Você está na página 1de 349

CÓD: OP-106JH-21

7908403507054

BANCO DO BRASIL S.A


Escriturário - Agente Comercial
EDITAL Nº 01 - 2021/001 BB, DE 23 DE JUNHO DE 2021
• A Opção não está vinculada às organizadoras de Concurso Público. A aquisição do material não garante sua inscrição ou ingresso na
carreira pública,

• Sua apostila aborda os tópicos do Edital de forma prática e esquematizada,

• Alterações e Retificações após a divulgação do Edital estarão disponíveis em Nosso Site na Versão Digital,

• Dúvidas sobre matérias podem ser enviadas através do site: www.apostilasopção.com.br/contatos.php, com retorno do professor
no prazo de até 05 dias úteis.,

• É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila, de acordo com o Artigo 184 do Código Penal.

Apostilas Opção, a Opção certa para a sua realização.


ÍNDICE

Língua Portuguesa
1. Compreensão de textos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Ortografia oficial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
3. Classe e emprego de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
4. Emprego do acento indicativo de crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5. Sintaxe da oração e do período. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
6. Emprego dos sinais de pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
7. Concordância verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
8. Regência verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
9. Colocação pronominal dos pronomes oblíquos átonos (próclise, mesóclise e ênclise). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

Língua Inglesa
1. Conhecimento de um vocabulário fundamental e dos aspectos gramaticais básicos para a compreensão de textos . . . . . . . . . . . . 01

Matemática
1. Números inteiros, racionais e reais; problemas de contagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Sistema legal de medidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
3. Razões e proporções; divisão proporcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
4. Regras de três simples e compostas; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5. Porcentagens. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
6. Lógica proposicional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
7. Noções de conjuntos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
8. Relações e funções; Funções polinomiais; Funções exponenciais e logarítmicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
9. Matrizes. Determinantes. Sistemas lineares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
10. Sequências. Progressões aritméticas e progressões geométricas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

Atualidades do Mercado Financeiro


1. Os bancos na Era Digital: Atualidade, tendências e desafios. Internet banking. Mobile banking. Open banking. Novos modelos de
negócios. Fintechs, startups e big techs. Sistema de bancos-sombra (Shadow banking) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Funções da moeda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
3. O dinheiro na era digital: blockchain, bitcoin e demais criptomoedas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
4. Marketplace . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
5. Correspondentes bancários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
6. Arranjos de pagamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
7. Sistema de pagamentos instantâneos (PIX) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
8. Segmentação e interações digitais. Transformação digital no Sistema Financeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01

Matemática Financeira
1. Conceitos Gerais - O Conceito Do Valor Do Dinheiro No Tempo; Capital, Juros, Taxas De Juros; Capitalização, Regimes De Capitalização;
Fluxos De Caixa E Diagramas De Fluxo De Caixa; Equivalência Financeira. Juros Simples - Cálculo Do Montante, Dos Juros, Da Taxa De
Juros, Do Principal E Do Prazo Da Operação Financeira. Juros Compostos - Cálculo Do Montante, Dos Juros, Da Taxa De Juros, Do Prin-
cipal E Do Prazo Da Operação Financeira. Sistemas De Amortização - Sistema Price; Sistema Sac . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01

Conhecimentos Bancários
1. Sistema Financeiro Nacional: Estrutura do Sistema Financeiro Nacional; Órgãos normativos e instituições supervisoras, executoras e
operadoras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Mercado financeiro e seus desdobramentos (mercados monetário, de crédito, de capitais e cambial). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
3. Moeda e política monetária: Políticas monetárias convencionais e nãoconvencionais (Quantitative Easing); Taxa SELIC e operações
compromissadas; O debate sobre os depósitos remunerados dos bancos comerciais no Banco Central do Brasil. . . . . . . . . . . . . . . 05
4. Orçamento público, títulos do Tesouro Nacional e dívida pública. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
ÍNDICE

5. Produtos Bancários: Noções de cartões de crédito e débito, crédito direto ao consumidor, crédito rural, poupança, capitalização, prev-
idência, consórcio, investimentos e seguros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
6. Noções de Mercado de capitais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
7. Noções de Mercado de Câmbio: Instituições autorizadas a operar e operações básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
8. Regimes de taxas de câmbio fixas, flutuantes e regimes intermediários. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
9. Taxas de câmbio nominais e reais; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
10. Impactos das taxas de câmbio sobre as exportações e importações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
11. Diferencial de juros interno e externo, prêmios de risco, fluxo de capitais e seus impactos sobre as taxas de câmbio. . . . . . . . . . . 14
12. Dinâmica do Mercado: Operações no mercado interbancário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
13. Mercado bancário: Operações de tesouraria, varejo bancário e recuperação de crédito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
14. Taxas de juros de curto prazo e a curva de juros; taxas de juros nominais e reais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
15. Garantias do Sistema Financeiro Nacional: aval; fiança; penhor mercantil; alienação fiduciária; hipoteca; fianças bancárias.. . . . . 16
16. Crime de lavagem de dinheiro: conceito e etapas; Prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro: Lei nº 9.613/98 e suas al-
teraçõeS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
17. Circular nº 3.978, de 23 de janeiro de 2020 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
18. Carta Circular nº 4.001, de 29 de janeiro de 2020 e suas alterações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
19. Autorregulação bancária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
20. Sigilo Bancário: Lei Complementar nº 105/2001 e suas alterações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
21. Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD): Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018 e suas alterações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
22. Legislação anticorrupção: Lei nº 12.846/2013 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
23. Decreto nº 8.420/2015 e suas alterações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
24. Segurança cibernética: Resolução CMN nº 4.658, de 26 de abril de 2018 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
25. Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes; noções de ética empresarial e profissional. A gestão da ética nas empresas públicas e
privadas. Código de Ética do Banco do Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
26. Política de Responsabilidade Socioambiental do Banco do Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

Conhecimentos de Informática
1. Noções De Sistemas Operacionais – Windows 10 (32-64 Bits) E Ambiente Linux (Suse Sles 15 Sp2) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Edição De Textos, Planilhas E Apresentações (Ambientes Microsoft Office – Word, Excel E Powerpoint - Versão O365) . . . . . . . 04
3. Segurança Da Informação: Fundamentos, Conceitos E Mecanismos De Segurança.proteção De Estações De Trabalho: Controle De
Dispostivos Usb, Hardening, Antimalware E Firewall Pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
4. Conceitos De Organização E De Gerenciamento De Informações, Arquivos, Pastas E Programas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5. Redes De Computadores: Conceitos Básicos, Ferramentas, Aplicativos E Procedimentos De Internet E Intranet. Navegador Web (Microsoft
Edge Versão 91 E Mozilla Firefox Versão 78 Esr), Busca E Pesquisa Na Web. Correio Eletrônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
6. Grupos De Discussão, Fóruns E Wikis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
7. Redes Sociais (Twitter, Facebook, Linkedin, Whatsapp, Youtube, Instagram E Telegram . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
8. Visão Geral Sobre Sistemas De Suporte À Decisão E Inteligência De Negócio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
9. Fundamentos Sobre Análise De Dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
10. Conceitos De Educação A Distância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
11. Conceitos De Tecnologias E Ferramentas Multimídia, De Reprodução De Áudio E Vídeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
12. Ferramentas De Produtividade E Trabalho A Distância (Microsoft Teams, Cisco Webex, Google Hangout, Google Drive E Skype) . 42

Vendas e Negociação
1. Noções de estratégia empresarial: análise de mercado, forças competitivas, imagem institucional, identidade e posicionamento 01
2. Segmentação de mercado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
3. Ações para aumentar o valor percebido pelo cliente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
4. Gestão da experiência do cliente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
5. Aprendizagem e sustentabilidade organizacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
6. Características dos serviços: intangibilidade, inseparabilidade, variabilidade e perecibilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
7. Gestão da qualidade em serviços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
8. Técnicas de vendas: da pré-abordagem ao pós-vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
9. Noções de marketing digital: geração de leads; técnica de copywriting; gatilhos mentais; Inbound marketing . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
10. Ética e conduta profissional em vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
11. Padrões de qualidade no atendimento aos clientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
12. Utilização de canais remotos para vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
13. Comportamento do consumidor e sua relação com vendas e negociação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
14. Política de Relacionamento com o Cliente: Resolução n°. 4.539 de 24 de novembro de 2016 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
ÍNDICE

15. Resolução CMN nº 4.860, de 23 de outubro de 2020 que dispõe sobre a constituição e o funcionamento de componente organizacio-
nal de ouvidoria pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil . . . . . . 26
16. Resolução CMN nº 3.694/2009 e alterações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
17. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência): Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015 29
18. Código de Proteção e Defesa do Consumidor: Lei nº 8.078/1990 (versão atualizada) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
LÍNGUA PORTUGUESA
1. Compreensão de textos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Ortografia oficial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
3. Classe e emprego de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
4. Emprego do acento indicativo de crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5. Sintaxe da oração e do período. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
6. Emprego dos sinais de pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
7. Concordância verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
8. Regência verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
9. Colocação pronominal dos pronomes oblíquos átonos (próclise, mesóclise e ênclise). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
LÍNGUA PORTUGUESA

COMPREENSÃO DE TEXTOS Tem o objetivo de defender determinado


TEXTO ponto de vista, persuadindo o leitor a
DISSERTATIVO partir do uso de argumentos sólidos.
Compreender e interpretar textos é essencial para que o obje- ARGUMENTATIVO Sua estrutura comum é: introdução >
tivo de comunicação seja alcançado satisfatoriamente. Com isso, é desenvolvimento > conclusão.
importante saber diferenciar os dois conceitos. Vale lembrar que o
texto pode ser verbal ou não-verbal, desde que tenha um sentido Procura expor ideias, sem a necessidade
completo. de defender algum ponto de vista. Para
A compreensão se relaciona ao entendimento de um texto e isso, usa-se comparações, informações,
TEXTO EXPOSITIVO
de sua proposta comunicativa, decodificando a mensagem explíci- definições, conceitualizações etc. A
ta. Só depois de compreender o texto que é possível fazer a sua estrutura segue a do texto dissertativo-
interpretação. argumentativo.
A interpretação são as conclusões que chegamos a partir do Expõe acontecimentos, lugares, pessoas,
conteúdo do texto, isto é, ela se encontra para além daquilo que de modo que sua finalidade é descrever,
está escrito ou mostrado. Assim, podemos dizer que a interpreta- TEXTO DESCRITIVO ou seja, caracterizar algo ou alguém. Com
ção é subjetiva, contando com o conhecimento prévio e do reper- isso, é um texto rico em adjetivos e em
tório do leitor. verbos de ligação.
Dessa maneira, para compreender e interpretar bem um texto,
é necessário fazer a decodificação de códigos linguísticos e/ou vi- Oferece instruções, com o objetivo de
suais, isto é, identificar figuras de linguagem, reconhecer o sentido TEXTO INJUNTIVO orientar o leitor. Sua maior característica
de conjunções e preposições, por exemplo, bem como identificar são os verbos no modo imperativo.
expressões, gestos e cores quando se trata de imagens.
Gêneros textuais
Dicas práticas A classificação dos gêneros textuais se dá a partir do reconhe-
1. Faça um resumo (pode ser uma palavra, uma frase, um con- cimento de certos padrões estruturais que se constituem a partir
ceito) sobre o assunto e os argumentos apresentados em cada pa- da função social do texto. No entanto, sua estrutura e seu estilo
rágrafo, tentando traçar a linha de raciocínio do texto. Se possível, não são tão limitados e definidos como ocorre na tipologia textual,
adicione também pensamentos e inferências próprias às anotações. podendo se apresentar com uma grande diversidade. Além disso, o
2. Tenha sempre um dicionário ou uma ferramenta de busca padrão também pode sofrer modificações ao longo do tempo, as-
por perto, para poder procurar o significado de palavras desconhe- sim como a própria língua e a comunicação, no geral.
cidas. Alguns exemplos de gêneros textuais:
3. Fique atento aos detalhes oferecidos pelo texto: dados, fon- • Artigo
te de referências e datas. • Bilhete
4. Sublinhe as informações importantes, separando fatos de • Bula
opiniões. • Carta
5. Perceba o enunciado das questões. De um modo geral, ques- • Conto
tões que esperam compreensão do texto aparecem com as seguin- • Crônica
tes expressões: o autor afirma/sugere que...; segundo o texto...; de • E-mail
acordo com o autor... Já as questões que esperam interpretação do • Lista
texto aparecem com as seguintes expressões: conclui-se do texto • Manual
que...; o texto permite deduzir que...; qual é a intenção do autor • Notícia
quando afirma que... • Poema
• Propaganda
Tipologia Textual • Receita culinária
A partir da estrutura linguística, da função social e da finali- • Resenha
dade de um texto, é possível identificar a qual tipo e gênero ele • Seminário
pertence. Antes, é preciso entender a diferença entre essas duas
classificações. Vale lembrar que é comum enquadrar os gêneros textuais em
determinados tipos textuais. No entanto, nada impede que um tex-
Tipos textuais to literário seja feito com a estruturação de uma receita culinária,
A tipologia textual se classifica a partir da estrutura e da finali- por exemplo. Então, fique atento quanto às características, à finali-
dade do texto, ou seja, está relacionada ao modo como o texto se dade e à função social de cada texto analisado.
apresenta. A partir de sua função, é possível estabelecer um padrão
específico para se fazer a enunciação. ARGUMENTAÇÃO
Veja, no quadro abaixo, os principais tipos e suas característi-
cas: O ato de comunicação não visa apenas transmitir uma informa-
ção a alguém. Quem comunica pretende criar uma imagem positiva
Apresenta um enredo, com ações e de si mesmo (por exemplo, a de um sujeito educado, ou inteligente,
relações entre personagens, que ocorre ou culto), quer ser aceito, deseja que o que diz seja admitido como
em determinados espaço e tempo. É verdadeiro. Em síntese, tem a intenção de convencer, ou seja, tem
TEXTO NARRATIVO o desejo de que o ouvinte creia no que o texto diz e faça o que ele
contado por um narrador, e se estrutura
da seguinte maneira: apresentação > propõe.
desenvolvimento > clímax > desfecho

1
LÍNGUA PORTUGUESA
Se essa é a finalidade última de todo ato de comunicação, todo Portanto é provável que se creia que um banco mais antigo seja
texto contém um componente argumentativo. A argumentação é o mais confiável do que outro fundado há dois ou três anos.
conjunto de recursos de natureza linguística destinados a persuadir Enumerar todos os tipos de argumentos é uma tarefa quase
a pessoa a quem a comunicação se destina. Está presente em todo impossível, tantas são as formas de que nos valemos para fazer as
tipo de texto e visa a promover adesão às teses e aos pontos de pessoas preferirem uma coisa a outra. Por isso, é importante enten-
vista defendidos. der bem como eles funcionam.
As pessoas costumam pensar que o argumento seja apenas Já vimos diversas características dos argumentos. É preciso
uma prova de verdade ou uma razão indiscutível para comprovar a acrescentar mais uma: o convencimento do interlocutor, o auditó-
veracidade de um fato. O argumento é mais que isso: como se disse rio, que pode ser individual ou coletivo, será tanto mais fácil quanto
acima, é um recurso de linguagem utilizado para levar o interlocu- mais os argumentos estiverem de acordo com suas crenças, suas
tor a crer naquilo que está sendo dito, a aceitar como verdadeiro o expectativas, seus valores. Não se pode convencer um auditório
que está sendo transmitido. A argumentação pertence ao domínio pertencente a uma dada cultura enfatizando coisas que ele abomi-
da retórica, arte de persuadir as pessoas mediante o uso de recur- na. Será mais fácil convencê-lo valorizando coisas que ele considera
sos de linguagem. positivas. No Brasil, a publicidade da cerveja vem com frequência
Para compreender claramente o que é um argumento, é bom associada ao futebol, ao gol, à paixão nacional. Nos Estados Unidos,
voltar ao que diz Aristóteles, filósofo grego do século IV a.C., numa essa associação certamente não surtiria efeito, porque lá o futebol
obra intitulada “Tópicos: os argumentos são úteis quando se tem de não é valorizado da mesma forma que no Brasil. O poder persuasivo
escolher entre duas ou mais coisas”. de um argumento está vinculado ao que é valorizado ou desvalori-
Se tivermos de escolher entre uma coisa vantajosa e uma des- zado numa dada cultura.
vantajosa, como a saúde e a doença, não precisamos argumentar.
Suponhamos, no entanto, que tenhamos de escolher entre duas Tipos de Argumento
coisas igualmente vantajosas, a riqueza e a saúde. Nesse caso, pre-
cisamos argumentar sobre qual das duas é mais desejável. O argu- Já verificamos que qualquer recurso linguístico destinado a fa-
mento pode então ser definido como qualquer recurso que torna zer o interlocutor dar preferência à tese do enunciador é um argu-
uma coisa mais desejável que outra. Isso significa que ele atua no mento. Exemplo:
domínio do preferível. Ele é utilizado para fazer o interlocutor crer
que, entre duas teses, uma é mais provável que a outra, mais pos- Argumento de Autoridade
sível que a outra, mais desejável que a outra, é preferível à outra.
O objetivo da argumentação não é demonstrar a verdade de É a citação, no texto, de afirmações de pessoas reconhecidas
um fato, mas levar o ouvinte a admitir como verdadeiro o que o pelo auditório como autoridades em certo domínio do saber, para
enunciador está propondo. servir de apoio àquilo que o enunciador está propondo. Esse recur-
Há uma diferença entre o raciocínio lógico e a argumentação. so produz dois efeitos distintos: revela o conhecimento do produtor
O primeiro opera no domínio do necessário, ou seja, pretende do texto a respeito do assunto de que está tratando; dá ao texto a
demonstrar que uma conclusão deriva necessariamente das pre- garantia do autor citado. É preciso, no entanto, não fazer do texto
missas propostas, que se deduz obrigatoriamente dos postulados um amontoado de citações. A citação precisa ser pertinente e ver-
admitidos. No raciocínio lógico, as conclusões não dependem de dadeira. Exemplo:
crenças, de uma maneira de ver o mundo, mas apenas do encadea-
mento de premissas e conclusões. “A imaginação é mais importante do que o conhecimento.”
Por exemplo, um raciocínio lógico é o seguinte encadeamento:
Quem disse a frase aí de cima não fui eu... Foi Einstein. Para
A é igual a B. ele, uma coisa vem antes da outra: sem imaginação, não há conhe-
A é igual a C. cimento. Nunca o inverso.
Então: C é igual a A.
Alex José Periscinoto.
Admitidos os dois postulados, a conclusão é, obrigatoriamente, In: Folha de S. Paulo, 30/8/1993, p. 5-2
que C é igual a A.
Outro exemplo: A tese defendida nesse texto é que a imaginação é mais impor-
tante do que o conhecimento. Para levar o auditório a aderir a ela,
Todo ruminante é um mamífero. o enunciador cita um dos mais célebres cientistas do mundo. Se
A vaca é um ruminante. um físico de renome mundial disse isso, então as pessoas devem
Logo, a vaca é um mamífero. acreditar que é verdade.

Admitidas como verdadeiras as duas premissas, a conclusão Argumento de Quantidade


também será verdadeira.
No domínio da argumentação, as coisas são diferentes. Nele, É aquele que valoriza mais o que é apreciado pelo maior nú-
a conclusão não é necessária, não é obrigatória. Por isso, deve-se mero de pessoas, o que existe em maior número, o que tem maior
mostrar que ela é a mais desejável, a mais provável, a mais plau- duração, o que tem maior número de adeptos, etc. O fundamento
sível. Se o Banco do Brasil fizer uma propaganda dizendo-se mais desse tipo de argumento é que mais = melhor. A publicidade faz
confiável do que os concorrentes porque existe desde a chegada largo uso do argumento de quantidade.
da família real portuguesa ao Brasil, ele estará dizendo-nos que um
banco com quase dois séculos de existência é sólido e, por isso, con-
fiável. Embora não haja relação necessária entre a solidez de uma
instituição bancária e sua antiguidade, esta tem peso argumentati-
vo na afirmação da confiabilidade de um banco.

2
LÍNGUA PORTUGUESA
Argumento do Consenso Uma variante do argumento de atributo é o argumento da
competência linguística. A utilização da variante culta e formal da
É uma variante do argumento de quantidade. Fundamenta-se língua que o produtor do texto conhece a norma linguística social-
em afirmações que, numa determinada época, são aceitas como mente mais valorizada e, por conseguinte, deve produzir um texto
verdadeiras e, portanto, dispensam comprovações, a menos que o em que se pode confiar. Nesse sentido é que se diz que o modo de
objetivo do texto seja comprovar alguma delas. Parte da ideia de dizer dá confiabilidade ao que se diz.
que o consenso, mesmo que equivocado, corresponde ao indiscu- Imagine-se que um médico deva falar sobre o estado de saúde
tível, ao verdadeiro e, portanto, é melhor do que aquilo que não de uma personalidade pública. Ele poderia fazê-lo das duas manei-
desfruta dele. Em nossa época, são consensuais, por exemplo, as ras indicadas abaixo, mas a primeira seria infinitamente mais ade-
afirmações de que o meio ambiente precisa ser protegido e de que quada para a persuasão do que a segunda, pois esta produziria certa
as condições de vida são piores nos países subdesenvolvidos. Ao estranheza e não criaria uma imagem de competência do médico:
confiar no consenso, porém, corre-se o risco de passar dos argu-
mentos válidos para os lugares comuns, os preconceitos e as frases - Para aumentar a confiabilidade do diagnóstico e levando em
carentes de qualquer base científica. conta o caráter invasivo de alguns exames, a equipe médica houve
por bem determinar o internamento do governador pelo período de
Argumento de Existência três dias, a partir de hoje, 4 de fevereiro de 2001.
- Para conseguir fazer exames com mais cuidado e porque al-
É aquele que se fundamenta no fato de que é mais fácil aceitar guns deles são barrapesada, a gente botou o governador no hospi-
aquilo que comprovadamente existe do que aquilo que é apenas tal por três dias.
provável, que é apenas possível. A sabedoria popular enuncia o ar-
gumento de existência no provérbio “Mais vale um pássaro na mão Como dissemos antes, todo texto tem uma função argumen-
do que dois voando”. tativa, porque ninguém fala para não ser levado a sério, para ser
Nesse tipo de argumento, incluem-se as provas documentais ridicularizado, para ser desmentido: em todo ato de comunicação
(fotos, estatísticas, depoimentos, gravações, etc.) ou provas concre- deseja-se influenciar alguém. Por mais neutro que pretenda ser, um
tas, que tornam mais aceitável uma afirmação genérica. Durante texto tem sempre uma orientação argumentativa.
a invasão do Iraque, por exemplo, os jornais diziam que o exérci- A orientação argumentativa é uma certa direção que o falante
to americano era muito mais poderoso do que o iraquiano. Essa traça para seu texto. Por exemplo, um jornalista, ao falar de um
afirmação, sem ser acompanhada de provas concretas, poderia ser homem público, pode ter a intenção de criticá-lo, de ridicularizá-lo
vista como propagandística. No entanto, quando documentada pela ou, ao contrário, de mostrar sua grandeza.
comparação do número de canhões, de carros de combate, de na- O enunciador cria a orientação argumentativa de seu texto
vios, etc., ganhava credibilidade. dando destaque a uns fatos e não a outros, omitindo certos episó-
dios e revelando outros, escolhendo determinadas palavras e não
Argumento quase lógico outras, etc. Veja:

É aquele que opera com base nas relações lógicas, como causa “O clima da festa era tão pacífico que até sogras e noras troca-
e efeito, analogia, implicação, identidade, etc. Esses raciocínios são vam abraços afetuosos.”
chamados quase lógicos porque, diversamente dos raciocínios lógi- O enunciador aí pretende ressaltar a ideia geral de que noras
cos, eles não pretendem estabelecer relações necessárias entre os e sogras não se toleram. Não fosse assim, não teria escolhido esse
elementos, mas sim instituir relações prováveis, possíveis, plausí- fato para ilustrar o clima da festa nem teria utilizado o termo até,
veis. Por exemplo, quando se diz “A é igual a B”, “B é igual a C”, “en- que serve para incluir no argumento alguma coisa inesperada.
tão A é igual a C”, estabelece-se uma relação de identidade lógica. Além dos defeitos de argumentação mencionados quando tra-
Entretanto, quando se afirma “Amigo de amigo meu é meu amigo” tamos de alguns tipos de argumentação, vamos citar outros:
não se institui uma identidade lógica, mas uma identidade provável. - Uso sem delimitação adequada de palavra de sentido tão am-
Um texto coerente do ponto de vista lógico é mais facilmente plo, que serve de argumento para um ponto de vista e seu contrá-
aceito do que um texto incoerente. Vários são os defeitos que con- rio. São noções confusas, como paz, que, paradoxalmente, pode ser
correm para desqualificar o texto do ponto de vista lógico: fugir do usada pelo agressor e pelo agredido. Essas palavras podem ter valor
tema proposto, cair em contradição, tirar conclusões que não se positivo (paz, justiça, honestidade, democracia) ou vir carregadas
fundamentam nos dados apresentados, ilustrar afirmações gerais de valor negativo (autoritarismo, degradação do meio ambiente,
com fatos inadequados, narrar um fato e dele extrair generalizações injustiça, corrupção).
indevidas. - Uso de afirmações tão amplas, que podem ser derrubadas
por um único contra exemplo. Quando se diz “Todos os políticos são
Argumento do Atributo ladrões”, basta um único exemplo de político honesto para destruir
o argumento.
É aquele que considera melhor o que tem propriedades típi- - Emprego de noções científicas sem nenhum rigor, fora do con-
cas daquilo que é mais valorizado socialmente, por exemplo, o mais texto adequado, sem o significado apropriado, vulgarizando-as e
raro é melhor que o comum, o que é mais refinado é melhor que o atribuindo-lhes uma significação subjetiva e grosseira. É o caso, por
que é mais grosseiro, etc. exemplo, da frase “O imperialismo de certas indústrias não permite
Por esse motivo, a publicidade usa, com muita frequência, ce- que outras crescam”, em que o termo imperialismo é descabido,
lebridades recomendando prédios residenciais, produtos de beleza, uma vez que, a rigor, significa “ação de um Estado visando a reduzir
alimentos estéticos, etc., com base no fato de que o consumidor outros à sua dependência política e econômica”.
tende a associar o produto anunciado com atributos da celebrida-
de.

3
LÍNGUA PORTUGUESA
A boa argumentação é aquela que está de acordo com a situa- A argumentação tem a finalidade de persuadir, portanto, ar-
ção concreta do texto, que leva em conta os componentes envolvi- gumentar consiste em estabelecer relações para tirar conclusões
dos na discussão (o tipo de pessoa a quem se dirige a comunicação, válidas, como se procede no método dialético. O método dialético
o assunto, etc). não envolve apenas questões ideológicas, geradoras de polêmicas.
Convém ainda alertar que não se convence ninguém com mani- Trata-se de um método de investigação da realidade pelo estudo de
festações de sinceridade do autor (como eu, que não costumo men- sua ação recíproca, da contradição inerente ao fenômeno em ques-
tir...) ou com declarações de certeza expressas em fórmulas feitas tão e da mudança dialética que ocorre na natureza e na sociedade.
(como estou certo, creio firmemente, é claro, é óbvio, é evidente, Descartes (1596-1650), filósofo e pensador francês, criou o mé-
afirmo com toda a certeza, etc). Em vez de prometer, em seu texto, todo de raciocínio silogístico, baseado na dedução, que parte do
sinceridade e certeza, autenticidade e verdade, o enunciador deve simples para o complexo. Para ele, verdade e evidência são a mes-
construir um texto que revele isso. Em outros termos, essas quali- ma coisa, e pelo raciocínio torna-se possível chegar a conclusões
dades não se prometem, manifestam-se na ação. verdadeiras, desde que o assunto seja pesquisado em partes, co-
A argumentação é a exploração de recursos para fazer parecer meçando-se pelas proposições mais simples até alcançar, por meio
verdadeiro aquilo que se diz num texto e, com isso, levar a pessoa a de deduções, a conclusão final. Para a linha de raciocínio cartesiana,
que texto é endereçado a crer naquilo que ele diz. é fundamental determinar o problema, dividi-lo em partes, ordenar
Um texto dissertativo tem um assunto ou tema e expressa um os conceitos, simplificando-os, enumerar todos os seus elementos
ponto de vista, acompanhado de certa fundamentação, que inclui e determinar o lugar de cada um no conjunto da dedução.
a argumentação, questionamento, com o objetivo de persuadir. Ar- A lógica cartesiana, até os nossos dias, é fundamental para a
gumentar é o processo pelo qual se estabelecem relações para che- argumentação dos trabalhos acadêmicos. Descartes propôs quatro
gar à conclusão, com base em premissas. Persuadir é um processo regras básicas que constituem um conjunto de reflexos vitais, uma
de convencimento, por meio da argumentação, no qual procura-se série de movimentos sucessivos e contínuos do espírito em busca
convencer os outros, de modo a influenciar seu pensamento e seu da verdade:
comportamento. - evidência;
A persuasão pode ser válida e não válida. Na persuasão váli- - divisão ou análise;
da, expõem-se com clareza os fundamentos de uma ideia ou pro- - ordem ou dedução;
posição, e o interlocutor pode questionar cada passo do raciocínio - enumeração.
empregado na argumentação. A persuasão não válida apoia-se em
argumentos subjetivos, apelos subliminares, chantagens sentimen- A enumeração pode apresentar dois tipos de falhas: a omissão
tais, com o emprego de “apelações”, como a inflexão de voz, a mí- e a incompreensão. Qualquer erro na enumeração pode quebrar o
mica e até o choro. encadeamento das ideias, indispensável para o processo dedutivo.
Alguns autores classificam a dissertação em duas modalidades, A forma de argumentação mais empregada na redação acadê-
expositiva e argumentativa. Esta, exige argumentação, razões a fa- mica é o silogismo, raciocínio baseado nas regras cartesianas, que
vor e contra uma ideia, ao passo que a outra é informativa, apresen- contém três proposições: duas premissas, maior e menor, e a con-
ta dados sem a intenção de convencer. Na verdade, a escolha dos clusão. As três proposições são encadeadas de tal forma, que a con-
dados levantados, a maneira de expô-los no texto já revelam uma clusão é deduzida da maior por intermédio da menor. A premissa
“tomada de posição”, a adoção de um ponto de vista na disserta- maior deve ser universal, emprega todo, nenhum, pois alguns não
ção, ainda que sem a apresentação explícita de argumentos. Desse caracteriza a universalidade. Há dois métodos fundamentais de ra-
ponto de vista, a dissertação pode ser definida como discussão, de- ciocínio: a dedução (silogística), que parte do geral para o particular,
bate, questionamento, o que implica a liberdade de pensamento, a e a indução, que vai do particular para o geral. A expressão formal
possibilidade de discordar ou concordar parcialmente. A liberdade do método dedutivo é o silogismo. A dedução é o caminho das con-
de questionar é fundamental, mas não é suficiente para organizar sequências, baseia-se em uma conexão descendente (do geral para
um texto dissertativo. É necessária também a exposição dos fun- o particular) que leva à conclusão. Segundo esse método, partin-
damentos, os motivos, os porquês da defesa de um ponto de vista. do-se de teorias gerais, de verdades universais, pode-se chegar à
Pode-se dizer que o homem vive em permanente atitude argu- previsão ou determinação de fenômenos particulares. O percurso
mentativa. A argumentação está presente em qualquer tipo de dis- do raciocínio vai da causa para o efeito. Exemplo:
curso, porém, é no texto dissertativo que ela melhor se evidencia. Todo homem é mortal (premissa maior = geral, universal)
Para discutir um tema, para confrontar argumentos e posições, Fulano é homem (premissa menor = particular)
é necessária a capacidade de conhecer outros pontos de vista e Logo, Fulano é mortal (conclusão)
seus respectivos argumentos. Uma discussão impõe, muitas ve-
zes, a análise de argumentos opostos, antagônicos. Como sempre, A indução percorre o caminho inverso ao da dedução, baseia-
essa capacidade aprende-se com a prática. Um bom exercício para se em uma conexão ascendente, do particular para o geral. Nesse
aprender a argumentar e contra-argumentar consiste em desenvol- caso, as constatações particulares levam às leis gerais, ou seja, par-
ver as seguintes habilidades: te de fatos particulares conhecidos para os fatos gerais, desconheci-
- argumentação: anotar todos os argumentos a favor de uma dos. O percurso do raciocínio se faz do efeito para a causa. Exemplo:
ideia ou fato; imaginar um interlocutor que adote a posição total- O calor dilata o ferro (particular)
mente contrária; O calor dilata o bronze (particular)
- contra-argumentação: imaginar um diálogo-debate e quais os O calor dilata o cobre (particular)
argumentos que essa pessoa imaginária possivelmente apresenta- O ferro, o bronze, o cobre são metais
ria contra a argumentação proposta; Logo, o calor dilata metais (geral, universal)
- refutação: argumentos e razões contra a argumentação opos-
ta.

4
LÍNGUA PORTUGUESA
Quanto a seus aspectos formais, o silogismo pode ser válido Síntese, portanto, é o processo de reconstrução do todo por
e verdadeiro; a conclusão será verdadeira se as duas premissas meio da integração das partes, reunidas e relacionadas num con-
também o forem. Se há erro ou equívoco na apreciação dos fatos, junto. Toda síntese, por ser uma reconstrução, pressupõe a análise,
pode-se partir de premissas verdadeiras para chegar a uma conclu- que é a decomposição. A análise, no entanto, exige uma decompo-
são falsa. Tem-se, desse modo, o sofisma. Uma definição inexata, sição organizada, é preciso saber como dividir o todo em partes. As
uma divisão incompleta, a ignorância da causa, a falsa analogia são operações que se realizam na análise e na síntese podem ser assim
algumas causas do sofisma. O sofisma pressupõe má fé, intenção relacionadas:
deliberada de enganar ou levar ao erro; quando o sofisma não tem
essas intenções propositais, costuma-se chamar esse processo de Análise: penetrar, decompor, separar, dividir.
argumentação de paralogismo. Encontra-se um exemplo simples Síntese: integrar, recompor, juntar, reunir.
de sofisma no seguinte diálogo:
A análise tem importância vital no processo de coleta de ideias
- Você concorda que possui uma coisa que não perdeu? a respeito do tema proposto, de seu desdobramento e da criação
- Lógico, concordo. de abordagens possíveis. A síntese também é importante na esco-
- Você perdeu um brilhante de 40 quilates? lha dos elementos que farão parte do texto.
- Claro que não! Segundo Garcia (1973, p.300), a análise pode ser formal ou in-
- Então você possui um brilhante de 40 quilates... formal. A análise formal pode ser científica ou experimental; é ca-
racterística das ciências matemáticas, físico-naturais e experimen-
Exemplos de sofismas: tais. A análise informal é racional ou total, consiste em “discernir”
por vários atos distintos da atenção os elementos constitutivos de
Dedução um todo, os diferentes caracteres de um objeto ou fenômeno.
Todo professor tem um diploma (geral, universal) A análise decompõe o todo em partes, a classificação estabe-
Fulano tem um diploma (particular) lece as necessárias relações de dependência e hierarquia entre as
Logo, fulano é professor (geral – conclusão falsa) partes. Análise e classificação ligam-se intimamente, a ponto de se
confundir uma com a outra, contudo são procedimentos diversos:
Indução análise é decomposição e classificação é hierarquisação.
O Rio de Janeiro tem uma estátua do Cristo Redentor. (particu- Nas ciências naturais, classificam-se os seres, fatos e fenôme-
lar) Taubaté (SP) tem uma estátua do Cristo Redentor. (particular) nos por suas diferenças e semelhanças; fora das ciências naturais, a
Rio de Janeiro e Taubaté são cidades. classificação pode-se efetuar por meio de um processo mais ou me-
Logo, toda cidade tem uma estátua do Cristo Redentor. (geral nos arbitrário, em que os caracteres comuns e diferenciadores são
– conclusão falsa) empregados de modo mais ou menos convencional. A classificação,
no reino animal, em ramos, classes, ordens, subordens, gêneros e
Nota-se que as premissas são verdadeiras, mas a conclusão espécies, é um exemplo de classificação natural, pelas caracterís-
pode ser falsa. Nem todas as pessoas que têm diploma são pro- ticas comuns e diferenciadoras. A classificação dos variados itens
fessores; nem todas as cidades têm uma estátua do Cristo Reden- integrantes de uma lista mais ou menos caótica é artificial.
tor. Comete-se erro quando se faz generalizações apressadas ou Exemplo: aquecedor, automóvel, barbeador, batata, caminhão,
infundadas. A “simples inspeção” é a ausência de análise ou análise canário, jipe, leite, ônibus, pão, pardal, pintassilgo, queijo, relógio,
superficial dos fatos, que leva a pronunciamentos subjetivos, base- sabiá, torradeira.
ados nos sentimentos não ditados pela razão.
Tem-se, ainda, outros métodos, subsidiários ou não fundamen- Aves: Canário, Pardal, Pintassilgo, Sabiá.
tais, que contribuem para a descoberta ou comprovação da verda- Alimentos: Batata, Leite, Pão, Queijo.
de: análise, síntese, classificação e definição. Além desses, existem Mecanismos: Aquecedor, Barbeador, Relógio, Torradeira.
outros métodos particulares de algumas ciências, que adaptam os Veículos: Automóvel, Caminhão, Jipe, Ônibus.
processos de dedução e indução à natureza de uma realidade par-
ticular. Pode-se afirmar que cada ciência tem seu método próprio Os elementos desta lista foram classificados por ordem alfabé-
demonstrativo, comparativo, histórico etc. A análise, a síntese, a tica e pelas afinidades comuns entre eles. Estabelecer critérios de
classificação a definição são chamadas métodos sistemáticos, por- classificação das ideias e argumentos, pela ordem de importância, é
que pela organização e ordenação das ideias visam sistematizar a uma habilidade indispensável para elaborar o desenvolvimento de
pesquisa. uma redação. Tanto faz que a ordem seja crescente, do fato mais
Análise e síntese são dois processos opostos, mas interligados; importante para o menos importante, ou decrescente, primeiro
a análise parte do todo para as partes, a síntese, das partes para o o menos importante e, no final, o impacto do mais importante; é
todo. A análise precede a síntese, porém, de certo modo, uma de- indispensável que haja uma lógica na classificação. A elaboração
pende da outra. A análise decompõe o todo em partes, enquanto a do plano compreende a classificação das partes e subdivisões, ou
síntese recompõe o todo pela reunião das partes. Sabe-se, porém, seja, os elementos do plano devem obedecer a uma hierarquização.
que o todo não é uma simples justaposição das partes. Se alguém (Garcia, 1973, p. 302304.)
reunisse todas as peças de um relógio, não significa que reconstruiu Para a clareza da dissertação, é indispensável que, logo na in-
o relógio, pois fez apenas um amontoado de partes. Só reconstruiria trodução, os termos e conceitos sejam definidos, pois, para expres-
todo se as partes estivessem organizadas, devidamente combina- sar um questionamento, deve-se, de antemão, expor clara e racio-
das, seguida uma ordem de relações necessárias, funcionais, então, nalmente as posições assumidas e os argumentos que as justificam.
o relógio estaria reconstruído. É muito importante deixar claro o campo da discussão e a posição
adotada, isto é, esclarecer não só o assunto, mas também os pontos
de vista sobre ele.

5
LÍNGUA PORTUGUESA
A definição tem por objetivo a exatidão no emprego da lingua- Os métodos fundamentais de raciocínio segundo a lógica clás-
gem e consiste na enumeração das qualidades próprias de uma sica, que foram abordados anteriormente, auxiliam o julgamento
ideia, palavra ou objeto. Definir é classificar o elemento conforme a da validade dos fatos. Às vezes, a argumentação é clara e pode reco-
espécie a que pertence, demonstra: a característica que o diferen- nhecer-se facilmente seus elementos e suas relações; outras vezes,
cia dos outros elementos dessa mesma espécie. as premissas e as conclusões organizam-se de modo livre, mistu-
Entre os vários processos de exposição de ideias, a definição rando-se na estrutura do argumento. Por isso, é preciso aprender a
é um dos mais importantes, sobretudo no âmbito das ciências. A reconhecer os elementos que constituem um argumento: premis-
definição científica ou didática é denotativa, ou seja, atribui às pa- sas/conclusões. Depois de reconhecer, verificar se tais elementos
lavras seu sentido usual ou consensual, enquanto a conotativa ou são verdadeiros ou falsos; em seguida, avaliar se o argumento está
metafórica emprega palavras de sentido figurado. Segundo a lógica expresso corretamente; se há coerência e adequação entre seus
tradicional aristotélica, a definição consta de três elementos: elementos, ou se há contradição. Para isso é que se aprende os pro-
- o termo a ser definido; cessos de raciocínio por dedução e por indução. Admitindo-se que
- o gênero ou espécie; raciocinar é relacionar, conclui-se que o argumento é um tipo espe-
- a diferença específica. cífico de relação entre as premissas e a conclusão.
Procedimentos Argumentativos: Constituem os procedimen-
O que distingue o termo definido de outros elementos da mes- tos argumentativos mais empregados para comprovar uma afirma-
ma espécie. Exemplo: ção: exemplificação, explicitação, enumeração, comparação.
Exemplificação: Procura justificar os pontos de vista por meio
Na frase: O homem é um animal racional classifica-se: de exemplos, hierarquizar afirmações. São expressões comuns nes-
se tipo de procedimento: mais importante que, superior a, de maior
relevância que. Empregam-se também dados estatísticos, acompa-
nhados de expressões: considerando os dados; conforme os dados
apresentados. Faz-se a exemplificação, ainda, pela apresentação de
Elemento especie diferença causas e consequências, usando-se comumente as expressões: por-
a ser definido específica que, porquanto, pois que, uma vez que, visto que, por causa de, em
É muito comum formular definições de maneira defeituosa, virtude de, em vista de, por motivo de.
por exemplo: Análise é quando a gente decompõe o todo em par- Explicitação: O objetivo desse recurso argumentativo é expli-
tes. Esse tipo de definição é gramaticalmente incorreto; quando é car ou esclarecer os pontos de vista apresentados. Pode-se alcançar
advérbio de tempo, não representa o gênero, a espécie, a gente é esse objetivo pela definição, pelo testemunho e pela interpreta-
forma coloquial não adequada à redação acadêmica. Tão importan- ção. Na explicitação por definição, empregam-se expressões como:
te é saber formular uma definição, que se recorre a Garcia (1973, quer dizer, denomina-se, chama-se, na verdade, isto é, haja vista,
p.306), para determinar os “requisitos da definição denotativa”. ou melhor; nos testemunhos são comuns as expressões: conforme,
Para ser exata, a definição deve apresentar os seguintes requisitos: segundo, na opinião de, no parecer de, consoante as ideias de, no
- o termo deve realmente pertencer ao gênero ou classe em entender de, no pensamento de. A explicitação se faz também pela
que está incluído: “mesa é um móvel” (classe em que ‘mesa’ está interpretação, em que são comuns as seguintes expressões: parece,
realmente incluída) e não “mesa é um instrumento ou ferramenta assim, desse ponto de vista.
ou instalação”; Enumeração: Faz-se pela apresentação de uma sequência de
- o gênero deve ser suficientemente amplo para incluir todos elementos que comprovam uma opinião, tais como a enumeração
os exemplos específicos da coisa definida, e suficientemente restrito de pormenores, de fatos, em uma sequência de tempo, em que são
para que a diferença possa ser percebida sem dificuldade; frequentes as expressões: primeiro, segundo, por último, antes, de-
- deve ser obrigatoriamente afirmativa: não há, em verdade, pois, ainda, em seguida, então, presentemente, antigamente, de-
definição, quando se diz que o “triângulo não é um prisma”; pois de, antes de, atualmente, hoje, no passado, sucessivamente,
- deve ser recíproca: “O homem é um ser vivo” não constitui respectivamente. Na enumeração de fatos em uma sequência de
definição exata, porque a recíproca, “Todo ser vivo é um homem” espaço, empregam-se as seguintes expressões: cá, lá, acolá, ali, aí,
não é verdadeira (o gato é ser vivo e não é homem); além, adiante, perto de, ao redor de, no Estado tal, na capital, no
- deve ser breve (contida num só período). Quando a definição, interior, nas grandes cidades, no sul, no leste...
ou o que se pretenda como tal, é muito longa (séries de períodos ou Comparação: Analogia e contraste são as duas maneiras de
de parágrafos), chama-se explicação, e também definição expan- se estabelecer a comparação, com a finalidade de comprovar uma
dida;d ideia ou opinião. Na analogia, são comuns as expressões: da mesma
- deve ter uma estrutura gramatical rígida: sujeito (o termo) + forma, tal como, tanto quanto, assim como, igualmente. Para esta-
cópula (verbo de ligação ser) + predicativo (o gênero) + adjuntos (as belecer contraste, empregam-se as expressões: mais que, menos
diferenças). que, melhor que, pior que.

As definições dos dicionários de língua são feitas por meio de Entre outros tipos de argumentos empregados para aumentar
paráfrases definitórias, ou seja, uma operação metalinguística que o poder de persuasão de um texto dissertativo encontram-se:
consiste em estabelecer uma relação de equivalência entre a pala- Argumento de autoridade: O saber notório de uma autoridade
vra e seus significados. reconhecida em certa área do conhecimento dá apoio a uma afir-
A força do texto dissertativo está em sua fundamentação. Sem- mação. Dessa maneira, procura-se trazer para o enunciado a credi-
pre é fundamental procurar um porquê, uma razão verdadeira e bilidade da autoridade citada. Lembre-se que as citações literais no
necessária. A verdade de um ponto de vista deve ser demonstrada corpo de um texto constituem argumentos de autoridade. Ao fazer
com argumentos válidos. O ponto de vista mais lógico e racional do uma citação, o enunciador situa os enunciados nela contidos na li-
mundo não tem valor, se não estiver acompanhado de uma funda- nha de raciocínio que ele considera mais adequada para explicar ou
mentação coerente e adequada. justificar um fato ou fenômeno. Esse tipo de argumento tem mais
caráter confirmatório que comprobatório.

6
LÍNGUA PORTUGUESA
Apoio na consensualidade: Certas afirmações dispensam expli- - Questionar o tema, transformá-lo em interrogação, responder
cação ou comprovação, pois seu conteúdo é aceito como válido por a interrogação (assumir um ponto de vista); dar o porquê da respos-
consenso, pelo menos em determinado espaço sociocultural. Nesse ta, justificar, criando um argumento básico;
caso, incluem-se - Imaginar um ponto de vista oposto ao argumento básico e
- A declaração que expressa uma verdade universal (o homem, construir uma contra-argumentação; pensar a forma de refutação
mortal, aspira à imortalidade); que poderia ser feita ao argumento básico e tentar desqualificá-la
- A declaração que é evidente por si mesma (caso dos postula- (rever tipos de argumentação);
dos e axiomas); - Refletir sobre o contexto, ou seja, fazer uma coleta de ideias
- Quando escapam ao domínio intelectual, ou seja, é de nature- que estejam direta ou indiretamente ligadas ao tema (as ideias po-
za subjetiva ou sentimental (o amor tem razões que a própria razão dem ser listadas livremente ou organizadas como causa e consequ-
desconhece); implica apreciação de ordem estética (gosto não se ência);
discute); diz respeito a fé religiosa, aos dogmas (creio, ainda que - Analisar as ideias anotadas, sua relação com o tema e com o
parece absurdo). argumento básico;
- Fazer uma seleção das ideias pertinentes, escolhendo as que
Comprovação pela experiência ou observação: A verdade de poderão ser aproveitadas no texto; essas ideias transformam-se em
um fato ou afirmação pode ser comprovada por meio de dados con- argumentos auxiliares, que explicam e corroboram a ideia do argu-
cretos, estatísticos ou documentais. mento básico;
- Fazer um esboço do Plano de Redação, organizando uma se-
Comprovação pela fundamentação lógica: A comprovação se quência na apresentação das ideias selecionadas, obedecendo às
realiza por meio de argumentos racionais, baseados na lógica: cau- partes principais da estrutura do texto, que poderia ser mais ou
sa/efeito; consequência/causa; condição/ocorrência. menos a seguinte:

Fatos não se discutem; discutem-se opiniões. As declarações, Introdução


julgamento, pronunciamentos, apreciações que expressam opini-
ões pessoais (não subjetivas) devem ter sua validade comprovada, - função social da ciência e da tecnologia;
e só os fatos provam. Em resumo toda afirmação ou juízo que ex- - definições de ciência e tecnologia;
presse uma opinião pessoal só terá validade se fundamentada na - indivíduo e sociedade perante o avanço tecnológico.
evidência dos fatos, ou seja, se acompanhada de provas, validade
dos argumentos, porém, pode ser contestada por meio da contra- Desenvolvimento
-argumentação ou refutação. São vários os processos de contra-ar-
gumentação: - apresentação de aspectos positivos e negativos do desenvol-
vimento tecnológico;
Refutação pelo absurdo: refuta-se uma afirmação demons- - como o desenvolvimento científico-tecnológico modificou as
trando o absurdo da consequência. Exemplo clássico é a contraar- condições de vida no mundo atual;
gumentação do cordeiro, na conhecida fábula “O lobo e o cordeiro”; - a tecnocracia: oposição entre uma sociedade tecnologica-
Refutação por exclusão: consiste em propor várias hipóteses mente desenvolvida e a dependência tecnológica dos países sub-
para eliminá-las, apresentando-se, então, aquela que se julga ver- desenvolvidos;
dadeira; - enumerar e discutir os fatores de desenvolvimento social;
Desqualificação do argumento: atribui-se o argumento à opi- - comparar a vida de hoje com os diversos tipos de vida do pas-
nião pessoal subjetiva do enunciador, restringindo-se a universali- sado; apontar semelhanças e diferenças;
dade da afirmação; - analisar as condições atuais de vida nos grandes centros ur-
Ataque ao argumento pelo testemunho de autoridade: con- banos;
siste em refutar um argumento empregando os testemunhos de - como se poderia usar a ciência e a tecnologia para humanizar
autoridade que contrariam a afirmação apresentada; mais a sociedade.
Desqualificar dados concretos apresentados: consiste em de-
sautorizar dados reais, demonstrando que o enunciador baseou-se Conclusão
em dados corretos, mas tirou conclusões falsas ou inconsequentes. - a tecnologia pode libertar ou escravizar: benefícios/consequ-
Por exemplo, se na argumentação afirmou-se, por meio de dados ências maléficas;
estatísticos, que “o controle demográfico produz o desenvolvimen- - síntese interpretativa dos argumentos e contra-argumentos
to”, afirma-se que a conclusão é inconsequente, pois baseia-se em apresentados.
uma relação de causa-feito difícil de ser comprovada. Para contraar-
gumentar, propõese uma relação inversa: “o desenvolvimento é que Naturalmente esse não é o único, nem o melhor plano de reda-
gera o controle demográfico”. ção: é um dos possíveis.

Apresentam-se aqui sugestões, um dos roteiros possíveis para Texto:


desenvolver um tema, que podem ser analisadas e adaptadas ao
desenvolvimento de outros temas. Elege-se um tema, e, em segui- “Neto ainda está longe de se igualar a qualquer um desses cra-
da, sugerem-se os procedimentos que devem ser adotados para a ques (Rivelino, Ademir da Guia, Pedro Rocha e Pelé), mas ainda tem
elaboração de um Plano de Redação. um longo caminho a trilhar (...).”
Veja São Paulo, 26/12/1990, p. 15.
Tema: O homem e a máquina: necessidade e riscos da evolução
tecnológica

7
LÍNGUA PORTUGUESA
Esse texto diz explicitamente que: A demonstração disso pode ser feita com as “verdades incon-
- Rivelino, Ademir da Guia, Pedro Rocha e Pelé são craques; testáveis” que estão na base de muitos discursos políticos, como o
- Neto não tem o mesmo nível desses craques; que segue:
- Neto tem muito tempo de carreira pela frente.
O texto deixa implícito que: “Quando o curso do rio São Francisco for mudado, será resolvi-
- Existe a possibilidade de Neto um dia aproximar-se dos cra- do o problema da seca no Nordeste.”
ques citados; O enunciador estabelece o pressuposto de que é certa a mu-
- Esses craques são referência de alto nível em sua especialida- dança do curso do São Francisco e, por consequência, a solução do
de esportiva; problema da seca no Nordeste. O diálogo não teria continuidade se
- Há uma oposição entre Neto e esses craques no que diz res- um interlocutor não admitisse ou colocasse sob suspeita essa cer-
peito ao tempo disponível para evoluir. teza. Em outros termos, haveria quebra da continuidade do diálogo
Todos os textos transmitem explicitamente certas informações, se alguém interviesse com uma pergunta deste tipo:
enquanto deixam outras implícitas. Por exemplo, o texto acima não
explicita que existe a possibilidade de Neto se equiparar aos qua- “Mas quem disse que é certa a mudança do curso do rio?”
tro futebolistas, mas a inclusão do advérbio ainda estabelece esse
implícito. Não diz também com explicitude que há oposição entre A aceitação do pressuposto estabelecido pelo emissor permite
Neto e os outros jogadores, sob o ponto de vista de contar com levar adiante o debate; sua negação compromete o diálogo, uma
tempo para evoluir. A escolha do conector “mas” entre a segunda e vez que destrói a base sobre a qual se constrói a argumentação, e
a primeira oração só é possível levando em conta esse dado implíci- daí nenhum argumento tem mais importância ou razão de ser. Com
to. Como se vê, há mais significados num texto do que aqueles que pressupostos distintos, o diálogo não é possível ou não tem sentido.
aparecem explícitos na sua superfície. Leitura proficiente é aquela A mesma pergunta, feita para pessoas diferentes, pode ser em-
capaz de depreender tanto um tipo de significado quanto o outro, baraçosa ou não, dependendo do que está pressuposto em cada
o que, em outras palavras, significa ler nas entrelinhas. Sem essa situação. Para alguém que não faz segredo sobre a mudança de
habilidade, o leitor passará por cima de significados importantes emprego, não causa o menor embaraço uma pergunta como esta:
ou, o que é bem pior, concordará com ideias e pontos de vista que
rejeitaria se os percebesse. “Como vai você no seu novo emprego?”
Os significados implícitos costumam ser classificados em duas
categorias: os pressupostos e os subentendidos. O efeito da mesma pergunta seria catastrófico se ela se diri-
Pressupostos: são ideias implícitas que estão implicadas logica- gisse a uma pessoa que conseguiu um segundo emprego e quer
mente no sentido de certas palavras ou expressões explicitadas na manter sigilo até decidir se abandona o anterior. O adjetivo novo
superfície da frase. Exemplo: estabelece o pressuposto de que o interrogado tem um emprego
diferente do anterior.
“André tornou-se um antitabagista convicto.”
Marcadores de Pressupostos
A informação explícita é que hoje André é um antitabagista
convicto. Do sentido do verbo tornar-se, que significa “vir a ser”, - Adjetivos ou palavras similares modificadoras do substantivo
decorre logicamente que antes André não era antitabagista convic- Julinha foi minha primeira filha.
to. Essa informação está pressuposta. Ninguém se torna algo que “Primeira” pressupõe que tenho outras filhas e que as outras
já era antes. Seria muito estranho dizer que a palmeira tornou-se nasceram depois de Julinha.
um vegetal. Destruíram a outra igreja do povoado.
“Outra” pressupõe a existência de pelo menos uma igreja além
“Eu ainda não conheço a Europa.” da usada como referência.
A informação explícita é que o enunciador não tem conheci-
mento do continente europeu. O advérbio ainda deixa pressuposta - Certos verbos
a possibilidade de ele um dia conhecê-la.
As informações explícitas podem ser questionadas pelo recep- Renato continua doente.
tor, que pode ou não concordar com elas. Os pressupostos, porém, O verbo “continua” indica que Renato já estava doente no mo-
devem ser verdadeiros ou, pelo menos, admitidos como tais, por- mento anterior ao presente.
que esta é uma condição para garantir a continuidade do diálogo
e também para fornecer fundamento às afirmações explícitas. Isso Nossos dicionários já aportuguesaram a palavrea copydesk.
significa que, se o pressuposto é falso, a informação explícita não O verbo “aportuguesar” estabelece o pressuposto de que copi-
tem cabimento. Assim, por exemplo, se Maria não falta nunca a desque não existia em português.
aula nenhuma, não tem o menor sentido dizer “Até Maria compa-
receu à aula de hoje”. Até estabelece o pressuposto da inclusão de - Certos advérbios
um elemento inesperado.
Na leitura, é muito importante detectar os pressupostos, pois A produção automobilística brasileira está totalmente nas
eles são um recurso argumentativo que visa a levar o receptor a mãos das multinacionais.
aceitar a orientação argumentativa do emissor. Ao introduzir uma O advérbio totalmente pressupõe que não há no Brasil indús-
ideia sob a forma de pressuposto, o enunciador pretende transfor- tria automobilística nacional.
mar seu interlocutor em cúmplice, pois a ideia implícita não é posta
em discussão, e todos os argumentos explícitos só contribuem para - Você conferiu o resultado da loteria?
confirmála. O pressusposto aprisiona o receptor no sistema de pen- - Hoje não.
samento montado pelo enunciador.

8
LÍNGUA PORTUGUESA
A negação precedida de um advérbio de tempo de âmbito limi- ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DO TEXTO E DOS PARÁ-
tado estabelece o pressuposto de que apenas nesse intervalo (hoje) GRAFOS
é que o interrogado não praticou o ato de conferir o resultado da
loteria. São três os elementos essenciais para a composição de um tex-
to: a introdução, o desenvolvimento e a conclusão. Vamos estudar
- Orações adjetivas cada uma de forma isolada a seguir:

Os brasileiros, que não se importam com a coletividade, só se Introdução


preocupam com seu bemestar e, por isso, jogam lixo na rua, fecham
os cruzamentos, etc. É a apresentação direta e objetiva da ideia central do texto. A
O pressuposto é que “todos” os brasileiros não se importam introdução é caracterizada por ser o parágrafo inicial.
com a coletividade. Desenvolvimento

Os brasileiros que não se importam com a coletividade só se Quando tratamos de estrutura, é a maior parte do texto. O
preocupam com seu bemestar e, por isso, jogam lixo na rua, fecham desenvolvimento estabelece uma conexão entre a introdução e a
os cruzamentos, etc. conclusão, pois é nesta parte que as ideias, argumentos e posicio-
Nesse caso, o pressuposto é outro: “alguns” brasileiros não se namento do autor vão sendo formados e desenvolvidos com a fina-
importam com a coletividade. lidade de dirigir a atenção do leitor para a conclusão.
Em um bom desenvolvimento as ideias devem ser claras e ap-
No primeiro caso, a oração é explicativa; no segundo, é restriti- tas a fazer com que o leitor anteceda qual será a conclusão.
va. As explicativas pressupõem que o que elas expressam se refere à
totalidade dos elementos de um conjunto; as restritivas, que o que São três principais erros que podem ser cometidos na elabora-
elas dizem concerne apenas a parte dos elementos de um conjun- ção do desenvolvimento:
to. O produtor do texto escreverá uma restritiva ou uma explicativa - Distanciar-se do texto em relação ao tema inicial.
segundo o pressuposto que quiser comunicar. - Focar em apenas um tópico do tema e esquecer dos outros.
- Falar sobre muitas informações e não conseguir organizá-las,
Subentendidos: são insinuações contidas em uma frase ou um dificultando a linha de compreensão do leitor.
grupo de frases. Suponhamos que uma pessoa estivesse em visita
à casa de outra num dia de frio glacial e que uma janela, por onde Conclusão
entravam rajadas de vento, estivesse aberta. Se o visitante dissesse
“Que frio terrível”, poderia estar insinuando que a janela deveria Ponto final de todas as argumentações discorridas no desen-
ser fechada. volvimento, ou seja, o encerramento do texto e dos questionamen-
Há uma diferença capital entre o pressuposto e o subentendi- tos levantados pelo autor.
do. O primeiro é uma informação estabelecida como indiscutível Ao fazermos a conclusão devemos evitar expressões como:
tanto para o emissor quanto para o receptor, uma vez que decorre “Concluindo...”, “Em conclusão, ...”, “Como já dissemos antes...”.
necessariamente do sentido de algum elemento linguístico coloca-
do na frase. Ele pode ser negado, mas o emissor coloca o implici- Parágrafo
tamente para que não o seja. Já o subentendido é de responsabi-
lidade do receptor. O emissor pode esconder-se atrás do sentido Se caracteriza como um pequeno recuo em relação à margem
literal das palavras e negar que tenha dito o que o receptor depre- esquerda da folha. Conceitualmente, o parágrafo completo deve
endeu de suas palavras. Assim, no exemplo dado acima, se o dono conter introdução, desenvolvimento e conclusão.
da casa disser que é muito pouco higiênico fechar todas as janelas, - Introdução – apresentação da ideia principal, feita de maneira
o visitante pode dizer que também acha e que apenas constatou a sintética de acordo com os objetivos do autor.
intensidade do frio. - Desenvolvimento – ampliação do tópico frasal (introdução),
O subentendido serve, muitas vezes, para o emissor proteger- atribuído pelas ideias secundárias, a fim de reforçar e dar credibili-
se, para transmitir a informação que deseja dar a conhecer sem se dade na discussão.
comprometer. Imaginemos, por exemplo, que um funcionário re- - Conclusão – retomada da ideia central ligada aos pressupos-
cémpromovido numa empresa ouvisse de um colega o seguinte: tos citados no desenvolvimento, procurando arrematá-los.

“Competência e mérito continuam não valendo nada como cri- Exemplo de um parágrafo bem estruturado (com introdução,
tério de promoção nesta empresa...” desenvolvimento e conclusão):

Esse comentário talvez suscitasse esta suspeita: “Nesse contexto, é um grave erro a liberação da maconha.
Provocará de imediato violenta elevação do consumo. O Estado
“Você está querendo dizer que eu não merecia a promoção?” perderá o precário controle que ainda exerce sobre as drogas psico-
trópicas e nossas instituições de recuperação de viciados não terão
Ora, o funcionário preterido, tendo recorrido a um subentendi- estrutura suficiente para atender à demanda. Enfim, viveremos o
do, poderia responder: caos. ”
“Absolutamente! Estou falando em termos gerais.” (Alberto Corazza, Isto É, com adaptações)

9
LÍNGUA PORTUGUESA
Elemento relacionador: Nesse contexto.
Tópico frasal: é um grave erro a liberação da maconha.
Desenvolvimento: Provocará de imediato violenta elevação do consumo. O Estado perderá o precário controle que ainda exerce sobre
as drogas psicotrópicas e nossas instituições de recuperação de viciados não terão estrutura suficiente para atender à demanda.
Conclusão: Enfim, viveremos o caos.

ORTOGRAFIA OFICIAL

A ortografia oficial diz respeito às regras gramaticais referentes à escrita correta das palavras. Para melhor entendê-las, é preciso ana-
lisar caso a caso. Lembre-se de que a melhor maneira de memorizar a ortografia correta de uma língua é por meio da leitura, que também
faz aumentar o vocabulário do leitor.
Neste capítulo serão abordadas regras para dúvidas frequentes entre os falantes do português. No entanto, é importante ressaltar que
existem inúmeras exceções para essas regras, portanto, fique atento!

Alfabeto
O primeiro passo para compreender a ortografia oficial é conhecer o alfabeto (os sinais gráficos e seus sons). No português, o alfabeto
se constitui 26 letras, divididas entre vogais (a, e, i, o, u) e consoantes (restante das letras).
Com o Novo Acordo Ortográfico, as consoantes K, W e Y foram reintroduzidas ao alfabeto oficial da língua portuguesa, de modo que
elas são usadas apenas em duas ocorrências: transcrição de nomes próprios e abreviaturas e símbolos de uso internacional.

Uso do “X”
Algumas dicas são relevantes para saber o momento de usar o X no lugar do CH:
• Depois das sílabas iniciais “me” e “en” (ex: mexerica; enxergar)
• Depois de ditongos (ex: caixa)
• Palavras de origem indígena ou africana (ex: abacaxi; orixá)

Uso do “S” ou “Z”


Algumas regras do uso do “S” com som de “Z” podem ser observadas:
• Depois de ditongos (ex: coisa)
• Em palavras derivadas cuja palavra primitiva já se usa o “S” (ex: casa > casinha)
• Nos sufixos “ês” e “esa”, ao indicarem nacionalidade, título ou origem. (ex: portuguesa)
• Nos sufixos formadores de adjetivos “ense”, “oso” e “osa” (ex: populoso)

Uso do “S”, “SS”, “Ç”


• “S” costuma aparecer entre uma vogal e uma consoante (ex: diversão)
• “SS” costuma aparecer entre duas vogais (ex: processo)
• “Ç” costuma aparecer em palavras estrangeiras que passaram pelo processo de aportuguesamento (ex: muçarela)

Os diferentes porquês

POR QUE Usado para fazer perguntas. Pode ser substituído por “por qual motivo”
PORQUE Usado em respostas e explicações. Pode ser substituído por “pois”
O “que” é acentuado quando aparece como a última palavra da frase, antes da pontuação final (interrogação,
POR QUÊ
exclamação, ponto final)
PORQUÊ É um substantivo, portanto costuma vir acompanhado de um artigo, numeral, adjetivo ou pronome

Parônimos e homônimos
As palavras parônimas são aquelas que possuem grafia e pronúncia semelhantes, porém com significados distintos.
Ex: cumprimento (saudação) X comprimento (extensão); tráfego (trânsito) X tráfico (comércio ilegal).
Já as palavras homônimas são aquelas que possuem a mesma grafia e pronúncia, porém têm significados diferentes. Ex: rio (verbo
“rir”) X rio (curso d’água); manga (blusa) X manga (fruta).

CLASSE E EMPREGO DE PALAVRAS

Classes de Palavras
Para entender sobre a estrutura das funções sintáticas, é preciso conhecer as classes de palavras, também conhecidas por classes
morfológicas. A gramática tradicional pressupõe 10 classes gramaticais de palavras, sendo elas: adjetivo, advérbio, artigo, conjunção, in-
terjeição, numeral, pronome, preposição, substantivo e verbo.
Veja, a seguir, as características principais de cada uma delas.

10
LÍNGUA PORTUGUESA

CLASSE CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS


Menina inteligente...
Expressar características, qualidades ou estado dos seres Roupa azul-marinho...
ADJETIVO
Sofre variação em número, gênero e grau Brincadeira de criança...
Povo brasileiro...
A ajuda chegou tarde.
Indica circunstância em que ocorre o fato verbal
ADVÉRBIO A mulher trabalha muito.
Não sofre variação
Ele dirigia mal.
Determina os substantivos (de modo definido ou inde- A galinha botou um ovo.
ARTIGO finido) Uma menina deixou a mochila no ôni-
Varia em gênero e número bus.
Liga ideias e sentenças (conhecida também como conec-
Não gosto de refrigerante nem de pizza.
CONJUNÇÃO tivos)
Eu vou para a praia ou para a cachoeira?
Não sofre variação
Exprime reações emotivas e sentimentos Ah! Que calor...
INTERJEIÇÃO
Não sofre variação Escapei por pouco, ufa!
Atribui quantidade e indica posição em alguma sequên-
Gostei muito do primeiro dia de aula.
NUMERAL cia
Três é a metade de seis.
Varia em gênero e número
Posso ajudar, senhora?
Ela me ajudou muito com o meu traba-
Acompanha, substitui ou faz referência ao substantivo
PRONOME lho.
Varia em gênero e número
Esta é a casa onde eu moro.
Que dia é hoje?
Relaciona dois termos de uma mesma oração Espero por você essa noite.
PREPOSIÇÃO
Não sofre variação Lucas gosta de tocar violão.
Nomeia objetos, pessoas, animais, alimentos, lugares
A menina jogou sua boneca no rio.
SUBSTANTIVO etc.
A matilha tinha muita coragem.
Flexionam em gênero, número e grau.
Indica ação, estado ou fenômenos da natureza Ana se exercita pela manhã.
Sofre variação de acordo com suas flexões de modo, Todos parecem meio bobos.
VERBO tempo, número, pessoa e voz. Chove muito em Manaus.
Verbos não significativos são chamados verbos de liga- A cidade é muito bonita quando vista do
ção alto.

Substantivo
Tipos de substantivos
Os substantivos podem ter diferentes classificações, de acordo com os conceitos apresentados abaixo:
• Comum: usado para nomear seres e objetos generalizados. Ex: mulher; gato; cidade...
• Próprio: geralmente escrito com letra maiúscula, serve para especificar e particularizar. Ex: Maria; Garfield; Belo Horizonte...
• Coletivo: é um nome no singular que expressa ideia de plural, para designar grupos e conjuntos de seres ou objetos de uma mesma
espécie. Ex: matilha; enxame; cardume...
• Concreto: nomeia algo que existe de modo independente de outro ser (objetos, pessoas, animais, lugares etc.). Ex: menina; cachor-
ro; praça...
• Abstrato: depende de um ser concreto para existir, designando sentimentos, estados, qualidades, ações etc. Ex: saudade; sede;
imaginação...
• Primitivo: substantivo que dá origem a outras palavras. Ex: livro; água; noite...
• Derivado: formado a partir de outra(s) palavra(s). Ex: pedreiro; livraria; noturno...
• Simples: nomes formados por apenas uma palavra (um radical). Ex: casa; pessoa; cheiro...
• Composto: nomes formados por mais de uma palavra (mais de um radical). Ex: passatempo; guarda-roupa; girassol...

Flexão de gênero
Na língua portuguesa, todo substantivo é flexionado em um dos dois gêneros possíveis: feminino e masculino.
O substantivo biforme é aquele que flexiona entre masculino e feminino, mudando a desinência de gênero, isto é, geralmente o final
da palavra sendo -o ou -a, respectivamente (Ex: menino / menina). Há, ainda, os que se diferenciam por meio da pronúncia / acentuação
(Ex: avô / avó), e aqueles em que há ausência ou presença de desinência (Ex: irmão / irmã; cantor / cantora).
O substantivo uniforme é aquele que possui apenas uma forma, independente do gênero, podendo ser diferenciados quanto ao gêne-
ro a partir da flexão de gênero no artigo ou adjetivo que o acompanha (Ex: a cadeira / o poste). Pode ser classificado em epiceno (refere-se
aos animais), sobrecomum (refere-se a pessoas) e comum de dois gêneros (identificado por meio do artigo).

11
LÍNGUA PORTUGUESA
É preciso ficar atento à mudança semântica que ocorre com alguns substantivos quando usados no masculino ou no feminino, trazen-
do alguma especificidade em relação a ele. No exemplo o fruto X a fruta temos significados diferentes: o primeiro diz respeito ao órgão
que protege a semente dos alimentos, enquanto o segundo é o termo popular para um tipo específico de fruto.

Flexão de número
No português, é possível que o substantivo esteja no singular, usado para designar apenas uma única coisa, pessoa, lugar (Ex: bola;
escada; casa) ou no plural, usado para designar maiores quantidades (Ex: bolas; escadas; casas) — sendo este último representado, geral-
mente, com o acréscimo da letra S ao final da palavra.
Há, também, casos em que o substantivo não se altera, de modo que o plural ou singular devem estar marcados a partir do contexto,
pelo uso do artigo adequado (Ex: o lápis / os lápis).

Variação de grau
Usada para marcar diferença na grandeza de um determinado substantivo, a variação de grau pode ser classificada em aumentativo
e diminutivo.
Quando acompanhados de um substantivo que indica grandeza ou pequenez, é considerado analítico (Ex: menino grande / menino
pequeno).
Quando acrescentados sufixos indicadores de aumento ou diminuição, é considerado sintético (Ex: meninão / menininho).

Novo Acordo Ortográfico


De acordo com o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, as letras maiúsculas devem ser usadas em nomes próprios de
pessoas, lugares (cidades, estados, países, rios), animais, acidentes geográficos, instituições, entidades, nomes astronômicos, de festas e
festividades, em títulos de periódicos e em siglas, símbolos ou abreviaturas.
Já as letras minúsculas podem ser usadas em dias de semana, meses, estações do ano e em pontos cardeais.
Existem, ainda, casos em que o uso de maiúscula ou minúscula é facultativo, como em título de livros, nomes de áreas do saber,
disciplinas e matérias, palavras ligadas a alguma religião e em palavras de categorização.

