Você está na página 1de 102

Um Guia Prático para dispositivos de energia livre Autor: Patrick J.

Kelly 

Capítulo 1: ímã do poder


Nota: Se você não estiver familiarizado com a todos eletrônica básica,
você pode achar que é mais fácil de seguir partes deste capítulo, se
você ler o capítulo 12 em primeiro lugar. 

Uma coisa que nos é dito, é que os ímãs permanentes não pode fazer
qualquer trabalho. Ah, sim, ímãs podem apoiar-se contra a força da
gravidade quando eles colar em seu refrigerador, mas, dizem-nos,
eles não podem fazer qualquer trabalho. Realmente?? O que
exatamente é um ímã permanente? Bem, se você pegar um pedaço
de material adequado como o aço "suave", coloque-o dentro de uma
bobina de fio e conduzir uma corrente elétrica forte através da bobina,
em seguida, que converte o aço em um ímã permanente. O período
de tempo que é necessário que a corrente na bobina seja para fazer o
ímã? Menos de um centésimo de segundo. Quanto tempo pode o ímã
resultando suportar seu próprio peso contra a gravidade? Anos e
anos. Será que isso não lhe parece estranho? Veja quanto tempo
você pode suportar seu próprio peso corporal contra a gravidade antes
de você se cansar. Anos e anos? Não. meses, então? Não. Dias,
mesmo? Não. Bem, se você não pode fazer isso, como é que pode
ímã? Você está sugerindo que um único pulso para uma fração
mínima de segundo pode bombear energia suficiente para a peça de
aço para ligá-lo durante anos? Isso não parece muito lógico, não
é? Então, como é o ímã fazer isso? A resposta é que o ímã na
verdade não exercer qualquer poder. Da mesma maneira que um
painel solar não coloca qualquer esforço para a produção de
eletricidade, a energia de um magneto flui a partir do ambiente e do
ímã não em todos. O impulso elétrico que cria o ímã, alinha os átomos
dentro do aço e cria um "dipolo" magnético, que tem o mesmo efeito
que o "dipolo" elétrica de uma bateria faz. Ela polariza o ambiente que
o rodeia quantum e provoca grandes correntes de fluxo de energia em
torno de si. Um dos atributos deste fluxo de energia é o que
chamamos de "magnetismo" e que permite que o ímã para ficar à
porta da sua geladeira e desafiar a gravidade por anos a fio. Ao
contrário da bateria, não colocá-lo em uma posição onde ele
imediatamente destrói o seu próprio dipolo, então, como resultado, os
fluxos de energia em torno do ímã, praticamente
indefinidamente. Somos informados de que os ímãs permanentes não
pode ser usado para fazer um trabalho útil. Isso não é verdade. 
Este é um retrato de um homem chinês, Shenhe Wang, que projetou e
construiu um gerador elétrico de capacidade de cinco quilowatt. Este
gerador é alimentado por ímãs permanentes e assim não utiliza
combustível para funcionar. Ele usa partículas magnéticas em
suspensão em um líquido. Deveria ter sido exposto ao público no
Expo Mundial de Shanghai de 01 de maio de 2010 a 31 de Outubro de
2010, mas o governo chinês entrou em cena e não permitiria isso. Em
vez disso, eles só lhe permitiria mostrar uma versão relógio de pulso-
size que demonstrou que o projeto funcionou, mas o que seria de
nenhuma utilidade prática na geração de energia: 

A maioria dos inventores parecem não perceber, mas quase todos os


governos se opõem aos membros do recebendo público espera de
qualquer dispositivo de energia livre sério (embora eles estão felizes
em usar esses próprios dispositivos). Seu objetivo é dominar e
controlar as pessoas comuns e um fator importante no que é controlar
a oferta e custo da energia. Um segundo método utilizado em todos os
lugares é controlar o dinheiro, e sem perceber, os governos
conseguem tirar cerca de 78% da renda das pessoas, principalmente
por métodos ocultos, os impostos indiretos, encargos, taxas, ... Se
você quer saber mais sobre ele, em seguida,
visite www.yourstrawman.com mas por favor, entenda que a razão
pela qual os dispositivos de energia livre não estão à venda em sua
loja local tem a ver com o controle político e os interesses financeiros
escusos e não tem nada a ver com a tecnologia. Todos os problemas
tecnológicos foram resolvidos, literalmente, milhares de vezes, mas os
benefícios foram suprimidos por quem está no poder. Dois dos cinco
geradores de quilowatts do Sr. Wang concluída com êxito de seis
meses obrigatória "Confiabilidade e Segurança" do governo chinês
programa de testes em abril de 2008. Um grande consórcio chinês
começou a comprar-se centrais eléctricas a carvão na China, a fim de
renovar-lhes livre de poluição grandes versões do gerador de
Wang. Algumas informações sobre a construção do motor Wang está
disponível aqui

O motor é constituído por um rotor que tem quatro braços e que se


situa em uma bacia superficial do líquido que tem uma suspensão
coloidal de partículas magnéticas em que: 
Há uma patente sobre o motor, mas não é em Inglês e que ele revela
não é uma quantidade grande. 
Era intenção do Sr. Wang para dar a sua concepção do motor para
todos os países do mundo e convidá-los a fazê-lo por si mesmos. Esta
atitude muito generosa não leva em conta os muitos interesses
financeiros investidos em cada país, não menos do que é o governo
desse país, que se opõem à introdução de qualquer dispositivo que
bate em livre de energia e que, consequentemente, faria destruir suas
correntes contínuas de renda. É até possível que você não seria
autorizados a ir para a China, compre um e trazê-lo de volta com você
para uso em casa. Não é fácil de arranjar ímãs permanentes em um
padrão que pode proporcionar uma força contínua em uma única
direção, como tende a haver um ponto em que as forças de atração e
repulsão equilíbrio e produzir uma posição em que o rotor se acalma e
paus. Existem várias maneiras de evitar que isso aconteça. É possível
modificar o campo magnético, desviando-o através de um componente
de ferro macio. Há muitos outros projetos de motor de imã
permanente, mas antes de mostrar alguns deles, é provavelmente
vale a pena discutir o trabalho útil pode ser realizada pelo eixo de
rotação da um motor de imã permanente. Com um motor de ímã
permanente home-construído, onde os componentes baratos têm sido
utilizados e a qualidade da obra pode não ser tudo o que grande
(embora isso definitivamente não é mais o caso de alguns construção
de casas), a potência no eixo não pode ser muito alto. Gerar energia
elétrica é um objetivo comum, e que pode ser conseguido, fazendo
com imãs permanentes de passar por rolos de arame. O mais próximo
das bobinas de fio, maior é a energia gerada nos rolos. Infelizmente,
fazendo isso cria arrasto magnético e que se arrastam aumenta com a
quantidade de corrente elétrica que está sendo elaborado a partir das
bobinas. Há maneiras de reduzir esse peso para a rotação do
eixo. Uma maneira é usar um estilo Ecklin-Brown do gerador elétrico,
onde a rotação do eixo não se desloque ímãs bobinas do passado,
mas em vez disso, move uma tela magnética que, alternativamente,
blocos e restaura um caminho magnético através das bobinas
geradoras. Um material comercialmente disponível chamado "mu-de
metal" é particularmente bom como material de blindagem magnética
e uma peça em forma de um sinal de adição é utilizado no gerador de
Ecklin-castanho. John W. Ecklin foi concedida a Patente dos Estados
Unidos Número 3.879.622 em 29 de março de 1974. A patente é para
um ímã gerador / motor elétrico que produz uma saída maior do que o
insumo necessário para executá-lo. Há dois estilos de operação. A
ilustração principal para o primeiro é: 

Aqui, o (inteligente) ideia é usar um pequeno motor de baixa potência


para rodar uma blindagem magnética para mascarar a atração de dois
ímãs. Isto provoca um campo magnético flutuante que é usado para
rodar a unidade de gerador. No diagrama acima, o motor no ponto
" A "roda o veio e as tiras de blindagem no ponto" B ". Essas tiras mu-
metálicos retangulares formar um caminho muito condutora para as
linhas de força magnética quando eles estão alinhados com as
extremidades dos ímãs e eles efetivamente desligar a tração ímã na
área de ponto ' C '. No ponto " C ", o viajante com mola é puxado para
a esquerda quando o ímã da mão direita é blindado e o ímã mão
esquerda não é blindado. Quando o eixo do motor gira mais, o viajante
é puxado para a direita quando o ímã da mão esquerda é blindado e o
ímã mão direita não é blindado. Essa oscilação é passado por ligação
mecânica para apontar ' D ', onde é usado para girar um eixo usado
para alimentar um gerador. À medida que o esforço necessário para
girar o escudo magnético é relativamente baixo, afirma-se que a saída
supera a entrada e assim . pode ser usado para alimentar o motor que
faz rodar o escudo magnético O segundo método para explorar a ideia
é mostrado na patente como: 

Aqui, a mesma ideia de blindagem é utilizada para produzir um


movimento de vaivém, que é então convertido em dois movimentos
rotativos para conduzir dois geradores. O par de imãs ' A 'são
colocados numa caixa e pressionadas uma contra a outra por duas
molas. Quando as molas estão totalmente estendidos, eles são
apenas clara do escudo magnético ' B '. Quando um pequeno motor
eléctrico (não mostrado no diagrama) move o escudo magnético fora
do caminho, os dois ímãs são fortemente repelidos uns dos outros
como os seus pólos Norte são próximas umas das outras. Isso
comprime as molas e através das ligações em ' C 'giram dois eixos
para gerar potência de saída. Uma modificação desta ideia é
oGenerator Ecklin-Brown . Nesta disposição, a disposição de
blindagem magnética móvel fornece uma saída eléctrica direta, em
vez de um movimento mecânico: 
Aqui, o mesmo motor e rotativa de blindagem magnética é utilizado,
mas as linhas magnéticas de força são impedidos de fluir através de
um I-peça central. Este I-peça é feita de lascas de ferro laminado e
tem uma bobina de recolhimento ou bobinas enroladas em torno
dele. O dispositivo funciona da seguinte forma: 

Na posição mostrada no lado esquerdo, as linhas magnéticas de força


fluir para baixo através das bobinas de captação. Quando o eixo do
motor tem girado mais noventa graus, a situação na direita ocorre e
ali, as linhas de força magnética fluir para cima através das bobinas de
captação. Isto é mostrado pelas setas azuis no diagrama. Esta
inversão do fluxo magnético acontece quatro vezes para cada rotação
do eixo do motor. Embora a concepção Ecklin-Brown assume que um
motor eléctrico é usado para rodar o escudo de mu-metal, não parece
haver qualquer razão pela qual a rotação deve não ser feito com um
motor de imã permanente. formas toroidal são claramente importantes
em muitos dispositivos que extraem energia adicional a partir do
ambiente. No entanto, o gerador Ecklin-Brown parece um pouco
complicado para construção de casas, o princípio pode ser usado com
um estilo muito mais simples de construção onde os núcleos das
bobinas de saída são barras retas de material adequado, como ferro
'soft' ou talvez o mais prontamente disponíveis âncoras masony: 
Se usar as âncoras de alvenaria, não se esqueça de cortar a
extremidade cónica off em que altera o efeito magnético de forma
indesejável. Usando um serrote de mão e um torno de bancada, o
corte da extremidade fora é uma coisa muito fácil de fazer e que
permite uma bobina helicoidal comum para ser enrolada, quer
diretamente sobre o veio ou numa bobina simples que desliza sobre o
eixo. Com tal bobina, a voltagem produzida aumenta à medida que o
número de voltas da bobina aumenta. O consumo máximo de corrente
depende da espessura do fio mais grosso que o do fio, maior é a
corrente que se pode realizar sem sobreaquecimento. 

Podemos usar um ímã comum ou o conjunto de magnetos em cada


extremidade do núcleo diretamente para provocar um campo
magnético forte para fluir através do núcleo da bobina a. À medida que
o motor gira os dois braços de rastreio passam alternadamente entre o
magneto a uma extremidade do núcleo e, em seguida, o íman na outra
extremidade do núcleo, a criação de um campo magnético oscilante
passando através da bobina. O desenho mostra apenas uma bobina
de saída, mas poderia haver duas bobinas: 

Ou pode haver quatro bobinas: 

As bobinas podem ser ligadas em paralelo para aumentar a corrente


de saída, ou podem ser ligados em série (numa configuração de
cadeia) para aumentar a tensão de saída. Enquanto os desenhos
mostram as blindagens ligadas diretamente ao veio de acionamento
do motor (um curto comprimento de manga de plástico a partir de um
pedaço de arame provavelmente ser utilizados para ajudar no
alinhamento do eixo do motor e o eixo da blindagem), não existe razão
para que a blindagem deve não ser sobre um eixo separado montado
em rolamentos e comandada por uma correia e polia arranjo da
roda. Com um eixo de blindagem separado, permite que um eixo
longo, rígido para ser utilizado e que permite que haja bobinas e
magnetos adicionais. O resultado poderia ser assim: 
Howard Johnson Permanent Magnet Motor.
Voltando-se a motores de ímã permanente, um dos principais nomes
neste campo é Howard Johnson. Howard construído, demonstrados e
ganhou US patente 4.151.431 em 24 de abril de 1979, a partir de um
escritório de patentes altamente cético para, o seu projeto de um
motor de imã permanente. Ele usou poderosos, mas muito caros
Cobalt / samário ímãs para aumentar a potência e demonstrou os
princípios do motor para a edição da Primavera de 1980 da revista
Ciência e Mecânica. Sua configuração do motor é mostrado aqui: 

