Você está na página 1de 13

Ciclo de Vida

A transformação da freqüentemente feia e bizarra lagarta em uma elegante
borboleta é realmente um dos milagres executados pela Natureza.
No ciclo de vida as borboletas processam uma metamorfose completa em quatro
fases bem definidas e bastante distintas como ovos larvas cris!lidas e adultas.
Ovos de borboleta
Ovos " ap#s o acasalamento que pode durar até cerca de uma $ora a f%mea
procura as plantas adequadas para a postura dos ovos. Nesta tarefa conta com
uma peculiar $abilidade das patas que pode sentir o sabor das fol$as das plantas
a adequação nutritiva e a aus%ncia de fitotoxinas pois essas fol$as serão parte do
card!pio exclusivo das larvas. Não se sabe o n&mero exato de ovos que uma f%mea
pode depositar na parte superior das fol$as das plantas escol$idas mas a postura
pode decorrer em algumas $oras ou em muitos dias e os ovos variam em taman$o
forma e coloração de acordo com a espécie.
Lagarta / larva da borboleta
Larvas ' ao c$egar o momento de sa(rem dos ovos os lepid#pteros assumem uma
forma larval as con$ecidas lagartas. )stas abrem camin$o comendo as cascas dos
ovos em que estavam contidas preparam uma espécie de nin$o na parte inferior
de alguma fol$a e de imediato começam a comer as partes vegetais da planta em
que se encontram cortando"as e mastigando"as com suas poderosas mand(bulas.
*evido a um determinado $orm+nio que segregam as lagartas não param de
comer, algumas comem durante o dia inteiro outras o fazem durante toda a noite.
No per(odo destinado ao descanso digestão e absorção dos nutrientes voltam para
esse nin$o constru(do sob a fol$a que curiosamente evitam comer. -ão comedoras
vorazes quase que insaci!veis pois precisam se alimentar dos nutrientes
necess!rios para o per(odo de $ibernação de sua pr#xima fase de vida e para isso
necessitam armazenar bastante energia. . medida que a produção desse $orm+nio
diminui as lagartas consomem cada vez menos fol$as. /uando param de comer
por completo estão preparadas para a nova fase.
Crisálida

Crisálidas ' também denominadas pupas é o est!gio
seguinte quando a larva procura a parte inferior de uma
fol$a ou um gal$o mais resistente onde possa se enrolar em
uma espécie de capa protetora e se transformar por
completo. Algumas mariposas a partir de uma gl0ndula
pr#xima da boca produzem uma teia de material salivar que em contato com o ar
adquire consist%ncia de fios muito resistentes. 1ecidos em torno da pupa para
aumentar sua proteção essa capa é denominada casulo. Algumas espécies são
cultivadas para que esses fios se2am utilizados na ind&stria t%xtil a produção da
seda. 3s fios de seda são os fios que comp4em o casulo dessas mariposas. *esde a
antiguidade no 5apão e C$ina a mariposa parda Bombyx mori 6acima7 é
utilizada na ind&stria da seda que é uma fibra natural de prote(na composta de
fibrina. A sericina é uma goma protéica respons!vel pela união das fibrinas que
comp4em os fios de seda. 3s filamentos da seda são resistentes e podem ter
comprimentos que variam entre 899 a :99 metros; A produção da seda entretanto
envolve a aniquilação das cris!lidas contidas nos casulos que são colocados ainda
vivas em !gua quase fervente no processo de obtenção dos fios de seda que depois
de tingidos são utilizados na fabricação de tecidos.
Adultas – ap#s a metamorfose completa as borboletas adultas eclodem dos
casulos e esperam $oras para que as asas &midas e encol$idas endureçam para se
adequarem ao v+o. A partir da( iniciam a fase de acasalamento. 3s mac$os são
visto com freqü%ncia rondando as f%meas recém sa(das da fase de cris!lida antes
mesmo que elas possam adquirir a plena capacidade de voar. Ap#s a fecundação
as f%meas procuram depositar os ovos na parte superior das fol$as de plantas
$ospedeiras adequadas ao desenvolvimento das lagartas. <ara garantir a
perpetuação da espécie as borboletas são dotadas de extraordin!ria sensibilidade.
-egundo experimentos podem enxergar as cores com maior sensibilidade ao
vermel$o verde e amarelo e podem sentir o sabor das fol$as com as patas o que
facilita na procura de fol$as de plantas adequadas = oviposição.
)studos recentes indicam também que as borboletas não t%m um padrão de v+o
aleat#rio. A partir de micro"transmissores pesando apenas >? miligramas
colocados nos corpos desses delicados insetos cientistas brit0nicos puderam
monitorar e v+o de v!rias borboletas. Conclu(ram que existem basicamente dois
tipos de v+o. 3 v+o r!pido em lin$a reta no qual a borboleta se desloca em
velocidade nas rotas migrat#rias e o v+o lento em voltas e c(rculos com o
prop#sito de encontrar alimentos locais para dep#sito dos ovos e futura
$ibernação das pupas.
@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

