Você está na página 1de 44

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

P.P.R.A.
PROGRAMA DE
PREVENÇÃO DE RISCOS
AMBIENTAIS

Escopo Contratual:

Fiscal: Jonatas Batista de Souza


Setor: MI-PM

Nº Contrato: 1100.0101.364.16.2 SAP: 4600522770

Revisão: 00

Emissão: Junho de 2016


Revisão anual: Junho de 2017

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
1
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

CONTROLE DE REVISÕES

REVISÃO Data ITENS REVISADOS


00 16/06/2016  Emissão Inicial

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
2
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

ÍNDICE

1. IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA

2. INTRODUÇÃO

3. ESTRUTURA DO PPRA

4. ELEMENTOS GERENCIAIS DO PPRA

5. MEDIDAS DE CONTROLE E NÍVEL DE AÇÃO

6. AVALIAÇÃO

7. RECONHECIMENTO DE SETORES E QUANTITATIVO DE FUNÇÕES

8. RECONHECIMENTO DE RISCOS, ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA


POR FUNÇÃO

9. GHE – GRUPO HOMOGÊNIO DE EXPOSIÇÃO:

10. EXECUÇÃO DOS TRABALHOS E FLUXO DAS ATIVIDADES:

11. EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL E COLETIVO:

12. PLANEJAMENTO ANUAL DE AÇÕE DO PPRA:

13. COMPROMISSO

14. FISPQ- FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUIMICO

15. CONSIDERAÇÕES FINAIS

16. ANEXOS- FISPQ

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
3
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Norma Regulamentadora NR-09 (Portaria nº 3.214 de 08/jun./78)

Portaria nº 25 de 29/dez/1994

1. IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA:

IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA
RAZÃOSOCIAL: TS ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA.
C.N.P.J.: 01.601.246/0001-81
ENDEREÇO: Av. Rodovia BR 110, S/N
BAIRRO Pitia
MUNICIPIO / ESTADO São Sebastião do Passe – BA
TELEFONES/FAX: MATRIZ (71) 3362-2285/ (71) 9113-9094
CÓDIGO ATIVIDADE (CNAE): 71.12-0-00
ATIVIDADE PRINCIPAL Serviços de Engenharia
CÓDIGOS ATIVIDADES 33.14-7-99
SECUNDARIAS 33.21-0-00
GRAU DE RISCO: 3
No. TOTAL PREVISTO DE
216 MASCULINO: 210 FEMININO: 06
COLABORADORES

IDENTIFICAÇÃO DA CONTRATANTE
CONTRATANTE: Petrobras - Petróleo Brasileiro S.A. - REPLAN – Refinaria de Paulínia
C.N.P.J. 33.000.167/0643-47
ENDEREÇO: Rodovia SP 332 – Km 132,5
BAIRRO: Jardim Planalto
MUNICIPIO / ESTADO: Paulínia / SP
CÓDIGO DA ATIVIDADE (CNAE) 23.20-5
GRAU DE RISCO: 03

ESCOPO DO CONTRATO
Nº CONTRATO: 1100.0101.364.16.2 SAP: 4600522770
Serviços de Manutenção e Projetos em Torres, Vasos de Pressão,
Filtros, Tanques e Permutadores de Calor durante as Paradas das
OBJETIVO DO CONTRATO:
Unidade U-220A, U-683 e suas unidades auxiliares na Refinaria de
Paulínia – REPLAN.
INICIO CONTRATO: 15/06/2016
TÉRMINO CONTRATO: 11/12/2016
FISCAL: Jonatas Batista de Souza Setor: MI-PM

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
4
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

2. INTRODUÇÃO:

Procedemos ao levantamento, reconhecimento e, em conjunto com a administração da empresa,


elaboramos o cronograma de ações preventivas visando eliminar, neutralizar ou minimizar os riscos
ocupacionais detectados nos ambientes de trabalho da empresa, com o objetivo de desenvolver o PPRA e
apresentar o Documento Base previsto no item 9.2.2 da NR 9 (Portaria Nº: 25/94 do MTE).

3. ESTRUTURA DO PPRA:

Este Programa foi elaborado de acordo com as diretrizes da NR-9 referente à Lei Nº 6.514, de 22/12/1977 e
da Portaria Nº 3.214 de 08/06/1978 e da nova redação da NR-9, estabelecida pela Portaria SSMT 25/94 (de
29.12.94, DOU de 30.12.94, republicada em 15.02.95) e considerando os riscos da contratante: Petróleo
Brasileiro S/A – Refinaria de Paulínia - REPLAN.

O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo de preservação da
saúde e da integridade dos trabalhadores, devendo estar articulado com as demais normas de Segurança e
Medicina do Trabalho, em particular com o Programa de Controle Médico da Saúde Ocupacional – PCMSO.

Seu objetivo é fornecer parâmetros legais e técnicos considerando a proteção do meio ambiente e dos
recursos naturais, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência
dos riscos ocupacionais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho.

Neles estão descritas informações sobre: características de cada setor do estabelecimento, máquinas e
equipamentos da contratante utilizados para manutenção, funções exercidas e trabalhadores expostos,
caracterização das atividades desenvolvidas, medidas de controle e proteção utilizadas, reconhecimento e
avaliações dos riscos ambientais existentes, bem como, observações e recomendações pertinentes.

Para efeito deste PPRA, consideram-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos
existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e
tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador.

Portanto:

a) Agentes Físicos:
São as diversas formas de energia a que possam estar expostas os trabalhadores, tais como ruído,
vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes, radiações não ionizantes, bem
como o infra-som e o ultra-som.

b) Agentes Químicos:
São as substâncias, compostas ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas
formas de poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases, vapores, ou que, pela natureza da atividade de
exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão.

c) Agentes Biológicos:
São as bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros.

Tal como previsto na NR-9, do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA constarão, no
mínimo, a seguinte estrutura:

 Planejamento anual com informações sobre metas, prioridades e cronograma.


 Estratégia e metodologia de ação.
 Forma de registro, manutenção e divulgação dos dados.
 Periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento do Programa.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
5
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

3.1. Desenvolvimento do PPRA:


a) Planejamento anual com estabelecimento de metas, prioridades e cronograma;
O planejamento da TECSOLDA ENGENHARIA foi elaborado conforme as etapas de trabalho do
instrumento contratual, as metas estabelecidas foram levantadas perante as situações de riscos na
execução dos serviços, conforme demonstrados no contrato PETROBRAS – REPLAN.

3.1.1. Cronograma do Desenvolvimento:

AÇÃO: QUANDO:
Elaboração do PPRA. Junho - 2016
Antecipação e Reconhecimento dos riscos. Junho - 2016
Revisão Anual do PPRA Junho - 2017
Divulgação do PPRA. Julho - 2016
Elaboração do Mapa de Risco. Julho - 2016

a) Estratégia e metodologia de ação:


Após a elaboração dos documentos propostos no planejamento, cria-se o cronograma de ações por setor,
onde constará o reconhecimento / caracterização dos riscos ambientais identificados do ambiente de
trabalho (riscos físicos, químicos e biológicos).
b) Forma de registro, manutenção e divulgação dos dados:
Os documentos do PPRA estão registrados em forma de anexos, como se segue:
 Antecipação e Reconhecimentos dos Riscos Ambientais,
 Planejamento de ações.

3.1.2. Planilha de Registro de Dados:

ELABORAÇÃO DO RESPONSÁVEL
REVISÃO: DIVULGAÇÃO:
PPRA: DIVULGAÇÃO:
SESMT TECSOLDA Emissão Inicial Junho - 2016 SESMT TECSOLDA

a) A manutenção deste PPRA será feita sempre que houver a necessidade e/ou levantamento de novas
situações de riscos nas áreas de trabalho.

b) Periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento baseado no cronograma e realizando os ajustes


necessários e estabelecimento de novas metas e prioridades.

c) O PPRA deverá ser revisado sempre que forem levantados novos riscos e as medidas de controle forem
insuficientes ou inviáveis.

d) As formas de avaliação e desenvolvimento serão revisadas sempre que necessário e seu


desenvolvimento será através da planilha de registro de dados.

3.1.3. Arquivo dos Registros


Os dados contidos neste PPRA deverão ser arquivados por um período de 20 (VINTE) anos, conforme
determina a NR-09 item 9.3.8.

3.2. Das Medidas de Controle:


Deverão ser adotadas as medidas necessárias e suficientes para a eliminação, a minimização ou controle
dos riscos ambientais sempre que forem verificadas uma ou mais das seguintes situações: identificação, na
fase de antecipação, de risco potencial à saúde; constatação, na fase de reconhecimento, de risco evidente
à saúde; quando os resultados das avaliações quantitativas da exposição dos trabalhadores excederem os
valores dos limites previstos na NR-15 ou, na ausência destes, os valores dos limites de exposição
ocupacional adotados pela ACGIH – American Conference of Governmental Industrial Higyenists, ou
aqueles que venham a ser estabelecidos em negociação coletiva de trabalho, desde que mais rigorosos do
que os critérios técnico-legais estabelecidos; quando, através do controle médico da saúde, ficar
caracterizado o nexo causal entre danos observados na saúde dos trabalhadores e a situação de trabalho a
que eles ficam expostos.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
6
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

3.3. Registro e Divulgação dos Dados:


As informações técnicas e administrativas, tais como: Mapas de Risco, relação de funcionários expostos a
agentes nocivos com as respectivas funções e setores, bem como outros dados pertinentes deverão
permanecer disponíveis para consulta pela CIPA, trabalhadores e demais interessados, como também, para
eventual fiscalização pelas autoridades competentes, por período mínimo de 20 (VINTE) anos.

3.3.1. Formas de Divulgação:


- DSS – Diálogo Semanal de Segurança;
- Reuniões de CIPA (quando aplicável);
- Integração de Novos Funcionários;
- Quadros de Aviso;
- Palestras.

3.3.2. Registros e Arquivo


O SESMT fornecerá cópias de todos os documentos e relatórios à empresa, que deverá mantê-los em
arquivo por período mínimo de 20 (VINTE) anos.

Em caso de identificação de riscos com radiações ionizantes, o prazo acima se eleva para 75 (SETENTA E
CINCO) anos.
Todos os documentos relacionados ao PPRA deverão estar disponíveis aos trabalhadores interessados ou
seus representantes e para as autoridades competentes.

O presente documento-base e suas alterações e complementações deverão ser apresentados e discutidos


na CIPA, sendo uma cópia anexada às atas dessa comissão.

3.4. Das Responsabilidades:


3.4.1 – Do Empregador:
- Cabe ao empregador cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho.
- Eliminar as condições de riscos através das medidas de controle, conforme estabelecidos no
PPRA ou outros riscos de acidentes, doenças ocupacionais que venham ser identificados.
- Estabelecer, implementar e assegurar o cumprimento do PPRA, como atividade permanente da
empresa ou instituição.

3.4.2 – Diretoria / Gerência:


- Apoiar e determinar a implantação do programa e controle dos resultados na sua área.

3.4.3 – Da Chefia:
- A chefia por sua presença constante no local de trabalho, poderá acompanhar o andamento e
implantação das medidas de controle que eliminem os riscos, previnam os acidentes e doenças do
trabalho, cobrar a utilização dos equipamentos de proteção individual dos colaboradores, entregues
de uso obrigatório, instruir os mesmos sobre os aspectos de segurança e acompanhar a
implantação das Normas de Segurança.

3.4.4 – Dos Trabalhadores:


- Colaborar e participar na implantação e execução do programa (PPRA).
- Cumprir as Normas de Segurança e Medicina do Trabalho, a fim de prevenir os acidentes e
doenças ocupacionais.
- Informar ao seu superior hierárquico direto ocorrências que, a seu julgamento, possam implicar a
saúde dos trabalhadores.
- Assessorar e acompanhar a implantação do programa em conjunto com a chefia da área.

3.4.5 – Do SESMT
- Elaboração do PPRA e acompanhar o seu desenvolvimento.

3.4.6 – Da Informação:
- É oportuno registrar, que os trabalhadores interessados terão o direito de apresentar propostas e
receber informações e orientações sempre que desejarem, a fim de assegurarem a proteção aos
riscos ambientais identificados no PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
7
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

4. ELEMENTOS GERENCIAIS DO PPRA:

4.1. Organização:
O PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais tem a seguinte estrutura:

4.1.1. Documento-base
 É o elemento gerenciador do programa e contém os seguintes aspectos estruturais:
 Primeiro planejamento anual com estabelecimento de metas, prioridades e cronograma;
 Estratégia e metodologia de ação;
 Forma de registro, manutenção e divulgação dos dados;
 Periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento do programa.
 Responsabilidades;
 Articulação com outros programas.