O ponto em que ele faz é que o fluxo magnético do seu motor está
sempre desequilibrado, produzindo, assim, um movimento rotativo
contínuo. Os rotores magnéticos são unidos em pares escalonados,
ligados por uma junta não-magnética. Os ímãs de estator são
colocados num cilindro avental de mu-metal. Mu-metal é muito
altamente condutora de fluxo magnético (e é caro). A patente afirma
que o ímã do induzido é de 3,125 "(79,4 mm) de comprimento e os
imãs são estator 1" (25,4 mm) de largura, 0,25 "(6 mm) de
profundidade e 4" (100 mm) de comprimento. Ele também afirma que
os pares de magnetos rotor não estão definidas em 120 graus de
separação, mas são escalonados um pouco para suavizar as forças
magnéticas no rotor. Ele também afirma que a transmissão entre os
ímãs do rotor e do estator são um compromisso em que quanto maior
a distância, mais suave a execução, mas quanto menor o
poder. Assim, uma abertura é escolhido para dar a maior potência a
um nível aceitável de vibração. Howard considera magnetos
permanentes ser supercondutores a temperatura
ambiente. Presumivelmente, ele vê material magnético como tendo
direções spin do elétron em direções aleatórias para que seu campo
magnético nett está perto de zero até que os spins dos elétrons estão
alinhados pelo processo de magnetização que então cria um campo
magnético permanente nett global, mantida pelo fluxo elétrico
supercondutor. O arranjo ímã é mostrado aqui, com as lacunas inter-
ímãs avaliados a partir do desenho na patente de Howard: 

Um artigo da revista no motor de Howard pode ser visto aqui . A


Carousel ímã permanente motor / gerador : Patente US 5.625.241
apresenta os detalhes específicos de um gerador simples elétrico
alimentado por ímãs permanentes sozinho. Este gerador pode
também ser usado como um motor. A construção não é
particularmente complicado: 

Ele usa um arranjo onde imãs permanentes estão associados com


cada segundo conjunto de bobinas em torno do rotor. A operação é
auto-alimentado e o arranjo ímã é claramente definida: 

E o arranjo físico do dispositivo não é particularmente complicado: 

Esta é uma patente que é definitivamente vale a pena ler e


considerando, especialmente uma vez que não é uma apresentação
complicada por parte dos autores, Harold Ewing, Russell Chapman e
David Porter. Este gerador aparentemente muito eficaz parece ser
esquecido no tempo presente. Parece bastante claro que motores de
ímã permanente são uma opção totalmente viável para o construtor de
casa e eles são capazes de saídas de energia substanciais durante
longos períodos, no entanto, deve notar-se que os motores que
utilizam ímãs sozinho são notoriamente difíceis de obter operacional e
ao mesmo tempo ele pode ser feito, os motores que usam blindagem
ou blindagem elétrica pulsada movimento são muito mais viável para o
construtor do primeiro tempo - motores, tais como o motor Charles
Flynn ou o motor Stephen Kundel. O Robert Tracy Magnet
Motor . Algumas pessoas optaram por motores de ímã permanente,
onde o campo é blindados no momento apropriado por um
componente de movimento do motor. Robert Tracy foi premiado com
US patente número 3.703.653 em 21 de novembro de 1972 por uma
"alternativo Motor com o movimento de conversão de Meios". O seu
dispositivo utiliza escudos magnéticos colocados entre pares de ímãs
permanentes no ponto apropriado na rotação do veio do motor: 

O Ben Teal Motor . Motores deste tipo são capazes de potência


considerável. O motor muito simples, construído originalmente por Ben
Teal usando a madeira como principal material de construção, foi
premiado com US patente número 4.093.880 em junho de 1978. Ele
descobriu que, usando as mãos, ele não poderia parar o eixo do motor
girando, apesar de ser tão um projeto do motor muito simples: 

O funcionamento do motor é mais simples possível, com apenas


quatro interruptores feitas de metal elástico, empurradas por um came
no eixo do rotor. Cada switch justos poderes é eletroímã quando ele
precisa puxar e desconecta quando a atração é concluída. O motor
resultante é muito poderoso e muito simples. A alimentação adicional
pode ser feito por empilhamento de apenas uma ou mais camadas
adicionais em cima uns dos outros. O diagrama acima mostra duas
camadas empilhadas em cima uma da outra. Apenas um conjunto de
quatro interruptores e uma came é necessário independentemente de
quantas camadas são usados, como os solenóides verticalmente por
cima da outra estão ligados entre si em paralelo, como se puxar ao
mesmo tempo. A potência fornecida pelo motor Teal é uma indicação
de o poder potencial de um motor de imã permanente, que funciona
de forma bastante semelhante, movendo escudos magnéticos para
obter um movimento de vaivém. Colocar um resistor e capacitor em
cada contato interruptor tanto suprime faíscas e alimenta a corrente de
volta para a bateria quando o contato se abre, e isso se estende a vida
útil da bateria consideravelmente. James E. Jines e James W.
Jines foram agraciados com US Patent 3.469.130 em 23 de setembro
de 1969 "Meios de Blindagem e Unshielding ímãs permanentes e
Motors magnéticos Utilizando o mesmo" e que está no apêndice. Este
projeto utiliza o motor de imã blindagem seletivo da unidade de ímãs
para produzir uma força contínua em uma direção. Ele também tem
um arranjo mecânico para ajustar progressivamente a blindagem para
ajustar a potência do motor. 
Este é um projeto muito interessante de motor magnético,
especialmente uma vez que não suscita quaisquer materiais que não
estão prontamente disponíveis a partir de muitos fornecedores. Ele
também tem a vantagem de não necessitar de qualquer forma de
ajuste exato ou balanceamento de forças magnéticas para fazê-lo
funcionar. de Stephen Kundel Magnet Motor. Projeto do motor de
Stephen Kundel é mostrado em detalhes na sua patente que é
mostrado na página A - 968 do apêndice. Ele usa um movimento
oscilatório simples para posicionar os "estator" ímãs para que eles
fornecem uma força de rotação contínua no eixo de saída: 
Aqui, o braço amarelo marcou 38 , rochas à direita e à esquerda,
empurrado por uma bobina 74 . Não há nenhuma razão óbvia para
que este movimento de balanço não poderia ser alcançado por uma
ligação mecânica ligada ao eixo de saída rotativa 10 . Os três
braços 20, 22 e 24 , que está sendo articulada em seus pontos
superiores, são empurrados para uma posição central através das
molas de 34 e 35 . Os ímãs de 50, 51 e 52 , são movidos por essas
armas, provocando uma rotação contínua do eixo de saída 10 . O
movimento destes imãs evita a posição onde os magnetos atingir um
ponto de equilíbrio e de bloqueio numa única posição. 
As Figuras 2 e 3 mostram a posição dos imãs, com a posição da
Figura 3, que mostra um ponto de rotação no eixo de saída, que é de
180 graus (metade de uma volta) mais adiante do que a posição
mostrada na Figura 2. Alguns outros, arranjos de ímã mais poderosos
que pode ser usado com este projeto são mostrados na patente
completa no Apêndice. Este projeto não parece apelar para muitos
construtores, apesar do fato de que ele deve ser um dos motores mais
fáceis ímã para configurar e tornar o trabalho. O nível de potência de
saída pode ser tão grande quanto você quer como camadas adicionais
de ímãs podem ser adicionados. O funcionamento é muito simples e
pode, talvez, ser visto mais facilmente se apenas um braço de
alavanca é considerada. O braço de alavanca tem apenas duas
posições de trabalho. Em uma posição que atua sobre um conjunto de
ímãs do rotor e na segunda posição age sobre um segundo conjunto
de rotor ímãs. Então, vamos olhar para cada conjunto, por sua vez. Se
houver dois imãs perto um do outro, uma fixa em posição e o outro
livre de se mover como este:
 

Os ímãs têm uma forte atração para o outro por causa dos pólos Norte
e Sul que se atraem. No entanto, como os dois pólos sul repelem-se
mutuamente, o movimento do ímã se aproxima não é diretamente ao
longo das setas verdes mostradas, mas é, inicialmente, no sentido
mostrado pela seta .Esta situação vermelho continua com o ímã móvel
aproximando ele fixado e o íman puxe entre eles ficando mais forte o
tempo todo. Mas, a situação muda imediatamente o ímã em
movimento atinge o ponto mais próximo do ímã fixo. Momentum
começa a levá-lo passado, mas naquele momento a direção da
atração entre os ímãs começa a se opor ao movimento diante do ímã
em movimento: 

Se o imã fixa permanece nessa posição, então o ímã em movimento


irá oscilar de forma breve e chegou a um impasse em frente ao ímã
fixo como este: 

As forças de atração entre os dois magnetos é agora totalmente


horizontal e não há força do íman móvel para fazer com que ele se
mova. Isso é coisa simples, entendida por qualquer pessoa que tenha
examinado ímãs permanentes, a fim de ver o que eles fazem. Stephen
Kundel está bem ciente disso, e por isso ele se move o ímã "fixo"
rapidamente para fora do caminho antes de a atração de inversão de
direção retarda o ímã se movendo para baixo. Ele move o ímã para os
lados e desliza mais um para a posição como esta: 
O novo ímã é agora muito mais perto do ímã em movimento e por isso
tem uma influência muito maior sobre ele. Os pólos do novo ímã
coincidir com os pólos do ímã em movimento que faz com que
empurrar muito fortemente, conduzindo o ímã se movendo em diante
na direção que ele estava se movendo. Os móveis se move muito
rapidamente ímã e assim fica fora do alcance dos ímãs fixa muito
rapidamente, em que ponto, os ímãs "fixos" do estator são movidos de
volta para sua posição original, onde eles agem da mesma forma na
próximo ímã em movimento ligado ao rotor. Esta operação muito
simples requer apenas uma pequena força para mover as estator
íman lateralmente entre as suas duas posições, enquanto a força
entre os magnetos de estator e o rotor imãs pode ser elevado,
produzindo considerável da potência de rotação para o eixo sobre o
qual os discos do rotor estão ligados. A eficiência do sistema é ainda
mais reforçado porque quando os ímãs do estator estão na primeira
posição mostrada, o segundo ímã "fixo" não está ocioso, mas em vez
disso, ele age sobre o ímã do próximo disco do rotor: 

Para isso, os magnetos ligados ao disco do rotor 2 tem que ser


posicionada de modo a que os seus pólos são o inverso do que
aquelas associadas ao disco do rotor 1. Stephen utiliza um altifalante
para oscilar a barra horizontal no qual os imãs são estator montado,
para trás e para a frente conforme um alto-falante tem esse
mecanismo já incorporado. Motor de ímã permanente de Don Kelly
também usa essa ideia muito simples de mover os ímãs do estator
para fora do caminho, no momento oportuno. de Charles Flynn
Magnet Motor . Patente dos EUA 5.455.474 datada de 03 de outubro
de 1995 e mostrado na íntegra no Apêndice, dá detalhes deste projeto
interessante. Ele afirma: "Esta invenção refere-se a um método de
produção de energia útil com imãs como a força motriz e representa
uma melhoria importante em relação a construções conhecidas e é
uma que é mais simples de construir, pode ser feito para ser auto-
partida, é mais fácil de ajustar , e é menos provável de sair de
ajuste. A presente construção é também relativamente fácil de
controlar, é relativamente estável e produz uma quantidade
surpreendente de energia de saída, considerando a fonte de energia
que é utilizado condução. A presente construção faz uso de imãs
permanentes, conforme a fonte de energia motriz, mas mostra um
novo meio de controlar a interação magnética ou de acoplamento
entre os membros magnéticos e de uma maneira que é relativamente
robusto, produz uma quantidade substancial de energia e de saída
binário, e em um dispositivo susceptível de ser utilizado para gerar
quantidades substanciais de energia ". A patente descreve mais de um
motor. O primeiro é como este, quando visto de lado: 
Uma vista explodida, mostra as diferentes partes claramente: 

Esta construção é relativamente simples, e ainda a operação é


poderosa. A energia é fornecida por três ímãs, mostrado sombreada
em azul e amarelo. O ímã inferior tem a forma de um disco com os
pólos dispostas nas grandes circulares, faces planas. Este é o ímã do
estator, que não se move. Posicionado acima é um disco feito de
material não magnético (sombreado a cinzento) e que tem dois ímãs
embebidos nela. Este disco é o rotor e está ligado ao eixo central
vertical. Normalmente, o rotor não rodar, mas entre os dois discos
existe um anel de sete rolos que são utilizados para modificar os
campos magnéticos e produzir rotação poderoso. A ligar destas
bobinas é muito simples e é organizado pela brilhando um feixe de luz
infravermelha de uma das Light-Emitting Diodes através de uma fenda
em um disco-timing óptico acoplado ao eixo de rotação. Os LEDs e os
foto-transistores estão alinhados com os centros das bobinas de
sete. A posição e largura dos controles de slot que foto-transistor fica
ligado e por quanto tempo ele permanece ligado. Este é um arranjo
muito elegante e compacto. A parte muito interessante do desenho é a
forma como as bobinas de modificar os campos magnéticos para
produzir a potência de saída do dispositivo. A orientação dos pólos
magnéticos podem ser trocados, desde que isso seja feito para todos
os três ímãs. 

Mostrado aqui, é a situação quando um dos imãs de rotor tenha


rodado até onde ele está acima de uma das bobinas que ainda não é
ligada. O pólo Sul do íman do rotor é atraído para o pólo Norte, que é
toda a face superior do íman do estator, como mostrado pelas três
setas. Se uma tensão é aplicada à bobina, em seguida, este
acoplamento magnético é interrompido e alterados. Se nenhum binário
é desenvolvida como um resultado do enrolamento ser alimentada
para cima, então ele irá ser desenvolvidos para um ou outro lado da
bobina energizada. Se a bobina não é ligado, em seguida, haverá
completa atração entre os ímãs e nenhuma força rotacional será
produzido. Você vai notar que há dois ímãs que rodam (um número
par) e sete bobinas (um número ímpar) para que quando um dos ímãs
do rotor está acima de uma bobina, em seguida, o outro não é. Este
escalonamento das duas posições é essencial para a geração, torque
de rotação contínua suave e auto-partida, sem qualquer necessidade
de girar o eixo manualmente. 

