Você está na página 1de 35

AVALIAÇÃO DE INTERFACES

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

AVALIAÇÃO
 Coletar informações sobre um projeto ou
produto em relação a funcionalidade e a
interação;

 Estimativa do sucesso ou insucesso das


hipóteses do projetista sobre a solução que está
propondo;

 Envolve desde “o que você acha desta idéia” até


avaliações rigorosas (experimentos em
laboratório e questionários em larga escala).

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

OBJETIVO DA AVALIAÇÃO
 Obtenção de interfaces com melhor
usabilidade;

 Garante melhores decisões de projeto;

 Evita custos de fazer e distribuir correções;

 Vantagens indiscutíveis: modificação do


projeto nas fases iniciais são melhores que
nas fases finais!
IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)
AVALIAÇÃO DE INTERFACES

POR QUÊ AVALIAR?


 Conhecer o que os usuários querem e
problemas que experimentam;

 Verificar
se idéias estão de acordo com as
necessidades e os desejos dos usuários;

 Responder dúvidas que surgem durante o


projeto e desenvolvimento.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

POR QUÊ AVALIAR?


 Verificar o sistema na situação real de uso;
 Comparar alternativas de design;
 Marketing:
 comparação entre produtos (funcionalidade,
aceitação)

 Adequação a normas:
 produtos estão de acordo com padrões específicos
(exemplo ISO)?

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

O QUE AVALIAR?
 Funcionalidade do sistema
 qualidade da adequação aos problemas do
usuário;
 design permite que usuário efetue as tarefas
pretendidas de modo fácil e eficiente;

 Usabilidade da interface
 qualidade da interação usuário/sistema;
 fácil aprender usar o sistema, uso agradável e
eficiente.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

O QUE AVALIAR?
 Comunicabilidade
 qualidade da comunicação projetista/usuário;
 interface expressa o modelo de interação previsto
pelos projetistas;

 Aprendizado do usuário
 conhecimento do usuário evolui através da
interação.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

QUANDO?
 Deve ocorrer durante o ciclo de vida do sistema:
 resultados utilizados para melhorias gradativas da interface.

 Nas primeiras fases:


 verificar compreensão dos projetistas sobre as necessidades
dos usuários (estudo de um sistema existente);
 testar idéias (possibilidades de layout).

 Nas fases finais:


 identificar dificuldades do usuário;
 melhorar produto.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

TIPOS DE AVALIAÇÃO
 Formativa
 feita durante o processo de projeto e desenvolvimento;
 permite identificar e consertar um problema de interação
antes que a aplicação seja implementada ou terminada;
 uso de modelos, protótipos, storyboards.

 Somativa
 avaliar o produto já terminado;
 testar se produto está de acordo com o estilo padrão da
empresa.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

CONSIDERAÇÕES
 Características dos usuários
 experiência, idade, gênero;

 Tipo de atividade a ser realizada


 atividades específicas controladas ou livres, de
acordo com a vontade do usuário;

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

CONSIDERAÇÕES

• Ambiente do estudo
– laboratório, ambiente natural de trabalho (estudo de campo);

• Natureza do artefato
– projeto gráfico não implementado, protótipo em
desenvolvimento, produto terminado.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO


 Envolvem:

 observação e monitoração das interações do usuário;


 coleta de opiniões dos usuários;
 experimentos;
 interpretação de interações naturais;
 predição de usabilidade de um produto.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO


 Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)

 Inspeção de usabilidade
 Teste de usabilidade
 Experimento controlado
 Método interpretativo

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO


 Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)

 Inspeção de usabilidade
 Teste de usabilidade
 Experimento controlado
 Método interpretativo

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

INSPEÇÃO DE USABILIDADE
 Conjunto de métodos baseados em se ter
avaliadores inspecionando ou examinando
aspectos de usabilidade de uma interface;

 Avaliadores:
 especialistas em usabilidade ou em determinado
padrão de interface, consultores de software,
usuários finais.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

INSPEÇÃO DE USABILIDADE
 Visaencontrar problemas de usabilidade no
projeto de uma interface e fazer
recomendações para eliminação destes
problemas;

 Utilizaa habilidade e a experiência de


avaliadores;

 Pode ser aplicada em fases iniciais e finais


do projeto e desenvolvimento.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

INSPEÇÃO DE USABILIDADE
 Métodos:
 Avaliação Heurística: uso de lista de heurísticas;
 Revisão de Guidelines: verificação da conformidade com
guidelines;

 Inspeção de Consistência: consistência dentro de uma


família de interfaces (terminologia, cores, layout, formatos
entrada/saída);

 Percurso Cognitivo (predição de uso): análise do


“caminho” percorrido na execução de uma tarefa (modelagem
psicológica); especialistas revisam o sistema para predizer
problemas que usuários podem encontrar.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

Walkthrough Cognitivo

Objetivo principal: Identificar problemas em


potencial de usabilidade
Método:
•Especialista em IHC necessário
•Define:
• a tarefa a ser executada
•o contexto em que esta deve ser executada
•suposições sobre a população de usuários
•Executa a tarefa passo a passo, revendo as ações
necessárias para executá-la, prevendo como os usuários
agiriam e os problemas que teriam.
IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)
AVALIAÇÃO DE INTERFACES
Avaliação Heurística

•Visibilidade do estado do sistema


•Consistência entre o sistema e o mundo real
•Controle e liberdade do usuário.
•Consistência e padrões
•Prevenção de erros
•Reconhecimento ao invés de memorização
•Flexibilidade e eficiência de uso
•Design estético e minimalista
•Apoio ao reconhecimento, diagnóstico e recuperação de
erros
•Sistema de ajuda e documentação

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO


 Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)

 Inspeção de usabilidade
 Teste de usabilidade
 Experimento controlado
 Método interpretativo

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

TESTE DE USABILIDADE
 Método centrado no usuário;

 Inclui
 Métodos experimentais ou empíricos;
 Métodos observacionais;
 Técnicas de questionamento.

