Você está na página 1de 13

ESTÁCIO - UNIRADIAL

PROFESSOR: JOSÉ BENTO

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO

INTRODUÇÃO

Pretende-se expor ao leitor, de maneira objetiva, as alterações introduzidas na ortografia da língua


portuguesa pelo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de dezembro
de 1990, por Portugal, Brasil, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique
e, posteriormente, por Timor Leste. No Brasil, o Acordo foi aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54,
de 18 de abril de 1995. Esse Acordo é meramente ortográfico; portanto, restringe-se à língua escrita,
não afetando nenhum aspecto da língua falada. Ele não elimina todas as diferenças ortográficas
observadas nos países que têm a língua portuguesa como idioma oficial, mas é um passo em direção à
pretendida unificação ortográfica desses países.

Como o documento oficial do Acordo não é claro em vários aspectos, esse roteiro evidencia o que foi
possível estabelecer objetivamente sobre as novas regras. Ele servirá de orientação básica para aqueles
que desejam resolver rapidamente suas dúvidas sobre as mudanças introduzidas na ortografia
brasileira, sem preocupação com questões teóricas.

A implantação das regras desse Acordo aconteceu no Brasil a partir de janeiro de 2009, foi um passo
importante em direção à criação de uma ortografia unificada para o português, a ser usada por todos os
países que tenham o português como língua oficial: Portugal, Brasil, Angola, São Tomé e Príncipe,
Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor Leste.

Em caso de dúvidas, a Bíblia do novo acordo é o VOLP, Vocabulário Ortográfico da Língua


Portuguesa, que pode ser acessado online através do site da Academia Brasileira de Letras
(http://www.academia.org.br/), no link Nossa Língua, Busca no Vocabulário.

MUDANÇAS NO ALFABETO

O alfabeto passa a ter 26 letras. Foram reintroduzidas as letras k, w e y. O alfabeto completo passa a
ser: A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V WX Y Z
As letras k, w e y, que na verdade não tinham desaparecido da maioria dos dicionários da nossa língua,
são usadas em várias situações. Por exemplo:
a) na escrita de símbolos de unidades de medida: km (quilômetro), kg (quilograma), W (watt);
b) na escrita de palavras e nomes estrangeiros (e seus derivados): show, playboy, playground,
windsurf, kungfu, yin, yang, William, kaiser, Kafka, kafkiano.

TREMA

Não se usa mais o trema (¨), sinal colocado sobre a letra u para indicar que ela deve ser pronunciada
nos grupos gue, gui, que, qui.
Como era Como fica
agüentar aguentar
argüir arguir
bilíngüe bilíngue
cinqüenta cinquenta
1
delinqüente delinquente
eloqüente eloquente
ensangüentado ensanguentado
eqüestre equestre
freqüente frequente
lingüeta lingueta
lingüiça linguiça
quinqüênio quinquênio
sagüi sagui
seqüência sequência
seqüestro sequestro
tranqüilo tranquilo
Atenção: o trema permanece apenas nas palavras estrangeiras e em suas derivadas.
Exemplos: Müller, mülleriano.

MUDANÇAS NAS REGRAS DE ACENTUAÇÃO

A reforma conjugou quatro verbos – manter, mudar, cassar e acrescentar. Os estudos insistiram nas
mudanças. Deram, assim, um nó nos miolos da moçada. A questão mais importante hoje não é saber o
que mudou. É saber o que não mudou. Comecemos por aí.

1. Não se usa mais o acento dos ditongos abertos éi e ói das palavras paroxítonas (palavras que
têm acento tônico na penúltima sílaba).
Como era Como fica
alcalóide alcaloide
alcatéia alcateia
andróide androide
apóia (verbo apoiar) apoia
apóio (verbo apoiar) apoio
asteróide asteroide
bóia boia
celulóide celuloide
clarabóia claraboia
colméia colmeia
Coréia Coreia
debilóide debiloide
epopéia epopeia
estóico estoico
estréia estreia
estréio (verbo estrear) estreio
geléia geleia
heróico heroico
idéia ideia
jibóia jiboia
jóia joia
odisséia odisseia
paranóia paranoia
paranóico paranoico
platéia plateia
tramóia tramoia
2
Atenção: essa regra é válida somente para palavras paroxítonas. Assim, continuam a serem acentuadas
as palavras oxítonas terminadas em éis, éu, éus, ói, óis.
Exemplos: papéis, herói, heróis, troféu, troféus.

2. Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no i e no u tônicos quando vierem depois de
um ditongo.
Como era Como fica
baiúca baiuca
bocaiúva bocaiuva
feiúra feiura
cauíla cauila

Atenção: se a palavra for oxítona e o i ou o u estiverem em posição final (ou seguidos de s), o acento
permanece. Exemplos: tuiuiú, tuiuiús, Piauí.

3. Não se usa mais o acento das palavras terminadas em êem e ôo(s).

Como era Como fica


abençôo abençoo
crêem (verbo crer) creem
dêem (verbo dar) deem
dôo (verbo doar) doo
enjôo enjoo
lêem (verbo ler) leem
magôo (verbo magoar) magoo
perdôo (verbo perdoar) perdoo
povôo (verbo povoar) povoo
vêem (verbo ver) veem
vôos voos
zôo zoo

4. Não se usa mais o acento que diferenciava os pares pára/para, péla(s)/ pela(s), pêlo(s)/pelo(s),
pólo(s)/polo(s) e pêra/pêra (pêra (fruta), péra (subst. arcaico - pedra), pera (prep. arcaica)

Como era Como fica


Ele pára o carro. Ele para o carro.
Ele foi ao Pólo Norte. Ele foi ao Polo Norte.
Ele gosta de jogar pólo. Ele gosta de jogar polo.
Esse gato tem pêlos brancos. Esse gato tem pelos brancos.
Comi uma pêra. Comi uma pera.

Atenção:
• Permanece o acento diferencial em pôde/pode. Pôde é a forma do passado do verbo poder (pretérito
perfeito do indicativo), na 3a pessoa do singular. Pode é a forma do presente do indicativo, na 3a
pessoa do singular.
Exemplo: Ontem, ele não pôde sair mais cedo, mas hoje ele pode.

• Permanece o acento diferencial em pôr/por. Pôr é verbo. Por é preposição.


Exemplo: Vou pôr o livro na estante que foi feita por mim.

3
• Permanecem os acentos que diferenciam o singular do plural dos verbos ter e vir, assim como de
seus derivados (manter, deter, reter, conter, convir, intervir, advir etc.).
Exemplos:
Ele tem dois carros. / Eles têm dois carros.
Ele vem de Sorocaba. / Eles vêm de Sorocaba.
Ele mantém a palavra. / Eles mantêm a palavra.
Ele convém aos estudantes. / Eles convêm aos estudantes.
Ele detém o poder. / Eles detêm o poder.
Ele intervém em todas as aulas. / Eles intervêm em todas as aulas.

• É facultativo o uso do acento circunflexo para diferenciar as palavras forma/ fôrma. Em alguns casos,
o uso do acento deixa a frase mais clara.
Veja este exemplo: Qual é a forma da fôrma do bolo?

5. Não se usa mais o acento agudo no u tônico das formas (tu) arguis, (ele) argui, (eles) arguem,
do presente do indicativo dos verbos arguir e redarguir.

6. Há uma variação na pronúncia dos verbos terminados em guar, quar e quir, como aguar,
averiguar, apaziguar, desaguar, enxaguar, obliquar, delinquir etc. Esses verbos admitem duas
pronúncias em algumas formas do presente do indicativo, do presente do subjuntivo e também do
imperativo.
Veja:
a) se forem pronunciadas com a ou i tônicos, essas formas devem ser acentuadas.
Exemplos:
• verbo enxaguar: enxáguo, enxáguas, enxágua, enxáguam; enxágue, enxágues, enxáguem.
• verbo delinquir: delínquo, delínques, delínque, delínquem; delínqua, delínquas, delínquam.

b) se forem pronunciadas com u tônico, essas formas deixam de ser acentuadas.


Exemplos (a vogal destacada é tônica, isto é, deve ser pronunciada mais fortemente que as outras):
• verbo enxaguar: enxaguo, enxaguas, enxagua, enxaguam; enxague, enxagues, enxaguem.
• verbo delinquir: delinquo, delinques, delinque, delinquem; delinqua,delinquas, delinquam.

Atenção: no Brasil, a pronúncia mais corrente é a primeira, aquela com a e i tônicos.