FAUNA DE LEPIDÓPTEROS DO BIOMA CERRADO

INTRODUÇÃO
Os lepidópteros compõem a segunda maior diversidade de insetos do planeta e são
encontrados em quase todas as regiões do mundo, principalmente em locais tropicais.
São estimadas 150.000 espécies de lepidópteros, sendo a segunda maior ordem em
número de espécies de insetos.
No rasil, mais de !.500 espécies de "or"oletas #$ %oram descritas e 5& espécies de
'epidóptera estão amea(adas de e)tin(ão.
No *errado, e)istem apro)imadamente 1.000 espécies de "or"oletas e de 5 a + mil
espécies de mariposas. ,il-ares de espécies ainda estão por ser desco"ertas e
descritas por cientistas.
Os lepidópteros são insetos -olometa"ólicos, ou se#a, so%rem metamor%ose completa,
com est$gios de ovo, larva .lagarta/, pupa .cris$lida/ e adulto .imago/. Os adultos são
totalmente di%erentes das %ormas imaturas.


PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
0s principais caracter1sticas da ordem são as asas co"ertas de escamas e o aparel-o
"ucal sugador modi%icado em espirotrom"a ou pro"óscide, que é um tu"o enrolado em
espiral que %unciona semel-ante ao "rinquedo l1ngua2de2sogra. 3sse tipo de aparel-o
"ucal é e)clusivo dessa ordem de insetos, com a %un(ão de e)trair o néctar das %lores e
aspirar su"st4ncias l1quidas para se alimentar. Nos adultos que não se alimentam
apresentam o aparel-o "ucal atro%iado.
0 ca"e(a é arredondada e mais estreita que o tóra), com 1 par de ol-os compostos,
com grande número de omat1deos5 6 ocelos que podem %icar pouco aparentes por
causa das escamas que co"rem o corpo51 par de antenas de v$rios tipos e posicionadas
no "ordo interno dos ol-os5 1 aparel-o "ucal do tipo sugador. Na ca"e(a das lagartas
são encontrados ! pares de ol-os simples, 1 par de antenas e 1 aparel-o "ucal tipo
mastigador. 7anto os adultos quanto as lagartas possuem ! pares de pernas no tóra),
de taman-o vari$vel e muito delicadas. Só os adultos possuem 6 pares de asas
mem"ranosas e co"ertas por escamas, sendo as asas anteriores mais desenvolvidas
que as posteriores. 0s lagartas t8m %alsas pernas no a"dome, com ganc-in-os na "ase,
que servem para segurar o alimento. O a"dome dos adultos é alongado e reco"erto por
escamas, sendo a genit$lia, aparel-o se)ual e)terno.
*omo caracteres se)uais distintivos, pode2se salientar que as %8meas são maiores que
os mac-os5 estes são mais coloridos e possuem antenas di%erenciadas .c-amadas pelos
estudiosos de ornamentais/.

