Você está na página 1de 47

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE


DEPARTAMENTO DE TERAPIA OCUPACIONAL
GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL

MARIA LUIZA PLÁCIDO DOS SANTOS

TERAPIA OCUPACIONAL EM QUEIMADOS: PERFIL


EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES INTERNADOS NO CENTRO DE
TRATAMENTO DE QUEIMADOS DO ESPÍRITO SANTO (E.S) -
BRASIL

VITÓRIA
2018
MARIA LUIZA PLÁCIDO DOS SANTOS

TERAPIA OCUPACIONAL EM QUEIMADOS: PERFIL


EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES INTERNADOS NO CENTRO DE
TRATAMENTO DE QUEIMADOS DO ESPÍRITO SANTO (E.S) -
BRASIL

Projeto apresentado para disciplina


“Orientação de Trabalho de Conclusão
de Curso II" como requisito de nota
final da mesma, sob orientação da
Prof.ª M.ª Átala Lotti Garcia.

VITÓRIA
2018
MARIA LUIZA PLÁCIDO DOS SANTOS

TERAPIA OCUPACIONAL EM QUEIMADOS: PERFIL


EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES INTERNADOS NO CENTRO DE
TRATAMENTO DE QUEIMADOS DE SERRA

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado ao curso de graduação em
Terapia Ocupacional da Universidade
Federal do Espírito Santo, como requisito
parcial para obtenção do título de
Bacharel em Terapia Ocupacional.

Vitória, 26 de junho de 2018.

BANCA EXAMINADORA

________________________________________
Prof. M.ª Átala Lotti Garcia
Orientadora

________________________________________
Caroline Fundão Freitas Lima
Co-orientadora

________________________________________
Dr.ª Andreza Mourão Lopes Bacellar
Dedico este trabalho aos meus pais,
Odmilso e Nilza, por todo suporte,
enfrentamentos e apoio oferecidos.

A minha irmã Sônya pelas orientações,


puxões de orelha e amor incondicional.

A Deus, que me deu energia e


oportunidades para concluir mais uma
etapa.
AGRADECIMENTOS

Agradeço à equipe de gestores do Hospital Estadual Jayme Santos Neves pela


oportunidade, fornecimento de material para a realização deste trabalho, e
disponibilidade em manter portas abertas para a Universidade, agregando em novos
estudos e formação diferenciada.
A minha Orientadora Átala pelo suporte no pouco tempo que lhe coube, pelas suas
correções, apoios e incentivos.
A Co-orientadora Carol por todas as situações de apoio e incentivo com sua
amizade, perspicácia, praticidade e conhecimento científico.
Aos docentes e preceptores de estágios que contribuíram para minha formação e
me inspiram a me tornar uma profissional melhor a cada dia.
Aos meus pais, que batalharam por anos em prol de educação para suas filhas.
A minha irmã Sônya, pelas contribuições técnico-científicas, orientações e visão de
futuro.
Aos meus amigos, por compreenderem minhas ausências, que acompanharam
minha dedicação, torceram por mim e não me permitiram desistir.
RESUMO

Ao sofrer queimadura corporal o individuo entra em desarmonia perante seu


contexto de saúde mental, física e emocional, podendo influenciar no desempenho
ocupacional. O objetivo desse trabalho é traçar o perfil epidemiológico de pacientes
atendidos em meio de internação no Hospital Estadual Jayme Santos Neves no
período de 2013-2017, visando estratégias de combate a problemática discutida,
atingindo positivamente a população com demandas específicas, evidenciando o
papel do Terapeuta Ocupacional em meio laboral, como profissional capacitado na
prevenção de agravos, reabilitação e reinserção do individuo na sociedade. Essa
pesquisa trata-se de um estudo retrospectivo, descritivo e transversal, com
abordagem quantitativa. A coleta de dados foi gerenciada através de planilha
contendo nome, idade, sexo, região oriunda, profundidade da lesão, motivo da
ocorrência, tempo de internação, e óbito. A analise dos dados foi descritiva através
de médias média, frequência, e percentuais. O perfil identificado foi de paciente do
gênero masculino, entre 19 e 59 anos, proveniente da Grande Vitória, com
prevalência de lesões de 2º grau, sendo a chama direta o principal agente etiológico,
e os acidentes domésticos como motivo predominante. Entende-se a importância e a
necessidade de evitar queimaduras com providências acessíveis e de baixo custo -
cabendo às autoridades legais a conscientização, publicação de campanhas sobre
medidas de promoção e prevenção, - bem como maior inserção de terapeutas
ocupacionais em serviços de proteção a vitimas de queimaduras, lidando com
independência e autonomia, potencializando a qualidade de vida dos usuários.

Palavras-chave: Terapeuta Ocupacional. Queimaduras. Perfil epidemiológico.


ABSTRACT

When people have a burn, their mental, physical and emotional health is affected,
which may influence negatively their performance in daily activities. The goal of this
search is to trace the epidemiologic profile of hospitalized patients in the state
hospital Jayme Santos Neves throughout the period of 2013 to 2017. Furthermore,
the paper aims to propose strategies to fight against the problem previously
mentioned, affecting positively the population with specific demands. In addition, it is
also a goal to highlight the occupational therapist’s role in the working environment
as a trained professional in the rehabilitation and reinsertion of the subject in the
society and the prevention of any aggravation. This search is a retrospective,
descriptive, and transversal study with quantitative approach. The data collection was
managed in a spreadsheet created by the researcher having the name, age, gender,
hometown, injury depth, the reason for occurrence, hospitalization time, and obit. The
data analysis was quantitative, and charts, graphs, and images represented the
descriptive analysis (averages and percentages). The identified profile was male
patients, between 19 and 59 years old from Grande Vitória. The prevalence was of
second-degree injuries with the prevailing etiologic agent as a flame, and the
prevailing reason as a domestic accident. By analyzing the data, it was seen the
importance and necessity of avoiding burns with accessible and low-cost measures;
it is the role of legal authorities to raise awareness and to publish campaigns on
promotion and prevention. In addition, the analysis indicates that it is necessary a
higher insertion of occupational therapists in services of protection of burn victims;
dealing with autonomy and independence, increasing life quality of the patients.

Key-words: Occupational Therapist. Burns. Epidemiologic profile.


LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Regra dos nove para determinar a porcentagem da área corporal


queimada (A) em adultos e (B) em crianças..............................................................13
LISTA DE GRÁFICOS

Gráfico 1 - Distribuição percentual da amostra relacionada ao gênero.....................21

Gráfico 2 - Prevalência de queimaduras relacionado à faixa etária...........................21

Gráfico 3 - Distribuição da amostra relacionado à procedência.................................22

Gráfico 4 - Distribuição da amostra relacionada ao grau de queimadura..................23

Gráfico 5 - Distribuição da amostra segundo agente etiológico causador do acidente


.....................................................................................................................................23

Gráfico 6 - Distribuição da amostra segundo o motivo do acidente...........................24

Gráfico 7 - Distribuição da amostra segundo óbitos...................................................25


LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Inauguração em etapas do Hospital Estadual Jayme Santos Neves .......17

Tabela 2 - Número de prontuários avaliados por ano de investigação ......................20


