Você está na página 1de 6

Sistemática Vegetal

DEFINIÇÕES

SISTEMÁTICA VEGETAL:
VEGETAL É o ramo da Botânica que tem por
finalidade agrupar as plantas dentro de um sistema.
Baseado em características morfológicas, relações genéticas e suas
afinidades
TAXONOMIA:
TAXONOMIA É a ciência que elabora as leis da classificação.

Identificação  Determinação de um táxon


idêntico ou semelhante a um existente.
A Sistemática
compreende: Nomenclatura  Emprego dos nomes corretos
das plantas, obedecendo algumas regras.

Classificação  Ordenação das plantas em um


táxon.

TÁXON:
TÁXON Termo estabelecido pelo Código de Internacional de
Nomenclatura Botânica para designar um unidade taxonômica de qualquer
hierarquia (família, gênero, espécie etc...).

UNIDADES SISTEMÁTICAS

• De acordo com as relações entre as plantas, elas dever ser enquadradas em


categorias que indique suas afinidades sistemáticas.
Representa um grupo de plantas, havendo categoria maiores e
menores.

• As unidades sistemáticas são estabelecidas pelo Código de Internacional


de Nomenclatura Botânica.
• Os nomes aplicados a todas as categorias são latinos ou latinizados.

Darlan Patrício da Nóbrega Santos 1


Categorias taxonômicas e suas terminações

Reino Vegetal
Categoria de magnitude superior
Divisão (-phyta)
Subdivisão (-phytina)
Classe (-ae, -opsidae, -atae)
Subclasse (-idae)
Ordem (-ales)
Subordem (-ineae)
Família (-aceae)
Sudfamília (-oideae)
Tribo (-inae) Primeiro nome das duas palavras que
Gênero constituem o binômio.
Subgênero
Secção Categoria estabelecida no sistema
Lineano.
Espécie
Subespécie
Variedade
Subvariedade
Forma
SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO
Sistema Artificial  classificam os organismos por
meio de um único caráter
Três tipos
principais: Sistema Natural  baseado na afinidade natural das
plantas

Sistema Filogenético  baseado na variabilidade


das espécies.

Darlan Patrício da Nóbrega Santos 2


TIPIFICAÇÃO
• Chama-se de typus é o espécime conservado num herbário, do qual se faz
uma diagnose original.
São eles:
 Holotypus (Holótipo): Exemplar escolhido pelo autor como modelo
para a descrição da espécie e mencionado por ele na descrição original.
 Paratypus (Parátipo): Qualquer exemplar citado ao lado do holotypus
numa descrição original, mas que não seja da mesma série dele (número
do coletor diferente).
 Isotypus (Isótipo): Duplicatas do holotypus (mesmo número do
coletor).
 Syntypus (Síntipo): Qualquer exemplar de uma série de exemplares
citados pelo autor, sem especificação de um holotypus.
 Lectotypus (Lectótipo): Syntypus escolhido como holotypus, quando
o autor deixou de mencionar o holotypus, ou quando este se perdeu ou
foi destruído.

ESTRUTURA DO CÓDIGO DE NOMENCLATURA BOTÂNICA


• O Código visa, fundamentalmente, estabelecer regras para a denominação
dos grupos taxonômicos.
A Nomenclatura Botânica está baseada em seis princípios:
1. A Nomenclatura Botânica é independente da Zoológica e Bacteriológica.
2. A aplicação de nomes de grupos taxonômicos é determinada por meio de
tipos nomenclaturais.
3. A nomenclatura de um grupo taxonômico está baseada na prioridade de
publicação.
4. Cada grupo taxonômico tem apenas um nome correto, qual seja, o nome
mais antigo que esteja conforme as regras, exceto em casos específicos.
5. Os nomes científicos de grupos taxonômicos são tratados em latim,
independentemente de sua origem.