4.1.2. Desenvolvimento
 Fase onde ocorre a implantação do programa e inclui as seguintes etapas:
 Antecipação e reconhecimentos dos riscos;
 Estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle;
 Avaliação dos riscos e da exposição dos trabalhadores;
 Implantação de medidas de controle e avaliação de sua eficácia;
 Monitoramento da exposição aos riscos;
 Registro e divulgação dos dados.

Na medida em que forem executadas as etapas do desenvolvimento, serão gerados relatórios que serão
anexados ao documento-base, formando um conjunto, que é dinâmico, e que é denominado de PPRA –
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais.

5. MEDIDAS DE CONTROLE E NÍVEL DE AÇÃO:

Deverão ser adotadas as medidas necessárias e suficientes para a eliminação, a minimização ou o controle
dos riscos ambientais sempre que forem verificadas uma ou mais das seguintes situações:
a) Identificação, na fase de antecipação, do risco potencial a saúde;

b) Constatação, na fase de reconhecimento, de risco evidente a saúde;

c) Quando os resultados das avaliações quantitativas da exposição dos trabalhadores excederem os


valores dos limites previstos na NR-15 ou, na ausência destes, os valores de limites de exposição
ocupacional adotados pela ACGIH – AMERICAN CONFERENCE OF GOVERNAMENTAL INDUSTRIAL
HIGYENIST, ou aqueles que venham a ser estabelecidos em negociação coletiva do trabalho, desde que
mais rigorosos do que os critérios técnicos legais estabelecidos;

d) Quando, através do controle médico da saúde, ficar caracterizado o nexo causal entre danos observados
na saúde dos trabalhadores e a situação de trabalho a que eles ficam expostos.
O estudo, desenvolvimento e implantação de medidas de proteção coletiva deverão obedecer à seguinte
hierarquia:

a) Medidas que eliminem ou reduzam a utilização ou a formação de agentes prejudiciais à saúde;

b) Medidas que previnam a liberação ou disseminação desses agentes no ambiente de trabalho;

c) Medidas que reduzam os níveis ou a concentração desses agentes no ambiente de trabalho.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
8
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

6. AVALIAÇÃO:

6.1. Antecipação e Reconhecimento dos Riscos:


A antecipação dos riscos ambientais nas frentes de trabalhos, dentro das áreas operacionais da refinaria,
seguirá:
 De acordo com a NR-09 no item 9.3.3
 Instruções Gerais de Segurança e Medicina do Trabalho (ANEXO III – PETROBRAS).

Esta avaliação deverá ser feita com enfoque nos riscos ocupacionais e envolver uma pessoa com
conhecimento técnico sobre o assunto. O responsável da empresa deverá assegurar que toda modificação
e/ou novo projeto a ser implantado seja avaliado preliminarmente e levado ao conhecimento da fiscalização
e Segurança Industrial da REFINARIA DE PAULÍNIA – REPLAN, com relação aos riscos potencialmente
presentes.
O reconhecimento e identificação dos riscos ambientais requerem a aplicação de uma ferramenta específica
que auxilia a sistematizar os riscos no ambiente de trabalho e apresenta como resultado as prioridades de
controle ambiental do ponto de vista técnico. Para elaboração do reconhecimento são realizadas as
caracterizações dos seguintes itens:

6.2. Estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle


As prioridades poderão ser definidas de acordo com o seguinte critério:
Para situações não avaliadas:

Prioridade 01 – Emergencial (controle de urgência)


 Quando envolver a exposição a carcinogênicos;
 Nas situações de risco grave e iminente á saúde e a vida;
 Quando houver risco aparente de deficiência de oxigênio;
 Quando o agente possui efeitos agudos, baixos LT (Limites de Tolerância) e IPVS;
(imediatamente perigosa à vida e à saúde) e as práticas operacionais ou situações ambientais
indicam aparente descontrole de exposição;
 Quando as queixas são específicas e freqüentes com indicadores biológicos de exposição
excedidos;
 Quando há exposição cutânea severa a substâncias com notação pele.

Para situações avaliadas:

A exposição não se encontra sob controle técnico e está acima do valor teto/valor máximo IDLH.

Prioridade 02 – Crítica (controle prioritário)


Para situações não avaliadas
 Quando o agente pode causar efeitos agudos / possui LT valor / teto, ou valores de LT muito baixo
(alguns PPM);
 Quando as práticas operacionais / condições ambientais indicam descontrole de exposição;
 Quando há possibilidade de deficiência de oxigênio;
 Quando não há proteção cutânea específica no manuseio de substâncias c/ notação pele.

As medidas de controle serão propostas quando as condições de exposição dos trabalhadores aos agentes
apresentarem valores de concentrações iguais aos do nível de ação, ou seja, atingirem 50 (cinqüenta) % do
limite de tolerância para o agente.

Todas as medidas de controle propostas serão registradas em pasta específica do PPRA, contendo as
informações de descrição, data, prazo e responsável pela implantação.
Os prazos para execução dos trabalhos e eliminação dos riscos apresentados, serão classificados conforme
descrição a seguir:
Curto Prazo: até 60 (sessenta) dias para soluções de caráter imediato e até 90 (noventa) dias para
situações que envolvam características simples e decisões até o nível de supervisão.

Médio Prazo: de 90 (noventa) a 180 (cento e oitenta) dias para situações que envolvam soluções e
decisões gerenciais com desembolso de verba não superior aos limites de aprovação dos mesmos.

Longo prazo: acima de 180 (cento e oitenta) dias para situações que pelo seu caráter pecuniário
envolvam aprovação e ou autorização de recursos planejados.
Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
9
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

6.3. Agentes de Risco presentes no Ambiente de Trabalho:


Conhecer com detalhes as características toxicológicas e as conseqüências sobre exposição associada a
cada um dos agentes presentes no ambiente de trabalho, divididos por setores de trabalho.
Após caracterização dos três elementos primordiais do reconhecimento, “o trabalhador”, “o agente” e “o
ambiente”, são agrupados os empregados de acordo com a homogeneidade de exposição, para depois ser
realizada a análise quantitativa ou qualitativa e a priorização de ações e/ou avaliações, seguindo os critérios
para avaliação dos riscos.

6.4. Critérios para priorização das avaliações quantitativa dos riscos:


Os critérios adotados para estimar e julgar a tolerabilidade dos riscos são iguais ou mais restritivos que o
padrão legal, e têm como finalidade a priorização de ações e a redução ao máximo possível das
exposições, considerando as viabilidades técnicas e econômicas.
O risco é estimado em função da probabilidade de ocorrência e gravidade de ocorrência de danos,
combinando-se as estimativas da probabilidade com estimativas da gravidade do dano potencial.
São propostas cinco categorias de riscos:

 Risco Trivial;
 Risco Tolerável;
 Risco Moderado;
 Risco Substancial;
 Risco Não Tolerável.

A metodologia adotada para estudos dos riscos ocupacionais está descrito abaixo na tabela 1 “Critérios
para a priorização de avaliações quantitativas” e tabela 2 “Critério para graduação em função do potencial
do agente de causar danos”, levando em consideração o índice de exposição durante a jornada de trabalho.

S Tabela 1 – Critérios para valoração da significância da exposição (S).


Índice de CRITÉRIO UTILIZADO
Significância da Perfil de exposição qualitativo Perfil de exposição quantitativo
exposição
- Exposição (MVUE) inferior a 10% do Limite
Exposição baixa: contato não freqüente de Exposição Ocupacional.
1
com o agente ou freqüente a baixíssimas Exp. < 10% LEO
concentrações / intensidades.
- Percentil 95 < NA
Exposição moderada: - Exposição (MVUE) entre 10% e 50% do
contato freqüente com o agente em baixas Limite de Exposição Ocupacional.
2
concentrações / intensidades ou contato 10% < Exp.  50% LEO
não freqüente a altas concentrações /
intensidades. - Percentil 95 > NA < LEO
- Exposição (MVUE) entre 50% e 100% do
Exposição significativa: Limite de Exposição Ocupacional.
3
contato freqüente com o agente em altas 50% < Exp  100% LEO
concentrações / intensidades.
- Percentil 95 > LEO
Exposição alta:
- Exposição (MVUE) acima do Limite de
4 contato freqüente com o agente em
Exposição Ocupacional
concentrações / intensidades
Exp > 100% LEO.
elevadíssima.

A graduação do potencial do agente de causar danos é feita, utilizando critérios relacionados


a seguir:
 o potencial carcinogênico, mutagênico e teratogênico de agentes físicos e químicos;
 o potencial de danos agudos e crônicos dos agentes físicos;
 o potencial de agentes químicos de causar danos locais quando em contato com olhos e pele;
 o valor do TLVs para contaminantes atmosféricos, pois quanto menor for o valor do TLVs maior
será o potencial do agente de causar danos. Utilizar este critério apenas se não for possível
definir a severidade ou gravidade do efeito crítico (para gases e vapores, utilizar os valores em
ppm e para particulados, utilizar os valores em mg/m3).
Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
10
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Tabela 2 – Critérios para graduação da gravidade em função do potencial do agente de causar


danos (G).

CRITÉRIO UTILIZADO
G
Potencial Potencial de danos, Potencial de danos TLVs (ACGIH)-
Gravi- carcinogênico, agudos e crônicos locais por contato com Contaminantes atmosféricos
dade mutagênico ou (agentes físicos) olhos e pele (Agentes Gás / vapor ou Particulado
teratogênico (Ag. químicos)
Quí. Químicos e
físicos)

Agentes sob suspeita Lesão ou doença Agente classificado


de ser carcinogênico leve, com efeitos como irritante leve para
mutagênico ou reversíveis levemente a pele, olhos e mucosas.
teratogênico, mas os prejudiciais ou sem
 10
1 dados existentes são efeitos adversos > 500 ppm
mg/m3
insufici- entes para conhecidos.
classificar.
(Grupo A4 da ACGIH)

Agente carcinogênico, Lesão ou doença Agente classificado


teratogênico ou séria, com efeitos como irritante para
mutagênico confirmado reversíveis severos e mucosas, olhos, pele e > 1 e <10
2 para animais. prejudiciais. sistema respiratório
101 a 500 ppm
mg/m3
(Grupo A3 da ACGIH) superior.

Agente carcinogênico, Lesão ou doença Agente altamente


teratogênico ou crítica, com efeitos irritante ou corrosivo
mutagênico suspeito irreversíveis severos para mucosas, pele,
para seres humanos. e prejudiciais que sistema respiratório e
0,1 e  1
3 (Grupo A2 da ACGIH) podem limitar a digestivo, resultando em 11 a 100 ppm
mg/m3
capacidade funcional. lesões irreversíveis
limitantes da capacidade
funcional.

Agente carcinogênico, Lesão ou doença Agente com efeito


teratogênico ou incapacitante ou fatal. cáustico ou corrosivo
mutagênico confirmado severa sobre a pele,
para seres humanos. mucosa e olhos
 0,1
4 (Grupo A1 da ACGIH) (ameaça causar perda  10 ppm
mg/m3
da visão), podendo
resultar em morte ou
lesões incapacitantes.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
11
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Matriz de Risco para


Estimar o Nível de Risco

RISCO RISCO RISCO RISCO

MODERADO SUBSTANCIAL SUBSTANCIAL NÃO


4 TOLERÁVEL
C B B
A

RISCO RISCO RISCO RISCO


S
I SUBSTANCIAL SUBSTANCIAL
G
3 TOLERÁVEL MODERADO
N C
I D B B
F
I RISCO RISCO RISCO RISCO
C
 2 TOLERÁVEL MODERADO MODERADO SUBSTANCIAL
N
C D B
I C C
A
RISCO RISCO RISCO RISCO
(S)
1 TRIVIAL TOLERÁVEL TOLERÁVEL MODERADO
E
D D C

1 2 3 4

G r a v i d a d e (G)

Tabela de classificação
de Prioridade de Avaliação:
A – NÃO TOLERÁVEL Adotar medidas de controle.
B – SUBSTANCIAL Realizar avaliação em até 50% do período do contrato
C – MODERADO Realizar avaliação em até 75% do período do contrato.
D – TOLERÁVEL Realizar avaliação em até 90% do período do contrato.
E – TRIVIAL Não Avaliar.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
12
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

