Você está na página 1de 17

Vitor Manuel Adrião

A Ordem de Mariz
— Portugal e o Futuro —
ÍNDICE

I — ERA UMA VEZ .................................................................................................................................. 9


II — À GUISA DE DESABAFO ............................................................................................................... 13
III — TEURGIA (RESPIGANDO O PASSADO, VISLUMBRANDO O FUTURO) .............. 21
IV — MONTES SANTOS, ENCLAVES SAGRADOS .................................................................... 55
V — SANTO EMILIÃO DE MARIZ .................................................................................................... 81
VI — O DRAGÃO CONQUISTOU A TAÇA! ................................................................................... 93
VII — XENTRA — MOUROS E MISTÉRIOS .................................................................................. 101
VIII — SINTRA NA MARCHA DO GRAAL ..................................................................................... 115
IX — O ARCANJO SAKIEL..................................................................................................................... 127
X — A VIDA OCULTA DE SINTRA .................................................................................................... 139
XI — MARIDJ E INICIAÇÃO MARIANA .......................................................................................... 157
XII — MARIA MADALENA (A SANTIDADE PROSTITUÍDA) ................................................ 165
XIII — O MISTÉRIO DA “BOCA DO INFERNO” .......................................................................... 185
XIV — FIAT PACEM (HAJA PAZ)! ..................................................................................................... 201
XV — O DISCÍPULO FACE À ERA DE MAITREYA ...................................................................... 221
XVI — ENFIM, AQUARIUS – 2005! .................................................................................................... 233
XVII — OS MUNDOS SUBTERRÂNEOS E A PROFECIA DO REI DO MUNDO .............. 279

ADENDO: DUAS FORMAS PARA UMA ESSÊNCIA — PORTUGALIDADE


— BRASILIDADE = OBRA DIVINA ............................................................................................ 313

Entrevista ao Jornal de Tocantins ................................................................................................................. 315

Entrevista ao jornal “O Tempo” ..................................................................................................................... 318


CAPÍTULO I

ERA UMA VEZ...

Respeitável leitor, chegados que somos a esta Etapa da Evolução Planetária e Huma-
na, muito particularmente da Comunidade dos Teúrgicos portugueses, fitando o GRAN-
DE PONTO DE INTERROGAÇÃO (?) DO FUTURO, ou a hoje “Encruzilhada dos Ca-
minhos” sob a égide do Arcano VI, a Consciência impele-me a contar-lhe uma história.
Se a aceitará como verdadeira ou apenas mais história, bem, convenhamos que tal decisão
supera quem a conta e só cabe a quem a ouve, pelo que desde já a deixo ao seu cuidado.
Faça, pois, o encarecido favor de se acomodar bem e imaginar que está numa noite de
invernia rija, junto à acolhedora lareira da casa. E começa assim:
Era uma vez... um jovem rapaz que, na agitação dos seus 22 anos de idade, procurava,
como afinal toda a gente procura, uma qualquer mas certeira resposta aos seus problemas
existenciais. Era um rapaz como tantos outros, mas, como tantos outros, invés de procurar
essa “resposta certeira” nos meios clássicos académicos e (ou) religiosos (mesmo assim,
ao que me contou, lá se foi formando doutor, não sem antes ter desejado ser consagrado
padre...), semimarginais ante a sociedade geral, dos ocultistas do tempo (espíritas, rosa-
crucianos, teosofistas, maçónicos, eubióticos e inclusive teúrgicos...), e chegou mesmo a
tornar-se, como é uso dizer-se e soa bem, um “expert” no assunto. Até publicou artigos
em revistas e boletins da especialidade, e mesmo livros... o rapaz parecia “saber da poda”.
Tanta distinção granjeou-lhe a atenção da comunicação social que lhe dedicou manchetes
de primeiras páginas, e logo as rádios e televisões igualmente abriram-lhe os micros e as
câmaras. O rapaz tornou-se famoso. Era já uma celebridade, óh se era!... Feliz e contente
esta nossa vedeta das coisas do maravilhoso e do oculto, seguia a sua “vidinha” cheia de
brio e vaidade.
Ai de quem se lhe interpusesse no caminho. Não podia admitir que houvesse alguém
mais perfeito e sábio que ele. Isso nunca! Se houvesse alguém mais perfeito e sábio que