Darlan Patrício da Nóbrega Santos 3


6. As Regras de Nomenclatura são retroativas, a menos que expressamente
limitadas.

DEFINIÇÕES GERAIS:

1. Nome: termo geral para designar um grupo taxonômico. O nome de um


gênero ou táxons superiores é uma palavra. O nome de um táxon
infragenérico é a combinação de dois ou mais nomes.
2. Epíteto: qualquer palavra subseqüente ao nome genérico. Para o nível
espécie denomina-se epíteto específico e sua combinação ao nome
genérico constitui um binômio. Para níveis inferiores (variedade ou
subespécie) denomina-se epíteto varietal ou subespecífico e sua
combinação ao nome da espécie constituí um trinômio.
3. Publicação efetiva: Segundo o Código uma publicação é efetiva somente
pela distribuição de matéria impressa (através de venda, intercâmbio
ou doação) a instituições com bibliotecas acessíveis a botânicos em
geral.
4. Publicação válida: é aquela que atende às seguintes condições na
publicação do nome do táxon: I) ser efetivamente publicado; II) ser
acompanhado de uma descrição ou diagnose (descrição resumida
destacando as características diferenciais) do táxon em latim: III)
conter a indicação do Tipo nomenclatural.
5. Nome legítimo: é todo o nome publicado de acordo com as regras de
nomenclatura botânica, destacando-se a publicação válida e o princípio
da prioridade.

SINÔMIMOS:
Nomenclaturais – O exemplar tipo é o mesmo, havendo
apenas uma mudança na posição do táxon.
2
situações:
Taxonômica - Os exemplares Tipo são diferentes e táxons
legítimos distintos são colocados em sinonímia .

Darlan Patrício da Nóbrega Santos 4


PRIORIDADE:

• O princípio da prioridade determina que quando dois ou mais nomes se


referem ao mesmo táxon deve ser considerado legítimo o mais antigo.
Desde que o nome esteja de acordo com as regras.

CITAÇÃO DE AUTOR:

• Na primeira vez em que for mencionado no texto em uma publicação


taxonômica, o nome das categorias o autor(es) correspondente.
É escrito após o nome do táxon e de forma abreviada.
• Quando forem dois os autores suas abreviações devem ser unidas por “et”
ou “&”. Em se tratando de mais de dois autores somente o primeiro é citado
seguido “et al.” ou “& al.”.

HISTÓRICO DOS SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE PLANTAS

• Theophrastus (370 a.C) (“O pai da botânica”): classificou todas as plantas


com base em seu hábito: árvores, arbustos, subarbustos e ervas; reconheceu
a diferença na posição dos ovário das plantas.
• Albertus Magnus (1193 – 1280): diferenciou Monocotiledôneas e
Dicotiledôneas, com base na estrutura do caule.
• Otto Brunfels (1464 – 1534): estudou propriedades medicinais de
algumas plantas e iniciou os estudos científicos.
• Jean Bauhin (1541 - 1631): primeiro botânico e distinguir categorias de
gênero e espécie. Foi também um dos primeiros a utilizar a nomenclatura
binária.
• John Ray (1628 – 1705): propôs um sistema de classificação muito antes
de Lineu. Primeiro a reconhecer a importância do embrião e a presença de
cotilédones

Darlan Patrício da Nóbrega Santos 5


• Carlus Linnaeus ou Carl Linné ou Lineu (1707 – 1778): foi o fundador da
taxonomia moderna, pois desenvolveu o sistema de nomenclatura que hoje
se utiliza (sistema binomial) e estabeleceu as grandes categorias que são
usadas no sistema hierárquico de classificação biológica.
• Michel Adanson (1727 – 1806): substituiu o sistema artificial por um
sistema natural de classificação, com descrição de alguns táxons.
• Jean B. A. P. M. de Lamarck(1744 – 1829): criou chaves de identificação
de plantas e um sistema de classificação natural.
• De Jussieu: Antoine (1686 – 1758): criou o primeiro sistema natural de
classificação baseando-se o número de cotilédones, estrutura da semente, e
uma série de caracteres vegetativos e reprodutivos.
• Adolphe Theodor Brongniart (1801 – 1876): dividiu o Reino Vegetal em
Phanerogamae e Cryptogamae.
• John Lindley (1799 – 1911): propôs um sistema de classificação mais
firme que seus antecessores.
• August Wilhelm Eichler (1839 – 1887): propôs o primeiro esboço de
classificação baseado nas relações genéticas das plantas.

Darlan Patrício da Nóbrega Santos 6