Adjetivo
Os adjetivos podem ser simples (vermelho) ou compostos (mal-educado); primitivos (alegre) ou derivados (tristonho). Eles podem
flexionar entre o feminino (estudiosa) e o masculino (engraçado), e o singular (bonito) e o plural (bonitos).
Há, também, os adjetivos pátrios ou gentílicos, sendo aqueles que indicam o local de origem de uma pessoa, ou seja, sua nacionali-
dade (brasileiro; mineiro).
É possível, ainda, que existam locuções adjetivas, isto é, conjunto de duas ou mais palavras usadas para caracterizar o substantivo. São
formadas, em sua maioria, pela preposição DE + substantivo:
• de criança = infantil
• de mãe = maternal
• de cabelo = capilar

Variação de grau
Os adjetivos podem se encontrar em grau normal (sem ênfases), ou com intensidade, classificando-se entre comparativo e superlativo.
• Normal: A Bruna é inteligente.
• Comparativo de superioridade: A Bruna é mais inteligente que o Lucas.
• Comparativo de inferioridade: O Gustavo é menos inteligente que a Bruna.
• Comparativo de igualdade: A Bruna é tão inteligente quanto a Maria.
• Superlativo relativo de superioridade: A Bruna é a mais inteligente da turma.
• Superlativo relativo de inferioridade: O Gustavo é o menos inteligente da turma.
• Superlativo absoluto analítico: A Bruna é muito inteligente.
• Superlativo absoluto sintético: A Bruna é inteligentíssima.

Adjetivos de relação
São chamados adjetivos de relação aqueles que não podem sofrer variação de grau, uma vez que possui valor semântico objetivo, isto
é, não depende de uma impressão pessoal (subjetiva). Além disso, eles aparecem após o substantivo, sendo formados por sufixação de um
substantivo (Ex: vinho do Chile = vinho chileno).

Advérbio
Os advérbios são palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou um outro advérbio. Eles se classificam de acordo com a tabela
abaixo:

CLASSIFICAÇÃO ADVÉRBIOS LOCUÇÕES ADVERBIAIS


DE MODO bem; mal; assim; melhor; depressa ao contrário; em detalhes
ontem; sempre; afinal; já; agora; doravante; pri- logo mais; em breve; mais tarde, nunca mais,
DE TEMPO
meiramente de noite

12
LÍNGUA PORTUGUESA

Ao redor de; em frente a; à esquerda; por per-


DE LUGAR aqui; acima; embaixo; longe; fora; embaixo; ali
to
DE INTENSIDADE muito; tão; demasiado; imenso; tanto; nada em excesso; de todos; muito menos
DE AFIRMAÇÃO sim, indubitavelmente; certo; decerto; deveras com certeza; de fato; sem dúvidas
DE NEGAÇÃO não; nunca; jamais; tampouco; nem nunca mais; de modo algum; de jeito nenhum
DE DÚVIDA Possivelmente; acaso; será; talvez; quiçá Quem sabe

Advérbios interrogativos
São os advérbios ou locuções adverbiais utilizadas para introduzir perguntas, podendo expressar circunstâncias de:
• Lugar: onde, aonde, de onde
• Tempo: quando
• Modo: como
• Causa: por que, por quê

Grau do advérbio
Os advérbios podem ser comparativos ou superlativos.
• Comparativo de igualdade: tão/tanto + advérbio + quanto
• Comparativo de superioridade: mais + advérbio + (do) que
• Comparativo de inferioridade: menos + advérbio + (do) que
• Superlativo analítico: muito cedo
• Superlativo sintético: cedíssimo

Curiosidades
Na linguagem coloquial, algumas variações do superlativo são aceitas, como o diminutivo (cedinho), o aumentativo (cedão) e o uso
de alguns prefixos (supercedo).
Existem advérbios que exprimem ideia de exclusão (somente; salvo; exclusivamente; apenas), inclusão (também; ainda; mesmo) e
ordem (ultimamente; depois; primeiramente).
Alguns advérbios, além de algumas preposições, aparecem sendo usados como uma palavra denotativa, acrescentando um sentido
próprio ao enunciado, podendo ser elas de inclusão (até, mesmo, inclusive); de exclusão (apenas, senão, salvo); de designação (eis); de
realce (cá, lá, só, é que); de retificação (aliás, ou melhor, isto é) e de situação (afinal, agora, então, e aí).

Pronomes
Os pronomes são palavras que fazem referência aos nomes, isto é, aos substantivos. Assim, dependendo de sua função no enunciado,
ele pode ser classificado da seguinte maneira:
• Pronomes pessoais: indicam as 3 pessoas do discurso, e podem ser retos (eu, tu, ele...) ou oblíquos (mim, me, te, nos, si...).
• Pronomes possessivos: indicam posse (meu, minha, sua, teu, nossos...)
• Pronomes demonstrativos: indicam localização de seres no tempo ou no espaço. (este, isso, essa, aquela, aquilo...)
• Pronomes interrogativos: auxiliam na formação de questionamentos (qual, quem, onde, quando, que, quantas...)
• Pronomes relativos: retomam o substantivo, substituindo-o na oração seguinte (que, quem, onde, cujo, o qual...)
• Pronomes indefinidos: substituem o substantivo de maneira imprecisa (alguma, nenhum, certa, vários, qualquer...)
• Pronomes de tratamento: empregados, geralmente, em situações formais (senhor, Vossa Majestade, Vossa Excelência, você...)

Colocação pronominal
Diz respeito ao conjunto de regras que indicam a posição do pronome oblíquo átono (me, te, se, nos, vos, lhe, lhes, o, a, os, as, lo, la,
no, na...) em relação ao verbo, podendo haver próclise (antes do verbo), ênclise (depois do verbo) ou mesóclise (no meio do verbo).
Veja, então, quais as principais situações para cada um deles:
• Próclise: expressões negativas; conjunções subordinativas; advérbios sem vírgula; pronomes indefinidos, relativos ou demonstrati-
vos; frases exclamativas ou que exprimem desejo; verbos no gerúndio antecedidos por “em”.
Nada me faria mais feliz.

• Ênclise: verbo no imperativo afirmativo; verbo no início da frase (não estando no futuro e nem no pretérito); verbo no gerúndio não
acompanhado por “em”; verbo no infinitivo pessoal.
Inscreveu-se no concurso para tentar realizar um sonho.

• Mesóclise: verbo no futuro iniciando uma oração.


Orgulhar-me-ei de meus alunos.

DICA: o pronome não deve aparecer no início de frases ou orações, nem após ponto-e-vírgula.

13
LÍNGUA PORTUGUESA
Verbos
Os verbos podem ser flexionados em três tempos: pretérito (passado), presente e futuro, de maneira que o pretérito e o futuro pos-
suem subdivisões.
Eles também se dividem em três flexões de modo: indicativo (certeza sobre o que é passado), subjuntivo (incerteza sobre o que é
passado) e imperativo (expressar ordem, pedido, comando).
• Tempos simples do modo indicativo: presente, pretérito perfeito, pretérito imperfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro do pre-
sente, futuro do pretérito.
• Tempos simples do modo subjuntivo: presente, pretérito imperfeito, futuro.

Os tempos verbais compostos são formados por um verbo auxiliar e um verbo principal, de modo que o verbo auxiliar sofre flexão em
tempo e pessoa, e o verbo principal permanece no particípio. Os verbos auxiliares mais utilizados são “ter” e “haver”.
• Tempos compostos do modo indicativo: pretérito perfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro do presente, futuro do pretérito.
• Tempos compostos do modo subjuntivo: pretérito perfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro.
As formas nominais do verbo são o infinitivo (dar, fazerem, aprender), o particípio (dado, feito, aprendido) e o gerúndio (dando, fa-
zendo, aprendendo). Eles podem ter função de verbo ou função de nome, atuando como substantivo (infinitivo), adjetivo (particípio) ou
advérbio (gerúndio).

Tipos de verbos
Os verbos se classificam de acordo com a sua flexão verbal. Desse modo, os verbos se dividem em:
Regulares: possuem regras fixas para a flexão (cantar, amar, vender, abrir...)
• Irregulares: possuem alterações nos radicais e nas terminações quando conjugados (medir, fazer, poder, haver...)
• Anômalos: possuem diferentes radicais quando conjugados (ser, ir...)
• Defectivos: não são conjugados em todas as pessoas verbais (falir, banir, colorir, adequar...)
• Impessoais: não apresentam sujeitos, sendo conjugados sempre na 3ª pessoa do singular (chover, nevar, escurecer, anoitecer...)
• Unipessoais: apesar de apresentarem sujeitos, são sempre conjugados na 3ª pessoa do singular ou do plural (latir, miar, custar,
acontecer...)
• Abundantes: possuem duas formas no particípio, uma regular e outra irregular (aceitar = aceito, aceitado)
• Pronominais: verbos conjugados com pronomes oblíquos átonos, indicando ação reflexiva (suicidar-se, queixar-se, sentar-se, pen-
tear-se...)
• Auxiliares: usados em tempos compostos ou em locuções verbais (ser, estar, ter, haver, ir...)
• Principais: transmitem totalidade da ação verbal por si próprios (comer, dançar, nascer, morrer, sorrir...)
• De ligação: indicam um estado, ligando uma característica ao sujeito (ser, estar, parecer, ficar, continuar...)

Vozes verbais
As vozes verbais indicam se o sujeito pratica ou recebe a ação, podendo ser três tipos diferentes:
• Voz ativa: sujeito é o agente da ação (Vi o pássaro)
• Voz passiva: sujeito sofre a ação (O pássaro foi visto)
• Voz reflexiva: sujeito pratica e sofre a ação (Vi-me no reflexo do lago)

Ao passar um discurso para a voz passiva, é comum utilizar a partícula apassivadora “se”, fazendo com o que o pronome seja equiva-
lente ao verbo “ser”.

Conjugação de verbos
Os tempos verbais são primitivos quando não derivam de outros tempos da língua portuguesa. Já os tempos verbais derivados são
aqueles que se originam a partir de verbos primitivos, de modo que suas conjugações seguem o mesmo padrão do verbo de origem.
• 1ª conjugação: verbos terminados em “-ar” (aproveitar, imaginar, jogar...)
• 2ª conjugação: verbos terminados em “-er” (beber, correr, erguer...)
• 3ª conjugação: verbos terminados em “-ir” (dormir, agir, ouvir...)

Confira os exemplos de conjugação apresentados abaixo:

14
LÍNGUA PORTUGUESA

Fonte: www.conjugação.com.br/verbo-lutar

15
LÍNGUA PORTUGUESA

Fonte: www.conjugação.com.br/verbo-impor

Preposições
As preposições são palavras invariáveis que servem para ligar dois termos da oração numa relação subordinada, e são divididas entre
essenciais (só funcionam como preposição) e acidentais (palavras de outras classes gramaticais que passam a funcionar como preposição
em determinadas sentenças).

16
LÍNGUA PORTUGUESA
Preposições essenciais: a, ante, após, de, com, em, contra, • Temporais: quando, enquanto, agora.
para, per, perante, por, até, desde, sobre, sobre, trás, sob, sem, en-
tre. Formação de Palavras
Preposições acidentais: afora, como, conforme, consoante, du-
rante, exceto, mediante, menos, salvo, segundo, visto etc. A formação de palavras se dá a partir de processos morfológi-
Locuções prepositivas: abaixo de, afim de, além de, à custa de, cos, de modo que as palavras se dividem entre:
defronte a, a par de, perto de, por causa de, em que pese a etc. • Palavras primitivas: são aquelas que não provêm de outra
palavra. Ex: flor; pedra
Ao conectar os termos das orações, as preposições estabele- • Palavras derivadas: são originadas a partir de outras pala-
cem uma relação semântica entre eles, podendo passar ideia de: vras. Ex: floricultura; pedrada
• Causa: Morreu de câncer. • Palavra simples: são aquelas que possuem apenas um radi-
• Distância: Retorno a 3 quilômetros. cal (morfema que contém significado básico da palavra). Ex: cabelo;
• Finalidade: A filha retornou para o enterro. azeite
• Instrumento: Ele cortou a foto com uma tesoura. • Palavra composta: são aquelas que possuem dois ou mais
• Modo: Os rebeldes eram colocados em fila. radicais. Ex: guarda-roupa; couve-flor
• Lugar: O vírus veio de Portugal. Entenda como ocorrem os principais processos de formação de
• Companhia: Ela saiu com a amiga. palavras:
• Posse: O carro de Maria é novo.
• Meio: Viajou de trem. Derivação
A formação se dá por derivação quando ocorre a partir de uma
Combinações e contrações palavra simples ou de um único radical, juntando-se afixos.
Algumas preposições podem aparecer combinadas a outras pa- • Derivação prefixal: adiciona-se um afixo anteriormente à pa-
lavras de duas maneiras: sem haver perda fonética (combinação) e lavra ou radical. Ex: antebraço (ante + braço) / infeliz (in + feliz)
havendo perda fonética (contração). • Derivação sufixal: adiciona-se um afixo ao final da palavra ou
• Combinação: ao, aos, aonde radical. Ex: friorento (frio + ento) / guloso (gula + oso)
• Contração: de, dum, desta, neste, nisso • Derivação parassintética: adiciona-se um afixo antes e outro
depois da palavra ou radical. Ex: esfriar (es + frio + ar) / desgoverna-
Conjunção do (des + governar + ado)
As conjunções se subdividem de acordo com a relação estabe- • Derivação regressiva (formação deverbal): reduz-se a pala-
lecida entre as ideias e as orações. Por ter esse papel importante vra primitiva. Ex: boteco (botequim) / ataque (verbo “atacar”)
de conexão, é uma classe de palavras que merece destaque, pois • Derivação imprópria (conversão): ocorre mudança na classe
reconhecer o sentido de cada conjunção ajuda na compreensão e gramatical, logo, de sentido, da palavra primitiva. Ex: jantar (verbo
interpretação de textos, além de ser um grande diferencial no mo- para substantivo) / Oliveira (substantivo comum para substantivo
mento de redigir um texto. próprio – sobrenomes).
Elas se dividem em duas opções: conjunções coordenativas e
conjunções subordinativas. Composição
A formação por composição ocorre quando uma nova palavra
Conjunções coordenativas se origina da junção de duas ou mais palavras simples ou radicais.
As orações coordenadas não apresentam dependência sintáti- • Aglutinação: fusão de duas ou mais palavras simples, de
ca entre si, servindo também para ligar termos que têm a mesma modo que ocorre supressão de fonemas, de modo que os elemen-
função gramatical. As conjunções coordenativas se subdividem em tos formadores perdem sua identidade ortográfica e fonológica. Ex:
cinco grupos: aguardente (água + ardente) / planalto (plano + alto)
• Aditivas: e, nem, bem como. • Justaposição: fusão de duas ou mais palavras simples, man-
• Adversativas: mas, porém, contudo. tendo a ortografia e a acentuação presente nos elementos forma-
• Alternativas: ou, ora…ora, quer…quer. dores. Em sua maioria, aparecem conectadas com hífen. Ex: beija-
• Conclusivas: logo, portanto, assim. -flor / passatempo.
• Explicativas: que, porque, porquanto.
Abreviação
Conjunções subordinativas Quando a palavra é reduzida para apenas uma parte de sua
As orações subordinadas são aquelas em que há uma relação totalidade, passando a existir como uma palavra autônoma. Ex: foto
de dependência entre a oração principal e a oração subordinada. (fotografia) / PUC (Pontifícia Universidade Católica).
Desse modo, a conexão entre elas (bem como o efeito de sentido)
se dá pelo uso da conjunção subordinada adequada. Hibridismo
Elas podem se classificar de dez maneiras diferentes: Quando há junção de palavras simples ou radicais advindos de
• Integrantes: usadas para introduzir as orações subordinadas línguas distintas. Ex: sociologia (socio – latim + logia – grego) / binó-
substantivas, definidas pelas palavras que e se. culo (bi – grego + oculus – latim).
• Causais: porque, que, como.
• Concessivas: embora, ainda que, se bem que. Combinação
• Condicionais: e, caso, desde que. Quando ocorre junção de partes de outras palavras simples ou
• Conformativas: conforme, segundo, consoante. radicais. Ex: portunhol (português + espanhol) / aborrecente (abor-
• Comparativas: como, tal como, assim como. recer + adolescente).
• Consecutivas: de forma que, de modo que, de sorte que.
• Finais: a fim de que, para que.
• Proporcionais: à medida que, ao passo que, à proporção que.

17
LÍNGUA PORTUGUESA
Intensificação DICA: Como a crase só ocorre em palavras no feminino, em
Quando há a criação de uma nova palavra a partir do alarga- caso de dúvida, basta substituir por uma palavra equivalente no
mento do sufixo de uma palavra existente. Normalmente é feita masculino. Se aparecer “ao”, deve-se usar a crase: Amanhã iremos
adicionando o sufixo -izar. Ex: inicializar (em vez de iniciar) / proto- à escola / Amanhã iremos ao colégio.
colizar (em vez de protocolar).

Neologismo
Quando novas palavras surgem devido à necessidade do falan- SINTAXE DA ORAÇÃO E DO PERÍODO
te em contextos específicos, podendo ser temporárias ou perma-
nentes. Existem três tipos principais de neologismos: A sintaxe estuda o conjunto das relações que as palavras esta-
• Neologismo semântico: atribui-se novo significado a uma pa- belecem entre si. Dessa maneira, é preciso ficar atento aos enuncia-
lavra já existente. Ex: amarelar (desistir) / mico (vergonha) dos e suas unidades: frase, oração e período.
• Neologismo sintático: ocorre a combinação de elementos já Frase é qualquer palavra ou conjunto de palavras ordenadas
existentes no léxico da língua. Ex: dar um bolo (não comparecer ao que apresenta sentido completo em um contexto de comunicação
compromisso) / dar a volta por cima (superar). e interação verbal. A frase nominal é aquela que não contém verbo.
• Neologismo lexical: criação de uma nova palavra, que tem Já a frase verbal apresenta um ou mais verbos (locução verbal).
um novo conceito. Ex: deletar (apagar) / escanear (digitalizar) Oração é um enunciado organizado em torno de um único ver-
bo ou locução verbal, de modo que estes passam a ser o núcleo
Onomatopeia da oração. Assim, o predicativo é obrigatório, enquanto o sujeito é
Quando uma palavra é formada a partir da reprodução aproxi- opcional.
mada do seu som. Ex: atchim; zum-zum; tique-taque. Período é uma unidade sintática, de modo que seu enuncia-
do é organizado por uma oração (período simples) ou mais orações
(período composto). Eles são iniciados com letras maiúsculas e fina-
lizados com a pontuação adequada.
EMPREGO DO ACENTO INDICATIVO DE CRASE
Análise sintática
Crase é o nome dado à contração de duas letras “A” em uma A análise sintática serve para estudar a estrutura de um perío-
só: preposição “a” + artigo “a” em palavras femininas. Ela é de- do e de suas orações. Os termos da oração se dividem entre:
marcada com o uso do acento grave (à), de modo que crase não • Essenciais (ou fundamentais): sujeito e predicado
é considerada um acento em si, mas sim o fenômeno dessa fusão. • Integrantes: completam o sentido (complementos verbais e
Veja, abaixo, as principais situações em que será correto o em- nominais, agentes da passiva)
prego da crase: • Acessórios: função secundária (adjuntos adnominais e adver-
• Palavras femininas: Peça o material emprestado àquela alu- biais, apostos)
na.
• Indicação de horas, em casos de horas definidas e especifica- Termos essenciais da oração
das: Chegaremos em Belo Horizonte às 7 horas. Os termos essenciais da oração são o sujeito e o predicado.
• Locuções prepositivas: A aluna foi aprovada à custa de muito O sujeito é aquele sobre quem diz o resto da oração, enquanto o
estresse. predicado é a parte que dá alguma informação sobre o sujeito, logo,
• Locuções conjuntivas: À medida que crescemos vamos dei- onde o verbo está presente.
xando de lado a capacidade de imaginar.
• Locuções adverbiais de tempo, modo e lugar: Vire na próxima O sujeito é classificado em determinado (facilmente identificá-
à esquerda. vel, podendo ser simples, composto ou implícito) e indeterminado,
podendo, ainda, haver a oração sem sujeito (a mensagem se con-
Veja, agora, as principais situações em que não se aplica a cra- centra no verbo impessoal):
se: Lúcio dormiu cedo.
• Palavras masculinas: Ela prefere passear a pé. Aluga-se casa para réveillon.
• Palavras repetidas (mesmo quando no feminino): Melhor ter- Choveu bastante em janeiro.
mos uma reunião frente a frente.
• Antes de verbo: Gostaria de aprender a pintar. Quando o sujeito aparece no início da oração, dá-se o nome de
• Expressões que sugerem distância ou futuro: A médica vai te sujeito direto. Se aparecer depois do predicado, é o caso de sujeito
atender daqui a pouco. inverso. Há, ainda, a possibilidade de o sujeito aparecer no meio
• Dia de semana (a menos que seja um dia definido): De terça da oração:
a sexta. / Fecharemos às segundas-feiras. Lívia se esqueceu da reunião pela manhã.
• Antes de numeral (exceto horas definidas): A casa da vizinha Esqueceu-se da reunião pela manhã, Lívia.
fica a 50 metros da esquina. Da reunião pela manhã, Lívia se esqueceu.

Há, ainda, situações em que o uso da crase é facultativo Os predicados se classificam em: predicado verbal (núcleo do
• Pronomes possessivos femininos: Dei um picolé a minha filha. predicado é um verbo que indica ação, podendo ser transitivo, in-
/ Dei um picolé à minha filha. transitivo ou de ligação); predicado nominal (núcleo da oração é
• Depois da palavra “até”: Levei minha avó até a feira. / Levei um nome, isto é, substantivo ou adjetivo); predicado verbo-nomi-
minha avó até à feira. nal (apresenta um predicativo do sujeito, além de uma ação mais
• Nomes próprios femininos (desde que não seja especificado): uma qualidade sua)
Enviei o convite a Ana. / Enviei o convite à Ana. / Enviei o convite à As crianças brincaram no salão de festas.
Ana da faculdade. Mariana é inteligente.

18
LÍNGUA PORTUGUESA
Os jogadores venceram a partida. Por isso, estavam felizes.

Termos integrantes da oração


Os complementos verbais são classificados em objetos diretos (não preposicionados) e objetos indiretos (preposicionado).
A menina que possui bolsa vermelha me cumprimentou.
O cão precisa de carinho.

Os complementos nominais podem ser substantivos, adjetivos ou advérbios.


A mãe estava orgulhosa de seus filhos.
Carlos tem inveja de Eduardo.
Bárbara caminhou vagarosamente pelo bosque.

Os agentes da passiva são os termos que tem a função de praticar a ação expressa pelo verbo, quando este se encontra na voz passiva.
Costumam estar acompanhados pelas preposições “por” e “de”.
Os filhos foram motivo de orgulho da mãe.
Eduardo foi alvo de inveja de Carlos.
O bosque foi caminhado vagarosamente por Bárbara.

Termos acessórios da oração


Os termos acessórios não são necessários para dar sentido à oração, funcionando como complementação da informação. Desse
modo, eles têm a função de caracterizar o sujeito, de determinar o substantivo ou de exprimir circunstância, podendo ser adjunto adver-
bial (modificam o verbo, adjetivo ou advérbio), adjunto adnominal (especifica o substantivo, com função de adjetivo) e aposto (caracteriza
o sujeito, especificando-o).
Os irmãos brigam muito.
A brilhante aluna apresentou uma bela pesquisa à banca.
Pelé, o rei do futebol, começou sua carreira no Santos.

Tipos de Orações
Levando em consideração o que foi aprendido anteriormente sobre oração, vamos aprender sobre os dois tipos de oração que existem
na língua portuguesa: oração coordenada e oração subordinada.

Orações coordenadas
São aquelas que não dependem sintaticamente uma da outra, ligando-se apenas pelo sentido. Elas aparecem quando há um período
composto, sendo conectadas por meio do uso de conjunções (sindéticas), ou por meio da vírgula (assindéticas).
No caso das orações coordenadas sindéticas, a classificação depende do sentido entre as orações, representado por um grupo de
conjunções adequadas:

CLASSIFICAÇÃO CARACTERÍSTICAS CONJUNÇÕES


ADITIVAS Adição da ideia apresentada na oração anterior e, nem, também, bem como, não só, tanto...
Oposição à ideia apresentada na oração anterior
ADVERSATIVAS mas, porém, todavia, entretanto, contudo...
(inicia com vírgula)
Opção / alternância em relação à ideia apresentada
ALTERNATIVAS ou, já, ora, quer, seja...
na oração anterior
logo, pois, portanto, assim, por isso, com
CONCLUSIVAS Conclusão da ideia apresentada na oração anterior
isso...
EXPLICATIVAS Explicação da ideia apresentada na oração anterior que, porque, porquanto, pois, ou seja...

Orações subordinadas
São aquelas que dependem sintaticamente em relação à oração principal. Elas aparecem quando o período é composto por duas ou
mais orações.
A classificação das orações subordinadas se dá por meio de sua função: orações subordinadas substantivas, quando fazem o papel
de substantivo da oração; orações subordinadas adjetivas, quando modificam o substantivo, exercendo a função do adjetivo; orações
subordinadas adverbiais, quando modificam o advérbio.
Cada uma dessas sofre uma segunda classificação, como pode ser observado nos quadros abaixo.

SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS FUNÇÃO EXEMPLOS


Esse era meu receio: que ela não discursasse outra
APOSITIVA aposto
vez.
COMPLETIVA NOMINAL complemento nominal Tenho medo de que ela não discurse novamente.
OBJETIVA DIRETA objeto direto Ele me perguntou se ela discursaria outra vez.

19
LÍNGUA PORTUGUESA

OBJETIVA INDIRETA objeto indireto Necessito de que você discurse de novo.


PREDICATIVA predicativo Meu medo é que ela não discurse novamente.
SUBJETIVA sujeito É possível que ela discurse outra vez.

SUBORDINADAS
CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS
ADJETIVAS
Esclarece algum detalhe, adicionando uma in-
O candidato, que é do partido socialista, está
EXPLICATIVAS formação.
sendo atacado.
Aparece sempre separado por vírgulas.
Restringe e define o sujeito a que se refere.
As pessoas que são racistas precisam rever
RESTRITIVAS Não deve ser retirado sem alterar o sentido.
seus valores.
Não pode ser separado por vírgula.
Introduzidas por conjunções, pronomes e locu-
ções conjuntivas. Ele foi o primeiro presidente que se preocu-
DESENVOLVIDAS
Apresentam verbo nos modos indicativo ou pou com a fome no país.
subjuntivo.
Não são introduzidas por pronomes, conjun-
ções sou locuções conjuntivas. Assisti ao documentário denunciando a cor-
REDUZIDAS
Apresentam o verbo nos modos particípio, ge- rupção.
rúndio ou infinitivo

SUBORDINADAS ADVERBIAIS FUNÇÃO PRINCIPAIS CONJUNÇÕES


Ideia de causa, motivo, razão de
CAUSAIS porque, visto que, já que, como...
efeito
como, tanto quanto, (mais / menos) que, do
COMPARATIVAS Ideia de comparação
que...
CONCESSIVAS Ideia de contradição embora, ainda que, se bem que, mesmo...
caso, se, desde que, contanto que, a menos
CONDICIONAIS Ideia de condição
que...
CONFORMATIVAS Ideia de conformidade como, conforme, segundo...
CONSECUTIVAS Ideia de consequência De modo que, (tal / tão / tanto) que...
FINAIS Ideia de finalidade que, para que, a fim de que...
quanto mais / menos... mais /menos, à me-
PROPORCIONAIS Ideia de proporção
dida que, na medida em que, à proporção que...
TEMPORAIS Ideia de momento quando, depois que, logo que, antes que...

EMPREGO DOS SINAIS DE PONTUAÇÃO

Os sinais de pontuação são recursos gráficos que se encontram na linguagem escrita, e suas funções são demarcar unidades e sinalizar
limites de estruturas sintáticas. É também usado como um recurso estilístico, contribuindo para a coerência e a coesão dos textos.
São eles: o ponto (.), a vírgula (,), o ponto e vírgula (;), os dois pontos (:), o ponto de exclamação (!), o ponto de interrogação (?), as
reticências (...), as aspas (“”), os parênteses ( ( ) ), o travessão (—), a meia-risca (–), o apóstrofo (‘), o asterisco (*), o hífen (-), o colchetes
([]) e a barra (/).
Confira, no quadro a seguir, os principais sinais de pontuação e suas regras de uso.

SINAL NOME USO EXEMPLOS


Indicar final da frase declarativa Meu nome é Pedro.
. Ponto Separar períodos Fica mais. Ainda está cedo
Abreviar palavras Sra.
A princesa disse:
Iniciar fala de personagem
- Eu consigo sozinha.
Antes de aposto ou orações apositivas, enumerações
Esse é o problema da pandemia: as
: Dois-pontos ou sequência de palavras para resumir / explicar ideias
pessoas não respeitam a quarentena.
apresentadas anteriormente
Como diz o ditado: “olho por olho,
Antes de citação direta
dente por dente”.

20
LÍNGUA PORTUGUESA

Indicar hesitação
Sabe... não está sendo fácil...
... Reticências Interromper uma frase
Quem sabe depois...
Concluir com a intenção de estender a reflexão
Isolar palavras e datas A Semana de Arte Moderna (1922)
() Parênteses Frases intercaladas na função explicativa (podem Eu estava cansada (trabalhar e
substituir vírgula e travessão) estudar é puxado).
Indicar expressão de emoção Que absurdo!
Ponto de
! Final de frase imperativa Estude para a prova!
Exclamação
Após interjeição Ufa!
Ponto de
? Em perguntas diretas Que horas ela volta?
Interrogação
A professora disse:
Iniciar fala do personagem do discurso direto e indicar — Boas férias!
— Travessão mudança de interloculor no diálogo — Obrigado, professora.
Substituir vírgula em expressões ou frases explicativas O corona vírus — Covid-19 — ainda
está sendo estudado.

Vírgula
A vírgula é um sinal de pontuação com muitas funções, usada para marcar uma pausa no enunciado. Veja, a seguir, as principais regras
de uso obrigatório da vírgula.
• Separar termos coordenados: Fui à feira e comprei abacate, mamão, manga, morango e abacaxi.
• Separar aposto (termo explicativo): Belo Horizonte, capital mineira, só tem uma linha de metrô.
• Isolar vocativo: Boa tarde, Maria.
• Isolar expressões que indicam circunstâncias adverbiais (modo, lugar, tempo etc): Todos os moradores, calmamente, deixaram o
prédio.
• Isolar termos explicativos: A educação, a meu ver, é a solução de vários problemas sociais.
• Separar conjunções intercaladas, e antes dos conectivos “mas”, “porém”, “pois”, “contudo”, “logo”: A menina acordou cedo, mas não
conseguiu chegar a tempo na escola. Não explicou, porém, o motivo para a professora.
• Separar o conteúdo pleonástico: A ela, nada mais abala.

No caso da vírgula, é importante saber que, em alguns casos, ela não deve ser usada. Assim, não há vírgula para separar:

• Sujeito de predicado.
• Objeto de verbo.
• Adjunto adnominal de nome.
• Complemento nominal de nome.
• Predicativo do objeto do objeto.
• Oração principal da subordinada substantiva.
• Termos coordenados ligados por “e”, “ou”, “nem”.

CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL

Concordância é o efeito gramatical causado por uma relação harmônica entre dois ou mais termos. Desse modo, ela pode ser verbal
— refere-se ao verbo em relação ao sujeito — ou nominal — refere-se ao substantivo e suas formas relacionadas.
• Concordância em gênero: flexão em masculino e feminino
• Concordância em número: flexão em singular e plural
• Concordância em pessoa: 1ª, 2ª e 3ª pessoa

Concordância nominal
Para que a concordância nominal esteja adequada, adjetivos, artigos, pronomes e numerais devem flexionar em número e gênero,
de acordo com o substantivo. Há algumas regras principais que ajudam na hora de empregar a concordância, mas é preciso estar atento,
também, aos casos específicos.
Quando há dois ou mais adjetivos para apenas um substantivo, o substantivo permanece no singular se houver um artigo entre os
adjetivos. Caso contrário, o substantivo deve estar no plural:
• A comida mexicana e a japonesa. / As comidas mexicana e japonesa.

Quando há dois ou mais substantivos para apenas um adjetivo, a concordância depende da posição de cada um deles. Se o adjetivo
vem antes dos substantivos, o adjetivo deve concordar com o substantivo mais próximo:
• Linda casa e bairro.

21
LÍNGUA PORTUGUESA
Se o adjetivo vem depois dos substantivos, ele pode concordar tanto com o substantivo mais próximo, ou com todos os substantivos
(sendo usado no plural):
• Casa e apartamento arrumado. / Apartamento e casa arrumada.
• Casa e apartamento arrumados. / Apartamento e casa arrumados.

Quando há a modificação de dois ou mais nomes próprios ou de parentesco, os adjetivos devem ser flexionados no plural:
• As talentosas Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles estão entre os melhores escritores brasileiros.

Quando o adjetivo assume função de predicativo de um sujeito ou objeto, ele deve ser flexionado no plural caso o sujeito ou objeto
seja ocupado por dois substantivos ou mais:
• O operário e sua família estavam preocupados com as consequências do acidente.

CASOS ESPECÍFICOS REGRA EXEMPLO


É PROIBIDO Deve concordar com o substantivo quando há
É proibida a entrada.
É PERMITIDO presença de um artigo. Se não houver essa determinação,
É proibido entrada.
É NECESSÁRIO deve permanecer no singular e no masculino.
Mulheres dizem “obrigada” Homens
OBRIGADO / OBRIGADA Deve concordar com a pessoa que fala.
dizem “obrigado”.
As bastantes crianças ficaram doentes
Quando tem função de adjetivo para um com a volta às aulas.
substantivo, concorda em número com o substantivo. Bastante criança ficou doente com a
BASTANTE
Quando tem função de advérbio, permanece volta às aulas.
invariável. O prefeito considerou bastante a respeito
da suspensão das aulas.
É sempre invariável, ou seja, a palavra “menas” não Havia menos mulheres que homens na
MENOS
existe na língua portuguesa. fila para a festa.
As crianças mesmas limparam a sala
MESMO Devem concordar em gênero e número com a depois da aula.
PRÓPRIO pessoa a que fazem referência. Eles próprios sugeriram o tema da
formatura.
Quando tem função de numeral adjetivo, deve
Adicione meia xícara de leite.
concordar com o substantivo.
MEIO / MEIA Manuela é meio artista, além de ser
Quando tem função de advérbio, modificando um
engenheira.
adjetivo, o termo é invariável.
Segue anexo o orçamento.
Seguem anexas as informações
Devem concordar com o substantivo a que se adicionais
ANEXO INCLUSO
referem. As professoras estão inclusas na greve.
O material está incluso no valor da
mensalidade.

Concordância verbal
Para que a concordância verbal esteja adequada, é preciso haver flexão do verbo em número e pessoa, a depender do sujeito com o
qual ele se relaciona.

Quando o sujeito composto é colocado anterior ao verbo, o verbo ficará no plural:


• A menina e seu irmão viajaram para a praia nas férias escolares.

Mas, se o sujeito composto aparece depois do verbo, o verbo pode tanto ficar no plural quanto concordar com o sujeito mais próximo:
• Discutiram marido e mulher. / Discutiu marido e mulher.

Se o sujeito composto for formado por pessoas gramaticais diferentes, o verbo deve ficar no plural e concordando com a pessoa que
tem prioridade, a nível gramatical — 1ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2ª (tu, vós); a 2ª tem prioridade em relação à 3ª (ele,
eles):
• Eu e vós vamos à festa.

Quando o sujeito apresenta uma expressão partitiva (sugere “parte de algo”), seguida de substantivo ou pronome no plural, o verbo
pode ficar tanto no singular quanto no plural:
• A maioria dos alunos não se preparou para o simulado. / A maioria dos alunos não se prepararam para o simulado.

22
LÍNGUA PORTUGUESA
Quando o sujeito apresenta uma porcentagem, deve concordar com o valor da expressão. No entanto, quanto seguida de um substan-
tivo (expressão partitiva), o verbo poderá concordar tanto com o numeral quanto com o substantivo:
• 27% deixaram de ir às urnas ano passado. / 1% dos eleitores votou nulo / 1% dos eleitores votaram nulo.

Quando o sujeito apresenta alguma expressão que indique quantidade aproximada, o verbo concorda com o substantivo que segue
a expressão:
• Cerca de duzentas mil pessoas compareceram à manifestação. / Mais de um aluno ficou abaixo da média na prova.

Quando o sujeito é indeterminado, o verbo deve estar sempre na terceira pessoa do singular:
• Precisa-se de balconistas. / Precisa-se de balconista.

Quando o sujeito é coletivo, o verbo permanece no singular, concordando com o coletivo partitivo:
• A multidão delirou com a entrada triunfal dos artistas. / A matilha cansou depois de tanto puxar o trenó.

Quando não existe sujeito na oração, o verbo fica na terceira pessoa do singular (impessoal):
• Faz chuva hoje

Quando o pronome relativo “que” atua como sujeito, o verbo deverá concordar em número e pessoa com o termo da oração principal
ao qual o pronome faz referência:
• Foi Maria que arrumou a casa.

Quando o sujeito da oração é o pronome relativo “quem”, o verbo pode concordar tanto com o antecedente do pronome quanto com
o próprio nome, na 3ª pessoa do singular:
• Fui eu quem arrumei a casa. / Fui eu quem arrumou a casa.

Quando o pronome indefinido ou interrogativo, atuando como sujeito, estiver no singular, o verbo deve ficar na 3ª pessoa do singular:
• Nenhum de nós merece adoecer.

Quando houver um substantivo que apresenta forma plural, porém com sentido singular, o verbo deve permanecer no singular. Ex-
ceto caso o substantivo vier precedido por determinante:
• Férias é indispensável para qualquer pessoa. / Meus óculos sumiram.

REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL

A regência estuda as relações de concordâncias entre os termos que completam o sentido tanto dos verbos quanto dos nomes. Dessa
maneira, há uma relação entre o termo regente (principal) e o termo regido (complemento).
A regência está relacionada à transitividade do verbo ou do nome, isto é, sua complementação necessária, de modo que essa relação
é sempre intermediada com o uso adequado de alguma preposição.

Regência nominal
Na regência nominal, o termo regente é o nome, podendo ser um substantivo, um adjetivo ou um advérbio, e o termo regido é o
complemento nominal, que pode ser um substantivo, um pronome ou um numeral.
Vale lembrar que alguns nomes permitem mais de uma preposição. Veja no quadro abaixo as principais preposições e as palavras que
pedem seu complemento:
PREPOSIÇÃO NOMES
acessível; acostumado; adaptado; adequado; agradável; alusão; análogo; anterior; atento; benefício; comum;
A contrário; desfavorável; devoto; equivalente; fiel; grato; horror; idêntico; imune; indiferente; inferior; leal; necessário;
nocivo; obediente; paralelo; posterior; preferência; propenso; próximo; semelhante; sensível; útil; visível...
amante; amigo; capaz; certo; contemporâneo; convicto; cúmplice; descendente; destituído; devoto; diferente;
DE dotado; escasso; fácil; feliz; imbuído; impossível; incapaz; indigno; inimigo; inseparável; isento; junto; longe; medo;
natural; orgulhoso; passível; possível; seguro; suspeito; temeroso...
SOBRE opinião; discurso; discussão; dúvida; insistência; influência; informação; preponderante; proeminência; triunfo...
acostumado; amoroso; analogia; compatível; cuidadoso; descontente; generoso; impaciente; ingrato;
COM
intolerante; mal; misericordioso; ocupado; parecido; relacionado; satisfeito; severo; solícito; triste...
abundante; bacharel; constante; doutor; erudito; firme; hábil; incansável; inconstante; indeciso; morador;
EM
negligente; perito; prático; residente; versado...
atentado; blasfêmia; combate; conspiração; declaração; fúria; impotência; litígio; luta; protesto; reclamação;
CONTRA
representação...
PARA bom; mau; odioso; próprio; útil...

23
LÍNGUA PORTUGUESA
Regência verbal 2. (UEPB – 2010)
Na regência verbal, o termo regente é o verbo, e o termo regi- Um debate sobre a diversidade na escola reuniu alguns, dos
do poderá ser tanto um objeto direto (não preposicionado) quanto maiores nomes da educação mundial na atualidade.
um objeto indireto (preposicionado), podendo ser caracterizado
também por adjuntos adverbiais. Carlos Alberto Torres
Com isso, temos que os verbos podem se classificar entre tran- 1
O tema da diversidade tem a ver com o tema identidade. Por-
sitivos e intransitivos. É importante ressaltar que a transitividade do tanto, 2quando você discute diversidade, um tema que cabe muito
verbo vai depender do seu contexto. no 3pensamento pós-modernista, está discutindo o tema da 4diver-
sidade não só em ideias contrapostas, mas também em 5identida-
Verbos intransitivos: não exigem complemento, de modo que des que se mexem, que se juntam em uma só pessoa. E 6este é um
fazem sentido por si só. Em alguns casos, pode estar acompanhado processo de aprendizagem. Uma segunda afirmação é 7que a diver-
de um adjunto adverbial (modifica o verbo, indicando tempo, lugar, sidade está relacionada com a questão da educação 8e do poder. Se
modo, intensidade etc.), que, por ser um termo acessório, pode ser a diversidade fosse a simples descrição 9demográfica da realidade e
retirado da frase sem alterar sua estrutura sintática: a realidade fosse uma boa articulação 10dessa descrição demográ-
• Viajou para São Paulo. / Choveu forte ontem. fica em termos de constante articulação 11democrática, você não
sentiria muito a presença do tema 12diversidade neste instante. Há
Verbos transitivos diretos: exigem complemento (objeto dire- o termo diversidade porque há 13uma diversidade que implica o uso
to), sem preposição, para que o sentido do verbo esteja completo: e o abuso de poder, de uma 14perspectiva ética, religiosa, de raça,
• A aluna entregou o trabalho. / A criança quer bolo. de classe.
[…]
Verbos transitivos indiretos: exigem complemento (objeto in-
direto), de modo que uma preposição é necessária para estabelecer Rosa Maria Torres
o sentido completo: 15
O tema da diversidade, como tantos outros, hoje em dia, abre
• Gostamos da viagem de férias. / O cidadão duvidou da cam- 16
muitas versões possíveis de projeto educativo e de projeto 17po-
panha eleitoral. lítico e social. É uma bandeira pela qual temos que reivindicar, 18e
pela qual temos reivindicado há muitos anos, a necessidade 19de
Verbos transitivos diretos e indiretos: em algumas situações, o reconhecer que há distinções, grupos, valores distintos, e 20que a
verbo precisa ser acompanhado de um objeto direto (sem preposi- escola deve adequar-se às necessidades de cada grupo. 21Porém, o
ção) e de um objeto indireto (com preposição): tema da diversidade também pode dar lugar a uma 22série de coisas
• Apresentou a dissertação à banca. / O menino ofereceu ajuda indesejadas.
à senhora. […]
Adaptado da Revista Pátio, Diversidade na educação: limites e
possibilidades. Ano V, nº 20, fev./abr. 2002, p. 29.
COLOCAÇÃO PRONOMINAL DOS PRONOMES OBLÍ-
QUOS ÁTONOS (PRÓCLISE, MESÓCLISE E ÊNCLISE) Do enunciado “O tema da diversidade tem a ver com o tema
identidade.” (ref. 1), pode-se inferir que
Prezado Candidato, o tema acima supracitado, já foi abordado I – “Diversidade e identidade” fazem parte do mesmo campo
em tópicos anteriores. semântico, sendo a palavra “identidade” considerada um hiperôni-
mo, em relação à “diversidade”.
II – há uma relação de intercomplementariedade entre “diversi-
EXERCÍCIOS dade e identidade”, em função do efeito de sentido que se instaura
no paradigma argumentativo do enunciado.
III – a expressão “tem a ver” pode ser considerada de uso co-
1. (FMPA – MG) loquial e indica nesse contexto um vínculo temático entre “diversi-
Assinale o item em que a palavra destacada está incorretamen- dade e identidade”.
te aplicada: Marque a alternativa abaixo que apresenta a(s) proposi-
(A) Trouxeram-me um ramalhete de flores fragrantes. ção(ões) verdadeira(s).
(B) A justiça infligiu pena merecida aos desordeiros. (A) I, apenas
(C) Promoveram uma festa beneficiente para a creche. (B) II e III
(D) Devemos ser fieis aos cumprimentos do dever. (C) III, apenas
(E) A cessão de terras compete ao Estado. (D) II, apenas
(E) I e II

24
LÍNGUA PORTUGUESA
3. (UNIFOR CE – 2006) Quando meditava sobre algum problema terrível – pois na pré-
Dia desses, por alguns momentos, a cidade parou. As televi- -adolescência sempre temos problemas terríveis –, eu tentava me
sões hipnotizaram os espectadores que assistiram, sem piscar, ao libertar da coisa repetindo em voz alta: “Qüeqüi Güegüi”. Se numa
resgate de uma mãe e de uma filha. Seu automóvel caíra em um prova de Matemática eu não conseguia me lembrar de uma fórmu-
rio. Assisti ao evento em um local público. Ao acabar o noticiário, o la, lá vinham as palavras mágicas.
silêncio em volta do aparelho se desfez e as pessoas retomaram as Um desses problemas terríveis, uma namorada, ouvindo minha
suas ocupações habituais. Os celulares recomeçaram a tocar. Per- evocação, quis saber o que era esse tal de Qüeqüi Güegüi.
guntei-me: indiferença? Se tomarmos a definição ao pé da letra, – Você nunca ouviu falar nele? – perguntei.
indiferença é sinônimo de desdém, de insensibilidade, de apatia e – Ainda não fomos apresentados – ela disse.
de negligência. Mas podemos considerá-la também uma forma de – É o abominável monstro ortográfico – fiz uma falsa voz de
ceticismo e desinteresse, um “estado físico que não apresenta nada terror.
de particular”; enfim, explica o Aurélio, uma atitude de neutralida- – E ele faz o quê?
de. – Atrapalha a gente na hora de escrever.
Conclusão? Impassíveis diante da emoção, imperturbáveis Ela riu e se desinteressou do assunto. Provavelmente não sabia
diante da paixão, imunes à angústia, vamos hoje burilando nossa usar trema nem se lembrava da regrinha.
indiferença. Não nos indignamos mais! À distância de tudo, segui- Aos poucos, eu me habituei a colocar as letras e os sinais no
mos surdos ao barulho do mundo lá fora. Dos movimentos de mas- lugar certo. Como essa aprendizagem foi demorada, não sei se con-
sa “quentes” (lembram-se do “Diretas Já”?) onde nos fundíamos na seguirei escrever de outra forma – agora que teremos novas regras.
igualdade, passamos aos gestos frios, nos quais indiferença e dis- Por isso, peço desde já que perdoem meus futuros erros, que servi-
tância são fenômenos inseparáveis. Neles, apesar de iguais, somos rão ao menos para determinar minha idade.
estrangeiros ao destino de nossos semelhantes. […] – Esse aí é do tempo do trema.”
(Mary Del Priore. Histórias do cotidiano. São Paulo: Contexto,
2001. p.68) Assinale a alternativa correta.
(A) As expressões “monstro ortográfico” e “abominável mons-
Dentre todos os sinônimos apresentados no texto para o vo- tro ortográfico” mantêm uma relação hiperonímica entre si.
cábulo indiferença, o que melhor se aplica a ele, considerando-se (B) Em “– Atrapalha a gente na hora de escrever”, conforme a
o contexto, é norma culta do português, a palavra “gente” pode ser substitu-
(A) ceticismo. ída por “nós”.
(B) desdém. (C) A frase “Fui-me obrigando a escrever minimamente do jeito
(C) apatia. correto”, o emprego do pronome oblíquo átono está correto de
(D) desinteresse. acordo com a norma culta da língua portuguesa.
(E) negligência. (D) De acordo com as explicações do autor, as palavras pregüiça
e tranqüilo não serão mais grafadas com o trema.
4. (CASAN – 2015) Observe as sentenças. (E) A palavra “evocação” (3° parágrafo) pode ser substituída no
I. Com medo do escuro, a criança ascendeu a luz. texto por “recordação”, mas haverá alteração de sentido.
II. É melhor deixares a vida fluir num ritmo tranquilo.
III. O tráfico nas grandes cidades torna-se cada dia mais difícil 6. (FMU) Leia as expressões destacadas na seguinte passagem:
para os carros e os pedestres. “E comecei a sentir falta das pequenas brigas por causa do tempero
na salada – o meu jeito de querer bem.”
Assinale a alternativa correta quanto ao uso adequado de ho- Tais expressões exercem, respectivamente, a função sintática
mônimos e parônimos. de:
(A) objeto indireto e aposto
(A) I e III. (B) objeto indireto e predicativo do sujeito
(B) II e III. (C) complemento nominal e adjunto adverbial de modo
(C) II apenas. (D) complemento nominal e aposto
(D) Todas incorretas. (E) adjunto adnominal e adjunto adverbial de modo

5. (UFMS – 2009) 7. (PUC-SP) Dê a função sintática do termo destacado em: “De-


pressa esqueci o Quincas Borba”.
Leia o artigo abaixo, intitulado “Uma questão de tempo”, de
(A) objeto direto
Miguel Sanches Neto, extraído da Revista Nova Escola Online, em
(B) sujeito
30/09/08. Em seguida, responda.
(C) agente da passiva
“Demorei para aprender ortografia. E essa aprendizagem con-
(D) adjunto adverbial
tou com a ajuda dos editores de texto, no computador. Quando eu
(E) aposto
cometia uma infração, pequena ou grande, o programa grifava em
vermelho meu deslize. Fui assim me obrigando a escrever minima-
8. (MACK-SP) Aponte a alternativa que expressa a função sintá-
mente do jeito correto.
tica do termo destacado: “Parece enfermo, seu irmão”.
Mas de meu tempo de escola trago uma grande descoberta,
(A) Sujeito
a do monstro ortográfico. O nome dele era Qüeqüi Güegüi. Sim, (B) Objeto direto
esse animal existiu de fato. A professora de Português nos disse que (C) Predicativo do sujeito
devíamos usar trema nas sílabas qüe, qüi, güe e güi quando o u é (D) Adjunto adverbial
pronunciado. Fiquei com essa expressão tão sonora quanto enig- (E) Adjunto adnominal
mática na cabeça.

25
LÍNGUA PORTUGUESA
9. (OSEC-SP) “Ninguém parecia disposto ao trabalho naquela 14. (PUC-SP) “Pode-se dizer que a tarefa é puramente formal.”
manhã de segunda-feira”. No texto acima temos uma oração destacada que é ________e
(A) Predicativo um “se” que é . ________.
(B) Complemento nominal (A) substantiva objetiva direta, partícula apassivadora
(C) Objeto indireto (B) substantiva predicativa, índice de indeterminação do sujeito
(D) Adjunto adverbial (C) relativa, pronome reflexivo
(E) Adjunto adnominal (D) substantiva subjetiva, partícula apassivadora
(E) adverbial consecutiva, índice de indeterminação do sujeito
10. (MACK-SP) “Não se fazem motocicletas como antigamen-
te”. O termo destacado funciona como: 15. (UEMG) “De repente chegou o dia dos meus setenta anos.
(A) Objeto indireto Fiquei entre surpresa e divertida, setenta, eu? Mas tudo parece
(B) Objeto direto ter sido ontem! No século em que a maioria quer ter vinte anos
(C) Adjunto adnominal (trinta a gente ainda aguenta), eu estava fazendo setenta. Pior: du-
(D) Vocativo vidando disso, pois ainda escutava em mim as risadas da menina
(E) Sujeito que queria correr nas lajes do pátio quando chovia, que pescava
lambaris com o pai no laguinho, que chorava em filme do Gordo e
11. (UFRJ) Esparadrapo Magro, quando a mãe a levava à matinê. (Eu chorava alto com pena
Há palavras que parecem exatamente o que querem dizer. “Es- dos dois, a mãe ficava furiosa.)
paradrapo”, por exemplo. Quem quebrou a cara fica mesmo com A menina que levava castigo na escola porque ria fora de hora,
cara de esparadrapo. No entanto, há outras, aliás de nobre sentido, porque se distraía olhando o céu e nuvens pela janela em lugar de
que parecem estar insinuando outra coisa. Por exemplo, “incuná- prestar atenção, porque devagarinho empurrava o estojo de lápis
bulo*”. até a beira da mesa, e deixava cair com estrondo sabendo que os
QUINTANA, Mário. Da preguiça como método de trabalho. Rio meninos, mais que as meninas, se botariam de quatro catando lá-
de Janeiro, Globo. 1987. p. 83. pis, canetas, borracha – as tediosas regras de ordem e quietude se-
*Incunábulo: [do lat. Incunabulu; berço]. Adj. 1- Diz-se do livro riam rompidas mais uma vez.
impresso até o ano de 1500./ S.m. 2 – Começo, origem. Fazendo a toda hora perguntas loucas, ela aborrecia os profes-
sores e divertia a turma: apenas porque não queria ser diferente,
A locução “No entanto” tem importante papel na estrutura do queria ser amada, queria ser natural, não queria que soubessem
texto. Sua função resume-se em: que ela, doze anos, além de histórias em quadrinhos e novelinhas
(A) ligar duas orações que querem dizer exatamente a mesma açucaradas, lia teatro grego – sem entender – e achava emocionan-
coisa. te.
(B) separar acontecimentos que se sucedem cronologicamen- (E até do futuro namorado, aos quinze anos, esconderia isso.)
te. O meu aniversário: primeiro pensei numa grande celebração,
(C) ligar duas observações contrárias acerca do mesmo assun- eu que sou avessa a badalações e gosto de grupos bem pequenos.
to. Mas pensei, setenta vale a pena! Afinal já é bastante tempo! Logo
(D) apresentar uma alternativa para a primeira ideia expressa. me dei conta de que hoje setenta é quase banal, muita gente com
(E) introduzir uma conclusão após os argumentos apresenta- oitenta ainda está ativo e presente.
dos. Decidi apenas reunir filhos e amigos mais chegados (tarefa difí-
cil, escolher), e deixar aquela festona para outra década.”
12. (IBFC – 2013) Leia as sentenças: LUFT, 2014, p.104-105

É preciso que ela se encante por mim! Leia atentamente a oração destacada no período a seguir:
Chegou à conclusão de que saiu no prejuízo. “(...) pois ainda escutava em mim as risadas da menina que
queria correr nas lajes do pátio (...)”
Assinale abaixo a alternativa que classifica, correta e respecti-
vamente, as orações subordinadas substantivas (O.S.S.) destacadas: Assinale a alternativa em que a oração em negrito e sublinhada
(A) O.S.S. objetiva direta e O.S.S. objetiva indireta. apresenta a mesma classificação sintática da destacada acima.
(B) O.S.S. subjetiva e O.S.S. completiva nominal (A) “A menina que levava castigo na escola porque ria fora de
(C) O.S.S. subjetiva e O.S.S. objetiva indireta. hora (...)”
(D) O.S.S. objetiva direta e O.S.S. completiva nominal. (B) “(...) e deixava cair com estrondo sabendo que os meninos,
mais que as meninas, se botariam de quatro catando lápis, ca-
13. (ADVISE-2013) Todos os enunciados abaixo correspondem netas, borracha (...)”
a orações subordinadas substantivas, exceto: (C) “(...) não queria que soubessem que ela (...)”
(A) Espero sinceramente isto: que vocês não faltem mais. (D) “Logo me dei conta de que hoje setenta é quase banal (...)”
(B) Desejo que ela volte.
(C) Gostaria de que todos me apoiassem.
(D) Tenho medo de que esses assessores me traiam.
(E) Os jogadores que foram convocados apresentaram-se on-
tem.

26
LÍNGUA PORTUGUESA
16. (FUNRIO – 2012) “Todos querem que nós 21. (FUVEST – 2001) A única frase que NÃO apresenta desvio
____________________.” em relação à regência (nominal e verbal) recomendada pela norma
culta é:
Apenas uma das alternativas completa coerente e adequada- (A) O governador insistia em afirmar que o assunto principal
mente a frase acima. Assinale-a. seria “as grandes questões nacionais”, com o que discordavam
(A) desfilando pelas passarelas internacionais. líderes pefelistas.
(B) desista da ação contra aquele salafrário. (B) Enquanto Cuba monopolizava as atenções de um clube, do
(C) estejamos prontos em breve para o trabalho. qual nem sequer pediu para integrar, a situação dos outros pa-
(D) recuperássemos a vaga de motorista da firma. íses passou despercebida.
(E) tentamos aquele emprego novamente. (C) Em busca da realização pessoal, profissionais escolhem a
dedo aonde trabalhar, priorizando à empresas com atuação
17. (ITA - 1997) Assinale a opção que completa corretamente social.
as lacunas do texto a seguir: (D) Uma família de sem-teto descobriu um sofá deixado por um
“Todas as amigas estavam _______________ ansiosas morador não muito consciente com a limpeza da cidade.
_______________ ler os jornais, pois foram informadas de que as (E) O roteiro do filme oferece uma versão de como consegui-
críticas foram ______________ indulgentes ______________ ra- mos um dia preferir a estrada à casa, a paixão e o sonho à regra,
paz, o qual, embora tivesse mais aptidão _______________ ciên- a aventura à repetição.
cias exatas, demonstrava uma certa propensão _______________
arte.” 22. (FUVEST) Assinale a alternativa que preenche corretamen-
(A) meio - para - bastante - para com o - para - para a te as lacunas correspondentes.
(B) muito - em - bastante - com o - nas - em A arma ___ se feriu desapareceu.
(C) bastante - por - meias - ao - a - à Estas são as pessoas ___ lhe falei.
(D) meias - para - muito - pelo - em - por Aqui está a foto ___ me referi.
(E) bem - por - meio - para o - pelas – na Encontrei um amigo de infância ___ nome não me lembrava.
Passamos por uma fazenda ___ se criam búfalos.
18. (Mackenzie) Há uma concordância inaceitável de acordo
com a gramática: (A) que, de que, à que, cujo, que.
I - Os brasileiros somos todos eternos sonhadores. (B) com que, que, a que, cujo qual, onde.
II - Muito obrigadas! – disseram as moças. (C) com que, das quais, a que, de cujo, onde.
III - Sr. Deputado, V. Exa. Está enganada. (D) com a qual, de que, que, do qual, onde.
IV - A pobre senhora ficou meio confusa. (E) que, cujas, as quais, do cujo, na cuja.
V - São muito estudiosos os alunos e as alunas deste curso.
23. (FESP) Observe a regência verbal e assinale a opção falsa:
(A) em I e II (A) Avisaram-no que chegaríamos logo.
(B) apenas em IV (B) Informei-lhe a nota obtida.
(C) apenas em III (C) Os motoristas irresponsáveis, em geral, não obedecem aos
(D) em II, III e IV sinais de trânsito.
(E) apenas em II (D) Há bastante tempo que assistimos em São Paulo.
(E) Muita gordura não implica saúde.
19. (CESCEM–SP) Já ___ anos, ___ neste local árvores e flores.
Hoje, só ___ ervas daninhas. 24. (IBGE) Assinale a opção em que todos os adjetivos devem
(A) fazem, havia, existe ser seguidos pela mesma preposição:
(B) fazem, havia, existe (A) ávido / bom / inconsequente
(C) fazem, haviam, existem (B) indigno / odioso / perito
(D) faz, havia, existem (C) leal / limpo / oneroso
(E) faz, havia, existe (D) orgulhoso / rico / sedento
(E) oposto / pálido / sábio
20. (IBGE) Indique a opção correta, no que se refere à concor-
dância verbal, de acordo com a norma culta: 25. (TRE-MG) Observe a regência dos verbos das frases reescri-
(A) Haviam muitos candidatos esperando a hora da prova. tas nos itens a seguir:
(B) Choveu pedaços de granizo na serra gaúcha. I - Chamaremos os inimigos de hipócritas. Chamaremos aos ini-
(C) Faz muitos anos que a equipe do IBGE não vem aqui. migos de hipócritas;
(D) Bateu três horas quando o entrevistador chegou. II - Informei-lhe o meu desprezo por tudo. Informei-lhe do meu
(E) Fui eu que abriu a porta para o agente do censo. desprezo por tudo;
III - O funcionário esqueceu o importante acontecimento. O
funcionário esqueceu-se do importante acontecimento.

A frase reescrita está com a regência correta em:


(A) I apenas
(B) II apenas
(C) III apenas
(D) I e III apenas
(E) I, II e III

27
LÍNGUA PORTUGUESA
26. (INSTITUTO AOCP/2017 – EBSERH) Assinale a alternativa 31. (VUNESP/2017 – TJ-SP) Assinale a alternativa em que todas
em que todas as palavras estão adequadamente grafadas. as palavras estão corretamente grafadas, considerando-se as regras
(A) Silhueta, entretenimento, autoestima. de acentuação da língua padrão.
(B) Rítimo, silueta, cérebro, entretenimento. (A) Remígio era homem de carater, o que surpreendeu D. Firmi-
(C) Altoestima, entreterimento, memorização, silhueta. na, que aceitou o matrimônio de sua filha.
(D) Célebro, ansiedade, auto-estima, ritmo. (B) O consôlo de Fadinha foi ver que Remígio queria desposa-la
(E) Memorização, anciedade, cérebro, ritmo. apesar de sua beleza ter ido embora depois da doença.
(C) Com a saúde de Fadinha comprometida, Remígio não con-
27. (ALTERNATIVE CONCURSOS/2016 – CÂMARA DE BANDEI- seguia se recompôr e viver tranquilo.
RANTES-SC) Algumas palavras são usadas no nosso cotidiano de (D) Com o triúnfo do bem sobre o mal, Fadinha se recuperou,
forma incorreta, ou seja, estão em desacordo com a norma culta Remígio resolveu pedí-la em casamento.
padrão. Todas as alternativas abaixo apresentam palavras escritas (E) Fadinha não tinha mágoa por não ser mais tão bela; agora,
erroneamente, exceto em: interessava-lhe viver no paraíso com Remígio.
(A) Na bandeija estavam as xícaras antigas da vovó.
(B) É um privilégio estar aqui hoje. 32. (PUC-RJ) Aponte a opção em que as duas palavras são acen-
(C) Fiz a sombrancelha no salão novo da cidade. tuadas devido à mesma regra:
(D) A criança estava com desinteria. (A) saí – dói
(E) O bebedoro da escola estava estragado. (B) relógio – própria
(C) só – sóis
28. (SEDUC/SP – 2018) Preencha as lacunas das frases abaixo (D) dá – custará
com “por que”, “porque”, “por quê” ou “porquê”. Depois, assinale a (E) até – pé
alternativa que apresenta a ordem correta, de cima para baixo, de
classificação. 33. (UEPG ADAPTADA) Sobre a acentuação gráfica das palavras
“____________ o céu é azul?” agradável, automóvel e possível, assinale o que for correto.
“Meus pais chegaram atrasados, ____________ pegaram trân- (A) Em razão de a letra L no final das palavras transferir a toni-
sito pelo caminho.” cidade para a última sílaba, é necessário que se marque grafi-
“Gostaria muito de saber o ____________ de você ter faltado camente a sílaba tônica das paroxítonas terminadas em L, se
ao nosso encontro.” isso não fosse feito, poderiam ser lidas como palavras oxítonas.
“A Alemanha é considerada uma das grandes potências mun- (B) São acentuadas porque são proparoxítonas terminadas em
diais. ____________?” L.
(A) Porque – porquê – por que – Por quê (C) São acentuadas porque são oxítonas terminadas em L.
(B) Porque – porquê – por que – Por quê (D) São acentuadas porque terminam em ditongo fonético –
(C) Por que – porque – porquê – Por quê eu.
(D) Porquê – porque – por quê – Por que (E) São acentuadas porque são paroxítonas terminadas em L.
(E) Por que – porque – por quê – Porquê
34. (IFAL – 2016 ADAPTADA) Quanto à acentuação das palavras,
29. (CEITEC – 2012) Os vocábulos Emergir e Imergir são parô- assinale a afirmação verdadeira.
nimos: empregar um pelo outro acarreta grave confusão no que (A) A palavra “tendem” deveria ser acentuada graficamente,
se quer expressar. Nas alternativas abaixo, só uma apresenta uma como “também” e “porém”.
frase em que se respeita o devido sentido dos vocábulos, selecio- (B) As palavras “saíra”, “destruída” e “aí” acentuam-se pela
nando convenientemente o parônimo adequado à frase elaborada. mesma razão.
Assinale-a. (C) O nome “Luiz” deveria ser acentuado graficamente, pela
(A) A descoberta do plano de conquista era eminente. mesma razão que a palavra “país”.
(B) O infrator foi preso em flagrante. (D) Os vocábulos “é”, “já” e “só” recebem acento por constituí-
(C) O candidato recebeu despensa das duas últimas provas. rem monossílabos tônicos fechados.
(D) O metal delatou ao ser submetido à alta temperatura. (E) Acentuam-se “simpática”, “centímetros”, “simbólica” por-
(E) Os culpados espiam suas culpas na prisão. que todas as paroxítonas são acentuadas.

30. (FMU) Assinale a alternativa em que todas as palavras estão 35. (MACKENZIE) Indique a alternativa em que nenhuma pala-
grafadas corretamente. vra é acentuada graficamente:
(A) paralisar, pesquisar, ironizar, deslizar (A) lapis, canoa, abacaxi, jovens
(B) alteza, empreza, francesa, miudeza (B) ruim, sozinho, aquele, traiu
(C) cuscus, chimpazé, encharcar, encher (C) saudade, onix, grau, orquídea
(D) incenso, abcesso, obsessão, luxação (D) voo, legua, assim, tênis
(E) chineza, marquês, garrucha, meretriz (E) flores, açucar, album, virus

28
LÍNGUA PORTUGUESA
36. (IFAL - 2011)

Parágrafo do Editorial “Nossas crianças, hoje”.

“Oportunamente serão divulgados os resultados de tão importante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos sentimos na pele
e na alma a dor dos mais altos índices de sofrimento da infância mais pobre. Nosso Estado e nossa região padece de índices vergonhosos
no tocante à mortalidade infantil, à educação básica e tantos outros indicadores terríveis.” (Gazeta de Alagoas, seção Opinião, 12.10.2010)
O primeiro período desse parágrafo está corretamente pontuado na alternativa:
(A) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão importante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos, sentimos
na pele e na alma a dor dos mais altos índices de sofrimento da infância mais pobre.”
(B) “Oportunamente serão divulgados os resultados de tão importante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos sentimos, na
pele e na alma, a dor dos mais altos índices de sofrimento da infância mais pobre.”
(C) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão importante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos, sentimos
na pele e na alma, a dor dos mais altos índices de sofrimento da infância mais pobre.”
(D) “Oportunamente serão divulgados os resultados de tão importante encontro, mas, enquanto nordestinos e alagoanos sentimos,
na pele e na alma a dor dos mais altos índices de sofrimento, da infância mais pobre.”
(E) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão importante encontro, mas, enquanto nordestinos e alagoanos, sentimos,
na pele e na alma, a dor dos mais altos índices de sofrimento da infância mais pobre.”

37. (F.E. BAURU) Assinale a alternativa em que há erro de pontuação:


(A) Era do conhecimento de todos a hora da prova, mas, alguns se atrasaram.
(B) A hora da prova era do conhecimento de todos; alguns se atrasaram, porém.
(C) Todos conhecem a hora da prova; não se atrasem, pois.
(D) Todos conhecem a hora da prova, portanto não se atrasem.
(E) N.D.A

38. (VUNESP – 2020) Assinale a alternativa correta quanto à pontuação.


(A) Colaboradores da Universidade Federal do Paraná afirmaram: “Os cristais de urato podem provocar graves danos nas articulações.”.
(B) A prescrição de remédios e a adesão, ao tratamento, por parte dos pacientes são baixas.
(C) É uma inflamação, que desencadeia a crise de gota; diagnosticada a partir do reconhecimento de intensa dor, no local.
(D) A ausência de dor não pode ser motivo para a interrupção do tratamento conforme o editorial diz: – (é preciso que o doente confie
em seu médico).
(E) A qualidade de vida, do paciente, diminui pois a dor no local da inflamação é bastante intensa!

39. (ENEM – 2018)

Física com a boca


Por que nossa voz fica tremida ao falar na frente do ventilador?
Além de ventinho, o ventilador gera ondas sonoras. Quando você não tem mais o que fazer e fica falando na frente dele, as ondas da
voz se propagam na direção contrária às do ventilador. Davi Akkerman – presidente da Associação Brasileira para a Qualidade Acústica – diz
que isso causa o mismatch, nome bacana para o desencontro entre as ondas. “O vento também contribui para a distorção da voz, pelo fato
de ser uma vibração que influencia no som”, diz. Assim, o ruído do ventilador e a influência do vento na propagação das ondas contribuem
para distorcer sua bela voz.
Disponível em: http://super.abril.com.br. Acesso em: 30 jul. 2012 (adaptado).

Sinais de pontuação são símbolos gráficos usados para organizar a escrita e ajudar na compreensão da mensagem. No texto, o sentido
não é alterado em caso de substituição dos travessões por
(A) aspas, para colocar em destaque a informação seguinte
(B) vírgulas, para acrescentar uma caracterização de Davi Akkerman.
(C) reticências, para deixar subetendida a formação do especialista.
(D) dois-pontos, para acrescentar uma informação introduzida anteriormente.
(E) ponto e vírgula, para enumerar informações fundamentais para o desenvolvimento temático.

29
LÍNGUA PORTUGUESA
40. (FCC – 2020)

A supressão da vírgula altera o sentido da seguinte frase:


(A) O segundo é o “capitalismo de Estado”, que confia ao governo a tarefa de estabelecer a direção da economia.
(B) milhões prosperaram, à medida que empresas abriam mercados.
(C) Por fim, executivos e investidores começaram a reconhecer que seu sucesso em longo prazo está intimamente ligado ao de seus
clientes.
(D) De início, um novo indicador de “criação de valor compartilhado” deveria incluir metas ecológicas.
(E) Na verdade, esse deveria ser seu propósito definitivo.

