Você está na página 1de 11

CENTRO UNIVERSITÁRIO SANTANNA

SAMUEL PESSOA DA SILVA RA 752027

T.D.E. – ANÁLISE DA MUSICA: ACKNOWLEDGEMENT

SÃO PAULO
2019

1
CENTRO UNIVERSITÁRIO SANTANNA

SAMUEL PESSOA DA SILVA RA 752027

T.D.E. – ANÁLISE DA MÚSICA: ACKNOWLEDGEMENT

Projeto de pesquisa referente à U.C. –


Introdução à Improvisação do Curso
Superior de Música do Centro Universitário
UniSant’Anna

SÃO PAULO
2019

2
INTRODUÇÃO

O presente projeto de pesquisa, objetiva analisar a metodologia utilizada pelo


saxofonista John Coltrane durante a elaboração de seu solo sobre a música
Acknowledgement do álbum “A Love Supreme” lançado em 1965 pela gravadora
Impulse records. Partindo de um estudo detalhado sobre os motivos utilizados, a relação
escala/acordes que lhe direcionaram para a escolha das notas bem como das melhores
escalas para elaboração de seu solo, justificando o uso de cada nota dentro do contexto
modal/tonal.

3
ACKNOWLEDGEMENT
(John Coltrane)

A música tem inicio com uma introdução de 8 compassos em Free Time


improvisando sobre o acorde de F#sus2 os motivos são baseados em colcheias e
semicolcheias, sendo as colcheias agrupadas em quiálteras, formando tercínas e as
semicolcheias agrupadas em grupos de quatro notas. As notas utilizadas são notas do
acorde, porem utilizadas na forma de estruturas quartais, que nada mais são do que a
sobreposição de quartas partindo de uma determinada nota. Compondo a banda temos:
John Coltrane no Sax Tenor, McCoy Tyner no Piano, Jimmy Garrison no Contrabaixo e
Elvin Jones na Bateria.

(Figura 1) 8 compassos de introdução improvisando sobre o acorde F#sus2.

O Tema se inicia no compasso 24 e segue até o compasso 43.


A partir do compasso 9 a música modula para Gm e a rítmica passa a ser um
Latin Swing . Após 15 compassos onde temos apenas bateria, baixo e piano preparando
a entrada do saxofone, onde estes realizam entradas como em um cânone, partir do
compasso 24 tem inicio o solo de saxofone tendo como motivos rítmicos: a) Grupos de
quiálteras de colcheia, b) Quiálteras de semicolcheias, c) Sincopas de semicolcheia e
colcheia.

4
a)

*Quialteras de colcheias

b)

*Quiltares de semicolcheias

c)

Sincopa de semicolcheias e colcheias

Além das notas de acorde utilizadas durante a improvisação, também é dado


muita ênfase em notas de tensão como a nona e a decima primeira ( T9, T11). Durante o
improviso evita-se utilizar o sexto grau de Gm, nota Mi, oque indica a aplicação da
escala menor natural para a improvisação tendo em vista nesta escala o sexto grau ser
uma nota evitada por causar choques entre a melodia e a harmonia.

5
Durante o tema, assim como durante o improviso, Coltrane busca enfatizar duas
notas como alvo, (G, C) tanto na tonalidade de F# onde temos: G# e C#, quanto na
tonalidade de Gm onde temos G e C. O instrumentista coloca todas às vezes estas notas
em evidência durante a construção de suas frases, transformando desta forma em notas
alvo, sempre repousando sobre estas duas.

*Notas Alvo utilizada

6
A partir do compasso 56 em diante o saxofonista propõe uma modificação tanto
da dinâmica quanto da rítmica, propondo novos motivos contrastantes, onde a banda
acompanha a modificação mudando sensivelmente a dinâmica da música.

*Motivos Rítmicos contrastantes.

Durante a improvisação é utilizado um padrão intervalar muito recorrente de


Terça menor e Segunda maior (3m, 2M), tendo ficado mais evidente este padrão a partir
do compasso 75, onde este padrão intervalar se encadeia sequencialmente e em algumas
vezes aglutinando-se, de forma que a nota final de um padrão intervalar e’
simultaneamente a nota inicial de um novo padrão intervalar melódico como no
compasso 80. Esta padronização intervalar se estende até o compasso 88.

7
Motivos rítmicos utilizando o padrão intervalar: 3m, 2M; Aglutinação de motivos rítmicos.

Do compasso 121 para frente, Coltrane começa a explorar os registros super -


agudos do saxofone partindo para uma região fora da tessitura usualmente utilizada.
Este mesmo padrão torna a se repetir nos compassos 135 ate 137.

*Abreviatura indicando que a execução deve ser realizada uma oitava acima. (8va); A
indicação loco , logo a frente indica que a partir dali as notas devem ser executadas na localização
real na pauta e não mais uma oitava acima.

8
Na última parte do solo, a partir do compasso 153, Coltrane utiliza-se de um
recurso de transposição onde ele repete um motivo rítmico simples em vários intervalos
ascendentes e descendentes em relação ao motivo rítmico inicial. Este mesmo motivo
rítmico é utilizado para enfatizar a ideia principal da obra onde se pode ouvir sendo
cantado logo ao fundo pelos integrantes do grupo a frase: “A love Supreme”.

9
10
CONCLUSÃO

Através da analise da presente obra é possível entender a metodologia utilizada


por John Coltrane pra desenvolver seu solo, lançando mão de recursos como aberturas
quartais, arpejos, motivos rítmicos baseados em padrões intervalares e transposições
intervalares dentro da própria tonalidade. O uso do modalismo na obra denota um
estado de espirito, onde não existem tensões e resoluções como no tonalismo, o centro
modal é insistentemente perseguido colocando como notas alvo as notas G e C, onde ele
faz o repouso de suas frases.
Este é um nível musical no qual o objetivo em transmitir uma mensagem vai
muito além das preocupações técnicas inerentes do instrumento ou da improvisação.
Neste ponto o objetivo principal é transmitir uma determinada mensagem.

11