Você está na página 1de 56

SÉRIE MACON VALLEY 07 – DESENFREADO

Disponibilização: Mimi
Revisão Inicial: Angéllica
Revisão Final: Mimi
Gênero: Ménage / Contemporâneo
Travis e Matthew se despediram de LeAnne há seis anos. Eles assumiram quando

ela fugiu para Chicago para viver seu sonho que ela nunca olharia para trás, a vida da

cidade pequena. É o que eles queriam para ela, ou o que eles pensavam. Quando ela

ressurge para uma visita em casa, eles sabem que chegou a hora de fazer seu

movimento. Eles a querem para si mesmos, e estão doentes e cansados da distância entre

eles. Estão dispostos a fazer qualquer coisa para fazê-la ficar. Agora, têm que esperar que

ela possa lidar com a ideia de dois deles ao mesmo tempo.

Aviso: Este conto contém M/M/F ménage a tróis, BDSM suave, sexo atrevido, sexo

explícito, linguagem forte / franca e vaqueiros que vão derreter as suas meias. A heroína é

bem educada e ansiosa por uma mão orientadora sexual. Se você está procurando, parcelas

de longo fôlego e romances arrebatadores, ou mulheres que são resistentes como pregos, este

não é o seu livro. Esta história tem um macho Alpha de temperamento muito forte nele. Esta

é uma breve história que não vai pedir desculpas a ninguém por qualquer motivo. Se você

quiser quente, sujo, sexy e ao ponto, você encontrou. Se não, é melhor ir para a direita ao

longo, este não é o livro para você.

Página 2
COMENTÁRIOS DA REVISÃO

ANGÉLLICA
A água desta cidade é poderosa!

Não somente aumenta a libido das pessoas, mas também a fertilidade. Kkk

Claro que existe a falta de mulheres, pois uma é tomada por dois homens, além de

sugerir um pouco mais no relacionamento dos meninos.

Mesmo MO das outras histórias com pequenas variáveis.

Será que isto terá um fim com uma grande festa? kkkkkk

MIMI
O que posso dizer, amor abnegado, um futuro pela frente, dois caras altruístas e

uma mulher muito bem amada. Resume esse livro. Travis é um grosso, mas TDB ao

mesmo tempo. Matthew pode ser chamado de a cola para esse trio. LeAnne é a mulher

sortuda kkkkk. Acho que a água realmente deve ter algo nisso ou o povo pegou algum

vírus. lol

Página 3
Capítulo Um

LeAnne traçou movimentos em sua câmara escura, já sabendo onde tudo foi

localizado. Ela passou muito de seu tempo em desenvolver aqui suas fotografias que era

realmente um de seus lugares favoritos para estar. Dentro das muralhas, ela não podia ouvir

a agitação das ruas de Chicago, ocupadas abaixo. Não podia sentir o cheiro fraco que parecia

infiltrar-se através das paredes do apartamento ao lado. Tudo o que podia sentir era o cheiro

do seu processamento e produtos químicos em desenvolvimento. Eles cheiravam incríveis

para ela.

O quarto, o primeiro lançado como um armário utilitário por seu corretor de imóveis,

era pequeno, mas funcional como um espaço de câmara escura. Isto não tinha uma janela,

mas tinha uma pia e era grande o suficiente para obter seus suprimentos, juntamente com

espaço no balcão para o desenvolvimento. Ela pintou as paredes de preto e pendurou

material preto na parte interna da porta para que nenhuma luz pudesse filtrar dentro.

Perfeito.

Quando se deparou com um filme que, apesar de velho, tinha sido armazenado

corretamente e estava em grande forma, não podia resistir à tentação de começar a

desenvolvê-lo, e rapidamente. Claro que foi uma despesa adicional para desenvolver em

qualquer lugar as coisas, ainda mais com o advento da mania digital. Algumas das lojas

vintage levou os suprimentos que ela precisava, e eles não eram baratos. Poderia encomendá-

los fora da internet por um custo menor, de modo que era o que ela normalmente fazia. Ela

não se importava com os passos extras e aborrecimento. Preferia fazê-lo por conta própria.

Quando uma das fotos começou a se desenvolver, sua respiração parou. Travis

Thompson estava lá. Um homem que não tinha visto em seis anos estava nisso, sorrindo o

seu famoso sorriso tímido quando ele se inclinou contra um trator. Ele ainda tinha a peça

Página 4
onipresente de palha na boca. A camisa de flanela que usava tinha as mangas arrancadas e

estava desabotoada parcialmente pelo seu bronzeado peito musculoso. Suas Levis

desbotadas cabendo-lhe como uma luva e as botas desgastadas falaram de um homem que a

tinha usado bem. Emoções que ela não se atreveu permitir-se sentir em anos vieram à tona.

Lembrou-se do dia em que tinha sido tomada também. Foi o dia em que ela entregou a

Travis sua virgindade. Fechou os olhos, lembrando-se como tinha sido ter Travis acima

dela. Para tê-lo lá, alinhando com sua entrada molhada, e o olhar de amor em seu rosto

enquanto ele empurrou profundamente dentro dela. Ele a tinha levado em um cobertor no

campo mostrando muito atrás dele na foto. Ele acabou com a sua virgindade e seu

coração. LeAnne tinha pensado que iria se casar com ele, ter seus bebês, e viver sua vida em

Macon Valley ‒ sua cidade natal. Ele tinha saído e se juntado ao serviço, e ela sabia, no fundo,

que não havia outra pessoa. Alguém que realizou o seu coração, e o conhecimento quase a

quebrou. Não poderia colocar toda a culpa pelo seu relacionamento fracassado nele. LeAnne

havia acidentalmente caído no amor com outro homem o melhor amigo dele, Matthew

Bricker, que tinha escolhido a faculdade sobre servir o seu país. Ela não tinha a intenção de

desenvolver sentimentos por ele.

Quando seu tempo veio a se formar, ela fez, e arrumou seu equipamento fotográfico,

entrou em um ônibus do Norte, e nunca olhou para trás, mesmo que quisesse.

Terminou o desenvolvimento da fotografia e pendurou para secar na linha, antes de

passar para a próxima. À medida que cada imagem veio à vida, LeAnne encontrava cada vez

mais difícil de manter em suas emoções. Logo, ela estava chorando durante o

desenvolvimento.

Matthew apareceu nas fotos ao lado, lembrando-a do estranho agrupamento que os

três tinham feito. Tantos comentários haviam sido jogados em seu caminho. Apesar de tudo,

que tinham sido bons tempos. Tempos inocentes. Um tempo em que ela de alguma forma

conseguiu se apaixonar por dois homens, que não eram nada mais do que seus amigos mais

Página 5
próximos, e um tempo em que ela tinha aprendido que não tinham problema em oferecer sua

despedida e não falar com ela novamente.

Ela terminou de desenvolver todas as imagens e limpou sua área, antes de sair do

minúsculo quarto escuro em seu apartamento. Lavou as mãos e abriu uma garrafa de

vinho. Precisava esquecer novamente. Não podia pendurar as antigas memórias mais. Já teve

dificuldade em fazer relações de trabalho. Ela comparou os homens a Travis e Matthew. Eles

sempre conseguiram medir-se.

Um copo da garrafa e seu celular tocou. Ela atendeu. "Olá?"

Houve uma pausa. "LeAnne."

Ela sorriu, reconhecendo a voz de imediato, mesmo que ela não tinha falado com sua

amiga em quase sete meses. "Harley, como você está?"

Com um suspiro, a mulher do outro lado começou a falar: "Tudo bem, eu acho. Você

tem tempo para conversar?"

Percebendo que algo estava errado, LeAnne colocou seu copo de vinho para baixo e

focou totalmente em sua amiga de volta para casa. "Eu sou todo sua. O que foi?"

"Estou grávida." Disse Harley.

LeAnne ficou quieta um momento. Ela não estava esperando isso. Na última

verificação, a amiga não estava namorando ninguém.

"E estou casada."

"Você está o quê?" LeAnne agarrou seu copo de vinho novamente e tomou um grande

gole. "Você disse que se casou?"

“Sim.”

"Com quem?"

"Clay Miller." Disse Harley suavemente e, em seguida, soluçou, indicando que ela

estava chorando. "E Wyatt Hews."

Supondo que ela teve muito vinho, LeAnne inclinou a cabeça. "Desculpa, você acabou

de me dizer que está casada com dois homens? Clay e Wyatt?"


Página 6
“Sim.”

LeAnne esfregou sua testa. "Isso não é possível."

Houve um longo suspiro do outro lado. "Você conhece Macon Valley. Sabe os

sussurros. Os falatórios quando crescemos."

Segundos se passaram sem ninguém dizer uma palavra. LeAnne pigarreou. Ela sabia

dos sussurros. Eles eram tudo o que ela e Harley poderiam falar sobre o final da

adolescência. Elas estavam obcecados com a ideia de que havia homens que compartilhavam

uma mulher. Elas riam e falaram sobre como um dia seriam uma das mulheres que dois

homens lutariam e, no final, compartilhariam. Nem pensaram que isso iria acontecer. Pelo

menos não LeAnne. Claramente, ela estava errada. Harley foi a prova disso. “Sim.”

Harley resmungou. "Eles são verdadeiros."

"Oh meu Deus, eles não a machucaram, não é?" Perguntou LeAnne.

Ela estava pronta para cobrar até em casa e proteger a amiga. Elas haviam passado por

tanta coisa em sua vida que LeAnne realmente faria qualquer coisa por Harley. Ela sabia que

Harley faria o mesmo por ela também. Na verdade, Harley tinha sido a única pessoa a partir

de Macon Valley a vir para Chicago e visitá-la. Ela ajudou LeAnne a comprar móveis de

segunda e até ajudou a carregar uma cadeira velha quase doze blocos e por dois lances de

escadas. Tinham passado a noite rindo e bebendo vinho, quando recobriram as almofadas

para algo mais divertido e moderno. Pensando que Harley poderia estar em um

relacionamento abusivo enojava LeAnne.

"Harley, você está bem, certo? Eles te machucaram?"

"Não. Claro que não. Eles me amam muito. E antes que você pergunte, sim, eu os amo

muito."

"Então por que as lágrimas?" Perguntou LeAnne.

"Eu não posso ver meus pés." Disse Harley. "E tenho que fazer xixi o tempo todo e não

posso ficar confortável durante a noite para dormir e..."

LeAnne arqueou uma sobrancelha. "De quanto tempo você está?"


Página 7
"Fim do meu segundo trimestre. Os meninos não entendem. Eles acham que é tudo tão

grande. Eles estão animados que estou ficando gorda com seu bebê."

LeAnne embebeu na noticia. Ela olhou para o relógio. "Querida, estou apostando que

você está linda e se sentindo azul como futura mamãe. Eles não dizem nada com o que

dizem. Eles mais do que provavelmente pensam que é um elogio. Você conhece os

homens. Lembra-se quando o marido de minha prima disse-lhe que seus seios estavam

ficando caídos durante a gravidez e depois tentou cobri-lo com grande caído, bons

caídos. Como não tivesse nada de bom sobre peitos caídos."

As meninas riram.

"Eu me lembro disso." Disse Harley. "Veja. Você me faz rir. Eu preciso disso."

"Estou apenas um telefonema de distância, sempre que você precisar de mim."

"Eu sinto sua falta. Queria dizer-lhe tudo." Disse Harley. "Eu fiz. Só não sei como. Eu

queria que você estivesse aqui. Preciso da minha amiga agora. Mais do que apenas no

telefone."

LeAnne pensou sobre isso por cerca de dois segundos, antes que sua mente fosse

tomada. "Então, conte comigo, querida. Estou voltando para casa."

"Você está tão ocupada ai em Chicago." Harley rebateu. "Eu só precisava falar."

"Nunca estou ocupada demais para você. Você sabe disso. Vou pegar um voo para

casa."

Página 8
Capítulo Dois

LeAnne sentou na mesa de piquenique no centro da cidade, sob o céu sem nuvens,

apreciando as vistas e sons de regresso a casa na celebração de Macon Valley. Grandes árvores

pontilhavam a área, proporcionando sombra. Suas folhas verdes pareciam assobiar como

uma leve brisa que fez o seu caminho passado. Ela queria congelar o momento no tempo e

lembrar-se de quando voltou para onde ela agora chamava de lar.