LISTA DE SIGLAS

AEBES: Associação Evangélica Beneficente Espírito Santense

AVD: Atividade de Vida Diária

AVP: Atividades de Vida Prática

CTQ: Centro de Tratamento de Queimados

DORT: Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho

E.S: Espírito Santo

EPI: Equipamento de Proteção Individual

HEJSN: Hospital Estadual Jayme Santos Neves

HIV: Human Immunodeficiency Virus

LER: Lesões por esforços repetitivos

PNSTT: Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora

UTI: Unidade de Tratamento Intensivo


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO .......................................................................................................11
1.1 Histórico das queimaduras...................................................................................11
1.1.2 Conceito e características.................................................................................12
1.2 Terapia Ocupacional nas queimaduras...............................................................14
2 JUSTIFICATIVA......................................................................................................16
3 OBJETIVOS............................................................................................................16
3.1 Geral.....................................................................................................................16
3.2 Específico.............................................................................................................16
4 METODOLOGIA.....................................................................................................16
4.1 Local de estudo....................................................................................................17
4.2 População do estudo ..........................................................................................18
4.3 Critérios de inclusão.............................................................................................18
4.3.1 Critérios de exclusão ........................................................................................18
4.4 Amostra do estudo ...............................................................................................18
4.5 Procedimentos do estudo ....................................................................................19
4.6 Analise de dados ................................................................................................ 19
4.7 Considerações ética............................................................................................19
4.8 Informações adicionais........................................................................................19
5 RESULTADOS........................................................................................................20
5.1 Entrevista com Terapeuta Ocupacional do HEJSN..............................................26
5.2 Diário de Campo..................................................................................................28
6 DISCUSSÃO...........................................................................................................29
7 CONSIDERAÇÕES FINAIS....................................................................................34
8 REFERÊNCIAS.......................................................................................................36
ANEXO.......................................................................................................................43
11

1. Introdução

1.1 Histórico das queimaduras


Segundo Sinder (2006), a maior incidência de causa de queimaduras na pré-história era
de origem por chamas de incêndios florestais, devido a fontes naturais abrasivas, como
raios e erupções vulcânicas. Após manejar e entender os mecanismos de produção do
fogo, os índices de queimaduras ainda são altos pós-práticas.

Há três milênios em culturas do povo chinês, assim como do antigo Egito, documentos
relatam que o tratamento biomédico das queimaduras não possuía embasamento
científico, utilizando folhas, derivados de animais e meios espirituais para a cura dos
ferimentos (SINDER, 2006).

Apenas em 1832, Dupuytren publica Lecciones Orales, propondo em seu tratado algumas
rotulações de acordo com a histologia das feridas, bem como, o tratamento com
preparados oleosos e orientações das comunidades científicas sobre os cuidados das
queimaduras (SANTA-COMBA; AMARANTE; MALHEIRO, 1993). Ainda SINDER (2006),
descreve sobre o tratamento de recuperação das queimaduras como hidratação, controle
de dor e infecção, escarotomia, administração hemodinâmico, prevenção de agravos em
lesões, bem como retirada de tecido necrosado, se presente. Duarte (2010) define que o
processo reabilitacional dos queimados sofre influência de fatores físicos, estéticos,
sociais e mentais, devido a complexidade do sujeito com sequelas motoras, limitações
físicas, cicatrizes que causam deformidades, significado da queimadura em nível social e
autopercepção.

Segundo Santos Junior et. al. (2016) em proporção global, os índices de queimaduras
superam outras comorbidades populares, como HIV e Tuberculose, vitimando
aproximadamente 11 milhões de indivíduos. A análise do contexto demográfico
demonstra precariedade na prevenção e promoção da saúde, categorizando 90% de
vítimas fatais que ocorrem em países de renda inferior. Apesar dos índices mundiais
apontarem diminuição de casos fatais foram contabilizados 300.000 casos no ano de
2011.
12

No Brasil o Ministério da Saúde (2012) relata que há maior incidência de queimaduras no


meio domiciliar acometendo o público infantil, sendo estas por escaldamentos, provocado
por curiosidade e violência doméstica. No que lhe concerne o publico adulto, os homens
apresentam queimaduras por acidentes em meio laboral e as mulheres em meio
residencial. Tais índices revelam dados categorizando as queimaduras como um novo
agravo de saúde pertinente de políticas públicas sanitárias.

1.1.2. Conceito e característica

Segundo Arruda (2007) a queimadura é provocada por fatores térmicos, seja físico,
químico ou biológico, agindo no tecido afetado propiciando agressão proporcional a
extensão, profundidade e localização atingidas, e promovendo desordens condicionadas
à idade, origem da queimadura e lesões preexistentes.

De acordo com Pereira, Dutra e Lonien (2003) as lesões ocasionadas por fatores
abrasivos são capazes de deteriorar características físicas e psicológicas, tornando-se
invasiva a vítima de queimadura.

O indivíduo é afetado por distúrbios físicos como alterações metabólicas,


perda de volume de líquidos, risco para infecção, dor, além dos
estressores psicológicos como separação da família, deformidades
corporais, e submissão de cuidados (Pereira, Dutra e Lonien, 2003, pg. 11).

Serra e Gomes (2006) relataram que as queimaduras possuem três tipos de classificação,
caracterizadas pela profundidade, extensão e agente causador. Ao analisar a
profundidade da lesão, as queimaduras de primeiro grau são denominadas quando
atingem apenas a parte externa da epiderme, queimaduras de segundo grau ocasionam
bolhas no local afetado, agredindo epiderme e derme. Ao atingir nervos, músculos e
ossos, as queimaduras de terceiro grau são caracterizadas pelo alto risco de infecção,
pele anestesiada e profundidade.
13

Referente a extensão, o calculo e realizado baseado no método da regra dos nove, ao


qual todo o corpo é dividido em múltiplos de nove, sendo MMSS 9%, tronco 9%, e MMII
18% (GOMES; SERRA, 2001).

Figura 1 - Regra dos nove para determinar a porcentagem da área corporal queimada (A)
em adultos e (B) em crianças.
Fonte: STANLEY e RICHARD (2004).
14

No que compete ao agente causal, Silva e Busnardo (2006) dissertam sobre três tipos:
Térmicas, com contato direto a chama; Elétrico, responsável por maior destruição dos
tecidos, resultante da energia liberada por passagem de corrente elétrica; e agentes
Físicos, como produtos químicos e de origem por radiação, provocando grande destruição
na pele.

Michaelis (2018) retifica a definição da palavra Chama em energia de combustão


advindos de gases produzindo calor; bem como a palavra Direta, como algo ininterrupto,
sem desviar do rumo, constante. O Escaldo tem sua definição como contato de liquido
fervente na pele, causando queimadura (Equipe Sabará, 2016). Queimaduras químicas
surgem quando o segmento corporal possui contato com a substância química corrosiva,
causando destruição dos tecidos, rubor e sensação de queimação (Reis, 2018). Abrasão
consiste em uma queimadura advinda da fricção de materiais que agridem a derme,
causando comumente queimaduras superficiais (Equipe Sabará, 2016).

1.2. Terapia Ocupacional nas queimaduras

Segundo Junior, Bastos e Coelho (2013) a avaliação inicial é de suma importância para o
tratamento do individuo vítima de queimadura, traçando o planejamento e tratamento
único. Atendendo as demandas do paciente, a Terapia Ocupacional tem a incumbência de
elaborar um plano terapêutico objetivando a função para suas atividades do cotidiano,
seja trabalho, autocuidado, lazer, e etc, com independência e papel social restaurados
(Antoneli, 2010).

No Hospital nota-se a importância da Terapia Ocupacional referente à assistência do


individuo vitima de queimadura. Segundo Arruda (2007) os procedimentos como
mobilização, processo de cicatrização, utilização de órteses, treino de marcha e das
Atividades de Vida Diária, entre outros, são de competência do Terapeuta, atuando nas
fases da reabilitação.

Medeiros (2008) relata que cicatrizes hipertróficas, queloides, rigidez articular, contraturas
de tecidos moles e/ou articulares são comorbidades frequentes no meio hospitalar.
Siqueira (2000) que em relação à prevenção de deformidades e sequelas físicas e
funcionais, descreve-se como cuidados de reabilitação da queimadura, o posicionamento
adequado, por meio de posturas antideformantes; a imobilização por meio da indicação
15

de órteses; controle da cicatrização e do edema; reeducação sensitiva e a mobilização,


por meio de exercícios passivos e ativos, até que cheguem as atividades terapêuticas
mais elaboradas, culminando, por fim, com o treino das atividades de vida diária e vida
prática.