Este diagrama mostra uma peça a partir de ambos os lados do disco


do rotor, para explicar o funcionamento das bobinas. À esquerda, o
ímã 56 sobrepõe bobina 32 e bobina 34 . Bobina 32 está ligado e isso
quebra a ligação magnética no lado esquerdo do ímã 56 . Mas, bobina
de 34 não é ligado, assim que a atração entre ímã 56 e o ímã disco
sob as bobinas permanece. Embora esta atração é em um ângulo
para baixo, que cria uma pressão sobre o rotor, fazendo-o para a
direita, como mostrado pela seta vermelha. Enquanto isso está a
acontecer, a situação em torno do outro lado do disco de rotor, é
mostrado na direita. Aqui, o ímã 54 está acima da bobina 36 e que
bobina não é ligado, portanto, não há unidade, resultando em um ou
outro sentido. A bobina adjacente 38 também não é energizado e
assim não tem nenhum efeito sobre a rotação. Este modo de
funcionamento é muito próxima da do desenho do motor de Robert
Adams descrito no capítulo seguinte. É importante compreender que
este modo de operação é nada como a dos pulsadores John Bedini
onde a rotação de um disco é causada pelo pulso eléctrico aplicado a
uma bobina. Em vez disso, aqui, a bobina age como um escudo
magnético, sendo fornecido com o mínimo de energia possível para
fazer seu trabalho. A bobina é, com efeito, um escudo que não tem
partes móveis, e por isso é um mecanismo muito inteligente para
superar a tendência para o rotor ímãs de bloqueio para os ímãs do
estator e evitar a rotação. A qualquer momento, seis dos sete bobinas
são inativo, então na verdade, apenas uma bobina é alimentada. Este
não é um grande fuga de corrente. É importante compreender que a
potência deste motor é fornecido por ímãs permanentes, que puxam
para o outro. Cada um dos dois ímãs aplica uma tração horizontal
sobre o rotor de cada um por sua vez, sétima, é que, a cada 51,1
graus em rotação. Como as bobinas são um número ímpar, o rotor
recebe um impulso magnético a cada 25,5 graus em rotação, em
primeiro lugar a partir de um íman do rotor e, em seguida, a partir do
outro rotor magnético. Segue-se então, que a potência do motor pode
ser aumentada pela adição de mais ímãs. O primeiro passo nesta
busca de energia adicional é o de adicionar um segundo ímã e
bobinas no outro lado do rotor, de modo que existe uma segunda
puxada sobre o íman. Isto tem a vantagem adicional de que ele
equilibra os para baixo puxar do primeiro ímã do disco com um puxar
para cima, dando um impulso horizontal reforçada e equilibrada como
mostrado aqui: 
A bobina de comutação com a camada adicional de bobinas é
mostrado a seguir: 

Isso produz um impulso horizontal maior. Embora este projeto vai para


um melhor desempenho, sugiro que uma forma muito mais simples de
construção com um anel de neodímio circulares padrão ímãs
poderiam ser usados em vez de um grande ímã de disco e bobinas
circulares comuns colocados em cima dos ímãs circulares: 

Para aumentar a potência do veio de saída mais novo, conjuntos


adicionais de magnetos e bobinas pode ser adicionado como
mostrado a seguir: 
Deve ser lembrado que a secção de temporização mostrado acima
poderia ser substituído por um circuito temporizador NE555 que gera
um fluxo constante de pulsos On / Off. Quando esses impulsos são
alimentados às bobinas de, o motor gira, escravizado próprio para a
taxa de pulso. Isso dá um controlo da velocidade instantânea para o
motor, bem como evitar a necessidade de um posicionamento preciso
do disco com fenda que permite que os LEDs incida diretamente sobre
os fototransistores no instante apropriado. Se esta abordagem for
tomada, então a secção de temporização mostrado acima seria
omitida. O circuito que Charles especifica para alimentar as bobinas
para bloquear os campos magnéticos dos imanes permanentes usa os
MOSFETs canal N e é muito simples. Aqui é o seu circuito para a
condução de uma das bobinas: 
Apenas cinco componentes foram utilizados. A corrente através da
bobina é controlada por um transistor. Neste caso, é um transistor de
efeito de campo-normalmente chamado um "FET". O tipo mais comum
de TFE é utilizado, ou seja, um FET "N-canal", que é o equivalente
aproximado de um transistor NPN, como descrito no capítulo 12. Uma
FET deste tipo é desligado quando a tensão é "gate" (marcada "g" no
diagrama) é de 2,5 volts ou mais baixos. Ele é ligado quando a tensão
sobre a sua porta é de 4,5 volts ou mais. Neste circuito queremos que
o FET para ligar quando o disco sincronismo do motor está na posição
certa e estar fora em todas as outras vezes. Isto é providenciado por
um raio de luz a partir de um diodo emissor de luz ou "LED" através de
um furo no disco de sincronismo que gira com o veio do
motor. Quando o orifício é o oposto do LED para a bobina que está a
ser ligado, a luz brilha através do orifício e para um dispositivo
sensível à luz, Charles optou por utilizar um transistor sensível à luz,
mas uma resistência dependente da luz, tal como um ORP12 poderia
ser usado em seu lugar. Quando a luz incide sobre o dispositivo
"Opto1" no diagrama do circuito, é a resistência cai drasticamente,
aumentando a tensão na porta do FET e ligá-la. Quando o disco
tempo movimentos buracos últimos a LED, a luz é cortada e a tensão
da porta FET cai, a comutação da FET off. Este arranjo faz com que a
bobina do motor a ser ligado e desligado na hora certa para dar uma
rotação poderosa do eixo do motor. No circuito, a resistência "R1" está
lá para assegurar que a corrente que flui através do diodo emissor de
luz não é excessiva. O resistor "R2" tem um valor baixo quando
comparado com a resistência dos "Opto1" quando não há luz cai
sobre ele, e isso mantém a tensão da porta do FET para baixo para
um valor baixo, certificando-se de que o FET está completamente
desligado. Como você pode ver, este é basicamente um circuito muito
simples. No entanto, como um destes circuitos é utilizado para cada
bobina (ou de cada par de bobinas, se houver um número par de
bobinas nesta fatia do motor), o circuito na patente parece bastante
complicado. É realmente muito simples. O resistor "R1" é usado para
limitar o fluxo de corrente através de todos os LEDs utilizados, e não
apenas um LED. Você poderia, é claro, use um resistor para cada
LED, se você quisesse. O circuito para alimentar duas bobinas (e não
mostrando o disco timing) se parece com isso: 

A seção dentro da linha tracejada verde sendo o circuito idêntico para


a segunda bobina. Isto para além do circuito é feito para cada bobina,
altura em que o motor está pronto para ser executado. Se, como seria
normal, várias camadas de magnetos estão a ser utilizados, em
seguida, as bobinas posicionados um acima do outro podem ser
ligados em cadeia da seguinte forma: 
Ligar várias bobinas "em série" (em uma cadeia) como este, reduz o
número de componentes eletrônicos necessários e torna-se de que os
pulsos a cada uma dessas bobinas é exatamente no mesmo
instante. Em alternativa, é possível ligar estas bobinas em todo o outro
"em paralelo", a escolha é geralmente ditado pela resistência das
bobinas. O desenho da patente mostrado acima parece indicar que
existe uma grande diferença entre os LEDs e os dispositivos
ópticos. Isto, provavelmente, não é o caso, como a maioria das
pessoas escolhem para manter a distância entre o LED e o dispositivo
dependente da luz tão pequena quanto possível, a sua montagem de
modo que eles são apenas clara de sincronismo o disco de cada lado
dele. Nesta patente , Charles Flynn observa que este motor de ímã
pode ser usado para praticamente qualquer finalidade, onde uma
unidade de motor ou motor é necessária e onde a quantidade de
energia disponível ou necessário para produzir a força motriz podem
variar pouco a zero. Charles produziu motores deste tipo, que são
capazes de rodar em velocidade muito alta - 20.000 rpm e com torque
substancial. Velocidades menores também pode ser produzido, e o
motor pode ser feito para ser auto-partida. Por causa da baixa
potência necessária para operar o dispositivo, Charles tem sido capaz
de operar o motor usando apenas um de nove volts, off-the-shelf
bateria seca. Um aplicativo que parece mais apropriado para este
projeto do motor é o aquecedor Frenette mostrado no Capítulo 14.
Usando este motor para conduzir os discos no interior do tambor
aquecedor iria produzir um aquecedor que parece ser conduzido
apenas por uma bateria de nove volts. No entanto, ao mesmo tempo
que é a aparência, a realidade é que o poder deste motor vem dos
imanes permanentes e não a partir da bateria. A corrente da bateria só
é usado para impedir o puxar para trás dos magnetos e que não é
utilizado para acionar o motor. Apesar de o uso de um disco de
sincronismo é um arranjo muito satisfatório, é também possível a
utilização de circuitos electrónicos em vez de a temporização
mecânica disco, os dispositivos opto e os LEDs. O que é necessário
aqui é um dispositivo que produz uma série de impulsos de tensão
que podem ser utilizados para conduzir a tensão da porta de cada
FET abaixo de 2.5 volts para mais de 4,5 volts. É como se o
conhecido 555 chip de temporizador seria adequado para essa tarefa
e isso certamente correr a bateria de nove volts. No entanto, nós
temos mais de um conjunto de bobinas que precisam ser
executados. Por exemplo, se nós dizer, quatro conjuntos de bobinas
de conduzir por ligar quatro transistores FET diferentes, um após o
outro, então nós poderíamos usar um chip "Divide-by-Eight", como o
chip de 4022. Este chip pode ser ajustado para dividir por qualquer
número de dois a oito. Tudo que é necessário para selecionar o
número de divisão por, é uma conexão entre dois dos pinos no chip. 

A tensão de saída nos pinos de marcação "1", "2", "3" e "4" vai para
alto, uma após a outra, como mostrado no diagrama acima. . Assim,
cada um destes pinos de saída seria ligado aos portões FET nessa
ordem e os FETs iria ficar ligado nessa mesma ordem com o chip de
4022, as conexões para a taxa de divisão são as seguintes: Para
'Divide por 7 'operação, conectar o pino 10 ao pino 15 Para "Divide por
6 'operação, conectar o pino 5 ao pino 15 Para "Divide por 5
'operação, conectar o pino 4 para o pino 15 Para "Divide por 4
'operação, conectar o pino 11 ao pino 15 Para "Divide por 3 'operação,
conectar o pino 7 ao pino 15 Para "Divide por 2 'operação, conectar o
pino 3 a pino 15 Ao usar um circuito como este, a taxa de pulso do
chip 555 é definido como um valor muito baixo como meio segundo,
de modo que o eixo do motor pode começar. Uma vez que ele fica em
movimento, a taxa de pulso é aumentada gradualmente para acelerar
o motor para cima. Uma vantagem deste método é que ele permite o
controle de velocidade, e se o motor estava a ser usada para
alimentar um aquecedor Frenette, em seguida, o controlo de
velocidade poderia também atuar como um controlo de temperatura
durante o aquecimento. Uma possível chip de circuito 555 pode ser: 
Como isto permite que a velocidade a ser controlada e quando a
velocidade desejada for atingida, a largura do pulso pode ser ajustada
para proporcionar o sorteio mínimo atual para manter esta
velocidade. Há, é claro, muitos outros circuitos adequados que
possam ser utilizados em vez de um presente e Capítulo 12 vai
encher-lhe sobre alguns deles, bem como explicar como os circuitos
funcionam e como construí-los. Se acontece que é difícil para
encontrar ímãs circulares adequados com os pólos em faces opostas,
então eu sugiro que ele deve ser possível usar ímãs retangulares
padrão em todo e bobinas retangulares como mostrado aqui: 
E, embora esta disposição não é tão eficiente como magneticamente
um íman circular, ele tem a conveniência de proporcionar a construção
de um rotor de qualquer tamanho escolhido. Idealmente, ao contrário
do estator mostrado acima, deve haver um número ímpar de ímãs, ou
na falta deste, um número ímpar de bobinas. Alternativamente, o rotor
pode ter um número ímpar de ímans, de modo a permitir a auto-
partida. O objetivo de cada bobina é de apenas, e apenas, anular o
campo magnético do íman permanente debaixo dela. O campo
magnético produzido pela bobina depende da corrente que flui na
bobina, o número de voltas da bobina e a área da bobina. A corrente
que flui depende do diâmetro do fio e a tensão aplicada ao
mesmo. Provavelmente, é necessário montar apenas um ímã sobre o
estator e experimentar com a bobina até que sua unidade atual e
bobina de permitir que o rotor gire livremente. Seja qual for o resultado
da bobina é, deve estar ok para todos os ímãs, embora sejam
susceptíveis de variar em força um pouco. Steorn. A empresa
irlandesa Steorn produziram um sistema que é quase idêntico ao do
motor de ímã Charles Flynn acabamos de descrever. Eles chamam
seu dispositivo "Orbo" e seu funcionamento é praticamente o
mesmo. O avanço feito por Steorn é que eles criaram um sistema de
mascaramento magnético muito inteligente usando toros de ferrite
ferida com uma bobina de fio de cobre. Este é um método mancha de
comutação atração magnética ligado e desligado. Quando a bobina
conduz uma corrente suficiente que gera um campo magnético circular
em espiral em torno do toroide e não indo para fora do núcleo. Esse
campo não tem uma atração para os ímãs externos. Não faz qualquer
diferença se o sentido do fluxo de corrente através da bobina é
invertida como o campo magnético resultante apenas gira em torno do
toróide na direção oposta e executa exatamente o mesmo bloqueio do
anel magnético de ferrite, que forma o núcleo. Se nenhuma corrente
flui, então o fio de cobre não bloquear a influência do anel de ferrite e
os ímãs permanentes no rotor são fortemente atraídos por ela,
fazendo com que o rotor girar. Em seu web site , Steorn ilustrar sua
concepção como esta: 

Nesta implementação, oito anéis de ferrite são montados no estator


em quatro locais de noventa graus uns dos outros. Estes são
enrolados com bobinas de fio de cobre, que pode ser alimentado por
uma bateria, através de um mecanismo de tempo. O rotor tem
incorporado nela, oito pares de pequenos ímãs permanentes, também
espaçadas noventa graus, separadamente. Exatamente da mesma
maneira que o motor Adams descrito no capítulo 2, a corrente através
das bobinas é definida como o nível mínimo o qual permite que o rotor
girar livremente. O mecanismo de tempo é então ligado e se o motor e
o rotor dada uma rodada. O rotor de ímãs são fortemente atraídos
para os seus anéis de ferrite correspondentes montados nas
mensagens do estator e isso acelera o rotor. Se nenhuma corrente é
passada através das bobinas, em seguida, o rotor irá oscilar para trás
e para a frente para um curto período de tempo antes de vir para
descansar com os ímãs tão perto dos anéis de ferrite possível. Para
evitar que isso aconteça, o circuito de temporização sentidos quando
os imã alcançar os anéis de ferrite, e que passa corrente através das
bobinas mínimo, prendendo os anéis interior de um campo magnético
que não tem efeito sobre o rotor ímãs. A dinâmica do rotor faz com
que ele gire em passado os anéis do estator para uma posição em
que os ímãs são mais perto dos anéis próximos do que são para
aqueles que acabaram de passar, em que ponto, a corrente é cortada
e magnético atração para os anéis de ferrite retornos. Isto é idêntico a
um modo de funcionamento do motor de Adams. O passo seguinte é
também idêntica à do motor de Adams, ou seja, para adicionar
algumas bobinas de captação para converter parte da energia
magnética em rotação em energia eléctrica, quer para recarregar a
bateria de condução ou para alimentar outros equipamentos, ou
ambos. arranjo de Steorn para fazer isso é adicionar um disco
adicional, contendo ímãs permanentes, ao rotor e fios posicionamento
bobinas oposto esses ímãs como é normal para um gerador. Steorn
optar por mostrar a energia resultante cobrando-se a bateria de novo: 