41. (CESGRANRIO - RJ) As palavras esquartejar, desculpa e irreconhecível foram formadas, respectivamente, pelos processos de:
(A) sufixação - prefixação – parassíntese
(B) sufixação - derivação regressiva – prefixação
(C) composição por aglutinação - prefixação – sufixação
(D) parassíntese - derivação regressiva – prefixação
(E) parassíntese - derivação imprópria - parassíntese

42. (UFSC) Aponte a alternativa cujas palavras são respectivamente formadas por justaposição, aglutinação e parassíntese:
(A) varapau - girassol - enfaixar
(B) pontapé - anoitecer - ajoelhar
(C) maldizer - petróleo - embora
(D) vaivém - pontiagudo - enfurece
(E) penugem - plenilúnio - despedaça

30
LÍNGUA PORTUGUESA
43. (CESGRANRIO) Assinale a opção em que nem todas as pala- 47. (UFMG-ADAPTADA) As expressões em negrito correspon-
vras são de um mesmo radical: dem a um adjetivo, exceto em:
(A) noite, anoitecer, noitada (A) João Fanhoso anda amanhecendo sem entusiasmo.
(B) luz, luzeiro, alumiar (B) Demorava-se de propósito naquele complicado banho.
(C) incrível, crente, crer (C) Os bichos da terra fugiam em desabalada carreira.
(D) festa, festeiro, festejar (D) Noite fechada sobre aqueles ermos perdidos da caatinga
(E) riqueza, ricaço, enriquecer sem fim.
(E) E ainda me vem com essa conversa de homem da roça.
44. (FUVEST-SP) Foram formadas pelo mesmo processo as se-
guintes palavras: 48. (UMESP) Na frase “As negociações estariam meio abertas
(A) vendavais, naufrágios, polêmicas só depois de meio período de trabalho”, as palavras destacadas são,
(B) descompõem, desempregados, desejava respectivamente:
(C) estendendo, escritório, espírito (A) adjetivo, adjetivo
(D) quietação, sabonete, nadador (B) advérbio, advérbio
(E) religião, irmão, solidão (C) advérbio, adjetivo
(D) numeral, adjetivo
45. (FUVEST) Assinale a alternativa em que uma das palavras (E) numeral, advérbio
não é formada por prefixação:
(A) readquirir, predestinado, propor 49. (ITA-SP)
(B) irregular, amoral, demover Beber é mal, mas é muito bom.
(C) remeter, conter, antegozar (FERNANDES, Millôr. Mais! Folha de S. Paulo, 5 ago. 2001, p.
(D) irrestrito, antípoda, prever 28.)
(E) dever, deter, antever
A palavra “mal”, no caso específico da frase de Millôr, é:
46. (UNIFESP - 2015) Leia o seguinte texto: (A) adjetivo
Você conseguiria ficar 99 dias sem o Facebook? (B) substantivo
Uma organização não governamental holandesa está propondo (C) pronome
um desafio que muitos poderão considerar impossível: ficar 99 dias (D) advérbio
sem dar nem uma “olhadinha” no Facebook. O objetivo é medir o (E) preposição
grau de felicidade dos usuários longe da rede social.
O projeto também é uma resposta aos experimentos psicológi- 50. (PUC-SP) “É uma espécie... nova... completamente nova!
cos realizados pelo próprio Facebook. A diferença neste caso é que (Mas já) tem nome... Batizei-(a) logo... Vou-(lhe) mostrar...”. Sob o
o teste é completamente voluntário. Ironicamente, para poder par- ponto de vista morfológico, as palavras destacadas correspondem
ticipar, o usuário deve trocar a foto do perfil no Facebook e postar pela ordem, a:
um contador na rede social. (A) conjunção, preposição, artigo, pronome
Os pesquisadores irão avaliar o grau de satisfação e felicidade (B) advérbio, advérbio, pronome, pronome
dos participantes no 33º dia, no 66º e no último dia da abstinência. (C) conjunção, interjeição, artigo, advérbio
Os responsáveis apontam que os usuários do Facebook gastam (D) advérbio, advérbio, substantivo, pronome
em média 17 minutos por dia na rede social. Em 99 dias sem acesso, (E) conjunção, advérbio, pronome, pronome
a soma média seria equivalente a mais de 28 horas, 2que poderiam
ser utilizadas em “atividades emocionalmente mais realizadoras”.
(http://codigofonte.uol.com.br. Adaptado.) GABARITO
Após ler o texto acima, examine as passagens do primeiro pa-
rágrafo: “Uma organização não governamental holandesa está pro-
1 C
pondo um desafio” “O objetivo é medir o grau de felicidade dos
usuários longe da rede social.” 2 B
A utilização dos artigos destacados justifica-se em razão: 3 D
(A) da retomada de informações que podem ser facilmente de-
preendidas pelo contexto, sendo ambas equivalentes seman- 4 C
ticamente. 5 C
(B) de informações conhecidas, nas duas ocorrências, sendo
6 A
possível a troca dos artigos nos enunciados, pois isso não alte-
raria o sentido do texto. 7 D
(C) da generalização, no primeiro caso, com a introdução de 8 C
informação conhecida, e da especificação, no segundo, com
informação nova. 9 B
(D) da introdução de uma informação nova, no primeiro caso, 10 E
e da retomada de uma informação já conhecida, no segundo.
(E) de informações novas, nas duas ocorrências, motivo pelo 11 C
qual são introduzidas de forma mais generalizada 12 B
13 E
14 B

31
LÍNGUA PORTUGUESA

15 A ANOTAÇÕES
16 C
17 A ______________________________________________________
18 C ______________________________________________________
19 D
______________________________________________________
20 C
21 E ______________________________________________________

22 C ______________________________________________________
23 A
______________________________________________________
24 D
______________________________________________________
25 E
26 A ______________________________________________________
27 B ______________________________________________________
28 C
______________________________________________________
29 B
30 A ______________________________________________________

31 E ______________________________________________________
32 B ______________________________________________________
33 E
______________________________________________________
34 B
35 B ______________________________________________________
36 E ______________________________________________________
37 A
______________________________________________________
38 A
39 B ______________________________________________________

40 A ______________________________________________________
41 D ______________________________________________________
42 D
______________________________________________________
43 B
44 D ______________________________________________________
45 E ______________________________________________________
46 D
_____________________________________________________
47 B
_____________________________________________________
48 B
49 B ______________________________________________________
50 E ______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

32
LÍNGUA INGLESA
1. Conhecimento de um vocabulário fundamental e dos aspectos gramaticais básicos para a compreensão de textos . . . . . . . . . . . . 01
LÍNGUA INGLESA
• Afixos: são prefixos e/ou sufixos adicionados a uma raiz, que
CONHECIMENTO DE UM VOCABULÁRIO FUNDAMEN- modifica o significado da palavra. Assim, conhecendo o significado
TAL E DOS ASPECTOS GRAMATICAIS BÁSICOS PARA A de cada afixo pode-se compreender mais facilmente uma palavra
COMPREENSÃO DE TEXTOS composta por um prefixo ou sufixo.
• Conhecimento prévio: para compreender um texto, o leitor
Reading Comprehension depende do conhecimento que ele já tem e está armazenado em
Interpretar textos pode ser algo trabalhoso, dependendo do sua memória. É a partir desse conhecimento que o leitor terá o
assunto, ou da forma como é abordado. Tem as questões sobre o entendimento do assunto tratado no texto e assimilará novas in-
texto. Mas, quando o texto é em outra língua? Tudo pode ser mais formações. Trata-se de um recurso essencial para o leitor formular
assustador. hipóteses e inferências a respeito do significado do texto.
Se o leitor manter a calma, e se embasar nas estratégias do
Inglês Instrumental e ter certeza que ninguém é cem por cento leigo O leitor tem, portanto, um papel ativo no processo de leitura
em nada, tudo pode ficar mais claro. e compreensão de textos, pois é ele que estabelecerá as relações
Vejamos o que é e quais são suas estratégias de leitura: entre aquele conteúdo do texto e os conhecimentos de mundo que
ele carrega consigo. Ou mesmo, será ele que poderá agregar mais
Inglês Instrumental profundidade ao conteúdo do texto a partir de sua capacidade de
Também conhecido como Inglês para Fins Específicos - ESP, o buscar mais conhecimentos acerca dos assuntos que o texto traz e
Inglês Instrumental fundamenta-se no treinamento instrumental sugere.
dessa língua. Tem como objetivo essencial proporcionar ao aluno, Não se esqueça que saber interpretar textos em inglês é muito
em curto prazo, a capacidade de ler e compreender aquilo que for importante para ter melhor acesso aos conteúdos escritos fora do
de extrema importância e fundamental para que este possa desem- país, ou para fazer provas de vestibular ou concursos.
penhar a atividade de leitura em uma área específica.
Regular and irregular plural of nouns: To form the plural of the
Estratégias de leitura nouns is very easy, but you must practice and observe some rules.
• Skimming: trata-se de uma estratégia onde o leitor vai buscar
a ideia geral do texto através de uma leitura rápida, sem apegar-se Regular plural of nouns
a ideias mínimas ou específicas, para dizer sobre o que o texto trata. • Regra Geral: forma-se o plural dos substantivos geralmente
• Scanning: através do scanning, o leitor busca ideias especí- acrescentando-se “s” ao singular.
ficas no texto. Isso ocorre pela leitura do texto à procura de um Ex.: Motherboard – motherboards
detalhe específico. Praticamos o scanning diariamente para encon- Printer – printers
trarmos um número na lista telefônica, selecionar um e-mail para Keyboard – keyboards
ler, etc.
• Cognatos: são palavras idênticas ou parecidas entre duas • Os substantivos terminados em y precedido de vogal seguem
línguas e que possuem o mesmo significado, como a palavra “ví- a regra geral: acrescentam s ao singular.
rus” é escrita igualmente em português e inglês, a única diferença Ex.: Boy – boys Toy – toys
é que em português a palavra recebe acentuação. Porém, é preciso Key – keys
atentar para os chamados falsos cognatos, ou seja, palavras que são
escritas igual ou parecidas, mas com o significado diferente, como • Substantivos terminados em s, x, z, o, ch e sh, acrescenta-se
“evaluation”, que pode ser confundida com “evolução” onde na ver- es.
dade, significa “avaliação”. Ex.: boss – bosses tax – taxes bush – bushes
• Inferência contextual: o leitor lança mão da inferência, ou
seja, ele tenta adivinhar ou sugerir o assunto tratado pelo texto, e • Substantivos terminados em y, precedidos de consoante, tro-
durante a leitura ele pode confirmar ou descartar suas hipóteses. cam o y pelo i e acrescenta-se es. Consoante + y = ies
• Reconhecimento de gêneros textuais: são tipo de textos que Ex.: fly – flies try – tries curry – curries
se caracterizam por organização, estrutura gramatical, vocabulário
específico e contexto social em que ocorrem. Dependendo das mar- Irregular plurals of nouns
cas textuais, podemos distinguir uma poesia de uma receita culiná- There are many types of irregular plural, but these are the most
ria, por exemplo. common:

• Informação não-verbal: é toda informação dada através de • Substantivos terminados em f e trocam o f pelo v e acrescen-
figuras, gráficos, tabelas, mapas, etc. A informação não-verbal deve ta-se es.
ser considerada como parte da informação ou ideia que o texto de- Ex.: knife – knives
seja transmitir. life – lives
• Palavras-chave: são fundamentais para a compreensão do wife – wives
texto, pois se trata de palavras relacionadas à área e ao assunto
abordado pelo texto. São de fácil compreensão, pois, geralmente, • Substantivos terminados em f trocam o f pelo v; então, acres-
aparecem repetidamente no texto e é possível obter sua ideia atra- centa-se es.
vés do contexto. Ex.: half – halves wolf – wolves loaf – loaves
• Grupos nominais: formados por um núcleo (substantivo) e • Substantivos terminados em o, acrescenta-se es.
um ou mais modificadores (adjetivos ou substantivos). Na língua Ex.: potato – potatoes tomato – tomatoes volcano – volcanoes
inglesa o modificador aparece antes do núcleo, diferente da língua
portuguesa. • Substantivos que mudam a vogal e a palavra.
Ex.: foot – feet child – children person – people tooth – teeth
mouse – mice

1
LÍNGUA INGLESA
Countable and Uncountable nouns

• Contáveis são os substantivos que podemos enumerar e contar, ou seja, que podem possuir tanta forma singular quanto plural. Eles
são chamados de countable nouns em inglês.
Por exemplo, podemos contar orange. Podemos dizer one orange, two oranges, three oranges, etc.

• Incontáveis são os substantivos que não possuem forma no plural. Eles são chamados de uncountable nouns, de non-countable
nouns em inglês. Podem ser precedidos por alguma unidade de medida ou quantificador. Em geral, eles indicam substâncias, líquidos, pós,
conceitos, etc., que não podemos dividir em elementos separados. Por exemplo, não podemos contar “water”. Podemos contar “bottles
of water” ou “liters of water”, mas não podemos contar “water” em sua forma líquida.
Alguns exemplos de substantivos incontáveis são: music, art, love, happiness, advice, information, news, furniture, luggage, rice, sugar,
butter, water, milk, coffee, electricity, gas, power, money, etc.

Veja outros de countable e uncountable nouns:

Definite Article

THE = o, a, os, as

• Usos

– Antes de substantivos tomados em sentido restrito.


THE coffee produced in Brazil is of very high quality.
I hate THE music they’re playing.

2
LÍNGUA INGLESA
– Antes de nomes de países no plural ou que contenham as They went to THE movies last night.
palavras Kingdom, Republic, Union, Emirates.
THE United States Indefinite Article
THE Netherlands A / AN = um, uma
THE United Kingdom
THE Dominican Republic •A

– Antes de adjetivos ou advérbios no grau superlativo. – Antes de palavras iniciadas por consoantes.
John is THE tallest boy in the family. A boy, A girl, A woman

– Antes de acidentes geográficos (rios, mares, oceanos, cadeias – Antes de palavras iniciadas por vogais, com som consonantal.
de montanhas, desertos e ilhas no plural), mesmo que o elemento A uniform, A university, A European
geográfico tenha sido omitido.
THE Nile (River) • AN
THE Sahara (Desert)
– Antes de palavras iniciadas por vogais.
– Antes de nomes de famílias no plural. AN egg, AN orange, AN umbrella
THE Smiths have just moved here.
– Antes de palavras iniciadas por H mudo (não pronunciado).
– Antes de adjetivos substantivados. AN hour, AN honor, AN heir
You should respect THE old.
• Usos
– Antes de numerais ordinais.
He is THE eleventh on the list. – Para se dar ideia de representação de um grupo, antes de
substantivos.
– Antes de nomes de hotéis, restaurantes, teatros, cinemas, A chicken lays eggs. (Todas as galinhas põem ovos.)
museus.
THE Hilton (Hotel) – Antes de nomes próprios no singular, significando “um tal de”.
A Mr. Smith phoned yesterday.
– Antes de nacionalidades.
THE Dutch – No modelo:
WHAT + A / AN = adj. + subst.
– Antes de nomes de instrumentos musicais.
She plays THE piano very well. What A nice woman!

– Antes de substantivos seguidos de preposição. – Em algumas expressões de medida e frequência.


THE Battle of Trafalgar A dozen
A hundred
• Omissões Twice A year
– Antes de substantivos tomados em sentido genérico.
Roses are my favorite flowers. - Em certas expressões.
It’s A pity, It’s A shame, It’s AN honor...
–Antes de nomes próprios no singular.
She lives in South America. – Antes de profissão ou atividades.
James is A lawyer.
–Antes de possessivos. Her sister is A physician.
My house is more comfortable than theirs.
• Omissão
– Antes de nomes de idiomas, não seguidos da palavra langua-
ge. – Antes de substantivos contáveis no plural.
She speaks French and English. (Mas: She speaks THE French Lions are wild animals.
language.)
– Antes de nomes de estações do ano. – Antes de substantivos incontáveis.
Summer is hot, but winter is cold. Water is good for our health.
• Casos especiais * Em alguns casos, podemos usar SOME antes dos substanti-
– Não se usa o artigo THE antes das palavras church, school, vos.
prison, market, bed, hospital, home, university, college, market,
quando esses elementos forem usados para seu primeiro propósito. Em Inglês utilizamos adjetivos para comparar duas coisas ou
She went to church. (para rezar) mais. Eles podem ser classificados em dois graus: comparativo e
She went to THE church. (talvez para falar com alguém) superlativo.
O grau comparativo é usado para comparar duas coisas. Já o
– Sempre se usa o artigo THE antes de office, cathedral, cine- superlativo, usamos para dizer que uma coisa se destaca num grupo
ma, movies e theater. de três ou mais.
Let’s go to THE theater.

3
LÍNGUA INGLESA
3. Usamos os prefixos more e most com adjetivos de mais de
duas sílabas.
Exemplos:
More comfortable than = mais confortável que
More careful than = mais cuidadoso que
The most comfortable = o mais confortável
The most careful = o mais cuidadoso

4. Usamos os prefixos more e most com advérbios de duas sí-


labas.
Exemplos:
More afraid than = mais amedrontado que
More asleep than = mais adormecido que
The most afraid = o mais amedrontado
The most asleep = o mais adormecido

5. Usamos os prefixos more e most com qualquer adjetivo ter-


Exemplos: minado em –ed, –ing, –ful, –re, –ous.
As cold as = tão frio quanto Exemplos:
Not so (as) cold as = não tão frio quanto tired – more tired than – the most tired (cansado)
Less cold than = menos frio que charming – more charming than – the most charming (char-
The least cold = o menos frio moso)
As expensive as = tão caro quanto hopeful – more hopeful than – the most hopeful (esperançoso)
Not so (as) expensive as = não tão caro quanto sincere – more sincere than – the most sincere (sincero)
Less expensive than = menos caro que famous – more famous than – the most famous (famoso)
The least expensive = o menos caro
Variações ortográficas
– Adjetivos monossilábicos terminados em uma só consoante,
precedida de uma só vogal dobram a consoante final antes de rece-
berem –er ou –est.
Exemplos:
fat – fatter than – the fattest (gordo)
thin – thinner than – the thinnest (magro)

– Adjetivos terminados em Y, precedido de vogal, trocam o Y


por I antes do acréscimo de –er ou –est:
Exemplos:
angry – angrier than – the angriest (zangado)
happy – happier than – the happiest (feliz)
Exceção
shy - shyer than - the shyest (tímido)

– Adjetivos terminados em E recebem apenas –r ou –st.


Exemplos:
nice – nicer than – the nicest (bonito, simpático)
Observações: brave – braver than – the bravest (corajoso)
1. Usamos os sufixos –er ou –est com adjetivos / advérbios de
uma só sílaba. Formas irregulares
Exemplos: Alguns adjetivos e advérbios têm formas irregulares no compa-
taller than = mais alto que / the tallest = o mais alto rativo e superlativo de superioridade.
bigger than = maior que / the biggest = o maior
good (bom / boa)
2. Usamos os sufixos –er ou –est com adjetivos de duas sílabas. better than - the best
well (bem)
Exemplos:
happier than = mais feliz que bad (ruim / mau)
- the worst
cleverer than = mais esperto que badly (mal)
the happiest = o mais feliz little (pouco) less than - the least
the cleverest = o mais esperto

4
LÍNGUA INGLESA
Alguns adjetivos e advérbios têm mais de uma forma no comparativo e superlativo de superioridade.

far (longe)
farther than – the farthest (distância)
further (than) – the furthest (distância / adicional)
old (velho)
older than – the oldest
elder – the eldest (só para elementos da mesma família)
late (tarde)
the latest (o mais recente)
the last (o último da série)

O estudo dos pronomes é algo simples e comum. Em inglês existe apenas uma especificidade, que pode causar um pouco de estra-
nheza, que é o pronome “it”, o qual não utilizamos na língua portuguesa; mas, com a prática, você vai conseguir entender e aprender bem
rápido.

Subject Pronouns

I (eu) I am a singer.
YOU (você, tu, vocês) You are a student.
HE (ele) He is a teacher.
SHE (ela) She is a nurse.
IT (ele, ela) It is a dog/ It is a table.
WE (nós) We are friends.
THEY (eles) They are good dancers.

O pronome pessoal (subject pronoun) é usado apenas no lugar do sujeito (subject), como mostra o exemplo abaixo:
Mary is intelligent = She is intelligent.

Uso do pronome “it”

– To refer an object, thing, animal, natural phenomenon.


Example: The dress is ugly. It is ugly.
The pen is red. It is red.
The dog is strong. It is strong.

– Attention
a) If you talk about a pet use HE or SHE
Dick is the name of my little dog. He’s very intelligent!
b) If you talk about a baby/children that you don’t know if is a girl or a boy.
The baby is in tears. It is in tears. The child is happy. It is happy.

Object Pronous
São usados como objeto da frase. Aparecem sempre depois do verbo.

ME
YOU
HIM
HER
IT
US
YOU
THEM
Exemplos:
They told me the news.
She loves him so much.

5
LÍNGUA INGLESA
Demonstrative Pronouns
Os pronomes demonstrativos são utilizados para demonstrar alguém ou alguma coisa que está perto ou longe da pessoa que fala ou
de quem se fala, ou seja, indica posição em relação às pessoas do discurso.
Veja quais são em inglês:

SINGULAR PLURAL SINGULAR PLURAL


THIS THESE THAT THOSE
Este/esta/isto Estes/estas Aquele/aquela/aquilo Aqueles/aquelas

Usa-se o demonstrativo THIS/THESE para indicar seres que estão perto de quem fala. Observe o emprego dos pronomes demonstra-
tivos nas frases abaixo:
This method will work.
These methods will work.

O pronome demonstrativo THAT/THOSE é usado para indicar seres que estão distantes da pessoa que fala. Observe:
That computer technology is one of the most fundamental disciplines of engineering.
Those computers technology are the most fundamental disciplines of engineering.

Possessive Adjectives and Possessive Pronouns


Em inglês há, também, dois tipos de pronomes possessivos, os Possessive Adjectives e os Possessive Pronouns.

POSSESSIVE ADJECTIVES POSSESSIVE PRONOUNS


My Mine
Your Yours
His His
Her Hers
Its Its
Our Ours
Your Yours
Their Theirs

• Possessive Adjectives são usados antes de substantivos, precedidos ou não de adjetivos.


Exemplos:
Our house is close.
I want to know your name.

• Possessive Pronouns são usados para substituir a construção possessive adjective + substantivo, evitando assim a repetição.
Exemplo:
My house is yellow and hers is white.
Theirs is the most beautiful car in the town.
Infinitive

A forma infinitiva do inglês é to + verbo

Usos:
- após numerais ordinais
He was the first to answer the prohne.

- com too e enough


This house is too expensive for me to buy.
He had bought food enough to feed a city!

- após o verbo want


I want you to translate the message.

- após os verbos make, let e have (sem to)


This makes me feel happy.
Let me know if you need any information.

6
LÍNGUA INGLESA
- após o verbo help (com ou sem to) She runs – Ela corre
She helped him (to) choose a new car. It runs – Ele/ela corre

Observações: Para verbos que têm algumas terminações específicas com “o”,
Certos verbos admitem o gerund ou infinitive sem alteração “s”, “ss”, “sh”, “ch” “x” ou “z”, deve-se acrescentar “es” no final:
de sentido. He goes – Ele vai
It started raining. / It started to rain. She does – Ela faz
It watches – Ele/ela assiste
He began to clean the house. / He began cleaning the house.
Quando o verbo termina com consoantes e “y” no final. Por
O verbo STOP admite tanto o gerund quanto o infinitive com exemplo, os verbos study, try e cry e têm consoantes antes do “y”.
alteração de sentido. Nesses casos, você deve tirar o “y” e acrescentar “ies” no lugar. Veja
o exemplo:
He stopped smoking. He studies – Ele estuda
(= Ele parou de fumar.) She tries – Ela tenta
It cries – Ele/ela chora
He stopped to smoke.
(= Ele parou para fumar.) Com verbos que também terminam com “y” e têm uma vogal
antes, permanece a regra geral da maioria dos verbos: acrescentar
Imperative apenas o “s” ao final da palavra.
He enjoys – Ele gosta
O imperativo, é usado para dar ordens, instruções, fazer pedi- She stays – Ela fica
dos e até mesmo aconselhar alguém. É uma forma verbal utilizada It plays – Ele/ela brinca
diariamente e que muita gente acaba não conhecendo.
Formas afirmativa, negativa e interrogativa
A forma afirmativa sempre inicia com o verbo.
Exemplos:
Eat the salad. – Coma a salada.
Sit down! – Sente-se
Help me! – Me ajude!
Tell me what you want. – Me diga o que você quer.
Be careful! – Tome cuidado!
Turn the TV down. – Desligue a televisão.
Complete all the sentences. – Complete todas as sentenças.
Be quiet, please! – Fique quieto, por favor!

Frases na forma negativa sempre acrescentamos o Don’t antes


do verbo.
Exemplos:
Don’t be late! – Não se atrase!
Don’t yell in the church! – Não grite na igreja!
Don’t be scared. – Não se assuste. Present Continuous
Don’t worry! – Não se preocupe!
Don’t drink and drive. – Não beba e dirija. - Usamos o Present Continuous para ações ou acontecimentos
ocorrendo no momento da fala com as expressões now, at present,
Simple Present at this moment, right now e outras.
Exemplo:
O Simple Present é a forma verbal simples do presente. O você She is running at the park now.
precisa fazer para usar o Simple Present é saber os verbos na sua
forma mais simples. Por exemplo “to go” que significa ir, é usado em - Usamos também para ações temporárias.
“I go” para dizer eu corro. Exemplos:
Exemplos de Simple Present: He is sleeping on a sofá these days because his bed is broken.
I run – Eu corro
You run – Você corre/Vocês correm - Futuro próximo.
We run – Nós corremos Exemplo:
They run – Eles correm The train leaves at 9 pm.

Regras do Simple Present Observações:


- Alguns verbos não são normalmente usados nos tempos con-
As únicas alterações que acontecem nos verbos se limitam aos tínuos. Devemos usá-los, preferencialmente, nas formas simples:
pronomes he, she e it. De modo geral, quando vamos usar o Simple see, hear, smell, notice, realize, want, wish, recognize, refuse, un-
Present para nos referirmos a ele, ela e indefinido, a maioria dos derstand, know, like, love, hate, forget, belong, seem, suppose,
verbos recebe um “s” no final: appear, have (= ter, possuir), think (= acreditar).
He runs – Ele corre

7
LÍNGUA INGLESA
- Verbos monossilábicos terminados em uma só consoante, precedida de uma só vogal, dobram a consoante final antes do acréscimo
de –ing.
Exemplos:
Run → running
swim → swimming

- Verbos dissilábicos terminados em uma só consoante, precedida de uma só vogal, dobram a consoante final somente se o acento
tônico incidir na segunda sílaba.
Exemplos:
prefer → preferring
admit → admitting
listen → listening
enter → entering

- Verbos terminados em –e perdem o –e antes do acréscimo de –ing, mas os terminados em –ee apenas acrescentam –ing.
Exemplos:
make → making
dance → dancing
agree → agreeing
flee → fleeing

- Verbos terminados em –y recebem –ing, sem perder o –y.


Exemplos:
study → studying
say → saying

- Verbos terminados em –ie, quando do acréscimo de –ing, perdem o –ie e recebem –ying.
Exemplos:
lie → lying
die → dying
Porém, os terminados em –ye não sofrem alterações.
dye → dyeing

Formas afirmativa, negativa e interrogativa

Immediate Future

O simple future é um das formas usadas para expressar ações futuras. Em geral vem acompanhado de palavras que indicam futuro,
como: tomorrow, next. Geralmente, usamos a palavra “will”. Posteriormente, você verá que também podemos utilizar “be going to” para
formar o futuro e a diferença de utilização entre eles.
Example:

Affirmative: What will you study?


Negative: I will study English.
Interrogative: I won’t study English.

Note: we use the auxiliary verb WILL + verbs in infinitive (without “to” ).

8
LÍNGUA INGLESA
Forma contraída
I will study - I’ll study
You will travel - You’ll travel
He will / She will eat - He’ll / She’ll eat
It will happen - It’ll happen
We will work - We’ll work
You will dance - You’ll dance
They will do - They’ll do

Simple Past

With most verbs, the simple past is created simply by adding “ED”. That form belongs for all to the people, not varying in the 3rd
person.
Simple past is used to indicate an accomplished action and totally finished in the past, corresponding in Portuguese, the perfect pre-
terite as imperfect preterite.
Ex.: Santos Dumont lived in France. He created the 14 Bis.

Regra geral Acrescenta-se “ed” Play – played


Verbos terminados em “e” Acrescenta-se “d” Like – liked
Verbos terminados em y precedido de consoante Mudam o y para i e acrescentam “ed” Study – studied

Example:
To work
I worked
You worked
He worked
She worked
It worked
We worked
They worked

Simple past – negative and interrogative form

Usos:
– ações definidas no passa do com yesterday, ...ago, last night (week,month etc) e expressõesque indiquem ações completamente
terminadas no passado.
Exemplos:
Peter flew to London last night.
Cabral discovered Brazil in 1500.

– ações habituais no passado com as mesmas expressões e advérbios que indicam ações habituais no presente.
Exemplos:
They visited rarely visited their grandparents.
She often got up at 6.

– após as if e as though (= como se) e após o verbo wish.


Exemplos:
She behaves as if she knew him.

9
LÍNGUA INGLESA
I wish I had more time to study.

– No caso do verbo BE, todas as pessoas terão a mesma forma


(were).
Exemplos:
She acts as though she were a queen.
I wish I were younger.

– após if only (= se ao menos)


Exemplos:
If only I knew the truth.
If only he understood me.

OBSERVAÇÕES
1. As regras de “dobra” de consoantes existentes para o acrés- Present Perfect
cimo de -ing aplicam-se quando acrescentarmos -ed.
stop → stopped Usos:
prefer → preferred – ação indefinida no passado, sem marca de tempo. Isso o dife-
rencia do Simple Past.
2. Verbos terminados em -y perdem o -y e recebem o acrés- We have finished our homework.
cimo de -ed quando o -y aparecer depois de umaconsoante. Caso Jane has traveled to London.
contrário, o -y permanece. They have accepted the job offer.
rely → relied
play → played – com os advérbios EVER, NEVER, ALREADY, YET, JUST, SO FAR,
LATELY, RECENTLY e expressões como ONCE, TWICE, MANY TIMES,
FEW TIMES etc.

Have you EVER seen a camel?


She has NEVER been to Greece.
The students have ALREADY written their compositions.
The bell hasn’t rung YET.
Our cousins have JUST arrived.
We have read five chapters SO FAR.
She has traveled a lot LATELY.
Have you seen any good films RECENTLY?
I have flown on an airplane MANY TIMES.

– com SINCE (= desde) e FOR (= há, faz)


She has lived in New York SINCE 2013.
She has lived in New York FOR 7 years.

Past Continuous

Usos:
– ação que estava ocorrendo no passado quando outra ação
passada começou.
Exemplos:
They were having a bath when the phone rang.
She was watching TV when Stanley arrived.

– ação ou acontecimento que continuou por algum tempo no


passado.
Exemplos: O verbo can geralmente significa poder e/ou conseguir e é usa-
This time last year I was living in London. do para indicar várias situações:
I saw you last night. You were waiting for a bus. – Possibilidade
– Capacidade/habilidade
– Permissão
– Pedido

Capacidade, habilidade
She can speak five languages. (present)
She could play tennis when she was younger. (past)
She will be able to translate the text. (future)

10
LÍNGUA INGLESA
Permissão
You can use my car.
She can sit anywhere.

O verbo can é sempre acompanhado do verbo principal no infinitivo sem o to. Ele pode ser usado para construir frases afirmativas,
negativas e interrogativas.

AFFIRMATIVE NEGATIVE INTERROGATIVE


I can dance I can’t/cannot dance Can I dance?
You can dance You can’t/cannot dance Can you dance?
He/she/it can dance He/she/it can’t/cannot dance Can he/she/it dance?
We can dance We can’t/cannot dance Can we dance?
You can dance You can’t/cannot dance Can you dance?
They can dance They can’t/cannot dance Can they dance?

Advérbios de frequência (OFTEN, GENERALLY, SOMETIMES, NEVER, SELDOM, ALWAYS...) são colocados, de preferência, ANTES do
verbo principal ou APÓS o verbo auxiliar ou o verbo to be.

They USUALLY watch TV in the evenings.


She is ALWAYS late.
These curtains have NEVER been cleaned.

Expressões adverbiais de freqüência são colocadas no final ou no início de uma oração.


They watch TV EVERY EVENING.
ONCE A WEEK they go swimming.

Advérbios de probabilidade (POSSIBLY, PROBABLY, CERTAINLY...) são colocados antes do verbo principal mas após be ou um verbo
auxiliar.
He PROBABLY knows her phone number.
He is CERTAINLY at home now.

PERHAPS e MAYBE aparecem normalmente no começo de uma oração.


PERHAPS I’ll see her later.
MAYBE you’re right.
Advérbios de tempo (TODAY, TOMORROW, NOW, SOON, LATELY...) são colocados no final ou no início de uma oração.
He bought a new camera YESTERDAY.
ON MONDAY I’m going to London.

Advérbios de modo (SLOWLY, QUICKLY, GENTLY, SOFTLY, WELL...) aparecem normalmente no final da oração. Alguns advérbios podem
também aparecer no início de uma oração se quisermos enfatizá-los.
She entered the room SLOWLY.
SLOWLY she entered the room.

Grande parte dos advérbios de modo é formada pelo acréscimo de LY ao adjetivo.

serious – seriousLY
careful – carefulLY
quiet – quietLY
heavy – heaviLY
bad – badLY

Porém, nem todas as palavras terminadas em LY são advérbios.

lonely = solitário (adjetivo)


lovely = encantador (adjetivo)
silly = tolo (adjetivo)
elderly = idoso (adjetivo)

Advérbios de lugar (HERE, THERE, EVERYWHERE...) são usados no início ou no final de orações.

11
LÍNGUA INGLESA
You’ll find what you want HERE.
THERE comes the bus.
Modo, lugar, tempo
A posição normal dos advérbios em uma oração é:

He did his job CAREFULLYAT HOMEYESTERDAY.

MODO LUGAR TEMPO

Lugar, modo, tempo


Com verbos de movimento, a posição normal é:

She traveled TO LONDONBY PLANELAST WEEK.

LUGAR MODO TEMPO

As preposições são muito utilizadas na estrutura das frases. Em inglês não poderia ser diferente. As preposições expressam lugar ou
posição, direção, tempo, maneira (modo), e agente (ou instrumento).

The keyboard is on the desk - (lugar ou posição).


Raphaelran toward the hotel - (direção).
The plane arrived at eleveno’clock - (tempo).
David travels by train - (maneira ou modo).
The computer was broken by him - (agente).

PREPOSIÇÕES
Horas The airplane will arrive at five o’clock.
Datas We have a big party at Christmas.
Lugares He is at the drugstore.
AT
Cidades pequenas She lives at Barcelos.
Períodos do dia She works at night.(noon,night, midnight, dawn)
Endereços completosFabrizio lives at 107 Boulevard Street.
Períodos do diaMarcus works in the morning. (exceto noon, night, midnight e dawn)
Meses The case will arrive in March.
IN
Estações do ano It’s very hot in summer.
Anos David graduaded in 2008.
Séculos Manaus was created in 18th century.
Expressões do tempo The computer will be working in few days.
Expressões de lugar (dentro) The memory is in the CPU.
August lives in São Paulo.
Estados, Cidades grandes, Países, Continentes
There are many developed countries in Europe.
“sobre” Our bags are on the reception desk.
Dias da semana He has class on Friday.

Datas He has class on Friday.


ON
Transportes coletivos There are a lot of people on that plane.
Nomes de ruas ou avenidas The CETAM is on Djalma Street.
“floor” Gabriel lives on the 8th floor.

12
LÍNGUA INGLESA
Prepositions of Place

Vestimentas

13
LÍNGUA INGLESA
T-shirt = camiseta High school = Ensino médio
Sweatshirt = Blusa de moletom College/University = Faculdade/universidade
Shirt = camisa
Suit = terno Subjects
Pants:calça
Tie = gravata Inglês: English
Wedding dress = vestido de noiva Matemática: Mathematics (Math)
Jacket = jaqueta História: History
Skirt = saia Geografia: Geography
Coat = casaco Química: Chemistry
Shorts = Bermuda Física: Physics
Dress = vestido Ciência: Science
Underpants = cueca Biologia: Biology
Panties = calcinha Educação Física: Physical Education (P.E.)
Bra = sutiã Artes: Arts
Nightgown = camisola Música: Music
Pajamas = pijama Literatura: Literature
Robe = roupão Redação: Writing
Scarf = cachecol Português: Portuguese
Uniform = uniforme Espanhol: Spanish
Singlet = regata
Swimming Trunks = sunga Diversão e mídia
Swimsuit = maiô
Bikini = biquíni Movies/cinema = cnema
Theater = teatro
Cotidiano Bar/Pub = bar
Restaurant = restaurante
U.S. Money Café = lanchonete
Park = parque
US$ 1 Dollar = 100 cents Concert = show
bills - $1, $5, $10, $20, $50, $100 Play = peça de teatro
Coins – 1c, 5c, 10c, 25c, $1
Penny = 1 cent Tecnologia
Nickel = 5 cents
Dime = 10 cents Cellphone/mobile phone = celular
Quarter = 25 cents Laptop = notebook
Personal computer(PC) = Computador
Ways to pay Printer = impressora
Keyboard = teclado
Check = cheque Mouse = mouse
Cash = em dinheiro Television = televisão
Note/bill = nota
Coin = moeda Meio ambiente
Credit card = cartão de crédito
Environment = meio ambiente
Materials Ozone layer = camada de ozônio
Water = água
Acrylic = acrílico Tree = árvore
Cotton = algodão Weather = clima
Denim = brim Animals = animais
Fleece/wool = lã Air = ar
Gold = ouro Wind = vento
Leather = couro Rain = chuva
Linen = linho Snow = neve
Plastic= plástico Fog = neblina
Rubber = borracha Hurricane = furacão
Silk = seda Storm = tempestade
Silver = prata Lightning = relâmpago
Thunder = trovão
Educação
Comida e bebida
Nursery School = pré-escola
Elementary school ou Primary School = Ensino fundamental I Bread — Pão
Secondary school = Ensino fundamental II Butter — Manteiga

14
LÍNGUA INGLESA
Cake — Bolo Sirloin — Lombo
Cheese — Queijo Smoked sausage — salsicha defumada
Chicken — Frango Squid — Lula
Chips — Salgadinhos Steak — Bife
Chocolate — Chocolate Stew meat — Guisado de carne
Corn flakes — Cereal T-bone steak — Bife t-bone
Egg — Ovo Tenderloin — Filé mignon
Fish — Peixe Tuna — Atum
French fries — Batata-frita Turkey — Peru
Ham — Presunto Veal — Vitela
Ice cream — Sorvete
Jam — Geleia Vegetables (vegetais)
Jello — Gelatina
Margarine — Margarina Anise — Anis
Mashed potatoes — Purê de batatas Asparagus — Espargos
Meat — Carne Beans — Feijão
Pancacke — Panqueca Beet — Beterraba
Pasta — Macarrão Broccoli — Brócolis
Peanut — Amendoim Cabbage — Repolho
Peanut butter — pasta de amendoim Carrot — Cenoura
Pepper — Pimenta Cauliflower — Couve-flor
Pie — Torta Celery — Aipo/Salsão
Pizza — Pizza Corn — Milho
Popsicle — Picolé Cucumbers — Pepinos
Potato chips — Batata-frita Eggplant — Berinjela
Rice — Arroz Garlic — Alho
Salt — Sal Ginger — Gengibre
Sandwich — Sanduíche Green onion — Cebolinha verde
Sliced bread — Pão fatiado Heart of Palms — Palmito
Soup — Sopa Leeks — Alho-poró
Sugar — Açúcar Lettuce — Alface
Toast — Torrada Manioc — Mandioca
Water cracker — Bolacha de água e sal Mushroom — Cogumelo
Okra — Quiabo
Meat (carne) Olives — Azeitonas
Onion — Cebola
Bacon — Bacon Pepper — Pimenta
Barbecue — Churrasco Pickles — Picles
Beef — Carne de vaca Potato — Batata
Beef Jerky — Carne seca Pumpkin — Abóbora
Blood sausage —Chouriço Radish — Rabanete
Carp — Carpa Rucola — Rúcula
Chicken — Frango Snow pea — Ervilha
Chicken legs — Pernas de Frango Spinach — Espinafre
Chicken wings — Asas de Frango Sweet potato — Batata doce
Cod — Bacalhau Tomato — Tomate
Crab — Caranguejo Turnip — Nabo
Duck — Pato Watercress — Agrião
Fish — Peixe Yams — Inhame
Grilled fish — Peixe grelhado
Ground beef — Carne moída Fruits (frutas)
Hamburger — Hambúrguer
Lobster — Lagosta Apple — Maçã
Meatball — Almôndega Apricots — Damascos
Mortadella — Mortadela Avocado — Abacate
Pork chops — Costeletas de porco Banana — Banana
Pork legs — Pernas de porco Blackberry — Amora
Pork loin — Lombo de porco Blueberry — Mirtilo
Rib cuts — Costela Cashew nut — Castanha de Cajú
Roast chicken — Frango assado Cherry — Cereja
Salami — Salame Coconut — Coco
Salmon — Salmão Figs — Figos
Sausage — Linguiça Grapes — Uvas
Shrimp — Camarão Guava — Goiaba

15
LÍNGUA INGLESA
Honeydew melon — Melão Jogging = corrida
Jackfruit — Jaca Knitting = tricotar
Kiwi — Kiwi Mountaineering = escalar montanhas
Lemon — Limão Painting = pintar
Mango — Manga Photography = fotografia
Orange — Laranja Playing video games = jogar vídeo games
Papaya — Mamão Reading = leitura
Passion fruit — Maracujá Riding a bike = andar de bicicleta
Peach — Pêssego Sculpting = esculpir
Pear — Pera Sewing = costurar
Pineapple — Abacaxi Singing = cantar
Plum — Ameixa Skating = andar de patins ou skate
Prune — Ameixa-seca Skiing = esquiar
Start fruit — Carambola Stamp collecting = colecionar selos
Strawberry — Morango Surfing = surfar
Tamarind — Tamarindo Working out = malhar
Tangerine — Tangerina
Watermelon — Melancia Saúde e exercícios

Drinks (bebidas)

Beer — Cerveja
Brandy — Aguardente
Champagne — Champanhe
Chocolate — Chocolate
Cocktail — Coquetel
Coffee — Café
Coffee-and-milk — Café-com-leite
Draft beer — Chope
Gin — Gim
Hot chocolate — Chocolate quente
Juice — Suco
Lime juice — Limonada
Liqueur — Licor
Milk — Leite
Mineral water — Água mineral
Red wine — Vinho tinto
Rum — Rum Health Problems and Diseases (problemas de saúde e doen-
Soda — Refrigerante ças)
Sparkling mineral water — Água mineral com gás
Still mineral water — Água mineral sem gás Skin occurrences (Ocorrências na pele)
Tonic water — Água tônica Blemish – mancha
Vodka — Vodca Bruise - contusão
Water — Água Dandruff - caspa
Whiskey —Uísque Freckle – sarda
White wine —Vinho branco Itching – coceira
Yogurt — Iogurte Pimple – espinha
Rasch – erupção da pele
Tempo livre, “hobbies” e lazer Scar - cicatriz
Spot – sinal, marca
Bowling = boliche Wart – verruga
Camping = acampar Wound - ferida
Canoeing = canoagem Wrinkle – ruga
Card games = jogos de baralho
Chess = xadrez Aches (Dores)
Cooking = cozinhar Backache – dor nas costas
Crossword puzzl = palavras cruzadas Earache – dor de ouvido
Dancing = dançar Headache – dor de cabeça
Drawing = desenhar Heartache – dor no peito
Embroidery = bordado stomachache – dor de estômago
Fishing = pesca Toothache – dor de dente
Gardening = jardinagem
Hiking = caminhar Cold and Flu (Resfriado e Gripe)
Hunting = caçar Cough – tosse

16
LÍNGUA INGLESA
Fever – febre
Running nose – nariz entupido
Sneeze – espirro
Sore throat – garganta inflamada
Tonsilitis – amigdalitis

Other Diseases (Outras doenças)


Aneurism - aneurisma
Appendicitis - apendicite
Asthma – asma
Bronchitis – bronquite
Cancer – câncer
Cirrhosis - cirrose
Diabetes – diabetes
Hepatitis – hepatite
High Blood Pressure – hipertensão (pressão alta)
Pneumonia – pneumonia
Rheumatism – reumatismo
Tuberculosis – tuberculose
Moradia;

Povos e línguas

Sentimentos, opiniões e experiências

Happy = feliz
Afraid = com medo
Sad = triste
Hot = com calor
Amused = divertido
Bored = entediado
Anxious = ansioso
Confident = confiante
Cold = com frio
Suspicious = suspeito
Surprised = surpreso
Loving= amoroso
Curious = curioso
Envious = invejoso
Jealous = ciumento
Miserable = miserável
Confused = confuso
Stupid = burro
Angry = com raiva
Sick = enjoado/doente
Ashamed = envergonhado
Indifferent = indiferente
Determined = determinado
Crazy = louco
Depressed = depressivo

17
LÍNGUA INGLESA
Frightened = assustado Building – Edifício ou Prédio
Interested = interessado Bus station – Rodoviária
Shy = tímido Bus stop – Ponto de ônibus
Hopeful = esperançoso Butcher shop – Açougue
Regretful = arrependido Cabstand ou Taxi stand – Ponto de taxi
Scared = assustado Capital – Capital
Stubborn = teimoso Cathedral – Catedral
Thirsty = com sede Cemetery – Cemitério
Guilty = culpado Chapel – Capela
Nervous = nervoso Church – Igreja
Embarrassed = envergonhado Circus – Circo
Disgusted = enojado City – Cidade
Proud = orgulhoso Clothing store – Loja de roupas
Lonely = solitário Club – Clube
Frustrated = frustrado Coffee shop – Cafeteria
Hurt= magoado College – Faculdade
Hungry = com fome Computer store – Loja de informática
Tired= cansado Concert hall – Casa de espetáculos ou Sala de concertos
Thoughtful = pensativo Convenience store – Loja de conveniência
Optimistic = otimista Corner – Esquina
Relieved = aliviado Costume store – Loja de Fantasia
Shocked = chocado Court – Quadra de esportes ou pode ser Tribunal ou comumen-
Sleepy = com sono te chamado de Fórum, depende do contexto.
Excited = animado Crosswalk/Pedestrian crossing/Zebra crossing – Faixa de pe-
Bad = mal destres
Worried = preocupado Cul-de-sac ou Dead end street – Beco ou Rua sem saída
City hall – Prefeitura
Identificação pessoal Dental clinic – Clinica dentária ou Consultório Odontológico
Downtown – Centro da cidade
First name = Primeiro nome Driving school – Auto escola
Middle name = Nome do meio Drugstore – Farmácia ou Drogaria
Last name = Último nome Factory – Fábrica
Full name = Nome completo Field – Campo
Date of Birth = Data de nascimento Fire station – Posto ou Quartel de bombeiros
Age = Idade Fishmonger’s – Peixaria
Sex = Sexo Flower show – Floricultura
Place of Birth = Local de nascimento Food Truck – Food Truck ou Caminhão que vende comida
Nationality = Nacionalidade Gas station – Posto de gasolina
Occupation = Ocupação/profissão Glasses store ou Optical store – Loja de Ótica
Address = Endereço Greengrocer – Quitanda
City = Cidade Grocery store – Mercearia
Country = País Gym – Academia de ginástica
Zip code/Post code = Código postal (CEP) Hair salon – Cabeleireiro
Phone number = Número de telefone Hardware store – Loja de ferramentas
E-mail address = Endereço de e-mail Health Clinic/Center – Clinica ou Posto de saúde
Hospital – Hospital
Lugares e edificações Hotel – Hotel
House – Casa
Airport – Aeroporto Ice Cream Shop/Parlor – Sorveteria
Amusement park – Parque de diversões Intersection ou Crossroad – Cruzamento
Aquarium – Aquário Jail ou Prison – Cadeia ou Prisão
Art gallery – Galeria de arte Jewelry store – Joalheria
ATM (Automatic Teller Machine) – Caixa eletrônico Kiosk – Quiosque
Auto repair shop ou Garage – Oficina mecânica Lake – Lago
Avenue – Avenida Laundromat ou Laundry – Lavanderia
Baby store – Loja infantil ou bebê Library – Biblioteca
Barber shop – Barbearia Lottery retailer ou Lottery kiosk – Casa lotérica
Bakery – Padaria Mall – Shopping center
Bank – Banco Metropolis – metrópole
Beach – Praia Monument – Monumento
Beauty salon/parlor/shop – Salão de beleza Mosque – Mesquita
Block – Quarteirão Movie theater – Cinema
Bookstore ou Bookshop – Livraria Museum – Museu
Bridge – Ponte Neighborhood – Bairro

18
LÍNGUA INGLESA
Newsstand – Banca de jornal Nephew – sobrinho
Office – Escritório Niece – sobrinha
One-way street – Rua de mão única ou sentido único Grandparents – avós
Outskirts ou Suburb – Periferia ou Subúrbio Grandfather – avô
Park – Parque Grandmother – avó
Parking lot – Estacionamento Grandson – neto
Penitentiary – Presídio ou Penitenciária Granddaughter – neta
Perfume shop – Perfumaria Great grandfather – bisavô
Pet Shop – Pet Shop Great grandmother – bisavó
Pizzeria – Pizzaria Great grandson – bisneto
Place – Lugar Great granddaughter – bisneta
Playground – Parque infantil Father-in-law – sogro
Police station – Delegacia de polícia Mother-in-law – sogra
Port – Porto Brother-in-law – cunhado
Post office – Agência de correios Sister-in-law – cunhada
Pub – Bar Stepfather – padrasto
Real estate agency – Imobiliária Stepmother – madrasta
Reference point ou Landmark – Ponto de referência Stepson – enteado
Restaurant – Restaurante Stepdaughter – enteada
River – Rio Foster parents – pais adotivos
Road – Estrada Foster father – pai adotivo
Rotary ou Roundabout – Rotatória Foster mother – mãe adotiva
School – Escola
Shoe store – Sapataria Transporte e serviços
Sidewalk – Calçada
Snack bar – Lanchonete Airliner: Avião comercial (Aviões maiores geralmente chama-
Square – Praça dos de boeing)
Stadium – Estádio Airplane ou apenas plane: Avião
Station – Estação Bike: Bicicleta
Stationery store – Papelaria Boat: Barco ou bote
Steak House – Churrascaria Bus: Ônibus
Store – Loja
Canoe: Canoa
Street – Rua
Car: Carro
Subway station – Estação de metrô
Carriage: Carruagem
Supermarket – Supermercado
Cruiser: Cruzeiro
Synagogue – Sinagoga
Ferry: Balsa
Temple – Templo
Glider: Planador
Town – Cidade pequena ou Município
Helicopter ou chopper (informal): Helicóptero
Toy store ou Toy shop – Loja de brinquedos
Jet: Jato ou como falamos às vezes, jatinho
Train station – Estação de trem
Travel agency – Agência de viagens Moped ou scooter: Motocicleta ou mobilete (Patinete também
University – Universidade pode ser chamado de scooter)
Zoo – Zoológico Motorbike: Motocicleta ou simplesmente moto
Motorboat: Lancha
Relacionamento com outras pessoas Ocean liner: Transatlântico
On foot: A pé
Parents – pais Pickup truck: Caminhonete
Father – pai Raft: Jangada
Mother – mãe Roller skates: Patins
Son – filho Sailboat: Veleiro ou barco à vela
Daughter – filha School bus: Ônibus escolar
Siblings – irmãos Ship: Navio
Brother – irmão Skateboard: Skate
Sister – irmã Streetcar ou trolley: Bonde
Halfbrother – meio-irmão Subway ou metro (inglês americano) ou The underground ou
Halfsister – meia-irmã informalmente the tube (inglês britânico): Metrô
Only child – filho único Taxi ou cab: Táxi
Wife – esposa Train: Trem
Husband – esposo Truck: Caminhão
Fiancé – noivo Van: Furgão ou van
Bride – noiva
Uncle – tio Compras
Aunt – tia Algumas placas com informações importantes:
Cousin – primo e prima Out to lunch – Horário de almoço

19
LÍNGUA INGLESA
Buy one get one free – Pague um, leve dois. Outras formas de Synchronized Swimming - Nado Sincronizado
passar essa mesma ideia são: BOGOF (sigla para a mesma expres- Volleyball - Vôlei
são) e two for one (dois por um). Water Polo - Polo Aquático
Clearance sale/Reduced to clear/Closing down sale – Liquida-
ção Mundo natural

Conversando com atendentes Animais em inglês: principais animais domésticos (pets)


Excuse me, I’m looking for… – Licença, eu estou procurando
por… Bird: Pássaro;
I’m just looking/browsing, thanks. – Estou só olhando, obri- Bunny: Coelhinho;
gado(a). Cat: Gato;
Do you have this in… – Você tem isso em…Complete com o que Dog: Cachorro;
você precisa que mude na peça: A bigger size (um tamanho maior)? GuineaPig: Porquinho da Índia;
/ Yellow (amarelo)? / Pink (rosa)? Mouse: Rato/Camundongo;
Could I return this? – Eu poderia devolver isso? Parrot: Papagaio;
Could I try this on? – Posso provar? Rabbit: Coelho;
What are the store’s opening hours? – Qual o horário em que Turtle: Tartaruga.
a loja abre?
Animais em inglês: principais nomes de aves
Esporte Chicken: Galinha;
Individual Sports - Esportes Individuais Rooster: Galo;
Pigeon: Pomba;
Athletics - Atletismo Peacock: Pavão;
Automobilism - Automobilismo Hawk: Falcão;
Artistic Gymnastics - Ginástica Artística Swan: Cisne;
Boxing - Boxe Sparrow: Pardal;
Bowling - Boliche Duck: Pato.
Canoeing - Canoagem
Cycling - Ciclismo Animais em inglês: principais animais selvagens
Equestrianism - Hipismo
Fencing - Esgrima Alligator: Jacaré;
Golf - Golfe Bat: Morcego;
Jiujitsu - Jiu-Jítsu Bear: Urso;
Judo - Judô Crocodile: Crocodilo;
Karate - Caratê Deer: Viado;
Motorcycling - Motociclismo Elephant: Elefante;
Mountaineering - Alpinismo Eagle: Águia;
Olympic Diving - Salto Ornamental Giraffe: Girafa;
Skiing - Esqui Hippo: Hipopótamo;
Sumo - Sumô Kangaroo: Canguru;
Surfing - Surfe Lion: Leão;
Swimming - Natação Monkey: Macaco;
Table tennis - Tênis de mesa/Pingue-pongue Owl: curuja;
Taekwon-Do - Taekwon-Do Pig: Porco;
Tennis - Tênis Snake: Cobra;
Triathlon - Triatlo Squirrel: Esquilo;
Weightlifting - Halterofilismo Stag: Cervo;
Tiger: Tigre;
Team Sports - Esportes Coletivos Zebra: Zebra;
Wolf: Lobo.
Badminton – Badminton
Baseball - Beisebol Animais em inglês: principais insetos
Basketball - Basquete Ant: Formiga;
Beach Soccer - Futebol de Areia Mite: Ácaro;
Beach Volleyball - Vôlei de Praia Bee: Abelha;
Football – Futebol Americano Beetle: Besouro;
Footvolley - Futevôlei Butterfly: Borboleta;
Futsal - Futsal Caterpillar: Lagarta;
Handball - Handebol Cockroach: Barata;
Hockey - Hóquei Cricket: Grilo;
Polo - Polo Fly: Mosca;
Rhythmic Gymnastics - Ginástica Rítmica Flea: Pulga;
Rugby - Rúgbi Firefly: Vagalume;
Soccer - Futebol Grasshoper: Grilo;

20
LÍNGUA INGLESA
Ladybug: Joaninha;
canela cinnamon
Louseorlice: Piolho;
Mosquito: Pernilongo/Mosquito; carvalho oak
Snail: Caracol;
Spider: Aranha; horse chestnut
castanheiro
Tick: Carrapato; tree
Termite: Cupim.
caule stem
Animais em inglês: principais animais marítimos
cebola onion
Crab: Caranguejo; cebolinha green onion
Dolphin: Golfinho;
Fish: Peixe; cedro cedar
Octopus: Polvo;
Penguin: Pinguim; cerejeira cherry tree
Seal: Foca;
coentro cilantro
Shark: Tubarão;
Whale: Baleia. colorau red spice mix

Animais em inglês: principais tipos de peixes cominho cumin

Carp: Carpa; coqueiro coconut tree


Dogfish: Cação; cravo clove
Dried Salted Cod: Bacalhau;
Flounder: Linguado; erva herb
Hake: Pescada;
Scabbardfish: PeixeEspada; ervas finas fine herbs
Tuna: Atum;
Tilapia: Tilápia; figueira fig tree
Trout: Truta. folha de
bay leaves
louro
Animais brasileiros em inglês
Capivara: Capybara; gengibre ginger
Boto Cor-de-rosa: Pink Dolphin;
Lobo guará: Maned Wolf; girassol sunflower
Mico Leão Dourado: Golden Lion Tamarin;
Onça Pintada: Jaguar; grama grass
Tamanduá Bandira: Giantanteater; lírio lily
Tatu: Armadilo;
Tucano: Toucan; macieira apple tree
Quati: Coati.
manjericão basil
Plantas em inglês
margarida daisy

PORTUGUÊS INGLÊS melissa melissa

árvore tree musgo moss

alecrim rosemary noz mos-


nutmeg
cada
ameixieira plum tree
oliveira olive tree
arbusto bush / shrub
orquídea orchid
azaleia azalea
orégano oregano
azevinho holly
papoula poppy
açafrão turmeric
pereira pear tree
bordo maple
pinheiro pine tree
bromélia bromeliads
planta plant
bétula birch
páprica paprika

21
LÍNGUA INGLESA
Coisas para fazer nas férias
rosa rose

salgueiro willow Read. — Ler.


Read. — Leu. (Só muda a pronúncia)
salsa parsley Go swimming. — Ir nadar ou nadar.
Went swimming. — Fui ou foi nadar.
samambaia fern Play beach soccer. — Jogar futebol de areia ou de praia.
Played beach soccer. — Jogou futebol de areia.
tulipa tulip
Make a bonfire. — Fazer uma fogueira.
violeta violet Made a bonfire. — Fez uma fogueira
Play the guitar. — Tocar violão.
vitória-régia waterlily Played the guitar. — Tocou violão.
Throw a bonfire party. — Dar uma festa com fogueira.
Viagens e férias Threw a bonfire party. — Deu uma festa com fogueira.
Write messages in the sand. — Escrever mensagens na areia.
Vocabulário Wrote messages in the sand. — Escreveu mensagens na areia.
Walk on the boardwalk. — Caminhar no calçadão de madeira.
Time off. — Tempo fora do trabalho. Walked on the boardwalk. — Caminhou no calçadão de ma-
Day off. — Dia de folga. deira.
Vacation. — Férias. atch free summer concerts. — Assistir shows de verão gratuito.
Go away. — Ir viajar. Watched free summer concerts. — Assistiu shows de verão gra-
Travel. — Viajar. tuito.
Take a trip. — Fazer uma viagem. Have a picnic. — Ter um piquenique.
Take time off. — Tirar um tempo fora do trabalho. Had a picnic. — Teve um piquenique.
Go to the beach. — Ir para a praia. Play frisbee. — Jogar frisbee.
Go to the country. — Ir para o interior. Played frisbee. — Jogou frisbee.
Look for seashells. — Procurar por conchas do mar.
Como foram suas férias Looked for seashells. — Procurou por conchas do mar.
Watch the sunset. — Assistir o pôr-do-sol.
How was your vacation? — Como foram as suas férias? Watched the sunset. — Assistiu o pôr-do-sol.
It was good. — Foram boas. Search for historic sites. — Procurar por lugares históricos.
It was amazing. — Foram demais. Searched for historic sites. — Procurou por lugares históricos.
It was very relaxing. — Foi muito relaxante. Get a tan. — Pegar um bronzeado.
Got a tan. — Pegou um bronzeado.
Para onde você foi Go sunbathing ou go tanning. — Ir tomar banho de sol, se bron-
zear.
Where did you go? — Onde você foi? Went sunbathing. — Foi se bronzear.
We went to the beach. — Nós fomos para a praia. Get a sunburn. — Pegar uma queimadura do sol.
I went to the country with my family. — Eu fui para o interior Got a sunburn. — Pegou uma queimadura do sol.
com minha família. Get sunburn. — Se queimar, ser queimado pelo sol.
We took a trip to Hawaii. — Nós fizemos uma viagem para o Got sunburn. — Se queimou do sol.
Hawaii. Wear sunscreen ou wear sunblock. — Usar protetor solar.
We went to visit our family in France. — Nós fomos visitar a Wore sunscreen. — Usou protetor solar.
nossa família na França. Use tanning lotion. — Usar bronzeador.
Who did you go with? — Com quem você foi? Used tanning lotion. — Usou bronzeador.
I went with my sister and brother. — Eu fui com a minha irmã
e meu irmão. Tempo
I went with my husband and kids. — Eu fui com meu marido, As horas em inglês podem vir acompanhadas de algumas ex-
esposo e crianças. pressões de tempo como:
I went with my wife and kids. — Eu fui com a minha esposa e Day: dia
crianças. Today: hoje
I went with my classmates. — Eu fui com os meus colegas de Yesterday: ontem
aula. The day before yesterday: anteontem
Tomorrow: amanhã
Como você viajou The day after tomorrow: depois de amanhã
Morning: manhã
How did you go? — Como que você foi? Afternoon: tarde
We went by plane. — Nós fomos de avião. Evening: noite
We went by car. — Nós fomos de carro. Night: noite
Tonight: esta noite
Midday: meio-dia
At noon: ao meio-dia
Midnight: meia noite
At midnight: à meia-noite

22
LÍNGUA INGLESA
Barista = barista (quem tira café em casas especializadas)
Bartender = barman
Bellhop, bellboy = mensageiro (em hotel)
Biologist = biólogo
Biomedical scientist = biomédico
Blacksmith = ferreiro
Bricklayer, mason = pedreiro
Broker = corretor (de seguros, de investimentos etc., menos de
imóveis)
Butcher = açougueiro
Butler, major-domo = mordomo
Buyer = comprador
Cabdriver, cab driver, taxi driver, cabby, cabbie = taxista
Cabinet-maker = marceneiro
Carpenter = carpinteiro
Cartoonist = cartunista
Cattle breeder, cattle raiser, cattle farmer, cattle rancher = pe-
cuarista
Para informar as horas em inglês usa-se o “it is” ou “it’s” e os Cashier = caixa
números correspondentes (da hora e dos minutos): Chef = chef
Exemplo: 4:35 – It is four thirty-five. Chemist (bre) = farmacêutico
Chemist (ame) = químico
A expressão “o’clock” é utilizada para indicar as horas exatas: Civil Servant = servidor público, funcionário público
Exemplo: 3:00 – It is three o’clock. Clerk = auxiliar de escritório
Coach = treinador, técnico esportivo
A expressão “past” é usada para indicar os minutos antes do Cobbler = sapateiro
30: Comedian = comediante
Exemplo: 6:20 – It is six twenty ou It is twenty past six. Commentator = comentarista (rádio e TV)
Composer = compositor
A expressão “a quarter” é usada para indicar um quarto de Computer programmer = programador
hora (15 minutos): Conference interpreter = intérprete de conferência
Exemplo: 3:15 – It is three fifteen ou It is a quarter past three. Contractor = empreiteiro
Consultant = consultor
A expressão “half past” é usada para indicar meia hora (30 mi- Cook = cozinheiro
nutos): Dancer = dançarino
Exemplo: 8:30 – It is eight thirty ou It is half past eight. Dentist = dentista
Designer = designer, projetista, desenhista
Note que depois dos 30 minutos, em vez da expressão “past”, Diplomat = diplomata
utilizamos o “to”: Doctor, medical doctor, physician = médico
Exemplo: 8.45 – It is eight forty-five ou It is a quarter to nine. Doorman = porteiro
Driver = motorista, piloto de automóvel
Utilizamos as expressões a.m. e p.m. para indicar quando o ho- Economist = economista
rário em inglês ocorre antes ou depois de meio-dia. Editor = editor; revisor
a.m. – antes do meio-dia Electrician = eletricista
p.m. – depois do meio-dia Engineer = engenheiro, maquinista
Farmer = fazendeiro; produtor rural; agricultor
Trabalho e empregos Filmmaker = cineasta, produtor de cinema, diretor de cinema
Accountant = contador Firefighter, fireman = bombeiro
Actor = ator Fisherman = pescador
Actress = atriz Flight attendant = comissário de bordo
Administrator = administrador Foreman = capataz; encarregado
Agronomist = agrônomo Garbageman (ame); dustman (bre) = lixeiro
Anthropologist = antropólogo Gardener = jardineiro
Archaeologist / archeologist = arqueólogo Geographer = geógrafo
Architect = arquiteto Geologist = geólogo Geographer Geógrafo(a)
Astronaut = astronauta Glazer = vidraceiro
Astronomer = astrônomo Graphic designer = designer gráfico
Athlete = atleta Gravedigger = coveiro
Babysitter, baby-sitter, sitter, nanny (ame) = babá Guide = guia
Baker = padeiro Hairdresser, hairstylist = cabeleireiro
Bank clerk = bancário Headmaster, principal (ame) = diretor (de escola)
Banker = banqueiro; bancário Historian = historiador
Bank teller = caixa de banco Housewife = dona de casa
Barber = barbeiro Illustrator = ilustrador

23
LÍNGUA INGLESA
Interior designer = designer de interiores, decorador Secretary = secretária
Interpreter = intérprete Shopkeeper (ame), storekeeper (bre), shop owner, merchant =
Jailer = carcereiro lojista, comerciante
Janitor, superintendent, custodian = zelador Singer, vocalist = cantor
Journalist = jornalista Social worker = assistente social
Jeweller (bre), Jeweler (ame) = joalheiro Speech therapist = fonoaudiólogo
Judge = juiz (de direito) Statistician = estatístico
Lawyer = advogado Systems analyst = analista de sistemas
Librarian = bibliotecário Tailor = alfaiate
Lifeguard = salva-vidas, guarda-vidas Teacher = professor
Locksmith = serralheiro; chaveiro Operator = operador
Maid = empregada doméstica Operator, telephone operator = telefonista
Male nurse = enfermeiro Teller = caixa (geralmente de banco)
Manager = gerente Trader = trader, operador (em bolsa de valores)
Mathematician = matemático Translator = tradutor
Mechanic = mecânico Travel agent = agente de viagens
Medic = militar do Serviço de Saúde; médico Treasurer = tesoureiro
Meteorologist = meteorologista Valet = manobrista
Midwife = parteira Vet, veterinarian = veterinário
Miner = mineiro Waiter* = garçom
Milkman = leiteiro Waitress* = garçonete
model = modelo Welder = soldador
Musician = músico Writer = escritor
Nanny (ame) = babá Zoologist = zoólogo
Nurse = enfermeiro, enfermeira
Occupational therapist = terapeuta ocupacional A Marinha
Optician, optometrist = oculista Proa = Bow
Painter = pintor Popa = Stern \ astern
Paleontologist = paleontólogo Bombordo = port
Paramedic = paramédico Boreste = starboard
Personal TRAINER = personal Convés = deck
Pharmacist = farmacêutico (ame) Cf. CHEMIST Linha d aqua = water line
Philosopher = filósofo Castelo de Proa = forecastle
Photographer = fotógrafo Boca = beans
Physicist = físico Comprimento (LOA) = length overall
Physiotherapist = fisioterapeuta Obras Vivas = botton
Pilot = piloto (menos de automóvel), prático Obras Mortas = topsides
Playwright = dramaturgo Pontal = depth
Plumber = encanador, bombeiro (RJ) Calado de Vante = Draught forward
Poet = poeta Tombadilho = Fanny
Police officer, officer, constable = policial Calado a ré = draught forward
Politician = político Costado = ribcage
Porter = porteiro Plano diametral = diametral plane
Postman, mailman = carteiro Bochecha = tack
Producer = produtor (em geral artístico) Alheta = wing \ quarter
Professor = professor (universitário) Passadisso = gangway \ bridge
Proofreader = revisor Casco = hull
Psychiatrist = psiquiatra Borda livre = free board
Psychologist = psicólogo Displacement = tonelagem
Publisher = editor Notice to marine = aviso aos navegantes
Real estate agent, realtor = corretor de imóveis List of Lights = lista de faróis
Receptionist = recepcionista Full Load = plena carga
Referee = árbitro, juiz (esportes), perito (responsável por análi- Fuel = combustível
se de artigos científicos) Cruising speed = velocidade de cruzeiro
Reporter = repórter Draft = projeto
Researcher = pesquisador Length = comprimento
Sailor, seaman = marinheiro Inland Waters = águas interiores
Salesman* = vendedor Bússula = compass
Sales representative, sales rep = vendedor Ship = navio
Saleswoman* = vendedora Ocean liner = navio transatlântico
Scientist = cientista Tug = rebocador
Screenwriter = roteirista Gross Tonnage = arqueação bruta
Sculptor = escultor Tanker Ship = Navio Petroleiro
Seamstress = costureira Plataform Ship = navio plataforma

24
LÍNGUA INGLESA
Vessel = navio embarcação Coast Guard = guarda costeira
Broken = quebrado Watch Tower = posto de vigia
Rope = cabo Life Boat Station = Estação de Salva Vidas
Boom = pau de carga
Starboard = boreste Dependências a bordo
Port = bombordo Galley = cozinha
Speed = velocidade Crew Mess = refeitório da tripulação
Ahead = a frente Stateroom = cabine de dormir
Crew = tripulação
Stern = popa Amarração de cabos
Fire = fogo Rope = cabo \ corda
Fireman = bombeiro Dock line = cabo de amarração
Hose = mangueira Warp = lais de guia
Fire Hose = mangueira de incêndio Reef Knot = nó direito
Tonnage Length = comprimento tonelagem Volta do Fiel = clove hitch
Scend = Caturro Fisherman’s Bend = volta do Anete
Heel = adernar (mesmo que banda) Kink = coca (nó na mangueira)
Bulkhead = Antepara Yarn = fibra
Flush Deck = convés corrido Order = ordem
Hold = porão Anchor = ancora
Bollard = cabeço no cais
Bitt = cabeço no navio Estivagem de carga
Rope Sling = linga de cabo
Profissões a bordo no navio Bags Balles = bolsas de fardos
Captain of Long Haul = capitão de longo curso Steel plates = chapas de aço
Auxiliary Health = auxiliar de saúde Homem ao mar = man over board
Steward = taifeiro Merchant Ship = Navio mercante
Cook = cozinheiro
Pumpman = bombeiro (trabalha com bombas) Chamadas e comunicações
Nurse = enfermeiro Não especificado = unspecified
Officer = oficial Explosion = explosão
Skipper = patrão Alagado = flooding
Helmsman = timoneiro Collision = colisão
Bo’sun = mestre ou contra mestre Grounding = encalhando
Seaman = homem do mar Adernado = listing
Sailor = marinheiro Capsizing = emborcando
Engineer = chefe de máquinas Sin King = naufragando
Mid Ship = meio navio Disabled = sem governo
Ship’s Articles = rol de equipagem Adrift = a deriva
Ship’s Log = diário de bordo Abandonar o navio = abandoning ship
Insurance Certificate = certificado de seguro Piracy = pirataria
Customs Clearance = aduaneiro Ataque armado = armed attack
Charter Party = Fretamento Grande = big
Bill of Health = certificado de saúde
Charts = cartas hidrográficas Os Interrogativos (Question Words) são usados para se obter
International Convention for the Safety of Live at Sea = conven- informações específicas. As perguntas elaboradas com eles são
ção internacional de salvaguarda da vida humana no mar. (Solas) chamadas wh-questions, pois todos os interrogativos, com exceção
STCW = Standards of training certification and watchkeeping = apenas de how (como), começam com as letras wh.
convenção internacional sobre normas de formação certificação e Há perguntas em inglês iniciadas por pronomes interrogativos
service de quarto para marinheiro. para se obter informações do tipo: “quem, o que, como, quando,
EPP = personal projective equipament = EPI equipamento de onde”.
proteção individual.
Fire Extinguisher = extintor de incêndio WHAT = (o) que, qual
Rudder = leme
Helm = timão Funciona como sujeito ou objeto da oração.
Bosun’s Locker = paiol do mestre
Oars = remos What makes you happy? (sujeito)
Buoy = boia
Fire Alarm = alarme de incêndio verbo objeto
Rope Ladder = escada de quebra peito principal
Gangway = passadiço
Ports = portos
What did you say? (objeto)
Port Captaincy = capitania dos portos
Yacht Harbours = docas de recreio auxiliar sujeito verbo

25
LÍNGUA INGLESA

principal - HOW
HOW FAR = Qual é a distância?
WHO = quem HOW DEEP = Qual é a profundidade?
HOW LONG = Qual é o comprimento? Quanto tempo?
Funciona como sujeito ou objeto da oração. HOW WIDE = Qual é a largura?
HOW TALL = Qual é a altura? (pessoas)
HOW HIGH = Qual é a altura? (coisas)
Who arrived late yesterday? (sujeito) HOW OLD = Qual é a idade?
verbo principal HOW MUCH = Quanto(a)?
HOW MANY = Quantos(as)?
HOW OFTEN = Com que frequência?
Who does she love? (objeto)
HOW FAST = A que velocidade?
auxiliar sujeito verbo
principal A estrutura básica das frases em inglês é semelhante à nossa,
no português. Ela segue um esquema que chamamos SVO, ou seja
WHOM = quem Sujeito-Verbo-Objeto. O mesmo vale para frases negativas, em que
simplesmente se adiciona ao verbo auxiliar a forma negativa not a
Funciona só como objeto de oração ou é usado após preposi- essa estrutura afirmativa. Do mesmo jeito que, no português, usa-
ções. mos um advérbio de negação, como “não”.
Formar uma frase interrogativa em inglês também não é com-
plicado, embora os componentes da frase mudem um pouco de
Whom did you talk to yesterday? (objeto)
posição em relação ao português. O mesmo vale para frases excla-
verbo sujeito verbo mativas.
auxiliar principal Para formar frases afirmativas, o inglês usa o mesmo esquema
Sujeito-Verbo-Objeto que usamos no português. Já para frases ne-
To whom did you talk? gativas devemos apenas adicionar o not a essa estrutura afirmati-
va — exatamente como fazemos em nosso idioma — mas também
WHICH = que, qual, quais - Indica escolha ou opção. inserir um verbo auxiliar em inglês.
Which shirt do you prefer: the blue one or the red one? Já para interrogações e exclamações, os componentes das fra-
Which of those ladies is your mother? ses em inglês mudam um pouco, em relação aos do português.
Tradução literal não tem como funcionar porque cada língua é
WHERE = onde parte de uma cultura e as culturas são completamente diferentes.
Where are you going tonight? Fica fácil não cometer mais este erro se você lembrar que as
frases em Inglês sempre precisam ter um sujeito (considerando so-
WHY = por que mente a frase central). As únicas que começam direto do verbo são
Why don’t you come to the movies with us? as imperativas como tell me, stand up e ask her.
Entender a estrutura de um idioma é muito mais importante do
WHEN = quando que tentar traduzir tudo ao pé-da-letra.
“When were you born?” “In 1970.”
Sujeito
HOW = como
“How is his sister?” “Fine.” O sujeito, que sempre ocupa a primeira posição na frase, con-
trário ao que ocorre na língua portuguesa, nunca é omitido. O su-
WHOSE = de quem jeito pode ser representado por um ou vários substantivos ou por
“Whose dictionary is this?” “John’s.” pronomes pessoais.

