Você está na página 1de 7

BOLETIM OFICIAL - PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARULHOS Nº 088/2006-GP DE 17/11/006.

DECRETOS
Em, 13 de novembro de 2006.
DECRETO Nº 24052
Regulamenta a instalação de anúncios de publicidade nos termos do artigo 168 da Lei nº 6.046, de 5/11/2004,
e do Capítulo XI do Título V da Lei nº 3.573, de 3/1/1990.
O Prefeito do Município de Guarulhos, ELÓI PIETÁ no uso das atribuições que lhe são conferidas pelos incisos
VI e XIV do artigo 63 da Lei Orgânica do Município de Guarulhos, e ainda,
considerando que a ordenação de anúncios no território do Município de Guarulhos é disciplinada pelo disposto no
Capítulo XI do Título V da Lei Municipal nº 3.573, de 3 de janeiro de 1990;
considerando que as normas referentes às publicidades e anúncios dependerão de prévio licenciamento da
Prefeitura mediante Decreto do Executivo, conforme dispõe o parágrafo único do artigo 168 da Lei Municipal nº
6.046, de 5 de novembro de 2004; e
considerando o que consta do processo nº 19.658/2004,
DECRETA:
CAPÍTULO I
Das Disposições Preliminares
Art. 1º A ordenação e o licenciamento de anúncios de publicidade no Município de Guarulhos ficam disciplinados
e regulamentados por este Decreto, com os seguintes objetivos:
I - organizar, controlar e orientar o uso de mensagem visual de publicidade de qualquer natureza, respeitando o
interesse coletivo, as necessidades de conforto ambiental e as prerrogativas individuais;
II - contribuir para o bem-estar da população;
III - garantir a segurança das edificações;
IV - garantir as condições de fluidez e de segurança de veículos e de pedestres.
Art. 2º Fica instituído o Cadastro de Anúncios - CADAN para registro e controle dos anúncios.
CAPÍTULO II
Das Definições e Tipologias
Art. 3º Considera-se anúncio toda mensagem presente na paisagem urbana, visível dos logradouros e dos locais
expostos ao público, que tem a finalidade de comunicar e/ou promover estabelecimentos comerciais e industriais,
produtos e serviços de qualquer espécie, idéias, pessoas ou coisas, por meio de palavras, imagens, recursos
audiovisuais e efeitos luminosos.
Parágrafo único. O anúncio, quanto ao tipo de mensagem, classifica-se em:
I - indicativo: identifica o próprio local da atividade, estabelecimentos e/ou profissionais que dele fazem uso,
podendo, também, identificar empresas fornecedoras, colaboradoras ou patrocinadoras das atividades desenvolvidas
no local através de logomarca e referência, desde que não ultrapasse um terço da área total do anúncio;
II - publicitário: divulga a atividade, o estabelecimento e/ou profissionais em local distinto do imóvel onde se
exerce a atividade;
III - institucional: transmite informações de organismos culturais, entidades representativas da sociedade civil,
entidades beneficentes e similares, sem finalidade comercial;
IV - orientador: transmite mensagens de orientação, tais como: nomes de logradouros, tráfego, aviso de alerta ou
similares;
V - anúncio misto: transmite mais de um tipo de mensagem.
Art. 4º Excluem-se do previsto no artigo anterior:
I - denominações de prédios e condomínios, tais como: nomes, símbolos, entalhes, relevos, logotipos incorporados
à fachada por meio de aberturas ou gravados nas paredes;
II - logotipos de postos de abastecimento e serviços quando veiculados nos equipamentos próprios do mobiliário
obrigatório, como bombas, densímetros e similares;
III - referências que indiquem lotação, capacidade, entrada e saída, sanitários, estacionamentos gratuitos e as que
recomendem cautela ou indiquem perigo, desde que, sem qualquer legenda, dístico ou desenho de valor publicitário;
IV - comunicação institucional;
V - placas referentes a informações do licenciamento de obra;
VI - outros anúncios de campanhas institucionais promovidas e divulgadas pela Prefeitura de Guarulhos e por
outros entes da administração pública direta e indireta.
