Você está na página 1de 15

CURSO PREPARATÓRIO AFIRMAÇÃO

www.preparatorioafirmacao.com.br
GRUPO CFO – BOMBEIRO

MATÉRIA: MATEMÁTICA PROF: FELIPE


DATA: 13/08/2015

ALUNO(A):____________________________
1- FUNÇÕES

1. DEFINIÇÃO

Dados dois conjuntos A e B, diz-se que uma relação f de A em B é função, se e somente se, para todo elemento x  A existir um

e somente um elemento y  B.

Exemplos:

É função Não é função

É função Não é função

NOMENCLATURA:

DOMÍNIO – É o conjunto de partida da função. Graficamente, o domínio da função f é a projeção do gráfico de f sobre o eixo das

abscissas.

CONTRADOMÍNIO – É o conjunto de chegada da função.

IMAGEM – É o conjunto dos elementos “flechados” (subconjunto de contradomínio). Graficamente, o conjunto imagem da

função f é a projeção do gráfico de f sobre o eixo das ordenadas.

ATENÇÃO
PROBLEMAS DE DOMÍNIO:
a( x )
f(x) =  b(x)  0
b( x )
par
f(x) = c( x )  c(x)  0

d( x )
f(x) = par  e(x)  0
e( x )

CLASSIFICAÇÃO:

1) FUNÇÃO SOBREJETORA – quando o conjunto imagem é igual ao contradomínio.

2) FUNÇÃO INJETORA – para quaisquer elementos x1 e x 2 pertencentes ao domínio da função injetora f,


tem-se: x1  x 2  f ( x1)  f ( x 2 ) .

3) FUNÇÃO BIJETORA –quando for sobrejetora e injetora simultaneamente.

2. VALOR NUMÉRICO

O valor numérico f() de uma função f(x) é o resultado obtido na expressão quando substitui-se o x por .

Ex:

1) Dada a função f(x) = 3x – 15, calcule:

a) f(1)

b) f(0)

c) f(5)

2) Seja f a função real, definida por f(x + 2) = x2 – 9. Calcule o valor numérico de f(5).

3. ZERO DA FUNÇÃO

O zero de uma função é o número  do domínio que anula a função, ou seja, tem-se f() = 0.

Ex:Determine o zero da função f(x) = 3x – 1.

4. GRÁFICO
O gráfico é um recurso que expressa a relação entre duas grandezas.

SISTEMA CARTESIANO ORTOGONAL (PLANO CARTESIANO)

O plano cartesiano é constituído de duas retas orientadas e perpendiculares, chamadas de eixos. Os eixos ortogonais dividem o

plano em quatro regiões, chamadas quadrantes, e são chamados de EIXO DAS ABSCISSAS (x) e EIXO DAS ORDENADAS (y).

eixo das ordenadas: y

2o quadrante 1o quadrante


O eixo das abscissas: x

3o quadrante 4o quadrante

O ponto de abscissa a e ordenada b, chamada de COORDENADAS CARTESIANAS, é representado pelo par ordenado (a,b).

(a,b)
b 


O a x
CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES

O gráfico de uma função é dado pelo conjunto de todos os pontos (x,y), coordenadas cartesianas, do plano cartesiano, com x 

D(f) e y  Im(f).

OBS: Para identificar se um gráfico representa ou não uma função, traçam-se retas paralelas ao eixo y. Para
ser função, cada reta vertical deve interceptar o gráfico num único.

Exercícios de fixação/propostos

1.(UFF) Em um certo dia, três mães deram à luz em uma maternidade. A primeira teve gêmeos, a segunda,
trigêmeos e a terceira, um único filho.

Considere, para aquele dia, o conjunto das 3 mães, o conjunto das 6 crianças e as seguintes relações:

I) A que associa cada mãe ao seu filho.


II) A que associa cada filho à sua mãe.
III) A que associa cada criança ao seu irmão.

São funções:
(A) somente a I.
(B) somente a II.
(C) somente a III.
(D) todas.
(E) nenhuma.

2.(UNIRIO) Seja f: R  R tal que f(3x – 1) = 9 x 2  1 . Determine o valor de f(0).

