Você está na página 1de 14

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

NOME DO CURSO

NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA

PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR


“CASO: AVALIAÇÃO DA PROPOSTA DE JOINT VENTURE ENTRE A EMPRESA
XKW E UMA EMPRESA JAPONESA”

Cidade
2020
NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA

PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR


“CASO: AVALIAÇÃO DA PROPOSTA DE JOINT VENTURE ENTRE A EMPRESA
XKW E UMA EMPRESA JAPONESA”

Trabalho entregue ao curso de xxxxxxxxx, apresentado à


Universidade Unopar, como requisito parcial para a
obtenção de média bimestral nas disciplinas de:
xxxxxxxxxxx

Professores: xxxxxx

Cidade
2020
sumári

sumário..........................................................................................................................6
1 INTRODUÇÃO.......................................................................................................5
2 DESENVOLVIMENTO...........................................................................................6
2.1 Tarefa 1..............................................................................................................6
2.2 Tarefa 2............................................................................................................10
2.3 Tarefa 3............................................................................................................11
3 Conclusão............................................................................................................13
REFERÊNCIAS...........................................................................................................14
5

1 INTRODUÇÃO

A contabilidade gira em torno do reconhecimento de eventos


contábeis, avaliação desses eventos, registrando-os em diário em uma sequência
cronológica, lançando-os em livros contábeis, preparação de demonstrações
financeiras e análise de demonstrações financeiras. Esses processos também são
realizados de acordo com as regras e padrões contábeis estabelecidos.
Devido às circunstâncias que envolvem o desenvolvimento de uma
nação e ao papel que os recursos da natureza desempenham nela, como fonte de
suprimento dos elementos fundamentais de qualquer processo produtivo, é
essencial dispor de ferramentas que facilitem o controle e a avaliação da natureza.
gestão ambiental, dos impactos causados por ações humanas ou da mesma
natureza e do registro contábil dos recursos e custos ambientais, para que sejam
periodicamente comparáveis aos fatos econômicos, definindo o progresso em
direção à sustentabilidade.
Por fim, tem-se que o tipo de pesquisa a ser realizado neste trabalho, foi uma
revisão de literatura, no qual será realizada uma consulta a livros, dissertações e por
artigos científicos selecionados através de busca nas seguintes bases de dados
“Google Acadêmico” e “Scielo”.
6

2 DESENVOLVIMENTO

2.1 TAREFA 1

Uma joint venture (JV) é um acordo cooperativo entre duas ou mais


entidades comerciais, geralmente com o objetivo de iniciar uma nova atividade
comercial. Cada entidade contribui com ativos para a joint venture e concorda em
como dividir receitas e despesas.
Cada entidade na joint venture, que pode ser indivíduos, grupos de
indivíduos, empresas ou corporações, mantém seu status legal separado. Uma joint
venture pode ser estabelecida por um contrato que define os recursos, como
dinheiro, propriedades e outros ativos, que cada entidade trará para o
empreendimento. O contrato também estabelece como o empreendimento será
administrado e como o controle dele - e seus lucros e perdas - será dividido.
Uma joint venture pode envolver duas empresas com diferentes
áreas de especialização trabalhando juntas para criar um novo produto ou fornecer
um novo serviço. Ou uma empresa que busca entrar em um novo mercado
geográfico pode formar uma joint venture com uma empresa sediada ou com
presença estabelecida no país ou região.
Se a JV resultar na formação de uma nova entidade, ela pode ser
estruturada como uma corporação , sociedade limitada ou parceria . Se a joint
venture for uma empresa, por exemplo, e as duas empresas fundadoras quiserem
controle igual sobre ela, eles normalmente estruturam a JV de forma que cada
empresa fundadora tenha um número igual de ações da empresa, bem como
responsabilidades de gestão iguais e representação no conselho de administração.
As empresas criam joint ventures por muitos motivos diferentes,
incluindo o seguinte:

Para combinar recursos: A entidade JV pode ter mais influência


em um setor ou mais recursos para garantir o sucesso do empreendimento do que
qualquer outra empresa por conta própria.
7

