ainda na área da pes-

RESPONDA
1) Cite alguns direitos e deveres do cidadão brasileiro.

______________________________________________________________________

2) Defina quem é a pessoa que tem consciência política.

______________________________________________________________________

3) Descreva três benefícios que o Projeto Missionário Parlamentar trouxe à Igreja e à


Sociedade.

______________________________________________________________________

80
LIÇÃO 13
Lição 13 - "Até que Ele Venha": Os Novos Desafios Para Obra do Senhor no Amazonas
“ATÉ QUE ELE VENHA”: OS NOVOS
DESAFIOS PARA OBRA DO
SENHOR NO AMAZONAS
SUPLEMENTO EXCLUSIVO DO PROFESSOR
Afora o suplemento do professor, todo o conteúdo de cada lição
é igual para alunos e mestres, inclusive o número da página.

ORIENTAÇÃO OBJETIVOS
PEDAGÓGICA
• Destacar que devemos conti-
Estimado professor (a) che- nuar nossa missão em cumprir o
gamos ao final da série de 13 “Ide” de Jesus.
lições que abordaram, de forma • Entender a nossa total depen-
dência do Senhor ao ministrar a
simples e inteligente, a histó-
palavra de Deus.
ria centenária da Assembléia de
• Compreender que os desa-
Deus no Amazonas. fios continuam, mas em Cristo, so-
Uma boa estratégia de ensino mos mais que vencedores.
é apresentar os temas estudados
(em cartazes, projeção ou até
mesmo relacionados no quadro, PARA COMEÇAR A AULA
segundo sua realidade) e desa-
Professor, leve para sua aula
fiar seus alunos a compartilha-
papéis e pincéis. Distribua para
rem do aprendizado sobre os seus alunos e solicite que ele (a)
principais assuntos. escreva a palavra DESAFIOS.
Lembre-se que todos nós es- Você se surpreenderá ao
tamos fazendo história! AVANTE! ouvir os testemunhos de supe-
Eis a ordem! O Senhor da seara ração. Deixe claro que a igreja
está conosco, não temos o que também enfrenta desafios e que
o Senhor conta conosco para a
temer.
missão dos últimos dias.
Vamos fazer a obra do Mes- JESUS ESTÁ VOLTANDO.
tre... “até que Ele venha”.

RESPOSTAS DA PÁGINA 86
1) Deputado federal, deputado estadual e
vereador.
PALAVRAS-CHAVE 2) Ciências Teológicas, Pedagogia, Adminis-
Desafios • Ação • Visão • Futuro tração, Jornalismo e Publicidade e Propaganda.
3) 24 anos.

I
Lição 13 - "Até que Ele Venha": Os Novos Desafios Para Obra do Senhor no Amazonas

LEITURA COMPLEMENTAR
Tendo em vista que, se mudarmos o nosso modo de ver o mun-
do, uma verdadeira reforma na mentalidade da Igreja trará frutos
que não podem ser previstos. Esse impacto pode ser produzido pela
Cultura de Cristo no mundo [...] Portanto, eles entrarão nos diver-
sos espaços da sociedade cônscios de quê, como representantes do
Reino de Deus na terra, precisarão dominar sua linguagem, seus
princípios e seus valores, de tal forma que estes serão a força que
os motivará a atuarem neste mundo como cérebros pensantes, inte-
ligentes, não apenas como religiosos.
Uma cosmovisão poderosa que afetará todas as áreas de sua
vida. É claro que nem todos os jovens cristãos necessariamente
serão teólogos de formação. Mas, em cada profissão escolhida por
eles, serão capazes de levar o conhecimento substancial da Teolo-
gia Bíblica, que será o diferencial na atuação de cada um deles em
suas profissões.
Serão advogados, médicos, engenheiros, administradores, jorna-
listas, pedagogos, psicólogos, historiadores, sociólogos, matemáti-
cos, físicos, profissionais liberais, enfim, convictos de quem são em
Cristo, fazendo tudo para a Glória de Deus! [...] É sob esta inspira-
ção que nos movemos como Igreja e, imbuídos de tal responsabili-
dade, transmitimos às nossas famílias essa visão de mundo.
Não podemos nos dar ao luxo de viver a vida cristã isolados das
questões vitais do século XXI. Isto requer mais que apenas o enten-
dimento ou domínio teórico sobre o assunto é necessário o envol-
vimento prático, desmontado indubitavelmente pelos projetos que
a IEADAM tem empreendido nos últimos 40 anos, especialmente o
Projeto de Educação.

Adaptação do texto contido no Livro: “Um enigma de Deus: Um legado de fé e


educação” (LIMA, Maria José Costa. Manaus: Faculdade Boas Novas, 2015).