A partir da logica de prevenção de agravos, promoção e/ou prevenção sanitária e


reconhecimento social, a Terapia Ocupacional intervém na habilitação e recuperação dos
profissionais, visando e analisando o meio de trabalho, relações, atividades desenvolvidas
e etc. (Silva et al.,2016). Analises advinda da demanda dos trabalhadores como uso de
EPI’s e vestimentas não condizentes, motricidade, alimentação insuficiente; e Análise
ergonômica, com atividades que tornam a carga horaria trabalhista cansativa, ambientes
com condições insalubres, horas ininterruptas de trabalho, são dados importantes para a
pratica terapêutico ocupacional, as quais identifica-se descuidos no auto cuidado,
suscetibilidade a LER/DORT, entre outras variáveis, podendo manejar grupos objetivando
melhora na qualidade de vida com ginastica laboral, informativos sobre EPI’s, atividades
lúdicas voltadas as problemáticas das relações profissionais e conscientização de hábitos
saudáveis (Da Silva Cabral, 2016).

Na perspectiva das queimaduras domésticas, Vendrusculo (2010) refere que países da


América Latina e do continente europeu a incidência de queimaduras corre em ambiente
doméstico, atingindo crianças através de escaldo, bem como, no Brasil, na idade adulta a
violência doméstica tem contribuído para os casos de tal quantitativo. Delgado (2002)
relata que aglomerados de pessoas em ambientes domiciliares pequenos também
influenciam nos casos de queimadura, por sua proximidade dos cômodos. Um fator
pertinente para os acidentes com queimaduras é a negligencia, afetando todas as faixas
etárias, sendo ocasionado por falta de cuidados básicos e situações de risco. (Deslandes,
1994). Características como a falta de manutenção dos instrumentos domésticos e
panelas e equipamentos precários favorecem acidentes domésticos envolvendo
queimaduras, sendo percebidas raramente pelas famílias residentes no ambiente. (Rossi,
2003).
16

2. Justificativa

Possuindo casos de queimaduras mais crescente no estado do Espirito Santo , conhecer


o perfil epidemiológico dos pacientes vítimas de queimaduras para evitar deformidades e
acidentes futuros – através de conscientização e abordagem dos perigos, expandindo as
informações no serviço de comunicação social do hospital e mídia em geral – é de suma
importância propor estratégias de enfrentamento dos riscos e prevenir agravos de saúde.
A Terapia Ocupacional como profissão que promove e previne agravos de saúde, bem
como reabilita o sujeito para as atividades diárias com independência e autonomia, possui
grande importância para a vida dos sujeitos afetados.

3. Objetivos

3.1. Geral
-Descrever perfil epidemiológico dos pacientes atendidos em meio de internação no
Hospital Estadual Jayme Santos Neves no período de 2013-2017.

3. 2. Específico
- Identificar faixa etária, sexo, região oriunda, o agente etiológico, profundidade, motivo da
ocorrência, tempo de internação e óbito.

- Determinar ano com maior incidência das queimaduras.

4. Metodologia

A ciência assume como missão a busca pelo conhecimento, para alcançar este
conhecimento são importantes tanto os processos quanto os resultados. Na ciência a arte
é um pressuposto. A principal diferença entre as formas de produção da arte e da ciência,
é que esta última tem sempre a preocupação em investigar o que foi feito por outros
(TOBAR, 2001), acrescentamos que não é mera reprodução, mas criação e invenção.
Essa pesquisa trata-se de um estudo retrospectivo, descritivo e transversal, com
abordagem quantitativa, que tem por objetivo traçar o perfil epidemiológico dos pacientes
17

vítimas de queimaduras admitidos no Hospital Estadual Jayme Santos Neves. A pesquisa


descritiva na visão de Gil (2008) tem como técnica a coleta de dados, ambicionando
identificar as especificidades do grupo em pesquisa. Para Vieira (2015), a pesquisa
quantitativa é utilizada quando se deseja reconhecer um somatório de dados para tabelar
e objetivar dados concretos, resultando em analises do estudo e consequente aplicação
nos espaços pertinentes.

4.1. Local de estudo

O estudo foi realizado no Hospital Estadual Jayme Santos Neves (HEJSN) no Município
da Serra no Espírito Santo (E.S.), que atualmente, é o único hospital estadual referência
em tratamentos para vítimas de queimaduras. O Hospital Estadual Jayme Santos Neves
(HEJSN) foi nomeado em homenagem ao médico e ex-secretário da Saúde do Espírito
Santo, finado com 89 anos, em 06 de novembro de 1998. Apreciado pelo enfrentamento
contra a tuberculose, sendo um dos fundadores da Liga Espírito-Santense contra a
Tuberculose, recebeu destaque na organização ao ser presidente e diretor da Divisão
Nacional de Tuberculose (Junior, 2014). A Secretaria de Estado da Saúde (2017) revela
que o HEJSN é o maior Hospital da região possuindo 304 leitos, sendo inaugurado em
2013. Presta serviços de urgência e emergência em traumas ortopédicos e neurológicos,
catástrofe, queimados, ataques de animais, e entre outros.

ABERTURA EM ETAPAS
23 DE FEVEREIRO DE 2013 HEJSN inaugurado. No dia seguinte iniciaram 60 atendimentos com
leitos clínicos e 40 atendimentos na UTI Adulto. Setores como
Ambulatório, Centro Cirúrgico e setor de imagens dão inicio ao
funcionamento.
15 DE MARÇO DE 2013 Disponíveis mais 60 vagas para atendimentos para diversas demandas
cirúrgicas.
02 DE MAIO DE 2013 Leitos no Hospital Dia (30), Centro de Tratamento de Queimados (14)
e Pronto Socorro (55), são disponibilizados. Nesta data, dão inicio a
atendimentos de outros estados, com capacidade para 8 mil serviços
por mês.
30 DE SETEMBRO DE 2013 Leitos na UTI Neonatal e serviços de ressonância
magnética/tomografia computadorizada são disponibilizados.
1º DE NOVEMBRO DE 2013 A Maternidade de Alto Risco é inaugurada, totalizando todos os
serviços hospitalares disponíveis.
Tabela 1: Inauguração em etapas do Hospital Estadual Jayme Santos Neves

Além dos pacientes queimados de urgência e emergência, bem como internação, o


18

atendimento de indivíduos com sequelas físicas constitui o quantitativo de atendimentos


realizados no HEJSN. Quando há necessidade, pacientes recebem encaminhamento para
o setor do ambulatório com especialidade na Terapia Ocupacional, sendo estes indivíduos
que apresentaram diminuição da amplitude de movimento em regiões afetadas, presença
de bridas, perda do desempenho ocupacional e Atividades de Vida Diária (AVD) e agravos
de saúde pertencente à origem da lesão.

4.2. População do estudo

O universo foi composto por todos os 906 prontuários presentes no Sistema de


Prontuários Online (Soul MV), no período de 2013 a 2017, para identificar os agravos
traumáticos dos pacientes vítimas de queimaduras atendidos por meio de internação no
Centro de Tratamento de Queimados do HEJSN.

4.3. Critérios de inclusão

Prontuários de pacientes vítimas de queimaduras atendidos em meio de internação do


referido hospital no período de 2013 a 2017, constando as variáveis em estudo que
indicam a faixa etária, sexo, região oriunda, o agente etiológico, profundidade, motivo da
ocorrência, tempo de internação e óbito.

4.3.1. Critérios de exclusão

Prontuários com informações incompletas das variáveis analisadas.

4.4. Amostra do estudo

Foram analisados todos os 906 prontuários e, após a aplicação dos critérios de exclusão,
foram selecionados um total de 512 prontuários com registro completo, correspondendo à
amostra do estudo.
19

4.5. Procedimentos de coleta de dados

A coleta de dados foi realizada nas dependências do Centro de Ensino e Pesquisa do


Hospital Estadual Jayme Santos Neves e se deu no período de Fevereiro a Maio de 2018.
Foram coletados dados de prontuários médicos obtidos no Sistema de Prontuários Online
(Soul MV) do centro de Tratamento de Queimados do HEJSN. No total, foram analisados
906 prontuários; após aplicados os critérios de exclusão foram eliminados 388
prontuários, o que gerou uma amostra total de 512 prontuários. Os dados obtidos em
prontuário foram coletados com formulário padronizado e organizados numa planilha do
programa Software Excel 2010 para posterior análise, contendo nome, idade, sexo, região
oriunda, profundidade da lesão, motivo da ocorrência, tempo de internação, e óbito..

