Você está na página 1de 17

Poder Judiciário

Justiça do Trabalho
Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região

Recurso Ordinário - Rito Sumaríssimo


0021543-07.2017.5.04.0332
PARA ACESSAR O SUMÁRIO, CLIQUE AQUI

Processo Judicial Eletrônico

Data da Autuação: 18/04/2018


Valor da causa: R$ 34.500,00

Partes:
RECORRENTE: ALAOR RODRIGO LIMA BORGES
ADVOGADO: FILIPE MERKER BRITTO
ADVOGADO: DANIEL ALBERTO LEMMERTZ
RECORRIDO: EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S A
ADVOGADO: PATRICIA FERNANDEZ SELISTRE
PAGINA_CAPA_PROCESSO_PJE
PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO TRABALHO
TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO
Gabinete da Vice-Presidência
ROPS 0021543-07.2017.5.04.0332
RECORRENTE: ALAOR RODRIGO LIMA BORGES
RECORRIDO: EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S A

Processo n. 0021543-07.2017.5.04.0332

Agravante: ALAOR RODRIGO LIMA BORGES

Agravado: EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S A

Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos.

Ao agravado para, querendo, apresentar contrarrazões, na forma do art. 897, § 6º, da CLT.

Cumprido, encaminhe-se ao TST.

Intime-se.

Porto Alegre, 21 de Setembro de 2018.

RICARDO CARVALHO FRAGA


Vice-Presidente do TRT da 4a. Região

Assinado eletronicamente por: RICARDO CARVALHO FRAGA - 24/09/2018 16:15:43 - 15876e5


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18092114595973900000027709380
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18092114595973900000027709380
/rlas

Assinado eletronicamente por: RICARDO CARVALHO FRAGA - 24/09/2018 16:15:43 - 15876e5


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18092114595973900000027709380
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18092114595973900000027709380
PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO TRABALHO
TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO
Gabinete da Vice-Presidência
ROPS 0021543-07.2017.5.04.0332
RECORRENTE: ALAOR RODRIGO LIMA BORGES
RECORRIDO: EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S A

ROPS - 0021543-07.2017.5.04.0332 - OJC da Presidência

RECURSO DE REVISTA

Recorrente(s): ALAOR RODRIGO LIMA BORGES

Advogado(a)(s): FILIPE MERKER BRITTO (RS - 69129)

DANIEL ALBERTO LEMMERTZ (RS - 59730)

Recorrido(a)(s): EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO


ALEGRE S A

Advogado(a)(s): PATRICIA FERNANDEZ SELISTRE (RS - 57169)

O recurso de revista tramita sob a égide da lei nº 13.015/2014 e a reforma


operada no recurso de revista por meio dessa lei consagrou o rigor formal da medida. Os requisitos
formais para elaboração e admissibilidade do recurso foram inseridos de modo a fortalecer a natureza
extraordinária do apelo, e tais requisitos devem ser respeitados por imposição legal, sob pena de não
conhecimento do recurso. Nesse sentido: ED-RR-919-65.2013.5.23.0002, SBDI-1, DEJT 22/05/2015;
AgR-E-AIRR-1542-32.2013.5.09.0128, SDI-1, DEJT: 19/02/2016.

Partindo de tais premissas, passo ao exame de admissibilidade do recurso.

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

Recurso tempestivo.

Representação processual regular.

Preparo dispensado.

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Assinado eletronicamente por: RICARDO CARVALHO FRAGA - 09/08/2018 14:41:19 - 28317a7


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18070915362887200000024707302
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18070915362887200000024707302
Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado / Indenização por
Dano Moral

Não admito o recurso de revista no item.

A teor do art. 896, § 1º-A, da CLT, com a redação dada pela Lei 13.015
/14, aplicável aos recursos interpostos de acórdãos publicados a partir de 22/09/14, não se recebe recurso
de revista que deixar de indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o prequestionamento da
controvérsia objeto de inconformidade; que deixar de indicar, de forma explícita e fundamentada,
contrariedade a dispositivo de lei, súmula ou orientação jurisprudencial do Tribunal Superior do Trabalho
que conflite com a decisão regional, bem como que deixar de expor as razões do pedido de reforma,
impugnando todos os fundamentos jurídicos da decisão recorrida, inclusive mediante demonstração
analítica de cada dispositivo de lei, da Constituição Federal, de súmula ou orientação jurisprudencial cuja
contrariedade aponte.