9
VITOR MANUEL ADRIÃO

ele, o que em seu íntimo não passava de hipótese remota, senão mesmo inverosímil, esse
alguém só poderia ser, eventualmente, algum desses hipotéticos Mahatmas de que se fa-
lam, à boca grande ou pequena, nos círculos maravilhados dos ocultistas, mas que nunca
ninguém viu um só em carne e osso... a não ser nas suas visões ou deambulações fantásti-
cas da mente levada ao cúmulo da fantasia!... Logo, por esse lado não corria o perigo de ser
confrontado com alguém mais sábio e perfeito que ele, e como tal coisa era absolutamente
hipotética, para não dizer pior, então concreta e objectivamente alguém mais sábio e per-
feito do que ele só poderia ser... ele próprio!
O nosso moço parecia um burro carregado de livros. Não havia autor, livro ou citação
que ele não tivesse na ponta da língua. Sabia tudo, para tudo tinha resposta. O que é o
V Império? — O Padre António Vieira e mais este e aquele dizem que é “isto, aquilo e
acoloutro”... Qual é a Missão de Portugal? — Fernando Pessoa, Agostinho da Silva e mais
este e aquele dizem que é “isto, aquilo e acoloutro”... Já agora, haverá alguma relação entre
Sintra e Agharta?... Aí o rapaz punha o ar sério e responsável que o enigma exigia, e lá
respondia com frases feitas arrancadas à esfinge que continuava o seu íntimo: — Ah, bem,
esse é um assunto muito misterioso que só eu e os Mestres é que sabemos na nossa confra-
ria secreta... E prosseguia com citações desencontradas de fontes diversas (que por sua vez
e talvez tivessem citado outras fontes, assim perpetuando uma espécie de “círculo vicioso”),
logrando a todos mas, principalmente, a ele mesmo, mesmo sem disso se aperceber. Não se
deve esquecer que a fantasia também é realidade, porque existe.
Um dia, porém, o nosso moço começou a deixar de o ser, como acontece com todos no
curso natural da vida. Os seus cabelos começaram a branquear, a saúde e o vigor a baquear,
já não eram tão pródigos como antes, e, pior, muito pior que tudo isso que faz parte da
natureza humana e de que ninguém escapa: os “malvados” dos seus problemas existenciais,
afinal nunca resolvidos, subiram novamente à tona dos sentidos. Desta vez numa crise
pior que antes. Só que invés de os contornar ou ignorar como fizera até ao instante, escon-
dendo-se detrás de uma capa artificial que por momentos ou anos o trouxe evadido de si
mesmo, decidiu enfrentá-los finalmente.
Com esse afrontamento o nosso rapaz apercebeu-se estar a perder muito do seu enga-
jamento, assustou-se a início mas logo aquietou, e quis ir até ao fim para ver o que dava!...
Perdeu a voz de papagaio, achou-a inútil; perdeu a pompa e a vaidade, achou-as vãs; per-
deu os saberes de outros decorados, sentiu-se livre... e sentindo-se livre foi inundado de
uma sensação que nunca, jamais em tempo algum, conhecera ou sentira. Era assim como
uma mistura harmoniosa de liberdade e de paz que o invadiu tão completamente a ponto
de inteira e decisivamente os sentidos se lhe alterarem, e assim a consciência, alterando-se-
-lhe o sentido da vida e do rumo a dar à mesma.

10
A ORDEM DE MARIZ — PORTUGAL E O FUTURO

Disse-me ter sido nesse instante que descobriu o rumo certo da sua vida, que deixara
de ser “um jerico zurrando no mesmo diapasão doutros tantos jericos como ele”. Achei
a frase forte. Contudo, pareceu-me ser verdade que tinha, finalmente, encontrado a sua
“resposta certeira”. E sendo verdade a Verdade libertou-o, e essa Verdade era agora sua.
O que é a Verdade? Eu não sei, mas o rapaz desta história deverá saber, mesmo assim, pelo
que por ele soube, talvez seja: — A resposta a todas as coisas poderás encontrá-la em ti
mesmo, desde que sejas genuíno e sincero contigo e o teu próximo!
O respeitável leitor conhece algum rapaz assim? Bem, faça o favor de se aconchegar
que o vento sopra rijo lá fora, quer entrar pelas frestas, e tenha uma boa e santa noite.

11
CAPÍTULO VIII

SINTRA NA MARCHA DO GRAAL

Sintra, 28 de Setembro de 2004

Acho-me diante de um Altar. Em cima,


está o Supremo Arquitecto. Em baixo, a
Humanidade. Para adorar o Primeiro,
mister se faz servir a Segunda.
JHS

A TEURGIA como OBRA DO ETERNO NA FACE DA TERRA distribui o seu


“modus-operanti” pelos cinco continentes do Mundo, por via das linhas vitais do Sistema
Geográfico Internacional em que se encravam estrategicamente os Chakras Planetários.
As forças vitais de cada Chakra ou “Centro de Força”, correspondente a um dos sete
Estados de Consciência que o Homem vai paulatinamente conquistando na sua fai-
na permanente de transformação da Vida-Energia em Vida-Consciência, de maneira
a transformar-se de Jiva em Jivatmã, são captadas em primeiro lugar — e logo emiti-
das, após “apuradas”, ao restante Género Humano — por determinado Núcleo ou Fra-
ternidade de Adeptos Perfeitos que, embora saídos da Hierarquia dos Jivas ou a Hu-
mana, alcançaram o estatuto de Jinas ou Supra-Humanos, e
a qual se encrava entre a Face e o Seio da Terra, no chamado
Mundo dos Badagas ou Sedotes, e a qual Fraternidade cons-
titui o escrínio do respectivo Posto Representativo composto,
sobre a Terra, de Discípulos da Obra Divina de AKBEL, de
quem foi avatara total, atravessando quase todo o século XX,
HENRIQUE JOSÉ DE SOUZA, que por tal, e muito mais, é
designado sucintamente pela igualmente avatárica sigla JHS.
Encravado entre o Oriente Médio e o Norte América, Portu-
gal é verdadeiro FIEL da BALANÇA DA LEI pesando o Passado
e o Futuro da Humanidade. Por ele e nele a Tragédia Atlante encontra a REMISSÃO final,
tal como todos aqueles que, em vidas atribuladas que só o Kamapa ou “Livro das Vidas”
mantém memória fresca, provocaram a QUEDA DO TIBETE e o LEVANTAR DA CRUZ
DO GÓLGOTA, com a derrota da Missão do 5.º Bodhisattva... obrigado a recolher-se ao
escrínio não de Roma, mas... de Lisboa, antes, SINTRA. Também todos esses estão REDI-
MIDOS, assim o diz a Lei e quem A representou e realizou na Face da Terra.