Art. 5º Submete-se às normas deste Decreto o anúncio de publicidade instalado nas faixas de domínio pertencentes
à rede de infra-estrutura, rodovias, vias, faixas de servidão de rede de transporte, de transmissão de energia elétrica,
de oleoduto, gasoduto e similares, desde que, previamente autorizado pelos órgãos competentes.
Art. 6º Para aplicação deste Decreto ficam estabelecidas as seguintes definições:
I - altura mínima (Hmin): é a distância vertical entre o ponto mais baixo do anúncio e o ponto mais alto do passeio
público imediatamente abaixo do anúncio;
II - altura máxima (Hmax): é a distância vertical entre o ponto mais alto do anúncio e o ponto mais alto do passeio
público imediatamente abaixo do anúncio;
III - altura da edificação (Hed): é a distância vertical entre o topo da cobertura da edificação e o ponto mais alto do
passeio público;
IV - distância entre anúncios (D): é a medida entre as extremidades laterais de dois anúncios situados no mesmo
lado do logradouro;
V - área livre do imóvel edificado: é a área existente entre a edificação e qualquer divisa do imóvel;
VI - área total de um anúncio: é a soma de todas as superfícies de exposição, expressa em metros quadrados,
incluindo-se os requadros que o limitam;
VII - superfície de exposição do anúncio: é a figura geométrica plana que compõe cada face do mesmo;
VIII - empena cega: é a face externa da edificação que não apresenta aberturas destinadas à iluminação, ventilação
e insolação;
IX - fachada: é qualquer face externa de uma edificação, com exceção da empena cega;
X - cobertura de edificação: é toda área situada acima do último andar;
XI - espessura: é a distância entre as faces anterior e posterior de um anúncio;
XII - avanço: é a distância entre a face posterior do anúncio e a fachada da edificação utilizada;
XIII - quota: é o coeficiente que multiplicado pela testada do imóvel possibilita obter a área máxima de anúncio
permitida no imóvel, expressa em metros quadrados.
§ 1º Quando não for possível determinar a área do anúncio, considerar-se-á como superfície de exposição a do
maior quadrilátero.
§ 2º A quota a que se refere o inciso XIII deste artigo será de 2,5m (dois metros e cinqüenta centímetros), podendo
ser alterada nos casos específicos definidos por este Decreto.
§ 3º Nos casos de imóveis de esquina, para efeito de cálculo da quota mencionada no inciso XIII, será utilizada a
testada onde se encontrar a entrada principal do estabelecimento.
Art. 7º O anúncio será enquadrado de acordo com suas características:
I - Simples, quando:
a) apresentar área total de anúncio igual ou inferior a cinco metros quadrados;
b) a altura máxima for igual ou inferior a quatro metros;
c) estiver desprovido de dispositivos mecânicos e/ou elétricos, como partes integrantes de sua estrutura;
d) não se encontrar instalado em empena cega ou em cobertura de edificação;
e) executados na forma de pintura em fachadas, muros e caixas d’água.
II - Complexo, quando não se enquadrar nos dispositivos previstos no inciso anterior.
CAPÍTULO III
Dos Locais de Instalação
SEÇÃO I
Na Fachada
Art. 8º O anúncio quando instalado na fachada não poderá incidir sobre a área de exposição de outro anúncio, bem
como, ultrapassar a menor dimensão entre um metro e dois terços do passeio público, e ainda:
I - se paralelo à edificação deverá ter:
a) altura mínima de dois metros e vinte centímetros;
b) altura máxima de nove metros, respeitando a altura da edificação;
c) espessura máxima de trinta centímetros.
II - se perpendicular à edificação deverá ter:
a) altura mínima de dois metros e oitenta centímetros;
b) altura máxima de nove metros, respeitando a altura da edificação;
c) espessura máxima de trinta centímetros.
III - se o imóvel possuir recuo frontal, utilizar-se-á de um avanço máximo de dois metros.
§ 1º Quando o anúncio for único por fachada poderá ultrapassar a altura máxima de nove metros, respeitando a