A cidade inteira se reuniu para celebrar alguma coisa a ver com o futebol. Sempre

teve, e suspeitava que sempre o fariam. Ela sentia falta de tudo sobre Macon Valley. Sentiu

falta de como o esporte, mesmo em seus anos de pequenina, foi levado a sério e celebrado

por todos. Chicago não tinha isso, pelo menos não que tenha visto. Tinha estado muito

ocupada lá para parar e celebrar muita coisa. Chegando em casa por algum tempo fora foi

muito necessário. Quando uma de suas queridas amigas tinha chamado com o azul da

gravidez, LeAnne largou tudo e voou até em casa para estar ao seu lado e ajudá-la a

encontrar o seu sorriso novamente.

Nunca sem sua câmera, LeAnne batia fotos espontâneas da esquerda e direita,

capturando as memórias enquanto jogaram para fora diante dela. Ela fez uma vida fora de

seus fotos e se esforçou para sempre transmitir as pessoas de uma forma crua, real. Tinha

sentido falta do povo de Macon Valley, o olhar resistente no rosto de um velho agricultor, a

forma como os seus olhares contaram suas histórias de vida. Por mais que ela tenha sentido

falta, a cidade teve seus segredos sombrios. Alguns que era melhor deixar no passado.

Ao longe, apito do meio-dia da fábrica de alimentação local, soprou, e LeAnne fez

uma nota mental para ter certeza que teria algumas fotos disso antes de sair

novamente. Logo após o apito soprar, os sinos das igrejas soaram. Tudo isso a fez sorrir. Fez

Página 9
lembrar felizes, tempos inocentes. Certas coisas em Macon Valley você pode definir o seu

relógio. Ela tinha sentido falta disso.

A fábrica de ração a fez pensar em Travis, que costumava trabalhar lá depois da escola

e ao longo do verão, quando eram mais jovens. Ele tinha feito todo o trabalho duro naquela

época, e sempre tinha lhe dado uma vantagem musculosa sobre os outros caras da sua

idade. O local também havia ajudado a canalizar alguns de seus problemas de raiva. Ele

tinha estado cheio deles. Era um lado de si mesmo que ela sabia que ele tinha odiado.

Ela sorriu quando voltou a pensar ao encontra-lo com o almoço quase diariamente,

quando ele trabalhou durante o verão. Eles sentavam atrás da fábrica e conversavam sobre

isto ou aquilo, ou nada. Ela, Travis e Matthew, tinham sido três ervilhas em uma vagem ‒

como a maioria chamava. Eles raramente eram apanhados sem os outros.

Isso mudou muito.

Com as emoções apresentadas em sua garganta, ela continuou a tirar fotos das pessoas

ao seu redor. Quando LeAnne focou em sua amiga sentada à sua frente na mesa de

piquenique, ela sorriu. "Harley."

Ela tirou a foto.

Sua amiga, Harley Miller, congelou para a imagem, seu estômago inchado com a

criança. A última vez que tinha visto LeAnne, Harley, sua amiga tinha sido uma

virgem. Aqui ela estava se aproximando de seu quinto mês de gravidez, e a bronca que

LeAnne tinha chegado ao telefone enquanto em Chicago, Harley era agora o centro da vida de

dois homens.

Foi então que LeAnne tinha percebido o quanto as coisas tinham mudado e como ela

estava atrasada para uma visita em casa.

Harley riu quando ela pegou LeAnne e roubou outro vislumbre de seu

estômago. "Você pode tocá-lo. Ele não morde."

LeAnne não tinha tanta certeza. Não era como se estivesse em torno de um monte de

mulheres grávidas. As poucas amigas que tinha em Chicago, nem sonharia em deixar de lado
Página 10
suas carreiras para as crianças, tão cedo. E as crianças não eram algo que LeAnne realmente

pensava sobre sempre. Em um momento ela pensou que iria ter bebês de Travis, mas isso

não tinha acontecido e parecia outra vida. Colocou a câmera em cima da mesa e olhou para a

amiga de longa data, desconfiada.

"Gravidez não é contagiosa." Brincou Harley.

LeAnne olhou ao redor para garantir que ninguém estava dentro do tiro dos ouvidos,

antes de falar. "Harley, de quem é o bebê? Quero dizer, bem, eu sei que você está

tecnicamente casada com Clay, mas eu sei a situação. Sei que Wyatt vive com vocês e que ele

é, basicamente, um marido para você também." Ela mexeu-se, um pouco desconfortável com

toda a ideia, apesar de sua curiosidade sobre tudo. Era impossível não se perguntar sobre

isso. Harley tinha trazido até a velocidade sobre o número de trios em Macon Valley, e os

números chocaram LeAnne. Também fez saber o que o estilo de vida era. "Como você sabe

de quem é o bebê, com todo o sexo acontecendo em sua casa?"

Harley riu e empurrou seu cabelo longo, loiro do rosto. Ela estava linda como

sempre. Gravidez convinha. Isso a fez brilhar ainda mais do que o normal. "Tudo sobre sexo,

não é?"

"Oh, por favor." LeAnne afirmou com um aceno de sua mão. "Eu podia ouvir a colisão

e moagem na hora que puxei abaixo nessa estrada em meu carro alugado muito caro. E sei

que ouvi mais de uma voz masculina um tempo lá dentro."

Harley sorriu. "Você ouviu mais de um homem."

Os olhos de Leanne se arregalaram. "Espere um minuto. Você quer me dizer que

ambos têm, você sabe.... Com você ao mesmo tempo?"

"Você sabe?" Harley brincou. "Uau, LeAnne. Chama-se foder meu cérebro e, sim, eles

fazem. Eles batem o inferno fora de mim ao mesmo tempo. Às vezes, é realmente de uma só

vez. Outras, somos apenas nós todos juntos na cama. E depois há também a ação um a

um. Mmm, eu estou com tesão só de pensar em tudo o que você sabe que tenho."

Página 11
LeAnne engoliu em seco. A ideia de se entregar a dois homens a fez molhada. Ela se

mexeu em seu assento, desconfortável. De repente, o ar quente de Macon Valley se sentiu

absolutamente sufocante. Puxou a blusa dela, sabendo que estava suando. Levou um

momento para se recompor antes de falar. "O bebê. Vocês todos sabem quem é o pai?"

Harley mordeu o lábio inferior e, em seguida, assentiu. Ela inclinou-se um pouco. "É

de Wyatt. Quando decidimos tentar um bebê, que fizemos a escolha que ele iria

primeiro. Demasiado momento informação aqui, mas durante tudo, Clay usava um

preservativo e Wyatt não. O próximo filho que eu tentar será de Clay, mas não espalhe isto

ao redor. A cidade pode beijar meu traseiro, se eles não gostam que eu viva com dois

homens."

LeAnne bufou. "Tenho certeza de que uma grande parte da cidade a odeia, mas o que

posso dizer? Quero dizer, você não é a única a fazer isso." Havia muito que os moradores de

Macon Valley não falavam. Aparentemente, os trios eram apenas a coisa mais nova.

Seus pensamentos no passado. Para rumores sussurrados dos garotos da cidade e da

área circundante ser vítima de um doente filho da puta em uma posição de poder. Ela

estremeceu. Não queria pensar mais sobre isso. Especialmente quando ela sabia muito bem

que Travis e Matthew tinham sido levados por tudo de volta, em seguida. Eles nunca

quiseram discutir o assunto e ela sabia que não devia se intrometer.

"Não." Disse Harley. "Nós não somos. Falando de outros grupos de trios, falei com

meu irmão no outro dia."

LeAnne ouviu quando Harley encheu dentro em Cody, sua esposa, Everett, e o

homem que completou seu trio. Parecia que todo mundo estava perto de LeAnne foi

subitamente envolvido em um relacionamento ménage. Todos, menos ela, que era. Não tinha

ninguém, muito menos dois homens brigando por ela. Uma pequena fatia dela estava com

ciúmes de Harley. Ela nunca tinha voz quando muito, no entanto.

Olhou para a esquerda e fez uma dupla olhada. "Não é aquela Sally Young? Uau, ela

parece ótima."
Página 12
Harley sorriu quando olhou para a mulher loira que se aproximava. Ela também

estava grávida. "Não é mais Young. Ackerman."

"Ela se casou com um dos gêmeos Ackerman?" LeAnne perguntou, surpresa que um

dos gêmeos iria sossegar. Quando tinha visto pela última vez os meninos, que tinham sido

focados em fazer um movimento de seu bar nas bordas exteriores da cidade. Foi um ponto

quente local.

Harley levantou dois dedos. "Não um. Os dois."

Demorou LeAnne um momento de seguir. "Ela se casou com os dois?"

"Bem, um nos olhos da lei, e o outro em uma cerimônia privada, mas sim."

"Eu sou a única mulher não perfurada por dois homens?" Ela perguntou com uma

risada.

"Talvez." Respondeu uma voz profunda. "Mas tenho certeza que podemos consertar

isso."

O sol eclipsou quando alguém maciço ficou na frente dela, bloqueando-o. Ela olhou

acima e para cima, seu olhar registrando sobre a figura alta, puramente masculina diante

dela. Quando chegou até o rosto, ela engasgou. Travis Thompson estava lá sorrindo, um

sorriso de puro sexo com seu bronzeado, corpo musculoso bloqueando o sol.

Suas fotos dele vieram à mente, e ela imaginou-o com a palha em sua boca

novamente. A foto a tinha quase feito derreter em uma poça de emoções. Sem mencionar

despertar de desejo. De alguma forma, ele só ficou mais bonito com a idade. Ela segurou de

estender a mão e tocá-lo. As coisas não eram mais a mesma, pois tinha sido uma vez. Eles

cresceram e cresceram separados. Estavam tão perto em um ponto, e, em seguida, toda a

comunicação havia sido cortada. Atordoada por encontrá-lo ali, ela se viu sem palavras.

Ele se inclinou, seu olhar marrom profundo pairando sobre ela. "Olhe para você, a Sra.

Cidade Grande agora."

Ela mexeu-se, cruzando uma perna sobre a outra, seu short de grife, já curto como era,

puxou acima. "Travis."


Página 13
"Você se lembrou do meu nome." Disse Travis. "Estou emocionado."

Na verdade, ele parecia chateado, mas ela não tinha certeza do porquê. Inclinou a

cabeça, absorvendo a visão de Travis. Seu olhar voltou para o seu braço direito interno. Uma

enorme e longa cicatriz rosa correu do cotovelo ao pulso. Foi irregular e parecia mais

velha. Isso não tinha estado lá antes. Seu peito apertou quando avistou outra cicatriz maior

no braço interior. Ela desapareceu sob a manga da camiseta.

"Travis?" Ela perguntou, de pé. Os saltos de dez centímetros não ligavam muito para a

área gramada. Ela conseguiu de qualquer maneira. Sua mão foi para o seu pulso, os dedos

roçando a cicatriz. Ela procurou os olhos castanhos por respostas sobre o que tinha

acontecido. Tudo o que ela encontrou foi raiva lá.

"Ei, Travis." Disse Sally. Ela se sentou à mesa de piquenique ao lado de Harley. Sua

mão foi para sua barriga arredondada. "Lyle estava procurando Matt antes. Você sabe se eles

se encontraram?"

Travis nunca olhou para longe dela quando respondeu a Sally. "Sim. Matt está

ajudando os gêmeos com uma papelada legal para o bar."

LeAnne correu os dedos mais para cima do braço de Travis. Seu lábio inferior

começou a tremer quando ela percebeu que tudo o que tinha acontecido tinha sido

grave. Muito sério.

Quando a umidade agrupou em seus olhos, o ódio e raiva no olhar de Travis

infiltraram à distância. Ele pressionou um sorriso ao seu rosto. "Senhoras, se importam se eu

roubar LeAnne afastada um pouco?"

Harley riu. "Não, mas só se você estiver planejando levá-la em algum lugar e dar-lhe

uma boa e velha maneira impertinente, menino. Do tipo que faz gritar seu nome. Essa pobre

garota pode usar um. Ou dois."

Gemendo, LeAnne encostou-se em Travis.