115
VITOR MANUEL ADRIÃO

Há ainda, sim, a REBELDIA congénita de muitos por serem incapazes de compre-


ender, e tampouco aceitar (por enquanto...), o que está além do INTELECTO, na sub-
jectividade absoluta da INTUIÇÃO, das IDEIAS BÚDHICAS, os quais cristalizam (por
enquanto, repito...) no imediatismo aparente conformado às suas apetências e tendências
pessoais (logo sujeitas, como tudo o mais, à transformação que a própria Vida imprime,
e com isso transitando ou sendo transitórias, falíveis como todo o concretismo absoluto),
sejam religiosas, políticas, filosóficas, etc. Mas esta é uma OBRA UNIVERSAL, TEÚRGI-
CA e TAUMATÚRGICA, e com tanto não é Ela quem passa por Portugal (ou qualquer
outro Lugar consignado onde esteja) mas Portugal quem passa por Ela, visto nunca a
Matéria ser senhora absoluta do Espírito, princípio básico da própria Química, “onde a
energia concentrada só o é graças à acção doutra energia superior, liberta, não-concentra-
da”, tal qual a Intuição que é mais atrevida que a Inteligência.
A ver com tudo isso está aquela frase da Profecia de Sintra, quando diz que “quem
nasce em Portugal é por Missão ou Castigo”, o que tem a ver com a REBELDIA de LUZ-
BEL e o consequente RIGOR de ARABEL, mas também com o ESPLENDOR de AKBEL.
Para que lado se pende, se para a Rebeldia ou para o Esplendor, se para o Passado ou
Involução ou para o Futuro ou Evolução, cabe a um e a todos responder... contudo haverá
sempre presente o Rigor da Consciência.
Tal transferência de Valores de um Pólo (espiritual, já se vê) para outro, do Passado-
-Presente ao Presente-Futuro, o que vale pelo girar do Pramantha ou Cruzeiro Ígneo do
Ciclo de Aquarius cada vez mais próximo, é feita através do Templo Universal expressor do
5.º Estado de Consciência Mental Superior, e que se engasta no escrínio de SINTRA, pro-
priamente o Mundo Astro-Mental de DUAT, promanando as suas Energias a toda a Terra.
Verdadeiro “Cadinho de Adeptos Perfeitos”, desde 1899 que esse Templo do CRISTO
UNIVERSAL onde o melhor, o iniciático e secreto das três religiões do Livro se congrega,
tem toda a sua acção voltada para a Nova Era ora urgindo, a supradita de Aquarius, e bem
que, junto às águas desse mesmo aquário gigantesco que é oceanário de nome Atlântico,

Igreja votiva de S. Mamede de Janas e igreja de S. Lourenço, Sintra

116
A ORDEM DE MARIZ — PORTUGAL E O FUTURO

estão as Azenhas do Mar com a sua Capela de São Lourenço dos Anciães, inserta nos
primitivos domínios sintrianos da Soberana Ordem de MARIZ (MARE, MAR, MÃE...), e
mais adiante, parcos quilómetros, para bater bem com as “Três Luzes, Chamas dos Tramos
ou Tronos”, está a igreja circular ou votiva de JANAS, topónimo identificado a JANUS, o
de “duas faces”, que tanto vale pelo Passado-Futuro no Presente, como pelas Duas Faces
Celestes do Segundo Trono, uma Luminosa porque voltada para o Divino, e outra Som-
bria porque voltada para o Terreno, como igualmente, mas mais reservado, é o indicativo
dos GÉMEOS ESPIRITUAIS, aqui, HENRIQUE-HELENA (tanto valendo por Castor e
Pollux, Hélio e Selene, Sol e Lua... “Sol e Lua à sua frente, mais além do Himalaia”, portanto
no OCIDENTE, como se canta naquela estrofe da Exaltação ao Graal) visitando o lugar
nesse ano de 1899, levados pelas mãos sábias e santas de alguns dos mais Insignes “Barões
Assinalados” da Portugalidade.
Curioso, ou não tanto, a igreja de Janas de Sintra é tão circular quanto o interior do
Templo de Maitreya em São Lourenço do Brasil. Na primeira se cultua exteriormente o
BOI; no segundo se cultua interiormente, em sua Montanha Sagrada, o TOURO Tur-Zin-
Muni... Serão tudo isso «acasos», como terá sido «acaso» a vinda de Henrique José de Sou-
za a Portugal, partindo de São Salvador da Bahia de Todos os Santos em 2.7.1899? NÃO.
Com efeito, narra a História de nossa Obra que, na data assinalada por último, o ado-
lescente de 16 primaveras, Henrique José de Souza, em companhia de uma jovem actriz
da mesma idade, de nome Helena Iracy Gonçalves, fugiu da casa de seus pais na Bahia e
embarcou rumo a Lisboa, com a sua amada. Eles que haviam feito parte do elenco da Com-
panhia Teatral Infantil, composto por 7 meninos e 7 meninas, onde no Teatro São João da
cidade do Salvador haviam integrado a peça levada a cena “Tim-Tim por Tim-Tim”, de
grande sucesso na ocasião. Pois bem, chegando à capital portuguesa, a bordo do vapor “Mi-
nho” da Royal Mail Pacquet Company, esperavam-nos um Casal dos mais venerandos,
ela com porte de Santa e Rainha, ele como Sábio e Guerreiro, que os hospedaram em sua
residência, um mimo de conforto e de riqueza, nas proximidades da Sé Patriarcal.
Aí ficaram durante algum tempo, visitando Lisboa, indo até Sintra, para que o Misté-
rio não ficasse sem o devido efeito...
Porém, a História não podia transcorrer sem os imprevistos que lhe dão forma e a jo-
vem Helena sucumbiu, vítima de um acidente, sob os rodados de uma carruagem puxada
por fogosos jinetes atiçados por adeptos negros que saíram subitamente ao caminho, em
pleno cruzamento da Rua Augusta com outra artéria de Lisboa. De maneira que o carro
assim se fez negro de morte e se tornou o inverso do Carro Branco ou MERKABAH,
e em Lisboa, a BOA-LIZ, é temporariamente triunfante a liz sinistra falaciosa mais que
quebrada dos BOURBONS, ou antes, de quantos postulam a BABILÓNICA anarquia em
desfavor da SINARQUIA, esta valendo por CONCÓRDIA UNIVERSAL.

