Você está na página 1de 28

Professor Guilherme Goulart

http://biologiagui.com.br

REINO
PROTISTA
:
Protozoário
s e suas
Os protozoários, pela classifica-
ção de Whittaker, 1969 (a de
cinco Reinos), fazem parte do
Reino PROTOCTISTA, que além
deles abrigam as algas e os
mixomicetos.

São considerados o
grupo base para a
origem dos animais
(Reino Metazoa).

São
EUCARIONTES
de vida livre,
parasita ou
séssil.

A classificação dos proto-


zoários ainda é bastante
controversa devido a proximi-
dade com algas e até fungos.
Características Gerais
Citoprocto • Unicelulares livres, parasitas ou até
sésseis;
• Célula eucarionte pouco
especializada;
• Locomoção por cílios, flagelos ou
Citóstomo
pseudópodes;
FISIOLOGIA:
Digestão: intracelular; por fagocitose;
com citóstoma e citoprocto (alguns).
Respiração: aeróbios (livres) e
anaeróbios obrigatórios ou facultativos
(parasitas).
Excreção: amônia.

A osmorregulação é realizada em
protozoários de água doce por um
VACÚOLOS CONTRÁTEIS, que eliminam
água que entra do meio hipotônico
externo por osmose.
Classificação
A classificação mais didática atualmente divide protozoários quanto a forma de
locomoção e a estrutura celular.
São aceitos, nessa classificação, SEIS FILOS. Alguns autores apontam até vinte
filos.
FILO RHIZOPODA ou SARCODINA (amebas)
- Células assimétricas;
- Locomoção por pseudópodos;
- Nutrição por fagocitose;
- Livres ou parasitas;
- Vacúolos desenvolvidos;
- Com (Arcella) ou sem carapaça
(Entamoeba – o rizópodo mais
conhecido, causador da ambíase).

Arcella

Etapas do processo de fagocitose


FILO ACTINOPODA (radiolários e heliozoários)

Cápsula interna de um radiolário Fotomicrografia de um heliozoário

Apresentam pseudópodes afilados (raios) chamdos axópodes. Nos radiolários


ocorre uma cápsula central esférica perfurada formada por quitina.

Radiolários são exclusivamente marinhos, heliozoários, no entanto, são


praticamente todos dulcículas. São formadores do zooplâncton.
FILO FORAMINIFERA (foraminíferos)

A “areia estrelada", encontrada nas praias


japoneses de Okinawa, é composta de
minúsculos fósseis de A
semelhança foraminíferos. de
com certas conchas
moluscos é impressionante.

Os foraminíferos possuem
carapaças, de carbonato de cálcio
ou quitina, com perfurações por
onde saem os pseudópodes.

As pirâmides do Egito foram cons-


truídas com vasa, uma
rocha calcárea formada por
cara- paças de
foraminíferos.

FILO APICOMPLEXA (esporozoários)
Apicomplexos não apresentam apêndices
locomotores. Contudo são dotados, em
algum estágio de vida, do complexo apical,
que possui função de penetração nas células
hospedeiras.

Todos esporozoários são parasitas. As


doenças mais conhecidas causadas por eles
são a malária (causada pelo Plasmodium sp.)
e a toxoplasmose (causada pelo Toxoplasma
gondii).

Plasmodium em processo de infecção Toxoplasma em uma


às hemácias. Vê-se o complexo apical. célula hospedeira.
FILO ZOOMASTIGOPHORA (flagelados)
Protozoários normalmente dotados de flagelos de vida livre, parasita ou séssil. Há
exemplos também de mutualistas.

Tripanosoma cruzi, o causador Leishmania brasiliensis, o Codosiga sp., um


da doença de Chagas causador da leishmaniose. protozoário colonial séssil.

Certos flagelados, como os do gênero Thrichonympha


vivem no intestino de cupins e, em uma associação
mutualista, ajudam esse artrópodo a realizar a
digestão de celulose.
FILO CILIOPHORA (ciliados)
Os ciliados caracterizam-se por melhor desenvolvimento das funções celulares,
cílios para a locomoção e a presença de um macronúcleo (que contém o DNA usado
nos processo vitais) e um micronúcleo (que participa dos processos sexuais)

Vorticella, um exemplo de
ciliado séssil. Balantidium, parasita de
intestino de porco que,
muito ocasionalmente,
pode parasitar o homem.

