Você está na página 1de 5

INSTRUMENTO AVALIATIVO DE

LÍNGUA PORTUGUESA
Escola Mun. Ens. Fundamental João Pessoa
Professora Cleana E. Corrêa Brum
1/4/2013

Realize esse trabalho com caneta azul ou preta. Evite rasuras. Leia aten-
tamente, siga as instruções e faça todas as questões!

“Obstáculos e dificuldades fazem parte da vida. E a vida é a arte de superá-los."


Bom trabalho e Sucesso!
AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE LÍNGUA PORTUGUESA - II TRIMESTRE 2013
PROFESSORA CLEANA EROTILDE CORREA BRUM
ALUNO: __________________________________________ Série: 8ª Série

Data:.........../........../2013. VALOR: 15 Nº de acertos: ............... Nota : ?

TEXTO I

UM CÃO, APENAS
Subidos, de ânimo leve e descansado passo, os quarenta degraus do jardim – plantas em
flor, de cada lado; borboletas incertas; salpicos de luz no granito -, eis-me no patamar. E a meus
pés, no áspero capacho de coco, à frescura da cal do pórtico, um cãozinho triste interrompe o
seu sono, levanta ........ cabeça e fita-me. É um triste cãozinho doente, com todo o corpo ferido;
gastas, as mechas brancas do pelo; o olhar dorido e profundo, com esse lustro de lágrima
que......... nos olhos das pessoas muito idosas. Com um grande esforço acaba de levantar-se. Eu
não digo nada; não faço nenhum gesto. Envergonha-me haver interrompido
o seu sono. Se ele estava feliz ali, eu não devia ter chegado. Já que lhe fal-
tavam tantas coisas, que ao menos dormisse: também os animais devem
esquecer enquanto dormem...
Ele, porém, levantava-se e olhava-me. Levantava-se com a dificulda-
de dos enfermos graves: acomodando as patas da frente, o resto do corpo,
sempre com os olhos em mim, como ...... espera de uma palavra ou de um
gesto. Mas eu não o queria vexar nem oprimir.
Gostaria de ocupar-me dele: chamar alguém, pedir-lhe que o examinasse,
que receitasse, encaminhá-lo para um tratamento... mas tudo é longe, meu
Deus, tudo é tão longe. E era preciso passar. Ele estava na minha frente
inábil, como envergonhado de se achar tão sujo e doente, com o envelhecido olhar numa espé- 1
cie de súplica.
Até o fim da vida guardarei seu olhar no meu coração. Até o fim da vida sentirei esta hu-
mana infelicidade de nem sempre poder socorrer, neste complexo mundo dos homens.
Então, o triste cãozinho reuniu todas as suas forças, atravessou o patamar, sem nenhuma
dúvida sobre o caminho, como se fosse um visitante habitual, e começou a descer as escadas e
as suas rampas, com as plantas em flor de cada lado, as borboletas incertas, salpicos de luz no
granito, até o limiar da entrada. Passou por entre as grades do portão, prosseguiu para o lado
esquerdo, desapareceu.
Ele ia descendo como um velhinho andrajoso, esfarrapado, de cabeça baixa, sem firmeza
e sem destino. Era, no entanto, uma forma de vida. Uma criatura deste mundo de criaturas inu-
meráveis. Esteve ao meu alcance: talvez tivesse fome e sede: e eu nada fiz por ele: amei-o, ape-
nas, com uma caridade inútil, sem qualquer expressão concreta. Deixei-o partir, assim humilhado,
e tão digno, no entanto: como alguém que respeitosamente pede desculpas de ter ocupado um
lugar que não era seu.
Depois pensei que nós todos somos, um dia, esse cãozinho triste, ......sombra de uma por-
ta. E há o dono da casa, e a escada que descemos, e a dignidade final da solidão.

(MEIRELES, Cecília. Inéditos – Crônicas. Rio de Janeiro, Bloch, 1967.p. 19-20)

a) Para melhor compreensão do texto descubra o significado (no texto) das palavras grifadas.

1.___________________________________________________________________________

2.____________________________________________________________________________

3. ____________________________________________________________________________

Professora Cleana Erotilde Corrêa Brum – Português - São Sepé/ 2013 Página 1
4.____________________________________________________________________________

6.____________________________________________________________________________

7.____________________________________________________________________________

8.____________________________________________________________________________

a) Assinale a alternativa adequada ao que se propõe:

09. Completam as lacunas do texto, respectivamente:


A( ) a / a / a / a. C( ) a / há / à / à. E( ) NRC.
B( ) à / há / a / à. D( ) à / a / à / há.

