Você está na página 1de 15

Silva Lusitana 15(1): 103 - 117, 2007

© EFN, Lisboa. Portugal 103

Fitorremediação: Considerações Gerais e Características de


Utilização
Henrique Douglas Coutinho* e Alyne Rats Barbosa**
*Professor
Universidade Federal da Paraíba. Centro de Ciências Exatas e da Natureza.
Departamento de Biologia Molecular. Laboratório de Biologia Molecular e Ecologia,
João Pessoa-PB, CEP 58051-900 BRASIL
**Especialista no Ensino de Biologia e Química
Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde.
Departamento de Ciências Físicas e Biológicas. Rua Coronel Antônio Luiz, nº 1161,
CEO 63105-000 Crato-CE, BRASIL

Sumário. Hoje sectores de várias áreas têm observado com grande interesse o crescente número
de poluentes existentes em todo o mundo. Por esse motivo aumenta o interesse por técnicas
remediadoras, tendo neste momento um foco maior para o solo. Várias técnicas são estudadas e
a fitorremediação possui um lugar de destaque devido à sua eficiência na descontaminação dos
solos e também devido ao seu custo ser mais acessível do que outras técnicas. O presente
trabalho baseia-se em várias pesquisas realizadas em solos poluídos, com o objectivo de
apresentar as características peculiares da técnica de fitoremediação e também de outras
técnicas utilizadas na remediação de solos contaminados. A presente revisão bibliográfica foi
realizada através da análise do material disponível nos bancos de dados internacionais SciELO,
LILACS, HIGHWIRE, PUBMED e SCIRUS e engloba diversos trabalhos que têm sido
desenvolvidos na área de remediação de poluentes do ambiente. Os organismos,
principalmente as plantas, apresentam maneiras específicas para a remoção, imobilização ou
transformação de poluentes específicos. O estudo e a subsequente avaliação da interacção entre
o solo, a planta e o poluente, são necessários e constituem uma promissora área de pesquisa
para a remediação do ambiente. Em vista disso, é necessário que mais estudos nessa área sejam
realizados para melhor conhecermos a capacidade fitorremediadora das plantas para a sua
possível utilização no combate à poluição.
Palavras-chave: poluentes; áreas contaminadas; fitorremediação; metais pesados; herbicidas;
organoclorados

Phytoremediation: General Topics and Methods for Utilization


Abstract. Nowadays, sectors of some areas have been observing with great interest the
increasing number of pollutants in the world. For this reason, the interest for remediation
techniques grows, having at this moment a great focus on the soil. Several techniques are
studied and the fitoremediation takes a prominence place due to its efficiency in the
depollution of soils and also because it's cost is more accessible than other techniques. The

1º Autor E-mail: h-douglas@bol.com.br


104 Coutinho, H. D. e Barbosa, A. R

present work takes in account the research carried out in polluted soils, with the objective to
present the peculiar characteristics of the fitoremediation techniques and also others techniques
that are used in the remediation of contaminated soils. A bibliographic revision through the
analysis of the available material in international data bases SciELO, LILACS, HIGHWIRE,
PUBMED and SCIRUS was carried out, which encloses several works that are being developed
in the area of remediation of environmental pollutants. The organisms, mainly the plants, have
specific ways for removal, immobilization or transformation of specific pollutants. The study
and the subsequent evaluation of the interaction among soil, plant and pollutants are necessary
and is also a promising research area for the remediation of environment. So, it is necessary to
have more studies carried out in this area for a better understanding of the plants
fitoremediative capacity and its possible use in the pollution combat.
Key words: pollutants; contaminated areas; fitoremediation; heavy metals; herbicides;
organochlorine

Phytoremédiation: Considérations Générales et Caractéristiques d'Utilisation


Résumé. Il y a d'importantes observations et un grand intérêt est porté sur les nombreux
polluants existants dans le monde. Pour cette raison il a une augmentation du développement
des techniques capables de résoudre ce problème. Dans plusieurs techniques, la remédiation
biologique a lieu, grâce à l'efficacité et aussi au coût des matériaux utilisés. Ce travail rend
compte de plusieurs recherches basées sur des données internationales comme le SciELO, le
LILACS, le HIGHWIRE, le PUBMED et le SCIRUS qui montrent des polluants de la Terre et ces
recherches montrent différentes comparaisons des techniques, mettant en évidence la technique
de la remédiation biologique. Les usines dans d'autres organisations mettent en place des
techniques importantes pour une production qualifiée par rapport aux polluants spécifiques de
l'environnement et de façon très exigeante. Elles prennent en charge les études et l'élaboration
de techniques de plus en plus efficaces afin de pouvoir réduire ou éliminer des pollutions.
Mots clés: polluants; secteurs souillés; phytoremédiation; métaux lourds; herbicides;
organochloré

Introdução originais que foram degradados. Outra


proposta é a regeneração propriamente
No último meio século, observou-se a dita da região degradada pela
introdução de numerosos poluentes, agricultura e indústria, de forma a
cujos efeitos finais, na biosfera e na saúde reduzir a pressão antrópica para uma
humana, em particular, são totalmente maior conversão deste "habitat" natural
desconhecidos, pois na maioria das vezes (DOBSON et al., 1997).
esses produtos são extremamente A poluição que afecta essas áreas é
tóxicos. Governos de todo mundo estão hoje um grande problema pois muitos
procurando abordagens economicamente poluentes possuem utilidades não
viáveis para a recuperação de áreas dispensáveis, como os agrotóxicos. Estes
poluídas e para a conservação da produtos bem como outros poluentes,
biodiversidade, como a formação de possuem características bastante
áreas protegidas como parques e preocupantes, devido à sua persistência
reservas da natureza. Estas áreas no solo, na água e nos alimentos. Na
funcionariam como um reservatório de procura de alternativas para despoluir
espécies animais e vegetais que áreas contaminadas por diferentes
poderiam recompor os ecossistemas compostos, procura-se identificar
Fitorremediação 105

