Você está na página 1de 2

Oriente Médio: quadro socioeconômico

População e grupos étnicos:


O Oriente Médio tem uma população de 300 milhões de habitantes, tendo uma grande
diversidade étnica, tendo um predomínio de povos semitas de origem árabe. Esse
predomínio se encontra em todos os países da Península Arábica até a fronteira com a
Turquia, em exceção, Israel. Os países mais populosos do Oriente Médio são habitados
por povos não árabes, como na Turquia, no Irã e no Afeganistão.
5 milhões de habitantes de Israel (7,7 milhões de hab.) é de religião judaica, sendo
também de etnia semita, mas com uma cultura diferente da dos árabes.
Mais da metade da população do Oriente Médio não é de origem étnica árabe:
otomanos, persas, afegãos, judeus, cipriotas (Chipre) e curdos. Mesmo que de 16 países,
11 são de etnia árabe, localizados na Península Árabica.
Apesar da extensa diversidade etnolinguística, há uma homogeneidade religiosa.

Religião:
Judaísmo: É uma das mais antigas religiões da Terra, tendo mais de 50 séculos de
existência, sendo professada pelos israelenses.

Cristianismo: Apesar de ter se desenvolvido mais na Europa, foi nessa região que o
Cristianismo surgiu, permanecendo com alguns núcleos de seguidores, como os
libaneses católicos maronitas e ortodoxos.

Islamismo: Mais recente religião, sendo seguida pela maioria dos árabes, tendo seus
seguidores chamados de muçulmanos. Foi ramificada em duas principais vertentes: os
sunitas (maioria entre povos islâmicos) e os xiitas (maioria apenas no Irã, Iraque e
Bahrein).
*Sunitas: referência à Suna (livro sagrado do Islão). Descreve palavras e realizações do
profeta Muhammad (Maomé)
*Xiitas: referência a Deus (Alah), limitando-se à evocação e obediência às leis do Corão
(fundamentalistas)
Apesar do Islamismo ter muitas semelhanças com o Judaísmo e o Cristianismo, por
conta de motivos históricos, se opõe a essas religiões. Ainda hoje há conflitos entre os
povos da região.
Ex.: maioria xiita iraquiana e maioria sunita
As religiões tem grande influência nos conflitos locais, tendo em conta que um dos
principais motivos de discórdia entre os povos do Oriente Médio é a disputa territorial
entre as nações, sendo potencializada na Guerra Fria com a tentativa de norte-
americanos e soviéticos obterem posições nessa área estratégica.
Turquia – Islamismo sunita e cristianismo ortodoxo
Arábia Saudita- Islamismo sunita
Líbano- Islamismo e cristianismo ortodoxo
Israel- Judaísmo e Islamismo (árabes)
Irã e Iraque- Islamismo xiita dominante e minoria islamismo sunita

Aspectos econômicos:
Inicialmente, a produtividade agrícola no Oriente Médio era menor por conta dos
grandes desertos e a falta de água consequente, o que não permitia que tivessem maiores
arrojos. Desta forma, esse tipo de atividade se concentra principalmente na
Mesopotâmia (arroz, trigo e cana-de-açúcar) e em áreas de clima mediterrâneo (Líbano
e Síria- oliveira e videira; Turquia- fumo e figo; Iraque- tâmara e damasco).
Atividade pecuária é caracterizada pelo pastoreio nômade, normalmente, em áreas
estépicas e oásis das regiões desérticas.
As atividades mais populares são o comércio e serviços, destacando também a indústria
manufatureira e artesanal, ligada à produção têxtil, alimentícia, confecções, tapeçaria e
etc. Israel é o país mais avançado industrialmente e sua produção agrícola é mais
moderna, tendo uma das melhores tecnologias para eletrônicos, telecomunicações e
armas. Deserto de Neguev é produtor de frutas cítricas, cereais e flores. Em Israel,
existem duas principais modalidades de produção: moshav (cooperativa típica do
modelo capitalista) e kibutz (propriedade comunal ou coletiva).
O Oriente Médio ficou conhecido por ser uma das principais áreas de produção
petrolífera. Desde sua descoberta até a atualidade, essa área é responsável pelo
fornecimento de cerca de 1/3 do petróleo mundial. É correspondente a uma dobra
tectônica, que com os movimentos de rochas no interior da Terra, surgiu na superfície
um lençol petrolífero.
*Principais produtores: Arábia Saudita, Iraque, Irã, Kuwait, Bahrein, Catar e Emirados
Árabes Unidos.
O petróleo e o lucro de sua venda não são revertidos para a população, ficam restritos
para emires, xeques e príncipes, já que maior parte da população é nômade e se
preocupando mais com sua religião, sendo distanciada dos dividendos chamado “ouro
negro”.
*Guerra do Irã-Iraque (1980 a 1989)