Você está na página 1de 9

TÉCNICAS LABORATORIAIS DE BIOLOGIA

MITOSE

OBJETIVO: Observar e identificar as diferentes fases da mitose em que se


encontravam as células do meristema da cebola (Allium cepa)

INTRODUÇÃO
A continuidade de uma espécie depende fundamentalmente do processo de
multiplicação celular. No caso dos organismos unicelulares, a divisão da célula leva a
um aumento do numero de indivíduos (reprodução assexuada)
Nos organismos pluricelulares, a divisão celular produz um crescimento dos indivíduos
pelo aumento dos números de células em seu corpo, ou os conduz a reparação de células
perdidas, ou ainda, os capacita à reprodução da sua espécie através da formação de
células reprodutoras (esporos e gametas).
Essa multiplicação se deve ao diversos eventos sofridos pela célula, o qual
denominamos ciclo celular e detalharemos a seguir, dando ênfase apenas sobre o que
acontece com os cromossomos em cada fase, sem preocupação com os demais
orgânulos.
No ciclo de vida das células, chamado ciclo celular, devemos considerar dois
momentos: a interfase e a mitose. Tanto a mitose quanto a interfase apresentam-se
subdivididas em fases ou períodos, apenas por finalidade didática, porque todos os
processos são contínuos.
A fase mitótica é a fase do ciclo celular onde ocorrem duas divisões, a divisão do
núcleo – mitose - e do citoplasma – citocinese. A mitose integra 4 subfases: prófase,
metáfase, anáfase e telófase.
A mitose consiste numa divisão dos cromossomos para uma divisão da célula, isto é,
uma célula com certo numero de cromossomos se divide dando origem a duas
células-filhas cujo material genético é idêntico ao da célula inicial. Todas estas fases
se caracterizam por uns dados conjuntos de fenômenos:

Interfase
É na interfase que ocorre a duplicação dos cromossomos, antes de se inciar a divisão
celular. A interfase compreende três subfases:
G1: é o período que se segue a divisão celular e antecede a duplicação do DNA (G tem
como significado Gap e o traduzimos como intervalo)
S ou Sintético: fase da duplicação (síntese do DNA)
G2: etapa final da interfase em que existe o dobro de material nuclear de G1, mas o
numero de cromossomos ainda é o mesmo.

Prófase (pro = antes)


A prófase é a primeira fase da mitose. Nessa etapa, os cromossomos já duplicados
começam a se espessar, tornando-se visíveis, os centríolos duplicados afastam-se,
aparecendo entre eles as fibras do fuso mitótico; a carioteca se desintrega, e os
cromossomos ficam livres no citoplasma.Cada cromossomo formado apresenta-se
formado por duas cromátides, unidas pelo centrômero.
Metáfase (meta = depois)
No citoplasma, durante a prófase, formam-se fibras de um sistema chamado mitótico.
Cada cromossomo duplicado prende-se às fibras do fuso pelo centrômero. É a metáfase.
Nessa fase os cromossomos chegaram ao máximo de seu espessamento e visibilidade;
cada cromossomo prende-se a fibra do fuso, pelo seu centrômero, na região mediana da
célula.

Anáfase (Ana = para cima)


Os centrômeros duplicam-se; as fibras do fuso se encurtam, levando cada cromátide a
um dos pólos da célula.
As duas cromátides separadas passam a ser chamadas cromossomos irmãos.

Telófase (telo = final).


Nesta fase os cromossomos tornam-se menos visíveis; formam-se as cariotecas em volta
dos dois lotes de cromossomos; aparecem novamente os nucléolos; o citoplasma se
divide por estrangulamento, nas células vegetais, aparecem algumas vesículas na região
mediana da célula (fragmoplasto), nas quais acumula-se o material que formará a parede
celular.

Citocinese
Terminada a mitose, vai ocorrer então a citocinese, que consiste na separação do
citoplasma da célula-mãe, em duas partes iguais, originando assim as duas novas
células.
MATERIAIS

• Microscópio óptico
• Preparação definitiva com células de um meristema cebola (Allium cepa)
• Papel toalha

REAGENTE
• Óleo de imersão

METODOLOGIA
• Liga-se o microscópio e higieniza-se com papel toalha as lentes e objetivas
• Pega-se uma lamina com preparação de células da cebola
• Higieniza-se a lamina com papel toalha
• Observa-se a lamina definitiva ao microscópio óptico. Se necessário recorre-
se a objetiva de imersão.
• Coloca-se uma gota de óleo de imersão
• Observa-se a anota-se os resultados
RESULTADOS
Fases da mitose em desenho e microscópio óptico respectivamente

Prófase

Metáfase

Anáfase

Telófase
DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

A descrição do processo mitótico é indireta, baseando-se na observação de células


mortas, convenientemente preparadas, mas a mitose tem duração variável de uma há
algumas horas dependendo da espécie da célula e das condições do ambiente, podendo
chegar mesmo a 24 horas de duração. Sendo que a temperatura ambiental pode acelerar,
retardar ou mesmo bloquear o processo mitótico.

