Você está na página 1de 50

Desenho Técnico

Profª. Drª. Angélica Signor Mendes.


1.Introdução
•Tipos de projeto rural

•Porque aprender desenho técnico?

•Finalidade

•Normas técnicas: ABNT


Definição de Desenho Técnico

O desenho técnico é uma forma de expressão gráfica


que tem por finalidade a representação de forma, dimensão
e posição de objetos de acordo com as diferentes
necessidades requeridas pelas diversas modalidades de
engenharia e também da arquitetura. (É a linguagem gráfica
universal da engenharia e da arquitetura).
Deve ser objetivo e padronizado, de fácil entendimento
entre os diversos profissionais envolvidos. (Deve ser a
ligação do projetista com o executor).
Na prática pode-se dizer que, para interpretar um
desenho técnico, é necessário enxergar o que não é visível,
e a capacidade de entender uma forma espacial a partir de
uma figura plana é chamada visão espacial (AUTOCAD).
Tipos de Desenho Técnico:

•Desenho Projetivo:
- desenhos resultantes de projeções;
- projetos de fabricação de máquinas,
equipamentos…
- projetos de construções, edificações;
- projetos de rodovias;
- representações topográficas;
- projetos mobiliários;

•Desenho Não-Projetivo:
- gráficos;
- diagramas;
- etc…
2.Materiais do Projetista
• Prancheta
• Papel
• Régua “TÊ”
• Esquadros (45º e 60º)
• Grafitas
• Escalas
• Pranchetas
• Este material pode
ser encontrado com
facilidade em lojas
específicas, lojas de
móveis para escritório
ou no comércio em
geral
• Papel
• Papel opaco branco: em geral o
anteprojeto é feito nesse papel em lápis
ou nanquim.
• Papel vegetal: Usado no projeto final,
que deve ser feito em nanquim.
• Papel manteiga: Semelhante ao vegetal
mas com acabamento de segunda
• Papel heliográfico: Usado para cópias, á
partir do papel vegetal.
• Formatos de papel

FORMATO LINHAS DE CORTE


mm/mm

A – 0................... 841 X 1189


A – 1................... 594 X 841
A – 2................... 420 X 594
A – 3................... 297 X 420
A – 4................... 210 X 297
A – 5................... 148 X 210
A – 6................... 105 X 148
Margens
• Régua “TÊ”
Pode ser de madeira ou material sintético,
seu tamanho varia de acordo com a
prancheta.
Usada para traçar linhas paralelas, assim
como servir de apoio para os esquadros
• Esquadros
• Não devem ser graduados
• Devem ser de material transparente
• Possuem duas medidas (triângulo
isósceles 45º e triângulo escaleno 60º)

Esquadro de 60º
Esquadro de 45º

E
s
•Fixação do papel na Prancheta

• Fixar no canto esquerdo ( 2cm ou 3cm


da régua ‘TÊ”)

• Fixar nas 4 cantos da folha

• Para fixar use “durex”ou fita adesiva


similar
•Fixação do papel na Prancheta

1 3

4 2
• Instrumentos de desenho e seu
uso adequado
• Grafitas

São classificadas em graus de dureza.

•Médio...................................HB
•Meio macio...............................B
•Macio e Extra- macio...........2B a 8B
•Meio duro................................F
•Duro e Muito duro............H até 10H
• Tipos e espessuras de linhas
• Escalas
Escala é a relação existente entre o
tamanho do desenho e o tamanho do objeto
que o desenho representa.
Elas representam os valores reais de um
objeto em um desenho.
1
=
N L

• N = o denominador da escala que


desejamos;

• = a distância medida entre dois pontos


do desenho;

• L = a distância real correspondente no


objeto
1º Problema

• É dado a grandeza linear real (L), a


escala (N) e pede-se para determinar a
grandeza linear gráfica ( )
Exemplo 1

• Uma sala mede 6,20 x 3,80 m (L). Em


um desenho feito em escala 1:50 (N) quais
serão as medidas ? ( )

1 = 1 =
N L 50 620 x 380

l = 12,4 x 7,6 cm (dimensão da escala)


2º Problema

• É dado o valor da linha gráfica, a escala


e pede-se para determinar o valor da
linha natural (grandeza linear real,L = ?).
Exemplo 2
• Em um projeto desenhado na escala
1:50 (N) a altura de um prédio mede 18
cm ( Qual a verdadeira grandeza dessa
altura ? ( )

1 = 1 =
N L 50 L
3º Problema

•É dado o comprimento de uma linha


desenhada, o comprimento real que esta
linha representa, e deseja-se saber a
escala (N=?) em que está feito o
desenho.
Exemplo 3
• Um cômodo está desenhado com 380 mm
de largura (l) e mede 19 m (L Qual é a
escala do desenho ? (N )

1 = 1 = 380 mm
N L N 19000 mm

1 =
N 50
• Escolha da escala
Para escolher a escala devemos levar
em consideração:

• A medida do objeto a representar


comparada com a medida do papel que
irá receber o desenho correspondente;

• A natureza e número dos detalhes que


desejamos representar com clareza e
precisão
• As escalas já vem prefixadas de acordo com o
trabalho que se pretende fazer.