Para combinar experiência: para negócios de tecnologia, por


exemplo, uma empresa pode ter uma grande equipe de designers, outra pode
possuir uma patente importante e uma terceira pode se destacar em marketing.
Para economizar dinheiro: duas pequenas empresas podem
considerar uma joint venture para economizar dinheiro em marketing e publicidade,
talvez em uma feira ou publicação comercial. Além disso, duas empresas envolvidas
na mineração de metais preciosos ou perfuração de combustíveis fósseis - ambas
propostas caras - podem formar uma JV para começar a minerar ou perfurar em
uma área específica.
Se todas as partes confiarem completamente umas nas outras, uma
joint venture poderia teoricamente ser organizada por meio de um simples aperto de
mão. Mas todas as entidades empresariais que decidirem buscar uma JV seriam
sábias em delinear os termos do empreendimento em um contrato assinado que foi
criado com assistência jurídica.
Um acordo de joint venture geralmente inclui os seguintes itens:

 As partes do acordo;
 A estrutura de gestão e membros da JV;
 As percentagens de propriedade das partes;;
 A parcela distributiva - a porcentagem do lucro ou prejuízo -
alocada a cada parte
 A conta bancária que o JV usará;
 Uma lista de recursos;
 Os funcionários e / ou contratados independentes que
trabalharão no empreendimento;
 Como os registros administrativos e demonstrações
financeiras serão produzidos e retidos;
 Quais leis serão aplicadas ao JV.

Se a joint venture for sua própria entidade comercial separada, ela


pagará seus próprios impostos de renda de acordo com a forma de negócio - tal
como uma parceria - como foi criada. Se for uma joint venture não incorporada,
8

quaisquer lucros devem ser contabilizados pelas entidades que assinaram o contrato
de JV.

Principais vantagens:

 Uma joint venture é um acordo de cooperação que se destina


a beneficiar duas ou mais entidades comerciais separadas;
 A joint venture pode ou não resultar na formação de uma
nova entidade empresarial;
 As empresas podem formar uma joint venture para combinar
suas diferentes áreas de especialização na busca de um
objetivo comum ou para permitir que uma entidade tenha
acesso a um mercado no qual a outra entidade está sediada
ou tem uma forte presença.

Ao formar uma JV, a coisa mais comum que as duas partes podem
fazer é criar uma nova entidade. Mas como a JV em si não é reconhecida pelo
Internal Revenue Service (IRS), a forma de negócios entre as duas partes ajuda a
determinar como os impostos são pagos. Se a JV for uma entidade separada, ela
pagará impostos como qualquer outra empresa ou corporação faz. Portanto, se
operar como uma LLC, os lucros e perdas serão repassados para as declarações de
impostos pessoais dos proprietários, como qualquer outra LLC.
O acordo JV explicará como os lucros ou perdas são tributados. Mas
se o acordo for meramente uma relação contratual entre as duas partes, então o
acordo determinará como o imposto será dividido entre elas.
Para entender as regras que controlam a joint venture no Brasil, é
necessário primeiro começar pelo entendimento de todo o sistema contábil envolvido
nesta proposta. O primeiro passo é lembrar as Normas Brasileiras de Contabilidade
(NBC) que equivalem ao conjunto de normas e procedimentos de conduta que
devem ser observados como requisitos para o exercício da profissão contábil, bem
9