técnicas que apresentem eficiência na um foco maior para a fitorremediação,


descontaminação, simplicidade na através de uma revisão bibliográfica
execução, menor tempo demandado pelo realizada nos bancos de dados
processo e menor custo. Nesse contexto, internacionais SciELO, HIGHWIRE,
aumenta o interesse pela utilização da LILACS e SCIRUS, com o objectivo de
biorremediação, caracterizada como uma compilar as informações do que já foi
técnica que objectiva descontaminar solo avaliado pela ciência sobre a técnica de
e água por meio da utilização de fitorremediação.
organismos vivos, como microrganismos
e plantas (PIRES et al., 2003ab). Poluentes
Dentro da biorremediação, a
fitorremediação é uma das técnicas mais A fitorremediação de áreas poluídas é
estudadas. Segundo PIRES et al. (2003ab), bastante útil para o meio ambiente
esta técnica envolve o emprego de devido à utilização de plantas
plantas, sua microbiota associada e de específicas, no intuito de amenizar ou até
amenizantes (correctivos, fertilizante, mesmo despoluir totalmente áreas
matéria orgânica etc.) do solo, além de contaminadas. É necessário a utilização
práticas Agronómicas que, se aplicadas de plantas que possuam determinadas
em conjunto, removem, imobilizam ou características como uma boa capacidade
tornam os contaminantes inofensivos de absorção, sistema radicular profundo,
para o ecossistema. acelerada taxa de crescimento, fácil
Essa técnica, que no Brasil é ainda colheita e que apresentem uma grande
incipiente, tem uso difundido nos EUA e resistência ao poluente.
na Europa, principalmente na Solos contaminados apresentam
remediação de metais pesados e têm sido certas limitações à fitorremediação por
identificadas algumas espécies de serem, muitas vezes, tóxicos às plantas,
comprovada eficiência (SANTOS et al., principalmente onde ocorrem misturas
2004). Além disso, marcadores de poluentes, o que dificulta a selecção
moleculares como RFLP (Random de plantas resistentes e
Fragments of Length Polymorphism), RAPD fitorremediadoras para este conjunto de
(Random Amplified Polymorphism DNA), compostos.
AFLP (Assimetric Fragments of Length
Polymorphism) e SSR (Simple Sequence Pesticidas
Repeat) têm sido usados para verificar e
acompanhar as modificações genéticas BUOSI e FELFILI (2004) relatam o caso
em plantas com intuito de torná-las de uma fábrica de hexaclorociclohexano
fitorremediadoras (MARTÍNEZ et al., (HCH), que é um pesticida organo-
2003). clorado, a qual foi desactivada entre os
A técnica de fitorremediação requer anos de 1960 e 1965, permanecendo no
como em todas as outras técnicas, local todo seu acervo abandonado,
padrões para que sejam executadas como inclusive os "stocks" e resíduos da
potencial para fitorremediação, suas produção fabril na Cidade de Meninos -
limitações e benefícios. Neste trabalho RJ. Após a condução de vários estudos
serão avaliadas técnicas remediadoras ambientais inconclusivos na área, o
em descontaminar áreas poluídas, com Ministério da Saúde do Brasil decidiu
106 Coutinho, H. D. e Barbosa, A. R

proceder à neutralização do HCH, numa solo menos argiloso, favorecendo a


tentativa de remediar a contaminação do decomposição dos compostos organoclo-
solo, por meio da aplicação de cal virgem rados (BUOSI e FELFILI, 2004).
(CaO). Devido a esta acção, a composição Nas folhas de Eucalyptus grandis,
inicial dos resíduos foi modificada, colhidas na área principal de
gerando novos compostos e novos riscos. contaminação na Cidade de Meninos,
Associado à aplicação da cal e à foram detectados os compostos DDE
agregação de adubo orgânico ao solo, foi (diclorodifenildicloroetileno) e tricloro-
sugerido o plantio de espécies florestais benzeno e α - HCH, pentaclorofenol e
na área contaminada, visando a uma diclorodifeniltricloroetano (DDT). As
fitorremediação associada ao tratamento concentrações foram da ordem de
químico com vista a promover a dezenas de mg/Kg, com excepção da
ciclagem de nutrientes (LASAT, 2002). concentração de α - HCH (BUOSI e
Duas espécies de eucalipto foram FELFILI, 2004). Nas folhas de C. citriodora
escolhidas devido ao seu rápido foram detectados, em todas as amostras,
crescimento: Eucalyptus grandis e os compostos triclorobenzeno e
Corymbria citriodora (BUOSI e FELFILI, pentaclorofenol. As concentrações foram
2004). similares às encontradas na espécie E.
Os indivíduos de E. grandis foram grandis (BUOSI e FELFILI, 2004)
distribuídos em cinco classes de altura, A contaminação do solo nas áreas em
sendo a mais representativa em números estudo, anos após a desactivação da
de indivíduos, a classe que compreendia fábrica ainda é alta, apesar de apresentar
os 6,1 a 8,0 m, enquanto C. citriodora foi teores mais baixos do que os encontrados
distribuída em quatro classes de altura, em trabalhos anteriores, o que evidencia
sendo a com o maior número de a função destas espécies como
indivíduos, a que compreendia os de 1,6 fitorremediadoras, tanto na absorção de
a 20 m de altura. As médias de altura compostos organoclorados quanto na
encontradas em C. citriodora foram melhoria das condições do solo pela
similares aos valores dos outros ensaios. reciclagem de nutrientes e pela
Já com relação a E. grandis, a média foi introdução de matéria orgânica.
abaixo do valor encontrado em outros A interacção entre plantas, poluente e
trabalhos (BUOSI e FELFILI, 2004). solo é o primeiro passo para a realização
As análises físico-químicas das eficaz da técnica de fitorremediação,
amostras de solo da área de estudos porém vários estudos ainda terão que ser
indicaram que o solo apresentou pH realizados para que esta técnica seja
igual a 8,2 e 8,4 nas amostras de solo 1 totalmente eficaz.
(área de E. grandis) e 2 (área de C.
citriodora), respectivamente. Essa Herbicidas
condição favorece a retenção de
compostos organoclorados no solo, Solos contaminados com herbicidas
sendo um resultado positivo da apresentam certas limitações à
fitorremediação, sendo a retenção maior fitorremediação quando comparados
na área com plantio de E. grandis. A área com aqueles contaminados com
com plantio de C. citriodora apresentou poluentes orgânicos ou inorgânicos, por
maior conteúdo de matéria orgânica e serem, muitas vezes, tóxicos para as
Fitorremediação 107

