Você está na página 1de 3

Reencarnação e Planetas retrógrados

No que concerne à reencarnação, o conhecimento relacionado com o uso de planetas retrógrados


proveio das breves e sucintas anotações encontradas nos apontamentos da Sra. Alice D. Fowley, notável
e celebre astróloga, metafísica, médium e homeopata. Na primeira metade deste século, ela se tornou
muito conhecida por seu trabalho na astrologia e, juntamente com Irys vorel, sua amiga e
contemporânea, foi uma pioneira na área da reencarnação e da astrologia.
Conforme acontece com todas as tentativas pioneiras de todas as épocas de realizações precursoras,
ficou a cargo de outras pessoas a investigação e a penetração mais profundas nos novos domínios
abertos por elas. Desde 1955 Donald H. Yott estudou intensamente as potencialidades e o significado
dos planetas retrógrados, usando como base as afirmações feitas por Sra. Fowler.
A validade do que ela afirmou foi comprovada por meio da observação das influencias dos planetas
retrógrados na vida das pessoas. Eu também estudei a influencia dos retrógrados através do horóscopo
de algumas pessoas e comprovei sua influencia em grande maioria provadora ou negativa. Inclusive eu
nasci com Saturno em posição retrograda na casa 3, mas já influenciando a cúspide da casa 4 e essa
influencia influenciou muito a comunicação com meus familiares trazendo muitas provações,
desavenças e conflitos provadores.
“Os planetas Retrógrados indicam traços negativos de caráter, carregados de vidas passadas”. (Sra.
Fowler). Isto era tudo que havia em sua afirmação; não obstante, a simplicidade do significado de suas
palavras abriu muitas portas ao traçado dos mapas, partindo do ponto de vista da reencarnação e do
carma. – afirma Donald em seu livro lançado pela Editora Pensamento. (Planetas Retrógrados e
Reencarnação).
Considerando nossa visão da Terra, ou seja, na conjugação da órbita do planeta com a órbita da Terra;
há períodos em que temos a impressão de que o planeta em sua trajetória ao redor do Sol, está se
movendo para trás. Este movimento aparente é chamado de retrogradação.
Mesmo sendo o movimento retrógrado aparente, sua influência sobre a atuação do planeta é notável e
deve ser examinada. O movimento direto simboliza o impulso para frente, para fora. Já o simbolismo
do movimento retrógrado é de recuo, de volta para trás, para dentro. Podemos, portanto concluir que as
qualidades representadas pelo planeta retrógrado atuam de forma lenta e sutil, ou nas palavras de Bill
Tierney, "nos bastidores", dificilmente podendo ser observadas na superfície. Tierney associa ao planeta
retrógrado traços de Peixes, Casa 12 e Netuno, porque a retrogradação estimula as facetas da
personalidade que são menos acessíveis, sua natureza é introspectiva, sendo difícil de ser reconhecida
objetivamente e retardando sua expressão plena durante os primeiros anos da vida. Segundo Tierney, o
planeta retrógrado indica uma questão que não está terminada, seus recursos são adquiridos no
inconsciente profundo, podendo manifestar-se melhor através da reflexão.
Virginia Ewbank e Joanne Wickenburg formularam uma teoria diferente acerca do tema. Para estas
autoras o caráter do planeta retrógrado opera como se funcionasse por meio do seu segundo signo ou de
sua co-regência. Assim temos: Júpiter/Peixes, Saturno/Aquário, Vênus/Libra, Mercúrio/Virgem.
Tomando como exemplo Mercúrio, segundo essa idéia, estando retrógrado este seria mais descritivo da
natureza de Virgem (seu segundo domicilio), uma vez que este signo tende a estudar e analisar com
cuidado o que Gêmeos agrega e propaga com mais facilidade. Como outro exemplo poderíamos pensar
em Marte, que retrógrado, atuaria mais de acordo com Escorpião, isto é, menos ativo externamente que
em Áries.
Em ambas as teorias de qualquer forma devemos ressaltar que no caso de Urano, Netuno e Plutão a