Destaco que o cabimento do recurso de revista interposto contra decisão


proferida em causa sujeita ao rito sumaríssimo está restrito aos casos de violação direta a dispositivo da
Constituição Federal, contrariedade a súmula do Tribunal Superior do Trabalho ou contrariedade a
súmula vinculante do Supremo Tribunal Federal, nos termos do art. 896, § 9º, da CLT, com a redação
dada pela Lei nº 13.015/2014

Na análise do recurso, evidencia-se que a parte não observou o ônus que


lhe foi atribuído pela lei, na medida em que não estabeleceu o confronto analítico em relação aos
dispositivos da Constituição Federal invocados.

Nestes termos, nego seguimento ao recurso quanto ao(s) tópico(s) "DA


INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS".

CONCLUSÃO

Nego seguimento.

Intime-se.

RICARDO CARVALHO FRAGA

Vice-Presidente do TRT 4ª Região

/mr

Assinado eletronicamente por: RICARDO CARVALHO FRAGA - 09/08/2018 14:41:19 - 28317a7


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18070915362887200000024707302
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18070915362887200000024707302
Assinado eletronicamente por: RICARDO CARVALHO FRAGA - 09/08/2018 14:41:19 - 28317a7
https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18070915362887200000024707302
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18070915362887200000024707302
PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO TRABALHO
TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

Identificação
PROCESSO nº 0021543-07.2017.5.04.0332 (ROPS)
RECORRENTE: ALAOR RODRIGO LIMA BORGES
RECORRIDO: EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S A
RELATOR: LAIS HELENA JAEGER NICOTTI

EMENTA

PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os autos.

ACORDAM os Magistrados integrantes da 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª


Região: por unanimidade, NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO ORDINÁRIO DO
RECLAMANTE, Alaor Rodrigo Lima Borges, mantendo-se a decisão recorrida por seus próprios e
jurídicos fundamentos, nos termos do artigo 895, § 1º, inciso IV, "in fine", da CLT, com a redação dada
pela Lei nº 9.957/2000.

Intime-se.

Porto Alegre, 20 de junho de 2018 (quarta-feira).

RELATÓRIO

PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO

É o relatório.

FUNDAMENTAÇÃO

Assinado eletronicamente por: LAIS HELENA JAEGER NICOTTI - 21/06/2018 10:58:40 - 062c08a
https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18042415485414900000022088804
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18042415485414900000022088804
PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO

LAIS HELENA JAEGER NICOTTI


Relator

VOTOS

PARTICIPARAM DO JULGAMENTO:

DESEMBARGADORA LAÍS HELENA JAEGER NICOTTI (RELATORA)

DESEMBARGADOR MANUEL CID JARDON

DESEMBARGADOR FABIANO HOLZ BESERRA

Assinado eletronicamente por: LAIS HELENA JAEGER NICOTTI - 21/06/2018 10:58:40 - 062c08a
https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18042415485414900000022088804
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18042415485414900000022088804
PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO TRABALHO
TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO
4ª VARA DO TRABALHO DE SÃO LEOPOLDO
RTSum 0021543-07.2017.5.04.0332
AUTOR: ALAOR RODRIGO LIMA BORGES
RÉU: EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S A

Vistos, etc.

Recebo o recurso ordinário id 5f83697, pois presentes os pressupostos de admissibilidade.

Intime-se a parte contrária para, querendo, apresentar contrarrazões.

Após, encaminhem-se os autos ao Egrégio Tribunal Regional da 4ª Região.

SAO LEOPOLDO, 26 de Março de 2018

JARBAS MARCELO REINICKE


Juiz do Trabalho Titular

Assinado eletronicamente por: JARBAS MARCELO REINICKE - 26/03/2018 14:56:01 - 4ede6c2


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18032614352327200000021925376
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18032614352327200000021925376
PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO TRABALHO
TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO
4ª VARA DO TRABALHO DE SÃO LEOPOLDO
RTSum 0021543-07.2017.5.04.0332
AUTOR: ALAOR RODRIGO LIMA BORGES
RÉU: EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S A

VISTOS, ETC.

ALAOR RODRIGO LIMA BORGES ajuíza, em 27.10.2017, ação trabalhista


contra EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S/A.

Dispensado o relatório nos termos do artigo 852 - I da CLT.