Formas compostas de WHAT e HOW Verbo

- WHAT Como se pode observar nos exemplos anteriores, o verbo ou a


locução verbal (sublinhados) ocupa a segunda posição na estrutura
WHAT + to be + like? = como é...? frasal inglesa.
“What is your boyfriend like?” Na poesia, na música ou no inglês falado coloquial, pode-se en-
“He’s tall and slim.” contrar exemplos em que esta regra não é observada.
Entretanto, em linguagem técnico-científica, como no inglês
WHAT about...? = Que tal, o que você acha de...? computacional, o formato S+V+C é usado rigorosamente.
What about having lunch now?
Complementos
WHAT do you call...? = como se chama...? qual é o nome...?
What do you call this device? Os complementos são palavras ou frases inteiras que detalham
ou completam as informações estabelecidas pelo sujeito e o verbo,
- WHAT ... FOR? = por que, para que? que são os únicos termos essenciais da oração.
What are you doing this for?

26
LÍNGUA INGLESA
Analisemos estas frases: “A secretária chegou”, “O ônibus saiu”, RAJAGOPALAN, K. The identity of “World English”. New Chal-
“O avião caiu”. Sintaticamente, já temos os dois elementos indis- lenges in Language and Literature. Belo Horizonte: FALE/UFMG,
pensáveis: O sujeito que determina quem está envolvido na exe- 2009, p. 99-100.
cução de uma determinada ação e o verbo que responde pelo ato
executado The author’s main purpose in this paragraph is to
(A) talk about the growing role of some countries in the spread
EXERCÍCIOS of English in world affairs.
(B) explain the process of changing which occurs when a lan-
guage becomes international.
1. (COLÉGIO PEDRO II - PROFESSOR – INGLÊS - COLÉGIO PE- (C) raise questions about the consequences posed to a langua-
DRO II – 2019) ge when it becomes international.
(D) alert to the imminent rise of emergent countries and the
TEXT 6 replacement of English as a world language.
“Probably the best-known and most often cited dimension of
3. (PREFEITURA DE CUIABÁ - MT - PROFESSOR DE ENSINO
the WE (World Englishes) paradigm is the model of concentric cir-
FUNDAMENTAL - LETRAS/ INGLÊS - SELECON – 2019)
cles: the ‘norm-providing’ inner circle, where English is spoken as
a native language (ENL), the ‘norm-developing’ outer circle, where
Texto III
it is a second language (ESL), and the ‘norm-dependent’ expanding
circle, where it is a foreign language (EFL). Although only ‘tentati-
vely labelled’ (Kachru, 1985, p.12) in earlier versions, it has been Warnock (2009) stated that the first reason to teach writing
claimed more recently that ‘the circles model is valid in the senses online is that the environment can be purely textual. Students are
of earlier historical and political contexts, the dynamic diachronic in a rich, guided learning environment in which they express them-
advance of English around the world, and the functions and stan- selves to a varied audience with their written words. The electronic
dards to which its users relate English in its many current global communication tools allow students to write to the teacher and to
incarnations’ (Kachru and Nelson, 1996, p. 78).” each other in ways that will open up teaching and learning oppor-
PENNYCOOK, A. Global Englishes and Transcultural Flows. New tunities for everyone involved. Besides, writing teachers have a
York: Routledge, 2007, p. 21. unique opportunity because writing-centered online courses allow
According to the text, it is possible to say that the “circles instructors and students to interact in ways beyond content deli-
model” established by Kachru very. They allow students to build a community through electronic
(A) represents a standardization of the English language. means. For students whose options are limited, these electronic
(B) helps to explain the historicity of the English language. communities can build the social and professional connections that
(C) establishes the current standards of the English language. constitute some of education’s real value (Warnock, 2009).
(D) contributes to the expansion of English as a foreign langua- Moreover, Melor (2007) pointed out that social interaction te-
ge. chnologies have great benefits for lifelong education environments.
The social interaction can help enhancing the skills such as the abili-
2. (COLÉGIO PEDRO II - PROFESSOR – INGLÊS - COLÉGIO PE- ty to search, to evaluate, to interact meaningfully with tools, and so
DRO II – 2019) on. Education activities can usually take place in the classroom whi-
ch teacher and students will face to face, but now, it can be carried
TEXT 5 out through the social network technologies including discussion
and assessment. According to Kamarul Kabilan, Norlida Ahmad and
“In other words, there are those among us who argue that the Zainol Abidin (2010), using Facebook affects learner motivation and
future of English is dependent on the likelihood or otherwise of the strengthens students’ social networking practices. What is more,
U.S. continuing to play its hegemonic role in world affairs. Since that
according to Munoz and Towner (2009), Facebook also increases
possibility seems uncertain to many, especially in view of the mu-
the level of web-based interaction among both teacher-student
ch-talked-of ascendancy of emergent economies, many are of the
and student-student. Facebook assists the teachers to connect with
opinion that English will soon lose much of its current glitter and
their students outside of the classroom and discuss about the assig-
cease to be what it is today, namely a world language. And there are
those amongst us who further speculate that, in fifty or a hundred nments, classroom events and useful links.
years’ time, we will all have acquired fluency in, say, Mandarin, or, Hence, social networking services like Facebook can be chosen
if we haven’t, will be longing to learn it. […] Consider the following as the platform to teach ESL writing. Social networking services can
argument: a language such as English can only be claimed to have contribute to strengthen relationships among teachers as well as
attained an international status to the very extent it has ceased to between teachers and students. Besides, they can be used for tea-
be national, i.e., the exclusive property of this or that nation in par- chers and students to share the ideas, to find the solutions and to
ticular (Widdowson). In other words, the U.K. or the U.S.A. or who- hold an online forum when necessary. Using social networking ser-
soever cannot have it both ways. If they do concede that English is vices have more options than when using communication tools whi-
today a world language, then it only behooves them to also recog- ch only have single function, such as instant messaging or e-mail.
nize that it is not their exclusive property, as painful as this might The people can share interests, post, upload variety kinds of media
indeed turn out to be. In other words, it is part of the price they to social networking services so that their friends could find useful
have to pay for seeing their language elevated to the status of a information (Wikipedia, 2010).
world language. Now, the key word here is “elevated”. It is precisely
in the process of getting elevated to a world status that English or (Adapted from: YUNUS, M. D.; SALEHI, H.; CHENZI, C. English
what I insist on referring to as the “World English” goes through a Language Teaching; Vol. 5, No. 8; 2012.)
process of metamorphosis.”

27
LÍNGUA INGLESA
Das opções a seguir, aquela que se configura como o melhor De acordo com o texto: The diversion of the rivers has reduced
título para o Texto III é: the volume of the Aral..., assinale a alternativa correta.
(A) Advantages of Integrating SNSs into ESL Writing Classroom (A) by 60 percent
(B) Using Communication Tools Which Only Have Single Func- (B) by 70 percent
tion (C) by 75 percent
(C) Facebook Assists the Teachers to Connect with Their Stu- (D) by 66,100 kilometers
dents
(D) Using Social Networking Services to Communicate with Col- 6. (PREF. DE TERESINA - PI - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSI-
leagues CA - LÍNGUA INGLESA - NUCEPE – 2019)

4. (PREFEITURA DE CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE - PRO- The plural form of brother-in-law, foot and candy is
FESSOR II – INGLÊS - IBFC – 2019) (A) brothers-in-laws, feet ,candys.
(B) brothers-in-law, feet, candies.
Leia a tira em quadrinhos e analise as afirmativas abaixo. (C) brother-in-laws, feet, candies.
(D) brothers-in-law, foots, candies.
(E) brother-ins-law, foots, candys.

7. (SEDF - PROFESSOR SUBSTITUTO – INGLÊS - QUADRIX –


2018)

I. No primeiro quadrinho Hagar consultou o velho sábio para


saber sobre o segredo da felicidade.
II. No segundo quadrinho as palavras that e me se referem, res-
pectivamente, ao “velho sábio” e a “Hagar”.
III. As palavras do velho sábio no último quadrinho são de que
é melhor dar que receber.

Assinale a alternativa correta.


(A) Apenas as afirmativas I e III estão corretas
(B) Apenas as afirmativas II e III estão corretas
(C) As afirmativas I, II e III estão corretas
(D) Apenas a afirmativa I está correta

5. (PREFEITURA DE CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE - PRO-


FESSOR II – INGLÊS - IBFC – 2019)

THE ARAL: A DYING SEA

The Aral Sea was once the fourth biggest landlocked sea in the
world – 66,100 square kilometers of surface. With abundant fishing
resources, the Sea provided a healthy life for thousands of people.
The Aral receives its waters from two rivers – the Amu Dar’ya
and the Syr Dar’ya. In 1918, the Soviet government decided to di-
vert the two rivers and use their water to irrigate cotton planta-
tions. These diversions dramatically reduced the volume of the Aral. Based on the text, judge the following items.
As a result, the concentration of salt has doubled and impor- The final “s” in “ideas” (line 2) and “brains” (line 8) is pronoun-
tant changes have taken place: fishing industry and other enterpri- ced in the same way.
ses have ceased: salt concentration in the soil has reduced the area ( ) Certo
available for agriculture and pastures; unemployment has risen dra- ( ) Errado
matically; quality of drinking water has been declining because of
increasing salinity, and bacteriological contamination; the health of 8. I normally have two long ________ a year.
the people, animal and plant life have suffered as well. (A) holiday
In the past few decades, the Aral Sea volume has decreased by (B) holidays
75 percent. This is a drastic change and it is human induced. During (C) holidaies
natural cycles, changes occur slowly, over hundreds of years. (D) holidayes
The United Nations Environment Program has recently created
the International Fund for Saving the Aral Sea. Even if all steps are
taken, a substantial recovery might be achieved only with 20 years.
(From: https://www.unenvironment.org/)

28
LÍNGUA INGLESA
9. They have four ________, all girls. 13. (PREFEITURA DE SALVADOR - BA - PROFESSOR LÍNGUA ES-
(A) childs TRANGEIRA – INGLÊS - FGV - 2019)
(B) childes
(C) childen TEXT III
(D) children

10. You must remember to brush your _____ after eating.


(A) tooths
(B) toothes
(C) teeth
(D) teeths

11. (PREFEITURA DE BLUMENAU - SC - PROFESSOR - INGLÊS –


MATUTINO - FURB – 2019)

What is the sequence that presents the correct example asses-


sment items with their grammatical focus listed below?

Grammatical focus:
A superlative
B past simple
C gerunds and infinitives
D relative pronouns
E present simple passive
F second conditional

Example assessment items: (Source: https://pt.wikipedia.org/wiki/Green_Book)


1) Complete the sentences with the correct word(s). I ..........
there for six years before moving to Budapest. Here are six reviews on Green Book:
2) Complete the descriptions with who or which. This is a kind 1. The screenplay essentially turns Shirley into a black man who
of cheese .......... is made from goat’s milk not cow’s milk. thematically shapeshifts into whoever will make the story appealing
3) Rewrite the sentences using the correct form of the verbs in to white audiences - and that’s inexcusable.
brackets. Where (you/fly) if (you/be) a bird? Lawrence Ware New York Times
4) Complete the sentences with the correct form of the verbs 2. Green Book is effective and affecting while being careful to
in brackets. Coffee (grow) in Brazil. It (export) to many countries in avoid overdosing its audience on material that some might deem
the world. too shocking or upsetting.
5) Complete the sentences with ... +ing or to + ... . I decided James Berardinelli ReelViews
(send) a letter to my friend. 3. In a world that seems to get uglier every day, this movie’s
6) Complete the sentences with an appropriate adjective. gentle heart and mere humanity feel like a salve.
Shanghai is the .......... city in the world. Leah Greenblatt Entertainment Weekly
4. A bizarre fish-out-of-water comedy masquerading as a se-
Mark the alternative that presents the correct sequence: rious awards-season contender by pretending to address the deep
(A) B – D – F – E – C – A. wound of racial inequality while demonstrating its profound inabili-
(B) F – E – C – A – D – B. ty, intellectually and dramatically, to do that.
(C) A – C – B – E – D – F. Kevin Maher Times (UK)
(D) A – F – B – D – E. 5. Sometimes life is stranger than art, sometimes art imitates
(E) B – E – D –C – F – A. life, and sometimes life imitates art. If life starts imitating hopeful
art - that’s uplifting. That’s the goal of art, as I see it. “Green Book”
12. (PREFEITURA DE SÃO MIGUEL DO OESTE - SC - PROFESSOR uplifts.
- LÍNGUA INGLESA - AMEOSC – 2019) Mark Jackson Epoch Times
6. There’s not much here you haven’t seen before, and very
Analyze the sentences below: little that can’t be described as crude, obvious and borderline offen-
I. She can read music much more quickly then I can; sive, even as it tries to be uplifting and affirmative.
II. Until 2005, the film had made the most money that any Bri- A.O. Scott New York Times
tish film had ever made; (Source: https://www.rottentomatoes.com/m/green_book/
III. A lot of people behaved badly at the party, but she behaved reviews/)
worst of all.
In the sentence “to get uglier every day” (#3), “uglier” is to
Indicate the correct alternative according to the comparative “more beautiful” as
form. (A) faster is to quicker.
(A) The items I and II, only. (B) lighter is to darker.
(B) The items II and III, only. (C) tougher is to harder.
(C) The item III, only. (D) sadder is to more unhappy.
(D) The items I, II, and III. (E) freer is to more independent.

29
LÍNGUA INGLESA
14. (PREFEITURA DE CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE - PRO-
FESSOR II – INGLÊS - IBFC – 2019)
ANOTAÇÕES
O tempo verbal utilizado para descrever fatos que aconteceram ______________________________________________________
em tempo não determinado chama-se _____. Assinale a alternativa
que preencha corretamente a lacuna. ______________________________________________________
(A) Past continuous
(B) Past simple ______________________________________________________
(C) Present simple
(D) Present perfect ______________________________________________________

______________________________________________________
15. (PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO CEDRO - SC - PROFESSOR
–INGLÊS - AMEOSC – 2019) ______________________________________________________
Did you _____________ that Pilates was born in prison and ins- ______________________________________________________
pired by cats?
______________________________________________________
Identify the best alternative that completes the context.
(A) Knew. ______________________________________________________
(B) Know.
______________________________________________________
(C) Told them.
(D) Brought. ______________________________________________________

______________________________________________________
GABARITO
______________________________________________________

______________________________________________________
1 B ______________________________________________________
2 C
______________________________________________________
3 A
4 A ______________________________________________________
5 C ______________________________________________________
6 B
______________________________________________________
7 CERTO
8 B ______________________________________________________
9 D ______________________________________________________
10 C
______________________________________________________
11 A
12 B ______________________________________________________

13 B _____________________________________________________
14 D
_____________________________________________________
15 B
______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

30
MATEMÁTICA
1. Números inteiros, racionais e reais; problemas de contagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Sistema legal de medidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
3. Razões e proporções; divisão proporcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
4. Regras de três simples e compostas; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5. Porcentagens. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
6. Lógica proposicional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
7. Noções de conjuntos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
8. Relações e funções; Funções polinomiais; Funções exponenciais e logarítmicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
9. Matrizes. Determinantes. Sistemas lineares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
10. Sequências. Progressões aritméticas e progressões geométricas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
MATEMÁTICA

NÚMEROS INTEIROS, RACIONAIS E REAIS; PROBLEMAS DE CONTAGEM

Conjunto dos números inteiros - z


O conjunto dos números inteiros é a reunião do conjunto dos números naturais N = {0, 1, 2, 3, 4,..., n,...},(N C Z); o conjunto dos opos-
tos dos números naturais e o zero. Representamos pela letra Z.

N C Z (N está contido em Z)

Subconjuntos:

SÍMBOLO REPRESENTAÇÃO DESCRIÇÃO


* Z* Conjunto dos números inteiros não nulos
+ Z+ Conjunto dos números inteiros não negativos
*e+ Z*+ Conjunto dos números inteiros positivos
- Z_ Conjunto dos números inteiros não positivos
*e- Z*_ Conjunto dos números inteiros negativos

Observamos nos números inteiros algumas características:


• Módulo: distância ou afastamento desse número até o zero, na reta numérica inteira. Representa-se o módulo por | |. O módulo de
qualquer número inteiro, diferente de zero, é sempre positivo.
• Números Opostos: dois números são opostos quando sua soma é zero. Isto significa que eles estão a mesma distância da origem
(zero).

Somando-se temos: (+4) + (-4) = (-4) + (+4) = 0

Operações
• Soma ou Adição: Associamos aos números inteiros positivos a ideia de ganhar e aos números inteiros negativos a ideia de perder.

ATENÇÃO: O sinal (+) antes do número positivo pode ser dispensado, mas o sinal (–) antes do número negativo nunca pode ser
dispensado.

• Subtração: empregamos quando precisamos tirar uma quantidade de outra quantidade; temos duas quantidades e queremos saber
quanto uma delas tem a mais que a outra; temos duas quantidades e queremos saber quanto falta a uma delas para atingir a outra. A
subtração é a operação inversa da adição. O sinal sempre será do maior número.

ATENÇÃO: todos parênteses, colchetes, chaves, números, ..., entre outros, precedidos de sinal negativo, tem o seu sinal invertido,
ou seja, é dado o seu oposto.

1
MATEMÁTICA
Exemplo: 36 : 3 = 12 livros de 3 cm
(FUNDAÇÃO CASA – AGENTE EDUCACIONAL – VUNESP) Para O total de livros da pilha: 8 + 12 = 20 livros ao todo.
zelar pelos jovens internados e orientá-los a respeito do uso ade- Resposta: D
quado dos materiais em geral e dos recursos utilizados em ativida-
des educativas, bem como da preservação predial, realizou-se uma • Potenciação: A potência an do número inteiro a, é definida
dinâmica elencando “atitudes positivas” e “atitudes negativas”, no como um produto de n fatores iguais. O número a é denominado a
entendimento dos elementos do grupo. Solicitou-se que cada um base e o número n é o expoente.an = a x a x a x a x ... x a , a é multi-
classificasse suas atitudes como positiva ou negativa, atribuindo plicado por a n vezes. Tenha em mente que:
(+4) pontos a cada atitude positiva e (-1) a cada atitude negativa. – Toda potência de base positiva é um número inteiro positivo.
Se um jovem classificou como positiva apenas 20 das 50 atitudes – Toda potência de base negativa e expoente par é um número
anotadas, o total de pontos atribuídos foi inteiro positivo.
(A) 50. – Toda potência de base negativa e expoente ímpar é um nú-
(B) 45. mero inteiro negativo.
(C) 42.
(D) 36. Propriedades da Potenciação
(E) 32. 1) Produtos de Potências com bases iguais: Conserva-se a base
e somam-se os expoentes. (–a)3 . (–a)6 = (–a)3+6 = (–a)9
Resolução: 2) Quocientes de Potências com bases iguais: Conserva-se a
50-20=30 atitudes negativas base e subtraem-se os expoentes. (-a)8 : (-a)6 = (-a)8 – 6 = (-a)2
20.4=80 3) Potência de Potência: Conserva-se a base e multiplicam-se
30.(-1)=-30 os expoentes. [(-a)5]2 = (-a)5 . 2 = (-a)10
80-30=50 4) Potência de expoente 1: É sempre igual à base. (-a)1 = -a e
Resposta: A (+a)1 = +a
5) Potência de expoente zero e base diferente de zero: É igual
• Multiplicação: é uma adição de números/ fatores repetidos. a 1. (+a)0 = 1 e (–b)0 = 1
Na multiplicação o produto dos números a e b, pode ser indicado
por a x b, a . b ou ainda ab sem nenhum sinal entre as letras. Conjunto dos números racionais – Q m
Um número racional é o que pode ser escrito na forma n ,
• Divisão: a divisão exata de um número inteiro por outro nú- onde m e n são números inteiros, sendo que n deve ser diferente
mero inteiro, diferente de zero, dividimos o módulo do dividendo de zero. Frequentemente usamos m/n para significar a divisão de
pelo módulo do divisor. m por n.

ATENÇÃO:
1) No conjunto Z, a divisão não é comutativa, não é associativa
e não tem a propriedade da existência do elemento neutro.
2) Não existe divisão por zero.
3) Zero dividido por qualquer número inteiro, diferente de zero,
é zero, pois o produto de qualquer número inteiro por zero é igual
a zero.

Na multiplicação e divisão de números inteiros é muito impor-


tante a REGRA DE SINAIS:

Sinais iguais (+) (+); (-) (-) = resultado sempre positivo. N C Z C Q (N está contido em Z que está contido em Q)

Sinais diferentes (+) (-); (-) (+) = resultado sempre Subconjuntos:


negativo.

Exemplo: SÍMBOLO REPRESENTAÇÃO DESCRIÇÃO


(PREF.DE NITERÓI) Um estudante empilhou seus livros, obten- Conjunto dos números
* Q*
do uma única pilha 52cm de altura. Sabendo que 8 desses livros racionais não nulos
possui uma espessura de 2cm, e que os livros restantes possuem Conjunto dos números
espessura de 3cm, o número de livros na pilha é: + Q+
racionais não negativos
(A) 10
(B) 15 Conjunto dos números
*e+ Q*+
(C) 18 racionais positivos
(D) 20 Conjunto dos números
(E) 22 - Q_
racionais não positivos
Conjunto dos números
Resolução: *e- Q*_
racionais negativos
São 8 livros de 2 cm: 8.2 = 16 cm
Como eu tenho 52 cm ao todo e os demais livros tem 3 cm,
temos:
52 - 16 = 36 cm de altura de livros de 3 cm

2
MATEMÁTICA
Representação decimal
Podemos representar um número racional, escrito na forma de fração, em número decimal. Para isso temos duas maneiras possíveis:
1º) O numeral decimal obtido possui, após a vírgula, um número finito de algarismos. Decimais Exatos:

2
= 0,4
5

2º) O numeral decimal obtido possui, após a vírgula, infinitos algarismos (nem todos nulos), repetindo-se periodicamente Decimais
Periódicos ou Dízimas Periódicas:

1
= 0,333...
3

Representação Fracionária
É a operação inversa da anterior. Aqui temos duas maneiras possíveis:

1) Transformando o número decimal em uma fração numerador é o número decimal sem a vírgula e o denominador é composto pelo
numeral 1, seguido de tantos zeros quantas forem as casas decimais do número decimal dado. Ex.:
0,035 = 35/1000

2) Através da fração geratriz. Aí temos o caso das dízimas periódicas que podem ser simples ou compostas.
– Simples: o seu período é composto por um mesmo número ou conjunto de números que se repeti infinitamente. Exemplos:

Procedimento: para transformarmos uma dízima periódica simples em fração basta utilizarmos o dígito 9 no denominador para cada
quantos dígitos tiver o período da dízima.

– Composta: quando a mesma apresenta um ante período que não se repete.

a)

Procedimento: para cada algarismo do período ainda se coloca um algarismo 9 no denominador. Mas, agora, para cada algarismo do
antiperíodo se coloca um algarismo zero, também no denominador.

3
MATEMÁTICA
b)

Procedimento: é o mesmo aplicado ao item “a”, acrescido na frente da parte inteira (fração mista), ao qual transformamos e obtemos
a fração geratriz.

Exemplo:
(PREF. NITERÓI) Simplificando a expressão abaixo

Obtém-se :

(A) ½
(B) 1
(C) 3/2
(D) 2
(E) 3

Resolução:

Resposta: B

Caraterísticas dos números racionais


O módulo e o número oposto são as mesmas dos números inteiros.

Inverso: dado um número racional a/b o inverso desse número (a/b)–n, é a fração onde o numerador vira denominador e o denomi-
nador numerador (b/a)n.

4
MATEMÁTICA
Representação geométrica • Multiplicação: como todo número racional é uma fração ou
pode ser escrito na forma de uma fração, definimos o produto de
dois números racionais a e c , da mesma forma que o produto de
b d
frações, através de:

Observa-se que entre dois inteiros consecutivos existem infini-


tos números racionais.

Operações • Divisão: a divisão de dois números racionais p e q é a própria


• Soma ou adição: como todo número racional é uma fração operação de multiplicação do número p pelo inverso de q, isto é: p
ou pode ser escrito na forma de uma fração, definimos a adição ÷ q = p × q-1
entre os números racionais a e c , da mesma forma que a soma
de frações, através de: b d

Exemplo:
(PM/SE – SOLDADO 3ªCLASSE – FUNCAB) Numa operação
• Subtração: a subtração de dois números racionais p e q é a policial de rotina, que abordou 800 pessoas, verificou-se que 3/4
própria operação de adição do número p com o oposto de q, isto é: dessas pessoas eram homens e 1/5 deles foram detidos. Já entre as
p – q = p + (–q) mulheres abordadas, 1/8 foram detidas.
Qual o total de pessoas detidas nessa operação policial?
(A) 145
(B) 185
(C) 220
(D) 260
(E) 120
ATENÇÃO: Na adição/subtração se o denominador for igual,
conserva-se os denominadores e efetua-se a operação apresen- Resolução:
tada.

Exemplo:
(PREF. JUNDIAI/SP – AGENTE DE SERVIÇOS OPERACIONAIS
– MAKIYAMA) Na escola onde estudo, ¼ dos alunos tem a língua
portuguesa como disciplina favorita, 9/20 têm a matemática como
favorita e os demais têm ciências como favorita. Sendo assim, qual
fração representa os alunos que têm ciências como disciplina favo-
rita?
(A) 1/4
(B) 3/10
(C) 2/9
(D) 4/5
(E) 3/2

Resolução:
Somando português e matemática: Resposta: A

• Potenciação: é válido as propriedades aplicadas aos núme-


ros inteiros. Aqui destacaremos apenas as que se aplicam aos nú-
meros racionais.

O que resta gosta de ciências:

Resposta: B

5
MATEMÁTICA
A) Toda potência com expoente negativo de um número racio- Exemplo:
nal diferente de zero é igual a outra potência que tem a base igual (MANAUSPREV – ANALISTA PREVIDENCIÁRIO – ADMINISTRATI-
ao inverso da base anterior e o expoente igual ao oposto do expo- VA – FCC) Considere as expressões numéricas, abaixo.
ente anterior. A = 1/2 + 1/4+ 1/8 + 1/16 + 1/32 e
B = 1/3 + 1/9 + 1/27 + 1/81 + 1/243

O valor, aproximado, da soma entre A e B é


(A) 2
(B) 3
(C) 1
(D) 2,5
B) Toda potência com expoente ímpar tem o mesmo sinal da (E) 1,5
base.
Resolução:
Vamos resolver cada expressão separadamente:

C) Toda potência com expoente par é um número positivo.

Expressões numéricas
São todas sentenças matemáticas formadas por números, suas
operações (adições, subtrações, multiplicações, divisões, potencia-
ções e radiciações) e também por símbolos chamados de sinais de
associação, que podem aparecer em uma única expressão. Resposta: E

Procedimentos Múltiplos
1) Operações: Dizemos que um número é múltiplo de outro quando o primei-
- Resolvermos primeiros as potenciações e/ou radiciações na ro é resultado da multiplicação entre o segundo e algum número
ordem que aparecem; natural e o segundo, nesse caso, é divisor do primeiro. O que sig-
- Depois as multiplicações e/ou divisões; nifica que existem dois números, x e y, tal que x é múltiplo de y se
- Por último as adições e/ou subtrações na ordem que apare- existir algum número natural n tal que:
cem. x = y·n

2) Símbolos: Se esse número existir, podemos dizer que y é um divisor de x e


- Primeiro, resolvemos os parênteses (), até acabarem os cálcu- podemos escrever: x = n/y
los dentro dos parênteses,
-Depois os colchetes []; Observações:
- E por último as chaves {}. 1) Todo número natural é múltiplo de si mesmo.
2) Todo número natural é múltiplo de 1.
ATENÇÃO: 3) Todo número natural, diferente de zero, tem infinitos múl-
– Quando o sinal de adição (+) anteceder um parêntese, col- tiplos.
chetes ou chaves, deveremos eliminar o parêntese, o colchete ou 4) O zero é múltiplo de qualquer número natural.
chaves, na ordem de resolução, reescrevendo os números internos 5) Os múltiplos do número 2 são chamados de números pares,
com os seus sinais originais. e a fórmula geral desses números é 2k (k ∈ N). Os demais são cha-
– Quando o sinal de subtração (-) anteceder um parêntese, col- mados de números ímpares, e a fórmula geral desses números é 2k
chetes ou chaves, deveremos eliminar o parêntese, o colchete ou + 1 (k ∈ N).
chaves, na ordem de resolução, reescrevendo os números internos 6) O mesmo se aplica para os números inteiros, tendo k ∈ Z.
com os seus sinais invertidos.

6
MATEMÁTICA
Critérios de divisibilidade Divisores
São regras práticas que nos possibilitam dizer se um número Os divisores de um número n, é o conjunto formado por todos
é ou não divisível por outro, sem que seja necessário efetuarmos os números que o dividem exatamente. Tomemos como exemplo o
a divisão. número 12.
No quadro abaixo temos um resumo de alguns dos critérios:

Um método para descobrimos os divisores é através da fato-


ração numérica. O número de divisores naturais é igual ao produto
dos expoentes dos fatores primos acrescidos de 1.
Logo o número de divisores de 12 são:

Para sabermos quais são esses 6 divisores basta pegarmos cada


fator da decomposição e seu respectivo expoente natural que varia
de zero até o expoente com o qual o fator se apresenta na decom-
posição do número natural.
12 = 22 . 31 =
22 = 20,21 e 22 ; 31 = 30 e 31, teremos:
20 . 30=1
20 . 31=3
(Fonte: https://www.guiadamatematica.com.br/criterios-de-divisi- 21 . 30=2
bilidade/ - reeditado) 21 . 31=2.3=6
Vale ressaltar a divisibilidade por 7: Um número é divisível por 22 . 31=4.3=12
7 quando o último algarismo do número, multiplicado por 2, subtra- 22 . 30=4
ído do número sem o algarismo, resulta em um número múltiplo de
7. Neste, o processo será repetido a fim de diminuir a quantidade O conjunto de divisores de 12 são: D (12)={1, 2, 3, 4, 6, 12}
de algarismos a serem analisados quanto à divisibilidade por 7. A soma dos divisores é dada por: 1 + 2 + 3 + 4 + 6 + 12 = 28

Outros critérios Máximo divisor comum (MDC)


Divisibilidade por 12: Um número é divisível por 12 quando é É o maior número que é divisor comum de todos os números
divisível por 3 e por 4 ao mesmo tempo. dados. Para o cálculo do MDC usamos a decomposição em fatores
Divisibilidade por 15: Um número é divisível por 15 quando é primos. Procedemos da seguinte maneira:
divisível por 3 e por 5 ao mesmo tempo. Após decompor em fatores primos, o MDC é o produto dos FA-
TORES COMUNS obtidos, cada um deles elevado ao seu MENOR
Fatoração numérica EXPOENTE.
Trata-se de decompor o número em fatores primos. Para de-
compormos este número natural em fatores primos, dividimos o Exemplo:
mesmo pelo seu menor divisor primo, após pegamos o quociente MDC (18,24,42) =
e dividimos o pelo seu menor divisor, e assim sucessivamente até
obtermos o quociente 1. O produto de todos os fatores primos re-
presenta o número fatorado. Exemplo:

Observe que os fatores comuns entre eles são: 2 e 3, então


pegamos os de menores expoentes: 2x3 = 6. Logo o Máximo Divisor
Comum entre 18,24 e 42 é 6.

7
MATEMÁTICA
Mínimo múltiplo comum (MMC) (CEFET – AUXILIAR EM ADMINISTRAÇÃO – CESGRANRIO) Em
É o menor número positivo que é múltiplo comum de todos três meses, Fernando depositou, ao todo, R$ 1.176,00 em sua ca-
os números dados. A técnica para acharmos é a mesma do MDC, derneta de poupança. Se, no segundo mês, ele depositou R$ 126,00
apenas com a seguinte ressalva: a mais do que no primeiro e, no terceiro mês, R$ 48,00 a menos do
O MMC é o produto dos FATORES COMUNS E NÃO-COMUNS, que no segundo, qual foi o valor depositado no segundo mês?
cada um deles elevado ao SEU MAIOR EXPOENTE. (A) R$ 498,00
Pegando o exemplo anterior, teríamos: (B) R$ 450,00
MMC (18,24,42) = (C) R$ 402,00
Fatores comuns e não-comuns= 2,3 e 7 (D) R$ 334,00
Com maiores expoentes: 2³x3²x7 = 8x9x7 = 504. Logo o Mínimo (E) R$ 324,00
Múltiplo Comum entre 18,24 e 42 é 504.
Resolução:
Temos ainda que o produto do MDC e MMC é dado por: MDC Primeiro mês = x
(A,B). MMC (A,B)= A.B Segundo mês = x + 126
Terceiro mês = x + 126 – 48 = x + 78
Os cálculos desse tipo de problemas, envolvem adições e sub- Total = x + x + 126 + x + 78 = 1176
trações, posteriormente as multiplicações e divisões. Depois os pro- 3.x = 1176 – 204
blemas são resolvidos com a utilização dos fundamentos algébricos, x = 972 / 3
isto é, criamos equações matemáticas com valores desconhecidos x = R$ 324,00 (1º mês)
(letras). Observe algumas situações que podem ser descritas com * No 2º mês: 324 + 126 = R$ 450,00
utilização da álgebra. Resposta: B
É bom ter mente algumas situações que podemos encontrar:
(PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO/SP – AGENTE
DE ADMINISTRAÇÃO – VUNESP) Uma loja de materiais elétricos
testou um lote com 360 lâmpadas e constatou que a razão entre o
número de lâmpadas queimadas e o número de lâmpadas boas era
2 / 7. Sabendo-se que, acidentalmente, 10 lâmpadas boas quebra-
ram e que lâmpadas queimadas ou quebradas não podem ser ven-
didas, então a razão entre o número de lâmpadas que não podem
ser vendidas e o número de lâmpadas boas passou a ser de
(A) 1 / 4.
(B) 1 / 3.
(C) 2 / 5.
Exemplos: (D) 1 / 2.
(PREF. GUARUJÁ/SP – SEDUC – PROFESSOR DE MATEMÁTICA – (E) 2 / 3.
CAIPIMES) Sobre 4 amigos, sabe-se que Clodoaldo é 5 centímetros
mais alto que Mônica e 10 centímetros mais baixo que Andreia. Sa- Resolução:
be-se também que Andreia é 3 centímetros mais alta que Doralice e Chamemos o número de lâmpadas queimadas de ( Q ) e o nú-
que Doralice não é mais baixa que Clodoaldo. Se Doralice tem 1,70 mero de lâmpadas boas de ( B ). Assim:
metros, então é verdade que Mônica tem, de altura: B + Q = 360 , ou seja, B = 360 – Q ( I )
(A) 1,52 metros.
(B) 1,58 metros.
(C) 1,54 metros. , ou seja, 7.Q = 2.B ( II )
(D) 1,56 metros.
Substituindo a equação ( I ) na equação ( II ), temos:
Resolução: 7.Q = 2. (360 – Q)
Escrevendo em forma de equações, temos: 7.Q = 720 – 2.Q
C = M + 0,05 ( I ) 7.Q + 2.Q = 720
C = A – 0,10 ( II ) 9.Q = 720
A = D + 0,03 ( III ) Q = 720 / 9
D não é mais baixa que C Q = 80 (queimadas)
Se D = 1,70 , então: Como 10 lâmpadas boas quebraram, temos:
( III ) A = 1,70 + 0,03 = 1,73 Q’ = 80 + 10 = 90 e B’ = 360 – 90 = 270
( II ) C = 1,73 – 0,10 = 1,63
( I ) 1,63 = M + 0,05
M = 1,63 – 0,05 = 1,58 m
Resposta: B
Resposta: B

8
MATEMÁTICA
Fração é todo número que pode ser escrito da seguinte forma • Multiplicação e Divisão
a/b, com b≠0. Sendo a o numerador e b o denominador. Uma fra- Multiplicação: É produto dos numerados pelos denominadores
ção é uma divisão em partes iguais. Observe a figura: dados. Ex.:

O numerador indica quantas partes tomamos do total que foi


dividida a unidade.
O denominador indica quantas partes iguais foi dividida a uni-
dade. – Divisão: É igual a primeira fração multiplicada pelo inverso da
Lê-se: um quarto. segunda fração. Ex.:

Atenção:
• Frações com denominadores de 1 a 10: meios, terços, quar-
tos, quintos, sextos, sétimos, oitavos, nonos e décimos.
• Frações com denominadores potências de 10: décimos, cen-
tésimos, milésimos, décimos de milésimos, centésimos de milési-
mos etc.
• Denominadores diferentes dos citados anteriormente: Obs.: Sempre que possível podemos simplificar o resultado da
Enuncia-se o numerador e, em seguida, o denominador seguido da fração resultante de forma a torna-la irredutível.
palavra “avos”.
Exemplo:
Tipos de frações (EBSERH/HUPES – UFBA – TÉCNICO EM INFORMÁTICA – IA-
– Frações Próprias: Numerador é menor que o denominador. DES) O suco de três garrafas iguais foi dividido igualmente entre 5
Ex.: 7/15 pessoas. Cada uma recebeu
– Frações Impróprias: Numerador é maior ou igual ao denomi-
nador. Ex.: 6/7 (A)
– Frações aparentes: Numerador é múltiplo do denominador.
As mesmas pertencem também ao grupo das frações impróprias.
Ex.: 6/3 (B)
– Frações mistas: Números compostos de uma parte inteira e
outra fracionária. Podemos transformar uma fração imprópria na
forma mista e vice e versa. Ex.: 1 1/12 (um inteiro e um doze avos) (C)
– Frações equivalentes: Duas ou mais frações que apresentam
a mesma parte da unidade. Ex.: 2/4 = 1/2
– Frações irredutíveis: Frações onde o numerador e o denomi- (D)
nador são primos entre si. Ex.: 5/11 ;

Operações com frações (E)

• Adição e Subtração
Com mesmo denominador: Conserva-se o denominador e so- Resolução:
ma-se ou subtrai-se os numeradores. Se cada garrafa contém X litros de suco, e eu tenho 3 garrafas,
então o total será de 3X litros de suco. Precisamos dividir essa quan-
tidade de suco (em litros) para 5 pessoas, logo teremos:

Com denominadores diferentes: é necessário reduzir ao mes-


mo denominador através do MMC entre os denominadores. Usa-
mos tanto na adição quanto na subtração. Onde x é litros de suco, assim a fração que cada um recebeu de
suco é de 3/5 de suco da garrafa.
Resposta: B

SISTEMA LEGAL DE MEDIDAS

O sistema métrico decimal é parte integrante do Sistema de


O MMC entre os denominadores (3,2) = 6 Medidas. É adotado no Brasil tendo como unidade fundamental de
medida o metro.

9
MATEMÁTICA
O Sistema de Medidas é um conjunto de medidas usado em quase todo o mundo, visando padronizar as formas de medição.

Medidas de comprimento
Os múltiplos do metro são usados para realizar medição em grandes distâncias, enquanto os submúltiplos para realizar medição em
pequenas distâncias.

UNIDADE
MÚLTIPLOS SUBMÚLTIPLOS
FUNDAMENTAL
Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro
km hm Dam m dm cm mm
1000m 100m 10m 1m 0,1m 0,01m 0,001m

Para transformar basta seguir a tabela seguinte (esta transformação vale para todas as medidas):

Medidas de superfície e área


As unidades de área do sistema métrico correspondem às unidades de comprimento da tabela anterior.
São elas: quilômetro quadrado (km2), hectômetro quadrado (hm2), etc. As mais usadas, na prática, são o quilômetro quadrado, o me-
tro quadrado e o hectômetro quadrado, este muito importante nas atividades rurais com o nome de hectare (ha): 1 hm2 = 1 ha.
No caso das unidades de área, o padrão muda: uma unidade é 100 vezes a menor seguinte e não 10 vezes, como nos comprimentos.
Entretanto, consideramos que o sistema continua decimal, porque 100 = 102. A nomenclatura é a mesma das unidades de comprimento
acrescidas de quadrado.

Vejamos as relações entre algumas essas unidades que não fazem parte do sistema métrico e as do sistema métrico decimal (valores
aproximados):
1 polegada = 25 milímetros
1 milha = 1 609 metros
1 légua = 5 555 metros
1 pé = 30 centímetros

Medidas de Volume e Capacidade


Na prática, são muitos usados o metro cúbico(m3) e o centímetro cúbico(cm3).
Nas unidades de volume, há um novo padrão: cada unidade vale 1000 vezes a unidade menor seguinte. Como 1000 = 103, o sistema
continua sendo decimal. Acrescentamos a nomenclatura cúbico.
A noção de capacidade relaciona-se com a de volume. A unidade fundamental para medir capacidade é o litro (l); 1l equivale a 1 dm3.

Medidas de Massa
O sistema métrico decimal inclui ainda unidades de medidas de massa. A unidade fundamental é o grama(g). Assim as denominamos:
Kg – Quilograma; hg – hectograma; dag – decagrama; g – grama; dg – decigrama; cg – centigrama; mg – miligrama
Dessas unidades, só têm uso prático o quilograma, o grama e o miligrama. No dia-a-dia, usa-se ainda a tonelada (t). Medidas Especiais:
1 Tonelada(t) = 1000 Kg
1 Arroba = 15 Kg
1 Quilate = 0,2 g

Em resumo temos:

10
MATEMÁTICA
Relações importantes Exemplo:
(SEPLAN/GO – PERITO CRIMINAL – FUNIVERSA) Em uma ação
policial, foram apreendidos 1 traficante e 150 kg de um produto
parecido com maconha. Na análise laboratorial, o perito constatou
que o produto apreendido não era maconha pura, isto é, era uma
mistura da Cannabis sativa com outras ervas. Interrogado, o trafi-
cante revelou que, na produção de 5 kg desse produto, ele usava
apenas 2 kg da Cannabis sativa; o restante era composto por várias
“outras ervas”. Nesse caso, é correto afirmar que, para fabricar todo
o produto apreendido, o traficante usou
(A) 50 kg de Cannabis sativa e 100 kg de outras ervas.
(B) 55 kg de Cannabis sativa e 95 kg de outras ervas.
(C) 60 kg de Cannabis sativa e 90 kg de outras ervas.
(D) 65 kg de Cannabis sativa e 85 kg de outras ervas.
1 kg = 1l = 1 dm3 (E) 70 kg de Cannabis sativa e 80 kg de outras ervas.
1 hm2 = 1 ha = 10.000m2
1 m3 = 1000 l Resolução:
Exemplos: O enunciado fornece que a cada 5kg do produto temos que 2kg
(CLIN/RJ - GARI E OPERADOR DE ROÇADEIRA - COSEAC) Uma da Cannabis sativa e os demais outras ervas. Podemos escrever em
peça de um determinado tecido tem 30 metros, e para se confec- forma de razão , logo :
cionar uma camisa desse tecido são necessários 15 decímetros.
Com duas peças desse tecido é possível serem confeccionadas:
(A) 10 camisas
(B) 20 camisas
(C) 40 camisas
(D) 80 camisas

Resolução:
Como eu quero 2 peças desse tecido e 1 peça possui 30 metros Resposta: C
logo:
30 . 2 = 60 m. Temos que trabalhar com todas na mesma unida- Razões Especiais
de: 1 m é 10dm assim temos 60m . 10 = 600 dm, como cada camisa São aquelas que recebem um nome especial. Vejamos algu-
gasta um total de 15 dm, temos então: mas:
600/15 = 40 camisas.
Resposta: C Velocidade: é razão entre a distância percorrida e o tempo gas-
to para percorrê-la.
(CLIN/RJ - GARI E OPERADOR DE ROÇADEIRA - COSEAC) Um
veículo tem capacidade para transportar duas toneladas de carga.
Se a carga a ser transportada é de caixas que pesam 4 quilogramas
cada uma, o veículo tem capacidade de transportar no máximo:
(A) 50 caixas
(B) 100 caixas
(C) 500 caixas Densidade: é a razão entre a massa de um corpo e o seu volu-
(D) 1000 caixas me ocupado por esse corpo.

Resolução:
Uma tonelada(ton) é 1000 kg, logo 2 ton. 1000kg= 2000 kg
Cada caixa pesa 4kg
2000 kg/ 4kg = 500 caixas.
Resposta: C Proporção
É uma igualdade entre duas frações ou duas razões.
RAZÕES E PROPORÇÕES; DIVISÃO PROPORCIONAL

Razão
É uma fração, sendo a e b dois números a sua razão, chama-se
razão de a para b: a/b ou a:b , assim representados, sendo b ≠ 0.
Temos que: Lemos: a esta para b, assim como c está para d.
Ainda temos:

11
MATEMÁTICA
4L = 28 . 3
L = 84 / 4
L = 21 ladrilhos
Assim, o total de ladrilhos foi de 28 . 21 = 588
Resposta: A

REGRAS DE TRÊS SIMPLES E COMPOSTAS

Regra de três simples


Os problemas que envolvem duas grandezas diretamente ou
• Propriedades da Proporção inversamente proporcionais podem ser resolvidos através de um
– Propriedade Fundamental: o produto dos meios é igual ao processo prático, chamado REGRA DE TRÊS SIMPLES.
produto dos extremos: • Duas grandezas são DIRETAMENTE PROPORCIONAIS quando
a.d=b.c ao aumentarmos/diminuirmos uma a outra também aumenta/di-
minui.
– A soma/diferença dos dois primeiros termos está para o pri- • Duas grandezas são INVERSAMENTE PROPORCIONAIS quan-
meiro (ou para o segundo termo), assim como a soma/diferença do ao aumentarmos uma a outra diminui e vice-versa.
dos dois últimos está para o terceiro (ou para o quarto termo).
Exemplos:
(PM/SP – OFICIAL ADMINISTRATIVO – VUNESP) Em 3 de maio
de 2014, o jornal Folha de S. Paulo publicou a seguinte informação
sobre o número de casos de dengue na cidade de Campinas.

– A soma/diferença dos antecedentes está para a soma/dife-


rença dos consequentes, assim como cada antecedente está para
o seu consequente.

Exemplo:
(MP/SP – AUXILIAR DE PROMOTORIA I – ADMINISTRATIVO –
VUNESP) A medida do comprimento de um salão retangular está
para a medida de sua largura assim como 4 está para 3. No piso
desse salão, foram colocados somente ladrilhos quadrados inteiros,
revestindo-o totalmente. Se cada fileira de ladrilhos, no sentido do De acordo com essas informações, o número de casos regis-
comprimento do piso, recebeu 28 ladrilhos, então o número míni- trados na cidade de Campinas, até 28 de abril de 2014, teve um
mo de ladrilhos necessários para revestir totalmente esse piso foi aumento em relação ao número de casos registrados em 2007,
igual a aproximadamente, de
(A) 588. (A) 70%.
(B) 350. (B) 65%.
(C) 454. (C) 60%.
(D) 476. (D) 55%.
(E) 382. (E) 50%.

Resolução: Resolução:
Utilizaremos uma regra de três simples:

ano %
Fazendo C = 28 e substituindo na proporção, temos: 11442 100
17136 x

11442.x = 17136 . 100


x = 1713600 / 11442 = 149,8% (aproximado)

12
MATEMÁTICA
149,8% – 100% = 49,8%
Aproximando o valor, teremos 50%
Resposta: E

(PRODAM/AM – AUXILIAR DE MOTORISTA – FUNCAB) Numa


transportadora, 15 caminhões de mesma capacidade transportam
toda a carga de um galpão em quatro horas. Se três deles quebras- Como 0,5 h equivale a 30 minutos, logo o tempo será de 7 ho-
sem, em quanto tempo os outros caminhões fariam o mesmo tra- ras e 30 minutos.
balho? Resposta: D
(A) 3 h 12 min
(B) 5 h (PREF. CORBÉLIA/PR – CONTADOR – FAUEL) Uma equipe cons-
(C) 5 h 30 min tituída por 20 operários, trabalhando 8 horas por dia durante 60
(D) 6 h dias, realiza o calçamento de uma área igual a 4800 m². Se essa
(E) 6 h 15 min equipe fosse constituída por 15 operários, trabalhando 10 horas
por dia, durante 80 dias, faria o calçamento de uma área igual a:
Resolução: (A) 4500 m²
Vamos utilizar uma Regra de Três Simples Inversa, pois, quanto (B) 5000 m²
menos caminhões tivermos, mais horas demorará para transportar (C) 5200 m²
a carga: (D) 6000 m²
(E) 6200 m²

caminhões horas Resolução:

15 4
Operários
(15 – 3) x horas ↑ dias ↑ área ↑

12.x = 4 . 15 20 8 60 4800
x = 60 / 12 15 10 80 x
x=5h
Resposta: B Todas as grandezas são diretamente proporcionais, logo:
Regra de três composta
Chamamos de REGRA DE TRÊS COMPOSTA, problemas que
envolvem mais de duas grandezas, diretamente ou inversamente
proporcionais.

Exemplos:
(CÂMARA DE SÃO PAULO/SP – TÉCNICO ADMINISTRATIVO Resposta: D
– FCC) O trabalho de varrição de 6.000 m² de calçada é feita em
um dia de trabalho por 18 varredores trabalhando 5 horas por dia.
Mantendo-se as mesmas proporções, 15 varredores varrerão 7.500
m² de calçadas, em um dia, trabalhando por dia, o tempo de PORCENTAGENS
(A) 8 horas e 15 minutos.
(B) 9 horas. São chamadas de razões centesimais ou taxas percentuais ou
(C) 7 horas e 45 minutos. simplesmente de porcentagem, as razões de denominador 100, ou
(D) 7 horas e 30 minutos. seja, que representam a centésima parte de uma grandeza. Costu-
(E) 5 horas e 30 minutos. mam ser indicadas pelo numerador seguido do símbolo %. (Lê-se:
“por cento”).
Resolução:
Comparando- se cada grandeza com aquela onde está o x.

M² ↑ varredores ↓ horas ↑
6000 18 5
7500 15 x

Quanto mais a área, mais horas (diretamente proporcionais)

Quanto menos trabalhadores, mais horas (inversamente pro-


porcionais)

13
MATEMÁTICA
Exemplo:
(CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP – ANALISTA TÉCNICO LEGISLATIVO – DESIGNER GRÁFICO – VUNESP) O de-
partamento de Contabilidade de uma empresa tem 20 funcionários, sendo que 15% deles são estagiários. O departamento de Recursos
Humanos tem 10 funcionários, sendo 20% estagiários. Em relação ao total de funcionários desses dois departamentos, a fração de esta-
giários é igual a
(A) 1/5.
(B) 1/6.
(C) 2/5.
(D) 2/9.
(E) 3/5.

Resolução:

Resposta: B

Lucro e Prejuízo em porcentagem


É a diferença entre o preço de venda e o preço de custo. Se a diferença for POSITIVA, temos o LUCRO (L), caso seja NEGATIVA, temos
PREJUÍZO (P).

Logo: Lucro (L) = Preço de Venda (V) – Preço de Custo (C).

Exemplo:
(CÂMARA DE SÃO PAULO/SP – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – FCC) O preço de venda de um produto, descontado um imposto de 16%
que incide sobre esse mesmo preço, supera o preço de compra em 40%, os quais constituem o lucro líquido do vendedor. Em quantos por
cento, aproximadamente, o preço de venda é superior ao de compra?
(A) 67%.
(B) 61%.
(C) 65%.
(D) 63%.
(E) 69%.

Resolução:
Preço de venda: V
Preço de compra: C
V – 0,16V = 1,4C
0,84V = 1,4C

O preço de venda é 67% superior ao preço de compra.


Resposta: A

14
MATEMÁTICA
Aumento e Desconto em porcentagem
– Aumentar um valor V em p%, equivale a multiplicá-lo por

Logo:

- Diminuir um valor V em p%, equivale a multiplicá-lo por

Logo:

Fator de multiplicação

É o valor final de , é o que chamamos de fator de multiplicação, muito útil para resolução de cálculos de
porcentagem. O mesmo pode ser um acréscimo ou decréscimo no valor do produto.

Aumentos e Descontos sucessivos em porcentagem


São valores que aumentam ou diminuem sucessivamente. Para efetuar os respectivos descontos ou aumentos, fazemos uso dos fato-
res de multiplicação. Basta multiplicarmos o Valor pelo fator de multiplicação (acréscimo e/ou decréscimo).

Exemplo: Certo produto industrial que custava R$ 5.000,00 sofreu um acréscimo de 30% e, em seguida, um desconto de 20%. Qual o
preço desse produto após esse acréscimo e desconto?

Resolução:
VA =5000 .(1,3) = 6500 e
VD = 6500 .(0,80) = 5200, podemos, para agilizar os cálculos, juntar tudo em uma única equação:
5000 . 1,3 . 0,8 = 5200
Logo o preço do produto após o acréscimo e desconto é de R$ 5.200,00

LÓGICA PROPOSICIONAL

As sequências podem ser formadas por números, letras, pessoas, figuras, etc. Existem várias formas de se estabelecer uma sequência,
o importante é que existem pelo menos três elementos que caracterize a lógica de sua formação, entretanto algumas séries necessitam
de mais elementos para definir sua lógica1. Um bom conhecimento em Progressões Algébricas (PA) e Geométricas (PG), fazem com que
deduzir as sequências se tornem simples e sem complicações. E o mais importante é estar atento a vários detalhes que elas possam ofe-
recer. Exemplos:

1 https://centraldefavoritos.com.br/2017/07/21/sequencias-com-numeros-com-figuras-de-palavras/

15
MATEMÁTICA
Progressão Aritmética: Soma-se constantemente um mesmo número.

Progressão Geométrica: Multiplica-se constantemente um mesmo número.

Sequência de Figuras: Esse tipo de sequência pode seguir o mesmo padrão visto na sequência de pessoas ou simplesmente sofrer
rotações, como nos exemplos a seguir. Exemplos:

Exemplos:
Analise a sequência a seguir:

Admitindo-se que a regra de formação das figuras seguintes permaneça a mesma, pode-se afirmar que a figura que ocuparia a 277ª
posição dessa sequência é:

Resolução:
A sequência das figuras completa-se na 5ª figura. Assim, continua-se a sequência de 5 em 5 elementos. A figura de número 277 ocu-
pa, então, a mesma posição das figuras que representam número 5n + 2, com n N. Ou seja, a 277ª figura corresponde à 2ª figura, que é
representada pela letra “B”.
Resposta: B

(CÂMARA DE ARACRUZ/ES - AGENTE ADMINISTRATIVO E LEGISLATIVO - IDECAN) A sequência formada pelas figuras representa as
posições, a cada 12 segundos, de uma das rodas de um carro que mantém velocidade constante. Analise-a.

Após 25 minutos e 48 segundos, tempo no qual o carro permanece nessa mesma condição, a posição da roda será:

16
MATEMÁTICA

Resolução:
A roda se mexe a cada 12 segundos. Percebe-se que ela volta ao seu estado inicial após 48 segundos.
O examinador quer saber, após 25 minutos e 48 segundos qual será a posição da roda. Vamos transformar tudo para segundos:
25 minutos = 1500 segundos (60x25)
1500 + 48 (25m e 48s) = 1548
Agora é só dividir por 48 segundos (que é o tempo que levou para roda voltar à posição inicial)
1548 / 48 = vai ter o resto “12”.
Portanto, após 25 minutos e 48 segundos, a roda vai estar na posição dos 12 segundos.
Resposta: B

NOÇÕES DE CONJUNTOS

Prezado Candidato, o tema acima supracitado, já foi abordado em tópicos anteriores.

RELAÇÕES E FUNÇÕES; FUNÇÕES POLINOMIAIS; FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS

Funções lineares
Chama-se função do 1º grau ou afim a função f: R  R definida por y = ax + b, com a e b números reais e a 0. a é o coeficiente angular
da reta e determina sua inclinação, b é o coeficiente linear da reta e determina a intersecção da reta com o eixo y.

Com a ϵ R* e b ϵ R.

Atenção
Usualmente chamamos as funções polinomiais de: 1º grau, 2º etc, mas o correto seria Função de grau 1,2 etc. Pois o classifica a
função é o seu grau do seu polinômio.

A função do 1º grau pode ser classificada de acordo com seus gráficos. Considere sempre a forma genérica y = ax + b.

• Função constante
Se a = 0, então y = b, b ∈ R. Desta maneira, por exemplo, se y = 4 é função constante, pois, para qualquer valor de x, o valor de y ou
f(x) será sempre 4.

17
MATEMÁTICA
• Função identidade • Função Sobrejetora
Se a = 1 e b = 0, então y = x. Nesta função, x e y têm sempre É quando todos os elementos do domínio forem imagens de
os mesmos valores. Graficamente temos: A reta y = x ou f(x) = x é PELO MENOS UM elemento do domínio.
denominada bissetriz dos quadrantes ímpares.

• Função Bijetora
Mas, se a = -1 e b = 0, temos então y = -x. A reta determinada É uma função que é ao mesmo tempo injetora e sobrejetora.
por esta função é a bissetriz dos quadrantes pares, conforme mos-
tra o gráfico ao lado. x e y têm valores iguais em módulo, porém
com sinais contrários.

• Função Par
Quando para todo elemento x pertencente ao domínio temos
• Função linear f(x)=f(-x), ∀ x ∈ D(f). Ou seja, os valores simétricos devem possuir
É a função do 1º grau quando b = 0, a ≠ 0 e a ≠ 1, a e b ∈ R. a mesma imagem.

• Função afim
É a função do 1º grau quando a ≠ 0, b ≠ 0, a e b ∈ R.

• Função Injetora
É a função cujo domínio apresenta elementos distintos e tam-
bém imagens distintas.

• Função ímpar
Quando para todo elemento x pertencente ao domínio, temos
f(-x) = -f(x) ∀ x є D(f). Ou seja, os elementos simétricos do domínio
terão imagens simétricas.

18
MATEMÁTICA
Gráfico da função do 1º grau
A representação geométrica da função do 1º grau é uma reta,
portanto, para determinar o gráfico, é necessário obter dois pontos.
Em particular, procuraremos os pontos em que a reta corta os eixos
x e y.
De modo geral, dada a função f(x) = ax + b, para determinarmos
a intersecção da reta com os eixos, procedemos do seguinte modo:

Exemplos:
(PM/SP – CABO – CETRO) O gráfico abaixo representa o salário
bruto (S) de um policial militar em função das horas (h) trabalhadas
em certa cidade. Portanto, o valor que este policial receberá por
186 horas é

1º) Igualamos y a zero, então ax + b = 0 ⇒ x = - b/a, no eixo x


encontramos o ponto (-b/a, 0).
2º) Igualamos x a zero, então f(x) = a. 0 + b ⇒ f(x) = b, no eixo y
encontramos o ponto (0, b).
• f(x) é crescente se a é um número positivo (a > 0);
• f(x) é decrescente se a é um número negativo (a < 0).

(A) R$ 3.487,50.
(B) R$ 3.506,25.
(C) R$ 3.534,00.
(D) R$ 3.553,00.
Resolução:

Raiz ou zero da função do 1º grau


A raiz ou zero da função do 1º grau é o valor de x para o qual y =
f(x) = 0. Graficamente, é o ponto em que a reta “corta” o eixo x. Por-
tanto, para determinar a raiz da função, basta a igualarmos a zero:

Estudo de sinal da função do 1º grau Resposta: A


Estudar o sinal de uma função do 1º grau é determinar os valo-
res de x para que y seja positivo, negativo ou zero. (CBTU/RJ - ASSISTENTE OPERACIONAL - CONDUÇÃO DE VEÍ-
1º) Determinamos a raiz da função, igualando-a a zero: (raiz: CULOS METROFERROVIÁRIOS – CONSULPLAN) Qual dos pares de
x =- b/a) pontos a seguir pertencem a uma função do 1º grau decrescente?
2º) Verificamos se a função é crescente (a>0) ou decrescente (a (A) Q(3, 3) e R(5, 5).
< 0); temos duas possibilidades: (B) N(0, –2) e P(2, 0).
(C) S(–1, 1) e T(1, –1).
(D) L(–2, –3) e M(2, 3).

Resolução:
Para pertencer a uma função polinomial do 1º grau decrescen-
te, o primeiro ponto deve estar em uma posição “mais alta” do que
o 2º ponto.

19
MATEMÁTICA
Vamos analisar as alternativas: Gráfico da função do 2º grau
( A ) os pontos Q e R estão no 1º quadrante, mas Q está em
uma posição mais baixa que o ponto R, e, assim, a função é • Concavidade da parábola
crescente. Graficamente, a função do 2º grau, de domínio r, é representa-
( B ) o ponto N está no eixo y abaixo do zero, e o ponto P está no da por uma curva denominada parábola. Dada a função y = ax2 + bx
eixo x à direita do zero, mas N está em uma posição mais baixa + c, cujo gráfico é uma parábola, se:
que o ponto P, e, assim, a função é crescente.
( D ) o ponto L está no 3º quadrante e o ponto M está no 1º
quadrante, e L está em uma posição mais baixa do que o ponto
M, sendo, assim, crescente.
( C ) o ponto S está no 2º quadrante e o ponto T está no 4º
quadrante, e S está em uma posição mais alta do que o ponto
T, sendo, assim, decrescente.
Resposta: C

Equações lineares
As equações do tipo a1x1 + a2x2 + a3x3 + .....+ anxn = b, são equa- • O termo independente
ções lineares, onde a1, a2, a3, ... são os coeficientes; x1, x2, x3,... as Na função y = ax2 + bx + c, se x = 0 temos y = c. Os pontos em
incógnitas e b o termo independente. que x = 0 estão no eixo y, isto significa que o ponto (0, c) é onde a
Por exemplo, a equação 4x – 3y + 5z = 31 é uma equação line- parábola “corta” o eixo y.
ar. Os coeficientes são 4, –3 e 5; x, y e z as incógnitas e 31 o termo
independente.
Para x = 2, y = 4 e z = 7, temos 4.2 – 3.4 + 5.7 = 31, concluímos
que o terno ordenado (2,4,7) é solução da equação linear
4x – 3y + 5z = 31.

Funções quadráticas
Chama-se função do 2º grau ou função quadrática, de domínio
R e contradomínio R, a função:
• Raízes da função
Considerando os sinais do discriminante (Δ) e do coeficiente de
x2, teremos os gráficos que seguem para a função y = ax2 + bx + c.

Com a, b e c reais e a ≠ 0.

Onde:
a é o coeficiente de x2
b é o coeficiente de x
c é o termo independente

Atenção:
Chama-se função completa aquela em que a, b e c não são nu-
los, e função incompleta aquela em que b ou c são nulos.

Raízes da função do 2ºgrau


Analogamente à função do 1º grau, para encontrar as raízes
da função quadrática, devemos igualar f(x) a zero. Teremos então:
ax2 + bx + c = 0 Vértice da parábola – Máximos e mínimos da função
Observe os vértices nos gráficos:
A expressão assim obtida denomina-se equação do 2º grau.
As raízes da equação são determinadas utilizando-se a fórmula de
Bhaskara:

Δ (letra grega: delta) é chamado de discriminante da equação.


Observe que o discriminante terá um valor numérico, do qual te-
mos de extrair a raiz quadrada. Neste caso, temos três casos a con-
siderar:
Δ > 0 ⇒ duas raízes reais e distintas; O vértice da parábola será:
Δ = 0 ⇒ duas raízes reais e iguais; • o ponto mínimo se a concavidade estiver voltada para cima
Δ < 0 ⇒ não existem raízes reais (∄ x ∈ R). (a > 0);

20
MATEMÁTICA
• o ponto máximo se a concavidade estiver voltada para baixo 100 – t² = 0
(a < 0). – t² = – 100 . (– 1)
A reta paralela ao eixo y que passa pelo vértice da parábola é t² = 100
chamada de eixo de simetria. t= √100=10km/h
Resposta: A
Coordenadas do vértice
As coordenadas do vértice da parábola são dadas por: (IPEM – TÉCNICO EM METROLOGIA E QUALIDADE – VUNESP)
A figura ilustra um arco decorativo de parábola AB sobre a porta da
entrada de um salão:

Estudo do sinal da função do 2º grau


Estudar o sinal da função quadrática é determinar os valores de
x para que y seja: positivo, negativo ou zero. Dada a função f(x) = y Considere um sistema de coordenadas cartesianas com centro
= ax2 + bx + c, para saber os sinais de y, determinamos as raízes (se em O, de modo que o eixo vertical (y) passe pelo ponto mais alto do
existirem) e analisamos o valor do discriminante. arco (V), e o horizontal (x) passe pelos dois pontos de apoio desse
arco sobre a porta (A e B).
Sabendo-se que a função quadrática que descreve esse arco é
f(x) = – x²+ c, e que V = (0; 0,81), pode-se afirmar que a distância ,
em metros, é igual a
(A) 2,1.
(B) 1,8.
(C) 1,6.
(D) 1,9.
(E) 1,4.

Resolução:
C=0,81, pois é exatamente a distância de V
F(x)=-x²+0,81
0=-x²+0,81
Exemplos: X²=0,81
(CBM/MG – OFICIAL BOMBEIRO MILITAR – FUMARC) Duas X=±0,9
cidades A e B estão separadas por uma distância d. Considere um A distância AB é 0,9+0,9=1,8
ciclista que parte da cidade A em direção à cidade B. A distância d, Resposta: B
em quilômetros, que o ciclista ainda precisa percorrer para chegar
ao seu destino em função do tempo t, em horas, é dada pela função (TRANSPETRO – TÉCNICO DE ADMINISTRAÇÃO E CONTROLE
. Sendo assim, a velocidade média desenvolvida JÚNIOR – CESGRANRIO) A raiz da função f(x) = 2x − 8 é também raiz
pelo ciclista em todo o percurso da cidade A até a cidade B é igual a da função quadrática g(x) = ax²+ bx + c. Se o vértice da parábola, grá-
(A) 10 Km/h fico da função g(x), é o ponto V(−1, −25), a soma a + b + c é igual a:
(B) 20 Km/h (A) − 25
(C) 90 Km/h (B) − 24
(D) 100 Km/h (C) − 23
(D) − 22
Resolução: (E) – 21
Vamos calcular a distância total, fazendo t = 0:
Resolução:
2x-8=0
2x=8
X=4

Agora, vamos substituir na função:

21
MATEMÁTICA
Exemplos:
1. Considere a função y = 3x.
Vamos atribuir valores a x, calcular y e a seguir construir o grá-
fico:

Lembrando que para encontrar a equação, temos:


(x - 4)(x + 6) = x² + 6x - 4x - 24 = x² + 2x - 24
a=1
b=2
c=-24
a + b + c = 1 + 2 – 24 = -21
Resposta: E 02. Considerando a função, encontre a função: y = (1/3)x

Função exponencial
Antes seria bom revisarmos algumas noções de potencializa-
ção e radiciação.
Sejam a e b bases reais e diferentes de zero e m e n expoentes
inteiros, temos:

Observando as funções anteriores, podemos concluir que para


y = ax:
• se a > 1, a função exponencial é crescente;
• se 0 < a < 1, a função é decrescente.

Graficamente temos:
Equação exponencial
A equação exponencial caracteriza-se pela presença da incóg-
nita no expoente. Exemplos:

Para resolver estas equações, além das propriedades de potên- Inequação exponencial
cias, utilizamos a seguinte propriedade: A inequação exponencial caracteriza-se pela presença da incóg-
Se duas potências são iguais, tendo as bases iguais, então os nita no expoente e de um dos sinais de desigualdade: >, <, ≥ ou ≤.
expoentes são iguais: am = an ⇔ m = n, sendo a > 0 e a ≠ 1. Analisando seus gráficos, temos:

Gráficos da função exponencial


A função exponencial f, de domínio R e contradomínio R, é de-
finida por y = ax, onde a > 0 e a ≠1.

22
MATEMÁTICA
Observando o gráfico, temos que: (POLÍCIA CIVIL/SP – DESENHISTA TÉCNICO-PERICIAL – VU-
• na função crescente, conservamos o sinal da desigualdade NESP) Uma população P cresce em função do tempo t (em anos),
para comparar os expoentes: segundo a sentença P = 2000.50,1t. Hoje, no instante t = 0, a popu-
lação é de 2 000 indivíduos. A população será de 50 000 indivíduos
daqui a
(A) 20 anos.
(B) 25 anos.
(C) 50 anos.
(D) 15 anos.
• na função decrescente, “invertemos” o sinal da desigualdade (E) 10 anos.
para comparar os expoentes:
Resolução:

Desde que as bases sejam iguais.

Exemplos: Vamos simplificar as bases (5), sobrando somente os expoen-


(CORPO DE BOMBEIROS MILITAR/MT – OFICIAL BOMBEIRO tes. Assim:
MILITAR – COVEST – UNEMAT) As funções exponenciais são muito 0,1 . t = 2
usadas para modelar o crescimento ou o decaimento populacional t = 2 / 0,1
de uma determinada região em um determinado período de tem- t = 20 anos
po. A função P(t) = 234(1,023)t modela o comportamento de uma Resposta: A
determinada cidade quanto ao seu crescimento populacional em
um determinado período de tempo, em que P é a população em Função logarítmica
milhares de habitantes e t é o número de anos desde 1980. • Logaritmo
Qual a taxa média de crescimento populacional anual dessa O logaritmo de um número b, na base a, onde a e b são positi-
cidade? vos e a é diferente de um, é um número x, tal que x é o expoente de
(A) 1,023% a para se obter b, então:
(B) 1,23%
(C) 2,3%
(D) 0,023%
(E) 0,23%

Resolução: Onde:
b é chamado de logaritmando
a é chamado de base
x é o logaritmo

OBSERVAÇÕES
Primeiramente, vamos calcular a população inicial, fazendo t – loga a = 1, sendo a > 0 e a ≠ 1
= 0: – Nos logaritmos decimais, ou seja, aqueles em que a base é
10, está frequentemente é omitida. Por exemplo: logaritmo de 2
na base 10; notação: log 2
Agora, vamos calcular a população após 1 ano, fazendo t = 1:
Propriedades decorrentes da definição

• Domínio (condição de existência)


Segundo a definição, o logaritmando e a base devem ser positi-
vos, e a base deve ser diferente de 1. Portanto, sempre que encon-
Por fim, vamos utilizar a Regra de Três Simples:
tramos incógnitas no logaritmando ou na base devemos garantir a
População----------%
existência do logaritmo.
234 --------------- 100
– Propriedades
239,382 ------------ x

234.x = 239,382 . 100


x = 23938,2 / 234
x = 102,3%
102,3% = 100% (população já existente) + 2,3% (crescimento)
Resposta: C

23
MATEMÁTICA
Logaritmo decimal - característica e mantissa
Normalmente eles são calculados fazendo-se o uso da calculadora e da tabela de logaritmos. Mas fique tranquilo em sua prova as
bancas fornecem os valores dos logaritmos.

Exemplo: Determine log 341.

Resolução:
Sabemos que 341 está entre 100 e 1.000:
102 < 341 < 103
Como a característica é o expoente de menor potência de 10, temos que c = 2.
Consultando a tabela para 341, encontramos m = 0,53275. Logo: log 341 = 2 + 0,53275  log 341 = 2,53275.