plantas, principalmente quando ocorrem afirmaram que duas espécies


misturas desses compostos. ornamentais (Acorus gramenius e
Para PROCÓPIO et al., (2004), um Pontederia cordata) foram testadas em
factor negativo relacionado com a relação à fitotoxicidade, absorção e
utilização de herbicidas de longo efeito distribuição de Simazina marcado com
residual no solo é a maior probabilidade C14 e verificaram que o efeito do
de ocorrência de lixiviação das suas Simazina na solução foi reduzido a 45 e
moléculas originais ou dos seus 34% respectivamente, ao fim de sete dias.
metabólitos para camadas mais O herbicida Trifloxysulfuron Sodium
profundas do solo, podendo atingir o tem sido amplamente utilizado na
lençol freático. cultura do algodão, sendo aplicado no
Segundo PIRES et al., (2003a) a período inicial do cultivo. Um vasto
absorção de herbicidas pelas plantas é estudo foi realizado para detectar o
afectada pelas propriedades químicas do potencial fitorremediador das plantas
composto, pelas condições ambientais e contra o Trifloxysulfuron. Os
pelas características das espécies tratamentos foram compostos pela
vegetais. combinação entre as espécies vegetais
O desenvolvimento de herbicidas Calopogonium muconoides (calopogônio),
com efeitos residuais longos possibilitou Crotalaria juncea (crotalária), Crotalaria
o controle efectivo de plantas daninhas spectabilis (crotalária), Vicia sativa
por um período de tempo maior, (ervilhaca), Cajanus cajan (feijão-guandu),
reduzindo com isso o número de Canavalia ensiformes (feijão-de-porco),
aplicações. No entanto, foi observada a Helianthus annus (girassol), Dolichus lablab
ocorrência de fitotoxicidade em culturas (lablab), Pennisitum glaucum (milheto),
sensíveis plantadas após a utilização Stylosantes guianensis (mineirão), Mucana
desses herbicidas, cujo efeito residual cinereum (mucana-anã), Mucana cinereum
varia de alguns meses até três anos ou (mucana-cinza), Mucana aterrina
mais. Esse fenómeno tem sido observado (mucana-preta), Raphanus sativus (nabo
com os diversos herbicidas. Nessa forrageiro) e Lupinus albus (tremoço-
situação, é possível e recomendável o -branco) (PROCÓPIO et al., 2004). A
emprego de espécies vegetais na escolha destas espécies foi baseada em
descontaminação do solo (KNUTESON et ensaios preliminares de tolerância ao
al., 2002). herbicida (SANTOS et al., 2004).
A possibilidade de uma planta ser As espécies mais eficientes na
fitorremediadora depende do tipo de descontaminação do herbicida
poluente, devendo ser testadas várias Trifloxysulfuron Sodium em solo foram
plantas para que seja detectada aquela M. aterrina e C. enziformis. No entanto, a
que possui maior resistência ao poluente. continuação destes estudos de fitorreme-
PIRES et al. (2003a) relataram que a diação é necessária a nível de campo,
linhagem DN3A de Populus deltoides nigra visando confirmar os resultados obtidos.
foi capaz de absorver a maior parte de
Atrazina aplicada, que não foi totalmente Metais pesados
adsorvido à fracção orgânica do solo,
sem efeitos adversos detectáveis nas Alguns metais como Cobre (Cu+2) e
árvores da espécie testada. Estes autores Zinco (Zn+2) são necessários para o
108 Coutinho, H. D. e Barbosa, A. R

crescimento e desenvolvimento de absorver metais pesados pelo seu sistema


plantas, porém em excesso podem radicular. ALVAREZ et al. (2004),
produzir sintomas tóxicos e a inibição do separaram 4 efluentes de curtumes que
crescimento da planta. Várias tecnologias utilizam o Cr+2. A presença de iões que
de fitorremediação estão sendo usadas causam impacto na dureza da água
para retirar metais de áreas poluídas como: Ca++, Na+, Mg ++, é proveniente
(COUTINHO, 2000). dos produtos químicos usados no
BENNETT et al. (2003) avaliaram o processo. Adicionalmente podem ser
potencial de fitorremediação das plantas detectados os compostos orgânicos de
transgênicas da Mostarda indiana carga importantes responsáveis pela
Brassica juncea projectada para produzir Demanda Química de Oxigénio (DQO)
peptídios ligantes de metais. As plantas que é a medida da capacidade de
transgénicas, bem como as do tipo consumo de oxigénio pela matéria
silvestre (WT) de mostarda indiana, orgânica presente na água ou água
foram semeadas no solo poluído por residual, utilizada para medir a
metais. Após 14 semanas de crescimento, quantidade de matéria orgânica em
as plantas foram colhidas e as águas naturais e de esgotos e pela
concentrações de metais comparadas, Demanda Bioquímica de Oxigénio (DBO),
tendo-se verificado que as plantas que é o consumo de oxigénio através de
transgénicas continham maiores reacções biológicas e químicas.
concentrações de cádmio (Cd+2) e cromo Os efluentes testados durante o
(Cr+2). período de caracterização mostraram
Para BENNETT et al., (2003), as plantas variações significativas quanto aos
transgênicas de mostarda indiana parâmetros de DBO e pH, indicando que
removeram mais metal de solo a planta utilizada no tratamento de Cr+2
contaminado que o tipo silvestre. Estes trabalha com uma eficiência em torno de
resultados sugerem que a superprodução 75% (ALVAREZ et al., 2004).
de grupos tiol ligantes de metais e
fitoquelantes representam uma estratégia Outros poluentes
promissora para produção de plantas
com propriedades maiores de Sabemos que tanto hidrocarbonetos
fitorremediação de metais pesados. quanto metais pesados apresentam uma
Um metal bastante utilizado em grande resistência no solo dificultando a
curtumes é o Cr+2, que contamina a água sua extracção, imobilização ou ameniza-
utilizada e que nem sempre é reciclada. ção. Quando se trata de compostos
Preocupados com o destino dessa água, xenobióticos, além de sua persistência no
têm sido testadas alternativas para ambiente, as suas propriedades químicas
tratamento e recuperação dos efluentes influenciam tanto na sua toxicidade
residuais do processo. quanto na maneira como são degradados
Estudos realizados indicam que as pelos microrganismos, o que torna a sua
plantas aquáticas possuem uma certa mineralização mais lenta.
tolerância a metais, como foi SICILIANO et al. (2003), avaliaram o
demonstrado pelo Lírio Aquático, que impacto da remediação microbiana na
apresentou uma elevada taxa de massa do solo e a capacidade da
crescimento e importante capacidade de comunidade microbiana em degradar
Fitorremediação 109