• Para projetos Arquitetônicos adotamos:

Planta Baixa.................1:100
Cortes.............................1:100 ou 1:50
Fachadas........................1:100 ou 1:50
Situação.........................1:200 (decreto 12.342)
1:500 (Pref. Piracicaba)
Cobertura......................1:100
•Natureza das escalas

• Escala de proporção maior


> L
• Escalas naturais
= L
• Escala de proporção menor ou de redução
< L
• Cotação de desenho

• Todo tipo de desenho deve trazer a


indicação de todas as suas medidas,
sendo que a apresentação dessas
medidas de forma errada ou incompleta
trazem prejuízos e aborrecimentos
Linhas de cotas e de
extensão

• São linhas que servem para indicar a


medida do elemento;

• Essas linhas devem ser paralelas ao


elemento cotado;

• Devem ser colocadas fora do elemento


•Terminações das Linhas de Cota

a. Círculos ou pontos: cujo diâmetro seja


aproximadamente de 1/4 da altura do
elemento de cota
b. Pequenos traços: devem ser feitos com
inclinação de 45º sempre para mesmo lado
c. Setas: que dependendo da espessura do
contorno, devem medir de 2 a 5mm
• Colocação de Cotas no
Desenho
Linha de extensão ou
referência

2.00

Linha de medida ou de cota

0.10

0.90
•Posição das Linhas de Cota e
dos Valores

a. Horizontal

b. Vertical

c. Inclinada

d. Cordas e superfícies planas


Evite esses erros

1.40 1.40

1.55

0.5
5
0.8

2.10
3.20 mts 0.70
NBR10126 – cotagem em desenho
ELEMENTOS DE COTAS: técnico.
- Linha de auxiliar;
- Linha de cota;
- Limite da linha da cota;
- Cota.
LINHAS AUXILIARES:
- Perpendiculares a linha de contorno;
- Não devem tocar na linha de contorno;
- Não devem cruzar outras linhas, sempre que possível.

LINHAS DE COTA:
- Linhas de centro e contorno não devem ser usadas como linha de cota, mas
podem ser usadas como linhas auxiliares.

LIMITE DA LINHA DE COTA:


- Representado por setas ou traço obliquo, na linha de cota;

- Na representação de raios haverá apenas um limite.


COTA:
- Valor numérico para representar a extensão da característica;
- Devem estar acima, paralelamente e centralizadas as suas linhas de cota.

- Símbolos especiais devem estar junto as cotas quando estas os representarem.


COTAGEM EM CADEIA:
- Cotas simples espaçadas paralelamente umas das outras, deixando espaço
suficiente para a escrita dos valores;

CHANFROS:
•Dobramento de folha A1
•Dobramento de folha A2
•Dobramento de folha A3
CONFIGURAÇÃO DA
FOLHA

Usualmente o espaço acima da legenda é utilizado


para observações, convenções e marcas de carimbo
dos órgãos públicos.

OBS: O espaço para textos não é obrigatório.


AUTOCAD
POSIÇÃO DE LEITURA
Na representação de desenhos em sua
respectiva folha deve-se levar em consideração
que o desenho possa ser lido da base da folha e
da sua lateral direita.
SELO OU LEGENDA
• Designação e emblema da empresa;
• Nome do responsável técnico;
• Local e Data;
• Nome do conteúdo do projeto;
• Conteúdo da prancha;
• Escalas adotadas;
• Numero da prancha.

OBS: A disposição dos elementos da legenda fica a critério


do projetista, mas preferencialmente, o emblema da
empresa deve sempre estar localizado na parte superior
direita da legenda, e o número da prancha deve ser
localizada no canto inferior esquerdo. AUTOCAD
NBR 8403 – aplicação das linhas, tipos de
linhas e largura das linhas.
QUANTO A ESPESSURA:
• GROSSA (espessura livre)
- Arestas e contornos visíveis;
- Linha de Corte.
• MÉDIA (metade da espessura da grossa)
- Arestas e contornos não visíveis;
- Rupturas curtas.
• FINA (metade da espessura da média)
- Linha de centro e eixo de simetria;
- Linha de cota;
- Linha de chamada ou extensão;
- Linha para hachuras;
- Rupturas longas.
TIPOS DE LINHAS APROVADAS PELA
ISSO 128/82
Linha Denominação Aplicação

Contínua larga -contornos visíveis


-arestas visíveis
Contínua estreita -linhas de interseção
imaginárias
-linhas de cotas
-linhas auxiliares
-linhas de chamada
-hachuras
-contornos de seções
rebatidas
-linha de centro curta
Linha Denominação Aplicação

Contínua estreita à mão -limites de vistas ou cortes


livre parciais ou interrompidas se o
limite não coincidir com
linhas traço e ponto
Contínua estreita em -esta linha destina-se a
ziguezague desenhos confeccionados por
máquinas
Tracejada larga -contornos não visíveis
-arestas não visíveis
Linha Denominação Aplicação

Tracejada estreita -contornos não visíveis


-arestas não visíveis
Traço e ponto estreita -linhas de centro
-linhas de simetria
-trajetórias

Traço e ponto estreita, -planos de corte


larga nas
extremidades e na
mudança de direção
Linha Denominação Aplicação
Traço e ponto larga -indicação das linhas ou
superfícies com indicação
especial
Traço dois pontos -contornos de peças
estreita adjacentes
-posição limite de peças
móveis
-linhas de centro de
gravidade
-cantos antes da
conformação
-detalhes situados antes do
plano de corte