117
VITOR MANUEL ADRIÃO

Henrique e Helena que


vêm para Lisboa a fim de se
recolherem dos mundanos e
profanos olhares, ficam, assim,
temporariamente separados,
eles que, para todos os efeitos,
são os Gémeos Espirituais da
Opera Dei, isto é, a Obra Divi-
S. Lourenço de Goa, Índia na que é TEURGIA.
De imediato, o corpo prostrado inerte foi recolhido por mãos carinhosas e amigas
e levado, em meio a grande Maya-Vada ou “ilusão dos sentidos” do povo vulgar então
enchendo as artérias, pois o dia ia a pouco mais de metade, dizia, levado para um re-
canto da Sé Patriarcal onde recebeu os primeiros e urgentíssimos socorros, e em segui-
da «levado para outras paragens, do outro lado do Mundo», como explicaria depois,
sem nada explicar, o venerando Casal Barões Henrique e Helena da Silva Neves ao des-
consolado Henrique, desconhecendo a sorte e o destino da sua amada por quem abando-
nara o lar em São Salvador, deixando os entes queridos na maior das aflições, principal-
mente sua mãe, a desconsolada D. Amélia Eliza Guerra!...
Abreviando a narrativa, após o acidente da Rua Augusta, Henrique foi novamente con-
duzido a Sintra, desta feita sem a sua Gémea (Espiritual), e, num recanto gracioso desta
Montanha Sagrada, mergulhado em suas entranhas lapidares sob a custódia de dois por-
tentosos KUMARAS, não sem antes, num Palácio nunca falado até hoje (por mim nunca
falarei dele. Bastou-me a experiência agridoce da “Regaleira”... elevada a poço de disparates
“esotericistas”!), ter assistido a Augusto Ritual do Soberano (sobre todas as Ordens) e No-
bre Instituto dos Cavaleiros Espirituais de MARIZ, conclamando o nascimento previsto
do 5.º Dhyani-Jiva ou Budha em 5 de Julho de 1900. Apadrinharam-no dois dos mais
Insignes Adeptos da Excelsa Loja Branca: o próprio Barão Henrique Álvaro Antunes da
Silva Neves, como Chefe Supremo da Ordem de Mariz, e o nobilíssimo Gabriel ou Abra-
xis, tutor da jovem Helena em Goa, ao qual H. P. Blavatsky e H. S. Olcott chamaram de
“Adepto de Pondcherri”.
Sempre acompanhado dos Silva Neves e de restante comitiva de Adep-
tos, Henrique rumou ao Egipto e daí ao Norte da Índia, onde em Leh, próxi-
mo a Srinagar, o Excelso Kadir deu-lhe a necessária Iniciação despertadora
de sua Consciência para a Missão futura que teria a desempenhar na Terra.
Entretanto, Helena reencarna como se fosse um “segundo tomo” da primeira, nascendo em
13 de Agosto de 1906 no Brasil, em Pontalete (MG), filha do português João Augusto das
Neves Ferreira e da espanhola Agostinha Castaño (sempre protegida por seu irmão mais