PRIMEIRA E SEGUNDA FASES
OVO E LARVA
0pós a %ecunda(ão, as %8meas come(am a "usca pela planta onde irão p9r seus ovos.
Os ovos são de diversas %ormas e colora(ões dependendo da %ase de desenvolvimento.
:eralmente, cada espécie, tem pre%er8ncia pelas plantas2alimento para o
desenvolvimento de suas lagartas.
0pós a eclosão dos ovos, as lagartas se alimentam das plantas onde se encontram. 0s
lagartas possuem cores variadas e corpo vermi%orme, reco"ertos por cerdas, que
podem ser urticantes. 0 colora(ão é vari$vel. 3las apresentam diversos mecanismos de
de%esa; cores c-amativas .apocem$ticas/, como aviso de perigo, cores miméticas
.con%undem2se com outras espécies/, cores -omocr9micas .para a camu%lagem/.
0presentam gl4ndulas de seda desenvolvidas, que servem para %a<er casulos ou
a"rigos em %ol-as. 3m algumas espécies, p8los urticantes e um osmaterio que é
geralmente %ormado por um par de processos carnosos e retr$teis locali<ados na região
%rontal do corpo que eliminam odores tó)icos. Sua alimenta(ão consiste primeiramente
no cório .casca do ovo/ e depois de di%erentes partes de um vegetal .caules, gal-os,
gavin-as, %ol-as, %lores, etc/ de acordo com a necessidade de cada espécie. Na sua
maioria são %itó%agas .que se alimentam de plantas/, sendo algumas consideradas
pragas e)tremamente pre#udiciais =s planta(ões como a lagarta2do2cartuc-o do mil-o
considerada a principal praga da cultura no rasil. >$ larvas que se alimentam de
cereais e tecidos, o que pode causar danos =s indústrias t8)teis e de processamento de
grãos.
0lgumas lagartas, como as taturanas .ou tatarana do tupi que signi%ica semel-ante ao
%ogo/, possuem import4ncia médica devido = presen(a de p8los urticantes e secre(ões
potencialmente perigosas que podem provocar sérias queimaduras ou até ó"itos

ILUSTRAÇÕES


?rimeira %ase dos ovos.
@oto; 0ma"1lio Aosé 0ires de *amargo
Ovos pró)imos = eclosão.
@oto; 0ma"1lio Aosé 0ires de *amargo
Segunda e ter(eira %ases de desenvolvimento da lagarta.
@oto; 0ma"1lio Aosé 0ires de *amargo
7er(eira %ase de desenvolvimento da lagarta.
@oto; 0ma"1lio Aosé 0ires de *amargo
Bltima %ase do desenvolvimento da lagarta.
@oto; 0ma"1lio Aosé 0ires de *amargo

TERCEIRA FASE
PUPA
Cuando as lagartas completam o seu desenvolvimento param de se alimentar e
procuram um local adequado para o est$gio de pupa.
0 pupa, geralmente é encerrada dentro de um casulo de seda, constru1do pela lagarta
antes da pupa(ão. A$ no casulo, a lagarta so%re a última muda e se trans%orma em pupa
.cris$lida/. 0s cris$lidas tam"ém apresentam varia(ão na %orma e colora(ão. 3las estão
%i)adas geralmente em plantas, que podem ser a própria planta2alimento da lagarta ou
não. >$ tam"ém, casos de instala(ão em outros suportes inclusive no solo, %ato este
mais comumente o"servado nas mariposas. 0inda ca"e destacar, que algumas
cris$lidas encontram2se envoltas por casulos ela"orados pela lagarta a partir de
secre(ões de seu corpo ou de material encontrado no meio. 3)emplo; "ic-o2da2seda e
"ic-o2do2cesto.