7. RECONHECIMENTO DE SETORES E QUANTITATIVO DE FUNÇÕES:

GHE QUANTIDADE
SETOR FUNÇÃO
PREVISTA
Administrativo 1
Auxiliar Administrativo 4
Administração
Administrativo de Obras 1
Assistente Administrativo 1
01 Adminstrativo
Técnico de Documentação 2
Documentação
Auxiliar de Documentação 1
Técnica
Projetista 1
SUBTOTAL 11
Gerente de Obra 1
Supervisor 2
Coordenador CQ 1
Coordenação Técnico de Planejamento 2
Engenheiro Preposto 1
Coordenador de Planejamento 1
Coordenação e Auxiliar Técnico de Planejamento 2
02
Segurança do Trabalho
Coordenador de SMS 1
Auxiliar Técnico de Segurança do
2
Segurança do Trabalho
Trabalho Técnico de Segurança do Trabalho 4
Engenheiro de Segurança do
1
Trabalho
SUBTOTAL 18
Inspetor de Solda 2
Inspetor de Equipamentos 4
Inspeção de Solda Inspetor de Líquido Penetrante LP e
03 Inspeção Solda 3
Partícula Magnética PM
Inspetor de Ultrassom 1
SUBTOTAL 10
Encarregado de Caldeiraria 5
Caldeiraria
Caldeireiro 38
Encarregado de Solda 2
04 Caldeiraria Lixador 6
Solda
Soldador 8
Maçariqueiro 2
SUBTOTAL 61
Encarregado de Pintura 1
Pintura Inspetor de Pintura 1
05 Pintura
Pintor 6
SUBTOTAL 08
Encarregado de Complementar 2
Complementar
Auxiliar de Serviços Gerais 20
06 Complementar Isolador 4
Isolamento
Funileiro 2
SUBTOTAL 28
Montador de Andaime 32
Andaime
Encarregado de Andaime 3
07 Operacional Elétrica Eletricista 4
Apoio Observador de Espaço Confinado 22
SUBTOTAL 61
Carpinteiro Carpinteiro 2
08 Carpintaria
SUBTOTAL 02
Transporte Motorista de Van 2
Motorista de Veículo Leve 2
09 Transporte Movimentação de Motorista Munck 2
Carga Operador 2
SUBTOTAL 08
Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
13
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Higiene e
Faxineira 2
Conservação
10 Limpeza
SUBTOTAL 02
Saúde Médico do Trabalho 1
11 Saúde
SUBTOTAL 01
Auxiliar de Almoxarife 2
Suprimentos Almoxarife 2
12 Suprimentos
Técnico de Materiais 2
SUBTOTAL 06

TOTAL DE COLABORADORES
216
210 Homens
DISTRIBUIDOS EM: 06 Mulheres
Observação:
ESSE EFETIVO PODERÁ ALTERAR-SE CONFORME NECESSIDADE E DO ANDAMENTO DAS
ATIVIDADES NO CONTRATO NA UN-REPLAN.

7.1. Jornada de Trabalho:

PRÉ-PARADA:
PERÍODO DIURNO das 07h30min as 12h00min e das 13h00min as 17h18min de segunda a sexta-feira.

PARADA:
PERÍODO DIURNO das 07h30min as 12h00min e das 13h00min as 18h30min
PERÍODO NOTURNO das 18h00min as 05h00min.

Jornada pré-parada semanal: 44 horas.


Jornada parada semanal: 50 horas.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
14
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

8. RECONHECIMENTO DE RISCOS, ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA POR GHE/FUNÇÃO:

8.1 Planilhas de Reconhecimento de Riscos, Análise Qualitativa e Quantitativa.

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


GHE 01: (1) Adminstrativo, (4) Auxiliar Administrativo, (2) Técnico de
Setor: Administração e Documentação Técnica
Documentação, (1) Auxiliar de Documentação, (1) Projetista, (1) Administrativo de
Nº de Funcionários: 11
Obra, (1) Assistente Administrativo.
Trabalho em Altura  Sim  Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Danos à Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Fonte Geradora / Local Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
Saúde existente Risco quantitativa
Ruido de fundo
Proveniente das áreas industriais Redução da Treinamento quanto ao uso de
Físico Ruído em operação próximas ao capacidade EPI 1 1 Trivial ---- EPI recomendado quando se fizer
canteiro administrativo e ou auditiva necessário.
equipamento condicionador de ar.

Químico Inexistente ---- ---- ---- ---- ---- ---- ---- ----
Fungos,
Ar condicionado / Salas Doenças Limpeza e
Biológico bactérias e 1 1 Trivial ---- Limpeza de forma sistêmica
administrativas dos canteiros. respiratórias manutenção
vírus.

MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR.17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência
Capacete de Segurança - Calçado de Segurança c/ Biqueira de Aço 01
Óculos de Proteção - Luvas de Proteção Mista -
Protetor auricular tipo plug - Uniforme Resistente ao Fogo 01

Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION


1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação

15
Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


GHE 02: (1) Gerente de Obra, (2) Supervisor, (1) Coordenador CQ, (2) Técnico de
Planejamento, (4) Técnico de Segurança do Trabalho, (2) Auxiliar Técnico de
Setor: Coordenação / Segurança do Trabalho / Almoxarife
Planejamento, (2) Auxiliar Técnico de Segurança do Trabalho, (1) Coordenador de
Nº de Funcionários: 18
SMS, (1) Coordenador de Planejamento, (1) Engenheiro Preposto, (1) Engenheiro
de Segurança do Trabalho.
Trabalho em Altura  Sim  Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Danos à Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Fonte Geradora / Local Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
Saúde existente Risco quantitativa
Maquinas e Equipamentos
Monitoramento do ruído.
Proveniente das áreas industriais Redução da
Físico Ruído EPI 2 1 Tolerável Avaliar Treinamento quanto ao uso de EPI
em operação, da U220A, U683 e capacidade auditiva
recomendado.
Unidades Auxiliares
Maquinas e Equipamentos
Irritação,
Gases e Proveniente das áreas industriais Treinamento quanto ao uso de
Químico intoxicação EPI 1 1 Trivial ----
Vapores em operação, da U220A, U683 e EPI recomendado.
respiratória
Unidades Auxiliares
Fungos,
Ar condicionado / Salas Doenças Limpeza e
Biológico bactérias e 1 1 Trivial ---- Limpeza de forma sistêmica.
administrativas dos canteiros respiratórias manutenção
vírus.

MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR.17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
Isolamento, Sinalização de segurança, recipientes de armazenamentos, andaime conforme procedimento REPLAN. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência
Capacete de Segurança 01 Calçado de Segurança c/ Biqueira de Aço 01
Óculos de Proteção 01 Luvas de Proteção tipo Mista 01
Protetor auricular tipo plug 01 Uniforme resistente ao fogo. 01
Cinto de Segurança 01 Respirador semi-facial PFF2 ou Contra Gases e Vapores 01
Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION
1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
16
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


GHE 3: (2) Inspetor de Solda, (4) Inspetor de Equipamentos, (3) Inspetor de Setor: Inspeção Solda
Liquido Penetrante - LP e Particula Magnética - PM, (1) Inspetor de Ultrassom Nº de Funcionários: 10
Trabalho em Altura  Sim  Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Danos à Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Fonte Geradora / Local Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
Saúde existente Risco quantitativa
Maquinas e Equipamentos
Redução da Monitoramento do Ruído.
Proveniente das áreas industriais em
Ruído capacidade EPI 2 1 Tolerável Avaliar Treinamento quanto ao uso de
operação, da U220A, U683 e Unidades
auditiva EPI recomendado.
Auxiliares
Físico Radiação não Processo de Queima de eletroldo Treinamento quanto ao uso de
Conjutivite ocular EPI 1 1 Trivial ----
ionizante durante a soldagem EPI recomendado.
Queimaduras,
Superfícies quentes dos equipamentos, Treinamento quanto ao uso de
Calor desidratação e EPI 1 1 Trivial ----
tubulações, ação do sol EPI recomendado.
irritação de pele
Maquinas e Equipamentos
Irritação,
Gases e Proveniente das áreas industriais em Treinamento quanto ao uso de
Químico intoxicação EPI 1 1 Trivial ----
vapores operação, da U220A, U683 e Unidades EPI recomendado.
respiratória
Auxiliares
Biológico Inexistente ---- ---- ---- ---- ---- ---- ---- ----

MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR-17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
Isolamento, Sinalização de segurança, recipientes de armazenamentos, andaime conforme procedimento REPLAN. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência
Capacete de Segurança 01 Calçado de Segurança c/ Biqueira de Aço 01
Óculos de Proteção 01 Luvas de Proteção Mista 01
Protetor auricular tipo plug 01 Uniforme Resistente ao Fogo. 01
Cinto de Segurança 01 Respirador semi-facial PFF2 ou Contra Gases e Vapores 01
Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION
1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
17
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


GHE 04: (5) Encarregado de Caldeiraria, (2) Encarregado de Solda, (38) Setor: Caldeiraria e Solda
Caldeireiro, (6) Lixador, (8) Soldador, (2) Maçariqueiro. Nº de Funcionários: 61
Trabalho em Altura  Sim  Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Fonte Geradora / Local Danos à Saúde Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
existente Risco quantitativa
Maquinas e Equipamentos
Monitoramento do Ruído.
Proveniente das áreas industriais Redução da capacidade
Ruído EPI 2 1 Tolerável Avaliar Treinamento quanto ao uso de
em operação, da U220A, U683 e auditiva
EPI recomendado.
Unidades Auxiliares
Físico Radiação não Processo de Corte de Chapas e Treinamento quanto ao uso de
Conjutivite ocular EPI 1 1 Trivial ----
ionizante Soldagem EPI recomendado.
Superfícies quentes dos Queimaduras, Treinamento quanto ao uso de
EPI
Calor equipamentos, tubulações, ação desidratação e irritação 1 1 Trivial ---- EPI recomendado.
Hidratação
do sol de pele. Revezamento e hidratação
Monitoramento do Agente
Corte de Chapas, Tubulação,
Fumos Químico.
Processo de Queima de Eletrodo Intoxicação respiratória EPI 2 1 Tolerável Avaliar
metálicos Treinamento quanto ao uso de
durante a soldagem.
EPI recomendado.
Químico
Maquinas e Equipamentos
Gases e Proveniente das áreas industriais Irritação, intoxicação Treinamento quanto ao uso de
EPI 1 1 Trivial ----
vapores em operação, da U220A, U683 e respiratória. EPI recomendado.
Unidades Auxiliares
Biológico Inexistente ---- ---- ---- ---- ---- ---- ---- ----
MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR-17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
Isolamento, Sinalização de segurança, recipientes de armazenamentos, andaime conforme procedimento REPLAN. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência
Capacete de Segurança 01 Calçado de Segurança c/ Biqueira de Aço 01
Óculos de Proteção 01 Luvas de Proteção Mista 01
Protetor auricular tipo plug 01 Uniforme resistente ao fogo 01
Avental em Raspa 01 Mascara ou Óculos Contra Radiação Não Ionizante 01
Cinto de Segurança 01 Respirador semi-facial PFF2 ou Contra Gases e Vapores 01
Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION
1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
18
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


Setor: Pintura
GHE 05: (1) Encarregado de Pintura, (1) Inspetor de Pintura, (6) Pintor.
Nº de Funcionários: 08
Trabalho em Altura  Sim  Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Fonte Geradora / Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Danos à Saúde Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
Local existente Risco quantitativa
Maquinas e Equipamentos
Proveniente das áreas Monitoramento do Ruído.
Redução da capacidade
Físico Ruído industriais em operação, da EPI 2 1 Tolerável Avaliar Treinamento quanto ao uso de
auditiva
U220A, U683 e Unidades EPI recomendado.
Auxiliares
Compromete visão; dano
reprodutivo feminino; aborto.
Irritação nos olhos e no trato Respirador
respiratório superior; PFF2 VO Monitoramento do Agente
Hidrocarbonetos Processo de trabalho de
compromete o sistema Respirador + Químico e Treinamento quanto
Aromáticos pintura dos equipamentos e Tolerável Avaliar
nervoso central. Irritação no Filtro 2 1 ao uso do
TXE tubulações.
trato respiratório superior; Químico EPI recomendado.
danos nos rins (nefropatia);
comprometimento cóclea
Químico (sistema auditivo).
Maquinas e Equipamentos
Proveniente das áreas
Irritação, intoxicação Treinamento quanto ao uso de
Gases e vapores industriais em operação, da EPI 1 1 Trivial ----
respiratória. EPI recomendado.
U220A, U683 e Unidades
Auxiliares
Processo de limpeza da Monitoramento do Agente
Poeiras não area, lixamento de peças e Dermatite de contato ou Respirador Químico e Treinamento quanto
2 1 Tolerável Avaliar
fibrogenicas superfícies dos alergia PFF2 ao uso do
equipamentos EPI recomendado.
Biológico Inexistente ---- ---- ---- ---- ---- ---- ---- ----
MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR-17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
Isolamento, Sinalização de segurança, recipientes de armazenamentos, andaime conforme procedimento REPLAN. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência
Capacete de Segurança 01 Calçado de Segurança c/ Biqueira de Aço 01
Óculos de Proteção 01 Luvas de Latex/ Luvas de segurança mista 01
Protetor auricular tipo plug 01 Uniforme Resistente ao Fogo 01
Cinto Segurança 01 Respirador Purificador PFF2 ou Contra Gases e Vapores 01
Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION
1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação
Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
19
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