118
A ORDEM DE MARIZ — PORTUGAL E O FUTURO

velho, António Castaño Ferreira, e todos eles protegidos directos da família do Professor
Henrique J. Souza), e durante mais de 50 anos acompanhou o seu Companheiro e Mestre
na Faina Avatárica de semeadura e colheita... Muito pouco antes de falecer, à 1. 14 h de 31
de Julho de 2000, o último Português de SINTRA com quem Ela falou, fui... EU! Acaso?
Duvido, e muito, por razões jamais podendo ser dadas a público. Por fim, em meados de
1900, Henrique regressou à casa paterna, com o seu destino definitivamente traçado para
os mais altos e decisivos eventos a favor da Evolução da Humanidade.
Em L.isboa Y S.intra a ESCOLA e o TEATRO se haviam transformado em TEM-
PLO... por ser nesta plaga que Henrique tomou contacto, pela primeira vez na vida, com o
Tabernáculo dos Deuses, e ter sido aqui o ponto alpha ou inicial a tornar-se Manu ou EL
RIKE (ALLAH-RISHI ou MAHA-GURU...), o Supremo Dirigente desta MISSÃO Y ou
dos SETE RAIOS DE LUZ.
Por tudo isso, e muito mais ainda, depois sempre que lhe falavam de Portugal o seu
rosto osculado por sorriso diáfano enchia-se da Luz do Espírito Santo, e não se cansava
de repetir: «Tudo na minha vida e na nossa Obra está ligado a Portugal! Tudo quanto
acontece lá, repercute aqui. E tudo quanto sucede aqui, tine lá...»
Sempre atento ao que acontecia no seu
«querido Portugal, Berço de minha iniciá-
tica Adopção», recordo o momento em que
alguns condiscípulos portugueses de seu
Pensamento Avatárico firmaram, pela pri-
meira vez nos idos finais dos anos 50 do sé-
culo passado, a Obra na velhinha Lusitânia.
No momento exacto da firmação, no Templo
de Maitreya em São Lourenço de Minas Ge-
rais, no coração do Brasil, JHS bateu por três JHS com o Báculo de Mando da Obra Divina.
Note-se a Luz que resplandece no mesmo, um pouco
vezes com o Bastão de Mando no ladrilho, abaixo do Chakra Raiz, onde vive Kundalini,
repetindo jubiloso a cada vez, ante o pasmo como Serpentário Fogo Criador do Espírito Santo
geral dos presentes ignorantes do que acon- — Siva ou Avis. (Arquivo C.T.P.)

tecia a milhares de quilómetros dali: «ELES CONSEGUIRAM»!


Após isso, na Carta-Credencial remetida a esses mesmos condiscípulos portugueses,
em ano em que o SOL SE TORNOU AZUL, fenómeno que foi observado da cidade do
PORTO e doutros pontos do País, o Venerável Mestre felicitou-os com raro requinte e
sabedoria, assinando no final com inigualável prova de humildade: «Um vosso humilde
Servidor, JHS.»
Referente ao mesmo assunto, encontro e respigo de uma antiga Carta-Revelação (São
Lourenço, 16.2.1963) de JHS, levando de título Arcano XVI — A Revolta no Trono,

119
VITOR MANUEL ADRIÃO

Antiga Casa de Deus, o seguinte: «Mas veio uma Grande Vitória da Obra, para nos comu-
nicarmos com o Glorioso Portugal. Nas fileiras da Obra, muitos prestaram solene Ju-
ramento e o atraiçoaram. Em Portugal, mesmo com um governo ditatorial, há homens
que prestam Juramento sem lhes pedirmos, porque são dignos de nossa Obra. Possuem
carácter, que é a Alma. E Espiritualidade, como o próprio nome o diz. Sim, VIVA POR-
TUGAL! VIVA O BRASIL!»
Volvendo ao fenómeno do “Sol Azul”, ou quando o Astro-Rei apareceu “todo azul” de
27 para 28 de Setembro de 1950, o nosso Venerável Mestre JHS comentou então:
«Enquanto isso — o SOL se apresenta AZUL, com a sua própria e verdadeira cor,
para fazer jus ao SEGUNDO TRONO, em PORTUGAL, isto é, como a data que hoje se
comemora, ou SERRA DE SINTRA. O fenómeno se deu de 27 para 28. Confere...
«Causalidade interessante: o centenário e meio da OBRA, ligado à SERRA DE SIN-
TRA, além do fenómeno do SOL AZUL, o da solenidade ter sido realizada no Liceu
Literário Português. NADA acontece na Obra que não tenha qualquer ligação com
Portugal. Até o Salão onde eu cortei os meus cabelos, quando ainda criança, chamava-se
“SALÃO PORTUGAL”...»
Reduzindo os números da própria data desse fenómeno celeste, extrai-se o 19 do Arcano
dos GÉMEOS ESPIRITUAIS, O Sol, e fazendo socorro da Cosmogénese de AKBEL o Sol
Azul é o Quinto Tatva ou quinto “elemento subtil da matéria” — Akasha, o “Éter” como
QUINTESSÊNCIA promanada do 2.º Trono projectado como Mãe Divina ALLAMIRAH,
o “Olhar Celeste” — e que nesse dia cobriu a Terra inteira, a partir de SINTRA, interpondo a
sua presença ao Sol Real do Sistema Solar que,bem se sabe e vê,é dourado de laivos alaranjados.
E à Quintessência se juntou, nesse dia, a Primessência de Júpiter... MÃE e PAI, ALEPH
e PITHIS... acalentando no seio vitriólico da Lusitânia o
FILHO, XADU, que é tanto um Movimento como o seu
Dirigente.
Finalmente, às 2. 45 h de 9 de Setembro de 1963, na
Clínica S. Lucas, em S. Paulo, JHS morre fisicamente, e
às 3 horas ressuscita espiritualmente, faz o seu avatara no
“Senhor das Sete Montanhas Sagradas”, RABI-MUNI,
na Montanha MOREB de S. Lourenço, e assim segue en-
trando pela Embocadura do Monte Santo ARARAT, no
Roncador, e por via de ARAKUNDA desce à 7.ª Cidade
de Agharta onde é recebido efusivamente aos acordes em-
polgantes do Ladack Sherim... Sim, “EL-RIKE SURYAJ
Embocadura do Roncador,
Mato Grosso. (Arquivo C.T.P.)
ONIM”.