ISTO POSTO:

1. Indenização por danos morais.

Afirma o reclamante que foi vítima de assaltos, ameaças e violência urbana no


local de trabalho em diversas oportunidades. Noticia duas ocorrências, a primeira em 05.12.2013, na qual
foi vítima de agressão e de ameaça, e a segunda em 09.09.2014, quando teve seu veículo arrombado, com
furto de objetos, estacionado em local reservado pela reclamada. Diz que os fatos ocorreram em horário
de trabalho, ressaltando que a reclamada não dispõe de forma satisfatória. Sustenta a negligência da
reclamada quanto à adoção de medidas de segurança no ambiente de trabalho. Busca o autor a
condenação das reclamadas ao pagamento de indenização por danos morais.

A defesa sustenta que a violência no país é uma questão que se vincula às


condições sociais de nossa população, bem como tem relação com as deficiências no que concerne à
segurança pública. Refere que suas estações são locais de acesso público, sendo absolutamente inviável à

Assinado eletronicamente por: JARBAS MARCELO REINICKE - 02/03/2018 14:25:52 - 02a189e


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18020716385694700000021925381
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18020716385694700000021925381
reclamada adotar medidas restritivas quanto ao trânsito de pessoas, ou mesmo implantar sistemas de
controle de bagagens ou revista nos usuários. Sustenta, assim, em resumo, que as questões relativas à
segurança pública. Nega o direito a indenização por danos morais.

Não se reconhece procedência ao pleito.

Os elementos trazidos aos autos revelam que as ocorrências em que envolvido o


reclamante não tiveram relação direta com a prestação de serviços em favor da reclamada.

Relata a primeira testemunha:

que o depoente presenciou um problema de segurança com o reclamante, o que ocorreu na estação SantoAfonso;
que isso ocorreu há quatro anos, não sabendo precisar a data; que o incidente ocorreu na rua,vindo dois carros, os
quais prensaram um cachorro no meio da rua; que isso ocorreu à noite, em torno das23h30min, sendo que a estação
já estava fechada, com o que o depoente abria a porta para os funcionáriossairem; que então o reclamante tirou uma
foto da placa desse dois carros, sendo que então os motoristasnão gostaram, acreditando o depoente que estivessem
bêbados, sendo que deixaram os carros na rua epularam a grade que dava para a estação, e discutiram verbalmente,
com ameaça para o reclamante; que odepoente estava ao lado; que o reclamante entrou na estação e um deles
entrou junto e começou a agrediro reclamante; que então o depoente entrou também na estação, bateu em um deles
e tirou ele da estação;que eles ficaram mais uns cinco minutos incomodando, e depois foram embora; que depois
chegou aguarda municipal, mas a situação já havia encerrado; que então foram até a delegacia registrar
aocorrência, sendo que o rapaz foi identificado pela placa; que não sabe dizer como ficou o reclamantedepois disso,
pois o depoente estava apenas esperando sua rendição para ir embora, mas o depoenteacabou saindo às 2h20min;
que no momento do incidente estava o reclamante como funcionário e odepoente como segurança; que o trem já
havia encerrado no momento, sendo que ainda havia usuários dostrens que estavam chegando; que o depoente já se
envolveu em muitas ocorrências desse tipo, inclusivecom violência; que no turno da noite, são em torno de 14 ou
15 seguranças para todas as estações dotrensurb; que à noite com certeza acontece de mais da metade das estações
nã o terem segurança; quequando do incidente, deveria ainda ter quatro ou cinco pessoas que estivessem saindo do
metrô; que nãoapareceu nenhuma testemunha externa; que a porta que o depoente estava cuidando era ao lado de
ondeocorreu o acidente; que tiraram fotos dos carros em função do ato em si

Como se vê do relato, o incidente teve início na rua, em questão relativa a


decorrências de acidente de trânsito, após o final do horário de expediente do reclamante, inclusive com
presença de segurança da reclamada, no caso a própria testemunha.

