Você está na página 1de 2

Conto : Velório de Luiz Vilela , retirado do Livro ‘Tremores de Terra”

Resumo : Valico , um homem colocado por todos como bom , trabalhador e


compreensivo morre numa certa madrugada e à tarde seus amigos ficam sabendo e vão
ao seu Velório . Nestor , narra a história mostrando o que se tornou mais uma confusão
do que um velório . Primeiro o caixão atrasa e o morto fica em cima de uma mesa por
horas , o que gerou brigas com a funerária e isso fez com que os amigos de Valico :
Nestor , Bastião , Lolô , Nassim , Nego Branco e Penca, com características muito
estranhas alguns deles , ficassem esperando por muito tempo o caixão chegar para que
ele fosse enterrado . Lolô ao ver que o enterro seria adiado para o outro dia não
agüentou e foi-se embora enquanto os outros ficaram por lá , exaustos e esperando até
que pegaram um baralho , bebida e comida e começam a jogar sete e meio , assim como
costumavam fazer com Valico , na mesma mesa até . Eles se embebedam e acabam
dormindo por ali mesmo até que quando Nestor acorda , já era outro dia e então
pergunta o que havia acontecido à tia velha que estava sentada na sala ; ela diz que já
haviam levado há uma hora e meia mais ou menos e Nestor fica “puto” . Acaba não
estando nem ai e vai ao banheiro “mijar” .

Personagens :
Nestor : Narrador-personagem do texto ,amigo do peito de Valico sai do trabalho e vai
para o enterro deste e lá fica com seus amigos esperando . É ele quem liga para o
cemitério para explicar a demora e acabo levando “coices” do coveiro .
Bastião : É o mais bem-de-vida de todos os amigos , de quem Nestor fala ter muito nojo
por ter caspa excessiva além de ser um porco , já que dorme do lado do vaso .
Lolô : Baixote , como ele próprio diz , não teve muita paciência e foi-se embora quando
viu que o enterro atrasaria praticamente um dia , mostrando-se impaciente até com a
altura de Valico , que foi o que segundo ele causou a demora toda.
Nassim : Amigo turco de Valico e dos outros , dorme com o morto sozinho uma certa
hora e acaba acordando com o fedor deste . Ele começa a jogar somente no final e
Nestor acha que por ele estar ganhando e os outros bêbados ele só podia estar roubando.
Penca : O mais bravo dos amigos , quer logo partir para a briga quando a funerária
atrasa o caixão e fala que os outros estão “afinando” . Ele também é um dos que fala
mais palavras rudes durante todo o texto como frouxos , veados e xinga os amigos .
Nego Branco : É o mais equilibrado e sempre mostra calma diante de decisões difíceis .
Diz que devem esperar o caixão com calma e que brigas não resolveriam nada . Se
mostra tão equilibrado que em certo ponto começa a olhar para o ar , por um grande
período de tempo .
Dona Laura : Emocionada no enterro , era a mulher de Valico e diz a Nestor que Valico
não podia ter morrido e que ele era muito bom . Depois de muito tempo a convencem de
ir dormir , pois estava muito cansada e já havia tomado vários calmantes.
Valico : O velório tinha “dono” e era de Valico , um morto do qual todos falavam bem ,
que era trabalhador , compreensivo além de um ótimo jogador de truco . Ele fica em
uma mesa até que o caixão chegue e seus amigos ficam juntos com ele até que este
começa a feder . É levado para o cemitério no dia depois , sem que nenhum de seus
amigos pudesse ir vê-lo sendo enterrado.

Espaço : A história se passa na casa de Valico , onde as pessoas ficam na sala , exaustas
por muito tempo . Depois os amigos vão para a Copa para jogar baralho e passam pela
cozinha para pegar comida .
Tempo : O tempo é cronológico já que são contadas as horas que se passam devido à
grande espera por aquilo e acaba se passando quase um dia .

Climax : O clímax do texto é quando dizem que o caixão vai atrasar e os amigos
entram em pânico achando que seria uma piara aquilo .

Análise : O autor Luiz Vilela , tenta através de uma de suas formas de humor negro ,
mostrar nesse conto alguns personagens grotescos e animalizados , num “evento” como
um velório , onde se presume que haveria muita calma , sem conturbações . Acontecem
nesse velório , coisas que são consideradas grotescas , mostrando uma animalização do
próprio homem em si , que talvez seja o que Luiz Vilela queria passar.