USO DO HÍFEN

Primeiro passo: o hífen problemático se usa na formação dos vocábulos. Há dois processos:
1. a composição: duas ou mais palavras se unem e formam uma terceira. É o caso de beija-flor. Beija
é verbo. Flor, belezura que enfeita vasos e jardins. As duas ligadas dão nome a um pássaro. É o caso
também de guarda-noturno, arco-íris, bom-dia.

2. a prefixação: com o auxílio de prefixo, a palavra mantém a classe gramatical. Mas acrescenta ideia
nova – de tamanho (minissaia), de oposição (anti-herói), de associação (coautor). E por aí vai.

COMPOSIÇÃO

A reforma dividiu os nomes compostos em dois times. O primeiro: formado de duas palavras (guarda-
costas, porta-retrato, para-raios). O segundo: formado de mais de duas palavras em que uma funciona
como ligação (pé de moleque, pôr do sol, joão-de-barro)

4
DUPLINHAS
Nas duplinhas, praticamente não houve mudanças. O que tinha hífen continuou com o tracinho: arco-
íris, mestre-sala, bom-dia, boa-tarde, boa-noite, porta-bandeira, porta-luvas, para-choque.
Houve alterações? Houve. Quais?
Paraquedas, paraquedista, paraquedismo e outros membros da família amortecedora perderam o
tracinho. Os demais compostos com para conservam-se firmes e fortes – para-raios, para-lama, para-
choque.
Tão só, tão somente e à toa tinham hífen. Mandaram-no plantar batata na Terra do Nunca.
Palavras onomatopeicas que se escreviam juntas ficaram com um pedaço lá e outro cá: zum-zum,
zigue-zague, tim-tim.

MAIS DE DOIS
As composições com mais de duas palavras foram divididas em dois grupos:
1. os pertencentes ao reino animal ou vegetal, com ou sem preposição ou outro elemento de ligação.
Eles mantiveram o tracinho: joão-de-barro, castanha-do-pará, pimenta-do-reino, cana-de-açúcar,
abóbora-menina, couve-flor, batata-inglesa, erva-doce.

2. os outros – não pertencentes ao mundo das plantas ou da bicharada. Eles perderam o tracinho: pé de
moleque, tomara que caia, calcanhar de Aquiles, dor de cotovelo.

Exceções? Claro que há. Permanecem com hífen água-de-colônia, pé-de-meia, cor-de-rosa. Por quê?
Porque hífen é castigo de Deus.

PREFIXAÇÃO
Vejamos as regras de uso do hífen nos casos de formação de palavras através da prefixação:

1. Com prefixos, usa-se sempre o hífen diante de palavra iniciada por h.


Exemplos:
anti-higiênico
anti-histórico
macro-história
mini-hotel
proto-história
sobre-humano
super-homem
ultra-humano

Exceção: subumano (nesse caso, a palavra humano perde o h).

2. Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal diferente da vogal com que se inicia o
segundo elemento.
Exemplos:
aeroespacial
agroindustrial
anteontem
antiaéreo
antieducativo
autoaprendizagem
autoescola
autoestrada
autoinstrução

5
coautor
coedição
extraescolar
infraestrutura
plurianual
semiaberto
semianalfabeto
semiesférico
semiopaco

Exceção: o prefixo “co-” aglutina-se em geral com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia
por o ou h: coobrigar, coobrigação, coordenar, cooperar, cooperação, cooptar, coocupante, coerdeiro,
coabitar, etc.

3. Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por consoante
diferente de r ou s.
Exemplos:
anteprojeto
antipedagógico
autopeça
autoproteção
coprodução
geopolítica
microcomputador
pseudoprofessor
semicírculo
semideus
seminovo
ultramoderno

Atenção: com o prefixo vice, usa-se sempre o hífen.


Exemplos: vice-rei, vice-almirante etc.

4. Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por r ou s.
Nesse caso, duplicam-se essas letras.
Exemplos:
antirrábico
antirracismo
antirreligioso
antirrugas
antissocial
biorritmo
contrarregra
contrassenso
cosseno
infrassom
microssistema
minissaia
multissecular
neorrealismo
neossimbolista

6
semirreta
ultrarresistente.
ultrassom

5. Quando o prefixo termina por vogal, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela mesma
vogal.
Exemplos:
anti-ibérico
anti-imperialista
anti-inflacionário
anti-inflamatório
auto-observação
contra-almirante
contra-atacar
contra-ataque
micro-ondas
micro-ônibus
semi-internato
semi-interno

6. Quando o prefixo termina por consoante, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela
mesma consoante.
Exemplos:
hiper-requintado
inter-racial
inter-regional
sub-bibliotecário
super-racista
super-reacionário
super-resistente
super-romântico

Atenção:

• Nos demais casos não se usa o hífen.


