Você está na página 1de 36

Inclusão Produtiva

CURSO
CARPINTARIA
UNIDADE 1

LEITURA DE PROJETOS DE
ARQUITETURA

Nú c l e o té c n i c o

2
Disciplina:
Leitura de projetos de arquitetura

Conteúdo programático:

o A importância do projeto para o desempenho da obra;


o Símbolos e simbologias dos projetos,
o Leitura e interpretação de projetos de arquitetura.

Plano de ensino:
o Importância dos projetos na Construção Civil e simbologia...........................
o Leitura de projetos de arquitetura...................................................................
o Interpretação de projetos de arquitetura na obra...........................................

3
1. O QUE É PROJETO?

Não existe nenhuma definição de “projeto” reconhecida universalmente, mas no nosso


curso adotaremos que projeto é a representação de um objeto ou equipamento que será
construído.
A função do projeto, na construção civil, é orientar as etapas de construção de uma
edificação. Bons projetos são aqueles que contém todas as informações para a execução das
etapas.

1.1. Importância dos projetos

O projeto é importante porque representa como será a edificação antes de ser construída,
mostrando como será executada cada etapa da construção; por exemplo: o projeto arquitetônico
mostra como será a distribuição dos cômodos da edificação, o projeto de formas de laje mostra
como serão montadas as fôrmas para a execução das lajes; o projeto hidro-sanitário mostra como
serão as tubulações e conexões e onde elas estarão localizadas.
Veja nas figuras abaixo que a fase de projeto é a maior responsável por problemas e
patologias que venham a existir nas construções e que influenciam bastante no custo final de um
empreendimento. Também é onde se consegue fazer as maiores interferências e mudanças.

Figura 1 – Origens de problemas patológicos das construções (MELHADO 1994):

Figura 1 - Capacidade de influenciar o custo final de empreendimento de edifício ao longo de


suas fases (MELHADO 1994)

1.2. Leitura de projetos

Saber ler projetos da construção civil é entender o que significam as simbologias, linhas,
números, letras, marcadores e quadros que neles são representados, para executar de forma fiel.

1.2. A importância de seguir o projeto

O projeto é importante em qualquer construção porque é elaborado por um profissional


especialista da área, obedecendo às normas técnicas de cálculo e de dimensionamento. Em
etapas em que existe um usuário, o profissional também leva em conta o conforto dessas
pessoas. Há também uma preocupação com o melhor aproveitamento do espaço, dos materiais,
da tecnologia e uma busca por custos menores.
Todas as informações de execução de uma etapa da obra estão no seu respectivo projeto.
Não se deve executar da forma como convém, ou que se acha estar correta. DEVE-SE SEMPRE
SEGUIR O PROJETO.

1.3. Alguns tipos de projetos na Construção Civil

Sondagem do solo; Projeto estrutural (superestruturas);


Projeto de conteções; Projeto de instalações hidro-sanitárias;

4
Projeto de fundações e infra-estruturas; Projeto de instalações elétricas,
Projeto arquitetônico; Projeto de ar-condicionado.
Projeto de instalações telefônicas, internet;

2. COMO APRESENTAR OS PROJETOS

Os projetos são apresentados em folhas de papel que são chamadas de formatos. Eles
são de tamanhos definidos pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). O quadro
abaixo mostra os tipos de formatos:

Tabela 1: Formatos x dimensões


Formato Dimensões (mm)
A0 1189 x 841
A1 841 x 594
A2 594 x 420
A3 420 x 297
A4 297 x 210

Figura 2: Formatos
Observe que o maior formato é o A0, o formato A1 é metade de um formato A0, o formato
A2 é metade de um formato A1, o A3 é metade de um A2 e o A4 é metade de um formato A3.

2.1. Como trabalhar com escalas

Escala é a relação entre o tamanho do objeto real e o seu tamanho em um projeto.


Utilizamos a escala para ampliar ou reduzir o desenho de um objeto conservando suas
proporções. É necessária a utilização da escala no projeto para possibilitar a representação de um
desenho muito grande ou muito pequeno em uma folha de papel. Existem três tipos de escalas:

• Escala Natural: aquela utilizada quando o tamanho da representação do objeto é igual ao


tamanho real do mesmo, isso é, do mesmo tamanho que o objeto for construído, será também o
seu desenho.

Exemplo:
1 unidade no projeto
Escala 1:1 (lê-se, escala um por um)

1 unidade na realidade

• Escala de Redução: utilizada para representar um objeto em tamanho menor que o tamanho
real, como casas, edifícios, pontes, viadutos. É a escala mais utilizada na construção civil. É
representada da seguinte forma: Escala 1:2, 1:10, 1:20, 1:50, 1:75, 1:100, 1:200, 1:500, 1:1000,
que são as mais usuais na construção civil.