120
A ORDEM DE MARIZ — PORTUGAL E O FUTURO

Dessa data para cá, a Obra dos Deuses sofreu vários revezes em Portugal, teve “al-
tos e baixos”. A natureza pisciana, fatalista e desconfiada, ou então o oposto, como seja
exclusivista e fanática, de vários membros do Colégio cujo Fundador exclusivo foi Hen-
rique José de Souza, empobreceu grandemente esta Missão Avatárica (posso dizer assim
sem fugir à verdade, que vivi de perto) em Portugal (e também no Brasil...), e só não foi
destruída em seus alicerces ou projecto inicial por ter surgido, entretanto, nos finais dos
anos 70 da centúria findada a COMUNIDADE TEÚRGICA PORTUGUESA, de imediato
retomando o Projecto Avatárico de JHS para PORTUGAL. Para que houvesse uma reto-
mada efectiva, oficial, das ligações entre o nosso País e o Brasil, tomei a iniciativa pessoal e
por motivo exclusivamente «político», ainda assim e, obviamente, fraternal, de estabelecer
ligações com o Monastério Teúrgico do Roncador, dirigido pelo senhor Udo Oscar Luck-
ner, sueco domiciliado em Barra do Garças (MT), coevo do Professor Henrique José de
Souza. Passados poucos anos e por ser testemunha viva dos ideais desse senhor estarem
muito distanciados do Ideal de JHS, encetei o rompimento de todas as ligações ao mesmo.
Contudo, sendo eu Comendador pela Academia Brasileira, servi-me da minha autoridade
para firmar mais ainda, o que perdura até hoje, os laços espirituais de SINTRA para S.
LOURENÇO — ITAPARICA — XAVANTINA.
Dito isso, deve também dizer-se que desde a primeira hora a C.T.P. está aberta ao
convívio franco e fraternal com as suas congéneres e mais instituições (eubióticas, teo-
sóficas, rosacrucianas, maçónicas, católicas, hindus, islâmicas, etc.) que zelem pela FRA-
TERNIDADE HUMANA, a favor da Concórdia e da Paz na Terra.
Igualmente, desde a primeira hora, que é política da C.T.P. alhear-se de todas e quais-
quer querelas, pejorações, imoralidades, fanatismos e tudo o mais que seja a desfavor da
dignidade social e espiritual do Homem.
A cada ano que passa, tal como no Brasil também em Portugal em todas as lunações
são efectuadas cerimónias de cariz Templário, destinadas a ampliar a LUZ e a fixar o TRO-
NO de DEUS no Céu e na Terra.
Conforme os registros internos da C.T.P., esta realiza anualmente uma média de
80/100 Rituais, ora no seu Templo AKDORGE, ora junto a alguma das 8 Embocaduras
de SINTRA, de acordo com os 7 Planetas e mais o Sol Central, ora em outros espaços do
País e da Europa, conforme as necessidades exijam.
A ORDEM DO SANTO GRAAL, em Sintra, é a Ala Interna, Templária, de uma
outra, de característica Maçónica ou Tributária, que lhe serve de “Escudo Defensivo”:
A ORDEM DE KURAT. Esta toma o nome jina ou atlante de Sintra, Kurat, antes, KU-
RAT-AVARAT, a “Medida Perpendicular ao Sol” (Purpurino), o que se ajusta à palavra
cabalística METRATON, isto é, METRA (“Medida”) e ATON (“Sol”). O equivalente

121
VITOR MANUEL ADRIÃO

brasileiro desta última, é a ORDEM DO ARARAT. É dela que saem os ingressantes da


ORDEM DO SANTO GRAAL que, a bem dizer e face ao futuro imediato do Mundo, é o
GRANDE-OCIDENTE IBERO-AMERÍNDIO.
As Ordens Templária — Tri-
butária são GÉMEAS, tais quais os
LUZEIROS que as assistem, mes-
mo que cada uma possua o atributo
e tónica própria da Força Cósmica
que vassala: para os Templários está
o Fogo Frio Celeste (Electricidade
Cósmica), FOHAT, e para os Tri-
butários o Fogo Quente Terrestre
(Electromagnetismo Planetário),
Templo de S. Lourenço (Arquivo C.T.P.) KUNDALINI. Até mesmo porque,
filologicamente, se Kurat também leva a tradução de “Guardião”, dentre outros significa-
dos, Kundalini é então exactamente a Guardiã de Fohat, “o Progenitor de sua Filha”.
Para o Templário equilibrar os dois Fogos Universais necessita de PRANA, de ma-
neira a realizar harmonicamente em si e na Natureza a “Boda Ígnea” ou “Núpcia Místi-
ca, Filosofal” do PAI (Cabeça) com a MÃE (Ventre), dos quais ele é o FILHO (Tórax).
Precisamente o Prana ou “Alento Vital” é-lhe insuflado cardiacamente, preenchendo-o de
AMOR. Sem este, o Amor Verdadeiro e Único (pois que o outro carnal é paixão...) estará
em desarmonia consigo, com o próximo, com o Universo...
Tal como as referidas Ordens veiculam a Luz Celeste ver-
de-esmeralda e a Força Terrestre vermelha viva, igualmente no
Passado a cor vermelha esteve para a Ordem do Templo e a ver-
de para a de Avis, precisamente por então serem as legítimas
Guardiãs Representativas da Augusta e Soberana ORDEM DE
MARIZ, cuja fita e flâmula, nunca é de mais repetir, são exactamente verde-vermelho,
debruados a ouro, e que por causalidade vieram a dar nas cores da Bandeira Nacional.
Sobre isso, o Professor Henrique José de Souza teve ocasião de dizer na mesma
Carta-Revelação atrás citada, numa dicotomia aparentemente contraditória: «A Ordem
de Mariz não se dissolveu, e sim, bifurcou-se exotericamente nas de Avis (fita verde)
e de Cristo (fita vermelha), essas que eram as suas duas cores. E hoje unidas figuram
na Bandeira de Portugal. A Ordem de Mariz não existe mais. Por isso mesmo não
pode nem deve ser reorganizada, pois todo o Movimento Esotérico obedece a determi-
nado Ciclo».