altura da edificação e demais restrições estabelecidas neste Decreto.
§ 2º Quando o anúncio for complexo e paralelo poderá ultrapassar, no máximo, em um metro a altura da edificação
e em dez por cento de ocupação linear em relação à extensão da fachada que será utilizada.
§ 3º Não será permitido anúncio em marquises, saliências ou recobrimentos de fachada que avancem o
alinhamento, mesmo constantes de projeto aprovado ou regularizado.
Art. 9º O anúncio paralelo na forma de letras aplicadas à fachada deverá apresentar letras com altura de, no
máximo, um metro e cinqüenta centímetros e espessura máxima de trinta centímetros.
Parágrafo único. A instalação desse anúncio nos locais constantes nos Anexos I, II e III deste Decreto, as letras
deverão ter altura máxima de um metro e a área total de três metros quadrados.
SEÇÃO II
Na Cobertura
Art. 10. Nas coberturas de edificações comerciais, industriais, de serviços e mistas, o anúncio poderá ser instalado
atendendo as seguintes condições:
I - ter a projeção da estrutura e painel contidos nos limites do perímetro da cobertura e no alinhamento da
edificação;
II - não interferir em helipontos, heliportos, lajes de segurança ou raio de ação de pára-raios;
III - respeitar os recuos mínimos estabelecidos na legislação que trata sobre o uso e ocupação do solo;
IV - a edificação possuir altura mínima de quinze metros;
V - ter uma altura máxima de um quarto da altura da edificação, não ultrapassando a dez metros;
VI - ter apenas um anúncio por extremidade da cobertura;
VII -não apresentar estrutura de madeira.
Parágrafo único. A área de anúncio na cobertura da edificação não será computada na área máxima permitida para
a instalação de anúncios, obtida através da quota do imóvel.
SEÇÃO III
Na Empena Cega
Art. 11. A instalação de anúncio na empena cega deverá:
I - ter altura mínima de seis metros;
II - ter espessura máxima de trinta centímetros respeitando os limites da edificação;
III - ter sua superfície contida nos limites da empena cega;
IV - ocupar, no máximo, setenta por cento da área total da empena em que estiver instalado.
§ 1º Quando da instalação e/ou da retirada do anúncio, a empena cega deverá ser totalmente recuperada.
§ 2º A área de anúncio em empena cega não será computada na área máxima permitida para a instalação de
anúncios, obtida através da quota do imóvel.
§ 3º O anúncio tratado no caput somente será instalado em edificações sem anúncio na cobertura, quando estes
estiverem no mesmo plano visual.
SEÇÃO IV
Nos Toldos
Art. 12. Os anúncios em toldos poderão ser instalados na cobertura e/ou na franja com largura máxima de trinta
centímetros.
Art. 13. Os anúncios em toldos nas áreas definidas pelo Anexo III - Centros Históricos, somente serão permitidos
em estabelecimentos localizados defronte às praças e largos.
SEÇÃO V
Nas Áreas Livres
Art. 14. O anúncio instalado em áreas livres deverá:
I - ter a projeção da estrutura e painel contidos nos limites da área do imóvel;
II - manter distância mínima de um metro de outro anúncio quando se encontrar paralelo à testada do imóvel;
III - ter área total máxima de quarenta metros quadrados por face de exposição;
IV - ter altura máxima de quinze metros.
Parágrafo único. O anúncio tratado neste artigo não poderá ser instalado em sobreposição a outro anúncio.
Art. 15. Os outdoors e totens publicitários deverão observar as seguintes disposições:
I - ser instalados somente em grupamentos de, no máximo, três anúncios por face, mantendo-se uma distância entre
si de, no mínimo, um metro;
II - a distância entre os grupamentos deverá ser de, no mínimo, trinta metros, admitido-se apenas um grupamento
por imóvel de esquina;
III - quando instalados nas confluências de vias públicas, dentro dos limites do imóvel, deverão obedecer a altura
mínima de quatro metros e cinqüenta centímetros, permitindo a visibilidade aos sinais de trânsito.
SEÇÃO VI