GHE 06: (2) Encarregado de Complementar, (4) Isolador, (2) Funileiro, (20) Setor: Complementar e Isolamento
Auxiliar de Serviços Gerais. Nº de Funcionários: 28
Trabalho em Altura  Sim  Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Fonte Geradora / Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Danos à Saúde Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
Local existente Risco quantitativa
Maquinas e Equipamentos
Proveniente das áreas Monitoramento do Ruído.
Redução da
Ruído industriais em operação, da EPI 2 1 Tolerável Avaliar Treinamento quanto ao uso
capacidade auditiva
U220A, U683 e Unidades de EPI recomendado.
Físico
Auxiliares
Superfícies quentes dos Queimaduras, Treinamento quanto ao uso
EPI
Calor equipamentos e desidratação e irritação 1 1 Trivial ---- de EPI recomendado.
Hidratação
tubulações, ação do sol. de pele. Revezamento e hidratação
Processo de remoção e
Monitoramento do Agente
Poeiras não instalação do isolamento Dermatite de contato
EPI 2 1 Tolerável Avaliar Químico. Treinamento quanto
fibrogenicas nos equipamentos e ou alergia
ao uso de EPI recomendado.
tubulações. Limpeza geral
Químico Maquinas e Equipamentos
Proveniente das áreas
Irritação, intoxicação Treinamento quanto ao uso
Gases e vapores industriais em operação, da EPI 1 1 Trivial ----
respiratória de EPI recomendado.
U220A, U683 e Unidades
Auxiliares
Biológico Inexistente ---- ---- ---- ---- ---- ---- ---- ----

MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR-17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
Isolamento, Sinalização de segurança, recipientes de armazenamentos, andaime conforme procedimento REPLAN. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência
Capacete de Segurança 01 Calçado de Segurança c/ Biqueira de Aço 01
Óculos de Proteção 01 Luvas de Proteção tipo Mista e de Látex 01
Protetor auricular tipo plug 01 Uniforme Resistente ao Fogo 01
Cinto de Segurança 01 Respirador semi-facial PFF2 ou Contra Gases e Vapores 01
Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION
1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
20
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


GHE 07: (32) Montador de Andaime, (3) Encarregado de Andaime, (4) Eletricista, Setor: Elétrica, Andaime e Apoio.
(22) Observador de Espaço Confinado. Nº de Funcionários: 61
Trabalho em Altura  Sim  Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Danos à Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Fonte Geradora / Local Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
Saúde existente Risco quantitativa
Maquinas e Equipamentos
Monitoramento do ruído.
Proveniente das áreas industriais Redução da
Físico Ruído EPI 2 1 Tolerável Avaliar Treinamento quanto ao uso de
em operação, da U220A, U683 e capacidade auditiva
EPI recomendado.
Unidades Auxiliares
Maquinas e Equipamentos
Irritação,
Gases e Proveniente das áreas industriais Treinamento quanto ao uso de
Químico intoxicação EPI 1 1 Trivial ----
Vapores em operação, da U220A, U683 e EPI recomendado.
respiratória
Unidades Auxiliares
Biológico Inexistente ---- ---- ---- ---- ---- ---- ---- ----

MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR.17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
Isolamento, Sinalização de segurança, recipientes de armazenamentos, andaime conforme procedimento REPLAN. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Grau
Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência Equipamentos de Proteção Individual:
Eficiência
Capacete de Segurança 01 Calçado de Segurança com biqueira de polipropileno / aço 01
Óculos de Proteção 01 Luvas de Proteção tipo Mista 01
Protetor auricular tipo plug 01 Uniforme resistente ao fogo. 01
Cinto de Segurança 01 Respirador semi-facial PFF2 ou Contra Gases e Vapores 01
Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION
1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
21
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


GHE 08: (2) Carpinteiro Setor: Carpinteiro
Nº de Funcionários: 02
Trabalho em Altura  Sim  Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Fonte Geradora / Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Danos à Saúde Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
Local existente Risco quantitativa
Maquinas e Equipamentos
Proveniente das áreas Monitoramento do Ruído.
Redução da
Físico Ruído industriais em operação, da EPI 2 1 Tolerável Avaliar Treinamento quanto ao uso
capacidade auditiva
U220A, U683 e Unidades de EPI recomendado.
Auxiliares
Poeiras não Processo de corte de Dermatite de contato Treinamento quanto ao uso
EPI 1 1 Trivial ----
fibrogenicas tábuas de madeira ou alergia de EPI recomendado.
Maquinas e Equipamentos
Químico
Proveniente das áreas
Irritação, intoxicação Treinamento quanto ao uso
Gases e vapores industriais em operação, da EPI 1 1 Trivial ----
respiratória de EPI recomendado.
U220A, U683 e Unidades
Auxiliares
Biológico Inexistente ---- ---- ---- ---- ---- ---- ---- ----

MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR-17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
Isolamento, Sinalização de segurança, recipientes de armazenamentos, andaime conforme procedimento REPLAN. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência
Capacete de Segurança 01 Calçado de Segurança c/ Biqueira de Aço 01
Óculos de Proteção 01 Luvas de Proteção tipo Mista 01
Protetor auricular tipo plug 01 Uniforme Resistente ao Fogo 01
Cinto de Segurança 01 Respirador semi-facial PFF2 ou Contra Gases e Vapores 01
Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION
1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
22
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


GHE 09: (2) Motorista de Van, (2) Motorista Munck, (2) Operador, (2) Motorista Setor: Transporte e Movimentação de Carga
de Veículo Leve. Nº de Funcionários: 08
Trabalho em Altura Sim   Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Fonte Geradora / Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Danos à Saúde Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
Local existente Risco quantitativa
Maquinas e Equipamentos
Proveniente das áreas Monitoramento do Ruído.
Redução da
Físico Ruído industriais em operação, da EPI 2 1 Tolerável Avaliar Treinamento quanto ao uso
capacidade auditiva
U220A, U683 e Unidades de EPI recomendado.
Auxiliares
Maquinas e Equipamentos
Proveniente das áreas
Irritação, intoxicação Treinamento quanto ao uso
Químico Gases e vapores industriais em operação, da EPI 1 1 Trivial ----
respiratória de EPI recomendado.
U220A, U683 e Unidades
Auxiliares
Biológico Inexistente ---- ---- ---- ---- ---- ---- ---- ----

MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR-17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
Isolamento, Sinalização de segurança, recipientes de armazenamentos, andaime conforme procedimento REPLAN. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência
Capacete de Segurança 01 Calçado de Segurança c/ Biqueira de Aço 01
Óculos de Proteção 01 Luvas de Proteção tipo Mista 01
Protetor auricular tipo plug 01 Uniforme Resistente ao Fogo 01
Respirador semi-facial PFF2 ou Contra Gases e Vapores 01
Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION
1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
23
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


Setor: Higiene e Conservação
GHE 10: (2) Faxineira.
Nº de Funcionários: 02
Trabalho em Altura  Sim  Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Fonte Geradora / Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Danos à Saúde Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
Local existente Risco quantitativa
Ruido de fundo
Proveniente das áreas
industriais em operaçãos Treinamento quanto ao uso de
Redução da
Físico Ruído próximas ao canteiro EPI 1 1 Trivial ---- EPI recomendado quando se fizer
capacidade auditiva
administrativo e ou necessário.
equipamento condicionador
de ar.
Produto de Processo de limpeza das Treinamento quanto ao uso de EPI
Químico Irritação de Pele EPI 1 1 Trivial ----
limpeza salas e áreas dos canteiros. recomendado.
Banheiros, sanitarios e Treinamento quanto ao uso de EPI
Biológico Microorganimo Doenças de infecção EPI 1 1 Trivial ----
Vestiários do canteiro. recomendado.

MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR.17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Grau Grau
Equipamentos de Proteção Individual: Equipamentos de Proteção Individual:
Eficiência Eficiência
Capacete de Segurança - Calçado de Segurança c/ Biqueira de Aço 01
Óculos de Proteção 01 Luvas de Latex 01
Protetor auricular tipo plug - Uniforme Resistente ao Fogo 01
Bota PVC 01
Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION
1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
24
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


Setor: Saúde
GHE 11: (1) Médico do Trabalho
Nº de Funcionários: 01
Trabalho em Altura  Sim  Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Fonte Geradora / Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Danos à Saúde Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
Local existente Risco quantitativa
Ruido de fundo
Proveniente das áreas
industriais em operaçãos Treinamento quanto ao uso de
Redução da
Físico Ruído próximas ao canteiro EPI 1 1 Trivial ---- EPI recomendado quando se fizer
capacidade auditiva
administrativo e ou necessário.
equipamento condicionador
de ar.
Químico Inexistente ---- ---- ---- ---- ---- ---- ---- ----
Bactérias, Atendimento de Saúde /
Treinamento quanto ao uso de EPI
Biológico fungos, vírus e Consultório no canteiro de Doenças de infecção EPI 1 1 Trivial ----
recomendado.
protozoários. obras

MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR.17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Grau Grau
Equipamentos de Proteção Individual: Equipamentos de Proteção Individual:
Eficiência Eficiência
Capacete de Segurança - Calçado de Segurança c/ Biqueira de Aço -
Óculos de Proteção - Luvas de Latex -
Protetor auricular tipo plug - Máscara de TNT 01
Bota PVC - Luva Cirúrgica 01
Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION
1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
25
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

RECONHECIMENTO DE RISCO – ANÁLISE QUALITATIVA / QUANTITATIVA


Setor: Suprimentos
GHE 12: (2) Técnico de Materiais, (2) Almoxarife, (2) Auxiliar de Almoxarife.
Nº de Funcionários: 06
Trabalho em Altura  Sim  Não Espaço Confinado  Sim  Não
IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO
Danos à Controle Grau de Avaliação
Risco / Agente Fonte Geradora / Local Signif. Grav. AÇÃO ADOTADA
Saúde existente Risco quantitativa
Maquinas e Equipamentos
Proveniente das áreas industriais Redução da Treinamento quanto ao uso de EPI
Físico Ruído EPI 1 1 Trivial ----
em operação, da U220A, U683 e capacidade auditiva recomendado.
Unidades Auxiliares
Maquinas e Equipamentos
Irritação,
Gases e Proveniente das áreas industriais Treinamento quanto ao uso de
Químico intoxicação EPI 1 1 Trivial ----
Vapores em operação, da U220A, U683 e EPI recomendado.
respiratória
Unidades Auxiliares
Fungos,
Ar condicionado / Salas Doenças Limpeza e
Biológico bactérias e 1 1 Trivial ---- Limpeza de forma sistêmica.
administrativas dos canteiros respiratórias manutenção
vírus.

MEDIDAS DE CONTROLE
EPC - Equipamentos de Proteção Coletiva:
Estudo sobre o Lay-out e iluminação conforme NR.17 01
Plano de evacuação de área conforme REPLAN (sinal do alarme, pontos de encontro, simulados de evacuação). 01
Equipamento de proteção contra incêndios. 01
Isolamento, Sinalização de segurança, recipientes de armazenamentos, andaime conforme procedimento REPLAN. 01
EPI – Equipamentos de Proteção Individual:
Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência Equipamentos de Proteção Individual: Grau Eficiência
Capacete de Segurança 01 Calçado de Segurança c/ Biqueira de Aço 01
Óculos de Proteção 01 Luvas de Proteção tipo Mista 01
Protetor auricular tipo plug 01 Uniforme resistente ao fogo. 01

Grau Eficiência / Fonte: AIHA – AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION


1-Adequado 2- Inadequado 3- Parcialmente Adequado 4- Em instalação

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
26
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

8.2. Descrição das Funções:

GHE 01

Administrativo:
Coordenar atividades de rotina administrativa; administrar controles diários referentes aos apontamentos de
cartões de pontos; administrar distribuição dos benefícios (VT, VR, VA, PLANO DE SAUDE); preparar relatórios
mantendo controle dos mesmos; atender colaboradores para esclarecimento de dúvidas; receber / entregar
documentos sobre admissões, demissões, férias e/ou outros; encaminhar os funcionários aos setores
competentes; realizar trabalhos de digitação, elaborar relatórios de acordo com as necessidades; receber/enviar
malotes para Sede e/ou para outros setores e fazer sua distribuição conforme solicitado; controlar documentos;
manter o arquivo atualizado; suas atribuições desenvolvem-se, principalmente, nos escritórios; uso de recursos
de informatica; maquina de calcular; manuais de Legislação; materiais de escritorio; telefone e agenda; seguir e
obedecer às normas.