Propriedades operatórias dos logaritmos

Cologaritmo
cologa b = - loga b, sendo b> 0, a > 0 e a ≠ 1

Mudança de base
Para resolver questões que envolvam logaritmo com bases diferentes, utilizamos a seguinte expressão:

Função logarítmica
Função logarítmica é a função f, de domínio R*+ e contradomínio R, que associa cada número real e positivo x ao logaritmo de x na
base a, onde a é um número real, positivo e diferente de 1.

Gráfico da função logarítmica


Vamos construir o gráfico de duas funções logarítmicas como exemplo:
A) y = log3 x
Atribuímos valores convenientes a x, calculamos y, conforme mostra a tabela. Localizamos os pontos no plano cartesiano obtendo a
curva que representa a função.

24
MATEMÁTICA
B) y = log1/3 x
Vamos tabelar valores convenientes de x, calculando y. Localizamos os pontos no plano cartesiano, determinando a curva correspon-
dente à função.

Observando as funções anteriores, podemos concluir que para y = logax:


• se a > 1, a função é crescente;
• se 0 < a < 1, a função é decrescente.

Equações logarítmicas
A equação logarítmica caracteriza-se pela presença do sinal de igualdade e da incógnita no logaritmando.
Para resolver uma equação, antes de mais nada devemos estabelecer a condição de existência do logaritmo, determinando os valores
da incógnita para que o logaritmando e a base sejam positivos, e a base diferente de 1.

Inequações logarítmicas
Identificamos as inequações logarítmicas pela presença da incógnita no logaritmando e de um dos sinais de desigualdade: >, <, ≥ ou ≤.
Assim como nas equações, devemos garantir a existência do logaritmo impondo as seguintes condições: o logaritmando e a base
devem ser positivos e a base deve ser diferente de 1.
Na resolução de inequações logarítmicas, procuramos obter logaritmos de bases iguais nos dois membros da inequação, para poder
comparar os logaritmandos. Porém, para que não ocorram distorções, devemos verificar se as funções envolvidas são crescentes ou de-
crescentes. A justificativa será feita por meio da análise gráfica de duas funções:

Na função crescente, os sinais coincidem na comparação dos logaritmandos e, posteriormente, dos respectivos logaritmos; porém,
o mesmo não ocorre na função decrescente. De modo geral, quando resolvemos uma inequação logarítmica, temos de observar o valor
numérico da base pois, sendo os dois membros da inequação compostos por logaritmos de mesma base, para comparar os respectivos
logaritmandos temos dois casos a considerar:
• se a base é um número maior que 1 (função crescente), utilizamos o mesmo sinal da inequação;
• se a base é um número entre zero e 1 (função decrescente), utilizamos o “sinal inverso” da inequação.

Concluindo, dada a função y = loga x e dois números reais x1 e x2:

25
MATEMÁTICA

Exemplos:
(PETROBRAS-GEOFISICO JUNIOR – CESGRANRIO) Se log x representa o logaritmo na base 10 de x, então o valor de n tal que log n =
3 - log 2 é:
(A) 2000
(B) 1000
(C) 500
(D) 100
(E) 10

Resolução:
log n = 3 - log 2
log n + log 2 = 3 * 1
onde 1 = log 10 então:
log (n * 2) = 3 * log 10
log(n*2) = log 10 ^3
2n = 10^3
2n = 1000
n = 1000 / 2
n = 500
Resposta: C

(MF – ASSISTENTE TÉCNICO ADMINISTRATIVO – ESAF) Sabendo-se que log x representa o logaritmo de x na base 10, calcule o valor
da expressão log 20 + log 5.
(A) 5
(B) 4
(C) 1
(D) 2
(E) 3

Resolução:
E = log20 + log5
E = log(2 x 10) + log5
E = log2 + log10 + log5
E = log10 + log (2 x 5)
E = log10 + log10
E = 2 log10
E=2
Resposta: D

Funções trigonométricas
Podemos generalizar e escrever todos os arcos com essa característica na seguinte forma: π/2 + 2kπ, onde k Є Z. E de uma forma geral
abrangendo todos os arcos com mais de uma volta, x + 2kπ.
Estes arcos são representados no plano cartesiano através de funções circulares como: função seno, função cosseno e função tangen-
te.

• Função Seno
É uma função f : R → R que associa a cada número real x o seu seno, então f(x) = sem x. O sinal da função f(x) = sem x é positivo no 1º
e 2º quadrantes, e é negativo quando x pertence ao 3º e 4º quadrantes.

26
MATEMÁTICA

• Função Cosseno
É uma função f : R → R que associa a cada número real x o seu cosseno, então f(x) = cos x. O sinal da função f(x) = cos x é positivo no
1º e 4º quadrantes, e é negativo quando x pertence ao 2º e 3º quadrantes.

27
MATEMÁTICA
• Função Tangente
É uma função f : R → R que associa a cada número real x a sua tangente, então f(x) = tg x.
Sinais da função tangente:
- Valores positivos nos quadrantes ímpares.
- Valores negativos nos quadrantes pares.
- Crescente em cada valor.

MATRIZES. DETERMINANTES. SISTEMAS LINEARES

Matriz
Uma matriz é uma tabela de números reais dispostos segundo linhas horizontais e colunas verticais.
O conjunto ordenado dos números que formam a tabela, é denominado matriz, e cada número pertencente a ela é chamado de ele-
mento da matriz.

• Tipo ou ordem de uma matriz


As matrizes são classificadas de acordo com o seu número de linhas e de colunas. Assim, a matriz representada a seguir é denominada
matriz do tipo, ou ordem, 3 x 4 (lê-se três por quatro), pois tem três linhas e quatro colunas. Exemplo:

28
MATEMÁTICA
• Representação genérica de uma matriz
Costumamos representar uma matriz por uma letra maiúscula (A, B, C...), indicando sua ordem no lado inferior direito da letra. Quan-
do desejamos indicar a ordem de modo genérico, fazemos uso de letras minúsculas. Exemplo: Am x n.
Da mesma maneira, indicamos os elementos de uma matriz pela mesma letra que a denomina, mas em minúscula. A linha e a coluna
em que se encontra tal elemento é indicada também no lado inferior direito do elemento. Exemplo: a11.

Exemplo:
(PM/SE – SOLDADO 3ª CLASSE – FUNCAB) A matriz abaixo registra as ocorrências policiais em uma das regiões da cidade durante
uma semana.

Sendo M=(aij)3x7 com cada elemento aij representando o número de ocorrência no turno i do dia j da semana.
O número total de ocorrências no 2º turno do 2º dia, somando como 3º turno do 6º dia e com o 1º turno do 7º dia será:
(A) 61
(B) 59
(C) 58
(D) 60
(E) 62

Resolução:
Turno i –linha da matriz
Turno j- coluna da matriz
2º turno do 2º dia – a22=18
3º turno do 6º dia-a36=25
1º turno do 7º dia-a17=19
Somando:18+25+19=62
Resposta: E

• Igualdade de matrizes
Duas matrizes A e B são iguais quando apresentam a mesma ordem e seus elementos correspondentes forem iguais.

• Operações com matrizes


– Adição: somamos os elementos correspondentes das matrizes, por isso, é necessário que as matrizes sejam de mesma ordem.
A=[aij]m x n; B = [bij]m x n, portanto C = A + B ⇔ cij = aij + bij.

29
MATEMÁTICA
Exemplo:
(PM/SP – SARGENTO CFS – CETRO) Considere a seguinte sentença envolvendo matrizes:

Diante do exposto, assinale a alternativa que apresenta o valor de y que torna a sentença verdadeira.
(A) 4.
(B) 6.
(C) 8.
(D) 10.

Resolução:

y=10
Resposta: D

– Multiplicação por um número real: sendo k ∈ R e A uma matriz de ordem m x n, a matriz k . A é obtida multiplicando-se todos os
elementos de A por k.

– Subtração: a diferença entre duas matrizes A e B (de mesma ordem) é obtida por meio da soma da matriz A com a oposta de B.

– Multiplicação entre matrizes: consideremos o produto A . B = C. Para efetuarmos a multiplicação entre A e B, é necessário, antes de
mais nada, determinar se a multiplicação é possível, isto é, se o número de colunas de A é igual ao número de linhas de B, determinando
a ordem de C: Am x n x Bn x p = Cm x p, como o número de colunas de A coincide com o de linhas de B(n) então torna-se possível oproduto, e a
matriz C terá o número de linhas de A(m) e o número de colunas de B(p)

De modo geral, temos:

Exemplo:

30
MATEMÁTICA
(CPTM – ALMOXARIFE – MAKIYAMA) Assinale a alternativa que apresente o resultado da multiplicação das matrizes A e B abaixo:

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)

Resolução:

Resposta: B
• Casos particulares
– Matriz identidade ou unidade: é a matriz quadrada que possui os elementos de sua diagonal principal iguais a 1 e os demais ele-
mentos iguais a 0. Indicamos a matriz identidade de Ιn, onde n é a ordem da matriz.

– Matriz transposta: é a matriz obtida pela troca ordenada de linhas por colunas de uma matriz. Dada uma matriz A de ordem m x n,
obtém-se uma outra matriz de ordem n x m, chamada de transposta de A. Indica-se por At.

Exemplo:
(CPTM – ANALISTA DE COMUNICAÇÃO JÚNIOR – MAKIYAMA) Para que a soma de uma matrize sua respectiva matriz transposta At
em uma matriz identidade, são condições a serem cumpridas:
(A) a=0 e d=0
(B) c=1 e b=1
(C) a=1/c e b=1/d
(D) a²-b²=1e c²-d²=1
(E) b=-ce a=d=1/2

31
MATEMÁTICA
Resolução:

2a=1
a=1/2
b+c=0
b=-c
2d=1
D=1/2
Resposta: E

– Matriz inversa: dizemos que uma matriz quadrada A, de ordem n, admite inversa se existe uma matriz A-1, tal que:

Determinantes
Determinante é um número real associado a uma matriz quadrada. Para indicar o determinante, usamos barras. Seja A uma matriz
quadrada de ordem n, indicamos o determinante de A por:

• Determinante de uma matriz de 1ª- ordem


A matriz de ordem 1 só possui um elemento. Por isso, o determinante de uma matriz de 1ª ordem é o próprio elemento.

• Determinante de uma matriz de 2ª- ordem


Em uma matriz de 2ª ordem, obtém-se o determinante por meio da diferença do produto dos elementos da diagonal principal pelo
produto dos elementos da diagonal secundária.

Exemplo:
(PM/SP – SARGENTO CFS – CETRO) É correto afirmar que o determinante é igual a zero para x igual a
(A) 1.
(B) 2.
(C) -2.
(D) -1.

Resolução:
D = 4 - (-2x)
0 = 4 + 2x
x=-2

Resposta: C

• Regra de Sarrus
Esta técnica é utilizada para obtermos o determinante de matrizes de 3ª ordem. Utilizaremos um exemplo para mostrar como aplicar
a regra de Sarrus. A regra de Sarrus consiste em:
a) Repetir as duas primeiras colunas à direita do determinante.
b) Multiplicar os elementos da diagonal principal e os elementos que estiverem nas duas paralelas a essa diagonal, conservando os
sinais desses produtos.

32
MATEMÁTICA
c) Efetuar o produto dos elementos da diagonal secundária e dos elementos que estiverem nas duas paralelas à diagonal e multipli-
cá-los por -1.
d) Somar os resultados dos itens b e c. E assim encontraremos o resultado do determinante.

Simplificando temos:

Exemplo:
(PREF. ARARAQUARA/SP – AGENTE DA ADMINISTRAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO – CETRO) Dada a matriz

, assinale a alternativa que apresenta o valor do determinante de A é

(A) -9.
(B) -8.
(C) 0.
(D) 4.

Resolução:

detA = - 1 – 4 + 2 - (2 + 2 + 2) = - 9

Resposta: A

• Teorema de Laplace
Para matrizes quadradas de ordem n ≥ 2, o teorema de Laplace oferece uma solução prática no cálculo dos determinantes. Pelo teo-
rema, o determinante de uma matriz quadrada A de ordem n (n ≥ 2) é igual à soma dos produtos dos elementos de uma linha ou de uma
coluna qualquer, pelos respectivos co-fatores. Exemplo:

Dada a matriz quadrada de ordem 3, , vamos calcular det A usando o teorema de Laplace.
Podemos calcular o determinante da matriz A, escolhendo qualquer linha ou coluna. Por exemplo, escolhendo a 1ª linha, teremos:
det A = a11. A11 + a12. A12 + a13. A13

33
MATEMÁTICA

Portanto, temos que:


det A = 3. (-21) + 2. 6 + 1. (-12) ⇒ det A = -63 + 12 – 12 ⇒ det A = -63

Exemplo:
(TRANSPETRO – ENGENHEIRO JÚNIOR – AUTOMAÇÃO – CESGRANRIO) Um sistema dinâmico, utilizado para controle de uma rede
automatizada, forneceu dados processados ao longo do tempo e que permitiram a construção do quadro abaixo.

1 3 2 0
3 1 0 2
2 3 0 1
0 2 1 3

A partir dos dados assinalados, mantendo-se a mesma disposição, construiu-se uma matriz M. O valor do determinante associado à
matriz M é
(A) 42
(B) 44
(C) 46
(D) 48
(E) 50

Resolução:

Como é uma matriz 4x4 vamos achar o determinante através do teorema de Laplace. Para isso precisamos, calcular os cofatores. Dica:
pela fileira que possua mais zero. O cofator é dado pela fórmula: . Para o determinante é usado os números que
sobraram tirando a linha e a coluna.

Resposta: D

• Determinante de uma matriz de ordem n > 3


Para obtermos o determinante de matrizes de ordem n > 3, utilizamos o teorema de Laplace e a regra de Sarrus.

34
MATEMÁTICA
Exemplo:

Escolhendo a 1ª linha para o desenvolvimento do teorema de Laplace. Temos então:


det A = a11. A11 + a12. A12 + a13. A13 + a14. A14

Como os determinantes são, agora, de 3ª ordem, podemos aplicar a regra de Sarrus em cada um deles. Assim:
det A= 3. (188) - 1. (121) + 2. (61) ⇒ det A = 564 - 121 + 122 ⇒ det A = 565

• Propriedades dos determinantes


a) Se todos os elementos de uma linha ou de uma coluna são nulos, o determinante é nulo.

b) Se uma matriz A possui duas linhas ou duas colunas iguais, então o determinante é nulo.

c) Em uma matriz cuja linha ou coluna foi multiplicada por um número k real, o determinante também fica multiplicado pelo mesmo
número k.

d) Para duas matrizes quadradas de mesma ordem, vale a seguinte propriedade:

det (A. B) = det A + det B.

e) Uma matriz quadrada A será inversível se, e somente se, seu determinante for diferente de zero.

35
MATEMÁTICA
Sistemas lineares
Entendemos por sistema linear um conjunto de equações li-
neares reunidas com o objetivo de se obterem soluções comuns a
todas essas equações.

• Equação linear
Chamamos de equações lineares as equações do 1º grau que
apresentam a forma:
a1x1 + a2x2 + a3x3+...anxn = b,
Portanto, podemos escrever o sistema sob a forma matricial:
onde a1, a2, a3,.., an e b são números reais
x1, x2, x3,.., xn são as incógnitas.
Os números reais a1, a2, a3..., an são chamados de coeficientes e
b é o termo independente.

ATENÇÃO: TODOS os expoentes de todas as variáveis são


SEMPRE iguais a 1.

• Solução de uma equação linear


Dada uma equação linear com n incógnitas: • Sistema normal
a1x1 + a2x2 + ... + anxn = b, temos que sua solução é a sequência É o sistema em que o número de equações é igual ao número
de números reais (k1, k2, ..., kn) que, colocados correspondentemen- de incógnitas (m = n) e o determinante da matriz dos coeficientes é
te no lugar de x1, x2, ..., xn, tornam verdadeira a igualdade. diferente de zero.
Quando a equação linear for homogênea, então ela admitirá
pelo menos a solução (0, 0, ..., 0), chamada de solução trivial. Exemplo:
Dado o sistema S: , temos
• Representação genérica de um sistema linear
Um sistema linear de m equações nas n incógnitas x1, x2, ..., xn
é da forma:

Logo, o sistema linear S é normal.

• Classificação de um sistema linear


Classificar um sistema linear é considerá-lo em relação ao nú-
onde a11, a12 , ..., an e b1, b2 , ..., bn são números reais. mero de soluções que ele apresenta. Assim, os sistemas lineares
podem ser:
Se o conjunto de números reais (k1, k2, ..., kn) torna verdadeiras a) Sistema impossível ou incompatível: quando não admite so-
todas as equações do sistema, dizemos que esse conjunto é solu- lução. O sistema não admite solução quando o det A for nulo, e pelo
ção do sistema linear. Como as equações lineares são homogêneas menos um dos determinantes relativos às incógnitas for diferente
quando b = 0, então, consequentemente, um sistema linear será de zero, isto é: det A 1 0 ou det A2 0 ou ... ou det An 0.
homogêneo quando b1 = b2 = ... = bn = 0. Assim, o sistema admitirá b) Sistema possível ou compatível: quando admite pelo menos
a solução trivial, (0, 0, ... 0). uma solução. Este sistema pode ser:
– Determinado: quando admitir uma única solução. ‘O sistema
Exemplo: é determinado quando det A 0.
Na equação 4x – y = 2, o par ordenado (3,10) é uma solução, Em resumo temos:
pois ao substituirmos esses valores na equação obtemos uma igual-
dade.
4. 3 – 10 → 12 – 10 = 2
Já o par (3,0) não é a solução, pois 4.3 – 0 = 2 → 12 ≠ 2

• Representação de um sistema linear por meio de matrizes


Um sistema linear de m equações com n incógnitas pode ser
escrito sob a forma de matrizes, bastando separar seus componen-
tes por matriz.
Sejam:
Amn ⇒ a matriz dos coeficientes das incógnitas;
Xn1 ⇒ a matriz das incógnitas;
Bn1 ⇒ a matriz dos termos independentes.

36
MATEMÁTICA
• Regra de Cramer
Para a resolução de sistemas normais, utilizaremos a regra de
Cramer.

Consideramos os sistemas .

Suponhamos que a ≠ 0. Observamos que a matriz incompleta


desse sistema é

, cujo determinante é indicado por D = ad – bc.


Uma alternativa para encontrar o valor de z seria substituir x
por -2 e y por 3 em qualquer uma das equações do sistema.
Escalonando o sistema, obtemos: Assim, S = {(-2,3-1)}.

Exemplos:
(UNIOESTE – ANALISTA DE INFORMÁTICA – UNIOESTE) Consi-
dere o seguinte sistema de equações lineares

Se substituirmos em M a 2ª coluna (dos coeficientes de y) pela


coluna dos coeficientes independentes, obteremos , cujo de-
terminante é indicado por Dy = af – ce.
Assim, em (*), na 2ª equação, obtemos D. y = Dy. Se D ≠ 0, se-
gue que

Substituindo esse valor de y na 1ª equação de (*) e conside- Assinale a alternativa correta.


rando a matriz , cujo determinante é indicado por Dx = ed – bf, (A) O determinante da matriz dos coeficientes do sistema é um
obtemos , D ≠ 0. número estritamente positivo.
(B) O sistema possui uma única solução (1, 1, -1).
(C) O sistema possui infinitas soluções.
(D) O posto da matriz ampliada associada ao sistema é igual a
3.
Em síntese, temos: (E) Os vetores linha (1, 2, 3/2) e (2, 4, 3) não são colineares.

O sistema é possível e determinado quando Resolução:


, e a solução desse sistema é dada por:

O sistema pode ser SI(sistema impossível) ou SPI(sistema pos-


Esta regra é um importante recurso na resolução de sistemas sível indeterminado)
lineares possíveis e determinados, especialmente quando o escalo- Para ser SI Dx = 0 e SPI Dx ≠ 0
namento se torna trabalhoso (por causa dos coeficientes das equa-
ções) ou quando o sistema é literal.

Exemplo:
Aplicando a Regra de Cramer para resolver os sistemas

Dx ≠ 0, portanto o sistema tem infinitas soluções.


Resposta: C
Temos que , dessa forma, SPD.
(SEDUC/RJ - PROFESSOR – MATEMÁTICA – CEPERJ) Sabendo-
-se que 2a + 3b + 4c = 17 e que 4a + b - 2c = 9, o valor de a + b + c é:
(A) 3.
(B) 4.
(C) 5.
(D) 6.
(E) 7.

37
MATEMÁTICA
Resolução:
(I) 2a + 3b + 4c = 17 x(-2)
(II) 4a + b – 2c = 9
Multiplicamos a primeira equação por – 2 e somamos com a segunda, cancelando a variável a:
(I) 2a + 3b + 4c = 17
(II) – 5b – 10c = - 25: (- 5)

Então:
(I) 2a + 3b + 4c = 17
(II) b +2c = 5
Um sistema com três variáveis e duas equações é possível e indeterminado (tem infinitas soluções), então fazendo a variável c = α
(qualquer letra grega).
Substituímos c em (II):
b + 2α = 5
Reposta: D

SEQUÊNCIAS.PROGRESSÕES ARITMÉTICAS E PROGRESSÕES GEOMÉTRICAS

Progressão aritmética (P.A.)


É toda sequência numérica em que cada um de seus termos, a partir do segundo, é igual ao anterior somado a uma constante r, de-
nominada razão da progressão aritmética. Como em qualquer sequência os termos são chamados de a1, a2, a3, a4,.......,an,....

• Cálculo da razão
A razão de uma P.A. é dada pela diferença de um termo qualquer pelo termo imediatamente anterior a ele.
r = a2 – a1 = a3 – a2 = a4 – a3 = a5 – a4 = .......... = an – an – 1

Exemplos:
- (5, 9, 13, 17, 21, 25,......) é uma P.A. onde a1 = 5 e razão r = 4
- (2, 9, 16, 23, 30,.....) é uma P.A. onde a1 = 2 e razão r = 7
- (23, 21, 19, 17, 15,....) é uma P.A. onde a1 = 23 e razão r = - 2.

• Classificação
Uma P.A. é classificada de acordo com a razão.

Se r > 0 ⇒ CRESCENTE. Se r < 0 ⇒ DECRESCENTE. Se r = 0 ⇒ CONSTANTE.

• Fórmula do Termo Geral


Em toda P.A., cada termo é o anterior somado com a razão, então temos:
1° termo: a1
2° termo: a2 = a1 + r
3° termo: a3 = a2 + r = a1 + r + r = a1 + 2r
4° termo: a4 = a3 + r = a1 + 2r + r = a1 + 3r
5° termo: a5 = a4 + r = a1 + 3r + r = a1 + 4r
6° termo: a6 = a5 + r = a1 + 4r + r = a1 + 5r
......
......
......
n° termo é:

38
MATEMÁTICA

Exemplo:
(PREF. AMPARO/SP – AGENTE ESCOLAR – CONRIO) Descubra o 99º termo da P.A. (45, 48, 51,...)
(A) 339
(B) 337
(C) 333
(D) 331

Resolução:

Resposta: A

Propriedades
1) Numa P.A. a soma dos termos equidistantes dos extremos é igual à soma dos extremos.
2) Numa P.A. com número ímpar de termos, o termo médio é igual à média aritmética entre os extremos.

Exemplo:

3) A sequência (a, b, c) é P.A. se, e somente se, o termo médio é igual à média aritmética entre a e c, isto é:

39
MATEMÁTICA
Soma dos n primeiros termos

Progressão geométrica (P.G.)


É uma sequência onde cada termo é obtido multiplicando o anterior por uma constante. Essa constante é chamada de razão da P.G.
e simbolizada pela letra q.

Cálculo da razão
A razão da P.G. é obtida dividindo um termo por seu antecessor. Assim: (a1, a2, a3, ..., an - 1, an, ...) é P.G. ⇔ an = (an - 1) q, n ≥ 2

Exemplos:

Classificação
Uma P.G. é classificada de acordo com o primeiro termo e a razão.

CRESCENTE DECRESCENTE ALTERNANTE CONSTANTE SINGULAR


a1 > 0 e q > 1 a1 > 0 e 0 < q < 1 Cada termo apresenta sinal contrário q = 1. a1 = 0
ou quando ou quando ao do anterior. Isto ocorre quando. (também é chamada de Esta- ou
a1 < 0 e 0 < q < 1. a1 < 0 e q > 1. q<0 cionária) q = 0.

Fórmula do termo geral


Em toda P.G. cada termo é o anterior multiplicado pela razão, então temos:
1° termo: a1
2° termo: a2 = a1.q
3° termo: a3 = a2.q = a1.q.q = a1q2
4° termo: a4 = a3.q = a1.q2.q = a1.q3
5° termo: a5 = a4.q = a1.q3.q = a1.q4
.....
.....
.....

40
MATEMÁTICA
n° termo é:

Exemplo:
(TRF 3ª – ANALISTA JUDICIÁRIO - INFORMÁTICA – FCC) Um tabuleiro de xadrez possui 64 casas. Se fosse possível colocar 1 grão de
arroz na primeira casa, 4 grãos na segunda, 16 grãos na terceira, 64 grãos na quarta, 256 na quinta, e assim sucessivamente, o total de
grãos de arroz que deveria ser colocado na 64ª casa desse tabuleiro seria igual a
(A) 264.
(B) 2126.
(C) 266.
(D) 2128.
(E) 2256.

Resolução:
Pelos valores apresentados, é uma PG de razão 4
a64 = ?
a1 = 1
q=4
n = 64

Resposta: B

Propriedades
1) Em qualquer P.G., cada termo, exceto os extremos, é a média geométrica entre o precedente e o consequente.
2) Em toda P.G. finita, o produto dos termos equidistantes dos extremos é igual ao produto dos extremos.

3) Em uma P.G. de número ímpar de termos, o termo médio é a média geométrica entre os extremos.
Em síntese temos:

4) Em uma PG, tomando-se três termos consecutivos, o termo central é a média geométrica dos seus vizinhos.

41
MATEMÁTICA
Soma dos n primeiros termos
A fórmula para calcular a soma de todos os seus termos é dada
ANOTAÇÕES
por:
______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________
Produto dos n termos
______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________
Temos as seguintes regras para o produto:
1) O produto de n números positivos é sempre positivo. ______________________________________________________
2) No produto de n números negativos:
______________________________________________________
a) se n é par: o produto é positivo.
b) se n é ímpar: o produto é negativo. ______________________________________________________
Soma dos infinitos termos ______________________________________________________
A soma dos infinitos termos de uma P.G de razão q, com -1 < q
< 1, é dada por: ______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________
Exemplo:
A soma dos elementos da sequência numérica infinita (3; 0,9; ______________________________________________________
0,09; 0,009; …) é
(A) 3,1 ______________________________________________________
(B) 3,9
(C) 3,99 ______________________________________________________
(D) 3, 999
______________________________________________________
(E) 4
______________________________________________________

______________________________________________________
Resolução:
Sejam S as somas dos elementos da sequência e S1 a soma da _____________________________________________________
PG infinita (0,9; 0,09; 0,009;…) de razão q = 0,09/0,9 = 0,1. Assim:
S = 3 + S1 _____________________________________________________
Como -1 < q < 1 podemos aplicar a fórmula da soma de uma PG
infinita para obter S1: ______________________________________________________
S1 = 0,9/(1 - 0,1) = 0,9/0,9 = 1 → S = 3 + 1 = 4
______________________________________________________
Resposta: E
______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

42
ATUALIDADES DO MERCADO FINANCEIRO
1. Os bancos na Era Digital: Atualidade, tendências e desafios. Internet banking. Mobile banking. Open banking. Novos modelos de ne-
gócios. Fintechs, startups e big techs. Sistema de bancos-sombra (Shadow banking) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Funções da moeda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
3. O dinheiro na era digital: blockchain, bitcoin e demais criptomoedas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
4. Marketplace . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
5. Correspondentes bancários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
6. Arranjos de pagamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
7. Sistema de pagamentos instantâneos (PIX) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
8. Segmentação e interações digitais. Transformação digital no Sistema Financeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
ATUALIDADES DO MERCADO FINANCEIRO
• Cartão de crédito – Incentiva o consumo, pois o pagamento
OS BANCOS NA ERA DIGITAL: ATUALIDADE, TEN- de suas compras ocorrerá apenas no vencimento da fatura, inclusi-
DÊNCIAS E DESAFIOS-INTERNET BANKING.MOBILE ve em parcelas.
BANKING. OPEN BANKING. NOVOS MODELOS DE NE- • Cartões múltiplos – Que exercem duas funções simultâneas
GÓCIOS.FINTECHS, STARTUPS E BIG TECHS.SISTEMA (débito e crédito).
DE BANCOS-SOMBRA (SHADOW BANKING).O DINHEI-
RO NA ERA DIGITAL: BLOCKCHAIN, BITCOIN E DEMAIS Mobile banking
CRIPTOMOEDAS.SEGMENTAÇÃO E INTERAÇÕES DIGI- É a tecnologia do banco voltada para a tela do celular ou outros
TAIS. TRANSFORMAÇÃO DIGITAL NO SISTEMA FINAN- dispositivos móveis, 365 dias por ano, permitindo a realização de
CEIRO diversas transações financeiras através de aplicativos que são bai-
xados em smartphones, relógios inteligentes, etc.
Presente, tendências e desafios Possibilita aos clientes rapidez e comodidade, devido acesso
Os bancos “tradicionais” já utilizam a tecnologia para oferecer em qualquer localidade e sem a necessidade de idas as agências
serviços e facilidades aos seus clientes. Seja através de internet físicas; o que também reduz custos das instituições financeiras.
banking ou móbile banking. No entanto, esses bancos precisam ino-
var tecnologicamente o mais rápido possível, caso contrário, serão Open banking e o modelo de bank as a service
substituídos pelos bancos digitais.
O maior desafio de um banco digital no Brasil é transformar Open Banking
uma cultura de muitos anos de contatos diretos com atendentes, É um conjunto de práticas que torna o cliente detentor de seus
gerentes e pagamentos via operadores de caixa em agências físi- dados financeiros, como por exemplo, datas e valores de transfe-
cas para o atendimento virtual. Pois ainda existe a desconfiança de rências, pagamentos, ou produtos que selecionou para investimen-
muitos clientes, principalmente aqueles com idades mais elevadas; tos. O que proporciona inovação e concorrência entre os serviços
inclusive a dificuldade e insegurança para o acesso. financeiros.
Para conquistarem mais clientes, os bancos digitais inovam Em abril de 2019, o Banco Central do Brasil, iniciou a imple-
cada vez mais em tecnologia e resolução de problemas de forma mentação do Open Banking no Brasil.
mais simples e rápido, trazendo um conceito de valor e utilidade Essas novas ações possibilitam que o consumidor tenha o po-
para seus usuários. der de escolha de transferir seus dados do banco A para o banco
B; pois acredita, por exemplo, que no segundo banco terá melhor
Internet banking, banco virtual e “dinheiro de plástico” condições de taxas de juros, tarifas ou até mesmo, melhor atendi-
mento.
Internet Banking Assim, o usuário tem a propriedade de seus dados e escolhe
É a plataforma bancária que utiliza a tecnologia como sua alia- com quem compartilhá-los.
da. É o ambiente que fica na internet em que os clientes realizam
operações bancárias, em ambiente fora da agência. Modelo de bank as a service
No site do banco, os clientes podem realizar operações de ex- Também conhecido por “banco como serviço”, é uma solução
tratos, saldos, pagamentos, empréstimos, etc.; permitindo que as que tem o potencial de ampliar a competitividade e a colaboração
movimentações sejam realizadas com mais conforto e comodidade, na prestação de serviços financeiros.
pois não há necessidade de se deslocar até uma agência. Com o bank as a service, empresas de qualquer segmento de
mercado, passam a ter condições de oferecer serviços bancários de
Banco virtual uma forma simples e rápida.
São plataformas tecnológicas, também conhecidas como finte- Os grandes benefícios para o consumidor é a variedade de em-
chs (empresas que inovaram no modelo de negócios e operação) do presas oferecendo serviços bancários, as filas em bancos ficam ape-
Sistema Financeiro Nacional. nas na lembrança, pois tudo é realizado por meio digital.
Foram criados para com a intenção de permitir o acesso ao siste-
ma bancário aos brasileiros que não tem acesso aos bancos comuns. O comportamento do consumidor na relação com o banco
Toda sua operação é realizada de modo virtual, sem agências fí- Cada vez mais ligados as tecnologias, consumidores tem bus-
sicas abertas. Desde a abertura de contas até as movimentações de cado facilidade, comodidade e rapidez nos serviços em geral. Em
pagamentos, consultas diversas, transferências são realizadas por relação aos serviços bancários não seria diferente.
meio de sites ou aplicativos. Os bancos digitais preencheram grande parte dessas necessi-
dades, através da redução de burocracia, fim das filas e idas em
“Dinheiro de plástico” agências físicas dos bancos tradicionais. Com essas instituições já é
É o meio físico de pagamento, mais conhecido como “cartão”, possível abrir contas, realizar aplicações, obter financiamentos por
utilizado para pagamentos, saques e diversas movimentações em aplicativos de forma rápida e segura.
caixas eletrônicos. Desde a entrada dos bancos virtuais, os clientes mudaram o
Facilitam na rapidez e no sentido de evitar idas nas agências, ape- relacionamento e o comportamento com os bancos, deixando a de-
nas para tais serviços. Promove também o conforto e a segurança do pendência física das agências, passando a se comunicar pelo inter-
cliente que não necessita da utilização de dinheiro em espécie para net banking e móbile banking na utilização dos serviços financeiros.
suas operações financeiras. Reduz custos para as instituições financei-
ras e promove a garantia do recebimento para os comerciantes. A experiência do usuário
Os cartões mais utilizados são: A experiência do usuário (user experience – UX) é o termo uti-
• Cartões de débito – Débito automático na conta do cliente lizado para mencionar a relação de uma pessoa com um produto,
do valor referente a compra. Segurança também para o estabele- serviço, objeto, etc. Essa relação de utilidade vai definir se a expe-
cimento, pois tem a certeza que o pagamento já saiu da conta do riência foi boa ou ruim.
cliente.

1
ATUALIDADES DO MERCADO FINANCEIRO
Os bancos digitais tem concentrado todos os esforços para que Fintechs, Startups e Big Techs
a experiências de seus clientes seja a melhor possível. Para isso, de- As fintechs (finanças + tecnologia) são startups que trabalham
senvolvem a todo momento, produtos e serviços que atendam às para otimizar o processo tradicional dos serviços financeiros e tam-
necessidades dos usuários, tanto na forma de redução de burocra- bém resolver através da tecnologia, problemas específicos de pes-
cia de atendimento, facilidade e rapidez na solução de problemas, soas físicas ou jurídicas.
realização de tarefas de maneira mais ágil. Em geral, trazem produtos altamente inovadores, simples e
São produtos e serviços cada vez mais inovadores e tecnológi- muito eficientes. Muitas vezes, analisando e preenchendo espaços
cos, que proporcionam aos clientes e as empresas geração de valor. que deveriam ser dos bancos tradicionais, atendendo um público
Segmentação e interações digitais que em muitos casos, não tem acesso as instituições financeiras
Devido a facilidade de interação com a tecnologia, os usuários comuns.
que mais crescem entre os clientes dos bancos digitais, são os jo- Big Techs são grandes empresas de tecnologia que dominam o
vens. Público que antigamente não se importava por assuntos de mercado, moldam como as pessoas compra, vendem, consomem e
dinheiro, tem se mostrado cada vez mais interessados nos produtos trabalham. Tem como motor a inovação, sempre definindo novas
e serviços dos bancos digitais, que prezam pela resolução de pro- tecnologias e serviços. Entre as principais estão a Apple, Amazon e
blemas. Microsoft.
Diferente dos bancos tradicionais, os virtuais trazem rapidez,
inovação e inclusive linguagens mais fáceis de entendimento. Soluções mobile e service design
Com o objetivo de ampliar o acesso de muitas pessoas a ser-
viços financeiros, essas instituições identificaram espaços para in- Soluções Mobile
clusão de produtos e serviços, inclusive para quem não tem vínculo Utilização de aplicativos na tecnologia da resolução das ne-
com os bancos. Por exemplo, cartão de crédito pré-pago. cessidades dos clientes. Para que esse processo ocorra de maneira
Ou seja, o segmento de seus clientes é muito variado, embora mais eficaz, é necessário identificar quais serviços e produtos os
os mais jovens sejam “mais simpáticos” e confiantes com serviços usuários mais precisam.
prestados de forma virtual. No sistema bancário, são os aplicativos que permitem abertura
Além da qualidade dos serviços oferecidos, os bancos digitais de conta e a realização de todas as transações bancárias e atendi-
atraem seus clientes pelas tarifas bem mais baixas que os demais mento ao cliente no local em que estiver, através de um smartpho-
bancos e a simplicidade e comodidade de ter um banco acessível a ne.
qualquer momento e lugar.
Service Design
Inteligência artificial cognitiva Serviço capaz de oferecer aos clientes utilidade, eficiência, efi-
É a utilização da inteligência de computadores (robôs) que cácia, ou seja, o serviço que é reconhecido pelos clientes a ponto de
adquirem conhecimento com o passar do tempo. Ao utilizar essa gerar valor para ambas as partes.
tecnologia em seus serviços, as instituições financeiras tem como No setor financeiro, os bancos digitais procuram oferecer servi-
objetivo principal, a eficácia, rapidez no atendimento. E personali- ços de qualidade, otimizando tempo e custos de clientes e trazendo
zação dos serviços oferecidos. soluções simples e rápidas para problemas financeiros.
A cada acesso, o computador é abastecido com as informações
do cliente, percebendo suas necessidades e preferências, por isso O dinheiro na era digital: blockchain, bitcoin e demais cripto-
que o sistema fica cada vez mais inteligente; por exemplo, ao aces- moedas
sar o internet banking. É a tecnologia em constante desenvolvimen-
to. Blockchain
Essa tecnologia é utilizada principalmente no atendimento te- É a tecnologia que permite o registro de informações de forma
lefônico das instituições, nos caixas eletrônicos através da leitura segura. Através dela, ocorre a transferência de valores digitalmente
biométrica e também na internet e móbile banking. mesmo sem a intermediação de instituições financeiras. Devido seu
nível de segurança, não há necessidade da confiança entre terceiros
para as transações.
Banco digitalizado versus banco digital
Essa tecnologia pode ter outras funções, como a utilização na
Banco digitalizado é a modalidade já conhecida de bancos
indústria, para que a cadeia produtiva seja mais passível de rastrea-
“tradicionais” (Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, etc.) que
mento e suas informações fiquem registradas de forma imutável e,
utilizaram a tecnologia para modernizar o atendimento e inovar o
ainda, para que seus dados seu se percam.
modo como seus clientes realizam as transações. Através da digita-
Tudo pode ser registrado na blockchain, pois sua composição
lização, conseguiram mudar o foco das agências para internet ban-
se assemelha a uma grande biblioteca e a chave pública pode ser
king e móbile banking. comparada a pastas de arquivos.
Porém, mesmo passando por essa inovação, não são totalmen- Para utilizar seus recursos, os usuários devem possuir um ende-
te digitais e ainda possuem agências físicas para apoio presencial reço na própria blockchain.
com operadores de caixa, atendentes e gerentes.
Os bancos digitais são aqueles totalmente virtuais, não pos- Bitcoin
suem atendimento em agências físicas, por exemplo, Nubank e Bitcoin é uma moeda em forma de código, que não existe fisi-
Neon. camente e não tem um banco central que organize sua organização.
Já foram criados nesse novo conceito e seus clientes utilizam Ou seja, só existe no mundo virtual.
100% de internet banking e móbile banking para realizar operações Ela surgiu em 2008, tendo sua criação associada a um grupo de
como pagamentos, transferências, consultas, etc.; o saque ocorre a um grupo de programadores, usando um pseudônimo de Satoshi
em caixas eletrônicos espalhados por estabelecimentos diversos. Nakamoto. Para isso, seus criadores utilizaram a soma do processa-
Para abrir uma conta nos bancos digitais, todo o processo é via mento de seus computadores para acelerar tal ação; pois um com-
ambiente virtual. O interessado se cadastra, faz a solicitação e após putador apenas levaria aproximadamente um ano para a realização
aprovação; envia os documentos e assinatura digitalizados. de uma fração de bitcoin.

2
ATUALIDADES DO MERCADO FINANCEIRO
Para ser dono de bitcoins é necessário possuir uma carteira vir- Por fim, como unidade de conta, disse-se que a moeda é utiliza-
tual, representada por um aplicativo em que fica armazenado uma da como base para medir o preço dos demais bens. Ou seja, no caso
sequência de letras, que representa o dinheiro do comprador. Caso da nossa moeda, os bens em si passam a ser medidos e avaliados
esse código seja perdido, o resultado será a perda do investimento. em “quantos reais” são necessários para adquiri-los.
Atualmente existem diversas corretoras que trabalham com a
venda de bitcoins.

Demais criptomoedas MARKETPLACE


As principais criptomoedas negociadas são:
• XRP Ripple – Criptomoeda centralizada, projetada para au- Marketplace
xiliar instituições financeirasa movimentar dinheiro de forma mais É uma plataforma online que conecta ofertas de produtos
rápida, global e também com redução de custos. e serviços. Ela reúne vendedores e prestadores de serviço em
• Litecan – Criptomoeda criada para transações mais rápidas e um único lugar onde clientes pode acessar e fazer suas compras.
com menos custos que a bitcoin, para ser utilizada em pagamentos Basicamente, Marketplace é um shopping center online.
do dia a dia. Um Marketplace oferece vantagens para todos os envolvi-
• Bitcoin Cash – Projetada para transações mais rápidas e roti- dos. Primeiramente o fornecedor da plataforma vende produ-
neiras, com taxas mais baixas. tos sem precisar se preocupar em possuir tais produtos, visto
• Ethereum – Blockchain que permite o armazenamento de que recebe comissão sobre a vende dos lojistas cadastrados;
contratos inteligentes e aplicativos em sua rede. Utiliza como crip- em segundo os lojistas e fornecedores têm acesso a uma vitrine
tomoeda a Ether, lançada em 2017. online, com preços acessíveis de assinatura, onde podem expor
seu produtos para o Brasil e o mundo, excluindo muitas vezes
Sistema de bancos-sombra (shadow banking) a necessidade de lojas físicas, por exemplo, e eliminando boa
É um conjunto de operações não-regulamentadas de inter- parte dos custos; e por fim, o cliente tem acesso a um universo
mediários financeiros, que fornecem crédito no sistema finan- de possibilidades nesses shoppings centers no conforto do lar.
ceiro global de forma “informal”. Ou seja, de forma indireta, sem As plataformas de venda do tipo revolucionaram a maneira de
passar por supervisão ou regulamentação bancária, algumas se fazer compras e vender online.
instituições conseguem realizar financiamentos e empréstimos
com suas atividades paralelas ao sistema bancário tradicional.
Operações desse tipo oferecem maiores riscos de mercado,
visto que, na maior parte das vezes, não possuem uma garantia CORRESPONDENTES BANCÁRIOS
de capital reserva, o que não impediu seu crescimento à nível
global, de modo que se estima que há que quase 100 trilhões Correspondentes bancários
de dólares circulam em ativos financeiros desse tipo, tornando- São empresas contratadas por instituições financeiras auto-
-o importante e relevante na estrutura financeira global, como rizadas pelo Banco Central para prestar serviços para seus clien-
fornecedor de capital e crédito para investidores e corporações. tes. São como agentes intermediários entre as instituições ban-
Contudo, observa-se um papel crítico atender esse tipo de cárias e clientes que buscam crédito. Entre as mais conhecidas
demanda, de modo que muitos argumentam que esses merca- estão lotéricas, fintechs, lojas de crédito e empréstimo pessoal,
dos paralelos colaboraram para grandes crises financeiras, como ou seja, não são bancos, mas prestadores de serviços financei-
a de 2008 nos Estados Unidos, por isso tenta-se desde então ros diversos e regulamentados para simplificar processos tradi-
aprovar uma série de medidas para regular ou limitar esse tipo cionais.
de operação, visto que seus números alavancados e sem garan-
tia seguem expondo os sistemas financeiros do mundo todo em
risco. ARRANJOS DE PAGAMENTOS

Arranjos de pagamentos
FUNÇÕES DA MOEDA Conjunto de procedimentos e regras que regem e discipli-
nam a prestação de serviços de pagamento ao público. Essas
Funções da moeda regras simplificam as transações financeiras que usam dinhei-
Moeda é definida com base em suas três funções básicas: re- ro eletrônico, por exemplo, um cliente só consegue pagar uma
serva de valor, meio de troca e unidade de conta. conta com o cartão de determinada bandeira de crédito, pois o
No que diz respeito à função de “meio de troca”, ela serve para fornecedor possui uma máquina que aceita tal bandeira.
eliminar a necessidade de dupla coincidência de desejos em uma
transação comercial. Antes, numa economia de escambo, depen-
dia-se desse desejo comum relacionado a produtos para um merca- SISTEMA DE PAGAMENTOS INSTANTÂNEOS (PIX)
do funcionar, porém com a moeda, um objeto único para esse fim,
a economia se descomplicou nesse sentido.
Sistema de pagamentos e transferências desenvolvido pelo
Como reserva de valor, nos referimos à capacidade que de-
Banco Central do Brasil. As transações realizadas através dele são
terminados bens possuem de preservar o poder de compra com o
instantâneas, acontecendo no máximo em 10 segundos.
tempo. Quem troca algum bem pela moeda pode usar tal moeda
Funciona 24 por dia, todos os dias do ano, inclusive finais de
em troca de outros bens, é claro que muitos ativos também servem
semana e feriados.
como reserva de valor, inclusive a moeda em si tende a se desvalo-
As transações podem ocorrer entre pessoas físicas, pessoas fí-
rizar por não pagar juros, ficando atrás da inflação, mas ela tem a
sicas e jurídicas, pessoas jurídicas e entre órgãos públicos para pa-
vantagem de ser universalmente aceita em transações.
gamentos de impostos e taxas.

3
ATUALIDADES DO MERCADO FINANCEIRO
A intenção é integrar o sistema bancário, assim as transferên-
cias poderão ocorrer entre diferentes instituições. EXERCÍCIOS
Para fazer um PIX é necessário ter uma conta aberta em ban-
co, numa fintech ou em uma instituição de pagamento. Será criada 1. (BRB – ESCRITURÁRIO – MÉDIO – IADES – 2019) O sistema
uma chave com alguns dados, utilizados dentro da própria conta bancário vem passando por um processo acelerado de transforma-
bancária. ção digital. Entretanto, o nível de maturidade digital varia de banco
para banco. A respeito desse assunto, assinale a alternativa correta.
• Diferença entre Pix e outros meios de transferência e de pa- (A) Uma característica do banco digital é a realização de
gamento processos não presenciais, como o envio de informações e
O Pix foi criado para ser um meio de pagamento bastante am- documentos por meio digital e a coleta eletrônica de assinatu-
plo. Qualquer pagamento ou transferência que hoje é feito usando ra para a abertura de contas.
diferentes meios (TED, cartão, boleto etc.), poderá ser feito com o (B) Um banco digital é o mesmo que um banco digitalizado,
Pix, simplesmente com o uso do aparelho celular. visto que ambos apresentam o mesmo nível de automação
As transferências tradicionais no Brasil são entre contas da dos processos.
mesma instituição (transferência simples) ou entre contas de insti- (C) A oferta de canais de acesso virtual representa o mais alto
tuições diferentes (TED e DOC). O Pix é mais uma opção disponível nível de maturidade digital.
à população que convive com os tipos tradicionais. A diferença é (D) O banco digitalizado dispensa o atendimento presencial e
que, com o Pix, não é necessário saber onde a outra pessoa tem o fluxo físico de documentos.
conta. Você realiza a transferência a partir, por exemplo, de um te- (E) Por questão de segurança, o banco digital permite a con-
lefone na sua lista de contatos, usando a Chave Pix. Outra diferença sulta de produtos e serviços financeiros por meio de canais
é que o Pix não tem limite de horário, nem de dia da semana e os eletrônicos, mas ainda não permite a contratação.
recursos são disponibilizados ao recebedor em poucos segundos. O
Pix funciona 24 horas, 7 dias por semana, entre quaisquer bancos, 2. (BRB – ESCRITURÁRIO – MÉDIO – IADES – 2019) Quanto às
de banco para fintech, de fintech para instituição de pagamento, diferenças entre bancos digitalizados e bancos digitais, assinale a
entre outros. alternativa correta.
As transações de pagamento por meio de boleto exigem a lei- (A) Um banco digital pode permitir que o próprio cliente ajus-
tura de código de barras, enquanto o Pix pode fazer a leitura de um te o respectivo limite de transferência ou do cartão de crédito
QR Code. A diferença é que, no Pix a liquidação é em tempo real, o e, por medida de segurança, demandar que tal cliente dirija-se
pagador e o recebedor são notificados a respeito da conclusão da a um caixa eletrônico ou agência para concluir o processo.
transação e o pagamento pode ser feito em qualquer dia e horário. (B) Permitir que o cliente abra a própria conta corrente sem
As transações de pagamento utilizando cartão de débito exi- precisar sair de casa e não cobrar taxa de manutenção da
gem uso de maquininhas ou instrumento similar. Com Pix, as tran- conta são os únicos requisitos obrigatórios que diferenciam
sações podem ser iniciadas por meio do telefone celular, sem a ne- um banco digital de um banco digitalizado.
cessidade de qualquer outro instrumento. (C) Para que um banco seja considerado digital, basta que
O Pix tende a ter um custo de aceitação menor por sua estrutu- disponibilize um ambiente de internet banking e aplicativos
ra ter menos intermediários. móveis, mesmo que, por medida de segurança, seja neces-
Mais detalhes sobre a diferenciação entre o Pix e os demais sário instalar softwares de segurança adicionais que possam
meios de transferência e de pagamento podem ser visualizadas na comprometer a experiência do cliente.
FAQ do Pix. (D) Demandar que o cliente se dirija a um caixa eletrônico para
desbloquear o respectivo cartão ou senha de internet é aceitá-
• Com quem é possível fazer um Pix vel para bancos digitalizados, mas não para bancos digitais.
O Pix pode ser utilizado para transferências e pagamentos: (E) Disponibilizar serviços gratuitos e pacotes padronizados de
— entre pessoas (transações P2P, person to person); serviços, tais como os exigidos pela Resolução no 3.919, art.
— entre pessoas e estabelecimentos comerciais, incluindo co- 2o , inciso I, do Banco Central, é o que define um banco como
mércio eletrônico (transações P2B, person to business); digital.
— entre estabelecimentos, como pagamentos de fornecedo-
res, por exemplo (transações B2B, business to business); 3. (BRB – ESCRITURÁRIO – MÉDIO – IADES – 2019) A respeito
— para transferências envolvendo entes governamentais, das definições de startups e dos respectivos tipos e nichos de atua-
como pagamentos de taxas e impostos (transações P2G e B2G, per- ção, assinale a alternativa correta.
son to government e business to government). (A) Startups B2B são as que têm outras empresas como con-
sumidores finais e, para se manterem competitivas, precisam
• Limite de valor nas transações evitar que o respectivo modelo de negócio seja repetível.
Não há limite mínimo para pagamentos ou transferências via (B) Startups são empresas nascentes escaláveis ou não, desde
Pix. Isso quer dizer que você pode fazer transações a partir de que atuem com negócios digitais inovadores e em cenários
R$0,01. Em geral, também não há limite máximo de valores. Entre- minimamente estáveis.
tanto, as instituições que ofertam o Pix poderão estabelecer limites (C) Toda empresa no respectivo estágio inicial pode ser consi-
máximos de valor baseados em critérios de mitigação de riscos de derada uma startup, exceto franqueadas, por se tratarem, na
fraude e de critérios de prevenção à lavagem de dinheiro e ao finan- verdade, de filiais de empresas cuja marca já é consolidada.
ciamento do terrorismo.” (D) Fintechs são bancos digitais que aproveitam o alcance da
internet para ofertarem serviços financeiros a um custo menor
e nos quais o foco está na experiência do usuário. (E) Startups
B2B2C são as que atuam com modelos de negócio repetível e
escalável em parceria com outras empresas, visando à realiza-
ção de vendas para o cliente final.

4
ATUALIDADES DO MERCADO FINANCEIRO
4. (BRB – ESCRITURÁRIO – MÉDIO – IADES – 2019) Acerca de 7. (BANESTES – TÉCNICO BANCÁRIO – MÉDIO – FGV – 2018) O
conceitos e aplicações do design de serviços no contexto bancário, cartão de crédito é um meio de pagamento que permite ao cliente
assinale a alternativa correta. pagar compras ou serviços até um limite de crédito previamente
(A) O foco do design de serviços é aprimorar apenas a expe- definido no contrato de uso do cartão. O ideal é que o cliente sem-
riência em serviços digitais, como aplicativos móveis, internet pre pague suas faturas nas datas acordadas – o valor inteiro ou pelo
banking e outros. menos um percentual do valor devido. Esse procedimento evita:
(B) Queixas recorrentes de clientes são indicativos de que o (A) o cancelamento do cartão de crédito;
design de serviço poderia ser aprimorado. (B) o cancelamento da conta-corrente do cliente;
(C) A aplicação correta da metodologia sugere que os espe- (C) a entrada no crédito rotativo;
cialistas devem se reunir e projetar um design que, posterior- (D) a entrada no Sistema de Proteção ao Crédito (SPC);
mente, deverá ser seguido por toda a organização. (E) um processo junto ao Banco Central.
(D) Um dos princípios do design de serviços é ser centrado
no ser humano. Entende-se, com isso, que o design deve se 8. (BANESTES – TÉCNICO BANCÁRIO – MÉDIO – FGV – 2018)
concentrar apenas na experiência do cliente. Acerca dos riscos ligados às chamadas criptomoedas ou moedas
(E) Soluções móveis devem aplicar apenas o design da expe- virtuais, o Banco Central do Brasil, em comunicado de novembro
riência do usuário (ux design), e não o design de serviço. de 2017, alertou para questões relacionadas à conversibilidade e ao
lastro de tais ativos, destacando que não é responsável por regular,
5. (BRB – ESCRITURÁRIO – MÉDIO – IADES – 2019) A pesquisa autorizar ou supervisionar o seu uso. Assim, é correto afirmar que
Febraban de Tecnologia Bancária 2019 revelou que, entre 2017 e seu valor:
2018, as transações realizadas por meio de canais digitais cresce- (A) decorre da garantia de conversão em moedas soberanas;
ram 16%, totalizando 60% das transações bancárias. A respeito do (B) decorre da emissão e garantia por conta de autoridades
uso dos canais digitais, assinale a alternativa correta. monetárias;
(A) O aumento das transações com movimentação financeira (C) decorre de um lastro em ativos reais;
nos canais digitais evidencia o aumento da confiança do clien- (D) é associado ao tamanho da base monetária;
te na segurança do canal. (E) decorre exclusivamente da confiança conferida pelos indi-
(B) A abertura de conta por meio de canal digital somente víduos ao seu emissor.
pode ser efetuada pelo internet banking.
(C) O mobile banking somente pode ser usado para transações 9. (POLÍCIA FEDERAL – PERITO CRIMINAL FEDERAL – SUPE-
sem movimentação financeira. RIOR – CESPE – 2018) Acerca das consequências que poderão advir
(D) São considerados canais digitais o internet banking, o no caso de um cliente não liquidar integralmente, na data do ven-
mobile banking e os correspondentes no País. cimento, o saldo devedor da fatura do seu cartão de crédito, julgue
(E) Internet banking e mobile banking são canais digitais os itens a seguir.
mutuamente excludentes, ou seja, o cliente tem que informar A parcela não quitada do saldo devedor poderá ser financiada
ao banco qual canal quer usar para acessar as transações por meio da modalidade de crédito rotativo, com prazo de vigência
bancárias. de até doze meses, contados da data do vencimento da fatura não
paga integralmente.
6. (BRB – ESCRITURÁRIO – MÉDIO – IADES – 2019) Por meio ( ) CERTO
do Comunicado no 33.455/2019, o Banco Central aprovou os re- ( ) ERRADO
quisitos fundamentais para a implementação do Sistema Financeiro
Aberto (open banking) no Brasil. De acordo com o modelo propos- 10. (POLÍCIA FEDERAL – PERITO CRIMINAL FEDERAL – SUPE-
to, o conceito de open banking refere-se à (ao) RIOR – CESPE – 2018) Acerca das consequências que poderão advir
(A) integração de plataformas e infraestruturas de sistemas no caso de um cliente não liquidar integralmente, na data do ven-
de informação para fins de compartilhamento de produtos cimento, o saldo devedor da fatura do seu cartão de crédito, julgue
e serviços entre as instituições financeiras, sendo vedada a os itens a seguir.
identificação do cliente. É permitida a cobrança de juros remuneratórios sobre o saldo
(B) atribuição de uma nota de crédito ao cliente (credit score), devedor não quitado pelo cliente, além de multa e juros de mora,
que poderá ser consultada por qualquer instituição financeira, nos termos da legislação em vigor.
mediante prévio consentimento. ( ) CERTO
(C) compartilhamento de dados cadastrais, produtos e ser- ( ) ERRADO
viços pelas instituições financeiras, mediante prévia autori-
zação, por meio de sistemas de informações integrados que 11. (POLÍCIA FEDERAL – PERITO CRIMINAL FEDERAL – SUPE-
garantam uma experiência simples e segura ao cliente. RIOR – CESPE – 2018) Acerca das consequências que poderão advir
(D) inclusão do nome do cliente em um cadastro positivo para no caso de um cliente não liquidar integralmente, na data do ven-
fins de compartilhamento de dados, produtos e serviços pelas cimento, o saldo devedor da fatura do seu cartão de crédito, julgue
instituições financeiras, garantindo ao cliente acesso a taxas os itens a seguir.
de juros menores. Além do crédito rotativo, que permite ao cliente liquidar parcial
(E) implementação de uma interface de integração digital para ou integralmente o seu débito a qualquer momento, outras mo-
compartilhamento de dados entre instituições financeiras, dalidades de crédito em condições mais favoráveis poderão ser-lhe
com base no princípio de que os dados pertencem às institui- oferecidas a qualquer tempo, antes do vencimento da fatura sub-
ções, e não aos usuários. sequente, com vistas a financiar o saldo devedor remanescente do
cartão de crédito.
( ) CERTO
( ) ERRADO

5
ATUALIDADES DO MERCADO FINANCEIRO
12. (CÂMARA MUNICIPAL DE PÉROLA D’OESTE/PR – CONTA- 15. (TRF/3ª. REGIÃO – JUIZ FEDERAL SUBSTITUTO – SUPERIOR
DOR – SUPERIOR – FAUEL – 2018) Considere a seguinte análise – TRF/3ª. REGIÃO – 2018) Sobre bitcoin, assinale a alternativa COR-
sobre um interessante aspecto econômico e tecnológico da atua- RETA:
lidade e assinale a alternativa que lhe corresponde. “Trata-se de (A) É moeda eletrônica.
uma moeda, assim como o real ou o dólar, mas bem diferente dos (B) Não é regulada pelo Bacen (Banco Central do Brasil).
exemplos citados. O primeiro motivo é que não é possível mexer (C) As empresas que negociam ou guardam as chamadas
no bolso da calça e encontrar uma delas esquecida. Ela não existe moedas virtuais em nome dos usuários, pessoas naturais ou
fisicamente: é totalmente virtual. O outro motivo é que sua emissão jurídicas, são autorizadas a funcionar pelo Bacen.
não é controlada por um Banco Central. Ela é produzida de forma (D) É valor mobiliário.
descentralizada por milhares de computadores, mantidos por pes-
soas que ‘emprestam’ a capacidade de suas máquinas para criá-las 16. (TRANSERP/SP– AGENTE ADMINISTRATIVO – MÉDIO – VU-
e registrar todas as transações feitas”. (Exame, 06/02/18, com adap- NESP – 2019) . Após a black friday, no fim de novembro, a empresa
tações). de entregas Rappi e a varejista Dafiti passarão a aceitar a moeda
(A) Bitcoin. virtual como forma de pagamento. Quem está nessa cruzada para
(B) GPS. ampliar esse cenário comercial é a fintech brasileira Warp Exchan-
(C) Iene. ge, que criou a tecnologia de pagamento que recebe e converte a
(D) Wifi. moeda virtual em reais em até 2 horas. (Revista Exame. 31.10.2018.
Adaptado)
13. (FUNPAPA – ARTE EDUCADOR – MÉDIO – AOCP – 2018) A moeda virtual a que se refere a notícia é
“Bitcoin é uma bolha envolta em misticismo tecnológico e termi- (A) o boleto flash.
nará em desastre.” “Bitcoin recua 7% com reguladores colocando (B) o hipercard.
contra a parede uma das maiores exchanges do mundo.” Recente- (C) os bitcoins.
mente, manchetes como as dispostas, ganharam destaque no ce- (D) o e-commerce.
nário internacional. Sobre o assunto, assinale a alternativa correta. (E) o pague seguro.
(A) Bitcoin é a denominação da moeda de uso oficial em
diversos países, impressa pelo Sistema de Reserva Federal dos
Estados Unidos, destacando-se por ter o maior nível de moeda
circulante no mundo. GABARITO
(B) Bitcoins são papéis que representam uma pequena parte
do capital social de uma empresa, podendo ser classificados
como ordinários ou preferenciais. 1 A
(C) A Bitcoin foi criada há 12 anos e sua origem está associada
à mineração de cálculos matemáticos. No Brasil, sua emissão é 2 D
controlada pelo Banco Central. 3 E
(D) Apesar da resistência de alguns países, a Bitcoin é conside-
rada um moeda digital, que pode ser recebida e enviada pela 4 B
internet. Sua emissão é realizada de forma descentralizada, 5 A
ou seja, sem o controle de uma instituição financeira ou de
6 C
bancos.
(E) Bitcoin é um sistema de crédito que ocorre a partir da 7 C
validação de um banco ou de uma processadora de cartão de 8 E
crédito.
9 ERRADO
14. (PREFEITURA DE SERTÃOZINHO/SP – AUXILIAR DE SAÚDE 10 CERTO
BUCAL – MÉDIO – VUNESP – 2018) Leia o trecho da matéria. Na
quinta-feira (11.01) o bitcoin, registrou queda significativa após o 11 CERTO
Governo da Coreia do Sul anunciar que discute um plano para ba- 12 A
ni-lo do mercado local, um dos mais importantes do mundo. Nesta
13 D
sexta-feira (12.01), foi a vez de instituições do Brasil entrarem na
lista das autoridades mundiais que estão buscando formas para 14 D
regulamentar um ativo cujos preços dispararam no ano passado. 15 B
(goo.gl/n2hQWt. Adaptado) Bitcoin é
(A) uma letra de câmbio emitida pelo governo brasileiro. 16 C
(B) uma ação comercializada nas bolsas de valores da China.
(C) um investimento baseado na cotação do ouro no mercado
internacional.
(D) uma moeda digital, criada por computadores e que circula
apenas na internet.
(E) um fundo de ações controlado pelo Banco Central alemão.

6
MATEMÁTICA FINANCEIRA
1. Conceitos Gerais - O Conceito Do Valor Do Dinheiro No Tempo; Capital, Juros, Taxas De Juros; Capitalização, Regimes De Capitalização;
Fluxos De Caixa E Diagramas De Fluxo De Caixa; Equivalência Financeira. Juros Simples - Cálculo Do Montante, Dos Juros, Da Taxa De
Juros, Do Principal E Do Prazo Da Operação Financeira. Juros Compostos - Cálculo Do Montante, Dos Juros, Da Taxa De Juros, Do Prin-
cipal E Do Prazo Da Operação Financeira. Sistemas De Amortização - Sistema Price; Sistema Sac . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
MATEMÁTICA FINANCEIRA
Resolução:
CONCEITOS GERAIS - O CONCEITO DO VALOR DO DI- Montante = Capital + juros, ou seja: j = M – C , que fica: j =
NHEIRO NO TEMPO; CAPITAL, JUROS, TAXAS DE JU- 3900 – C ( I )
ROS; CAPITALIZAÇÃO, REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO; Agora, é só substituir ( I ) na fórmula do juros simples:
FLUXOS DE CAIXA E DIAGRAMAS DE FLUXO DE CAIXA;
EQUIVALÊNCIA FINANCEIRA. JUROS SIMPLES - CÁLCU-
LO DO MONTANTE, DOS JUROS, DA TAXA DE JUROS,
DO PRINCIPAL E DO PRAZO DA OPERAÇÃO FINANCEI-
RA.JUROS COMPOSTOS - CÁLCULO DO MONTANTE,
DOS JUROS, DA TAXA DE JUROS, DO PRINCIPAL E DO
PRAZO DA OPERAÇÃO FINANCEIRA. SISTEMAS DE
AMORTIZAÇÃO - SISTEMA PRICE; SISTEMA SAC
390000 – 100.C = 2,5 . 8 . C
Juros simples (ou capitalização simples) – 100.C – 20.C = – 390000 . (– 1)
Os juros são determinados tomando como base de cálculo o 120.C = 390000
capital da operação, e o total do juro é devido ao credor (aquele C = 390000 / 120
que empresta) no final da operação. Devemos ter em mente: C = R$ 3250,00
– Os juros são representados pela letra J*. Resposta: C
– O dinheiro que se deposita ou se empresta chamamos de
capital e é representado pela letra C (capital) ou P(principal) ou Juros compostos (capitalização composta)
VP ou PV (valor presente) *. A taxa de juros incide sobre o capital de cada período. Tam-
– O tempo de depósito ou de empréstimo é representado bém conhecido como “juros sobre juros”.
pela letra t ou n.* Usamos a seguinte fórmula:
– A taxa de juros é a razão centesimal que incide sobre um
capital durante certo tempo. É representado pela letra i e utili-
zada para calcular juros.
*Varia de acordo com a bibliografia estudada.

ATENÇÃO: Devemos sempre relacionar a taxa e o tempo na


mesma unidade para efetuarmos os cálculos.

Usamos a seguinte fórmula:

O (1+i)t ou (1+i)n é chamado de fator de acumulação de ca-


pital.

ATENÇÃO: as unidades de tempo referentes à taxa de juros


(i) e do período (t), tem de ser necessariamente iguais.

Em juros simples:
– O capital cresce linearmente com o tempo;
– O capital cresce a uma progressão aritmética de razão: J=C.i
– A taxa i e o tempo t devem ser expressos na mesma uni-
dade.
– Devemos expressar a taxa i na forma decimal.
– Montante (M) ou FV (valor futuro) é a soma do capital
com os juros, ou seja:
M=C+J
M = C.(1+i.t)

Exemplo:
(PRODAM/AM – Assistente – FUNCAB) Qual é o capital que,
investido no sistema de juros simples e à taxa mensal de 2,5 %, O crescimento do principal (capital) em:
produzirá um montante de R$ 3.900,00 em oito meses? – juros simples é LINEAR, CONSTANTE;
(A) R$ 1.650,00 – juros compostos é EXPONENCIAL, GEOMÉTRICO e, portan-
(B) R$ 2.225,00 to tem um crescimento muito mais “rápido”;
(C) R$ 3.250,00 Observe no gráfico que:
(D) R$ 3.460,00 – O montante após 1º tempo é igual tanto para o regime de
(E) R$ 3.500,00 juros simples como para juros compostos;

1
MATEMÁTICA FINANCEIRA
– Antes do 1º tempo o montante seria maior no regime de juros simples;
– Depois do 1º tempo o montante seria maior no regime de juros compostos.

Exemplo:
(PREF. GUARUJÁ/SP – SEDUC – PROFESSOR DE MATEMÁTICA – CAIPIMES) Um capital foi aplicado por um período de 3 anos,
com taxa de juros compostos de 10% ao ano. É correto afirmar que essa aplicação rendeu juros que corresponderam a, exatamente:
(A) 30% do capital aplicado.
(B) 31,20% do capital aplicado.
(C) 32% do capital aplicado.
(D) 33,10% do capital aplicado.

Resolução:

Como, M = C + j , ou seja , j = M – C , temos:


j = 1,331.C – C = 0,331 . C
0,331 = 33,10 / 100 = 33,10%
Resposta: D

Juros Compostos utilizando Logaritmos


Algumas questões que envolvem juros compostos, precisam de conceitos de logaritmos, principalmente aquelas as quais pre-
cisamos achar o tempo/prazo. Normalmente as questões informam os valores do logaritmo, então não é necessário decorar os
valores da tabela.

Exemplo:
(FGV-SP) Uma aplicação financeira rende juros de 10% ao ano, compostos anualmente. Utilizando para cálculos a aproximação
de , pode-se estimar que uma aplicação de R$ 1.000,00 seria resgatada no montante de R$ 1.000.000,00 após:
(A) Mais de um século.
(B) 1 século
(C) 4/5 de século
(D) 2/3 de século
(E) ¾ de século

Resolução:
A fórmula de juros compostos é M = C(1 + i)t e do enunciado temos que M = 1.000.000, C = 1.000, i = 10% = 0,1:
1.000.000 = 1.000(1 + 0,1)t

(agora para calcular t temos que usar logaritmo nos dois lados da equação para pode utilizar a propriedade
, o expoente m passa multiplicando)

t.0,04 = 3

2
MATEMÁTICA FINANCEIRA

Resposta: E

Taxas de juros
Índices fundamentais no estudo da matemática financeira, sendo incorporadas sempre ao capital. São elas:

Taxa efetiva: são aquelas onde a taxa da unidade de tempo coincide com a unidade de tempo do período de capitalização(va-
lorização). Exemplo: Uma taxa de 13% ao trimestre com capitalização trimestral.

ATENÇÃO: Quando no enunciado não estiver citando o período de capitalização, a mesma vai coincidir com unidade da taxa.
Em outras palavras iremos trabalhar com taxa efetiva!!!

Taxa nominal: são aquelas cujas unidade de tempo NÂO coincide com as unidades de tempo do período de capitalização.

Exemplo:
(TJ/PE- ANALISTA JUDICIÁRIO-CONTADOR-FCC) Uma taxa de juros nominal de 21% ao trimestre, com juros capitalizados men-
salmente, apresenta uma taxa de juros efetiva, trimestral de, aproximadamente,
(A) 21,7%.
(B) 22,5%.
(C) 24,8%.
(D) 32,4%.
(E) 33,7%.

Resolução:
21% a. t capitalizados mensalmente (taxa nominai), como um trimestre tem 3 meses, 21/3 = 7% a.m(taxa efetiva).
im = taxa ao mês
it= taxa ao trimestre.
(1+im)3 = (1+it)  (1+0,07)3 = 1+it  (1,07)3 = 1+it  1,225043 = 1+it  it= 1,225043-1  it = 0,225043 x 100  it= 22,5043%
Resposta: B

ATENÇÃO: Para resolução de questões com taxas nominais devemos primeiramente descobri a taxa efetiva (multiplicando ou
dividindo a taxa)

Toda taxa nominal traz implícita uma taxa efetiva que deve ser calculada proporcionalmente.

Taxas proporcionais (regime de juros simples): são taxas em unidade de tempo diferente que aplicadas sobre o mesmo capi-
tal ao mesmo período de tempo irão gerar o mesmo montante.

Exemplo:
(PREF. FLORIANÓPOLIS/SC – AUDITOR FISCAL – FEPESE) A taxa de juros simples mensais de 4,25% equivalente à taxa de:
(A) 12,5% trimestral.
(B) 16% quadrimestral.
(C) 25,5% semestral.
(D) 36,0% anual.
(E) 52% anual.

Resolução:
Sabemos que taxas a juros simples são ditas taxas proporcionais ou lineares. Para resolução das questões vamos avaliar item a
item para sabermos se está certo ou errado:
4,25% a.m
Trimestral = 4,25 .3 = 12,75 (errada)
Quadrimestral = 4,25 . 4 = 17% (errada)
Semestral= 4,25 . 6 = 25,5 % (correta)
Anual = 4,25.12 = 51% (errada)
Resposta: C

Taxas equivalentes (regime de juros compostos): as taxas de juros se expressam também em função do tempo da operação,
porém não de forma proporcional, mas de forma exponencial, ou seja, as taxas são ditas equivalentes.

