Você está na página 1de 22

Editoria Livre Editoria Livre

Editoria
| LIVRE.
Uma
N# 3
publicação Setembro de
Editoria 2018

Livre

Quanto tempo pode durar uma amizade? E quando ela não tem a
chance de ser periodicamente cultivada?
Tudo que tenho de fazer é sonhar é o primeiro romance do Eddie
Silva. O livro conta a história de Léo, um garoto do interior que acaba de
entrar na adolescência. Leva uma vida monótona na cidade interiorana
de Fronteira do Sul, no início dos anos oitenta. Passou as férias de
verão nadando num rio a alguns quilômetros de sua casa. Na véspera
do retorno às aulas ele é abordado por uma gangue de baderneiros que
querem agredi-lo por simples diversão. De repente, aparece um garoto
enigmático acompanhado de um cachorro beagle e empunhando uma
laranja. Esse será o início de uma longa e sólida amizade.

Em formato físico ou ebook na


Editoria Livre Editoria Livre
Editoria Livre Editoria Livre

direitos humanos da ONU cobrou não atinge uma parcela ínfima da


Índice
do Brasil uma revisão do programa sociedade.
econômico, alegando agravamento 
das desigualdades sociais e Editorial.........................................................................................04
prejuízos aos mais pobres, em
decorrência do corte em programas Cadê o seu violão agora?...............................................................05
sociais e restrições orçamentárias. REFERÊNCIAS
Uma das críticas é feita à O fliperama de "seu China".............................................................06
aprovação da Proposta de Emenda BARROS, Aidil Jesus da Silveira;
Constitucional (PEC) 95, uma das LEHFELD, Neide Aparecida Os cavaleiros templários, a história por trás do mito....................11
principais iniciativas econômicas de Souza. Fundamentos de
da gestão Michel Temer, que limita Metodologia Científica. 3 ed. São A luz do tempo congelado............................................................14
o crescimento de gastos do governo Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.
por 20 anos. Para os especialistas A dama da praia central com seios bico-de-agulha......................18
é um erro defender unicamente MELO, Alessandro de;
medidas de austeridade fiscal, URBANETZ, Sandra Terezinha. Berkeley em Bellagio: do tabu ao totem......................................20
por afetarem principalmente os Organização e Estratégias
grupos mais vulneráveis. Uma das Pedagógicas. Curitiba: Vale a pena...................................................................................26
soluções levantadas pelo grupo é a InterSaberes, 2013.
maior cobrança de impostos sobre Degredados somos nós.................................................................30
os mais ricos, antes de imporem
exigências ainda mais sacrificantes Um profundo corte no progresso do Brasil..................................36
aos mais pobres.
Portanto, enquanto alguns
funcionários públicos desfrutam EXPEDIENTE
de aumentos salariais, grande
parte da população brasileira segue Jornalistas responsáveis: Ms. José Fagner Alves Santos, MTb
prejudicada com a precariedade de
serviços como educação, saúde, 0074945/SP e Márcio Ribeiro, MTb 0078407
transporte público etc. Segundo
dados divulgados pelo pesquisador Crédito de textos em ordem alfabética: Eddie Silva, Giva
Sergio Firpo, professor do Insper, Moreira, Itamar Meira Luz, Jefferson Santos, Jonatas Oliveira, José
um trabalhador com ensino Fagner Alves Santos, Márcio Ribeiro, Mariana Mascarenhas.
superior completo recebe, em
média, 5,7 vezes o rendimento de Quadrinhos: Aiala Ramos
um brasileiro com até um ano de
estudo. Fotos: Banco de imagens do sxc.hu, Marvel Comics ®, Amazon ®.
Num país composto, Mariana Mascarenhas é:
atualmente, por 13 milhões de Mestranda em Ciências Humanas. Ilustração da capa: Giva Moreira
desempregados, tais dados apenas Especialista em Metodologia do
reforçam o abismo social que Ensino na Educação Superior e
se engrandece cada vez mais, Diagramação: J. Fagner e Márcio Ribeiro
em Comunicação Empresarial.
dificultando o acesso de novos Graduada em Jornalismo.
ingressantes no mundo acadêmico. Assessora de Comunicação.
Culpa do rombo econômico, que só Blogueira de Cultura e Economia.
Editoria Livre Editoria Livre

Editorial 20%. É uma contradição. Estamos aproximadamente 720 milhões de


sendo escolhidos para sermos reais ao ano com o judiciário.
cortados. É uma questão de outros Em entrevista à revista Veja,
Chegar à terceira edição é menos glamouroso do que se interesses que prevalecem em Rogério Nagamine, coordenador
uma grande vitória, ainda mais espera. Escrever sobre algo que detrimento do desenvolvimento do de seguridade social do Instituto
quando essa iniciativa começa se tem inspiração é uma coisa. país”, completou. de Pesquisa Econômica Aplicada
a dar frutos. E eis que temos o Outra completamente diferente A afirmação do presidente (Ipea) afirmou que “cerca de
nascimento de um novo fanzine, é tentar realizar, com o mesmo da SBPC é corroborada com os 70% da despesa primária está
o PopInZine. Pensada e elaborada nível de qualidade, a produção reajustes incabíveis que vem sendo comprometida com a folha de
por colaboradores deste Editoria, de uma temática imposta. Esse aprovados em benefício unicamente pagamento e com as aposentadorias.
a nova publicação será totalmente é o alicerce básico para quem das próprias autoridades. Embora a Quando há aumento nos gastos
voltada aos temas daquilo que quer seguir carreira profissional. previsão é de que o governo encerre com o pessoal, é preciso cortar
convencionou-se chamar de cultura E é fácil reconhecer aqueles que o ano com um rombo de quase 160 algo dentro dos 30% restantes, que
pop. Um novo veículo para o nunca chegarão a lugar nenhum, bilhões de reais nas contas federais, são despesas com saúde, educação
exercício da comunicação escrita. porque esses são os primeiros a na segunda semana de agosto de e investimentos”.
Enquanto isso, apresentamos demonstrarem descontentamento 2018, foi anunciado um reajuste Portanto, identificamos
o presente volume. Última com a imposição de uma pauta. de 16,38% sobre o salário mensal uma incoerência absurda em que
edição sem temática definida, o Seja como for, o resultado de R$ 33. 763 dos ministros do se defende o corte na educação,
caleidoscópio que você tem em poderá ser apreciado a partir da Supremo Tribunal Federal (STF), por exemplo, utilizando como
mãos segue o mesmo padrão de próxima edição. Aliás, a primeira aprovado pelos próprios ministros. justificativa o rombo econômico,
tudo que já foi apresentado até pauta imposta foi justamente: Trata-se de uma decisão que enquanto se aprovam reajustes
aqui. histórias em quadrinhos. Como não beneficiará apenas os onze exorbitantes para figuras públicas.
A partir do quarto número, o escrever um conto sobre histórias ministros, mas também outras E não se trata apenas de cortes
Editoria Livre terá temática definida em quadrinhos? E uma HQ? carreiras do Judiciário, como a educacionais, mas de diversos
a cada nova edição. Como o projeto Estou curioso para ter em mãos de promotor e a de procurador, outros setores essenciais para a
inicial era produzir 12 volumes o resultado dessa proposta tão que têm salários relacionados população.
laboratoriais que servissem esdrúxula. Até lá, vá digerindo aos concedidos ao Supremo. Os Em agosto de 2018, um
como uma oficina de construção o material disponibilizado nesta reajustes gerarão um gasto extra de grupo de especialistas sobre
de publicações alternativas, edição. O amadurecimento do
percebemos que as três primeiras projeto pode ser notado a olhos
edições cumpriram seu papel. vistos.
Todos já sabem o que é um fanzine Ao final desse exercício de
e já seriam capazes de desenvolver 12 meses teremos uma curiosa
um projeto semelhante. Agora experiência para contar.
passamos para uma nova etapa. Torço que seja tão gratificante
Será que todos seriam capazes de para todos os colaboradores quanto
produzir com uma pauta definida? tem sido para mim.
Será que todos estariam dispostos
a pesquisar sobre temas aos quais Boa leitura.
não estão habituados, só para
realizar um trabalho melhor? J. Fagner
Falando assim parece até
infantil. No entanto, a prática
é bem mais complicada. Não
digo que seja difícil, mas é bem
Editoria Livre Editoria Livre

