Você está na página 1de 20

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES

PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL

ALTAMIRO RAJÃO

ORÇAMENTO E CIDADÃO:
DO PLANEJAMENTO AO CONTROLE SOCIAL

BRASÍLIA –DF
MARÇO DE 2011
ALTAMIRO RAJÃO

ORÇAMENTO E CIDADÃO:
DO PLANEJAMENTO AO CONTROLE SOCIAL

PROJETO DE PESQUISA APRESENTADO COMO


REQUISITO DA DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA
PESQUISA E DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO
DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM
CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL.

ORIENTADOR: PROFESSOR ROGÉRIO GONÇALVES DE CASTRO

BRASÍLIA - DF
MARÇO DE 2011
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO.......................................................................................... 01

2. TÍTULO E TEMA....................................................................................... 03
2.1 TÍTULO:............................................................................................ 03
2.2 TEMA:..............................................................................................
3. PROBLEMA.............................................................................................. 04
4. JUSTIFICATIVA DA PESQUISA ............................................................. 10
5. OBJETIVOS ............................................................................................. 12

5.1 OBJETIVO GERAL ......................................................................... 12


5.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS............................................................ 12
6. METODOLOGIA........................................................................................ 13
7. CRONOGRAMA........................................................................................ 14
8. REFERÊNCIAS......................................................................................... 15
INTRODUÇÃO

Acontecimentos recentes no Brasil apontam para a importância significativa


do papel do cidadão na influência das ações governamentais.
A Constituição Federal promulgada em 1988 (a Constituição Cidadã) – foi
fruto de um amplo processo histórico que vai desde o surgimento de novos atores
sociais na década de 70, ao processo de redemocratização do país iniciado nos
anos 80 e, finalmente, estabelecido década de 90 – instituiu mecanismos de
cidadania aos quais inserem o cidadão como co-participe da coisa pública.
Com a garantia constitucional, foram criados instrumentos com os quais a
sociedade civil pudesse ter uma maior participação no processo de gestão dos
recursos públicos, sedimentando a atuação cidadã na co-participação das políticas
públicas no país.
Foram no âmbito da gestão municipal que estas ações tiveram suas origens.
A exemplo, a implantação dos Orçamentos Participativos em vários municípios
brasileiros, demonstram a difusão desses mecanismos, instrumentos e canais de
participação e controle da sociedade civil na definição, implementação, gestão e
fiscalização das políticas públicas brasileiras, preconizados na Constituição Federal
de 1988.
O tema Orçamento e Cidadão foca a importância da participação da
sociedade civil no planejamento orçamentário, bem como, o seu controle social, que
corresponde ao acompanhamento da execução orçamentária e a efetividade das
políticas públicas.
Esta pesquisa buscará a apresentação dos mecanismos existentes para a
atuação do cidadão (tais como: Consultas Públicas, Audiências Públicas,
Orçamentos Participativos, Conselhos Gestores, etc.), suas realidades e as
dificuldades encontradas pela sociedade para uma melhor atuação. Também, se
dará a ênfase na importância das ferramentas eletrônicas, principalmente a Internet,
como instrumentos valiosos para o planejamento e o controle orçamentário.
Como também será demonstrado que o orçamento e o cidadão são atores
que transcendem o seu significado e a sua etimologia. Não se podendo afirmar
simplesmente que orçamento é apenas uma lei e o cidadão apenas um habitante de
uma cidade, sujeito passivo da ação estatal.
Portanto, o foco desta pesquisa será a participação social que é um
instrumento de controle do Estado pela sociedade, de controle social e político,
mediante a possibilidade de os cidadãos definirem critérios e parâmetros para a
orientação das políticas públicas.
2. TÍTULO E TEMA

2.1. TÍTULO: Orçamento e Cidadão – do planejamento ao controle social.

2.2. TEMA:
A participação na elaboração e no controle social do orçamento público é um
dos pontos centrais do processo de construção da democracia numa sociedade.
Com a descentralização e a ampliação dos canais de participação da
sociedade nas decisões relativas à aplicação dos recursos públicos, tornaram-se
requisitos significativos para a elaboração e implantação de políticas públicas mais
efetivas.
Portanto, o tema “Orçamento e Cidadão” estará delimitado quanto aos
aspectos do planejamento e do controle social.
3. PROBLEMA