3
MATEMÁTICA FINANCEIRA
Exemplo:

Taxa Real, Aparente e Inflação


– Taxa real (ir) = taxa que considera os efeitos da inflação e seus ganhos.
– Taxa aparente (ia) = taxa que não considera os efeitos da inflação (são as taxas efetivas/nominais).
– Taxa de inflação (ii) = a inflação representa a perda do poder de compra.

Escrevendo todas as taxas em função uma das outras, temos:

(1+ia) = (1+ir).(1+ii)

, independe da quantidade de períodos e do regime de


juros.

Descontos
É a diferença entre o valor título (valor nominal) e o valor recebido (valor atual).

D=N–A

Onde:
D = desconto
N = valor nominal
A = valor atual

ATENÇÃO: Comparando com o regime de juros, observamos que:


– o Valor Atual, ou valor futuro (valor do resgate) nos dá ideia de Montante;
– o Valor Nominal, nome do título (valor que resgatei) nos dá ideia de Capital;
– e o Desconto nos dá ideia de Juros.
Os descontos podem ser:

Desconto racional simples (por dentro): nos passa a ideia de “honesto”, pois todas a taxas são cobradas em cima do valor atual
(A) do título. Associando com os juros simples teremos:

4
MATEMÁTICA FINANCEIRA

Também podemos escrever a seguinte fórmula:

Exemplo:
(ASSAF NETO) Seja um título de valor nominal de R$ 4.000,00 vencível em um ano, que está sendo liquidado 3 meses antes
de seu vencimento. Sendo de 42% a.a. a taxa nominal de juros corrente, pede-se calcular o desconto e o valor descontado desta
operação.
N = 4 000
t = 3 meses
i = 42% a.a = 42 / 12 = 3,5% a.m = 0,035
D=?
Vd = ?

Vd = 4 000 – 380,10 = 3 619,90

Desconto comercial simples ou bancário (por fora): nos passa a ideia de que alguém está “levando” um por fora, pois, todas as
taxas são cobradas em cima do valor nominal (N) do título. O valor nominal é sempre maior e é justamente onde eles querem ganhar.

• Desconto comercial (bancário) acrescido de uma taxa pré-fixada: quando se utiliza taxas pré-fixadas aos títulos, que são as
taxas de despesas bancárias/administrativas (comissões, taxas de serviços, ...) cobradas sobre o valor nominal (N). Fazemos uso da
seguinte formula:

Dc = N. (i.t + h)

Onde:
Dc = desconto comercial ou bancário
N = valor nominal
i = taxa de juros cobrada
t = tempo ou período
h = taxa de despesas administrativas ou bancárias.

5
MATEMÁTICA FINANCEIRA
Exemplo:
Um banco ao descontar notas promissórias, utiliza o desconto comercial a uma taxa de juros simples de 12% a.m.. O banco
cobra, simultaneamente uma comissão de 4% sobre o valor nominal da promissória. Um cliente do banco recebe R$ 300.000,00
líquidos, ao descontar uma promissória vencível em três meses. O valor da comissão é de:

Resolução:
h = 0,04
t=3
iB = 0,12 . 3
AB = N . [1 - (iB + h)]
300 000 = N . [1 - (0,12.3 + 0,04)]
300 000 = N . [1 – 0,4]
N = 500 000
Vc = 0,04 . N
Vc = 0,04 . 500 000
Vc = 20 000

Resposta: 200 000

– Relação entre Desconto Comercial (Dc) e Desconto Racional (Dr): para sabermos o valor do desconto caso fosse utilizado o
desconto comercial e precisássemos saber o desconto racional e vice-versa, utilizamos a seguinte relação: Dc = Dr . (1 + i.t)

Desconto Racional Composto (por dentro): as fórmulas estão associando com os juros compostos, assim teremos:

Desconto Comercial Composto (por fora): como a taxa incide sobre o Valor Nominal (maior valor), trocamos na fórmula o N
pelo A e vice-versa, mudando o sinal da taxa (de positivo para negativo).

Exemplo:
(PREFEITURA DE SÃO PAULO/SP - AUDITOR FISCAL MUNICIPAL – CETRO) Com adiantamento de dois meses do vencimento,
um título de valor nominal de R$30.000,00 é descontado a uma taxa composta de 10% a.m.. A diferença entre o desconto racional
composto e o desconto comercial composto será de:
(A) R$246,59.
(B) R$366,89.
(C) R$493,39.
(D) R$576,29.
(E) R$606,49.

6
MATEMÁTICA FINANCEIRA
Resolução: 6. resolva a equação de valor;
N = 30000 7. releia a PERGUNTA do problema e verifique se o valor que
t = 2 meses você encontrou corresponde ao que o problema está pedindo
i = 10% am = 0,10 (às vezes, devido à pressa, o candidato se perde nos cálculos,
Vamos utilizar a formula do Drc: encontra um resultado intermediário e assinala a alternativa
N = A(1 + i)t  30.000= A (1+ 0,1)2  30000 = A (1,1)2  que o contém, colocada ali para induzi-lo em erro, quando se-
30000 = A.1,21 ria necessário ainda uma passo a mais para chegar ao resultado
A = 30000 / 1,21 = 24793,39 final correto).
Como D = N – A
D = 30000 – 24793,39 Exemplo:
Drc = 30.000 - 24.793,39 = 5206,61 A aplicação de R$ 2.000,00 foi feita pelo prazo de 9 meses,
Para o desconto comercial composto (lembre-se que a taxa contratando-se a taxa de juros de 28% a.a. Além dessa aplica-
recaí sobre o nominal, então trocamos na formula o A pelo N e
ção, existe outra de valor nominal R$ 7.000,00 com vencimento
vice e versa e mudamos o sinal), temos:
a 18 meses. Considerando-se a taxa de juros de 18% a.a., o cri-
A = N.(1 - i)t
tério de desconto racional e a data focal 12 meses, a soma das
A = 30000 . (1 - 0,1)2
aplicações é, em R$:
A = 30000 . 0,81
A = 24300
Como D = N – A Resolução:
D = 30000 – 24300 = 5700, que é o desconto comercial com- Inicialmente, precisamos calcular o valor nominal da primei-
posto ra aplicação. Considerando n = 9 meses = 0,75 anos, temos que:
A diferença será dada pelo módulo, uma vez que sabemos N = C (1 + in)
que o Desconto Comercial é maior que o racional: |Drc - Dcc| N = 2.000 (1 + 0,28 . 0,75) = 2.000 (1,21) = 2.420
|5.206,61 - 5.700 | = 493,39 Observando o diagrama de fluxo de caixa, vemos que, para
serem transportados à data doze, o título de 2.420 terá que
Resposta: C ser capitalizado de três meses, ao passo que o título de 7.000
terá que ser descapitalizado de 6 meses. Além disso, a taxa de
Equivalência de capitais 18% a.a., considerando-se capitalização simples, é equivalente
Dois ou mais capitais que se encontram em datas diferentes, a 1,5% a.m. = 0,015 a.m. Desta forma, podemos escrever que:
são chamados de equivalentes quando, levados para uma mes- 2.420 (1 + 0,015 . 3) + 7.000/1 + 0,015 . 6 = x
ma data, nas mesmas condições, apresentam o mesmo VALOR 2.420 (1,045) + 7.000/1,09 = x
nessa data. 2.528,9 + 6.422,02 = x
x = 8.950,92
• Equação de Valor
Va1 + Va2 + Va3 + … = Vaa + Vab + Vac + … Anuidades
Séries Financeiras também conhecidas como Rendas Certas
• Resolução de Problemas de Equivalência ou Anuidades. São séries de depósitos ou prestações periódi-
1. leia o problema todo; cas ou não periódicas, em datas de previamente estabelecidas,
2. construa, a partir do enunciado do problema, um diagra- por um determinado período de tempo. Os depósitos ou presta-
ma de fluxo de caixa esquemático, colocando na parte de cima ções podem ser uniformes quando todos são iguais ou variáveis
o plano original de pagamento e na parte de baixo o plano alter- quando os valores são diferentes.
nativo proposto, indicando todos os valores envolvidos, as datas
Quando as séries financeiras que tem como objetivo de acu-
respectivas e as incógnitas a serem descobertas – esse diagrama
mular capital ou produzir certo montante temos uma Capitaliza-
é importante porque permite visualizar os grupos de capitais
ção e quando as séries financeiras têm como objetivo pagar ou
equivalentes e estabelecer facilmente a equação de valor para
amortizar uma dívida temos uma Amortização.
resolução do problema;
3. observe se os prazos de vencimento dos títulos e compro-
missos estão na mesma unidade de medida de tempo periodici- Elementos das séries financeiras
dade da taxa; se não estiverem, faça as transformações neces- – Valor presente (VP) = Numa série de pagamentos, defini-
sárias (ou você expressa a taxa na unidade de tempo do prazo mos VALOR ATUAL como sendo a parcela única que equivale (ou
ou expressa o prazo na unidade de tempo da taxa – escolha a que substitui) a todos os termos (devidamente descapitalizados)
transformação que torne os cálculos mais simples); até o início do fluxo. É a soma dos valores atuais de todos os
4. leve todos os valores para a data escolhida para a ne- termos que compõe a série.
gociação (data focal), lembrando sempre que capitais exigíveis
antes da data focal deverão ser capitalizados através da fórmula – Valor futuro (VF) = Numa série de pagamentos, definimos
do montante M = C (1 + in), dependendo da modalidade de des- MONTANTE como sendo a parcela única, que equivale (ou subs-
conto utilizada; titui) a todos os termos (devidamente capitalizados) até o final
5. tendo transportado todos os capitais para a data focal e do fluxo. É a soma dos montantes de todos os termos que com-
com base no diagrama de fluxo de caixa que você esquematizou, põe a série.
monte a EQUAÇÃO DE VALOR, impondo que a soma dos valores
dos títulos (transportados para a data focal) da parte de cima – Prestações (P) = Numa série de pagamentos, definimos
do diagrama de fluxo de caixa seja igual à soma dos valores dos Prestações como sendo o valor que é pago (ou recebido) a cada
títulos (transportados para a data focal) da parte de baixo do período de capitalização de uma Série Pagamentos.
diagrama de fluxo de caixa;

7
MATEMÁTICA FINANCEIRA
– Número de prestações (n) = número de Parcelas, Depósitos ou Pagamentos.
– Taxa efetiva de juro (i)= com capitalização na periodicidade das Prestações.

Séries financeiras postecipadas


São aquelas em que as prestações, pagamentos ou depósitos são efetuados no final de cada período.

Valor Futuro Postecipado (VFp)


O Valor Futuro (VF) produzido por uma série de n prestações P postecipadas, iguais e periódicas, aplicadas a uma taxa de juros
i, na forma unitária, no mesmo período das prestações, será igual à soma de todos esses depósitos capitalizados para uma mesma
data focal, coincidindo com o último depósito.

Fazemos uso da seguinte fórmula:

O valor capitalizado de cada um dos termos da Série de Pagamentos forma uma Progressão Geométrica (PG) cuja soma resulta
na seguinte expressão:

Fator de Capitalização Postecipado

Valor Presente postecipado (VPp)


O Valor Presente (VP) produzido por uma série de n prestações P, iguais e periódicas, aplicadas a uma taxa de juros i, na forma uni-
tária, no mesmo período das prestações, será igual à soma de todos esses depósitos descapitalizados para uma mesma data focal 0.

8
MATEMÁTICA FINANCEIRA

O valor descapitalizado de cada um dos termos de uma Série de Financeira postecipada forma uma Progressão Geométrica (PG)
cuja soma resulta na seguinte expressão:

Fator de Descapitalização Postecipado

Séries financeiras antecipadas


São aquelas em que o depósito ou pagamento é efetuado no início de cada período e o valor futuro é obtido em um período de
tempo após o último depósito ou pagamento da última prestação.

Valor Futuro antecipado (VFa)

O Valor Futuro de uma série financeira é obtido fazendo-se a capitalização da entrada e de cada um dos pagamentos, realizan-
do-se a soma destes valores no final, conforme a seguir:

O valor capitalizado de cada uma das prestações de uma Série de Pagamentos forma uma Progressão Geométrica (PG) cuja
soma resulta na seguinte expressão:

9
MATEMÁTICA FINANCEIRA

Fator de Capitalização Antecipado

O valor da prestação é obtido isolando-se a P na equação anterior.

Valor Presente antecipado (VPa)

O Valor Presente de uma série financeira antecipada é obtido fazendo-se a descapitalização de cada uma das prestações, so-
mando-se no final a entrada e cada um destes valores, conforme a seguir:

O valor descapitalizado de cada um dos termos de uma Série de Financeira forma uma Progressão Geométrica cuja soma resulta
na seguinte expressão:

10
MATEMÁTICA FINANCEIRA
O Fator de Descapitalização Antecipado

Séries financeiras diferidas ou com carência


Uma série de pagamentos possui DIFERIMENTO INICIAL quando ANTES do início do primeiro pagamento, é dado um prazo de
dois ou mais períodos, nos quais não ocorrem pagamentos pertencentes à série.
Uma série de pagamentos possui DIFERIMENTO FINAL quando APÓS o último pagamento, é dado um prazo de dois ou mais
períodos, nos quais não ocorrem pagamentos pertencentes à série.

Valor Presente com diferimento inicial


Podemos calcular o Valor Presente de duas maneiras: postecipado ou antecipado.

Cálculo do Valor Presente postecipado com diferimento inicial (VPpdi)


Numa série de pagamentos com diferimento inicial, vamos primeiro calcular o valor presente da série financeira postecipada,
em seguida, vamos efetuar a descapitalização deste valor a juros compostos até o início do prazo da contratação (data focal 0).

CÁLCULO DO VP DA SÉRIE CÁLCULO DA DESCAPITALIZAÇÃO CÁLCULO DIRETO DO VPA COM


ANTECIPADA: DO PERÍODO DE DIFERIMENTO: D DIFERIMENTO INICIAL:

Valor futuro com diferimento final


Podemos calcular o Valor Futuro de duas maneiras: postecipado ou antecipado.

Cálculo do Valor Futuro postecipado com diferimento final (VFpdf)


Numa série de pagamento com diferimento final, vamos primeiro calcular o valor futuro da série financeira postecipada, onde
esse valor futuro é obtido logo após o último pagamento.
Já o cálculo com o diferimento final, temos que efetuar a capitalização desse valor, a juros compostos, até o prazo final do pe-
ríodo de carência. Pode ocorrer que no período de carência a taxa de juros não seja a mesma da série financeira.

11
MATEMÁTICA FINANCEIRA

O VALOR FUTURO DA SÉRIE DE CAPITALIZAÇÃO DO PERÍODO DE CÁLCULO DIRETO DO VFP COM


PAGAMENTOS POSTECIPADA CARÊNCIA DIFERIMENTO FINAL

Cálculo do Valor Futuro antecipado com diferimento final (VFadf)


Numa série de pagamento com diferimento final, vamos primeiro calcular o valor futuro da série financeira antecipada, onde
esse valor futuro é obtido um período após o último pagamento.
Já o cálculo com o diferimento final, temos que efetuar a capitalização desse valor, a juros compostos, até o prazo final do pe-
ríodo de carência. Pode ocorrer que no período de carência a taxa de juros não seja a mesma da série financeira.

O VALOR FUTURO DA SÉRIE DE CAPITALIZAÇÃO DO PERÍODO DE CÁLCULO DIRETO DO VFA COM


PAGAMENTOS ANTECIPADA CARÊNCIA DIFERIMENTO FINAL

Exemplo:
Uma máquina é vendida a prazo através de oito prestações mensais de $4.000,00 sendo que o primeiro pagamento só irá ocor-
rer após três meses da compra. Determine o preço à vista, dada uma taxa de 5% ao mês.

Resolução:
R = $4.000,00
i = 5% a.m.
n = 8 meses
m = 2 meses

Pd = $23.449,30

Sistema de amortização
Visam liquidar uma dívida mediante de pagamentos periódicos e sucessivos.

Principais conceitos
Sempre que efetuamos um pagamento estamos pagando parte do valor relativo aos juros, que são calculados sobre o saldo
devedor e outra parte chamada de amortização, que faz com que o saldo devedor diminua.

12
MATEMÁTICA FINANCEIRA
– Saldo devedor: é o valor nominal do empréstimo ou financiamento ou simplesmente o Valor Presente (VP) na data focal 0,
que é diminuído da parcela de amortização a cada período.
– Amortização: é a parcela que é deduzida do saldo devedor a cada pagamento.
– Juros: é o valor calculado a partir do saldo devedor e posteriormente somado à parcela de amortização.
– Prestação: é o pagamento efetuado a cada período, composto pela parcela de juros mais a amortização: PRESTAÇÃO = JUROS
+ AMORTIZAÇÃO

Existem diversos sistemas de amortização de financiamentos e empréstimos, dos quais os mais usados são:
– Sistema de Amortização Francês (Tabela Price):
– Sistema de Amortização Constante (SAC):
– Sistema de Amortização Crescente (SACRE) ou Sistema de Amortização Misto (SAM).

Sistema de Amortização Francês (SAF)


Este sistema utiliza a chamada TABELA PRICE que consiste no cálculo do fator de descapitalização postecipado representado por
fdp(i%,n) e é normalmente usada para financiamento em geral de bens de consumo, tipo: carros, eletrodomésticos, empréstimos
bancários de curto prazo, etc.
O SAF caracteriza-se por PRESTAÇÕES CONSTANTES E IGUAIS, normalmente mensais e decrescentes, com isso, as parcelas de
amortizações são crescentes. Isto é, o valor amortizado é crescente ao longo do tempo, ao contrário dos juros, que decrescem
proporcionalmente ao saldo devedor.
Logo, as principais características do SAF são:
a) A prestação é constante durante todo o período de financiamento;
b) A parcela de amortização aumenta a cada período;
c) Os juros diminuem a cada período;
d) O percentual de prestações pagas não é igual ao percentual de quitação da dívida, pois no início das prestações os juros são
maiores que as amortizações, sendo que do meio para o final das prestações esta situação é invertida.
e) Nos juros, temos uma PG (Progressão geométrica) de razão descrente.

Utilizamos as seguintes fórmulas:

Com isso podemos reescrever da seguinte forma, sabendo que :

Sistema de Amortização Constante (SAC)


O SAC foi bastante usado pelo Sistema Financeiro de Habitação no início dos anos 70 e, atualmente, é amplamente utilizado
para financiamentos bancários de longo prazo de imóveis.
O tomador do empréstimo pagará uma prestação decrescente em cada período, a qual é composta por duas parcelas: a amor-
tização e os juros.
As principais características do SAC são:
a) A parcela de amortização é constante em todo período de financiamento;
b) A prestação é decrescente durante todo o período;
c) Os juros diminuem uniformemente a cada período;
d) O percentual de prestações pagas é igual ao percentual de quitação da dívida.
e) Nos Juros e nas Prestações observa-se de uma PA (Progressão Aritmética) de razão decrescente.

13
MATEMÁTICA FINANCEIRA
Fórmulas do Cálculo da Prestação (Séries Postecipadas)

UTILIZANDO O CAPITAL UTILIZANDO O MONTANTE

CASO O EXPOENTE SEJA NEGATIVO, UTILIZA-SE:

Para séries antecipadas (com entrada), basta multiplicar o valor da prestação por .

Sistema de Amortização Crescente (SACRE) ou Sistema de Amortização Misto (SAM)


No Sistema de Amortização Crescente ou Sistema de Amortização Misto, cada prestação é a média aritmética das prestações
nos sistemas Francês (Tabela Price) e Sistema de Amortização Constante (SAC), quando a proporção for de 50% para o Sistema de
Amortização Frances (SAF) e 50% para o Sistema de Amortização Constante (SAC), com isto as primeiras prestações são maiores
que no SAF e menores que no SAC, sendo que a partir da metade do período do financiamento a situação é invertida. As parcelas
de juros, das amortizações e dos saldos devedores de cada período também são obtidas pela média aritmética dos dois sistemas.

Exemplos:
(UFGD – ANALISTA ADMINISTRATIVO – ECONOMIA – AOCP) O sistema que consiste no plano de amortização de uma dívida em
prestações periódicas, sucessivas e decrescentes, em progressão aritmética, denomina-se:
(A) Sistema de Amortização Misto.
(B) Sistema Price.
(C) Sistema de Amortização Constante.
(D) Sistema Americano com fundo de amortização.
(E) Sistema Alemão.

Resolução:
Como vimos no estudo dos tipos de Amortização, a única que apresenta esta característica é o Sistema de Amortização Cons-
tante (SAC).
Resposta: C

(PREF. FLORIANÓPOLIS/SC – AUDITOR FISCAL DE TRIBUTOS MUNICIPAIS – FEPESE) Uma pessoa financiou 100% de um imóvel
no valor de R$ 216.000,00 em 9 anos. O pagamento será em prestações mensais e o sistema de amortização é o sistema de amor-
tização constante (SAC).
Sabendo que o valor da terceira prestação é de R$2.848,00, a taxa de juros mensal cobrada é de:
(A) 0,2%.
(B) 0,4%.
(C) 0,5%.
(D) 0,6%.
(E) 0,8%.

Resolução:
Sabemos que no SAC Amortizações são constantes:
Sabemos que E = 216.000
n = 9 anos x 12(mensal) = 108 parcelas
A=?

14
MATEMÁTICA FINANCEIRA
Com a cota de amortização, podemos calcular o Saldo Devedor para todos os períodos:

PERÍODO SALDO DEVEDOR AMORTIZAÇÃO JUROS PRESTAÇÃO


0 216.000 - - -
1 216.000 – 2.000 = 214.000 2.000
2 214.000 – 2.000 = 212.000 2.000
3 212.000 – 2.000 = 210.000 2.000
...

Sabemos a prestação do período 3 que é R$ 2.848,00. Lembrando que P = A + J, temos que para o período 3:
P = A + J  2 848 = 2 000 + J  J = 2 848 – 2 000 = 848. Os juros incidem sobre o capital do período anterior que neste caso é
o 2.O tempo é 1
J = C.i.t  848 = 212 000.i.1  i = 848 / 212 000  i = 0,004 x 100%  i = 0,4%
Resposta: B

ANOTAÇÕES

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________

15
MATEMÁTICA FINANCEIRA
______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

16
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
1. Sistema Financeiro Nacional: Estrutura do Sistema Financeiro Nacional; Órgãos normativos e instituições supervisoras, executoras e
operadoras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Mercado financeiro e seus desdobramentos (mercados monetário, de crédito, de capitais e cambial). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
3. Moeda e política monetária: Políticas monetárias convencionais e nãoconvencionais (Quantitative Easing); Taxa SELIC e operações
compromissadas; O debate sobre os depósitos remunerados dos bancos comerciais no Banco Central do Brasil. . . . . . . . . . . . . . . 05
4. Orçamento público, títulos do Tesouro Nacional e dívida pública. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
5. Produtos Bancários: Noções de cartões de crédito e débito, crédito direto ao consumidor, crédito rural, poupança, capitalização, pre-
vidência, consórcio, investimentos e seguros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
6. Noções de Mercado de capitais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
7. Noções de Mercado de Câmbio: Instituições autorizadas a operar e operações básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
8. Regimes de taxas de câmbio fixas, flutuantes e regimes intermediários. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
9. Taxas de câmbio nominais e reais; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
10. Impactos das taxas de câmbio sobre as exportações e importações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
11. Diferencial de juros interno e externo, prêmios de risco, fluxo de capitais e seus impactos sobre as taxas de câmbio. . . . . . . . . . . 14
12. Dinâmica do Mercado: Operações no mercado interbancário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
13. Mercado bancário: Operações de tesouraria, varejo bancário e recuperação de crédito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
14. Taxas de juros de curto prazo e a curva de juros; taxas de juros nominais e reais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
15. Garantias do Sistema Financeiro Nacional: aval; fiança; penhor mercantil; alienação fiduciária; hipoteca; fianças bancárias.. . . . . 16
16. Crime de lavagem de dinheiro: conceito e etapas; Prevenção e combate ao crime de lavagem de dinheiro: Lei nº 9.613/98 e suas alte-
raçõeS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
17. Circular nº 3.978, de 23 de janeiro de 2020 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
18. Carta Circular nº 4.001, de 29 de janeiro de 2020 e suas alterações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
19. Autorregulação bancária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
20. Sigilo Bancário: Lei Complementar nº 105/2001 e suas alterações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
21. Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD): Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018 e suas alterações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
22. Legislação anticorrupção: Lei nº 12.846/2013 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
23. Decreto nº 8.420/2015 e suas alterações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
24. Segurança cibernética: Resolução CMN nº 4.658, de 26 de abril de 2018 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
25. Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes; noções de ética empresarial e profissional. A gestão da ética nas empresas públicas e
privadas. Código de Ética do Banco do Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
26. Política de Responsabilidade Socioambiental do Banco do Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL: ESTRUTURA DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL; ÓRGÃOS NORMATIVOS E INS-
TITUIÇÕES SUPERVISORAS, EXECUTORAS E OPERADORAS

Sistema Financeiro Nacional (SFN)


De acordo com o BACEN:
“O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é formado por um conjunto de entidades e instituições que promovem a intermediação finan-
ceira, isto é, o encontro entre credores e tomadores de recursos. É por meio do sistema financeiro que as pessoas, as empresas e o governo
circulam a maior parte dos seus ativos, pagam suas dívidas e realizam seus investimentos.
O SFN é organizado por agentes normativos, supervisores e operadores. Os órgãos normativos determinam regras gerais para o bom
funcionamento do sistema. As entidades supervisoras trabalham para que os integrantes do sistema financeiro sigam as regras definidas
pelos órgãos normativos. Os operadores são as instituições que ofertam serviços financeiros, no papel de intermediários”.

* Dependendo de suas atividades corretoras e distribuidoras também são fiscalizadas pela CVM.
** As Instituições de Pagamento não compõem o SFN, mas são reguladas e fiscalizadas pelo BCB, conforme diretrizes estabelecidas
pelo CMN.

Conselho monetário nacional (CMN)


É a autoridade máxima do Sistema Financeiro Nacional. Sendo órgão normativo, apenas define normas e diretrizes para execução do
BACEM e da CVM.
Conforme definição do Banco Central do Brasil:
“O Conselho Monetário Nacional (CMN) é o órgão superior do Sistema Financeiro Nacional (SFN) e tem a responsabilidade de formu-
lar a política da moeda e do crédito. Seu objetivo é a estabilidade da moeda e o desenvolvimento econômico e social do país.

1 Fonte: https://www.bcb.gov.br/estabilidadefinanceira/sfn

1
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Como funciona o CMN Emissor do dinheiro​
Os membros do CMN reúnem-se uma vez por mês para deli- O BC gerencia o meio circulante, que nada mais é do que ga-
berar sobre assuntos como adaptar o volume dos meios de paga- rantir, para a população, o fornecimento adequado de dinheiro em
mento às reais necessidades da economia; regular o valor interno e espécie”.
externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos; orien-
tar a aplicação dos recursos das instituições financeiras; propiciar o Comissão de valores mobiliários (CVM)
aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos financeiros; Autarquia federal, vinculada ao Ministério da Economia. Possui
zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras; e coor- autoridade executora e reguladora, ou seja, cria normas e regras
denar as políticas monetária, creditícia, orçamentária e da dívida através da Instrução Normativa CVM. Todas as informações relacio-
pública interna e externa. nadas ao mercado de capitais estão reguladas nesse conjunto de
Em casos extraordinários, pode acontecer mais de uma reunião instruções.
por mês. As matérias aprovadas são regulamentadas por meio de Conforme o Ministério da Economia:
Resoluções CMN divulgadas no Diário Oficial da União (DOU) e no “A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) foi criada em
Busca de normas do Conselho e do Banco Central (BC). 07/12/1976 pela Lei 6.385/76, com o objetivo de fiscalizar, norma-
tizar, disciplinar e desenvolver o mercado de valores mobiliários no
Composição do CMN Brasil.
— Ministro da Economia (presidente do Conselho) A CVM é uma entidade autárquica em regime especial, vin-
— Presidente do Banco Central culada ao Ministério da Economia, com personalidade jurídica e
— Secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia patrimônio próprios, dotada de autoridade administrativa inde-
O CMN foi criado junto com o Banco Central, pela Lei nº 4.595, pendente, ausência de subordinação hierárquica, mandato fixo e
de 31 de dezembro de 1964. O Conselho deu início às suas ativida- estabilidade de seus dirigentes, e autonomia financeira e orçamen-
des 90 dias depois, em 31 de março de 1965”. tária.

Banco Central do Brasil (BACEN) Desenvolvimento do mercado


Conhecido como BACEN, Banco Central do Brasil ou mesmo, Estimular a formação de poupança e a sua aplicação em valores
Banco Central, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da mobiliários; promover a expansão e o funcionamento eficiente e re-
Economia, com sua sede em Brasília. gular do mercado de ações; e estimular as aplicações permanentes
Possui autonomia para executar medidas que favoreçam a eco- em ações do capital social de companhias abertas sob controle de
nomia do país. capitais privados nacionais (Lei 6.385/76, art. 4º, incisos I e II).
Conforme definição própria:
“O Banco Central (BC) é o guardião dos valores do Brasil. O BC é Eficiência e funcionamento do mercado
uma autarquia federal, vinculada - mas não subordinada - ao Minis- Assegurar o funcionamento eficiente e regular dos mercados
tério da Economia, e foi criado pela Lei nº 4.595/1964. da bolsa e de balcão; assegurar a observância de práticas comer-
Sua missão é assegurar à sociedade a estabilidade do poder ciais equitativas no mercado de valores mobiliários; e assegurar a
de compra da moeda e um sistema financeiro sólido, eficiente e observância, no mercado, das condições de utilização de crédito
competitivo. fixadas pelo Conselho Monetário Nacional (Lei 6.385/76, art. 4º,
incisos III, VII e VIII).
Múltiplas atividades
As tarefas a cargo do Banco Central são bastante diversas. En- Proteção dos investidores
tenda no detalhe: Proteger os titulares de valores mobiliários e os investidores do
Inflação baixa​e estável mercado contra emissões irregulares de valores mobiliários; atos
Manter a inflação sob controle, ao redor da meta, é objetivo ilegais de administradores e acionistas controladores das compa-
fundamental do BC. nhias abertas, ou de administradores de carteira de valores mobi-
A estabilidade dos preços preserva o v​alor do dinheiro, man- liários; e o uso de informação relevante não divulgada no mercado
tendo o poder de compra da moeda​. ​Para alcançar esse objetivo, o de valores mobiliários. Evitar ou coibir modalidades de fraude ou
BC utiliza a política monetária, política que se refere às ações do BC manipulação destinadas a criar condições artificiais de demanda,
que visam afetar o custo do dinheiro (taxas de juros) e a quantidade oferta ou preço dos valores mobiliários negociados no mercado (Lei
de dinheiro (condições de liquidez) na economia. 6.385/76, art. 4º, incisos IV e V).

Sistema financeiro seguro e eficiente Acesso à informação adequada


Faz parte da missão do BC assegurar que o sistema financeiro Assegurar o acesso do público a informações sobre os valores
seja sólido (tenha capital suficiente para arcar com seus compro- mobiliários negociados e as companhias que os tenham emitido, re-
missos) e eficiente. gulamentando a Lei e administrando o sistema de registro de emis-
sores, de distribuição e de agentes regulados (Lei 6.385/76, art. 4º,
Banco do governo inciso VI, e art. 8º, incisos I e II).
O BC detém as contas mais importantes do governo e é o depo-
sitório das reservas internacionais do país

Banco dos bancos


As instituições financeiras precisam manter contas no BC. Essas
contas são monitoradas para que as transações financeiras acon-
teçam com fluidez e para que as próprias contas não fechem o dia
com saldo negativo.

2
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Fiscalização e punição Bancos de investimento
Fiscalizar permanentemente as atividades e os serviços do São instituições financeiras privadas que captam e adminis-
mercado de valores mobiliários, bem como a veiculação de infor- tram recursos na forma de fundos de investimento, emprestando
mações relativas ao mercado, às pessoas que dele participam e aos no mercado a médios e longos prazos. Executam alguns serviços
valores nele negociados, e impor penalidades aos infratores das dos bancos comerciais, mas não abrem contas correntes.
Leis 6.404/76 e 6.385/76, das normas da própria CVM ou de leis es- Sua forma de constituição é a Sociedade Anônima.
peciais cujo cumprimento lhe incumba fiscalizar (Lei 6.385/76, art.
8º, incisos III e V, e art. 11)”. Bancos de desenvolvimento
São bancos públicos que oferecem crédito para projetos que
Conselho de recursos do sistema financeiro nacional (CRSFN) desenvolvimento econômico e social do país. No Brasil, o principal é
Tem como função principal, revisar as decisões administrativas o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
e de primeira instância do Sistema Financeiro Nacional, principal-
mente do BACEN, da CVM e do COAF (Conselho de controle de Ati- Sociedades de crédito, financiamento e investimento
vidades Financeiras). São instituições financeiras privadas, mais conhecidas como fi-
A Secretaria Especial da Fazenda define: nanceiras; que fornecem empréstimos e financiamentos para aqui-
“O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional (CRS- sição de bens, serviços, capitas de giro, etc.
FN) é um órgão colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura São constituídas como Sociedades Anônimas e devem manter
do Ministério da Economia e tem por finalidade julgar, em última em sua denominação social a expressão “crédito, financiamento e
instância administrativa, os recursos contra as sanções aplicadas investimento”.
pelo BCB e CVM e, nos processos de lavagem de dinheiro, as san- Podem ser independentes, sem vínculos com outras institui-
ções aplicadas pelo COAF, SUSEP e demais autoridades competen- ções ou ligadas a ligados a diversos tipos de conglomerado, tais
tes”. como, financeiros, estabelecimentos comerciais, grupos indústrias
(montadoras).
Bancos comerciais Sua captação de recurso ocorre principalmente por Letras de
É o banco mais popular entre as instituições financeiras. Foi o câmbio e RDB.
primeiro banco comercial a oferecer a tão conhecida conta corren-
te (conta de depósito à vista), além de outros serviços bancárias Sociedades de arrendamento mercantil
como; recebimento e pagamento de títulos, operações de crédito, São empresas que operam as carteiras de leasing, não são con-
conta poupança, vendas de seguros, etc. sideradas como instituições financeiras.
É a principal instituição financeira intermediária, tendo o poder Oferecem serviços de arrendamento de bens móveis e imóveis
da geração de moeda na economia brasileira. Atende pessoas físi- próprios, segundo as especificações do arrendatário (cliente).
cas e jurídicas. São fiscalizadas pelo Banco Central do Brasil e realizam opera-
ções com idênticas a financiamentos.
Caixas econômicas
É uma instituição financeira que oferece todos os serviços de Sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários
um banco comercial, porém, apenas a caixa tem desempenha o pa- São instituições que atuam na intermediação de títulos e va-
pel de banco social, participando diretamente dos programas do lores mobiliários (recursos captados pelas empresas para suprir as
governo. Inclusive os cidadãos que não são clientes, podem usufruir necessidades de caixa) nos mercados financeiro e de capitais.
desses serviços. Possuem autorização de funcionamento pelo Banco Central do
Brasil e compõem o Sistema Financeiro Nacional.
Cooperativas de crédito
Representa um grupo de pessoas com a mesma intenção, Sociedades distribuidoras de títulos e valores mobiliários e
prestar serviços financeiros, como; abertura de contas, aplicações sociedades de crédito imobiliário
financeiras, emissão de cartão de crédito, etc. O diferencial é que na São as principais instituições que operam na Bolsa de Valores,
cooperativa, o cliente como associados, é também um dos donos. também atuando no mercado de câmbio. Constituídas sob a forma
Essas instituições estão localizadas também longe dos grandes de Sociedades Anônimas ou sociedades por quotas de responsabi-
centros, como em pequenos bairros ou comunidades. lidade limitada. São fiscalizadas pelo Banco Central do Brasil e pela
Contam com a proteção do Fundo Garantidor do Cooperativis- Comissão de Valores Mobiliários.
mo de Crédito, para casos em que o dinheiro deva ser devolvido Sua administração é realizada por pessoas naturais, residentes
aos clientes. no Brasil, que cumprem exigências pelo Banco Central do Brasil,
com relação a sua formação e conhecimento. Cumprem funções
Bancos comerciais cooperativos auxiliares no Sistema Financeiro Nacional.
São bancos instituídos como cooperativas, porém, tiveram
que se modificar com o passar do tempo devido seu crescimento. São capacitadas para:
Juntam-se três centrais cooperativas e constituem uma Sociedade Encarregar-se da administração de carteira de custódia de títu-
Anônima de capital fechado, em que 51% de seu capital deve per- los e valores mobiliários.
manecer em poder das controladoras. — Exercer funções de agente fiduciário.
Os bancos comerciais cooperativos devem ter uma carteira co- — Instituir, organizar e administrar fundos de investimentos e
mercial e funcionar como um banco comercial. Suas atividades fi- clubes de investimento.
cam restritas apenas no estado em que estejam seus controladores. — Constituir sociedades de investimentos de capital estrangei-
ro e administrar a respectiva carteira de títulos e valores mobiliá-
rios.

3
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Bolsas de valores A SELIC pode ser considerada também, um mecanismo de con-
A Bolsa de Valores é o ponto de encontro entre vendedores e trole da inflação. Quando está a inflação está alta, o COPOM tende
compradores de produtos financeiros e foi constituída para organi- a escolher aumentar a taxa de juros e conter esse processo. Com o
zar essas negociações que ocorrem em grande número e aconte- aumento, fica mais difícil a obtenção de crédito, reduzindo o consu-
cem em questão de segundos devido a tecnologia da plataforma mo, a elevação dos preços; o resultado é a queda da inflação. Se a
da Bolsa. inflação estiver controlada, a tendência é que o COPOM promova a
A Bolsa estabelece regras de negociações com o objetivo de redução na SELIC, como consequência, temos um aumento na libe-
tornar o ambiente transparente e seguro para todas as partes en- ração de crédito e maior investimento nas empresas.
volvidas.
O produto mais popular negociado na Bolsa é a ação, que re- CETIP S.A.
presenta uma pequena parte de uma empresa, então, ao adquirir Central de Liquidação e Custódia de Operações Financeiras foi
uma ação o comprador se torna um acionista (pequeno sócio) do uma empresa privada do mercado financeiro.
negócio. Iniciou suas atividades em 1986, atuando com serviços de re-
A popularidade da Bolsa se deve a compra e venda de ações, gistro, central de depositária, negociação e liquidação de ativos e
porém, há outros seguimentos na estrutura da bolsa: títulos. Em 2017 houve a fusão com a BM&F BOVESPA, formando a
• Mercados à vista. atual Bolsa de Valores no país, a [B]3 Brasil, Bolsa e Balcão.
• Derivativos listados.
• Derivativos de balcão. Associações de poupança e empréstimo (APE)
• Ativos de renda fixa. Instituições não consideradas financeiras, mas sim sociedades
• Crédito imobiliário civis. Tem como finalidade captação de poupança e financiamento
• Financiamento de veículos. da casa própria.
São regulamentadas pela Lei nº 6.855/80, pertencem ao Siste-
Todos esses empréstimos devem ter sua garantia registrada em ma Financeiro Nacional, devendo seguir as regras do BACEN e do
um sistema de liquidação financeira. COPOM. Pertencem também ao Sistema Financeiro da Habitação
As Bolsas de Valores estão presentes em todo o mundo. Entre (SFH).
as maiores do mundo estão a de New York, a Nasdaq, a de Tóquio, A Poupex é a única APE em atividade no Brasil nos dias de hoje,
a de Londres, etc. atuando para captar recursos da poupança e financiamento de ha-
Aqui no Brasil, temos a Bolsa que se chama [B]3. Até 2008, bitação para seus associados.
eram duas Bolsas, a BM&F e Bovespa, no entanto, neste mesmo Os associados são aqueles que depositam para formar poupan-
ças e também os que adquirem financiamento imobiliário.
ano, houve a unificação e se tornou a BM&F Bovespa. Em 2017, se
Suas operações quanto a aplicação de dinheiro consistem em
juntou a esta a CETIP (Central de Custódia e Liquidação Financeira
direcionar os recursos para o mercado imobiliário, incluindo o SFH.
de Títulos), formando a [B]3 (Brasil, Bolsa e Balcão).
As operações para captar recursos, além dos depósitos de
O IBOVESPA é o principal índice da Bolsa, sendo composto pe-
poupança, são constituídas por: Letras hipotecárias, repasses e re-
las ações mais negociadas e por isso tem maior representatividade
financiamentos contraídos no país, empréstimos e financiamentos
no mercado brasileiro de ações. É revisado a cada quatro meses,
contraídos no exterior, letras de crédito imobiliário, letra financeira
assim, são alteradas suas ações e também seus percentuais.
e depósitos interfinanceiros.
Mas existem outros índices, conhecidos como setoriais, por
exemplo: índice de energia, índice de mercado imobiliário, etc.
A praticidade é um dos atrativos de investir na Bolsa, já que são MERCADO FINANCEIRO E SEUS DESDOBRAMENTOS
investimentos são realizados totalmente de forma on-line. Também (MERCADOS MONETÁRIO, DE CRÉDITO, DE CAPITAIS E
a rentabilidade chama a atenção, especialmente no cenário de ju- CAMBIAL)
ros baixos do Brasil. Há ainda, os proventos que fazem parte dos
lucros das companhias, repassado aos acionistas. É possível inves- Mercado Monetário
tir na Bolsa com poucos recursos. Porém, o investimento só ocorre O mercado monetário é um dos mercados que faz parte do
através de uma corretora de valores. mercado financeiro e do Sistema Financeiro Nacional (SFN). Logo,
é regulamentado e supervisionado pelo CMN e Banco Central do
Bolsas de mercadorias e de futuros Brasil.
Bolsa em que eram negociados contratos futuros de commodi- O mercado monetário é caracterizado pelas negociações de tí-
ties; como soja, milho, água, energia, ouro, gás natural. tulos públicos do Tesouro Nacional (LTN LFN) e privados (CDB), de
Em 2008, a BM&F e a BOVESPA se unificaram, dando início a curto e curtíssimo prazo, e tem desempenho fundamental com a
BM&F BOVESPA. Em 2017, ocorreu outra fusão, dessa vez com a liquidez monetária, que por sua vez influencia toda economia, atra-
CETIP, dando origem a [B]3 Brasil, Bolsa e Balcão; que é agora a única vés da inflação e a taxa de juros. É por meio dos títulos públicos que
Bolsa de Valores do Brasil. o Banco Central atua neste mercado visando atingir os objetivos do
governo quanto à inflação e a taxa de juros, visto que ao comprar
Sistema especial de liquidação e custódia (SELIC) títulos públicos, ele aumenta a oferta de moeda no sistema, geran-
Conhecida como a Taxa Básica de Juros, é um indicador que do uma baixa na taxa de juros e uma alta na inflação e, ao vender
serve de referência para diversas outras taxas. títulos públicos, ele diminui a oferta de moeda no sistema, gerando
A SELIC é de responsabilidade do Comitê de Política Monetária uma alta na taxa de juros e uma baixa na inflação.
(COPOM), que organiza reuniões a cada 45 dias para definir qual
será a meta para a taxa. Após cada reunião, o COPOM disponibiliza
uma ata com seu parecer e o resultado da taxa SELIC que pode ser
de aumento, redução ou mesmo manutenção da taxa (quando per-
manece inalterada).

4
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Mercado de Crédito Sendo assim, é por meio dela que se dá o controle da oferta de
O mercado de crédito é aquele onde se encontram os agentes dinheiro no país. Suas diretrizes são determinadas pelo Conselho
econômicos tomadores e tomadores de recursos. Os agentes eco- monetário Nacional (CMN).
nômicos são as pessoas físicas e jurídicas e as instituições financei- Para controlar a oferta de dinheiro no país, a política monetária
ras, que buscam e oferecem recursos e financiamentos. atua utilizando as seguintes ferramentas:
As principais operações são: • Depósito Compulsório – É o valor mínimo que cada ban-
• Pessoa física - crédito ao consumidor, crédito consignado, co deve ter guardado em seus cofres ao final do dia, mesmo com
cheque especial, cartão de crédito, leasing, etc. grande movimento de saque por parte dos clientes, este valor é
• Pessoa jurídica - empréstimo para capital de giro, financia- uma espécie de reserva dos bancos. Existe um percentual de de-
mento de máquinas e equipamentos, financiamento de projetos, pósito compulsório, porém, não é fixo. Quando o governo quer que
etc. os bancos emprestem mais recursos, esse valor é reduzido; para o
caso de menos dinheiro circulando, há um aumento desse percen-
Essas relações tem algumas características que precisam ser tual.
definidas em contrato, que se fundamentam em normas e fiscaliza- • Compra e venda de títulos públicos – Quando o governo
ções do mercado financeiro para que possam ser realizadas, como tem a necessidade de tirar dinheiro da economia, vende títulos pú-
os períodos que podem ser de curto, médio ou longo prazo; valor, blicos ao mercado com uma taxa atrativa, mantendo o valor arreca-
forma de liquidação, taxa de juros, riscos, garantias e destinação
dado em caixa. No caso contrário, o governo recompra esses títulos
dos recursos.
públicos e permite uma oferta maior de crédito. É uma operação
realizada pelo Banco Central, mantendo o equilíbrio de moeda na
Mercado de Capitais
economia.
É o ambiente composto por empresas e investidores. Muitas
vezes as empresas necessitam de recursos para projetos diversos e • Redesconto bancário – É a taxa cobrada pelo emprésti-
buscam os investidores, que são as pessoas com recursos e interes- mo de dinheiro aos bancos que não conseguiram manter ao final
se disponíveis. do dia, o valor do depósito compulsório determinado pelo Banco
Sua principal função é possibilitar aos investidores boas opor- Central. Essa taxa é que vai determinar se ao longo do expediente
tunidades de investimento através de empresas que estão dispos- os bancos emprestaram mais ou menos recursos; pois quando está
tas a aceitar novos sócios. baixa é mais favorável pegar dinheiro com o Banco Central para su-
No mercado de capitais a empresa assume o compromisso de prir o depósito compulsório.
retorno com o investidor, através da emissão de títulos e ações, dis- O governo pode também, através da política monetária, atuar
ponibilizadas no mercado. Dessa forma o mercado de capitais sur- de forma expansionista, deixando mais dinheiro na economia. Para
giu para aproximar aqueles investidores que gostariam de investir isso, basta diminuir o depósito compulsório, comprar títulos públi-
em empresas e de empresas que precisam de recursos para proje- cos e diminuir a taxa de redesconto.
tos de investimento. Já, para reduzir a quantidade de recursos na economia e atuar
de forma expansionista, faz o processo inverso, aumentando o valor
Mercado Cambial do depósito compulsório, vendendo títulos e elevando a taxa de
É um dos principais mercados existentes dentro mercado finan- redesconto.
ceiro, fazendo parte do Sistema Financeiro Nacional, sendo norma-
tizado e supervisionado pelo CMN e pelo Banco Central. Políticas monetárias não convencionais (Quantitative Easing)
É o local em que ocorrem as transações envolvendo moedas de Quantative Easing (QE) são formas de políticas monetárias não
diversos países (divisas internacionais). Essas operações consistem convencionais. Apesar de não muito usuais, tem função de estimu-
na troca de uma moeda base por outra moeda cotada, como paga- lar a economia. Utilizados quando a economia está em crise, com
mentos, recebimentos, transferências, investimentos, etc. inflação muito baixa, taxas de juros também muito baixas; em que
Por ser globalizado, este mercado, tem seu funcionamento du- o Banco Central já praticamente esgotou todas as formas conven-
rante 24 horas em cinco dias da semana; tendo ainda a facilidade cionais da política monetária.
de ser descentralizado e eletrônico. É dividido em duas partes, sen- Sãos medida em que o Banco Central compra títulos do gover-
do o mercado primário aquele que realiza transações por turistas,
no ou demais títulos do mercado para reduzir as taxas de juros e
importadores e exportadores, e o secundário, em que ocorrem as
aumentar a oferta de dinheiro na economia. Alguns especialistas
transações autorizadas pelo Banco Central. Ou seja, mercado cam-
consideram essas ações como políticas artificias de criação de moe-
bial, é onde as moedas dos países são negociadas, possibilitando o
da, pois o dinheiro é circulado apenas de forma eletrônica.
comércio, turismo e investimentos internacionais.
Num cenário de possível recessão, apesar da demanda por cré-
dito, as instituições financeiras irão se resguardar e manter dinheiro
MOEDA E POLÍTICA MONETÁRIA: POLÍTICAS MONE- em seus caixas. Assim, é necessário que o Banco Central estimule a
TÁRIAS CONVENCIONAIS E NÃOCONVENCIONAIS economia utilizando opções não convencionais.
(QUANTITATIVE EASING); TAXA SELIC E OPERAÇÕES Esse aumento de liquidez impacta a economia, por exemplo,
COMPROMISSADAS; O DEBATE SOBRE OS DEPÓSITOS estimulando o consumo, investimentos e financiamentos; a moeda
REMUNERADOS DOS BANCOS COMERCIAIS NO BAN- perde o valor, aumentando a inflação até a sua meta; queda da taxa
CO CENTRAL DO BRASIL de juros mais longas, proporcionando maior oferta de crédito.

Políticas monetárias convencionais


Política monetária convencional é um dos instrumentos para
manter a economia em plena estabilidade. Esse tipo de política
monetária é utilizado quando apenas os instrumentos básicos são
capazes de equilibrar o mercado.

5
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Taxa SELIC Atualmente o Banco Central utiliza como principal ferramenta
A SELIC é a taxa básica de juros da economia e o principal ins- de controle de liquidez as operações compromissadas, porém esta
trumento de política monetária aplicado pelo Banco Central do faz a dívida pública aumentar, pois é incluída diretamente em seu
Brasil. Ela é utilizada pelos bancos e outras instituições financeiras. total.
Quando um banco está precisando de dinheiro para fechar a conta
do dia, ele pode pegar um empréstimo com outro banco, dando
ORÇAMENTO PÚBLICO, TÍTULOS DO TESOURO NACIO-
como garantia títulos emitidos pelo Governo. A taxa Selic é a refe-
NAL E DÍVIDA PÚBLICA
rência para as demais taxas de juros da economia, ou seja, é a base
para definir o custo do crédito no Brasil.
Quando um banco pega dinheiro emprestado pagando a SELIC Orçamento Público
de juros para sustentar seu negócio, ele vai emprestar esse dinheiro Orçamento público é m planejamento público financeiro que
para seus clientes cobrando no mínimo, a SELIC mais seus custos. detalha o quanto haverá de entradas e saídas de dinheiro do gover-
Por isso que as taxas de juros cobradas nos empréstimos, financia- no para manter os serviços públicos funcionando em equilíbrio com
mentos, cheque especial, ou no cartão de crédito são maiores que as contas públicas.
a SELIC; pois as instituições incluem no valor principal custos opera- Existem três instrumentos importantes que devem ser conside-
cionais; o risco de inadimplência, a taxa de impostos e o seu lucro. rados no momento da definição desse orçamento nas esferas muni-
cipal, estadual e federal:
Quando a SELIC sobe, todas as outras taxas de juros aumen-
• Plano Plurianual (PPA) – Documento que prevê metas e
tam. Com juros mais altos as pessoas pegam menos empréstimos e
objetivos de médio prazo para o governo. Considerado um planeja-
financiamentos. Esse movimento desestimula o consumo e favore-
mento estratégico de grandes investimentos. Contém a realização
ce a queda da inflação. Quando a SELIC é reduzida, as outras taxas
de obras grandiosas, como a manutenção ou construção de rodo-
de juros tendem a cair também, estimulando o consumo. Quem vias, hidrelétricas, aeroportos etc. Além disso, o PPA é elaborado e
decide a Taxa Selic é o COPOM (Comitê de Política Monetária). O discutido a cada quatro anos.
COPOM é formado pelo Presidente e pelos diretores do Banco Cen- • Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) – É elabora e dis-
tral. Eles se reúnem oito vezes ao ano, a cada 45 dias, na sede do cutida anualmente para definir as prioridades de curto prazo do
Banco Central em Brasília. Nessa reunião é definido se a Taxa SELIC governo, além de orientar a maneira que serão executadas no ano
aumenta, diminui ou se mantém. A taxa SELIC é uma meta defini- seguinte, como reajuste do salário-mínimo, tributos, o quanto o go-
da pelo COPOM, portanto ela não é cumprida por força de norma, verno deve poupar para pagar a própria dívida, investimentos em
e sim da compra e venda de títulos públicos do Governo Federal, agências de fomento etc. O Presidente da República tem até a data
uma operação que busca aproximar a taxa real da meta definida de 15 de abril para enviar esse documento para a Comissão Mista de
pelo COPOM. E esses títulos são negociados em um sistema admi- Orçamento, que é formada com o intuito de analisar essa proposta,
nistrado pelo próprio Banco Central, chamado Sistema Especial de seguindo para a votação no Congresso. Essa votação deve ocorrer
Liquidação e Custódia, por isso, o nome da Taxa Selic. até a data de 07 de julho; prazos definidos pela Constituição.
• Lei Orçamentária Anual (LOA) – Plano de ação apresen-
Operações Compromissadas tado e discutido sempre no final do ano, com base nos objetivos
Trata-se de uma operação de compra e venda através de ban- do PPA e nas prioridades da LDO. Nela estão descritas receitas e
co ou outra instituição financeira, que é feita com o compromisso despesas. O Presidente da República tem até o dia 3 de agosto para
de ser refeita, porém, ao contrário, envolvendo ativos financeiros, encaminhar esse documento à Comissão Mista de Orçamento, se-
como títulos públicos, por exemplo. guindo depois para o plenário do Congresso, onde será votado até
Assim, o vendedor assume o compromisso de recompra do tí- o dia 22 de dezembro.
tulo, enquanto o comprador compromete-se a vender esse título Segundo a Constituição, esse é o caminho que o orçamento pú-
com a mesma instituição da primeira operação, em data menciona- blico deve percorrer, passando pelas etapas do PPA, LDO e LOA, de
das pelas partes em contrato. forma organizada e planejada.
As negociações ocorrem em duas etapas, a primeira chamada
“ida”, pois é quando a instituição vende o título; a segunda chama- Títulos do Tesouro Nacional
O Tesouro Direto é o Programa do Tesouro Nacional, em parce-
da “volta”, quando há a recompra do mesmo título. No momento
ria com a B3. Ao investir nesses títulos, os recursos serão empres-
da negociação, deverão constar em contrato, algumas informações,
tados para o governo federal aumentar investimentos em saúde,
como a data da recompra e o valor, que geralmente é o mesmo.
educação, segurança etc. Em troca, o investidor recebe será remu-
Podem adquirir títulos nessas condições qualquer pessoa física
nerado, através do principal mais juros.
ou jurídica, no entanto, só poderá vender instituições autorizadas São investimentos considerados com o menor risco do merca-
para este tipo de serviço e que sigam as normas previstas na Re- do, pois estão 100% garantidos pelo Tesouro Nacional. A rentabili-
solução 3.339/20076, emitida pelo Conselho Monetário Nacional. dade varia conforme o título escolhido e se a remuneração é pré ou
pós-fixada; e se será recebido em parcelas semestrais ou acumula-
O debate sobre os depósitos remunerados dos bancos comer- dos no vencimento.
ciais do Banco Central do Brasil Existem títulos de curto, médio e longo prazos, e todos pos-
Foi aprovado em 22/06/2021, o Projeto de Lei nº 3.877/2020, suem liquidez diária; assim, o resgate antecipado pode ocorrer con-
autorizando o Banco Central a receber das instituições financeiras forme a necessidade do investidor, pois a recompra dos títulos é ga-
depósitos voluntários, mediante remuneração. Segue agora para rantida pelo governo. O Tesouro Nacional pagará o valor pelo qual o
sanção do Presidente. título está sendo negociado na data; valor este que não é fixo.
O objetivo é que o Banco Central disponha de mais um instru- Como os demais investimentos, existem as taxas de administra-
mento para controlar a quantidade de moeda que circula na econo- ção da instituição financeira e a taxa de custódia da B3, além de IR e
mia e também a inflação, sem aumentar a dívida pública. IOF. Antes de investir é importante observar qual o título que possui
as melhores condições conforme o objetivo do investidor.

6
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Os títulos do Tesouro Nacional são: As adquirentes vão garantir algumas vantagens como, facilida-
• Tesouro prefixado - Esse título vence em 01/07/2024. Tí- de na cobrança e menor taxa na transação. Porém, também podem
tulo prefixado, ou seja, no momento da compra, você já sabe exata- trazer alguns problemas, como falta de comunicação por alguns
mente quanto irá receber no futuro (sempre R$ 1.000 por unidade instantes; nesse caso o lojista fica impossibilitado de receber suas
de título). Atualmente sua rentabilidade anual é de 8,14%, com in- vendas. Além do fato de, no caso algum serviço complementar ser
vestimento mínimo de R$ 31,63. necessário, deverá em muitos casos, optar pela contratação a parte,
• Tesouro IPCA+ - Esse título vence em 15/08/2026. Título o que aumenta a burocracia para lojistas de pequeno porte.
pós-fixado, uma vez que parte do seu rendimento acompanha a va- Com o tempo, foram criadas as subadquirentes, que são in-
riação da taxa de inflação (IPCA). Sua rentabilidade atual é de 3,74% termediárias de pagamentos, fazendo a mediação entre lojistas e
e seu investimento mínimo é de R$ 59,02. adquirentes. Capazes também de aprovar transações, além de ter
• Tesouro SELIC - Esse título vence em 01/09/2024. Título serviços antifraudes.
com rentabilidade diária vinculada à taxa de juros da economia Existem também as empresas conhecidas como gateways,
(taxa Selic). Isso significa que se a taxa Selic aumentar a sua rentabi- que atuam apenas no mundo virtual, da mesma maneira que as
lidade aumenta e se a taxa Selic diminuir, sua rentabilidade diminui. “maquininhas” de recebimento, porém, apenas nas empresas de
Rentabilidade atual de 0,2323%, com investimento mínimo de R$ e-commerce.
108,12.
Bandeiras de cartão
Dívida Pública Empresas como Visa, Mastercard, Elo, etc. representam as
É o conjunto de títulos emitidos pelo governo para obter di- bandeiras dos cartões. Elas trabalham para definir onde os cartões
nheiro de seus cidadãos, de outros países ou do mercado financeiro serão aceitos, pois também indicam as máquinas dos estabeleci-
e custear suas despesas. Na venda desses títulos, o governo se com- mentos.
promete em receber o título e devolver o valor pago, acrescido de Visa e Mastercard são as bandeiras mais aceitas no mundo; a
juros, na data de seu vencimento. Elo é uma bandeira nacional, ainda aceita apenas no Brasil.
O governo recorre a venda de títulos e se endivida, pois mui- Além da aceitação, a bandeira é responsável pela comunicação
tas vezes, o valor da arrecadação de impostos não é suficiente para entre ela, a empresa da máquina e o emissor do cartão no momen-
cobrir todas as despesas e custos com serviços oferecidos a popu- to em que ocorre a compra para a conclusão da transação.
lação, compra de bens e serviços e com o pagamento de seus ser- A bandeira pode oferecer também promoções, descontos, se-
vidores. guros e vantagens exclusivas para seus clientes. Quanto melhor a
modalidade do cartão, melhores serão os benefícios oferecidos.
PRODUTOS BANCÁRIOS: NOÇÕES DE CARTÕES DE Depósitos à vista, depósitos a prazo (CDB e RDB) e letras de
CRÉDITO E DÉBITO, CRÉDITO DIRETO AO CONSUMI- câmbio
DOR, CRÉDITO RURAL, POUPANÇA, CAPITALIZAÇÃO,
PREVIDÊNCIA, CONSÓRCIO, INVESTIMENTOS E SEGU- Depósitos à vista
ROS Conhecidos como depósitos em conta corrente, representam a
entrega de valores as instituições financeiras, para que sejam guar-
Cartões de crédito e débito dados ou aplicados, com resgate total ou parcial no momento em
Cartões de crédito que o cliente necessitar.
Para a utilização de cartões de crédito não é necessário ter di- Também é uma forma de captação de recursos pelos bancos,
nheiro em conta, pois as compras vêm para pagamento através de porém, sem remuneração, já que possuem liquidez imediata.
uma fatura com prazo de vencimento de até 40 dias após o consu-
mo, ou em várias parcelas. Depósitos a prazo
É uma espécie de empréstimo, com a administradora ou ins- Investimentos em que o cliente deve aguardar o prazo de ven-
tituição financeira, pois os comerciantes recebem em poucos dias cimento para resgatá-lo, conforme contrato.
após a compra, mas o pagamento ocorre em um período posterior. Certificado de Depósito bancário (CDB) e Recibo de Depósito
Caso a fatura não seja paga na data, ocorrerão acréscimos de Bancário (RDB) são os principais instrumentos de depósitos a prazo.
multas e juros. Se for paga na data do vencimento, com valor menor Considerados investimentos, pois são aplicados em troca de remu-
que o total, o cliente utilizará o crédito rotativo. neração de juros.
CDB – Possui liquidez diária e pode ser regatado a qualquer
Cartões de débito momento (sob aviso prévio). Tem emissão digital e física. Suscetí-
Ao realizar pagamentos utilizando os cartões de débito, o des- veis a incidência de IR e IOF, possuem garantia pelo Fundo Garanti-
conto será automático do saldo de conta corrente (saldo positivo ou dor de Crédito em até R$ 250.000,00 por título, (limitado a quatro
cheque especial). É considerado sempre como pagamento à vista, por CPF ou CNPJ).
pois utiliza o dinheiro que já disponível. RDB – Título de renda fixa emitido pelas instituições finan-
ceiras. Nesse investimento o cliente empresta dinheiro para uma
Rede de aceitação (adquirências) instituição financeira e no vencimento tem o retorno do capital in-
As adquirentes são as redes de aceitação de cartões, como a vestido mais o rendimento. Sofre incidência de IR e de IOF apenas
Cielo, Rede, GetNet, etc. São responsáveis por fazer a comunicação quando resgatado num prazo menor que 30 dias após a aplicação.
da bandeira do cartão. Tem a segurança do Fundo Garantidor de Crédito nas mesmas con-
Elas irão processar os dados e após alguns dias farão o repasse dições do CDB.
do valor das compras aos lojistas, mediante taxa de transação.

7
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Letras de câmbio LC’s) Arrecadação de tributos e tarifas públicas
São títulos de renda fixa que permitem que o dinheiro seja em- Toda a arrecadação de tributos e tarifas públicas, obrigatoria-
prestado a uma financeira. Podem ser pré e pós fixadas ou híbridas. mente transita pelas instituições financeiras para seu pagamento.
Pré fixada: Indicam a rentabilidade final no momento da apli- São serviços prestados através de convênios específicos de arreca-
cação inicial. dação e repasse.
Pós fixada: A rentabilidade total será apresentada apenas no Geralmente, o poder público mantém um banco preferencial
vencimento do título. conveniado para centralizar suas arrecadações e identificar paga-
Híbrida: Parte do valor está na modalidade pré e a outra meta- mento dos contribuintes.
de na pós fixada. Tributo: Cobrança coercitiva, realizada pelo agente público
São asseguradas pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), no (união, estados e municípios) em relação à pessoa física e jurídica
valor de até R$ 250.000,00, com um limite total de R$ 1.000.000,00. (impostos, taxas e contribuições).
Sofrem incidência de IOF e também de IR. Tarifas Públicas: Pagamento de serviços realizados por conces-
sionárias (água, luz, telefone e gás).
Cobrança e pagamento de títulos e carnês
A movimentação de títulos e carnês tem objetivo de processar Home/office banking e remote banking
e controlar as operações realizadas com títulos e carnês enviados as Home/Office Banking: Tecnologia desenvolvida para que os
instituições financeiras por empresas ou pessoas físicas. clientes realizem operações bancárias fora das agências, através
dos recursos da internet, permitindo economia de tempo. Esse sis-
Boleto tema favorece também a redução de custos e expansão de serviços
Título de cobrança regulamentado pelo BACEN. É muito popu- para as instituições financeiras.
lar, podendo ser emitido por pessoas físicas e jurídicas, inclusive Remote Banking: Serviços disponíveis para que o cliente tenha
para pessoas que não possuem vínculo com algum banco, porém, acesso a todo tipo de acesso fora de uma agência. Objetiva reduzir
seu emissor dever ter conta corrente para que os valores recebidos custos de operação e geração de eficiência na relação entre ban-
sejam por lá, depositados. Seu pagamento pode ocorrer em esta- co e cliente. Ex. Banco 24 horas, atendimento telefônico, aplicati-
belecimentos variados, como supermercados, lotéricas, etc. O valor vos para celular e computadores diversos, atendimento via chat e
estará disponível em conta, um dia após a sua liquidação. Tem a WhatsApp.
facilidade de ser pago em supermercados, lotéricas, etc.
Para a realização deste serviço, os bancos estão autorizados a Corporate finance
cobrar tarifas conforme o contrato da conta corrente do cliente. É a prestação de serviços de instituições financeiras de inves-
timento, para grandes empresas em negociações de aquisições, ci-
Carnê sões, fusões, incorporações, etc.
Também um título de cobrança, representa a união de vários Os bancos, através de seus profissionais especialistas, auxiliam
boletos. São emitidos para compras parceladas, formalizando uma na análise de cálculo do valor das empresas envolvidas (valuation),
relação de crédito concedido entre vendedor e consumidor. Antes pesquisas de mercado para assegurar a justificativa da operação.
de sua emissão, é necessário análise dos dados do cliente, com a fi- Além desse serviço, o banco concede, em muitos casos, em-
nalidade de determinar se este tem condições de pagar pelo objeto préstimos ou apoio na captação de recursos internos ou externos
de compra. para a realização da operação. É cobrada uma comissão sobre a
operação, geralmente uma taxa fixa, acordada em contrato.
Transferência automática de fundos
Prestação de serviços em que a instituição financeira movimen- Fundos mútuos de investimento
ta recursos de uma ou mais contas correntes para um ou mais fun- São fundos de investimentos gerenciados por profissionais es-
dos. Para isso, o cliente antecipadamente autoriza o banco o movi- pecialistas no mercado financeiro. Os fundos gerenciam recursos de
mentar suas contas. um grupo de investidores, em carteiras diversificadas de títulos e
É um serviço sem cobrança adicional para o cliente, além de valores mobiliários, com divisão de recursos (cotas de participação)
ser considerada uma maneira de gerenciar recursos do cliente, pois em partes iguais para todos.
dada a autorização, o banco pode também fazer o resgate de va- Os fundos são individuais, cada um com seu grau de risco e
lores (resgate automático), transferindo-os da conta de aplicação custo de serviços definidos desde o início. Os recursos arrecadados
para a conta corrente quando houver necessidade da cobertura de com as vendas das cotas são investidos em títulos, que resultarão
possíveis valores que não estejam disponíveis. na rentabilidade dos fundos
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é o órgão responsá-
Commercial papers vel por normas, registros, autorizações, e supervisão dos fundos.
São títulos de crédito emitidos por empresas não financeiras
da modalidade Sociedades Anônimas (S.A’s), com necessidade de Hotmoney
captar recursos no mercado interno para financiar suas necessida- São empréstimos de curtíssimo prazo (de 1 a 29 dias), desti-
des de fluxo de caixa. nados as pessoas jurídicas para financiar o capital de giro. Nesse
Tem um prazo de mínimo de 30 dias e máximo de 180 ou 360. sistema, os recursos são transferidos entre mercados, com rapidez
Para S.A’s de capital fechado é de até 180 e com capital aberto de e eficiência referente aos ganhos. No entanto, suas taxas de juros
até 360. são altas e seus prazos de pagamento, muito pequenos.
É uma operação considerada alternativa para empréstimos As empresas optantes pelo hotmoney contratam o serviço
bancários convencionais, possibilitando redução nas taxas de juros através de instituição financeira e celebração de contrato.
devida eliminação da intermediação financeira e também mais ra-
pidez e simplicidade na negociação entre tomadores e investidores.

8
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Contas garantidas Compror finance: É a operação de financiamento em que a ins-
É uma linha de crédito disponível na conta corrente para utili- tituição financeira intermedia através de convênio uma negociação
zação no curtíssimo prazo. Está vinculada a uma garantia, como al- de compra e venda entre duas empresas. Nesta situação, a empre-
gum recebível ou garantia real (hipoteca, penhor, anticrese). Após a sa compradora, cliente do banco firma contrato para aquisição de
realização do contrato entre cliente e instituição financeira, o limite mercadorias a vista, sendo financiada pela instituição financeira.
estabelecido é disponibilizado. Não há necessidade do envolvimento da vendedora. O paga-
Costumam ter taxas de juros mais baixas e limite de crédito mento acontecerá em data futura, acordado em contrato.
mais elevado devido as garantias.
Leasing (tipos, funcionamento, bens)
Crédito rotativo Leasing é um arrendamento mercantil. Neste processo, exis-
Modalidade de crédito muito utilizada para pagamento de car- tem duas partes envolvidas, que podem ser tanto pessoas físicas
tões de créditos, porém, também para cheque especial, caução de como jurídicas.
duplicatas. Pessoas físicas e jurídica podem contar com este recur- O arrendatário é que tem o direito da posse de uso temporário
so. de um bem, em troca do pagamento de parcelas mensais a empresa
O limite de crédito é utilizado em um período curto, mediante que fez o arrendamento. É uma forma de desfrutar do bem, sem ne-
o pagamento com juros. cessidade de comprá-lo. Para que essa relação aconteça, é preciso
Ex. Fatura do cartão de crédito no valor de R$ 5.000,00; com do arrendador (empresa).
pagamento mínimo obrigatório de R$ 1.000,00; pagamento reali- Existem três tipos de leasing:
zado de R$ 800,00. O saldo restante a pagar de R$ 4.200,00 é o a) Leasing financeiro: de longo prazo, em que o cliente manifes-
crédito rotativo. ta o interesse na aquisição do bem. Ao finalizar o contrato, o bem já
terá sido pago. Caso não haja interesse em permanecer com o bem,
Descontos de títulos este será vendido e se o recebido for menor que o valor de aqui-
Modalidade de crédito, conhecida como a antecipação de re- sição, o arrendatário pagará por essa diferença; sendo este valor
cebíveis que o cliente tem e já apresentou a instituição financeira maior, receberá o valor correspondente; chamado de Valor Residual
como forma de garantia (nota promissória, cheques, etc.). Garantido (VRG). Para os bens com vida útil de até cinco anos, o pra-
Por essa antecipação, o banco cobra uma taxa, chamada de zo do contrato será de dois anos. Já os bens com vida útil superior a
taxa de redesconto, definida a partir de um percentual sobre o valor cinco anos, o contrato deverá ser de no mínimo, três anos.
nominal ou futuro do título. Nessa antecipação de recurso incide o b) Leasing operacional: de curto prazo, em que o arrendatá-
IOF; e outros encargos bancários contratuais. rio manifesta logo de início sua opção por não obrigatoriedade em
É geralmente utilizado por pessoas jurídicas, mas pessoas físi- adquirir o bem. São três opções ao final desse contrato: adquirir o
cas também tem acesso. bem, renovar o bem, ou não renovar. Nessa modalidade, não existe
o VRG. Prazo mínimo de contrato, por 90 dias, não podendo ultra-
Financiamento de capital de giro passar 75% da vida útil do bem.
O financiamento do capital de giro pode ocorrer de duas for- c) Sale and leaseback: modalidade em que o arrendatário ven-
mas: de o bem a um terceiro, no entanto, continua fazendo uso deste por
a) Quando o capital de giro não está vinculado a algum gasto meio de aluguel, formalizado em contrato.
exclusivo.
b) Quando está vinculado a compra de insumos ou material de Todos os contratos de leasing podem ter bens móveis e imó-
estoque. veis.

