Você está na página 1de 3

Departamento de Ciências Jurídicas

Curso de Direito

PRÁTICA PROCESSUAL PENAL


EXERCÍCIO PRÁTICO 02
DEFESA

Você trabalha em um escritório de advocacia e recebeu um processo criminal para


elaborar a defesa preliminar. Do processo constam apenas a denúncia do
Ministério Público e as peças que instruíram o auto de prisão em flagrante delito.

Elabore a peça de defesa com TODOS os argumentos possíveis.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CRMINAL DA


COMARCA DE JOÃO PESSOA/PB

O MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA, por intermédio de seu


representante ao final assinado, no exercício das atribuições
a si conferidas pelo art. 129, I, da Constituição Federal,
vem oferecer DENÚNCIA contra MANÉ CORUJA, brasileiro,
solteiro, empresário, residente e domiciliado na Rua dos
Anzóis, 13, Centro, João Pessoa/PB, e assim o faz de acordo
com os argumentos de fato e de direito que, a seguir, passa a
expor:

1) Conforme consta dos autos da prisão em flagrante em


anexo, em 14 de fevereiro de 2011, por volta das 20h30min,
nas proximidades do Estádio Almeidão, bairro do Cristo
Redentor, o denunciado chegou ao estabelecimento comercial
conhecimento como “Bar do Bode Brabo” para consumir bebidas
alcoólicas com duas moças que o acompanhavam.
Departamento de Ciências Jurídicas
Curso de Direito

2) Por volta das 23h00min, tendo pedido a conta ao


garçom, Sr. JOSÉ FIGURA, tentou efetuar o pagamento com uma
cédula de R$ 100,00 (cem reais), que foi imediatamente
reconhecida como falsa pela dona do estabelecimento, Sra.
FELISMINA MINA. Essa última apresentou a cédula aos policiais
civis TICO MINEIRO e TECO GENTIL, os quais efetuaram a prisão
em flagrante do denunciado e o levaram à delegacia para
lavratura do competente auto.

3) Os policiais informaram, conforme termos de oitiva no


auto de prisão em flagrante delito, que o acusado lhes
ofereceu a cédula de R$ 100,00 (cem reais) em questão caso o
deixassem ir embora, tendo os policiais recusado a oferta.

4) Os presentes autos estão instruídos com os


depoimentos dos policiais civis referidos, bem como do garçom
e da dona do estabelecimento acima referenciado. Além disso,
consta dos autos a cédula de R$ 100,00 (cem reais) apreendida
para inspeção por esse juízo.

5) Em vista do fato acima narrado, é possível constatar


que o acusado incorreu no crime de moeda falsa, na modalidade
de “introduzir em circulação”, conduta capitulada no CP, art.
289, caput e §1º, bem como no crime de corrupção ativa,
previsto no CP, art. 333, caput, ambos em concurso material
de delitos por efeito do CP, art. 69.

Diante do exposto, REQUER o Ministério Público do Estado


da Paraíba:

a) Que seja o acusado devidamente citado para responder


a presente demanda, oferecendo a defesa que tiver;

b) Que seja julgado procedente o pedido para condenar-se


o réu como incurso nos artigos 289, caput e §1º, e 333, ambos
c/c o artigo 69, todos do Código Penal brasileiro;

c) Que seja oportunizada a produção da prova em direito


admitidas, sobretudo a inquirição das testemunhas abaixo
relacionadas e a realização de exame pericial na cédula
apreendida, requisitando-se as certidões de feitos criminais
e folha de antecedentes.
Departamento de Ciências Jurídicas
Curso de Direito

O MP deixa de propor a suspensão condicional do processo


(Lei n. 9099/95, art. 89) por entendê-la incabível no
presente caso.

João Pessoa, 18 de fevereiro de 2011.

PROMOTOR DE JUSTIÇA

ROL DE TESTEMUNHAS

1) JOSÉ FIGURA (qualificação);


2) FELISMINA MINA (qualificação);
3) TICO MINEIRO (qualificação);
4) TECO GENTIL (qualificação).