3.(UFCE) Se f(x) = 3  2 x , então [ f( 2 ) + f(  2 )]2 é igual a:

(A) 2 (B) 4 (C) 6 (D) 8 (E) 10

4.(UFF) Considere as funções f, g e h, todas definidas em [m,n] com imagens em [p,q] representadas através dos gráficos
abaixo:

Pode-se afirmar que:

(A) f é bijetiva, g é sobrejetiva e h não é injetiva. (B) f é sobrejetiva, g é injetiva e h não é sobrejetiva.

(C) f não é injetiva, g é bijetiva e h é injetiva. (D) f é injetiva, g não é sobrejetiva e h é bijetiva.

(E) f é sobrejetiva, g não é injetiva e h é sobrejetiva.

5. (UFF – 2003) Na figura, o ponto R representa a localização, à beira-mar, de uma usina que capta e trata o esgoto
de uma certa região. Com o objetivo de lançar o esgoto tratado no ponto T, uma tubulação RQT deverá ser
construída.

O ponto T situa-se a 800 m do cais, em frente ao ponto P, que dista 2 km de R, conforme a ilustração acima. O
custo da tubulação usada no trajeto retilíneo RQ, subterrâneo ao longo do cais, é de 100 reais por quilômetro, e o
custo da tubulação usada na continuação QT, também retilínea, porém submarina, é de 180 reais por quilômetro.
Sendo x a medida de PQ, a função f que expressa o custo, em real, da tubulação RQT em termos de x, em
quilômetro, é dada por:

a) f ( x )  2  x  800  x 2

b) f ( x )  200  100x  180 0,64  x 2

c) f ( x )  0,64  x 2  x 2  x

d) f ( x )  200  0,64  x 2
e) f ( x )  200  100x  0,8x 2

6.(UNIRIO) Hoje em dia, não basta ser verde!


Eram exatamente 19h59 horas do dia 20 de março e toda a equipe do Instituto Sea Shepherd Brasil, uma ONG nacional, criada por
brasileiros, para agir em prol dos ambientes marinhos do Brasil, estava mobilizada para ajudar a combater um dos maiores
desastres das companhias de petróleo no mundo - o afundamento da plataforma P36.

Fonte: Sea Shepherd Brasil / março de 2001

Na medida em que nenhum derramamento de óleo no mar é ecologicamente insignificante, analise a situação de uma mancha de
óleo sobre a superfície da água em forma de um círculo de raio r (em m) e área S (em m 2).
Considerando que a área é uma função do raio dada por A(r) = r2, e que o raio r aumenta em função do tempo t (em min), de
acordo com a relação r(t) = 5 + 5t, qual é a área (em m 2) da mancha de óleo no instante t = 2 min?
Considere o valor de  = 3,14.

(A) 47,10
(B) 706,50
(C) 70,65
(D) 57,10
(E) 38,10

7).Obtenha o elemento do domínio de f(x)= 4x-3, cuja imagem é 13:

a) -4 b) -2 c) 7 d) 4 e) 5

8).( ACAFE-SC ) Sejam a s funções definidas por f(x)= 2x+a e g(x)= -3x+2b. Determine a + b de modo que se tenha
g(1)=3 e f(0)=-1:

a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) 5

9). ( PUC- MG ) Suponha que o número f(x) de funcionários necessários para distribuir, em um dia , contas de luz
300x
entre x por cento de moradores, numa determinada cidade, seja dado pela função f(x) = . Se o número de
150  x
funcionários para distribuir, em um dia, as contas de luz foi 75, a porcentagem de moradores que a receberam é:

a) 25 b) 30 c) 40 d) 45 e) 50

10). Obtenha a função do 1º grau na variável x que passa pelos pontos (0,1) e ( -3, 0):

a) y= x/3 b) y=-x/3 + 1 c) y= 2x
d) y= x/3 +1 e) y= -x

FUNÇÃO POLINOMIAL DO 2o GRAU


É uma função f: R R, definida por f(x) = ax2 + bx + c, onde a, b e c são coeficientes reais e a  0. Também chamada de
função quadrática.

