Você está na página 1de 20

MARCENARIA PRÁTICA

FAÇA MÓVEIS e OBJETOS


sem precisar de uma oficina
SUMÁRIO

A AUTORA 03

INTRODUÇÃO 05

PASSO 1 – Definir o que você quer construir 06

PASSO 2 – Desenhar 08

PASSO 3 – Detalhar os seus desenhos 09

PASSO 4 – A escolha dos materias 10

PASSO 5 – Romaneio 11

PASSO 6 – Os equipamentos de segurança necessários 12

PASSO 7 – Seleção das ferramentas 14

PASSO 8 – Mão na massa! 16

PASSO 9 – O acabamento 18

CONCLUSÃO 19

02
A AUTORA
Oi, eu sou a Vanessa Darte, prazer!

Sou arquiteta de formação, fiz minha faculdade na UFRJ e saí de lá em


2006, mas voltei em 2008 para cursar um mestrado, e nele surgiu a opor-
tunidade de trabalhar com algo que mudou totalmente a minha percep-
ção sobre trabalhos manuais. Eu acompanhei o dia-a-dia de um progra-
ma governamental voltado para a habitação popular onde os próprios
moradores colocavam a mão na massa para construir suas casas,
sempre assessorados por uma equipe de arquitetos.

03
Essa experiência fez a minha vontade de trabalhar com as mãos aflorar.
Eu via o quanto as pessoas que não possuíam conhecimento nenhum em
obra, aprendiam rapidamente a mexer em ferramentas e materiais que
nunca haviam tido contato antes. O resultado era uma construção “lim-
pa”, com um acabamento excepcional. Aquilo me impressionou muito.
Quando somos movidos por algo que nos encanta, que nos motiva, faze-
mos coisas inacreditáveis.

Na verdade, eu sempre quis fazer móveis, era uma paixão reprimida, que
eu achava que não teria talento para “bancar”. E aquelas pessoas, tão hu-
mildes e tão capazes, me fizeram enxergar que nós podemos aprender e
trabalhar as habilidades que quisermos.

Inspirada neles, fui em busca de cursos que pudessem me ensinar as téc-


nicas necessárias para a construção de móveis. Eu já sabia projetar, mas
não sabia como fazer o que eu mesma desenhava.

Fui parar em Londres, em um curso de design de mobiliário na Central


Saint Martins – University of the Arts London. Depois, fiz um curso de
autoconstrução, em São Paulo, que tinha a madeira como material base.
A partir daí, um novo mundo se abriu para mim, aprendi a manusear
máquinas e ferramentas e comecei a construir, eu mesma, tudo o que eu
projetava. Percebi que não havia mistério em nada e que fazer nossos pró-
prios móveis é um prazer imenso, uma libertação e uma diversão sem fim.

Por conta disso, comecei a desenhar móveis onde o ponto de partida é o


processo construtivo, sempre simples, para que a construção dos meus
projetos possa ser feita por qualquer pessoa. E estou aqui porque que-
ro mostrar pra você que mexer com máquinas e ferramentas e construir
seus próprios móveis e objetos no aconchego do seu lar é possível
sim e muito prazeroso.

04
INTRODUÇÃO
Esse e-book foi elaborado para quem tem o desejo de fazer seus móveis e
objetos dentro da própria casa, sem a necessidade de montar ou ter uma
oficina, mas não sabe por onde começar. É feito também para aqueles que
desejam trabalhar na área ou já colocam a mão na massa e querem apren-
der a se organizar melhor para isso.

Ao longo dessas páginas, eu vou desmembrar o meu processo de criação


e execução de móveis dentro desse universo das pequenas ferramentas e
das máquinas portáteis que eu chamo de
MARCENARIA PRÁTICA. Chamo assim, porque além dos materiais e
ferramentas usados se-
rem de fácil acesso e de
fácil manuseio, o proces-
so construtivo é também
muito simples, permitin-
do que você faça o mó-
vel ou objeto desejado
em qualquer lugar, sem
a necessidade de uma
marcenaria com grandes
máquinas estacionárias
para construí-los. Sim, isso é possível.

Continue lendo esse e-book que eu te mostro quais são os 9 passos


necessários para colocar a mão na massa, dentro de casa, sem medo de
errar.

05
PASSO 1
DEFINIR O QUE VOCÊ IRÁ CONSTRUIR

A primeira coisa que devemos fazer para a elaboração de um móvel ou


objeto é definir o que queremos e para que o queremos. Temos que
pensar muito bem sobre qual será a função desse objeto.

