Você está na página 1de 4

AMBIENTES DE CONVIVÊNCIA

Justificativa:
 Compreender, valorizar e respeitar as manifestações, tradições religiosas e filosofias de vida, suas
experiências e saberes, em diferentes tempos, espaços e territórios, no constante propósito de
promoção dos direitos humanos.
Objetivos:
 Reconhecer os diferentes espaços de convivências: núcleos de pertencimentos, comunitários,
religiosos, entre outros.
 Identificar costumes, crenças e formas de viver em distintos espaços de convivência.
Duração: 4 aulas.
Metodologia:
 História para um bom ano letivo “A borboleta de Austin”.
 Você sabe o que é Ensino Religioso? O Ensino Religioso estuda diversas tradições e culturas
religiosas. Todoas têm o direito de manifestar sua fé.
 A casa em que se vive é um espaço de convivência e que as pessoas que moram nesse lugar devem
se sentir protegidas. As religiões também têm lugares de proteção. Nesses espaços, são
desenvolvidos costumes e crenças que vamos conhecer.

 VOCÊ PERCEBEU, NO DIÁLOGO DOS PERSONAGENS, QUE CADA UM DELES TEM UM COSTUME OU UMA
CRENÇA DIFERENTE? ME CONTE UM POUQUINHO SOBRE SUA FAMÍLIA.
Música “Amor de Índio” – Beto Guedes e Ronaldo Bastos

Tudo o que move é sagrado


E remove as montanhas Sim, todo amor é sagrado
Com todo o cuidado, meu amor E o fruto do trabalho
Enquanto a chama arder É mais que sagrado, meu amor
Todo dia te ver passar A massa que faz o pão
Tudo viver a teu lado Vale a luz do seu suor
Com o arco da promessa Lembra que o sono é sagrado
No azul pintado pra durar E alimenta de horizontes
Abelha fazendo o mel O tempo acordado, de viver
Vale o tempo que não voou No inverno te proteger
A estrela caiu do céu No verão sair pra pescar
O pedido que se pensou No outono te conheçer
O destino que se cumpriu Primavera poder gostar
De sentir seu calor No estio me derreter
E ser todo Pra na chuva dançar e andar junto
Todo dia é de viver O destino que se cumpriu
Para ser o que for e ser tudo De sentir seu calor e ser todo

 As crianças podem citar lugares sagrados construídos pelo ser humano, como igrejas, templos,
cemitérios, e lugares sagrados da natureza, como um rio sagrado, uma montanha.
 “Você sabia que as Cataratas do Iguaçu formam um lugar não apenas muito belo mas também
sagrado?”

UM IMPOSSÍVEL AMOR: AS CATARATAS DO IGUAÇU


No mundo há a constante luta entre o Bem e o Mal e para garantir a vitória do Bem na primavera uma
bela jovem da aldeia era oferecida para casar com o Mal. Um dia Naipi, a lindíssima filha do cacique, foi a
escolhida.
Quando os preparativos do casamento iam avançando, Naipi conheceu Tarobá, um valente guerreiro,
também muito bonito. Os dois se apaixonaram imediatamente e não puderam controlar este amor.
Fizeram juras de amor e fugiram em uma canoa na véspera da festa do casamento de Naipi com o Mal.
Mas o Mal, com todo o seu poder, sabia de tudo e se vingou. Quando os dois estavam descendo pelo rio,
felizes em sua canoa, viram o Mal na forma de uma grande serpente que se retorcia no espaço e se lançava
com força no meio do rio. O estrago da ira do Mal foi enorme e uma cratera se abriu no fundo do rio. As
águas todas se precipitaram nesta cratera, inclusive Naipi, Tarobá e a canoa. Foi assim que se formaram as
cataratas do rio Iguaçu.
O Mal ainda fez mais, transformou Tarobá numa palmeira no alto das quedas e Naipi numa pedra no
fundo das águas, na mesma direção de Tarobá. Assim, pensava o Mal, cada um dos dois ficará
eternamente a se contemplar sem poder chegar perto um do outro ou trocar um abraço. Porém, a história
provou que o Bem sempre triunfa sobre o Mal, pois o amor venceu, de alguma forma. Quando o vento
minuano vem assobiando do lado sul, ele sacode a copa da palmeira e Tarobá aproveita para enviar a Naipi
sussurros de amor. Quando chega a primavera, lança flores de seu cacho para saudá-la com ternura. Naipi
tem um véu formado pelas águas limpas e brilhantes que lhe adorna a fronte e a consola. O arco-íris, de
tempos em tempos, une a palmeira com a pedra e este é o momento sagrado da realização do amor dos
dois. O fogo eterno da paixão que vive em Tarobá e Naipi se realiza a cada arco–íris que surge.
(BOFF, Leonardo. O casamento entre o céu e a terra: contos indígenas do Brasil, Rio de Janeiro: Salamandra, 2001).