A mitose caracteriza-se por: modificações nucleares (cariodierése) e por alternações


citoplasmáticas (citodierése) (que ocorrem simultaneamente).

A mitose em células animais é astral (há centríolos) e nos vegetais superiores é anastral
(não se observa centríolos).

Em tecidos que estão em crescimento verificam-se mitoses sucessivas.

Ao analisarmos a preparação definitiva com células do meristema da cebola (Allium


cepa) foi possível observar os diversos eventos ocorridos na mitose.

Interfase: Na interfase não foi possível observar, mas nesta fase é possível observar
o destaque do núcleo da célula com a cromatina dispersa.

Prófase: nesta fase utilizando a objetiva 100x com óleo de imersão foi possível
distinguir os seus cromossomos, apesar de ainda se encontrarem enrolados. O
desaparecimento do nucléolo está relacionado ao fato de cessar a síntese de DNA nos
cromossomos compensados. Sendo o nucléolo um local de síntese de RNAr, com a
condensação dos cromossomos essa síntese cessa e o nucléolo desaparece.

Metáfase: quando a célula encontrava-se em metáfase foi possível identificar a placa


equatorial formada pelo fuso ligado ao fuso acromático. Durante a metáfase, nas células
vegetais os cromossomos se dispõem em toda a região equatorial formando uma coroa.

Anáfase: nesta fase foi possível observar os cromossomos ligados ao fuso


acromático na sua ascensão aos pólos da célula, semelhantes aos dedos da mão.

Telófase: nesta ultima fase da mitose foi possível observar 2 núcleos, com a
cromatina dispersa de novo, de maneira que os cromossomos não eram perceptíveis.
Citocinese: (vegetal) a citocinese não foi possível observar, mas algumas células
encontravam-se na interfase, onde apenas se destacava o núcleo da célula com a
cromatina dispersa. Na citocinese das células vegetais não ocorre invaginacao da
membrana plasmática, e sim a formação centrifuga de uma placa celular, originada a
partir de pequenas vesículas diferenciadas do complexo de Golgi, ricas em pectina.
O conjunto dessas vesículas é denominado fragmoplasto. Essas vesículas se fundem
e seu conteúdo dá origem a lamela média, a seguir inicia-se a formação da parede
celular.
CONCLUSÃO
A partir desta prática experimental foi possível identificar as diferentes fases da
mitose das células eucarióticas, que é um processo de extrema importância para os
vegetais e animais, uma vez que lhe possibilita o seu crescimento e desenvolvimento.
Repetindo-se desde o aparecimento da primeira célula eucariótica, e que permite a
continuidade da vida na Terra, garantindo a estabilidade quantitativa e qualitativa do
código genético dos eucariontes.
De uma forma geral, podemos concluir que a mitose é um processo de divisão celular
em que uma célula dá origem a duas células-filhas, geneticamente idênticas, que
recebem o mesmo numero e tipo de cromossomos devido ao processo de replicação
semiconservativa do DNA que ocorre durante a interfase e as demais fases da mitose.
Em relação à planta analisada podemos observar que o meristema é de fato uma zona
celular com uma invulgar freqüência de divisões celulares, visto que é uma zona de
intenso crescimento da planta.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

• DE ROBERTIS, Jr., Biologia Celular e Molecular, 14ª Edição, Buenos


Aires, Liberias Yenny S.A., 2001, Direitos exclusivos para a língua
portuguesa, Editora Guanabara, 2003, Rio de Janeiro.

• Vários Autores, Anglo Ensino Médio: apostila caderno 2, São Paulo,


Editora e Gráfica Anglo LTDA MATRIZ, 2001.

• LOPES, Sonia, Bio Introdução à Origem da Vida e Biologia; Citologia;


Reprodução e Embriologia; histologia Volume 1, 5ª edição, São Paulo,
Editora Saraiva,1999.

• Trabalhos escolares, disponível em:


http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/biologia/biolog
ia_trabalhos/mitose_da_cebola.htm, acessado 25/04/08 as 10:00hs.

• Portal de Pesquisas educacionais, disponível em


http://www.coladaweb.com/biologia/ciclomitose.htm, acessado em 25/04/08
as 14:00 hs.

• BIOGEOnet, disponível em www.ese.ipvc.pt/~biogeonet/mit.htm, acessado


em 25/04/08 as 16:00hs.