II
Estudada em ___/___/____

LIÇÃO 13 DEVOCIONAL DIÁRIO


“ATÉ QUE ELE Segunda - Pv 16.3
Consagrar tudo que temos a Deus
VENHA”: OS NOVOS Terça - 1Co 10.31
DESAFIOS PARA Tudo para a Glória de Deus
Quarta - 2Co 9.8
OBRA DO SENHOR O Poder e Generosidade de Deus
Quinta - Ef 2.10
NO AMAZONAS Criados para boas obras
Sexta - Cl 3.23
Fazendo para Deus, fazendo de coração
Texto Áureo Sábado - 2Tm 2.15
“Portanto, meus amados irmãos, O obreiro aprovado
sede firmes, inabaláveis e sempre
abundantes na obra do Senhor,
sabendo que, no Senhor, o vosso LEITURA BÍBLICA
trabalho não é vão.” 1Co 15.58
2Coríntios 2.9-12
9 E foi por isso também que vos
escrevi, para ter prova de que, em
Verdade Prática tudo, sois obedientes.
Fé e ação até a volta de Jesus. 10 A quem perdoais alguma coisa,
também eu perdoo; porque, de fato,
o que tenho perdoado (se alguma
coisa tenho perdoado), por causa de
vós o fiz na presença de Cristo;
11 para que Satanás não alcance
vantagem sobre nós, pois não lhe
ignoramos os desígnios.
12 Ora, quando cheguei a Trôade
para pregar o evangelho de Cristo,
e uma porta se me abriu no Senhor.

Hinos da Harpa: 115 – 144 – 409

81
Lição 13 - "Até que Ele Venha": Os Novos Desafios Para Obra do Senhor no Amazonas

INTRODUÇÃO
“ATÉ QUE ELE VENHA”:
OS NOVOS DESAFIOS As Escrituras afirmam “o cora-
PARA OBRA DO SENHOR ção do homem pode fazer planos,
NO AMAZONAS mas a resposta certa dos lábios vem
do Senhor” Pv 16.1, isso não signi-
INTRODUÇÃO fica que não possamos planejar ou
nos organizar, mas sim que, nossos
I. DESAFIOS NA EDUCAÇÃO objetivos devem ser claros e apre-
1. Educação Secular Pv 22.6 sentados à Deus, pois Dele, vem a
resposta e certamente fará muito
2. Educação Teológica 2Tm 2.15
mais daquilo que pedimos ou pen-
3. Igreja, academia e sociedade Rm 12.2 samos, Ef 3.20. Enfim, a IEADAM
tem conhecimento disso e sempre
II. DESAFIOS POLÍTICOS E organizou-se pensando na glorifi-
SOCIAIS cação do nome de Jesus e na pro-
1. Potencialização do Projeto Político moção do Reino de Deus. Veremos
 1Tm 2.1,2 nesta lição as prospectivas da Igreja
para o seu próximo centenário.
2. Conscientização da cidadania
cristã At 2.47 I. DESAFIOS NA
3. Avanço na ação midiática 1Co 9.16 EDUCAÇÃO
III. DESAFIOS NA MISSÃO 1. Educação Secular. Como vi-
1. Fortalecimento da visão celular mos na lição 11, ensinar é uma das
 At 5.42 missões da Assembléia de Deus no
Amazonas. É pensando na educa-
2. Evangelização no interior e na ção como instrumento de liberta-
capital At 1.8 ção que a IEADAM consolidou-se
3. Novos rumos na missão At 13.1 como uma agência educadora, seja
por intermédio da educação secu-
APLICAÇÃO PESSOAL lar (básica e fundamental) com o
IEBN ou com o ensino superior na
FBN nos cursos de Ciências Teoló-
gicas, Pedagogia, Administração,
Jornalismo e Publicidade e Propa-
ganda. Como parte desses desafios
para a Igreja no Amazonas plane-
ja-se e prevê que seus Institutos
(IEBN e FBN) possam estabelecer
uma ponte entre a educação bási-