Cadê o seu violão


agora?
Fotos: sxc.hu

científica para desenvolvimento da do orçamento, que é o recurso


produção de energia, surgimento todo para ciência, tecnologia e
de novas vacinas, tratamento inovação. Tem também uma parte Por: Eddie Silva
de doenças, produção agrícola do MEC (Ministério da Educação),
e diversos outros aspectos que que pega a Capes, mas se você
movimentam o país. comparar o total com outros
Além disso, a própria setores, o investimento em ciência
imagem do Brasil é prejudicada
internacionalmente, já que a
interrupção de pesquisas aqui
no Brasil é diminuto. Compare com
o recurso que vai para as bolsas
de auxílio-moradia para juízes e
F abinho era o típico
moleque que todos os
garotos da escola invejavam.
interestadual. Em todos os jogos,
a torcida da nossa escola era
mais fiel e barulhenta do que a do
também ocasionaria a paralisação promotores que já têm casa. E o Loiro, olhos verdes, cabelos no Corinthians. Os decibéis emitidos
de projetos de formação e dinheiro que pagamos de juros da estilo surfista, bom de bola e tocava pela torcida feminina levariam
programas de cooperação dívida pública”. violão como ninguém. qualquer suplicante ao hospital
internacional. Questionado pelo Ao fazer uma comparação Nem preciso dizer que, com para estancar as hemorragias dos
portal da BBC News Brasil sobre com o continente europeu, Moreira todas essas qualidades e virtudes, tímpanos. As Fabicats – nome
o problema da falta de recursos destacou que, enquanto nos países as garotas da escola só tinham dado às simpatizantes do Fabinho
como justificativa do governo para da Europa o valor destinado a olhos para ele. Era o mesmo que – deixavam qualquer adversário
os cortes na ciência, Ildeu Moreira, ciência e tecnologia corresponde você ser bom de futebol na mesma amedrontado.
presidente da Sociedade Brasileira a 3% do PIB, no Brasil não chega época do Pelé. Nunca chegaríamos Como não tínhamos meios
de Progresso da Ciência (SBPC), a 1%. “O próprio governo diz que aos pés do Fabinho. para concorrer com todos os
deu a seguinte resposta: o PIB está aumentando. Devagar, Recordo-me de quando atributos do Fabinho, a nossa
“Essa história de não ter mas está, 1%, 2%. Esse argumento a nossa escola participou do única solução era tentar cativar a
dinheiro é muito relativa. Nós de falta de recursos não se justifica. torneio de futebol de salão amizade dele. Quem sabe, assim
estamos falando aqui de 0,25% E o corte para a ciência está em
Editoria Livre Editoria Livre

nos sobrassem algumas migalhas. com o seu violão e começou a Enquanto as instituições graduação no Brasil, publicou
Ledo engano. As atenções estavam cantar Todo Azul do Mar, do 14 Bis. públicas sofrem com a falta de uma nota alertando sobre o risco
focadas nele. A versão que ele fez deixaria até o investimentos governamentais, de sofrer um corte de pelo menos
Só fui levar a sério a Flavio Venturini envergonhado. as privadas têm prejudicadas sua R$ 580 milhões no orçamento de
popularidade do garoto no dia Eu, que estava perto, tive que qualidade pelo loteamento de 2019. Em decorrência disso, foi
em que o Fábio Júnior – sim, o beliscar a minha perna para evitar alunos e maior preocupação com feito um alerta pela entidade sobre
cantor – iria se apresentar em praça escorrer uma lágrima. Welington a quantidade. Todavia, ambos os a possibilidade de paralisação
pública, num show promovido foi embora e nem percebemos tipos de instituições apresentam, nas atividades e a descontinuação
pela prefeitura. Nem era preciso sua ausência depois que pediu entre outros problemas, uma série de 200 mil bolsas de pesquisa
levar um quilo de alimento não transferência de colégio. deficiência em comum: a redução científica.
perecível, como é rotineiro nessas Nos quatros anos que se de investimentos em pesquisas. De acordo com a Capes,
ocasiões. Nesse mesmo dia o time passaram, Fabinho foi artilheiro de tal corte é devido à proposta de
da escola tinha um jogo marcado. todos os torneios em que participou. Corte de bolsas pela Capes orçamento do governo de Michel
Confesso que, até mesmo O colégio ganhou tudo que poderia Temer para o ano de 2019. Trata-
entre nós – os garotos da escola – ganhar, e todos os garotos se No dia 3 de agosto se de um cenário grave que poderá
houve um momento de fraqueza conformaram em receber um não de 2018, a Coordenação de prejudicar não somente a ciência,
e quase fomos ver o show. Mas, das garotas para as festas de final Aperfeiçoamento de Pessoal de como diversos outros setores do
para não dar margem a qualquer de ano. Foram quatro anos em que Nível Superior (Capes), uma das país, como o agrícola, o elétrico,
gozação que viria no dia seguinte, principais entidades responsáveis o farmacêutico, entre outros.
fomos ao jogo. Qual não foi a nossa pela pesquisa em nível de pós- Afinal, eles dependem da pesquisa
surpresa, todas as garotas da cidade
estavam na arquibancada, torcendo Foto Ricardo Fonseca
pelo Fabinho. Ali percebemos que
não tínhamos nenhuma chance.
Mas, não era só o fato dele
ser bom de bola. O que matava
todas as nossas chances, ou de
qualquer Alan Delon da vida, era a
voz do Fabinho. Quando ele trazia
o violão e começava a cantar –
normalmente era alguma canção
do Roupa Nova – dava vontade de
chegar em casa e pedir aos nossos
pais a transferência de colégio. De
preferência, um que ficasse a 50
quilômetros de distância, só para
ter certeza que ele não apareceria
com o seu violão.
Me recordo de um dia que
o Welington – filhinho de papai
– estava arrastando as asas para
um grupo de garotas, esnobando
a F1000 cabine dupla que seu pai
havia lhe dado, e ele só tinha 16
anos. Do nada, apareceu o Fabinho
Editoria Livre Editoria Livre