Exemplos: hipermercado, intermunicipal, superinteressante, superproteção.

• Com o prefixo sub, usa-se o hífen também diante de palavra iniciada por r: sub-região, sub-raça etc.

• Com os prefixos circum e pan, usa-se o hífen diante de palavra iniciada por m, n e vogal: circum-
navegação, pan-americano etc.

7. Quando o prefixo termina por consoante, não se usa o hífen se o segundo elemento começar
por vogal.
Exemplos:
hiperacidez
hiperativo
interescolar
interestadual
interestelar
interestudantil

7
superamigo
superaquecimento
supereconômico
superexigente
superinteressante
superotimismo

8. Com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, usa-se sempre o hífen.
Exemplos:
além-mar
além-túmulo
aquém-mar
ex-aluno
ex-diretor
ex-hospedeiro
ex-prefeito
ex-presidente
pós-graduação
pré-história
pré-vestibular
pró-europeu
recém-casado
recém-nascido
sem-terra

9. Deve-se usar o hífen com os sufixos de origem tupi-guarani: açu, guaçu e mirim.
Exemplos: amoré-guaçu, anajá-mirim, capim-açu.

10. Deve-se usar o hífen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam,
formando não propriamente vocábulos, mas encadeamentos vocabulares.
Exemplos: ponte Rio-Niterói, eixo Rio-São Paulo.

11. Não se deve usar o hífen em certas palavras que perderam a noção de composição.
Exemplos:
girassol
madressilva
mandachuva
paraquedas
paraquedista
pontapé

12. Para clareza gráfica, se no final da linha a partição de uma palavra ou combinação de palavras
coincidir com o hífen, ele deve ser repetido na linha seguinte.
Exemplos:

Na cidade, conta-
-se que ele foi viajar.

O diretor recebeu os ex-


- alunos.

8
É, o castigo, digo, o hífen realmente constitui um assunto muito complexo. Vejamos as mudanças da
prefixação sob outra ótica, porém com o mesmo conteúdo:

Com o auxílio do prefixo, a palavra mantém a classe gramatical. Mas acrescenta ideia nova – de
tamanho (microblog), de oposição (anti-intervenção), de associação (coabitar). Lidar com essa turma
não é mole. Melhor comer pelas beiradas.

Comecemos pelos intolerantes. São os prefixos chega pra lá. Eles não admitem a proximidade com
qualquer palavra. Por isso sempre se usaram e continuam a se usar com hífen. O ex- serve de exemplo.
As duas letrinhas dão recado claro. Dizem que o ser antecedido por elas foi, mas deixou de ser. É o
caso de ex-marido. Ele dividiu o leito nupcial com a mulher. Não divide mais. É o caso também de ex-
presidente. Sua Excelência se sentou na cadeira mor da instituição. Não se senta mais.

E os outros? Além, aquém, pós, pré, pró, recém, sem, vice, soto, vizo: além-mar, aquém-muros, pós-
graduação, pré-primário, pró-reitor, recém-chegado, sem-terra, vice-presidente, sota-piloto, soto-
mestre, vizo-rei.

REGRAS DE OURO

Vamos combinar? Os intolerantes nunca constituíram problema. O xis da questão são os outros. Duas
regras de ouro resolvem 90% das dúvidas.

Use o tracinho quando:


1. o prefixo for seguido de h : pré-histórico, anti-humano, super-homem, extra-humanidade, semi-
hospitalar, pseudo-herói, pós-homérico, extra-habitual.
Exceção? Grafias tradicionais se mantêm. Valem os exemplos de reaver, inábil, anistórico, desumano.
O co- e o re- passaram a sofrer de alergia. Com eles é tudo juntinho: coerdeiro, coabitação, reaver,
reouve.
2. letras iguais se encontrarem: contra-ataque, anti-inflamatório , mini-internato , semi-irregular,
auto-observação, micro-ondas, tele-escola, hiper-rico, inter-racial, sub-bloco, super-romântico.
A propósito:
a. O co- e o re- continuam alérgicos: coordenação, cooperar, reeleição, reelaborar.
b. O sub- enfrentou uma encrenca. Para evitar encontro consonantal como o que ocorre em
abraço, pede hífen quando seguido de r: sub-região, sub-raça, sub-reptício, sub-rogar.
c. Se letras iguais se rejeitam, letras diferentes se atraem: autoescola, infraestrutura,
aeroespacial, agronegócios, autoanálise, coedição, semiobscuro, miniolimpíada, microblog,
microavanços, megaexposição, anticorrupção, semicírculo, contracheque, subsolo.
d. Pronúncia exige respeito. Pra mantê-la, temos que recorrer a truques da língua. Se o r ou o s
ficarem entre duas vogais, dobra-se as letras: minirrevista, minissaia, megarregião, antirreforma.

Acima do bem e do mal


Quando usar hífen antes de bem e mal? A regra é simples como andar pra frente. Usa-se o tracinho
diante de vogal e h. É o caso de bem-amado, bem-estar, bem-humorado, mal-amado, mal-estar, mal-
humorado.

Fácil? É. Mas há as exceções. Elas são tantas que quase tornam a regra letra morta. Bem e mal
passaram por isso a ser chamados de elementos das mil formas. Aprecie: bem-criado (malcriado),
bem-ditoso (malditoso), bem-falante (malfalante), bem-mandado (malmandado), bem-nascido
(malnascido), bem-soante (malsoante), bem-vindo (malvindo).

9
E daí? Diante de tanta variedade, vão-se as certezas. Nós, pobres mortais, só temos uma saída —
consultar o dicionário. Com o pai de todos, não há erro. É acertar ou acertar.

LEITURA COMPLEMENTAR: BLOG DA DAD

MATÉRIAS PUBLICADAS NO ESTADO DE MINAS EM FEVEREIRO DE 2010.

PROVA NOTA 10 (1) E (2) - LINKS:


http://www.dzai.com.br/blogdadad/blog/blogdaddad?tv_pos_id=54038
http://www.dzai.com.br/blogdadad/blog/blogdaddad?tv_pos_id=54259

EXERCÍCIOS NOVO ACORDO

A. Avalie se as palavras sublinhadas nas sentenças abaixo estão corretas, segundo as


novas regras ortográficas. Escreva “C” para Certo, “E” para errado e corrija. Não se
esqueça de consultar a respectiva norma:

1. A crise financeira dos EUA pode trazer conseqüências para o Brasil.

2. Quando ele para para pensar, desiste.

3. Livro de auto-ajuda permanece no topo da lista dos mais vendidos.

4. A sonda Phoenix realizou um pouso histórico no pólo Norte de Marte.

5. O consumo frequente de álcool durante a juventude causa danos ao cérebro.

6. A idéia do presidente é que todos os países se unam contra o aquecimento.

7. O empresário deve cumprir pena por roubo em regime semiaberto.

8. Avião permitirá que passageiros fumem durante o vôo.

9. O síndico marcou uma assembleia para decidir sobre a reforma do prédio.

10.Pesquisa revela que 97% dos brasileiros crêem em Deus.

11. A estréia de Katie Holmes foi marcada por protestos.

12. O coautor do estudo explicou que a descoberta ajuda no tratamento do câncer.

13. Os homens mais vaidosos já encontram no mercado tipos de creme antirrugas.

14. Ela perdeu tudo que estava dentro da caixa de joias.

10
15. Cerca de 5% da população mundial têm comportamento anti-social.

16. O ex-vereador participou da reunião extraoficial durante a madrugada.

17. No momento decisivo, ele recuou e desistiu de saltar de pára-quedas.

18. Eu apoio qualquer acordo entre os países.

19. Ele achou a nova estátua uma feiura.

20. Ela é a coherdeira da indústria da soja.

B. Forme palavras com os elementos abaixo, empregando ou não o hífen:

ante sala auto afirmação


anti social contra indicação
arqui romântico intra uterino
semi sintético ultra elevado
hiper rancoroso anti herói
super resistente super homem
auto estrada anti ibérico
extra escolar arqui inimigo
semi aberto micro ônibus
sócio econômico supra axilar
extra humano co ordenar
semi herbáceo para quedas
anti imperialista guarda chuva
micro ondas beija flor
contra argumento ex marido
co operação pan americano
manda chuva pré natal
para lama Paraná mirim
conta gotas bem estar
segunda feira madre silva
mal me quer cor de rosa
vice presidente
circum navegação
pós graduação
manacá Açu
auto retrato
anti rugas
auto sugestão
super racional
inter regional