como os conceitos doutrinários, princípios, estrutura técnica e Procedimentos a


aplicar na execução das obras previstas nas normas aprovadas em resoluções do
CFC (Conselho Federal de Contabilidade).
O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), por sua vez, foi
criado a partir da união de esforços e da troca de objetivos dos diversos órgãos que
regulamentam as normas contábeis no Brasil, entre eles o CFC, a CVM e o
IBRACON. Criado pela Resolução CFC nº 1.055 / 05, o CPC tem por objetivo
estudar, preparar e emitir Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos contábeis
e divulgação de informações dessa natureza, para permitir a emissão de normas
pelo órgão regulador brasileiro, com vistas a à centralização e padronização. de seu
processo produtivo, sempre levando em consideração a convergência da
Contabilidade Brasileira às normas internacionais.
CPC 19 (R2) - Joint Business trata especificamente da questão de
joint ventures. Este pronunciamento foi elaborado com base no IFRS - 11 - Joint
Arrangements (BV 2012), emitido pelo International Accounting Standards Board
(IASB) e sua aplicação, na opinião do Comitê, produz efeitos contábeis que estão de
acordo com o documento editado pelo IASB.
O IASB foi criado em 1 ° de abril de 2001 no âmbito do International
Accounting Standards Committee (IASC), ou a "Fundação do International
Accounting Standards Committee". Ele assumiu as responsabilidades técnicas do
IASC a partir dessa data. A criação do IASB teve como objetivo aprimorar os
anteriores pronunciamentos internacionais de contabilidade (IAS) emitidos pelo IASC
e buscar a convergência com as normas nacionais.
Uma das vantagens mais importantes da joint venture é que ela
pode ajudar seu negócio a crescer mais rápido, aumentar a produtividade e gerar
maiores lucros. Os benefícios das joint ventures incluem: acesso a novos mercados
e redes de distribuição; capacidade aumentada; compartilhamento de riscos e
custos (ou seja, responsabilidade) com um parceiro; acesso a novos conhecimentos
e experiências, incluindo pessoal especializado; acesso a maiores recursos, por
exemplo, tecnologia e finanças. Em geral, as joint ventures permitem o crescimento
sem a necessidade de pedir fundos emprestados ou procurar investidores externos.
As empresas da SGA podem ser capazes de: usar o banco de
dados de clientes de seu parceiro de joint venture para comercializar seu produto;
Oferecer os serviços e produtos do seu parceiro aos clientes existentes; Unir forças
10

em compras, pesquisa e desenvolvimento


Outro benefício de uma joint venture é sua flexibilidade. Por
exemplo, uma joint venture pode ter uma vida útil limitada e cobrir apenas parte do
que você faz, limitando assim o compromisso de ambas as partes e a exposição da
empresa. As joint ventures são especialmente populares entre empresas que
operam em diferentes países, por exemplo, nas indústrias de transporte e viagens.
Leia sobre os diferentes tipos de joint venture.

2.2 TAREFA 2

Bloco 1
Asserção 1 As joint ventures correspondem as empresas controladas por um determinado
grupo econômico, com objetivos sociais distintos das demais empresas do grupo a
que pertencem;

Asserção 2 As joint ventures têm como principal característica o fato de o controle societário
ser
compartilhado por vários investidores;

A asserção 2 é a verdadeira, pois, Desde seus princípios básicos de


formação, como visto no capítulo anterior, a joint venture implica na concordância
entre as partes (que passam a virar verdadeiros parceiros), em utilizar-se desse
mecanismo a fim de que possam buscar um objetivo, almejar resultados que muitas
vezes, caso o fizessem sozinhos, não teriam condições ou ficariam demasiadamente
expostos a altíssimos riscos de fracasso.

Bloco 2
Asserção 1 A definição a seguir está em conformidade com o pronunciamento contábil que trata
sobre as joint ventures: investidor em empreendimento controlado em conjunto é o
participante desse empreendimento que detém o poder de decisão, exercendo, na
realidade, o controle sobre o empreendimento criado em forma de joint venture;

Asserção 2 A definição a seguir está em conformidade com o pronunciamento contábil que trata
sobre as joint ventures: joint venture é um negócio em conjunto segundo o qual as
partes que detêm o controle conjunto do negócio têm direitos sobre os ativos
líquidos
do negócio. Essas partes são denominadas de empreendedores em conjunto;
11

A asserção verdadeira é a 2, uma vez que, de acordo com o que


preconiza o Pronunciamento Técnico CPC 19 (R2) – Negócios em Conjunto,
Empreendimento Controlado em Conjunto (joint venture) é um negóicio em conjunto
segundo o qual as partes que detêm o controle conjunto do negócio têm direitos
sobre os ativos líquidos do negócio. Essas partes são denominadas de
empreendedores em conjunto.