Auxiliar Administrativo:
Auxiliar nas atividades de rotina administrativa; auxiliar nos controles diários referentes aos apontamentos de
cartões de pontos; auxiliar na distribuição dos benefícios (VT, VR,VA, PLANO DE SAUDE); preparar relatórios
mantendo controle dos mesmos; atender colaboradores para esclarecimento de dúvidas; receber / entregar
documentação sobre admissões, demissões, férias e/ou outros; encaminhar os funcionarios aos setores
competentes; realizar trabalhos de digitação; elaborar relatórios de acordo com as necessidades; receber/enviar
malotes para Sede e/ou para outros setores e fazer sua distribuição conforme solicitado; controlar documentos;
manter o arquivo atualizado; suas atribuições desenvolvem-se, principalmente, nos escritórios; uso de recursos
de informatica; maquina de calcular; manuais de Legislação; materiais de escritorio; telefone e agenda; seguir e
obedecer as normas e procedimentos de qualidade e proteção e preservação do meio ambiente; cumprir as
normas técnicas da sua área e de segurança do trabalho.

Técnico de Documentação:
Elaborar, preencher, revisar documentos da Qualidade; enviar e arquivar documentos técnicos; emitir e controlar
relatórios END´S; controlar e cadastrar isométricos; cadastrar relatórios no sistema, conforme execução do
serviço, suas atribuições desenvolvem-se, principalmente, nos escritórios; seguir e obedecer às normas e
procedimentos de qualidade e proteção e preservação do meio ambiente; cumprir as normas técnicas da sua
área e de segurança do trabalho.

Auxiliar de Documentação:
Auxilia o Técnico de documentação na elaboração, no preenchimento, na verificação de documentos da
Qualidade; enviar e arquivar documentos técnicos; emitir e controlar relatórios END´S; controlar e cadastrar
isométricos; cadastrar relatórios no sistema, conforme execução do serviço, suas atribuições desenvolvem-se,
principalmente, nos escritórios; seguir e obedecer às normas e procedimentos de qualidade e proteção e
preservação do meio ambiente; cumprir as normas técnicas da sua área e de segurança do trabalho.

Projetista:
Planejar e desenvolver projetos de ferramentas, produtos da mecanica, moldes e metrizes; coletar dados do
projeto; aplicar equipamentos e instrumentos disponiveis; especificar material usado; desenvolver prototipos;
estimar custo e beneficio; acompanhar provas praticas; coordenar a execução do projeto; participar do sistema
de gestão e qualidade; estabelecer indicadores de qualidade de manutenção; elaborar documentação técnica;
administrar recursos; administrar conflitos; aplicar e participar dos DDS; manter estreito contato com a
engenharia e planejamento onde receberão as coordenadas para execução dos trabalhos; transmitir as equipes
o cumprimento dos programas de segurança definidos pela empresa; suas atribuições desenvolvem-se,
principalmente, nos escritórios, nas áreas de processo, oficinas e pipe-shops onde estiverem as equipes de
trabalho; Seguir e obedecer as normas e procedimentos de qualidade e proteção e preservação do meio
ambiente; cumprir as normas técnicas e de segurança de sua área.

Administrativo de Obras:
Assistir ao superior imediato nas atividades relativas à administração de pessoal, contabilidade, finanças e
recursos humanos da obra. Participar da elaboração de projetos ou planos de organização dos serviços
administrativos, compondo fluxogramas, organogramas e demais esquemas, a fim de atingir uma maior
produtividade e eficiência nos serviços.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
27
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Assistente Administrativo:
Assistir ao superior imediato nas atividades relativas a administração de pessoal, contabilidade, finanças e
recursos humanos da obra. Elaborar Juntamente com o supervisor imediato a programação semanal dos
serviços a serem executados acertando prazos, a fim de que sejam cumpridas as metas estabelecidas.

GHE 02
Gerente de Obra:
Coordenação geral da equipe e responsável pela execução dos trabalhos mantendo contato com os
departamentos de planejamento, fiscalização e gerência da contratante; Representar a empresa em reuniões
com a fiscalização; Garantir a execução dos trabalhos de acordo com as especificações técnicas; Coordenar os
serviços gerais de pré-parada e parada; Coordenar a parte administrativa da obra; Gerenciar os problemas
técnicos de segurança; Seguir e fazer cumprir os procedimentos implementados pelo cliente; Seguir e fazer
cumprir as Normas relativas á Saúde e Segurança do trabalho, Segurança Empresarial e Preservação
Ambiental, adotadas pela empresa e pelo cliente.

Supervisor:
Supervisionar a equipe de trabalho orientando-a na execução das tarefas, visando à realização do cronograma
pré-estabelecido; Auxiliar a equipe na interpretação dos desenhos para executar os projetos e serviços serem
realizados; Fiscalizar procedimentos operacionais; Procurar melhorias contínuas de funções, segurança,
desenvolvimento de pessoal e produtividade; Seguir e obedecer as normas e procedimentos de segurança e
preservação do meio ambiente.

Coordenador de CQ:
Executa inspeções em equipamentos e assessórios e preparação de relatórios; auxilia o tecnico de
documentação na elaboração de documentos; as principais atribuições da função são aplicar e inspecionar a
execução de todos os sistemas de garantia de qualidade nas execuções das inspeções realizadas, bem como as
responsabilidades pelo acompanhamento da emissão de relatórios de inspeção de serviços, cumprimento de
normas e procedimentos de execução de testes; detecção e registro de não-conformidades, acompanhamento
das ações corretivas, encaminhamento de documentação de controle ao cliente e entrega do data – book, ao
final da obra; suas atribuições desenvolvem-se, principalmente, nos escritórios, nas áreas de processo, oficinas
e pipe-shops estiverem suas equipes de trabalho; seguir e obedecer as normas e procedimentos de qualidade e
proteção e preservação do meio ambiente; cumprir as normas técnicas e de segurança de sua área.

Técnico de Planejamento:
Coordenar a elaboração de planos de trabalho, dos cronogramas com aplicação de software específico, o
acompanhamento e a verificação do controle da apropriação da mão de obra utilizada nos trabalhos e a
evolução dos mesmos; Realiza o delineamento das solicitações de serviços, considerando o tempo necessário
na execução das tarefas, bem como a dependência entre as mesmas e as prioridades; Revisa, absolve e
complementa o planejamento fornecido pela Petrobrás; Digitação de Relatório Diário de Obra; Apoiar o Técnico
de Segurança para o cumprimento das diretrizes do Plano e Normas de Segurança; Manter informado o
Engenheiro Coordenador, sobre a programação dos serviços; Seguir e obedecer às normas e procedimentos de
segurança e preservação do meio ambiente.

Engenheiro Preposto:
Acompanha projetos e o desenvolvimento diretamente das tarefas programadas em campo, orienta a área
técnica de planejamento, programando os trabalhos.

Coordenador de Planejamento:
Coordena o planejamento na programação de rotina, bem como nas chamadas de emergência; elaboração dos
cronogramas das atividades; programação de horas extras, bem como no fechamento de medições empresa e
cliente; elaboração de relatórios de acordo com as necessidades; apropriação de serviços; suas atribuições
desenvolvem-se, principalmente, nos escritórios; seguir e obedecer as normas e procedimentos de qualidade e
proteção e preservação do meio ambiente; cumprir as normas técnicas e de segurança de sua área.

Auxiliar Técnico de Planejamento:


Auxilia o Técnico de Planejamento no planejamento da programação de rotina; na elaboração dos cronogramas
das atividades; na programação de horas extras e no fechamento de medições empresa e cliente; Realizar
trabalhos de digitação; elaborar relatórios; suas atribuições desenvolvem-se, principalmente, nos escritórios, nas
Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
28
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

áreas de processo, oficinas e pipe-shops onde se tenha equipes de trabalho; seguir e obedecer às normas e
procedimentos de qualidade e proteção e preservação do meio ambiente; cumprir as normas técnicas de sua
área e de segurança do trabalho.

Coordenador de SMS:
Elaborar programas de segurança na UT; participar de reuniões de coordenação; supervisionar trabalhos da
equipe de SMS, distribuir trabalhos para equipe de SMS; desenvolver Inspeção de Segurança; ministrar palestra
de Segurança; participar da elaboração do PPRA; elaborar CAT; controlar exames Admissional, Periódico e de
Retorno ao trabalho; fazer controle de EPIS; avaliar riscos de acidentes no local das atividades; aplicar ações de
controle de risco; acompanhar implantação do 5S; avaliar setor de trabalho; especificar ferramentas e EPI’s,
elaborar Relatórios de reuniões extraordinárias; investigar acidentes; ministrar palestras mensal relacionada ao
PPRA; coordenar trabalhos da CIPA; aplicar Treinamento de Segurança para funcionários recém contratados;
acompanhar a aplicação dos 5’s; fiscalizar e orientar para que se cumpra todos os quesitos relacionados às
Normas de Segurança, saúde, e Meio Ambiente.

Auxiliar Técnico de Segurança do Trabalho:


Auxiliar os técnicos de segurança nas atividades gerais que envolvem a área de segurança como: digitar
relatórios diversos, preencher formulários, requisitar materiais, etc., de acordo com as necessidades; zelar pela
organização e limpeza da área de trabalho; orientar, corrigir os colaboradores quanto ao uso de EPI’s, condições
inseguras e atos inseguros; zelar pela observância das normas operacionais e de higiene e segurança no
trabalho; suas atribuições desenvolvem-se, principalmente, nos escritórios, nas áreas de processo, oficinas e
pipe-shops onde estiverer a equipes de trabalho; seguir e obedecer as normas e procedimentos de qualidade e
proteção e preservação do meio ambiente; cumprir as normas técnicas e de segurança de sua área.

Técnico de Segurança do Trabalho:


Realizar auditorias e inspeções nos locais de trabalho; Acompanhar DDSMS e DSSMS, Promover treinamentos,
Organizar documentação para auditórias Replan e TECSOLDA Engenharia ; Orientações aos trabalhadores de
procedimentos e praticas de segurança no trabalho; Desenvolver atividades de técnicas e avaliação e controle,
treinamentos, gestão de sistemas, auditorias e coordenação de equipes, sendo pelo menos 3 anos em unidades
industriais da área de petróleo ou petroquímicas e conhecimento das normas de segurança NR´s ISO 90001 e
OSHAS 18001. Fazer cumprir as normas e procedimentos de segurança e preservação do meio ambiente.

Engenheiro de Segurança do Trabalho:


Coordena as atividades na área de segurança, como inspeção de serviço de campo; orienta os técnicos de
segurança do trabalho nas atividades de conscientização, educação e orientação dos trabalhadores para a
prevenção de acidentes; quanto a corrigir e supervisionar os colaboradores condições inseguras e atos
inseguros; confecção do programa de segurança; zela pela observância das normas operacionais e de higiene e
segurança no trabalho; implantar, treinar integrantes e assessorar a CIPA; Participar das Análises Preliminares
de Riscos (APR) e supervisionar sua aplicação; sugere e aplicar ações preventivas e / ou corretivas na execução
dos serviços; analisar e registrar os acidentes ocorridos; preencher relatórios estatísticos internos, para os
clientes e para o Ministério do Trabalho; suas atribuições desenvolvem-se, principalmente, nos escritórios, nas
áreas de processo, oficinas e pipeshops; seguir e obedecer as normas e procedimentos de qualidade e proteção
e preservação do meio ambiente; cumprir as normas técnicas e de segurança de sua área.

GHE 03:

Inspetor de Solda:
Realizar inspeções nas soldas, analisar os resultados e emiti relatórios; efetuar ensaios, nas tubulações e
equipamentos soldados; inspecionar serviços de solda; orientar soldadores quanto ao procedimento; analisar os
resultados e emiti relatórios; efetuar ensaios de líquidos penetrantes e partículas magnéticas, nas tubulações e
equipamentos soldados; inspecionar serviços de solda Seguir e obedecer às normas e procedimentos de
segurança e preservação do meio ambiente.

Inspetor de Equipamentos:
Fiscaliza o recebimento e especificação de materiais de aplicação em equipamentos, a execução dos trabalhos
em equipamentos industriais, verifica aplicação correta dos diferentes tipos de materiais e aplicação correta em
cada equipamento seguindo procedimentos técnicos; realiza a medição de produtividade na execução de
isolamento térmico. Suas atribuições desenvolvem-se, principalmente, nos escritórios, nas áreas de processo,
oficinas e pipe-shops onde se tenha equipes de trabalho; seguir e obedecer às normas e procedimentos de
Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
29
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

qualidade e proteção e preservação do meio ambiente; cumprir as normas técnicas da sua área e de segurança
do trabalho.

