Você está na página 1de 3

27/02/2020 Avanços Recentes em Medicina Alterações climáticas, inundações e impacto na saúde

Área de Assinantes
logar senha

Home Apresentação Comitê Científico Vídeo Normas Editoriais Subscrição ONCOLOGIA

DOI 10.1701 / 1417.15695 Faça o download do PDF (118.6 kb) Recent Prog Med 2014; 105 (2): 48-50

Alterações climáticas, inundações e impacto na saúde


1 1
siga-nos Paola Michelozzi , Francesca de 'Donato
Correio eletrónico
:? P.michelozzi@deplazio.it f.dedonato@deplazio.it

Tweets de @RecentiProgMed Mudanças climáticas, inundações e consequências para a saúde.

Progresso recente Resumo.Na região europeia, as inundações são o desastre natural mais comum, causando extensos danos e
perturbações. Na Itália, estimou-se que mais de 68% dos municípios apresentam alto risco hidrogeológico e, com os
@RecentiProgMed
recentes eventos intensos de chuvas, as populações locais têm enfrentado graves perturbações. As consequências
Um editorial importante @ Aifa_ufficiale para a saúde das inundações são amplas e dependem da vulnerabilidade do meio ambiente e da população local. Os
efeitos na saúde podem ser uma conseqüência direta ou indireta das inundações. Os impactos imediatos das
abre a nova edição. recentprogressi.it
inundações na saúde incluem afogamento, ataques cardíacos, lesões e hipotermia. Os efeitos indiretos incluem lesões
@ Tr0ttaFra @ FedericoVilla2 @ e infecções, doenças infecciosas transmitidas pela água, problemas de saúde mental, doenças respiratórias e alergias
mmelazzini @ giovannitafuri2 a médio e longo prazo após uma enchente.
https://twitter.com/ilpensiero/status/1232
216803985776640
Após as tempestades que atingiram muitas regiões italianas nos últimos dias, a principal preocupação é o dano econômico.
A quantificação é bastante oportuna e nos alarma sobre seu tamanho. Os aspectos relacionados aos danos à saúde são
obscurecidos, também porque é muito mais difícil quantificar o impacto que deve ser avaliado não apenas a curto prazo, mas
25 de fevereiro de 2020 também a médio e longo prazo.
O impacto real das inundações na saúde é amplamente subestimado. Os efeitos imediatos e reconhecíveis são mortes por
Progresso retweetado afogamento e traumatismos que ocorrem durante e nos dias imediatamente após o evento. No entanto, o número de mortes
recentemente disseminadas pela mídia é descontrolado; na ausência de sistemas de vigilância ad hoc , a única fonte confiável - estatísticas
oficiais de mortalidade - fica disponível anos mais tarde, e muitas vezes é difícil vincular eventos a eventos específicos de
TranspariMED inundação.
@TranspariMED Estudos epidemiológicos realizados até o momento demonstraram, além de mortes por causas traumáticas, excesso de
mortalidade por outras causas: doenças cardiovasculares, acidentes de viação, choque elétrico e queimaduras e
Boas reportagens do BMJ: 1
envenenamento por monóxido de carbono . A disponibilidade limitada de evidências é atribuível ao número limitado de
Apesar da falta de evidências de estudos, à dificuldade de identificar áreas e populações expostas, ao alto número de eventos negativos a serem avaliados, aos
eficácia, os governos ao redor do métodos de estudo frequentemente inadequados e à escolha das janelas de tempo de observação.
mundo ainda continuam a armazenar # As poucas evidências produzidas atestam que, sem estudos longitudinais adequados, é extremamente difícil quantificar a
extensão do dano, o início dos sintomas e a duração da doença. Isso é relevante, pois os efeitos na saúde das inundações são
Tamiflu bmj.com/content/368/bm … #
2
oseltamivir # recompens2020 @ diretos e indiretos, imediatos, médio e longo prazo .
Vivivovi @ cmrherder Outra distorção potencial na quantificação dos danos causados pelas inundações é evidenciada por um estudo realizado na
de 3,
Inglaterra e no País Gales que revelou uma redução inesperada de 10% na mortalidade a médio e longo prazo nas áreas
afetadas pelas inundações. Esse efeito, segundo os autores, pode ser atribuído ao fato de as populações afetadas não residirem
mais nas áreas afetadas pelas inundações; consequentemente, o número de mortes ocorridas em períodos subsequentes é
Incorporar vista no Twitter subestimado.
Além dos efeitos sobre a mortalidade, na Europa, como em outras áreas do mundo, o risco de trauma, doenças
gastrointestinais, transtornos mentais e estresse aumenta durante as inundações. Entre os riscos destacados, o dano
revista hipotérmico, por exemplo, pode ser um problema, especialmente em crianças e idosos que permanecem presos nas águas da
1
enchente por longos períodos de tempo .
Área de autores É geralmente reconhecido que altas chuvas aumentam a densidade de agentes microbiológicos nas águas superficiais e,
consequentemente, o risco associado ao seu uso. O aumento da vazão de patógenos microbianos do fertilizante para a terra ou
do lixo animal, a sobrecarga das estruturas de tratamento de água e os sistemas de esgoto podem causar contaminação da água
ARQUIVO e consequente aumento de doenças infecciosas devido ao consumo de água, especialmente infecções gastrointestinais em
crianças. O contato direto com a água contaminada pode aumentar o risco de dermatite, conjuntivite e infecções da garganta,
Números emitidos: nariz e ouvidos.
Além disso, inundações próximas a locais industriais e aterros sanitários com a presença de substâncias tóxicas correm o
Arquivo geral 1
risco de contaminação química das águas superficiais e subterrâneas . Com as inundações do Rio Galeria, no final de
janeiro, perto do aterro de Malagrotta, em Roma, havia o risco de possível contaminação da água dos resíduos hospitalares e
do óleo derramado na refinaria vizinha. Já em 2011, a pesquisa do ISPRA no aterro sanitário de Malagrotta havia revelado
PESQUISA DE ARTIGO contaminação generalizada de metais e poluentes das águas subterrâneas, externas e internas ao local; o risco, após as recentes
Ricerca per titolo inundações, é potencialmente maior.