A movimentação dos recursos ocorre através de transferência Financiamento de capital fixo


para a conta do tomador. As instituições financeiras não tem muita opção para crédito
O limite de financiamento é determinado pela análise de crédi- quando se trata de capital fixo. Esse capital geralmente necessita
to do cliente e sua capacidade de pagamento. Os pagamentos po- de valores muito altos, o que gera muita insegurança nos bancos,
dem variar conforme a necessidade da empresa. quanto ao cumprimento dessa obrigação, pelo volume de recursos
Os bancos comerciais costumam ter muitas opções para finan- e pelo período de amortização muito longo.
ciamento de capital de giro quanto a prazos, taxas, garantias. Po- Os recursos são liberados para financiar itens que contribuam
rém, ocorre dessa modalidade de financiamento ter taxas de juros para o crescimento e desenvolvimento e funcionamento das em-
mais baixas. Os recursos liberados podem ocorrer de forma isolada presas, como máquinas e equipamentos, instalações, etc.
ou associada a investimentos fixos e possuem incidência de IOF. Assim, as instituições governamentais se dispõem com maior
As garantias para essa linha de crédito incluem alienação fidu- facilidade a financiar em longo prazo, o capital fixo; como o Banco
ciária, penhora de recebíveis, hipoteca, etc. Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
As modalidades de crédito são:
Vendor Finance e Compror Finance Crédito Direto ao Consumidor (CDC): Concedidos por bancos e
Vendor finance: É a operação de financiamento em que a ins- financeiras, as pessoas físicas e jurídicas, na aquisição de bens e ser-
tituição financeira intercede por meio de convênio à negociação de viços. Com pagamentos geralmente realizado em prestações men-
compra de venda entre duas empresas. sais. Com incidência de juros, IOF e taxas de abertura de crédito.
A negociação é formalizada em contrato com a empresa ven- CDC com Interveniência (CDCI): Liberados apenas para empre-
dedora, mencionando que o banco financiará recursos para a com- sas exclusivos intermediários de seus clientes, garantindo o paga-
pradora, realizando o pagamento da compra à vista, mediante des- mento. Tem os mesmos prazos e taxas do CDC, porém, menores;
conto. pois não há risco por parte do cliente, mas sim, do seu intervenien-
Neste caso, apenas a empresa vendedora é cliente do banco, te.
por isso, celebra o contrato, a empresa compradora, que recebe o Crédito Direto (CD): Semelhante ao CDCI, em que a instituição
crédito não precisa ser correntista. se apropria da carteira dos lojistas e assume os riscos do crédito.

9
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Crédito Automático por Cheque: Concedido aos clientes espe- Financiamento à importação e à exportação: repasses de re-
ciais, como um cheque especial. Com pagamento parcelado, com cursos do BNDES
taxas de juros pré fixadas ou flutuantes, aceitas pelos clientes e Importação
acordadas em contratos. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BN-
DES) é uma empresa pública e um dos maiores bancos de desenvol-
As garantias para essa linha de crédito incluem alienação fidu- vimento do mundo.
ciária, penhora de recebíveis, hipoteca, etc. Por se tratar de um banco público e instrumento principal da
União para financiamento e investimento de longo prazo; antes de
Crédito direto ao consumidor conceder crédito, avalia o impacto que esse recurso causará nos
Linha de crédito, também conhecida como empréstimo pesso- setores socioambiental e econômico do Brasil.
al; destinada geralmente a pessoas físicas. Realizado por instituição Assim, antes de conceder financiamentos para a importação
bancária ou instituição particular (como lojas de departamento). Os fará uma análise minuciosa para identificar se o bem a ser adquirido
juros são considerados altos, devido a poucas garantias, pois o valor não possui semelhança ou equivalência a outro produzido interna-
é descontado diretamente da conta corrente. mente. Pois, a importação desse item permitiria concorrência para
a produção daquele já existente, causando prejuízos e danos eco-
Crédito rural nômicos a economia e ao desenvolvimento sustentável da nação.
Crédito destinado aos produtores rurais, cooperativas de pro- Conforme o BNDES:
dutores rurais, associação de produtores rurais, etc. Os recursos são “O apoio à importação de bens ficará condicionado à compro-
disponibilizados por instituições financeiras, considerados especiais vação de inexistência de similar nacional, utilizando-se, para essa
por terem taxas de juros abaixo do mercado. comprovação, um dos seguintes documentos:
Seu objetivo é estimular o crescimento da área rural, incenti- a) Resolução da Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) com a
vando e fortalecendo pequenos produtores, desenvolvendo as ati- lista de bens contemplados pelo regime de Ex-tarifário, constando
vidades florestais e pecuárias, aumentando a produção através de o bem a ser financiado. A Resolução deverá estar em vigor na data
métodos eficazes; estimulando a geração de renda e a mão de obra da aprovação e da contratação da operação;
para agricultura familiar e aquisição de equipamentos. b) Anotação realizada pelo Departamento de Comércio Exte-
Financia as atividades de custeio, investimento e beneficia- rior (DECEX) na própria licença de importação do bem financiado,
mento ou industrialização. Serve também para o custeio de despe- atestando a inexistência de similar nacional;
sas de produção, investimento na produção e custeio das despesas c) Atestado de entidade representativa ou de classe, de âmbito
pós produção. nacional e que já prestem serviço semelhante para a Secretaria de
Por ser um programa do governo tem algumas, devem ser obe- Comércio Exterior, de inexistência
decidas algumas exigências: de produção ou similar nacional.
• Idoneidade Em caso de oposição das partes interessadas (Postulante, In-
• Orçamento do Projeto e viabilidade econômica tervenientes, dentre outros) em relação ao referido atestado, será
• Acompanhamento do cronograma indicado no projeto solicitado ainda laudo técnico emitido por entidade tecnológica de
• Fiscalização do financiador reconhecida idoneidade e competência técnica, preferencialmente
• Cumprimento das regras de zoneamento. contendo os seguintes fatores: produtividade, qualidade, prazo de
entrega usual para o equipamento, fornecimentos anteriores, con-
Pode ser concedido para pessoas físicas ou jurídicas, inclusive sumo de energia e de matérias-primas e outros fatores de desem-
para quem não é produtor rural; desde que esteja vinculado a ativi- penho específicos do caso;
dades pertinentes a agricultura, pecuária, pesquisa, etc. d) Comprovação de credenciamento do Beneficiário perante
São necessárias garantias como penhor, aval, fiança, hipoteca, o CNPq, mediante publicação do respectivo certificado no D.O.U.,
etc. e (ii) da apresentação da licença de importação dos bens deferida
A lei que define o crédito rural é a Lei nº 4.829, de 05/12/1965. pelo CNPq, extraída do Sistema Integrado de Comércio Exterior –
O pagamento será realizado conforme seu valor original e po- SISCOMEX, nos casos de dispensa de exame de similaridade previs-
derá ser desde uma única parcela, ou amortizações conforme con- tos na Lei 8.010, de 1990.
trato.
Observações
Cadernetas de poupança Os critérios mencionados serão observados, no que couber,
A aplicação mais popular, devido sua segurança e facilidade e para o financiamento de serviços importados.
liquidez imediata. No que se refere ao item “c” anterior, o BNDES:
Pode ter resgate em qualquer momento, porém a remunera- I. terá a faculdade de acolher ou não a indicação, feita pelas
ção só ocorrer para valores que ficam parados a partir de 30 dias. partes interessadas, de entidade representativa ou entidade tec-
Para cálculos de juros, será observado o índice de 0,5% a.m., sem- nológica como responsáveis pela comprovação da inexistência de
pre que a taxa SELIC for maior que 8,5% a.a.; se a meta for inferior produção ou similar nacional;
ou igual a 8,5% a.a., o índice corresponderá a 70% do valor da meta. II. não ficará vinculado ao entendimento constante dos docu-
A poupança foi criada para estimular o sistema habitacional do mentos apresentados pelas referidas entidades sobre a inexistência
país. de similar nacional;
Não há limite de aplicação ou de resgate. Está isenta da tri- O BNDES poderá, caso entenda necessário e em caráter com-
butação do IR e IOF. Os bancos não cobram pela manutenção das plementar, consultar os fabricantes nacionais sobre a existência de
cadernetas de poupança. produção ou similar nacional”.

10
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Exportação Buyer credit
O BNDES financia as exportações, atuando no pré embarque, Financiamento à exportação mediante celebração de contrato
com apoio a produção e no pós embarque, quando a produção já com o importador, com interveniência do exportador. Operações
está sendo comercializada. Esse crédito permite a competitividade mais complexas e que envolvem diretamente o importador es-
das empresas em âmbito internacional, trazendo retornos positivos trangeiro são em geral realizadas por meio desta modalidade. Veja
na economia interna. como funciona:
De acordo com o BNDES: • O BNDES concede ao importador financiamento mediante a
“Pré-embarque – financiamento à produção para exportação celebração de contrato de financiamento, firmado entre o BNDES e
O produto BNDES Exim Pós-embarque compreende as seguin- o importador, ou entre o BNDES e o devedor, com a interveniência
tes linhas de financiamento: BNDES Exim Pós-embarque Bens, BN- do exportador.
DES Exim Pós-embarque Serviços, BNDES Exim Pós-embarque Aero- • O BNDES desembolsa os recursos ao exportador, em reais,
naves e BNDES Exim Automático. no Brasil.
No produto pós-embarque, o objeto do financiamento é a • O importador ou o devedor pagará ao BNDES no prazo defi-
comercialização de bens e serviços brasileiros. Nesse caso, o BN- nido.
DES antecipa à empresa brasileira exportadora o valor dos bens ou • O banco mandatário realiza as transferências de recursos e
serviços devidos pelo importador estrangeiro. Esse desembolso de documentos relativos à operação.
recursos se dá em reais no Brasil, e o importador estrangeiro passa
a dever ao BNDES. Portanto, não há remessa de divisas ao exte- Fluxo Operacional – BNDES Exim Pós-embarque Buyer Credit
rior. O pagamento do financiamento pelo importador estrangeiro 1. O Exportador firma um contrato comercial com o Importa-
é realizado por intermédio de banco mandatário, que entre outras dor, para entrega futura de bens/serviços.
atribuições, fecha o câmbio e repassa o valor em reais ao BNDES. 2. O Exportador encaminha ao BNDES a consulta prévia, com
O financiamento à comercialização pode ser realizado por meio informações sobre a operação de exportação. O BNDES avalia, de
de duas modalidades operacionais: supplier credit ou buyer credit, acordo com parâmetros previamente estabelecidos, e aprova a
além da linha BNDES Exim Automático. operação, que é formalizada por meio de um contrato de financia-
mento com o Importador/devedor, com interveniência do Expor-
Supplier credit tador.
Refinanciamento ao exportador por meio do desconto de títu- 3. O Exportador embarca os produtos/executa os serviços ao
los. Veja como funciona: Importador.
• O exportador concede ao importador financiamento por 4. O Exportador envia documentos comprobatórios da exporta-
meio de carta de crédito, letras de câmbio ou notas promissórias. ção e quaisquer outros relacionados no contrato de financiamento
Esses títulos deverão ser cedidos ou endossados pelo exportador para o Banco Mandatário.
ao BNDES. 5. O Banco Mandatário envia ao BNDES a documentação e o
• O BNDES realiza o refinanciamento mediante o desconto dos pedido de liberação de recursos.
instrumentos de pagamento, e desembolsa os recursos ao exporta- 6. O BNDES analisa a documentação e, caso esteja em boa or-
dor, à vista, em reais, no Brasil. dem, realiza o desembolso de recursos ao Banco Mandatário.
• O importador pagará ao BNDES no prazo definido. 7. Em seguida, o Banco Mandatário repassa os recursos ao Ex-
• O banco mandatário realiza as transferências de recursos e portador.
documentos relativos à operação. 8. Após o término da carência de principal do financiamento, o
Importador inicia a amortização das prestações, até a total liquida-
Fluxo Operacional – BNDES Exim Pós-embarque Supplier Cre- ção financeira do contrato.
dit
1. Após aprovada pelo BNDES a operação na modalidade Su- BNDES Exim Automático
pplier Credit, o Exportador pode embarcar os produtos/executar os Apoio à comercialização no exterior de bens de fabricação na-
serviços para o Importador. cional mediante a abertura de linha de crédito a instituições finan-
2. O Importador apresenta títulos ou cartas de crédito emitidos ceiras no exterior. O importador terá acesso ao financiamento do
em favor do Exportador. BNDES para adquirir bens brasileiros, por meio de bancos no seu
3. O Exportador realiza o endosso dos títulos ou a cessão das próprio país. O desembolso de recursos pelo BNDES ao exporta-
cartas de crédito em favor do BNDES. dor, por intermédio do banco mandatário, é realizado em reais, no
4. O Banco Mandatário envia ao BNDES a documentação com- Brasil. Por sua vez, o banco no exterior, responsável pelo risco da
probatória da exportação e o pedido de liberação de recursos. operação, efetua os pagamentos via banco mandatário ao BNDES.
5. O BNDES analisa a documentação e, caso esteja em boa or-
dem, realiza o desembolso de recursos ao Banco Mandatário. Fluxo Operacional – BNDES Exim Automático
6. Em seguida, o Banco Mandatário repassa os recursos ao Ex- 1. O Exportador realiza uma negociação comercial com o Im-
portador. portador, para entrega futura de bens.
7. Após o término da carência de principal do financiamento, o 2. O Banco no exterior aprova o crédito do Importador.
Importador inicia a amortização das prestações, via Banco Manda- 3. O Exportador encaminha ao BNDES o pedido de financia-
tário, até a total liquidação financeira do contrato. mento, com informações sobre a operação de exportação. O BNDES
8. Em seguida, o Banco Mandatário repassa os pagamentos ao avalia, de acordo com parâmetros previamente estabelecidos, e ho-
BNDES, até a total liquidação do financiamento. mologa a operação.
4. O Exportador embarca os bens ao Importador envia docu-
mentos comprobatórios da exportação para o Banco Mandatário,
que envia ao BNDES a documentação e o pedido de liberação de
recursos.

11
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
5. O BNDES analisa a documentação e, caso esteja em boa or- determinado - ou um pagamento único. O primeiro (VGBL) é clas-
dem, realiza o desembolso de recursos ao Banco Mandatário. sificado como seguro de pessoa, enquanto o segundo (PGBL) é um
6. Em seguida, o Banco Mandatário libera os recursos ao Ex- plano de previdência complementar.
portador. No caso do PGBL, os participantes que utilizam o modelo com-
7. Após o término da carência de principal do financiamento, pleto de declaração de ajuste anual do I.R.P.F podem deduzir as
o Banco no exterior inicia a amortização das prestações, até a total contribuições do respectivo exercício, no limite máximo de 12%
liquidação do financiamento”. de sua renda bruta anual. Os prêmios/contribuições pagos a pla-
nos VGBL não podem ser deduzidos na declaração de ajuste anual
Cartões de crédito do I.R.P.F e, portanto, este tipo de plano seria mais adequado aos
Modalidade de crédito que beneficia o consumidor no mo- consumidores que utilizam o modelo simplificado de declaração de
mento da compra de um produto ou serviço, já que o vencimento ajuste anual do I.R.P.F ou aos que já ultrapassaram o limite de 12%
da fatura (documento que detalhas as despesas) ocorrerá em data da renda bruta anual para efeito de dedução dos prêmios e ainda
posterior, inclusive com situações de parcelamento. Por isso, não é desejam contratar um plano de acumulação para complementação
necessário dispor de dinheiro no momento da aquisição. de renda”.
No entanto, o vendedor/prestador receber em poucos dias
através da instituição financeira ou da administradora de cartões. Planos de seguros
Caso o valor não seja pago com atrasos ou em data diferente do Seguro é toda situação em que o segurador tem é obrigado
vencimento, há incidência de juros conforme contrato. a indenizar o segurado na ocorrência de um sinistro, em troca do
prêmio de seguro. Os seguros são acionados por diversas ocasiões,
Títulos de capitalização por isso existem os planos de seguro.
Título de crédito, regulamentado pela Superintendência de Os planos de seguros fazem parte do Sistema Nacional de Se-
Seguros Privados (SUSEP) com prazo e regras estabelecidos em guros Privados; instituído pelo Decreto Lei nº 73/1.966. Constituído
contrato. É conhecido popularmente como uma forma segura de pelo Conselho Nacional de Seguros Privados – CNSP; pela Superin-
guardar dinheiro e concorrer sorteio de prêmios. tendência de Seguros Privados – SUSEP; pelos resseguradores; por
O capital é separado em três partes: sociedades autorizadas a operar em seguros privados; e por corre-
1ª. É acumulada com juros corrigidos ao longo do tempo. tores habilitados.
2ª. Destinada para custear os sorteios. Um plano de seguro é um serviço oferecido por empresas pri-
3ª. Reservada para custear as despesas administrativas. vadas que disponibilizam atendimentos para situações de sinistro.
Além de ser vendido em agências bancárias, pode ser encon- Os planos são individualizados para atender cada cliente conforme
trado em lotéricas, correios, etc. Suas principais características são: suas necessidades. Para isso, é necessário formalizar o plano atra-
• Prazo de vigência – mínimo de 12 meses, organizadas em sé- vés de um contrato chamado apólice.
ries visíveis no próprio título, com emissão de ao menos, 10.000 A apólice é o contrato da cobertura com direitos e obrigações
unidades. para as partes envolvidas. Nela devem constar todas as informa-
• Forma de pagamento – mensal, periódico ou único. ções sobre o objeto do seguro, como dados do segurado e do bem
a ser coberto, período de contratação, localização do bem, riscos
Muitas vezes, o título de capitalização pode ser confundido envolvidos, prêmio, tipos de sinistros, valor e condições gerais da
com uma espécie de poupança com premiação através de sorteios, indenização, franquia. Os planos de seguro são contratados como
porém, no final do contrato, o valor resgatado é menor que o valor forma de prevenção, no entanto podem não se concretizar, caso
inicial investido. Sua rentabilidade mínima oferecida deve ser a par- não haja sinistros.
tir do valor da Taxa Referencial (TR), somada a 20% da taxa de juros
mensal aplicada a caderneta de poupança.
Não possui liquidez imediata e de acordo com o contrato, po-
derá ou não ser resgatada antes do vencimento. Sendo possível, o NOÇÕES DE MERCADO DE CAPITAIS
valor será menor do que o valor total pago até o momento.
É o ambiente onde são negociados os títulos que representam
Planos de aposentadoria e pensão privados. o capital das empresas (ações) ou títulos de dívidas (debêntures).
Plano de previdência privada é um tipo de produto financeiro, Neste local se encontram empresas e investidores (pessoas físicas e
uma forma de seguro em que o investidor acumula capital, remune- jurídicas). As empresas estão em busca de alavancar seu capital de
rado conforme as aplicações escolhidas pelo administrador do pla- giro ou fixo através da emissão de títulos. São operações geralmen-
no. O fundo de previdência é o canal de investimento dos planos. te de longo prazo, sem a intermediação de instituições financeiras,
A Previdência privada foi criada com o objetivo de complemen- porém, as instituições responsáveis pela negociação entre empre-
tar a previdência social, porém, também, como um seguro para os sas e investidores devem estar autorizadas a operar no Sistema Fi-
trabalhadores que não contribuem para o INSS. nanceiro Nacional.
Os principais planos são PGBL e VGBL, que se diferenciam pela As ações são os títulos mais negociados no mercado de capi-
tributação. No VGBL, a incidência do IR ocorre apenas sobre os ren- tais. Podem ser ordinárias (com direito a votos) ou preferenciais
dimentos; no PGBL o IR incide sobre o valor resgatado ou no rece- (preferência na distribuição de resultados).
bimento da renda. O mercado de capitais é constituído por:
Conforme a SUSEP: • Bolsa de Valores – Local onde as companhias são listadas.
“VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livres) e PGBL (Plano Gera- • Corretoras – Responsáveis pelo intermédio entre Bolsas e
dor de Benefícios Livres) são planos por sobrevivência (de seguro investidores.
de pessoas e de previdência complementar aberta, respectivamen- • Bancos – Responsáveis pelos estudos de viabilidade das
te) que, após um período de acumulação de recursos (período de empresas.
diferimento), proporcionam aos investidores (segurados e partici- • CVM – Comissão de Valores Mobiliários, órgão regulador
pantes) uma renda mensal - que poderá ser vitalícia ou por período desse mercado.

12
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
O mercado de capitais está dividido em outros dois mercados: Taxa de câmbio alta desestimula importações, pois produtos
 Mercado primário –Quando uma empresa lança pela pri- e insumos importados ficam mais caros e com isso, uma possível
meira vez um título. redução da oferta de produtos no mercado interno. A inflação ten-
 Mercado secundário – Quando um título já está em poder de a se elevar e as demandas internacionais por bens e serviços
de um investidor, porém, este o oferece no mercado, devido a ne- aumentam.
cessidade de liquidez. Quando a taxa de câmbio está baixa, há um estímulo as impor-
tações de produtos e insumos importados mais baratos. Ocorre au-
 mento da competitividade entre produtos nacionais e estrangeiros.
NOÇÕES DE MERCADO DE CÂMBIO: INSTITUIÇÕES A tendência da inflação é diminuir demandas internacionais por
AUTORIZADAS A OPERAR E OPERAÇÕES BÁSICAS bens e serviços.

Instituições Autorizadas a operar Remessas


As instituições que operam neste mercado são os bancos múlti- Representam uma forma segura do envio de dinheiro para fora
plos, bancos comerciais, caixas econômicas, bancos de investimen- do país, sendo muito semelhante a uma transferência entre contas.
to, bancos de câmbio (realizam todas as operações previstas para o Por ocorrer entre países diferentes, possuem regras específicas, por
mercado de câmbio). exemplo, na compra é necessário a comprovação de uma fatura pró
Os bancos de desenvolvimento, agências de fomento e as so- forma, documento que registra e formaliza a intenção da compra e
ciedades de crédito, financiamento e investimento; podem execu- venda; com o objetivo de rastrear a origem das transações, evitan-
tar apenas algumas operações autorizadas pelo BACEN. do fraudes e evasão de divisas de um país para outro.
As sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários, socie- Dados pessoais e bancários são necessários para ajudar os go-
dades distribuidoras de títulos e valores mobiliários e sociedades vernos dos países envolvidos na transação e identificar origem da
de câmbio; realizam operações de câmbio com clientes para liqui- saída e destino desse envio.
dação de até US$ 100 mil ou em moedas de outras nacionalidades e É preciso contar com uma instituição financeira para interme-
operações no mercado interbancário, arbitragens no país e através diar esse processo.
de banco autorizado a operar no mercado de câmbio e arbitragem O motivo do envio também deve ser explicado, para que se
com o exterior. adeque ao enquadramento de câmbio do BACEN do Brasil.
A remessa internacional é uma operação sujeita ao IOF e tam-
Operações Básicas bém outros impostos sobre o valor, dependendo do enquadramen-
Qualquer modalidade de pagamentos ou recebimentos em to do BACEN. Os enquadramentos mais comuns são: pagamento de
moeda estrangeira, inclusive, aplicações no mercado financeiro ex- cursos, manutenção de residências e compra de imóveis no exterior.
terno, transferências. Além disso, uma taxa de envio deve ser paga a instituição que
Todas as operações de câmbio são formalizadas e registradas viabiliza a transação; o valor muda de instituição para instituição.
no sistema de câmbio – Sistema Integrado de Registro de Opera-
ções de Câmbio. SISCOMEX
Programa integrado de comércio exterior que possibilita as
Características de Contratos de Câmbio operações de compra e venda no mercado internacional.
Operações que envolvem a movimentação de valores para o Foi criado em 1992, iniciando suas operações na exportação no
exterior. Implica uma negociação de troca de moedas, regulamen- ano seguinte; e em 1997 foi implantado seu módulo de importação.
tado pelo BACEN, através da circular nº 3591, de 16/12/2013. Nesse Integra todo o país na área de comércio exterior, sendo ope-
contrato, devem constar as partes interessadas, ou seja, a institui- racionalizado pela rede SERPRO. Para sua utilização, é necessário o
ção que está autorizada a operar o câmbio, a parte que está no Bra- cadastro da empresa na Receita Federal, para os processamentos
sil e a parte que se encontra no exterior. de registros na importação e exportação.
É necessário, discriminar no documento; o custo da operação, Seu objetivo é simplificar e padronizar as operações de comér-
a taxa de câmbio, o prazo para liquidação da operação, o intermedi- cio exterior, agilizando as operações de embarque de mercadoria,
ário (casa de câmbio) e a taxa da comissão de corretagem. diminuindo o período de liberação dos importados, dispondo de
controle automático, gerando dados confiáveis, inibindo possíveis
Taxas de Câmbio fraudes, ampliando atendimentos, motivando a entrada de novas
Processo da relação de troca entre moedas. É possível quan- empresas do comércio exterior.
tificar como o montante de Real necessário para trocar por dólar,
euro, etc.
A relação entre a taxa de Câmbio surge entre a demanda e a
oferta pelas demais moedas em relação ao Real. REGIMES DE TAXAS DE CÂMBIO FIXAS, FLUTUANTES E
Exemplo: Os exportadores compram produtos no Brasil e ven- REGIMES INTERMEDIÁRIOS
dem para o resto do mundo, logo, recebem dos compradores em
dólar que entram na economia brasileira. Enquanto isso, no Bra- Regimes de taxas de câmbio fixas
sil, os fornecedores precisam receber em Real. Já, os importadores Quando o governo do país estabelece uma paridade fixa entre
compram mercadorias no exterior e trazem para o país, vendem sua moeda e a moeda estrangeira.
e recebem em Real; porém, os fornecedores estrangeiros querem
levar dólares para o exterior. Temos assim, a relação de oferta e de- Regime de câmbio flutuante
manda, com exportadores ofertando dólares e precisando de reais Quando o preço da moeda é estabelecido pela competição
e importadores oferecendo reais e precisando de dólares. Assim de- ente a oferta e a demanda da mesma no mercado doméstico.
manda e oferta se igualam, criando um equilíbrio, a chamada taxa
de câmbio.

13
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Regimes intermediários Atualmente a diferença entre os juros internos e externos ain-
Também chamada de flutuante suja, pois o Banco Central tem da é importante para o equilíbrio da economia e para o câmbio,
interferência frequente nesta cotação, ou seja, se entrou muito dó- pois quando os juros internos estão baixos, os capitais buscam in-
lar no país e a taxa de câmbio tende a cair muito, o Banco Cen- vestimentos fora do país, e quando os juros internos estão altos,
tral faz a compra dessa moeda, para assim, tirá-la da economia, capitais nacionais permanecem e entram recursos estrangeiros bus-
mantendo seu preço. A situação contrária também ocorre, quando cando rendimentos.
saem muitos dólares da economia, fazendo com que o preço fique
muito elevado, o Banco Central normalmente vende a quantidade Prêmio de risco
dessa moeda que tem em caixa, para segurar seu preço. É a relação entre o risco e o rendimento que se espera de um
Banda cambiais, nesse caso a taxa de câmbio pode variar den- investimento. Pode ser considerado como a diferença entre o re-
tro de um limite pré-estabelecido pelo Banco Central. Foi adotado torno de um investimento com risco comparado a um investimento
durante um período no Plano Real. sem risco.
Por exemplo, ao comparar duas aplicações financeiras, a pri-
meira tem o rendimento de 10% a.a. garantido e a segunda, pode
dar 15%a.a., porém, sem garantias. Nesse caso, o prêmio de risco é
TAXAS DE CÂMBIO NOMINAIS E REAIS representado através dos 5% de expectativa de retorno, em função
do risco que se corre, por não haver garantias desse recebimento.

Taxas de câmbio nominais Fluxo de capitais e seus impactos sobre as taxas de câmbio
Conceito mais frequente e utilizado entre as taxas de câmbio. É As taxas de câmbio sofrem influências de diversas variáveis,
o valor da moeda em referência a outra. mas o fluxo de capitais é o principal deles. Quanto mais investimen-
tos, mais recursos de diversas transações circularão na economia.
Taxas de câmbio reais Esse aumento de dinheiro, incluindo moedas estrangeiras permite
É a taxa de câmbio nominal corrigida pela diferença de inflação que o câmbio diminua e o real seja valorizado.
entre os dois países. Quando referência ao dólar, será uma correção No entanto, essa economia deve estar fortalecida e ter atrati-
de inflação entre Brasil e Estados Unidos, por exemplo. vos para atrair e manter internamente capital externo. Juros altos
são atrativos, mas também impedimento ao desenvolvimento pro-
dutivo interno, e muitas vezes trazem apenas capitais especulativos.
IMPACTOS DAS TAXAS DE CÂMBIO SOBRE AS EXPOR- Essa volatilidade dos fluxos de capital representa instabilidade
TAÇÕES E IMPORTAÇÕES e afeta diretamente a taxa de câmbio que permanece elevada, cola-
borando para a desvalorização do real.
Quando a taxa de câmbio está alta e o real desvalorizado, são
necessários muitos reais para comprar um dólar.
Por exemplo, no caso de um produtor de soja que exportará DINÂMICA DO MERCADO: OPERAÇÕES NO MERCADO
sua mercadoria que é cotada em dólar, por se tratar de uma com- INTERBANCÁRIO
moditie; haverá necessidade de multiplicar o preço em dólar por
muitos reais. Assim, será uma ótima oportunidade para essa ex- Operações no mercado interbancário
portação. As exportações então, estarão estimuladas, com isso o As operações no mercado interbancário ou mercado secundá-
produtor brasileiro ganhará dinheiro. No entanto, as importações rio, fazem parte da estrutura do mercado cambial. As negociações
serão desestimuladas, pois será necessário comprar em dólares, são realizadas entre bancos e demais agentes autorizados pelo Ban-
nessa conversão, multiplicar o valor em dólar por uma taxa de câm- co Central.
bio muito alta, pagando muito caro pela mercadoria importada. Não há necessidade do registro de entrada e saída de moeda
O contrário ocorrerá quando o real estiver valorizado. As expor- estrangeira, já que esse fluxo ocorre entre instituições financeiras
tações serão desestimuladas e as importações estimuladas. apenas; excluindo assim, turismo e importações por exemplo.
Conforme o Regulamento do Mercado de câmbio e Capitais In-
ternacionais do Banco Central do Brasil:
DIFERENCIAL DE JUROS INTERNO E EXTERNO, PRÊ- − As operações no mercado interbancário podem ser cele-
MIOS DE RISCO, FLUXO DE CAPITAIS E SEUS IMPACTOS bradas para liquidação pronta, futura ou a termo, vedados o cance-
SOBRE AS TAXAS DE CÂMBIO lamento, a baixa, a prorrogação ou a liquidação antecipada delas.
− As operações de câmbio interbancárias a termo têm as
Diferencial de juros internos e externos seguintes características: a) a taxa de câmbio é livremente pactu-
Houve um certo momento no Brasil, que o regime de câmbio ada entre as partes e deve espelhar o preço negociado da moeda
foi praticamente fixo. Isso aconteceu na década de 90, quando a estrangeira para a data da liquidação da operação de câmbio; b)
diferença de juros interno e externo era uma variável fundamen- possuem código de natureza de operação específico;
tal para a política monetária interna. Os juros altos atraíam capitais c) são celebradas para liquidação em data futura, com entrega
estrangeiros e mantinham o câmbio fixo, suportando também a in- efetiva e simultânea das moedas, nacional e estrangeira, na data da
flação. liquidação das operações de câmbio;
Ao ser adotado regime de metas de inflação, em 1999, os ju- d) não são admitidos adiantamentos das moedas.
ros internos passaram ser fixos apenas com o objetivo controlar a − As operações no mercado interbancário são realizadas
inflação. com ou sem intermediação de câmara ou prestador de serviços de
compensação e de liquidação cujo sistema tenha sido autorizado
pelo Banco Central do Brasil para liquidação de operações de câm-
bio.

14
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS

MERCADO BANCÁRIO: OPERAÇÕES DE TESOURARIA, VAREJO BANCÁRIO E RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO

Operações de tesouraria
A equipe de tesouraria das instituições financeiras auxilia os clientes na redução de riscos financeiros resultantes de suas atividades.
Após uma análise detalhada, são oferecidos produtos que controlam e reduzem riscos para os clientes, focando principalmente a exposi-
ção de moeda, taxa de juros etc.; sempre protegendo as finanças. Os produtos utilizados para maior proteção são swaps, hedge, termo de
moedas, opções, combinação de derivativos etc.

Varejo bancário
Caracteriza-se pelo atendimento de muitos clientes, ou seja, o público em geral, composto por pessoas físicas e jurídicas, com situa-
ções financeiras diversificadas. Oferece produtos, independente da necessidade do cliente, visando o lucro.
Não há seletividade entre os clientes, o atendimento é geral, sem gerente específico para as contas; os clientes podem ser atendidos
por quem estiver disponível.
Os serviços oferecidos são diversos, incluindo abertura de contas, pagamento de contas e títulos, transferências etc.

Recuperação de crédito
É um processo realizado por empresas especializadas no recebimento de dívidas, que são contratadas por instituições financeiras.
Em muitos casos, as empresas recuperadoras de crédito compram as dívidas das instituições, ficando responsáveis pela cobrança e rece-
bimento das contas atrasadas.
Quando a dívida passa para a empresa recuperadora, o valor não muda; porém, as formas de negociação podem ser alteradas, atra-
vés de desconto ou parcelamento. Para a recuperação de crédito, a empresa responsável contata o cliente para negociar somente dívidas
negativadas, incluindo um valor que fique confortável ao cliente quitar. Pois além de receber, a empresa quer que o cliente tenha o nome
“limpo” com crédito recuperado.

TAXAS DE JUROS DE CURTO PRAZO E A CURVA DE JUROS; TAXAS DE JUROS NOMINAIS E REAIS

11. TAXAS DE JUROS DE CURTO PRAZO E A CURVA DE JUROS; TAXAS DE JUROS NOMINAIS E REAIS

Taxa de juros de curto prazo


Apesar da grandeza tempo ser a grande diferença entre uma taxa de juros de curto e longo prazo, para as instituições financeiras,
quanto menor o prazo, menores serão os juros; principalmente pelo seu fator risco.
Ao projetar cenários futuros, fica mais viável prever juros que serão menos afetados por decisões diversas, no caso, os de curto prazo;
pois a economia é influenciada no curto prazo de maneiras distintas do que no longo prazo.
Políticas monetárias utilizam os juros de curto prazo para gerar resultados rápidos (quase que imediatos) na economia.
As partes interessadas, tomadoras e credoras, tem consciência de quanto menor tempo o valor ficar emprestado, menor será o custo
desse dinheiro.

Curva de juros
A curva de juros representa os diversos tipos de taxas de juros para os diversos vencimentos. É a expectativa da taxa SELIC para os
próximos anos.
Supondo que a expectativa da SELIC para o final de 2022 seja de 6,5%; para final de 2023 seja 7%. Caso esses valores sejam colocados
num gráfico, será formada uma curva. Isto significa que se um empréstimo for solicitado para 2022.
Como a curva é apenas uma expectativa par aos próximos anos, então não é fixa, podendo ser alterada de acordo com questões que
podem ser de eventos econômicos e até de cenários políticos.
As ações de abertura e fechamento da curva se devem exatamente a mudanças de expectativas. Abertura é para situações de aumen-
to e fechamento para casos de redução da taxa de juros.

Taxa de juros nominais e reais


Para conceituar as taxas nominais e reais, é necessário antes conhecer as duas situações, de devedor e de credor.

Taxa de juros nominal Taxa de juros real


Devedor Devedor
É a taxa que as instituições financeiras divulgam. É a taxa que considera o custo efetivo total (CET), incluindo
A taxa que considera apenas o custo básico do di- impostos, taxas, etc.
nheiro. A taxa de juros real é > que a taxa de juros nominal.
Credor Credor
É a taxa que se recebe ao aplicar o dinheiro em É a taxa de retorno real do dinheiro, já que a taxa de juros
determinado investimento. A taxa que considera menos os custos administrativos, inflação, impostos, etc.
apenas o retorno do dinheiro investido. Taxa de juros nominal > que a Taxa de juros real.

15
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Segue exemplo:

Taxa de juros nominal Taxa de juros real


Devedor Devedor
Empréstimo: 4,5% a.m. Empréstimo: 4,5% a.m. + IOF + Tx. Adm. = 5 % a.m.
Taxa de juros nominal > que a Taxa de juros real
Credor Credor
Fundo de R.F.: 1,7% a.m. Fundo de R.F.: 1,7% - IR – IP – Tx. Adm. = 1,1% a.m.
Taxa de juros nominal > que a Taxa de juros real

GARANTIAS DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL: AVAL; FIANÇA; PENHOR MERCANTIL; ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA;
HIPOTECA; FIANÇAS BANCÁRIAS

São obrigações assumidas por meio do oferecimento do patrimônio para garantir uma dívida.
Aval: Declaração unilateral através da qual o avalista assume as obrigações previstas no título.
Fiança: O fiador garante satisfazer o credor através da quitação da dívida, caso o devedor não o faça.
Penhor mercantil: Válido para as negociações comerciais. Garantia real sobre bens móveis. Estabelecido em favor do credor para que
haja mais certeza que o seu direito será realizado. O devedor transfere para o credor a posse de um bem (estoque, veículos, joias) móvel
até que sua dívida seja quitada, desta forma o se devolve a posse do bem para seu dono.
Alienação fiduciária: Transferência da posse de um bem à instituição financeira. É realizado principalmente, nos contratos de financia-
mento de veículos e imóveis. A informação de que o comparador tem direito de usufruir do bem, mas juridicamente pertence a instituição
que concedeu o crédito até seu pagamento total.
Hipoteca: Na contratação de um crédito se oferece um bem imóvel de sua propriedade que ficará e caso não ocorra o pagamento,
o bem poderá ser tomado pelo credor.
Fiança bancária: Garantia concedida pela instituição financeira quando o cliente não possui outro tipo de fiador.
Fundo Garantidor de Crédito (FGC): Instituição sem fins lucrativos, criada em 1995, com a finalidade de proteger o investidor em
eventuais riscos nas empresas administradores desses recursos. Alguns produtos são cobertos pelas garantias de até R$ 250.000,00, como
depósitos a vista, depósitos de poupança, Letras de Câmbio, Letras hipotecárias, depósitos a prazo, com ou sem emissão de CDB e RDB,
etc.

Segundo o FGC, quanto ao limite da garantia de até R$ 1 milhão:


“O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou, em 21 de dezembro de 2017, a alteração promovida no Regulamento do Fundo
Garantidor de Créditos (FGC), que estabelece teto de R$ 1 milhão, a cada período de 4 anos, para garantias pagas para cada CPF ou CNPJ.
Teto para investidor vale para cada período de 4 anos, por CPF ou CNPJ. Após 4 anos, o teto é restabelecido.
A contagem do período de 4 anos se inicia na data da liquidação ou intervenção em instituição financeira onde o investidor detenha
valor garantido pelo FGC.
Permanece inalterado o limite de R​ $ 250 mil por CPF ou CNPJ e conglomerado financeiro.
Aos investimentos contratados ou repactuados até 21 de dezembro de 2017 não se aplica o teto de R$ 1 milhão a cada período de 4
anos”.

COMO ERA COMO FICOU


Garantia de até R$ 250 mil por CPF/CNPJ e con-
glomerado financeiro, em depósitos cobertos pelo
Limite permanece inalterado.
Fundo Garantidor de Créditos e emitidos por insti-
tuições associadas à entidade.
Teto de R$ 1 milhão por CPF ou
Não havia teto para garantia paga pelo FGC por
CNPJ, a cada período de 4 anos, para a
CPF ou CNPJ em qualquer período.
garantia paga pelo FGC.
Investidores não-residentes pas-
Investidores não-residentes não contavam com
sam a contar com a garantia, para in-
a garantia do FGC.
vestimentos elegíveis.

Fonte: https://www.fgc.org.br/garantia-fgc/fgc-nova-garantia

16
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS

AUTORREGULAÇÃO BANCÁRIA CRIME DE LAVAGEM DE DINHEIRO: CONCEITO E ETA-


PAS; PREVENÇÃO E COMBATE AO CRIME DE LAVAGEM
A Autorregulação bancária é um conjunto de normas criado DE DINHEIRO: LEI Nº 9.613/98 E SUAS ALTERAÇÕES
em 2007 pela FEBRABAN, com aprovação e publicação em 2008,
para que o setor tenha serviços prestados com mais qualidade e LEI Nº 9.613, DE 3 DE MARÇO DE 1998.
satisfação para os clientes e também a redução de reclamações nos
órgãos de proteção ao consumidor, incluindo ações judiciais. Dispõe sobre os crimes de “lavagem” ou ocultação de
Desde sua aprovação, a Autorregulação incluiu em seu siste- bens, direitos e valores; a prevenção da utilização do sistema
ma de atuação, temas como Prevenção e Combate à Lavagem de financeiro para os ilícitos previstos nesta Lei; cria o Conselho
Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo e a Responsabilidade de Controle de Atividades Financeiras - COAF, e dá outras pro-
Socioambiental. vidências.
A última alteração na Autorregulação bancária, ocorreu a partir
de 23/03/2021, em que todos os contratos novos e refinanciamen- O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso
tos com agregação de margem, serão consultados no sistema do Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
SRCC (Serviço de Registro de Crédito Consignado) após a averbação
do contrato. Realizada a consulta, o sistema retorna ao banco com
CAPÍTULO I
a informação se a comissão sobre a operação pode ou não ser paga.
DOS CRIMES DE “LAVAGEM” OU OCULTAÇÃO DE BENS,
A finalidade principal da Autorregulação é promover a padro-
DIREITOS E VALORES
nização nas ações de todas as instituições financeiras participantes.

Referências Art. 1oOcultar ou dissimular a natureza, origem, localização,


disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou
Disponível em: https://www.bcb.gov.br/controleinflacao/taxa- valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração pe-
selic, acesso em 25-06-2021. nal. (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
Disponível em: https://www.bcb.gov.br/detalhenoticia/186/ I - (revogado);(Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
noticia, acesso em 25-06-2021. II - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
Disponível em: https://www.bcb.gov.br/content/estabilidade- III - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
financeira/cambiocapitais/normas_cambio/rmcci/RMCCI-1-04.pdf, IV - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
acesso em 25-06-2021. V - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
Disponível em: https://www.autorregulacaobancaria.com.br/ VI - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
pagina/43/23/pt-br/consignado-apresentacao, acesso em 26-06- VII - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
2021. VIII - (revogado). (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
Disponível em: https://www.autorregulacaobancaria.com.br/ Pena: reclusão, de 3 (três) a 10 (dez) anos, e multa.(Redação
pagina/52/34/pt-br/apresentacao-portabilidade-credito, acesso dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
em 26-06-2021. § 1oIncorre na mesma pena quem, para ocultar ou dissimu-
Disponível em: https://www.autorregulacaobancaria.com.br/ lar a utilização de bens, direitos ou valores provenientes de in-
paginas/16/pt-br/normativos#, acesso em 26-06-2021. fração penal: (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
Disponível em: https://www.camara.leg.br/noticias/ I - os converte em ativos lícitos;
706698-camara-vai-analisar-permissao-para-banco-central-rece- II - os adquire, recebe, troca, negocia, dá ou recebe em ga-
ber-por-depositos-voluntarios, acesso em 25-06-2021. rantia, guarda, tem em depósito, movimenta ou transfere;
Disponível em: https://www.investidor.gov.br/menu/Menu_In- III - importa ou exporta bens com valores não correspon-
vestidor/Old/Valores_Mobiliarios/Titulos_publicos.html, acesso dentes aos verdadeiros.
em 27-06-2021.
§ 2oIncorre, ainda, na mesma pena quem:(Redação dada
Disponível em: https://www.tesourodireto.com.br/titulos/ti-
pela Lei nº 12.683, de 2012)
pos-de-tesouro.htm, acesso em 27-06-2021.
I - utiliza, na atividade econômica ou financeira, bens, di-
reitos ou valores provenientes de infração penal;(Redação dada
pela Lei nº 12.683, de 2012)
II - participa de grupo, associação ou escritório tendo conhe-
cimento de que sua atividade principal ou secundária é dirigida à
prática de crimes previstos nesta Lei.
§ 3º A tentativa é punida nos termos do parágrafo único do
art. 14 do Código Penal.
§ 4oA pena será aumentada de um a dois terços, se os cri-
mes definidos nesta Lei forem cometidos de forma reiterada ou
por intermédio de organização criminosa. (Redação dada pela
Lei nº 12.683, de 2012)
§ 5oA pena poderá ser reduzida de um a dois terços e ser
cumprida em regime aberto ou semiaberto, facultando-se ao
juiz deixar de aplicá-la ou substituí-la, a qualquer tempo, por
pena restritiva de direitos, se o autor, coautor ou partícipe cola-
borar espontaneamente com as autoridades, prestando esclare-
cimentos que conduzam à apuração das infrações penais, à iden-

17
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
tificação dos autores, coautores e partícipes, ou à localização prática de atos necessários à conservação de bens, direitos ou
dos bens, direitos ou valores objeto do crime. (Redação dada valores, sem prejuízo do disposto no § 1o. (Redação dada pela
pela Lei nº 12.683, de 2012) Lei nº 12.683, de 2012)
§ 6º Para a apuração do crime de que trata este artigo, ad- § 4oPoderão ser decretadas medidas assecuratórias sobre
mite-se a utilização da ação controlada e da infiltração de agen- bens, direitos ou valores para reparação do dano decorrente
tes.(Incluído pela Lei nº 13.964, de 2019) da infração penal antecedente ou da prevista nesta Lei ou para
pagamento de prestação pecuniária, multa e custas. (Redação
CAPÍTULO II dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
DISPOSIÇÕES PROCESSUAIS ESPECIAIS Art. 4o-A.A alienação antecipada para preservação de va-
lor de bens sob constrição será decretada pelo juiz, de ofício, a
Art. 2º O processo e julgamento dos crimes previstos nesta requerimento do Ministério Público ou por solicitação da parte
Lei: interessada, mediante petição autônoma, que será autuada em
I – obedecem às disposições relativas ao procedimento co- apartado e cujos autos terão tramitação em separado em rela-
mum dos crimes punidos com reclusão, da competência do juiz ção ao processo principal.(Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
singular; § 1oO requerimento de alienação deverá conter a relação
II - independem do processo e julgamento das infrações pe- de todos os demais bens, com a descrição e a especificação de
nais antecedentes, ainda que praticados em outro país, cabendo cada um deles, e informações sobre quem os detém e local onde
ao juiz competente para os crimes previstos nesta Lei a decisão se encontram. (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
sobre a unidade de processo e julgamento;(Redação dada pela § 2oO juiz determinará a avaliação dos bens, nos autos
Lei nº 12.683, de 2012) apartados, e intimará o Ministério Público.(Incluído pela Lei nº
III - são da competência da Justiça Federal: 12.683, de 2012)
a) quando praticados contra o sistema financeiro e a ordem § 3oFeita a avaliação e dirimidas eventuais divergências so-
econômico-financeira, ou em detrimento de bens, serviços ou bre o respectivo laudo, o juiz, por sentença, homologará o valor
interesses da União, ou de suas entidades autárquicas ou em- atribuído aos bens e determinará sejam alienados em leilão ou
pregão, preferencialmente eletrônico, por valor não inferior a
presas públicas;
75% (setenta e cinco por cento) da avaliação. (Incluído pela Lei
b) quando a infração penal antecedente for de competência
nº 12.683, de 2012)
da Justiça Federal. (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
§ 4oRealizado o leilão, a quantia apurada será depositada
§ 1oA denúncia será instruída com indícios suficientes da
em conta judicial remunerada, adotando-se a seguinte discipli-
existência da infração penal antecedente, sendo puníveis os
na:(Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
fatos previstos nesta Lei, ainda que desconhecido ou isento de
I - nos processos de competência da Justiça Federal e da
pena o autor, ou extinta a punibilidade da infração penal antece-
Justiça do Distrito Federal: (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
dente. (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
a) os depósitos serão efetuados na Caixa Econômica Fede-
§ 2oNo processo por crime previsto nesta Lei, não se aplica
ral ou em instituição financeira pública, mediante documento
o disposto no art. 366 do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro adequado para essa finalidade; (Incluída pela Lei nº 12.683, de
de 1941 (Código de Processo Penal), devendo o acusado que não 2012)
comparecer nem constituir advogado ser citado por edital, pros- b) os depósitos serão repassados pela Caixa Econômica Fe-
seguindo o feito até o julgamento, com a nomeação de defensor deral ou por outra instituição financeira pública para a Conta
dativo.(Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012) Única do Tesouro Nacional, independentemente de qualquer
Art. 3º(Revogado pela Lei nº 12.683, de 2012) formalidade, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas; e(Incluída
Art. 4oO juiz, de ofício, a requerimento do Ministério Públi- pela Lei nº 12.683, de 2012)
co ou mediante representação do delegado de polícia, ouvido o c) os valores devolvidos pela Caixa Econômica Federal ou
Ministério Público em 24 (vinte e quatro) horas, havendo indí- por instituição financeira pública serão debitados à Conta Única
cios suficientes de infração penal, poderá decretar medidas as- do Tesouro Nacional, em subconta de restituição; (Incluída pela
securatórias de bens, direitos ou valores do investigado ou acu- Lei nº 12.683, de 2012)
sado, ou existentes em nome de interpostas pessoas, que sejam II - nos processos de competência da Justiça dos Estados:
instrumento, produto ou proveito dos crimes previstos nesta Lei (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
ou das infrações penais antecedentes. (Redação dada pela Lei nº a) os depósitos serão efetuados em instituição financeira
12.683, de 2012) designada em lei, preferencialmente pública, de cada Estado ou,
§ 1oProceder-se-á à alienação antecipada para preservação na sua ausência, em instituição financeira pública da União;(In-
do valor dos bens sempre que estiverem sujeitos a qualquer cluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
grau de deterioração ou depreciação, ou quando houver dificul- b) os depósitos serão repassados para a conta única de cada
dade para sua manutenção. (Redação dada pela Lei nº 12.683, Estado, na forma da respectiva legislação. (Incluída pela Lei nº
de 2012) 12.683, de 2012)
§ 2oO juiz determinará a liberação total ou parcial dos bens, § 5oMediante ordem da autoridade judicial, o valor do de-
direitos e valores quando comprovada a licitude de sua origem, pósito, após o trânsito em julgado da sentença proferida na ação
mantendo-se a constrição dos bens, direitos e valores neces- penal, será: (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
sários e suficientes à reparação dos danos e ao pagamento de I - em caso de sentença condenatória, nos processos de
prestações pecuniárias, multas e custas decorrentes da infração competência da Justiça Federal e da Justiça do Distrito Federal,
penal. (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012) incorporado definitivamente ao patrimônio da União, e, nos
§ 3oNenhum pedido de liberação será conhecido sem o processos de competência da Justiça Estadual, incorporado ao
comparecimento pessoal do acusado ou de interposta pessoa a patrimônio do Estado respectivo; (Incluído pela Lei nº 12.683,
que se refere o caput deste artigo, podendo o juiz determinar a de 2012)

18
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
II - em caso de sentença absolutória extintiva de punibili- Parágrafo único.Os atos relativos à administração dos bens
dade, colocado à disposição do réu pela instituição financeira, sujeitos a medidas assecuratórias serão levados ao conhecimen-
acrescido da remuneração da conta judicial. (Incluído pela Lei nº to do Ministério Público, que requererá o que entender cabível.
12.683, de 2012) (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
§ 6oA instituição financeira depositária manterá contro-
le dos valores depositados ou devolvidos. (Incluído pela Lei nº CAPÍTULO III
12.683, de 2012) DOS EFEITOS DA CONDENAÇÃO
§ 7oSerão deduzidos da quantia apurada no leilão todos os
tributos e multas incidentes sobre o bem alienado, sem prejuízo Art. 7º São efeitos da condenação, além dos previstos no
de iniciativas que, no âmbito da competência de cada ente da Código Penal:
Federação, venham a desonerar bens sob constrição judicial da- I - a perda, em favor da União - e dos Estados, nos casos de
queles ônus. (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012) competência da Justiça Estadual -, de todos os bens, direitos e
§ 8oFeito o depósito a que se refere o § 4o deste artigo, os valores relacionados, direta ou indiretamente, à prática dos cri-
autos da alienação serão apensados aos do processo principal. mes previstos nesta Lei, inclusive aqueles utilizados para prestar
(Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012) a fiança, ressalvado o direito do lesado ou de terceiro de boa-
§ 9oTerão apenas efeito devolutivo os recursos interpostos -fé;(Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
contra as decisões proferidas no curso do procedimento previs- II - a interdição do exercício de cargo ou função pública de
to neste artigo. (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012) qualquer natureza e de diretor, de membro de conselho de ad-
§ 10.Sobrevindo o trânsito em julgado de sentença penal ministração ou de gerência das pessoas jurídicas referidas no
condenatória, o juiz decretará, em favor, conforme o caso, da art. 9º, pelo dobro do tempo da pena privativa de liberdade apli-
União ou do Estado: (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012) cada.
I - a perda dos valores depositados na conta remunerada e § 1oA União e os Estados, no âmbito de suas competências,
da fiança; (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012) regulamentarão a forma de destinação dos bens, direitos e va-
II - a perda dos bens não alienados antecipadamente e da- lores cuja perda houver sido declarada, assegurada, quanto aos
queles aos quais não foi dada destinação prévia; e(Incluído pela processos de competência da Justiça Federal, a sua utilização
Lei nº 12.683, de 2012) pelos órgãos federais encarregados da prevenção, do combate,
III - a perda dos bens não reclamados no prazo de 90 (noven- da ação penal e do julgamento dos crimes previstos nesta Lei,
ta) dias após o trânsito em julgado da sentença condenatória, e, quanto aos processos de competência da Justiça Estadual, a
ressalvado o direito de lesado ou terceiro de boa-fé.(Incluído preferência dos órgãos locais com idêntica função. (Incluído pela
pela Lei nº 12.683, de 2012) Lei nº 12.683, de 2012)
§ 11.Os bens a que se referem os incisos II e III do § 10 deste § 2oOs instrumentos do crime sem valor econômico cuja
artigo serão adjudicados ou levados a leilão, depositando-se o perda em favor da União ou do Estado for decretada serão inu-
saldo na conta única do respectivo ente. (Incluído pela Lei nº tilizados ou doados a museu criminal ou a entidade pública,
12.683, de 2012) se houver interesse na sua conservação. (Incluído pela Lei nº
§ 12.O juiz determinará ao registro público competente que 12.683, de 2012)
emita documento de habilitação à circulação e utilização dos
bens colocados sob o uso e custódia das entidades a que se re- CAPÍTULO IV
fere o caput deste artigo. (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012) DOS BENS, DIREITOS OU VALORES ORIUNDOS DE CRIMES
§ 13.Os recursos decorrentes da alienação antecipada de PRATICADOS NO ESTRANGEIRO
bens, direitos e valores oriundos do crime de tráfico ilícito de
drogas e que tenham sido objeto de dissimulação e ocultação Art. 8oO juiz determinará, na hipótese de existência de tra-
nos termos desta Lei permanecem submetidos à disciplina de- tado ou convenção internacional e por solicitação de autoridade
finida em lei específica. (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012) estrangeira competente, medidas assecuratórias sobre bens, di-
Art. 4o-B.A ordem de prisão de pessoas ou as medidas as- reitos ou valores oriundos de crimes descritos no art. 1o pratica-
securatórias de bens, direitos ou valores poderão ser suspensas dos no estrangeiro.(Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
pelo juiz, ouvido o Ministério Público, quando a sua execução § 1º Aplica-se o disposto neste artigo, independentemente
imediata puder comprometer as investigações.(Incluído pela Lei de tratado ou convenção internacional, quando o governo do
nº 12.683, de 2012) país da autoridade solicitante prometer reciprocidade ao Brasil.
Art. 5oQuando as circunstâncias o aconselharem, o juiz, § 2oNa falta de tratado ou convenção, os bens, direitos
ouvido o Ministério Público, nomeará pessoa física ou jurídica ou valores privados sujeitos a medidas assecuratórias por soli-
qualificada para a administração dos bens, direitos ou valores citação de autoridade estrangeira competente ou os recursos
sujeitos a medidas assecuratórias, mediante termo de compro- provenientes da sua alienação serão repartidos entre o Estado
misso.(Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012) requerente e o Brasil, na proporção de metade, ressalvado o di-
Art. 6oA pessoa responsável pela administração dos reito do lesado ou de terceiro de boa-fé. (Redação dada pela Lei
bens:(Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012) nº 12.683, de 2012)
I - fará jus a uma remuneração, fixada pelo juiz, que será
satisfeita com o produto dos bens objeto da administração;
II - prestará, por determinação judicial, informações peri-
ódicas da situação dos bens sob sua administração, bem como
explicações e detalhamentos sobre investimentos e reinvesti-
mentos realizados.

19
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
CAPÍTULO V a) de compra e venda de imóveis, estabelecimentos comer-
(REDAÇÃO DADA PELA LEI Nº 12.683, DE 2012) ciais ou industriais ou participações societárias de qualquer na-
DAS PESSOAS SUJEITAS AO MECANISMO DE CONTROLE tureza; (Incluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
(REDAÇÃO DADA PELA LEI Nº 12.683, DE 2012) b) de gestão de fundos, valores mobiliários ou outros ativos;
(Incluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
Art. 9oSujeitam-se às obrigações referidas nos arts. 10 e 11 c) de abertura ou gestão de contas bancárias, de poupan-
as pessoas físicas e jurídicas que tenham, em caráter permanen- ça, investimento ou de valores mobiliários; (Incluída pela Lei nº
te ou eventual, como atividade principal ou acessória, cumula- 12.683, de 2012)
tivamente ou não: (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012) d) de criação, exploração ou gestão de sociedades de qual-
I - a captação, intermediação e aplicação de recursos finan- quer natureza, fundações, fundos fiduciários ou estruturas aná-
ceiros de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira; logas; (Incluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
II – a compra e venda de moeda estrangeira ou ouro como e) financeiras, societárias ou imobiliárias; e (Incluída pela
ativo financeiro ou instrumento cambial; Lei nº 12.683, de 2012)
III - a custódia, emissão, distribuição, liqüidação, negocia- f) de alienação ou aquisição de direitos sobre contratos re-
ção, intermediação ou administração de títulos ou valores mo- lacionados a atividades desportivas ou artísticas profissionais;
biliários. (Incluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
Parágrafo único. Sujeitam-se às mesmas obrigações: XV - pessoas físicas ou jurídicas que atuem na promoção,
I – as bolsas de valores, as bolsas de mercadorias ou futuros intermediação, comercialização, agenciamento ou negociação
e os sistemas de negociação do mercado de balcão organizado; de direitos de transferência de atletas, artistas ou feiras, exposi-
(Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012) ções ou eventos similares; (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
II - as seguradoras, as corretoras de seguros e as entidades XVI - as empresas de transporte e guarda de valores; (Inclu-
de previdência complementar ou de capitalização; ído pela Lei nº 12.683, de 2012)
III - as administradoras de cartões de credenciamento ou XVII - as pessoas físicas ou jurídicas que comercializem bens
cartões de crédito, bem como as administradoras de consórcios de alto valor de origem rural ou animal ou intermedeiem a sua
para aquisição de bens ou serviços; comercialização; e (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
IV - as administradoras ou empresas que se utilizem de car- XVIII - as dependências no exterior das entidades menciona-
tão ou qualquer outro meio eletrônico, magnético ou equivalen- das neste artigo, por meio de sua matriz no Brasil, relativamente
te, que permita a transferência de fundos; a residentes no País. (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
V - as empresas de arrendamento mercantil (leasing), as em-
presas de fomento comercial (factoring) e as Empresas Simples CAPÍTULO VI
de Crédito (ESC); (Redação dada pela Lei Complementar nº 167, DA IDENTIFICAÇÃO DOS CLIENTES
de 2019) E MANUTENÇÃO DE REGISTROS
VI - as sociedades que efetuem distribuição de dinheiro ou
quaisquer bens móveis, imóveis, mercadorias, serviços, ou, ain- Art. 10. As pessoas referidas no art. 9º:
da, concedam descontos na sua aquisição, mediante sorteio ou I - identificarão seus clientes e manterão cadastro atualiza-
método assemelhado; do, nos termos de instruções emanadas das autoridades com-
VII - as filiais ou representações de entes estrangeiros que petentes;
exerçam no Brasil qualquer das atividades listadas neste artigo, II - manterão registro de toda transação em moeda nacional
ainda que de forma eventual; ou estrangeira, títulos e valores mobiliários, títulos de crédito,
VIII - as demais entidades cujo funcionamento dependa de metais, ou qualquer ativo passível de ser convertido em dinhei-
autorização de órgão regulador dos mercados financeiro, de ro, que ultrapassar limite fixado pela autoridade competente e
câmbio, de capitais e de seguros; nos termos de instruções por esta expedidas;
IX - as pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras, III - deverão adotar políticas, procedimentos e controles in-
que operem no Brasil como agentes, dirigentes, procuradoras, ternos, compatíveis com seu porte e volume de operações, que
comissionárias ou por qualquer forma representem interesses lhes permitam atender ao disposto neste artigo e no art. 11, na
de ente estrangeiro que exerça qualquer das atividades referi- forma disciplinada pelos órgãos competentes;(Redação dada
das neste artigo; pela Lei nº 12.683, de 2012)
X - as pessoas físicas ou jurídicas que exerçam atividades de IV - deverão cadastrar-se e manter seu cadastro atualizado
promoção imobiliária ou compra e venda de imóveis; (Redação no órgão regulador ou fiscalizador e, na falta deste, no Conselho
dada pela Lei nº 12.683, de 2012) de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), na forma e con-
XI - as pessoas físicas ou jurídicas que comercializem jóias, dições por eles estabelecidas; (Incluído pela Lei nº 12.683, de
pedras e metais preciosos, objetos de arte e antigüidades. 2012)
XII - as pessoas físicas ou jurídicas que comercializem bens V - deverão atender às requisições formuladas pelo Coaf
de luxo ou de alto valor, intermedeiem a sua comercialização ou na periodicidade, forma e condições por ele estabelecidas, ca-
exerçam atividades que envolvam grande volume de recursos bendo-lhe preservar, nos termos da lei, o sigilo das informações
em espécie; (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012) prestadas. (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
XIII - as juntas comerciais e os registros públicos;(Incluído § 1º Na hipótese de o cliente constituir-se em pessoa jurídi-
pela Lei nº 12.683, de 2012) ca, a identificação referida no inciso I deste artigo deverá abran-
XIV - as pessoas físicas ou jurídicas que prestem, mesmo que ger as pessoas físicas autorizadas a representá-la, bem como
eventualmente, serviços de assessoria, consultoria, contadoria, seus proprietários.
auditoria, aconselhamento ou assistência, de qualquer nature-
za, em operações: (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)

20
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
§ 2º Os cadastros e registros referidos nos incisos I e II deste I - advertência;
artigo deverão ser conservados durante o período mínimo de II - multa pecuniária variável não superior: (Redação dada
cinco anos a partir do encerramento da conta ou da conclusão pela Lei nº 12.683, de 2012)
da transação, prazo este que poderá ser ampliado pela autori- a) ao dobro do valor da operação; (Incluída pela Lei nº
dade competente. 12.683, de 2012)
§ 3º O registro referido no inciso II deste artigo será efe- b) ao dobro do lucro real obtido ou que presumivelmente
tuado também quando a pessoa física ou jurídica, seus entes seria obtido pela realização da operação; ou(Incluída pela Lei nº
ligados, houver realizado, em um mesmo mês-calendário, ope- 12.683, de 2012)
rações com uma mesma pessoa, conglomerado ou grupo que, c) ao valor de R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais); (In-
em seu conjunto, ultrapassem o limite fixado pela autoridade cluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
competente. III - inabilitação temporária, pelo prazo de até dez anos,
Art. 10A. O Banco Central manterá registro centralizado for- para o exercício do cargo de administrador das pessoas jurídicas
mando o cadastro geral de correntistas e clientes de instituições
referidas no art. 9º;
financeiras, bem como de seus procuradores. (Incluído pela Lei
IV - cassação ou suspensão da autorização para o exercício
nº 10.701, de 2003)
de atividade, operação ou funcionamento.(Redação dada pela
Lei nº 12.683, de 2012)
CAPÍTULO VII
DA COMUNICAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS § 1º A pena de advertência será aplicada por irregularidade
no cumprimento das instruções referidas nos incisos I e II do
Art. 11. As pessoas referidas no art. 9º: art. 10.
I - dispensarão especial atenção às operações que, nos ter- § 2oA multa será aplicada sempre que as pessoas referidas
mos de instruções emanadas das autoridades competentes, pos- no art. 9o, por culpa ou dolo:(Redação dada pela Lei nº 12.683,
sam constituir-se em sérios indícios dos crimes previstos nesta de 2012)
Lei, ou com eles relacionar-se; I – deixarem de sanar as irregularidades objeto de advertên-
II - deverão comunicar ao Coaf, abstendo-se de dar ciência cia, no prazo assinalado pela autoridade competente;
de tal ato a qualquer pessoa, inclusive àquela à qual se refira a II - não cumprirem o disposto nos incisos I a IV do art. 10;(Re-
informação, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, a proposta ou dação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)
realização: (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012) III - deixarem de atender, no prazo estabelecido, a requisi-
a) de todas as transações referidas no inciso II do art. 10, ção formulada nos termos do inciso V do art. 10;(Redação dada
acompanhadas da identificação de que trata o inciso I do men- pela Lei nº 12.683, de 2012)
cionado artigo; e(Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012) IV - descumprirem a vedação ou deixarem de fazer a comu-
b) das operações referidas no inciso I;(Redação dada pela nicação a que se refere o art. 11.
Lei nº 12.683, de 2012) § 3º A inabilitação temporária será aplicada quando forem
III - deverão comunicar ao órgão regulador ou fiscalizador verificadas infrações graves quanto ao cumprimento das obri-
da sua atividade ou, na sua falta, ao Coaf, na periodicidade, for- gações constantes desta Lei ou quando ocorrer reincidência es-
ma e condições por eles estabelecidas, a não ocorrência de pro- pecífica, devidamente caracterizada em transgressões anterior-
postas, transações ou operações passíveis de serem comunica- mente punidas com multa.
das nos termos do inciso II.(Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012) § 4º A cassação da autorização será aplicada nos casos de
§ 1º As autoridades competentes, nas instruções referidas reincidência específica de infrações anteriormente punidas com
no inciso I deste artigo, elaborarão relação de operações que, a pena prevista no inciso III do caput deste artigo.
por suas características, no que se refere às partes envolvidas, Art. 13. (Revogado pela Lei nº 13.974, de 2020)
valores, forma de realização, instrumentos utilizados, ou pela
falta de fundamento econômico ou legal, possam configurar a
CAPÍTULO IX
hipótese nele prevista.
DO CONSELHO DE CONTROLE
§ 2º As comunicações de boa-fé, feitas na forma prevista
DE ATIVIDADES FINANCEIRAS
neste artigo, não acarretarão responsabilidade civil ou adminis-
trativa.
§ 3oO Coaf disponibilizará as comunicações recebidas com Art. 14.Fica criado, no âmbito do Ministério da Economia,
base no inciso II do caput aos respectivos órgãos responsáveis o Conselho de Controle de Atividades Financeiras - Coaf, com a
pela regulação ou fiscalização das pessoas a que se refere o art. finalidade de disciplinar, aplicar penas administrativas, receber,
9o. (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012) examinar e identificar as ocorrências suspeitas de atividades ilí-
Art. 11-A.As transferências internacionais e os saques em citas previstas nesta Lei, sem prejuízo das competências de ou-
espécie deverão ser previamente comunicados à instituição fi- tros órgãos e entidades. (Redação dada pela Medida Provisória
nanceira, nos termos, limites, prazos e condições fixados pelo nº 886, de 2019)
Banco Central do Brasil. (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012) § 1º As instruções referidas no art. 10 destinadas às pessoas
mencionadas no art. 9º, para as quais não exista órgão próprio
CAPÍTULO VIII fiscalizador ou regulador, serão expedidas pelo COAF, competin-
DA RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA do-lhe, para esses casos, a definição das pessoas abrangidas e a
aplicação das sanções enumeradas no art. 12.
Art. 12. Às pessoas referidas no art. 9º, bem como aos ad- § 2º O COAF deverá, ainda, coordenar e propor mecanismos
ministradores das pessoas jurídicas, que deixem de cumprir as de cooperação e de troca de informações que viabilizem ações
obrigações previstas nos arts. 10 e 11 serão aplicadas, cumula- rápidas e eficientes no combate à ocultação ou dissimulação de
tivamente ou não, pelas autoridades competentes, as seguintes bens, direitos e valores.
sanções:

21
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
§ 3o O COAF poderá requerer aos órgãos da Administração de 8 de outubro de 2008, e 15 da Lei nº 12.865, de 9 de outubro
Pública as informações cadastrais bancárias e financeiras de de 2013, e tendo em vista o disposto na Lei nº 13.260, de 16 de
pessoas envolvidas em atividades suspeitas. (Incluído pela Lei março de 2016, na Convenção contra o Tráfico Ilícito de Entor-
nº 10.701, de 2003) pecentes e Substâncias Psicotrópicas, promulgada pelo Decreto
Art. 15. O COAF comunicará às autoridades competentes nº 154, de 26 de junho de 1991, na Convenção das Nações Uni-
para a instauração dos procedimentos cabíveis, quando concluir das contra o Crime Organizado Transnacional, promulgada pelo
pela existência de crimes previstos nesta Lei, de fundados indí- Decreto nº 5.015, de 12 de março de 2004, na Convenção Inte-
cios de sua prática, ou de qualquer outro ilícito. ramericana contra o Terrorismo, promulgada pelo Decreto nº
Art. 16. (Revogado pela Lei nº 13.974, de 2020) 5.639, de 26 de dezembro de 2005, na Convenção Internacional
Art. 17. (Revogado pela Lei nº 13.974, de 2020) para Supressão do Financiamento do Terrorismo, promulgada
pelo Decreto nº 5.640, de 26 de dezembro de 2005, e na Con-
CAPÍTULO X venção das Nações Unidas contra a Corrupção, promulgada pelo
(INCLUÍDO PELA LEI Nº 12.683, DE 2012) Decreto nº 5.687, de 31 de janeiro de 2006, resolve:
DISPOSIÇÕES GERAIS
(INCLUÍDO PELA LEI Nº 12.683, DE 2012) CAPÍTULO I
DO OBJETO E DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO
Art. 17-A.Aplicam-se, subsidiariamente, as disposições do
Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Pro- Art. 1º Esta Circular dispõe sobre a política, os procedimen-
cesso Penal), no que não forem incompatíveis com esta Lei. (In- tos e os controles internos a serem adotados pelas instituições
cluído pela Lei nº 12.683, de 2012) autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil visando à
Art. 17-B.A autoridade policial e o Ministério Público terão prevenção da utilização do sistema financeiro para a prática dos
acesso, exclusivamente, aos dados cadastrais do investigado que crimes de “lavagem” ou ocultação de bens, direitos e valores, de
informam qualificação pessoal, filiação e endereço, independen- que trata a Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998, e de financia-
temente de autorização judicial, mantidos pela Justiça Eleitoral, mento do terrorismo, previsto na Lei nº 13.260, de 16 de março
pelas empresas telefônicas, pelas instituições financeiras, pelos de 2016.
provedores de internet e pelas administradoras de cartão de Parágrafo único. Para os fins desta Circular, os crimes refe-
crédito. (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012) ridos no caput serão denominados genericamente “lavagem de
Art. 17-C.Os encaminhamentos das instituições financei- dinheiro” e “financiamento do terrorismo”.
ras e tributárias em resposta às ordens judiciais de quebra ou
transferência de sigilo deverão ser, sempre que determinado, CAPÍTULO II
em meio informático, e apresentados em arquivos que possibi- DA POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E
litem a migração de informações para os autos do processo sem AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO
redigitação. (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
Art. 17-D.Em caso de indiciamento de servidor público, este Art. 2º As instituições mencionadas no art. 1º devem imple-
será afastado, sem prejuízo de remuneração e demais direitos mentar e manter política formulada com base em princípios e
previstos em lei, até que o juiz competente autorize, em decisão diretrizes que busquem prevenir a sua utilização para as práticas
fundamentada, o seu retorno. (Incluído pela Lei nº 12.683, de de lavagem de dinheiro e de financiamento do terrorismo.
2012) Parágrafo único. A política de que trata o caput deve ser
Art. 17-E.A Secretaria da Receita Federal do Brasil conser- compatível com os perfis de risco:
vará os dados fiscais dos contribuintes pelo prazo mínimo de 5 I - dos clientes;
(cinco) anos, contado a partir do início do exercício seguinte ao II - da instituição;
da declaração de renda respectiva ou ao do pagamento do tribu- III - das operações, transações, produtos e serviços; e
to. (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012) IV - dos funcionários, parceiros e prestadores de serviços
Art. 18. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. terceirizados.
Art. 3º A política referida no art. 2º deve contemplar, no
mínimo:
CIRCULAR Nº 3.978, DE 23 DE JANEIRO DE 2020 I - as diretrizes para:
a) a definição de papéis e responsabilidades para o cumpri-
CIRCULAR Nº 3.978, DE 23 DE JANEIRO DE 2020 mento das obrigações de que trata esta Circular;
b) a definição de procedimentos voltados à avaliação e à
Dispõe sobre a política, os procedimentos e os controles análise prévia de novos produtos e serviços, bem como da utili-
internos a serem adotados pelas instituições autorizadas a zação de novas tecnologias, tendo em vista o risco de lavagem
funcionar pelo Banco Central do Brasil visando à prevenção da de dinheiro e de financiamento do terrorismo;
utilização do sistema financeiro para a prática dos crimes de c) a avaliação interna de risco e a avaliação de efetividade
“lavagem” ou ocultação de bens, direitos e valores, de que tra- de que tratam os arts. 10 e 62;
ta a Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998, e de financiamento do d) a verificação do cumprimento da política, dos procedi-
terrorismo, previsto na Lei nº 13.260, de 16 de março de 2016. mentos e dos controles internos de que trata esta Circular, bem
como a identificação e a correção das deficiências verificadas;
A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão e) a promoção de cultura organizacional de prevenção à la-
realizada em 22 de janeiro de 2020, com base nos arts. 9º da Lei vagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, contem-
nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, 10, 11 e 11-A da Lei nº plando, inclusive, os funcionários, os parceiros e os prestadores
9.613, de 3 de março de 1998, 6º e 7º, inciso III, da Lei nº 11.795, de serviços terceirizados;

