Você está na página 1de 7

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFACVEST

DISCIPLINA: CONSTRUÇÃO CIVIL II


PROFESSOR: JOSÉ CLAUDIO MACHADO

PAREDES OSB

Ailson Rodrigues
Dielson Josemir Rodrigues
Delwyn Desdewalle
Dionei Klug

Lages-SC
Outubro 2016
1. DEFINIÇÃO

Da sigla em inglês vem à explicação: Oriented Strand Board pode ser traduzido


como placas de partículas orientadas. Na prática, o OSB é um amontoado de lâminas
dispostas em três camadas de direções alternadas – e é justamente essa mudança na
disposição das lascas que confere estabilidade e resistência à chapa.
Criado nos Estados Unidos nos anos 70, o material é relativamente novo no
Brasil. Por aqui, a primeira (e ainda única) fábrica começou a produzi-lo apenas no
começo dos anos 2000, e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) ainda
não formulou regras exclusivas para ele – os ensaios existentes fazem referência a
sistemas de construção seca, dos quais o OSB é um integrante fundamental ao agir
como fechamento de paredes. 

1.1 Custos
O custo pode variar de R$ 30 a R$ 150 dependendo do tamanho e espessura das
chapas até a resistência da linha do produto em questão. Ainda assim, o OSB costuma
ser pelo menos 60% mais barato que um MDF com acabamento de laminado decorativo
com características equivalentes. 

2. DIFERENÇAS ENTRE OSB E COMPESSADO

O OSB e o compensado de madeira são tipos diferentes de produtos de madeira


industrializada. Apesar de serem parecidos, os materiais são feitos de forma distinta,
apresentando funções diferentes também.
Na hora de escolher qual material usar, é imprescindível saber quais vantagens e
características cada um possui para não deixar dúvidas na hora de avaliar custo x
benefício.
OSB:
A placa OSB recebe esse nome da sigla em inglês Oriented Strand Board, que
significa Painel de Tiras de Madeira Orientadas. Como o nome explica, o OSB é
basicamente uma placa composta por tiras de madeira dispostas na mesma direção.
As pequenas tiras de madeira são unidas com resinas e prensadas sob alta
temperatura, o que confere resistência mecânica, rigidez e estabilidade ao produto.
É por isso que as placas de OSB podem ser placas estruturais, usualmente
utilizadas no revestimento estrutural do esqueleto metálico de edifícios.
O procedimento industrial garante um elevado rendimento das matérias-primas.
Cerca de 90% do tronco de uma árvore pode ser convertido em OSB. As placas também
são totalmente recicláveis, tornando o produto uma alternativa mais sustentável.
Compensado:
Já o compensado de madeira pode ser feito através de dois processos. O
compensado laminado é feito com lâminas de madeira com espessura de 4 a 20 mm. As
lâminas são também prensadas em alta pressão garantindo boa resistência mecânica.
O compensado sarrafeado é composto por uma camada de sarrafos de madeira e
outras duas lâminas, que seguem em direção oposta à outra camada.
O compensado pode ter qualidade interna inferior ao OSB pela possibilidade de
existência de nós e vazios. É por isso que o material é mais utilizado para a fabricação
de mobiliário, revestimentos de tetos e paredes e para formas de concreto.

3. PROPRIEDADES DO MATERIAL

OSB - Oriented Strand Board, é um painel de madeira com uma liga de resina
sintética, feita de três camadas prensadas com tiras de madeira ou "strands", alinhados
em escamas, de acordo com a EN 300 OSB (Norma Européia).
Ela é feita predominantemente de madeira reflorestada. Os painéis altamente
selecionados podem ser usados para determinados tipos de bordas e variadas aplicações.
O método especial de processamento dos strands e o alto nível de orientação dos
strands com o grão nas camadas de cima, asseguram propriedades técnicas superiores.
Dependendo do tipo da liga, o OSB pode ser usado em condições secas (OSB/2) ou
úmidas (OSB/3 e OSB 4), de acordo com o DIN 68800-2 (Norma Alemã) (preservação
da madeira). A aplicação de cola líquida assegura um equilíbrio do conteúdo de
umidade similar à umidade predominante de 8 +/- 3%.
Para a fabricação do OSB, são utilizados como matérias-prima:
1. A madeira reflorestada e principalmente espécies florestais de rápido
crescimento;
2. Emulsão de parafina;
3. Resina de MUPF (resina fenólica, uréia formol e melamina);
4. Água.

4. VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DO OSB

O OSB possui diversas vantagens em relação aos seus concorrentes no


fechamento de uma estrutura, algumas são:
 Economia: Dispensa o uso de buchas especiais.
 Facilidade: Liberdade completa para instalar seus móveis ou objetos
suspensos em qualquer ponto da parede.
 Resistência: Uma parede 100% segura com reforço incomparável.
 Rigidez: Com OSB você aumenta a rigidez da parede.
 Conforto: Melhor conforto térmico e acústico para sua parede.
 Otimização: Libera o espaço interno total da parede, facilitando a
passagem de instalações e a aplicação de isolantes.

5. UTILIZAÇÃO DO OSB
São muitos os fundamentos que atribuem ao OSB à denominação de um
excelente material de construção.
O painel OSB tem uma ampla aplicação no ramo da construção de moradias, em
todos os tipos existentes, dentre os quais se destacam:
Pisos; Paredes; Vigas I; Escadas; Forros; Coberturas; Tapumes; Barracões;
Bandejas de proteção. Além de outras aplicações como: Móveis; Auto-falantes;
Divisórias; Embalagens (Bins e Pallets).

6. EXECUÇÃO DAS PAREDES OSB

As estruturas em frame (madeira ou aço) podem ser executadas em escala ou in


loco. No sistema de frames de madeira a estrutura é, quase sempre, executada  in
loco devido à dificuldade de manipulação (peso) de paredes pré-montadas. Portanto,
para esses casos, os materiais componentes são entregues na obra e ali são utilizados. Já
as casas com frames de aço normalmente são produzidas em seções pré-fabricadas
transportáveis.
Para melhor entendimento do sistema construtivo em frames, apresenta-se a
seguir um exemplo passo a passo da construção in loco em metodologia plataforma
(mais utilizada recentemente) em madeira. O sistema plataforma é composto
basicamente de quatro partes: alicerce, paredes, vigamento/laje e cobertura.
A fundação deverá ser escolhida em função das cargas de projeto e do tipo de
solo existente. As mais utilizadas são as diretas: radier, sapata corrida ou pilotis
cravados no terreno. A transmissão das cargas verticais acontece de forma não
concentrada, o que torna a fundação uma etapa bastante rápida e mais econômica.
Neste exemplo foi utilizado fundação do tipo radier.
O processo inicia-se com a marcação do layout dos ambientes na plataforma.
Esta marcação é feita com montantes de madeira dispostos horizontalmente, chamados
daqui para frente de barras horizontais. Estas barras horizontais devem cobrir todo o
comprimento das paredes e devem ser selecionadas por sua precisão dimensional. São
utilizados para isto três camadas de barras horizontais sobrepostas: a primeira (junto à
plataforma) chamada de barra inferior (bottom plate) e outras duas chamadas de barras
horizontais superiores (top plates). Esta nomenclatura é adotada devido a disposição que
estas barras horizontais vão assumir no posicionamento final da parede. As emendas da
primeira barra superior não devem coincidir com as da segunda barra superior. As
barras horizontais inferiores podem ser ancoradas na fundação de diversas formas:
insertes metálicos deixados durante a concretagem, chumbadores mecânicos,
chumbadores químicos etc.
Após executado o layout dos ambientes (chamado Laying out for
Framing)começa-se o processo de elaboração dos frames. Os elementos básicos da
estrutura das paredes são: os montantes verticais (studs), a barra horizontal inferior
(bottom plate), as barras horizontais superiores (top plates), montantes verticais de
desvio de carga (jack stud e king stud) e as vergas (headers)que suportam as cargas
verticais sobre as aberturas.
A construção da parede inicia-se pela marcação, a partir de uma das
extremidades, da posição dos montantes nas barras horizontais inferior e superiores
utilizadas no layout. Devem ser marcadas as posições dos montantes, linhas de centro
das portas e janelas e das paredes divisórias. Para o início da construção da parede
propriamente dita os montantes devem ser pregados inicialmente às duas barras
horizontais superiores (top plates) na marcação previamente executada, tarefa esta que é
feita despregando-se do layout (composto por três barras horizontais) as duas barras
superiores e procedendo com a pregação. É neste momento que são instalados também
as vergas e os reforços de desvio de cargas (header, jack stud e king stud). Após a