Se queremos um rack, por exemplo, devemos pensar de que maneira ele


será usado, para quem esse móvel será feito e onde ele será colocado.
Em que ambiente ficará, na sala?

Assim, poderemos definir melhor qual será o uso dele. O que será co-
locado alí, uma TV? Alguns livros? Pequenos adornos? Um daqueles
aparelhos de TV a cabo? Talvez um roteador, vasos para enfeitar ou até
mesmo um video game...

Terá realmente tantas coisas assim? Pretende guardar algumas bagunças


nele? Se sim, seria melhor colocar algumas gavetas. Se não, não há neces-
sidade.

06
Bom, vamos supor que o nosso rack ficará em uma sala e que essa sala
é bem pequena. Ele deve se encaixar em um espaço de 1,30m e sua pro-
fundidade não pode ser tão grande, pois “roubaria” muito espaço de
circulação dessa sala tão pequena. A partir daí, já podemos definir as
medidas do nosso móvel de acordo com o espaço e os outros elementos
com que ele irá interagir.

Vamos fazê-lo com altura de 56 cm para que o rack receba bem uma TV,
deixando-a em uma boa altura. Assim, quem sentar no sofá irá assistí-
-la com conforto. A largura, vamos deixar com 1,20m, para que nosso
móvel se encaixe com tranquilidade no espaço de 1,30m que possuímos
para colocá-lo. E a profundidade será de 30 cm. Essa profundidade con-
segue abrigar os aparelhos que ficarão apoiados nele e “poupará” bastan-
te a circulação da sala.

Pronto! Já definimos questões importantíssimas que vão nos permitir ir


para o Segundo passo com muito mais segurança.

07
PASSO 2
DESENHAR

Agora que já definimos o que é o nosso móvel e até algumas de suas


medidas, podemos colocar a criatividade para fluir!

Desenhe bastante, faça formas diferentes, misture elementos... Se


inspire no que você desejar, na natureza, em outro móvel, em formas
de roupas, edifícios... Sinta-se livre! Mas não esqueça que essa liberda-
de (como todas as outras), tem limite, e termina no encontro daquelas
regrinhas que definimos no PASSO 1.
 
Mesmo com algumas amarras, desenhe bastante e depois de eleger a
forma que mais lhe agrada, vá elaborando o seu desenho, deixando ele
cada vez mais detalhado.

Não esqueça que a madeira tem uma espessura e essa espessura


deve estar representada no seu de-
senho. Tente também fazer
o seu desenho levando em
consideração a proporção
das medidas que definimos
no PASSO 1. Se a altura dele
é de 56 cm e a largura é
de 120 cm, isso quer dizer
que a largura é um pouco
maior que o dobro de sua
altura, e isso deve estar
representado no seu de-
senho.
08
PASSO 3
DETALHAR OS SEUS DESENHOS

O desenho que você começou a fazer lá no PASSO 2, deve evoluir para


um DESENHO TÉCNICO, que contenha todas as medidas de cada
peça que compõe o seu móvel, bem como outros elementos também,
se eles existirem, como por exemplo, um
puxador, corrediças ou uma corda, no caso do nosso rack.
 
Aqui, a espessura da madeira já deve estar definida com exatidão e
não ser apenas uma representação como no desenho do passo 2. Nesse
momento, o desenho deve estar em escala, assim você poderá saber a
proporção exata do seu móvel e até ajustar algo que não esteja com
a estética almejada.
 
Agora é a hora de acertar TODOS os detalhes da sua criação. NADA
pode ser esquecido. Um bom programa para te ajudar no desenho do
seu projeto é o Sketchup. Ele possui uma versão gratuita que pode ser
baixada facilmente na internet e sua interface é muito simples de ser
trabalhada. O próprio programa tem pequenos vídeos que te ensinam
a como manuseá-lo. Pode se aventurar sem medo porque ele é real-
mente muito fácil de mexer.

1,35
0,35

0,4
0,02

0,04
0,29

0,29
0,53

0,53

0,35
0,24

0,24

VISTA FRONTAL VISTA LATERAL VISTA TOPO

09
PASSO 4
A ESCOLHA DOS MATERIAIS

Esse é um dos passos que eu mais gosto. Existe uma infinidade de ma-
teriais e de madeiras que podemos utilizar nos nossos projetos. Mas a
proposta aqui é que você faça suas criações na sua casa usando apenas
máquinas portáteis, e para isso é preciso usar materiais e/ou madeiras
que já estejam aparelhadas. Por isso, os materiais que mais uso
são: MDF, compensado, madeiras já aparelhadas, laminado melamíni-
co (fórmica) e folhas de madeiras.