Apresentações de vídeo sobre este estilo de motor / gerador são:


aqui ,   aqui   e   aqui 

Nós tendemos a pensar desse estilo de motor a ímã como sendo de


baixa potência. Este é provavelmente porque é frequentemente o caso
que a demonstração implementações de prova de princípio
apresentadas são dispositivos menores. Estes motores podem ser
muito poderosos e que é mostrado aqui, projetado e construído pelo
Sr. Sung da China tem uma potência de 20 quilowatts ou quinze
cavalos de potência de saída: 

E um outro design que tem um diâmetro maior e cerca de 144 imans


tem uma saída relatado de 225 cavalos de potência:

Você vai notar que cada anel de ímãs é posicionado mais ao redor da
borda do cilindro fornecendo poderosos pulsos de 64 ímãs cada 22,5
graus de rotação, por isso, não é de admirar que o motor tem potência
no eixo considerável. de George Soukup Magnet Motor . Usou-se
ser um interessante vídeo na internet, mostrando um motor de ímã
construído no estilo "V" da colocação do ímã que tem dois conjuntos
de ímãs permanentes espaçadas como este: 

Este estilo de arranjo ímã (ímãs norte mostrados em azul e em


vermelho Sul) tem um ponto de bloqueio, onde a mudança de
espaçamento largo de espaçamento estreito ocorre e isso faz com que
a rotação parar por aí. A aplicação mostra este vídeo tem os ímãs V
espaçados um pouco mais amplamente separados como mostrado
aqui: 

O cone é muito menos pronunciada com uma lacuna interior cerca de


quatro vezes maior do que a diferença para o anel externo. Parece
também que o último imã interno tem um maior fosso ao redor do
tambor do que o anel restante dos ímãs. A habitação é muito simples
olhar, com um anel uniformemente espaçados de doze buracos para
fazer longos ímãs com a alternância de zonas Norte e Sul
magnetizados ao longo de seu comprimento. Você vai notar a partir
das fotografias, que George tem cavidades para levar até doze pilhas
de ímãs do estator, embora ele só usa qualquer cinco deles por suas
manifestações. 

A caixa tem folga considerável para o tambor e os magnetos. O


rolamento do eixo traseiro é ajustado apenas na parte de trás da
caixa: 

A frente tem duas folhas de acrílico, um para segurar os ímãs de


inserção no lugar e uma para prestar apoio rolamento dianteiro do
eixo: 
Como não existe um comentário com o vídeo é um pouco difícil de
pegar todos os detalhes, mas parece que o posicionamento do estator
ímãs permite que o motor de superar o ponto de atrito normal do
arranjo típico V-motor. O vídeo mostra diversas modalidades, incluindo
o agrupamento não simétrica mostrado aqui, onde quatro ou cinco
ímãs consecutivos são utilizados e os slots restantes deixado vazio: 

Isto parece um projeto que pode valer a pena investigar mais como a
implementação mostrado no vídeo parece funcionar muito bem. Se
você gostaria de fazer um simples motor deste tipo, em seguida, as
informações fornecidas por Dietmar Hohl, passado para mim por Jes
Ascânio da Dinamarca, mostra como você. Ele usa 20 mm de
diâmetro rodada ímãs de neodímio 10 mm de espessura, empilhados
em pares no estator deste esquema: 
Isso mostra um arranjo portão magnético construído em uma peça
plana de Medium-Density MDF 30 mm de espessura. Os orifícios
perfurados na mesma é de 20,1 mm de diâmetro e posicionados de
forma a ter dois dos magnetos 10 mm de espessura empilhadas em
conjunto. Os buracos são perfurados em um ângulo de 63 graus em
relação à horizontal ou 27 graus em relação à vertical, da forma que
preferir para pensar sobre isso. De um lado da placa, os ímãs
inseridos têm seus pólos Norte virado para cima, enquanto, do outro
lado do tabuleiro, os ímãs são inseridos com os seus pólos sul virada
para cima. Dietmar mostra seis furos para tomar pernos ou parafusos
para fixar a peça de MDF para uma placa ou mesa maior. Aqueles não
formam qualquer parte do sistema magnético e pode ser omitido. Um
vídeo de uma versão dele em ação pode ser encontrada aqui . O
portão opera, causando uma pilha de dez dos ímãs para rolar ao longo
da pista em forma de V e passar suavemente através da junção com o
próximo conjunto de-V posicionado ímãs. Não pode ser tão muitos
destes V-conjuntos como você quer e a pilha de ímã ainda vai
continuar rolando. Este é um dos poucos modelos de porta
magnéticos, que se adapta a operação como um tambor do rotor do
motor. Os magnetos estão posicionados com um ângulo de modo a
usar os campos magnéticos na borda dos magnetos. Eles são
empilhadas aos pares, a fim de aumentar a sua potência. A potência
do motor depende da força dos ímãs, como fechar as stacks ímã
estator são os ímãs VF-pista e o número de pilhas de estator ímãs. Se
você decidir construir um desses motores, em seguida, sugere-se que
você facilitar as coisas para si mesmo, mantendo a curvatura baixo,
usando três ou quatro do Vs. Com as dimensões de Dietmar, um
tambor 2-V seria 216,5 milímetros (8,5 ") de diâmetro, um tambor 3-V
teria um 325 milímetros (12,8") de diâmetro e uma 4-V tambor um
diâmetro de 433 mm (17 ") e essas dimensões incluem a 30 mm (1
3/16 ") tira que contém ímãs, de modo que os diâmetros internos do
cilindro são de 30 mm a menos em cada caso. Ao fazer o tambor do
motor, é possível utilizar um material flexível para prender o ímãs. Isto
permite que a tira a ser estendidos no chão, enquanto os orifícios são
perfurados, e, em seguida, fixado à face exterior de um tambor rígido
com uma 60 mm de diâmetro menor do que os mencionados
acima. Um gabarito pode ser feito para fazer os furos mais fácil: 

Este teve um comprimento de tubo de cobre inserida no ângulo


correto, de modo a dirigir a broca no ângulo exato exigido. Este motor
foi replicado com sucesso por Jes Ascânio da Dinamarca com 10
milímetros ímãs que foram para a mão, e novamente com ímãs
quadrados que estavam à mão, empurrou para furos redondos e nem
mesmo ângulo nesta implementação prova-de-conceito que só teve
uma hora de construir utilizando material de sucata para entregar, e
que fez um trabalho: 
Com design usando ângulos de Dietmar ímã pares, o número de ímãs
necessários é bastante elevada. Para um único V, existem 58
imãs. Para obter uma versão 2-V, 106 ímãs. Para obter uma versão 3-
V, 154 e imãs para uma versão 4-V, 202 imãs se houver apenas uma
pilha de imãs estator, de modo dez ímãs adicionais necessitam de ser
adicionados à contagem para cada pilha de dez magnete adicional de
estator imãs . A potência do motor tende a aumentar à medida que
aumenta diâmetro que o braço de alavanca que o ímã tem que girar o
tambor, os aumentos -. Dobro do diâmetro de (quase) o dobro da
potência simples ímã Motors Permanentes É muito difícil de usar o
poder de ímãs permanentes para fazer um motor alimentado por eles
sozinho. O projeto Dietmar Hohl, acima, é um dos poucos que podem
ser facilmente feitas e testadas em casa. O problema é que quase
todos os magnetos têm um campo magnético simétrica, ao mesmo
tempo que é necessário para um motor alimentado por magneto um
campo magnético é assimétrico. Consequentemente, ímãs têm de ser
combinados de forma a distorcer sua forma normal de campo. Você
vai notar que no motor Hohl, o drive ímãs são angulares e que é uma
característica importante do uso de ímãs em motores. Escolas
atualmente ensinam que o campo em torno de um ímã de barra é
assim: 

Isso é deduzido ao espalhar limalha de ferro em uma folha de papel,


colocado perto do ímã. Infelizmente, isso não é uma dedução correta,
como a limalha de ferro distorcer o campo magnético com a sua
presença, tornando-se cada um ímã em miniatura em seu próprio
direito. Medição mais cuidadosa mostra que o campo realmente
produzido por um ímã de barra é assim: 

Há muitas linhas de força, embora estes diagramas mostram apenas


dois deles. O fator importante é que existe um campo rotativo em cada
canto de um íman de barras convencionais. Segue-se então que, se
uma linha de imanes é colocado num um ângulo, em seguida, haverá
um campo líquido resultante numa única direção. Por exemplo, se os
ímãs são rodados quarenta e cinco graus para a esquerda, em
seguida, o resultado seria assim: 
Com este acordo, os cantos opostos dos ímãs como mostrado aqui,
são mais baixos para baixo e por isso deve haver uma força
magnética net empurrando para a direita logo acima do conjunto de
ímãs. No entanto, a situação não é tão simples e direta como você
pode imaginar. As linhas adicionais de força magnética que não foram
mostrados no diagrama acima, agir mais para fora dos ímãs e eles
interagem, criando um campo magnético compósito complexo. É
frequentemente Verificou-se que após quatro ou cinco imãs que um
curto intervalo necessita de ser deixado antes da linha de magnetos é
continuada. 

     

Dois meninos; Anthony e Andreas, tenho usado este arranjo ímã para


criar uma trilha magnética e eles têm um monte de diversão, o envio
de um ímã de deslizamento entre duas dessas linhas de ímãs em
ângulo. Inicialmente, eles usaram as mais baratas ímãs de cerâmica e
tem um movimento muito satisfatório ao usar um ímã de neodímio
como o componente em movimento: 
Você vai notar que eles conseguiram uma fileira de 18 ímãs de
cerâmica em cada lado da sua pista e os resultados que eles estão
recebendo são muito bons. Eles têm três vídeos na web no momento
presente: Video 1 Video 2 Video 3 O ímã em movimento é composta
de quatro 12 milímetros x 12 mm x 12 mm (ou meia polegada por
centímetro por centímetro) ímãs de neodímio anexado Norte - Sul -
Norte - Sul - Norte - Sul - Norte - Sul: 

Eles ainda não divulgou todos os detalhes do que eles estão usando
(acidentalmente, em vez de por intenção). As cerâmicas de estator
imãs são 48 mm x 20 mm x 10 mm, com os pólos de cada uma das
faces principais. Eles posicionar cada ímã com ele é pólo Norte de
frente para a pista e eles ângulo os ímãs em 45 graus. Existe uma
abertura 15 milímetros entre os magnetos de estator e os imãs em
movimento em ambos os lados da faixa. Tiras de madeira dirigir os
imãs em movimento. imãs de neodímio têm características muito
diferentes das de magnetos cerâmicos (e que não é apenas a
potência do campo magnético). Não é incomum para os
experimentadores ao descobrir que os dispositivos funcionarão bem
com um tipo de ímã, mas não com o outro tipo. Aqui, os
desenvolvedores têm tentado utilizando dois conjuntos de cinco
neodímio angulares ímãs em cada lado da sua pista e o resultado foi
um impulso mais poderoso em seu ímã em movimento. 
Os ímãs são mantidos no lugar, neste quadro, por cavilhas de madeira
fincadas no prancha base. Eles usaram estes, a fim de evitar qualquer
material de fecho ímã que poderia alterar o campo magnético. O
próximo passo seria para eles para alimentar um motor utilizando sua
técnica faixa magnética. No entanto, isso já foi tentado muitas vezes e,
a conclusão é de que é muito difícil mudar uma faixa magnética em
linha reta em um que faz um círculo completo. Por isso, gostaria de
sugerir a seguinte disposição: 

Aqui, um rotor de disco simples tem quatro ímãs (do tipo usado para
deslocar para baixo a pista magnética) acoplada à parte inferior do
disco e posicionados de modo que eles se movem através de quatro
conjuntos angulares curtos de imãs do estator como as rotações do
disco. Não importa se o eixo do rotor é horizontal ou vertical. Se o
disco gira bem, em seguida, conjuntos de duas bobinas de núcleo de
ar pick-up podem ser posicionados entre cada um dos conjuntos
magnéticos do estator, de modo que a eletricidade é gerada como o
rotor imãs passar por cima. Se um construtor decide anexar dois
discos do rotor ao veio de um rotor, em seguida, os dois rotores deve
ser posicionado de modo que o eixo do rotor é empurrado para cada
45 graus de rotação, em vez de cada 90 graus, como mostrado
aqui. Este estilo de motor está definitivamente no âmbito da pessoa
média para construir eles devem estar inclinado a fazê-lo. Tenho sido
perguntado para dizer como eu, pessoalmente, iria sobre a construção
de um protótipo desta natureza. Como tenho habilidades de
construção muito limitadas, eu faria assim: Para o rolamento, eu iria
pegar uma ventoinha de computador, já que estes têm muito bons
rolamentos e se a pessoa não é a mão dentro de um velho,
computador obsoleto, então eles podem ser comprado muito, muito
barato. O diâmetro do ventilador não é importante. Esses fãs
geralmente algo parecido com isto: 

Como a parte do ventilador, o qual gira em volta normalmente não


projetar acima da estrutura estacionária, um disco de espaçamento,
de madeira ou de plástico é necessária para promover o
afastamento. O disco é colada ao centro do ventilador usando talvez,
Impacto Evostick, resina epoxi ou super-cola. Seria, então, parecido
com este: 
Um quadrado de madeira pode ser aparafusado ao espaçador, como
este: 