hidrocarbonetos no intuito de determinar capazes de colonizar a rizosfera de


se os tratamentos de fitorremediação plantas fornecerá um pouco dispendioso,
aumentam o potencial metabólico da rápido e eficiente processo para a
comunidade microbiana do solo pela remoção deste poluente.
alteração da sua estrutura taxonómica. Existem também os Poluentes
Foi verificado que o melhor sistema de Orgânicos Persistentes (POPs) que
remediação para diminuição da também resistem durante bastante tempo
concentração de hidrocarbonetos no solo, no solo. Como exemplos de POPs
foi obtido pelo aumento da população podemos citar o Diclorodifeniltriclo-
bacteriana contendo genes para o roetano (DDT), os Bifenilos Policlorados
catabolismo de hidrocarbonetos na (PCBs) e a Dioxina, entre outros.
comunidade da rizosfera, demonstrando- LEE et al. (2003) citam que como os
se assim a importância do uso de POPs no solo resistem durante décadas,
microrganismos na fitorremediação. tornam-se menos acessíveis para
Porém, é preciso identificar as espécies extracção por solventes orgânicos,
de plantas apropriadas que podem degradação de micróbios, e retirada por
alterar beneficamente a diversidade organismos tais como minhocas
microbiana para remediação do solo. Os (CORDEIRO et al., 2002). Porém,
resultados sugerem que o sistema de pesquisas em laboratórios têm mostrado
fitorremediação pode ser considerado que uma grande variedade de plantas
como um método de aumento do podem absorver resíduos de POPs do
potencial do solo para degradar solo tais como Chlordane e DDT e
contaminantes. transportar os compostos através dos
ESTEVE-NÚNEZ et al. (2001) avaliaram tecidos aéreos da planta. Estudos mais
o trinitrotolueno (TNT), e verificaram que aprofundados sobre POPs serão neces-
a sua estrutura química influencia a sua sários para entendermos o que acontece e
biodegradação. Segundo estes autores, o como acontece o bombeamento desses
metabolismo oxigenado para compostos poluentes nas plantas.
aromáticos por bactérias não ocorre no Devido à variedade dos poluentes,
TNT por causa de suas propriedades são necessárias técnicas que sejam
químicas, pois formas parcialmente eficazes para cada situação. O estudo do
reduzidas de TNT reagem entre elas na poluente é bastante importante para
presença de oxigénio para formar termos a certeza de que a fitorreme-
compostos mais mutagénicos que o TNT, diação acontecerá de maneira eficaz.
que não são metabolizáveis por
microrganismos. Mecanismos celulares para desin-
Porém, os processos anaeróbicos têm toxicação
vantagens por causa da ausência de
oxigénio. Por isso o uso de fungos para a Muitos são os sintomas tóxicos na
biorremediação do TNT tem gerado planta causados pela exposição aos
interesse considerável. poluentes. O resultado da intoxicação
ESTEVE-NÚNEZ et al. (2001), pode ser devido a acção do poluente,
concluíram que a remediação do TNT por inibindo a actividade celular ou
esses organismos é um processo bastante rompendo a estrutura da célula devido à
válido e a rizoremediação por micróbios sua interferência sobre um elemento
110 Coutinho, H. D. e Barbosa, A. R

essencial . Membrana plasmática


Para HALL (2002), as plantas têm uma
série de potenciais mecanismos a nível Segundo HALL (2002), a membrana
celular. Estes podem estar envolvidos plasmática da planta pode ser
com a detoxificação dos metais pesados. considerada a primeira estrutura viva
As estratégias para controlar o aumento que funciona como um alvo para a
de metais pesados são diversas. intoxicação dos metais pesados, pois a
Extracelularmente, elas incluem funções sua função pode ser rapidamente
para micorrizas, parede celular e afectada.
transpiração extracelular. A tolerância Por exemplo, o Cu+2 causa aumento
aos metais pesados podem também do fluxo de K+ em raízes cortadas de
envolver a membrana plasmática, seja Agrostis capilaris. Outra conclusão é que a
por redução do aumento de metais perda da membrana das células,
pesados ou por estimulação de efluxo. monitorizada pelo esvaziamento de iões,
é a primeira causa da intoxicação por
Micorrizas Cu+2 em raízes de Silene vulgaris,
Mimulus guttatus, e trigo respectiva-
HALL (2002), citou que embora nem mente. Tal perda pode ser resultado de
sempre sejam consideradas como um vários mecanismos incluindo a oxidação
mecanismo de tolerância a metais, as de proteínas da membrana tal como o
micorrizas, e particularmente as H+ - ATPase, ou mudança da composição
ectomicorrizas, são características de e fluidez dos lipídios da membrana
árvores e arbustos, podendo ser úteis na (HALL, 2002).
diminuição do efeito tóxico em plantas Outro factor pode ser a manutenção
hospedeiras. da integridade da membrana plasmática
Foi demonstrado que a ectomicorriza na presença de metais pesados. A
Paxillus inudutos retém Zinco (Zn+2) membrana pode desempenhar uma
contido em Pinus sylvestris, enquanto importante função na homeostase de
outras espécies como Thelephora terrestris metais, seja pela prevenção ou redução
retém pouco Zn+2 contido no hospedeiro da entrada na célula ou através de
(COLPAERT e VAN ASSCHE, 1992). mecanismos de efluxo. Transportadores
Os mecanismos utilizados pelo fungo de efluxo podem também desempenhar
para adaptação da célula e para uma função na homeostase do ião metal
tolerância aos metais pesados são em células animais. Por exemplo, uma
similares às estratégias usadas por proteína da membrana plasmática
plantas grandes, forçando a ligação do transportadora de Zn+2 (ZnT-1) foi
metal no meio extracelular e isolando-o isolada do rim de um rato. Células
no compartimento vacuolar. Desta transformadas com um ZnT-1 mutante
forma, a tolerância dos fungos Pisolithus mostraram sensibilidade ao Zn+2. Foi
tinctorius ao Cu+2 e Zn+2 foi devida a uma proposto que normalmente ZnT-1
ligação na parte externa da hifa enquanto transporta Zn+2 para fora das células e
que a desintoxicação do Cd+2 em Paxillus que a sua ausência produz aumento da
involutos envolveu a acumulação no sensibilidade das células mutantes à
vacúolo. intoxicação pelo Zn+2 (HALL, 2002).
Outro grupo de transportadores que
Fitorremediação 111