Ele riu, uma risada profunda e viril, e, em seguida, pegou o cotovelo com uma mão

enquanto pegou sua câmera com a outra, antes de conduzi-la para longe. Seus saltos cavando
Página 14
no chão mais de uma vez e Travis resmungou. Ele mergulhou-a em seus braços poderosos

contra seus protestos. Harley bateu alto e a outra se juntou dentro. LeAnne empurrou o peito

de Travis sem sucesso. Levou-a para fora do centro da praça da cidade, em frente a rua

principal e direto para B & T Escritório de Advocacia. Ele bateu a porta com o pé e depois a

colocou em seus pés. Colocou a câmera em certo servidor perto da porta.

Página 15
Capítulo Três

Harley Miller sorriu enquanto observava LeAnne ser levada por Travis. O bebê

chutou e Harley mudou de posição no banco de piquenique. Uma mão forte caiu suavemente

sobre seu ombro. Ela olhou acima para encontrar Clay ali, seu olhar escuro, cheio de

preocupação. "Eu estou bem." Disse ela.

Ele levantou uma sobrancelha. "Estou apostando sentada aqui sem voltar a esse lugar

que não está ajudando suas costas."

Harley virou e colocou a mão fora para o marido. Ele aliviou-a para uma posição

ereta. Sua outra mão foi para o seu estômago inchado. "Como você está se aguentando em

cima?"

"Estou grávida, não é crítico." Ela sorriu.

Ele se inclinou e beijou-a por isso não havia dúvida que a amava. Sally riu e se

levantou. "Na mesma nota. Vou pegar algo para comer. Estou morrendo de fome!”

"Eu também." Disse Harley quando recuou do beijo de Clay.

Clay riu. "Você diz isso, mas no momento em que conseguir comida na sua frente,

tudo muda. Quer correr e fica doente ou não quer mais, ou quer algo mais."

Ela sorriu mais amplo. "Regalias da gravidez."

Ele tomou seu cotovelo e a guiou para longe da parte ocupada do piquenique. Ele

parou atrás de uma grande árvore, perto da área de estacionamento. "Como você está?"

Ela sabia que ele estava preocupado. Ele tinha o direito de estar. Ela tinha passado

tantas semanas começando a chorar sem razão, que tanto Clay e Wyatt tinham ameaçado

fazer o que fosse preciso para fazê-la rir de novo. "Eu estou bem."

"Tendo LeAnne em casa ajuda, não é?" Ele perguntou.

“Sim.” Ela pegou a mão dele. "Desculpe, que eu estou tão mal humorada."

Página 16
"Hormônios, bebê. Eu entendo. O mesmo acontece com Wyatt."

Ela olhou ao redor. "Onde ele está?"

"Casa. À espera de você e de mim." Disse Clay com um sorriso perverso. "Pensávamos

que poderia se interessar em uma rapidinha a tarde."

"Uma rapidinha?" Ela zombou. "Que tal uma sessão de maratona da tarde?"

Ele riu. "Eu estava esperançoso que ia dizer isso."

Ele baixou a cabeça e beijou-a novamente. Apoiou-a contra a árvore e apertou-lhe

suavemente. "Mmm, eu quero você agora."

"Muitas pessoas aqui."

"Então nós vamos para casa, porque, mulher, eu preciso de você."

Ela sorriu para ele. "Eu preciso de você também."

"Pergunta." Disse ele, ficando perto. "Acabei de ver Travis Thompson carregando

LeAnne ao outro lado da rua?"

Harley riu tanto que ela soluçou. "Você viu."

"Porra, espero que ele esteja usando uma armadura. Ela é uma gata do inferno quando

irritada."

Harley riu mais. "Eu sei."

Clay tocou-lhe o queixo. "Bebê, não vá colocar suas esperanças sobre ela."

"Está bem." O problema era que ela já teve suas esperanças. Ela queria sua melhor

amiga em casa e perto dela. Não se importava quão egoísta que isto era. E esperava que,

Travis fosse o homem para fazer o sonho de Harley se tornar uma realidade. Se alguém

pudesse fazer com que LeAnne ficasse, era Travis. "Talvez ela vai acabar querendo ficar."

"Eu não quero você triste se ela não ficar." Disse Clay. "Se ela voltar para Chicago, terei

a certeza de ter você e o bebê lá para visitá-la. Ok?"

Emoções causaram seus olhos umedecerem. "Obrigada. Eu te amo."

"Eu também te amo, bebê."

Página 17
Clay a virou mais, usando a árvore para protegê-los de olhos curiosos. Ele deslizou a

mão para baixo de suas calças e foi direto para sua calcinha. Ela engasgou.

"Clay!"

Ele beijou sua bochecha. "Eu disse que precisava de você. Aparentemente, não posso

esperar."

"Qualquer um podia andar por aqui e ver-nos." Protestou ela.

Seus dedos ágeis encontraram sua fenda molhada e ele deslizou um dedo dentro

dela. "Deixe-os. Eu quero ver minha esposa gozar."

Ela engasgou quando ele começou a trabalhar seu clitóris. Sua boca se espalhou sobre

a dela. Ela o beijou, e suas preocupações sobre o que estava sendo visto em público, parecia

desaparecer. Ele esfregou mais, aprimorando o seu corpo apenas para o certo. Harley

agarrou os antebraços do marido enquanto seu orgasmo correu sobre ela.

Ele beijou os lábios e sorriu mais contra eles. "Lá você vai. Melhor?"

"Sim." Ela sussurrou.

Ele retirou o dedo dela e levou-a aos lábios. Lambeu-o limpo e mostrou outro sorriso

sexy como o pecado. "Eu também."

Página 18
Capítulo Quatro

"Travis!" LeAnne gritou. Ela não podia acreditar o nervo que tinha em levá-la para

longe do piquenique e, em seguida, em um escritório de advocacia.

Ele olhou para seus sapatos. "Estes não tem nenhum negócio em Macon Valley. Na

verdade, curto para estar em um quarto, com você, enquanto eu fodo o inferno da vida fora

de você, eles não têm qualquer propósito em tudo!"

“O quê? Custaram quatrocentos dólares..."

"Eu não dou a mínima para o que custaram." Voltou Travis. "Eles não são práticos aqui

e estão chamando atenção em você. E esses shorts são muito curtos. E esse top é cortado

muito baixo."

Ela piscou. "Eu não vi você em seis anos e a primeira coisa que faz é gritar comigo

sobre a minha roupa?"

"Claro que sim." Ele teve que curvar a cabeça para ficar mais perto do nível dos olhos

com ela. "Especialmente quando chama a atenção dos homens para isto."

Ela bufou. "Eu não estava atraindo toda a atenção."

"Como no inferno, mulher." Ele pegou suavemente o queixo. "Eu vi o jeito que eles

estavam olhando para você e eu não gosto disso."

Ela revirou os olhos. "O que te interessa? Nós não somos mais um casal. Não fomos

por anos. Então, o que se eu tiver um pouco da atenção dos homens."

Sua mandíbula definiu e ela sabia melhor do que empurrá-lo. Quando ele definia sua

mente para algo quando eram mais jovens, ele muito raramente, ou nunca,

mudou. Duvidava que essa característica tivesse mudado muito com a idade. Se qualquer

coisa, isto parecia ter piorado.

Ela olhou para seu braço interior. Na cicatriz. "Travis, o que aconteceu?"

Página 19
"Nada."

Ela tocou a cicatriz de novo, e desta vez não conseguia parar o choro de vir. "Foi tão

ruim assim?"

"Não foi nada." Disse Travis severamente.

Ela deu um suspiro longo e profundo. "Isso aconteceu enquanto você estava no

exterior?"

Um aceno de cabeça foi tudo o que ele ofereceu.

"Por que você não fala comigo?" Ela não parava de chorar e odiava quão fraca era

quando veio para ele. "Por que você parou de falar comigo?"

Travis suspirou. "Merda, LeAnne, você se desligou de mim, enquanto eu estava no

exterior, e então se afastou enquanto eu estava fora. Você me disse que quando saísse nunca

voltaria para esta cidadezinha, e que você e eu terminamos. O que você queria que eu

fizesse?"

"Eu queria que você me dissesse para não ir." Respondeu ela em voz baixa. "Quando

saiu do serviço, eu queria que você viesse me ver lá. Queria compartilhar isso com você."

"Sou de Macon Valley e isso sou eu. Não sou de Chicago. Você sabe disso."

"Mas eu queria um dos meus melhores amigos para compartilhar um pouco disso

comigo." Disse. Ela balançou a cabeça. "Não queria perder todo o contato com você e com

Matt. Eu era jovem e estúpida. Realmente não queria ficar sem você. Mas ambos me

excluíram. Você mais do que Matt no início, mas depois Matt cortou todos os laços comigo

também." Ela estalou os dedos. "Só isso."

Travis olhou para ela. "Porque eu disse para ele."

"Por quê?" Perguntou LeAnne, ferida além da crença. "Porque você descobriu sobre

nós?"

As sobrancelhas de Travis atendidas. "O que você quer dizer?"

Ela se acalmou e depois falou. "Matthew e eu."

Página 20
"Você fodeu Matt?" Ele perguntou. Ele tendia a correr do lado grosseiro mais

frequentemente do que não.

Ela fechou os olhos por um momento. "Não. Quase, mas não. Você se foi e parou de

ligar e escrever, e as mensagens que me enviou eram curtas e faltavam emoção. Eu só...

Travis, inclinei-me sobre Matthew para apoio emocional e as coisas evoluíram."

Ele permaneceu em silêncio.

"Eu pensei que ele lhe disse." Ela sussurrou. "Pensei que era por isso que você ambos

pararam de falar comigo e por que se recusou a ter qualquer contato comigo quando saiu do

serviço."

Ele pegou o queixo. "Não. Eu não sei sobre você e Matt."

Ela engasgou. "Não fique bravo com ele. A culpa foi minha. Ele só queria me

consolar."

Travis piscou várias vezes. "Eu não estou bravo com ele ou você."

"Se isso não é o que fez você me excluir de sua vida, então o que fez?" Perguntou

LeAnne.

"Porque eu não quero que você desista de seus sonhos e mude de casa." Travis

respondeu. Ele soltou-lhe o queixo, mas ficou perto. "Eu queria que você continuasse a viver

o seu sonho."

"Por que você acha que eu ia mudar de casa?" Quando ela perguntou, seu olhar foi

para suas cicatrizes. Ela engasgou. "Oh meu Deus, você estava muito ferido e não iria deixar

Matt me dizer?"

Ele desviou o olhar, vergonha evidente. "Não foi nada. Eu estou bem agora."

Ela agarrou o queixo sujo e pegou, forçando-o a encará-la. "Olhe para mim."

Ele o fez, seus olhos escuros cheios de emoção. "Eu estou bem agora."

"Mas você não estava bem, em algum momento, estava?" Perguntou ela.

Ele balançou a cabeça.

Página 21
Seu lábio inferior tremeu quando ela manteve a preensão de seu queixo. "Por que o

manteve de mim? Houve um momento de nossas vidas, que erávamos quase

inseparáveis. Eu viria direto para casa e estaria aqui para você. Você tem que saber isso."

"É exatamente por isso que eu mantive de você." Ele voltou sem rodeios.

"Travis?"

Ele aliviou mais perto dela, lotando seu espaço. Seu corpo inflamado com a

necessidade. Ela voltou para a parede, e ele continuou a pressionar contra ela. Cada

pedacinho dele parecia esculpido em pedra. Sua boceta molhou e respirou afiado. Então,

muitas vezes, em seu apartamento em Chicago tocou a si mesma, pensando nele. Ela fechou

os olhos e imaginou que era ele ali, com a cabeça entre as pernas dela, lambendo sua boceta,

fazendo-a gozar. Os dois namorados que ela teve lá em cima também tinham sido vítimas de

suas fantasias. Ela muitas vezes fechava os olhos com eles e imaginava que era Travis. Que

era ele nela. Eles sempre ficaram aquém de ser seu homem ideal.

O homem diante dela agora.

"Eu queria que você vivesse seus sonhos." Ele sussurrou, seus lábios perto do

dela. "Você estava indo bem, tendo a galeria de apresentações e outras coisas. Eu não quero

que você pare por minha causa."

Confusa, ela balançou a cabeça. "Como você sabe sobre as minhas apresentações? Você

cortou todos os laços comigo antes de começarem."

Ele resmungou. "Eu poderia ter mantido o controle sobre você."