Com base nos dados e gráficos abaixo, pode-se concluir que a secular
exclusão social de amplas parcelas da sociedade brasileira ainda reflete a realidade
sócio-econômica em nosso país. Estes números poderão ser reduzidos ou até
erradicados no momento em que for possível implantar políticas sociais nitidamente
de caráter redistributivos – que dêem mais àqueles que historicamente sempre
tiveram menos – e que promovam cidadania e elevação da qualidade de vida
desses segmentos e regiões.
Para tanto, torna-se importante à ação pró-ativa da sociedade quanto aos
aspectos do planejamento e do controle orçamentário. No entanto, a participação
desses segmentos populares nos destinos da administração pública, sofre entraves
de diferentes ordens.
O principal problema é a inexistência de uma cultura participativa.
O segundo, não menos importante, é o acesso à informação, seja porque a
administração pública não divulga as informações relativas ao orçamento público ou,
quando o faz, essa divulgação se dá de modo restrito, tanto pelos meios quanto pela
linguagem utilizada, agravando-se também, pela falta de acesso aos meios de
comunicação por parte majoritária da população.
O terceiro fator a ser considerado, reside na pouca familiaridade com o tema
orçamentário com que as organizações populares têm, encontrando dificuldades
para quantificar suas demandas.
E diversos outros problemas irão ser considerados no âmbito desta pesquisa.
Abaixo, alguns mapas e gráficos que demonstram parte da realidade sócio-
econômica brasileira:
4. JUSTIFICATIVA DA PESQUISA

As demandas da sociedade tornaram-se um desafio constante para o poder


estatal no que diz respeito à qualidade dos serviços e das políticas públicas
essenciais à população. Para tanto, o poder público se vê obrigado a modernizar os
seus processos operacionais e administrativos concernentes à gestão pública.
A partir desta realidade, começa a surgir à construção de uma cultura
democrática que prima pela transparência da gestão pública, pelo exercício da
cidadania e pela inclusão de setores que outrora estavam excluídos.
Essa perspectiva exigiu o rompimento com as práticas antigas das velhas
estruturas da política brasileira e inserção de novas idéias, práticas, processos de
gestão que envolvam a sociedade de maneira isonômica.
A Constituição Cidadã instituiu diversas formas de participação popular. No
seu artigo 1º, parágrafo único - estabelece um princípio geral que respalda a
participação dos cidadãos. Dispõe que o Poder é exercido por meio dos
representantes eleitos (indiretamente) ou de forma direta. O exercício direto do
poder implica em:
• Receber informações das autoridades (art. 5º, XXXIII, CF/88);
• Fazer petições junto ao poder público (art. 5º, XXXIV, CF/88);
• Obter certidões (art. 5º, XXXIV, a, CF/88);
• Promover ações judiciais e representações ao Ministério Público –
Ação Popular, Ação Civil Pública - (art. 5º, LXXIII, CF/88);
• Cooperar através de entidades no planejamento municipal, incluindo o
orçamento (art. 29, X, CF/88);
• Fiscalizar as contas municipais (art. 31, § 3º, CF/88);
• Denunciar irregularidades ou ilegalidades (art. 74, § 2º, CF/88);
• Participar dos Conselhos de Gestão de políticas públicas, através de
suas associações representativas: saúde (art. 198, III,CF/88),
assistência social (art. 204, II,CF/88) e educação (art. 206, VI,CF/88);
• E outros dispositivos.
A relevância social do problema a ser investigado reside na importância da
participação da sociedade na demonstração das necessidades a serem
implementadas pelo poder público. Se a razão da existência do Estado é o
provimento das necessidades sociais, nada melhor que a própria sociedade tornar-
se elemento norteador das diretrizes para consecução das políticas públicas e para
as demais ações governamentais em prol da população.
A pesquisa buscará contribuir no campo teórico no sentido de buscar
respostas aos problemas:
• De acesso às informações concernentes ao orçamento;
• De compreensão das informações por parte da sociedade;
• Da ausência da cultura participativa e do controle social;
• Da pouca difusão do orçamento participativo nos 5.565 municípios do
Brasil;
• Das disfunções da implantação e execução dos orçamentos
participativos;
• Das disfunções encontradas pela sociedade no exercício do controle
social e sua relação com as instituições de controle estatais e da
sociedade civil;
• E outras questões.
Também será demonstrado o estágio de desenvolvimento dos conhecimentos
relacionados à participação social na elaboração do orçamento e o seu controle.
E por fim, buscar-se-á a proposição de alternativas quanto aos problemas
identificados.
5. OBJETIVOS

5.1. GERAL

Compreender a relação da sociedade com as ações governamentais, nos


aspectos do planejamento dos gastos públicos e o acompanhamento da execução
orçamentária.

