Você está na página 1de 1

No dia vinte e um de agosto de 2013, por volta das 07h30m o sentenciado JAMES

BOND, recluso no Projeto Renascer da Penitenciária Estadual Coronel Odenir Guimarães


- POG, na cidade de Aparecida de Goiânia, Goiás, foi atingido por um projétil de arma de
fogo ocasionando lesão na região maxilar superior direita. O disparo foi efetuado pelo
chefe de equipe Mario Sabonete Lux, que foi chamado para amenizar uma situação de
confronto entre alguns presos e o sentenciado Lucas Sabão Minerva, condenado por
estupro.

O fato ocorreu na cela de triagem, chamada de “corró” pelos reeducandos e funcionários


do presídio, local que deveria ser de isolamento, mas que no momento comportava em
torno de quatorze presos. Segundo os depoimentos colhidos e consolidados em relatório
assinado pelo Presidente da Comissão de Apuração de Informações e Ocorrências, o fato
ocorreu porque esse tipo crime é intolerável pela comunidade carcerária. O sentenciado
JAMES BOND não fazia parte desse grupo de ameaçadores e estava deitado no canto da
cela quando, ao se levantar, foi atingido pelo projétil. Em seguida, a vítima foi
encaminhada ao Hospital de Urgências De Goiânia - HUGO, mas devido uma greve da
polícia civil não houve lavratura do Termo Circunstanciado de Ocorrência pelo posto
policial do hospital. Na mesma ocasião, o Autor foi encaminhado para procedimento
cirúrgico na instituição. Devido à letalidade do projetil explosivo, houve destruição da
arcada dentária superior direita, comprometendo de maneira irreversível a mastigação.
Como tentativa de reabilitação, foi implantada uma placa de titânio para a sustentação da
face. Contudo, ocorreu infecção pós-operatória, realizando-se uma nova cirurgia no dia 10
de fevereiro de 2014.

A despeito da evolução em sua recuperação, a vítima apresenta sequelas permanentes que


impedem sua a mastigação de alimentos consistentes, além do dano psicológico e estético
ocasionado pela lesão de sua face.