Ela tentou, mas não conseguiu arrancar o olhar de seus lábios. Eles estavam apenas

sobre os dela e congelou. Ele ia beijá-la? Seu corpo doía, esperando que o fizesse.

Ele se afastou e colocou as mãos para o lado de sua cabeça, contra a parede. Parecia

tenso enquanto falava. "LeAnne, você deve sair agora."

"O que?"

"Vá!" Gritou ele.

Ela empurrou. “O quê? Por quê? Você me trouxe aqui."


Página 22
"Erro estúpido." Ele passou seu olhar sobre ela. "Eu deveria ter conhecido melhor, com

você vestida assim. Você é sortuda de não andar no escritório de Matt e atirar o seu doce

pequeno traseiro sobre a mesa e te foder."

Ofegante, ela empurrou em seu peito. Ele nunca tinha falado com ela assim

antes. "Travis?"

Ele exalou lentamente. "Vá."

Ela se acalmou e, em seguida, virou a cabeça na direção que adivinhou ser a recepção

de Matthew. Engoliu em seco. Havia deixado a cidade tendo apenas feito sexo com Travis,

mas Chicago a tinha despido desse emblema. Ela não era a mesma sexualmente menina

tímida que tinha sido uma vez.

Endireitou os ombros. "O que deu em você?"

"Por que você voltou?" Ele perguntou, parecendo quase tão irritado como ela

estava. "Você não deveria estar aqui. Vá para casa."

"Estou em casa." Ela voltou.

Ele bufou. "Esta não é mais a sua casa, queridinha."

Tomada de surpresa, ela lambeu o lábio inferior e assentiu. "Eu vejo. Não se preocupe!

Eu só estou na cidade pela semana. Vim para ver Harley e passar algum tempo com ela antes

de o bebê nascer. Vou ter a certeza de ficar longe de você. Que tal tentar o seu melhor, para

não me abordar e me arrastar para o lugar de trabalho do seu amigo?"

Ela fez um movimento para pegar sua câmera e sair.

Travis pegou o braço dela e empurrou-a contra a parede com firmeza, mas não o

suficiente para causar qualquer dor. Ele empurrou sua coxa vestida de jeans entre suas

pernas e baixou a cabeça. "Não me empurre, LeAnne. Eu quis transar com você de novo por

anos. Você é tudo o que eu penso. Vê-la neste traje é demais."

"Você me queria?" Ela perguntou, sua pele quente crescendo ao ponto que ela temia

que fosse desmaiar. Ela pode não ser mais virgem, mas não estava pronta para Travis e como

sexualmente cobrava como ele parecia ser. "Você não me quis por anos."
Página 23
Ele ficou perto dela, a protuberância em suas calças falando volumes em

contrário. "Não me diga que você não vê."

"Ver o quê?" Perguntou ela, se contorcendo contra ele. O ato serviu para estimular o

clitóris através de seus shorts. Ela engasgou.

Travis girou seus quadris contra ela. "Quanto você significou para mim,

LeAnne. Quanto você ainda significa para mim. Todo mundo sabia. Não me diga que você

não."

Ela fez uma pausa, surpresa com suas palavras.

Sua expressão mudou. "Você não sabe?"

Ela balançou a cabeça. "Havia outra pessoa, Travis. Sei que houve. Eu poderia dizer de

como foi vaga suas comunicações comigo. No fundo, eu sabia. Matthew confirmou isso, mas

ele não quis me dizer quem. Ele continuou dizendo para esperar até você chegar em casa e

nós discutiríamos isso."

"Se você tivesse ficado, teríamos discutido. E talvez você tivesse ficado aqui."

"Talvez." Ela confessou.

Seus lábios caíram nos dela. Não havia como pará-lo, não que ela quisesse. Seu assalto

sensual em sua boca era tão erótico, que a tinha gemendo em algum momento. Ela balançou

contra ele, querendo mais.

Página 24
Capítulo Cinco

Travis queria levar as coisas devagar com LeAnne. Ele queria o romance com ela e

conquistá-la com encontros e flores, mas não conseguia se conter. Ela estava em casa e ali

diante dele, aceitando seus beijos. Quando ela mordeu o lábio inferior, seu pênis endureceu

dolorosamente. Pegou seu rosto com as mãos e encontrou seu olhar. "Diga-me não."

"Travis?" Ela sussurrou, sua voz a música para seus ouvidos.

"Diga-me que não e saia."

Ela o beijou mais, e ele soube naquele momento que ia explodir tudo com ela. Estava

indo para levá-la e transar com ela contra a parede do escritório de Matthew. Ele e Matthew

tinham passado tanto tempo conversando e sonhando com o que eles fariam se pudessem

levá-la para casa. Sobre como eles teriam o romance com ela e fazê-la vê-los sob uma luz

diferente, antes de lhe pedir para passar o resto de seus dias com eles, como sua esposa. Este

não era o plano.

Longe disso.

Quando Travis a tinha visto no piquenique do regresso a casa, não podia acreditar em

seus olhos. Não tinha ideia de que ela estava em casa. E depois de vê-la com essa roupa,

coletando olhares de outros homens, isto era demais. Sua testosterona tinha chutado e

assumido seu processo de pensamento.

Ele balançou quando forçou sua boca da dela. Fechou os olhos por um

momento. "Temos que parar."

"Por quê?"

Ele deu um passo para trás e se endireitou. Entregou-lhe a câmera que tinha tirado

dela. "Matt vai querer saber que você está de volta."

Página 25
"Vamos fingir que a sessão de amassos nunca aconteceu?" Ela perguntou quando

bufou. Este foi um novo lado dela. Ela não tinha tido tanta insolência, antes que se mudou

para Chicago.

Ele escondeu o sorriso. "Não. Vamos parar agora, então eu não acabo fodendo o

inferno da vida fora de você, quando merece coisa melhor do que isso."

Ela engoliu em seco. "Oh."

"Sim. Oh." Ele acenou para a câmera. "Você já ficou sem essa coisa?"

"Não."

Ele assentiu com a cabeça. "Onde está hospedada, na Harley?"

Seus olhos se arregalaram. "Não. Eu não me sentia confortável com sua situação."

"Você quer dizer, porque ela vive com dois homens?"

Ela inclinou a cabeça.

Travis não conseguia desviar o olhar de suas bochechas rosadas. Sabia que eram obra

dele, e queria ver como eram quando ela gozasse. Teve que lutar para manter sua mente na

tarefa. "Eles venderam o lugar de sua avó quando se mudou para a casa de repouso."

"Eu sei. Sou a única que assinou quando estava sendo vendida." Lembrou a ele.

"Você não acha que merecia uma viagem para casa?"

LeAnne suspirou. "Travis, você não me quer aqui. Você e Matt fizeram questão de me

cortar totalmente fora de suas vidas. O que eu fiz depois é o meu negócio."

Certo. "Onde está hospedada?"

"Numa cama e café da manhã nos arredores da cidade." Respondeu ela.

"Não." Ele disse com firmeza. "Você não está. Vamos pegar as suas coisas. Vai ficar

comigo."

O queixo dela caiu. “O quê? Não. Eu tenho um quarto lá e é perfeitamente..."

"Vai ficar comigo. Fim da discussão."

Ela deu-lhe um pequeno empurrão. "Ah, não, eu não vou."

Página 26
Todo o corpo de Travis foi iluminado com um cruzamento entre fúria e

necessidade. Porra, se LeAnne não causasse ainda a sua mente em uma nuvem e seu

intestino a torcer. Ela sempre tinha sido capaz de fazer isso com ele. Quando tinham sido

mais jovens e muito perto, ele nunca tinha sido capaz de agir em todos os seus sentimentos

por ela. Ela parecia tão certa, tão pura, tão imaculada. Não queria estragar isso. Ele não

queria ser o que a trouxe para baixo.

Ao vê-la ali, no piquenique, vestindo essa roupa acanhada, o tinha golpeado com

força. Ele não gostava de outros homens olhando para ela, e não gostava de saber que sua

namorada não era tão doce como costumava ser.

Você sabia que isso iria acontecer, ele repreendeu a si mesmo. Sabia que a criação dela livre e

tirando o freio significaria que seguiria em frente na vida. Que ela mudaria.

Ainda assim. Ele não gostou da verdade.

Matthew tinha avisado há muito tempo para não incentivar LeAnne a deixar Macon

Valley. Seu melhor amigo ainda tentou convencê-lo a pedir que LeAnne se casasse com

ele. Isso parecia tão fora do azul. Eles não tinham sido um casal. Não no sentido real da

palavra. E ela nunca aceitaria a verdade do que ele era. Um homem que precisava de outro

homem perto dele, mas que também desejava uma mulher específica para eles

compartilharem.

Ele ouviu sua conversa com Harley. Tinha ouvido quão chocada e um pouco surpresa,

LeAnne parecia com a ideia de dois homens que compartilhavam uma mulher. Não

precisava ser um cientista para saber que ela não iria aceitar quem e o que Travis realmente

era.

O cheiro de Leanne foi em cima dele. Droga! Como era possível ela cheirar ainda

melhor? Ele precisava sair do espaço fechado com ela. Se não chegasse a uma área aberta e

algum espaço entre eles, ele transaria com ela.

Página 27
Fez um movimento para agarrar a maçaneta da porta. LeAnne estufou o peito. "Vou

voltar lá para aproveitar o tempo gasto com a minha amiga, e então vou voltar para a cama e

café da manhã. E esse é o fim da discussão, Travis."

Ele agarrou um aperto nela e puxou-a de volta contra ele. Quando ela virou-se para

protestar, ele baixou os lábios nos dela. Ela derreteu contra ele, beijando-o de volta com igual

fogo e despeito.

Ele andou para trás com ela, ainda beijando-a. Ela puxou a camisa dele, e se viu

fazendo o mesmo com a dela. Ela ajudou. Desabotoou a blusa e abriu-a para ele. Sua mente

gritava para que ele parasse. Para ele, incluir Matthew nisto de alguma forma. Quando

LeAnne desfez o topo de sua calça jeans, ele perdeu todo o pensamento racional.

Ela o queria também.

O conhecimento deixou o Alpha nele rugindo para a superfície. Ele arrancou em seus

ombros, puxando-a para o escritório de Matthew. Quebrou o beijo deles tempo suficiente

para falar. "Shorts fora, agora."

Ela obedeceu. Ele não tinha certeza do que teria feito se ela não tivesse. Os shorts

foram, ele teria rasgado-o fora dela. Ele a queria tão ruim assim. Queria dominá-la, mostrar-

lhe que estava no comando, e um pedaço dele queria puni-la por ter deixado, fazendo-a

gozar tão longo e duro que ela nunca sonharia fazer isso de novo.

Quando ela empurrou seus shorts para baixo de suas longas pernas, sua calcinha cor

de rosa foi com ele. Sua vagina estava lá, com uma pequena palha de cabelo sobre isso,

tentando-o. Puxou a camisa sobre a cabeça, e sua ingestão de ar lhe disse que viu as suas

cicatrizes. Ele não se importava. Nesse momento, ele só se preocupava com ela.

"Travis?"

Ele foi para ela rápido, desfazendo seu sutiã. "Puta merda, mulher! Você é tão

sexy. Olhe para você! Veja quão fodidamente maravilhosa."

Ela corou.

Página 28
Ele a agarrou e a levantou com facilidade. Ela engasgou. Colocou-a na mesa de

Matthew. Um porta-lápis caiu no chão. Travis ignorou e centrou-se na beleza diante dele. Ela

estava lá, toda espalhada para ele. Abriu sua calça jeans e empurrou-a para baixo, o

suficiente para libertar seu pênis.

Ele bateu para fora, ansioso e pronto para estar enterrado na mulher diante dele. Seu

olhar encontrou e ela engasgou. "Travis, não. É muito grande."

Ele sorriu e se inclinou sobre a mesa. Seus lábios encontraram os dela, enquanto suas

mãos encontraram os seios. Ele apertou seus mamilos até o ponto que ela gritou em sua

boca. Ele abrandou seus lábios, mas manteve o rosto perto do dela. "Diga-me o que você

quer."

Ela olhou para ele. "Travis?"

Ele beliscou seus mamilos novamente. Ela gritou e se contorceu debaixo dele, sua

boceta molhada esfregando contra o seu abdômen inferior. "Diga-me!"