ILUSTRAÇÃO

?ulpa, est$gio comum de desenvolvimento das "or"oletas e mariposas.
@oto; 0ma"1lio Aosé 0ires de *amargo

QUARTA FASE
ADULTO
Da pupa emerge o adulto ou imago, a "or"oleta ou mariposa, voadores ativos. Os
adultos, tal como as lagartas, apresentam mecanismos de de%esa, com apocematismo,
mimetismo e camu%lagem. Cuanto = alimenta(ão, podem ser classi%icados como os que
não se alimentam .comem o necess$rio quando são lagartas e t8m espirotrom"as
atro%iadas ou não usuais/5 os que se alimentam nas %lores, "e"endo o néctar e ou o
pólen, que é dissolvido neste e os que se alimentam nos %rutos maduros, "e"endo o
sumo, l1quidos resultantes da decomposi(ão dos %rutos.

ILUSTRAÇÕES

Endiv1duo adulto de Copiopteryx montei.
@oto; 0m$"1lio Aosé 0ires de *amargo



PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE BORBOLETAS E MEARIPOSAS
0 ordem 'epidoptera compreende as "or"oletas e as mariposas. 3)istem di%eren(as que
permitem estes dois grupos;
Diferenç B!r"!#e$% Mri&!%%
F9o Diurno Noturno
7ipo de antena
*lavadas, semel-antes a
um mini taco de gol%e.
@ili%ormes .em %orma de %io/,
plumosas .em %orma de pena/,
e)ceto clavadas.
?osi(ão das asas em
repouso
0sas %icam levantadas e
%ec-adas, verticalmente ao
corpo.
0sas %icam estendidas
-ori<ontalmente so"re o corpo
*ores das asas *ores "ril-antes e variadas
*ores escuras, em"ora -a#a
e)ce(ões.
*orpo e cerdas
*orpo %ino com poucas
cerdas .escamas parecidas
com p8los/
*orpo gordo co"erto de cerdas
.peludo/

IMPORT'NCIA DOS LEPDÓPTEROS
Os lepidópteros possuem import4ncia ecológica, econ9mica e médica. *omo qualquer
ser na nature<a, %a<em parte da cadeia ecológica se#a como imaturos ou adultos.
Os ovos podem ser parasitados por outros insetos, as lagartas servem de alimentos
para insetos predadores e parasitas, aran-as e até verte"rados como p$ssaros, sapos,
lagartos, roedores. 7am"ém podem ser parasitadas por "actérias, %ungos e v1rus. 0s
pupas podem ser parasitadas por moscas e vespas. 3stas come(am a parasitar desde a
%orma de lagarta. Cuando se espera sair da pupa um adulto, se surpreende com o
aparecimento destes parasitas #$ adultos. *omo adultos, os lepidópteros podem ser
suporte alimentar de outros insetos, aran-as, p$ssaros, lagartos, sapos, morcegos e até
gato doméstico. Geali<am tam"ém a polini<a(ão quando sugam o néctar das %lores e
carregam pólen de uma %lor para outra. 3sses insetos parasitas e predadores, "em como
as "actérias, %ungos e v1rus são altamente usados no controle "iológico de pragas.
0s lagartas servem de alimento para certos 1ndios que as comem assadas. Os casulos
do "ic-o2da2seda asi$tico, com %io cont1nuo, dão a seda natural. 0 cria(ão dessas
mariposas c-ama2se sericicultura. 0 planta2alimento das lagartas é a amoreira. O "ic-o2
da2seda "rasileiro é a mariposa Rothschildia spp., o %io é descontinuo. 3st$ sendo
estudada para a produ(ão de seda.
0s lagartas podem causar danos =s culturas, por serem des%ol-adoras, consumindo
%ol-as e =s ve<es dei)am as plantas peladas. 3)istem lagartas que comem outras partes
dos vegetais; rai<, caule, %lor e até o %ruto, -$"ito que c-amamos -er"ivoria. >$ as que
consomem grãos arma<enados, cera de colméias e tam"ém roupas. 0 maioria consome
plantas de #ardins, -ortali(as, madeiras no"res, %rut1%eras, plantas cultivadas de modo
geral.
0s escamas dos lepidópteros adultos podem provocar irrita(ão nos ol-os e até
con#untivite em %un(ão da sensi"ilidade dos indiv1duos. No entanto, as escamas não
causam cegueira. 0s escamas de certas mariposas saturn1deas causam irrita(ão na pele,
as dermatites. 'agarta2de2%ogo, taturana, "ic-o2ca"eludo, pertencentes a diversas
%am1lias de lepidópteros noturnos; megalopig1deos, art1deos, saturn1deos, eucle1deos e
limantr1deos são as mais comuns e suas cerdas estão ligadas a gl4ndulas -ipodérmicas
que produ<em su"st4ncias urticantes. 3ssas cerdas se que"ram com %acilidade quando
tocadas, li"erando as su"st4ncias que podem causar vermel-idão local passageira,
ligeira queimadura, lesões mais e)tensas com %orma(ão de ves1culas e sintomas como
n$useas, g4nglios in%artados, %e"re e até -emorragias locais e generali<adas.