todas as atenções eram dadas ao que ninguém nunca imaginou que


Fabinho. ele fosse baixar asas devido à sua
No segundo ano em que o obesidade.
Fabinho estava no nosso colégio, Mas estavam os dois de mãos
eu tive o “privilégio” de cair dadas, alegres como se estivessem
na mesma sala que ele. Pude ainda na lua de mel. Ele me viu,
finalmente fazer “amizade” com o veio em minha direção e me
galã. Após alguns anos estudando abraçou. Eu, em estado de choque,
juntos, vi que ele era uma pessoa sem saber o que falar, olhei para
simples, e que sua maior frustração ele e pensei em perguntar:
era não ter uma amizade verdadeira,
sem interesses. “Cadê o seu violão agora?”
simultaneamente. instituição superior brasileira a Aquele garoto que era
Portanto, é a partir da análise
partir da década de 70, identificam- idolatrado por toda a cidade, na Nos cumprimentamos e
das contribuições que as primeiras
se mudanças quanto aos caminhos verdade, era solitário e usava seu depois de alguns minutos de
universidades trouxeram que traçados pelo ensino superior. violão para tentar cativar uma conversa, nos despedimos e
se compreende, de uma forma Naquele momento, o acesso à amizade. O moleque tinha todos seguimos em direções opostas.
mais ampliada, o aprimoramento educação superior era sinal de os dotes possíveis para conquistar A sensação que tive era
das instituições acadêmicas.
prestígio e status, já que poucos até a miss do colégio, mas, mesmo estranha, estava sorrindo com o
Obviamente que, para isso, cidadãos chegavam a este nível assim, era solitário. Não sabia como canto da boca e sentindo um leve
devemos contextualizar o período
de ensino. Já a década de 80 agir com todo aquele assédio. E aperto no coração. Havia um certo
descrito, compreendendo passadofoi marcada por parcerias entre olha que ele era assediado até pelas saudosismo. Eu não soube o que
e presente de modo integrado. Por
universidades e empresas para professoras. falar, não sabia o que perguntar.
isso, determinados aprimoramentos
financiamento de pesquisas; Acabamos por fazer uma Mas aquela era a primeira vez que
medievais foram relevantes diante
enquanto que, na década de 90, o parceria. Embora eu fosse magro, eu via o Fabinho feliz, e ele estava
do cenário que ainda acarretaria no
acesso ao ensino superior começou orelhudo e feio, costumava sem o violão. 
aprofundamento das mais diversas
a popularizar-se e caracterizar- escrever algumas canções, e esse
ciências, descontruindo a imagem,
se como a rápida transmissão de era um assunto que o interessava
ainda erroneamente apregoada, conhecimentos para preparar o muito. Formamos uma amizade
da Idade Média como Idade das aluno para o mercado de trabalho sincera e, em todas as festas que
Trevas. (MELO; URBANETZ, 2013). ele era convidado, fazia questão
Mas, ao retornarmos para Tal transmissão impede ou que eu fosse junto. Conheci um
o século XXI, especificamente dificulta o protagonismo do corpo verdadeiro ser humano por trás
no Brasil, será que podemos discente na construção do próprio daqueles olhos verdes.
considerar que as instituições aprendizado, com o risco de que Depois da formatura, cada
acadêmicas brasileiras vêm sendo
este se torne um mero reprodutor um tomou seu próprio caminho.
contempladas por uma evolução do
de conteúdo ao invés de ser um Nunca mais nos falamos.
ensino? Ou somos vítimas de um interventor social. Trata-se de um Quinze anos se passaram e,
retrocesso acadêmico, diante das
cenário que continua imperando do nada, nos encontramos na praça
políticas educacionais do governo
nos dias atuais, marcado por da cidade. O Fabinho já não era
atual? um avanço apenas no aumento o mesmo. Se alguém o chamasse
do número de ingressantes no de Fabão eu não ficaria surpreso. Eddie Silva é escritor, corintiano
O Ensino Superior no Brasil universo acadêmico, enquanto que Ele estava gordo, quase careca e e administrador de grupos do
a qualidade do ensino superior de mãos dadas com a Vani, filha Whatsapp.
Ao fazer um retrospecto da sofreu um retrocesso. da cozinheira da escola, garota
Editoria Livre Editoria Livre

O fliperama de meio da implementação da pesquisa eclesiástico, eles não deixariam de


científica na Europa, as instituições estar integrados à estruturação da
“Seu China” Foto: John Pilge/sxc.hu
universitárias sofreram uma
reestruturação através de respostas
Igreja. No entanto, foi justamente
a partir de tais estudos, que
substanciais para a solicitação de novos centros de ensino foram
reformas para o desenvolvimento, se desenvolvendo e permitindo o
ora através da racionalidade e do ensino como o conhecemos hoje.
experimento, ora voltado para Além disso, também
o conhecimento das questões é relevante considerar que o
socioeconômicas da sociedade, pensador medieval raciocinava
como forma de solucionar os e agia interdisciplinarmente,
problemas (BARROS; LEHFELD, ou seja, diante das múltiplas
2007). demandas da sociedade oriundas
Todavia, embora seja de diferentes áreas, ele exercitava
perceptível a acentuada evolução práticas procedentes, por exemplo,
quanto a busca, ampliação e do ramo da Matemática, da
descobertas cognitivas ao decorrer Teologia, da Física, entre outras.
dos séculos, em relação ao Ensino No entanto, ele não sabia estar
Superior, é preciso ter cautela lidando com diferentes disciplinas,
para não considerar as primeiras já que a fragmentação do saber e
instituições acadêmicas como consequente divisão disciplinar
atrasadas e, totalmente, doutrinárias iniciou-se apenas com o Iluminismo
A cena era muito parecida com essa, jovens vidrados nas telas por influência da Igreja. – período marcado pela elevação
É óbvio que, como os das descobertas científicas que
primeiros ensinos acadêmicos impediu o homem de dar conta
Por: Giva Moreira eram organizados pelo corpo de todas as demandas cognitivas

E m meados dos anos 80, o


meu pai chegou em casa
com um Telejogo. Era um vídeo
1990, meu pai comprou um Atari,
que veio com vários cartuchos:
River Ride, Enduro, Polícia e
game limitado, de gráfico tosco e Ladrão, PacMan, Space Invaders
de poucas cores, mas eu achei o e outros mais. Os gráficos eram
máximo. Já no final dos anos 80, melhores e as mudanças de fase
em Ipiaú city, nossa turma se virava eram uma novidade que fazia você
com o que tinha: Brincadeiras ficar muito mais tempo jogando e,
de rua, banhos no Rio de Contas, consequentemente, mais tempo em
passeios de bicicleta, quadrinhos, casa, na frente da TV, segurando
séries japonesas da TV Manchete, seu joystick, o que deixava nossos
igreja e colégio. Basicamente era pais mais tranquilos. Vira e mexe a
isso. Mas tinha uma coisa que galera organizava até campeonatos
conseguia manter a galerinha lá na rua.
toda reunida dentro de casa, estou Tudo ia bem tranquilo até
falando dos videogames. Nos anos que um dia, um amigo me falou
Editoria Livre Editoria Livre

Um profundo corte no lugares, mas naquele dia foi


diferente. Talvez pela atmosfera do
lugar...
progresso do Brasil Entrando no ambiente, dava
para ver a sala dos fundos, onde
ficava mais uma turma dividida
em duplas, sentados em frente
às TVs com modernos consoles
(Mega Drive e Super Nintendo) e
joysticks nas mãos. Em algumas
delas os comandos por botões e
alavancas eram fixos às mesas.
Todos se divertindo com futebol e
outros jogos que eu não conhecia.
Na sala da entrada, aglomerados
em volta de grandes cabines, mal
dava pra ver o que acontecia.
Quando finalmente consegui
passagem pela sala lotada, pude

de um lugar diferente, na Praça do


Cinquentenário, e ele dizia: “Você
vai ver, Giva, lá tem cada jogo
Por Mariana da Cruz Mascarenhas massa!”
Lá chegando, adentramos
uma sala cheia de máquinas
barulhentas, com meninos por
A Capes publicou uma nota
sobre a possibilidade da
descontinuação de 200 mil bolsas
universitas é compreendida,
atualmente, como “uma associação
de alunos e docentes que busca o
todo lado. No canto, vi um garoto
em frente a uma máquina grande e
diferente das demais. Ele colocou
de pesquisa científica, em razão avanço do conhecimento por meio uma ficha no equipamento, puxou
de um possível corte de R$ 580 do estudo livre e da associação de uma alavanca que disparou ver um rapazote jogando algo que
milhões no orçamento de 2019. estudiosos em grupo” (BUARQUE, uma bolinha que ricocheteava eu ainda não conhecia: Era o Street
Algo que afetaria a nação como 1994 apud BARROS; LEHFELD, freneticamente. E, em cada parte Fighter. Uau! Se eu já achava os
um todo 2007, p. 9). que ela tocava disparava várias gráficos do Atari bem melhores que
As universidades como Dentro do contexto histórico luzes, sinos por todo espaço dentro os do Telejogo, imagine a sensação
conhecemos hoje surgiram no universitário, as mudanças daquele painel. Os alarmes e luzes que tive ao ver, pela primeira vez,
período medieval por iniciativa ocorridas nas universidades aumentavam e o garoto tentava os personagens Ken e Ryu lutando,
da Igreja Católica e, desde então, romperam paradigmas. Um fazer mais pontos cada vez que a ali na minha frente, com aqueles
seu conceito sofreu profundas e desses rompimentos foi marcado tal bolinha se debatia no interior do gráficos de cores vibrantes e
variadas modificações. Definida, pela busca do pensar e do agir, brinquedo. Era um fliperama em movimentação de luta com golpes
pioneiramente, como uma assinalando a transição do ação. lindos. E a cada personagem que
associação legal, a expressão feudalismo para o capitalismo. Por Já tinha visto em outros surgia eu me encantava. Blanka,
Editoria Livre Editoria Livre