Nos Centros Comerciais, Empresariais e Prestadores de Serviços
Art. 16. O anúncio destinado a centros comerciais, empresariais e prestadores de serviços com área superior a três
mil metros quadrados, deverá:
I - ter a altura máxima de vinte e cinco metros se instalado na área livre do imóvel;
II - respeitar a altura da edificação e a quota de quatro metros se instalado na fachada, ficando, neste caso,
dispensado de atendimento da altura máxima;
III - ter área máxima total de setenta e cinco metros quadrados por face de exposição.
Parágrafo único. A instalação de anúncios nas áreas de circulação interna obedecerá as regras deste Decreto, no
que couber, ficando dispensada do atendimento do cálculo máximo da cota.
SEÇÃO VII
Das Pinturas em Muros e Fachadas de Edificações
Art. 17. A veiculação de anúncio indicativo em muros e fachadas nas áreas de usos industriais, comerciais e mistos,
somente será permitida desde que:
I - a área utilizada seja de, no máximo, cinqüenta por cento da área total do muro ou dez metros quadrados,
respeitando a menor área, em se tratando de muro delimitando o imóvel;
II - a área utilizada seja de, no máximo, trinta por cento da fachada que delimita o imóvel, respeitando a quota.
Parágrafo único. Nos casos de grafismo artístico somente será permitida a veiculação do nome e do telefone do
estabelecimento, desde que, esta não exceda a dez por cento da área total grafitada.
SEÇÃO VIII
Nos Postes Toponímicos e no Mobiliário Urbano
Art. 18. A exploração de anúncio em poste toponímico e em mobiliário urbano deverá obedecer a padronização
adotada e/ou aprovada pelo órgão municipal, bem como ter a sua instalação licenciada em locais previamente
definidos.
SEÇÃO IX
No Espaço Aéreo
Art. 19. Será licenciada a instalação de anúncios na forma de faixas, bandeiras e estandartes no espaço aéreo,
observadas as seguintes disposições:
I - o licenciamento será pelo prazo determinado de trinta dias, podendo ser renovado uma única vez pelo mesmo
período, devendo o requerimento de prorrogação ser protocolado na vigência da licença;
II - a instalação e retirada são de exclusiva responsabilidade do requerente;
III - vencido o prazo de exposição, as faixas, as bandeiras e os estandartes ficarão sujeitos à retirada pelo poder
público, situação que ensejará a aplicação da notificação preliminar e multa ao proprietário ou requerente do anúncio;
IV - as faixas, as bandeiras e os estandartes deverão ter uma largura máxima de oitenta centímetros, instalados a
uma altura mínima de quatro metros e cinqüenta centímetros, confeccionados em material resistente a intempéries e
conter o número da licença impresso, bem como o prazo de exposição;
V - é proibida a instalação nas praças, árvores, em frente a monumentos públicos, edifícios tombados, em locais
que prejudiquem a visibilidade de placas indicativas de vias públicas, sinalização de trânsito e focos semafóricos.
§ 1º Para a mensagem institucional:
I - fica vedado qualquer tipo de publicidade comercial, exceto as de patrocínio que terão espaço, máximo, de dez
por cento da área total;
II - deverá ser fornecido ao órgão municipal, com antecedência mínima de trinta dias, relação contendo os
endereços de instalação para veiculação de campanhas de interesse público.
§ 2º As mensagens quando instaladas em estabelecimento, não residencial, deverão utilizar, no máximo, quarenta
por cento da testada do imóvel.
Art. 20. Será permitida a instalação de anúncios em balão ou inflável, desde que:
I - permaneça exposto pelo prazo máximo de trinta dias;
II - tenha sua projeção, em qualquer situação, contida nos limites do imóvel, não podendo avançar sobre os imóveis
vizinhos nem sobre o logradouro.
SEÇÃO X
Nas Obras de Construção Civil
Art. 21. Serão admitidos anúncios, pintura de logotipo e mensagem publicitária em obras de construção civil, quer
públicas ou particulares, devidamente licenciadas.
