Você está na página 1de 63

Curso de Atualização

Módulo 03

“Projeto e Dimensionamento de Estruturas


Mistas de Aço e Concreto”

Introdução

Profª. Drª. Silvana De Nardin

Profa. Dra. Silvana De Nardin 1


Conteúdo do curso
 Aula 1
Conceito – Introdução
– Comportamento conjunto aço-concreto
Diretrizes – Conectores de cisalhamento
para
escolha
 Aula 2
– Laje mista
Classificação – Viga mista
das
estruturas
 Aula 3
– Viga mista
– Pilar misto
Elementos
mistos – Ligação mista
 Aula 4
– Ligação mista
Normalização
– Análise de sistemas estruturais mistos
Profa. Dra. Silvana De Nardin 2
Introdução
 Aço é utilizado na forma de perfis laminados,
Conceito
dobrados ou soldados, que trabalham em
conjunto com o concreto simples ou armado
Diretrizes
para
escolha
 Reflexões:
Classificação – Qual a diferença entre um elemento misto e um
das elemento em concreto armado?
estruturas

– Como escolher o melhor material estrutural?


Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 3


Introdução
 Qual o melhor material estrutural?
Conceito
Depende do contexto

Diretrizes
para
Aço
escolha Explorar vantagens e desvantagens

Classificação
das
estruturas Estruturas mistas
Material
estrutural
Estruturas Híbridas
Elementos
mistos
Concreto Madeira

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 4


Introdução
 Aço e concreto são materiais complementares
Conceito – Concreto: eficiente na compressão
– Aço: eficiente na tração
Diretrizes – Concreto: revestimento que restringe a flambagem do
para perfil de aço.
escolha
– Concreto: proteção contra a corrosão e o fogo.
– Aço: confere ductilidade ao concreto.
Classificação
das
estruturas
 Aspectos para o uso de estruturas mistas
– Arquitetônicos
Elementos
mistos – Econômicos
– Funcionalidade
– Flexibilidade
Normalização – Montagem

Profa. Dra. Silvana De Nardin 5


Introdução
 Alguns Aspectos arquitetônicos:
Conceito – Grandes vãos
– Lajes de pequena espessura
– Pilares mais esbeltos
Diretrizes
para – Maior flexibilidade de projeto
escolha
 Alguns Aspectos Econômicos:
Classificação – Redução da altura total dos edifícios: ganho de área livre
das
estruturas – Maiores vãos mantendo a altura das vigas: necessidade de
grandes áreas livres
– Pavimentos adicionais com a mesma altura total do edifício
Elementos
– Velocidade de execução:
mistos
• Menos custos diretos e com impostos
• Menor custo de financiamento
• Antecipação do retorno de capital
Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 6


Introdução
 Funcionalidade:
Conceito – Proteção ao fogo: mesmo princípio das estruturas em
C. A. “onde o concreto protege o aço”

Diretrizes
 Flexibilidade – serviços:
para – Estruturas adaptáveis
escolha • Modificações de utilização do edifício
• Modificações e manutenções sem violar a privacidade de outros
Classificação ocupantes
das • Facilidade de execução das instalações elétricas, hidráulicas,
estruturas etc.
 Montagem:
Elementos – Steel deck serve como plataforma de trabalho
mistos – Forma permanente que contribui para a estabilidade
– Rapidez e simplicidade na construção
Normalização – Controle de qualidade mais eficaz

Profa. Dra. Silvana De Nardin 7


Introdução
 Métodos construtivos
Conceito
– São utilizados dois métodos construtivos, cada
um com aspectos positivos e negativos.
Diretrizes
CONCRETO ARMADO CONSTRUÇÃO METÁLICA
para
escolha + Liberdade de forma + Elevada relação resistência-peso
+ Fácil manuseio + Sistema industrializado
Classificação
+ Boa resistência térmica + Grande precisão dimensional
das - Execução de formas e - Baixa resistência ao fogo
estruturas cimbramentos - Treinamento de mão de obra
- Sensível a forças de tração

Elementos
mistos CONSTRUÇÃO MISTA
+ Eficiente
+ Grande capacidade resistente
+ Grande rigidez
Normalização
+ Redistribuição plástica

Profa. Dra. Silvana De Nardin 8


Introdução
 Em função do tipo de associação de elementos
Conceito estruturais e materiais temos:
– Estruturas em concreto armado
– Estruturas em aço
Diretrizes – Estruturas híbridas
para
– Estruturas mistas
escolha

Classificação
 Estruturas em concreto armado e em aço: laje em
das concreto armado é predominante
estruturas
 Estruturas híbridas:
Elementos – Composta por elementos em aço, mistos, em concreto
mistos armado, madeira, etc...