tomar conta do negócio, era o outros lugares? O problema estaria


Marcos, filho de seu China. Pronto. em nossas outras matrizes étnicas?
Bastava juntar alguns trocados que Me recuso a aceitar explicações tão
lá estava eu e mais alguns amigos pueris.
jogando naquele estabelecimento. Naquela época, no entanto,
Ou, como a turma costumava se o argumento simplificado da
referir, a gente “corria para seu nossa maldita herança genética
China”. fazia todo o sentido. Fui para a
Lembro de uma cena rua brincar com o Murilo e os
que até hoje me faz rir. Dentre outros moleques. Perto da hora
os muitos jogos disponíveis lá do almoço, quando voltei para a
(Mortal Kombat, Super Contra, casa, queria explicar para a minha
Uma das poucas fotos do local avó a teoria que havia aprendido
com seu João. Queria demonstrar
Guile, Bison, Dhalsim e cia. que o como eu era capaz de entender a
digam. Foi ali a primeira vez que vida. Talvez assim ela me deixasse
escutei os famosos “Hadouken”, participar das próximas conversas
“Yoga Fire” e “Sonic Boom”. Visite o de adultos. No fim, fiquei com
A meninada vibrava medo de ser repreendido por estar
junto a cada vitória que o garoto Editoria Livre me metendo em assuntos que não
eram da minha conta. Preferi me
conseguia. Parecia final de copa do
mundo. O rapazote jogava muito na internet: calar. Foi uma sábia decisão. 
bem. Curioso, perguntei para um
dos torcedores: Quem é ele? E
a resposta veio de alguém que
assistia ao show de habilidade: “É
o Leo.”
Até que, depois de muito www.editorialivre.com.br
tempo jogando e vencendo a
máquina, o Léo finalmente perdeu,
e o famigerado “Game over” surgiu
na tela, a torcida aglomerada se
desfez e ele foi embora.
Nesse momento a figura de
um senhor de cabelos brancos,
sentado à mesa, lendo jornal
com uma cara séria, de poucos
amigos, chamou minha atenção.
Novamente perguntei: “Quem é
aquele homem?” e meu amigo
respondeu: “É o seu China. Pra J. Fagner é: Mestre em Educação:
jogar, tem que comprar a ficha na História, Política, Sociedade;
mão dele.” jornalista, podcaster, blogueiro e
Avistei outro rapaz, bem mais professor. Fã de Ernest Hemingway,
velho que a molecada, que parecia Gay Talese e Truman Capote.
Editoria Livre Editoria Livre

Golden Axe, Shinobi e cia.), o consoles da Mega Drive e do Super


mais requisitado pela galera era o Nintendo. Um jovem controlava o
Street Fighter. O Léo estava numa tempo da galerinha que jogava no
maratona para zerar o jogo com local. Era o Guto. Foi lá que zerei
todos os personagens do game. “The secret of Shinobi”, com meu
Naquela ocasião, ele estava jogando amigo Josimar.
com a Chun-Li. Um dos golpes O Sr. Raimundo Dias dos
especiais da personagem era ficar Reis, o "Seu China", faleceu em
de ponta cabeça e girar as pernas Outubro de 2006, aos 63 anos
como um pião. Nessa manobra, de idade e o estabelecimento foi
o vestido dela caía e aparecia a fechado logo em seguida.
lingerie. Foi naquele momento que Hoje resta na memória, os
ouvi um dos moleques dizer: bons momentos que o fliperama
“Essa Chun-Li é muito gata!” do seu China nos proporcionou
O riso foi geral. Bons tempos. naquelas tardes juvenis.
Nessa época também fui Uma época da qual lembro
levado, por outro amigo, a um até hoje com muito carinho.
novo refúgio gamer, porque lá Mas jogar e ver os feras em “seu
em seu China vivia sempre muito China”, desafiando e vencendo as
cheio. Em frente à pracinha, ao máquinas no modo “difícil”, era
pontos sobre essa questão. Ele dá desse contingente de exilados. lado da Fundação Hospitalar, realmente um show à parte. 
respostas para perguntas como: Segundo o autor de Casa Grande havia um prédio, e ao subir suas
quem eram esses degredados que e Senzala, pelo crime de matar o escadas vimos TVs conectadas a
colonizaram o Brasil? Qual legado próximo, de desonrar-lhe a mulher,
eles realmente deixaram? de estuprar-lhe a filha, o delinquente
Para Freyre, “A colonização não ficava, muitas vezes, sujeito a
por indivíduos – soldados de penas mais severas que a de “pagar
fortuna, aventureiros, degredados, de multa uma galinha”.
cristãos-novos fugidos da Sim, vieram degredados.
perseguição religiosa, náufragos, Sim, em números significativos.
traficantes de escravos, de Mas não eram criminosos como
papagaios e de madeira – quase não definiríamos hoje em dia. Eram
deixou traço na plástica econômica judeus que haviam se convertido
do Brasil. Ficou tão no raso, tão à há pouco e sob os quais pairavam
superfície e durou tão pouco que alguma dúvida sobre a sua fé; eram
política e economicamente esse pessoas que se declaravam ateus;
povoamento irregular e à-toa não mulheres que faziam simpatias para
chegou a definir-se em sistema trazer de volta o amor perdido; etc.,
colonizador.” etc. E mesmo estes, não haviam Giva Moreira – Formado em
Freyre nos conta que o influído profundamente em nossa magistério, Técnico de segurança
degredado que vinha para o Brasil cultura. do trabalho, Ator, Cantor,
ou que seguia para a África era, O problema não era esse. O Músico, Autor de textos teatrais,
quase sempre, alguém que havia povo brasileiro é, em sua maioria, colecionador de quadrinhos e tem
cometido crime religioso. Ateus, honesto. Por que, então, o nível de um canal no you tube - Cejaviu?
hereges e feiticeiros eram o grosso criminalidade é maior do que em HQs & Derivados.
Editoria Livre Editoria Livre