A segunda testemunha relata o segundo incidente noticiado na inicial:

que o depoente participou de uma ocorrência em que o reclamante teve o carro arrombado, com itens roubados;
que isso ocorreu na estação de Esteio, não lembrando a data, sendo há três ou quatro anos; que a brigada militar viu
um veículo com vidro arrombado e então entrou em contato com a trensurb e a supervisão acionou o depoente; que
então o depoente foi até o veículo e então o depoente acompanhou o reclamante até´a residência dele; que no lugar
do reclamante na estação ficou um segurança; que o carro do reclamante estava na área de estacionamento do
trensurb na estação de Esteio; que esse local não e´fechado; que há uma placa regulamentando o local; que não há
portão; que é um local fechado para veículos, mas os taxistas do local, acredita, arrebentaram uma corrente que
havia no local, sendo que então passaram a utilizar; que os funcioná rios da trensurb muito raramente estacionam
ali, em função de arrombamentos, que aconteceu com o reclamante e também com outros, inclusive com uma
viatura do trensurb utilizada pelo depoente; que se estiver veículo na parte da noite nesse local certamente ocorre

Assinado eletronicamente por: JARBAS MARCELO REINICKE - 02/03/2018 14:25:52 - 02a189e


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18020716385694700000021925381
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18020716385694700000021925381
arrombamento; refere que esse local é perto da vila pedreira, local de tráfico; que não recorda o que foi furtado,
acreditando que o rádio e outros itens; que a área do estacionamento pertence ao trensurb; que conforme placa esse
estacionamento era exclusivo para funcionários; que na época a câmera de segurança não pega nesse local; que no
estacionamento não há nenhum outro tipo de segurança; que o depoente soube que o reclamante foi assaltado a
mão armada na estação de Canoas e também sofreu agressão na estação Santo Afonso, sendo que o depoente ficou
sabendo via diário operacional da trensurb, onde ficam registradas todas as ocorrências mais relevantes da trensurb;
que acredita que quem sofre agressão pode solicitar cópia desses registros

Conforme esclarece a testemunha, o local utilizado pelos empregados da


reclamada para estacionamento de seus veículos é aberto, inclusive com utilização por terceiros, sequer
se podendo ter certeza sobre se tratar, de fato, de imóvel pertencente à reclamada. Assim, não se pode
estabelecer como obrigatória a colocação de sistema de segurança nesse local, sabendo os empregados
que utilizam tal local, de antemão, que ele não guarda garantia de ausência de acesso por outros que não
apenas os empregados da reclamada.

Apenas um fato violento relativo ao reclamante consta dos autos, ocorrido em


24.08.2012, em data já alcançada pela prescrição quinquenal.

Nesses termos, como se vê dos elementos trazidos aos autos, não se reconhece
tenha a reclamada negligenciado em suas obrigações de segurança em relação a seus empregados, no
caso, o reclamante, não se entendendo que os incidentes relatados na prova oral produzida tenham
decorrido de culpa patronal.

Demais disso, não há como se atribuir à ré a conduta de meliantes, por se tratar de


típico fato de terceiro, sob o qual a reclamada não possui ingerência direta, sendo isso suficiente para
romper o nexo de causalidade. Este Juízo entende que a garantia de segurança física e patrimonial dos
trabalhadores é atribuição do Estado, por seus órgãos de segurança, apenas se reconhecendo
responsabilidade patronal na hipótese de as atividades do empregador, por si só, gerarem condições de
insegurança a seus trabalhadores, somando-se à reiteração ou gravidade de atos criminosos no qual o
trabalhador é vítima, o que não é o caso dos autos.

Não se reconhece, por consequência, a prática de ato ilícito patronal gerador do


direito a indenização de ordem extrapatrimonial.

Indefere-se.

2. Assistência Judiciária gratuita.

Não se reconhece direito a honorários de advogado em favor do reclamante, em


virtude da improcedência da demanda.

Assinado eletronicamente por: JARBAS MARCELO REINICKE - 02/03/2018 14:25:52 - 02a189e


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18020716385694700000021925381
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18020716385694700000021925381
De outra parte, a teor do disposto no art. 790, § 3º, da CLT, dispensa-se ele do
recolhimento de eventuais custas judiciais, em virtude da declaração de insuficiência econômica
apresentada, concedendo-lhe o benefício da Justiça Gratuita.

Oportuno registrar o entendimento do Juízo quanto à inaplicabilidade dos


dispositivos acerca de sucumbência previstos na Lei 13.467/17, tendo em vista o ajuizamento da ação em
data anterior à vigência dessa norma.

DIANTE DO EXPOSTO, julgo IMPROCEDENTE a ação movida por ALAO


R RODRIGO LIMA BORGES contra EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S
/A.

Custas de R$ 690,00, calculadas sobre R$ 34.500,00, pelo autor, que fica


dispensado do recolhimento, por se encontrar ao amparo do benefício da Justiça Gratuita. Intimem-se as
partes. Transitada em julgado, arquivem-se os autos. Decisão publicada no sistema PJe. NADA MAIS.

