P. 1
Apostila Contabilidade Avançada Encarte I

Apostila Contabilidade Avançada Encarte I

4.71

|Views: 30.155|Likes:
Publicado porContaconta

More info:

Published by: Contaconta on Jun 27, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/07/2015

pdf

text

original

TIPO

CARACTERÍSTICAS

O QUE É?

• Consiste na apropriação periódica (mês a mês), ou por ocasião do balanço, dos gastos incorridos
pela entidade (custos ou despesas) relativos ao direito de férias de seus empregados, cujo fato
gerador ocorre no momento ou período da utilização da sua mão-de-obra.
• O seu valor é baseado na remuneração mensal e no número de dias de férias a que o empregado
tiver direito no momento da apropriação do respectivo custo ou despesa.
• O valor da provisão alcança o valor da remuneração (salários, abono e adicional de férias) e os
respectivos encargos sociais (INSS e FGTS).
• A contrapartida da formação desta provisão (o custo ou despesa relativo à mão-de-obra), é dedutível
do valor do lucro real para efeito de apuração do imposto de renda da entidade.
• Na ocorrência de aumentos salariais durante o período de aquisição do direito às férias que tornem
a provisão insuficiente para cobrir o pagamento das férias e encargos, se faz necessária a
apropriação, via lançamento contábil, da complementação dos custos ou despesas (inclusive dos
encargos sociais).
• Na ocorrência de faltas injustificadas, que redundem em redução no número de dias de férias,
devem ser feitos os ajustes necessários para adequação do valor da provisão e dos encargos.

1. Provisão para férias de empregados

CONTABILIZAÇÃO • Pela constituição da provisão (inclusive dos encargos sociais):

D – Despesas com Férias (resultado do exercício) ou
D – Custos de Produção (ativo circulante)
C – Provisão para Férias (passivo circulante)
D – Encargos Sociais sobre Férias (resultado do exercício)
C – Provisão para Encargos Sociais sobre Férias (passivo circulante)

• Pelo pagamento das férias e encargos:

D – Provisão para férias (passivo circulante)
C – Caixa ou Bancos (ativo circulante)
D – Provisão para Encargos Sociais sobre Férias (passivo circulante)
C – Caixa ou Bancos (ativo circulante).

TIPO

CARACTERÍSTICAS

O QUE É?

• Consiste na apropriação periódica (mês a mês) de 1/12 do valor do 13º salário como custo ou
despesa relativo ao direito a essa gratificação regulamentar de seus empregados, cujo fato gerador
ocorre no momento ou período da utilização da sua mão-de-obra.
• O seu valor é baseado na remuneração mensal do empregado no momento da apropriação do
respectivo custo ou despesa com a mão-de-obra.
• O valor da provisão alcança as parcelas relativas aos respectivos encargos sociais (INSS e FGTS).

• O valor da provisão sofrerá reajustamento sempre que ocorrerem alterações salariais ou
pagamentos, nos casos de demissão.
• A contrapartida da formação desta provisão, que é o custo ou despesa incorrido na utilização de
mão-de-obra, é dedutível do valor do lucro real para efeito de apuração do imposto de renda da
entidade.

2. Provisão para o 13º salário

CONTABILIZAÇÃO • Pela constituição da provisão (inclusive dos encargos sociais):

D – Despesas com 13º Salário (resultado do exercício) ou
D – Custos de Produção (ativo circulante)
C – Provisão para 13º Salário (passivo circulante)
D – Encargos Sociais sobre 13º Salário (resultado do exercício)
C – Provisão para Encargos Sociais sobre 13º Salário (passivo circulante)

• Pelo pagamento do 13º salário e encargos:

D – Provisão para 13º Salário (passivo circulante)
C – Caixa ou Bancos (ativo circulante)
D – Provisão para Encargos Sociais sobre 13º Salário (passivo circulante)
C – Caixa ou Bancos (ativo circulante).

Material Didático de Contabilidade Avançada

Paulo Henrique Alves Parreira

83

TIPO

CARACTERÍSTICAS

O QUE É?

• Consiste na apropriação por ocasião do balanço de despesa, em função da expectativa de perda, no
exercício seguinte, que a entidade tem em virtude de suas vendas a prazo, configurando a
possibilidade de que nem todos os devedores honrem seus compromissos.
• Sua constituição atende basicamente:
- o princípio da Prudência, vez que provoca ajuste para menos do valor das duplicatas ou contas a
receber.
- dispositivo da Lei 6.404/76, que prevê que devem ser excluídos dos elementos do ativo os direitos
e títulos de crédito já prescritos e feitas as provisões adequadas para ajustá-los ao valor provável de
realização.

• Como não mais existem critérios ou percentuais definidos pela legislação tributária, a provisão deve
ser constituída com base em expectativas de perdas dos créditos que a entidade tem a receber de
terceiros.

• A base de cálculo para a sua constituição compreende o montante dos créditos oriundos da
exploração da atividade econômica da entidade, decorrente da venda de bens nas operações de
conta própria, dos serviços prestados e das operações de conta alheia, excluídos:

- aqueles relativos a vendas com reserva de domínio, de alienação fiduciária em garantia, ou de operações
com garantia real.
- os créditos com entidade de direito público ou empresa sobre seu controle, empresa pública, sociedade de
economia mista ou sua subsidiária.
- os créditos com empresas coligadas, interligadas, controladoras e controladas ou associadas por qualquer

forma.