parece estar envolvido na homeostase do verificar que a HSP70 estava presente no


Cu+2 pelo sistema de exportação é a núcleo e no citoplasma, bem como na
Px- ATPase. Defeitos nestas ATPase membrana plasmática. Estes resultados
podem dar origem a dois tipos de sugerem que a HSP70 estaria envolvida
doenças humanas, a doença de Menkes e na protecção das membranas contra a
a doença de Wilson, resultantes da acção do Cd+2 (HALL, 2002).
exportação defeituosa do Cu+2 e assim, a E assim, em relação às mais recentes
sua acumulação em alguns tecidos. discussões acerca dos mecanismos de
Porém as formas de transporte e as tolerância envolvendo uma membrana
localizações específicas de muitas plasmática mais resistente ou
proteínas envolvidas na acumulação de melhorando mecanismos de reparo, as
metais pesados nas plantas ainda são HSPs teriam uma importante função.
desconhecidas. Obviamente mais estudos moleculares
são necessários para demonstrar o seu
Proteínas de choque térmico mecanismo de acção na reparação ou
protecção.
Para HALL (200a), as proteínas de
choque térmico (HSPs) mostram A parede celular e a exsudação da raiz
expressões aumentadas em resposta ao
aumento da temperatura. Podem ser Embora a parede celular da raiz esteja
encontradas em todos os grupos de directamente em contacto com os metais
organismos vivos, podendo ser na solução do solo, a absorção da parede
classificadas de acordo com o tamanho celular deve ser de capacidade limitada e
molecular e são conhecidas por se assim ter um efeito limitado na
expressarem em resposta a uma actividade do metal na superfície da
variedade de condições de "stress", membrana plasmática. A exsudação da
incluindo metais pesados. Estas raiz tem uma variedade de funções,
proteínas actuam como "chaperones" inclusive a quelação de metais que
moleculares na formação do enrolamento podem aumentar o bombeamento de
de proteínas normais podendo também certas substâncias. Um exemplo claro de
funcionar na protecção e no reparo de uma função na tolerância das secreções
proteínas submetidas a condições de da raiz é a relação dos ácidos orgânicos e
esforço. a desintoxicação do Al+2. O trigo preto,
TSENG et al. (1993) mostraram que no por exemplo, secreta ácido oxálico das
arroz, tanto o calor quanto os metais raízes em resposta à pressão do Al+2, e
pesados aumentaram os níveis de acumula AL-oxalate não tóxico nas
mRNAs para HSPs de baixo peso folhas. Assim a desintoxicação ocorre
molecular, enquanto NEUMANN et al. tanto externamente como internamente
(1995) indicaram que HSP17 foi expresso (MA et al.,1997).
em raízes da Armeria maritima que Para HALL (2002), os ácidos
cresceram em solo rico em Cu+2. carboxílicos e aminoácidos são potentes
Em trabalhos realizados em culturas ligantes para metais pesados e podem
de células de Lycopersicon peruvianum foi por isso desempenhar uma função na
mostrado que uma HSP também tolerância e desintoxicação. Contudo
respondia ao Cd+2. Foi interessante ainda não foi observada uma forte
112 Coutinho, H. D. e Barbosa, A. R