4.6. Análises estatísticas dos dados

Os dados coletados foram organizados e analisados quantitativamente utilizando o


programa Software Excel 2010, onde foi realizada uma análise descritiva – média,
frequência, e percentuais - representadas por tabelas e gráficos.

4.7. Considerações éticas

Foram obtidas as devidas autorizações do hospital e chefe responsável do setor, através


da carta de anuência (anexo 1) para dar início à pesquisa. O presente estudo não
apresentou riscos à saúde, visto que é uma pesquisa com coleta de dados secundários,
tendo em vista o sigilo dos nomes e não haver contato direto com os pacientes.

4.8. Informações adicionais

O presente estudo conta com elementos de aspecto da prática no tratamento de


queimados através de entrevista com a Terapeuta Ocupacional do HEJS e Diário de
campo confeccionado pela pesquisadora.
20

5. Resultados

Foram analisados os registros de pacientes, dos quais, após a aplicação dos critérios de
exclusão, totalizou 512 prontuários.
O ano com maior prevalência de queimaduras do Hospital Jayme dos Santos Neves foi
2017, com 135 pacientes internados, seguido pelo ano de 2016 com 105 pacientes. Em
2014 foram atendidos 102 pacientes, enquanto que em 2015 foram atendidos 89 e em
2013, 81 pacientes. A média de atendimentos de vítimas de queimaduras no HEJSN foi
de 102,4 pacientes por ano (Tabela 1).

Ano Número de Prontuários analisados


2013 81
2014 102
2015 89
2016 105
2017 135
Total 512 prontuários
Média 102,4 prontuários
Tabela 2: Número de prontuários avaliados por ano de investigação

O tempo de internação entre os pacientes variou de 1 a 120 dias, com média de 60,5
dias. Com relação ao gênero houve predominância do sexo masculino, com 314
pacientes (61%), enquanto que o feminino respondeu por 198 (39%) (Gráfico 1).

Gráfico 1 - Distribuição percentual da amostra relacionada ao gênero. Serra, 2018.


21

Na avaliação quanto à faixa etária, evidenciou-se a maior prevalência de queimaduras


dentre pacientes adultos, na idade de 19 a 59 anos (n=441, 86%), seguido de pacientes
idosos com idade de 60 anos ou mais (n= 49; 9,5%). O grupo dos pacientes Infanto
juvenil até 18 anos de idade foi o menos expressivo (n=22, 4,5%) (Gráfico 2).

Gráfico 2 – Prevalência de queimaduras relacionado à faixa etária (n=512)


22

A distribuição da amostra segundo o local de procedência das vítimas de queimaduras


atendidas no hospital está representada no gráfico 3.
Percebe-se que 331 pacientes (64,5%) residiam em algum município da Grande Vitória,
enquanto 181 (35,5%) residiam em outros municípios do estado.

Gráfico 3 - Distribuição da amostra relacionado à procedência. Serra, 2018.

Ao avaliar a amostra segundo o grau de queimadura, evidenciou-se um predomínio de


lesões de 2º grau, que correspondeu a 256 pacientes (50%), seguido de lesões de 2º e 3º
graus concomitantes correspondente a 173 pacientes (33,5%), 1º e 2º graus
concomitantes correspondentes a 53 pacientes (10,5%) e 3º grau, com 21 pacientes (4%).
Queimaduras de 1º, 2º e 3º graus concomitantes ocorreram em 7 pacientes (1,5%),
enquanto que apenas 2 atendimentos (0,5%) foram realizados a pacientes com
queimadura de 1º grau (Gráfico 4).
23

Gráfico 4 - Distribuição da amostra relacionada ao grau de queimadura. Serra, 2018.

Na avaliação quanto ao agente causador, a Chama Direta foi o mais prevalente,


representando 295 pacientes (58%), seguido por Escaldo com 142 pacientes (28%) e
Eletricidade, com 33 indivíduos (6,5%). Queimaduras por Abrasão (n=31; 6%),
Substâncias Químicas (n=6; 1%) e Vapor (n=0,5) vieram a seguir, respectivamente.
(Gráfico 5).

Gráfico 5 - Distribuição da amostra segundo agente etimológico causador do acidente. Serra, 2018.
24

Em relação aos motivos, 55% (n=281) das queimaduras ocorreram em decorrência de


acidente domiciliar, 14,5% (n=75) ocorreram devido à acidente de trabalho, 10,5% (n=53)
devido à autoextermínio e 9,5% (n=48) em decorrência de agressão física.
Sequencialmente, 9% (n=46) das queimaduras foram decorrentes de acidentes
automobilísticos, 1% (n= 6) devido autoagressão e 0,5% (n=3) devido à homicídios
(Gráfico 6).

Gráfico 6- Distribuição da amostra segundo o motivo do acidente. Serra, 2018.


25

Na avaliação quanto a óbitos ocorridos no período avaliado, 47 pacientes (9%) foram a


óbito, tendo o maior número ocorrido em 2014 (28%), e se repetido em 2017 (28%). 15%
(n=7) ocorreram em 2013, seguidos por 13% (n=6) em 2015, e 17% (n=8) em 2016
(Gráfico 7).

Gráfico 7 - Distribuição da amostra segundo óbitos. Serra, 2018


26

5.1. ENTREVISTA COM TERAPEUTA OCUPACIONAL DO HEJSN

1. Em qual período a Terapia Ocupacional começou no HEJSN?

A terapia ocupacional começou no Jayme quando foi inaugurado no dia 23 de


fevereiro de 2013. Compete ao serviço as demandas dos setores ambulatoriais e
no CTQ, bem como nos outros setores.

2. Em que consiste o trabalho da T.O no cuidado com vitimas de queimaduras?

Consiste em prevenir contraturas e deformidades, por meio de mobilização. O parecer é


requisitado quando um profissional percebe demanda compatível com outra profissão e
sugere uma avaliação para confirmar a análise do técnico competente. Em sua grande
maioria, os pareceres solicitados para a Terapia Ocupacional são de médicos, para a
avaliação de deformidades já instauradas, como padrão flexor de MMSS e MMII, lesões
ortopédicas, escaras sacrais e em outras regiões, etc. Ao avaliar os pacientes, demandas
urgentes são resolvidas com posicionamento adequado dos membros, mudanças de
decúbito, adaptações no leito, mobilizações, orientações ao familiar e ao hospitalizado.
Em casos mais graves, a prescrição de órtese é relacionada, tanto para prevenir agravo
de deformidades, como para prevenção de deformações.

3. Como a Terapia Ocupacional atua na Balneoterapia do HJSN?

A Balneoterapia é o local onde ocorre procedimentos para curativos, com lavagem da


ferida, em um ambiente próprio, sendo o paciente sob o efeito de sedação ou anestesia. A
prática terapêutica ocupacional na Balneoterapia do Centro de Tratamento de Queimados
do HEJSN possui foco na prevenção de deformidades e contraturas, por meio de
orientações de mobilização ativa e ativa assistida, posicionamento para evitar edema,
exercícios em meio domiciliar, e retorno gradativo as AVD’s. Na fase mais inicial da
queimadura, a mobilização deve ocorrer até o limite confortável do individuo, assim
evitando algesia e deformidades devido ao quadro. Do mesmo modo, os atendimentos
beira leito possuem foco reabilitacional para independência e autonomia do paciente,
utilizando recursos para manter ADM funcional dos seguimentos afetados através de
mobilização passiva e/ou ativa, bem como orientações de mobilização ativa e/ou auto
27

assistida, evitando edemas e auxiliando no processo de cicatrização; posicionamento


corporal visando o não encurtamento de estruturas e deformidades, utilizando ou não
órteses; orientações e adaptações para realizar AVD’s, principalmente de autocuidado
(alimentação, vestimentas, higienização) respeitando a limitação do paciente, sendo estas
questões álgicas, curativos, humor, entre outros; resposta de parecer médico e de outras
profissões, frequentemente solicitando avaliações sobre posicionalmente pós cirúrgico
(por meio de órteses), para pacientes com protocolo em execução de cuidados paliativos,
e com demandas ortopédicas, reduzindo o numero de sequelas físicas. Membros da
equipe multidisciplinar entendem a importância e diferença da terapia ocupacional neste
espaço, solicitando presença quando necessário e adequando as práticas de forma
conjunta.