- os direitos a receber de administrador, sócio ou acionista, titular ou com seu cônjuge ou parente até o terceiro
grau, inclusive os afins.
- a parcela dos créditos relativos às receitas que não transitaram por conta de resultado.
- o valor dos créditos adquiridos com co-obrigação.
- o valor dos créditos cedidos sem co-obrigação.
- o valor relativo a bem arrendado, no caso de entidade que opera com arrendamento mercantil.
- os créditos ou direitos junto a instituições financeiras, demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco
Central do Brasil e a sociedade e fundos de investimentos.

• O seu valor deve ser formado pelas seguintes parcelas:

- valor resultante da aplicação de percentual sobre a base de cálculo, o qual é encontrado pela relação entre a
soma das perdas efetivamente ocorridas nos três últimos exercícios sociais e a soma dos créditos
existentes no início dos exercícios correspondentes.
- relativa à diferença entre o montante do crédito habilitado e a proposta de liquidação pelo concordatário, nos
casos de concordata, desde o momento em que esta for requerida.
- relativa a até 50% do crédito habilitado, nos casos de falência do devedor, desde o momento de sua

decretação.

• A contrapartida da formação desta provisão, que é o custo ou despesa incorrido na utilização de
mão-de-obra, a partir de 01.01.1997 não é mais dedutível do valor do lucro real para efeito de
apuração do imposto de renda da entidade.
• Considerando a indedutibilidade dessa provisão e a permissividade da legislação que dispensa
tratamento tributário privilegiado para baixa de créditos considerados incobráveis, a maioria das
entidades têm optado pela baixa direta desses créditos, nos moldes da legislação, abstendo-se da
constituição da provisão em tela.

3. Provisão para devedores duvidosos

CONTABILIZAÇÃO • Pela constituição da provisão:

D – Despesas com Devedores Duvidosos (resultado do exercício)
C – Provisão para Devedores Duvidosos (redutora do ativo circulante)

• Pela reversão da provisão:

D – Provisão para Devedores Duvidosos (redutora do ativo circulante)
C – Reversão de Provisões (resultado do exercício)

• Pela complementação da provisão (opcional):

D – Despesas com Devedores Duvidosos (resultado do exercício)
C – Provisão para Devedores Duvidosos (redutora do ativo circulante).

Material Didático de Contabilidade Avançada

Paulo Henrique Alves Parreira

84

TIPO

CARACTERÍSTICAS

O QUE É?

• Consiste na apropriação por ocasião do balanço da expectativa de perda no valor de bens e direitos,
de modo a ajustá-los ao valor de mercado.
• A provisão decorre da previsão legal que determina que os bens ou direitos devem ser avaliados
pelo seu custo de aquisição ou produção ou o valor de mercado (reposição), dos dois o menor.
• Assim, se na data do balanço, o valor do estoque de determinada mercadoria (contábil) estiver
acima do valor de reposição dessa mesma mercadoria (valor de mercado), deve ser constituída a
provisão para adequar o valor do ativo da entidade, de modo a ajustar, também, a sua situação
líquida (patrimônio líquido), mediante o registro da perda em conta de resultado.
• A provisão deve ser revertida no período seguinte, mediante o creditamento de conta de outras
receitas operacionais.
• A contrapartida da formação desta provisão, que é a diferença entre o valor contábil e o valor de
mercado do bem ou direito, não é dedutível do valor do lucro real para efeito de apuração do
imposto de renda da entidade.

4. Provisão para ajuste de bens e direitos ao valor de

mercado

CONTABILIZAÇÃO

• Pela constituição da provisão:

D – Despesas com a Constituição de Provisão (resultado do exercício)
C – Provisão para Ajuste do Valor de Bens ou Direitos (redutora do ativo circulante)

• Pela reversão da provisão:

D – Provisão para Ajuste do Valor de Bens ou Direitos (redutora do ativo circulante)
C – Reversão de Provisões (resultado do exercício)

TIPO

CARACTERÍSTICAS

O QUE É?

• Consiste na apropriação por ocasião do balanço da expectativa de perda no valor de investimentos
permanentes em outras entidades, de modo a ajustá-los ao valor de mercado.
• Assim, se na data do balanço, o valor de determinado investimento em outras entidades estiver
acima do valor de mercado, deve ser constituída a provisão para adequar o valor do ativo da
entidade, de modo a ajustar, também, a sua situação líquida (patrimônio líquido), mediante o registro
da perda em conta de resultado, que neste caso é considerada como despesa não-operacional.
• A contrapartida da formação desta provisão, que é a diferença entre o valor contábil e o valor de
mercado do investimento, não é dedutível do valor do lucro real para efeito de apuração do imposto
de renda da entidade.

4. Provisão para prováveis perdas na

alienação de investimentos

CONTABILIZAÇÃO

• Pela constituição da provisão:

D – Despesas Não-Operacionais com a Constituição de Provisão (resultado do exercício)
C – Provisão para Perdas em Investimentos (redutora do ativo permanente)

• Pela baixa da provisão, quando da alienação do investimento:

D – Provisão para Perdas em Investimentos (redutora do ativo permanente)
C – Custo do Investimento Alienado (resultado do exercício não-operacional).

NOTA: de alguma forma guardando semelhanças com as provisões para férias e para 13º salário, as entidades devem constituir provisões para
licença prêmio e para gratificações de seus empregados.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->