evidência para uma função na tolerância, metais pesados constitui um importante


tal como uma clara correlação entre aspecto para poder desenvolver plantas
quantidades de ácidos produzidos e como agentes fitorremediadores de áreas
exposição a um metal. contaminadas (SALT et al., 1998).
SHEN et al. (2002), avaliaram a
Compartimentação vacuolar solubilização de metais pesados no solo
através de vários tratamentos quelantes.
Segundo HALL (2002), o fluxo de iões A concentração de Pb+2 na solução do
para a membrana plasmática ou solo foi examinada para avaliar a
transporte para o vacúolo são dois meios eficiência relativa de 5 quelantes no
de reduzir os níveis de metais tóxicos no aumento da solubilização de Pb+2 do
citoplasma, constituindo mecanismos solo. Quando nenhum quelante é adicio-
potencialmente importantes para nado, a concentração de Pb+2 na solução
tolerância aos metais pesados. do solo foi 15,2 mg/L. A aplicação de
Estudos mostraram que o vacúolo é o quelantes seleccionados (EDTA, DTPA –
principal local para a acumulação de - ácido dietilenotriaminopentaácetico,
metais pesados, incluindo Zn+2 e Cd+2. HEDTA, NTA e ácido cítrico) aumentou
Análises dos sistemas de transporte até significantemente a concentração de Pb+2
ao tonoplasto foram acrescentando na solução do solo. O EDTA foi o mais
suporte para um mecanismo vacuolar de eficiente, solubilizando o Pb+2 ligado ao
tolerância. VERKLEIJ et al. (1998), solo. A aplicação de Ácido Cítrico ao solo
isolaram vesículas de tonoplasto de produziu apenas um pequeno aumento
raízes de ecótipos de Silene vulgaris na concentração de Pb+2 da solução do
sensíveis e tolerantes ao Zn+2. Estes solo e foi menos eficiente do que outros
autores mostraram que em altas quelantes usados.
concentrações de Zn+2, o transporte deste Segundo COBBETT (2000), um número
metal foi 2,5 vezes maior para vesículas de ligantes de ligação-metal têm agora
de linhagem tolerantes do que sensíveis, sido reconhecido em plantas. O papel
sugerindo que o tonoplasto desempenha dos vários ligantes foi revisto por
uma importante função na tolerância do RAUSER (1999). Quelantes extracelulares
Zn+2. como ácidos orgânicos (citrato e malato
A aplicação de técnicas de biologia i.e.) são importantes em mecanismos de
molecular deverá ter um enorme tolerância ao alumínio.
impacto, em nosso entendimento, sobre a Para FIGUEIRA et al. (2001), as plantas
tolerância aos metais pesados. Tais contem dois principais peptídios
técnicas permitirão que sejam cons- quelantes de metais: Fitoquelatinas (PCs)
truídos modelos detalhados das várias e Metalotionínas (MT), que se ligam aos
respostas que ocorrem nas plantas metais por resíduos de cisteína
quando são submetidas ao "stress" por (ROBINSON et al., 1993; COUTINHO et al.,
metais pesados. 1999; RAUSER, 1999; COUTINHO, 2000).
Fitoquelatinas (PCs) são polipeptídios
Fitoquelatinas e metalotioninas consistindo de repetições de
γ-glutamilcisteína com um terminal
Entender a base molecular e genética glicina. As fitoquelatinas parecem ser
dos mecanismos de desintoxicação de omnipresentes em plantas e têm sido
Fitorremediação 113

detectadas em alguns microrganismos. A capacidade de desenvolver-se bem em


glutationa é o principal substrato para a vários ambientes.
síntese de fitoquelantes (COBBETT, 2000). Várias técnicas são necessárias e
Embora PCs tenham claramente um muitas vezes, mais do que uma para um
papel na desintoxicação de Cd+2, (DI mesmo processo de remediação. Esta
TOPPI e GABBRIELLI, 1999), tem sido interacção é necessária para a remoção
estimado que soluções de solos não do poluente.
poluídos contém concentrações de Cd+2 A seguir referem-se uma sequência de
variando acima de 0,3 μM (WAGNER, técnicas capazes de descontaminar áreas
1993). Isto pode indicar que as PCs poluídas.
desempenhariam um papel na
manutenção da concentração de metais Escavação
pesados em um ambiente não poluído.
As metalotioninas (MTs), pequenos É uma técnica rápida para o
peptídios ricos em cisteína são tratamento de solo escavado e para
requeridos para tolerância de metal em limpeza. É geralmente usada para
fungos e animais, mas o seu papel nas descontaminação de solos fortemente
plantas ainda não está claro. Há relatos poluídos em curto período de tempo e
que metalotioninas são importantes para representa a técnica de remediação mais
tolerância de Cd+2 em Arabidopsis e que comum (GILMORE, 2001).
podem estar associadas com a
homeostase do metal nas plantas pela Extracção
regulação da concentração intracelular
de iões (ROBINSON et al., 1993; ZHOU e Também conhecida como lavagem de
GOLDSBROUGH, 1995). solo. Entre estas técnicas, o tratamento
A acção das metalotioninas ainda é térmico é uma das mais usadas. Para
desconhecida, mas a evidência indica GILMORE (2001), dependendo do
que estas proteínas podem ter um impor- solvente usado no método de extracção,
tante papel na homeostase, provavel- metais inorgânicos (tais como chumbo e
mente associado com o transporte do crómio) e compostos orgânicos (como
metal dentro da célula vegetal. bifenilos policloradas (PCBS)) podem ser
removidos. As técnicas térmicas
Técnicas envolvem aquecimento do solo e podem
ser usadas para tratar poucos tipos de
A contaminação do solo é uma solos, sendo geralmente utilizadas
grande preocupação global, podendo ser apenas contra compostos orgânicos que
considerada um grande obstáculo para o podem volatilizar do solo ou queimar em
desenvolvimento sustentável. Várias temperaturas altas para formar dióxido
técnicas têm sido desenvolvidas com o de carbono e água.
objectivo de retirar o poluente do meio.
O estudo da planta é o primeiro passo Microrganismos
para que tudo ocorra correctamente. A
planta precisa de ter uma boa capacidade O uso de microrganismos para
de absorção, o seu sistema radicular degradar compostos orgânicos também é
precisa de ser profundo e possuir frequentemente utilizado. Nesta técnica
114 Coutinho, H. D. e Barbosa, A. R

biológica, o solo contaminado é colocado extraídos são libertados directamente no