Exemplo:

Escala 1:50 1 unidade no projeto

50 unidades na realidade

• Escala de Ampliação: utilizada para representar um objeto em tamanho maior do que o tamanho
real principalmente em projetos de peças mecânicas. É representada da seguinte forma - Escala
2:1 (lê-se, escala dois por um).
As escalas de ampliação mais utilizadas são: 2:1, 3:1, 4:1, 5:1, 10:1, 20:1 etc... Resumindo; para
se trabalhar com essa escala, basta multiplicar o valor da medida indicada no desenho do objeto,
pelo valor numérico da escala.

5
Exemplo:
10 unidades no
Escala 10:1 projeto
1 unidade na
Unidades de Medida usuais na Construção Civil: as unidades de medida utilizadas nos
projetos da construção civil são o centímetro (cm) para plantas baixas e estruturas de concreto
armado por exemplo, e o milímetro (mm) para projetos de montagem, detalhamentos e estruturas
pré-moldadas metálicas e de concreto.

2.2. O que é e para que serve o CARIMBO

Carimbo é um espaço reservado na parte inferior esquerda de todos os formatos para a


identificação dos desenhos que contém o formato. A função do carimbo é informar o que contém a
prancha sem que seja necessária abri-la.
Abaixo temos o exemplo do carimbo adotado pela Prefeitura de Belo Horizonte:

Figura 3: Carimbo:

6
2.3. O que é e para que serve a LEGENDA

A Legenda contém o significado das siglas e abreviações que cada projeto tem em
particular. Nela as especificações são listadas de forma que o projeto possa ser lido de maneira
clara e objetiva. Em projetos arquitetônicos a legenda contém, por exemplo, as dimensões de
portas e janelas.

3. PROJETOS ARQUITETÔNICOS

O projeto arquitetônico é o primeiro projeto a ser elaborado. É a partir dele que são
elaborados todos os outros projetos, como os de instalações elétricas, hidro-sanitárias, estrutural,
dentre outros.
O projeto arquitetônico mostra como é a distribuição interna dos ambientes da edificação,
os cortes, as fachadas, e a localização da construção no lote e sua relação com o entorno.

3.1. Símbolos e simbologias

Uma boa leitura de projetos exige o conhecimento de certas representações gráficas, tais
como:
• Referência de Nível: é medido em relação a algum ponto conhecido no lote ou no entorno.
Geralmente a referência é adotada como o nível +100,00 e, a partir dela são referenciados todos
os outros níveis da construção. O nível é medido em metros (m), e representado como as figuras
abaixo:

Nível em planta: Nível em corte:

• Materiais: existem diversos materiais utilizados na construção civil, abaixo apresentamos as


simbologias mais utilizadas na elaboração dos projetos.

Concreto (corte / planta) Terreno apiloado (corte)

Concreto armado (corte / planta) Madeira (fachada / corte)

Piso, ladrilho (piso)


Areia (fachada / planta)
Azulejo (corte)

Tijolo (fachada / corte) Pisos tacos (corte)

Terra (corte) Assoalho (corte)

Pedras (fachada)

Figura 4: Representações em projetos

• Linhas: Um projeto é composto de diversos tipos de linhas e de espessuras diferentes, para


cada tipo de representação. É de grande importância para uma boa leitura de projetos saber o
significado das linhas. No quadro abaixo temos os diversos tipos de linha e seus significados em
um projeto qualquer, seja ele arquitetônico ou elétrico, ou hidro-sanitário, ou estrutural, ou
telefônico, ou até um detalhamento.

7
Figura 5 – Tipos de linha

Figura 6 - Exemplo de utilização de símbolos e simbologias. Planta baixa.

8
Figura 7 - Exemplo de utilização de símbolos e simbologias. Corte

3.2. Tipos de planta e suas características

• Planta baixa

É uma representação da edificação vista de cima, como se estivesse sido cortado horizontalmente a
1,50m de altura do piso. No caso de edifícios com mais de um pavimento, cada pavimento deve ser
representado em planta baixa. Representa-se o que um observador posicionado a uma distância infinita
enxergaria ao olhar do alto da edificação cortada. Veja o desenho abaixo:
A planta baixa é representada a 1,50m do chão porque assim mostra maiores detalhes como
janelas e portas, proporcionando melhor compreensão. Deve-se ter cuidado, a compreensão não é tão
simples e a planta é muito abstrata.

9
Figura 8 - Simulação e exemplo de planta baixa

• Cortes

São desenhos em que a edificação é representada como se tivesse sido cortada por um ou mais
planos verticais. O objetivo dos cortes é mostrar o que a planta baixa não consegue mostrar, principalmente
os detalhes verticais, como pés-direitos, vergas, peitoris. Os cortes geralmente são passados onde se
consegue mostrar a maior quantidade de detalhes.
Há dois tipos de cortes: os cortes longitudinais, ou seja, no maior comprimento da edificação e os
cortes transversais, no menor comprimento. Veja os exemplos abaixo:

Figura 9 - Simulação do corte

Figura 14 (b) – Corte transversal:

10
Figura 10- Transversal

Figura 11 - Corte longitudinal

A planta baixa também é um corte na horizontal. Os elementos cortados pelo plano são
representados em traço grosso, os elementos não cortados em traço mais fino e os elementos mais
distantes são representados com um traço mais fino ainda, em qualquer tipo de corte.

