Você está na página 1de 7

CAMINHO DE SABEDORIA

Autor: Clavio J. Jacinto

O nível da espiritualidade de um santo está na sua capacidade


de negar profundamente em todo o momento o seu próprio eu
para abater completamente seu próprio orgulho.

Na paixão pelas coisas do presente século o homem encontra


os grilhões que escravizam o coração ao poder das trevas.

Uma lei irreversível da vida é a conseqüência, nossas escolhas


devem ser pautadas por princípios elevados, pois a ação é uma
semente jogada no tempo, e tudo de ruim que fizemos aos
outros, é um ato terrível contra a humanidade e contra nós
mesmos.

Bebe da fonte perene do evangelho e então corra ao encontro


dos sedentos, coma do pão que é Cristo e então fortaleça a
possa alma para viver a esperança celestial no presente século.

Há em cada homem sensato a escolha de uma vida abaixo da


linha do belo. O pecado escondido. E acima da linha da
percepção na contemplação do maravilhoso, uma escolha
responsável que nos conduza para uma vida transformada, e
não para uma escolha tola que nos conduza para a ruína.
A natureza é um testamento para corações sensíveis, cada
montanha aponta para o calvário, cada arvore para a cruz, cada
estrela para Cristo e cada amanhecer para o Seu retorno
triunfante.

Não teremos um propósito elevado em nossa vida se o nosso


coração der ênfase demasiada a todas as coisas passageiras e
de pouco valor.

A única paz que refrigera de forma perene a nossa vida é paz


que procede da obra perfeita e consumada de Cristo, nosso
Senhor e Salvador.

O ateísmo é uma forma explicita de pura ingratidão, porquanto


negando a existência de um Criador usufruem de todas as
bênçãos da criação.

Não existe relacionamento mais profundo, mais elevado e mais


precioso do que a comunhão com Deus, que embora de forma
invisível, é para o homem espiritual o relacionamento mais
pessoal que existe.

Nenhum homem tem o direito de mudar a mensagem do


evangelho, porem é deve cada homem ser transformado pelo
Evangelho
Não temerá à hora das trevas que virá sobre o mundo, aquele
que procurar refugio na gloria do evangelho de nosso Senhor e
Salvador Jesus Cristo.

Na solitude, o coração solitário encontra em devoção á Deus,


mais consolação do que quando submerso inteiramente nas
coisas fúteis do mundo

Enquanto tiver pensando em si mesmo o homem estará


completamente arruinado, ele estará plenamente seguro
quando estiver pensando e crendo na obra que Cristo realizou
na cruz.

O tempo rompe às estruturas da ruína da morte, primeiro a


natureza faz germinar as flores na tumba e depois Deus
ressuscita os mortos.

A grande advertência do evangelho é não amar as trevas.


Porquanto a advertência divina é proteger os homens do poder
das trevas, mas o homem prefere amar a escuridão que
esconde os seus pecados e não o evangelho que revela os seus
pecados e os chama ao arrependimento.

Cada um segundo a sua natureza segue o seu caminho, a abelha


o mel, a borboleta as flores, a formiga o serviço, as ovelhas o
rebanho e o novo homem criado segundo Deus em verdadeira
justiça e santidade servir a Cristo
Nenhum homem adâmico é bom suficiente para merecer o céu,
mas Cristo é justo e bom o suficiente para dar ao homem, o
céu, ainda que não mereça isso.

Vivenciar a esperança do evangelho é ir além da morte, não


permanece como uma estátua de sal contemplando a
destruição, mas como um homem transformado que consegue
enxergar os novos céus e a nova terra.

Cristo em evidencia em nossas vidas é o meio pelo qual Deus


será sempre glorificado através de nossas ações.

A perseverança é aquela virtude valiosa que um homem


mantém dentro do coração, quando tudo fira dele parece estar
dando errado

É fato irrefutável de que quase todas as coisas que nascem


dentro de distúrbios e de um grande engano e confusão,
produzem por conseqüências um espírito grave de erro e de
arrogância.

Cuida das tuas atitudes, as vezes o mundo move-se de tal modo


que o dano causado aos outros retorna com forças
multiplicadas contra nós mesmos

A vida é uma grande escola com grandes lições, ela não dá nem
diplomas e nem certificados, apenas retribui o valor da
experiência e da sabedoria adquirida com as provas que
oferece.
Caminhos

Por onde andaria eu

Se não fosse iluminado o meu caminho?

Perdido na eloqüência de meus pesares

Em terra de desastres, calva em cimo ermo

Sem flores, sem néctar só sombras

Sem urgência e sem sarças ardentes

Estaria possuído de cegueira volúvel

Maculada pelo lacrimejar de ilusões

Por onde andaria eu

Se meu caminho fosse só entranhas de trevas?

No cume dos meus concílios íntimos

Transfiguraria as visões da nova terra?

Eu me aconchego na areia úmida de estrelas

Nos túmulos de basalto e relva seca

Como se a palha fosse chão da alma descalça


Caos aleatório no vulto humano

Andaria eu se não fosse iluminado o meu caminho

Numa senda apenas de vagos pendulo do vácuo?

Em profundos abismos de filamentos etéreos, estaria

Se Tua luz meu Senhor não alumiasse minhas trevas

Nesse escuro ego naufrago, não teria Salvação

Fonte das Perolas

Derramo meus prantos de severas decepções


Pra encher a medida do mar de minhas amarguras
Assim naufrago até o fundo de minhas feridas
No âmago solido de meus sofrimentos
Ergo-me solitário na coragem

Para sair de lá de baixo das tormentas emocionais


Com o coração cheio de lindas perolas...

Autor dos poemas e dos pensamentos:

Clavio J. Jacinto

Contatos: (48) 999947392


facebook/claviojacinto
claviojj@gmail.com