Art. 22. Para atendimento ao disposto no artigo anterior, poderá ser instalado anúncio em tapume, devendo o
mesmo apresentar:
I - bom estado de conservação;
II - espessura máxima de até cinco centímetros;
III - altura máxima de seis metros; e
IV - área máxima de cinqüenta por cento da área total.
§ 1º Para efeito do disposto no caput deverá ser observado o cálculo da quota.
§ 2º No caso de mais de um anúncio por tapume observar-se-á a distância mínima de um metro entre eles.
§ 3º Somente serão admitidos anúncios indicativos e publicitários relativos às atividades econômicas a serem
exercidas no próprio local, desde que o uso seja licenciado quando da aprovação do projeto de construção.
Art. 23. Será licenciada a instalação de anúncios do tipo envelopamento da edificação, devendo:
I - a exposição do anúncio não exceder o prazo concedido no licenciamento da obra;
II - preservar a transparência e aeração do material utilizado, sem alterar as características funcionais.
Parágrafo único. Excetua-se do disposto no caput o logotipo e o nome da construtora.
CAPÍTULO IV
Das Áreas Especiais
Art. 24. As áreas consideradas por este Decreto como Especiais, terão tratamento diferenciado no próprio imóvel
e/ou área definida como de interferência para a instalação de anúncios, sendo elas:
I - Bens Tombados, conforme Anexo I;
II - Áreas e Imóveis de Interesse Histórico, Cultural, Arquitetônico e Paisagístico, conforme Anexo II;
III - Centros Históricos, conforme Anexo III;
IV - Centros de Bairro, conforme Anexo IV;
V - Vias Especiais.
Parágrafo único. É expressamente proibida a instalação de anúncios em imóveis que abriguem Bens Tombados.
Art. 25. Os anúncios paralelos em áreas especiais deverão, para assegurar a harmonia entre si e a arquitetura dos
edifícios, alinhar-se entre dois metros e vinte centímetros e seis metros de altura.
Art. 26. Nas Áreas Especiais o anúncio perpendicular à fachada deverá:
I - ter no máximo duas faces laterais de exposição;
II - situar-se entre o pavimento térreo e o primeiro, respeitando a altura mínima de dois metros e oitenta
centímetros;
III - conservar a distância mínima de cinco metros entre os anúncios considerando-se os imóveis vizinhos.
Art. 27. Quando instalado na fachada somente será permitida a instalação de um único anúncio por estabelecimento
comercial ou de serviços.
Art. 28. Nos Centros Históricos, Centros de Bairro e Vias Especiais os estabelecimentos deverão, no máximo, ter:
I - dois anúncios, desde que a testada do imóvel não ultrapasse a dez metros;
II - três anúncios, desde que a testada do imóvel seja igual ou superior a dez metros.
Art. 29. O estabelecimento que possuir recuo frontal poderá instalar um único anúncio na face interna do muro de
fecho, sendo vedado ultrapassar a altura do muro ou a altura máxima de três metros.
Parágrafo único. Para atendimento do caput o anúncio poderá ser do tipo pintura, paralelo e paralelo na forma de
letras aplicadas.
SEÇÃO I
Nos Entornos de Bens Tombados e nas Áreas e Imóveis de
Interesse Histórico, Cultural, Arquitetônico e Paisagístico
Art. 30. As áreas definidas nos incisos I e II do artigo 24 terão uma faixa de vinte metros lineares medidos a partir
dos limites dos imóveis, conforme Anexos I e II, para instalação de anúncios.
Art. 31. Os anúncios perpendiculares dos estabelecimentos situados nessas áreas, além das restrições do artigo 26,
deverão ter:
I - altura máxima de cinco metros, respeitando a altura da edificação;
II - área máxima de três metros e cinqüenta decímetros quadrados por face de exposição.
Art. 32. As diversas atividades econômicas contidas em uma mesma edificação deverão consorciar-se em um único
anúncio, sem prejuízo das demais restrições.
Art. 33. Ficarão sujeitos às normas deste Decreto os bens, áreas e/ou imóveis que vierem a ser tombados ou
considerados de valor histórico, cultural, arquitetônico e paisagístico, conforme indicação do Conselho Consultivo