E como estou sem esperança na criação de dispositivos mecânicos de


boa qualidade, eu seria, então segurar um lápis muito firmemente
contra um apoio e dar a madeira uma rotação, para que o lápis
desenha um círculo perfeito exatamente centrado no rolamento do
ventilador. Em seguida, a marcação de madeira e o espaçador, de
modo que não há dúvida de que a forma em volta da madeira está
ligada ao espaçador, gostaria de desenroscar a madeira e corte em
torno da linha de lápis com muito cuidado, alisando as bordas do disco
suavemente com excelentes lixa. Enroscando o disco de volta no
lugar, um spin deve confirmar que a borda do disco permanece
firmemente no lugar, sem vacilação da borda. Na verdade, se o disco
não é perfeita, que não é um grande problema, uma vez que os
magnetos de rotor é que precisam de ser posicionados com precisão,
e por isso, uma outra linha de lápis pode ser produzida por rotação do
disco quando na posição desejada tenha sido determinada. ímãs
permanentes variam enormemente em tamanho e força, então quando
os ímãs são comprados, é uma questão de testá-las usando uma faixa
do tipo usado por Anthony e Andreas. Os ímanes de estator são em
ângulo em cerca de 45 graus em relação à faixa e com apenas quatro
de cada lado, é um caso de encontrar o espaçamento entre os dois
conjuntos de ímãs angulares que empurra os imãs mais distante do
estator ao longo da pista Muammer Yildiz foi desenvolvido um
poderoso motor de imã permanente, patenteou, e demonstrou-o para
o pessoal e os alunos de uma universidade holandesa. Durante a
manifestação, a potência mecânica foi estimado em 250 watts e
imediatamente após a demonstração, o motor foi completamente
desmontado para mostrar que não havia nenhuma fonte de energia
escondidos. Há um vídeo mostrando esta demonstração,
localizado aqui

Patente EP 2153515 17 de fevereiro, 2010 Inventor: Muammer


Yildiz dispositivo que tem um arranjo de ímãs

RESUMO
O dispositivo tem um veio de acionamento em rotação axial 5 apoiado
de modo a rodar dentro de um estator 2, que é cercado por um estator
exterior 3. O rotor está firmemente ligado ao veio de acionamento. O
estator exterior tem imãs bipolares 6, as quais estão posicionadas
sobre a superfície interna de um cilindro circular 9. Estes ímãs
exteriores estão espaçados uniformemente em torno da superfície do
cilindro envolvente. 
DESCRIÇÃO
Esta invenção é um dispositivo para a geração de um campo
magnético alternado que interage com um campo magnético
estacionário. A interação de um campo magnético estacionário, com
um campo magnético alternado tem sido utilizado durante algum
tempo, por exemplo em motores de corrente contínua sem escovas e
em levitação magnética. Um objetivo da presente invenção é o de
proporcionar um dispositivo melhorado para gerar um campo
magnético alternado que interage com um campo magnético
estacionário. Isto é conseguido como descrito na reivindicação 1, pelo
arranjo especial de os ímãs bipolares interior do estator, o rotor e o
estator externo que cria um efeito magnético que mantém o rotor
flutuando livremente entre o estator e o interior do estator externo, e
este atua como uma chumaceira magnética. Surpreendentemente,
demonstrou-se que a disposição especial de os ímãs bipolares interior
do estator, o rotor e o estator exterior durante a rotação do rotor, gera
um campo magnético alternado é que permite uma grande parte livre
de perda o movimento do rotor à medida que gira entre o estator
interior e exterior do estator. Este efeito muito útil pode ser utilizado
para uma variedade de aplicações técnicas, por exemplo, um
rolamento de baixa fricção é particularmente preferido para suportar
um veio que tem que girar a alta velocidade. Na descrição seguinte,
quando os termos matemáticos, especialmente termos geométricos,
são usados - termos como "paralelo", "perpendicular", "plano",
"cilindro", "angle", etc. como é típico ao produzir desenhos técnicos,
mas deve-se entender que estas coisas nunca são alcançadas na
prática, devido às tolerâncias de fabrico dos componentes. Por isso, é
importante perceber que esta descrição refere-se à situação ideal, que
nunca será alcançado. Por isso, o leitor precisa entender que
tolerâncias geralmente aceitas serão envolvidas na prática. O eixo de
saída gira em torno de um eixo, chamado de "eixo do veio". O eixo em
si é de preferência construído como um cilindro direito de secção
transversal circular. Numa forma de realização preferida da presente
invenção, os imãs sobressaem um pouco para fora do interior do
estator. Este é também o caso de tanto o rotor e o estator
externo. Uma sobreposição parcial de dois magnetos é alcançada
quando um plano perpendicular ao eixo do veio, passa através de
ambos os dois ímãs e os dois ímãs são considerados para se
sobrepor esta situação ocorre. Um sobreposição parcial de três imãs
ocorre quando um plano perpendicular ao eixo do veio atravessa cada
um dos três ímãs. O grau de sobreposição não afeta a descrição e a
quantidade de sobreposição de quaisquer dois dos três magnetos
podem ser desde 1% a 100%, onde os magnetos estão
completamente sobrepostas. Numa forma de realização
particularmente preferida da invenção, os ímãs do estator e o rotor
interno é capaz de alinhar completamente. Além disso, o estator
exterior é construído de modo que possa ser rodado em torno do eixo
do veio de modo que a relação de contato entre os magnetos de rotor
e os magnetos de estator exterior pode ser ajustada para proporcionar
algum grau de sobreposição entre 0% para 100%. Três cilindros
imaginários são produzidos. Um pelo ímãs do estator interior, um
segundo pelo rotor ímãs enquanto giram em torno do eixo eixo e o
terceiro é criado pelos ímãs do estator exterior. Os eixos destes três
cilindros é o mesmo que o eixo do veio. Idealmente, o rotor vai ter a
forma de um tambor ou um copo, ou seja, um cilindro oco com uma
secção transversal circular ou um pedaço de tubo, cuja uma face de
extremidade é coberto por disco circular. No centro do disco, o rotor
tem um orifício através do qual passa o eixo. O disco pode ter também
um colar que serve para a fixação do rotor ao veio por meio de um
parafuso que passa através do veio de acionamento ou por meio de
parafusos roscados na gola. Independentemente do método utilizado,
o conjunto magnético rotor está firmemente ligado ao eixo de
transmissão. O uso de um parafuso de fixação tem a vantagem de
permitir que o rotor a ser desmontado para manutenção ou
reparação. A secção de cilindro oco do rotor, está disposto de modo
que existe um pequeno intervalo de ar entre ela e ambos os estatores
interiores e exteriores. O cilindro de rotor oco tem dois, ou mais, imãs
permanentes montados nele. Estes estão igualmente espaçados em
torno da circunferência do cilindro de rotor e posicionado de modo a
ser paralelo ao eixo do veio da unidade. O estator exterior é de forma
cilíndrica e circunda o rotor, deixando um pequeno espaço de ar entre
elas e é eixo está alinhado com o eixo do veio de
acionamento. Idealmente, os magnetos montados no lado de dentro
do cilindro de estator exterior, estão alinhadas com o eixo do veio de
acionamento e as suas faces polares estão em ângulos retos com o
eixo do veio. Ou seja, uma linha traçada através do norte e sul faces
do pólo de estes ímãs vai apontar para o eixo de acionamento, e
assim um pólo rosto vai enfrentar o rotor. Também é possível que os
ímãs do estator exterior para ser moldada de vara e para formar um
anel completo em torno da face interior do cilindro de estator
externo. Se isso for feito, então os anéis magnéticos têm de ser
separadas umas das outras por espaçadores não-magnéticos e de
todo o comprimento do estator externo vai ser coberta com estes
anéis magnéticos e espaçadores. Neste caso, os estatores interior e
exterior são montadas numa relação fixa entre si por meio de suportes
ou outros métodos de montagem. Idealmente, o rotor é mantido em
posição pelos campos magnéticos dos dois estatores e "flutua
livremente" entre eles . Este é o método preferido. No entanto, é
possível que o veio de acionamento para rodar a todo o comprimento
do dispositivo e para ser suportado em rolamentos de rolos. Uma
construção possível é ter ambos os estatores feitas em duas partes
separadas. Estes têm de ser exatamente simétrica em relação ao eixo
do veio da unidade. As peças de estator exterior também pode ser
disposta de modo a ser capaz de ajuste rotacional em relação ao
estator interior, que sempre tem uma posição fixa. Outra opção com
esta disposição particular é ter a distância entre os componentes do
estator exteriores ajustáveis, de modo que o intervalo de ar entre o
rotor e o estator exterior imãs pode ser ajustada manualmente. Um
ângulo "alfa" é definido como o ângulo entre o eixo magnético de um
íman do estator interior e uma tangente à circunferência do estator
interno nesse ponto. Um ângulo "beta" é definido como o ângulo entre
o eixo de um magneto de rotor e uma tangente à circunferência do
rotor naquele ponto. Um ângulo "gama" é definido como o ângulo
entre o eixo magnético de um íman do estator exterior e uma tangente
à circunferência do estator exterior nesse ponto. Numa forma de
realização preferida da presente invenção, cada um destes ângulos é
entre 14 graus e 90 graus. É uma vantagem particular se os ímans
permanentes de tanto o estator interior e exterior ter uma ou uma
secção transversal rectangular ou trapezoidal quando é visto como
sendo corte por um plano perpendicular ao eixo do veio. Também é
particularmente vantajoso se o rotor imãs ter uma secção transversal
circular quando visto como sendo cortada por esse plano
perpendicular ao eixo do veio. Outros, magnéticos não-simétrico
secções transversais são possíveis, tal como trapezoidal, triangular,
ou secções transversais de forma irregular. É possível que todos os
magnetos de estator interior ter formas idênticas. Da mesma forma, é
possível que todos os magnetos de estator externo que têm formas
idênticas. É também possível para todos os rotores imãs de ter a
mesma forma. No entanto, o posicionamento dos pólos magnéticos
Norte e Sul dos vários ímãs podem não ser idêntica posicionar como
será visto a partir da seguinte descrição detalhada. Os magnetos de
estator interior, o rotor e o estator exterior tem uma orientação
magnética que faz com que eles a repelir um ao outro em cada
posição angular do rotor. Por exemplo, os magnetos de estator interior
pode ter os seus pólos norte voltados para fora e, nesse caso, os
ímans no rotor terão seus pólos norte virados para dentro para o
interior do estator.Da mesma forma, os magnetos de estator exterior,
então, têm os seus pólos sul viradas para dentro, a fim de repelir os
pólos (exteriores) do Sul do rotor ímãs. Outras características,
pormenores e vantagens da invenção serão evidentes a partir da
seguinte descrição de uma forma de realização da invenção e nos
desenhos associados, como mostrado aqui: 
A Fig.1 é uma representação esquemática do dispositivo. 

Fig.2a é uma vista oblíqua do estator interior sem imãs e Fig.2B é uma
vista do estator interior, perpendicularmente ao eixo do veio. 

Fig.3 mostra uma disposição ímã para o estator interior 


Fig.4 um corte através do estator interior, ao longo da linha A - A
indicada na fig.12b 
Fig.5a é uma vista do dispositivo de fixação perpendicular ao eixo do
veio e Fig.5b é uma vista do dispositivo de fixação na direção do eixo
do veio 
Fig.6 é uma vista em perspectiva do rotor 

Fig.7a é uma vista esquemática do interior do estator e rotor. Fig.7b é


um diagrama de ângulo possível do eixo magnético dos magnetos no
rotor; 
Fig.8a mostra o arranjo magnético do rotor, ao longo da direcção X - Y
indicado na Fig.16. Fig.8b é uma vista detalhada do rotor mostrado na
Fig.8a. 

Fig.9a 9h mostrar os ângulos de conjuntos de imanes instalados no


rotor, quando visto de lado. Estas são mostradas em maior detalhe
mais adiante nesta descrição. 
Fig.10 mostra as posições das cadeias de íman incorporados no
rotor. Estes são apresentados em maior detalhe mais tarde. 
A figura 11 mostra a disposição de ímans em ambos os estatores e os
rotores, mostrado como um corte ao longo do eixo do veio. 
Fig.12a mostra a disposição de cilindro e das aletas do rotor antes de
os rotores magnéticos são instalados nos espaços entre as aletas. 