4. Quais são as intervenções utilizadas para o tratamento reabilitacional com


queimados?

As intervenções consistem na reabilitação física, manipulação passiva, ativa assistiva


para manter a pele mais “maleável”, o mini vibrador auxiliar, para estimulação sensorial
da parte afetada pela a queimadura, e o digiflex para trabalhar força das mãos.

5. Disserte sobre sua experiência no atendimento a queimados.

O atendimento terapêutico ocupacional é muito árduo, pois lidar com a dor do paciente é
complicado, quando ele está deitado em uma cama, debilitado e dependente para realizar
pequenas atitudes como beber água, e começar o trabalho reabilitacional auxiliando na
autonomia e dependência do sujeito, restaurando essas ações cotidianas que passam
despercebidas e que carregam grande valor, é muito gratificante. Paciente presentes no
CTQ possuem quadro clínico estável e com menores complicações comparados aos que
permanecem na Unidade de Tratamento Intensivo de Queimados. Na maioria dos casos
encontra-se pacientes conscientes e lúcidos, recebendo alta hospitalar quando ocorre
epitelização completa das feridas. Neste momento é imprescindível o trabalho técnico da
equipe multidisciplinar, realizando procedimentos, encaminhamentos, pareceres e
discussão de casos. A Terapia Ocupacional possui a incumbência de evitar deformidades
e agravos de saúde (por meio de mobilizações, alongamentos, orientações, órteses,
mudanças de decúbitos), e estimular o uso dos membros afetados nas AVD’s no hospital
e ao receber alta (adaptações, orientações, posicionamento). A importância e diferença
28

das práticas do terapeuta ocupacional no tratamento de queimados são identificadas ao


relacionar as comorbidades instauradas e o desempenho ocupacional, percebendo como
o processo terapêutico é utilizado como potencializador e facilitador da independência e
autonomia. O trabalho conjunto com equipe multidisciplinar acelera o processo de alta do
paciente, auxiliando nos custos hospitalares, produção do individuo e retorno as
atividades do cotidiano.

5.2 DIÁRIO DE CAMPO

Para título de enriquecimento do presente estudo, segmentos do diário de campo


agregam na pesquisa incorporadas no tópico Discussão, enriquecendo as práticas no
campo.
29

6. Discussão

A média de internação das vítimas de queimaduras atendidas na Unidade de Tratamento


de Queimados do HEJSN foi de 60,5 dias, sendo o tempo mínimo e máximo de
permanência 1 e 120 dias, respectivamente. Vale ressaltar que longos períodos de
internação levam à elevados custos hospitalares e maior risco de complicações sépticas
(Souza, et.al, 2009).

No levantamento do presente estudo foi observada a predominância do gênero masculino


(61%) em comparação ao feminino (39%), essa prevalência masculina foi observada e
confirmada por outros trabalhos (PECK, 2011; CRUZ, CORDOVIL & BATISTA, 2012; AL-
SHAQSI, AL-KASHMIRI & ALBULUSHI, 2013; SANTOS JUNIOR et.al, 2016). Tal fato
pode estar relacionado à frequente exposição a riscos envolvidos nas atividades laborais
comuns da prática masculina (AL-SHAQSI, AL-KASHMIRI & ALBULUSHI, 2013; SANTOS
et. al, 2014). O conhecimento de que os homens são frequentemente acometidos por
esse tipo de acidente é de grande relevância para as organizações sociais, uma vez que
as queimaduras frequentemente demandam longo tempo de internação e consequente de
afastamento do trabalho (SOUZA et.al, 2009).

As profissões com maiores índices de vitimas de queimaduras são no setor de produção,


como solda e mecânica, abrangendo publico em maior parte masculino. Nas atividades
domésticas e profissões no setor de culinária as mulheres possuem maiores vínculos
empregatícios (MACIEL, 2004). Como profissional pertencente ao campo da saúde, o
Terapeuta Ocupacional enfatiza intervenções para prevenir agravos e doenças
pertencentes aos exercícios laborativos. Do mesmo modo, é competente ao intervir na
composição do trabalho, sendo este, de suma importância ao influenciar as condições de
saúde do sujeito, influenciando as práticas para melhora do desempenho ocupacional de
qualidade e sadio (LANCMAN, 2004). Tendo em vista a conscientização dos riscos,
espaços grupais para a conscientização dos agravos no ambiente de trabalho são
recursos pertinentes para reflexões e criação de novos hábitos a fim de potencializar a
saúde neste meio (LANCMAN, et. al, 2003).
30

Na avaliação quanto à faixa etária, percebeu-se um maior número de acidentes com


pessoas na faixa etária adulta (19 a 59 anos), seguido por idosos (60 anos ou mais) e
finalmente crianças e adolescentes (0 a 18 anos). Esses achados corroboram com o
estudo de Souza (et.al, 2009), que identificou que 67,6% dos pacientes atendidos
estavam em idade adulta e 32,4% eram crianças ou adolescentes. Por outro lado,
divergindo do achado do presente estudo, Santos Junior (et.al, 2016) encontraram uma
maior prevalência de acidentes dentre crianças de 0 a 12 anos (51,15%), seguido pelo
grupo de adultos de 19 a 59 anos (40,34%) e pelo grupo de adolescentes (5,46%). Vale
destacar que esses grupos se diferenciam no ambiente em que predominantemente
ocorrem as queimaduras, uma vez que crianças e idosos tendem a se acidentar no
ambiente domiciliar devido manuseio inadequado de instrumentos domésticos e menor
reação a possíveis fatores agressores, já com os adultos os acidentes tendem a ser
predominantes nos locais de trabalho (CRUZ, CORDOVIL & BATISTA, 2012; GOODARZI
et.al, 2014; SANTOS JUNIOR et.al, 2016). Destaca-se que no presente do estudo não
houve atendimento a vítimas com idade entre 0 a 12 anos, enquanto que o atendimento a
adolescentes de 13 a 18 anos correspondeu à apenas 22 prontuários. Isso pode se dever
ao fato de que há dois Hospitais de Referência para atendimentos de crianças e
adolescentes localizados na Grande Vitória, que podem estar recebendo esses pacientes
vítimas de queimadura na referida idade.

Ao analisar os pacientes de faixa etária com maior destaque nas queimaduras (19-59
anos), destacam-se as maiores queixas sobre autoestima, imagem corporal, humor,
sexualidade, atividades visando o autocuidado, sobretudo das mulheres. Segundo
Werneck (1995), o contato próximo com a morte, mudança corporal, descrédito,
dependência nas AVD’s, e outros sentimentos negativos advindos da nova configuração
corporal, são características passiveis de superação. A ocupação oferece novo sentido
ao individuo perante seu papel social, mulheres em ótimo estado de saúde ao sofrer
queimaduras, muitas vezes, corrobora com sentimentos de baixa autoestima, ao se verem
desvalorizadas através do baixo rendimento nas AVD’s e nas Atividades de Vida Prática
(AVP’s). O Terapeuta Ocupacional é o profissional apropriado para oferecer novo
significado e superar os déficits, reorganizar e adaptar o cotidiano utilizando e executando
tarefas da rotina individual (BESSA, SILVA & ROCHA, 2011).
31

Identifica-se que os pacientes da região da Grande Vitória (Cariacica, Fundão, Guarapari,


Serra, Viana, Vila Velha, Vitória) frequentam mais os serviços hospitalares do que os
advindos de outros municípios e Estados da República (35,5%). Tal situação é justificada
através do grande quantitativo populacional da região e por sua localização mais próxima
do Hospital.