Municipal do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Arquitetônico e Paisagístico de Guarulhos.
SEÇÃO II
Nos Centros Históricos
Art. 34. Os anúncios a serem instalados em áreas livres deverão respeitar a quota de um metro.
Art. 35. Os anúncios perpendiculares dos estabelecimentos situados em Centros Históricos, além das restrições do
artigo 26 deverão ter:
I - altura máxima de cinco metros, respeitando a altura da edificação;
II - área máxima de cinco metros quadrados por face de exposição.
Art. 36. São proibidos anúncios nas formas de:
I - adesivos em pilares das edificações;
II - pinturas em pilares e vedos transparentes das edificações.
Art. 37. Será permitida a instalação de anúncios na forma de adesivos sobre vedos transparentes das edificações,
desde que, ocupe uma faixa horizontal de, no máximo, vinte centímetros de largura e seja único deste tipo no
estabelecimento.
Art. 38. É expressamente proibida a instalação de anúncio publicitário em imóveis inseridos no perímetro dos
Centros Histórico, edificados ou não.
SEÇÃO III
Nos Centros de Bairro e nas Vias Especiais
Art. 39. Os anúncios a serem instalados nos Centros de Bairro e Vias Especiais deverão respeitar a quota de um
metro e cinqüenta centímetros.
Art. 40. Os anúncios perpendiculares à fachada, além das restrições do artigo 26, deverão ter:
I - altura máxima de cinco metros, respeitando a altura da edificação;
II - área máxima de oito metros quadrados por face de exposição.
Art. 41. Os anúncios quando instalados em áreas livres de imóveis deverão obedecer às restrições estabelecidas nos
artigos 14 e 15, exceto quanto a:
I - altura máxima de dez metros;
II - área total de quarenta metros quadrados.
CAPÍTULO V
Das Normas Gerais
Art. 42. Serão permitidos anúncios de publicidade:
I - em vedos transparentes, na forma de adesivos aplicados, desde que sua altura máxima não ultrapasse a seis
metros;
II - em caixas d’água, desde que:
a) sejam pintados em sua extensão, não podendo ultrapassar a setenta por cento da área total da caixa;
b) sejam de estrutura metálica, desde que respeitada a quota estabelecida.
Art. 43. Os responsáveis pelos painéis, outdoors e totens publicitários, quando da ausência de anunciantes, deverão
manter a área disponível às mensagens coberta por material equivalente ao utilizado para a veiculação do anúncio, em
cor clara.
Art. 44. Fica proibida a instalação de anúncios quando:
I - utilizando dispositivo luminoso prejudicar, por qualquer forma, os ocupantes do local em que estiver instalado
ou das edificações vizinhas e os transeuntes;
II - apresentar conjunto de formas e cores que se confundam com as convencionadas internacionalmente para as
diferentes categorias de sinalização.
Parágrafo único. Fica vedada, ainda, a instalação de anúncios em:
I - bens públicos, sem prévia licença, permissão ou concessão;
II - marquises ou balanços de edificações que avancem o alinhamento;
III - faixas de dez metros de viadutos, pontes, elevados e suas respectivas alças de acesso;
IV - antenas de transmissão e de comunicação.
Art. 45. Para os edifícios concluídos poderá ser concedida licença para anúncios publicitários do tipo
envelopamento, pelo prazo máximo de trinta dias, observado, no que couber, o disposto no artigo 23.
Art. 46. Os anúncios para eventos temporários somente serão licenciados, após o licenciamento do respectivo
evento.
Art. 47. Todos os anúncios deverão respeitar a vegetação arbórea existente, situando-se abaixo ou acima das copas
das árvores.
CAPÍTULO VI
Dos Responsáveis pelo Anúncio
Art. 48. Consideram-se solidariamente responsáveis pela instalação, segurança e remoção do anúncio, o
proprietário, a empresa e/ou profissional legalmente habilitado, bem como o proprietário ou o possuidor do imóvel.
§ 1º Nos casos de responsabilidade exclusiva, consideram-se:
I - o proprietário do anúncio quanto à manutenção;
II - a empresa e/ou profissional legalmente habilitado quanto ao projeto e demais aspectos técnicos inerentes.
