Você está na página 1de 5

DEPRESSÃO INFANTIL

Indiara
2010
DEPRESSÃO INFANTIL

Trabalho apresentado de Pisicopedagogia


FMB,faculdade Montes Belos, para a disciplina
Educação e Diversidade: Relações Étnicos-
Raciais sob a orientação do professor Fábio
Luiz da Silva.

Indiara
2010
DEPRESSÃO INFANTIL

Depressão Infantil é o transtorno de humor que se caracteriza


basicamente por tristeza e tem sido um dos males que tem se tornado muito
comum na sociedade contemporânea ao contrário do que muitos pensam
criança também sofre depressão. Doença esta que sempre pareceu ser um mal
exclusivo dos adultos, hoje em dia, afeta cerca de 2% das crianças.
A depressão infantil é uma séria doença que muitas vezes
passa despercebida, por alguns pais, responsáveis e muitos educadores. Exige
cuidados e seu diagnostico deve ser analisado basecamente por meio de
obsrvação do comportamento da criança, podendo se apresentar de forma
camuflada : baixo desempenho escolar, pouca capacidade para se divertir,
sonolência, insônia, ansiedade,mudança no padrão de alimentar, queixas
físicas, irritabilidade, sentimento de culpa, muito choro, hipertatividade
entreoutros sinais como: tronco arqueado, dificuldade de afastar-se da mãe,
pessimismo e falta de prazer em executar atividades .

Cabe aos pais, responsáveis e professores observar o


comportamento das crianças e associar seu estado a fatores ocorridos em sua
vida, em longo prazo ou recentes sendo que muitos fatores (causas) estão
ligados a problemas familiares: os problemas conjugais, financeiros, cobranças
exageradas por parte dos pais e do meio a qual está inserido, em relação ao
seu desenvolvimento, morte de um dos pais ou ente querido muito próximo,
perda de um animal de estimação, situações traumáticas como abuso sexual
ou tortura psicológica, rejeição familiar paterna ou materna, ainda na gestação
ou no convívio diário ou por sentir-se isolado dos pais contemporâneo, que na
das maiorias do casos paga a afetividade por bens matérias e para isso os pais
vivem muito distantes dos filhos (devido a sua responsabilidade com o
trabalho) tendo a criança como companheiros féis a TV, computador,
videogame, criando na criança mesmo sem consciência isolamento do mundo
e a alegria de conviver com outro ou de fazer coisas como brincar.
Ao primeiro sintoma os pais devem acolher a criança e
encaminha-la a um profissional o quanto antes. Na maioria das vezes, o apoio
da família e a psicoterapia são suficientes. Somente a partir dos 6 anos de
idade, é necessário, em alguns casos, intervir com medicamentos, porque
mudanças de comportamento são muito comuns até os 6 anos de idade (fases)
e com seis anos a criança já tem concretizado no seu consciente conceituando
o que é bom ou não.

A depressão infantil quando não tratada desencadeia outras


doenças como: anorexia e bulimia. A criança é um ser em formação, com
pautas de comportamento diversificado o que dificulta muito seus estudos.

Quando a depressão infantil é ignorada e muitas crianças


passam por isso, crescem com grande potencial para suicida, tristes, e na
maioria dos casos tornam-se propício a vícios, psicopatas e quem será toda
sociedade familiar e escolar por ter ignorado a infância de alguém que com
atitudes ou um olha triste pedia socorro querendo ver o mundo mais colorido ou
talvez apenas saber como é ser feliz.
REFERÊNCIAS:

BEYER, H. O. Inclusão e avaliação na escola de alunos com necessidades


educacionais especiais. Porto Alegre: Editora Mediação, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Saberes Necessários à prática


educativa. 24 edição. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

BAUMEL, R. Educação especial: do querer ao fazer. São Paulo: Avercamp,


2003.