Ex:

a) y = 5x2 – 3x + 11
b) f(x) = x2 – 36
c) y = x2 + 13x + 5

1. GRÁFICO

A função quadrática é representada graficamente por uma parábola, cuja concavidade pode ser voltada para cima (quando a  0)
ou voltada para baixo (quando a  0).

y y eixo de simetria
eixo de simetria

xV xV
p q x p q x

pq
Simetria: f(p) = f(q)  xV =
2

2. ZEROS DA FUNÇÃO

Zeros da função quadrática são os valores de x que anulam a função e podem ser obtidos pela fórmula de Bháskara:

b 
x=   = b2 – 4ac
2a

A intersecção da parábola com


o eixo das abscissas se dá nos
zeros da função.
Onde:
  0  intercepta o eixo em 2
ptos dif.
 = 0  intercepta o eixo em
1 ponto.
  0  não intercepta o eixo.

LEMBRETE:
RELAÇÃO ENTRE RAÍZES E
COEFICIENTES DA EQUAÇÃO DO
2o GRAU:

b
S=  e P=
a
3. VÉRTICE DA PARÁBOLA c
a
É a intersecção da parábola com o eixo de simetria. As coordenadas do vértice são dadas por:
xV = yV =

Exercícios de fixação

1) Observe a figura, que representa o gráfico de y = ax 2 + bx + c.

Assinale a única afirmativa FALSA em relação a esse gráfico.

a) ac é negativo.
b) b2 - 4ac é positivo.
c) ele tem um ponto máximo.
d) c é negativo.
e) a é positivo.

2) Suponha que um grilo, ao saltar do solo, tenha sua posição no espaço descrita em função do tempo (em
segundos) pela expressão: h(t) = 3t - 3t2, onde h é a altura atingida em metros.

a) Em que instante t o grilo retorna ao solo?

b) Qual a altura máxima em metros atingida pelo grilo?

3) Encontre a expressão que define a função quadrática f(x), cujo gráfico está esboçado abaixo.

4) Encontre a lei que determina o gráfico abaixo.


5) Resolva a inequação
x 2
 
 6x  8  x2  4x  3
0
10  2 x

6. (UERJ – 2005) Numa operação de salvamento marítimo, foi lançado um foguete sinalizador que permaneceu
aceso durante toda sua trajetória. Considere que a altura h, em metros, alcançada por este foguete, em relação ao
nível do mar, é descrita por h  10  5t  t 2 , em que t é o tempo, em segundos, após seu lançamento. A luz emitida
pelo foguete é útil apenas a partir de 14 m acima do nível do mar. O intervalo de tempo, em segundos, no qual o
foguete emite luz útil é igual a:

a) 3
b) 4
c) 5
d) 6

7) (UNIRIO) Um engenheiro vai projetar uma piscina, em forma de paralelepípedo reto-retângulo, cujas medidas
internas são, em m, expressas por x, 20-x, e 2. O maior volume que esta piscina poderá ter, em m 3, é igual a:

a) 240
b) 220
c) 200
d) 150
e) 100

8) (PUCMG) Na parábola y = 2x2 - (m - 3)x + 5, o vértice tem abscissa 1. A ordenada do vértice é:

a) 3
b) 4
c) 5
d) 6
e) 7
9) (PUCMG) O gráfico da função f(x) = x2 -2 m x + m está todo acima do eixo das abscissas. O número m é tal que:

a) m < 0 ou m > 1
b) m > 0
c) -1 < m < 0
d) -1 < m < 1
e) 0 < m < 1

Exercícios propostos

1) Num terreno, na forma de um triângulo retângulo com catetos com medidas 20 e 30 metros, deseja-se construir
uma casa retangular de dimensões x e y, como indicado na figura adiante. Para que valores de x e de y a área
ocupada pela casa será máxima?

2) (PUCAMP) Na figura a seguir tem-se um quadrado inscrito em outro quadrado. Pode-se calcular a área do
quadrado interno, subtraindo-se da área do quadrado externo as áreas dos 4 triângulos. Feito isso, verifica-se que A
é uma função da medida x. O valor mínimo de A é:

a) 16 cm2
b) 24 cm2
c) 28 cm2
d) 32 cm2
e) 48 cm2

3) Um quadrado deve ser construído sobre a hipotenusa a de um triângulo retângulo de catetos b e c, conforme representado na
figura.
Sabendo que b  c  10 cm , determine a, b e c, para que a área desse quadrado seja mínima.