Jarbas Marcelo Reinicke

Juiz do Trabalho

SAO LEOPOLDO, 2 de Março de 2018

JARBAS MARCELO REINICKE


Juiz do Trabalho Titular

Assinado eletronicamente por: JARBAS MARCELO REINICKE - 02/03/2018 14:25:52 - 02a189e


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18020716385694700000021925381
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18020716385694700000021925381
ATA DE AUDIÊNCIA

PROCESSO: 0021543-07.2017.5.04.0332
RECLAMANTE(S): ALAOR RODRIGO LIMA BORGES
RECLAMADA(S): EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S A

Em 07 de fevereiro de 2018, na sala de sessões da MM. 4ª VARA DO TRABALHO DE SAO LEOPOLDO


/RS, sob a direção do Exmo(a). Juiz JARBAS MARCELO REINICKE, realizou-se audiência relativa ao
processo identificado em epígrafe.

Às 14h25min, aberta a audiência, foram, de ordem do Exmo(a). Juiz do Trabalho, apregoadas as partes.

Presente o autor, acompanhado do(a) advogado(a), Dr(a). JAQUELINE CRISTIANE GOTZ,


OAB nº 105150/RS.

Presente o preposto do réu, Sr(a). Sabrina Alves Vasconcelos, acompanhado(a) do(a)


advogado(a), Dr(a). LUCIANO DE PELLEGRIN BARZOTTO, OAB nº 66181/RS.

CONCILIAÇÃO: Rejeitada.

CONTESTAÇÃO: Escrita, já protocolizada e sem registro de sigilo.

Testemunha do(a) reclamante. Paulo Ricardo Menegassi Gonçalves, CPF 409505140-04:


, brasileiro(a), casado(a), profissão Metroviario, residente na Biguas, 264, Alvorada. Advertido(a) e
compromissado(a). PR: que trabalha na reclamada desde outubro de 2011, como agente de segurança;
que o depoente presenciou um problema de segurança com o reclamante, o que ocorreu na estação Santo
Afonso; que isso ocorreu há quatro anos, não sabendo precisar a data; que o incidente ocorreu na rua,
vindo dois carros, os quais prensaram um cachorro no meio da rua; que isso ocorreu à noite, em torno das
23h30min, sendo que a estação já estava fechada, com o que o depoente abria a porta para os
funcionários sairem; que então o reclamante tirou uma foto da placa desse dois carros, sendo que então
os motoristas não gostaram, acreditando o depoente que estivessem bêbados, sendo que deixaram os
carros na rua e pularam a grade que dava para a estação, e discutiram verbalmente, com ameaça para o
reclamante; que o depoente estava ao lado; que o reclamante entrou na estação e um deles entrou junto e
começou a agredir o reclamante; que então o depoente entrou também na estação, bateu em um deles e
tirou ele da estação; que eles ficaram mais uns cinco minutos incomodando, e depois foram embora; que
depois chegou a guarda municipal, mas a situação já havia encerrado; que então foram até a delegacia
registrar a ocorrência, sendo que o rapaz foi identificado pela placa; que não sabe dizer como ficou o
reclamante depois disso, pois o depoente estava apenas esperando sua rendição para ir embora, mas o
depoente acabou saindo às 2h20min; que no momento do incidente estava o reclamante como funcionário
e o depoente como segurança; que o trem já havia encerrado no momento, sendo que ainda havia
usuários dos trens que estavam chegando; que o depoente já se envolveu em muitas ocorrências desse
tipo, inclusive com violência; que no turno da noite, são em torno de 14 ou 15 seguranças para todas as
estações do trensurb; que à noite com certeza acontece de mais da metade das estações nã o terem
segurança; que quando do incidente, deveria ainda ter quatro ou cinco pessoas que estivessem saindo do
metrô; que não apareceu nenhuma testemunha externa; que a porta que o depoente estava cuidando era ao
lado de onde ocorreu o acidente; que tiraram fotos dos carros em função do ato em si; NADA MAIS.

