Você está na página 1de 29
PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE
PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE
OBRIGATORIEDADE DE ELABORAÇÃO DE PSS
OBRIGATORIEDADE DE ELABORAÇÃO DE PSS
PSSPSS EMEM PROJECTOPROJECTO O DO deve elaborar ou mandar elaborar o PSS, durante a fase
PSSPSS EMEM PROJECTOPROJECTO
O DO deve elaborar ou mandar elaborar o PSS, durante a fase do projecto
Se a elaboração do projecto se desenvolver em diversas fases e em períodos
sucessivos, o PSS deve ser reformulado em função da evolução do projecto.
No âmbito do contrato de empreitada de obras públicas, o PSS em projecto deve
a) Ser incluído pelo DO no conjunto dos elementos que servem de base ao
concurso;
b) Ficar anexo ao contrato de empreitada de obras públicas.
No caso de obra particular, o DO deve incluir o PSS em projecto no conjunto dos
elementos que servem de base à negociação para que a entidade executante o
conheça ao contratar a empreitada.
O PSS será posteriormente desenvolvido e especificado pela entidade executante para
a fase da execução da obra.
PSSPSS EMEM PROJECTOPROJECTO 1 — O plano de segurança e saúde em projecto deve ter
PSSPSS EMEM PROJECTOPROJECTO
1 — O plano de segurança e saúde em projecto deve ter como suporte as
definições do projecto da obra e as demais condições estabelecidas para a
execução da obra que sejam relevantes para o planeamento da prevenção
dos riscos profissionais, nomeadamente:
a) O tipo da edificação, o uso previsto, as opções arquitectónicas, as definições
estruturais e das demais especialidades, as soluções técnicas preconizadas,
os produtos e materiais a utilizar, devendo ainda incluir as peças escritas e
desenhadas dos projectos, relevantes para a prevenção de riscos profissionais;
b) As características geológicas, hidrológicas e geotécnicas do terreno, as redes
técnicas aéreas ou subterrâneas, as actividades que eventualmente decorram no
local ou na sua proximidade e outros elementos envolventes que possam ter
implicações na execução dos trabalhos;
c) As especificações sobre a organização e programação da execução da obra a
incluir no concurso da empreitada;
PSSPSS EMEM PROJECTOPROJECTO d) As especificações sobre o desenvolvimento do plano de segurança e saúde
PSSPSS EMEM PROJECTOPROJECTO
d) As especificações sobre o desenvolvimento do plano de segurança e saúde
quando várias entidades executantes realizam partes da obra.
2 — O plano de segurança e saúde deve concretizar os riscos evidenciados e
as medidas preventivas a adoptar, tendo nomeadamente em consideração os
seguintes aspectos:
a) Os tipos de trabalho a executar;
b) A gestão da segurança e saúde no estaleiro, especificando os domínios da
responsabilidade de cada interveniente;
c) As metodologias relativas aos processos construtivos, bem como os materiais e
produtos que sejam definidos no projecto ou no caderno de encargos;
PSSPSS EMEM PROJECTOPROJECTO d) Fases da obra e programação da execução dos diversos trabalhos; e)
PSSPSS EMEM PROJECTOPROJECTO
d) Fases da obra e programação da execução dos diversos trabalhos;
e) Riscos especiais para a segurança e saúde dos trabalhadores, referidos no
artigo seguinte;
f) Aspectos a observar na gestão e organização do estaleiro de apoio, de acordo
com o anexo I.
3 — A Inspecção-Geral do Trabalho pode determinar ao dono da obra a
apresentação do plano de segurança e saúde em projecto.
DPPSSDPPSS PARAPARA AA EXECUEXECUÇÇÃOÃO DADA OBRAOBRA A EE deve desenvolver e especificar o PSS em
DPPSSDPPSS PARAPARA AA EXECUEXECUÇÇÃOÃO DADA OBRAOBRA
A EE deve desenvolver e especificar o PSS em projecto tendo em conta:
As definições do projecto e outros elementos resultantes do contrato
com a EE que sejam relevantes para a segurança e saúde dos
trabalhadores durante a execução da obra;
b) As actividades simultâneas ou incompatíveis que decorram no
estaleiro ou na sua proximidade;
c) Os processos e métodos construtivos, incluindo os que exijam uma
planificação detalhada das medidas de segurança;
d) Os equipamentos, materiais e produtos a utilizar;
e) A programação dos trabalhos, a intervenção de subempreiteiros e
trabalhadores independentes, incluindo os respectivos prazos de
execução;
DPPSSDPPSS PARAPARA AA EXECUEXECUÇÇÃOÃO DADA OBRAOBRA ((contcont.).) f) As medidas específicas respeitantes a riscos
DPPSSDPPSS PARAPARA AA EXECUEXECUÇÇÃOÃO DADA OBRAOBRA ((contcont.).)