retrogradação não tem o mesmo peso, pois além de serem geracionais, no caso da teoria de Ewbank e
Wickenburg não têm um signo de co-regência. Aliás, a questão da retrogradação será sempre mais
relevante para os planetas pessoais já que a partir de Júpiter, planetas sociais e geracionais, é comum
encontrarmos pelo menos dois planetas em movimento retrógrado simultaneamente. Mas segundo
Donald H. Yott, cada astrólogo tem o seu modo de abordar os planetas retrógrados e de explica-los, mas
o mais importante é que a presença deles num mapa é indicio de traços de caráter negativos
proveniente. Por exemplo: se você tem um Netuno retrogrado em seu mapa, sua tendência será a de ser
tão capcioso quanto o foi numa existência anterior, alem de carecer de compreensão, uma vez que as
qualidades negativas de Netuno são justamente a falta de compreensão e a fraude. Poderá ser auto-
sugestão, especialmente se Netuno se encontra no seu signo natal ou no seu ascendente, ou ainda, se
esta na casa 12.
Quando um mapa possui quatro ou mais planetas retrógrados (sendo pelo menos dois pessoais, de
acordo com o que vimos) temos um indicador de que a personalidade pode florescer tardiamente e só
manifestar talentos e capacidades na maturidade. Pode indicar ainda que a pessoa é menos moldada
pelas estruturas externas da sociedade, desenvolvendo-se segundo suas próprias inspirações. Só quando
aprende a conhecer-se é que sua verdadeira natureza emerge.
Um grande número de planetas retrógrados também pode ser indicador de um início de vida difícil, já
que a natureza introspectiva da retrogradação retarda a expressão plena dos planetas. Assim, devemos
estar especialmente atentos para o momento em que um planeta retrógrado no mapa natal muda de
direção pela progressão secundária, passando ao movimento direto. Nas palavras de Sophia Mason o
planeta retrógrado funciona como "uma torneira pingando" que finalmente se abre quanto este passa
para o movimento direto.
No caso dos planetas retrógrados estarem em aspecto difícil, com os pessoais e especialmente se estes
envolverem o Ascendente ou o seu regente, a pessoa pode sentir-se como que exilada, desconectada de
seu meio e, portanto solitária.
Também devemos ressaltar a importância do movimento retrógrado numa análise de Trânsitos,
especialmente para Júpiter ou Saturno. Se um deles por retrogradação volta a transitar um ponto do
mapa, os efeitos do trânsito poderão se extender por meses, até que o planeta faça a sua última e
definitiva passagem pelo ponto em questão. Assim, nesse caso um trânsito de Júpiter ou Saturno tem
sua importância consideravelmente aumentada.
Devemos olhar com atenção um planeta lento (à partir de Júpiter) que se encontre retrógrado na
Revolução Solar. No caso, devemos observar o momento em que, por trânsito direto, o planeta em
questão volta a tocar aquele grau e minuto. Quando isso ocorrer, a pessoa poderá experimentar
marcadamente algum fato ou circunstância correspondente ao significado do planeta em questão.
Para concluir relacionamos algumas das palavras-chave citadas por Tierney para os planetas
retrógrados: Construtivos: profundo, sutil, reformador, reflexivo, força interior.
Não construtivas: inibido, bloqueado, reprimido, inadaptado, esquivo.
Segundo Donald H. Yott planetas retrógrados agem da mesma maneira que os aspectos negativos: eles
dão a você ímpeto e energia para as suas realizações. Segundo o astrólogo Martin Schulman a principal
razão pra não entender-se os retrógrados até agora é porque os retrógrados trabalham de varias
maneiras. Segundo Martin eles são uma experiência única na consciência, descrevendo muito do que
realmente acontece dentro do individuo, quer ele encontre ou não expressão em sua vida exterior. E o
mais fascinante de tudo é a tremenda quantidade de reflexão, introspecção e profundidade que uma