Paramecium, o mais
desenvolvido protozoário.
Reprodução
Assexuada:
- Divisão binária (1 → 2)
- Divisão múltipla (1 →
vários)

“Sexuada”: Conjugação
Parasitose
PROTOZOÁRIOS são:
s
As principais doenças causadas por

 Malária
 Doença de Chagas
 Leishmaniose
 Amebíase
 Giardíase
 Tricomoníase
 Toxoplasmose
 Doença-do-sono
 Balantidose
Malária
“Estima-se que, descontadas as guerras e as mortes acidentais, essa doença foi responsável
por metade dos óbitos da história da humanidade desde a Idade da Pedra, 600 mil anos
atrás.” (ᔥ Mundo Estranho)

A malária é uma doença tropical negligenciada, segundo a OMS.


AGENTES ETIOLÓGICOS:
 Plasmodium falciparum
 Plasmodium malarie
 Plasmodium vivax
(Filo Apicomplexa)

A mais comum forma de malária é


provocada pelo P. vivax e é esta
que mais ocorre no Brasil.

P. falciparum atacando eritrócito

Esta doença tem como AGENTE


TRANSMISSOR o mosquito Anopheles,
denominado vulgarmente de
“mosquito-prego”. A transmissão da
malária ocorre pela saliva do mosquito.
CICLO DE VIDA DO Plasmodium O parasita ataca o fígado e dentro
de TRÊS DIAS provoca destruição
dos eritrócitos, provocando febre
alta e cíclica (terçã).

HOMEM:
Hospediero intermediário

MOSQUITO:
Hospedeiro definitivo

Hemólise liberando gametócitos.


Fonte: OMS (WHO - World Health Organization)
Doença de Chagas
“A tripanossomíase americana foi
descoberta em 1909 sob
circunstâncias peculiares: o autor
da descoberta, Carlos Chagas,
havia sido enviado a um povoado
em Minas Gerais para dirigir uma
campanha antimalárica quando
tomou conhecimento de um
inseto hematófago – o vetor da
infecção parasitária. Ele havia sido
A Doença de Chagas alertado sobre a coincidência de
é típica da América sintomas peculiares e a presença
do Sul, com focos deste inseto nas casas de barro e
principalmente em de madeira da região.”
Minas Gerais, sul do
Brasil e norte da (ᔥ M. Coutinho & J. C. P. Dias)
Argentina.
AGENTE ETIOLÓGICO:
 Trypanosoma cruzi
(Filo Zoomastigophora)

Também existe outra forma de


tripanossomíase, a africana, conhecida
popularmente como “doença-do-sono”.
Esta é causada pelo T. brucei.

AGENTE TRANSMISSOR:
 Triatoma infestans (barbeiro)

O barbeiro é um percevejo (Família


Hemiptera) hematófago que provoca a
infestação por meio de suas fezes,
normalmente depositadas próximas ao
poro da picada.
CICLO DE VIDA DO Trypanosoma

5 1

3
Coração normal

O sinal de Romaña é um sintoma


recorrente em aproximadamente 20%
dos casos, na fase aguda. A
galia se manifesta ao decorrer da fase
cardiome-
crônica, que pode durar anos. Coração chagástico
Leishmaniose
AGENTE ETIOLÓGICO:
 Leishmania brasiliensis (LEISHMANIOSE CUTÂNEA)
 Leishmania donovani (LEISHMANIOSE VISCERAL)
(Filo Zoomastigophora)

10 µm

AGENTE TRANSMISSOR:
 Phlebotomus (o mosquito-palha)
CICLO DE
VIDA
DO
Leishma
nia

O principal banco de reser-


va para a leishmaniose são
cães. Entre as medidas pro-
filáticas para a doença está
erradicar animais contami-
nados.
Leishmaniose Criança com

mucocutânea: leishmaniose
lesão cartila- visceral:
ginosa notável
inchaço da
cavidade
abdominal

Leishmaniose
cutânea:
úlcera-de-
bauru
Outras protozooses
Doença Causador Infecção Sintomas
Diarreias e, em casos mais
Água ou alimentos
Amebíase Entamoeba histolytica contaminados
graves, comprometimento
de órgãos e tecidos

Diarreia crônica com cheiro


Água ou alimentos
Giardíase Giardia lamblia contaminados
forte, fraqueza e cólicas
abdominais

Secreção espumosa de cor


verde-amarelada e odor
Tricomoníase Trichomonas vaginalis Relação sexual desagradável, proveniente
da vagina

Água ou alimentos Abortos, neuropatias e


Toxoplasmose Toxoplasma gondii contaminados; gatos oftalmopatias
Febre, tremores, dores
Doença-do- Picada da mosca tsé- musculares e articulares,
Trypanosoma brucei linfadenopatia, mal estar,
sono tsé (Glosina)
perda de peso

Água ou alimentos Febre, anorexia, náuseas,


Balantidíase Balandidium sp. contaminados vômitos e diarréia
http://www.facebook.com/biologiaprofgui

http://www.slideshare.net/biologiagui

Professor Guilherme Goulart


http://biologiagui.com.br