 Estruturas mistas:
Normalização – Composta por elementos mistos

Profa. Dra. Silvana De Nardin 9


Introdução
 Estruturas híbridas: elementos estruturais
Conceito
de diferentes materiais na mesma estrutura
Fotos: Arq. João Diniz

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos
Pilares e vigas de aço
Núcleo e lajes em
concreto armado
Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 10


Introdução
 Estruturas híbridas: elementos estruturais
Conceito
de diferentes materiais na mesma estrutura
Bruning Tecnometal – Edifício Sede: Panambi / RS

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização
Pilares e vigas de aço + Núcleo e lajes em concreto armado

Profa. Dra. Silvana De Nardin 11


Introdução
 Estruturas híbridas: elementos estruturais
Conceito
de diferentes materiais na mesma estrutura
Hipermercado Angeloni Cia: Santa Catarina
Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização
Cobertura em aço + Pilares e lajes em concreto armado

Profa. Dra. Silvana De Nardin 12


Introdução
 Estruturas híbridas: elementos estruturais
Conceito de diferentes materiais na mesma estrutura

Diretrizes
para
escolha

Classificação Coberturas de aço, pilares de C. A.


das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 13


Introdução
 Estruturas mistas:
Conceito – dois materiais trabalhando solidariamente em um
mesmo elemento estrutural para resistir a ações
Diretrizes externas com maior eficiência.
para • Tabuleiros mistos de madeira e concreto
escolha
• Pontes de pequenos vãos
Classificação  madeira roliça
das
estruturas

Elementos
mistos
 madeira serrada
Fonte: Calil et al (2006)
Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 14


Introdução

Conceito
 Elementos mistos
– Dois materiais trabalhando solidariamente em um
mesmo elemento estrutural.
Diretrizes
para
escolha
 Elementos mistos de aço e concreto:
Classificação – Lajes
das
– Vigas
estruturas
– Pilares
Elementos – Pisos / pavimentos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 15


Introdução
 Lajes mistas
Conceito
– Concreto moldado in loco sobre forma de aço

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização Forma trapezoidal


Forma reentrante

Profa. Dra. Silvana De Nardin 16


Introdução
 Lajes mistas
Conceito
– Concreto moldado in loco sobre forma de aço

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 17


Introdução
 Vigas mistas
Conceito

– “As vigas mistas de aço e concreto consistem de


Diretrizes um componente de aço simétrico, com uma laje
para
escolha de concreto moldada no local ACIMA DE SUA
FACE SUPERIOR, havendo LIGAÇÃO MECÂNICA
Classificação POR MEIO DE CONECTORES DE CISALHAMENTO
das entre o componente de aço e a laje de tal forma
estruturas
que ambos funcionem como um conjunto para
resistir à flexão.”
Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 18


Introdução
 Vigas mistas com elementos de aço
Conceito

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 19


Introdução
 Vigas mistas com elementos de concreto
Conceito

Diretrizes
para
escolha Laje pré-moldada protendida

Classificação
das
Pré-laje
estruturas

Elementos
mistos

Normalização
Laje totalmente pré-fabricada Laje parcialmente pré-fabricada
Profa. Dra. Silvana De Nardin 20
Introdução
 Vigas mistas: exemplos de utilização
Conceito

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 21


Introdução
 Vigas mistas: exemplos de utilização
Conceito

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 22


Introdução
 Treliças mistas
Conceito
– Alternativa às lajes nervuradas: grandes vãos

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 23


Introdução
 Treliças mistas
Conceito
– Alternativa às lajes nervuradas: grandes vãos

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 24


Introdução
 Treliças mistas
Conceito
– Alternativa às lajes nervuradas: grandes vãos