Fogo acendeu em seus olhos. Ela soltou um suspiro longo e lento suspiro. "Você. Eu

quero você."

"Boa menina." Ele sussurrou. Baixou a cabeça e a beijou delicadamente, enquanto

chupava cada um de seus mamilos, presenteando-os com recompensas para sua resposta.

Suas mãos encontraram seu cabelo. "Travis, por favor. Eu preciso de você."

"Eu sei." Disse ele. Beijou seu caminho até seu estômago tonificado para a cabeleira

entre suas pernas. Lambeu-a e abriu mais as pernas para ele. Sua vagina rosa estava bem ali,

para recebê-lo. Tinha sonhado com este momento. Cobriu o rosto com isto, inalando seu

perfume doce. Suas bolas doíam com plenitude.

Com uma mão ele acariciou seu pênis, e com a outra beliscou seu clitóris enquanto

enfiou a língua em sua boceta apertada. Ele quase gozou ao sentir seu núcleo apertando para

baixo em sua língua. Olhou para o comprimento dela. Ela jogou a cabeça para trás e abriu

mais as pernas. Ela se contorceu na mesa de Matthew. Travis esfregou mais seu clitóris, e

LeAnne empurrou para cima e apoiou os cotovelos enquanto gritava em êxtase.


Página 29
Travis se levantou e se moveu rápido. Empurrou a cabeça do pênis contra sua entrada

pulsante. O momento foi finalmente aqui. I momento em que ele faria LeAnne sua para o

bem.

Ele não perdeu tempo em bater em seu corpo apertado. Sua vagina lutou com ele em

primeiro lugar, tal como tinha acontecido há muito tempo, quando a tinha quebrado

primeiro e dentro. Ele a beijou, o gosto de sua boceta em seus lábios. Seu corpo relaxou,

aceitando tudo dele. Ele passou... Bolas profundas e sabia que estava perto de gozar, e só

tinha acabado de entrar nela. Ela tinha esse tipo de poder sobre ele.

Seus dedos encontraram suas cicatrizes. Tocou-lhes e ele pegou-lhe os pulsos. "Não."

Ela chorou. "Travis?"

Ele a beijou, empurrando dentro dela. Ela parou de tentar tocar o peito cheio de

cicatrizes e agarrou seus braços. Arfava e envolveu as pernas ao redor de sua cintura

enquanto a fodia duro. Ele empurrou dentro, acalmando, precisando de tempo para se

concentrar. Não queria que o prazer terminasse ainda. Sentia-se muito bom em volta do seu

pênis, bem onde ela pertencia.

Página 30
Capítulo Seis

LeAnne gemeu quando a pressão construiu dentro dela. Ela sabia que estava à beira

de gozar novamente. Já seu corpo vibrava com os efeitos colaterais do orgasmo que ele lhe

dera com a boca. Tendo seu pênis empurrando dentro e para fora dela, enchendo-a, jogou-a

sobre a borda da culminação. Ela gritou de paixão, segurando firme em seus braços e seu

corpo tremia. Ela tinha sentido falta da sensação dele dentro dela. Sentiu-se certo que eles se

encaixavam.

Travis pegou o rosto dela entre as mãos e olhou para ela enquanto continuou

empurrando dentro dela. "Sente isso?" Perguntou.

Ela olhou para ele.

"Quão bom eu faço seu corpo sentir?"

Ela sentia isso. Ainda estava sentindo isso, na verdade.

Segurou firme em seus braços, balançando a cabeça enquanto ele continuava

empurrando dentro e fora dela. Ele rugiu e depois a lotou. Era como se quebrasse em dois,

não só no seu tamanho, mas o prazer que explodiu livre dela mais uma vez. Seu corpo

ordenhando seu pênis pulsante, mergulhando em seu esperma.

Ela não entrou em pânico com a ideia do que eles tinham feito. Em vez disso, colocou

os braços e as pernas em torno dele mais apertado, abraçando-o com elas. Ele ficou

tenso. Quando começou a retirar-se dela, sabia que Travis era o único com arrependimentos.

Fechando os olhos, LeAnne o soltou. Ela não disse nada quando ele aliviou de seu

corpo. Uma vez que se foi dela, sentiu-se vazia.

Usada.

Reprimindo emoções, ela abriu os olhos e realmente levou o que tinha feito e onde

tinha feito isso, na mesa de Matthew. Um leve gemido rasgou livre dela quando deslizou

Página 31
para fora da área de trabalho. Ela se levantou, totalmente nua, diante de Travis. Foi então que

percebeu que ele só tinha a camisa e as calças desfeitas. Ele nunca totalmente se despiu para

levá-la.

Vergonha de si mesma por ser tão fraca aos seus avanços, LeAnne esquadrinhou o

escritório por sua roupa. Ela viu a calcinha e shorts e mexeu-se para agarrá-los.

"LeAnne." Disse Travis. Pegou-a pela cintura. "Você está chateada."

Ela bufou. "Chateada? Não."

Ele não a soltou. Colocou os lábios em sua bochecha, sua frente pressionada em suas

costas. "Fale comigo."

"Eu não sou a única com um problema." Disse ela em voz baixa. "Você é. Você

realmente não quer isso. Eu só quero me vestir, em seguida, nós dois podemos fingir que isso

nunca aconteceu."

Ele apertou o controle sobre ela. "Pare. Você acha que eu não queria isso?"

"Perfeitamente claro que você não queria." Ela voltou.

"Você não tem ideia de quão e quanto tempo eu queria você." Disse ele severamente.

"Deixe-me vestir."

Ele se manteve firme com ela.

"Travis."

"Não." Disse ele. "Eu gosto de você nua assim. Torna mais fácil para fazer isso." Ele

caminhou a frente até a mesa e inclinou seu corpo sobre ele. Ela empurrou contra ele, sem

saber se queria sair ou tê-lo nela de novo. Seu corpo e sua mente pareciam em guerra uns

com os outros.

Na vergonha, seu coração estava tomando a decisão.

Colocou as mãos sobre a mesa e arqueou as costas. Ele correu os dedos sobre sua

coluna e, em seguida, golpeou-lhe a bunda. O tapa picou e enviou ondas de choque e

formigamento de prazer através de sua região inferior. Ele bateu nela novamente. Golpeou a

Página 32
outra face da bunda. As vibrações centradas em seu sexo. Já estava encharcada. Ela gemeu e

arqueou nele por mais.

Travis a espancou novamente. Ele arrastou a palma da mão sobre a área, esfregando

suavemente. "Você não deveria ter voltado para casa."

Ela lançou um olhar sedutor por cima do ombro nele. Seus músculos ondulavam com

um leve brilho de suor. A parte de cima da calça jeans ainda desfeita. Cabelo escuro mostrou

e ela conhecia o prêmio que estava logo abaixo da superfície.

Travis entregou mais um golpe em seu traseiro. O aguilhão durou mais tempo do que

os outros, porque o golpe tinha sido mais duro. Seu olhar escuro iluminado com fogo,

enquanto esfregava o local que ele a tinha espancado. "Chegar em casa foi uma má jogada."

"Parece mais do que bom para mim." Ela voltou, sentindo-se desafiadora.

Travis moveu a cabeça atrás e para frente lentamente, o mais ínfimo dos ‘nãos’ nos

lábios. Ele bateu nela de novo ‒ na outra face desta vez. LeAnne não aguentava

mais. Precisava dele nela.

"Por favor, Travis."

Ele agarrou seu cabelo na base de seu crânio e empurrou com força suficiente para

forçar a cabeça para trás. Apertou os lábios em sua bochecha. "Você é minha agora,

LeAnne. Não vou deixar você fugir de novo."

Ela queria seu pênis dentro dela. Não queria falar sobre seu retorno a Chicago. Agora

não. Agora ela só queria sexo. Duro e sujo.

"Travis."

Ele beijou sua bochecha conforme usou a outra mão para libertar o pau de seus

jeans. "Diga, LeAnne. Diga que você não está indo embora de novo."

"Eu não posso." Ela sussurrou, seu corpo hipersensível.

Ele puxou seu cabelo. Deixou a escolha, ela afastou-se da mesa e de joelhos diante

dele. Seus mamilos patinaram sobre as pernas cobertas de jeans. Olhou para o seu longo pau

Página 33
grosso, conforme balançou na frente de seu rosto. Travis deslizou a mão em seu cabelo. Ele

puxou o rosto mais perto de seu pau. Ela abriu a boca e sabia o que queria.

Travis quase gozou quando os lábios de LeAnne se fecharam sobre a cabeça de seu

pênis. Ao vê-la olhando para ele com a boca cheia de seu pau balançou-o à sua essência. Ela

puxou sua calça jeans, puxando-a mais para baixo das pernas. Ele a deixou. Ela parecia

ansiosa por seu pau.

Bom.

Ela estaria vendo um monte dele.

Não estava deixando-a escapar por entre seus dedos novamente. Ele quis dizer o que

disse. Ela estava hospedada em Macon Valley e era sua. Segurou o cabelo dela e puxou-a para

seu pênis ainda mais. Ela amordaçou por um segundo e, em seguida, ajustou para seu

tamanho. Ela começou a se mover como uma profissional, facilitando a boca para cima e para

baixo no comprimento do seu eixo. Trabalhou seu jeans até os tornozelos e, em seguida, tirou

do seu pau o suficiente para ajudá-lo a sair de suas botas de cowboy. Ele chutou a calça jeans

de lado e ficou diante dela totalmente nu.

Ele tocou seu rosto. "Bela, vamos voltar para você me chupando."

Ela sorriu e lambeu o lábio inferior enquanto pegou o comprimento dele. Ela moveu a

boca sobre a cabeça do pênis e ele gemeu, jogando a cabeça para trás. Porra, isso foi bom. Ela

chupou e lambeu, variando cada um. Ele teve que estender a mão e a colocou sobre a mesa

para não cair. Um estalo seguiu conforme engoliu seu pênis novamente. Ele olhou para baixo

quando ela levantou seu eixo e beijou-o em suas bolas. Ele manteve seu cabelo bem

aparado. Ela chocou o inferno fora dele, tendo uma de suas bolas suavemente em sua

boca. Chupou enquanto trabalhava seu pênis com a mão.

Travis não podia aguentar mais. Ela estava prestes a castrá-lo.

Ele inclinou-se e puxou-a para seus pés. Virou-a rapidamente e inclinou-a sobre a

mesa de Matthew. Ele abriu as pernas e alinhou com sua entrada encharcada.

Página 34
"Olha quão molhada sua boceta está para mim." Comentou. Ele tomou o seu pênis

dolorido e bateu-o dentro dela com tanta força, que a mesa realmente se mexeu um

pouco. Travis continuou. Ele continuou a bater nela. Ela gritou uma mistura de grunhidos e

pedidos de mais.

Ele deu-lhe mais.

Ele transou com ela como um homem depravado. Ela estaria dolorida. Inferno, ambos

poderiam estar. Ele não se importava. Tudo o que importava era estar dentro dela. Precisava

marcá-la de uma maneira que nunca esqueceria. De uma forma que iria mantê-la com ele

para sempre.

Os lábios inchados de seu sexo lutou para manter seu pênis dentro dela. Eles

apertaram seu pau. Apertou a mandíbula e agarrou seus cabelos, puxando com força sobre

ele enquanto bombeava dentro e fora dela com uma fúria. Ela gritou em êxtase e bateu na

mesa.

"Agora, Travis! Goze comigo agora! Por favor."

Ele quase negou, simplesmente porque não gostava de ser ordenado, mas sabia que

ela precisava. Assim o fez. Ele empurrou e segurou profundo, jorrando sua semente dentro

dela. Ele balançou, seu corpo tremia de prazer de tudo isso. Ficou profundamente enraizado

e um pensamento preocupante tomou conta dele.

"LeAnne, você está no controle de natalidade?"

Ela estava de bruços sobre a mesa, sua respiração rápida. Olhou por cima do ombro

para ele. "Um pouco tarde para perguntar, agora, você não acha?"

Ele deu-lhe um olhar ousado. "Estou limpo. Você é a única mulher que eu já estive

sem proteção."

Ela mexeu.

Ele ficou profundamente dentro dela.