DICA: Se a madeira que você gostaria muito de usar no seu projeto


não for comercializada já aparelhada, uma solução é fazer seu objeto
ou móvel de MDF ou compensado e forrá-lo com a folha da madeira
que você deseja. Agora, se você quer um móvel com cor, uma solução
ótima é o laminado melamínico (Fórmica).

Aqui, também é o momento de definir quais complementos você irá


utilizar no seu móvel, como por exemplo: puxadores, ferragens, corda
e etc... 
PASSO 5
ROMANEIO

Agora que já definimos todos os matérias, vamos fazer uma lista da


quantidade de cada um deles, colocando também as suas especifica-
ções.
 
É nesse momento que você vai parar para contar quantos parafusos
você precisa e qual o tamanho desses parafusos. Você vai precisar de
ferragens? Então especifique cada uma delas: trilhos para as gavetas,
dobradiças para as portas... Por exemplo, na sua lista/tabela deve es-
tar especificado o tipo da dobradiça e a quantidade que será usada. A
mesma coisa deve ser feita para as peças de madeira que foram defini-
das no passo 3 e tudo o mais que for compor o seu móvel.

DICA: Para saber, com exatidão, o total de madeira (MDF, ou com-


pensado) que você irá utilizar e qual o melhor aproveitamento de seus
cortes em uma chapa de qualquer um desses materiais, podemos usar
programas que nos auxiliam a fazer um plano de corte. Vou deixar
aqui o link para baixar um que é disponibilizado gratuitamente: ht-
tps://sourceforge.net/projects/ctmc/
 
E com a lista pronta, é só sair e ir às compras! Madeireiras e grandes
casas de materiais de construção são as melhores lojas para encontrar
esses tipos de materiais.
PASSO 6
OS EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA

Antes de começarmos a mexer com máquinas e ferramentas (não im-


porta o tamanho delas), temos que nos assegurar de que estamos bem
protegidos. Os EPIs, equipamentos de segurança, são essenciais para
que trabalhemos sem medo e com confiança.

Mas, é necessário, que além dos EPIs, nossa vestimenta também seja
adequada para esse tipo de trabalho. É muito importante usar calça
comprida e sapato fechado, pois se alguma peça ou ferramenta cair,
não baterá diretamente em você. E acredite, isso acontece bastante!
Além disso, as demais peças do seu vestuário não podem ser muito lar-
gas, nem possuir mangas muito soltas, que possam prender em algo.
Os cabelos, se forem compridos, devem estar presos e os acessórios
como brincos grandes, pulseiras e colares, devem ser retirados antes
de você começar a colocar a mão na massa.

12
Além dos cuidados já mencionados, os principais equipamentos utili-
zados dentro da marcenaria prática são os ÓCULOS, a MÁSCARA
PARA CHEIRO, a MÁSCARA PARA PÓ, o PROTETOR AURICU-
LAR e as LUVAS. Para todos eles existem as versões mais caras e as
versões mais baratas (alguns são até descartáveis). Então, se você está
começando sua jornada agora nesse mundo do “mão na massa”, pode
começar usando os equipamentos mais baratos. Mas isso é opção sua.

O que não pode é ficar sem se proteger!

13
PASSO 7
A SELEÇÃO DAS FERRAMENTAS

Só após definirmos o que vamos construir e com que materiais vamos


construir, é que conseguimos definir a lista de ferramentas e máquinas
necessárias para fazer nosso objeto ou móvel.

Aqui na marcenaria prática, nós vamos trabalhar apenas com máqui-


nas portáteis, mas não pense que você ficará limitado por elas serem
tão pequenas. São pequenas sim, só que muito potentes e versáteis.
Fazem muitas coisas e cada uma possui uma finalidade, ou várias fina-
lidades, na verdade.

As principais máquinas da marcenaria prática são:

furadeira, parafusadeira, serra circular, serra tico-tico, lixadeira e tu-


pia.

E as principais ferramentas são:

lápis, borracha, trena/metro, mar- telo


de borracha, formão, grosa/ lima,
conjunto de chaves philips/
fenda, espátula dentada, es-
tilete, tesoura, etc...