Os Cavaleiros Templários, a história A justificativa simplista de os criminosos que nele queiram


que nós, brasileiros, descendíamos morar, ainda que condenados por
por trás do mito do que havia de pior no mundo era
muito verossímil no auge dos meus
sentença, até em pena de morte,
excetuando-se somente os crimes
cinco anos de idade. de heresia, traição, sodomia e
Templários, "os pobres cavaleiros de Cristo" foram monges Anos depois, focando apenas moeda falsa. ”
num tempo em que os dogmas cristãos eram lei, banqueiros naquilo que eu queria ler, encontrei Portugal, não podendo
em um período de escassez monetária e guerreiros no trechos de vários autores que dispensar seus valorosos homens,
pareciam corroborar minha crença. colonizava a Índia Ocidental
momento em que a Igreja conclamava a cristandade a se Sobre a colonização do com aqueles que fossem mais
unir contra os "infiéis". Brasil e a guerra entre Portugal dispensáveis à sociedade lusitana.
e Espanha pela dominação das E o número desses exilados
Fotos: NadineDoerle/Paxabay novas terras, o antropólogo que migrava para o Brasil era
Darcy Ribeiro escreveu em seu significativo. Em determinado
livro, O Povo Brasileiro: “O trecho, do já citado livro, Ribeiro
projeto real era enfrentar seus nos conta que: “O primeiro
Por: Itamar Meira Luz competidores povoando o Brasil governador chega ao Brasil em
através da transladação forçada de 1549, em três naus, duas caravelas
degredados. Na carta de doação e e um bergantim [embarcação tipo
foral concedida a Duarte Coelho galé]. Traziam funcionários civis
(1534), se lê que El-Rei atendendo e militares, soldados e artesãos.
a muitos vassalos e à conveniência Mais de mil pessoas ao todo,
de povoar o Brasil, há por bem principalmente degredados”.
declarar couto e homizio para todos Uma coisa que não me
ocorreu diante daquele discurso
foi o fato de que o seu João foi um
dos primeiros a socorrer a minha
avó. Na sequência outros vizinhos
apareceram. Havia acontecido
uma comoção instantânea. Alguns
homens chegaram mesmo a se
juntar com a intenção de perseguir
o criminoso. A perseguição não deu
em nada, é verdade, mas a intenção
demonstrou que nem todos eram
A história da ordem remonta
ao século X, quando um
grupo de nobres, respondendo ao
por todos os lados. Balduino II
foi feito rei dos territórios, agora
em poder dos europeus, entregou
insensíveis mercenários.
verdade, apenas um homem havia
cometido o crime e todo o resto
Na

apelo do Papa Urbano II, recupera para 9 cavaleiros, sobre o comando da população levava a culpa.
Jerusalém, que estava em poder do Francês Hugo de Paynes, a Aquelas pessoas eram, em sua
dos Muçulmanos desde o século responsabilidade da defesa dos grande maioria, honestas, íntegras,
VII. Com o sucesso da empreitada cristãos que faziam peregrinação trabalhadoras. Seriam descendentes
houve a consequente formação do a Jerusalém. Esses cavaleiros dos mesmos degredados?
Reino Latino de Jerusalém, uma receberam permissão para se Um outro pensador brasileiro,
ilha cristã que ia de Beirute a Gaza, alojarem em uma ala da Mesquita Gilberto Freyre, esclarece alguns
cercada por inimigos religiosos Al-Aqsa, esta era considerada o
Editoria Livre Editoria Livre

dar.” local onde outrora ficava o templo Ordem. Alguns eram obrigados
Em outro trecho, Pero Vaz de Salomão, daí advêm o nome a fazer voto de pobreza e nada
deixa ainda mais clara a intensão atribuído à ordem. tinham de seu. É neste ponto que
de cristianizar os nativos de A combinação de força o ensinamento se distancia da
Pindorama. Já perto do final da e fé funcionou. Os Templários prática, pois os altos dignitários
epístola ele pede que se envie padres se tornaram a força militar de viviam em palácios cercados do
tão logo venha a primeira missão à elite de sua época, temidos por luxo e conforto. Outra prática
nova terra: “E por isso, se alguém lutarem com uma fúria implacável que serviu para aumentar ainda
vier, não deixe logo de vir clérigo contra seus adversários. O misto mais o patrimônio dos templários,
para os batizar, porque já então de fanatismo religioso com a foi a invenção de um sistema
terão mais conhecimento de nossa perspectiva bastante promissora monetário que garantia a segurança
fé, pelos dois degredados, que aqui de aquisição de prestigio e bens financeira dos que viajavam em
entre eles ficam, os quais, ambos, tinha pouca instrução, mas era materiais os transformou na força peregrinação a Jerusalém. Como
hoje também comungaram”, metido com o sindicato, e sempre fundamental de manutenção dos forma de impedir que fossem
argumentou o correspondente. que voltava das reuniões danava a territórios cristãos no oriente roubados, os peregrinos deixavam
Além do Afonso Ribeiro, conversar com os vizinhos e com a médio. Os muçulmanos os seu dinheiro com os Cavaleiros,
mais dois degredados foram família tentando mostrar o quanto respeitavam porque acreditavam que por sua vez repassavam
deixados pela frota de Cabral. Seus havia aprendido. estar diante de um inimigo que se cartas de créditos resgatáveis em
nomes não foram registrados por Uma vez o Murilo me mostrava dispostos a lutar até o fim qualquer propriedade controlada
Caminha. confessou que seu João sonhava, pelos seus interesses. Tornaram- pela Ordem, um sistema muito
Meu amigo Murilo, por sua quando criança, em ser professor. se extremamente ricos, o quê, de parecido com as "contas correntes
vez, girava o dedo indicador ao redor A vida, no entanto, o levou por certa forma, era paradoxal, pois atuais". Evidentemente, toda essa
da orelha, como quem quisesse um caminho diferente. Ele se seus membros eram obrigados “proteção custava caro”. Logo os
indicar que aquela conversa de seu orgulhava de poder sustentar a a se desfazer de quaisquer bens Templários se tornaram senhores
João era coisa de louco. Ninguém esposa e os quatro filhos com o que possuíssem em favor da de um imenso patrimônio. Isso
na família levava o coitado a sério. suor do seu trabalho, mas aquela
Ele trabalhava como pedreiro, fome de conhecimento ainda
estava ali. Talvez por isso o
sindicato dos trabalhadores lhe
servisse como a sala de aula que
nunca frequentara. Era comum vê-
lo tentando converter algum dos
vizinhos. Repetia de cor toda a
argumentação marxista que ouvia
nas reuniões do sindicato. A reação
era sempre a mesma. Familiares
ou vizinhos sempre giravam o
indicador em volta da orelha tão
logo ele virasse as costas.
Mas naquele dia a conversa
parecia fazer algum sentido. Eu
estava profundamente magoado
com o que havia acontecido. Como
alguém poderia querer machucar
a minha avó? Eu não conseguia Antigo moinho que era propriedade dos Cavaleiros Templários
entender.
Editoria Livre Editoria Livre

