Você está na página 1de 28
Introdução à segurança do trabalho Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro HC-UFTM
Introdução à segurança do trabalho Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro HC-UFTM

Introdução à segurança do trabalho

Introdução à segurança do trabalho Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro HC-UFTM Equipe
Introdução à segurança do trabalho Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro HC-UFTM Equipe

Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro HC-UFTM Equipe de Segurança do Trabalho SOST EBSERH

Por gentileza, deixe seu celular no silencioso.

Por gentileza, deixe seu celular no silencioso. 2
2
2

O que é segurança do trabalho?

Conjunto de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, promover a saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de trabalho.

3
3
de trabalho, doenças ocupacionais, promover a saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de

Normas Regulamentadoras – NR

Portaria

Emprego aprovou as Normas Regulamentadoras – NR.

3.214/78

do

Ministério

do

Trabalho

Atualmente há 35 NR vigentes.

e 4
e
4

NR 4 - Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho

Técnico de Segurança do Trabalho;

Engenheiro de Segurança do Trabalho;

Técnico de Enfermagem do Trabalho;

Enfermeiro do Trabalho;

Médico do Trabalho.

Segurança do Trabalho; • Técnico de Enfermagem do Trabalho; • Enfermeiro do Trabalho; • Médico do
5
5

NR 5 – CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Composição

Objetivo

E-mail: cipa.uftm@gmail.com

5 – CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes • Composição • Objetivo E-mail: cipa.uftm@gmail.com
6
6

O que é acidente de trabalho?

Ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, perda ou redução permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho.

7
7

Doença profissional: tipo de trabalho.

Doença do trabalho: condições de trabalho.

tipo de trabalho. • Doença do trabalho: condições de trabalho. Regulamento da Previdência Social Dec. Nº

Regulamento da Previdência Social Dec. Nº 3048/99.

Equiparam-se ao acidente de trabalho:

Prestação de serviços por ordem da empresa fora do local de trabalho;

Em viagem a serviço da empresa;

No trajeto entre a casa e o trabalho ou do trabalho para casa. (Habitualidade).

8
8
Em viagem a serviço da empresa; • No trajeto entre a casa e o trabalho ou

Atendimento ao acidentado

Atendimento via SUS – Sistema Único de Saúde.

Atendimento em hospital particular/plano de saúde não cobrem acidente de trabalho.

9
9
– Sistema Único de Saúde. • Atendimento em hospital particular/plano de saúde não cobrem acidente de

CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho

A empresa deverá comunicar o acidente de trabalho à Previdência Social até o 1º dia útil seguinte ao da ocorrência e, em caso de morte, de imediato, à autoridade competente, sob pena de multa.

10
10
dia útil seguinte ao da ocorrência e, em caso de morte, de imediato, à autoridade competente,

Formulário CAT

Formulário CAT 11
11
11

Causas do acidente de trabalho

Condição insegura

Condição do ambiente de trabalho que oferece perigo e ou risco ao trabalhador.

12
12
de trabalho • Condição insegura Condição do ambiente de trabalho que oferece perigo e ou risco
de trabalho • Condição insegura Condição do ambiente de trabalho que oferece perigo e ou risco
de trabalho • Condição insegura Condição do ambiente de trabalho que oferece perigo e ou risco

Causas do acidente de trabalho

Fator pessoal de insegurança

Causa relativa ao comportamento humano que pode levar à ocorrência do acidente ou à prática do ato inseguro.

Causa relativa ao comportamento humano que pode levar à ocorrência do acidente ou à prática do
Causa relativa ao comportamento humano que pode levar à ocorrência do acidente ou à prática do
13
13

Causas do acidente de trabalho

Ato inseguro

Praticado pelo homem, de forma consciente ou não, que está contra as normas de segurança.

14
14

Imprudência: ação sem cautela/diversa da esperada.

Negligência: falta de cuidado/desatenção.

Imperícia: falta de técnica/conhecimento/habilidade.

Atos inseguros

15
15
Atos inseguros 15
Atos inseguros 15
Atos inseguros 15
Atos inseguros 15

Estatística Acidentária HC-UFTM 2015

HORAS DAS OCORRÊNCIAS 3,5 3 3 3 2,5 2 2 2 1,5 1 1 1
HORAS DAS OCORRÊNCIAS
3,5
3
3
3
2,5
2
2
2
1,5
1
1
1
0,5
0
0
0
0
ACIDENTES / DIA DA SEMANA 10 8 6 4 4 3 2 2 2 1
ACIDENTES / DIA DA SEMANA
10
8
6
4
4
3
2
2
2
1
0
0
0
16

Estatística Acidentária HC-UFTM 2015

EVOLUÇÃO MENSAL - TAXA DE GRAVIDADE 1.500 1.250,00 1.000 500 0 0,00 0,00 0,00 0,00
EVOLUÇÃO MENSAL - TAXA DE GRAVIDADE
1.500
1.250,00
1.000
500
0
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00

Taxa de Gravidade: é o número de dias Perdidos por milhão de horas de exposição ao risco, em determinado período.