10. Numere a 2ª coluna de acordo com a 1ª, considerando a substituição da palavra destacada.

( 1 ) Afirmam alguns psicólogos que as pessoas ao se autoelogiarem revelam complexo de infe-


rioridade.
( 2 ) O problema da violência é muito complexo no Brasil .
( 3 ) Meu pai toma sempre um complexo de vitaminas.
( 4 ) Quando o som era grave, meu velho radio fazia um barulho engraçado.
( 5 ) O grave não é morrer, mas deixar de viver.
( 6 ) Gostaria de ocupar-me dele.
( 7 ) A reunião da diretoria ocupou toda manhã.
( 8 ) O triste cãozinho ocupava o jardim.
2
( ) sério, pior
( ) durar
( ) tons baixos
( ) tomar lugar, preencher um espaço.
( ) conjunto, mistura
( ) problema psicológico
( ) difícil, complicado
( ) socorrer
( ) cuidar

11. A narradora dá dimensão humana ao sofrimento do cão. A frase que comprova isso é...

I - “Esteve ao meu alcance; talvez tivesse fome e sede:...”


II – “Até o fim da vida sentirei esta humana infelicidade de nem sempre poder socorrer,...”
III – “... o olhar dorido e profundo, com esse lustro de lágrima que há nos olhos das pessoas
muito idosas”

A( ) somente a alternativa I é correta.


B( ) somente a alternativa II é correta.
C( ) somente as alternativas I e III são corretas.
D( ) somente a alternativa III é correta.
E( ) NRC

Professora Cleana Erotilde Corrêa Brum – Português - São Sepé/ 2013 Página 2
12. Qual o verdadeiro sentido de: ”Mas tudo é longe, meu Deus, tudo é tão longe. E era pre-
ciso passar.”?
A( ) Ela se compadece do cãozinho, e tenta ajudá-lo.
B( ) Auxiliar os outros é muito difícil, e é preciso continuar a nossa vida, sempre cheia de com-
promissos.
C( ) O cão sentia-se feliz onde estava, não precisava de ajuda.
D( ) Ninguém precisa de ajuda. E( ) NRC.

13. A narradora compadece-se do cãozinho, mas nada faz para ajudá-lo, a frase que denota isso
é...
A ( ) “Até o fim da vida guardarei seu olhar no meu coração.”
B ( ) “Depois pensei que nós todos somos, um dia, esse cãozinho triste,...”
C ( ) “...amei-o apenas com uma caridade inútil...”
D ( ) “Ele, porém, levantava-se e olhava-me.” E ( ) NRC

14. Sobre o cãozinho, a impressão mais forte que fica no leitor é a de sua:
A ( ) fraqueza e determinação. D ( ) inutilidade e doença.
B ( ) humildade e dignidade. E ( ) NRC.
C ( ) hostilidade.

15. O texto UM CÃO, APENAS nos mostra:


I - A impossibilidade de uma pessoa ajudar um cãozinho.
II - Que a velhice e a solidão são inevitáveis para todos nós.
III - Que é possível ser digno mesmo nos momentos mais deprimentes.
IV - Que nem sempre se deve fazer o que se tem vontade.
A( ) são corretas apenas I e IV.
B( ) são corretas apenas III e IV.
D( ) são corretas apenas I , II , IV.
E( ) NRC.
3
C( ) são corretas apenas II e III.

16. “ um cãozinho triste interrompe o seu sono, levanta a cabeça e fita-me.”


Os pronomes destacados referem-se respectivamente...
A( ) Cãozinho e sono. D( ) Cãozinho e narradora.
B( ) Sono e narradora. E( ) NRC.
C( ) Narradora e narradora.

17. Leia: [...] talvez tivesse fome e sede: [...]. O verbo destacado está no modo .........................e,
portanto, expressa...
A( ) indicativo / uma certeza. D( ) indicativo / uma dúvida.
B( ) imperativo / uma ordem. E( ) NRC.
C( ) subjuntivo / uma hipótese.

18/19/20. Leia: Gostaria de ocupar-me dele: chamar alguém, pedir-lhe que o examinasse,
que receitasse, [...]. Em que tempo, pessoa e modo estão os verbos destacados?

.........................................................................................................................................................
........................................................................................................................................................
........................................................................................................................................................
 Justifique a acentuação gráfica das palavras:

21. Pés- .........................................................................................................................................

Professora Cleana Erotilde Corrêa Brum – Português - São Sepé/ 2013 Página 3
22. Alguém- ..................................................................................................................................

23. Inábil - ...................................................................................................................................

24/25. Flexione em número.

 Eu não digo nada; não faço nenhum gesto.

..................................................................................................................................................

Muito obrigada!

Observação: Para obter sua nota divida o valor do trabalho pelo nº de questões,
4
assim você terá o valor de cada acerto. Então, multiplique o nº de acertos pelo valor
de cada questão! Viu que fácil!?!
Faça você mesmo esse cálculo!

Professora Cleana Erotilde Corrêa Brum – Português - São Sepé/ 2013 Página 4

Interesses relacionados