ALGUMAS FAMÍLIAS DE BORBOLETAS QUE OCORREM NO CERRADO

F()#i
Prin*i&i% *r*$er)%$i*%
P&i#i!n)+e!%
0s lagartas dessa %am1lia t8m uma estrutura c-amada osmetério
na parte dorsal do tóra), que %ica escondida dentro de uma
cavidade. Cuando a lagarta é pertur"ada essa estrutura vem
para %ora, e)alando um c-eiro %orte e desagrad$vel. Só as
lagartas desta %am1lia possuem essa estrutura, que atua contra
seus predadores e parasitas.

F()#i
Prin*i&i% *r*$er)%$i*%
Pier)+e!%
O taman-o dos adultos varia entre pequeno e médio. 0s cores
mais %reqHentes são "ranca, amarela ou laran#a, marcadas de
preto. 0s lagartas atacam -ortali(as como o couve e
leguminosas do g8nero Cassia. Os adultos migram aos "andos e
pousam nas "eiras de rios, igarapés, areia úmida para sugarem
minerais e $gua. Outras "or"oletas adultas tam"ém se
alimentam assim, como os -esper1deos e papilion1deos.

F()#i
Prin*i&i% *r*$er)%$i*%
Ninf#)+e!%
Ima das grandes %am1lias de "or"oletas, de cores variadas. Nas
classi%ica(ões mais recentes outras "or"oletas, antes
consideradas em %am1lias di%erentes, passaram a ser su"2
%am1lias dessa %am1lia. Caligo sp. .antes rassol1neo/, c-amado
"or"oleta coru#a devido =s manc-as ocelares, na %ace in%erior
das asas in%eriores, que parecem ol-os de coru#a. 0s lagartas
são "rocas de pseudo2caules de "ananeira. Agraulis sp. .antes
>elicon1neo/, praga do maracu#$ que se alimentam de suas
%ol-as, sendo os adultos alaran#ados, com riscos e manc-as
pretas na parte superior das asas e na %ace in%erior das mesmas
são prateadas. Morpho menelaus .antes ,or%1neo/, c-amado
a<ul2seda, devido ao a<ul met$lico, na %ace dorsal das asas. 0s
lagartas alimentam2se de plantas silvestres. Hamadryas feronia
.antes Nin%al1neo/, c-amadas "or"oleta cari#ó e estaladeira,
porque produ<em ru1do seco ao voar. Colobura dirce .antes
Nin%al1neo/, nome vulgar "or"oleta <e"ra, por causa do desen-o
na %ace ventral de am"as as asas. 0 sua planta2alimento é a
im"aú"a. Junonia evarete .Nin%al1neo/, tem porte médio e asas
com manc-as ocelares

