Você está na página 1de 44

Resistência dos Materiais

Prof. Antonio Dias

Antonio Dias / Cap.2 1


Objetivos

• Mostrar como somar forças e decompô-las em componentes usando a lei


do paralelogramo.

• Expressar a força e sua localização na forma vetorial cartesiana e explicar


como determinar a intensidade e a direção dos vetores.

Antonio Dias / Cap.2 2


2.1 Escalares e Vetores

Escalar  É uma quantidade caracterizada por um número positivo ou negativo.


Exemplos: massa, comprimento e volume.

Vetor  É uma quantidade que tem intensidade (módulo) , direção e sentido.


Exemplos: posição, força e momento.

Figura 2.1

Antonio Dias / Cap.2 2-3


2.2 Operações Vetoriais

Figura 2.2

Antonio Dias / Cap.2 2-4


Multiplicação e divisão de um vetor por um
escalar

Figura 2.3

Antonio Dias / Cap.2 2-5


Adição Vetorial

Figura 2.4

Antonio Dias / Cap.2 2-6


Adição Vetorial

Figura 2.5

Antonio Dias / Cap.2 2-7


Subtração Vetorial

R’= A – B = A + (– B)

Figura 2.6

Antonio Dias / Cap.2 2-8


Decomposição de Vetores

Figura 2.7

Antonio Dias / Cap.2 2-9


2.3 Adição de Forças Vetoriais

Antonio Dias / Cap.2 2-10


2.3 Adição de Forças Vetoriais

Figura 2.8

Antonio Dias / Cap.2 2-11


 Direção da força resultante

 Intensidade da força resultante


Figura 2.9

Antonio Dias / Cap.2 2-12


Exemplo 2.1: O parafuso tipo gancho da figura está sujeito a
duas forças F1 e F2. Determine a intensidade
(módulo) e a direção da força resultante.

Figura 2.10

Antonio Dias / Cap.2 2-13


2.4 Adição de um Sistema de Forças
Coplanares
Notação Escalar

Figura 2.14

F = Fx + F y F’ = F’x + F’y
Antonio Dias / Cap.2 2-14
2.4 Adição de um Sistema de Forças
Coplanares
Notação de Vetor Cartesiano

Figura 2.15

F = Fxi + F yj F’ = F’xi - F’yj


Antonio Dias / Cap.2 2-15
Resultantes de Forças Coplanares

Figura 2.16

Notação vetorial cartesiana: F1 = F1xi + F1yj


F2 = -F2xi + F2yj
F3 = F3xi – F3yj

Antonio Dias / Cap.2 2-16


Resultantes de Forças Coplanares

Figura 2.16
Vetor resultante:

FR = F1 + F 2 + F3
FR = (F1x – F2x + F3x) i + (F1y + F2y – F3y) j
FR = (FRx) i + (FRy) j
Antonio Dias / Cap.2 2-17
FRx = SFx
FRy = SFy

FR  FRx  FRy
2 2
 Intensidade da força resultante

FRy
  tg 1
 Direção da força resultante
FRx
Antonio Dias / Cap.2 2-18
Antonio Dias / Cap.2 2-19
Exemplo 2.5: Determine os componentes x e y de F1 e F2 que
atuam sobre a lança mostrada na figura abaixo.
Expresse cada força como vetor
cartesiano.

Antonio Dias / Cap.2 2-20


2.5 Vetores Cartesianos

Figura 2.20

Antonio Dias / Cap.2 2-21


Componentes Retangulares de um Vetor

Figura 2.21

A = Ax + Ay + Az
Antonio Dias / Cap.2 2-22
Vetor Unitário

uA = A / A
A = AuA

Figura 2.22

Antonio Dias / Cap.2 2-23


Vetores Cartesianos Unitários

Figura 2.23

Antonio Dias / Cap.2 2-24


Representação de um Vetor Cartesiano
A = Axi + Ayj + Azk

Figura 2.24

Antonio Dias / Cap.2 2-25


Intensidade de um Vetor Cartesiano

A  A'2  Az2

A'  Ax2  Ay2

A A  A  A 2
x
2
y
2
z

Figura 2.25

Antonio Dias / Cap.2 2-26


Direção de um Vetor Cartesiano

Ângulos diretores coordenados:

 (alfa)
b (beta)
g (gama)
Ângulos medidos entre a origem
de A e os eixos positivos x, y, z.