Fig.12b mostra o arranjo dos magnetos de rotor, como observado


numa vista em ângulos rectos com o eixo longitudinal do rotor. 
Fig.13 mostra o posicionamento em degraus dos ímãs do rotor. Esta
visualização mostra a superfície do rotor e do eixo, se abriu e
deitada. Isto é, o retângulo mostra aqui é realmente a totalidade da
superfície cilíndrica do rotor. Neste ponto de vista, as barbatanas entre
os ímãs não são mostrar a fim de enfatizar a intensificação dos ímãs
em relação ao outro. Descrição Detalhada
A Fig.1 mostra uma representação esquemática do dispositivo que
tem um estator interior 2, um rotor 1 e um estator externo 3, que estão
dispostos de forma coaxial em torno do eixo do eixo 50 de uma forma
de haste do eixo de rotação 5. O estator interior cilíndrico 2 tem pelo
cada uma das extremidades, uma tampa de extremidade 13, que está
na forma de um disco circular com um rolamento de esferas de corrida
11 montado nele. O rolamento 11, mantém a posição do interior do
estator 2, em relação ao eixo 5. O veio de acionamento 5 é
normalmente feita a partir de um material não-magnético tal como
plástico, (não de aço) e, tipicamente, tem um diâmetro de 10 mm a 40
milímetros e um comprimento de 100 mm a 400 mm. O estator interior
2 tem um núcleo 12 com magnetos 8 montada sobre a sua superfície
exterior. O estator interior 2 é mantido estacionário por um dispositivo
de montagem 4, que é fixada na sua posição numa caixa mecânico
(não mostrado), e é mantida firmemente fixa deste modo. O rotor 1
consiste de dois tambores de rotor espelho-imagem, cada um com
uma secção de tubo e uma secção de disco circular, que está
firmemente fixado ao veio de acionamento 5, por meio de parafusos
sem cabeça 10. Cada um dos tambores de rotor tem os imãs 7
montada sobre ele. Estes ímãs 7, são posicionados em cinco locais
distintos e que tem um pólo magnético voltada para o eixo e o outro
pólo virado radialmente para fora. Os tambores de rotor são
posicionados de modo que existe um entreferro cilíndrico entre eles e
o estator interior 2. Este intervalo de ar é geralmente da ordem de 3
mm a 50 mm. Embora as duas metades do rotor são separados por o
mecanismo de aperto 4, que evita que o estator interior de rotação, as
metades do rotor são posicionados de modo que os imanes dentro
deles, são equilibrados e por isso não há força irregular gerado
quando veio 5 é centrifugada a alta velocidade. Nas extremidades do
rotor tambores há ímãs 700 como o objetivo deste projeto é ter o rotor
suspenso magneticamente. O estator 3 externo é composto de dois
cilindros separados meia 9. Cada um destes cilindros 9, contém ímãs
6 montado sobre a sua face interior. Embora cada secção do estator
exterior consiste de um cilindro oco, as extremidades exteriores da
caixa do estator formar um disco completo, que rodeia o veio de
acionamento 5 e formando um invólucro completo em vez de deixar o
dispositivo aberto nas extremidades. Há um intervalo de ar entre as
faces dos magnetos montados na superfície interior da armação
cilíndrica 9 e as faces dos magnetos montados no rotor. Estes
conjuntos de ímãs enfrentar um ao outro e o intervalo de ar entre eles
é também tipicamente 3 mm a 50 mm.Os magnetos em cada um dos
estatores são paralelos ao eixo do veio 50. Os estatores exterior é
construída de modo que ela pode ser movida em relação ao estator
interior, alterando, assim, a sua sobreposição magnético. Esta
alteração pode ser feita deslocando o estator exterior quando o motor
está a utilizar. Os imanes designado 6, 7, e 8, são imãs bipolares e
numa forma de realização preferida, estes são magnetos
permanentes, por exemplo, consistindo de SmCo (cobalto Samarian )
e / ou NdFeB (neodímio / ferro / boro). É também possível que um ou
mais destes imãs ser um eletroímã. A densidade de fluxo magnético
dos magnetos 6, 7 e 8 é de preferência numa gama de 0,4-1,4
Tesla. A armação é feita de preferência a partir de um material não
magnético, tal como alumínio com uma espessura de parede de 2 mm
a 10 mm. 

Fig.12a mostra um estator interno feito a partir de um material não


magnético (tal como o alumínio ou o cobre). A armação 12 tem um
cilindro circular 120 que tem ligado à sua superfície exterior, nervuras
radiais 121. Cada uma destas nervuras se estende ao longo do eixo
central do cilindro 120 ao longo de todo o comprimento do cilindro, isto
é, desde a sua "base para o superfície superior. As nervuras estão
distribuídas uniformemente ao longo da circunferência do cilindro,
formando ranhuras 122 do cilindro 120 tem um furo central que é ao
longo do eixo para o eixo 5 para percorrer. Ambas as superfícies
terminais do cilindro 120 está um recesso para acomodar um dos
rolamentos de esferas 11. O diâmetro do núcleo de estator 12 é
geralmente 50 mm e 500 mm, com um comprimento de 100 mm a 300
mm. A largura das nervuras 121 é geralmente não mais do que 100
mm e é geralmente de cerca de 20% do comprimento das nervuras
121. 

Fig.12b mostra uma representação esquemática do estator interior 2.


O estator interior 2 é constituído pela carcaça do estator interior 12, os
ímans 8 e as tampas de extremidade 13. Os imãs 8 são de igual
comprimento mas o seu comprimento é inferior ao comprimento do
núcleo do estator 12. Estes ímãs formar a superfície exterior do
estator. Eles estão sentados nas ranhuras 122 e mantido em posição
pela costela 121. O primeiro ímã 8-1 é inserido nivelada com a tampa
13. Os outros ímãs 8 cada um tem um V deslocamento axial ao longo
do eixo do eixo 50 arranjadas de modo que não é um mesmo pisar
dos ímãs com o ímã final de 8-10 intrometendo-se contra a segunda
placa final 13. V compensar O axial é a lacuna total global W dividido
por (n - 1), onde n é o número de ímãs e tanto , V varia com o número
de magnetes utilizados. Num arranjo típico, V é 5% do comprimento
dos ímãs 8. O tampas de extremidade 13 tem um diâmetro de 50 mm
a 500 mm e uma espessura de 5 mm a 20 mm. Um comprimento
típico para os ímãs 8 é de 100 mm. As dimensões magnéticos são
arranjados de modo a que quando eles são posicionados nas
ranhuras 122, o estator interno 2 tem uma superfície exterior
substancialmente uniforme. 

Fig.13 mostra uma vista aberta, fora da superfície exterior do estator


interior 2. Aqui, dez ímãs 8 estão dispostos com um espaçamento
uniforme. O lado de baixo dos ímãs afunilam na direção do eixo do
eixo 50 e por isso têm uma largura menor perto do centro do estator
do que o fazem na sua superfície externa. O primeiro magneto está
posicionado 8-1 com a sua face da extremidade alinhada com a base
125 do núcleo do estator interior 12. Os restantes nove imãs (02/08 a
10/08) são cada compensada pela quantidade de V com o último íman
8- 10 atinge a superfície superior do núcleo de estator interior 126. 

Fig.14 mostra uma secção transversal através do estator interior 2 ao


longo do plano A - A do fig.12b. O estator interior 2 tem um cilindro
oco 120, através do qual o eixo central do veio 5 passagens. Correndo
ao longo da superfície exterior do cilindro são as nervuras 121. O
cilindro oco 120 tem, tipicamente, um diâmetro de 100 mm e um
comprimento de 170 mm. Nas clareiras formadas entre as costelas
121 os ímãs 8 são colocados. Quando visto no plano A - A estes ímãs
terem uma secção transversal trapezoidal. Estes ímãs têm dois pólos
magnéticos e os magnetos estão posicionados de modo a que o eixo
magnético 80, que atravessa os dois pólos é radial dentro do plano de
corte A - A. Um ângulo α [alfa] formado na intersecção do eixo 80
dipolo magnético de um magneto 8 e a tangente 81 ao nervuras 121
pode ter um valor entre 14 graus e 90 graus. No caso mostrado na
Figura 14 o ângulo alfa é de 90 graus.
Fig.15a mostra o dispositivo de fecho 4 numa vista perpendicular ao
eixo do veio 50. O dispositivo de fixação 4 tem um cilindro oco interior
40 com um raio menor e uma placa externa 41 com anel de fixação
raio maior. O cilindro oco interior 40 e a placa de fixação do anel
exterior 41 são ligadas em conjunto. O cilindro oco 40 é usada para
receber e fixar o estator interno 2 por meio de parafusos 10. O anel de
fixação 41 faz parte de um invólucro mecânico (não mostrado) para
segurar firmemente o dispositivo posicionado. 

Fig.15b ilustra o dispositivo de fixação 4 em uma vista na direção do


eixo do veio 50. A placa de anel de montagem 41 tem nele é periferia,
quatro parafusos 10 para fixação ao invólucro mecânico do cilindro
oco 40, que tem na sua circunferência, um número de parafusos 10
para fixar o estator interior no lugar. 

Fig.16 é uma vista de um rotor, que está fixada ao veio 5 por meio dos
parafusos 10. O rotor 1 consiste de dois tambores separados ligados a
um eixo central oco. Montada na sua superfície exterior uma série de
imanes 7 afundado furos circulares. O rotor em si é construído
utilizando um material não-magnético tal como o alumínio ou o
cobre. A distância entre os dois cilindros do rotor é de 15 mm e têm
um diâmetro exterior de 165 mm, uma altura de 70 mm e uma
espessura de parede de 26 mm. Cada tambor de rotor tem um disco
anular superfície top 102, no qual dois ou mais ímãs 700 são
irrecuperáveis. Estes são posicionados de maneira uniforme em torno
da circunferência do disco, como mostrado no diagrama. O eixo do
dipolo magnético de imãs 700 é paralelo ao eixo do eixo 50. 

Fig17a é uma vista esquemática de um tambor do rotor e do estator


parte interior 2, em que a vista é perpendicular ao eixo do veio 50. O
rotor 1 é fixada ao veio 5 por meio dos parafusos 10 e mantida
rigidamente em posição. Os veios 5 passagens através de um
rolamento de esferas talhado no interior do estator 2 e assim pode
girar livremente em relação ao estator interior. O rotor tem dois
tambores, ou em forma de sino, seções que rodeiam o estator
interior. O rotor 1 tem uma secção cilíndrica oca 101, que se prolonga
para fora a partir da superfície de topo 102. Uma vez que o estator
interno é fixo e impedido de rodar por ela dispositivo (componente 4
na figura 1) de ancoragem, o rotor gira o cilindro oco 101 em torno
lo. O cilindro oco 101 do rotor 1 é separado do estator interior 2 por
uma folga anelar ar G1. O cilindro oco 101 do rotor 1 tem ímãs 7
afundado buracos. A superfície superior 102 do rotor 1 também tem
orifícios e estes são usados para instalar os imãs 700 na mesma. 

Fig.17b é uma representação esquemática dos possíveis orientações


dos imãs de rotor 7, quando visto como visto olhando paralelo ao eixo
do veio 50. O eixo do dipolo magnético do rotor de imãs 70 é de sete
em um plano que é radial ao eixo do eixo 50. Os β ângulo [beta] entre
o dipolo magnético eixo 70 e a tangente 71 rompe a periferia exterior
do cilindro oco 101 do rotor 1 e este ângulo pode ter valores entre 14
graus e 90 graus. 
Fig.18a mostra as superfícies exteriores das duas metades do tambor
do rotor 1 estendidos no chão em vez de curvada em um círculo no
plano X - Y avião mostrado na Fig.16. Esta superfície é perpendicular
ao eixo do veio 50 e as linhas de ímãs 7 estão posicionados em linhas
701 a 708. Cada uma destas linhas está ligeiramente desalinhada em
relação à linha ao lado dele, resultando numa disposição em zig-zag
dos imanes 7. 
Fig.18b mostra, em pormenor ampliado, o posicionamento dos imanes
7 mostrado na Fig.18a. Os centros dos imanes 7 nas linhas 705 e 706
têm uma separação constante entre as suas bordas f. A distância
entre quaisquer duas linhas adjacentes, por exemplo, 705 e 706, é
escolhido de modo que a disposição é tal como mostrado na Fig.18b
com separação magnética constante de comprimento d entre os
bordos dos imanes em filas adjacentes. Por exemplo, os ímãs de 7051
e 7052 são exatamente a mesma distância como ímãs de 7061 e 7062
a fila adjacente 706. Além disso, os centros dos três ímãs 7051, 7052
e 7061 formam um triângulo isósceles. Esta relação é válida para
todos os imãs em todos os sete séries 701 a 708. Embora os ímãs 7
são mostrados nos diagramas como sendo circular, que poderiam
existir outras formas, tais como quadrada ou hexagonal. O
comprimento d varia de cerca de 3 mm a 50 mm. A distância que é
particularmente preferido, é de 5 mm. A distância f varia de cerca de
10 mm a 70 mm. 
Fig.19a mostra uma secção longitudinal através do alojamento
mecânico para o dispositivo, ou seja, uma secção paralela ao eixo do
veio 50. O invólucro mecânico inclui a peça de suporte 4 para prender
o estator interior 2 para impedi-lo de rodar, a montagem 19 para guiar
as metades móveis do estator externo 3, e uma haste roscada em
rotação 14, que pode mover-se ambas as metades do estator externo
3 em relação ao rotor e / ou o estator interno 2. O eixo de engrenagem
14 tem duas secções roscadas com roscas que rodam em direções
opostas (do lado direito e fios da esquerda). A rotação deste eixo faz
com que as duas metades da caixa do estator exterior para mover de
uma maneira simétrica em sentidos opostos, para o interior ou para o
exterior. Os dispositivos de guia 19 estão montadas sobre o veio de
engrenagem 14 e, de forma que só se movem num plano. As secções
cilíndricas exteriores 9 que alojam o estator externo 3 está firmemente
ligado às tampas de extremidade 19. Tipicamente, este invólucro
mecânico tem uma altura de 400 a 600 mm, uma largura de 400 mm,
uma profundidade de 530 mm. 
Fig.19b é uma secção através do estator externo 3, o plano de corte é
perpendicular ao eixo do veio 50. O estator externo 3 tem nele
dispostos, um anel de elementos de fixação não magnéticos 18, entre
as quais imãs 6 são protegidos. Por razões de clareza, apenas alguns
dos imãs 6 são mostrados embora estes ímãs estão montados em
toda a circunferência exterior do estator 3. O tamanho dos magnetos 6
e os elementos de fixação não magnéticos 18 é escolhido de modo
que eles formam um cilindro oco cujo eixo central é na direção do eixo
do veio 50. O eixo 60 dipolo magnético dos magnetos 6 são
perpendiculares ao eixo do veio 50. Um ângulo γ [gama] entre o dipolo
magnético 60 e um eixo 61 tangente à periferia externa do estator
cilíndrico oco exterior 3 está entre 14 graus e 90 graus. O estator
externo 3 está ligado ao bloco de montagem 4, que inclui as colunas
de montagem 20. 
Fig.20 é uma vista em perspectiva da caixa para o dispositivo
mecânico. A caixa tem em ambas as extremidades de uma placa de
extremidade 21a, 21b, as quais estão ligadas por quatro pilares de
montagem 20. Na área central, entre estas placas de extremidade, há
a placa de montagem 4 para prender o estator interno 2. O centro de
cada uma das extremidades tem um furo para permitir que o veio de
acionamento 5 para passar. Nos quatro colunas de montagem 20, as
placas finais 19 móveis que suportam as metades de habitação do
estator externo 3 são mostrados. Estes são movidos pela rotação do
veio roscado 14 (não mostrado nesta vista). 
Fig.21 mostra as posições relativas dos imanes 6 do estator externo 3,
os imanes 7 do rotor e um dos ímãs 8 do estator interno 2 numa forma
de realização preferida. O pedido refere-se a uma situação em que as
duas metades do estator externo 3 são movidas na medida do
possível em direção ao outro. Esta situação resulta numa
sobreposição completa das três camadas magnéticas. O Pólo Norte
dos ímãs bipolares 6, 7 e 8 é indicado com a letra N e os pólos sul
com a letra S. O G1 espaço de ar entre a periferia exterior do estator
interior 2 e da periferia interior do rotor 1, e G2 intervalo de ar entre a
periferia exterior do rotor 1 e a circunferência interior do estator
exterior 3, pode ser qualquer coisa de 3 mm a 50 mm. 