num reactor com os microrganismos e ar ou são quimicamente ou termicamente
são optimizados parâmetros tais como, destruídos num reactor separado à
temperatura, mistura, pH e oxigénio, os superfície (GILMORE, 2001).
quais estimulam a degradação. Os
microrganismos consomem os compos- Fixação
tos orgânicos e libertam água e CO2
como seus produtos. Esta técnica é a Para GILMORE (2001), esta técnica
mais viável ambientalmente porque não também conhecida como estabilização e
requer grandes entradas de energia, mas solidificação, visa a prevenção da
é a que consome maior tempo (GILMORE, superfície contra os poluentes.
2001).
Nestas técnicas, o uso da água é Vitrificação
indispensável. Para HUTCHINSON et al.
(2001), o teor da água no solo está Segundo GILMORE (2001), o solo pode
continuamente a mudar. A variação da ser aquecido até ao ponto em que a sílica
humidade no solo pode afectar existente no solo origina vidro, cobrindo
populações microbianas, através da os poluentes. Devido a estes tratamentos
disponibilização de nutrientes e da não removerem os poluentes do solo, é
retenção da estrutura física do solo e urgente que a sua estabilidade a longo
consequentemente afectar o andamento prazo seja determinada, embora seja
do processo de remediação do solo difícil.
(COUTINHO e CORDEIRO, 2002).
Utilização de quelantes
Extracção "in situ"
Um mecanismo geral para desintoxi-
Envolve remediação sem a retirada de cação de metais pesados em plantas e
solo e é frequentemente preferida porque outros organismos é a quelação do metal
há risco reduzido de exposição às por um ligante e em alguns casos, a
pessoas e à comunidade em redor subsequente compartimentalização do
durante o processo de limpeza. Esta complexo metal-ligante (COBBETT, 2000).
técnica causa menos perturbação do local Para SHEN et al. (2002), agentes
do que a escavação e frequentemente complexos tais como HEDTA (ácido N-
diminui a necessidade de energia. hidróxietiletilenodiaminotriacético), NTA
Podem ser desempenhadas filtrando um (ácido nitrilotriacético) e EDTA (ácido
solvente adequado através do solo. Este etilenodiamonitetracético) têm sido
solvente dissolve os poluentes e é usados no vasto campo experimental
enviado para a superfície. O solvente é para permitir o aumento da absorção do
então tratado como um refugo. metal pela planta (HUANG e
Compostos orgânicos voláteis podem ser CUNNINGHAM, 1996; BLAYBOK et al.,
removidos via extracção a vapor de solo. 1997; HUANG et al., 1998). Estes agentes
Neste processo, um gradiente de pressão têm sido estudados pela capacidade de
é produzido entre a superfície e o mobilizar metais e aumentar a sua
subsolo pela aplicação de um vácuo no acumulação em diferentes espécies de
topo. Também os compostos orgânicos plantas.
Fitorremediação 115

Conclusão BLAYLOCK, M.J., DUSHENKOV, S.,


ZAKHAROVA, O., GUSSMAN, C.,
KAPULNIK, Y., ENSTEY, B.D., RASKIN, I.,
Estudos sobre a fitorremediação estão 1997. Enhanced accumulation of Pb in
sendo desenvolvidos visando uma série Indian mustard by soil- applied chelating
de benefícios para o meio ambiente e agent. Environmental Science and
para as futuras gerações. Vários são os Technology 31 : 860-865.
poluentes e a cada dia surge algo novo, BUOSI, D., FELFILI, J.M., 2004. Recuperação de
trazendo algum tipo de dano para todo o áreas contaminadas por pesticidas
habitat. Dessa forma, a utilização de organoclorados na Cidade de Meninos,
algumas das técnicas aqui descritas já município de Duque de Caxias, RJ. Revista
representa uma esperança interessante. Árvore 28(3) : 465-470.
COBBET, C.S., 2000. Phytochelatins and Their
Esta pesquisa relata alguns dos
Roles in Heavy Metal Detoxification. Plant
trabalhos que têm sido desenvolvidos na
Physiology 123 : 825-832.
área de remediação de poluentes do
COLPAERT, J., ASSCHE, J., 1992. Zinc toxicity in
ambiente, assim como outras técnicas ectomycorrizal Pinis sylvestris. Plant and
que visam a descontaminação de áreas Soil 143 : 201-211.
poluídas. Os mecanismos necessários são CORDEIRO, L.N., COUTINHO, H.D.M., MELO
vários, porém, os organismos, principal- JÚNIOR, H.N., 2002. Ecologia de
mente as plantas, possuem maneiras oligochaetas (Annelida) nativas da
específicas para remoção, imobilização margem do Rio Carás, Ceará, Brasil.
ou transformação de poluentes UNIMAR Ciências XI(1/2) : 25-30.
específicos. O estudo e a subsequente COUTINHO, H.D.M., 2000. Resistência
Bacteriana a metais pesados. UNIMAR
avaliação da interacção entre o solo, a
Ciências IX(2) :35-44.
planta e o poluente é bastante necessário
COUTINHO, H.D.M., CORDEIRO, L.N., 2002.
e promissor. Fatores ambientais e sua influência sobre
Em vista disso, é necessário que mais os microrganismos do solo. UNIMAR
estudos nessa área sejam realizados para Ciências XI(1/2) : 65-70.
melhor conhecermos a capacidade fitor- COUTINHO, H.D.M., LIMA, T.C.S., GRISI, B.M.,
remediadora das plantas e sua possível PESSOA, H.L.F., 1999. Ocorrência de
utilização no combate à poluição. plasmídeos em bactérias resistentes a
metais pesados, isoladas de solos
Bibliografia contaminados pelas atividades da
agroindústria canavieira do estado da
ALVAREZ, S.G., MALDONADO, M., PERTH, A., Paraíba. Revista Nordestina de Biologia
KUSCHK, P., 2004. Caracterización de 13(1/2) : 87-104.
Agua Residual de Curtiduría y Estudio DI TOPPI, S., GABBRIELLI, R., 1999. Response to
del Lírio Acuático em la Recuperación de cadmium in higher plants. Environmental
Cromo. Información Tecnológica 15 :75-80. and Experimental Botany 41 :105-130.
BENNETT, L.E., BURKHEAD, J.C., HALE, K.L., DOBSON, A.P., BRADSHAW, A.D., BAKER,
TERRY, N., PILON, M., PILON-SMITS, E.A.H., A.J.M., 1997. Hopes for the Future:
2003. Analysis of Transgenic Indian Restoration Ecology and Conservation
Mustard Plants for Phytoremediation of Biology. Science 277 : 515-522.
Meta - Contaminated Mine Tailings. ESTEVE – NÚNEZ, A., CABALLERO, A., RAMOS,
Journal of Environmental Quality 32 : J.L., 2001. Biological Degradation of 2,4,6-
432-440. Trinitrotolvene. Microbiology and Molecular
Biology Reviews 65(3) : 335-352.
116 Coutinho, H. D. e Barbosa, A. R