Observou-se uma predominância de queimadura de 2º grau, seguida pelas queimaduras


de 2º e 3º graus concomitantes e queimaduras de 3º grau. Lesões de 1º, 2º e 3º graus
concomitantes e 1º grau foram menos prevalentes. Esses achados corroboram com o
estudo de Santos Junior (et.al, 2016), que encontrou um predomínio de lesões de 2º grau
(79,41%) seguido por pacientes que apresentavam queimaduras de 2º e 3º graus
concomitantes (11,34%) e daqueles com queimaduras de 3º grau (4,73%). Golshan, Patel
& Hyder, (2013) discorrem que existe uma correlação entre agente causal e grau de
acometimento da lesão, sendo os líquidos superaquecidos responsáveis pela maioria das
lesões de 1º e 2º graus coexistentes, enquanto que as queimaduras por álcool são
responsáveis pela geração de lesões de 2º grau. Já Freitas (et.al, 2015) discorre que as
lesões de 3º grau têm como agentes causais predominantes traumas térmicos e elétricos
respectivamente. Destaca-se que no presente estudo o índice alto de queimaduras
decorrentes de acidentes domésticos se caracterizou por escaldos (agua fervente para
preparo de café e/ou outros tipos de alimentos, explosões de panela de pressão) e chama
direta (acidentes também de origem doméstica, por uso indevido de álcool para
autoextermínio, combustão em churrasqueira e/ou outros materiais para erradicação de
dejetos, folhas, lixo, etc.), tendo em vista a facilidade em adquirir por meio comercial o
agente em questão. Em meio hospitalar, por ser referência em queimaduras e ter suporte
especializado, casos mais graves são encaminhados mais rapidamente e ausente de
outros serviços da saúde como as UBS e UPA’s.

Destaca-se a Chama Direta (Álcool, gasolina, solventes) como agente causador de mais
da metade dos acidentes com queimadura atendidos no HEJSN no período delimitado,
seguido por Escaldo (água e/ou óleo) e Eletricidade. Sequencialmente, observa-se a
prevalência de queimaduras por Abrasão (contato com superfícies quentes, queimadura
asfáltica), Substâncias Químicas e Vapor. Tal resultado corrobora com o estudo de Souza
(et.al, 2009), cujo álcool foi a principal causa de queimaduras entre os maiores de 14 anos
(43,4%), seguido de escaldo (20,8%). A literatura aponta a Chama Direta como a segunda
32

maior causa de queimadura em adultos, atrás apenas do Escaldo (o segundo maior


responsável pelos acidentes no presente estudo) que representa a primeira causa em
todas as faixas etárias (SOUZA e.al, 2009; CRUZ, CORDOVIL & BATISTA, 2012;
GOLSHAN, PATEL & HYDER, 2013; SANTOS JUNIOR et.al, 2016). Embora seja a
segunda mais frequente, a Chama Direta é responsável pelo tipo predominante de lesão
em vítimas admitidas em unidades de queimaduras (CUENCA et.al, 2008; BARBOSA
et.al, 2001).

Como referido, as queimaduras acometem danos físicos e mentais, desencadeando


processos frágeis sobre o morrer, percepção do outro, relações interpessoais, sistemas
sociais e convivência com a nova experiência, ocasionando suporte profissional na
reabilitação física bem como na rotina hospitalar e nos aspectos psíquicos
(FIGUEIREDO-UCHÔA & NEGRINE, 2009). Ao abordar o paciente, o profissional
necessita ser coerente na relação, compreensivo, com atitude não acusatória, perceptiva,
e motivações positivas para com o paciente (ROGERS, 1988)

Acidentes domiciliares representaram mais da metade (55%) dos motivos de acidentes


por queimadura no presente estudo, tal qual em outros levantamentos, como Lacerda
(et.al, 2010), Gimenes (et.al, 2009), Alves e Silva (et.al, 2014) e Coutinho (et. al, 2010).
Tal fato pode se dever ao desconhecimento quanto às situações de riscos para acidentes,
a negligência, o descuido e a falta de atenção que podem contribuir na ocorrência de
queimaduras (Nestor & turra, 2014). Ao analisar os dados advindos do formulário de
levantamento da pesquisa, outro fator relacionado pelo índice de acidentes é a utilização
de produtos inflamáveis na limpeza doméstica e no acendimento de chama de
churrasqueira, pois cada vez mais os agentes inflamáveis estão inseridos no ambiente
domiciliar. (SANTANA, 2010; NESTOR & TURRA, 2014). Os dados do presente estudo
também corroboram com outras pesquisas, sendo a chama direta o principal causador de
acidentes domestico, sendo causados por álcool, atingindo homens na área externa da
casa (Rossi, 1998).

O acidente de trabalho aparece como 2º mais prevalente (14,5%) no presente estudo, o


que corrobora com a literatura científica, que atribui à causa ao fato de muitos
trabalhadores lidarem constantemente em contato com o agente causal em seu ambiente
de trabalho. (NESTOR & TURRA, 2014).
33

As tentativas de autoextermínio (10,5%) se confirmam como um problema de saúde


pública, causando relações de ambivalência nos profissionais por lidar com o resgate da
vida e o desejo de finitude do paciente, desconhecendo o sentido e valor para o individuo
atendido (ASSIS, 2011). Os agentes mais utilizados pelos pacientes internados no HEJSN
foram gasolina e em sua maioria utilizaram álcool, seja por influência de transtornos
mentais e/ou utilização de álcool e outras drogas, obtendo esses dados através do
formulário de levantamento de dados e diário de campo. A facilidade em adquirir e/ou
transformar substâncias em agentes inflamatórios também influencia nos dados para
autoagressão (1%) segundo a análise do formulário de levantamento de dados, no qual
aponta que em sua maioria, casos de indivíduos menores infratores utilizando fogo e
espumas utilizadas para fabricação de colchões, potencializando rebeliões nas unidades
Socioeducativas do Estado; e agressão física (9,5%), em suma ocasionada por conflitos
interfamiliares.

Na avaliação do registro de óbitos encontramos quantidades consideravelmente baixas,


comparadas ao quantitativo de pacientes atendidos, nos primeiros anos de funcionamento
do hospital, exceto para o ano de 2014 igualando a marca de 28% do ano de 2017. Ao
adquirir novas ciências e desenvolver técnicas e analises sobre o estudo das
queimaduras, cuidados nos atendimentos, conhecimento adequado da fisiopatologia em
casos de ressuscitação hemodinâmica, novos combate a infecções, técnicas para melhor
cicatrização, atendimento de qualidade da equipe multidisciplinar, entre outros, a
probabilidade de sobrevivência da vitima com queimadura é maior (Ryan,1998).

Como limitação, durante a coleta de dados, identificam-se vários prontuários com


informações básicas incompletas, prejudicando a identificação das variáveis estudadas.
Vale ressaltar que perfis epidemiológicos definidos são utilizados para estratégias de
combate a problemática discutida, atingindo positivamente a população com demandas
específicas das comorbidades. Sugere-se que através de um formulário mais detalhado,
obtêm-se as informações necessárias para realizar ações de prevenção mais integradas a
população.

Com intuito de prevenir as queimaduras utilizando informação e conscientização, o


HEJSN possui o Projeto Jayme Itinerante, o qual realiza abordagens uma vez ao mês em
escolas da rede pública pertencentes ao município da Serra, retirando duvidas,
esclarecendo e orientando na prevenção e cuidados com queimaduras (Sesa, 2018).
34

Destaca-se que estratégias de baixo custo para prevenção de acidentes como,


acendedores de churrasqueira, manter crianças fora do alcance de materiais inflamáveis,
descarte correto de resíduos e/ou reciclagem, manutenção de fios com corrente elétrica,
uso de luvas apropriadas para cozinha, não deixar panelas no fogão ao alcance de
crianças, e etc., são pertinentes no cuidado dos indivíduos. Nos hospitais, uma alternativa
para a prevenção e promoção da saúde voltada as queimaduras são as Salas de Espera,
onde o assunto é abordado e conscientizado enquanto pacientes aguardam atendimentos
nos setores ofertados, alcançando maior quantitativo de pessoas.

