Você está na página 1de 19

Epitélio pavimentoso estratificado NÃO

queratinizado
Células da superfície (pavimentosas ou escamosas)
são achatadas, nucleadas

Células da camada
intermediária são
polimorfas

Células da camada basal


possuem forma cúbica

As mucosas geralmente são umedecidas, revestem a boca, a orofaringe,


o esôfago e a vagina.
Tecido epitelial pavimentoso
estratificado queratinizado

Epiderme
Células anucleadas

Derme (conj.)
Hipoderme

(aureolar e adiposo)
Tecido epitelial pavimentoso
estratificado queratinizado

 Núcleo e
citoplasma
substituídos por
queratina
 Tonofilamentos
 Tonofibrilas
 Tonofibrilas +
grânulos de
queratohialina =
queratina
Considerações em relação ao tecido epitelial

Tecido Epitelial estratificado cúbico


 Formado por somente duas camadas de
células cúbicas. Reveste os ductos das
glândulas sudoríparas.
Tecido Epitelial estratificado cilíndrico
 Constituído por uma camada mais profunda de
células poliédricas e cúbicas, em contato com
a lâmina basal, e uma camada superficial de
células cilíndricas.
 Encontrado na conjuntiva do olho, alguns
ductos excretores e regiões da uretra.
Tecido epitelial de transição

Trato urinário desde


os cálices renais até
a uretra.

Células que alteram a


forma conforme a
necessidade

Fonte dos tecidos: Atlas eletrônico


da PUCRS
Classificação do epitélio de revestimento
Tipo Forma das células Exemplo de localização Funções
superficiais
SIMPLES

Simples Achatada Revestimento: Alvéolos pulmonares, alça Membrana limitante,


pavimentoso de Henle, folheto parietal da transporte de
cápsula de Bowman, ouvido médio líquidos, troca
e interno, vasos sanguíneos e gasosa,
linfáticos, cavidade pleural e lubrificação,
peritonial, pericárdio. redução do atrito
(contribuindo para
o movimento das
vísceras),
membrana de
revestimento.
Simples cúbico Cúbica Ductos de muitas glândulas, Secreção, absorção e
revestimento do ovário, formação proteção
de túbulos renais
Simples cilíndrico Cilíndrica Revestimento: Seios paranasais, Secreção, absorção,
ovidutos, ductos eferentes do transporte e
testículo, útero, pequenos proteção.
brônquios, grande parte do tubo
digestivo, vesícula biliar, e grandes
ductos de algumas glândulas
Pseudo- Todas repousam na Revestimento: grande parte da traquéia, Secreção, absorção,
estratificado lâmina basal, brônquios primários, epidídimo, transporte,
porém nem todas ducto deferente, tuba auditiva, proteção e
alcançam a parte da cavidade timpânica, lubrificação.
superfície. As da cavidade nasal, saco lacrimal,
superfície são uretra masculina, e ductos
cilíndricas. excretores grandes.
Classificação do epitélio de revestimento

Tipo Forma das células Exemplo de localização Funções


superficiais

ESTRATIFICADO

Estratificado pavimentoso não Achatadas com núcleo. Revestimento: boca, Proteção, secreção
queratinizado epiglote, esôfago, cordas
vocais , vagina.

Estratificado pavimentoso Achatadas sem núcleo. Epiderme Proteção


queratinizado

Estratificado cúbico Cúbica Revestimento: ductos Absorção,secreção


das glândulas
sudoríparas.

Estratificado cilíndrico Cilíndrica Conjuntiva dos olhos, Proteção,absorção e


alguns ductos excretores secreção
grandes e porções da
uretra masculina.

Transição Globosa (relaxada), Revestimento: trato Proteção, distenção.


Achatada (distendida) urinário desde os cálices
renais até a uretra.
Epitélios Glandulares
 As glândulas se
originam das células
epiteliais que
abandonaram a
superfície, de onde
se desenvolvem e
penetraram no
tecido subjacente,
formando uma
lâmina basal em
torno de si mesmas.
 O parênquima é a
unidade secretora
junto com seu
ducto, o estroma é
o tecido conjuntivo
que sustenta o
parênquima.
Glândulas

 Glân / = estrutura em
forma de bolota
 Origem: Células
epiteliais
 Distribuição dos
produtos:
 Exócrina
 Endócrina
Classificação quanto ao número de
células
 Unicelulares: caliciforme (intestino
grosso, delgado e traquéia).
 Pluricelulares:- Nas glândulas exócrinas
tem porções secretora e condutora.
- Nas glândulas endócrinas
não existem ductos e a porção secretora
e intensamente vascularizada.
Classificação quanto a presença de
ductos excretores
 Glândulas endócrinas
Cordonais
Foliculares ou vesiculares

 Glândulas exócrinas
GLÂNDULAS ENDÓCRINAS
Aductais

 Glândulas cordonais: as células dispõem-se


em cordões separados por capilares sangüíneos.
Não há armazenamento de secreção. Ex.:
paratireóide, hipófise, ilhotas de Langerhans do
pâncreas, adrenal.
 Glândulas vesiculares: as células agrupam-se
formando vesículas, que armazenam os
produtos secretados antes de eles atingirem a
corrente sangüínea. Ex.: tireóide.
Classificação quanto à ramificação do ducto

 Glândulas simples: um
ducto secretor não
ramificado. Ex.: glândulas
sudoríparas (pele).

 Glândulas compostas:
ductos ramificados. Ex.:
glândulas endometriais,
encontrada no útero.
Quanto a forma de unidade secretora
 Glândulas tubulares: possui a forma de
um ducto. Ex.: glândulas sudoríparas
(pele), liberkühn (intestino).

 Glândulas acinosas ou alveolares:


possui um aspecto mais arredondado. Ex.:
glândulas sebáceas (pele, pâncreas),
glândulas salivares.

 Glândulas tubulo-alveolares: possuem


os dois tipos de unidades secretoras,
tubulares e alveolares. Ex.: glândula
mamária, glândula submandibular e
gástricas.
Outra classificação

Junqueira e Carneiro, 2005


Célula caliciforme

Quanto ao tipo de substância secretada

 Glândulas mucosas: produzem


uma secreção viscosa e
escorregadia, não se cora pelo
HE. Utiliza-se o PAS. Ex.:
glândula sublingual.
 Glândulas serosas: produzem
uma secreção aquosa e límpida
que se cora em vermelho pelo
serosa
HE. Ex.: parótida e pâncreas.
 Glândulas mistas: secretam os
dois tipos de secreção, possuem
ácinos mucosos e serosos. Ex.:
fígado, glândula submandibular. esôfago

mucosa
submandibular
Classificação quanto ao modo como a
substância é liberada:
 Merócrinas: secreção liberado por intermédio de
vacúolos, sem a perda do citoplasma(exocitose.) Ex.:
ácinos serosos do pâncreas e células caliciformes,
encontradas em todo o intestino e na traquéia.
 Holócrinas: a célula secretora morre e torna-se o
próprio produto de secreção da glândula. O citoplasma
inteiro é convertido em secreção. Ex.: glândulas
sebáceas.
 Apócrinas: a perda de citoplasma é mínima. A
conclusão é que estas glândulas apócrinas seriam
realmente glândulas merócrinas. Ex.: glândulas
sudoríparas de certas partes do corpo.