14
Para quem está
iniciando agora, indico assistir 2
vídeos que disponibilizei no youtu-
be. No primeiro vídeo, eu falo sobre as 10
ferramentas (incluindo máquinas) para se iniciar
uma marcenaria prática na sua própria casa, e no segundo vídeo eu falo
dos 10 utensílios que mais uso na marcenaria prática que montei na mi-
nha casa.

https://www.youtube.com/watch?v=s50P6l51Oxc

https://www.youtube.com/watch?v=OYh7r9R-3bM

15
PASSO 8
MÃO NA MASSA!

Agora é a hora da mão na massa de verdade! Aqui é necessário muito


cuidado e paciência. Se você está com pressa, pode parar e deixar
para fazer seu móvel em outro momento. A calma é fundamental para
se trabalhar em uma marcenaria, mesmo que seja uma marcenaria
prática, improvisada na sua casa.
 
Antes de começar a montagem, lixe e sele cada peça de madeira ou
compensado que você irá usar. Mas aqui vai uma lembrança importan-
te: a seladora não deixa a cola penetrar e colar uma madeira na outra.
Então, as partes que irão receber cola, podem e devem ser seladas sim,
mas precisam ser lixadas depois, nas partes que receberão cola, para
que a cola realmente consiga agir sobre elas.

Se você não sabe como lixar e selar madeira, eu ensino como fazer isso

https://www.youtube.com/watch?v=SrRXKEFFyqw&t=83s

nesse vídeo aqui de cima.

16
Além da calma e da paciência, que estou lembrando mais uma vez
porque é MUITO IMPORTANTE, procure unir as peças sempre se
certificando de que elas estejam esquadradas e faceadas, ou seja, que
elas estejam formando um ângulo de 90 graus uma com a outra. Você
pode usar ferramentas que te auxiliem nisso, como o esquadro, por
exemplo.

Para a união das peças é importante falar que a cola branca ou cola de
madeira é ótima para colar madeira, compensado e MDF cru, mas se
você estiver trabalhando com MDF REVESTIDO, a cola que você deve
usar é a cola instantânea, pois na verdade você estará colando lamina-
do melamínico (Fórmica), com laminado melamínico.

https://www.youtube.com/watch?v=_hkSJEhPnvU

Para entender melhor como é o processo de montagem/construção de


um móvel de acordo com a marcenaria prática, você pode
assistir esse vídeo acima, onde eu ensino o passo a passo de um apara-
dor que criei.

17
PASSO 9
O ACABAMENTO

Esse é o último passo e ele é fundamental para que você tenha um


móvel ou objeto com “ar” profissional, com cara de que foi comprado
em loja ou feito por um marceneiro qualificadíssimo. Algumas dicas
para deixá-lo assim, são:

Esconder os parafusos que ficaram aparentes. Dessa forma, o móvel


fica muito mais sofisticado. Uma das maneiras de fazer isso é colo-
cando cavilhas por cima dos parafusos. Eu ensino essa técnica nesse
vídeo aqui debaixo.
Outra dica é lixar o móvel novamente depois que ele já estiver todo

https://www.youtube.com/watch?v=9Mb38mb7wpk&in-
dex=3&list=PLaL-unuc0o4_z2Enx8nwvo7MfRHrDoCDQ

montado, acertando as quinas e arestas que podem, por ventura, não


terem ficado “perfeitas”.
 
A última lixa que uso é a lixa 400. Essa lixa faz com que a madeira
fique bem lisa, muito macia ao toque, dando um acabamento mais
sofisticado. Mas você não pode ir da lixa 150 direto para a lixa 400.
Você deve começar com a lixa 150, depois passar a lixa 220, depois a
lixa 320 e aí então a lixa 400 (sempre intercalando com a seladora), de-
pois da lixa 400, eu finalizo com a própria seladora, verniz ou cera. São
os 3 tipos de acabamento que mais uso, mas existem diversos outros,
como os óleos, por exemplo.

Usar tantas lixas dá muito trabalho sim, mas o resultado final é excep-
cional.
18
PRONTO !
Seguindo esses passos você vai conseguir pensar, criar, detalhar, com-
prar os materiais necessários, se equipar, construir seu móvel e ainda
deixá-lo com um acabamento de primeira.
 
Desenvolver nossas habilidades manuais é muito prezeroso e nos traz
autonomia. Qualquer ser humano é capaz de fazer coisas incríveis com
suas próprias mãos.

Acredite!
Espero que este e-book tenha contribuído com conhecimento e
inspiração.
QUERO MUITO VER VOCÊ BOTAR A MÃO NA MASSA!

@vanessa.darte 20