729,17 EVOLUÇÃO MENSAL - TAXA DE FREQUÊNCIA 208,33 104,17 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
729,17
EVOLUÇÃO MENSAL - TAXA DE FREQUÊNCIA
208,33
104,17
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
0,00
S/ Afastam.
Média móvel (S/ Afastam.)
C/ Afastam.
17

Taxa de Frequência: é o número de acidentados por milhão de horas de exposição ao risco, em determinado período.

Estatística Acidentária HC-UFTM 2015

QUANTIDADE DE ACIDENTES 2,5 2 2 2 2 1,5 1 1 1 1 1 1
QUANTIDADE DE ACIDENTES
2,5
2
2
2
2
1,5
1
1
1
1
1
1
1
1
0,5
0
0
0
0 0
0
0 0
0
0
0
0 0
0 0
EVOLUÇÃO MENSAL DOS ACIDENTES - 2015
10
9
8
6
4
3
2
0
JAN
FEV
MAR
0
ABR
0
MAI
0
JUN
0
JUL
0
AGO
0
SET
0
OUT
0
NOV
0
DEZ
0
18

Teoria/pirâmide de Frank Bird

Teoria/pirâmide de Frank Bird 19
19
19

Fluxograma de Acidente de Trabalho

Fluxograma de Acidente de Trabalho Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro – HC-UFTM

Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro – HC-UFTM NASS / SOST EBSERH / FUNEPU / NAES

Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro – HC-UFTM NASS / SOST EBSERH /
Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro – HC-UFTM NASS / SOST EBSERH /

Cuidados após o acidente

Lavagem do local exposto com água e sabão nos casos de exposição percutânea ou cutânea;

Nas exposições de mucosas, deve-se lavar exaustivamente com água ou solução salina fisiológica;

Não há evidências de que o uso de antissépticos ou a expressão do local do ferimento reduzam o risco de transmissão, entretanto, o uso não é contra-indicado;

Não devem ser realizados procedimentos que aumentem a área exposta, tais como cortes e injeções locais. A utilização de soluções irritantes (éter, glutaraldeído, hipoclorito de sódio) também está contra-indicada.

21
21

Fluxograma

Passo 01 – Comunicar à chefia imediata logo após a ocorrência do episódio do acidente de trabalho;

Passo 02 – Chefia imediata providencia e preenche os campos 1 e 2 da Ficha de Análise de Acidentes (FAA);

Passo

acompanhará o acidentado até a sala de acolhimento do Pronto Socorro (PS);

22
22

03

A

chefia

imediata,

de

da

posse

FAA,

Fluxograma

Passo 04 – Caso a chefia não possa acompanhar o acidentado, essa deverá eleger um responsável para o acompanhamento;

PS

Passo

05

O

Enfermeiro

do

acolhimento

do

e 23
e
23

providencia a ficha de atendimento médico;

Passo 06 – O Enfermeiro do acolhimento encaminha o acidentado juntamente com a FAA para o atendimento médico;

Passo

07

O

Médico do PS

realiza o atendimento

– preenche o campo 3 da FAA;

Fluxograma – exposição à agentes biológicos

Passo 08 – O escriturário comunica o Laboratório sobre a coleta de sangue do acidentado;

Passo 09 – Um profissional do laboratório vai ao PS para realizar a coleta de amostras de sangue do acidentado;

24
24

Passo 10 – O Laboratório também se resposabiliza a colher amostras do paciente fonte quando este for conhecido;

Passo 11 – Ao final do atendimento a FAA deverá ficar na sala de acolhimento do PS;

Fluxograma – sem exposição à agentes biológicos

Passo 08 – O acidentado receberá atendimento médico e este indicará as condutas clínicas à seguir;

Passo 09 - Ao final do atendimento a FAA deverá ficar na sala de acolhimento do PS.

25
25

Informações Gerais

Todo

acidente

de

trabalho

setor

deverá

comunicado

e

ser

imediatamente ao

Segurança do Trabalho (NASS, SOST, SESMT, NAE);

de

Saúde

Ocupacional

Em acidentes ocorridos em dias ou horários que o setor não esteja em funcionamento, favor comunicar no primeiro dia útil após o acidente;

Todo acidentado deverá portar um documento original com foto para que o atendimento seja realizado;

A FAA é um importante documento para investigação do acidente, por isso deve ser devidamente preenchida em sua integralidade.

26
26
27
27

“O que pode mudar seu pensamento, pode mudar seu destino”.

Obrigada!

Stephen Covey

pode mudar seu destino”. Obrigada! Stephen Covey Ramais: NASS/UFTM: 5802 NAES/UFTM: 5840 SOST/EBSERH: 5325

Ramais:

NASS/UFTM: 5802 NAES/UFTM: 5840 SOST/EBSERH: 5325 FUNEPU: 5640 28