Você está na página 1de 2
     
         

ABR 1995

NBR 9779

ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas

Argamassa e concreto endurecidos - Determinação da absorção de água por capilaridade

Sede:

             

Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210 -3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço Telegráfico:

       

NORMATÉCNICA

 

Método de ensaio

       

Copyright © 1995, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/

Origem: Projeto NBR 9779/1994 CB-18 - Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados CE-18:301.04 - Comissão de Estudo de Métodos de Ensaios Físicos para Concreto Endurecido NBR 9779 - Hardened mortar and concrete - Determination of water absorption by capillarity - Method of test Descriptors: Mortar. Concrete Esta Norma substitui a NBR 9779/1987 Válida a partir de 29.05.1995

Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

Palavras-chave: Argamassa. Concreto

2 páginas

1

Objetivo

   

3.2

Recipiente

   

Esta Norma prescreve o método para determinação da absorção de água, através da ascensão capilar, de arga- massa e concreto endurecidos.

Recipiente com dimensões internas apropriadas para ar- mazenar corpos-de-prova de argamassa ou de concreto, com tampa, tendo uma única abertura com área inferior ou igual a 1% da área da seção transversal do recipiente,

2

Documentos complementares

e contendo um dispositivo que garanta um nível de água

Na aplicação desta Norma é necessário consultar:

constante.

       

3.3

Suportes

   
 

NBR 5738 - Moldagem e cura de corpos-de-prova cilíndricos ou prismáticos de concreto - Método de ensaio

Bases que mantenham os corpos-de-prova afastados do fundo do recipiente e que permitam um contato efetivo entre a sua face inferior e a água.

 

NBR 7215 - Cimento Portland - Determinação da re- sistência à compressão - Método de ensaio

3.4

Balança

   
 

NBR 7222 - Argamassa e concreto - Determinação da resistência à tração por compressão diametral de corpos-de-prova cilíndricos - Método de ensaio

Balança com resolução mínima igual a 0,025% da massa do corpo-de-prova.

       

3.5

Dessecador

   
 

NBR 7680 - Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto - Procedimen- to

4 Execução do ensaio

 
       

4.1

Preparação dos corpos-de-prova

 

3

Aparelhagem

         

A aparelhagem necessária à execução do ensaio é des- crita em 3.1 a 3.5.

4.1.1 Os corpos-de-prova de argamassa devem ser moldados de acordo com a NBR 7215, e os de concreto de acordo com a NBR 5738, ou obtidos a partir de teste-

3.1 Estufa

   

munhos extraídos de acordo com a NBR 7680. Para aná- lise de composições de argamassa ou concreto, a amostra deve ser constituída de no mínimo três corpos-de-prova.

Estufa com dimensões internas apropriadas para armaze- nar corpos-de-prova de argamassa ou de concreto, com capacidade para manter a temperatura de (105 + 5) o C.

4.1.2 Para o exame de artefatos ou peças endurecidas, a amostra deve ser constituída de no mínimo três corpos-

   

2

NBR 9779/1995

de-prova, obtidos de testemunhos extraídos, devendo, apresentar, cada um deles, no mínimo:

4.2.4 Completada cada etapa, os corpos-de-prova devem retornar imediatamente ao recipiente de ensaio.

a) 195 cm 3 , no caso de argamassas;

b) 2500 cm 3 , no caso de concreto preparado com agregado de dimensão característica máxima de até 50 mm;

c) 10000 cm 3 , no caso de concreto preparado com agregado de dimensão característica máxima superior a 50 mm.

4.1.3 Os corpos-de-prova moldados devem estar isentos

de óleo ou outros materiais aderidos na moldagem.

4.2.5 Após a última etapa, romper os corpos-de-prova por compressão diametral, conforme a NBR 7222, de modo a permitir a anotação da distribuição da água no seu interior.

5 Resultados

5.1 A absorção de água por capilaridade deve ser ex-

pressa em g/cm 2 e calculada dividindo o aumento de massa pela área da seção transversal da superfície do corpo-de-prova em contato com a água, de acordo com a seguinte equação:

C = A B

S

Nota: O ensaio não tem significado se a ascensão capilar máxima atingir a altura do corpo-de-prova.

4.1.4 Determinar a massa do corpo-de-prova ao ar e secá-

lo em estufa à temperatura de (105 ± 5) o C, até constância de massa.

Nota: Considera-se que a massa é constante, quando a diferença entre duas pesagens consecutivas do mesmo corpo-de- prova, entre períodos de 24 h de permanência na estufa, não exceder 0,5% do menor valor obtido.

4.1.5

Onde:

C

= absorção de água por capilaridade, em g/cm 2

A

= massa do corpo-de-prova que permanece com uma das faces em contato com a água durante um período de tempo especificado, em g

B

= massa do corpo-de-prova seco, assim que este atingir a temperatura de (23 ± 2) o C, em g

S 5.2 5.3 O a)
S
5.2
5.3 O
a)

= área da seção transversal, em cm 2

Resfriar o corpo-de-prova ao ar à temperatura de

(23 + 2) o C, de preferência em dessecador, e determinar sua massa.

A altura da ascensão capilar máxima interna deve ser

expressa em centímetros, e a distribuição interna da água absorvida deve ser desenhada.

4.2 Imersão parcial dos corpos-de-prova em água

4.2.1

relatório contendo os resultados do ensaio deve

apresentar o seguinte:

Instalar o recipiente num ambiente com temperatura

constante de (23 + 2) o C.

4.2.2 Posicionar os corpos-de-prova sobre suportes, preenchendo com água o recipiente de ensaio, de modo que o nível d’água permaneça constante a (5 + 1)mm acima de sua face inferior , evitando a molhagem de outras superfícies.

identificação da argamassa ou do concreto en- saiado;

b) tipo do corpo-de-prova (moldado ou extraído);

c) forma e dimensões dos corpos-de-prova;

d) idade dos corpos-de-prova;

4.2.3 Durante o ensaio, determinar a massa dos corpos-

de-prova com 3h, 6h, 24h, 48h e 72h, contadas a partir

da colocação destes em contato com a água. Estes devem ser previamente enxugados com pano úmido.

e) método de cura;

f) indicação de eventuais anomalias;

g) resultados obtidos conforme 5.1 e 5.2.