Figura 2.26 Antonio Dias / Cap.2 2-27


Ax Ay Az
cos  cos b  cos g 
A A A

Antonio Dias / Cap.2 2-28


A Ax Ay Az
uA   i j k
A A A A

A A  A  A2
x
2
y
2
z

cos   cos b  cos g  1


2 2 2

A  ( A cos  )i  ( A cos b ) j  ( A cos g )k

Antonio Dias / Cap.2 2-29


2.6 Adição e Subtração de Vetores
Cartesianos

Figura 2.28

R = A + B = (Ax + Bx)i + (Ay + By)j + (Az + Bz)k


Antonio Dias / Cap.2 2-30
Antonio Dias / Cap.2 2-31
Exemplo 2.8: Expresse a força F como um vetor cartesiano.

Figura 2.29

Antonio Dias / Cap.2 2-32


Exemplo 2.9: Determine a intensidade e os ângulos diretores
coordenados da força resultante que atua sobre o anel.

Figura 2.30

Antonio Dias / Cap.2 2-33


Exemplo 2.11: Duas forças atuam sobre o gancho mostrado na
figura abaixo. Especifique os ângulos diretores coordenados de F2,
de modo que a força resultante FR atue ao longo do eixo positivo y
e tenha intensidade de 800 N.

Figura 2.32

Antonio Dias / Cap.2 2-34


2.7 Vetores Posição

Figura 2.33

Antonio Dias / Cap.2 2-35


Vetor Posição: É um vetor fixo que localiza um ponto do
espaço em relação a outro.

Figura 2.34

r = xi + yj + zk
Antonio Dias / Cap.2 2-36
2-37

Figura 2.35

rA + r = rB
r = rB – rA = (xBi + yBj + zBk) - (xAi + yAj + zAk)
r = (xB – xA)i + (yB – yA)j + (zB – zA)k
Antonio Dias / Cap.2
Antonio Dias / Cap.2 2-38
Exemplo 2.12: Uma fita elástico está presa aos pontos A e B
como mostra a figura 2.36a. Determine seu comprimento e sua
direção, medidos de A para B.

Figura 2.36

Antonio Dias / Cap.2 2-39


2.8 Vetor Força orientado ao longo de uma
reta
r
F  Fu  F 
r
 
A força F é orientada ao longo da
corda AB.
Pode-se definir F como um vetor
cartesiano pressupondo que ele
Figura 2.37
tenha a mesma direção e sentido que
o vetor posição r orientado do ponto
A para o ponto B da corda.

Antonio Dias / Cap.2 2-40


A força F que atua ao longo da corrente pode ser representada como um vetor cartesiano
definindo-se primeiro os eixos x, y, z, formando-se um vetor posição r ao longo do
comprimento da corrente e determinando-se depois o vetor unitário u = r/r
correspondente que define a direção tanto da corrente quanto da força. A intensidade da
força é combinada com sua direção, F = Fu.
Antonio Dias / Cap.2 2-41
Exemplo 2.13: O homem mostrado na figura puxa a corda com
uma força de 70 lb. Represente essa força, que atua sobre o suporte
A, como vetor cartesiano e determine sua direção.

Figura 2.38

Antonio Dias / Cap.2 2-42


Exemplo 2.15: A cobertura é suportada por cabos, como
mostrado na foto. Se os cabos exercerem as forças FAB = 100 N e
FAC = 120 N no gancho em A, como mostrado na figura 2.40a,
determine a intensidade da força resultante que atua em A.

Figura 2.40

Antonio Dias / Cap.2 2-43


Figura 2.40

Antonio Dias / Cap.2 2-44