Resumo teórico

- Função Logaritmica

1 – Logaritmos

a) Definição: loga b = c  ac = b , sendo a e b número reais tais que a > 0, a  1 e b > 0.


b) Nomenclatura: loga b = c

b.1) b é logaritmando.
b.2) a é a base.
b.3) c é o logaritmo.

c) conseqüências da definição:

c.1) loga 1 = 0

c.2) loga a = 1

c.3) m
loga a = m

c.4) log m
a a =m

2– Propriedades Operatórias

a) loga (b · c) = loga b + loga c


b
b) loga = loga b – loga c
c
c) loga bn = n  loga b

3 – Mudança de Base

logc b
loga b 
logc a

BASES ESPECIAIS:
Logaritmo decimal: log x  log10 x
Logaritmo neperiano (natural): ln x  loge x , sendo o número irracional e definido por
n
 1
e  lim 1    2,718
n   n

4 – Função Logaritmica

a) Definição: É toda função f: IR *  IR definida por f(x) = loga x, com a > 0 e a  1.


b) A função logaritmica será crescente quando a > 1 e decrescente quando 0 < a < 1.

c) Gráfico

1º CASO) a > 1 2º CASO) 0 < a < 1


y
y

x x
1 1

d) O domínio da função logaritmica é o conjunto dos números reais positivos e o conjunto imagem é o conjunto dos números
reais (D = IR * e Im = IR).

OBSERVAÇÃO

Pela definição de logaritmo  log a x  y  ay = a x , a função
f(x) = loga x é a inversa da função g(x) = ax.

 CARACTERÍSTICA E MANTISSA

Dado um número real x, define-se:


Característica do número x: [x] é o maior inteiro, menor ou igual a x.
Mantissa do número x: m = x – [x].

 EQUAÇÕES LOGARÍTMICAS

Sendo a > 0 e a  1, loga x  loga y  x  y


Restrição: x > 0 e y > 0.

 INEQUAÇÕES LOGARÍTMICAS
log a x  log a y
Restrição: x > 0 e y > 0.
1ª hipótese: Se a > 1, então
loga x  loga y  x  y
2ª hipótese: Se 0 < a < 1, então
log a x  loga y  x  y

Função Exponencial

1 – Definição

É toda função da forma f(x) = ax, com a > 0 e a  1.

2– A Função Exponencial será Crescente quando a > 1 e Decrescente quando 0 < a < 1.

3 – Gráfico da Função Exponencial

1º CASO) a > 1 2º CASO) 0 < a < 1

y y

1
1

x x

4– O domínio da função exponencial é o conjunto dos números reais e o conjunto imagem é o conjunto dos números reais

positivos D  IR e Im  IR* . 
 EQUAÇÕES EXPONENCIAIS
Equação fundamental: Sendo a base a > 0 e a  1:
ax  ay  x = y
Outras equações exponenciais: Equações exponenciais sofisticadas se transformam na equação
fundamental, através de algum artifício algébrico:
– propriedades das potências e raízes;
– fatoração;
– substituição de variáveis.

 INEQUAÇÕES EXPONENCIAIS

1ª Hipótese: Se a > 1, então


ax  ay  x > y

2ª Hipótese: Se 0 < a < 1, então


ax  ay  x < y

Exercícios de fixação
01) (CESGRANRIO-88) Se 8x = 32, então x é igual a:
5
a) .
2
5
b) .
3
3
c) .
5
2
d) .
5
e) 4.

02) (CESGRANRIO)

O número de raízes reais de


2
3
2x  7x 5 = 1 é:
a) 0.
b) 1.
c) 2.
d) 3.
e) maior que 3.

03) O valor de x que torna verdadeira a equação

2x · 4x+1 · 8x+2 = 16x+3 é:


a) – 2.
b) 2.
c) 0.
d) 1.
e) – 1.

04) O número de raízes reais da equação 4x – 5 · 2x + 4 = 0 é:


a) 0.
b) 1.
c) 2.
d) 3.
e) 4.