Bloco 3
Asserção 1 De acordo com o Pronunciamento Contábil que trata sobre as joint ventures, no que
diz respeito as operações controladas em conjuntos, pode-se dizer que não há a
criação de uma nova empresa. Em atividades de joint ventures ocorre a assinatura
de um acordo entre duas ou mais empresas investidoras para a exploração de um
empreendimento temporário, normalmente de vida curta e definida.
Asserção 2 De acordo com o Pronunciamento Contábil que trata sobre as joint ventures, no que
diz respeito as operações controladas em conjuntos, pode-se dizer que para efeito
gerencial e de controle do empreendimento, não há necessidade de que tais saldos
contábeis sejam registrados pela investidora de forma segregada das demais
atividades operacionais da empresa.

A asserção verdadeira é a 1, uma vez que, texto base diz respeito a


liberdade de cada venturer. Uma Joint venture ocorre quando há a união de duas ou
mais empresas que já existem para alcançar um objetivo econômico em comum, por
um período de tempo. O mercado global é caracterizado por empresas que crescem
e passam a existir em vários lugares, até mesmo em outros continentes, como
algumas franquias, o mercado de importação e o Joint Venture formado por
empresas.

2.3 TAREFA 3

Demonstração de Resultado do Exercício (DRE) da empresa XKW S/A ANÁLISE HORIZONTAL E VERTICAL
  31/12/x0 AV 31/12/x1 AV AH
RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 62.500.220,00 100,00% 70.500.450,00 100,00% 12,80%
(-) CUSTO OPERACIONAL          
Custo dos produtos vendidos - CPV -47.350.120,00 -75,76% -49.350.315,00 -70,00% 4,22%
(=) LUCRO BRUTO 15.150.100,00 24,24% 21.150.135,00 30,00% 39,60%
(-) DESPESAS OPERACIONAIS 7.522.532,00 12,04% 10.575.067,50 15,00% 40,58%
Despesas de venda 4.002.502,00 6,40% 6.345.040,50 9,00% 58,53%
12

Despesas administrativas 3.520.030,00 5,63% 4.230.027,00 6,00% 20,17%


(=) LUCRO OPERACIONAL OU LAJIR 7.627.568,00 12,20% 10.575.067,50 15,00% 38,64%
(-) Despesas financeiras líquidas -678.020,00 -1,08% -846.005,40 -1,20% 24,78%
(=) LUCRO ANTES DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E DO IMP.
DE RENDA 6.949.548,00 11,12% 9.729.062,10 13,80% 40,00%
(-) PROVISÕES PARA A CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E DO
IMP. DE RENDA -1.525.000,00 -2,44% -2.334.974,90 -3,31% 53,11%
(=) LUCRO OU PREJUÍZO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 5.424.548,00 8,68% 7.394.087,20 10,49% 36,31%

Balanço Patrimonial da empresa XKW S/A ANÁLISE HORIZONTAL E VERTICAL


  31/12/x0 AV X0 31/12/x1 AV X1 AH   31/12/x0 AV X0 31/12/x1 AV X1 AH
69.853.51 100,00 100,00 71.902.66
ATIVO 9 % 71.902.661 % 2,93% PASSIVO 69.853.519 100,00% 1 100% 2,93%
51,96 12.917.18 17,96
CIRCULANTE 9.631.665 13,79% 14.635.974 20,36% % CIRCULANTE 10.802.295 15,46% 2 % 19,58%
Empréstimos
Caixa e bancos 59.200 0,08% 64.500 0,09% 8,95% bancários 940.000 1,35% 1.050.600 1,46% 11,77%
Aplicações Duplicatas
financeiras 230.020 0,33% 250.554 0,35% 8,93% descontadas 520.300 0,74% 840.600 1,17% 61,56%
Duplicatas a 22,37 10.054.74 13,98
receber 3.800.700 5,44% 4.650.800 6,47% % Fornecedores 8.500.410 12,17% 0 % 18,29%
74,50 Outras
Estoques 5.541.745 7,93% 9.670.120 13,45% % obrigações 841.585 1,20% 971.242 1,35% 15,41%
NÃO NÃO
CIRCULANT 60.221.85 CIRCULANT
E 4 86,21% 57.266.687 79,64% -4,91% E 6.110.700 8,75% 5.744.600 7,99% -5,99%
10.690.30 18,71 Financiamentos
Investimentos 0 15,30% 12.690.300 17,65% % a pagar 6.110.700 8,75% 5.744.600 7,99% -5,99%
-
49.235.70 10,16 PATRIMONIO 53.240.87 74,05
Imobilizado 0 70,48% 44.235.700 61,52% % LÍQUIDO 52.940.524 75,79% 9 % 0,57%
15,15 52.000.00 72,32
Intangível 295.854 0,42% 340.687 0,47% % Capital 52.000.000 74,44% 0 % 0,00%
Reservas de
            lucro 940.524 1,35% 1.240.879 1,73% 31,93%