Inspetor de Líquido Penetrante LP e Partícula Magnética PM:


Realizar ensaios não destrutivos em soldas com líquidos penetrantes, analisar os resultados e emiti relatórios;
Efetuar ensaios de líquidos penetrantes e partículas magnéticas, nas tubulações e equipamentos soldados;
Inspecionar serviços de solda; Orientar soldadores quanto ao procedimento; Seguir e obedecer às normas e
procedimentos de segurança e preservação do meio ambiente.

Inspetor de Ultrassom:
Executante de ensaios não destrutivos, na especialidade pertinente (Ultrassom), sobre materiais ou soldas,
realizadas de acordo com as especificações técnicas, desenhos e procedimentos. Avaliação qualitativa do
trabalho executado. Uso de instrumentos pertinentes e elaboração de relatórios de inspeção. Orientação técnica
aos executantes dos serviços.

GHE 04:

Encarregado de Caldeiraria:
Liderar a equipe de trabalho orientando na execução das tarefas, visando à realização do cronograma pré-
estabelecido de manutenção; Orientar a equipe de funcionários durante a execução das tarefas pré-
estabelecidas; Fiscalizar os procedimentos operacionais; Zelar pela ordem, guarda, conservação e limpeza dos
materiais e equipamentos sob sua responsabilidade; Seguir e obedecer às normas e procedimentos de
segurança e preservação do meio ambiente.

Caldeireiro:
Preparar e efetuar manutenção em: caldeira, vasos, fornos, permutadores, tubulações e válvulas; Utilização de
ferramentas e equipamentos elétricos e pneumáticos para furar, rebitar, posicionar, fazer marcações, apertar e
dar acabamento; Remover, confeccionar e montar tubulações, incluindo válvulas, flanges, reduções, luvas e
estruturas metálicas; Sanar vazamentos em: uniões, gaxetas, tubulações e equipamentos; Raquetear e
desrraquetear tubulações; Realizar interpretação de desenhos técnicos de caldeiraria e tubulações industriais;
Atender as solicitações do seu superior imediato, na realização das tarefas sempre que necessário; Cortar e
preparar tubulações e chaparias para soldagem, esmerilhamento, desbaste, biselamento, auxílio aos soldadores;
Montar e desmontar válvulas, suportes e tubulações em geral, nas áreas e equipamentos operacionais em
manutenção; Zelar pela guarda e conservação das ferramentas e equipamentos sob sua responsabilidade;
Seguir e obedecer às normas e procedimentos de segurança e preservação do meio ambiente.

Encarregado de Solda:
Coordenar a execução de trabalhos com soldas ao arco elétrico, Tig, Mig, Oxiacetileno; Coordenar os trabalhos
de corte com grafite em tubulações, chaparias, estruturas, carcaças e outros equipamentos; Coordenar a
realização da regulagem dos manômetros e inversão das polaridades das máquinas; Coordenar todas as
atividades da área, envolvendo os trabalhos de solda; Fiscalizar procedimentos operacionais; Seguir e obedecer
às normas e procedimentos de segurança e preservação do meio ambiente.

Lixador:
Lixar e biselar os tubos a serem montados. Dar acabamento, através de lixadeira manual ou elétrica, em solda,
reparos de solda, reparos de revestimento, solda ponteada. Escovar os tubos utilizando-se de escova de aço ou
outro material apropriado.

Soldador:
Soldar tubulações, chaparias e uma diversidade de equipamentos; Desenvolver a execução de trabalhos com
soldas ao arco elétrico, Tig, Eletrodo Revestido e Arame Tubular Oxiacetileno; Realizar corte com grafite em
tubulações, chaparias, estruturas, carcaças e outros equipamentos; Preparar as superfícies a serem soldadas,
limpando a área com lixadeiras, picadeiras ou escovas de aço; Preparar e regular os equipamentos de solda;
Atender as solicitações do seu superior imediato, na realização das tarefas sempre que necessário; Seguir e
obedecer às normas e procedimentos de segurança e preservação do meio ambiente.

Maçariqueiro:
Chanfrar peças para posterior soldagem; cortar chapas de ferro, tarugos, etc., destinados a confecção de peças
diversas mediante a utilização do maçarico de acetileno; regular a intensidade de chama, deixando maior ou
Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
30
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

menor quantidade de acetileno ou oxigênio, de acordo com a espessura do material a cortar; efetuar outras
tarefas atribuídas a sua especialização, podendo desenvolver suas atividades em oficinas ou locais de obras.

GHE 05:

Encarregado de Pintura:
Inspecionar a área a ser pintada; Distribuir e orientar os profissionais para realização dos serviços de pintura;
Inspecionar os trabalhos executados; Formar e distribuir equipes de trabalho. Aplicar coberturas de pintura,
verniz, laca e outros produtos similares para proteger, conservar ou decorar superfícies interna e externa. Manter
o monitoramento dos serviços durante a realização, mantendo os padrões e métodos fixados nas normas e
procedimentos estabelecidos. Controlar o consumo de tintas, solventes, abrasivos e demais produtos, mantendo
sempre o estoque mínimo ao atendimento às demandas existentes nos trabalhos. Manter e organizar os paióis
de tintas. Tratar os produtos não conformes junto ao SGI da empresa. Cuidar da segurança dos seus
subordinados durante as operações de movimentação dos materiais e peças que estejam sendo pintadas e
peças acabadas. Gerenciam recursos materiais, monitoram procedimentos e normas do sistema de qualidade da
empresa. Coordenam ações voltadas para o meio ambiente e segurança do trabalho e elaboram documentação
técnica.

Inspetor de Pintura:
Coordenam, orientam e treinam equipes de trabalho de Pintura Industrial, tratamento de superfícies, nos
métodos, processos produtivos e da qualidade. Organizam equipamentos utilizados nos processos de produção,
estruturando arranjos físicos e células de trabalho. Monitoram processos de Pintura, Garantem a programação
da produção, dimensionando disponibilidade dos equipamentos e definindo pessoal em função do tipo, da
especificação do serviço, das prioridades e da sequência da produção. Gerenciam recursos materiais,
monitoram procedimentos e normas do sistema de qualidade da empresa. Coordenam ações voltadas para o
meio ambiente e segurança do trabalho e elaboram documentação técnica. Realizam os Relatórios de Inspeção
de Jateamento, Hidrojateamento e Pintura, Relatórios de Inspeção de recebimento de Tintas e Abrasivos e
Materiais.

Pintor:
Preparar as superfícies a serem pintadas, inclusive com lixadeira ou escova rotativa, removendo tinta, ferrugens
e impurezas com solventes especiais, tapando buracos com massas apropriadas, aplicando tinta anticorrosiva
em materiais metálicos. Preparar tintas, misturando-as, adicionando diluentes e secantos até atingir a cor ideal.
Pintar paredes, forros, portas, esquadrias, ferragens, painéis, móveis, etc., utilizando-se de pincéis, brochas ou
revólver para pintura, até atingir o acabamento ideal.

GHE 06:

Encarregado de Complementar:
Liderar a equipe de trabalho orientando na execução das tarefas de limpeza em equipamentos,; Orientar os
funcionários durante a execução das tarefas pré-estabelecidas; Fiscalizar os procedimentos operacionais; Zelar
pela ordem, guarda, conservação e limpeza dos materiais e equipamentos sob sua responsabilidade; Seguir e
obedecer às normas e procedimentos de segurança e preservação do meio ambiente.

Auxiliar de Serviços Gerais:


Limpeza de equipamentos e frentes de serviços; Auxilia no controle, movimentação e transporte de materiais e
equipamentos; Limpeza de equipamento em espaço confinado; Prestar auxílio na montagem, desmontagem e
manutenção de equipamentos; Auxiliar no controle, movimentação e transporte de materiais e equipamentos;
Atender as solicitações de seu superior imediato, na realização das tarefas, sempre que necessário; Seguir e
obedecer às normas e procedimentos de segurança e preservação do meio ambiente.

Isolador:
Executante de isolamento térmico com confecção e/ou instalação de componentes isolantes de acordo com os
requisitos de procedimentos e especificações técnicas. Uso de ferramentas e instrumentos pertinentes à
atividade.

Funileiro:

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
31
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Executar o traçado, corte, conformação e montagem de chapas finas ou corrugadas destinadas, principalmente,
ao isolamento de equipamentos ou tubulações de acordo com os requisitos de procedimentos e especificações
técnicas. Uso de ferramentas e instrumentos pertinentes à atividade.

GHE 07:

Montador de Andaime:
Separar, carregar, peças de andaime, fazer a montagem e desmontagem dos andaimes na área; Fazer a
montagem e desmontagem de andaimes; Limpar e organizar os materiais do andaime com o auxilio de carrinho
tipo plataforma (aeroporto) no barracão, lubrificar as abraçadeiras e luvas; Atender as solicitações do seu
superior imediato, na realização das tarefas; Seguir e obedecer às normas e procedimentos de segurança e
preservação do meio ambiente.

Encarregado de Andaime:
Coordenar a execução das atividades de montagem e desmontagem andaimes; executar cimbramento para lajes
e vigas, verificando tipo de andaimes a serem montados, materiais a serem utilizados, isolando e sinalizando a
área onde serão montados, eliminando materiais soltos.

Eletricista:
Montagem e reparos dos painéis elétricos das máquinas e sistemas de iluminação, mantendo e garantindo sua
operabilidade, montagem e manutenção das cabines primárias e secundárias, instalação e manutenção e troca
de componentes como transformadores e etc.; Cabem-lhe também a montagem e desmontagem destes
componentes, procedendo aos respectivos reparos, testes em bancada e nas oficinas; Executar manutenção
elétrica preventiva e corretiva de máquinas operatrizes, equipamentos e instalações industriais, analisando e
corrigindo as causas e defeitos, mediante a interpretação de diagramas e catálogos técnicos dos fabricantes e
outros procedimentos específicos, utilizando ferramentas manuais e equipamentos de apoio para concluir o
serviço; Testar equipamentos elétricos, utilizando-se de aparelhos apropriados; Realizar manutenção em painéis
distribuidores, trocando fusíveis e efetuando reparos; Seguir e obedecer às normas e procedimentos de
segurança e preservação do meio ambiente.

Observador de Espaço Confinado:


Vigiar e fiscalizar a realização de serviços em espaços confinados, assegurando que somente as pessoas
autorizadas e envolvidas, devidamente protegidas e treinadas, tenham acesso às áreas de risco. Manter
continuamente a contagem de trabalhadores autorizados no espaço confinado e assegurar que todos saiam ao
término da atividade. Permanecer fora do especo confinado, em contato permanente com os trabalhos
autorizados. Adotar os procedimentos de emergência, acionando a equipe de salvamento, pública ou privada,
quando necessário. Ordenar o abandono do espaço sempre que reconhecer algum sinal de alarme, perigo,
sintoma, queixa, condição proibida, acidente, situação não prevista ou quando não puder desempenhar
efetivamente suas tarefas, nem ser substituído por outro Vigia.

GHE 08:

Carpinteiro:
Montar, fabricar, modificar peças e estruturas de madeira; confeccionar e instalar batentes; executar, remover e
reparar coberturas em telhas de alumínio e fibrocimento; ler e interpretar desenhos de carpintaria; conhecer e
manusear máquinas e equipamentos de carpintaria; examinar os desenhos e esboços recebidos, analisando as
especificações técnicas constantes nos mesmos, para determinar o material a ser utilizado na execução dos
serviços; executar a traçagem e marcação de pontos sobre a madeira a ser trabalhada, obedecendo às formas e
dimensões constantes nos desenhos e croquis para execução dos cortes e entalhes; trabalhar a madeira,
cortando, torneando ou fazendo entalhes com ferramentas e máquinas apropriadas; armar as partes de madeira
trabalhada; colocar ferragens; solicitar a pintura, envernizamento ou enceramento das peças e os móveis
confeccionados; reparar peças e móveis de madeira, recuperando ou substituindo as partes danificadas.

GHE 09:

Motorista de Van:
Conduzir veículos tipo furgão e ou similares, fazendo o transporte de pessoas, peças e pequenos equipamentos;
Efetuar viagens de curtas distâncias e eventualmente longas; Preencher relatórios; zelar pela guarda e

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
32
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

conservação do veículo; Seguir e obedecer às normas e procedimentos de segurança e preservação do meio


ambiente.