5.2. ESPECÍFICOS

Identificar e analisar o acesso às informações orçamentárias que são


disponibilizadas pelo governo.
Identificar nas informações disponibilizadas (que possuem uma linguagem
técnica em que tornam inacessível a compreensão por parte da maioria da
população) o tipo de linguagem e a possibilidade de torná-las mais acessíveis.
Caracterizar e avaliar o processo de participação da sociedade quanto às
escolhas dos gastos públicos a serem revertidos em benefícios sociais
Levantar os municípios que utilizam o Orçamento Participativo, pois o
processo de participação da sociedade quanto à elaboração do orçamento tem se
restringido alguns municípios brasileiros, longe de se atingir a sua totalidade.
Conhecer e analisar as disfunções da implantação e execução dos
Orçamentos Participativos.
Proceder à identificação dos problemas encontrados pela sociedade no
exercício do controle social, bem como, a relação com as instituições de controle
estatais.
6. METODOLOGIA

Os recursos metodológicos a serem utilizados neste projeto para exposição


do tema escolhido serão:
• Pesquisa bibliográfica;
• Pesquisa documental;
• Entrevistas;
• Questionários e formulários;
• Estudo de caso;
• Observação sistemática (se possível);
• Relatórios técnicos;
• Jornais e periódicos; e,
• Rede mundial de computadores (Internet).
7. CRONOGRAMA

A pesquisa deverá seguir uma linha de trabalho em que será desenvolvida em


12 (doze) meses e será entregue em março de 2012. Seguirá o calendário de
atividades abaixo:

MES/ETAPAS ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SET. OUTUB. NOV. DEZ. JAN. FEV. MAR.

Levantamento X X X X
bibliográfico

Elaboração do X
anteprojeto

Apresentação X
do projeto

Coleta de dados X X X

Análise dos X X X
dados

Organização do X
roteiro/partes

Redação do X X X
trabalho

Revisão e X X
redação final

Entrega da X
monografia
8. REFERÊNCIAS

AGUILLAR, Fernando Herren.Controle Social dos Serviços Públicos. – 1ª ed. – São


Paulo: Max Limonad, 1999.
ALBURQUEQUE, Cláudio Manuel de. Gestão de Finanças Públicas. – 2ª ed. –
Brasília: Ed. Gestão Pública, 2008.
ARAÚJO, Florivaldo Dutra de. Motivação e Controle de Ato Administrativo. – 2ª ed. –
Minas Gerais: Del Rey, 2005.
BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Discricionariedade e Controle Jurisdicional. -
2ª ed. – São Paulo: Malheiros Editores, 2003.
CUNILL GRAU, Nuria. Repensando o Público Através da Sociedade: novas formas
de gestão pública e representação social. – 1ª ed. – Brasília: Enap, 1998.
DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. – 23ª ed. – São Paulo:
Atlas, 2010.
FAZZIO JÚNIOR, Waldo. Corrupção no Poder Público: peculato, concussão,
corrupção passiva e prevaricação. – 1ª ed. – São Paulo: Atlas, 2002.
GABARDO, Emerson. Eficiência e Legitimidade do Estado: uma análise das
estruturas simbólicas do direito político. – 1ª ed. – São Paulo: Manole, 2003.
GIACOMONI, James. Orçamento Público. – 14ª ed. ampliada, revista e atualizada. -
São Paulo: Atlas, 2009.
GRANJEIRO, José Wilson. Administração Pública – Idéias para um Governo
Empreendedor – 14ª ed. – Brasília: Ed. Gran Cursos, 2010.
GUEDES, Álvaro Martim. Controle Social da Administração Pública: cenário,
avanços e dilemas no Brasil. – 1ª ed. – Rio de Janeiro: FGV, 2007.
KOHAMA, Heilio. Contabilidade Pública: teoria e prática. – 11ª ed. – São Paulo:
Atlas, 2010.
MATIAS-PEREIRA, José. Curso de Administração Pública: Foco nas Instituições e
Ações Governamentais - 3. ed. – São Paulo: Atlas,2010.
MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. – 36ª ed. - São Paulo:
Malheiros Editores, 2010.
MEIRELLES, Hely Lopes. Mandado de Segurança. – 28ª ed. - São Paulo: Malheiros
Editores, 2005.
MOTA, Francisco Glauber Lima. Contabilidade Aplicada ao Setor Público. – 1ª ed. –
Brasília: Ed. Gestão Pública, 2009.
PIRES, Valdemir. Orçamento Participativo: o que é, para que serve, como se faz. –
1ª ed. – São Paulo: edição do autor, 1999.
PISCITELLI, Roberto Bocaccio. Contabilidade Pública: uma abordagem da
administração financeira pública – 11ª ed. rev., ampliada e atualizada – São Paulo:
Atlas, 2010.
RIBEIRO, Renato Jorge Brown. O Processo Legislativo Orçamentário na União. - 1ª
ed. – Rio de Janeiro: Publit, 2008.
SILVA, Lino Martins da. Contabilidade Governamental: um enfoque administrativo da
nova contabilidade pública. – 8ª ed. – São Paulo: Atlas, 2009.
PROJETO DE PESQUISA:

ORÇAMENTO E CIDADÃO - DO PLANEJAMENTO AO CONTROLE SOCIAL

Brasília-DF, em 27 de março de 2011

---------------------------------------------
Altamiro Rajão