Entregues à Inquisição, foram um moleque da minha idade? Desci o caso, mas parece que sempre
julgados e condenados por práticas a ladeira até a casa do Murilo. O levavam alguns degredados nessas
de bruxaria, pacto com o diabo assunto lá não era diferente. Seu longas viagens marítimas para o
e sodomia, em um processo no João, pai do Murilo, explicava para caso de emergências como aquela.
mínimo questionável, a Ordem foi a esposa e filhos que a tendência Eles precisavam seguir viagem
oficialmente dissolvida em 1312, e à criminalidade e à violência era rumo às Índias e pretendiam deixar
no ano seguinte seu líder queimou herança portuguesa. “Só vieram aqui o pobre Afonso Ribeiro para
em uma fogueira em Paris. para o Brasil os criminosos de aprender o idioma dos nativos,
Isso, de maneira nenhuma Portugal, gente que a Coroa não conhecer a terra, descobrir
significou o fim da Ordem dos queria por lá”, argumentava ele. se existiam riquezas a serem
“Pobres Cavaleiros de Cristo Foi a primeira vez que tive contato exploradas e catequizar os nativos.
do Templo de Salomão”. Suas com essa teoria. Sim, por mais absurda
atividades, em alguns países Descobri depois que essa que nos pareça, essa era uma
– a exemplo de Portugal –, ideia estava presente no trabalho das justificativas da colonização
simplesmente mudaram de nome. de vários estudiosos que pensaram portuguesa, levar o evangelho aos
Em solo lusitano, passaram a o Brasil ao longo da história. gentios. A prova disso é um trecho
ser conhecidos como Ordem de A questão é que nunca houve específico da carta que diz: “E
Cristo. Pedro Álvares Cabral e consenso sobre o assunto. portanto, se os degredados, que
Vasco da Gama faziam parte dessa Já na Carta de Pero Vaz aqui hão de ficar aprenderem bem
levou muitos monarcas europeus ordem. Não por acaso o símbolo de Caminha, documento que a sua fala e os entenderem, não
a se oporem, eles não viam com estampado nas velas da esquadra representa a certidão de nascimento duvido que eles, segundo a santa
bons olhos tamanha concentração que aportou em terras tupiniquins, do nosso País, havia menção direta intenção de Vossa Alteza, se hão de
de poder e riqueza nas mãos de um em 1500, era a cruz vermelha em aos degredados que aqui ficaram: fazer cristãos e crer em nossa santa
grupo restrito. fundo branco. A insígnia da Ordem “E mandou com eles, para lá fé, à qual praza a Nosso Senhor
Jacques DeMolay, 23º grão- de Cristo, que por sua vez, era uma ficar, um mancebo degredado, que os traga, porque, certo, esta
mestre da Ordem, foi convocado versão do símbolo original dos criado de D. João Telo, a que gente é boa e de boa simplicidade.
à presença do Rei da França, Templários.  chamam Afonso Ribeiro”, escreveu E imprimir-se-á ligeiramente neles
Felipe, o Belo. A coroa francesa Caminha. Não sei bem qual era qualquer cunho, que lhes quiserem
devia altas somas de dinheiro
por empréstimos, contraídos a
juros exorbitantes. Há muito que
os Templários financiavam as
guerras fratricidas travadas em
solo europeu. Ao que parece, as
negociações não transcorreram
de forma satisfatória. DeMolay
acabou preso, acusado de alta
traição, destino reservado a toda
alta cúpula da Ordem. Felipe,
apesar de católico, desejava
eliminar seus credores e estava Itamar Meira Luz é Históriador
sequioso por apossar-se do seu por vocação, engenheiro de
imenso patrimônio. Desta forma, produção por formação, técnico
não poupou esforços para conseguir de planejamento e controle por
a condenação dos envolvidos. profissão, nerd por afinidade
Editoria Livre Editoria Livre

Degredados somos nós A luz do tempo


congelado
 Mais importante do que conhecer sobre um assunto é
saber a hora de falar e a hora de calar

Foto: Ruben Baron Romero/sxc.hu

Por: Jeffersonyc Saints

Muito se fez, muito sangue se derramou tendo a cruz por justificativa


Por J. Fagner
R einaldo caminhava pelos
corredores do fórum a
passos apressados. Havia acabado
dois clientes que o esperavam.
Pensou em dar uma pausa para o
almoço, mas seus clientes, além
de ganhar uma causa que lhe de pagarem bem, odiavam esperar.
U m dia depois do incidente
(ver última edição) as
pessoas do bairro não falavam
havia representado – ao menos para
mim – a imagem de alguém que
poderia resistir a qualquer coisa.
roubara noites de sono, mas os
honorários que receberia de seu
estimado cliente eram grandes o
Sem contar as palestras que teria
que ministrar em duas faculdades
à noite. E Reinaldo sabia que a
sobre outro assunto. Todos tinham Sentados à mesa do barraco, suficiente para pagarem todas as última coisa que teria naquele
suas teorias e justificativas. Minha ela e meu tio conversavam sobre noites de insônia. Enquanto descia dia era tempo, e como ele mesmo
avó havia chegado do hospital no o que fazer. Pediram que eu fosse as escadas, só parou para receber dizia “Tempo é dinheiro”. Antes
meio da madrugada. Seu pulso brincar com os meninos. Não os elogios de outros advogados que que desse mais um passo, sentiu
enfaixado e preso a uma tipoia queriam que eu ficasse ouvindo. o parabenizavam pela impecável uma leve pontada em seu coração.
dava-lhe um aspecto de pessoa O carro de pedal estava defesa. Não demorou muito ali, e Parou para colocar a mão no
frágil. Era a primeira vez que eu jogado no quarto. Não havia clima logo continuou em sua apressada peito, porém, continuou a andar
enxergava dona Odília como uma para levá-lo para à rua. Saí meio caminhada. Estava cansado, mas ao constatar que não era nada.
simples mortal. Aquela mulher, que entristecido, queria participar da tinha que passar no seu escritório Depois de cinco passos, a pontada
à época contava 44 anos, sempre conversa. Mas que autoridade teria para resolver a pendencia de mais voltou trazendo uma nova dor.
Editoria Livre Editoria Livre
tantos dias
desperdiçados pra nada!

Parou mais uma vez esperando-a noite, e por mais que chorasse,
passar, contudo ela não parou, mas lágrima alguma caía de seus olhos.
continuou de forma mais intensa. Novamente a escuridão foi se
Forte o suficiente para fazê-lo dissipando aos poucos e o cinza foi
desabar. Reinaldo se debateu no tomando seu lugar. Reinaldo viu
chão e arregalou os olhos quando sua mulher e filho. Eles pareciam
percebeu que estava morrendo. Os estar chorando, congelados no que
sons dos seus batimentos cardíacos parecia ser o quarto de um hospital.
ficaram lentos, até que finalmente – Porque até você está Maldição!
pararam. Reinaldo viu o tempo, chorando, Pedro? Eu sempre te
que parecia ter parado tratei tão mal...
como se estivesse Achei que me
congelado. As cores odiava. às vezes a insistência
sumiram e tudo ficou Reinaldo
cinza, um cinza que viu a escuridão
ele nunca tinha visto entrar pelas E o imprevisto...
em toda sua vida. paredes do
– Eu estou quarto e engolir
morrendo? – disse o cinza mais
Reinaldo, percebendo uma vez, e por Podem mudar tudo.
que voz alguma saia alguma razão,
de sua boca. Tentou ele sabia que
mover seu corpo, aquela seria
porém, por mais a última vez.
que tentasse não Toda sua vida
conseguia. passava diante
– O que é dos seus olhos
aquilo? – disse ele, de maneira jamais desista.
ao ver um véu negro rápida, mas Vale a Pena o esforço.
engolir o cinza, até ele conseguia
tomar complemente acompanhar
sua visão. Aos poucos o breve e
a escuridão foi se dissipando, intenso filme que se desenrolava.
dando lugar ao cinza novamente. Reinaldo viu as memórias de toda
Reinaldo viu os paramédicos sua trajetória queimarem como
congelados ao redor de seu corpo, papel, mas não pelo fogo, e sim
como se estivessem tentando pela escuridão que consumia
reanimá-lo. tudo. Dedicou-se inteiramente ao
– O que está acontecendo? – trabalho, nunca tinha tempo, para
disse Reinaldo, sem saber ao certo família, muito menos amigos.
se estava realmente morto. De longe Sabia mais do que ninguém que,
viu o véu negro se aproximar mais sempre fora um péssimo pai,
uma vez e engolir completamente porém, acreditava fielmente que
o cinza. Reinaldo chorou na estava fazendo o melhor, mas
escuridão mais negra que a própria ali, no tempo congelado, tudo
Editoria Livre Editoria Livre
Nasce mais um dia e Jorge parte para a luta. Esta
manhã ele tem OUTROS planos.