82
Lição 13 - "Até que Ele Venha": Os Novos Desafios Para Obra do Senhor no Amazonas

ca e o ensino superior com a im-


plementação do ensino médio, e
posteriormente, o EJA (educação Não há um centímetro
de jovens e adultos) o que pos- quadrado da realidade
sibilitará a Igreja e comunidade sobre o qual Cristo não
manauara a continuidade dos es- possa dizer: É Meu”
tudos em ambientes comprometi- Abraham Kuyper
dos com a educação de qualidade
e confessional. Também fazem
parte dos planos da IEADAM, por locar de suas cidades e comunida-
intermédio da FBN possibilitar a des para a cidade de Manaus, sede
comunidade acadêmica o apro- da FBN, pois poderiam estudar nos
fundar dos seus estudos nos cur- pólos de suas respectivas cidades
sos de pós-graduação stricto sen- os cursos oferecidos em EAD. Pre-
su (mestrado e doutorado), bem tende-se ainda, potencializar essas
como a inserção de novos cursos modalidades ao oferecer o curso
para o biênio de 2018/2020. de Ciências Teológicas a outras re-
Atualmente a FBN conta com giões do Brasil.
cursos de graduação e pós-gra-
duação lato sensu, mas já se orga- 3. Igreja, academia e socie-
niza para projetar-se da educação dade. Todo esse planejamento
infantil ao doutorado. para a educação da Amazônia é
regado a bastante oração. Pois
2. Educação Teológica. Como sabemos da importância da edu-
parte dos desafios relacionados a cação libertadora para sociedade,
educação teológica e ministerial, a isso se destaca pelo lema que a
IEADAM tem como objetivo forta- FBN abraçou e que se baseia em
lecer o curso básico ministrado nas João 8.32, Faculdade Boas Novas
classes de EBD em todo o Estado “onde o conhecimento traz liber-
e o curso médio oferecido nos nú- dade”. Não podemos, como antes
cleos da capital e interior do Ama- fora feito, desassociar a igreja da
zonas. Pretende-se ainda ampliar academia. Quantas vezes a Teolo-
as barreiras do curso de Ciências gia esteve relegada ao contexto da
Teológicas da FBN, ao ofertá-lo academia. Hoje, no entanto, sabe-
futuramente na modalidade EAD mos que a igreja, a academia e a
(educação à distância), além do sociedade são ambientes de atua-
curso presencial atual. A modalida- ção do teólogo que busca contri-
de em EAD permitirá que, muitos, buir de forma satisfatória para o
no interior de um Estado cercado crescimento e fortalecimento do
por rios, possam ter uma educação indivíduo em sociedade, priman-
de qualidade sem com isso se des- do por princípios pautados nas

83
Lição 13 - "Até que Ele Venha": Os Novos Desafios Para Obra do Senhor no Amazonas

Escrituras. Além da contribuição sentantes do legislativo que já


na área teológica, a FBN cumpre possui, (deputado federal, deputa-
com o seu papel social na forma- do estadual e vereadores).
ção de profissionais premiados
nas áreas de Administração, Co- 2. Conscientização da cida-
municação Social e Pedagogia e dania cristã. Vimos na lição ante-
que atuam nas mais diversas re- rior que a IEADAM, por intermédio
giões do Estado e do Brasil. de seus representantes políticos,
não tem medido esforços em pro-
II. DESAFIOS POLÍTICOS E porcionar investimentos que valo-
SOCIAIS rizem o povo amazonense. Todos
esses benefícios se dão graças aos
1. Potencialização do Projeto homens de Deus que integram o
Político. Como vimos na lição 12, DEMPADAM.
a IEADAM despertou muito cedo Entre outras ações destacamos
em sua responsabilidade política. a proposta de conscientização como
Vimos que na década de 70 cargos um esforço de inculcar a cultura da
como o de vereador e prefeito foram responsabilidade cidadã aos mem-
exercidos por membros da Igreja. bros da igreja e da sociedade. Mo-
Contudo, um planejamento mais vimentos como a 1ª Conferência de
efetivo se deu na gestão do pastor liderança cristã “O Brasil que quere-
Samuel Câmara, quando alguns mos”, realizada em 2015, que con-
projetos da Igreja só puderam ser tou com a presença de autoridades,
alcançados por meio da representa- pastores e parlamentares do Poder
ção política. Graças à Deus e a visão Legislativo Municipal, Estadual e Fe-
de homens como pastor Samuel e deral, além de um público de 6.000
Jonatas Câmara que algumas uni- pessoas, demonstra a cada dia o po-
dades da Igreja em Manaus, (RBN e der de influência da IEADAM. Este
FBN) puderam ter seu espaço públi- evento organizado pela Igreja As-
co e hoje exercem um papel funda- sembleiana em parceria com outros
mental na sociedade manauara. órgãos, teve como objetivo discutir
Assim, a IEADAM na força do a situação político-econômica bra-
Senhor e de seu potencial de in- sileira, a atuação dos cristãos como
fluência pretende ampliar sua agentes contribuintes ao contexto
representação política e planeja social e à liberdade de expressão,
para o futuro, ter em seu quadro exercício da cidadania e valoriza-
de missionários políticos do DEM- ção da família como célula mater da
PADAM, representantes do legis- sociedade. Isso é apenas uma das
lativo (senador) e do executivo investidas da IEADAM no trabalho
(prefeito e/ou governador), além de conscientização de cidadania do
de ampliar em número os repre- povo amazonense, Sl 33.12.