f) As medidas específicas respeitantes a riscos especiais;
g) O projecto de estaleiro;
h) A informação e formação dos trabalhadores;
i) O sistema de emergência, incluindo as medidas de prevenção,
controlo e combate a incêndios, de socorro e evacuação de
trabalhadores.
O subempreiteiro pode sugerir e a entidade executante pode promover
soluções alternativas às previstas no plano de segurança e saúde
em projecto, desde que não diminuam os níveis de segurança e
sejam devidamente justificadas
APROVAAPROVAÇÇÃOÃO DODO DPPSSDPPSS PARAPARA AA EXECUEXECUÇÇÃOÃO DADA OBRAOBRA ((contcont.).) •O desenvolvimento
APROVAAPROVAÇÇÃOÃO DODO DPPSSDPPSS PARAPARA AA EXECUEXECUÇÇÃOÃO DADA OBRAOBRA ((contcont.).)
•O desenvolvimento e as alterações do PSS devem ser validados
tecnicamente pelo coordenador de segurança em obra e aprovados pelo
dono da obra, passando a integrar o PSS para a execução da obra.
•O PSS pode ser objecto de aprovação parcial, devendo o plano ser
completado antes do início dos trabalhos em causa.
•O DO deve dar conhecimento por escrito do PSS aprovado à EE, a qual
deve dar conhecimento aos subempreiteiros e trabalhadores
independentes por si contratados, antes da respectiva intervenção no
estaleiro, da totalidade ou parte do plano que devam conhecer por
razões de prevenção.
•O prazo fixado no contrato para a execução da obra não começa a
correr antes que o DO comunique à EE a aprovação do PSS.
APLICAAPLICAÇÇÃOÃO DODO DPPSSDPPSS PARAPARA AA EXECUEXECUÇÇÃOÃO DADA OBRAOBRA ((contcont.).) •A EE só pode
APLICAAPLICAÇÇÃOÃO DODO DPPSSDPPSS PARAPARA AA EXECUEXECUÇÇÃOÃO DADA OBRAOBRA ((contcont.).)
•A EE só pode iniciar a implantação do estaleiro depois da
aprovação pelo DO do PSS para a execução da obra.
•O DO deve impedir que a entidade executante inicie a implantação
do estaleiro sem estar aprovado o PSS para a execução da obra.
•A EE deve assegurar que o PSS e as suas alterações estejam
•acessíveis, no estaleiro, aos subempreiteiros, aos trabalhadores
independentes e aos representantes dos trabalhadores para a
segurança, higiene e saúde que nele trabalhem.
•Os subempreiteiros e os trabalhadores independentes devem
cumprir o PSS para a execução da obra, devendo esta obrigação ser
mencionada nos contratos celebrados com a EE ou o DO.