122
A ORDEM DE MARIZ — PORTUGAL E O FUTURO

“A Ordem de Mariz não


existe mais”... em actividade
franca ou aberta na face da
Terra. Está cerrada para o sé-
culo ou ciclo profano. Era isso
que o Professor queria dizer,
pois que, repito, «não dava
nada de bandeja» e logo es- Selo, símbolo e estojo com a faixa respectiva enviados ao Prof. HJS
pela Soberana Ordem de Mariz. (Arquivo C.T.P.)
crevia por criptogramas, para
que o discípulo decifrasse e se tornasse, finalmente, um Iluminado. Como essa, milha-
res de frases espalhadas por todos os seus Livros de Revelações são verdadeiras mayas e
métodos de Verdadeira Iniciação Mental, logo, Espiritual. Raros as dobram, perpassam,
vencem definitivamente!...
Será talvez, ou decerto, essa a razão de se ver hoje alguns, espumando e uivando
como histéricos tomados de epilepsia, dizerem e escreverem coisas como estas: «Onde
porém estão, nos tempos de hoje, os membros de Mariz? Temos elementos para afirmar,
ao contrário de algumas fantasias que podemos encontrar sobretudo na lavra esotérica
portuguesa, que já não é possível encontrar fisicamente qualquer dos seus nobres con-
frades, pelo menos na sua forma humana, posto que a Ordem, como referimos, cessou a
sua acção junto da Humanidade. Este é um ponto importante e definitivo». Será?... Será
que os Adeptos Perfeitos de Mariz, 5.ª Rama Esotérica ou 5.ª Secção Interna da Excelsa
Fraternidade Branca, antes de cessarem a sua acção externa nos meados do século XX,
costumavam andar pelas ruas e tabernas de estola e faixa a mostrarem-se a todos como
Marizes “de gema”, mas depois terem ganho vergonha e tornarem-se mais recatados?!
Será que os adeptos nunca se escudaram até hoje — em que escrevo tudo isto (até há
pouco impensável) por conselho de um deles — no recato e sigilo, preferindo que se os ig-
nore e até desminta a sua existência a serem perturbados e misturados nos humanos e pro-
fanos “negócios”?! Será que quem faz afirmações dessas terá, realmente, alguma experiência,
não a intelectual de “papagaio” mas a prática, a vivida junto ao Mundo dos Adeptos Per-
feitos, cujos conceitos amiúde embatem nos nossos preconceitos?! Duvido... e muitíssimo.
Contudo, ao longo do século XX encontram-se nomes insignes de Preclaros Mari-
zes, já para não falar de alguns que brilharam no século XIX, como Guerra Junqueiro e
Giulliano de Lorenzo. Posso citar os nomes ilustres dos Barões Henrique e Helena da
Silva Neves, de António Augusto de Carvalho Monteiro, de Sampaio Bruno, de Adelino
Martins de Abreu, de Mr. Ralph Moore e Mr. Albert Jefferson Moore, dentre outros raros
mas de nomeada. Posso garantir sob juramento solene ao respeitável leitor que nenhum

123
VITOR MANUEL ADRIÃO

deles andou pregando que “era isto ou aquilo”, não, antes deixaram o sinal de sua filiação
esotérica nas obras de suas vidas.
O mais que se pode dizer em relação a qualquer Confraternidade Jina que tenha
tido acção externa no Mundo (tanto social e política, como filosófica e religiosa, e mes-
mo científica e universitária), mesmo assim mantendo todas as cautelas e reservas face ao
imediatismo social, e depois a cessado, é que interiorizou essa sua influência, passando
a exercê-la de maneira mais discreta, interna, mas CONTINUANDO A EXERCÊ-LA!
Assim acontece, hoje mesmo, com os RosaCruzes de El Moro, com os Traixus-Marutas
de Srinagar, com os Malteses de Sidney, etc., que por estarem interiorizados, não deixam
de estar activos.
Hoje mesmo, nesta Obra do Eterno iniciada em Portugal por JHS, ela tem por apoio
e protecção velada mas atenta os Irmãos Maiores de Mariz (se assim não fosse, Sintra e
Portugal já há muito teriam desaparecido...), aliás, os quais sempre estiveram por detrás
dos destinos Lusitanos e, inclusive, Brasileiros...
Cabe, pois, aos do 5.º Posto Representativo Português desfrutarem e canalizarem das
Energias do QUINTO UNIVERSO encaminhando a Mónada Ibero-Europeia para o Ci-
clo de 10 000 anos de Maitreya, pequena Satya-Yuga ou “Idade de Ouro” a ter início já às
15 horas de 28 de Setembro de 2005.
O espaço dimensional da TEURGIA é interpenetrado pelas Energias provindas tanto
do Segundo Trono Celeste como do Seio da Terra ou Terceiro Trono Terrestre, em que
os MATRAS-DEVAS de lisos cabelos louros e asas brancas, assim como os MANASA-
PUTRAS de crespos cabelos ruivos e asas vermelhas, se encontram no espaço demarcado
pelo espatário GÉNIO ou JINA armado do MUNINDRA cuja obra primaz é, sobretudo,
integrar-se ao seu MAKARA, à sua Consciência Superior.
Para que seja humanamente possível penetrar tais e subtis dimensões, o nosso Venerá-
vel Mestre JHS, como Avatara da Obra Divina, deixou aos seus discípulos ensinamentos
relativos ao Futuro, a fim de adquirirem estados de consciência cada vez mais amplos.
Ele visou ajustar o estado de consciência humana à tónica do Novo Ciclo. Simulta-
neamente, pôs à disposição dos discípulos determinados ensinamentos especiais, de modo
a permitir a harmonização e integração dos veículos inferiores da personalidade aos su-
periores da Individualidade, e portanto se tornem Iguais ao Mestre, ou melhor, se tornem
Unos com o Mestre, de volta à unidade de Si mesmos, num perfeito