• Fachadas ou elevações
Fachadas ou elevações são a representação das paredes externas, com suas aberturas (portas e
janelas) e do telhado ou da platibanda. Elas mostram como será a face da edificação.
As fachadas não são apenas as frontais, que ficam de frente para a rua, as outras faces da
construção também são fachadas.

11
Figura 12: Fachada

Planta baixa, cortes e fachadas devem ser representadas sempre na mesma escala.

• Diagrama de cobertura

É a representação em um plano horizontal visto de cima, de como se comporta a cobertura da


edificação. Veja abaixo o diagrama de cobertura da edificação que usamos como exemplo:

Figura 13: Diagrama de cobertura

Algumas nomenclaturas sobre diagramas de cobertura:

Inclinação do telhado: é ela que diz o quanto o telhado é inclinado. É dada em porcentagem e não
em graus. Pelo exemplo acima temos uma inclinação de 30% (trinta por cento), ou seja, trinta em cem. A
cada trinta centímetros que o telhado sobe na vertical, ele anda 100 cm na horizontal. Veja:

12
Águas do telhado: é como falar quantos lados tem o telhado. Fala-se “água” porque é o sentido que
a água da chuva escorre no telhado. Um telhado, por exemplo, de duas águas, significa que em um dia de
chuva metade da água que cai no telhado segue para o lado direito e a outra metade para o lado esquerdo.

• Planta de situação

A planta de situação mostra a relação da edificação com o seu entorno.

Figura 14: Planta de situação

• Gradil

O gradil mostra como será o fechamento frontal da edificação.

Figura 15: Gradil

13
• Planta de localização

Essa planta mostra a localização da edificação dentro do lote. As distancias dos afastamentos
laterais e de fundo e o afastamento frontal. Veja na figura abaixo:

Figura 16: Planta de localização

3.3. Escadas e circulação vertical

A circulação vertical tem função de vencer os desníveis entre pavimentos consecutivos,


possibilitando o livre acesso e circulação entre eles. Ela se faz por meio de ESCADAS, de RAMPAS e de
ELEVADORES.

• Conceitos:
Condição antiderrapante: são considerados pisos antiderrapantes, aqueles cuja constatação no
local permita a percepção ao tato de sua rugosidade e/ou porosidade, a qual possibilite boa aderência ao
ser pisado, mesmo em condições adversas, tais como sob ação de soluções saponáceas, água ou cera.
Corrimão: barra, cano ou peça similar, de superfície lisa e arredondada, localizada junto às paredes
ou guardas de escadas, para as pessoas nela se apoiarem ao subir ou descer. Um corrimão, se de desenho
compatível, pode ser parte integrante da guarda de uma escada.
Guarda ou guarda-corpo: barreira protetora vertical, maciça ou não, delimitando as faces laterais da
escada, terraço, balcões, rampas etc, e serviço de proteção contra eventuais quedas.
Piso: é o degrau da escada, onde se pisa com o pé.

14
Espelho: é a distância vertical entre dois pisos.

• Dimensionamento de escadas: para dimensionar uma escada, utilizamos a fórmula de Blondel. Com ela
conseguimos dimensionar uma escada confortável para o usuário.

Fórmula Blondel: 2h + p = 64cm


em que: h = altura do espelho e p= comprimento do piso

De acordo com o COMANDO GERAL DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR; segundo a


INSTRUÇÃO Nr 031/ 96 – CG (DISPÕE SOBRE OS CRITÉRIOS PARA ANÁLISE, EM PROJETO DE
PREVENÇÃO, DA ESCADA COMUM OU NÃO ENCLAUSURADA).

5.2. Largura
5.2.1. A largura da escada dever se proporcional ao número de pessoas que por ela devam transitar em
caso de emergência, sendo o mínimo o previsto em legislação municipal própria, podendo ter largura
mínima de até 0,90 m se a população usuária não exceder a 50 pessoas.
5.3. Dimensões dos degraus
5.3.1. Altura "h" compreendida entre 0,16m e 0,18 m;
5.3.2. A largura será dimensionada pela fórmula de Blondel 0,63 m <= (2h = b) <= 0,64 m;
5.3.3. Se possuir degraus em leque estes deverão ser balanceados, possuindo em sua parte mais estreita
largura não inferior a 0,15 m.

4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

GARCIA, Gilberto & PIEDADE, Gertrudes C. R. Topografia aplicada às ciências agrárias. São Paulo. Ed.
Nobel, 1984. 256 p.

LOCH, C. & CORDINI, J. Topografia contemporânea: planimetria. 2. ed. Florianópolis: UFSC, 2000.

MELHADO, S.B. Qualidade do Projeto na Construção de Edifícios: Aplicação ao Caso das Empresas de
Incorporação e Construção. Tese de Doutorado, São Paulo, agosto 1994.

15
UNIDADE 2

CARPINTARIA

Nú c l e o b á s i c o

16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36