Motorista de Veículo Leve:


Operar veículo leve, verificando as condições de funcionamento do equipamento, observando os pneus, as
condições do veículo, o nível de óleo, temperatura da água, testar as condições de segurança da direção e do
freio. Receber as orientações de trabalho do superior imediato e dirigir-se ao local para o qual foi designado.

Motorista Munck:
Conduzir veiculo de grande porte com equipamento munck montado, fazendo o transporte, peças e
equipamentos; Movimentando cargas com o auxilio do munck; Efetuar viagens de curtas distâncias e
eventualmente longas Transporte de equipamentos e materiais; Carga e descarga de materiais e equipamentos.
Responsabilidades: Examinar o estado de conservação dos estropos, manilhas e cabos; Verificar com precisão o
peso dos equipamentos a serem içados; Zelar pela conservação e manutenção do veículo; Responsável por
infrações de transito cometidas.

Operador:
Planejam o trabalho, realizam manutenção básica de máquinas pesadas e as operam; seguir e obedecer às
normas e procedimentos de segurança e preservação do meio ambiente.

GHE 10:

Faxineira:
Executar serviços de limpeza do ambiente de trabalho administrativo e demais dependências do canteiro e áreas
de acordo com as necessidades; Limpar vestiários, escritórios e banheiros; Utilizar equipamentos e produtos, na
realização da limpeza, conforme orientação de seus superiores; Fazer e servir café; Seguir e obedecer às
normas e procedimentos de segurança e preservação do meio ambiente.

GHE 11:

Médico do Trabalho:
Realizar controle médico de candidatos e empregados, através de exames médicos pré-admissionais,
periódicos, especiais e de ambulatório de saúde operacional efetuando entrevistas e exames físicos, emitindo
laudos de abreugrafia e analisando resultado de exames de laboratórios e casos de reabilitação profissional.
Submeter, quando necessário, os empregados a tratamento, ministrando medicamentos ou encaminhando-os
para especialistas. Coordenar as atividades de tipagem sangüínea, abreugrafias, biométrica e vacinação. Efetuar
perícia médica nos funcionários que estão retornando do afastamento por auxílio doença. Coordenar equipe de
saneamento, na execução das atividades de combate a insetos e roedores, controle da portabilidade da água,
controle de pureza biológica e controle de cloro residual, bem como na realização de inquéritos sanitários que
visam levantar irregularidades de âmbito sanitário. Realizar inspeções em ambientes de trabalho, efetuando
levantamentos de irregularidades de higiene do trabalho e, juntamente com a área de segurança do trabalho,
encaminhar sugestões aos responsáveis, buscando a solução de tais condições.

GHE 12:
Técnico de Materiais:
Auxilia na entrega dos materiais a serem utilizados, bem com sua seleção, controle, separação e retirada do
almoxarifado do cliente; Controlar a aplicação dos materiais utilizados por serviço; Emitir a requisição,
verificação de especificações, armazenamento e distribuição dos materiais a serem utilizados; Relacionar e
requisitar materiais não previstos; Manter controle do quantitativo dos materiais utilizados; Emitir relatórios de
tratamento de não conformidades; Devolver materiais não utilizados durante a após o evento; Seguir e obedecer
as normas e procedimentos de segurança e preservação do meio ambiente.

Almoxarife: Realiza o controle de entrada e saída de materiais consumíveis gerais, EPI´s, ferramentas,
máquinas, equipamentos diversos e notas fiscais; Receber e conferir, identificar, armazenar, abastecer e
movimentar os materiais recebidos na obra; Ajuda no carregamento e descarregamento de caminhões, atende
no balcão entregando e recebendo peças, EPI´s, ferramentas e materiais diversos; Realizar check-list nos
almoxarifados; Efetua arrumação e limpeza das prateleiras e do local de trabalho; Auxilia o técnico de materiais e
preenche fichas e relatórios; Zela pela guarda e conservação de máquinas, equipamentos e ferramentas sob sua
Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
33
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

responsabilidade. Seguir e obedecer às normas e procedimentos de segurança e preservação do meio


ambiente.

Auxiliar de Almoxarife:
Controlar a entrada e saída de materiais; informar sobre as faltas de materiais que mantém estoque mínimo;
retirar e transportar materiais nas unidades de trabalho; atender balcão; entregar e receber materiais diversos;
arrumar e limpar prateleiras e local de trabalho; auxilia o Técnico Responsável no preenchendo de fichas e
relatórios; atender as solicitações do seu superior imediato, na realização de tarefas correlatas, sempre que
necessário; zelar pela guarda e conservação de máquinas, equipamentos e ferramentas sob sua
responsabilidade; contribuir para a efetiva e continua melhoria da qualidade dos produtos e serviços prestados;
suas atribuições desenvolvem-se, principalmente, nos escritórios; seguir e obedecer às normas e procedimentos
de qualidade e proteção e preservação do meio ambiente; cumprir as normas técnicas da sua área e de
segurança do trabalho.

9. GHE – GRUPO HOMOGÊNIO DE EXPOSIÇÃO (AVALIAÇÃO QUANTITATIVA)

FÍSICO (RUÍDO)
GHE
SETOR FUNÇÃO
Gerente de Obra
Supervisor
Coordenador CQ
Coordenação Técnico de Planejamento
Engenheiro Preposto
Área Operacional e
02 Coordenador de Planejamento
Administrativa
Auxiliar Técnico de Planejamento
Coordenador de SMS
Segurança do Auxiliar Técnico de Segurança do Trabalho
Trabalho Técnico de Segurança do Trabalho
Engenheiro de Segurança do Trabalho
Inspetor de Solda
Inspetor de Equipamentos
03 Inspeção Solda Inspeção de Solda
Inspetor de Líquido Penetrante LP e Partícula Magnética PM
Inspetor de Ultrassom
Encarregado de Caldeiraria
Caldeiraria
Caldeireiro
Encarregado de Solda
04 Caldeiraria
Lixador
Solda
Soldador
Maçariqueiro
Encarregado de Pintura
05 Pintura Pintura Inspetor de Pintura
Pintor
Encarregado de Complementar
Complementar
Auxiliar de Serviços Gerais
06 Complementar
Isolador
Isolamento
Funileiro
Montador de Andaime
Andaime
Encarregado de Andaime
07 Operacional
Elétrica Eletricista
Apoio Observador de Espaço Confinado
08 Carpintaria Carpinteiro Carpinteiro
Transporte Motorista de Van
Motorista de Veículo Leve
09 Transporte
Movimentação de Motorista Munck
Carga Operador

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
34
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

QUÍMICO (FUMOS METÁLICOS)


GHE
SETOR FUNÇÃO
Encarregado de Caldeiraria
Caldeiraria
Caldeireiro
Encarregado de Solda
04 Caldeiraria
Lixador
Solda
Soldador
Maçariqueiro

QUÍMICO (TXE)
GHE
SETOR FUNÇÃO
Encarregado de Pintura
05 Pintura Pintura Inspetor de Pintura
Pintor

QUÍMICO (PARTICULADO TOTAL)


GHE
SETOR FUNÇÃO
Encarregado de Pintura
05 Pintura Pintura Inspetor de Pintura
Pintor
Encarregado de Complementar
Complementar
Auxiliar de Serviços Gerais
06 Complementar
Isolador
Isolamento
Funileiro

10. EXECUÇÃO DOS TRABALHOS E FLUXO DAS ATIVIDADES:

SETORES
1. Pipe Shop
2. U220A, U683

10.1. Fluxograma de Atividade: Pipe Shop

Recebimento de materiais do
cliente.

Planejamento das peças a serem


confeccionados

Corte / emendas para ajustes de


tamanho para troca de
manutenção.

Processo de soldagem para


acabamentos

Encaminhamento das novas peças


confeccionadas para montagem
em equipamento

Limpeza do local de trabalho e


Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião gerenciamento
de resíduos
do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
35
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

ITEM FUNÇÃO RISCOS MEDIDAS DE CONTROLE

Luvas de vaqueta/ raspa,


calçado de segurança com
biqueira de aço, capacete de
Recebimento de materiais de Físico / Quimico/ segurança, óculos de segurança,
Técnico de materiais
cliente Acidente protetor auricular, uniforme
resistente ao fogo (RF),
respirador semi facial e
treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa,
calçado de segurança com
biqueira de aço, capacete de
Planejamento das peças a serem segurança, óculos de segurança,
Técncio de planejamento Físico/ Acidente
confeccionadas protetor auricular, uniforme
resistente ao fogo (RF),
respirador semi facial, cinto de
segurança e treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa,
calçado de segurança com
biqueira de polipropileno,
Físico / Acidente (Risco
Instalação de Painéis Elétricos Eletricista capacete de segurança, óculos
de Choque Elétrico)
de segurança, protetor auricular,
uniforme resistente ao fogo (RF),
e treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa,
calçado de segurança com
Físico / Químico/ biqueira de aço, capacete de
Corte / emendas para ajuste de
Acidente (Trabalho em segurança, óculos de segurança,
tamanho para troca de Caldeireiro
Altura e Espaço protetor auricular, uniforme
manutenção
Confinado) resistente ao fogo (RF),
respirador semi facial, cinto de
segurança e treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa,
calçado de segurança com
biqueira de aço, capacete de
Físico / Químico/ segurança, óculos de segurança,
Processo de soldagem e
Soldador Acidente (Trabalho em protetor auricular,Elmo para
acabamento
Altura e Espaço soldador, uniforme resistente ao
Confinado) fogo (RF), respirador semi facial,
cinto de segurança e
treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa,
calçado de segurança com
Físico / Quimico/ biqueira de aço, capacete de
Encaminhamento das novas
Caldeireiros e Auxiliar de Acidente (Trabalho em segurança, óculos de segurança,
peças confeccionadas para
serviços gerais Altura e Espaço protetor auricular, uniforme
montagem em equipamento
Confinado) resistente ao fogo (RF),
respirador semi facial, cinto de
segurança e treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa,
calçado de segurança com
Físico / Quimico/ biqueira de aço, capacete de
Pintura dos equipamentos após a Acidente (Trabalho em segurança, óculos de segurança,
Pintor
manutenção de caldeiraria Altura e Espaço protetor auricular, uniforme
Confinado) resistente ao fogo (RF),
respirador semi facial, cinto de
segurança e treinamento.
Físico / Químico/ Luvas de vaqueta/ raspa,
Limpeza do local de trabalho e Auxiliar de serviços Acidente (Trabalho em calçado de segurança com
gerenciamento de resíduos gerais Altura e Espaço biqueira de aço, capacete de
Confinado) segurança, óculos de segurança,
Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
36
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

protetor auricular, uniforme


resistente ao fogo (RF),
respirador semi facial, cinto de
segurança e treinamento.

10.2. Fluxograma de Atividade: Manutenção U220A, U683.

Liberação de PT ou PTT

Retirada de peça ou
equipamento danificado

Ajuste de novas peças


fabricadas a serem trocadas

Troca das peças ou


equipamento

Soldagem das peças

Pintura do Equipamento

Acabamento final

Inspeção da peça ou
equipamento

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
37
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

ITEM: FUNÇÃO RISCO: MEDIDAS DE CONTROLE

Liberação de PT ou
Encarregados Não identificado N/A
PTT
Luvas de vaqueta/ raspa, calçado de segurança
Físico / Químico / Acidente com biqueira de polipropileno, capacete de
Instalação de (Trabalho em Altura, segurança, óculos de segurança, protetor
Eletricista
painéis elétricos Espaço Confinado e Risco auricular, uniforme resistente ao fogo (RF),
de choque elétrico) respirador semi facial, cinto de segurança e
treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa, calçado de segurança
Retirada de peças Físico / Químico/ com biqueira de aço, capacete de segurança,
ou equipamentos Caldeireiros Acidente (Trabalho em óculos de segurança, protetor auricular,
danificados Altura e Espaço Confinado) uniforme resistente ao fogo (RF), respirador
semi facial, cinto de segurança e treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa, calçado de segurança
Ajuste de novas Físico / Químico/ com biqueira de aço, capacete de segurança,
Caldeireiro /
peças fabricadas a Acidente (Trabalho em óculos de segurança, protetor auricular,
Soldador
serem trocadas Altura e Espaço Confinado) uniforme resistente ao fogo (RF), respirador
semi facial, cinto de segurança e treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa, calçado de segurança
Físico / Químico/ com biqueira de aço, capacete de segurança,
Troca das peças ou
Caldeireiros Acidente (Trabalho em óculos de segurança, protetor auricular,
equipamentos
Altura e Espaço Confinado) uniforme resistente ao fogo (RF), respirador
semi facial, cinto de segurança e treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa, calçado de segurança
com biqueira de aço, capacete de segurança,
Físico / Químico/
Soldagem das óculos de segurança, Elmo para soldadores,
Soldadores Acidente (Trabalho em
peças protetor auricular, uniforme resistente ao fogo
Altura e Espaço Confinado)
(RF), respirador semi facial, cinto de segurança
e treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa, calçado de segurança
Físico / Químico/ com biqueira de aço, capacete de segurança,
Pintura do
Pintor Acidente (Trabalho em óculos de segurança, protetor auricular,
Equipamento
Altura e Espaço Confinado) uniforme resistente ao fogo (RF), respirador
semi facial, cinto de segurança e treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa, calçado de segurança
Físico / Químico/ com biqueira de aço, capacete de segurança,
Acabamento Final Caldeireiros Acidente (Trabalho em óculos de segurança, protetor auricular,
Altura e Espaço Confinado) uniforme resistente ao fogo (RF), respirador
semi facial, cinto de segurança e treinamento.
Luvas de vaqueta/ raspa, calçado de segurança
Inspetor de LP
Físico / Químico/ com biqueira de aço, capacete de segurança,
Inspeção da peça /
Acidente (Trabalho em óculos de segurança, protetor auricular,
ou equipamento Inspetor de
Altura e Espaço Confinado) uniforme resistente ao fogo (RF), respirador
solda
semi facial, cinto de segurança e treinamento.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
38
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