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 25


Introdução
 Pilares mistos
Conceito
– “Perfis de aço revestidos ou preenchidos com
concreto de qualidade estrutural”
Diretrizes
para
escolha  Tipos:
Classificação
– Preenchidos: concreto no interior de tubo de aço
das – Revestidos: concreto envolvendo totalmente os
estruturas
perfis de aço
– Parcialmente revestidos: concreto envolvendo
Elementos
mistos
parcialmente os perfis de aço

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 26


Introdução
 Pilares mistos
Conceito (1)
(1)* (1)*
tubo de
(1) aço
Diretrizes
para
escolha
(1)*
concreto
(1)*
Classificação (1)
das
(1)
estruturas

tubo de aço

Elementos
mistos (3) (2) (3)

1) Preenchido
Normalização 2) Revestido
(2)
3) Parcialmente revestido
Profa. Dra. Silvana De Nardin 27
Introdução
 Pisos mistos convencionais
Conceito

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 28


Introdução
 Pisos mistos de pequena altura
Conceito

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 29


Introdução
 Pisos mistos de pequena altura
Conceito

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 30


Introdução
 Pisos mistos de pequena altura
Conceito

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 31


Introdução
 Pisos mistos de pequena altura
Conceito

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 32


Introdução
 Pisos mistos de pequena altura – De Nardin
Conceito

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 33


Introdução
 Pisos mistos de pequena altura – De Nardin
Conceito
180

Diretrizes 150
para
Momento (kN.m)

Ligação 1: 01
escolha Ligação 1: 02
120 Ligação 2
Ligação 3
Classificação 90 Ligação 4
das
estruturas
60

Elementos 30
mistos
0
0 10 20 30 40
Normalização Rotação da viga (mrad)

Profa. Dra. Silvana De Nardin 34


Introdução

Conceito Associação de
elementos
mistos
Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Laje mista
Elementos
mistos
Viga mista
Pilar misto piso= viga + laje
Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 35


Introdução

Conceito

Diretrizes
para
escolha
 Sistema estrutural de
Classificação
Edifícios com elementos
das
estruturas mistos
Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 36


Introdução
 Grosvenor Place (Sidnei – Austrália, 1988)
Conceito
– Altura total: 180 m
– Pavimentos: 45
Diretrizes
para
– Pilares mistos revestidos
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 37


Introdução
 Casselden Place (Melbourne – Austrália, 1992)
Conceito – Altura total: 166 m
– Pavimentos: 43
– Pilares mistos preenchidos de seção circular φ 95 cm –
Diretrizes concreto C70
para – Lajes mistas com steel deck
escolha – Processo construtivo: perfis tubulares posicionados e
fixados para 6 pavimentos, concreto bombeado para o
Classificação interior do perfil, por aberturas na base do pilar
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 38


Introdução
 Ed. Commerzbank (Frankfurt
Conceito
– Alemanha, 1997)
– Altura total: 259 m
Diretrizes – 56 pavimentos
para
escolha – Três grandes pilares preenchidos de
seção triangular formam um triangulo
Classificação
eqüilátero de 60m de lado
das – Treliças ligadas a cada um dos pilares
estruturas sustentam cada pavimento
– Vigas mistas e lajes mistas
Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 39


Introdução
 Millennium Tower (Viena – Áustria, 1999)
Conceito
– Altura total: 202 m
– Pavimentos: 51
Diretrizes – Área de piso: 38000 m2
para
escolha – Custo: 145 milhões de euros
– Tempo de execução: 8 meses
Classificação – 2 a 2,5 pavimentos por semana
das
estruturas – Utilização: comercial e residencial

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 40


Introdução

Conceito
 Cheung Kong Center (Hong Kong, 1999)
– Altura total: 289 m
– 63 pavimentos
Diretrizes
para – Pilares mistos preenchidos
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 41


Introdução
 Shopping Center Iso Omena (Helsinki – Finlândia,
Conceito 2001)
– Lajes alveolares pré-moldadas com 50 cm de espessura
Diretrizes – Vigas metálicas
para – Pilares preenchidos
escolha
– Fechamento: painéis pré-fabricados tipo sanduíche
Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 42


Introdução
 International Finance Center I e II (Hong
Conceito
Kong, 2003)
– Altura total: 420 m
Diretrizes
– 88 pavimentos
para
escolha – Núcleo em C.A., pilares perimetrais mistos

Classificação
das
estruturas

Elementos Treliças entre 6º e 8º pav.


mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 43


Introdução
 Taipei Financial Center (Taipei –
Conceito
Taiwan, 2004)
– Altura total: 508 m, 101 pavimentos
Diretrizes
– Vigas e lajes mistas
para
escolha – Pilares mistos preenchidos até o 62º
pav. Depois pilares de aço
Classificação
das
– Sistema estrutural:
estruturas • Núcleo com 6 pilares e cada face com
dois “super-pilares” até o 26º pav.
Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 44


Introdução
 WaMu Center (Seatle – USA, 2006)
Conceito
– Altura total: 182 m
– Pavimentos: 42
Diretrizes
para
– Núcleo em C.A., pilares perimetrais mistos
escolha preenchidos

Classificação
das
estruturas

Detalhes do núcleo de concreto


Lajes mistas
Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 45


Introdução
 Estacionamento “DEZ” (Innsbruck – Áustria)
Conceito
– Detalhes da laje slim floor
• 60 mm pré-laje + 200 mm de concreto moldado in loco
Diretrizes • Viga de aço: alma 165/20 mm, mesa 245/40 mm
para
escolha • Conector: 22 mm
– Montagem dos pilares a cada dois pavimentos
Classificação
das 200
04 pavimentos
Dimensões: 60x30m
260

estruturas
Vão máximo: 10,6m
60

Laje slim floor de 26cm (λ/40)

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 46


Introdução

Conceito

Diretrizes
para
escolha

Classificação
 Sistema estrutural de Pontes com
das elementos mistos
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 47


Introdução
 Ponte "Wushan Yangtze River” (Chongqing – China)
Conceito – Vão: 460 m
– Largura: 19 m
Diretrizes – Sistema estrutural: arcos compostos por dois tubos na
para parte superior e dois na parte inferior, preenchidos com
escolha concreto C60
– Diâmetro dos tubos: 1220 mm e espessura de 22 mm
Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 48


Introdução

Conceito

Diretrizes
para
escolha  No Brasil...
Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 49


Introdução
 Shopping Frei Caneca  Laje nervurada plana e pilar
Conceito (São Paulo) misto preenchido
– Vigas e lajes mistas
– Aço: 4000 t
Diretrizes
para – Steel deck: 800 t
escolha – Área: 73.260 m2

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Foto: Eng. M.Sc. Raul Neuenschwande


Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 50


Introdução
 Taguatinga Shopping  Ibis Hotel Paulista (SP)
Conceito (Brasília) – Vigas e lajes mistas
– Vigas e lajes mistas – Aço estrutural: 440t
Diretrizes – Aço estrutural: 2343t – Steel deck: 90t
para – Área construída: – Área construída: 8500 m2
escolha 63500 m2

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 51


Introdução
 Edifício New Century  Hotel de Palmas –
Conceito (SP) NOVOTEL (TO)
– 18 pavimentos – Vigas e lajes mistas
– Vigas e lajes mistas – Aço estrutural: 532 t
Diretrizes – Pilar misto preenchido – Área construída: 15.645 m2
para – Aço estrutural: 2000 t
escolha
– Steel deck: 400 t
– Área construída: 34300 m2
Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 52


Introdução
 Hotel Caesar Park Guarulhos (SP)
Conceito
– Vigas mistas e lajes mistas
– Aço estrutural: 1080 t
Diretrizes
para
– Área construída: 25421 m2
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 53


Introdução
 Salvador Shopping (BA)
Conceito
– Pilares mistos revestidos 60 x 60cm
– Vigas mistas e lajes mistas
Diretrizes
para
– Aço estrutural: 5000 t
escolha – Área construída: 231400 m2

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 54


Introdução
 Edifício Garagem (São Paulo, SP) em construção
Conceito – Pavimentos: 5, construídos em 3 meses
– Pilares mistos parcialmente revestidos espaçados de 10m
Diretrizes – Concreto leve
para – Vigas mistas e lajes mistas: conectores pino com cabeça
escolha
(700 conectores dia, por homem)
Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 55


Introdução

Conceito

Diretrizes
para
escolha

Classificação
das
estruturas

Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 56


Introdução
 Início
Conceito – Revestimento de vigas e pilares com concreto não
estrutural para fins de proteção térmica (incêndios).
Diretrizes – Primeira década do século XX: início dos estudos
para
escolha
– 1930: surge primeira normalização para vigas mistas

