Você está na página 1de 5

1

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO Nº APR: 01

FUNÇÃO: LAVADOR
DATA: 18/02/2018
REVISÃO: XX
EMPRESA: Experience Gestão e Segurança do Trabalho
DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE:
No início do turno efetua a leitura da quantidade de veículos. Orienta o cliente a posicionar o veículo para iniciar a lavagem. Primeiro joga o produto
ativado e depois o produto solupan , em seguida água para lavagem, todos por meio de um único tipo de jato, cujo produto é selecionado mediante
troca de recipientes. Após efetua o recebimento e orienta o condutor a posicionar o veículo para enxague na máquina. Efetua a troca dos tambores
de produtos.
Link do vídeo explicando como preencher uma APR https://www.youtube.com/watch?v=K7b-koGUcBE
riscosQualificação

MEDIDAS DE

FREQUÊNCIA
SEVERIDADE
Requisitos
CONTROLE E

RISCO
Riscos PREVENTIVAS
Efeitos Causas OBSERVAÇÃO
EXISTENTES E/OU
CORRETIVAS A
Ruídos Perda auditiva, estresse, Veículos automotores. NR6 MediçãoAPLICAR
no nível de Ruído de Monitorar ruído de
cansaço, taquicardia. Gerador. NR15A I A 1 acordo com Anexo I da NR15. acordo com PPRA e
1 Exames de audiometria PCMSO. Audiometria.
Calor Aumento da pulsação, Movimentação de veículos NR15A Não há necessidade Não há
dos
Físicos

cansaço, irritação, automotores. Temperatura 3


I C 1
taquicardia, fadiga térmica, atmosférica.
hipertensão.
Umidade Doenças respiratórias, Condição atmosférica. NR15A Uso de avental, luvas e botas de Não há
circulatórias, da pele e 10 I A 1 borracha.
quedas.
2

dos riscosQualificação MEDIDAS DE

FREQUÊNCIA
SEVERIDADE
Requisitos
CONTROLE E

RISCO
Riscos PREVENTIVAS
Efeitos Causas OBSERVAÇÃO
EXISTENTES E/OU
CORRETIVAS A
APLICAR
Gases e vapores Intoxicação aguda ou Vapores advindos dos NR6 Controle de exposição com Medições quantitativas
(Benzeno, Tolueno, crônica, efeitos hepáticos, produtos mediante névoa. NR15A medições quantitativas. Uso de muito abaixo do limite
Etilbenzeno, n- carnogenicidade, 11 respirador contra vapores e de exposição. Exames
Hexano, Xileno, depressão, irritação ocular, NR16 névoas Procedimento periódicos de acordo
Naftaleno, irritação cutânea Operacional. Dar conhecimento com PCMSO.
II E 3
Ciclohexano, Estireno ao colaborador sobre os riscos Hemograma completo
e Tri-metil-benzeno nos termos na NR20, e plaquetas.
Químicos

características e propriedades Audiometria


físico-químicas. Exames
periódicos
Substâncias Dor de cabeça, náuseas, Gases da combustão dos NR6; Procedimento Operacional. Uso Exames periódicos de
compostas ou sonolência, convulsões, motores dos veículos NR16 de respiradores contra vapores acordo com PCMSO,
produtos químicos irritação das vias aéreas automotores. Vapores e névoas. Elaboração do PPR hemograma completo e
em geral superiores. advindos dos produtos I D 2 (Programa de Proteção plaquetas. Audiometria.
mediante névoas Respiratória) Aplicar o uso de
respiradores e elaborar
o PPR (Prazo: 30 dias)
Esforço físico Estresse, cansaço, lesões Longa jornada de trabalho. NR17 Análise ergonômica do trabalho Cumprir análise
osteomioarticulares. II C 1 Treinamento Postura Adequada ergonômica
Ergonômicos

(Prazo 60 dias)
Controle rígido de Estresse e cansaço Longa jornada de trabalho NR17 Análise ergonômica do trabalho Cumprir análise
produtividade I B 1 ergonômica
(Prazo 60 dias)
Postura inadequada Estresse, cansaço e lesões Desconforto postural NR17 Análise ergonômica do trabalho Cumprir análise
osteomioarticulares. I B 1 e Treinamento Postura ergonômica
Adequada (Prazo 60 dias)
3

dos riscosQualificação
MEDIDAS DE

FREQUÊNCIA
SEVERIDADE
Requisitos
CONTROLE E

RISCO
Riscos PREVENTIVAS
Efeitos Causas OBSERVAÇÃO
EXISTENTES E/OU
CORRETIVAS A
APLICAR
Trabalho em Quedas com lesões Falta de limpeza, piso NR24 Piso de cimento rústico; Não há
superfícies (fraturas, contusões, inadequado. I B 1 Limpeza periódica.
escorregadias torções)
Arranjo físico Cansaço, lesões Estrutura inadequada ou NR26 Não há necessidade Não há
inadequado osteomioarticulares, ausência de manutenção.
I A 1
contato com material
perfuro cortante.
Acidentes