84
Lição 13 - "Até que Ele Venha": Os Novos Desafios Para Obra do Senhor no Amazonas

3. Avanço na ação midiáti- crescimento. Para tanto, o objetivo


ca. A Igreja Evangélica Assem- para o futuro, já destacado na lição
bléia de Deus no Amazonas tem anteriormente citada é o cuidado
o privilégio de ter sido o berço que se deve ter com o novo irmão.
de uma das maiores redes de Pretende-se potencializar o
comunicação voltada para o pú- projeto celular fortalecendo a
blico evangélico do país. Aqui no consolidação, antes vista com difi-
norte, especificamente, no Ama- culdade. Aquilo que antes era um
zonas, nasce a RBN com o objeti- obstáculo para a Igreja em seus
vo de transmitir 24 horas Jesus e programas de evangelização, hoje
já realiza esta tarefa há 24 anos. torna-se um gratificante desafio,
Vimos na lição 8 o quanto já pois conseguimos fechar a por-
avançamos desde a aquisição da ta imaginária pela qual os novos
RBN, seja pelas ondas do rádio convertidos saiam da igreja logo
ou pela TV e satélite, até hoje, ao entrarem. Sempre fomos bons
conquistamos concessões e re- evangelizadores, nos faltava ser
petidoras que levam a mensagem bons consolidadores.
das Boas Novas a todo o estado
do Amazonas e demais estados 2. Evangelização no inte-
da nação. O objetivo hoje da IEA- rior e na capital. Além da RBN,
DAM é de ampliar o alcance da a grande rede de rádio e TV mis-
RBN e expandir-se adquirindo sionária, a evangelização do inte-
melhores equipamentos que com rior e da capital do Amazonas se
maior qualidade possam conti- desenvolve a partir do empenho
nuar transmitindo no Brasil e no da CEADAM que desempenha um
mundo 100% Jesus. papel importante na manutenção
de obreiros, seja materialmente,
III. DESAFIOS NA MISSÃO seja espiritualmente. A história da
Assembléia de Deus no Amazonas,
1. Fortalecimento da visão seja na capital como no interior
celular. Assim como na lição 10, se desdobra a partir da evange-
vimos que o projeto celular trouxe lização pessoal ou em massa, na
diversos benefícios para a Igreja implantação de novos templos e
no Amazonas. Crescimento, for- ordenação de novos obreiros. O
talecimento e maturidade são as- que tem potencializado, nestes
pectos visíveis que se manifestam últimos anos, a evangelização do
na Assembléia de Deus no Ama- Estado é um dos projetos da IEA-
zonas nesses últimos anos. Nosso DAM, a visão celular no modelo
propósito é se aproximar da Igreja CEC (célula de evangelismo e cres-
de Atos e realizar a conquista de cimento), e ultimamente no cuida-
vidas acompanhando-as em seu do com o novo irmão.

85
Lição 13 - "Até que Ele Venha": Os Novos Desafios Para Obra do Senhor no Amazonas

3. Novos rumos na missão.


Nos seus praticamente 100 anos de APLICAÇÃO PESSOAL
existência a Igreja Evangélica As-
sembléia de Deus no Amazonas fez A Igreja Evangélica Assem-
e faz história, tendo sido sustentada bléia de Deus no Amazonas tem
por Deus no trabalho que desem- mostrado nesses 100 anos de
penha, seja na evangelização, na história seu comprometimento
missão, na pregação, na educação, com o Reino de Deus. Entenden-
na mídia, na música, na política, no do que todas as contribuições e
cuidado pastoral e diaconal ou na papéis que desempenha por in-
assistência social. Todas essas áreas termédio de seus membros, mi-
são consideradas pela Igreja como nistros e demais representantes
ministérios que ao serem consoli- são realizados para Glória de
dados no coração de Deus desenvol- Deus. Somos a geração do cente-
vem habilidades a serem desempe- nário. Juntos somos mais fortes,
nhadas para a manutenção da obra somos a Assembléia de Deus.
e do Reino de Deus.

RESPONDA
1) Quais cargos políticos os missionários do DEMPADAM exercem atualmente?

_________________________________________________________________________

2) Quais cursos de graduação ofertados atualmente pela FBN?

_________________________________________________________________________

3) Há quantos anos a RBN realiza a sua tarefa da evangelização 100% Jesus?

_________________________________________________________________________

VOCABULÁRIO
• Prospectiva: O que se vê ao longe, que se relaciona com o futuro.

86
Lição 13 - "Até que Ele Venha": Os Novos Desafios Para Obra do Senhor no Amazonas

87
Lição 13 - "Até que Ele Venha": Os Novos Desafios Para Obra do Senhor no Amazonas

88
3
4