fixação às barras horizontais superiores a estrutura formada é erguida para a fixação dos
montantes à barra horizontal inferior deixada junto à fundação quando do
despregamento das duas barras horizontais superiores. Os montantes são fixados às
barras horizontais por meio de pregos
Os cantos da edificação e as interseções das paredes exigem arranjos especiais
dos montantes de modo a propiciar eficiente amarração das paredes e assegurar
superfícies para pregação dos painéis externos e internos .Nota-se em todas as
alternativas, que nos cantos e interseções sempre há a formação de um espaço para a
pregação do fechamento interno, formado por dois montantes convenientemente
posicionados.
Todas as paredes seguem a mesma metologia de montagem e estas vão sendo
posicionadas na plataforma na ordeminversa de montagem, ou seja, a última parede a
ser erguida será a primeira (contando de baixo para cima) na pilha de paredes.
Após serem erguidas as paredes são provisoriamente contraventadas.
Em vãos muito grandes as vergas podem ser reforçadas com uma chapa de aço
de 1 mm de espessura para suportar as cargas dos ambientes superiores.
O próximo passo consiste na fixação do vigamento pré-fabricado (neste caso
espaçado em 40 cm - conforme o espaçamento dos montantes) com o uso de pregos e
cola.
Com o vigamento no lugar inicia-se o cobrimento da laje com chapas de OSB ou
compensado. A espessura da chapa e o acabamento das bordas dependem do
espaçamento dos montantes e do tipo de piso que será aplicado como revestimento final.
As juntas das chapas devem estar defasadas entre si e afastadas 1,5 mm para evitar os
efeitos de expansão causada pela absorção de umidade.
Na obra em questão (três pavimentos) repete-se o processo para os próximos
pavimentos.
Após a finalização dos frames do último andar tem início o contraventamento
externo definitivo e a colocação das tesouras pré-fabricadas.
O contraventamento das paredes externas é conseguido com a utilização de
painéis de OSB. A seleção dos painéis está relacionada com o espaçamento dos
montantes, disposição nas paredes (lado maior na vertical ou horizontal), pregação e
esforços de cisalhamento (distorção no plano da parede em função de esforços de vento
ou abalo sísmico). Os painéis são especificados para determinados vãos máximos, isto
é, distância máxima entre dois montantes consecutivos. Desse modo, painéis
especificados para vãos de 40 cm não podem ser utilizados em estruturas, cujos
montantes estão distanciados 60 cm.
As espessuras de OSB mais usadas para o uso em paredes são de 11 a 12,7 mm.
A tabela a seguir apresenta as espessuras de painéis OSB recomendadas para os vários
espaçamentos dos montantes e modo de aplicação. 
Para evitar as conseqüências da expansão dimensional provocada pela absorção
de umidade nas bordas das chapas de OSB recomenda-se deixar um espaço de 3,0 mm
nas bordas laterais e nas extremidades das chapas. Recomenda-se, também, deixar
espaços de 3,0 mm para expansão ao redor de portas e janelas.
Alguns fabricantes têm recomendações especiais, incluindo a proteção das
bordas com produto selante, para evitar absorção de umidade. Em elementos estruturais
de madeira, normalmente são usados pregos de 2,9 mm por 50 mm ou 16 x 24 mm
(nacional). Os pregos são espaçados 15 cm nas bordas e 30 cm nos montantes
intermediários. Podem também ser usados grampos, desde que de dimensões
apropriadas. Em estruturas metálicas são usados parafusos perfurantes, isto é, parafusos
capazes de fazer os próprios furos.
Depois de concluída a cobertura, é iniciado o acabamento, que inclui a
instalação das esquadrias, a aplicação do acabamento das paredes externas, o
fechamento interno das paredes e revestimento de acabamento externo e interno.

BIBLIOGRAFIA
http://wwwo.metalica.com.br/osb-paineis-de-madeira-para-fechamento-de-
paredes
http://equipedeobra.pini.com.br/construcao-reforma/53/artigo272047-1.aspx
http://techne.pini.com.br/engenharia-civil/69/artigo285252-1.aspx
http://arquiteturaeconstrucao.uol.com.br/noticias/materiais/osb-em-
alta.phtml#.V_VPMeArLIU
https://www.hometeka.com.br/aprenda/entenda-a-diferenca-entre-osb-e-
compensado-de-madeira/
http://www.madecenter.com.br/wp-content/uploads/2013/03/osb-multiuso-
tapume-masisa.pdf