Você está na página 1de 15

FUNDAMENTOS DA COMPUTAÇÃO E SISTEMAS OPERACIONAIS –

ASSESSMENT
Computação e Sistemas Operacionais

MARCOS ANDRÉ FERREIRA DOS SANTOS JUNIOR

Rio de Janeiro - RJ
Abril - 2016
2

MARCOS ANDRÉ FERREIRA DOS SANTOS JUNIOR

FUNDAMENTOS DA COMPUTAÇÃO E SISTEMAS OPERACIONAIS –


ASSESSMENT
Computação e Sistemas Operacionais

Trabalho apresentado ao Professor André de


Oliveira Palmerim Barcelos da disciplina
Fundamentos da Computação e Sistemas
Operacionais da turma ADS Live turno noite
do curso de Análise e Desenvolvimento de
Sistemas.

Instituto Infnet
Rio de Janeiro - 02 de Abril de 2016
3

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ......................................................................................................................... 04

1.1 Objetivo .............................................................................................................. 04


1.2 Justificativa......................................................................................................... 04
1.3 Estrutura do Trabalho ........................................................................................ 05
2 3° GERAÇÃO X 4° GERAÇÃO .............................................................................................. 06

3 VALOR EM BYTES................................................................................................................. 06

4 SATA X SCSI ............................................................................................................................ 06

5 MEMÓRIAS.............................................................................................................................. 07

6 GATEWAYS ............................................................................................................................. 08

7 GERENCIAMENTO DE MEMÓRIA .................................................................................... 08

8 EXCEÇÃO X INTERRUPÇÃO .............................................................................................. 09

9 ESTADOS DE PROCESSOS................................................................................................... 09

10 IMPLEMENTAÇÃO DE THREADS ..................................................................................... 09

11 DEADLOCK ............................................................................................................................. 10

12 COMPONENTES DA CPU ..................................................................................................... 10

13 PRINCÍPIO DA LOCALIDADE ............................................................................................ 11

14 SERIAIS X PARALELAS ........................................................................................................ 11

15 ESCALONAMENTO ROUND_ROBIN................................................................................. 12

16 CONCLUSÃO ........................................................................................................................... 13

17 BIBLIOGRAFIA....................................................................................................................... 14
4

1. INTRODUÇÃO

O trabalho apresenta diversos assuntos sobre a computação, como por exemplo: as


diferenças entre a terceira e a quarta geração de computadores, mostrando o que mudou de
uma para outro e quais foram as evoluções. Seguindo para uma pequena tabela de valores em
bytes das medidas bits, KB e GB.
Alguns outros capítulos vão apresentar diferença de alguns conceitos, como: SATA e
SCSI, Exceção e Interrupção, Seriais e Paralelas. Outros tópicos vão abordar sobre conceitos
do sistema operacional, como os Estados de processos, falando quais são esses estados de
processos. A implementação de threads, apresentando suas divisões e seus conceitos. As
situações para ocorrer um Deadlock. E no final, os conceitos de Princípio de Localidade e
Escalonamento Round_Robin.
Outros conceitos também foram abordados, porém esses são do lado de fora do
sistema operacional, como: as memórias, os componentes da CPU e até um dispositivo de
rede, o Gateway.

1.1 OBJETIVO

O presente trabalho tem como objetivo apresentar um estudo sobre toda a matérias
estudada no primeiro trimestre do curso.

1.2 JUSTIFICATIVA

O presente trabalho serve consolidar as informações adquiridas durante o curso.


5

1.3 ESTRUTURA DO TRABALHO

Este trabalho está dividido em quatorze capítulos de desenvolvimentos com base nas
perguntas relacionadas às nove etapas de conteúdo do curso.
6

2. 3° GERAÇÃO X 4° GERAÇÃO

Enquanto os computadores da terceira geração possuíam processadores, na quarta


geração, surgiu os microprocessadores (que também ficou conhecido como “processador”,
sem o micro na frente), menores, mais rápidos e mais eficientes que os processadores da
terceira geração. Houve a evolução dos circuitos integrados, possuindo um melhor
desempenho e mais transístores que a geração passada.
Ainda na terceira geração, surgiram vários recursos importantes, como: linguagens
de alto nível, o inicio dos computadores pessoais e dos sistemas operacionais. Esses recursos
foram aprimorados e mais explorados na geração seguinte, com o surgimento da linguagem
C++, de outros sistemas operacionais (BSD e Apple DOS, entre outros) e a expansão dos
computadores pessoais.

3. VALOR EM BYTES

Medida Sigla Valor em Equivalente


Bytes
256 bits 256 b 32 32 B
20 Kilobytes 100 KB 20.480 20480 B
12 Gibabytes 15 GB 12.884.901.888 12288 MB

4. SATA X SCSI

 SATA: é um barramento do tipo serial, diferente do seu antecessor, ATA (ou IDE). É
utilizado para transferir dados, usado em HDs e em drives (CD/DVD/BLU-RAY).
 SCSI: é um barramento que tem conexão com vários tipos de periféricos, diferentemente
do SATA. É um barramento que possui alta velocidade de transferência e um diferencial
7

em relação ao SATA, enquanto o SATA só poderia conectar apenas um dispositivo por


vez, o SCSI poderia conectar vários equipamentos ao mesmo tempo.