FIGUEIRA, A., KIDO, E.A., ALMEIDA, R.S., 2001. MARTINEZ, L., CAVAGNARO, P., MASUELLI, R.,
Identifying sugarcane expressed sequen- RODRÍGUEZ, J., 2003. Evaluation of diver-
ces associated with nutrient transports sity among Argentine grapevine (Vitis
and peptide metal chelators. Genetics and vinifera L.) varieties using morphological
Molecular Biology 24(1-4) : 207-220. data and AFLP markers. Electronic Journal
GILMORE, E., 2001. A Critique of Soil of Biotechnology 6(3) : 244-253.
Contamination and Remediation: The NEUMANN, D., NJEDEN, U.Z.,
Dimensions of the Problem and Implica- LICHTENBERGER, O., LEOPOLD, I., 1995.
tions for Sustainable Development. How does Aeminia maritime tolerate high
Bulletin of Science, Technology & Society 21 : heavy metal concentrations? Journal of
394-400. Plant Physiology 146 : 704-717.
HALL, J.L., 2002. Cellular mechanism for PIRES, F.R., SOUZA, C.M., SILVA, A.A.,
heavy metal detoxification and tolerance. PROCÓPIO, S.O., FERREIRA, L.R., 2003a.
Journal of Experimental Botany 53(366) : 1- Fitorremediação de solos contaminados
11. com herbicidas. Planta Daninha 21(2) :
HUANG, J.W., BLAYLOCK, M.J., KAPULNIK, Y., 335-341.
ENSLEY, B.D., 1998. Phytoremediation of PIRES, F.R., SOUZA, C.M., SILVA, A.A.,
QUEIROZ, M.E.I.R., PROCÓPIO, S.O.,
uranium contaminated soils: Role of orga-
SANTOS, J.B., SANTOS, E.A., CECON, P.R.,
nic acids in triggering uranium hyperac-
2003b. Seleção de plantas com potencial
cumulation in plants. Environmental
de fitorremediação de Tebuthioron. Planta
Science and Technology 32 : 2004-2008.
Daninha 21(3) : 451-458.
HUANG, J.W., CUNNINGHAM, S.D., 1996. Lead PROCÓPIO, S.O., SANTOS, J.B., SILVA, A.A.,
phytoextraction: Species variation in lead PIRES, F.R., RIBEIRO JUNIOR, J.I., SANTOS,
uptak and translocation. New Phytologist E.A., FERREIRA, L.R., 2004. Seleção de
134 : 75-84. plantas com potencial para Fitorreme-
HUTCHINSON, S.L., SCHWAB, A.P., BANKS, diação de solos contaminados com
M.K., 2001. Phytoremediation of Aged Herbicida Trifloxysulfuron Sodium.
Petroleu Sludge: Effect of Irrigation Planta Daninha 22(2) : 315-322.
Techniques and Scheduling. Journal of RAUSER, W.E., 1999. Structure and function of
Environmental Quality 30 : 1516-1522. metal chelators produced by plants: the
KNUTESON, S.L., WHITWELL, T., KLAINE, S.J., case for organic acids, amino acids, phytin
2002. Influence of Plant Age and Size on and metallothioneins. Cell Biochemistry and
Simazine Toxicity and Uptake. Journal of Biophysics 31 : 19-48.
Environmental Quality 31 : 2096-2103. ROBINSON, N.J., TOMMEY, A.T., KUSKE, C.,
LASAT, M.M., 2002. Phytoextraction of Toxic JACKSON, P.J., 1993. Plant metallothio-
Metals: A Review of Biological neins. Biochemical Journal 295 : 1-10.
Mechanisms. Journal of Environmental SALT, D.E., RAUSER, W.E., 1995. MgATP
Quality 31 : 109-120. dependent transport of Phytochelantins
LEE, W.Y., JANUCCI – BERGER, W., EITZER, B.D., across the tonoplast of oat roots. Plant
WHITE, J.C., MATTINA, M.J.I., 2003. Physiology 107 : 1293-1301.
Persistent Organic Pollutants in the
SALT, D.E., SMITH, R.D., RASKIN, I., 1998.
Environment: Chlordane Residues in
Phytoremediation. Annual Review in Plant
Compost. Journal of Environmental Quality
Physiology and Plant Molecular Biology 49 :
32 : 224-231.
643-668.
MA, J.P., ZHENG, S.J., MATSUMOTO, H., 1997. SANTOS, J.B., PROCÓPIO, S.O., SILVA, A.A.,
Detoxifing aluminium with buckwheast. PIRES, F.R., RIBEIRO JÚNIOR, SANTOS, E.A.,
Nature 390 : 569-570. FERREIRA, L.R., 2004. Fitorremediação do
herbicida Trifloxysulfuron Sodium. Planta
Daninha 22(2) : 323-330.
Fitorremediação 117

SHEN, Z.L., LI, X.D., WANG, C.C., CHEN, WAGNER, G.J., 1993. Accumulation of
H.M., CHUA, H., 2002. Lead Phytoextrac- cadmium in crop plants and its
tion from Contaminated Soil With High- consequences to human health. Advances
Biomass Plant Species. Journal of in Agronomy 51 : 173-212.
Environmental Quality 31 : 1893-1900. ZHOU, J., GOLDSBROUGH, P.B., 1995.
SICILIANO, S.D., GERMIDA, J.J., BANKS, K., Structure, organization and expression of
GREER, C.W., 2003. Changes in Microbial the metallothionein gene family in
Communit Composition and during a Arabidopsis. Molecular and General
Polyaromatic Hidrocarbon Phitoreme- Genetics 248 : 318-328.
diation Field Trial. Applied and
Environmental Microbiology 69(1) : 483-489.
TSENG, T.S., TZENG, S.S., YEH, C.H., CHANG, Entregue para publicação em Março de 2006
F.C., CHEH, Y.M., LIN, C.Y., 1993. The heat Aceite para publicação em Setembro de 2006
shock response in rice seedlings- isolation
and expression of DNAs that encode class
I low- molecular- weight heat shock
proteins. Plant and Cell Physiology 34 :
165-168.
VERKLEIJ, J.A.C., KUEVOETS, P.L.M.,
MECHTELD, M.A., BLAKE – KALFF, M.M.A.,
CHARDONNENS, A.M., 1998. Evidence for
a important role to tonoplast in the
mechanism of naturally selected zinc
tolerance in Silene vulgaris. Journal of
Plant Physiology 153 : 188-191.