havia deixado de fazer sentido. começou a rachar como vidro, até


Suas conquistas, seu trabalho ou que se quebrou em incontáveis
até mesmo o dinheiro que tanto fragmentos. Reinando viu a luz
amava. Como se tudo fosse em desaparecer, levando todos os
vão. Na escuridão, Reinaldo não estilhaços do cinza que imperava
entendia como havia dedicado sobre seus olhos. O tempo
tanto tempo para àquelas coisas. começou a se mover de forma
Sempre pensou que era um grande lenta, ganhando força até chegar
homem, pelos títulos de sua vasta ao seu fluxo normal, libertando
e impecável carreira, mas ali, na Reinado do tempo congelado. E o
Quanto esforço? Quantos profunda escuridão, ele conseguia primeiro som que ouviu foi o dos
dias e pedras quebradas, ver o pequeno e insignificante seus batimentos cardíacos, fazendo
e nem sinal de algo que homem que era. Queria voltar a máquina do hospital apitar. Sua
valesse a pena? atrás e começar tudo novamente, esposa e seu filho arregalaram os
mas ele sabia que era tarde, pois olhos, e o médico que havia entrado
a escuridão estava tomando todo na sala deixou a prancheta cair no
o lugar. Porém, Reinaldo viu que chão ao ver Reinaldo sentando na
escuridão havia parado de avançar cama.
sobre uma luz, que se movia mesmo Reinaldo abraçou sua
no tempo congelado, mantendo sua família, e chorou todas as lágrimas
própria cor, independentemente da que nunca derramou. 
escuridão.
Reinaldo tentou entender o
que era aquela luz, tão incomum
aos seus olhos como o cinza ou a
escuridão jamais vista. Chegou
a pensar que aquela luz poderia
ser Deus, uma existência que ele
mesmo se negou a acreditar por
anos, mas todas as suas convicções
haviam sido levadas com a
escuridão. Reinaldo pensou que
teria uma segunda chance, mas
Mas há um jeito de ele se perguntava o porquê de
mudar tudo isso... receber uma segunda chance, pois
a escuridão lhe mostrara que não
merecia nem mesmo estar diante
daquela luz. Mesmo que a luz
não dissesse nada, Reinaldo podia
compreendê-la, como se ela falasse Jefferson Santos é escritor,
através de sua própria iluminação. estudante de direito, técnico em
A luz emanou seu brilho, um brilho informática, gamer, louco por
tão intenso que dissipou toda a livros e um grande apreciador da
Não posso. Não
escuridão como fumaça. E a luz cultura japonesa, principalmente a
da pra sair assim.
começou a vibrar e o filtro cinza animação.
Editoria Livre Editoria Livre Espero que hoje
não seja mais
um dia como os
A dama da praia central com outros.

seios bico-de-agulha Mais um dia


começa.

PLINC PLINC
PLINC PLINC
Bela como a natureza em toda a sua exuberância e fartura

Por: Márcio Ribeiro PLINC

E u tinha uns 12 anos


naquela época e a “dama
da praia central” aparentava ter uns
“negra-mulata”. Os cabelos pretos
eram bem lisos, escorriam pelo
seu corpo e serviam de cortina
17. Linda! para tampar os fartos “seios de
Ela saía da escola e bico-de-agulha”. As coxas dela
caminhava sozinha em direção à eram bem grossas e desprovidas
praia. Passava pela pracinha do de estrias ou celulites. As suas
coreto, descia a feirinha e ficava nádegas avantajadas sustentavam
sentada nos banquinhos de concreto confortavelmente todo o seu corpo
à beira mar. A menina era danada, quando ela sentava. Ah…e como
ficava mexendo com os homens era sexy aquela menina. Sim, caro
que passavam em frente ao prédio leitor, confesso que observei bem
dirigindo aqueles carrões. De vez os detalhes, apesar disso, eu ainda mas o destino não sorri para
em quando entrava em um deles. E estava em minha infância e não Jorge, e ele volta para casa
eu, de longe, com a minha bicicleta conhecia o jardim de mato preto e de mãos vazias.
que insistia em cair a corrente, só chão molhado.
observava. De vez em quando ela não
Ela era índia e tinha a pele aguentava o calor (vezes do sol,
Vale a pena
Editoria Livre Editoria Livre

vezes dela mesma) e entrava no


mar com os seios à mostra. Parecia
que o tempo parava e que nada
PLINC PLINC
Sol escaldante. Até os pássaros
estão calados. Apenas um som mais importava na vida, pois nada
repetido quebra o silêncio. devia impedir o doce caminho do
balanço de seus quadris rumo ao
PLINC Texto e arte: aiala Ramos
mar…
A “dama da praia” desfilava
na orla central às terças e quintas,
sempre depois do almoço. Ficava
até encontrar uma grande aventura
PLINC ou ia embora junto com o sol,
quando ela se encontrava consigo
mesma, totalmente integrada à
PLINC natureza. 
PLINC
PLINC
setecentos dias, e
nada. Nadinha.

mais um dia sem proveito,


de uma vida sem sentido.
Márcio Ribeiro é caiçara e formado
em Jornalismo pela Universidade
Católica de Santos.Tem uma forte
ligação com o lugar onde mora,
por isso atua também na área de
turismo, utilizando-se dos cursos
de Técnico em Turismo (ETEC
Centro Paula Souza), Monitor
Ambiental (Instituto Florestal do
Estado de SP) e Técnico em Lazer
e Recreação (Senac Sorocaba).
Sua principal ocupação é como
funcionário público estadual,
mas escreve para o Garoçá para
exercitar o jornalismo.
Editoria Livre Editoria Livre

Berkeley em Bellagio: narrativa acelerada, dada em introspecção, suas reflexões sobre


períodos contínuos, sem divisão o mundo e sobre si mesmos. É em
do tabu ao totem por capítulos tópicos ou tomos,
contribui para uma absorção
meio a essa complexidade que o
autor concebe a suas personagens
frenética da trama. Essa estrutura de as ferramentas necessárias para
Sem dúvida, o erotismo constitui-se como marca de leitura escrita acelerada é uma das marcas fugirem ao senso comum, tornarem-
na literatura ocidental e latino-americana. E o homo-erotismo pós-modernas escancaradas no se ícones enquanto representantes
se revela como lugar de enunciação em seus gestos e estilo incisivo (para alguns, até um de uma minoria.
tanto agressivo) de João Gilberto Poucos autores conseguem
práticas investidos na legião livre da existência. Como um Noll. levar a patamares tão dignos
olhar que registra as vias urbanas, este mesmo olhar flagra Reafirmando a capacidade assuntos tão polêmicos. No caso
os contatos homossexuais entre e com homens demarcados de Noll de toteimificar o profano, de Noll, a polêmica é também sua
no disparate, tendo como medida as experiências on the o sujo, ele faz uso de uma realidade, seu mundo, seu estilo
normalização do incomum; o que de vida. Fato esse que o aproxima
road. (GARCIA, Paulo César. 2008). para outros seria absurdo é exposto, ainda mais de sua obra, que lhe
é tratado, é humanizado e torna-se concede ainda maior poder de
o centro de uma esfera narrativa desmitificar o tabu, fazendo da sua
incansavelmente provocante. narrativa mais que um elemento
Ao ser pego abraçado a um de inserção cultural e sim, um
colega no banheiro, abocanhando mecanismo de obliteração da
a carne de seus lábios, alisando irracionalidade. 
seus cabelos ondulados, ele era
o culpado – já o colega não, nem
tanto; ele sim, apontado como o
que desviara o desejo de outros
jovens das “metas proliferantes
da espécie”. Por que era ele o
emissário de um mundo que os
discursos dos padres condenavam
ao silêncio sepulcral? Quem era
ele afinal, por que se roía a ponto
de o levarem para o Sanatório para
ali se resolver impregnando-se de
choques insulínicos, como se só na
convulsão pudesse remediar um
erro que ainda não tivera tempo de
notar dentro de si? . (NOLL, 2003.
p.22-23). Adenivaldo Brito – É formado em
Se o homem é produto do Letras pela Universidade Estadual
meio, as personagens de Noll da Bahia (UNEB) e atualmente
são produtos arquetipificados de trabalha como professor de
sua visão de como deveria ser o português na rede pública de
meio. Elementos complexos e ensino. Fã de quadrinhos, rock and
essencialmente humanos. Quase roll e o que mais incomodar aos
tangíveis em seus momentos de inconformistas.
Editoria Livre Editoria Livre