POSSPOSSÍÍVELVEL ESTRUTURAESTRUTURA PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE – INTRODUÇÃO –
POSSPOSSÍÍVELVEL ESTRUTURAESTRUTURA
PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE
– INTRODUÇÃO
– MEMÓRIA DESCRITIVA
– CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO
– ACÇÕES PARA A PREVENÇÃO DE RISCOS
– MONITORIZAÇÃO E ACOMPANHAMENTO
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE INTRODUÇÃO •
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE
INTRODUÇÃO
• Organização do PSS
• Adaptação / Complemento (Desenvolvimento) do PSS
• Identificação dos Arquivos
• Alterações ao PSS
• Entrega do PSS
• Organograma Funcional e Definição de Funções
• Controlo de Assinaturas e Rubricas
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE MEMÓRIA DESCRITIVA •
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE
MEMÓRIA DESCRITIVA
• Política da segurança e Saúde no Trabalho
• Definição de Objectivos
• Princípios de Actuação
• Comunicação Prévia, declaração relativa a eventuais
trabalhadores imigrantes e outras declarações
• Regulamentação geral e específica aplicável
• Horário de Trabalho
• Controlo de subempreiteiros, sucessiva cadeia de
subcontratação e respectivos trabalhadores
• Seguros de Acidentes de Trabalho
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE CARACTERIZAÇÃO DO
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE
CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO
• Características gerais da empreitada
• Mapa de Quantidades de Trabalho
• Condicionalismos existentes no local
• Plano de Trabalhos
• Plano e Cronograma da mão-de-obra e equipamentos
• Lista de trabalhos com riscos especiais
• Lista de materiais com riscos especiais
• Fases de execução da empreitada
• Processos construtivos e métodos de trabalho
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE ACÇÕES PARA A
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE
ACÇÕES PARA A PREVENÇÃO DE RISCOS
• Identificação das situações susceptíveis de causar risco e
que não puderam ser evitadas em projecto
• Projecto do Estaleiro (inclui plantas de localização)
• Plano de Acessos, Circulação e Sinalização
• Controlo de Equipamentos de Apoio
• Plano de Protecções Colectivas
• Plano de Protecções Individuais
• Controlo de Recepção de Materiais e Equipamentos
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE ACÇÕES PARA A
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE
ACÇÕES PARA A PREVENÇÃO DE RISCOS (cont.)
• Registos de não Conformidade e acções correctivas /
preventivas
• Identificação e Controlo da Saúde dos Trabalhadores
• Formação e Informação dos Trabalhadores
• Planos e Registos de Monitorização e Prevenção
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE ACÇÕES PARA A
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE
ACÇÕES PARA A PREVENÇÃO DE RISCOS (cont.)
• Plano de Registos de Acidentes e Índices de Sinistralidade
• Plano de Visitantes
• Plano de Emergência
• Caracterização e Avaliação dos riscos associados
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE ACÇÕES PARA A
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE
ACÇÕES PARA A PREVENÇÃO DE RISCOS (cont.)
• Memória descritiva do trabalho a realizar incluindo os
processos e métodos construtivos;
• Planos Específicos de Segurança.
– Planos de Escavações;
– Planos de Execução de Estacas;
– Planos de Cofragens e Betonagens;
– Planos de Montagem de Estruturas Metálicas;
– Planos de Aplicação de Pré-Esforço;
– Planos de Montagem, de Utilização e de Desmontagem de
Andaimes;
– Planos de Montagem e de Desmontagem de Gruas Torre
– Plano de Execução de Lajes;
– Plano de Execução de Alvenarias;
– …
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE MONITORIZAÇÃO E
ESTRUTURAESTRUTURA POSSPOSSÍÍVELVEL DODO PLANOPLANO DEDE SEGURANSEGURANÇÇAA EE SASAÚÚDEDE
MONITORIZAÇÃO E ACOMPANHAMENTO
• Monitorização mensal
• Comissão de Segurança e Saúde da Obra
• Registo das actividades da CSP
• Registo das actividades da CSO
• Registo das actividades da Entidade Executante
• Auditorias Internas
COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA
COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA
OBJECTIVOOBJECTIVO COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA FORNECIMENTO DE INFORMAÇÕES DA FASE DE PROJECTO E DE OBRA
OBJECTIVOOBJECTIVO COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA
FORNECIMENTO DE INFORMAÇÕES DA
FASE DE PROJECTO E DE OBRA PARA
A FASE DE MANUTENÇÃO
ESTABELECIMENTO DE REGRAS DE
SEGURANÇA PARA A FASE DE OPERAÇÃO
E MANUTENÇÃO DA EDIFICAÇÃO
COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA • O DO deve elaborar ou mandar elaborar uma CT da obra que
COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA
• O DO deve elaborar ou mandar elaborar uma CT da obra que
inclua os elementos úteis a ter em conta na sua utilização futura,
bem como em trabalhos posteriores à sua conclusão, para
preservar a segurança e saúde de quem os executar
• O DO pode recusar a recepção provisória da obra enquanto a EE
não prestar os elementos necessários à elaboração da CT
• Em intervenções posteriores que não consistam na conservação,
reparação, limpeza da obra, ou outras que afectem as suas
características e as condições de execução de trabalhos
ulteriores, o DO deve assegurar que a compilação técnica seja
actualizada com os elementos relevantes
COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA A COMPILAÇÃO TÉCNICA DEVE INCLUIR, NOMEADAMENTE OS SEGUINTES ELEMENTOS:
COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA
A COMPILAÇÃO TÉCNICA DEVE INCLUIR, NOMEADAMENTE OS
SEGUINTES ELEMENTOS:
– Identificação completa do Dono da Obra, do Autor do Projecto ou
Autores do Projecto, dos Coordenadores de Segurança em Projecto
e em Obra, da Entidade Executante, bem como de subempreiteiros
ou trabalhadores independentes cujas intervenções sejam
relevantes nas características da mesma;
– Informações técnicas relativas ao projecto geral e aos projectos das
diversas especialidades, incluindo as memórias descritivas,
projecto de execução e telas finais, que refiram os aspectos
estruturais, as redes técnicas e os sistemas e materiais utilizados
que sejam relevantes para a prevenção de riscos profissionais;
– Informações técnicas respeitantes aos equipamentos instalados que
sejam relevantes para a prevenção dos riscos da sua utilização,
conservação e manutenção;
– Informações úteis para a planificação da segurança e saúde na
realização de trabalhos em locais da obra edificada cujo acesso e
circulação apresentem riscos.