10.3. Máquinas, Equipamentos e Ferramentas.


Abaixo segue as máquinas, equipamentos e ferramentas utilizadas na execução das tarefas diárias na
obra:

Máquina de Solda
MÁQUINAS: Gerador de Energia
Caminhão Munck
Lixadeira
Maquita
Esmerilhadeira 7” e 4 ½”
EQUIPAMENTOS: Furadeira
Retífica
Conjunto oxiacetileno
Painel elétrico
Voltímetro
Ferramentas Manuais
FERRAMENTAS: Maçarico
Tifor

11. EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL E COLETIVO:

11.1. Seleção de EPI´s

EPI: DESCRIÇÃO: Nº CA’s:


Constituído de armação convencional
confeccionada em acetato azulado ou nylon
preto, protetores laterais em acetato ou náilon
Óculos de Segurança perfurado ou em tela de aço inox, hastes tipo
espátula e lentes de vidro oftálmico.

Modelo aba frontal, injetados em polietileno


de alta densidade, com três nervuras no
Capacete de Segurança casco, suspensão dupla regulável, injetada Arquivo Setor QSSMA
em polietileno de média densidade.

De espuma moldável, do tipo inserção, em


Protetor Auricular formato de cone, com base plana e o topo
arredondado.

Confeccionado em vaqueta curtida ao cromo,


palmilha de montagem, com biqueira de aço
Botina de Segurança e solado de poliuretano tipo Anabela.

Confeccionada em vaqueta, curtida ao


cromo, com tira de reforço externo em
Arquivo Setor QSSMA
vaqueta entre o polegar e indicador e elástico
Luva de Segurança (Mista)
para ajuste no dorso.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
39
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Respirador purificador de ar tipo Tipo peça semifacial filtrante para partículas,


peça semifacial filtrante de formato dobrável, com duas camadas,
para Pó PFF2 uma externa e outra interna.
Respiradores para vapores
Respirador semi-facial
orgânicos.

Avental de Raspa Confeccionado em couro

Perneira de Raspa Confeccionado em couro

Cinturão tipo parequedista, confeccionado em


Cinto de Segurança. carbono de material sintético.
Confeccionado em vaqueta curtida ao cromo,
Botina de Segurança com biqueira
palmilha de montagem, com solado e
de Polipropileno
biqueira de polipropileno.

11.2. Procedimento de EPI´s


11.2.1. Fornecimento:

EPI´s de uso permanente – o próprio usuário deverá retirar os EPI´s no Almoxarifado, mediante
assinatura da Ficha de Controle de EPI´s, servindo como comprovante de entrega e controle.
Os uniformes (RF) da TS Engenharia e Construções Ltda deverão ser retirados e trocados na sala de
EPI´s, para que os mesmos sejam enviados para higienização em empresa contratada e especializada.
O colaborador deverá comunicar ao almoxarifado qualquer avaria no uniforme ou contaminação, e
solicitar sua substituição quando o mesmo não estiver em condições de uso.

11.2.2. Substituição de EPI´s:

É de obrigação do empregado solicitar ao almoxarifado a substituição do EPI, sem condições de uso ou


avariado.

11.2.3. Armazenagem:

A armazenagem será feita em armários e/ou prateleiras, limpas, sendo que os materiais serão
separados de acordo com o tipo de cada um.

11.2.4. Higienização dos EPI´S:

A higienização dos EPI´s contaminados será feita por empresa contratada, especializada para esse fim e
também será de responsabilidade da mesma o descarte dos EPI em má condição de uso.

11.2.5- EPC – Equipamentos de proteção coletiva:

Cone de sinalização;
Tela de isolamento de área;
Guarda Corpo;
Proteção de máquinas (conjunto rotativo);
Extintores;
Placas de identificação;
Sistema de ventilação;
Tapumes.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
40
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

11.3. EPI´s por Funções.

Máscara ou Óculos Contra Radiação


Calçado de Segurança com Biqueira
Calçado de Segurança com Biqueira

Respirador Purificador Semi-facial


PFF1 ou PFF2 ou Contra Gases e
FUNÇÕES E

Luvas de Segurança Mista


USO DE

Luva de Látex/ Cirúgica


Capacete com Jugular

Óculos de Segurança

Roupa Impermeáveis
Cinto de Segurança
EPI´S
Protetor Auricular

Avental de Raspa

de Polipropileno

não Ionizante

Vapores/TNT

Bota de PVC
Uniforme RF
em PVC
de Aço
FUNÇÃO
Administrativo - - - - x - - - - - - x - -
Auxiliar Administrativo - - - - x - - - - - - x - -
Administrativo de Obras - - - - x - - - - - - x - -
Assistente Administrativo - - - - x - - - - - - x - -
Técnico de Documentação - - - - x - - - - - - x - -
Auxiliar de Documentação - - - - x - - - - - - x - -
Projetista - - - - x - - - - - - x - -
Gerente de Obra x x x x x - x - - x - x - -
Supervisor x x x x x - x - - x - x - -
Coordenador CQ x x x x x - x - - x - x - -
Técnico de Planejamento x x x x x - x - - x - x - -
Engenheiro Preposto x x x x x - x - - x - x - -
Coordenador de
x x x x x - x - - x - x - -
Planejamento
Auxiliar Técnico de
x x x x x - x - - x - x - -
Planejamento
Coordenador de SMS x x x x x - x - - x - x - -
Auxiliar Técnico de
x x x x x - x - - x - x - -
Segurança do Trabalho
Técnico de Segurança do
x x x x x - x - - x - x - -
Trabalho
Engenheiro de Segurança
x x x x x - x - - x - x - -
do Trabalho
Inspetor de Solda x x x x x - x - - x - x - -
Inspetor de Equipamentos x x x x x - x - - x - x - -
Inspetor de Líquido
Penetrante LP e Partícula x x x x x - x - - x - x - -
Magnética PM
Inspetor de Ultrassom x x x x x - x - - x - x - -
Encarregado de Caldeiraria x x x x x x x - x x - x - -
Caldeireiro x x x x x x x - x x - x - -
Encarregado de Solda x x x x x x x - x x - x - -
Lixador x x x x x x x - x x - x - -
Soldador x x x x x x x - x x - x - -
Maçariqueiro x x x x x x x - x x - x - -
Encarregado de Pintura x x x x x - x - - x - x - -
Inspetor de Pintura x x x x x - x - - x - x - -
Pintor x x x x x - x - - x - x - -
Encarregado de
x x x x x - x - - x - x x -
Complementar
Auxiliar de Serviços Gerais x x x x x - x - - x E x x E

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
41
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Isolador x x x x x - x - - x - x x -
Funileiro x x x x x - x - - x - x x -
Montador de Andaime x x x x x - x - - x - x - -
Encarregado de Andaime x x x x x - x - - x - x - -
Eletricista x x x x - - x x - x - x - -
Observador de Espaço
x x x x x - x - - x - x - -
Confinado
Carpinteiro x x x x x - x - - x - x - -
Motorista de Van x x x x x - - - - - - x - -
Motorista de Veículo Leve x x x x x - - - - - - x - -
Motorista Munck x x x x x - - - - - - x - -
Operador x x x x x - - - - - - x - -
Faxineira - - x - x - - - - - - x x x
Médico do Trabalho - - - - - - - - - x - - x -
Auxiliar de Almoxarife x x x x x - - - - - - x - -
Almoxarife x x x x x - - - - - - x - -
Técnico de Materiais x x x x x - - - - - - x - -
Legenda
X Uso Obrigatório
E Uso Eventual
- Não Aplicável

12. PLANEJAMENTO ANUAL DE AÇÕE DO PPRA:

Planejamento anual de ações do PPRA


Plano de Ação
2016 2017
Ações do Programa
Ago

Nov
Jun

Dez

Jun
Mar
Out

Fev

Abr
Jan

Mai
Set
Jul

1 Elaborar PPRA X
2 Divulgação do PPRA X
3 Integração de Segurança ** X X X X X X X X X X X X X
Dispor de livre acesso as FISPQ´s -
4 Ficha de Informação de Segurança do X
Produto Químico
Avaliação quantitativa do agente
5 X X
químico TXE, Fumos Metálicos, Poeira
Treinamento de utilização de EPI´s
6 X
(NR 06)
Treinamento e apresentação do PCA –
7 X
Programa de Conservação Auditiva
Treinamento e apresentação do PPR –
8 X
Programa de Proteção Respiratória
9 Revisão do PPRA X
Avaliação quantitativa do agente Físico
10 X X
Ruído.
Legenda

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
42
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

** A integração será realizada de acordo com a admissão de


novos colaboradores.
Obs: Os colaboradores que por algum motivo não puderem
realizar os treinamentos nas datas acima, será agendado
uma nova data para realização do mesmo, de acordo com o
X Mês programado
planejamento do contrato.
A revisão anual do documento PPRA será realizada
conforme planejamento anual das ações do PPRA e ou
quando se fizer necessárias a fim de adequarmos o
documento referido.

O SESMT da TS Engenharia e Construções Ltda e o Gerente do Contrato serão os


responsáveis pela aplicação das ações deste Planejamento Anual do PPRA.

13. COMPROMISSO:

A TS Engenharia e Construções Ltda é responsável pelo levantamento dos riscos ambientais


determinados pela NR-09 da Portaria 3214 do Mtb.

A PETROBRÁS-REPLAN é responsável em informar riscos ambientais nas suas áreas de produção,


antes da liberação dos serviços para contratada, bem como monitorar durante a execução dos serviços.

A minimização e/ou eliminação dos riscos, bem como demais recomendações registradas neste
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA são de responsabilidade, além da empresa, de sua
CIPA, SESMT e Direção, cabendo a esta empresa prover os recursos, tanto humanos como materiais, para a
regularização da situação.

Os prazos estipulados no Cronograma de Ações deste PPRA, para a minimização e/ou eliminação dos
riscos foram estipulados pela própria empresa, através de reunião do SESMT com a direção.

14- FISPQ. – FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUIMICO

Os documentos FISPQ – Ficha de Informação de Segurança do Produto Químico encontra-se a


disposição em arquivo no canteiro de obra da TS Engenharia e Construções Ltda bem como no local de
armazenamento temporário para aplicação dos mesmos em campo.

15. CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Este Programa permanecerá válido enquanto forem mantidas as condições existentes na Empresa por
ocasião da vistoria. Quaisquer alterações que venham a ocorrer nas atividades, planta física e equipamentos
exigirão novas análises.

Este Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA foi digitado no anverso de 44 (quarenta e
quatro) páginas todas devidamente rubricadas sendo a ultima assinada pelo elaborador e pelo responsavel pela
implementação.

Colocamo-nos à disposição para quaisquer esclarecimentos que se faça necessário.

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
43
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Paulínia/SP, 16 de junho de 2016.

Responsáveis pela elaboração deste Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA.

___________________________________
Sandro Shiguihara
Engenheiro de Segurança do Trabalho
CREA / SP: 5061296430

Responsável pela implementação e cumprimento deste Programa de Prevenção de Riscos Ambientais –


PPRA.

__________________________________________
Paulo Eduardo Ribeiro
Gerente de Contrato
CREA: 5060665828

Av. BR 110 km 397, S/N Alto do Pitiá, São Sebastião do Passé - Bahia
Tele. / fax: +55 (71) 3655 5644
www. tecsoldaengenharia.com.br
tecsolda@tecsoldaengenharia.com.br
44