7. Considerações finais

O perfil epidemiológico encontrado na Unidade de Tratamento do HEJSN para a vítima


admitida por conta de acidentes envolvendo queimaduras pode ser representado por
paciente do gênero masculino, entre 19 e 59 anos, proveniente da Grande Vitória, com
prevalência de lesões de 2º grau, sendo a chama direta o principal agente etiológico, e os
acidentes domésticos como motivo predominante.

Ao analisar os dados, entende-se a importância e necessidade em evitar queimaduras


com providências acessíveis e de baixo custo, como materiais de proteção para tomadas,
utilizar acendedores para churrasco, evitar velas nas proximidades de áreas de repouso e
materiais inflamáveis, evitar manipulação de fogos de artifícios, não deitar com o cigarro
aceso (preferencialmente evitar fumar), não deixar o cabo da panela contra a direção do
fogão, manter líquidos inflamáveis (álcool, gasolina, e outros) fora do alcance das
crianças, analisar a temperatura do banho quente, verificar a trava de segurança do
botijão de gás (GLP) para evitar vazamentos bem como respeitar a data de validade e
usar mangueira própria para este tipo de ligação, respeitar a validade; - cabendo às
autoridades legais a conscientização, publicação de campanhas sobre medidas de
promoção e prevenção, - bem como maior inserção de terapeutas ocupacionais em
serviços de proteção a vitimas de queimaduras, lidando com independência e autonomia,
potencializando a qualidade de vida dos usuários.

A partir desse estudo foi possível compreender a inclusão do Terapeuta Ocupacional na


instituição hospitalar ponderando no desempenho ocupacional satisfatório do individuo,
visando independência e autonomia ao realizar as Atividades de Vida Diária, não apenas
35

objetivando os atributos físicos, mas entendendo o individuo como um todo, bem como
sua psique e o contexto social aplicado.
Ao analisar as práticas terapêuticas ocupacionais no HEJSN, voltadas para o CTQ,
percebe-se como a profissão possui conexão com o fazer humano, adaptando,
reabilitando, construindo novos significados e ações pertencentes às demandas do
individuo. Desde a promoção da saúde, utilizando atividades/fazer humano como meio de
potencializar e manter a saúde, como na prevenção, conscientizando, informando sobre
direitos, mudando hábitos, adaptando ambiente, e na reabilitação, visando o físico, psique
e o social, para retornar o sujeito com independência e autonomia.

Destaca-se que os resultados explicitados nesse estudo são de grande relevância, pois
representam uma ferramenta imprescindível para a população que utilizará o serviço,
visto que uma equipe profissional ciente da realidade com a qual trabalha torna-se apta
para traçar estratégias eficientes na terapia e recuperação dos pacientes vítimas de
queimadura. Além disso, tais dados são importantes para o desenvolvimento de
programas de prevenção que visem diminuir os índices desse tipo de acidentes, já que
esta é a melhor forma de evitar as queimaduras e seus efeitos.
36

8. Referências

ANTONELI MRMC. Queimaduras. In: Teixeira E, Sauron FN, Santos LSB, Oliveira MC.
Terapia ocupacional na reabilitação física. São Paulo: Roca; 2010.

ASSIS, JANAÍNA TERESINHA DA SILVA JUNQUEIRA. Conhecendo a vida ocupacional


do paciente queimado por autoagressão após a alta hospitalar. 2011. Tese de Doutorado.
Universidade de São Paulo.

ALEXANDRE A. SOUZA, CARLOS A. MATTAR, PAULO C. C. DE ALMEIDA, LEÃO


FAIWICHOW, FÁ. Perfil epidemiológico dos pacientes internados na Unidade de
Queimaduras do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo, Rev Bras
Queimaduras. 2009;8(3):87-90.

AL-SHAQSI S, AL-KASHMIRI A, AL-BULUSHI T. Epidemiology of burns undergoing


hospitalization to the National Burns Unit in the Sultanate of Oman: a 25-year review.
Burns. 2013;39(8):1606-11

ALVES E SILVA GM, FARIAS GL, MACIEL MA. Epidemiological profile of patients in
Goiânia Burns Emergency Hospital in August 2013. Revista Brasileira de Queimaduras,
2014

ARRUDA, Cristiana; CAVALCANTI, Alessandra; GALVAO, Claudia; Terapia Ocupacional:


fundamentação e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. P. 226-232.

BARBOSA MI, CAVALIEIRI RF, PEÇANHA C, MUNIZ R, GOMES D, SERRA MC. Análise
de 3746 casos de queimaduras. Rev Bras Queimaduras. 2001;(1):14-6.

BESSA, JACKELINE KARLA MARTINS; DA SILVA, TATIANA ENY OLIVEIRA; ROSA,


SUELY MARQUES. mulheres vítimas de queimaduras: um olhar sobre as atividades de
vida diária/women victims of burns: A look at the activities of daily living. Cadernos
Brasileiros de Terapia Ocupacional, v. 19, n. 2, 2011.
37

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n o. 1.823, de 23 de agosto de 2012. Institui a


Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Diário Oficial [da]
República Federativa do Brasil, Poder Executivo, DF, 23 ago. 2012.

COUTINHO BBA, BALBUENA MB, ANBAR RA, ANBAR RA, ALMEIDA KG, ALMEIDA
PYNG. Perfil epidemiológico de pacientes internados na enfermaria de queimados da
Associação Beneficente de Campo Grande Santa Casa/MS. Rev Bras Queimaduras.
2010;9(2):50-3.

CRUZ BF, CORDOVIL PBL, BATISTA KNM. Perfil epidemiológico de pacientes que
sofreram queimaduras no Brasil: revisão de literatura. Rev Bras Queimaduras.
2012;11(4):246-50

CUENCA-PARDO J, DE JESÚS ALVAREZ-DÍAZ C, COMPRÉS-PICHARDO TA. Related


factors in burn children. Epidemiological study of the burn unit at the “Magdalena de las
Salinas” Traumatology Hospital. J Burn Care Res. 2008;29(3):468-74.

DA SILVA CABRAL, ANA KARINA PESSOA et al. ERGONOMIA E PROMOÇÃO DE


SAÚDE NO AMBIENTE DE TRABALHO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA INTERVENÇÃO
EM TERAPIA OCUPACIONAL. Blucher Engineering Proceedings, v. 3, n. 3, p. 697-708,
2016.

Delgado J, Ramirez-Cardich ME, Gilman RH, Lavarello R, Dahodwala N, Bazan A, et al.


Risk factors for burns in children: crowding, poverty, and poor maternal education. Inj Prev.
2002Mar; 8(1):38-41.

Deslandes SF. Prevenir a violência: um desafio para profissionais de saúde. Rio de


Janeiro: FIOCRUZ/ENSP/CLAVES; 1994.

DOS SANTOS JUNIOR, Rafael Adailton et al. Perfil epidemiológico dos pacientes
queimados no Hospital de Urgências de Sergipe. Rev Bras. Queimaduras, v. 15, n. 4, p.
251-5, 2016.
38

DUARTE PH, SALLES FH, FILHO EM. Aplicabilidade do índice ABSI no prognóstico dos
pacientes no Centro de Tratamento de Queimados no Hospital Dr. Armando Lages. Rev.
Científica do Hospital Geral do Estado de Alagoas Professor Osvaldo Brandão
Vilela.Maceió, 2010.

EQUIPE SABARÁ. Abrasão de pele. Acesso em 10 de julho de 18. Disponível em


https://www.hospitalinfantilsabara.org.br/sintomas-doencas-tratamentos/abrasao-de-pele/.

FREITAS MS, MACHADO MM, MORAES RZC, SOUSA AH, ARAGÃO LHFB, SANTOS
JUNIOR RA, et al. Características epidemiológicas dos pacientes com queimaduras de
terceiro grau no Hospital de Urgências de Sergipe. Rev Bras Queimaduras.
2015;14(1):18-22.

GIL, ANTONIO CARLOS. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Ediitora Atlas SA,
2008.

GIMENES GA, ALFERES FCBA, DORSA PP, DE BARROS ACP, GONELLA AH.
Epidemiological profile of inpatients at the Centro de Tratamento de Queimados do
Conjunto Hospitalar de Sorocaba. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(1):14-7.