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA • INTRODUÇÃO • GESTÃO DA COMPILAÇÃO
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA
• INTRODUÇÃO
• GESTÃO DA COMPILAÇÃO TÉCNICA
• CARACTERIZAÇÃO DA EMPREITADA
• ACÇÕES PARA A PREVENÇÃO DE RISCOS
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA • INTRODUÇÃO Organização da CT;
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA
• INTRODUÇÃO
Organização da CT;
Adaptação / complemento;
Identificação dos Arquivos;
Alterações à CT;
Entrega da CT;
Controlo de Assinaturas e Rúbricas.
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA • GESTÃO DA COMPILAÇÃO TÉCNICA
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA
• GESTÃO DA COMPILAÇÃO TÉCNICA
ORGANIZAÇÃO DA CT
ALTERAÇÕES À CT
ADAPTAÇÃO/COMPLEMENTO DA CT
ENTREGA DA CT
REGULAMENTAÇÃO APLICÁVEL
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA • CARACTERIZAÇÃO DA EMPREITADA
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA
• CARACTERIZAÇÃO DA EMPREITADA
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA EMPREITADA
IDENTIFICAÇÃO DE INTERVENIENTES
ELEMENTOS RELEVANTES DO PROJECTO
CONDICIONALISMOS EXISTENTES
ELEMENTOS CONTRATUAIS
REGISTOS DA SEGURANÇA RELEVANTES
REGISTOS DA QUALIDADE RELEVANTES
IDENTIFICAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA DE EQUIPAMENTOS
LIVRO DE REGISTO DA OBRA;
MATERIAIS APLICADOS E MATERIAIS COM RISCO ESPECIAIS
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA • ACÇÕES PARA A PREVENÇÃO DE RISCOS
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA
• ACÇÕES PARA A PREVENÇÃO DE RISCOS
PLANO DE MONOTORIZAÇÃO PERIÓDICA
IDENTIFICAÇÃO E CONTROLO DE EQUIPAMENTOS DE APOIO
REGISTO DE NÃO CONFORMIDADES, ACÇÕES PREVENTIVAS E CORRECTIVAS
FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO DE TRABALHADORES
REGISTO DE ACIDENTES DE TRABALHO
PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO
PLANO DE ACESSOS E SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA
CONSERVAÇÃO / MANUTENÇÃO DA SINALIZAÇÃO PERMANENTE
PLANO DE CONSERVAÇÃO / MANUTENÇÃO DE VEDAÇÕES PERMANENTES
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA • ACÇÕES PARA A PREVENÇÃO DE RISCOS
ESTRUTURAESTRUTURA TIPOTIPO DADA COMPILACOMPILAÇÇÃOÃO TTÉÉCNICACNICA
• ACÇÕES PARA A PREVENÇÃO DE RISCOS (cont.)
PLANO DE MANUTENÇÃO GERAL (LIMPEZA, PINTURAS, ETC
)
PLANO DE MANUTENÇÃO DAS INSTALAÇÕES ESPECÍFICAS (eléctricas,
telefónicas, ventiladores, etc
)
PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE DRENAGEM, DE
ESGOTOS OU DE FORNECIMENTO DE ÁGUA
(…)
EXEMPLO DE CT