utilizados para gerar um sem fim seus atos. Tudo era medido quando
de possibilidades argumentativas. não se estava bêbado, que todos se
Até mesmo a paranoia segurassem em seus casulos, não
americana, vivida em sua máxima se aproximassem de ninguém além
intensidade no período imediato do que a Democracia Americana,
à destruição de um certo ícone a única, soberana, pudesse
do capital, tem sua vez durante conter em seu código relativo aos
as caminhadas noturnas entre os “Direitos e deveres Dialógicos”
campos de Bellagio ao som do Esse o patamar para além do qual
cascalho sob os pés: a História se encolhia tanto a ponto
Continuei ouvindo o de se cristalizar platônica, sem
cascalho, alguém se aproximava nada mais pra redimir, elaborar,
e devia ser por trás. Custei um viver. Era a torre do Novo Capital
pouco a me virar. Estar entre se erguendo, basta... (NOLL, 2003.
americanos é jamais abordar p.40). Por: Adenivaldo Brito
quem quer que seja com um Enquanto se camufla
olhar inoportuno, como se todos nas vestes de um romance
estivessem vivendo às margens da despretensioso que provoca apenas
paranoia e a todos se exigisse que
não a provocassem o suficiente
a ponto de se ultrapassar um
por provocar, Berkeley em Bellagio
vai abrindo portas no subconsciente
do leitor e lançando sobre si mesmo
O utubro de 2002. João
Gilberto Noll, gaúcho
de Porto Alegre, até então com 56
Berkeley em Bellagio anuncia-
se como uma figura disposta
a romper tabus. A linguagem
limite além do qual já não se pode uma atmosfera que vai se tornando anos e um histórico profissional poeticamente sensual, para não
responsabilizar ninguém pelos gradativamente mais densa. Sua que incluía a Folha de S.Paulo dizer obscena, empregada pelo
(1970) e a Pontifícia Universidade autor, constrói junto ao leitor a
Católica (lecionou no curso de visão de um Inocêncio VIII pós-
Comunicação em 1975), apresenta moderno acerca da personagem.
ao mundo o provocante romance Esta, assim como aquele, sempre
Berkeley em Bellagio. em busca de sangue novo para
Narrativa pós-moderna reavivar seus sentidos. Tal qual o
ousada e cativante, Berkeley em papa, o intelectual gaúcho parecia
Bellagio foi mais que um novo crer no poder de transfusões como
trabalho; foi uma releitura de mecanismo mantenedor da vida.
toda obra nolliana. Mais uma Porém, diferente do Santo Padre
vez, como em A fúria do corpo do século XV, o fluído desejado
(1981), a velha personagem ao por João não era vermelho, e sim
estilo outsider é inserida na trama: esbranquiçado. Não detinha o poder
expatriado por opção, residente de sustentar a vida, e sim o de gerá-
das rotas internacionais, o João la. A sede (ou fome?) de juventude
(este, personagem), homem de do João, sempre o levava a delírios
certa idade, intelectual, escritor ou aventuras inesperadas com boys
homossexual, gaúcho de Porto em Berkeley ou com ragazzos em
Alegre, em muito se confunde com Bellagio.
aquele João, o autor, de certa idade, No percurso entre cortinas
intelectual, escritor homossexual... empoeiradas e o cascalho dos
O João (personagem) de campos de Bellagio, surge a
Editoria Livre Editoria Livre

questão: qual a razão primordial de modo a torná-las um grito. ver o que esperava encontrar
para o elemento homoerótico Um grito que ultrapassa barreiras numa aldeia italiana típica de
em Berkeley em Bellagio? A literárias e geográficas dizendo: filmes como ‘Cinema Paradiso’,
riqueza criativa da obra de Noll se “Estamos aqui! Somos seres ‘O carteiro e o poeta’; não via
manifesta de forma violenta: o que viventes, pensantes e absolutamente como dali poderiam sair histórias
de início parece ser um romance no COMPETENTES!!!”. Em pouco autenticamente pessoais, dramas,
mais banal estilo sex pocket book, mais de 100 páginas o elemento, humor, malícia, tédio (NOLL,
revela um fundo politizador ao outrora marginal, torna-se centro 2003. p. 21).
inserir uma minoria marginalizada (e centralizador) de uma gama Notável é a perfeição
nas rodas intelectuais de renomadas de questões político-morais sugerida pela escolha dos cenários.
instituições acadêmicas. O que perpassam a sexualidade e Notável também a citação de
homossexual, vítima de toda avançam rumo ao senso comum de dois clássicos do cinema italiano
sorte de ofensas morais e físicas, competência intelectual. dotados, assim como o livro em
aqui se mostra dominador de um Segundo Foucault (2005), análise, de uma falsa inocência,
certo espaço, na Universidade da “A afetividade, o amor, o desejo um falso desinteresse em tudo
Califórnia, onde ensina aos jovens e a relação sexual intersubjetiva além do que fica claro à primeira
frequentadores do Mcdonald’s um assumem, na sua visão, importância vista: o “Cinema Paradiso” (Nuovo
pouco sobre cultura brasileira. positiva quando manifesta a Cinema Paradiso,1988), escrito e
Fez três vezes em vinte si mesma as relações afetivas dirigido por Giuseppe Tornatore,
dias Porto Alegre – São Paulo – com o outro”. Noll envolve suas mostra uma Itália pós-guerra
Porto alegre de ônibus rumo ao personagens em uma teia de sedenta de algo que lhe afaste o
consulado americano. Dinheiro desejo e sentimentalismo onde cheiro de pólvora e sangue, onde
emprestado, levando recortes um, quase sempre, é decorrente a amizade entre menino e velho
de jornais comentando seu do outro. A forma terna como João ilustram o poder transformador da
período como escritor residente descreve, em detalhes, as mais arte sobre o destino do Jovem Toto. dirigido por Michael Radford, narra
em Berkeley, agora como futuro explícitas cenas de envolvimento Já “O carteiro e o Poeta” uma fictícia história de amizade
professor convidado, dando sexual, cenas estas que seriam (Il Postino/The Postman, 1994), entre o poeta chileno Pablo Neruda,
cursos sobre Clarice, Graciliano, sumariamente rejeitadas em outra exilado na Itália nos anos 50, e um
Raduan, Caio, Mirisola e alguns narrativa, prende o leitor de modo camponês analfabeto, o qual Neruda
outros, mais alguns cursos sobre a fazê-lo esquecer (ou ignorar) o alfabetizará, teoricamente para
MPB, quando ele cantava, ele que fator homossexual ali contido. O que este conquiste o amor da bela
gostava de cantar desde pequeno, execrável se torna contemplável. O Beatrice. Na verdade, ao “educar”
cantava sobretudo bossa nova e sujo torna-se o poético. O tabu faz- o jovem camponês, Neruda insere
tropicália como um emissário de se totem. no indivíduo o conhecimento de
pérolas brasileiras que os alunos A atmosfera ingênua, gerada sua condição enquanto membro
americanos pareciam receber com pelo vilarejo de Bellagio, assim de uma comunidade, tornando-o
a efusão conveniente às melhores como a tranquilidade aparente um ativista entre os conterrâneos.
notas – para depois de formados do campus da Universidade da Berkeley em Bellagio se enquadra
poderem operar as mais produtivas Califórnia, podem ser tomadas nesse mesmo status de falsa
relações internacionais para o país como elementos contribuintes para displicência. Enquanto que, à
deles controlar melhor o cosmos. a visão terna que circunda cada primeira vista, é um romance sem
(NOLL, 2003. p. 14). palavra de cunho mais sexualmente maiores pretensões, na medida em
Noll consegue expandir agressivo. que o leitor se aprofunda no enredo
a imagem e a voz da classe Quando saiu a conhecer o e no universo do João (o autor e a
representada por sua personagem vilarejo de Bellagio, não conseguiu personagem), descobre artifícios