5. MEMÓRIAS

As memórias com melhor desempenho, as mais rápidas, também possuindo um alto


custo de produção, estão no topo da pirâmide. Descendo na pirâmide, temos as memórias com
menor desempenho, menos velozes, e possuindo um custo mais baixo de produção. Confira
na figura abaixo:
Figura 1 – Hierarquia das Memórias

Fonte: Global Spec (Modificada pelo Autor)

 RAM: atualmente, também conhecida como memória principal, tem como função
armazenar as instruções e dados que serão manipulados pelo processador. RAM vem do
acrônimo Random-Access Memory, podendo ser traduzido como: Memória de Acesso
Aleatório, que como o nome diz, o acesso a ela não é feito de forma sequencial e sim de
forma aleatória. As memórias RAMs são bastante rápidas comparado ao um HD e
diferentemente do HD, as informações na memória RAM são perdidas quando há
interrupção de energia elétrica, ou seja, quando o computador é desligado.

Figura 1. Disponível em:


http://www.globalspec.com/ImageRepository/LearnMore/20135/memoryhierarchye38650c30eb84c6dbe40e9166fb70242.gif
;. Acesso em mar. 2016.
8

 HD: também conhecida como memória secundaria, tem como função armazenar os dados
do computador. HD significa Hard Disk, traduzido como: Disco Rígido. Os dados são
gravados de forma magnética nos discos que o HD possui dentro dele, lá são armazenados
desde programas até o sistema operacional. Os HDs são dispositivos não voláteis, ou seja,
mesmo sem energia elétrica o alimentando, os dados continuam salvos no dispositivo e
sempre quando houver energia elétrica o alimentando e poderá utilizar os dados quando
forem requeridos pelo usuário ou pelo sistema.

6. GATEWAYS

Função dos Gateways podem ser descritas como: “São equipamentos que conectam
computadores que utilizam protocolos diferentes, ele também permite compartilhar internet.
Esses dispositivos trabalham em todas as camadas do modelo OSI.” (TP4, 2016, p.08).
Também existem dispositivos que podem servir como gateway, exemplo: Roteadores
e Firewalls.

7. GERENCIAMENTO DE MEMÓRIA

 Proteção de Acesso: protege contra acessos indevidos de outros usuários ou programa


à algum processo ou dado que esteja na memória principal ou secundária;
 Alocação: o sistema utiliza a memória para alocar (guardar) instruções ou dados em
blocos. Esses blocos possuem um endereço, assim possibilitando o sistema em não
alocar dois dados no mesmo bloco e possibilita achar (ler) os dados ou instruções
guardadas;
 Sistema de Arquivos: possibilita a comunicação e o controle entre sistema
operacional e o disco rígido (exemplo FAT32 e NTFS);
 Swapping: possibilita o envio de um processo que não será executado em breve, para
uma área especifica do disco e depois retornar para a memória. Esse recurso é

TP4. Computação e Sistema Operacional. Acesso em 2016.


9

utilizado quando a memória principal está com muitos processos, onde não é possível
manter todos, assim utilizando o recurso de swapping.

8. EXCEÇÃO X INTERRUPÇÃO

A maior diferença entre Exceção e Interrupção é que, enquanto as exceções ocorrem


por causa de uma condição (evento) síncrona, as interrupções ocorrem por meio de eventos
assíncronos.

9. ESTADOS DE PROCESSOS

 Pronto: O processo está pronto para ser manipulado pelo CPU (está na memória
principal);
 Bloqueado: O processo está esperando ser chamado pelo CPU (está na memória
principal);
 Bloqueado/Suspenso: O processo está esperando ser chamado pelo CPU (está na
memória secundária);
 Pronto/Suspenso: O processo está pronto para ser manipulado pelo CPU (está na
memória secundária).

10. IMPLEMENTAÇÃO DE THREADS

 Threads no espaço do usuário: não possui a assistência do Kernel, ou seja, o sistema


operacional não sabe sobre as Threads. São implementadas por bibliotecas de rotinas e
são reconhecidas no nível do usuário;
10

 Threads no espaço do núcleo: são administradas pelo Kernel, são mais lentos em
comparação aos Threads de usuário, porém todos os processos são auxiliados pelo
sistema operacional;
 Threads Híbrido: utiliza o melhor tanto das Threads de usuário, quanto das Threads
de núcleo. Assim não sendo totalmente controlado pelo sistema e nem pelo usuário. É
a tecnologia que é utilizada atualmente.