 Necessária existência de uma


implementação real (simulação, protótipo básico,
cenário, implementação completa).

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES
Testes de usabilidade

Objetivo: medir quantitativamente o valor


alcançado pelo sistema em cada um dos fatores de
usabilidade de interesse
Engenharia de Usabilidade (Nielsen, 1993)
•fatores prioritários ao design
•valores quantitativos almejados
•durante o desenvolvimento do sistema estes
valores são medidos e usados para determinar
se as metas do sistema já foram alcançadas

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES
Exemplo de Teste de usabilidade
fator método de pior caso nível melhor
medição almejado caso
taxa de comparação entre mesma coisa segunda “muito”
aprendizado primeira e segunda medição melhor
medições melhor
uso inicial tempo para realizar 20 min 1,5 min 0,5 min
uma consulta
uso esporádico, número de vezes em mais de uma nenhuma vez nenhuma vez
após 2 semanas que o sistema de vez
sem uso ajuda é acessado em
cada tela
preferência sobre questionário igual maior nenhuma
fichas impressas preferência preferência às
ao sistema fichas
avaliação inicial questionário sobre neutro positivo muito
impressões positivo
avaliação de questionário sobre neutro positivo muito
usuário impressões positivo
experiente
restrições ao uso questionário muitas poucas nenhuma
do sistema

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO


 Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)

 Inspeção de usabilidade
 Teste de usabilidade
 Experimento controlado
 Método interpretativo

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

EXPERIMENTO CONTROLADO
 Envolvea execução de um bem projetado
experimento de laboratório;

 Tem-se uma hipótese a ser testada e


variáveis de interesse devem ser
controladas;

 Uso de métodos estatísticos: necessário


conhecimento estatístico para validação dos
resultados.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

EXPERIMENTO CONTROLADO
 Controle de variáveis em interações complexas
envolvendo humanos pode ser difícil e de validade
questionável;

 São feitos em laboratórios especialmente construídos;

 Coleta de dados através de observação e


monitoramento;

 Avaliação rigorosa e dados coletados analisados


quantitativamente, de modo a produzir métricas que
guiem o projeto.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

EXPERIMENTO CONTROLADO
 No planejamento, observar:

 propósito do experimento;
 o que se mantém constante, o que é alterado;
 hipótese (estabelecida de forma a ser testada);
 quais testes estatísticos e por que?

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

EXPERIMENTO CONTROLADO

• Exemplo:
- avaliação da eficiência relativa dos usuários
utilizando teclas de função ou menus num
sistema de controle de processos estabelecida
em termos dos elementos comparados,
constantes (experiência dos usuários e tarefa
de controle) e medidas de performance
(velocidade na execução dos comandos ou
percentual de erros).

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

EXPERIMENTO CONTROLADO

• Exemplo
• Hipótese possível
- Teclas de função são mais eficientes (produzem
execução mais rápida dos comandos);

• Grupos usarão duas interfaces;


• Significância estatística entre as diferenças
serão determinadas.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO


 Classificação (Rocha e Baranauskas, 2000)

 Inspeção de usabilidade
 Teste de usabilidade
 Experimento controlado
 Método interpretativo

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

MÉTODO INTERPRETATIVO
 Objetiva proporcionar ao projetista um melhor
entendimento

 das condições naturais de trabalho do usuário;


 de como o uso do sistema se integra as outras atividades
do usuário.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

MÉTODO INTERPRETATIVO
 Coleção de dados é informal
 deve causar pouca interferência ao trabalho do
usuário;
 participação do usuário na coleta, análise e
interpretação dos dados;
 formas de registro como vídeos e áudio podem ser
adotadas.

 Incluem avaliação participativa e etnográfica


(pesquisadores inseridos no contexto de trabalho).

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


AVALIAÇÃO DE INTERFACES

QUAL MÉTODO UTILIZAR?


 Fatores determinantes:
 o que se deseja avaliar;
 etapa do desenvolvimento;
 disponibilidade de especialistas;
 ambiente e recursos necessários;
 tempo disponíveis para avaliação.

 Técnica ideal: misturar e adaptar métodos.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


EXERCÍCIO

Elaborar um roteiro de testes de usabilidade


para o google docs.
Em dupla a medição deve ser feita em ambos
usuários:

Atividade: Criar e compartilhar um documento


em forma de planilha eletrônica.

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)


EXERCÍCIO

Não dê dicas ao seu colega (atalhos, como


inserir, etc...)

A medição para ambos deve conter os mesmos


critérios, pois avalia-se a ferramenta e não o
usuário.

Entregar relatório!

Bom trabalho

IHC – Prof. Clávison M. Zapelini (18/04/2011)