"Primeira vez nua para mim também." Respondeu ela.

Página 35
Ele ficou tenso, odiando saber que alguém outro homem esteve nela. "Agora, eu não

posso acreditar que vou dizer isso, mas se um bebê for resultado disto, estou bem com isso."

Seus olhos se arregalaram. Ela tentou e não conseguiu mexer livre de debaixo

dele. "Travis, saia."

"Não. Gosto de onde eu estou." Ele balançou as sobrancelhas.

Ela soltou um suspiro esvaziado. "Eu estou no controle da natalidade."

Ele estava quase desapontado ao ouvir isso. Não sabia por que. Não era como se ele

tivesse alguma vez pensado em ter filhos antes. Parecia que muitos de seus amigos estavam

começando famílias, que as mulheres grávidas estavam por toda parte. Ele pensou ser

alérgico à ideia. Agora que a sua mulher estava aqui e estava enterrado no fundo nela, a ideia

tinha mérito. Limpou a garganta e sua cabeça enquanto se retirou de seu corpo apertado.

Ele esfregou as nádegas. Elas foram vermelhas como beterraba. "Docinho, você pode

estar dolorida."

Ela levantou-se e virou para encará-lo. Colocou os braços ao redor dele, e ele a puxou

para perto, entendendo que ela precisava saber que isso não foi um acaso. Isso significava

algo para ele também. "Devemos chegar ao meu lugar. Você pode mergulhar na banheira por

algum tempo."

"Travis."

"Desculpe, que eu lhe bati."

"Eu gostei." Ela confessou. Tocou-lhe o queixo. "Eu também senti sua falta."

Emoções tomaram conta dele e acenou com a cabeça, incapaz de falar. Ele mais do que

sentiu falta dela. Ele não tinha certeza de como chegar e lhe dizer que estava apaixonado por

ela. Não queria assustá-la. Tinha que levá-la para casa com ele e ouvi-la quando abordasse o

assunto do que Matthew e Travis queriam. O que ele precisava.

Os três deles para ser uma unidade.

Página 36
Capítulo Sete

"Você fez o quê?" Matthew Bricker repetiu, com certeza ele tinha ouvido o seu melhor

amigo errado. Ele ficou no jardim da frente de Travis, balançando a cabeça enquanto seu

amigo explicou novamente. O sol tinha acabado de definir, e o ar da noite já tinha começado

a esfriar. Matthew puxou a gravata, afrouxando-a. Sentiu-se muito apertada, de

repente. Como ele não conseguia respirar.

"Eu a vi e a levei." Travis estava lá em seus pés descalços, vestindo nada além de um

par de calças de ganga desbotadas. O vestuário marca registrada de Travis.

Matthew piscou e abriu o botão da camisa designer lavanda e risca de giz branca. Já

não sentindo o material suave contra sua pele. De repente, ele estava quente, com coceira e,

como se precisasse sair. "Você a levou? Como em raptou?"

Travis passou a mão no queixo e, em seguida, sorriu. "Discutível. No final, ela deu seu

consentimento, isto ainda conta?"

Matthew revirou os olhos e, quando falou, foi com ênfase tranquila. "Eu não posso

deixá-lo sozinho por um segundo."

Matthew agarrou o antebraço de Travis, fazendo com que os músculos de Travis

flexionassem. A ação não passou despercebida por Matthew. "Matt, ela estava lá, parecendo

sexy enquanto tudo voltava, e bem... Ela estava em casa. Ela é o que temos falado."

Mais como o que tinham sonhado.

Matthew sabia tanto. Ele acenou com a cabeça em direção à casa. "Ela está lá dentro?"

"Tomando um banho de espuma."

Com uma sobrancelha levantada, Matthew se aproximou de seu amigo. "Algo que eu

deveria saber sobre você? Como por que você tem bolha do material de banho na mão? Eu

sei que o manteve em minha casa, mas você foi contra a tê-lo aqui desde o primeiro dia."

Página 37
Travis riu. "Harley e Sally caíram suprimentos que pensaram que iria gostar. Banho de

espuma, tintas corporais, comida extra para o caso de não ir a superfície por um

tempo. Muito lubrificante."

"Ah." Matthew riu da ideia das duas mulheres, ajudando-os. Ambas estavam em

relacionamentos em trios e felizes. Ele imaginou que queriam o mesmo para sua amiga.

Ele levou um momento para absorver tudo o que tinha jogado com ele. Exalou

lentamente. "LeAnne está de volta em Macon Valley e em sua banheira, nua?"

"Sim." Respondeu Travis, seu tom de voz impressionante.

Outro pensamento ocorreu a Matthew. "Você transou com ela?"

Travis baixou o olhar, respondendo à pergunta com apenas um olhar.

A mandíbula de Matthew se projetava quando ele fixou um olhar ardente em seu

amigo de longa data. "Eu vejo."

"Eu tentei me conter. Eu tentei. Mas não pude!"

Incapaz de se conter, Matthew balançou seu punho. Conectou com a mandíbula de

Travis. Dor irradiava através da mão de Matthew, mas ele ignorou a mordida, optando por

encarar o seu melhor amigo.

Travis esfregou o queixo e deu um breve aceno de cabeça. "Eu merecia isso."

"Você merece mais do que isso." Lembrou Matthew.

"Muito bem." Respondeu Travis.

Tinham passado tanto tempo planejando seu futuro e discutindo como as coisas

terminariam, que Mathew não conseguia moderar a raiva fervendo por meio dele. Ele não

era como Travis. Não era de cabeça quente, mas você não saberia agora, o quanto irritado

que ele estava. Ele empurrou Travis duro.

Sabia que se Travis decidisse voltar a lutar, então não seria o suficiente de ir para

rotulá-lo como uma luta. Inferno, Travis iria limpar o chão com ele. Tinham entrado em

brigas no passado e Travis sempre parecia fazer o trabalho rápido em

Página 38
Matthew. Curiosamente, Matthew poderia segurar o seu próprio muito bem contra os outros,

mas Travis era um lutador nato.

Travis estufou o peito, mas não contra-atacou. "Você está chateado. Eu entendo isso."

"Estou furioso." Matthew corrigiu. "Como você pôde?"

Travis baixou as pálpebras e desviou o olhar. "Ela estava lá. Eu não consegui parar."

"Cristo, ouça a si mesmo." Matthew fez um som de desgosto.

"Eu sei.” Travis olhou para cima e trancou no olhar de Matthew. "Eu sabia que era

errado, quando estava fazendo isso."

"Eu não sei por que estou louco." Disse Matthew. "Esta não é a primeira vez que a leva

e esquece meus sentimentos sobre o assunto."

"Ela era minha namorada na época." Travis sacudiu a cabeça. "E você sabe que as

coisas eram diferentes naquela época. Você e eu, não descobrimos as coisas entre nós ainda."

"Nós tivemos as coisas descobertas entre nós há anos. Você simplesmente continua

deixando sua marca." Ele disparou de volta. Ele fez uma pausa. Sabia que estava sendo

duro. Ele resmungou. "Foda-se, Travis, eu a quero também. Não posso fazer nada."

"Eu sei, e estou muito feliz que você a queira." Disse ele. "Ela é a nossa única, Matt. Eu

sinto isso em meus ossos. E você também."

"No entanto, ela é a única que pode nos rasgar desse jeito também." Matthew afirmou

claramente. Virou a cabeça para o carro dele. Ele não queria ouvir desculpas de

Travis. Precisava de tempo para pensar. Não era assim que tinha planejado tudo. Longe

disso, de pé e discutindo no jardim da frente, não faria nada a nenhum deles. Tudo o que

faria era estimular os sentimentos feridos e possivelmente abastecer uma luta real.

Travis pegou seu braço, recusando-se a deixá-lo ir. "Droga, eu tentei me conter. Eu não

pude!"

"Sim." Disse Matthew. Ele jogou as mãos em resignação chocada. "Você mencionou

isso."

Página 39
Travis suspirou, um sinal de derrota. "Matt, não fique puto. Ela está lá, nua. Ela é o

que nós falamos sobre toda a nossa vida."

Matthew empurrou seu amigo novamente. "Sim, a que..." Ele fez um sinal entre eles.

"... íamos para compartilhar. Não que ia manter para si mesmo."

"Nós vamos compartilhá-la." Assegurou Travis.

Com um suspiro, Matthew balançou a cabeça. "Ela sempre teve uma queda por

você. Ela nunca me viu nessa luz. Você acha que ela vai agora que o teve de novo?"

"Besteira. Ela nem sempre teve sentimentos por mim."

Ele balançou a cabeça. "É verdade. As coisas que ela costumava confiar a mim. Travis,

ela tinha sentimentos profundos por você."

Travis o assistiu por mais tempo, antes de fechar os olhos por um momento. "É nós

dois ou nada."

"Não faça isso." Alertou Matthew. "Não desista da mulher com que esteve no amor

toda a tua vida, por mim. O que temos não vale isso."

"É isso que você acha?" Exigiu Travis. "Ela não é a única pessoa que é importante para

mim quase toda a minha vida."

O peito de Matthew apertou. Ele inclinou-se com a intenção de sussurrar que estava

indo. Travis pegou em torno da parte de trás do pescoço e chocou-o, beijando-o lá no jardim

da frente, onde qualquer pessoa passando podia ver. Com certeza, o lugar de Travis estava

nas bordas exteriores da cidade, mas as pessoas dirigiam passando de vez em quando.

Isso não era como Travis. Ele manteve suas preferências sexuais escondidas dos

outros. Matthew não era igual. Ele não se importava se as pessoas soubessem que ele

favoreceu as mulheres e os homens. Isto não tinha feito a vida fácil para ele, mas não se

importou. Ele era quem era.

"Travis."

Travis o beijou novamente. "Ela vai aceitar a nós dois."

Página 40
A forma como a sua voz tremeu, disse a Matthew que Travis não chegou a acreditar

em suas próprias palavras. E Matthew sabia, no final, ele realmente iria andar para se

certificar que Travis e LeAnne tiveram uma chance juntos. Não havia nele para tirar seu

amigo disto, não importa o quanto ele sempre sonhou que seria parte disso.

LeAnne estava nas sombras na varanda da frente, olhando com surpresa atordoada

quando Travis beijou Matthew. Ela sempre soube que eles eram mais próximos do que os

melhores amigos eram normalmente. A mente dela disse que deveria ter desligado, sabendo

que eles eram amantes de algum tipo. O oposto era verdade.

Ela encontrou seu aquecimento corporal conforme Travis beijou Matthew mais uma

vez.

Apertou o roupão que tinha encontrado na parte de trás da porta do banheiro e

mordeu o lábio inferior, imaginando o que seria ser imprensada entre os dois pedaços. Seu

corpo, agora acalmou um pouco da tomada áspera de Travis, começou a doer mais. Sua

respiração aumentando assim como o beijo. Ela viu a ação da língua quente e quase

gemeu. Nunca tinha testemunho algo tão sexy.

Ela não poderia rasgar seu olhar.

Página 41
Quando Travis interrompeu o beijo, ele puxou Matthew mais duro. "Ela vai nos

aceitar, ambos. Ela vai. É LeAnne. É a nossa mulher. A mulher que amamos."

Ela balançou, com certeza o tinha ouvido errado.

Matthew virou a cabeça um pouco, e quando a viu na varanda, ele endureceu e

cutucou Travis. Matthew fez sinal com a cabeça na direção dela. LeAnne permaneceu

enraizada no lugar. O escuro olhar de Travis a encontrou e ela viu em seus olhos, a

vulnerabilidade, o medo da rejeição.

Se alguém tivesse lhe perguntado um dia antes, o que ela teria feito quando colocada

nessa posição, teria rido e pedido tempo. Isso não foi o que aconteceu. Ela deu um suspiro

longo e profundo e abriu os braços, seu olhar indo para Matthew. "Matt!"

Os homens trocaram um olhar, antes que correram pelo gramado até a varanda.

Matthew veio até ela rapidamente e envolveu-a em um abraço apertado. Ele cheirava a loção

pós-barba. Onde Travis era espinhoso, Matthew era liso. Ele segurou-a na sua altura,

estrutura enfraquecida. Quando ela aliviou os braços ao redor de sua cintura e colocou a

cabeça em seu peito, ele soltou um suspiro longo e lento.