05) (PUC-MG-92) Os valores de a  IR que tornam a função exponencial f(x) = (a – 3)x decrescente são:
a) a < 3.
b) 0 < a < 3.
c) 3 < a < 4.
d) a < 3 e a  0.
e) a > 3 e a  4.

06) (UNIFICADO-97) Segundo dados de uma pesquisa, a população de certa região do país vem decrescendo em relação ao
tempo “t”, contado em anos, aproximadamente, segundo a relação P(t) = P(0) · 2 –0,25t ; Sendo P(0) uma
constante que representa a população inicial dessa região e P(t) a população “t” anos após, determine quantos anos se passarão
para que essa população fique reduzida à quarta parte da que era inicialmente.
a) 6
b) 8
c) 10
d) 12
e) 15

07. (UNI-RIO – 2002) Numa população de bactérias, há P( t )  109  43t bactérias no instante t medido em
horas (ou fração da hora). Sabendo-se que inicialmente existem 109 bactérias, quantos minutos são
necessários para que se tenha o dobro da população inicial?
a) 20
b) 12
c) 30
d) 15
e) 10
8. (UNIRIO – 2005) Você deixou sua conta negativa em R $100,00 em um banco que cobrava juros de 10%
ao mês no cheque especial. Um tempo depois, você recebeu um extrato e observou que sua dívida havia
duplicado.
Sabe-se que a expressão que determina a dívida (em reais) em relação ao tempo t (em meses) é dada por:
X( t )  100 1,10 t
Após quantos meses a sua dívida duplicou?
a) log 1,10 2
b) log 2 1,10
c) log 2
d) log 1,10
e) log 2,10

9. ( UFMG ) Se então f ( 0 ) - f ( 3/2 ) é igual a:

a. 5/2
b. 5/3
c. 1/3
d. -1/2
e. -2/3

10( UFCE ) Se f ( x ) = 161+1/x, então f ( -1 ) + f ( -2 ) + f ( -4 ) é igual a :

a. 11
b. 13
c. 15
d. 17
e. 19

Exercícios propostos

1) Resolva as inequações:
a) 23x+1 < 2.
x1
1
b)    8 x 2 .
 2

x– 3
1 1
2) (UNIFICADO-96) Assinale o conjunto-solução da inequação    .
 2 4
a) ]– , 5]
b) [4, + [
c) [5, + [
d) {x  IR|x  – 5}.
e) {x  IR|x  – 5}.
03. (UFF – 2001) Em um meio de cultura especial, a quantidade de bactérias, em bilhões, é dada pela função
Q definida, para t  0 , por Q( t )  k  5kt , sendo t o tempo, em minuto, e k uma constante. A quantidade de
bactérias, cuja contagem inicia-se com o cálculo de Q(0), torna-se, no quarto minuto, igual a 25  Q(0) .
Assinale a opção que indica quantos bilhões de bactérias estão presentes nesse meio de cultura no oitavo
minuto.
a) 12,5
b) 25
c) 312,5
d) 625
e) 1000
4. (UNI-RIO – 2002) Uma indústria do Rio de Janeiro libera poluentes na Baía de Guanabara. Foi feito um
estudo para controlar essa poluição ambiental, cujos resultados são a seguir relatados.

Do ponto de vista da comissão que efetuou o estudo, essa indústria deveria reduzir sua liberação de
rejeitos até o nível onde se encontra P, admitindo-se que o custo total ideal é o resultado da adição do
custo de poluição y  2x  1 , ao custo de controle da poluição y  6  (1/ 2) x . Para que se consiga o custo
ideal, a quantidade de poluentes emitidos, em kg, deve ser aproximadamente:
a) 1333
b) 2333 Considere
c) 3333 log 2 = 0,3
log 3 = 0,4
d) 4333
e) 5333

5. (UFF – 2004) Sejam f: ℝ  ℝ uma função positiva e g: ℝ  ℝ a função definida por g(x)  log10 f(x) . O
gráfico de g é a reta da figura.

a) Determine a equação da reta da figura.


9
b) Calcule f   .
2
c) Encontre uma expressão para f(x).