Diante da análise dos valores apresentados acima, partindo do ativo


total, observamos um crescimento significativo dos Caixa e equivalentes de caixa,
bem como tributários, de X0 para X1. Podemos destacar também as aplicações
financeiras e estoques, que tiveram um aumento de quase 9% durante o período, o
que aconteceu também com os investimentos à longo prazo, imobilizados e
intangíveis, que tiveram um decréscimo significativo, aproximadamente 18,71%,
10,16% e 15,15%, respectivamente. No entanto, o montante de ativo não circulante
teve um decréscimo de 6%..
Observamos na tabela que houve um aumento considerável no total
do ativo circulante, cerca de 51,96%, o que não estremeceu os valores de caixa da
empresa que permaneceram praticamente intáquitos nesse período. Os estoques
13

praticamente duplicaram em um crescimento de cerca de 70% ao longo do período,


entretanto, no ano de 20x0 representa 7,93% do total de ativos, enquanto no ano de
20x1 era apenas 13,45%, o que não impactou nos investimentos que nãob se
mantiveram congelados, não atacando assim os intangíveis que tiveram um
crescimento.
14

3 CONCLUSÃO

A contabilidade pode ser dividida em vários campos, como


contabilidade financeira, contabilidade gerencial entre outros, onde tanto a
contabilidade financeira quanto a contábil são extremamente importantes para as
empresas. A contabilidade financeira concentra-se em relatórios estatutários,
enquanto a contabilidade gerencial se concentra em relatar informações para uso
interno da administração.
Sendo considerada uma atividade de serviço, sendo importante, pois
fornece informações quantitativas de natureza financeira a várias partes
interessadas, destinadas a serem usadas na tomada de uma decisão econômica,
essas partes interessadas incluem investidores, gerência, governo, fornecedores,
financiadores, reguladores, etc. A contabilidade ajuda na tomada de várias decisões
comerciais de curto e longo prazo que ajudam uma empresa a crescer e a penetrar
no mercado.
A realização deste trabalho deixou evidente que a gestão na
contabilidade é uma importante ferramenta de gestão das empresas, pois através
dela o gestor tem informações seguras em confiáveis sobre os custos que envolvem
a produção e comercialização de seus produtos, o que é importante não apenas
para a formação do preço de venda ideal, mas também para buscar estratégias para
diminuir seus custos, assim tornando seus produtos mais competitivos.
15

REFERÊNCIAS

GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira. 7. Ed. São Paulo:


Harbra Ltda., 2002.

LISBOA, Jacques Carra Vieri. A Importância Da Análise Das Demonstrações


Contábeis Para Suporte As Decisões Gerenciais Das Organizações.
Administração de Empresas em Revista, [S.l.], v. 1, n. 9, p. 159-170, dez. 2014.
ISSN 2316-7548. Disponível em: <:http://dx.doi.org/10.21902/AdminRev.2316-
7548.v1i9.1031> . Acesso em: 22 ago. 2020.

MARION, J. C. Análise das Demonstrações Contábeis. 8. ed. – São Paulo: Atlas,


2019. 9788597021264. [Minha Biblioteca]. Disponível em: . Acesso em: 22 ago.
2020

MARTINS, Eliseu; DINIZ, Josedilton Alves; MIRANDA, Gilberto José. Análise


Avançada das Demonstrações Contábeis - Uma Abordagem Crítica, 2ª ed. – São
Paulo: Atlas, 2012. [Minha Biblioteca]. Disponível em: Acesso em: 22 ago. 2020.

MARTINS, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais: uma


abordagem logística. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.