Assinado eletronicamente por: JARBAS MARCELO REINICKE - 07/02/2018 15:40:21 - 473be42


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18020714530342600000021925382
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18020714530342600000021925382
Segunda Testemunha do(a) reclamante. Rodrigo Feijo Floor, CPF: 021605510-58,
brasileiro(a), casado(a), profissão Segurança Metroviario, residente na rua Antunes, Ribas, 180, apt 403,
Morro do Espelho, São Leopoldo. Advertido(a) e compromissado(a). PR: que trabalha na reclamada
desde 17.10.2011 como segurança metroviário; que o depoente participou de uma ocorrência em que o
reclamante teve o carro arrombado, com itens roubados; que isso ocorreu na estação de Esteio, não
lembrando a data, sendo há três ou quatro anos; que a brigada militar viu um veículo com vidro
arrombado e então entrou em contato com a trensurb e a supervisão acionou o depoente; que então o
depoente foi até o veículo e então o depoente acompanhou o reclamante até´a residência dele; que no
lugar do reclamante na estação ficou um segurança; que o carro do reclamante estava na área de
estacionamento do trensurb na estação de Esteio; que esse local não e´fechado; que há uma placa
regulamentando o local; que não há portão; que é um local fechado para veículos, mas os taxistas do
local, acredita, arrebentaram uma corrente que havia no local, sendo que então passaram a utilizar; que os
funcioná rios da trensurb muito raramente estacionam ali, em função de arrombamentos, que aconteceu
com o reclamante e também com outros, inclusive com uma viatura do trensurb utilizada pelo depoente;
que se estiver veículo na parte da noite nesse local certamente ocorre arrombamento; refere que esse local
é perto da vila pedreira, local de tráfico; que não recorda o que foi furtado, acreditando que o rádio e
outros itens; que a área do estacionamento pertence ao trensurb; que conforme placa esse estacionamento
era exclusivo para funcionários; que na época a câmera de segurança não pega nesse local; que no
estacionamento não há nenhum outro tipo de segurança; que o depoente soube que o reclamante foi
assaltado a mão armada na estação de Canoas e também sofreu agressão na estação Santo Afonso, sendo
que o depoente ficou sabendo via diário operacional da trensurb, onde ficam registradas todas as
ocorrências mais relevantes da trensurb; que acredita que quem sofre agressão pode solicitar cópia desses
registros; NADA MAIS.

ENCERRAMENTO: Não havendo mais provas, é encerrada a instrução. Razões finais:


remissivas, renovando os procuradores os protestos lançados. Conciliação: rejeitada. Venham os autos
conclusos para julgamento, sem data designada. Cientes os presentes. Ata juntada em audiência. NADA
MAIS.

JARBAS MARCELO REINICKE

Juiz do Trabalho

Ana Cristina Feijo

Secretária de Audiências

Assinado eletronicamente por: JARBAS MARCELO REINICKE - 07/02/2018 15:40:21 - 473be42


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=18020714530342600000021925382
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 18020714530342600000021925382
PODER JUDICIÁRIO FEDERAL
JUSTIÇA DO TRABALHO
TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 4ª REGIÃO
2ª VARA DO TRABALHO DE SÃO LEOPOLDO
Avenida João Corrêa, 656, Centro, SAO LEOPOLDO - RS - CEP: 93020-690
e.mail: varasleo_02@trt4.jus.br

PROCESSO: 0021543-07.2017.5.04.0332
CLASSE: AÇÃO TRABALHISTA - RITO SUMARÍSSIMO (1125)
AUTOR: ALAOR RODRIGO LIMA BORGES
RÉU: EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S A

DECISÃO

Não se configurando qualquer hipótese prevista no art. 286 do NCPC que justifique a
distribuição dirigida a este órgão julgador em face do(s) processo(s)
0021298-93.2017.5.04.0332, redistribua-se o feito aleatoriamente.

São Leopoldo, 30 de Outubro de 2017

RODRIGO DE ALMEIDA

Juiz do Trabalho

Assinado eletronicamente por: RODRIGO DE ALMEIDA TONON - 17/11/2017 02:08:47 - 55fb543


https://pje.trt4.jus.br/segundograu/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?nd=17103014265212700000021925401
Número do processo: 0021543-07.2017.5.04.0332
Número do documento: 17103014265212700000021925401
SUMÁRIO
Documentos

Data da
Id. Documento Tipo
Assinatura

15876e5 24/09/2018 16:15 Despacho Despacho

28317a7 09/08/2018 14:41 Decisão Decisão

062c08a 21/06/2018 10:58 Acórdão Acórdão

4ede6c2 26/03/2018 14:56 Decisão Decisão

02a189e 02/03/2018 14:25 Sentença Sentença

473be42 07/02/2018 15:40 Ata da Audiência Ata da Audiência

55fb543 17/11/2017 02:08 Decisão de prevenção Decisão