AT NIAT NIATAT
(O UM NO TODO E O TODO NO UM ou UM POR TODOS E TODOS POR UM)!

124
A ORDEM DE MARIZ — PORTUGAL E O FUTURO

Esses recursos constituem-se, em seu con-


junto, de mantrans, yogas, mentalizações, es-
truturação de formas-pensamento, afirmações,
hinos, exercícios respiratórios, etc.
Toda essa técnica, no entanto, serve como
apoio ao Trabalho Evolutivo ou Missão pro-
posta pelo Avatara aos seus discípulos, que no
Presente é a de preparar e firmar a Nova Era de
Exemplo de estruturação mental da Flor-de-Lis Promissão, com o Advento do Avatara Síntese
— MAITREYA, o BUDHA MERCÚRIO por
que haverá de reger a Nova Raça Mercuriana substituta da actual Venusiana, ou seja, esta
última sob a influência Mental de Vénus e aquela sob a Intuicional de Mercúrio.
Para Ele, Supremo Instrutor Mundial de Homens e de Anjos, trabalhou toda a
sua vida Henrique José de Souza, e para Ele trabalham, sob a direcção Mental ou o
Ensinamento deixado pelo segundo, os Teúrgicos de Kurat, sabendo-O CRISTO DE
AKUÁRIUS à dianteira das Hostes de AKBEL no Céu do Segundo Logos.
Fazendo recurso à Lei da Economia, a Ritualística Teúrgica faz do discípulo um
Adepto futuro, um verdadeiro Homem do Amanhã ao transformar-se hoje, paulatina-
mente, num Ser Crístico, ficando assim apto ao reconhecimento pelo seu CRISTO IN-
TERNO do CRISTO UNIVERSAL, a advir... quando? Só Ele sabe. Mas que há-de vir...
O Avatara Síntese (de todos os outros Avataras de VISHNU já vindos sobre a
Terra), ao que diz a Tradição Iniciática, tanto será um Dirigente quanto um Movimento
por Ele dirigido — certamente a própria IGREJA UNIVERSAL DE MELKI-TSEDEK,
outro nome para a Excelsa Fraternidade Branca. À medida que se acerca da Face da
Terra, esta se torna menos negativa e mais positiva quanto mais próxima é a Sua Pre-
sença. O Seu Advento será anunciado, pouco antes, por um arco-íris que cercará todo
o Globo, como já cerceia a Obra Divina dos Filhos e Filhas de AKBEL e ALLAMIRAH.
Em resumo, tudo isso (e muitíssimo mais irrevelável...) constitui-se no Trabalho da
COMUNIDADE TEÚRGICA PORTUGUESA — ORDEM DO SANTO GRAAL, sem
invenções sobre engendrações, sem fantasias e delírios, sem animismos doentios ou cul-
tos retrógrados, antes, conforme o FUNDADOR ÚNICO das mesmas (HENRIQUE
JOSÉ DE SOUZA, mas a primeira com o sentido de SOCIEDADE TEOSÓFICA BRASI-
LEIRA, a que hoje dá continuidade a C.T.P.), acompanhando os passos da Humana Evo-
lução dentro da Ciência Iniciática que lhe é afim, oriundas das Revelações de MELKI-
TSEDEK cujo Culto é dos mais secretos do Mundo, ou melhor, dos mais inacessíveis a
vulgares e profanos.

125
VITOR MANUEL ADRIÃO

Firmando-se na Montanha Sagrada de Sintra, que vai bem com a ERA DO ESPÍRITO
SANTO (já iniciada...), a TEURGIA vincula-se, por sua presença física e por sua deter-
minação espiritual, ao Templo do CRISTO UNIVERSAL vibrando em seu seio mesmo.
Lugar esse donde promanam a toda a Terra, especialmente a Europa, as excelsas vibrações
da Sabedoria Divina na forma de chamas crepitantes desse “Lar” ou “Lareira do Graal” de
quem esta Pátria abençoada é Porto. Fogo Sagrado, sim, mas que não queima ou destrói,
antes vivifica e anima as mentes e os corações de quantos por Ele forem tocados, isto é,
abrasados, iluminados.
No mais, não há como lembrar aqui as palavras de JHS, tantas vezes por Ele repe-
tidas: TRANSFORMAÇÃO! SUPERAÇÃO! METÁSTASE! A Transformação dos Acon-
tecimentos. A Superação do Ciclo. A Metástase Avatárica.

BIJÃ

126