Você está na página 1de 3

Não há educação sem emoção!

Preparei para meus alunos de 2o anos do ensino médio, uma


aula sobre sexualidade:
Para os alunos homens, foi pedido que trouxessem informações
sobre filmes pornográficos e para as alunas, maquiagem, ma, ao
contrário do se possa pensar não criamos estereótipos, “isso é coisa
de homem” e “aquilo é coisa de mulher”, mas procuramos
aproximar os extremos:
- há homens que cada vez mais se maquiam, põem base para
cobrir imperfeições da pele ou espinhas,
- falei da experiência da minha infância em que a minha mãe
pedia que eu escovasse seus cabelos, passasse creme em suas
pernas e quanto isso me ajudou a aprender a devolver afeto,
em vez de apenas reivindicar afeto, algo comum entre casais
onde se espera que a mulher dê afeto ao parceiro e nunca que
ela receba dele;
- há alunas que trabalham em locadoras de filmes e conhecem a
seção de filmes adultos, trazem experiências sobre diversos
desses filmes. Uma delas, lembrou de filmes onde animais
tendo relações sexuais com mulheres e perguntamos por que
isso acontece, assim como, filmes com sexo anal? Fugir da
monotonia, daquilo que se tornou comum?
- os homens se mostraram envergonhados, mais do que
esperado e as mulheres, também, mas isso já era previsto.
- Pedi que refletissem sobre o sexo como algo proibido. Meu
objetivo era instigar se não seria por isso que há pedofilia e
prostituição?
- Mostrei a eles um vídeo feito por um professor com doutorado
em Filosofia Paulo Girardelli cujo título é “o pênis e a
filosofia”, polêmico porque mostra o pênis em sua forma
ereta, mas, procura mostrar, também, o ponto de vista de
culturas como a oriental (chinesa, coreana) e o modo como
através de cerimônias religiosas comemoram o dia do pênis,
15 de março, pois, eles veem o órgão masculino, com
símbolo de fertilidade (os gregos antigos, bem antes, erguiam
monumentos no formato de pênis em adoração a Hermes,
deus da fertilidade), ambas, aliás, sociedades muito
androcêntricas! Que pena que não há “a vagina e a filosofia”!
- Há, também, manifestações na Nova Zelândia, onde pessoas
sem roupas, também, expressam reverência ao corpo, sempre
escondido, proibido de ser visto!
- É claro que as imagens do vídeo chocam, principalmente
porque nossos alunos e, sejamos sinceros, a maioria dos
professores, foram educados a não comentar sobre
sexualidade, mas não há educação, sem emoção!