"Ei, você." Disse ele.

Ela olhou para ele, seu olhar azul tão nítido como ela se lembrava. Ele tinha

preenchido, crescendo em seu quadro e altura. Ele sempre foi bonito, mas agora estava Drop

Dead Gorgeous. Como se se lembrava, ele parecia fora do lugar ao lado dos homens de Macon

Valley. Eles eram cowboys, rapazes da fazenda, mãos de rancho, tipo de trabalho manual dos

caras, não importa o quanto alguns deles tentaram se distanciar disso. Eram do interior e

através disto. Mas não Matthew. Ele nunca tinha sido. Ela poderia tê-lo tirado e arremessado-

o no centro de Chicago e ele teria se ajustado bem.

Ela chorou quando olhou em seu olhar azul. A última vez que o viu foi para

comemorar seu termino na faculdade de direito. Pouco tempo depois, todos os laços com ele

e Travis tinham sido cortados. Ela tinha visto as cicatrizes de Travis em primeira

mão. Alguma coisa ruim tinha acontecido. "Você deveria ter me chamado em casa."
Página 42
Matthew não questionou o que ela estava falando. Ele assentiu com a cabeça. "Eu

queria. Ele não me deixou."

Ela foi para a ponta dos pés e puxou-o, obrigando-o a dobrar. Ele fez. Ela

surpreendeu-se, pressionando os lábios nos dele. Ele sorriu contra seus lábios, antes de

passar o casto beijo. Sua língua se lançou em sua boca e ela caiu contra ele.

Quando ele se afastou, parecia aliviado.

Ela deu um tapinha no peito. "Travis tem uma verdadeira coleção de vinhos lá. Estou

assumindo que é sua obra."

"Sim." Disse ele com um sorriso. "Tenho que jogar um pouco de cultura nele, tanto

quanto eu posso. Se eu deixasse isso para ele, ficaria bem com um pacote de seis, uma

bandeja de TV, e uma cadeira."

Travis resmungou. "Ha, ha. Vamos para dentro. Acho que nós colocamos o suficiente

de um show por aqui. "

LeAnne se viu sendo levada de volta para a casa, pelos dois homens. Matthew

segurou a mão dela enquanto Travis tocou sua parte inferior das costas. Uma vez que

estavam dentro e que a porta estava fechada, ela se virou para enfrentá-los. "Vinho?"

Travis lançou-lhe um olhar longo e lento. "Diga isso. Você sabe que quer."

Ela endureceu seus nervos. "Vocês dois são um casal?"

Matthew sorriu de orelha a orelha, lembrando-a de seus anos mais jovens. "Casal é

uma palavra tão forte, e você sabe o quanto Travis ama rótulos."

Ela encontrou-se devolvendo o sorriso mais fora de nervos do que qualquer outra

coisa. "Uh huh."

Travis avançou e lotou sua área novamente. "Você quer saber se eu transo com ele. Eu

faço, e é melhor você se acostumar com a ideia de ser fodida por ele, porque, queridinha, nós

somos uma equipe aqui e você é a nossa mulher."

Matthew correu entre eles. "O que o gigante com temperamento está tentando dizer

é..."
Página 43
"Oh, eu disse que estava sendo objetivo." Afirmou Travis severamente. "Eu não meço

palavras."

LeAnne engoliu em seco. As palmas das mãos cresceram suadas, e ela puxou o manto

mais apertado em torno dela. Não tinha planejado um deles, muito menos dois. isto foi muito

repentino para ela absorver. Ela precisava de um momento. Um que Travis não parecia

disposto a dar.

Matthew levantou as mãos em um gesto calmante. "Relaxe. Nós vamos ter um pouco

de vinho e conversar."

Travis bufou. "Ela tinha o meu pau em sua boca menos de duas horas atrás. Acho que

estamos tão presos como precisamos estar para ter esta conversa."

Atordoada e ferida por suas palavras, ela deu um pequeno passo para trás.

Matthew rosnou. Algo que ela nunca tinha ouvido dele antes fazer. "Droga, Travis, se

recomponha. Sei que você está tentando salvar isso, porque não quer ir para baixo do jeito

que sempre pensou que iria. Tudo o que você vai fazer é assustá-la até o ponto que ela corra

de volta para Chicago e nunca mais ponha os pés no solo da cidade natal novamente. É isto

que você quer?"

Virando-se, Matthew a enfrentou. Ele aliviou seus dedos sobre sua bochecha. "Você

está linda. Presumo que Chicago está lhe tratando bem."

Ela olhou fugazmente para Travis e forçou seu olhar longe dele. Ainda estava

magoada com as palavras dele. Ela assentiu. "É bom. Eu tenho um trabalho estável. Ele paga

as contas."

"Isso é uma coisa boa. Não são muitas as pessoas que podem ganhar a vida fazendo o

que amam." Disse Matthew suavemente. Ele bloqueou sua visão de Travis com seu

corpo. "Você já comeu? Eu poderia preparar algo, um jantar juntos para nós. Ainda sou um

bom cozinheiro."

As bordas de sua boca puxaram para cima. "Eu senti falta de sua comida. E de você."

Ele bateu a ponta do nariz. "Você está bem? Ainda parece como se desejasse fugir."
Página 44
"Eu me sinto estúpida pelo que aconteceu e de como ele fala sobre isso." Ela

confessou. Sabia que Travis podia ouvi-la em cada palavra. Ela estava feliz. Ele precisava

ouvir como a machucou. "Ele não precisa ser tão rude e tão franco sobre o que aconteceu

entre nós."

"Ele é rude e franco." Lembrou Matthew. "É a sua natureza. Você o quer de outra

maneira?"

Ela pensou sobre isso. "Sim. Sim. Ele pode ser respeitoso comigo e meus

sentimentos. Não estou acostumada a tudo isso."

"Eu sei.” Matthew se inclinou e deu um beijo suave em seus lábios. Seus dedos

patinaram até o topo da abertura do roupão. "Deixe-me te alimentar. Você e eu podemos

alcançá-lo. Travis pode ir sentar-se em sua sala de entretenimento e cozinhar sobre enquanto

empurra seu pé em sua boca de novo."

"Ou como ele empurrou seu pênis na minha boca." Ela cuspiu. Estava com tanta raiva

que chocou-se ao falar de tal maneira. Ela corou.

Matthew riu. "Diga a ele. Agora. Você está com fome?"

Ela estava faminta. “Sim.”

"Vamos fazer com que você seja vestida e alimentada." Afirmou Matthew.

"Não me amando no roupão de Travis?"

Ele sorriu mais amplo. "É o meu roupão e eu mais do que te amo nele. Tudo o que

quero fazer é rasgá-lo fora de você e passar minhas mãos sobre cada centímetro do seu

corpo. Poderia ser melhor me concentrar em alimentos. Você não está pronta para isso

ainda."

Ela tocou em seu braço. "Eu ouvi vocês dois lá fora."

Ele desviou o olhar. "O pouco sobre nós querendo compartilhá-la?"

“Sim.”

"E?" Ele olhou diretamente para ela.

Seu pulso acelerou. "Eu quero tentar isso, mas tenho dúvidas."
Página 45
Matthew cerrou os punhos como se estivesse lutando para manter o controle de sua

fachada. "Pergunte."

Ela engoliu em seco. "Como tudo vai funcionar?"

"A logística?" Matthew tocou em seu cabelo úmido. "Depende. Estaríamos no mesmo

quarto com você. Nós te beijaríamos. Nós faríamos você se sentir bem."

"Ah, pelo amor de Deus.” Travis cuspiu. "Nós te foderíamos com nossos paus e

faríamos você gozar tantas vezes e com tanta força que sua cabeça vai girar. Você está

dentro? Eu sei que tem uma boceta ansiosa e um inferno de uma boca hábil. Você pode lidar

com sendo fodida por nós dois?"

Matthew se virou para ele, dando-lhe um olhar duro.

LeAnne encontrou sua coragem e pôs a mão no peito de Matthew, enquanto olhou

para Travis. "Eu me lembro de seu pênis estar ansioso também, ou não era você que gozou

tão forte em mim, que todo o seu corpo tremia?"

Travis abriu a boca e depois a fechou rapidamente.

"Eu quero saber como isso vai funcionar com os dois de vocês." Disse ela. "Será que

vocês dois se tocarão e estarão juntos também?"

"Por que, é muito para você?" Retrucou Travis.

Ela se manteve firme. "Nem um pouco."

Ele piscou em surpresa.

Matthew jogou a cabeça para trás e riu. "Oh, eu adoro isso! Ele é tão Alpha que sua

cabeça pode aparecer limpa, se você manter em pé com ele. Por favor, tire uma foto dele. Eu

a quero como uma lembrança."

"Imbecil." Travis resmungou.

"Cabeça quente de pau." Matthew voltou com um sorriso doce açucarado.

Os dois resmungaram com o outro.

Matthew olhou para ela. "Comida e vinho e, em seguida, vamos falar mais sobre isso

tudo?"
Página 46
Ela balançou a cabeça. "Vinho e fazemos isso enquanto eu ainda tenho a coragem."

Matthew sorriu. "Depois de você, minha senhora."

Ele apontou na direção do corredor.

Página 47
Capítulo Oito

Matthew mal podia acreditar que ele seguiu LeAnne no quarto de Travis. Pensou que

ela ainda poderia mudar de ideia. Quando ela se virou, abriu o roupão, e deixou-o cair no

chão, seu queixo caiu.

"Linda, não é?" Travis perguntou quando passou por Matthew. "Você tem muitas

roupas."

Matthew puxou a gravata. Ele puxou-a e passou a trabalhar rapidamente removendo

a camisa e calças. Ficou lá em suas cuecas boxers conforme Travis ficava fora de seus

jeans. LeAnne parecia perdida quanto ao que fazer a seguir. Ela olhou para Matthew e

insistiu com o seu olhar para a instrução.

Ele tirou sua cueca e ofereceu um sorriso calmante quando se aproximou dela. Pegou

sua mão e levantou-a. Ele caminhou ao redor dela, absorvendo a visão de seu corpo nu. Ela

era incrivelmente bonita. Ela também pareceu estar extremamente nervosa.

Inclinou-se para dentro. "Diga-nos para parar a qualquer momento e nós vamos. Você

está segura com a gente, LeAnne."

"Eu sei." Ela sussurrou. Ela estremeceu e ele aliviou mais perto dela. Ela apertou-se ao

seu corpo nu, e ele olhou por cima de sua cabeça para Travis.

Travis estava lá, acariciando seu pau e balançando a cabeça. Ele estendeu a

mão. "LeAnne, ajude-nos a ficar prontos."

"Ambos?" Perguntou ela. "Como?"

"Fique de joelhos, queridinha."

Ela obedeceu. Isso foi um bom sinal. Ela era obstinada a um ponto, mas se inclinou

para o capricho de Travis no quarto. Isso foi uma coisa boa. Travis precisava disso. Matthew

soube em primeira mão.

Página 48
Uma vez que LeAnne estava de joelhos, os homens se moveram para ficar na frente

dela. Ela estendeu a mão e tocou seus pênis ao mesmo tempo. Travis olhou para ele.

Matthew não conseguia parar a si mesmo quando o beijou. Ele temia que LeAnne fosse

fugir. Ela não o fez. Quanto mais Matthew beijou Travis, mais LeAnne trabalhou seus pênis

com as mãos.

A umidade revestiu seu pau e Matthew olhou abaixo para encontrar a boca de LeAnne

em torno dele. Era quente e úmido. Perfeito.

Ele gemeu.

Travis sorriu. "Ela é boa nisso, não é?"

"Claro que sim." Disse Matthew. Ele colocou uma mão em seu cabelo, apertado

enquanto ela continuava o assalto no pau dele com a boca da melhor maneira possível. Ela

segurou seu saco e massageou. Matthew quase gozou. Ele tinha que se concentrar em outra

coisa. Qualquer outra coisa.

Estendendo a mão, ele fez o que era natural. Pegou o longo pau grosso de

Travis. LeAnne observava a ação, e ele se perguntou se ela iria parar e correr. Em vez disso,

ela chupou mais duro em seu pênis, enquanto ele puxou e empurrou ansiosamente no pau

de Travis.