Ricerca per autore

VAI PENSAR

SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER

nome

https://www.recentiprogressi.it/articoli.php?archivio=yes&vol_id=1417&id=15695 1/3
27/02/2020 Avanços Recentes em Medicina Alterações climáticas, inundações e impacto na saúde

sobrenome

email

Dou meu consentimento de acordo com sua


Política de Privacidade (conforme informações
D.lgs n 196/03 e Regulamento da UE 2016/679 -
GDPR).

Política de

Inscreva-se

arquivo
Nas casas afetadas pelas inundações, os riscos à saúde associados ao crescimento de mofo e esporos devem ser
observados. Os primeiros já podem se formar nas 24-48 horas após o evento nas áreas úmidas e úmidas dos edifícios ou nas
superfícies internas. Os problemas com a inalação de grandes quantidades de esporos consistem em reações alérgicas, asma e
1
outros problemas respiratórios .
Vários estudos relataram problemas de saúde mental (estresse pós-traumático, ansiedade e depressão) e aumento de
transtornos mentais. Tendo experimentado um desastre natural, em termos de trauma físico, perdas emocionais e bens
materiais, expõe a população afetada a um estresse considerável que pode ocorrer por longos períodos após o evento. Um
estudo americano destacou um maior número de transtornos de estresse e depressão entre populações de baixo nível
2
socioeconômico .
A vulnerabilidade individual e a capacidade de resposta no período pós-inundação podem variar de acordo com fatores
geográficos, sociodemográficos e de saúde. Residência em áreas com alto risco hidrogeológico, idade avançada, baixa
escolaridade ou nível socioeconômico, doenças crônicas prévias são muitos elementos que podem determinar uma
variabilidade nos efeitos e na resposta após enchentes. Além disso, alguns subgrupos da população estão em maior risco,
como pessoas com alergias, crianças, idosos e mulheres grávidas.
Assim como outros riscos ambientais (por exemplo, ondas de calor), a ativação dos sistemas de monitoramento de
mortalidade e acesso às salas de emergência permitiria uma avaliação em tempo real de eventos diretamente relacionados à
enchente: acidentes, trauma causado de quedas em águas torrenciais ou danos associados a perigos presentes em águas de
inundação.
O impacto das chuvas intensas no meio ambiente e os riscos à saúde da população não dependem apenas das
características meteorológicas do evento, mas são uma função da vulnerabilidade do território e da capacidade de lidar com a
emergência em termos de recursos que podem ser ativados. (Ministério do Meio Ambiente). Desastre natural e desastre
ambiental não são conceitos equivalentes; o segundo implica a ação do homem: desmatamento e incêndios silvestres, desvio
de cursos de água, cimentação das margens de lagos e rios, urbanização descontrolada e especulação imobiliária podem
transformar uma tempestade em desastre ambiental.
A eficácia das medidas de alerta e prevenção desempenha um papel crucial. De acordo com um estudo realizado pelo
4
Ministério do Meio Ambiente , 69% dos municípios italianos estão localizados em áreas classificadas como de risco
hidrogeológico e, destes, 32% têm áreas sob sua jurisdição sob risco de inundações e deslizamentos de terra (instabilidade
mista ). Além disso, entre as principais causas do alto risco hidrogeológico está a falta de manutenção de rotina séria.
Sem medidas adequadas de prevenção e mitigação, espera-se que os danos à saúde resultantes das inundações aumentem
no futuro. O último relatório sobre mudanças climáticas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC)
confirma o que foi destacado no relatório anterior, ou seja, o aumento global de temperaturas cuja causa dominante é a
5
atividade antropogênica . Como efeito do aquecimento global, espera-se um aumento nos eventos extremos de precipitação e
os modelos de previsão climática para o nosso país indicam que, embora a precipitação total tenda a diminuir, espera-se que
uma tendência geral aumente a intensidade dos fenômenos. Variações na intensidade das chuvas determinam um alto risco de
eventos e inundações repentinas, especialmente no inverno. Legambiente estima que, nos últimos 10 anos na Itália, em
resposta ao aumento de chuvas curtas e intensas, a área dos territórios afetados por inundações e deslizamentos de terra
dobrou.
Para reduzir os efeitos das inundações no meio ambiente e na saúde da população, são necessárias medidas de prevenção e
mitigação, voltadas especialmente para as áreas e subgrupos da população de maior risco, a definição de planos de emergência
1,5-7 8
e prevenção para a população, serviços de saúde e à proteção civil . No contexto europeu, a Saúde Pública da Inglaterra
é talvez o exemplo mais avançado de ativação de medidas de "melhores práticas" para reduzir os danos à saúde em áreas com
alto risco de inundação.
No nível populacional, são essenciais atividades de informação e treinamento para os cidadãos sobre como se defender em
caso de eventos adversos, mas também informações para aumentar a percepção de risco na população, o conhecimento dos
fenômenos hidrogeológicos e a conscientização da conexão entre o uso sem sentido de recursos e proteção ambiental.
Considerando os danos cada vez maiores causados pelas fortes chuvas e inundações em nosso país, destaca-se a
necessidade de conhecer seus efeitos para planejar e programar políticas territoriais nos próximos anos. Na Itália, é necessária
uma coordenação nacional dos vários órgãos e organismos competentes para planejar um programa de defesa do solo, para a
manutenção e cuidados do território, para mitigação de riscos, identificando ferramentas e prioridades de intervenção e
planejando imediatamente o investimento de recursos econômicos adequados.