22
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
f) a seleção e a contratação de funcionários e de prestado- § 2º A responsabilidade mencionada no caput deve ser ob-
res de serviços terceirizados, tendo em vista o risco de lavagem servada em cada instituição, mesmo no caso de opção pela fa-
de dinheiro e de financiamento do terrorismo; e culdade estabelecida nos arts. 4º, 11, 42, 46 e 52.
g) a capacitação dos funcionários sobre o tema da preven-
ção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, CAPÍTULO IV
incluindo os funcionários dos correspondentes no País que pres- DA AVALIAÇÃO INTERNA DE RISCO
tem atendimento em nome das instituições mencionadas no art.
1º; Art. 10. As instituições referidas no art. 1º devem realizar
II - as diretrizes para implementação de procedimentos: avaliação interna com o objetivo de identificar e mensurar o ris-
a) de coleta, verificação, validação e atualização de informa- co de utilização de seus produtos e serviços na prática da lava-
ções cadastrais, visando a conhecer os clientes, os funcionários, gem de dinheiro e do financiamento do terrorismo.
os parceiros e os prestadores de serviços terceirizados; § 1º Para identificação do risco de que trata o caput, a ava-
b) de registro de operações e de serviços financeiros; liação interna deve considerar, no mínimo, os perfis de risco:
c) de monitoramento, seleção e análise de operações e situ- I - dos clientes;
ações suspeitas; e II - da instituição, incluindo o modelo de negócio e a área
d) de comunicação de operações ao Conselho de Controle geográfica de atuação;
de Atividades Financeiras (Coaf); e III - das operações, transações, produtos e serviços, abran-
III - o comprometimento da alta administração com a efeti- gendo todos os canais de distribuição e a utilização de novas
vidade e a melhoria contínua da política, dos procedimentos e tecnologias; e
dos controles internos relacionados com a prevenção à lavagem IV - das atividades exercidas pelos funcionários, parceiros e
de dinheiro e ao financiamento do terrorismo. prestadores de serviços terceirizados.
Art. 4º Admite-se a adoção de política de prevenção à la- § 2º O risco identificado deve ser avaliado quanto à sua pro-
vagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo única por babilidade de ocorrência e à magnitude dos impactos financeiro,
conglomerado prudencial e por sistema cooperativo de crédito. jurídico, reputacional e socioambiental para a instituição.
Parágrafo único. As instituições que não constituírem polí- § 3º Devem ser definidas categorias de risco que possibi-
tica própria, em decorrência do disposto no caput, devem for- litem a adoção de controles de gerenciamento e de mitigação
malizar a opção por essa faculdade em reunião do conselho de reforçados para as situações de maior risco e a adoção de con-
administração ou, se inexistente, da diretoria da instituição. troles simplificados nas situações de menor risco.
Art. 5º As instituições mencionadas no art. 1º devem asse- § 4º Devem ser utilizadas como subsídio à avaliação interna
gurar a aplicação da política referida no art. 2º em suas unidades de risco, quando disponíveis, avaliações realizadas por entida-
situadas no exterior. des públicas do País relativas ao risco de lavagem de dinheiro e
Parágrafo único. Na hipótese de impedimento ou limitação de financiamento do terrorismo.
legal à aplicação da política referida no caput à unidade da insti- Art. 11. A avaliação interna de risco pode ser realizada de
tuição situada no exterior, deverá ser elaborado relatório justifi- forma centralizada em instituição do conglomerado prudencial
cando o impedimento ou a limitação. e do sistema cooperativo de crédito.
Art. 6º A política referida no art. 2º deve ser divulgada aos Parágrafo único. As instituições que optarem por realizar a
funcionários da instituição, parceiros e prestadores de serviços avaliação interna de risco na forma do caput devem formalizar
terceirizados, mediante linguagem clara e acessível, em nível essa opção em reunião do conselho de administração ou, se ine-
de detalhamento compatível com as funções desempenhadas e xistente, da diretoria da instituição.
com a sensibilidade das informações. Art. 12. A avaliação interna de risco deve ser:
Art. 7º A política referida no art. 2º deve ser: I - documentada e aprovada pelo diretor referido no art. 9º;
I - documentada; II - encaminhada para ciência:
II - aprovada pelo conselho de administração ou, se inexis- a) ao comitê de risco, quando houver;
tente, pela diretoria da instituição; e b) ao comitê de auditoria, quando houver; e
III - mantida atualizada. c) ao conselho de administração ou, se inexistente, à direto-
ria da instituição; e
CAPÍTULO III III - revisada a cada dois anos, bem como quando ocorrerem
DA GOVERNANÇA DA POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVA- alterações significativas nos perfis de risco mencionados no art.
GEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORIS- 10, § 1º.
MO
CAPÍTULO V
Art. 8º As instituições mencionadas no art. 1º devem dispor DOS PROCEDIMENTOS DESTINADOS
de estrutura de governança visando a assegurar o cumprimento A CONHECER OS CLIENTES
da política referida no art. 2º e dos procedimentos e controles SEÇÃO I
internos de prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamen- DOS PROCEDIMENTOS
to do terrorismo previstos nesta Circular.
Art. 9º As instituições referidas no art. 1º devem indicar for- Art. 13. As instituições mencionadas no art. 1º devem im-
malmente ao Banco Central do Brasil diretor responsável pelo plementar procedimentos destinados a conhecer seus clientes,
cumprimento das obrigações previstas nesta Circular. incluindo procedimentos que assegurem a devida diligência na
§ 1º O diretor mencionado no caput pode desempenhar sua identificação, qualificação e classificação.
outras funções na instituição, desde que não haja conflito de § 1º Os procedimentos referidos no caput devem ser com-
interesses. patíveis com:

23
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
I - o perfil de risco do cliente, contemplando medidas refor- § 2º A necessidade de verificação e de validação das infor-
çadas para clientes classificados em categorias de maior risco, mações referidas no § 1º deve ser avaliada pelas instituições de
de acordo com a avaliação interna de risco referida no art. 10; acordo com o perfil de risco do cliente e com a natureza da re-
II - a política de prevenção à lavagem de dinheiro e ao finan- lação de negócio.
ciamento do terrorismo de que trata o art. 2º; e § 3º Nos procedimentos de que trata o caput, devem ser
III - a avaliação interna de risco de que trata o art. 10. coletadas informações adicionais do cliente compatíveis com o
§ 2º Os procedimentos mencionados no caput devem ser risco de utilização de produtos e serviços na prática da lavagem
formalizados em manual específico. de dinheiro e do financiamento do terrorismo.
§ 3º O manual referido no § 2º deve ser aprovado pela dire- § 4º A qualificação do cliente deve ser reavaliada de forma
toria da instituição e mantido atualizado. permanente, de acordo com a evolução da relação de negócio e
Art. 14. As informações obtidas e utilizadas nos procedi- do perfil de risco.
mentos referidos no art. 13 devem ser armazenadas em siste- § 5º As informações coletadas na qualificação do cliente de-
mas informatizados e utilizadas nos procedimentos de que trata vem ser mantidas atualizadas.
o Capítulo VII. § 6º O Banco Central do Brasil poderá divulgar rol de infor-
Art. 15. Os procedimentos previstos neste Capítulo devem mações a serem coletadas, verificadas e validadas em procedi-
ser observados sem prejuízo do disposto na regulamentação mentos específicos de qualificação de clientes.
que disciplina produtos e serviços específicos. Art. 19. Os procedimentos de qualificação referidos no art.
18 devem incluir a verificação da condição do cliente como pes-
SEÇÃO II soa exposta politicamente, nos termos do art. 27, bem como a
DA IDENTIFICAÇÃO DOS CLIENTES verificação da condição de representante, familiar ou estreito
colaborador dessas pessoas.
Art. 16. As instituições referidas no art. 1º devem adotar § 1º Para os fins desta Circular, considera-se:
procedimentos de identificação que permitam verificar e validar I - familiar, os parentes, na linha reta ou colateral, até o se-
a identidade do cliente. gundo grau, o cônjuge, o companheiro, a companheira, o ente-
§ 1º Os procedimentos referidos no caput devem incluir a ado e a enteada; e
obtenção, a verificação e a validação da autenticidade de infor- II - estreito colaborador:
mações de identificação do cliente, inclusive, se necessário, me- a) pessoa natural conhecida por ter qualquer tipo de estrei-
diante confrontação dessas informações com as disponíveis em ta relação com pessoa exposta politicamente, inclusive por:
bancos de dados de caráter público e privado. 1. ter participação conjunta em pessoa jurídica de direito
§ 2º No processo de identificação do cliente devem ser co- privado;
letados, no mínimo: 2. figurar como mandatária, ainda que por instrumento par-
I - o nome completo, o endereço residencial e o número de ticular da pessoa mencionada no item 1; ou
registro no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), no caso de pessoa 3. ter participação conjunta em arranjos sem personalidade
natural; e jurídica; e
II - a firma ou denominação social, o endereço da sede e b) pessoa natural que tem o controle de pessoas jurídicas ou
o número de registro no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica de arranjos sem personalidade jurídica, conhecidos por terem
(CNPJ), no caso de pessoa jurídica. sido criados para o benefício de pessoa exposta politicamente.
§ 3º No caso de cliente pessoa natural residente no exterior § 2º Para os clientes qualificados como pessoa exposta po-
desobrigada de inscrição no CPF, na forma definida pela Secre- liticamente ou como representante, familiar ou estreito cola-
taria da Receita Federal do Brasil, admite-se a utilização de do- borador dessas pessoas, as instituições mencionadas no art. 1º
cumento de viagem na forma da Lei, devendo ser coletados, no devem:
mínimo, o país emissor, o número e o tipo do documento. I - adotar procedimentos e controles internos compatíveis
§ 4º No caso de cliente pessoa jurídica com domicílio ou com essa qualificação;
sede no exterior desobrigada de inscrição no CNPJ, na forma de- II - considerar essa qualificação na classificação do cliente
finida pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, as instituições nas categorias de risco referidas no art. 20; e
devem coletar, no mínimo, o nome da empresa, o endereço da III - avaliar o interesse no início ou na manutenção do rela-
sede e o número de identificação ou de registro da empresa no cionamento com o cliente.
respectivo país de origem. § 3º A avaliação mencionada no § 2º, inciso III, deve ser
Art. 17. As informações referidas no art. 16 devem ser man- realizada por detentor de cargo ou função de nível hierárquico
tidas atualizadas. superior ao do responsável pela autorização do relacionamento
com o cliente.
SEÇÃO III
DA QUALIFICAÇÃO DOS CLIENTES SEÇÃO IV
DA CLASSIFICAÇÃO DOS CLIENTES
Art. 18. As instituições mencionadas no art. 1º devem adotar
procedimentos que permitam qualificar seus clientes por meio da Art. 20. As instituições mencionadas no art. 1º devem classi-
coleta, verificação e validação de informações, compatíveis com o ficar seus clientes nas categorias de risco definidas na avaliação
perfil de risco do cliente e com a natureza da relação de negócio. interna de risco mencionada no art. 10, com base nas informa-
§ 1º Os procedimentos de qualificação referidos no caput ções obtidas nos procedimentos de qualificação do cliente refe-
devem incluir a coleta de informações que permitam avaliar a ridos no art. 18.
capacidade financeira do cliente, incluindo a renda, no caso de Parágrafo único. A classificação mencionada no caput deve
pessoa natural, ou o faturamento, no caso de pessoa jurídica. ser:

24
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
I - realizada com base no perfil de risco do cliente e na natu- qual o Banco Central do Brasil mantenha convênio para a troca
reza da relação de negócio; e de informações, admite-se que as informações relativas ao be-
II - revista sempre que houver alterações no perfil de risco neficiário final sejam obtidas da instituição no exterior, desde
do cliente e na natureza da relação de negócio. que assegurado ao Banco Central do Brasil o acesso às informa-
ções e aos procedimentos adotados.
SEÇÃO V
DISPOSIÇÕES COMUNS À IDENTIFICAÇÃO, À QUALIFICA- SEÇÃO VII
ÇÃO E À CLASSIFICAÇÃO DOS CLIENTES DA QUALIFICAÇÃO COMO PESSOA EXPOSTA POLITICA-
MENTE
Art. 21. As instituições referidas no art. 1º devem adotar os
procedimentos de identificação, de qualificação e de classifica- Art. 27. As instituições mencionadas no art. 1º devem im-
ção previstos neste Capítulo para os administradores de clientes plementar procedimentos que permitam qualificar seus clientes
pessoas jurídicas e para os representantes de clientes. como pessoa exposta politicamente.
Parágrafo único. Os procedimentos referidos no caput de- § 1º Consideram-se pessoas expostas politicamente:
vem ser compatíveis com a função exercida pelo administrador I - os detentores de mandatos eletivos dos Poderes Executi-
e com a abrangência da representação. vo e Legislativo da União;
Art. 22. Os critérios utilizados para a definição das informa- II - os ocupantes de cargo, no Poder Executivo da União, de:
ções necessárias e dos procedimentos de verificação, validação a) Ministro de Estado ou equiparado;
e atualização das informações para cada categoria de risco de- b) Natureza Especial ou equivalente;
vem ser previstos no manual de que trata o art. 13, § 2º. c) presidente, vice-presidente e diretor, ou equivalentes, de
Art. 23. É vedado às instituições referidas no art. 1º iniciar entidades da administração pública indireta; e
relação de negócios sem que os procedimentos de identificação d) Grupo Direção e Assessoramento Superiores (DAS), nível
e de qualificação do cliente estejam concluídos. 6, ou equivalente;
Parágrafo único. Admite-se, por um período máximo de trin- III - os membros do Conselho Nacional de Justiça, do Su-
ta dias, o início da relação de negócios em caso de insuficiência premo Tribunal Federal, dos Tribunais Superiores, dos Tribunais
de informações relativas à qualificação do cliente, desde que Regionais Federais, dos Tribunais Regionais do Trabalho, dos Tri-
não haja prejuízo aos procedimentos de monitoramento e sele- bunais Regionais Eleitorais, do Conselho Superior da Justiça do
ção de que trata o art. 39. Trabalho e do Conselho da Justiça Federal;
IV - os membros do Conselho Nacional do Ministério Públi-
SEÇÃO VI co, o Procurador-Geral da República, o Vice-Procurador-Geral da
DA IDENTIFICAÇÃO E DA QUALIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO República, o Procurador-Geral do Trabalho, o Procurador-Geral
FINAL da Justiça Militar, os Subprocuradores-Gerais da República e os
Procuradores-Gerais de Justiça dos Estados e do Distrito Fede-
Art. 24. Os procedimentos de qualificação do cliente pessoa ral;
jurídica devem incluir a análise da cadeia de participação socie- V - os membros do Tribunal de Contas da União, o Procu-
tária até a identificação da pessoa natural caracterizada como rador-Geral e os Subprocuradores-Gerais do Ministério Público
seu beneficiário final, observado o disposto no art. 25. junto ao Tribunal de Contas da União;
§ 1º Devem ser aplicados à pessoa natural referida no caput, VI - os presidentes e os tesoureiros nacionais, ou equivalen-
no mínimo, os procedimentos de qualificação definidos para a tes, de partidos políticos;
categoria de risco do cliente pessoa jurídica na qual o beneficiá- VII - os Governadores e os Secretários de Estado e do Distri-
rio final detenha participação societária. to Federal, os Deputados Estaduais e Distritais, os presidentes,
§ 2º É também considerado beneficiário final o representan- ou equivalentes, de entidades da administração pública indireta
te, inclusive o procurador e o preposto, que exerça o comando estadual e distrital e os presidentes de Tribunais de Justiça, Tri-
de fato sobre as atividades da pessoa jurídica. bunais Militares, Tribunais de Contas ou equivalentes dos Esta-
§ 3º Excetuam-se do disposto no caput as pessoas jurídicas dos e do Distrito Federal; e
constituídas sob a forma de companhia aberta ou entidade sem VIII - os Prefeitos, os Vereadores, os Secretários Municipais,
fins lucrativos e as cooperativas, para as quais as informações os presidentes, ou equivalentes, de entidades da administração
coletadas devem abranger as informações das pessoas naturais pública indireta municipal e os Presidentes de Tribunais de Con-
autorizadas a representá-las, bem como seus controladores, ad- tas ou equivalentes dos Municípios.
ministradores e diretores, se houver. § 2º São também consideradas expostas politicamente as
Art. 25. As instituições mencionadas no art. 1º devem es- pessoas que, no exterior, sejam:
tabelecer valor mínimo de referência de participação societária I - chefes de estado ou de governo;
para a identificação de beneficiário final. II - políticos de escalões superiores;
§ 1º O valor mínimo de referência de participação societária III - ocupantes de cargos governamentais de escalões supe-
de que trata o caput deve ser estabelecido com base no risco e riores;
não pode ser superior a 25% (vinte e cinco por cento), conside- IV - oficiais-generais e membros de escalões superiores do
rada, em qualquer caso, a participação direta e a indireta. Poder Judiciário;
§ 2º O valor de referência de que trata o caput deve ser jus- V - executivos de escalões superiores de empresas públicas;
tificado e documentado no manual de procedimentos referido ou
no art. 13, § 2º. VI - dirigentes de partidos políticos.
Art. 26. No caso de relação de negócio com cliente residente § 3º São também consideradas pessoas expostas politica-
no exterior, que também seja cliente de instituição do mesmo mente os dirigentes de escalões superiores de entidades de di-
grupo no exterior, fiscalizada por autoridade supervisora com a reito internacional público ou privado.

25
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
§ 4º No caso de clientes residentes no exterior, para fins do SEÇÃO II
disposto no caput, as instituições mencionadas no art. 1º devem DO REGISTRO DE OPERAÇÕES DE PAGAMENTO, DE RECEBI-
adotar pelo menos duas das seguintes providências: MENTO E DE TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS
I - solicitar declaração expressa do cliente a respeito da sua
qualificação; Art. 30. No caso de operações relativas a pagamentos, re-
II - recorrer a informações públicas disponíveis; e cebimentos e transferências de recursos, por meio de qualquer
III - consultar bases de dados públicas ou privadas sobre instrumento, as instituições referidas no art. 1º devem incluir
pessoas expostas politicamente. nos registros mencionados no art. 28 as informações necessárias
§ 5º A condição de pessoa exposta politicamente deve ser à identificação da origem e do destino dos recursos.
aplicada pelos cinco anos seguintes à data em que a pessoa dei- § 1º A origem mencionada no caput refere-se à instituição
xou de se enquadrar nas categorias previstas nos §§ 1º, 2º, e 3º. pagadora, sacada ou remetente e à pessoa sacada ou remetente
§ 6º No caso de relação de negócio com cliente residente dos recursos, bem como ao instrumento de transferência ou de
no exterior que também seja cliente de instituição do mesmo pagamento utilizado na transação.
grupo no exterior, fiscalizada por autoridade supervisora com § 2º O destino mencionado no caput refere-se à instituição
a qual o Banco Central do Brasil mantenha convênio para troca recebedora ou destinatária e à pessoa recebedora ou destinatá-
de informações, admite-se que as informações de qualificação ria dos recursos, bem como ao instrumento de transferência ou
de pessoa exposta politicamente sejam obtidas da instituição de pagamento utilizado na transação.
no exterior, desde que assegurado ao Banco Central do Brasil o § 3º Para fins do cumprimento do disposto no caput, devem
acesso aos respectivos dados e procedimentos adotados. ser incluídas no registro das operações, no mínimo, as seguintes
informações, quando couber:
CAPÍTULO VI I - nome e número de inscrição no CPF ou no CNPJ do reme-
DO REGISTRO DE OPERAÇÕES tente ou sacado;
SEÇÃO I II - nome e número de inscrição no CPF ou no CNPJ do rece-
DISPOSIÇÕES GERAIS bedor ou beneficiário;
III - códigos de identificação, no sistema de liquidação de
Art. 28. As instituições referidas no art. 1º devem manter pagamentos ou de transferência de fundos, das instituições en-
registros de todas as operações realizadas, produtos e serviços volvidas na operação; e
contratados, inclusive saques, depósitos, aportes, pagamentos, IV - números das dependências e das contas envolvidas na
recebimentos e transferências de recursos. operação.
§ 1º Os registros referidos no caput devem conter, no míni- § 4º No caso de transferência de recursos por meio de che-
mo, as seguintes informações sobre cada operação: que, as instituições mencionadas no art. 1º devem incluir no re-
I - tipo; gistro da operação, além das informações referidas no § 3º, o
II - valor, quando aplicável; número do cheque.
III - data de realização; Art. 31. Caso as instituições referidas no art. 1º estabeleçam
IV - nome e número de inscrição no CPF ou no CNPJ do titu- relação de negócio com terceiros não sujeitos a autorização para
lar e do beneficiário da operação, no caso de pessoa residente funcionar do Banco Central do Brasil, participantes de arranjo
ou sediada no País; e de pagamento do qual a instituição também participe, deve ser
V - canal utilizado. estipulado em contrato o acesso da instituição à identificação
§ 2º No caso de operações envolvendo pessoa natural resi- dos destinatários finais dos recursos, para fins de prevenção à
dente no exterior desobrigada de inscrição no CPF, na forma de- lavagem de dinheiro e do financiamento do terrorismo.
finida pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, as instituições Parágrafo único. O disposto no caput se aplica inclusive no
devem incluir no registro as seguintes informações: caso de relação de negócio que envolva a interoperabilidade
I - nome; com arranjo de pagamento não sujeito a autorização pelo Banco
II - tipo e número do documento de viagem e respectivo país Central do Brasil, do qual as instituições referidas no art. 1º não
emissor; e participem.
III - organismo internacional de que seja representante para Art. 32. No caso de transferência de recursos por meio da
o exercício de funções específicas no País, quando for o caso. compensação interbancária de cheque, a instituição sacada
§ 3º No caso de operações envolvendo pessoa jurídica com deve informar à instituição depositária, e a instituição depositá-
domicílio ou sede no exterior desobrigada de inscrição no CNPJ, ria deve informar à instituição sacada, os números de inscrição
na forma definida pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, as no CPF ou no CNPJ dos titulares da conta sacada e da conta de-
instituições devem incluir no registro as seguintes informações: positária, respectivamente.
I - nome da empresa; e
II - número de identificação ou de registro da empresa no SEÇÃO III
respectivo país de origem. DO REGISTRO DAS OPERAÇÕES EM ESPÉCIE
Art. 29. Os registros de que trata este Capítulo devem ser
realizados inclusive nas situações em que a operação ocorrer no Art. 33. No caso de operações com utilização de recursos em
âmbito da mesma instituição. espécie de valor individual superior a R$2.000,00 (dois mil re-
ais), as instituições referidas no art. 1º devem incluir no registro,
além das informações previstas nos arts. 28 e 30, o nome e o res-
pectivo número de inscrição no CPF do portador dos recursos.

26
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
Art. 34. No caso de operações de depósito ou aporte em CAPÍTULO VII
espécie de valor individual igual ou superior a R$50.000,00 (cin- DO MONITORAMENTO, DA SELEÇÃO E DA ANÁLISE DE OPE-
quenta mil reais), as instituições referidas no art. 1º devem in- RAÇÕES E SITUAÇÕES SUSPEITAS
cluir no registro, além das informações previstas nos arts. 28 e SEÇÃO I
30: DOS PROCEDIMENTOS DE MONITORAMENTO, SELEÇÃO E
I - o nome e o respectivo número de inscrição no CPF ou no ANÁLISE DE OPERAÇÕES E SITUAÇÕES SUSPEITAS
CNPJ, conforme o caso, do proprietário dos recursos;
II - o nome e o respectivo número de inscrição no CPF do Art. 38. As instituições referidas no art. 1º devem imple-
portador dos recursos; e mentar procedimentos de monitoramento, seleção e análise de
III - a origem dos recursos depositados ou aportados. operações e situações com o objetivo de identificar e dispensar
Parágrafo único. Na hipótese de recusa do cliente ou do por- especial atenção às suspeitas de lavagem de dinheiro e de finan-
tador dos recursos em prestar a informação referida no inciso III ciamento do terrorismo.
do caput, a instituição deve registrar o fato e utilizar essa infor- § 1º Para os fins desta Circular, operações e situações sus-
mação nos procedimentos de monitoramento, seleção e análise peitas referem-se a qualquer operação ou situação que apresen-
de que tratam os art. 38 a 47. te indícios de utilização da instituição para a prática dos crimes
Art. 35. No caso de operações de saque, inclusive as realiza- de lavagem de dinheiro e de financiamento do terrorismo.
das por meio de cheque ou ordem de pagamento, de valor indi- § 2º Os procedimentos de que trata o caput devem ser apli-
vidual igual ou superior a R$50.000,00 (cinquenta mil reais), as cados, inclusive, às propostas de operações.
instituições referidas no art. 1º devem incluir no registro, além § 3º Os procedimentos mencionados no caput devem:
das informações previstas nos arts. 28 e 30: I - ser compatíveis com a política de prevenção à lavagem de
I - o nome e o respectivo número de inscrição no CPF ou no dinheiro e ao financiamento do terrorismo de que trata o art. 2º;
CNPJ, conforme o caso, do destinatário dos recursos; II - ser definidos com base na avaliação interna de risco de
II - o nome e o respectivo número de inscrição no CPF do que trata o art. 10;
portador dos recursos; III - considerar a condição de pessoa exposta politicamente,
III - a finalidade do saque; e nos termos do art. 27, bem como a condição de representante,
IV - o número do protocolo referido no art. 36, § 2º, inciso II. familiar ou estreito colaborador da pessoa exposta politicamen-
Parágrafo único. Na hipótese de recusa do cliente ou do por- te, nos termos do art. 19; e
tador dos recursos em prestar a informação referida no inciso III IV - estar descritos em manual específico, aprovado pela di-
do caput, a instituição deve registrar o fato e utilizar essa infor- retoria da instituição.
mação nos procedimentos de monitoramento, seleção e análise
de que tratam os art. 38 a 47. SEÇÃO II
Art. 36. As instituições mencionadas no art. 1º devem re- DO MONITORAMENTO E DA SELEÇÃO DE OPERAÇÕES E
querer dos sacadores clientes e não clientes solicitação de pro- SITUAÇÕES SUSPEITAS
visionamento com, no mínimo, três dias úteis de antecedência,
das operações de saque, inclusive as realizadas por meio de Art. 39. As instituições referidas no art. 1º devem implemen-
cheque ou ordem de pagamento, de valor igual ou superior a tar procedimentos de monitoramento e seleção que permitam
R$50.000,00 (cinquenta mil reais). identificar operações e situações que possam indicar suspeitas
§ 1º As operações de saque de que trata o caput devem ser de lavagem de dinheiro e de financiamento do terrorismo, es-
consideradas individualmente, para efeitos de observação do li- pecialmente:
mite previsto no caput. I - as operações realizadas e os produtos e serviços contra-
§ 2º As instituições referidas no caput devem: tados que, considerando as partes envolvidas, os valores, as
I - possibilitar a solicitação de provisionamento por meio do formas de realização, os instrumentos utilizados ou a falta de
sítio eletrônico da instituição na internet e das agências ou Pos- fundamento econômico ou legal, possam configurar a existência
tos de Atendimento; de indícios de lavagem de dinheiro ou de financiamento do ter-
II - emitir protocolo de atendimento ao cliente ou ao saca- rorismo, inclusive:
dor não cliente, no qual devem ser informados o valor da opera- a) as operações realizadas ou os serviços prestados que,
ção, a dependência na qual deverá ser efetuado o saque e a data por sua habitualidade, valor ou forma, configurem artifício que
programada para o saque; e objetive burlar os procedimentos de identificação, qualificação,
III - registrar, no ato da solicitação de provisionamento, as registro, monitoramento e seleção previstos nesta Circular;
informações indicadas no art. 35, conforme o caso. b) as operações de depósito ou aporte em espécie, saque
§ 3º No caso de saque em espécie a ser realizado por meio em espécie, ou pedido de provisionamento para saque que
de cheque por sacador não cliente, a solicitação de provisiona- apresentem indícios de ocultação ou dissimulação da natureza,
mento de que trata o caput deve ser realizada exclusivamente da origem, da localização, da disposição, da movimentação ou
em agências ou em Postos de Atendimento. da propriedade de bens, direitos e valores;
§ 4º O disposto neste artigo deve ser observado sem preju- c) as operações realizadas e os produtos e serviços con-
ízo do art. 2º da Resolução nº 3.695, de 26 de março de 2009. tratados que, considerando as partes e os valores envolvidos,
Art. 37. As instituições referidas no art. 1º devem manter apresentem incompatibilidade com a capacidade financeira do
registro específico de recebimentos de boleto de pagamento pa- cliente, incluindo a renda, no caso de pessoa natural, ou o fatu-
gos com recursos em espécie. ramento, no caso de pessoa jurídica, e o patrimônio;
Parágrafo único. A instituição que receber boleto de paga- d) as operações com pessoas expostas politicamente de na-
mento que não seja de sua emissão deve remeter à instituição cionalidade brasileira e com representantes, familiares ou es-
emissora a informação de que o boleto foi pago em espécie. treitos colaboradores de pessoas expostas politicamente;

27
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
e) as operações com pessoas expostas politicamente estran- § 2º A análise mencionada no caput deve ser formalizada
geiras; em dossiê, independentemente da comunicação ao Coaf refe-
f) os clientes e as operações em relação aos quais não seja rida no art. 48.
possível identificar o beneficiário final; Art. 44. É vedada:
g) as operações oriundas ou destinadas a países ou territó- I - a contratação de terceiros para a realização da análise
rios com deficiências estratégicas na implementação das reco- referida no art. 43; e
mendações do Grupo de Ação Financeira (Gafi); e II - a realização da análise referida no art. 43 no exterior.
h) as situações em que não seja possível manter atualizadas Parágrafo único. A vedação mencionada no caput não inclui
as informações cadastrais de seus clientes; e a contratação de terceiros para a prestação de serviços auxilia-
II - as operações e situações que possam indicar suspeitas res à análise referida no art. 43.
de financiamento do terrorismo. Art. 45. As instituições referidas no art. 1º devem dispor, no
Parágrafo único. O período para a execução dos procedi- País, de recursos e competências necessários à análise de ope-
mentos de monitoramento e de seleção das operações e situ- rações e situações suspeitas referida no art. 43.
ações suspeitas não pode exceder o prazo de quarenta e cinco Art. 46. Os procedimentos de análise referidos no art. 43
dias, contados a partir da data de ocorrência da operação ou da podem ser realizados de forma centralizada em instituição do
situação. conglomerado prudencial e do sistema cooperativo de crédito.
Art. 40. As instituições referidas no art. 1º devem assegurar Parágrafo único. As instituições que optarem por realizar os
que os sistemas utilizados no monitoramento e na seleção de procedimentos de análise na forma do caput devem formalizar
operações e situações suspeitas contenham informações deta- a opção em reunião do conselho de administração ou, se inexis-
lhadas das operações realizadas e das situações ocorridas, in- tente, da diretoria da instituição.
clusive informações sobre a identificação e a qualificação dos
envolvidos. SEÇÃO IV
§ 1º As instituições devem manter documentação detalhada DISPOSIÇÕES GERAIS
dos parâmetros, variáveis, regras e cenários utilizados no moni-
toramento e seleção de operações e situações que possam in- Art. 47. No caso de contratação de serviços de processa-
dicar suspeitas de lavagem de dinheiro e de financiamento do mento e armazenamento de dados e de computação em nuvem
terrorismo. utilizados para monitoramento e seleção de operações e situa-
§ 2º Os sistemas e os procedimentos utilizados no monito- ções suspeitas, bem como de serviços auxiliares à análise dessas
ramento e na seleção de operações e situações suspeitas devem operações e situações, as instituições referidas no art. 1º devem
ser passíveis de verificação quanto à sua adequação e efetivi- observar:
dade. I - o disposto no Capítulo III da Circular nº 3.909, de 16 de
Art. 41. Devem ser incluídos no manual referido no art. 38, agosto de 2018, e, no que couber, nos Capítulos IV e V da referi-
§ 3º, inciso IV: da Circular, no caso de instituições de pagamento; e
I - os critérios de definição da periodicidade de execução II - o disposto no Capítulo III da Resolução nº 4.658, de 26 de
dos procedimentos de monitoramento e seleção para os dife- abril de 2018, e, no que couber, nos Capítulos IV e V da referida
rentes tipos de operações e situações monitoradas; e Resolução, no caso de instituições financeiras e demais institui-
II - os parâmetros, as variáveis, as regras e os cenários uti- ções autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil.
lizados no monitoramento e seleção para os diferentes tipos de
operações e situações. CAPÍTULO VIII
Art. 42. Os procedimentos de monitoramento e seleção re- DOS PROCEDIMENTOS DE COMUNICAÇÃO AO COAF
feridos no art. 39 podem ser realizados de forma centralizada SEÇÃO I
em instituição do conglomerado prudencial e do sistema coope- DA COMUNICAÇÃO DE OPERAÇÕES E SITUAÇÕES SUSPEI-
rativo de crédito. TAS
Parágrafo único. As instituições que optarem por realizar os
procedimentos de monitoramento e seleção na forma do caput Art. 48. As instituições referidas no art. 1º devem comunicar
devem formalizar essa opção em reunião do conselho de admi- ao Coaf as operações ou situações suspeitas de lavagem de di-
nistração ou, se inexistente, da diretoria da instituição. nheiro e de financiamento do terrorismo.
§ 1º A decisão de comunicação da operação ou situação ao
SEÇÃO III Coaf deve:
DOS PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE OPERAÇÕES E SITU- I - ser fundamentada com base nas informações contidas no
AÇÕES SUSPEITAS dossiê mencionado no art. 43, § 2º;
II - ser registrada de forma detalhada no dossiê mencionado
Art. 43. As instituições referidas no art. 1º devem imple- no art. 43, § 2º; e
mentar procedimentos de análise das operações e situações III - ocorrer até o final do prazo de análise referido no art.
selecionadas por meio dos procedimentos de monitoramento e 43, § 1º.
seleção de que trata o art. 39, com o objetivo de caracterizá-las § 2º A comunicação da operação ou situação suspeita ao
ou não como suspeitas de lavagem de dinheiro e de financia- Coaf deve ser realizada até o dia útil seguinte ao da decisão de
mento do terrorismo. comunicação.
§ 1º O período para a execução dos procedimentos de aná-
lise das operações e situações selecionadas não pode exceder
o prazo de quarenta e cinco dias, contados a partir da data da
seleção da operação ou situação.

28
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
SEÇÃO II CAPÍTULO IX
DA COMUNICAÇÃO DE OPERAÇÕES EM ESPÉCIE DOS PROCEDIMENTOS DESTINADOS A CONHECER FUNCIO-
NÁRIOS, PARCEIROS E PRESTADORES DE SERVIÇOS TERCEI-
Art. 49. As instituições mencionadas no art. 1º devem co- RIZADOS
municar ao Coaf:
I - as operações de depósito ou aporte em espécie ou saque Art. 56. As instituições mencionadas no art. 1º devem im-
em espécie de valor igual ou superior a R$50.000,00 (cinquenta plementar procedimentos destinados a conhecer seus funcioná-
mil reais); rios, parceiros e prestadores de serviços terceirizados, incluindo
II - as operações relativas a pagamentos, recebimentos e procedimentos de identificação e qualificação.
transferências de recursos, por meio de qualquer instrumen- Parágrafo único. Os procedimentos referidos no caput de-
to, contra pagamento em espécie, de valor igual ou superior a vem ser compatíveis com a política de prevenção à lavagem de
R$50.000,00 (cinquenta mil reais); e dinheiro e ao financiamento do terrorismo de que trata o art. 2º
III - a solicitação de provisionamento de saques em espécie e com a avaliação interna de risco de que trata o art. 10.
de valor igual ou superior a R$50.000,00 (cinquenta mil reais) de Art. 57. Os procedimentos referidos no art. 56 devem ser
que trata o art. 36. formalizados em documento específico aprovado pela diretoria
Parágrafo único. A comunicação mencionada no caput deve da instituição.
ser realizada até o dia útil seguinte ao da ocorrência da opera- Parágrafo único. O documento mencionado no caput deve
ção ou do provisionamento. ser mantido atualizado.
Art. 58. As instituições referidas no art. 1º devem classificar
SEÇÃO III as atividades exercidas por seus funcionários, parceiros e pres-
DISPOSIÇÕES GERAIS tadores de serviços terceirizados nas categorias de risco defini-
das na avaliação interna de risco, nos termos do art. 10.
Art. 50. As instituições referidas no art. 1º devem realizar § 1º A classificação em categorias de risco mencionada no
as comunicações mencionadas nos arts. 48 e 49 sem dar ciência caput deve ser mantida atualizada.
aos envolvidos ou a terceiros. § 2º Os critérios para a classificação em categorias de risco
Art. 51. As comunicações alteradas ou canceladas após o referida no caput devem estar previstos no documento mencio-
quinto dia útil seguinte ao da sua realização devem ser acompa- nado no art. 57.
nhadas de justificativa da ocorrência. § 3º As informações relativas aos funcionários, parceiros e
Art. 52. As comunicações podem ser realizadas de forma prestadores de serviços terceirizados devem ser mantidas atua-
centralizada por meio de instituição do conglomerado pruden- lizadas, considerando inclusive eventuais alterações que impli-
cial e de sistema cooperativo de crédito, em nome da instituição quem mudança de classificação nas categorias de risco.
na qual ocorreu a operação ou a situação. Art. 59. As instituições referidas no art. 1º, na celebração
Parágrafo único. As instituições que optarem por realizar as de contratos com instituições financeiras sediadas no exterior,
comunicações de forma centralizada, nos termos do caput, de- devem:
vem formalizar a opção em reunião do conselho de administra- I - obter informações sobre o contratado que permitam
ção ou, se inexistente, da diretoria da instituição. compreender a natureza de sua atividade e a sua reputação;
Art. 53. As comunicações referidas nos arts. 48 e 49 devem II - verificar se o contratado foi objeto de investigação ou
especificar, quando for o caso, se a pessoa objeto da comunica- de ação de autoridade supervisora relacionada com lavagem de
ção: dinheiro ou com financiamento do terrorismo;
I - é pessoa exposta politicamente ou representante, fami- III - certificar que o contratado tem presença física no país
liar ou estreito colaborador dessa pessoa; onde está constituído ou licenciado;
II - é pessoa que, reconhecidamente, praticou ou tenha in- IV - conhecer os controles adotados pelo contratado relati-
tentado praticar atos terroristas ou deles participado ou facilita- vos à prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do
do o seu cometimento; e terrorismo;
III - é pessoa que possui ou controla, direta ou indiretamen- V - obter a aprovação do detentor de cargo ou função de
te, recursos na instituição, no caso do inciso II. nível hierárquico superior ao do responsável pela contratação; e
Art. 54. As instituições de que trata o art. 1º que não tive- VI - dar ciência do contrato de parceria ao diretor mencio-
rem efetuado comunicações ao Coaf em cada ano civil deverão nado no art. 9º.
prestar declaração, até dez dias úteis após o encerramento do Parágrafo único. O disposto no caput aplica-se inclusive às
referido ano, atestando a não ocorrência de operações ou situa- relações de parceria estabelecidas com bancos correspondentes
ções passíveis de comunicação. no exterior.
Art. 55. As instituições referidas no art. 1º devem se habi- Art. 60. As instituições referidas no art. 1º, na celebração
litar para realizar as comunicações no Sistema de Controle de de contratos com terceiros não sujeitos a autorização para fun-
Atividades Financeiras (Siscoaf), do Coaf. cionar do Banco Central do Brasil, participantes de arranjo de
pagamento do qual a instituição também participe, devem:
I - obter informações sobre o terceiro que permitam com-
preender a natureza de sua atividade e a sua reputação;
II - verificar se o terceiro foi objeto de investigação ou de
ação de autoridade supervisora relacionada com lavagem de di-
nheiro ou com financiamento do terrorismo;
III - certificar que o terceiro tem licença do instituidor do
arranjo para operar, quando for o caso;

29
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
IV - conhecer os controles adotados pelo terceiro relativos Art. 64. Admite-se a elaboração de um único relatório de
à prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do ter- avaliação de efetividade nos termos do art. 62, § 1º, relativo às
rorismo; e instituições do conglomerado prudencial e do sistema coopera-
V - dar ciência do contrato ao diretor mencionado no art. 9º. tivo de crédito.
Parágrafo único. As instituições que optarem por realizar o
CAPÍTULO X relatório de avaliação de efetividade na forma do caput devem
DOS MECANISMOS DE ACOMPANHAMENTO E DE CONTROLE formalizar a opção em reunião do conselho de administração ou,
se inexistente, da diretoria da instituição.
Art. 61. As instituições mencionadas no art. 1º devem insti- Art. 65. As instituições referidas no art. 1º devem elaborar
tuir mecanismos de acompanhamento e de controle de modo a plano de ação destinado a solucionar as deficiências identifica-
assegurar a implementação e a adequação da política, dos pro- das por meio da avaliação de efetividade de que trata o art. 62.
cedimentos e dos controles internos de que trata esta Circular, § 1º O acompanhamento da implementação do plano de
incluindo: ação referido no caput deve ser documentado por meio de rela-
I - a definição de processos, testes e trilhas de auditoria; tório de acompanhamento.
II - a definição de métricas e indicadores adequados; e § 2º O plano de ação e o respectivo relatório de acompanha-
III - a identificação e a correção de eventuais deficiências. mento devem ser encaminhados para ciência e avaliação, até 30
Parágrafo único. Os mecanismos de que trata o caput de- de junho do ano seguinte ao da data-base do relatório de que
vem ser submetidos a testes periódicos pela auditoria interna, trata o art. 62, § 1º:
quando aplicáveis, compatíveis com os controles internos da I - do comitê de auditoria, quando houver;
instituição. II - da diretoria da instituição; e
III - do conselho de administração, quando existente.
CAPÍTULO XI
DA AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE CAPÍTULO XII
DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 62. As instituições referidas no art. 1º devem avaliar a
efetividade da política, dos procedimentos e dos controles inter- Art. 66. Devem permanecer à disposição do Banco Central
nos de que trata esta Circular. do Brasil:
§ 1º A avaliação referida no caput deve ser documentada I - o documento de que trata o art. 7º, inciso I, relativo à
em relatório específico. política de prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento
§ 2º O relatório de que trata o § 1º deve ser: do terrorismo de que trata o art. 2º;
I - elaborado anualmente, com data-base de 31 de dezem- II - a ata de reunião do conselho de administração ou, na sua
bro; e inexistência, da diretoria da instituição, no caso de ser formali-
II - encaminhado, para ciência, até 31 de março do ano se- zada a opção de que trata o caput do art. 4º;
guinte ao da data-base: III - o relatório de que trata o art. 5º, parágrafo único, se
a) ao comitê de auditoria, quando houver; e existente;
b) ao conselho de administração ou, se inexistente, à dire- IV - o documento relativo à avaliação interna de risco de
toria da instituição. que trata o art. 12, inciso I, juntamente com a documentação de
Art. 63. O relatório referido no art. 62, § 1º, deve: suporte à sua elaboração;
I - conter informações que descrevam: V - o contrato referido no art. 31;
a) a metodologia adotada na avaliação de efetividade; VI - a ata de reunião do conselho de administração ou, na
b) os testes aplicados; sua inexistência, da diretoria da instituição, no caso de serem
c) a qualificação dos avaliadores; e formalizadas as opções mencionadas nos arts. 11, 42, 46, 52 e
d) as deficiências identificadas; e 64;
II - conter, no mínimo, a avaliação: VII - o relatório de avaliação de efetividade de que trata o
a) dos procedimentos destinados a conhecer clientes, in- art. 62, § 1º;
cluindo a verificação e a validação das informações dos clientes VIII - as versões anteriores da avaliação interna de risco de
e a adequação dos dados cadastrais; que trata o art. 10;
b) dos procedimentos de monitoramento, seleção, análise e IX - o manual relativo aos procedimentos destinados a co-
comunicação ao Coaf, incluindo a avaliação de efetividade dos nhecer os clientes referido no art. 13, § 2º;
parâmetros de seleção de operações e de situações suspeitas; X - o manual relativo aos procedimentos de monitoramento,
c) da governança da política de prevenção à lavagem de di- seleção e análise de operações e situações suspeitas menciona-
nheiro e ao financiamento do terrorismo; do no art. 38, § 3º, inciso IV;
d) das medidas de desenvolvimento da cultura organizacio- XI - o documento relativo aos procedimentos destinados a
nal voltadas à prevenção da lavagem de dinheiro e ao financia- conhecer os funcionários, parceiros e prestadores de serviços
mento do terrorismo; terceirizados mencionado no art. 57;
e) dos programas de capacitação periódica de pessoal; XII - as versões anteriores do relatório de avaliação de efeti-
f) dos procedimentos destinados a conhecer os funcioná- vidade de que trata o art. 62, § 1º;
rios, parceiros e prestadores de serviços terceirizados; e XIII - os dados, os registros e as informações relativas aos
g) das ações de regularização dos apontamentos oriundos mecanismos de acompanhamento e de controle de que trata o
da auditoria interna e da supervisão do Banco Central do Brasil. art. 61; e
XIV - os documentos relativos ao plano de ação e ao respec-
tivo relatório de acompanhamento mencionados no art. 65.

30
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
§ 1º O contrato referido no inciso V do caput deve perma- XVI - o art. 2º da Circular nº 3.727, de 6 de novembro de
necer à disposição do Banco Central do Brasil pelo prazo mínimo 2014;
de cinco anos após o encerramento da relação contratual. XVII - o art. 3º da Circular nº 3.780, de 21 de janeiro de 2016; e
§ 2º Os documentos e informações referidos nos incisos VIII XVIII - o art. 18 da Circular nº 3.858, de 14 de novembro de
a XIV do caput devem permanecer à disposição do Banco Central 2017.
do Brasil pelo prazo mínimo de cinco anos. Art. 70. Esta Circular entra em vigor em 1º de julho de 2020.
Art. 67. As instituições referidas no art. 1º devem manter à
disposição do Banco Central do Brasil e conservar pelo período
mínimo de dez anos:
I - as informações coletadas nos procedimentos destinados CARTA CIRCULAR Nº 4.001, DE 29 DE JANEIRO DE 2020
a conhecer os clientes de que tratam os arts. 13, 16 e 18, con- E SUAS ALTERAÇÕES
tado o prazo referido no caput a partir do primeiro dia do ano
seguinte ao término do relacionamento com o cliente; CARTA CIRCULAR Nº 4.001, DE 29 DE JANEIRO DE 2020
II - as informações coletadas nos procedimentos destinados
a conhecer os funcionários, parceiros e prestadores de serviços Divulga relação de operações e situações que podem con-
terceirizados de que trata o art. 56, contado o prazo referido no figurar indícios de ocorrência dos crimes de “lavagem” ou ocul-
caput a partir da data de encerramento da relação contratual; tação de bens, direitos e valores, de que trata a Lei nº 9.613,
III - as informações e registros de que tratam os arts. 28 a de 3 de março de 1998, e de financiamento ao terrorismo, pre-
37, contado o prazo referido no caput a partir do primeiro dia do vistos na Lei nº 13.260, de 16 de março de 2016, passíveis de
ano seguinte ao da realização da operação; e comunicação ao Conselho de Controle de Atividades Financei-
IV - o dossiê referido no art. 43, § 2º. ras (Coaf).
Art. 68. A Circular nº 3.691, de 16 de dezembro de 2013,
passa a vigorar com as seguintes alterações: A Chefe do Departamento de Supervisão de Conduta (De-
“Art. 18. Os agentes autorizados a operar no mercado de con), no uso da atribuição que lhe confere o art. 23, inciso I, alí-
câmbio devem verificar a legalidade das operações, as respon- nea “a”, do Regimento Interno do Banco Central do Brasil, anexo
sabilidades das partes envolvidas, bem como identificar seus à Portaria nº 105.173, de 24 de outubro de 2019, resolve:
clientes previamente à realização das operações no mercado de
câmbio na forma prevista pela regulamentação sobre a política, Art. 1º As operações ou as situações descritas a seguir
os procedimentos e os controles internos na prevenção à prá- exemplificam a ocorrência de indícios de suspeita para fins dos
tica dos crimes de ‘lavagem’ ou ocultação de bens, direitos e procedimentos de monitoramento e seleção previstos na Circu-
valores, previstos na Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998, e de lar nº 3.978, de 23 de janeiro de 2020:
financiamento do terrorismo, de que trata a Lei nº 13.260, de 16 I - Situações relacionadas com operações em espécie em
de março de 2016.” (NR) moeda nacional com a utilização de contas de depósitos ou de
“Art. 135. As instituições autorizadas a operar no mercado contas de pagamento:
de câmbio devem desenvolver mecanismos que permitam evitar a) depósitos, aportes, saques, pedidos de provisionamento
a prática de operações que visem a burlar os limites e outros para saque ou qualquer outro instrumento de transferência de
requerimentos estabelecidos nesta Circular.” (NR) recursos em espécie, que apresentem atipicidade em relação à
“Art. 139. As instituições autorizadas a operar no mercado atividade econômica do cliente ou incompatibilidade com a sua
de câmbio devem certificar-se da qualificação de seus clientes, capacidade financeira;
mediante documentação em meio físico ou eletrônico e me- b) movimentações em espécie realizadas por clientes cujas
diante a realização, entre outras providências pertinentes, de atividades possuam como característica a utilização de outros
avaliação de desempenho, de procedimentos comerciais e de instrumentos de transferência de recursos, tais como cheques,
capacidade financeira.” (NR) cartões de débito ou crédito;
Art. 69. Ficam revogados: c) aumentos substanciais no volume de depósitos ou apor-
I - a Circular nº 3.461, de 24 de julho de 2009; tes em espécie de qualquer pessoa natural ou jurídica, sem cau-
II - a Circular nº 3.517, de 7 de dezembro de 2010; sa aparente, nos casos em que tais depósitos ou aportes forem
III - a Circular nº 3.583, de 12 de março de 2012; posteriormente transferidos, dentro de curto período de tempo,
IV - a Circular nº 3.654, de 27 de março de 2013; a destino não relacionado com o cliente;
V - a Circular nº 3.839, de 28 de junho de 2017; d) fragmentação de depósitos ou outro instrumento de
VI - a Circular nº 3.889, de 28 de março de 2018; transferência de recurso em espécie, inclusive boleto de paga-
VII - os arts. 6º, 6º-A e 6º-B da Circular nº 3.680, de 4 de mento, de forma a dissimular o valor total da movimentação;
novembro de 2013; e) fragmentação de saques em espécie, a fim de burlar limi-
VIII - o § 2º do art. 11 da Circular nº 3.691, de 2013; tes regulatórios de reportes;
IX - o parágrafo único do art. 19 da Circular nº 3.691, de f) depósitos ou aportes de grandes valores em espécie, de
2013; forma parcelada, principalmente nos mesmos caixas ou termi-
X - o art. 32 da Circular nº 3.691, de 2013; nais de autoatendimento próximos, destinados a uma única con-
XI - o inciso IV do art. 32-A da Circular nº 3.691, de 2013; ta ou a várias contas em municípios ou agências distintas;
XII - os incisos I e II do art. 139 da Circular nº 3.691, de 2013; g) depósitos ou aportes em espécie em contas de clientes
XIII - o art. 166 da Circular nº 3.691, de 2013; que exerçam atividade comercial relacionada com negociação
XIV - o art. 170 da Circular nº 3.691, de 2013; de bens de luxo ou de alto valor, tais como obras de arte, imó-
XV - o art. 213 da Circular nº 3.691, de 2013; veis, barcos, joias, automóveis ou aeronaves;

31
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
h) saques em espécie de conta que receba diversos depósi- a) resistência ao fornecimento de informações necessárias
tos por transferência eletrônica de várias origens em curto pe- para o início de relacionamento ou para a atualização cadastral;
ríodo de tempo; b) oferecimento de informação falsa;
i) depósitos ou aportes em espécie com cédulas úmidas, c) prestação de informação de difícil ou onerosa verificação;
malcheirosas, mofadas, ou com aspecto de que foram arma- d) abertura, movimentação de contas ou realização de ope-
zenadas em local impróprio ou ainda que apresentem marcas, rações por detentor de procuração ou de qualquer outro tipo de
símbolos ou selos desconhecidos, empacotadas em maços de- mandato;
sorganizados e não uniformes; e) ocorrência de irregularidades relacionadas aos procedi-
j) depósitos, aportes ou troca de grandes quantidades de mentos de identificação e registro das operações exigidos pela
cédulas de pequeno valor, por pessoa natural ou jurídica, cuja regulamentação vigente;
atividade ou negócio não tenha como característica recebimen- f) cadastramento de várias contas em uma mesma data, ou
tos de grandes quantias de recursos em espécie; em curto período, com depósitos de valores idênticos ou aproxi-
k) saques no período de cinco dias úteis em valores inferio- mados, ou com outros elementos em comum, tais como origem
res aos limites estabelecidos, de forma a dissimular o valor total dos recursos, titulares, procuradores, sócios, endereço, número
da operação e evitar comunicações de operações em espécie; de telefone, etc;
l) dois ou mais saques em espécie no caixa no mesmo dia, g) operações em que não seja possível identificar o benefi-
com indícios de tentativa de burla para evitar a identificação do ciário final, observados os procedimentos definidos na regula-
sacador; mentação vigente;
m) dois ou mais depósitos em terminais de autoatendimen- h) representação de diferentes pessoas jurídicas ou orga-
to em espécie, no período de cinco dias úteis, com indícios de nizações pelos mesmos procuradores ou representantes legais,
tentativa de burla para evitar a identificação do depositante; sem justificativa razoável para tal ocorrência;
n) depósitos em espécie relevantes em contas de servidores i) informação de mesmo endereço residencial ou comercial
públicos e de qualquer tipo de Pessoas Expostas Politicamente por pessoas naturais, sem demonstração da existência de rela-
(PEP), conforme elencados no art. 27 da Circular nº 3.978, de ção familiar ou comercial;
j) incompatibilidade da atividade econômica ou faturamen-
2020, bem como seu representante, familiar ou estreito cola-
to informados com o padrão apresentado por clientes com o
borador.
mesmo perfil;
II - Situações relacionadas com operações em espécie e car-
k) registro de mesmo endereço de e-mail ou de Internet
tões pré-pagos em moeda estrangeira e cheques de viagem:
Protocol (IP) por diferentes pessoas jurídicas ou organizações,
a) movimentações de moeda estrangeira em espécie ou de
sem justificativa razoável para tal ocorrência;
cheques de viagem denominados em moeda estrangeira, que
l) registro de mesmo endereço de e-mail ou Internet Proto-
apresentem atipicidade em relação à atividade econômica do
col (IP) por pessoas naturais, sem justificativa razoável para tal
cliente ou incompatibilidade com a sua capacidade financeira;
ocorrência;
b) negociações de moeda estrangeira em espécie ou de che-
m) informações e documentos apresentados pelo cliente
ques de viagem denominados em moeda estrangeira, que não conflitantes com as informações públicas disponíveis;
apresentem compatibilidade com a natureza declarada da ope- n) sócios de empresas sem aparente capacidade financeira
ração; para o porte da atividade empresarial declarada.
c) negociações de moeda estrangeira em espécie ou de che- IV - Situações relacionadas com a movimentação de contas
ques de viagem denominados em moeda estrangeira, realizadas de depósito e de contas de pagamento em moeda nacional, que
por diferentes pessoas naturais, não relacionadas entre si, que digam respeito a:
informem o mesmo endereço residencial, telefone de contato a) movimentação de recursos incompatível com o patrimô-
ou possuam o mesmo representante legal; nio, a atividade econômica ou a ocupação profissional e a capa-
d) negociações envolvendo taxas de câmbio com variação cidade financeira do cliente;
significativa em relação às praticadas pelo mercado; b) transferências de valores arredondados na unidade de
e) negociações de moeda estrangeira em espécie envolven- milhar ou que estejam um pouco abaixo do limite para notifica-
do cédulas úmidas, malcheirosas, mofadas, ou com aspecto de ção de operações;
terem sido armazenadas em local impróprio, ou ainda que apre- c) movimentação de recursos de alto valor, de forma contu-
sentem marcas, símbolos ou selos desconhecidos, empacotadas maz, em benefício de terceiros;
em maços desorganizados e não uniformes; d) manutenção de numerosas contas destinadas ao acolhi-
f) negociações de moeda estrangeira em espécie ou troca mento de depósitos em nome de um mesmo cliente, cujos valo-
de grandes quantidades de cédulas de pequeno valor, realizadas res, somados, resultem em quantia significativa;
por pessoa natural ou jurídica, cuja atividade ou negócio não e) movimentação de quantia significativa por meio de conta
tenha como característica o recebimento desse tipo de recurso; até então pouco movimentada ou de conta que acolha depósito
g) utilização, carga ou recarga de cartão pré-pago em valor inusitado;
não compatível com a capacidade financeira, atividade ou perfil f) ausência repentina de movimentação financeira em conta
do cliente; que anteriormente apresentava grande movimentação;
h) utilização de diversas fontes de recursos para carga e re- g) utilização de cofres de aluguel de forma atípica em rela-
carga de cartões pré-pagos; ção ao perfil do cliente;
i) carga e recarga de cartões pré-pagos seguidas imediata- h) dispensa da faculdade de utilização de prerrogativas
mente por saques em caixas eletrônicos. como recebimento de crédito, de juros remuneratórios para
III - Situações relacionadas com a identificação e qualifica- grandes saldos ou, ainda, de outros serviços bancários especiais
ção de clientes: que, em circunstâncias normais, sejam valiosas para qualquer
cliente;

32
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
i) mudança repentina e injustificada na forma de movimen- aa) operações atípicas em contas de clientes que exerçam
tação de recursos ou nos tipos de transação utilizados; atividade comercial relacionada com negociação de bens de luxo
j) solicitação de não observância ou atuação no sentido de ou de alto valor, tais como obras de arte, imóveis, barcos, joias,
induzir funcionários da instituição a não seguirem os procedi- automóveis ou aeronaves;
mentos regulamentares ou formais para a realização de uma ab) utilização de instrumento financeiro de forma a ocultar
operação; patrimônio e/ou evitar a realização de bloqueios judiciais, inclu-
k) recebimento de recursos com imediata compra de instru- sive cheque administrativo;
mentos para a realização de pagamentos ou de transferências a ac) movimentação de valores incompatíveis com o fatura-
terceiros, sem justificativa; mento mensal das pessoas jurídicas;
l) operações que, por sua habitualidade, valor e forma, con- ad) recebimento de créditos com o imediato débito dos va-
figurem artifício para burla da identificação da origem, do desti- lores;
no, dos responsáveis ou dos destinatários finais; ae) movimentações de valores com empresas sem atividade
m) existência de contas que apresentem créditos e débitos regulamentada pelos órgãos competentes.
com a utilização de instrumentos de transferência de recursos V - Situações relacionadas com operações de investimento
não característicos para a ocupação ou o ramo de atividade de- no País:
senvolvida pelo cliente; a) operações ou conjunto de operações de compra ou de
n) recebimento de depósitos provenientes de diversas ori- venda de ativos financeiros a preços incompatíveis com os pra-
gens, sem fundamentação econômico-financeira, especialmente ticados no mercado ou quando realizadas por pessoa natural ou
provenientes de regiões distantes do local de atuação da pessoa jurídica cuja atividade declarada e perfil não se coadunem ao
jurídica ou distantes do domicílio da pessoa natural; tipo de negociação realizada;
o) pagamentos habituais a fornecedores ou beneficiários b) operações atípicas que resultem em elevados ganhos
que não apresentem ligação com a atividade ou ramo de negó- para os agentes intermediários, em desproporção com a nature-
cio da pessoa jurídica; za dos serviços efetivamente prestados;
p) pagamentos ou transferências por pessoa jurídica para c) investimentos significativos em produtos de baixa renta-
fornecedor distante de seu local de atuação, sem fundamenta- bilidade e liquidez;
ção econômico-financeira; d) investimentos significativos não proporcionais à capaci-
q) depósitos de cheques endossados totalizando valores sig- dade financeira do cliente, ou cuja origem não seja claramente
nificativos; conhecida;
r) existência de conta de depósitos à vista ou de conta de e) resgates de investimentos no curtíssimo prazo, indepen-
pagamento de organizações sem fins lucrativos cujos saldos ou dentemente do resultado auferido.
movimentações financeiras não apresentem fundamentação VI - Situações relacionadas com operações de crédito no
econômica ou legal ou nas quais pareça não haver vinculação País:
entre a atividade declarada da organização e as outras partes a) operações de crédito no País liquidadas com recursos apa-
envolvidas nas transações; rentemente incompatíveis com a situação financeira do cliente;
s) movimentação habitual de recursos financeiros de ou b) solicitação de concessão de crédito no País incompatível
para qualquer tipo de PEP, conforme elencados no art. 27 da com a atividade econômica ou com a capacidade financeira do
Circular nº 3.978, de 2020, bem como seu representante, fami- cliente;
liar ou estreito colaborador, não justificada por eventos econô- c) operação de crédito no País seguida de remessa de re-
micos; cursos ao exterior, sem fundamento econômico ou legal, e sem
t) existência de contas em nome de menores ou incapazes, relacionamento com a operação de crédito;
cujos representantes realizem grande número de operações e/ d) operações de crédito no País, simultâneas ou consecuti-
ou operações de valores relevantes; vas, liquidadas antecipadamente ou em prazo muito curto;
u) transações significativas e incomuns por meio de contas e) liquidação de operações de crédito ou assunção de dívida
de depósitos ou de contas de pagamento de investidores não no País por terceiros, sem justificativa aparente;
residentes constituídos sob a forma de trust; f) concessão de garantias de operações de crédito no País
v) recebimentos de valores relevantes no mesmo terminal por terceiros não relacionados ao tomador;
de pagamento (Point of Sale - POS), que apresentem indícios de g) operação de crédito no País com oferecimento de garan-
atipicidade ou de incompatibilidade com a capacidade financei- tia no exterior por cliente sem tradição de realização de opera-
ra do estabelecimento comercial credenciado; ções no exterior;
w) recebimentos de valores relevantes no mesmo terminal h) aquisição de bens ou serviços incompatíveis com o objeto
de pagamento (Point of sale - POS), que apresentem indícios de da pessoa jurídica, especialmente quando os recursos forem ori-
atipicidade ou de incompatibilidade com o perfil do estabeleci- ginados de crédito no País.
mento comercial credenciado; VII - Situações relacionadas com a movimentação de recur-
x) desvios frequentes em padrões adotados por cada admi- sos oriundos de contratos com o setor público:
nistradora de cartões de credenciamento ou de cartões de crédi- a) movimentações atípicas de recursos por agentes públi-
to, verificados no monitoramento das compras de seus titulares; cos, conforme definidos no art. 2º da Lei nº 8.429, de 2 de junho
y) transações em horário considerado incompatível com a de 1992;
atividade do estabelecimento comercial credenciado; b) movimentações atípicas de recursos por pessoa natural
z) transações em terminal (Point of sale - POS) realizadas em ou jurídica relacionadas a patrocínio, propaganda, marketing,
localização geográfica distante do local de atuação do estabele- consultorias, assessorias e capacitação;
cimento comercial credenciado; c) movimentações atípicas de recursos por organizações
sem fins lucrativos;

33
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
d) movimentações atípicas de recursos por pessoa natural dências com tributação favorecida ou regimes fiscais privilegia-
ou jurídica relacionadas a licitações. dos, ou em locais onde seja observada a prática contumaz dos
VIII - Situações relacionadas a consórcios: crimes previstos na Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998, não
a) existência de consorciados detentores de elevado núme- claramente caracterizadas em sua legalidade e fundamentação
ro de cotas, incompatível com sua capacidade financeira ou com econômica;
o objeto da pessoa jurídica; b) operações complexas e com custos mais elevados que vi-
b) aumento expressivo do número de cotas pertencentes a sem a dificultar o rastreamento dos recursos ou a identificação
um mesmo consorciado; da natureza da operação;
c) oferecimento de lances incompatíveis com a capacidade c) pagamentos de importação e recebimentos de expor-
financeira do consorciado; tação, antecipados ou não, por empresa sem tradição ou cuja
d) oferecimento de lances muito próximos ao valor do bem; capacidade financeira seja incompatível com o montante nego-
e) pagamento antecipado de quantidade expressiva de pres- ciado;
tações vincendas, não condizente com a capacidade financeira d) pagamentos a terceiros não relacionados a operações de
do consorciado; importação ou de exportação;
f) aquisição de cotas previamente contempladas, seguida de e) transferências unilaterais que, pela habitualidade, valor
quitação das prestações vincendas; ou forma, não se justifiquem ou apresentem atipicidade;
g) utilização de documentos falsificados na adesão ou tenta- f) transferências internacionais, inclusive a título de dispo-
tiva de adesão a grupo de consórcio; nibilidade no exterior, nas quais não se justifique a origem dos
h) pagamentos realizados em localidades diferentes ao do fundos envolvidos ou que se mostrem incompatíveis com a ca-
endereço do cadastro; pacidade financeira ou com o perfil do cliente;
i) informe de conta de depósito à vista ou de poupança para g) exportações ou importações aparentemente fictícias ou
pagamento de crédito em espécie, em agência/localidade dife- com indícios de superfaturamento ou subfaturamento, ou ainda
rente da inicialmente fornecida ou remessa de eventual Ordem em situações que não seja possível obter informações sobre o
de Pagamento (OP) para conta de depósito à vista ou de pou- desembaraço aduaneiro das mercadorias;
pança divergente da inicialmente fornecida. h) existência de informações na carta de crédito com discre-
IX - Situações relacionadas a pessoas ou entidades suspeitas pâncias em relação a outros documentos da operação de comér-
de envolvimento com financiamento ao terrorismo e a prolifera- cio internacional;
ção de armas de destruição em massa: i) pagamentos ao exterior após créditos em reais efetuados
a) movimentações financeiras envolvendo pessoas ou enti- nas contas de depósitos dos titulares das operações de câmbio
dades relacionadas a atividades terroristas listadas pelo Conse- por pessoas naturais ou jurídicas que não demonstrem a exis-
lho de Segurança das Nações Unidas (CSNU); tência de vínculo comercial ou econômico;
b) operações ou prestação de serviços, de qualquer valor, a j) movimentações decorrentes de programa de repatria-
pessoas ou entidades que reconhecidamente tenham cometido ção de recursos que apresentem inconsistências relacionadas à
ou intentado cometer atos terroristas, ou deles participado ou identificação do titular ou do beneficiário final, bem como au-
facilitado o seu cometimento; sência de informações confiáveis sobre a origem e a fundamen-
c) existência de recursos pertencentes ou controlados, dire- tação econômica ou legal;
ta ou indiretamente, por pessoas ou entidades que reconhecida- k) pagamentos de frete ou de outros serviços que apresen-
mente tenham cometido ou intentado cometer atos terroristas, tem indícios de atipicidade ou de incompatibilidade com a ativi-
ou deles participado ou facilitado o seu cometimento; dade ou capacidade econômico-financeira do cliente;
d) movimentações com indícios de financiamento ao terro- l) transferências internacionais por uma ou mais pessoas na-
rismo; turais ou jurídicas com indícios de fragmentação, como forma de
e) movimentações financeiras envolvendo pessoas ou enti- ocultar a real origem ou destino dos recursos;
dades relacionadas à proliferação de armas de destruição em m) transações em uma mesma data, ou em curto período,
massa listadas pelo CSNU; de valores idênticos ou aproximados, ou com outros elementos
f) operações ou prestação de serviços, de qualquer valor, em comum, tais como origem ou destino dos recursos, titulares,
a pessoas ou entidades que reconhecidamente tenham come- procuradores, endereço, número de telefone, que configurem
tido ou intentado cometer crimes de proliferação de armas de artificio de burla do limite máximo de operação;
destruição em massa, ou deles participado ou facilitado o seu n) transferência via facilitadora de pagamentos ou com a
cometimento; utilização do cartão de crédito de uso internacional, que, pela
g) existência de recursos pertencentes ou controlados, dire- habitualidade, valor ou forma, não se justifiquem ou apresen-
ta ou indiretamente, por pessoas ou entidades que reconhecida- tem atipicidade;
mente tenham cometido ou intentado cometer crimes de proli- o) transferências relacionadas a investimentos não conven-
feração de armas de destruição em massa, ou deles participado cionais que, pela habitualidade, valor ou forma, não se justifi-
ou facilitado o seu cometimento; quem ou apresentem atipicidade;
h) movimentações com indícios de financiamento da proli- p) pagamento de frete internacional sem amparo em docu-
feração de armas de destruição em massa. mentação que evidencie vínculo com operação comercial.
X - Situações relacionadas com atividades internacionais: XI - Situações relacionadas com operações de crédito con-
a) operação com pessoas naturais ou jurídicas, inclusive so- tratadas no exterior:
ciedades e instituições financeiras, situadas em países que não a) contratação de operações de crédito no exterior com
apliquem ou apliquem insuficientemente as recomendações do cláusulas que estabeleçam condições incompatíveis com as pra-
Grupo de Ação contra a Lavagem de Dinheiro e o Financiamento ticadas no mercado, como juros destoantes da prática ou prazo
do Terrorismo (Gafi), ou que tenham sede em países ou depen- muito longo;

34
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
b) contratação, no exterior, de várias operações de crédito c) recebimento de doações, em contas de candidatos, de
consecutivas, sem que a instituição tome conhecimento da qui- valores que desrespeitem as vedações ou extrapolem os limites
tação das anteriores; definidos na legislação em vigor, inclusive mediante uso de ter-
c) contratação, no exterior, de operações de crédito que ceiros e/ou de contas de terceiros;
não sejam quitadas por intermédio de operações na mesma ins- d) transferências, a partir das contas de candidatos, para
tituição; pessoas naturais ou jurídicas cuja atividade não guarde aparente
d) contratação, no exterior, de operações de crédito, quita- relação com contas de campanha.
das sem explicação aparente para a origem dos recursos; XV - Situações relacionadas a BNDU e outros ativos não fi-
e) contratação de empréstimos ou financiamentos no exte- nanceiros:
rior, oferecendo garantias em valores ou formas incompatíveis a) negociação de BNDU ou outro ativo não financeiro para
com a atividade ou capacidade financeira do cliente ou em valo- pessoas naturais ou jurídicas sem capacidade financeira;
res muito superiores ao valor das operações contratadas ou cuja b) negociação de BNDU ou outro ativo não financeiro me-
origem não seja claramente conhecida; diante pagamento em espécie;
f) contratação de operações de crédito no exterior, cujo c) negociação de BNDU ou outro ativo não financeiro por
credor seja de difícil identificação e sem que exista relação ou preço significativamente superior ao de avaliação;
fundamentação para a operação entre as partes. d) negociação de outro ativo não financeiro em benefício
XII - Situações relacionadas com operações de investimento de terceiros.
externo: XVI - Situações relacionadas com a movimentação