GOLSHAN A, PATEL C, HYDER AA. A systematic review of the epidemiology of


unintentional burn injuries in South Asia. J Public Health (Oxf). 2013;35(3):384-96.

GOMES, Dino Roberto.;; SERRA, Maria Cristina do Valle Freitas.Conhecendo o paciente


queimado.In: GOMES, Dino Roberto.; SERRA, Maria Cristina do Valle Freitas.;
GUIMARÃES JR, Luiz Macieira. Condutas atuais em queimaduras. Rio de Janeiro:
Revinter, 2001. p. 5-6.

GOODARZI M, REISI-DEHKORDI N, DARYABEIGI R, ZARGHAM-BOROUJENI A. An


epidemiologic study of burns: Standards of care and patients’ outcomes. Iran J Nurs
Midwifery Res. 2014;19(4):385-9

JUNIOR, HAROLDO. Acesso em 05 de dezembro de 2017. Disponível em


<http:/intranet.hejsn.aebes.org.br/index.php/2013-07-10-13-01-09>.
39

LACERDA LA, CARNEIRO AC, OLIVEIRA AF, GRAGNANI A, FERREIRA LM. Estudo
epidemiológico da Unidade de Tratamento de Queimaduras da Universidade Federal de
São Paulo. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(3):82-8.

LANCMAN, SELMA et al. Informar e refletir: uma experiência de terapia ocupacional na


prevenção de riscos à saúde do trabalhador. Revista de Terapia Ocupacional da
Universidade de São Paulo, v. 14, n. 1, p. 1-9, 2003.

LANCMAN, SELMA.; JARDIM, TATIANA ANDRADE. O impacto da organização do


trabalho na saúde mental: um estudo em psicodinâmica do trabalho. Revista de Terapia
Ocupacional da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 82-9, 2004.

MACIEL, EDMAR; SERRA, MARIA CRISTINA. Tratado de queimaduras. São Paulo:


Atheneu, p. 15-31, 2004.

MEDEIROS NI, SCHOTT E, SILVA R, CZARNOBAY SA. Efeitos da terapia nutricional


enteral em pacientes queimados atendidos em hospital público de Joinville/SC. Rev Bras
Queimaduras. 2009;8(3):97-100.

MICHAELIS. Chama. Acesso em 10 de Julho de 2018. Disponível em:


http://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=chama

MICHAELIS. Direto. Acesso em 10 de Julho de 2018. Disponível em:


http://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=direto

MINISTERIO DA SAUDE. Cartilha para tratamento de emergência das queimaduras.


Secretaria de Atenção à Saúde. Editora do Ministério da Saúde, 2012.

MORAES, C. A.; PEREIRA, K.; PONTES, L. M. C. A atuação da terapia ocupacional em


empresas na elaboração e aplicação de um manual de orientação à saúde do trabalhador
que realiza levantamento e carregamento de cargas. 2007

NESTOR A, TURRA. K. Epidemiologic profile of hospitalized patients victims of burns by


flammable agents. Rev Bras Queimaduras . Sumário Vol.13 Número 1 / 2014
40

ORNELLAS, Cleuza Panisset et al. Hospitals: Place For The Sick And Other Challenged
Persons [os Hospitais: Lugar De Doentes E De Outros Personagens Menos
Referenciados.]. Revista brasileira de enfermagem, 1998.

PECK M. Epidemiology of burns throughout the world. Part I: Distribution and risk factors.
Burns. 2011;37(7):1087-100.

PEREIRA, Elieth Maria Costa; DUTRA, Francisca Conceição; LONIEN, Sandra C. Heim.
O paciente queimado e a cicatrização: uma revisão literária. 2003.

Reis, Manuel. Primeiro socorros em casos de queimadura química. Acesso em 10 de


Julho de 2018. Disponivel em: https://www.tuasaude.com/primeiros-socorros-em-caso-de-
queimadura-quimica/

Rossi LA, Braga EC, Barruffini RC, Carvalho EC. Childhood burn injuries: circumstances
of occurrences and their prevention in Ribeirao Preto, Brazil. Burns. 1998 August;
24(5):416-9.

Rossi LA, Ferreira E, Costa EC, Bergamasco EC, Camargo C. Burn prevention:
perception of the patients and their relative.Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2003 Jan-Feb;
11(1):36-42.

Ryan CM, Schoenfeld DA, Thorpe WP, Sheridan RL, Cassem EH, Tompkins RG.
Objective estimates of the probability of death from burn injuries. N Engl J
Med.1998;338(6):362-6.

ROGERS, C. Tornar-se pessoa. São Paulo: Martins Fontes, 1988, 360 p.

SANTA-COMBA, A.; AMARANTE, J. O. S. É.; MALHEIRO, EDGARDO. Tratamento de


Queimados: Que Perspectivas para a Zona Norte de Portugual?. Acta médica portuguesa,
v. 6, n. 11, p. 521-6, 1993.

SANTANA VBRL. Perfil epidemiológico de crianças vítimas de queimaduras no Município


de Niterói -RJ. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(4):130-5.
41

SANTOS EA, BRAGA DD, FUCULO JUNIOR PRB, OLIVEIRA TD, BAZZAN JS,
ECHEVARRÍA-GUANILO ME. Ocupações com maior risco para acidente com
queimaduras. Rev Bras Queimaduras. 2014;13(4):260-4.

SANTOS JUNIOR RA, et al. Epidemiological profile of burned patients at the Emergency
Hospital of Sergipe. Rev Bras Queimaduras. 2016;15(4):251-5

STANLEY, Marlys J.; RICHARD, Reginald L. Queimaduras. In: O’ SULLIVAN, Susan B.;
SCHMITZ, Thomas J. Fisioterapia: avaliação e tratamento. São Paulo: Manole, 2004. p.
845-871.

Prevenção de queimaduras é tema do Projeto Jayme Itinerante em escola na Serra.


Acesso em 10 de Julho de 2018. Disponivel em: http://saude.es.gov.br/prevencao-de-
queimaduras-e-tema-do-projeto-ja.

Serra MCVF, Gomes DR, Crisóstomo MR, Serra AS. Cálculo da área queimada e
indicadores para internação hospitalar. In: Maciel E, Serra MC, eds. Tratado de
queimaduras. São Paulo: Atheneu; 2004. p.43-9.

SILVA, F. M. N.; VENDRÚSCULO-FANGEL, L. M.; DA SILVA RODRIGUES, D. A Terapia


Ocupacional e a saúde do trabalhador: panorama de produção bibliográfica. Cadernos de
Terapia Ocupacional da UFSCar, v. 24, n. 2, 2016, 2006.

SILVA, Ana Paula Villar; BUSNARDO, Fábio de Freitas. FREITAS, Paula Pardini.
Reabilitação da mão – São Paulo: Editora Atheneu

SINDER, Ramil. Evolução histórica do tratamento das queimaduras. In: GUIMARÃES


JR, Luiz Macieira. Queimaduras. Rio de Janeiro: Rubio, 2006. p. 3-9.

SIQUEIRA FMB, JULIBONI EPK. O papel da atividade terapêutica na reabilitação do


indivíduo queimado em fase aguda. Cad Ter Ocup UFSCAR. 2000;8(2):79-91.

STANLEY, Marlys J.; RICHARD, Reginald L. Queimaduras. In: O’ SULLIVAN, Susan B.;
SCHMITZ, Thomas J. Fisioterapia: avaliação e tratamento. São Paulo: Manole, 2004. p.
845-871.
42

VIEIRA, SONIA; HOSSNE, WILLIAM SAAD. Metodologia científica para a área da saúde.
Elsevier Brasil, 2015.

WERNECK, G. L.; REICHENHEIM, M. E.; CARPEGGIANI, R. Aspectos psicossociais das


queimaduras. In: GOMES, D. R.; SERRA, M. C.; PELLON, M. A. Queimaduras. Rio de
Janeiro:Revinter, 1995, p. 227-230.
43

ANEXOS

Anexo 1 – Termo de anuência


44

Anexo 1- Termo de anuência


45