https://www.recentiprogressi.it/articoli.php?archivio=yes&vol_id=1417&id=15695 2/3
27/02/2020 Avanços Recentes em Medicina Alterações climáticas, inundações e impacto na saúde

bibliografia
 1. OMS Inundações na região europeia da OMS: efeitos na saúde e sua prevenção; Escritório Regional da OMS para a Europa:
Copenhague, Dinamarca, 2013.
 2. Lowe D, Ebi KL, Forsberg B. Fatores que aumentam a vulnerabilidade aos efeitos na saúde antes, durante e após as inundações. Int J
Environ Res Saúde Pública 2013; 10: 7015-67.
 3. Milojevic A, Armstrong B, Kovats S, et al. Efeitos a longo prazo das inundações na mortalidade na Inglaterra e no País de Gales, 1994-
2005: análise controlada de séries temporais interrompidas. Environ Health 2011; 10: 11.
 4. Ministério das Políticas Agrícolas, Alimentares e Florestais e pelo Ministério do Meio Ambiente e Proteção do Território e do Mar.
Diretrizes para a avaliação da instabilidade hidrogeológica e sua mitigação por meio de medidas e intervenções no campo agrícola e
florestal. 20013. http://www.anci.it/Contenuti/Allegati/LineeGuidaDissesto_2013.pdf
 5. IPCC 2013. Mudança climática 2013: a base das ciências físicas. Quinto relatório do GT1. Resumo para os formuladores de políticas.
Setembro de 2013. http://www.ipcc.ch/report/ar5/ wg1 / docs / WGIAR5_SPM_brochure_en.pdf
 6. Comissão Europeia, DG Saúde e Consumidores, Alterações climáticas, inundações e saúde pública.
http://ec.europa.eu/health/climate_change/extreme_weather/flooding/index_en.htm
 7. Poucos R, Ahern M, Matthies F, Kovats S. Inundações, saúde e mudanças climáticas: uma revisão estratégica. Tyndall Center for
Climate Change Research, novembro de 2004.
 8. www.phe.gov.uk

Política de Privacidade

créditos

contactos
Reprodução e direitos reservados ISSN online: 2038-1840

https://www.recentiprogressi.it/articoli.php?archivio=yes&vol_id=1417&id=15695 3/3