§ 2º Considera-se proprietário do anúncio a pessoa física ou jurídica declarada, quando da solicitação da licença de
instalação do anúncio.
Art. 49. Ficará o proprietário do anúncio obrigado a providenciar de imediato outro profissional habilitado ou
empresa, sob pena de cassação da licença, nos casos da substituição da responsabilidade junto ao Conselho Regional
de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREAA ou quando tiverem o registro suspenso.
CAPÍTULO VII
Das Licenças
Art. 50. Nenhum anúncio poderá ser exposto, sem a prévia licença e/ou autorização do poder público municipal.
Art. 51. A licença para instalação de anúncio será concedida pelo prazo de dois anos, podendo ser renovada por
igual período.
Art. 52. Na solicitação de licenças de instalação de anúncios simples são necessários os seguintes documentos:
I - Requerimento para Instalação de Anúncios, conforme modelo estabelecido pelo setor competente;
II - cópia dos dados cadastrais contidos no carnê do Imposto Predial Territorial Urbano - IPTU do imóvel objeto da
instalação;
III - cópia do cadastro nacional de pessoa jurídica - CNPJ ou da inscrição municipal do estabelecimento ou do
cadastro de pessoa física - CPF dos responsáveis pelo anúncio;
IV - descrição e/ou croqui do anúncio, indicando o local de instalação e a mensagem a ser veiculada;
V - termo de responsabilidade pelo estado de conservação do anúncio, assinado pelo proprietário.
Art. 53. Nas solicitações de licenças de instalação de anúncios complexos deverão ser juntados, além dos
documentos solicitados no artigo anterior, os seguintes:
I - Projeto completo do anúncio, com todos os dados necessários à sua compreensão e de acordo com as normas da
Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT (plantas, elevações e escalas adequadas);
II - Atestado de Responsabilidade Técnica quanto à segurança da instalação, fixação e estabilidade, firmado por
profissional legalmente habilitado, acompanhado de cópia da Anotação de Responsabilidade Técnica - ART.
Art. 54. A alteração nas características do anúncio ou a mudança do local de instalação implicará na necessidade de
novo licenciamento e respectivo recolhimento de tributos.
Parágrafo único. Não está sujeito à exigência prevista no caput o anúncio destinado à exibição de mensagens
substituídas periodicamente, desde que não ocorram alterações na estrutura, na forma e na dimensão.
Art. 55. A Prefeitura analisará a documentação apresentada e emitirá um único comunicado, solicitando
informações ou documentos complementares, se for necessário, no prazo de até trinta dias contados a partir da data
do protocolo da solicitação.
§ 1º Caso o comunicado emitido não seja atendido de uma só vez no prazo de até trinta dias, o processo será
indeferido e arquivado, salvo se houver solicitação de prorrogação de prazo para o atendimento.
§ 2º O prazo de prorrogação não poderá exceder a trinta dias e sua solicitação deverá ser protocolada na vigência do
comunicado.
§ 3º O prazo para a solicitação de reconsideração de despacho ou recurso será de trinta dias contados da data do
recebimento do comunicado.
§ 4º Findo o prazo estabelecido no caput e não havendo o indeferimento da solicitação, o interessado poderá
instalar o anúncio desde que, no prazo de quinze dias, comunique à Prefeitura.
§ 5º A instalação prevista no parágrafo anterior não isenta o interessado de atender as demais disposições deste
Decreto, inclusive o recolhimento imediato dos tributos pertinentes, especialmente a taxa do Cadastro de Fiscalização
de Publicidade - CFP.
Art. 56. Deferido o pedido de licenciamento do anúncio, o requerente deverá juntar ao processo cópia do Cadastro
de Fiscalização de Publicidade - CFP para posterior expedição da licença.
Art. 57. As licenças de instalação de anúncios vinculadas às atividades econômicas somente serão expedidas após a