pessoa pode alcançar através do uso e compreensão de seus planetas Retrógrados.
Ainda dentro do tema Retrogradação faz-se necessário abordar a questão do estacionamento.
Uma condição muito importante durante a trajetória dos planetas é a que corresponde ao momento
imediatamente precedente àquele em que o planeta muda do movimento direto para retrógrado e vice-
versa. Essa fase é marcada por uma diminuição notável da velocidade do planeta, quando ele se
encontra virtualmente imóvel. O planeta nessas condições recebe a designação de estacionário.
O critério para considerar o planeta estacionário pode variar, mas nos parece sensato considerar no caso
de Mercúrio, Vênus e Marte quando estes se encontram em uma velocidade inferior a 1/10 de sua
média, entretanto há quem os considere estacionários quando permanecem no mesmo grau. No caso de
um planeta lento, este é considerado estacionário quando permanecem no mesmo grau e minuto.
Devido ao fato de estar ainda que ilusoriamente parado, podemos concluir que o planeta estacionário
funciona como especialmente concentrado. Ele é uma força poderosa e indica um interesse marcante de
acordo com seus significados. Em geral, é fixado na sua orientação, rígido, não adaptável atuando de
forma compulsiva, especialmente com relação à área do mapa em que se encontra.
É importante ressaltar que o planeta estacionário estará sempre a ponto de tornar-se retrógrado ou
direto.
No caso do planeta estacionário para retrógrado, este tenderá a um caráter ainda mais subjetivo, pois a
pessoa se concentra sobre suas implicações. Seu impacto interiorizante é ainda mais forte que o
retrógrado normal. O planeta estacionário para direto, por sua vez, está prestes a emergir e utilizar o que
desenvolveu podendo parecer mais empreendedor e manifestando o mesmo grau de urgência daquele
em movimento direto. Entretanto, para ambos os casos, a utilização do planeta estacionário deve ser
parte de uma aproximação paciente e perseverante.
Vemos que também se faz necessário observar que os graus de estacionamento dos planetas lentos em
trânsito, são muito utilizados na Astrologia Mundial. Quando um lento estacionou em um dado grau,
qualquer outro planeta em trânsito passando pelo referido grau, inclusive um planeta rápido, deflagrará
situações de acordo com o significado do planeta que ali estacionou. É como se o grau permanecesse
com a marca do planeta. Do mesmo modo, na eleição de um mapa devemos evitar aspectos difíceis dos
planetas significadores da questão com os graus de estacionamento, especialmente os de Saturno,
Urano, Netuno e Plutão.
Schulman diz que não há nada no universo que não possua qualidades magnéticas. Sabe-se que o
próprio pensamento atrai pensamento semelhante. Todas as configurações atraem determinadas coisas e
ao mesmo tempo repelem outras. Assim, todo o mundo se encontra numa condição, ao mesmo tempo,
positiva e negativa. Então a tendência geral é o individuo tentar usar seus retrógrados exatamente da
mesma maneira que está usando seus planetas que estão em movimento direto. E quando isto não
funciona, ele fica dividido em vários estados que não tem relação entre si e que podem resultar numa
desordem generalizada.
Com planetas em movimento direto, é muito fácil para o individuo mudar, a cada momento, a ênfase da
energia planetária dentro de si mesmo, enquanto todo o seu próprio padrão de energia aumenta e
diminui. Entretanto, quando tenta fazer o mesmo com seus planetas Retrógrados, ele inesperadamente
se vê numa situação bem diversa.

Bibliografia Recomendada: - Martin Schulman, os Planetas Retrógrados ed Ágora. - Donald H. Yott, os


planetas retrógrados ed Pensamento.
- Bill Tierney - Analisis Dinamico de Los Aspectos Astrológicos
- Robert Hand - Horoscope Symbols
- Virginia Ewbank e Joanne Wickenburg - The Spiral of Life

Carlinhos Lima – Astrólogo e Pesquisador.