Travis tocou o peito de Matthew e acenou para ele, depois para LeAnne. "Nossa

pequena boceta está indo estar tão cheia de nossos sucos, que ela vai morrer."

Matthew normalmente não era muito de falar no sexo, assim, mas a ideia de lançar-se

em LeAnne o fez excitado. Conseguir ver Travis transar com ela o excitava muito. Ele mal

podia esperar.

LeAnne largou seu pênis e se dirigiu a Travis. Ela trouxe o pau para os lábios e

parou. Ambos os homens gemeram.

"Chupe." Disse Travis com uma respiração ofegante. "Leve-me em sua boca ou vou

bater na sua doce e linda bunda novamente."

Página 49
Matthew acariciou seu próprio pênis preguiçosamente enquanto pegou o olhar de seu

amigo. "Você bateu nela?"

"Eu bati." Orgulho brotou no rosto de Travis.

Matthew sorriu enquanto trabalhava seu pênis muito mais. A visão dela ali, chupando

o seu amigo e amante era tão erótica que quase o fez gozar. Era agora. Isto estava

acontecendo. Assim como eles sempre quiseram.

O que eles sempre necessitaram.

Travis gemeu e agarrou Matthew, fazendo com que Matthew inclinasse dentro. Seu

pênis empurrou o lado do rosto de LeAnne, mas ela não pareceu se importar. Ela

continuou. Mantendo chupando Travis. Matthew abriu a boca para o beijo de Travis e

lambeu-o de volta. LeAnne voltou para o seu eixo e o corpo de Matthew estremeceu de

prazer. Ele não tinha certeza de como ainda não havia gozado.

Travis beijou mais duro antes que empurrou de volta, seus olhos selvagens com

luxúria. "Foda, Matt. Foda-lhe com força."

Matthew assentiu. Ele queria isso também. Inclinou-se e puxou LeAnne em seus

pés. "Eu quero te provar, mas não posso esperar mais tempo para estar em você. Você está

bem com isso? Com a minha tomada em você?"

Ela foi para a ponta dos pés e beijou-o. Levantou-a em seus braços. Ela quase não

pesava nada. Ela envolveu suas pernas ao redor de sua cintura. Matthew continuou beijando-

a enquanto caminhava para a cama. Ele a deitou com cuidado e manteve sua boca na dela,

quando ele alinhou seu pau com seu núcleo. Ele sentiu Travis atrás dele. Travis acariciou a

bunda de Matthew e, em seguida, afastou-se.

Matthew sabia que era para obter a lubrificação. Ele parou de beijar LeAnne e olhou

para o amigo. Ele balançou a cabeça. Ela não estava preparada para isso ainda. Quando ela

estivesse mais confortável com a ideia de eles estarem juntos, ele transaria com ela, enquanto

Travis transou com ele. Mas não agora. Ainda não.

Página 50
Esta noite foi sobre LeAnne. Era sua noite para ser sua rainha, como ela estava

destinada a ser. Travis subiu na cama em vez e seu pênis cortou quando fez. Ele passou a

mão pelo cabelo comprido de LeAnne, enquanto brincava com seu pênis ereto com a mão

livre.

Matthew encontrou o olhar de LeAnne. "Pronta?"

Ela assentiu.

Ele empurrou dentro. Seu corpo reagiu contra a dele. Ele apertou a mandíbula. Tão

apertada. Tão quente.

Matthew plantou ambas as mãos para os lados de sua cabeça e segurou seu corpo para

cima, com medo que a tinha machucado e se chocou com ela como queria fazer. Droga! Seu

corpo era tão apertado. Ele empurrou mais. Sua boceta fazendo creme suficiente para ele

escorregar ainda mais longe. Ela engasgou. Ele gemeu.

Seu corpo aceitou mais dele e logo ele estava em bolas profundas. Ele descansou e

começou a se mover. Bombeou dentro e fora, curtindo a sensação de seu peito, a boceta em

seu pênis. Ela parecia tão linda em propagação sob ele. Ele queria levá-la para sempre, mas

sabia que Travis queria ação.

Ele se inclinou e beijou-a antes de colocar os lábios em sua orelha. "Chupe-o,

querida. Chupe, enquanto estou em você."

Ela respirou fundo e arranhou a parte superior das costas. “Sim.”

Ele se apoiou em suas mãos mais uma vez e LeAnne virou a cabeça. Ela estendeu a

mão para o pênis de Travis e puxou sobre ele. Ele aproximou-se de sua cabeça. Ela abriu a

boca larga. Travis não precisava ser dito o que fazer. Mudou-se ainda mais perto e alimentou

seu pau para ela.

Matthew bombeou com mais força. Ele tomou plena posse de sua vagina, empurrando

tão firmemente que ela choramingou. Ele não conseguia se conter. Sentia-se muito bom em

torno de seu pênis. Ele nunca tinha descoberto com ninguém, somente Travis, e isso

Página 51
significava que era a sua primeira vez em um boceta sem camisinha. Não era qualquer boceta

também. Era LeAnne.

Seu peito doía com sentimentos por ela. Sentimentos que ele tinha desde que era um

estudante de segundo ano na escola. Ali estava ela, tomando seu pênis, aceitando tudo dele.

Sua garganta trabalhou conforme chupou o pau de Travis. Matthew não conseguia

desviar o olhar. A visão fez suas bolas contraírem e se sentirem pesadas. Ele queria

descarregar nela, mas sabia que não devia fazê-lo, sem primeiro descobrir se ela estava no

controle de natalidade.

"Vejo que você batalhando." Disse Travis. Sua voz foi cortada. Ele estava segurando o

cabelo de LeAnne e agora controlava a forma como o chupou. "Você pode gozar nela,

amigo."

Matthew balançou a cabeça e retirou-se dela. Levantou-se e, em seguida, puxou seus

quadris. "Eu quero ela em mim, e você nela, ao mesmo tempo. Quero lembrar sempre deste

momento."

"Vamos ter muito mais por vir." Disse Travis. Ele puxou seu pênis livre de LeAnne e

golpeou-lhe o rosto, brincando com ele. "Não temos, Docinho?"

LeAnne sorriu e mordiscou seu pênis. “Sim.”

Matthew se mudou para a cama, e LeAnne não perdeu tempo de virar e subir

montada nele. Ela assumiu a liderança, alimentando seu pênis embebido nela. Ele jogou a

cabeça para trás. "Foda-se."

Página 52
LeAnne sentia a mulher mais desejada do planeta. Matthew encheu sua boceta e ela se

estabeleceu em cima dele, ficando confortável. Travis aliviou-se atrás dela com um tubo de

lubrificante em sua mão. Ela endureceu. "Travis, eu nunca fiz isso antes."

Ele piscou e beijou-a rapidamente. "Então é conveniente. Vou levar seu traseiro

virgem, assim como tomei sua boceta virgem todos aqueles anos atrás."

Ele fez algo apenas fora da sua linha de visão, e então sentiu a pressão do seu dedo em

seu ânus. Ela engasgou. Ele sorriu mais amplo.

"Você é um menino tão ruim." Disse ela.

Matthew riu. "Não o encoraje."

Ela olhou para Matthew. Ele parecia tão sexy debaixo dela. Tocou-lhe o torso

enquanto o montava mais rápido. Travis pegou seu quadril e segurou firme. Ele espalhou o

lubrificante sobre ela e, em seguida, aliviou-se atrás dela. Inclinou-se e beijou-a no

ombro. "Docinho, isso pode machucar no início. Suporte se isso acontecer, ok?"

Ela assentiu.

Matthew segurou perfeitamente imóvel abaixo dela.

Travis empurrou a cabeça de seu pênis em sua parte traseira, e ela quase saiu de cima

e fora de Matthew quando dor em brasa rasgou através dela. Ela fez como instruído,

suportou. Matthew beliscou seus mamilos e começou a deslizar dentro e fora de sua boceta.

De repente, seu corpo estava em chamas com prazer ardente. Ela se inclinou a frente. Travis

inclinou-se sobre, conforme ela se balançava no pau de Matthew. Ela gritou e a boca de

Matthew cobriu a dela. Seu beijo foi marcando. Travis empurrou profundo e ela se sentiu tão

cheia, muito cheia. Queria explodir de prazer.

O traseiro de LeAnne tinha uma mente própria. Ele apertou em torno do pau de

Travis. Ela gemeu na boca de Matthew. Foi tudo muito. Muito bom.

Travis empurrou dentro e fora dela. Ela beijou Matthew com mais urgência, enquanto

seu corpo inflamava. Seu orgasmo foi acirrado. Ele deixou-a rasgar a boca de Matthew e
Página 53
gritou. Matthew gritou também, empurrando para cima e no fundo dela. Ele a segurou lá e

sabia que ele estava gozando.

Travis enfiou em profundidade, suas estocadas quase frenéticas. Ele bateu nela e

segurou firme. Seu pênis pulsava na bunda dela. "Essa é minha garota."

"A nossa garota." Matthew corrigiu. Ele tocou os lábios. "Certo?"

Ela encontrou seu olhar. Não podia negar-lhe. Ela não podia negar qualquer um

deles. “Sim.”

"E nós concordamos que ela não está retornando para Chicago." Disse Travis. Seu

pênis ainda estava enterrado em sua bunda. A conversa deve ter sido estranha. Não

foi. Parecia justificada.

Ela ficou tensa. "Eu tenho uma vida lá. Vai levar tempo para mudar aqui."

"Vamos ver as coisas." Disse Matthew.

"Sim." Acrescentou Travis. Ele beijou seu ombro novamente. Ele apertou os lábios em

sua orelha. "Case-se comigo, LeAnne. Faça-me o homem mais feliz de Macon Valley."

Ela congelou. "O que?"

Matthew sorriu. Ele brincou com seus mamilos. “Diga que sim. Então você consegue

ambos. Para o bem."

Ela fechou os olhos. Teria esses dois homens apenas como sua amiga Harley

fez. Harley estava feliz, mesmo sofrendo com o nervosismo de futura mamãe. Poderia

LeAnne fazê-lo? Ela poderia deixar dois homens ama-la?

Ela abriu os olhos e olhou profundamente em Matthew. Travis puxou livre de sua

bunda, mas ficou perto. Ela abrandou o pau de Matthew, mas ficou em cima dele. "Alguém

tem que me dizer o que aconteceu com Travis. Como ele conseguiu as cicatrizes?"

"Afeganistão." Disse Matthew por Travis. "Ele passou muito tempo em

aconselhamento para o seu PTSD. Ele está fazendo melhor com isto. Aprendeu a viver com

isso. Ter você em casa, aqui, com a gente, vai ser a fase final de sua cura."

Ela tocou-lhe o peito. "Você sabe como vendê-lo, não é?"


Página 54
Travis virou para encará-la. Seus lábios encontraram os dela. Seu beijo foi escaldante,

quente e perfeitamente cronometrado. "Mmm, faça-o, LeAnne. Mude de casa e seja minha

esposa. Pense nisso desta maneira, você pode chutar a minha bunda boa e me manter na

linha."

Ela sorriu contra seus lábios. "Então, você poderia me punir um pouco mais com

palmadas?"

"Você parece esperançosa." Ele acrescentou.

Ela deu um sorriso mais largo. "Eu estou."

"Docinho." Disse Travis. “Eu te amo.”

"E você está crescendo em mim." Ela balançou as sobrancelhas para ele.

Matthew uivava de tanto rir. "Você é muito perfeita para ele."

"Eu sou perfeita para ambos." Ela corrigiu.

Matthew aliviou-se e pegou a mão dela. "LeAnne, você deve saber, eu também te

amo. Sempre amei."

Ela corou e baixou a cabeça.

Os homens beijaram sua bochecha. Ela exalou e encontrou o olhar de Travis. “Sim.”

Ele parecia confuso.

Matthew gemeu. "Idiota, ela apenas concordou em casar com você."

Travis sorriu tão grande que a fez rir. Ele apontou para Matthew. "Eu vou chutar o seu

traseiro mais tarde pelo comentário idiota. Por agora, vamos tomar banho e, em seguida,

agradar a nossa mulher um pouco mais."

"Fechado." Disse Matthew.

LeAnne olhou para eles, sabendo que iriam fazê-la feliz e que seu lugar era certo entre

os dois.

FIM

Página 55
Acesse meu blog: http://angellicas.blogspot.com

Próximo:

Página 56