 As cataratas do Iguaçu formam um lugar sagrado e os lugares sagrados contam histórias sobre Deus
ou deuses, sobre pessoas especiais, sobre sentimentos de bondade e de amor, entre outros
sentimentos.
 Quais as principais diferenças entre os espaços religiosos?
CASA DE CANDOMBLÉ: O Ilê é a casa de candomblé, também conhecida como roça ou terreiro. É o lugar
sagrado que está sob os cuidados de um Babalorixá (homem) ou de uma Yalorixá (mulher) e sob a
proteção principal de um orixá. Os orixás são elementos de ligação entre os candomblecistas e Oxalá. Os
orixás se relacionam diretamente com as energias da natureza.
Em Curitiba aconteceu uma reunião na qual seguidores do candomblé se encontraram para discutir
problemas específicos de suas comunidades. Em certo momento, um homem se levantou e disse que em
sua cidade eles estavam trabalhando em um projeto de recuperação da natureza, principalmente na
despoluição dos rios. Afirmava que se a natureza estiver morta, os orixás também estarão e com isto a
religião afro-brasileira também.
Pode-se perceber aqui a relação do espaço sagrado dentro de religiões como esta, que se situa para além
da casa de candomblé e que se estende por toda a natureza. Cuidar e proteger a natureza significa honrar
os seus ancestrais e os seus orixás.
O RIO GANGES: UM RIO SAGRADO DA ÍNDIA: Há, em um país do oriente, chamado Índia, um rio bastante
importante: o rio Ganges. Segundo uma das histórias mitológicas sobre o surgimento deste rio, conta-se
que se originou nos céus. São águas que descem do céu e correm para terra. Conforme o mito, acredita-se
que seja um lugar de travessia, de ligação de um ponto com o outro, do mundo terreno com o divino.
O rio Ganges é então considerado o mediador entre essas duas dimensões, o mundo material e o mundo
espiritual. Por isso, muitos mortos são cremados em suas margens e as cinzas entregues ao rio. O rio
Ganges não é o único rio sagrado do mundo, existem muitos outros, porém, este rio conquistou fama
mundial e não são poucos os turistas que vão até a Índia para conhecê-lo.
Acreditando nos poderes misteriosos do rio, muitos hinduístas, seguidores da antiga religião nativa,
procuram fazer suas devoções enquanto se banham em suas águas, as quais acreditam serem capazes de
trazer purificação espiritual e física.
ATIVIDADE
 Elaborar um cartaz (pode ser em uma folha branca) no qual coloquem exemplos, sob a forma de
desenho e pintura ou recortes, de lugares sagrados construídos e de lugares sagrados da natureza.
Avaliação:
 Conversa informal sobre a música:
- Conseguiu citar algum lugar sagrado criado pelo homem ou da natureza;
- Entendeu porque as Cataratas do Iguaçu é um lugar sagrado;
- Participou oralmente das conversas contribuindo com a discussão;
- Percebeu as diferenças entre os espaços religiosos;
 Cartaz “coletivo”:
- Representou ou colou lugares sagrados;