11
C. Coloque no plural as frases abaixo, e acentue os verbos, onde o acento é necessário:
1. João tem vários irmãos . João e José. ____________________________________
2. A lata contem muitos biscoitos . ____________________________________
3. O Presidente tem o poder do país . ____________________________________
4. A mãe vem buscar o filho na escola . ____________________________________
5. A águia vê o solo de grandes alturas . ____________________________________
6. O homem crê em Jesus Cristo . ____________________________________
7. A aluna lê o livro rapidamente . ____________________________________

D. Leia as frases a seguir e analise se a palavra destacada está certa ou errada, de


acordo com a nova ortografia:

Ontem a professora não pode terminar o conteúdo.

Não agüento mais as piadas do tio Sandro.

Esta autoestrada não está em boas condições.

A vizinha é totalmente paranóica, vive se preocupando à toa.

Meu filho não gosta do superomem.

Eu caí de paraquedas nesse projeto.

Você sabe qual é o teor alcoólico desta bebida?

A entrevista de hoje foi tranqüila.

Ainda faltam 150 kilômetros para chegar ao Rio De Janeiro.

10. A escola em que matriculei meus filhos tem infraestrutura.

E. Com o novo acordo, quantas letras passa a ter o alfabeto da língua portuguesa?
a) 23 b) 26 c) 28 d) 20 e) 21
F. A regra atual para acentuação no português do Brasil manda acentuar todos os
ditongos abertos “éu”, “éi”, “ói” (como ‘assembléia’, ‘céu’ ou ‘dói’). Pelo novo
acordo, palavras desse tipo passam a ser escritas:
a) Assembléia, dói, céu
b) Assembléia, doi, ceu
c) Assembléia, dói, ceu
d) Assembleia, dói, céu
e) Assembleia, doi, céu

G. Pela nova regra, apenas uma dessas palavras pode ser assinalada com acento
circunflexo. Qual delas?
a) Vôo b) Crêem c) Enjôo d) Pôde e) Lêem

H. Qual das alternativas abaixo apresenta todas as palavras grafadas corretamente:


a) bússola, império, platéia, cajú, Panamá
b) bussola, imperio, plateia, caju, Panama
c) bússola, imperio, plateia, caju, Panamá
d) bússola, império, plateia, caju, Panamá
e) bussola, imperio, plateia, cajú, Panamá

I. De acordo com as novas regras para o hífen, passarão a ser corretas as grafias:
a) Coautor, antissocial e micro-ondas
b) Co-autor, anti-social e micro-ondas
c) Coautor, antissocial e microondas
d) Co-autor, antissocial e micro-ondas
e) Coautor, anti-social e microondas

J. Qual das frases abaixo está redigida de acordo com a nova ortografia?
a) É preciso ter autoestima e autocontrole para coordenar o projeto de infraestrutura
recém-aprovado, ainda muito polêmico e com ajustes a fazer.
b) É preciso ter auto-estima e autocontrole para coordenar o projeto de infra-estrutura
recém-aprovado, ainda muito polemico e com ajustes a fazer.
c) É preciso ter auto-estima e autocontrole para co-ordenar o projeto de infraestrutura
recémaprovado, ainda muito polêmico e com ajustes a fazer.
d) É preciso ter autoestima e auto-controle para coordenar o projeto de infra-estrutura
recém-aprovado, ainda muito polemico e com ajustes a fazer.
e) É preciso ter auto-estima e autocontrole para co-ordenar o projeto de infraestrutura
recém-aprovado, ainda muito polêmico e com ajustes a fazer.

K. Em quais das alternativas abaixo há apenas palavras grafadas de acordo com a


nova ortografia da língua portuguesa?
a) Pára-choque, ultrassonografia, relêem, União Européia, inconseqüente, arquirrival,
saúde.
b) Para-choque, ultrassonografia, releem, União Europeia, inconsequente, arquirrival,
saúde.
c) Parachoque, ultra-sonografia, releem, União Européia, inconsequente, arqui-rival,
saúde.
d) Para-choque, ultra-sonografia, relêem, União Européia, inconseqüente, arqui-rival,
saúde.