respectiva Licença de Funcionamento.
Art. 58. Para efeito de fiscalização a licença de instalação de anúncios expedida para áreas edificadas deverá ser
mantida em local de fácil acesso e visualização.
Parágrafo único. O número da licença para os anúncios instalados em áreas não edificadas deverá ser destacado,
na forma de adesivo ou pintura, junto às mensagens veiculadas.
Art. 59. A renovação da licença de instalação do anúncio será concedida a pedido do responsável, mediante
requerimento apropriado e declaração de que não houve alteração das características constantes na licença.
§ 1º O pedido de renovação da licença deverá ser formulado com antecedência mínima de sessenta dias do término
da vigência da licença.
§ 2º Na renovação da licença do anúncio complexo será exigida a convalidação de toda a documentação técnica.
Art. 60. A licença de instalação do anúncio será cancelada nos seguintes casos:
I - por solicitação do requerente, mediante requerimento;
II - findo o prazo de validade da licença, caso não exista pedido protocolado de renovação;
III - quando houver descumprimento a qualquer disposição legal.
Art. 61. A apreciação, decisão e fiscalização da matéria tratada neste Decreto são de competência da Secretaria de
Desenvolvimento Urbano - SDU.
CAPÍTULO VIII
Das Penalidades
Art. 62. As infrações ao disposto neste Decreto estão sujeitas às penalidades constantes nas legislações vigentes e
serão aplicadas independente de ordem, isoladas ou cumulativamente, como segue:
I - Notificação Preliminar;
II - Multa;
III - Cassação da Licença;
IV - Remoção do Anúncio.
Art. 63. O não cumprimento ao disposto neste Decreto sujeitará o responsável às seguintes multas:
I - Anúncio Simples no importe de 300 UFGs (trezentas Unidades Fiscais de Guarulhos);
II - Anúncio Complexo no importe de 900 UFGs (novecentas Unidades Fiscais de Guarulhos).
CAPÍTULO IX
Das Disposições Finais
Art. 64. A instalação de anúncios deverá respeitar os gabaritos de altura definidos em legislação específica, no que
se refere às coberturas, totens, outdoors e caixas d’água.
Art. 65. Finda a licença os anúncios deverão ser retirados no prazo de setenta e duas horas, sob pena de sanção.
Art. 66. Ficam revogadas as disposições em contrário, em especial o Decreto nº 21.358, de 5 de outubro de 2001.
Art. 67. Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação.
ÍNDICE
CAPÍTULO I - Das Disposições Preliminares
CAPÍTULO II - Das Definições e Tipologias
CAPÍTULO III - Dos Locais de Instalação
SEÇÃO I - Na Fachada
SEÇÃO II - Na Cobertura
SEÇÃO III - Na Empena Cega
SEÇÃO IV - Nos Toldos
SEÇÃO V - Nas Áreas Livres
SEÇÃO VI - Nos Centros Comerciais, Empresariais e Prestadores de Serviço
SEÇÃO VII - Das Pinturas em Muros e Fachadas de Edificações
SEÇÃO VIII - Nos Postes Toponímicos e no Mobiliário Urbano
SEÇÃO IX - No Espaço Aéreo
SEÇÃO X - Nas Obras de Construção Civil
CAPÍTULO IV - Das Áreas Especiais
SEÇÃO I - Nos Entornos de Bens Tombados e nas Áreas e Imóveis de Interesse Histórico, Cultural, Arquitetônico
e Paisagístico.
SEÇÃO II - Nos Centros Históricos
SEÇÃO III - Nos Centros de Bairro e nas Vias Especiais
CAPÍTULO V - Das Normas Gerais
CAPÍTULO VI - Dos Responsáveis pelo Anúncio
CAPÍTULO VII - Das Licenças
CAPÍTULO VIII - Das Penalidades
CAPÍTULO IX - Das Disposições Finais

AV
EN
ID A
EM
B

IL IO
JACO

CE
NTR
O D
TRA E S
N Q AÚD
U IL E

R IB
D R ID A
. LU DE
IZ F
. BE

AS
L IN
O
R UA

00
20,

2 0 ,0 0
S IL V A

C O M P L E X O H O S P I T A L A R
P A D R E B E N T O D E G U A R U L H O S
P.

A
CUNH
N IO
ANTO

LD O

J A R D I M G O P O U V A
EO PO
C ABO

ID A L
R UA

AVEN

L e g e n d a
b e m t o m b a d o
á re a d e in t e r f e rê n c ia

C O N T R O L E D E P U B L I C I D A D E E MP R Á E R F EE AI TS U D R E A M U N I C I P A L D E G U A
P A T R I M Ô N I O H I S T Ó R I C O
S a n a t ó r i o P a d r e B e n t o - C o m p l e x o H o s p it a l Aa rN E X O I . 1