Classificação
das
 No Brasil
estruturas – Utilização em crescimento (exceto vigas)
– Muitos estudos: USP, Unicamp, Ouro Preto, UFSCar
Elementos – Normalização em vigor: NBR 8800:2008
mistos
 Vigas mistas já constavam na versão de 1986 da
NBR 8800
Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 57


Introdução
 Boas características
Conceito
– Redução de material e cargas nas fundações
– Maiores vãos
Diretrizes
para
– Redução:
escolha • Altura das vigas de aço
• Tempo de execução
Classificação • Ou eliminação de escoramentos
das
estruturas • Fôrmas e armaduras
• Proteções contra incêndio e corrosão
Elementos
mistos

Normalização

Profa. Dra. Silvana De Nardin 58


Introdução
 No Brasil – histórico:
Conceito – NBR 8800:1986 –vigas mistas biapoiadas
– NBR 14323:1999 – Norma de incêndio aborda o
Diretrizes
cálculo de lajes e pilares mistos em temperatura
para ambiente
escolha – NBR 8800:2008
• Vigas mistas biapoiadas, contínuas e semicontínuas
Classificação • Pilares mistos
das • Lajes mistas
estruturas
• Ligações mistas

Elementos
mistos  No Exterior:
– Eurocode 4
– AISC-LRFD
Normalização – ACI 318

Profa. Dra. Silvana De Nardin 59


Introdução
 Materiais
Conceito – Aços com qualificação estrutural:
• Resistência ao escoamento: fy ≤ 450 MPa
• Relação entre resistência à ruptura e ao escoamento: fu/fy
Diretrizes
para ≥ 1,18
escolha • Módulo de elasticidade: Ea=20500 MPa
• Coeficiente de Poisson: νa=0,3
Classificação • Coeficiente de dilatação térmica: βa=12 x 10-6 oC-1
das
• Peso específico: γa=77 kN/m3
estruturas

Elementos  Aços sem qualificação estrutural


mistos
– Peças e detalhes de menor importância
– Devem ser adotados os seguintes valores:
Normalização • fy= 180 MPa
• fu= 300 MPa

Profa. Dra. Silvana De Nardin 60


Introdução
 Conectores de cisalhamento
Conceito – Pino com cabeça: Norma AWS D1.1:2002
– Normalmente: φ ≤ 22,2 mm
Diretrizes – Aço ASTM A 108: fy=345 MPa e fu=415 MPa
para
escolha

Classificação – Perfil U laminado: especificações para aços estruturais


das
– Perfil U formado a frio: NBR 14762
estruturas
• Chapas com espessura maior que 3 mm

Elementos
mistos  Fôrma de aço para lajes mistas
– Perfil formado a frio: NBR 14962
Normalização – Galvanização com zinco em ambas as faces para
proteção

Profa. Dra. Silvana De Nardin 61


Introdução
 Concreto
Conceito – Densidade normal:
• Módulo de elasticidade secante: E c = 4760 fck
(fck MPa)
Diretrizes
• Coeficiente de Poisson: νc=0,2
para
escolha
• Coeficiente de dilatação térmica: βc= 10-5 oC-1
Classificação
das • Peso específico:
estruturas – γc=24 kN/m3 sem armadura e γc=25 kN/m3 com armadura

Elementos – Baixa densidade:


mistos • Módulo de elasticidade secante: E c = 40,5 ⋅ γ 1c,5 ⋅ fck
(fck MPa)
• Coeficiente de Poisson: νc=0,2
Normalização • Peso específico:
– γc ≥ 15 kN/m3 sem armadura

Profa. Dra. Silvana De Nardin 62


Introdução
 O uso de elementos misto amplia as possibilidade de sistemas
Conceito estruturais
 Pode trazer vantagens estruturais e construtivas
 No Brasil, as normas ainda estão em fase de desenvolvimento
Diretrizes
para  Pesquisas no Brasil e exterior
escolha  Possibilidade promissora

Classificação Os materiais devem ser usados de forma a ser


das explorados suas melhores características: os
estruturas
elementos mistos são alternativas viáveis

Elementos
mistos “Concreteiros” x “metaleiros”

Normalização
Estruturas mistas ou híbridas

Profa. Dra. Silvana De Nardin 63