Fig.22 mostra a disposição dos três camadas magnéticas 6, 7 e 8,


como visto num plano de corte transversal B - B perpendicular ao eixo
do eixo 50, como na primeira Numa concretização preferida estão
localizados no interior do estator 2 uniformemente ao longo da
periferia exterior do estator interior imãs 8 distribuídos dez
horas. Cada metade do estator externo 3 tem dezoito imãs 6
distribuídas uniformemente em torno da circunferência de cada um
dos dois cilindros. Imãs 6 têm uma secção transversal
trapezoidal. Fig.22 mostra uma orientação preferencial dos ímãs
bipolares 6, 7 e 8. O pólo norte de ímãs 6, 7 e 8 é indicado pela letra
N, e seus pólos Sul com a letra S. A relação preferida do número de
imãs 8 no interior do estator 2, o número de magnetos na parte de
rotor de dois tambores do rotor 1 e o número de magnetos 6 sobre as
duas metades do estator exterior 3 é apresentada na tabela a seguir: 
Fig.23 mostra as dimensões preferidas para os ímãs para ser
utilizado. 

Fig.23a mostra um tamanho preferido de um íman do estator 6 exterior


3. O íman 6 tem, na direção do eixo do eixo 50, um comprimento de
75 mm, uma altura da secção trapezoidal, de 50 mm e uma largura de
25 mm na parte superior, afilando até 20 mm na parte inferior. 

Fig.23b mostra um tamanho preferido de um magneto 8, para o


interior do estator 2. O íman 8 pontos na direção do eixo do eixo 50 e
tem um comprimento de 100 mm, uma altura da secção trapezoidal,
de 25 mm. A linha de base do trapézio tem um comprimento de 25
mm e do lado oposto da linha de base para um comprimento de 10
mm. 

Fig.23c mostra uma forma de realização preferida de um magneto de


rotor 7 1. O íman 7 é cilíndrico com o dipolo magnético eixo 70 que
coincide com o eixo longitudinal do cilindro. O cilindro tem uma altura
de 20 mm e um diâmetro de 20 mm. Deve entender-se que as
dimensões de íman pode variar por tanto como 50% dos valores
mencionados aqui e existem, ainda, outras variações que podem usar
tamanhos de íman fora desse intervalo. Donald A. Kelly . Em 1979, o
Sr. Kelly foi concedida uma patente em um projeto permanente motor
de imã. Ele comentou que, para além de que seja muito difícil gerar
força suficiente para deslocar mecanicamente os imãs de estator para
conseguir um pouco de rotação contínua, a taxa resultante de
revoluções é muito baixo. Por essas razões, ele optou por mover os
ímãs do estator ligeiramente usando pequenos motores de corrente
contínua. Seu projeto é incluído aqui, pois é um conceito que é
relativamente fácil de entender. A ideia geral não é diferente do de
Stephen Kundel que balança os ímãs do estator com um solenóide,
como mostrado no início deste capítulo. O objetivo aqui é o de utilizar
uma pequena corrente eléctrica para gerar uma rotação potente muito
maior do que seria possível a partir da própria corrente eléctrica, e
assim, produzir o que é, com efeito, uma multiplicação de energia
através da utilização de magnetos permanentes. Uma cópia
ligeiramente alterada da sua patente é mostrado no apêndice. 

A operação é uma estratégia simples. Oito conjuntos de ímãs são


montados em braços oscilantes. Estes têm duas posições
principais. Na primeira posição, o balancim imãs atrair os imanes
montados no rotor. Quando o rotor se move devido a esta atração e
atinge um ponto em que está prestes a ser um entrave para trás sobre
o rotor, a posição dos braços oscilantes é alterado de modo que o
primeiro conjunto de balancim imãs são movidos para fora do caminho
para uma posição onde eles têm pouco efeito devido à sua maior
distância do que o rotor ímãs. Este movimento roqueiro também move
ímãs de polaridade oposta que empurrar o rotor ímãs em seu
caminho. Neste projeto, a atração e a pressão são aplicados a
diferentes conjuntos de ímãs. Se a atração está em ímãs 1, 3, 5, etc.,
em seguida, o impulso é ímãs 2,4,6, etc. Mas, apesar disso, a força e
impulso são aplicados a cada ímã rotor que passa. A energia
necessária para operar os motores eléctricos é mínimo como a
potência do motor é fornecido pelos ímãs. Em vez de dois pequenos
motores, seria possível operar os braços oscilantes usando pequenas
solenóides e se o motor é utilizado para alimentar um gerador
eléctrico, em seguida, o desenho pode ser feito auto-alimentado
usando alguns dos a saída eléctrica para fornecer o necessário
potência de entrada. O esboço acima mostra apenas uma camada do
motor, mas não pode haver tantas camadas como você gosta, cada
um dirigindo o único eixo de saída, e aumentando a sua potência com
cada camada. de Mike Brady Perendev Magnet Motor . Um dos
motores de ímã permanente mais conhecidos é o motor "Perendev",
que cativa a imaginação da maioria das pessoas. Diz-se que dezenas
de estes motores têm sido feitas e vendidas como motores / geradores
com uma potência não inferior a 100 kilowatts. Tanto quanto sei, esta
não foi confirmada, nem ter havido testes independentes feitos no
motor que não seja um breve teste por Stirling Allen. Se você quiser
vê-lo, um velho, vídeo de um protótipo deste motor de baixa qualidade
pode ser visto aqui , no entanto, deixe-me sublinhar mais uma vez que
é muito difícil conseguir qualquer de imã permanente só de operação
do motor e é muito mais fácil começar com um como o motor Adams
mostrado no Capítulo 2, ou o motor Charles Flynn mostrado no início
deste capítulo. Por favor, note bem, que os ímãs usados neste projeto
são ímãs não-padrão e assim vai ser difícil de obter e, provavelmente,
muito caro por causa disso e blindagem magnética especializado é
usado. 
Pedido de Patente de Mike WO 2006/045333 A1 datado de 04 de
maio de 2006 é mostrado no apêndice. Em meados de 2010, Mike
teve tanta dificuldade em obter seu projeto em produção comercial
que seus apoios financeiros são os mais insatisfeitos com a situação,
e se Mike está tendo dificuldade em replicá-lo (como fez Howard
Johnson com seu motor de imã), em seguida, um recém-chegado este
campo seria bem aconselhado a ficar com motores de ímã que
utilizam movimento dos ímãs do estator, como Don Kelly, Stephen
Kundel e outros, ou motores de ímã usando blindagem mecânica ou
elétrica, tais como o motor Charles Flynn, o motor Robert Tracy, ou o
motor Jines. A blindagem magnética de Pasi Mäkilä Um método de
bloquear um campo magnético usando materiais simples, vem formar
Pasi Mäkilä da Finlândia. Seu vídeo mostrando esta é
a www.youtube.com/watch?v=14ayyu9PVSI e ele concentra-se na
colocação de blindagem em torno de um ímã cilíndrico: 

No entanto, quando usado como blindagem geral, uma série de


camadas de aço e alumínio plano pode ser usado e quando Pasi usa
folha de alumínio 1,5 mm de espessura e aço com 1 mm de
espessura, ele sugere o uso de folhas mais finas galvanizado. Ele
sugere o uso de quatro camadas de aço com uma folha de alumínio
entre as chapas de aço e, talvez, uma ou mais camadas de alumínio
do lado de fora. O principal objetivo do Pasi é compartilhar este
arranjo para permitir que as pessoas a fazer motores de ímã
permanente. Um arranjo que pode muito bem valer a pena
experimentar é usar a blindagem para bloquear a arrastar para trás de
ímãs do rotor do estator que passam ímãs, talvez assim: 
Com esta disposição, os pólos sul de os rotores magnéticos são
atraídas para os pólos Norte expostas dos imãs de estator, fazendo
com que o rotor gire. Assim que um rotor do Sul passa o estator pólo
Norte, o estator blindagem bloqueia a puxar inversa que normalmente
atrasar o rotor para baixo. Temos então a repulsão do pólo Norte do
íman do estator e o pólo norte do íman do rotor. Para bloquear isso,
um pequeno pedaço de blindagem é colocado ao lado do final pólo
norte do ímã rotor. Provavelmente seria uma vantagem para executar
o estator norte blindagem pólo sobre a parte superior e inferior do ímã
rotor para causar grandes bloqueios magnéticos. Este projeto motor
magnético é apenas uma sugestão e ainda não foi construído e
testado. O Twin Rotor Sugestão . Quando você está considerando
blindagem ímãs usando ferro ou aço, é preciso lembrar que os imãs
de geladeira ficar com geladeiras, porque as geladeiras são feitas de
aço. Isso demonstra o fato de que há uma atração entre ímãs e de
ferro ou aço. Por conseguinte, se um íman é blindado com aço de
modo que bloqueia a totalidade do campo magnético do íman, um
segundo magneto será atraído para que o material de blindagem
metálica. Neste site há, na atualidade, um vídeo por "magneticveil",
onde ele propõe a utilização deste recurso de blindagem simples na
construção de um motor de imã. Ele sugere o uso de dois rotores
voltadas juntos. Os rotores têm ímãs sobre eles, mas para fins de
explicação, apenas um par de ímãs são mostrados aqui: 
Cada ímã é atraído para o material de blindagem metálica entre os
rotores. Isto faz com que os rotores a rodar na direção indicada pelas
setas vermelhas. Os ímãs são atraídos para o ponto mais próximo do
escudo que eles podem chegar como mostrado aqui: 

Neste ponto, você esperaria que os rotores para parar de se mover e


de ficar em uma posição estacionária. No entanto, a ideia é
interessante para ajustar a forma da blindagem como este: 
Na extremidade da blindagem, a sua largura é reduzida e afunilada,
de modo que o campo magnético do íman atrás que corresponde
exatamente à atração do íman no lado mais próximo da
blindagem. Isto tem o efeito de dar uma zona completamente neutro
na ponta da blindagem, nem com uma atração ou uma repulsão nessa
região. O grau de afilamento depende da força dos imanes, a
espessura e material do escudo e o espaçamento entre os ímãs e a
blindagem, e que necessita de ser descoberto por experiência. Esta
zona de neutro deixa de haver uma grande atração entre os magnetos
e a blindagem, e assim por impulso transporta os rotores no passado
a extremidade da blindagem. Isso produz uma situação como esta: 

Aqui, os ímãs têm tinha ultrapassado o escudo e estão repelindo-se


fortemente. Elas são para além dos eixos dos rotores, de modo a força
de repulsão produz um efeito de ligar cada rotor. Esta é a situação
com apenas um par de ímanes, mas cada rotor terá muitas imãs
nele. Isto produz um efeito de viragem adicional. Considere apenas
um outro par de ímãs, na mesma posição que o nosso primeiro
diagrama: 

A atração entre os ímãs " A "e o escudo, contribui para a rotação


causada pelo impulso entre os ímãs não blindados. Esta disposição
dos imãs e blindagem deve permitir a rotação contínua dos dois
rotores e o motor pode ser interrompido por remoção do escudo. Deve
notar-se que este arranjo utiliza imãs em modo de repulsão. Isto é, os
pólos para o exterior dos magnetos em ambos os rotores são
iguais. Houve relatos de motores de ímanes permanentes, onde os
ímãs estavam no modo de repulsa, e enquanto estes motores correu
bem, verificou-se que, após cerca de três meses, os ímãs perderam
sua magnetização. Se de todo possível, imãs deve ser usado no seu
modo atração. Isso não é possível na disposição de duplo rotor acima,
de modo que se estiver a ser construída, ela pode ser uma boa ideia
para providenciar a construção física de tal maneira que os imãs de
rotor pode ser facilmente removido. Isso permite que remagnetisation
dos magnetos, ou, em alternativa, a sua substituição se os tipos de
muito baratos são usados. O ímã permanente Motor de Victor
Diduck Em número de pedido de patente US US2007 / 0296284, de
27 de dezembro de 2007, mostra-se um projeto convincente para um
ímã permanente poderoso do motor. Aqui é uma das formas de
realização de que a patente - um que parece razoavelmente fácil de
construir. 