ALGUMAS FAMÍLIAS DE MARIPOSAS QUE OCORREM NO CERRADO

F()#i
Prin*i&i% *r*$er)%$i*%
E%fin,)+e!%
O taman-o varia de grandes .60 cm de envergadura das asas/
até pequenas. 0specto incon%und1vel; corpo ro"usto, asas
anteriores %ortes, triangulares, longas e estreitas5 asas
posteriores triangulares, mas pequenas, sempre menores que
as anteriores. O nome da %am1lia provém do comportamento de
suas lagartas que se pertur"adas %icam com a parte anterior do
corpo mais ou menos ereta, um certo tempo, lem"rando a pose
da es%inge eg1pcia. 78m import4ncia econ9mica, pois são pragas
de v$rias culturas e tam"ém como adultos são polini<adores,
devido ao -$"ito alimentar.
Protambulyx strigilis, nome vulgar; %i%es. 78m padrão colorido
das asas marron "em claro, com pontos escuros e laran#a, com
riscos escuros. ?lantas -ospedeiras são o ca#ueiro, a ca#arana.
Pachylia fícus, colora(ão marron escuras, com um ponto "ranco
na parte in%erior de cada asa posterior. 0limentam2se de
%igueiras, #aqueira.
Cocytius duponchel, de cor esverdeada com tra(os marrons5
rinnyis ello, nome comum dessas lagartas é mandarov$s, são
de cor acin<entada. 0s plantas -ospedeiras são a maca)eira,
mandioca, seringueira, mamoeiro e outras.

F()#i
Prin*i&i% *r*$er)%$i*%
C!%%)+e!%
7aman-o médio a grande, corpo ro"usto, muitas ve<es
con%undidos com os es%ing1deos. ,uitas espécies são de cor
parda escura, com pequenas manc-as "rancas, ou asas "rancas
com estrias e manc-as pretas.
!yleutes sp., as lagartas dessa espécie são "rocas de caules, e
=s ve<es, atingem as ra1<es da planta. ?lanta alimento é a
laran#eira e as leguminosas.

F()#i
Prin*i&i% *r*$er)%$i*%
S$-rn)+e!%
O taman-o varia muito, desde pequenos a muito grandes. Não
t8m espirotrom"a, não se alimentam quando adultos. ,uitas
lagartas possuem cerdas ou espin-os com su"st4ncia urticante,
como por e)emplo, a Hylesia sp. ou até letal como a "onomia
sp.
acles imperialis, mariposas de cor amarela com manc-as
marrons, suas lagartas vora<es se alimentam de a"acateiro,
ca#ueiro, mangueira, goia"eira e outras.

F()#i
Prin*i&i% *r*$er)%$i*%
N!*$-)+e!%
,aior %am1lia de lepidópteros, com maior número de espécies
con-ecidas. 7am"ém t8m o maior número de pragas. ?ossuem
cores som"rias de modo geral e poucas cores mais vivas.
#hysania agrippina, imperador, é o maior lepidóptero do mundo,
quanto = envergadura. *olora(ão cin<a prateada com tra(os em
<ig2<ag escuros.
Ascalapha odorata, nome vulgar é "ru)a, com cores escuras do
marron ao preto, alimenta2se do ing$ e leguminosas.

ILUSTRAÇÕES DE MARIPOSAS QUE OCORREM NO CERRADO
Endiv1duo adulto da mariposa #itaea orsimone.
@oto; 0ma"1lio Aosé 0ires de *amargo
Endiv1duo adulto da mariposa #itaea tamerlan.
@oto; 0ma"1lio Aosé 0ires de *amargo
Endiv1duo adulto da mariposa Arsenura meander.
@oto; 0ma"1lio Aosé 0ires de *amargo
Endiv1duo adulto da mariposa Rhescyntis reducta.
@oto; 0ma"1lio Aosé 0ires de *amargo
Endiv1duo adulto da mariposa "oxonomia serpentina.
@oto; 0ma"1lio Aosé 0ires de *amargo

Interesses relacionados