11. DEADLOCK

1. Exclusão mútua: cada um dos recursos só podem estar associados a um processo por
vez, naquele determinado momento;
2. Espera por recurso: um processo que já tem um recurso associado requerendo um
novo processo;
3. Não preempção: recursos que estão associados não podem ser tirados a força por
algum outro processo que o deseja;
4. Espera circular: mais de um processo esperando um recurso associado a outro
processo;

12. COMPONENTES DA CPU

1. Unidade Lógica e Aritmética (ULA);


2. Unidade de Controle (UC);
3. Registradores;
4. Unidade de Gerenciamento de Memória;
5. Unidade de Ponto Flutuante.
11

13. PRINCÍPIO DA LOCALIDADE

O Princípio da Localidade é dividido em Temporal e Espacial. Quando uma


instrução é acessada recentemente, o conceito de Princípio da Localidade Temporal diz que
há uma probabilidade de que essas instruções sejam acessadas novamente.
Em Princípio da Localidade Espacial, é provável que as instruções que estão ao redor
da instrução que foi acessada há pouco tempo, são as instruções que serão acessadas em
seguida, ou seja, as instruções vizinhas a que foi acessada anteriormente, possivelmente serão
acessadas a seguir.

14. SERIAIS X PARALELAS

 Seriais: a comunicação serial envia dados em sequência, um dado atrás do outro, ou


seja, um de cada vez;
 Paralelas: a comunicação paralela envia os dados por cada linha, todos de uma única
vez. Enquanto a comunicação serial possui cabo fino, melhorando na refrigeração do
gabinete, a comunicação paralela possui um cabo mais largo por possuir várias linhas
de transmissão de dados.

Figura 2 – Transmissão Serial e Paralela

Fonte: Techtudo

Figura 2. Disponível em: http://s.glbimg.com/po/tt/f/original/2013/09/12/gpc20130912_1.jpg;. Acesso em mar. 2016.


12

15. ESCALONAMENTO ROUND_ROBIN

Escalonamento Round_Robin é um escalonamento de processos circular, funciona


como uma fila de processos que são armazenados de forma circular. Todos os processos
recebem um intervalo de tempo, chamado quantum, porém os processos não podem exceder
seu tempo, mas os processos não são descartados quando não são totalmente processados, mas
sim, são apenas interrompidos para outro processo possa ser executado, fazendo o mesmo
com o processo seguinte até voltar para o processo inicial, que será executado novamente
durante seu período, formando um ciclo até todos serem finalizados.
13

16. CONCLUSÃO

Podemos observar neste trabalho cada uma das diferenças entre alguns conceitos e a
importância deles para o computador.
Vimos a importância de alguns conceitos para o funcionamento do sistema
operacional, como: o Princípio da Localidade, os Threads, o Escalonamento de Round_Robin,
o gerenciamento da memória e como ocorre um Deadlock.
14

17. BIBLIOGRAFIA

Material da Internet

CAFW. Capitulo 1-2. Disponível em: <http://www.cafw.ufsm.br/~roberto/wp-


content/uploads/2010/08/so-capitulo-1-2.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2016.

HARDWARE. Sistema de arquivos. Disponível em:


<http://www.hardware.com.br/termos/sistema-de-arquivos>. Acesso em: 02 abr. 2016.

IFSP. Implementação de processos threads. Disponível em:


<http://ctd.ifsp.edu.br/~marcio.andrey/images/implementacao-processos-threads.pdf>.
Acesso em: 02 abr. 2016.

INFOESCOLA. Gateway. Disponível em: <http://www.infoescola.com/redes-de-


computadores/gateway/>. Acesso em: 02 abr. 2016.

INSTITUTO INFNET. Comunicação Inter-Processos. Disponível em: <


http://lms.infnet.edu.br/moodle/mod/page/view.php?id=22325>. Acesso em: 01 abr.
2016.

INSTITUTO INFNET. Processos. Disponível em:


<http://lms.infnet.edu.br/moodle/mod/page/view.php?id=22318>. Acesso em: 01 abr.
2016.

INSTITUTO INFNET. Sistemas Operacionais. Disponível em: <


http://lms.infnet.edu.br/moodle/mod/page/view.php?id=22311>. Acesso em: 01 abr.
2016.

TECMUND. Sistema operacional. Disponível em:


<http://www.tecmundo.com.br/sistema-operacional/2031-a-historia-dos-sistemas-
operacionais-ilustracao-.htm>. Acesso em: 02 abr. 2016.

UFPB. Introdução de arquitetura de computadores. Disponível em:


<http://producao.virtual.ufpb.br/books/edusantana/introducao-a-arquitetura-de-
computadores-livro/livro/livro.chunked/ch05s02.html>. Acesso em: 02 abr. 2016.
15

WIKIPEDIA. Microprocessadores. Disponível em:


<https://pt.wikipedia.org/wiki/microprocessador#componentes>. Acesso em: 02 abr.
2016.
WIKIPEDIA. Thread. Disponível em:
<https://pt.wikipedia.org/wiki/thread_(ci%c3%aancia_da_computa%c3%a7%c3%a3o)
#modelo_de_gera.c3.a7.c3.a3o_de_multithreads>. Acesso em: 02 abr. 2016.