Motor Magnético

Resumo:
Um motor magnético que tem um conjunto de acionamento magnético
magneticamente acoplado a um conjunto de escravos magnético. O
conjunto da unidade tem pelo menos um ímã unidade. Numa forma de
realização a unidade de ímã é montado sobre uma carenagem. Numa
outra forma de realização da unidade magneto está montado sobre
uma roda de acionamento. A montagem escravo tem pelo menos uma
roda escravo montado sobre um eixo escravo. Pelo menos, um
magneto escravo está montado na roda escravo. Numa forma de
realização imãs escravos são montados em ranhuras correndo na
diagonal da face da roda escravo. Numa outra concretização, os imãs
escravos são montados em corte de entalhes da roda escravo. O ímã
unidade é magneticamente acoplada ao ímã de escravos com os
pólos dispostas em uma orientação de como-faces-like. A diferença
entre o íman e unidade magneto escravo pode ser ajustado de modo a
otimizar o acoplamento magnético entre eles. A roda de escravos e
seu eixo escravo são obrigados a rodar pelo acoplamento magnético
entre o ímã unidade e o ímã escravo. O eixo escravo pode ser
acoplado a um dispositivo de saída tal como um gerador
eléctrico. ANTECEDENTES DA INVENÇÃO Tem havido uma série de
tentativas para motores magnéticos perfeitos; por exemplo, US
Pat. No. 4.151.431, concedida a Howard Johnson. No entanto, na
maior parte de tais dispositivos têm sido alcançados não há modelos
de trabalho. A fim de fazer um motor de íman permanente, é
necessário operar a realizar uma função de comutação equivalente à
realizada em motores eléctricos por escovas, comutadores, de
corrente alternada, ou outros meios. Em motores de ímã permanente
fuga magnética devem ser blindados, de modo a reduzir a energia
perdida como energia de correntes de Foucault. Uma combinação
adequada de materiais, geometria e de concentração magnética é
necessária, a fim de ser capaz de construir um motor magnético que
pode operar continuamente. SUMÁRIO DA INVENÇÃO Um motor
magnético é fornecido compreendendo um conjunto de acionamento
magnético magneticamente acoplado a um conjunto magnético
escravo. O conjunto magnético escravo inclui um eixo rotativo escravo
no qual está montado, pelo menos, uma roda rotativa escravo. Após o
escravo roda é montada pelo menos um ímã escravo. A montagem de
acionamento magnético inclui, pelo menos, um magneto de
acionamento que está magneticamente acoplado ao magneto escravo
numa orientação como das faces semelhante. Como resultado do
acoplamento magnético entre o magneto de acionamento e o íman
escravo, forças magnéticas produzido entre o magneto de
acionamento acoplado e íman escravo acionar a roda rotativa escravo,
tornando-o rodar e, portanto, fazendo com que o eixo escravo para
rodar. O eixo secundário é acoplado a um dispositivo de saída tal
como a armadura de um gerador eléctrico. A montagem escravo está
acoplada a uma armação. As rodas escravos são fixados à haste, de
modo que as rodas rodam em conjunto. Cada roda tem incorporado
escravo em sua superfície uma pluralidade de ímãs de escravos
estabelecidos em recortes cortadas na roda escravo. Um pólo de cada
íman escravo está exposta e voltado para fora a partir da superfície da
roda de escravo, e o outro pólo do íman enfrenta roda escravo. Ou o
pólo norte ou o pólo sul dos ímãs de escravos podem estar virada
para fora, enquanto cada ímã tem o mesmo pólo voltado para fora.
Numa modalidade os recortes nas rodas de escravos para receber os
ímãs de escravos formam espaçadas, sulcos paralelos correndo de
um lado da superfície da roda escravo para o outro para receber os
imãs escravos. O ângulo de cada uma das ranhuras ao longo da
superfície da roda de escravo é de preferência cerca de 35 graus em
relação à horizontal. A direção da orientação das ranhuras do outro
das rodas de escravo é também cerca de 35 graus fora da horizontal,
mas no sentido oposto ao da primeira roda. Numa outra
concretização, os recortes nas rodas escravo para receber os imãs
escravos são cortadas em entalhes da roda escravo e medidos em
intervalos iguais ao longo dos bordos da roda, intervalos de 45 graus
sendo preferido. Neste "capot" forma de realização da invenção, o
conjunto de acionamento magnético compreende um par de capotas
não magnéticos e que rodeiam substancialmente envolvendo cada
uma das rodas de escravos. Cada par de capotas forma uma
superfície semi-circular tendo um diâmetro ligeiramente maior do que
o diâmetro da sua respectiva roda escravo. A curvatura côncava das
carenagens enfrenta as rodas de escravos. Montado sobre a
superfície convexa das carenagens são uma pluralidade de
acionamento imãs permanentes. O acionamento ímãs são montados
de forma que eles apresentam para os ímãs de escravos do mesmo
pólo como os ímãs de escravos presentes para a unidade de ímãs; ou
seja, como-faces-como: de norte a norte ou a sul-to-sul. Nem as
carenagens nem os seus imãs de acionamento rodar. Nas várias
formas de realização, a abertura entre os ímãs e os imãs de
acionamento escravos é ajustável. BREVE DESCRIÇÃO DOS
DESENHOS Outras características e vantagens da invenção serão
evidentes a partir da seguinte descrição detalhada tomada em
conjunto com os desenhos que acompanham, onde: 

A Fig.1 é uma vista em perspectiva da forma de realização capota do


motor magnético com volantes anexas. 
A figura 2 é vista em perspectiva parcialmente desmontada da forma
de realização capota do motor magnético. 
Fig.3 é um diagrama da colocação ímã na carenagem. 
A figura 4 é um diagrama esquemático de uma roda escravo da forma
de realização das carenagens mostrando a posição dos imanes
permanentes. 

A Fig.5 é um diagrama esquemático de uma outra roda escravo da


forma de realização das carenagens mostrando a posição dos imanes
permanentes. DESCRIÇÃO DETALHADA DA INVENÇÃO Em várias
formas de realização da invenção, é geralmente fornecido um conjunto
de acionamento magnético e um conjunto magnético escravo, com um
campo magnético acoplar o conjunto da unidade ao conjunto de
escravos tal que, quando o conjunto da unidade gira faz com que o
conjunto de escravos para rodar. O acoplamento é totalmente
magnético, onde não são necessárias correntes, engrenagens, polias,
roscas sem fim ou outros acopladores físicas. 
Fig.1 e Fig.2 mostra uma primeira forma de realização da invenção,
aqui referida como a forma de realização "carenagem". Nesta forma
de realização o conjunto do escravo magnético do motor
magnético 101 compreende duas rodas de sólidos não-magnéticas
escravo 102 e 202 , mais claramente visto na Fig.2 . As rodas
escravos são montadas num êmbolo escravo 201 . A Fig.1 mostra
uma forma de realização na qual volantes opcionais 301, 401 são
montados no eixo escravo 201 . Os volantes podem ser
convenientemente montado em ou perto das extremidades do eixo
escravo. Um dispositivo 1301 para a geração de corrente eléctrica é
fornecida que é diretamente acoplado ao eixo escravo, ou
indiretamente ligado através de um volante, como mostrado na Fig.1 ,
ou através de algum outro elemento do conjunto magnético
escravo. Exceto para os elementos aqui mencionadas, o invento é
construído de um material não-magnético. Pheotic plástico ou
materiais cerâmicos são atualmente preferido para as rodas de
escravos e rodas de acionamento, mas uma grande variedade de
materiais não magnéticos é aceitável desde que o material não criar
ou exacerbar a correntes de Foucault. O diâmetro das rodas de
escravo em modelos atualmente em funcionamento é de
aproximadamente 10 polegadas (250 mm), a largura e cerca de 5
polegadas (125 mm). As dimensões óptimas das rodas secundárias
vão ser determinada pela aplicação específica do invento. Como se vê
na figura 2 , cada roda escravo tem uma pluralidade de ranhuras de
um lado para o outro. Uma tal ranhura é designada 701 . As ranhuras
em uma roda está orientado segundo um ângulo de cerca de 35 graus
em relação à borda da roda escravo, enquanto as ranhuras da
segunda roda estão orientadas a cerca de 35 graus em relação à
extremidade oposta, como se pode ver claramente naFig.2 . 
       
Fig.4 e Fig.5 demonstrar a orientação das ranhuras e a colocação dos
magnetos escravos. Os retângulos 104 e 105representam as
superfícies das rodas de escravos como se fossem estendidos no
chão. As ranhuras em roda escravo 104declive para baixo, da
esquerda para a direita em um ângulo de aproximadamente 35 graus
em relação à horizontal. As ranhuras em roda escravo 501 declive
para cima, da esquerda para a direita em um ângulo de
aproximadamente 35 graus em relação à horizontal. Na Fig.4 , as
ranhuras 204, 404, 604 , e 804 são representativas das ranhuras em
uma roda escravo. As ranhuras 205, 405, 605 , e 805 da roda escravo
representado na figura 5 são representativos de ranhuras na outra
roda escravo. Ímãs Escravo estão equipados nas ranhuras. Na Figura
4 , representativos ímãs de escravos são 304, 504, 704, 904,
1004 e 1104 . A posição preferida dos magnetos escravos é que tem
duas ranhuras adjacentes imãs posicionados nas suas extremidades,
como mostrado com 304, 504 , e 704 nas ranhuras 204 e 404 . A
próxima ranhura604 tem um único ímã escravo 904 colocados
centralmente. Este padrão de dois sulcos com finais ímãs e o terceiro
com um ímã central é repetido. A forma de realização preferida tem
um total de nove ranhuras 15 e imãs escravos por roda
escravo. Fig.5 mostra o mesmo padrão que é utilizado na segunda
roda escravo, por exemplo, na maneira pela qual escravos imãs 305,
505, 706, 905, 1005 , e 1105 são posicionadas nas ranhuras 205, 405,
605 , e 805 . Na forma de realização preferida, o pólo norte de cada
magneto escravo está voltado para fora a partir da ranhura; No
entanto, tendo o pólo sul virada para fora produz resultados
igualmente satisfatórios. Os ímãs podem ser coladas no lugar ou de
outra maneira firmemente fixada para que eles não mudam. As forças
atrativas estes ímãs produzem se pólos opostos estão autorizados a
fazer contato magnético requer aproximadamente 1.200 pés-lbs. para
superar. Escravos e da movimentação ímãs são ímãs permanentes e
têm o mesmo pólo voltado para fora, produzindo forças repulsivas da
ordem de uma medida 38 gauss. O conjunto de acionamento
magnético da concretização "carenagem" compreende emparelhado
carenagens clam-shell 601a, 601b e 501a, 501b , melhor visto
na Figura 2 , que mostra as carenagens em uma posição aberta,
expondo as rodas escravos. Fig.1 mostra as carenagens em posição
fechada, na qual o invento funciona. Crank lida 1001, 1101 operam
sem-fim-drives para fornecer para abrir e fechar as carenagens, a fim
de ajustar o espaço entre as carenagens e as rodas de escravos, e,
portanto, a diferença entre os ímãs de unidade e os ímãs de
escravos. Fig.1também mostra imãs de acionamento 701,
801 colocados sobre a superfície externa da blindagem 501a e 601a ,
respectivamente. Uma pluralidade de parafusos de ferro-
magnéticos 901 penetrar a carenagem clam-shell através de furos
com rosca. Estes parafusos modificar o campo magnético e eliminar
os pontos mortos. A colocação dos ímãs de acionamento e parafusos
é discutido abaixo. A partir Fig.1 , pode ver-se que a curvatura
combinado dos pares em concha, capotas resultados neles quase
circundante respectiva roda escravo, quando na posição fechada. Isto
é, cada membro de um par carenagem rodeia um pouco menos do
que 180 graus da circunferência da roda secundária, de modo que,
quando justapostas na posição fechada, rodeiam em conjunto, cerca
de 360 graus da circunferência da roda escravo.

Fig.3 e Fig.3b representam um padrão para a montagem dos ímãs de


escravos no exterior, ou convexo, superfície de um par de
carenagens. A figura representa a carenagem-metades 103, 703 como
se estivessem deitadas. Linhas de guia são proporcionados na figura
a indicar a linhas longitudinal bissecta 403 e linhas horizontais 503 que
dividem cada carenagem em oitavos. Com respeito ao meio
carenagem mostrado na Fig.3 , duas unidade de imãs
permanentes, 203, 303 são coladas ao lado de fora superfície da
capota na linha 403 que atravessa o carenagem
longitudinalmente. Uma unidade ímã 203 é colocado cerca de um
oitavo do caminho de um fim. A segunda unidade de ímã 303 é
colocado em três oitavos da forma da extremidade oposta. Ferro-
magnético parafusos 603 são inseridas no carenagem através de
furos rosqueados. A finalidade dos parafusos é de modificar o campo
magnético para eliminar os pontos mortos. Com respeito ao meio
carenagem mostrado na Fig.3b , an de alimentao 803 é colocado em
três oitavos de forma a partir de uma extremidade, e unidade
magneto 903 é colocado um oitavo ( 1/16? ) de maneira a partir da
outra extremidade. Mais uma vez, os parafusos ferro-
magnéticos 603 são fornecidos para eliminar os pontos mortos no
campo magnético. O diâmetro através de cada roda escravo é de
aproximadamente 10 polegadas (250 mm). Medido a partir da parte
inferior do sulco404 do diâmetro é de 9 polegadas (225 mm). Por
conseguinte, o comprimento do arco da parte inferior de uma ranhura
para a parte inferior de uma ranhura adjacente é Pi polegadas (ou
seja, 3,14 polegadas ou 80 mm). Os imans de accionamento são
coladas ou de outro modo fixo firmemente às superfícies exteriores ou
côncavas das carenagens.Supondo-se que os ímãs de escravos
foram montados nas ranhuras das rodas de escravos com o pólo norte
voltado para fora, o pólo norte de cada ímã unidade é fixada contra a
superfície da carenagem para que como pólos enfrentar um ao
outro. Como as carenagens são movidos para as rodas escravos
rodando o manivelas 1101, 1001 os imãs de acionamento repelem os
imãs escravos, fazendo com que as rodas de escravo a rodar. O
ajuste do espaçamento entre as carenagens e as rodas de escravos
por meio de manivelas 1101, 1001 Ajusta a força da interação dos
campos dos imãs de acionamento e escravos imãs e,
consequentemente, o binário sobre as rodas escravos. Tal como
mostrado naFig.1 , mosca-rodas 301, 401 pode, opcionalmente, ser
montado sobre o eixo escravo. A posição preferida é na ou perto da
extremidade do veio. Escravo eixo 201 se transforma assim como um
resultado da força magnética das capotas sendo aplicado às rodas
escravos. Este eixo pode ser acoplado a uma saída, tal como a
armadura de um gerador de 1301 , quer diretamente ou através de um
volante, como mostrado. Em alternativa, o motor magnético si poderia
acionar uma bomba hidráulica de uma transmissão, reduzindo assim
os componentes da transmissão do número e da complexidade global
de transmissões. Muitas aplicações diferentes para este motor tornar-
se evidente, uma vez que ele é realizado através da utilização muito
fortes de acionamento imãs permanentes de energia útil podem ser
gerados. É possível fazer variar as dimensões das rodas
escravos. Atualmente, o diâmetro preferido é de cerca de 10
centímetros e uma largura de 5 cm. O motor pode funcionar com o
eixo escravo 201 vertical ou horizontal. Embora o alumínio é um
material adequado para o motor, a utilização de um plástico duro ou
material cerâmico, também têm sido utilizados com sucesso. Plástico
Pheotic é presentemente preferido. Ao usar duas rodas de escravos,
em vez de apenas um, todos os pontos mortos em uma roda vai ser
compensada por outra roda. O limite superior ou o número de rodas
escravo não é ainda conhecida. O limite inferior é um deles. Patrick
Kelly www.free-energy-info.tuks.nl www.free-energy-info.com www.fre
e-energy-info.tuks.co.uk