Instalações elétricas Queimaduras, parada Instalação inadequada e NR10 Instalações de acordo com De acordo com laudo
cardiorrespiratória, curto ausência de manutenção. NR10. Manutenção preventiva e técnico
I A 1
circuito, explosão periódica.
Aterramento
Incêndio e Explosão Asfixia, queimaduras, Manuseio e NR20 Procedimento Operacional; Elaborar Plano de
lesões, danos estruturais, acondicionamento NR23 I B 1 Extintores e Brigada de Incêndio Emergência (Prazo 30
danos ambientais inadequados. dias)
Outras situações de Atropelamentos; Ausência de sinalização e NR26 Procedimento Operacional. Elaborar Plano de
risco proteção adequada. II D 2 Sinalização Emergência (Prazo 30
dias

ENVOLVIDOS NA ELABORAÇÃO DA APR (assinaturas) RECOMENDAÇÕES GERAIS


4

Engenheiro de Segurança do Trabalho Técnico em Segurança do Trabalho 1). Nenhuma tarefa poderá ser iniciada sem divulgação da APR na
Integração, a todos os colaboradores envolvidos na execução da
tarefa.
2). Somente será autorizada a permanência na atividade, dos
colaboradores que portarem todos os EPIs obrigatórios de acordo com
os riscos apresentados.
3). As operações com uso de solda ou corte nas áreas classificadas
deverão ser executadas por colaboradores qualificados. Se for
realizado por empresas contratadas os colaboradores deverão estar
Gerente Supervisor devidamente qualificados e com o Curso de NR 20 Nível Intermediário.
4). Para operações rotineiras os colaborares deverão ter pleno
conhecimento dos Procedimentos Operacionais.
5). Para atividades não rotineiras o serviço somente será liberado após
a emissão da Permissão para Trabalho de acordo com a NR 20.
6.) Nos serviços em equipamentos onde houver a necessidade de
parada para manutenção é obrigatório o uso de ETIQUETAS de
SEGURANÇA para evitar acionamento acidental ou indesejado.
Funcionário Funcionário

HISTÓRICO DAS REVISÕES


DATA REVISÃO MODIFICAÇÃO

Tabela 1. – Categorias de Severidade dos cenários da APR.


5

Categoria Denominação Descrição/Características


I Baixa/Desprezível Pequenos efeitos, contornáveis. Não ocorrem lesões ou morte de funcionários, de terceiros (não
funcionários) e/ou de pessoas extramuros (indústria e comunidade); o máximo que pode ocorres são casos
de primeiros socorros ou tratamento médico menor.
II Moderada/Marginal Pequenos danos, sistema opera com restrições, lesões leves em funcionários, terceiros e/ou pessoas
extramuros.
III Séria/Crítica Grandes danos a pessoas, ambientes e instalações. Lesões de gravidade moderada em funcionários, em
terceiros e/ou em pessoas extramuros (probabilidade remota de morte de funcionários e/ou de terceiros);
exige ações corretivas imediatas para evitar se desdobramento em catástrofe.
IV Catastrófica Provoca mortes ou lesões graves em várias pessoas (funcionários e/ou em pessoas extramuros). Danos
irreparáveis (custo-tempo) às instalações.

Tabela 2. – Categorias de Frequência dos cenários da APR.

Categoria Denominação Descrição/Características


A Extremamente Falhas múltiplas dos sistemas de proteção. Extremamente improvável de ocorrer durante a vida útil da
remota instalação.
B Remota Dois erros ou falhas. Não deve ocorrer durante a vida útil da instalação.
C Improvável/Ocasiona Falha em componente bem mantido. Pouco provável que ocorra durante a vida útil da instalação.
l
D Provável Falha de componente degradado. Esperado ocorrer pelo menos uma vez durante a vida útil da
instalação.
E Frequente Esperado ocorrer várias vezes durante a vida útil da instalação.

Tabela 3. – Matriz de classificação de riscos usada na APR.

FREQUÊNCIA
SEVERIDADE LEGENDA DO RISCO
A B C D E
2 2 3 3 3 IV 1 – Baixo/Trivial
1 2 2 3 3 III 2 – Moderado/Tolerável
1 1 2 2 3 II 3 - Alto/Relevante
1 1 1 2 2 I